SlideShare uma empresa Scribd logo
O passe
suas
técnicas e
aplicações
Leonardo Pereira
Deus
Elemento
Inteligente
Essência
Espiritual
Elemento
Material
Fluido Cósmico
Universal
Perispírito Fluido
Vital
Matéria
Bruta
Espírito
Homem
Matéria Animalizada
Como já foi visto, o fluido universal é o elemento
primitivo do corpo carnal e do perispírito, os quais
são simples transformação dele. Pela identidade
da sua natureza, esse fluido, condensado no
perispírito, pode fornecer princípios reparadores
ao corpo; o Espírito, encarnado ou
desencarnado, é o agente propulsor que infiltra
num corpo deteriorado uma parte da subsistência
do seu envoltório fluídico. (1) Essas explicações
de Kardec são necessárias para que se possa
melhor compreender o que é o passe, qual o seu
mecanismo, a maneira correta de aplicá-lo e os
benefícios por ele proporcionados.
“O PASSE É UMA EMANAÇÃO CONTROLADA DA FORÇA MENTAL QUE, SOB A
ALAVANCA DA VONTADE E DA PRECE, ATRAI A FORÇA DIVINA EM NOSSO
BENEFÍCIO”
André Luiz/EDM/Cap15
É A TRANSMISSÃO DE ENERGIAS PRÓPRIAS, OU DE UM ESPÍRITO, PARA ALGUÉM
NECESSITADO, A FIM DE SOCORRER-LHE A CARÊNCIA FÍSICA E/OU MENTAL, QUE DECORRE DA
FALTA DESSA ENERGIA.
S . GENTILE/ OPM/Cap.6
Marta/2000
1o. Conceitos de Passe Espírita
-É uma emanação controlada da força mental
que, sob a alavanca da vontade e da ação da
prece, atrai a Força Divina em nosso
benefício. (19)
-(…)é a ação ou esforço de transmitir, para
um outro indivíduo, energias magnéticas,
próprias ou de um Espírito, a fim de socorrer-
lhe a carência física e/ou mental, que decorre
da falta dessa energia (7)
-O passe é sempre, segundo a visão
espírita, um procedimento fluidico-
magnético, que tem como principal
objetivo auxiliar a restauração do equilíbrio
orgânico do paciente. (13)
-Assim como a transfusão de sangue
representa uma renovação das forças
físicas, o passe é uma transfusão de
energias psíquicas(…) é a transmissão de
uma força psíquica e espiritual,
dispensando qualquer contato físico na
sua aplicação. (6)
MECANISMOS DO PASSE
O fluido cósmico universal sendo o elemento primitivo que
forma o corpo físico e o períspirito, ao condensar-se no
períspirito do encarnado ou desencarnado, fornece
princípios reparadores ou curadores, passiveis de serem
transmissíveis ao doente – Kardec/A Gênese/Cap.14
O fluido cósmico universal
condensado no perispírito passa para
o corpo físico sob a forma de fluido
vital que, além de dar vida aos órgãos,
pode ser transmitido às pessoas
doentes ou enfraquecidas.
O fluido vital se transmite de pessoa a
pessoa pelo passe. A energia transmitida
pelo passe atua no perispírito do paciente e
deste sobre o corpo físico.
As emanações energéticas do perispírito e
do fluido vital formam a aura humana.
O Mecanismo do passe
baseia-se na transmissão
do fluido vital:
-O fluido vital se
transmite de um
indivíduo a outro.
-Aquele que o tiver em
maior porção pode dá-lo
a um que o tenha de
menos, e em certos
casos, prolongar a vida
prestes a extinguir-se. (4)
ESTRUTURAÇÃO DA VIDA
ESPÍRITO
PERISPÍRITO
CORPO
FÍSICO
FLUIDO
VITAL
O Fluido Vital ou Energia Vital é a estruturadora da vida orgânica, Está mais
próximo da matéria. É gerado na ligação do perispírito com as células do corpo
orgânico.
O Perispírito
O espírito propriamente dito vive a
descoberto, ou como pretendem alguns,
envolvidos por alguma substância?
O espírito é envolvido por uma substância
que é vaporosa para ti, mas ainda bastante
grosseira para nós; suficientemente vaporosa,
entretanto, para que ele possa elevar-se na
atmosfera e transportar-se para onde quiser.
Como a semente de um fruto é envolvida pelo perisperma o
espírito propriamente dito é revestido de um envoltório que, por
comparação, se pode chamar períspirito.
Livro dos Espirtos – cap.IV P 93
ESPÍRITO
O Espírito, estrutura automaticamante
o perispírito, pelo aprendizado
decorrente da evolução do princípio
inteligente.
PERISPÍRITO
O perispírito é constituído de fluidos
e energias processadas no próprio
perispírito, sob o influxo do Espírito.
REPRESENTAÇÃO ESPÍRITO/PERISPÍRITO