SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
Discurso de despedida do Diretório do BID
Ricardo Carneiro
30/06/2016
Caro Presidente Luis Alberto Moreno, caro Secretário German Quintana, estimadas
Diretoras, estimados Diretores e demais membros do Diretório e da Administração presentes
nesta sessão;
Despeço-me deste Diretório num momento difícil para a região e, sobretudo para meu
país. Após três décadas de aprofundamento da democracia e, nas últimas duas, de significativo
avanço social, sobrevém uma tentativa de ruptura institucional. Nas discussões substantivas ora
em curso no Senado, se está muito longe de provar um crime de responsabilidade da Presidenta,
condição imprescindível para caracterizar uma violação da Constituição e, portanto, realizar
legitimamente o impeachment.
Mas, se as motivações jurídicas são controversas, as políticas são cristalinas. De fato, há
no Brasil, hoje, uma sociedade dividida e o clamor das ruas a favor e contra o impeachment.
Mas, a principal força da tentativa de ruptura institucional vem de um conjunto de interesses que
se expressam numa coalizão partidária, hoje majoritária no Congresso. Há nessa coalizão a
representação de interesses difusos de parte da população vitimada pela recessão e pelo
desemprego. Porém, há também e, principalmente, agendas econômicas e políticas que foram
derrotadas nas urnas e que estão se impondo de forma ilegítima.
Gostaria, nesta minha breve reflexão, de iniciar discutindo o pano de fundo da crise atual.
Para entendê-la é necessário destacar o papel que hoje desempenham na nossa sociedade as
classes médias, em particular a assim dita nova classe média, um grupo social com aspirações de
classe média e condições de existência de classe trabalhadora. Suas características são:
alinhamentos políticos e ideológicos pouco profundos, supervalorização de aspectos econômicos
e, vulnerabilidade econômica e social. Ou seja, este segmento é extremamente sensível à
2
trajetória da economia e tem sido o fiel da balança das configurações político-ideológicas dos
governos nos últimos anos, movendo o pêndulo à esquerda e à direita.
Com a progressiva desaceleração da economia após 2011, o Governo Dilma, já no seu
primeiro mandato, vai perdendo popularidade. Na raiz do problema está a incapacidade das
políticas postas em prática em conter e reverter a desaceleração, após o sucesso inicial das
políticas anticíclicas implantadas no Governo Lula, até 2010. Explicar o insucesso dessas
políticas econômicas é crucial para entender a crise e seus desdobramentos.
Em 2010, o problema com o qual a economia brasileira se defrontava, num contexto de
um cenário internacional muito menos favorável, era o de buscar novas fontes de dinamismo. Os
impulsos do ciclo anterior haviam sido as exportações – embora menos relevantes no caso
brasileiro do que na América Latina – e, sobretudo, o consumo, fundado no crescimento da renda
e do crédito, mas impulsionado pelas políticas redistributivas e de inclusão social. Os desafios
eram, portanto, resolver gargalos estruturais importantes herdados do ciclo anterior e, neste
processo, um setor tinha e tem um destaque crucial: a infraestrutura.
A partir da desaceleração da economia, os problemas foram se acumulando. No âmbito
propriamente econômico, o caráter fortemente pro-cíclico do regime fiscal brasileiro foi
deteriorando as finanças públicas e aguçando os conflitos distributivos no âmbito do orçamento.
No plano social, a desaceleração foi retirando apoio popular ao Governo e terminou por conduzir
a uma vitória apertada nas eleições de 2014, fazendo antever um governo difícil no segundo
mandato Dilma. Ou seja, havia necessidade de correção de rotas, mas não problemas agudos a
enfrentar. Estes últimos, sim, existem hoje e foram criados pelo clima de confrontação política.
Também há que se reconhecer que a orientação de política econômica seguida após 2015, a
contração fiscal expansionista, contribuiu para agravar a situação econômica e ampliar a crise
política.
No Brasil do segundo mandato de Dilma, a combinação da política fiscal contracionista
com a crise política expressa na crescente imobilização do governo no âmbito parlamentar levou
à maior recessão da história contemporânea do país. O caráter fortemente pró-cíclico do regime
fiscal brasileiro conduziu a uma crescente deterioração do seu quadro, com significativas quedas
de receitas e surgimento de déficit primário expressivo, em 2015, o primeiro em quinze anos.
3
Neste contexto, a lei fiscal brasileira, com as suas normativas, constrangeu ainda mais o
Governo. Assim, por exemplo, a fixação de uma meta de superávit anual num quadro de
despesas indexadas e receitas declinantes obrigou a sua revisão recorrente, e o recurso a
adiantamentos temporários dos bancos – as denominadas pedaladas – até a revisão da meta e sua
aprovação no Congresso. Caso este recurso não fosse utilizado a política tornar-se-ia
desmesuradamente pró-cíclica.
O Governo Temer inicia-se com uma baixa popularidade, não muito diferente de Dilma,
mas ao contrário dela, cuja desaprovação era muito alta, tem o beneplácito da dúvida. A nova
classe média espreita, aguarda e pode aderir ao Governo. Já no plano da legitimidade o espaço é
menor: além da oposição da esquerda, dos seus partidos e dos movimentos sociais organizados, o
início do Governo Temer pôs contra ele uma parte da opinião pública de centro, republicana. O
fato emblemático nesse caso foi a constituição de um ministério com vários investigados em
processos de corrupção. A necessidade de demitir ministros, cujas participações nesses processos
foram constatadas ou delatadas, consolidou essa avaliação negativa.
A base parlamentar no Congresso por sua vez tem se mostrado ampla e coesa nas
votações iniciais, mas é caracterizada por elevado conservadorismo e um fisiologismo inusitado.
Ou seja, para aprovar medidas como a nova meta fiscal que criaram um espaço elástico para
ampliar gastos, ou a nova desvinculação de receitas, a coesão foi elevada. Até o momento e, no
curto prazo, funcionou esta espécie de keynesianismo fisiológico. Porém, o que dizer da
aprovação de medidas que implicam em arbitrar entre interesses e impor perdas como, por
exemplo, o teto dos gastos, a reforma da Previdência que inclusive exigem maioria qualificada?
Cabe a dúvida se nesses itens que constituem o núcleo do novo modelo econômico a base no
Congresso não vai exigir compensações, desvirtuando-o.
Por fim, cabe considerar como vão se comportar a imprensa e o Judiciário. A primeira,
que se manteve numa posição unânime na crítica do Governo Dilma e do PT, já mostra sinais de
diversidade. E, nesse caso, vozes dissonantes, amplificadas pelos blogs e redes sociais, podem
significar que a cobertura dos equívocos do Governo e dos processos de corrupção poderá
continuar. Pelo menos, parte do Judiciário e o Ministério Público também sinalizam que vão
manter tom parecido com o anterior. As tentativas de controle do Judiciário e de abafamento da
4
lava jato por parte da coalizão que hoje governa o país, não estão logrando êxito, pelo menos, por
enquanto.
No campo da economia, o Governo Temer anunciou um programa intensamente pró-
mercado visando melhorar as expectativas e ampliar a confiança. Sua hipótese é a de que esses
dois elementos associados às reformas que se seguirão farão a economia retomar o crescimento
em patamares adequados. Faz parte do programa uma nova regra fiscal, na qual as despesas dos
anos subsequentes terão como teto as despesas do ano anterior corrigidas pela inflação;
privatizações, ainda sem alvos específicos e novas regras para as concessões na área de
infraestrutura, ampliando seu caráter market-friendly.
A nova regra fiscal pretende congelar as despesas em termos reais, objetivo bastante
discutível para um país com o nível de gasto público per capita do Brasil. Se é certo que as
despesas primárias vinham crescendo acima do PIB por um longo período, nada justifica
estabelecer uma meta tão draconiana. Fazê-la crescer em linha com o PIB seria bem mais
razoável. Por sua vez, a meta implicará a necessidade de rever as vinculações e indexações de
despesas relevantes como Saúde e Educação, pois os gastos com a Previdência se elevarão
inexoravelmente. A disputa por recursos no âmbito do orçamento será exacerbada e a pressão
para romper a regra será permanente. Por último, mas não menos importante, a nova regra fiscal,
ao implicar a redução progressiva da participação dos gastos públicos no PIB, deverá atuar como
um fator de contração da demanda agregada.
O setor de infraestrutura é absolutamente central à retomada do crescimento. Assim, a
aposta na sua ampliação, parece correta. A pergunta é porque não funcionou no governo Dilma?
A estória da intervenção excessiva, inclusive na taxa de retorno tem um grão de verdade. Mas, já
havia sido corrigida. No crescimento do setor há vários problemas difíceis de resolver, para além
do marco regulatório, confiança etc. O principal deles é o financiamento. Reduzir o papel do
BNDES, como está anunciado na estratégia proposta, tornará ainda mais difícil executar o
programa.
Na análise das dificuldades para a recuperação da economia destacam-se também os
elevados graus de endividamento das famílias. No caso dessas últimas, o declínio dos salários e o
elevado desemprego somam-se para delinear uma perspectiva acanhada do consumo. A única
5
fonte de estímulo consistente para a economia brasileira é o crescimento das exportações
líquidas. Se a taxa de câmbio permanecer num patamar competitivo pode-se contar com algum
impulso, muito mais da substituição de importações do que do crescimento das exportações. Isto
porque todas as projeções das economias mais relevantes, EUA e China; sinalizam uma
desaceleração. Com todas essas ressalvas é bastante provável que a economia brasileira leve
mais tempo para se recuperar e estabelecer um patamar razoável de crescimento. Ou seja, é
muito mais provável que o Governo Temer vá meramente sobreviver, empurrando para 2018 a
solução da crise política e a definição de um processo de crescimento sustentado.
Gostaria agora de me dedicar um pouco ao tema do BID e os seus desafios estratégicos.
O Brasil, para além da condição de segundo acionista do grupo BID e seu maior prestatário, tem
uma responsabilidade maior com esta instituição que transcende uma participação convencional.
Ao ver no seu átrio, o busto do Presidente Juscelino Kubitschek, o do presidente J.F.Kennedy, e
o de Felipe Herrera, dois dos seus principais fundadores, e seu primeiro presidente; relembro o
sentido maior do compromisso assumido por nosso país com o desenvolvimento e das nossas
responsabilidades com a América Latina.
Ao longo desses quatro anos muitas decisões importantes foram tomadas. Destaco duas
delas pelo seu caráter decisivo para o futuro do BID. A de caráter mais positivo foi, sem dúvida,
a criação da NewCo. Com a criação desta última, por meio de uma capitalização seletiva e fusão
de todas as janelas dedicadas ao setor privado do grupo BID (merge out), procurou-se superar
um antigo problema do grupo: a ineficácia com a qual se tratava o financiamento ao setor
privado da região. Uma grande inovação do ponto de vista operacional, com novas abordagens e
novos instrumentos e maior capacidade de mobilização de recursos por meio de parcerias com
outras instituições financeiras. Outro ponto crucial: a ampliação do peso dos acionistas asiáticos,
em particular a China e a Coréia, e que certamente darão uma contribuição decisiva à NewCo.
Outra transformação de grande monta foi a radical mudança na política financeira do
BID, motivada pela mudança de postura das agências de rating. Estas, num misto de viés anti
bancos públicos e de tentativa de recuperar sua reputação, prejudicada pelos seus papéis nefastos
na gestação da crise financeira, engendraram uma nova metodologia profundamente inadequada
para os bancos multilaterais, sobretudo os regionais. Ao reduzir o papel do callable capital,
6
atenuar o estatuto do credor preferencial e dar mais peso à concentração da carteira por países, a
nova metodologia teve o efeito crucial de ampliar a necessidade de capital dessas instituições.
Esta mudança, associada a uma histórica deficiência de capital do BID, levou a
instituição a uma encruzilhada: capitalizar-se ou perder relevância na região. Olhando esta
questão estratégica, cabe assinalar a assimetria no comportamento dos grupos que compõem a
instituição. O GRULAC por diversas vezes, inclusive recentemente, com a aceitação da
ampliação de encargos retroativos e pela sempre presente disposição em por recursos novos na
instituição, reitera a cada momento o seu interesse em uma instituição fortalecida. Com o perdão
da franqueza, não vejo no grupo dos não prestatários, com exceções, a mesma postura. Nesses
anos aqui, presenciei muitas exigências quanto à eficiência, redução de custos, ampliação das
condicionalidades, propostas de maior abrangência das atividades de oversight, exigências de
maiores transferências da renda líquida do banco para ações que a rigor deveriam buscar recursos
nos Tesouros Nacionais. Tudo isto, sem novos aportes de capital. Este se fez majoritariamente,
pela acumulação de lucros, ou seja, o fizemos nós, prestatários, com os juros pagos pelos
empréstimos. Assim, discutir uma nova capitalização seletiva do BID e sua abertura a novos
sócios, principalmente China e Coreia é uma tarefa urgente.
Termino com uma nota pessoal. Participar dos Diretórios do grupo BID representando o
Brasil foi um enorme desafio. Atuar em negociações difíceis, com interesses divergentes, em
torno de temas complexos e que demandavam soluções práticas e inadiáveis requereu
desenvolver habilidades que pela minha vida pregressa não haviam sido muito cultivadas. Venho
da academia e da militância político-intelectual, das salas de aulas, dos meetings políticos, dos
artigos e entrevistas na mídia e, portanto, de atividades que visam, sobretudo, gerar ideias e
conhecimento e divulgá-los. Assim, para desempenhar a contento meu papel no BID, tive que
me reinventar. Espero ter logrado êxito.
Volto ao meu país num momento crítico de ruptura institucional, mas com uma certeza: a
sociedade brasileira não cabe num golpe, qualquer que seja a sua natureza. Ela é marcada por
uma diversidade substantiva que se expressa em variados, profundos e robustos movimentos
sociais e culturais. Nem mesmo a ditadura militar se impôs por muito tempo a esta sociedade,
embora lhe tenha feito muito mal. A legitimidade é um imperativo maior no ambiente social
7
brasileiro e este Governo muito dificilmente se tornará legítimo. Ainda mais porque tem como
agenda principal o desmonte do nosso incipiente Estado do Bem Estar Social.
Somente eleições diretas gerais serão capazes de corrigir o déficit de legitimidade que
hoje tem o Governo interino, da mesma maneira que somente elas corrigirão a baixa
popularidade da Presidente Dilma Roussef, caso ela retorne ao poder. Mas, o sistema político
brasileiro precisa ser completamente restruturado. São necessárias várias reformas na direção de
ampliar a representatividade e eliminar a influência do poder econômico nas eleições. Ou seja, é
necessário ir fundo na eliminação das raízes da corrupção. É necessária, também, uma Justiça
republicana, sem partidarismos políticos e ideológicos, necessidade que se estende também à
imprensa, cuja característica em nosso país é a concentração econômica e a pequena diversidade
de opinião. Faço, por fim, uma profissão de fé: a democracia, a justiça social e os direitos
humanos se ampliarão e se consolidarão no Brasil, tenho certeza.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Moção Política - Mobilizar Portugal
Moção Política - Mobilizar PortugalMoção Política - Mobilizar Portugal
Moção Política - Mobilizar PortugalMobilizar Portugal
 
Boletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFESeconomiaufes
 
Boletim 28 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 28 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 28 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 28 - Grupo de conjuntura econômica da UFESeconomiaufes
 
Demanda agregada e a desaceleração do crescimento econômico brasileiro de 201...
Demanda agregada e a desaceleração do crescimento econômico brasileiro de 201...Demanda agregada e a desaceleração do crescimento econômico brasileiro de 201...
Demanda agregada e a desaceleração do crescimento econômico brasileiro de 201...Grupo de Economia Política IE-UFRJ
 
Eleições 2010 e o Caminho da Vitória
Eleições 2010 e o Caminho da VitóriaEleições 2010 e o Caminho da Vitória
Eleições 2010 e o Caminho da Vitóriatatiraquel
 
Boletim 53 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 53 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 53 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 53 - Grupo de conjuntura econômica da UFESeconomiaufes
 
Boletim 35 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 35 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 35 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 35 - Grupo de conjuntura econômica da UFESeconomiaufes
 
Boletim 57 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 57 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 57 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 57 - Grupo de conjuntura econômica da UFESeconomiaufes
 
Marcondes Neto no Brasil Econômico - 02/07/2015 - P. 31
Marcondes Neto no Brasil Econômico - 02/07/2015 - P. 31Marcondes Neto no Brasil Econômico - 02/07/2015 - P. 31
Marcondes Neto no Brasil Econômico - 02/07/2015 - P. 31Manoel Marcondes Neto
 
O estado de s.paulo bizup
O estado de s.paulo   bizupO estado de s.paulo   bizup
O estado de s.paulo bizupDANTE IACOVONE
 
Aspectos Políticos do Desemprego: A Guinada Neoliberal do Brasil
Aspectos Políticos do Desemprego: A Guinada Neoliberal do BrasilAspectos Políticos do Desemprego: A Guinada Neoliberal do Brasil
Aspectos Políticos do Desemprego: A Guinada Neoliberal do BrasilGrupo de Economia Política IE-UFRJ
 
A política econômica durante o governo lula (2003 2010) cenários, resultad...
A  política econômica durante  o governo  lula (2003 2010) cenários, resultad...A  política econômica durante  o governo  lula (2003 2010) cenários, resultad...
A política econômica durante o governo lula (2003 2010) cenários, resultad...Gabriel Morais
 
Os desafios do governo michel temer
Os desafios do governo michel temerOs desafios do governo michel temer
Os desafios do governo michel temerFernando Alcoforado
 
Comércio exterior e transição da economia ( Governo Lula)
Comércio exterior e transição da economia ( Governo Lula)Comércio exterior e transição da economia ( Governo Lula)
Comércio exterior e transição da economia ( Governo Lula)Pâmela Nogueira da Silva
 
CI - 2011 - perspectivas econômicas para 2011
CI - 2011 - perspectivas econômicas para 2011CI - 2011 - perspectivas econômicas para 2011
CI - 2011 - perspectivas econômicas para 2011Delta Economics & Finance
 
Pesquisa CNI/Ibope sobre a avaliação do governo Michel Temer
Pesquisa CNI/Ibope sobre a avaliação do governo Michel Temer Pesquisa CNI/Ibope sobre a avaliação do governo Michel Temer
Pesquisa CNI/Ibope sobre a avaliação do governo Michel Temer Aquiles Lins
 

Mais procurados (20)

Moção Política - Mobilizar Portugal
Moção Política - Mobilizar PortugalMoção Política - Mobilizar Portugal
Moção Política - Mobilizar Portugal
 
Boletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Boletim 28 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 28 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 28 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 28 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Demanda agregada e a desaceleração do crescimento econômico brasileiro de 201...
Demanda agregada e a desaceleração do crescimento econômico brasileiro de 201...Demanda agregada e a desaceleração do crescimento econômico brasileiro de 201...
Demanda agregada e a desaceleração do crescimento econômico brasileiro de 201...
 
Eleições 2010 e o Caminho da Vitória
Eleições 2010 e o Caminho da VitóriaEleições 2010 e o Caminho da Vitória
Eleições 2010 e o Caminho da Vitória
 
Boletim 53 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 53 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 53 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 53 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Boletim 35 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 35 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 35 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 35 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
12 anos de governos do pt
12 anos de governos do pt12 anos de governos do pt
12 anos de governos do pt
 
Boletim 57 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 57 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 57 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 57 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Marcondes Neto no Brasil Econômico - 02/07/2015 - P. 31
Marcondes Neto no Brasil Econômico - 02/07/2015 - P. 31Marcondes Neto no Brasil Econômico - 02/07/2015 - P. 31
Marcondes Neto no Brasil Econômico - 02/07/2015 - P. 31
 
O estado de s.paulo bizup
O estado de s.paulo   bizupO estado de s.paulo   bizup
O estado de s.paulo bizup
 
Futuros cenários para o brasil
Futuros cenários para o brasilFuturos cenários para o brasil
Futuros cenários para o brasil
 
Agenda 45 1
Agenda 45 1Agenda 45 1
Agenda 45 1
 
Aspectos Políticos do Desemprego: A Guinada Neoliberal do Brasil
Aspectos Políticos do Desemprego: A Guinada Neoliberal do BrasilAspectos Políticos do Desemprego: A Guinada Neoliberal do Brasil
Aspectos Políticos do Desemprego: A Guinada Neoliberal do Brasil
 
A política econômica durante o governo lula (2003 2010) cenários, resultad...
A  política econômica durante  o governo  lula (2003 2010) cenários, resultad...A  política econômica durante  o governo  lula (2003 2010) cenários, resultad...
A política econômica durante o governo lula (2003 2010) cenários, resultad...
 
Os desafios do governo michel temer
Os desafios do governo michel temerOs desafios do governo michel temer
Os desafios do governo michel temer
 
Choque de produtividade
Choque de produtividadeChoque de produtividade
Choque de produtividade
 
Comércio exterior e transição da economia ( Governo Lula)
Comércio exterior e transição da economia ( Governo Lula)Comércio exterior e transição da economia ( Governo Lula)
Comércio exterior e transição da economia ( Governo Lula)
 
CI - 2011 - perspectivas econômicas para 2011
CI - 2011 - perspectivas econômicas para 2011CI - 2011 - perspectivas econômicas para 2011
CI - 2011 - perspectivas econômicas para 2011
 
Pesquisa CNI/Ibope sobre a avaliação do governo Michel Temer
Pesquisa CNI/Ibope sobre a avaliação do governo Michel Temer Pesquisa CNI/Ibope sobre a avaliação do governo Michel Temer
Pesquisa CNI/Ibope sobre a avaliação do governo Michel Temer
 

Destaque

Ensaio acadêmico sobre o livro Juristocracy
Ensaio acadêmico sobre o livro JuristocracyEnsaio acadêmico sobre o livro Juristocracy
Ensaio acadêmico sobre o livro JuristocracyCarlos Eduardo
 
Despedida profesor muñoz
Despedida profesor muñozDespedida profesor muñoz
Despedida profesor muñozandrea muñoz
 
Discurso de despedida del profesor
Discurso de despedida del profesorDiscurso de despedida del profesor
Discurso de despedida del profesorelizabeth faundez
 
Palabras de despedida
Palabras de despedidaPalabras de despedida
Palabras de despedidasonia isabel
 
Despedida por jubilación de una profesora de Secundaria
Despedida por jubilación de una profesora de SecundariaDespedida por jubilación de una profesora de Secundaria
Despedida por jubilación de una profesora de SecundariaRosaHz
 
Mensaje despedida a una compañera de trabajo
Mensaje despedida a una compañera de trabajoMensaje despedida a una compañera de trabajo
Mensaje despedida a una compañera de trabajoJefferson Abarca
 

Destaque (9)

Ensaio acadêmico sobre o livro Juristocracy
Ensaio acadêmico sobre o livro JuristocracyEnsaio acadêmico sobre o livro Juristocracy
Ensaio acadêmico sobre o livro Juristocracy
 
Despedida profesor muñoz
Despedida profesor muñozDespedida profesor muñoz
Despedida profesor muñoz
 
Discurso de despedida del profesor
Discurso de despedida del profesorDiscurso de despedida del profesor
Discurso de despedida del profesor
 
Palabras de despedida
Palabras de despedidaPalabras de despedida
Palabras de despedida
 
Despedida, agradecimiento
Despedida, agradecimiento Despedida, agradecimiento
Despedida, agradecimiento
 
Palabras de despedida
Palabras de despedidaPalabras de despedida
Palabras de despedida
 
Palabras de despedida
Palabras de despedidaPalabras de despedida
Palabras de despedida
 
Despedida por jubilación de una profesora de Secundaria
Despedida por jubilación de una profesora de SecundariaDespedida por jubilación de una profesora de Secundaria
Despedida por jubilación de una profesora de Secundaria
 
Mensaje despedida a una compañera de trabajo
Mensaje despedida a una compañera de trabajoMensaje despedida a una compañera de trabajo
Mensaje despedida a una compañera de trabajo
 

Semelhante a Discurso de-despedida-do-bid-1

Boletim 54 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 54 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 54 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 54 - Grupo de conjuntura econômica da UFESeconomiaufes
 
Documento critico-ao-primeiro-ano-do-governo-dilma1
Documento critico-ao-primeiro-ano-do-governo-dilma1Documento critico-ao-primeiro-ano-do-governo-dilma1
Documento critico-ao-primeiro-ano-do-governo-dilma1Jamildo Melo
 
Governabilidade e economia ameaçadas no brasil
Governabilidade e economia ameaçadas no brasilGovernabilidade e economia ameaçadas no brasil
Governabilidade e economia ameaçadas no brasilFernando Alcoforado
 
Reforma Administrativa do Governo Federal - Contornos, mitos e alternativas
Reforma Administrativa do Governo Federal - Contornos, mitos e alternativas Reforma Administrativa do Governo Federal - Contornos, mitos e alternativas
Reforma Administrativa do Governo Federal - Contornos, mitos e alternativas Reconta Aí
 
Resumo. o ajuste fiscal do governo dilma rousseff 2015
Resumo. o ajuste fiscal do governo dilma rousseff 2015Resumo. o ajuste fiscal do governo dilma rousseff 2015
Resumo. o ajuste fiscal do governo dilma rousseff 2015Enio Economia & Finanças
 
Economia brasileira ameaçada pelo ajuste fiscal do governo michel temer
Economia brasileira ameaçada pelo ajuste fiscal do governo michel temerEconomia brasileira ameaçada pelo ajuste fiscal do governo michel temer
Economia brasileira ameaçada pelo ajuste fiscal do governo michel temerFernando Alcoforado
 
Uma ponte para o futuro - documento do PMDB
Uma ponte para o futuro - documento do PMDBUma ponte para o futuro - documento do PMDB
Uma ponte para o futuro - documento do PMDBGiovanni Sandes
 
Doc austeridade doc3--l9
Doc austeridade doc3--l9Doc austeridade doc3--l9
Doc austeridade doc3--l9Pablo Mereles
 
Boletim 29 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 29 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 29 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 29 - Grupo de conjuntura econômica da UFESeconomiaufes
 
A falência dos sistemas político e econômico do brasil
A falência dos sistemas político e econômico do brasilA falência dos sistemas político e econômico do brasil
A falência dos sistemas político e econômico do brasilFernando Alcoforado
 
Política fiscal
Política fiscalPolítica fiscal
Política fiscalPaulo Lima
 
A ofensiva neoliberal do governo michel temer
A ofensiva neoliberal do governo michel temerA ofensiva neoliberal do governo michel temer
A ofensiva neoliberal do governo michel temerFernando Alcoforado
 
Os impasses econômicos e políticos do brasil
Os impasses econômicos e políticos do brasilOs impasses econômicos e políticos do brasil
Os impasses econômicos e políticos do brasilFernando Alcoforado
 
Boletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFESeconomiaufes
 
Entrevista Dilma Rousseff 1
Entrevista  Dilma Rousseff 1Entrevista  Dilma Rousseff 1
Entrevista Dilma Rousseff 1guest6f3978
 
Discurso Armando Monteiro no Ministério do Desenvolvimento
Discurso Armando Monteiro no Ministério do DesenvolvimentoDiscurso Armando Monteiro no Ministério do Desenvolvimento
Discurso Armando Monteiro no Ministério do DesenvolvimentoPaulo Veras
 
Crise financeira atinge estados e os países de maneira diferente
Crise financeira atinge estados e os países de maneira diferente  Crise financeira atinge estados e os países de maneira diferente
Crise financeira atinge estados e os países de maneira diferente Enio Verri
 

Semelhante a Discurso de-despedida-do-bid-1 (20)

PEC 241 - Austeridade
PEC 241 - AusteridadePEC 241 - Austeridade
PEC 241 - Austeridade
 
Boletim 54 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 54 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 54 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 54 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Documento critico-ao-primeiro-ano-do-governo-dilma1
Documento critico-ao-primeiro-ano-do-governo-dilma1Documento critico-ao-primeiro-ano-do-governo-dilma1
Documento critico-ao-primeiro-ano-do-governo-dilma1
 
Governabilidade e economia ameaçadas no brasil
Governabilidade e economia ameaçadas no brasilGovernabilidade e economia ameaçadas no brasil
Governabilidade e economia ameaçadas no brasil
 
Reforma Administrativa do Governo Federal - Contornos, mitos e alternativas
Reforma Administrativa do Governo Federal - Contornos, mitos e alternativas Reforma Administrativa do Governo Federal - Contornos, mitos e alternativas
Reforma Administrativa do Governo Federal - Contornos, mitos e alternativas
 
Artigo plano real
Artigo plano realArtigo plano real
Artigo plano real
 
Resumo. o ajuste fiscal do governo dilma rousseff 2015
Resumo. o ajuste fiscal do governo dilma rousseff 2015Resumo. o ajuste fiscal do governo dilma rousseff 2015
Resumo. o ajuste fiscal do governo dilma rousseff 2015
 
Economia brasileira ameaçada pelo ajuste fiscal do governo michel temer
Economia brasileira ameaçada pelo ajuste fiscal do governo michel temerEconomia brasileira ameaçada pelo ajuste fiscal do governo michel temer
Economia brasileira ameaçada pelo ajuste fiscal do governo michel temer
 
Uma Ponte Para o Futuro Michel Temer PMDB
Uma Ponte Para o Futuro Michel Temer PMDBUma Ponte Para o Futuro Michel Temer PMDB
Uma Ponte Para o Futuro Michel Temer PMDB
 
Uma ponte para o futuro - documento do PMDB
Uma ponte para o futuro - documento do PMDBUma ponte para o futuro - documento do PMDB
Uma ponte para o futuro - documento do PMDB
 
Doc austeridade doc3--l9
Doc austeridade doc3--l9Doc austeridade doc3--l9
Doc austeridade doc3--l9
 
Boletim 29 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 29 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 29 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 29 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
A falência dos sistemas político e econômico do brasil
A falência dos sistemas político e econômico do brasilA falência dos sistemas político e econômico do brasil
A falência dos sistemas político e econômico do brasil
 
Política fiscal
Política fiscalPolítica fiscal
Política fiscal
 
A ofensiva neoliberal do governo michel temer
A ofensiva neoliberal do governo michel temerA ofensiva neoliberal do governo michel temer
A ofensiva neoliberal do governo michel temer
 
Os impasses econômicos e políticos do brasil
Os impasses econômicos e políticos do brasilOs impasses econômicos e políticos do brasil
Os impasses econômicos e políticos do brasil
 
Boletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Entrevista Dilma Rousseff 1
Entrevista  Dilma Rousseff 1Entrevista  Dilma Rousseff 1
Entrevista Dilma Rousseff 1
 
Discurso Armando Monteiro no Ministério do Desenvolvimento
Discurso Armando Monteiro no Ministério do DesenvolvimentoDiscurso Armando Monteiro no Ministério do Desenvolvimento
Discurso Armando Monteiro no Ministério do Desenvolvimento
 
Crise financeira atinge estados e os países de maneira diferente
Crise financeira atinge estados e os países de maneira diferente  Crise financeira atinge estados e os países de maneira diferente
Crise financeira atinge estados e os países de maneira diferente
 

Mais de Carlos Eduardo

Cobertura do Jornal Nacional sobre o ex-presidente Lula
Cobertura do Jornal Nacional sobre o ex-presidente LulaCobertura do Jornal Nacional sobre o ex-presidente Lula
Cobertura do Jornal Nacional sobre o ex-presidente LulaCarlos Eduardo
 
Pesquisa voxout2016pdf
Pesquisa voxout2016pdfPesquisa voxout2016pdf
Pesquisa voxout2016pdfCarlos Eduardo
 
Laudo inteiro-teor-tse-chapadilma-temer
Laudo inteiro-teor-tse-chapadilma-temerLaudo inteiro-teor-tse-chapadilma-temer
Laudo inteiro-teor-tse-chapadilma-temerCarlos Eduardo
 
Ofício nº13300 MPF PR RJ
Ofício nº13300 MPF PR RJOfício nº13300 MPF PR RJ
Ofício nº13300 MPF PR RJCarlos Eduardo
 
16.09 perdemos-ideia-de-nacao
16.09 perdemos-ideia-de-nacao16.09 perdemos-ideia-de-nacao
16.09 perdemos-ideia-de-nacaoCarlos Eduardo
 
Íntegra da denúncia da Lava Jato contra Lula
Íntegra da denúncia da Lava Jato contra LulaÍntegra da denúncia da Lava Jato contra Lula
Íntegra da denúncia da Lava Jato contra LulaCarlos Eduardo
 
João Paulo e Geraldo Julio lideram corrida pela Prefeitura do Recife
João Paulo e Geraldo Julio lideram corrida pela Prefeitura do RecifeJoão Paulo e Geraldo Julio lideram corrida pela Prefeitura do Recife
João Paulo e Geraldo Julio lideram corrida pela Prefeitura do RecifeCarlos Eduardo
 
João Leite é líder na 1ª pesquisa para Prefeitura de Belo Horizonte
João Leite é líder na 1ª pesquisa para Prefeitura de Belo HorizonteJoão Leite é líder na 1ª pesquisa para Prefeitura de Belo Horizonte
João Leite é líder na 1ª pesquisa para Prefeitura de Belo HorizonteCarlos Eduardo
 
Crivella lidera disputa eleitoral no Rio
Crivella lidera disputa eleitoral no RioCrivella lidera disputa eleitoral no Rio
Crivella lidera disputa eleitoral no RioCarlos Eduardo
 
Russomanno larga na frente na disputa pela Prefeitura de SP
Russomanno larga na frente na disputa pela Prefeitura de SPRussomanno larga na frente na disputa pela Prefeitura de SP
Russomanno larga na frente na disputa pela Prefeitura de SPCarlos Eduardo
 
Job 0574 1_rio_de_janeiro_relatorio_de_tabelas
Job 0574 1_rio_de_janeiro_relatorio_de_tabelasJob 0574 1_rio_de_janeiro_relatorio_de_tabelas
Job 0574 1_rio_de_janeiro_relatorio_de_tabelasCarlos Eduardo
 
Job 0575 1_sao_paulo_relatorio_de_tabelas
Job 0575 1_sao_paulo_relatorio_de_tabelasJob 0575 1_sao_paulo_relatorio_de_tabelas
Job 0575 1_sao_paulo_relatorio_de_tabelasCarlos Eduardo
 
Petição de Lula à ONU contra atuação de Sergio Moro
Petição de Lula à ONU contra atuação de Sergio MoroPetição de Lula à ONU contra atuação de Sergio Moro
Petição de Lula à ONU contra atuação de Sergio MoroCarlos Eduardo
 
Peca excecao de suspeicao ip triplex
Peca excecao de suspeicao ip triplexPeca excecao de suspeicao ip triplex
Peca excecao de suspeicao ip triplexCarlos Eduardo
 
Cartilha-Previdencia-Web-2
Cartilha-Previdencia-Web-2Cartilha-Previdencia-Web-2
Cartilha-Previdencia-Web-2Carlos Eduardo
 
Intecao de votos_prefeito_sp
Intecao de votos_prefeito_spIntecao de votos_prefeito_sp
Intecao de votos_prefeito_spCarlos Eduardo
 
Análise de Voz de Eduardo Cunha em Coletiva
Análise de Voz de Eduardo Cunha em ColetivaAnálise de Voz de Eduardo Cunha em Coletiva
Análise de Voz de Eduardo Cunha em ColetivaCarlos Eduardo
 
Manifestacao 18-03-2016
Manifestacao 18-03-2016Manifestacao 18-03-2016
Manifestacao 18-03-2016Carlos Eduardo
 

Mais de Carlos Eduardo (20)

Cobertura do Jornal Nacional sobre o ex-presidente Lula
Cobertura do Jornal Nacional sobre o ex-presidente LulaCobertura do Jornal Nacional sobre o ex-presidente Lula
Cobertura do Jornal Nacional sobre o ex-presidente Lula
 
Pesquisa voxout2016pdf
Pesquisa voxout2016pdfPesquisa voxout2016pdf
Pesquisa voxout2016pdf
 
Laudo inteiro-teor-tse-chapadilma-temer
Laudo inteiro-teor-tse-chapadilma-temerLaudo inteiro-teor-tse-chapadilma-temer
Laudo inteiro-teor-tse-chapadilma-temer
 
Ofício nº13300 MPF PR RJ
Ofício nº13300 MPF PR RJOfício nº13300 MPF PR RJ
Ofício nº13300 MPF PR RJ
 
16.09 perdemos-ideia-de-nacao
16.09 perdemos-ideia-de-nacao16.09 perdemos-ideia-de-nacao
16.09 perdemos-ideia-de-nacao
 
Íntegra da denúncia da Lava Jato contra Lula
Íntegra da denúncia da Lava Jato contra LulaÍntegra da denúncia da Lava Jato contra Lula
Íntegra da denúncia da Lava Jato contra Lula
 
João Paulo e Geraldo Julio lideram corrida pela Prefeitura do Recife
João Paulo e Geraldo Julio lideram corrida pela Prefeitura do RecifeJoão Paulo e Geraldo Julio lideram corrida pela Prefeitura do Recife
João Paulo e Geraldo Julio lideram corrida pela Prefeitura do Recife
 
João Leite é líder na 1ª pesquisa para Prefeitura de Belo Horizonte
João Leite é líder na 1ª pesquisa para Prefeitura de Belo HorizonteJoão Leite é líder na 1ª pesquisa para Prefeitura de Belo Horizonte
João Leite é líder na 1ª pesquisa para Prefeitura de Belo Horizonte
 
Crivella lidera disputa eleitoral no Rio
Crivella lidera disputa eleitoral no RioCrivella lidera disputa eleitoral no Rio
Crivella lidera disputa eleitoral no Rio
 
Russomanno larga na frente na disputa pela Prefeitura de SP
Russomanno larga na frente na disputa pela Prefeitura de SPRussomanno larga na frente na disputa pela Prefeitura de SP
Russomanno larga na frente na disputa pela Prefeitura de SP
 
Mídia Kit 2016
Mídia Kit 2016Mídia Kit 2016
Mídia Kit 2016
 
Job 0574 1_rio_de_janeiro_relatorio_de_tabelas
Job 0574 1_rio_de_janeiro_relatorio_de_tabelasJob 0574 1_rio_de_janeiro_relatorio_de_tabelas
Job 0574 1_rio_de_janeiro_relatorio_de_tabelas
 
Job 0575 1_sao_paulo_relatorio_de_tabelas
Job 0575 1_sao_paulo_relatorio_de_tabelasJob 0575 1_sao_paulo_relatorio_de_tabelas
Job 0575 1_sao_paulo_relatorio_de_tabelas
 
Petição de Lula à ONU contra atuação de Sergio Moro
Petição de Lula à ONU contra atuação de Sergio MoroPetição de Lula à ONU contra atuação de Sergio Moro
Petição de Lula à ONU contra atuação de Sergio Moro
 
Peca excecao de suspeicao ip triplex
Peca excecao de suspeicao ip triplexPeca excecao de suspeicao ip triplex
Peca excecao de suspeicao ip triplex
 
Cartilha-Previdencia-Web-2
Cartilha-Previdencia-Web-2Cartilha-Previdencia-Web-2
Cartilha-Previdencia-Web-2
 
Intecao de votos_prefeito_sp
Intecao de votos_prefeito_spIntecao de votos_prefeito_sp
Intecao de votos_prefeito_sp
 
Análise de Voz de Eduardo Cunha em Coletiva
Análise de Voz de Eduardo Cunha em ColetivaAnálise de Voz de Eduardo Cunha em Coletiva
Análise de Voz de Eduardo Cunha em Coletiva
 
AC4070
AC4070AC4070
AC4070
 
Manifestacao 18-03-2016
Manifestacao 18-03-2016Manifestacao 18-03-2016
Manifestacao 18-03-2016
 

Discurso de-despedida-do-bid-1

  • 1. Discurso de despedida do Diretório do BID Ricardo Carneiro 30/06/2016 Caro Presidente Luis Alberto Moreno, caro Secretário German Quintana, estimadas Diretoras, estimados Diretores e demais membros do Diretório e da Administração presentes nesta sessão; Despeço-me deste Diretório num momento difícil para a região e, sobretudo para meu país. Após três décadas de aprofundamento da democracia e, nas últimas duas, de significativo avanço social, sobrevém uma tentativa de ruptura institucional. Nas discussões substantivas ora em curso no Senado, se está muito longe de provar um crime de responsabilidade da Presidenta, condição imprescindível para caracterizar uma violação da Constituição e, portanto, realizar legitimamente o impeachment. Mas, se as motivações jurídicas são controversas, as políticas são cristalinas. De fato, há no Brasil, hoje, uma sociedade dividida e o clamor das ruas a favor e contra o impeachment. Mas, a principal força da tentativa de ruptura institucional vem de um conjunto de interesses que se expressam numa coalizão partidária, hoje majoritária no Congresso. Há nessa coalizão a representação de interesses difusos de parte da população vitimada pela recessão e pelo desemprego. Porém, há também e, principalmente, agendas econômicas e políticas que foram derrotadas nas urnas e que estão se impondo de forma ilegítima. Gostaria, nesta minha breve reflexão, de iniciar discutindo o pano de fundo da crise atual. Para entendê-la é necessário destacar o papel que hoje desempenham na nossa sociedade as classes médias, em particular a assim dita nova classe média, um grupo social com aspirações de classe média e condições de existência de classe trabalhadora. Suas características são: alinhamentos políticos e ideológicos pouco profundos, supervalorização de aspectos econômicos e, vulnerabilidade econômica e social. Ou seja, este segmento é extremamente sensível à
  • 2. 2 trajetória da economia e tem sido o fiel da balança das configurações político-ideológicas dos governos nos últimos anos, movendo o pêndulo à esquerda e à direita. Com a progressiva desaceleração da economia após 2011, o Governo Dilma, já no seu primeiro mandato, vai perdendo popularidade. Na raiz do problema está a incapacidade das políticas postas em prática em conter e reverter a desaceleração, após o sucesso inicial das políticas anticíclicas implantadas no Governo Lula, até 2010. Explicar o insucesso dessas políticas econômicas é crucial para entender a crise e seus desdobramentos. Em 2010, o problema com o qual a economia brasileira se defrontava, num contexto de um cenário internacional muito menos favorável, era o de buscar novas fontes de dinamismo. Os impulsos do ciclo anterior haviam sido as exportações – embora menos relevantes no caso brasileiro do que na América Latina – e, sobretudo, o consumo, fundado no crescimento da renda e do crédito, mas impulsionado pelas políticas redistributivas e de inclusão social. Os desafios eram, portanto, resolver gargalos estruturais importantes herdados do ciclo anterior e, neste processo, um setor tinha e tem um destaque crucial: a infraestrutura. A partir da desaceleração da economia, os problemas foram se acumulando. No âmbito propriamente econômico, o caráter fortemente pro-cíclico do regime fiscal brasileiro foi deteriorando as finanças públicas e aguçando os conflitos distributivos no âmbito do orçamento. No plano social, a desaceleração foi retirando apoio popular ao Governo e terminou por conduzir a uma vitória apertada nas eleições de 2014, fazendo antever um governo difícil no segundo mandato Dilma. Ou seja, havia necessidade de correção de rotas, mas não problemas agudos a enfrentar. Estes últimos, sim, existem hoje e foram criados pelo clima de confrontação política. Também há que se reconhecer que a orientação de política econômica seguida após 2015, a contração fiscal expansionista, contribuiu para agravar a situação econômica e ampliar a crise política. No Brasil do segundo mandato de Dilma, a combinação da política fiscal contracionista com a crise política expressa na crescente imobilização do governo no âmbito parlamentar levou à maior recessão da história contemporânea do país. O caráter fortemente pró-cíclico do regime fiscal brasileiro conduziu a uma crescente deterioração do seu quadro, com significativas quedas de receitas e surgimento de déficit primário expressivo, em 2015, o primeiro em quinze anos.
  • 3. 3 Neste contexto, a lei fiscal brasileira, com as suas normativas, constrangeu ainda mais o Governo. Assim, por exemplo, a fixação de uma meta de superávit anual num quadro de despesas indexadas e receitas declinantes obrigou a sua revisão recorrente, e o recurso a adiantamentos temporários dos bancos – as denominadas pedaladas – até a revisão da meta e sua aprovação no Congresso. Caso este recurso não fosse utilizado a política tornar-se-ia desmesuradamente pró-cíclica. O Governo Temer inicia-se com uma baixa popularidade, não muito diferente de Dilma, mas ao contrário dela, cuja desaprovação era muito alta, tem o beneplácito da dúvida. A nova classe média espreita, aguarda e pode aderir ao Governo. Já no plano da legitimidade o espaço é menor: além da oposição da esquerda, dos seus partidos e dos movimentos sociais organizados, o início do Governo Temer pôs contra ele uma parte da opinião pública de centro, republicana. O fato emblemático nesse caso foi a constituição de um ministério com vários investigados em processos de corrupção. A necessidade de demitir ministros, cujas participações nesses processos foram constatadas ou delatadas, consolidou essa avaliação negativa. A base parlamentar no Congresso por sua vez tem se mostrado ampla e coesa nas votações iniciais, mas é caracterizada por elevado conservadorismo e um fisiologismo inusitado. Ou seja, para aprovar medidas como a nova meta fiscal que criaram um espaço elástico para ampliar gastos, ou a nova desvinculação de receitas, a coesão foi elevada. Até o momento e, no curto prazo, funcionou esta espécie de keynesianismo fisiológico. Porém, o que dizer da aprovação de medidas que implicam em arbitrar entre interesses e impor perdas como, por exemplo, o teto dos gastos, a reforma da Previdência que inclusive exigem maioria qualificada? Cabe a dúvida se nesses itens que constituem o núcleo do novo modelo econômico a base no Congresso não vai exigir compensações, desvirtuando-o. Por fim, cabe considerar como vão se comportar a imprensa e o Judiciário. A primeira, que se manteve numa posição unânime na crítica do Governo Dilma e do PT, já mostra sinais de diversidade. E, nesse caso, vozes dissonantes, amplificadas pelos blogs e redes sociais, podem significar que a cobertura dos equívocos do Governo e dos processos de corrupção poderá continuar. Pelo menos, parte do Judiciário e o Ministério Público também sinalizam que vão manter tom parecido com o anterior. As tentativas de controle do Judiciário e de abafamento da
  • 4. 4 lava jato por parte da coalizão que hoje governa o país, não estão logrando êxito, pelo menos, por enquanto. No campo da economia, o Governo Temer anunciou um programa intensamente pró- mercado visando melhorar as expectativas e ampliar a confiança. Sua hipótese é a de que esses dois elementos associados às reformas que se seguirão farão a economia retomar o crescimento em patamares adequados. Faz parte do programa uma nova regra fiscal, na qual as despesas dos anos subsequentes terão como teto as despesas do ano anterior corrigidas pela inflação; privatizações, ainda sem alvos específicos e novas regras para as concessões na área de infraestrutura, ampliando seu caráter market-friendly. A nova regra fiscal pretende congelar as despesas em termos reais, objetivo bastante discutível para um país com o nível de gasto público per capita do Brasil. Se é certo que as despesas primárias vinham crescendo acima do PIB por um longo período, nada justifica estabelecer uma meta tão draconiana. Fazê-la crescer em linha com o PIB seria bem mais razoável. Por sua vez, a meta implicará a necessidade de rever as vinculações e indexações de despesas relevantes como Saúde e Educação, pois os gastos com a Previdência se elevarão inexoravelmente. A disputa por recursos no âmbito do orçamento será exacerbada e a pressão para romper a regra será permanente. Por último, mas não menos importante, a nova regra fiscal, ao implicar a redução progressiva da participação dos gastos públicos no PIB, deverá atuar como um fator de contração da demanda agregada. O setor de infraestrutura é absolutamente central à retomada do crescimento. Assim, a aposta na sua ampliação, parece correta. A pergunta é porque não funcionou no governo Dilma? A estória da intervenção excessiva, inclusive na taxa de retorno tem um grão de verdade. Mas, já havia sido corrigida. No crescimento do setor há vários problemas difíceis de resolver, para além do marco regulatório, confiança etc. O principal deles é o financiamento. Reduzir o papel do BNDES, como está anunciado na estratégia proposta, tornará ainda mais difícil executar o programa. Na análise das dificuldades para a recuperação da economia destacam-se também os elevados graus de endividamento das famílias. No caso dessas últimas, o declínio dos salários e o elevado desemprego somam-se para delinear uma perspectiva acanhada do consumo. A única
  • 5. 5 fonte de estímulo consistente para a economia brasileira é o crescimento das exportações líquidas. Se a taxa de câmbio permanecer num patamar competitivo pode-se contar com algum impulso, muito mais da substituição de importações do que do crescimento das exportações. Isto porque todas as projeções das economias mais relevantes, EUA e China; sinalizam uma desaceleração. Com todas essas ressalvas é bastante provável que a economia brasileira leve mais tempo para se recuperar e estabelecer um patamar razoável de crescimento. Ou seja, é muito mais provável que o Governo Temer vá meramente sobreviver, empurrando para 2018 a solução da crise política e a definição de um processo de crescimento sustentado. Gostaria agora de me dedicar um pouco ao tema do BID e os seus desafios estratégicos. O Brasil, para além da condição de segundo acionista do grupo BID e seu maior prestatário, tem uma responsabilidade maior com esta instituição que transcende uma participação convencional. Ao ver no seu átrio, o busto do Presidente Juscelino Kubitschek, o do presidente J.F.Kennedy, e o de Felipe Herrera, dois dos seus principais fundadores, e seu primeiro presidente; relembro o sentido maior do compromisso assumido por nosso país com o desenvolvimento e das nossas responsabilidades com a América Latina. Ao longo desses quatro anos muitas decisões importantes foram tomadas. Destaco duas delas pelo seu caráter decisivo para o futuro do BID. A de caráter mais positivo foi, sem dúvida, a criação da NewCo. Com a criação desta última, por meio de uma capitalização seletiva e fusão de todas as janelas dedicadas ao setor privado do grupo BID (merge out), procurou-se superar um antigo problema do grupo: a ineficácia com a qual se tratava o financiamento ao setor privado da região. Uma grande inovação do ponto de vista operacional, com novas abordagens e novos instrumentos e maior capacidade de mobilização de recursos por meio de parcerias com outras instituições financeiras. Outro ponto crucial: a ampliação do peso dos acionistas asiáticos, em particular a China e a Coréia, e que certamente darão uma contribuição decisiva à NewCo. Outra transformação de grande monta foi a radical mudança na política financeira do BID, motivada pela mudança de postura das agências de rating. Estas, num misto de viés anti bancos públicos e de tentativa de recuperar sua reputação, prejudicada pelos seus papéis nefastos na gestação da crise financeira, engendraram uma nova metodologia profundamente inadequada para os bancos multilaterais, sobretudo os regionais. Ao reduzir o papel do callable capital,
  • 6. 6 atenuar o estatuto do credor preferencial e dar mais peso à concentração da carteira por países, a nova metodologia teve o efeito crucial de ampliar a necessidade de capital dessas instituições. Esta mudança, associada a uma histórica deficiência de capital do BID, levou a instituição a uma encruzilhada: capitalizar-se ou perder relevância na região. Olhando esta questão estratégica, cabe assinalar a assimetria no comportamento dos grupos que compõem a instituição. O GRULAC por diversas vezes, inclusive recentemente, com a aceitação da ampliação de encargos retroativos e pela sempre presente disposição em por recursos novos na instituição, reitera a cada momento o seu interesse em uma instituição fortalecida. Com o perdão da franqueza, não vejo no grupo dos não prestatários, com exceções, a mesma postura. Nesses anos aqui, presenciei muitas exigências quanto à eficiência, redução de custos, ampliação das condicionalidades, propostas de maior abrangência das atividades de oversight, exigências de maiores transferências da renda líquida do banco para ações que a rigor deveriam buscar recursos nos Tesouros Nacionais. Tudo isto, sem novos aportes de capital. Este se fez majoritariamente, pela acumulação de lucros, ou seja, o fizemos nós, prestatários, com os juros pagos pelos empréstimos. Assim, discutir uma nova capitalização seletiva do BID e sua abertura a novos sócios, principalmente China e Coreia é uma tarefa urgente. Termino com uma nota pessoal. Participar dos Diretórios do grupo BID representando o Brasil foi um enorme desafio. Atuar em negociações difíceis, com interesses divergentes, em torno de temas complexos e que demandavam soluções práticas e inadiáveis requereu desenvolver habilidades que pela minha vida pregressa não haviam sido muito cultivadas. Venho da academia e da militância político-intelectual, das salas de aulas, dos meetings políticos, dos artigos e entrevistas na mídia e, portanto, de atividades que visam, sobretudo, gerar ideias e conhecimento e divulgá-los. Assim, para desempenhar a contento meu papel no BID, tive que me reinventar. Espero ter logrado êxito. Volto ao meu país num momento crítico de ruptura institucional, mas com uma certeza: a sociedade brasileira não cabe num golpe, qualquer que seja a sua natureza. Ela é marcada por uma diversidade substantiva que se expressa em variados, profundos e robustos movimentos sociais e culturais. Nem mesmo a ditadura militar se impôs por muito tempo a esta sociedade, embora lhe tenha feito muito mal. A legitimidade é um imperativo maior no ambiente social
  • 7. 7 brasileiro e este Governo muito dificilmente se tornará legítimo. Ainda mais porque tem como agenda principal o desmonte do nosso incipiente Estado do Bem Estar Social. Somente eleições diretas gerais serão capazes de corrigir o déficit de legitimidade que hoje tem o Governo interino, da mesma maneira que somente elas corrigirão a baixa popularidade da Presidente Dilma Roussef, caso ela retorne ao poder. Mas, o sistema político brasileiro precisa ser completamente restruturado. São necessárias várias reformas na direção de ampliar a representatividade e eliminar a influência do poder econômico nas eleições. Ou seja, é necessário ir fundo na eliminação das raízes da corrupção. É necessária, também, uma Justiça republicana, sem partidarismos políticos e ideológicos, necessidade que se estende também à imprensa, cuja característica em nosso país é a concentração econômica e a pequena diversidade de opinião. Faço, por fim, uma profissão de fé: a democracia, a justiça social e os direitos humanos se ampliarão e se consolidarão no Brasil, tenho certeza.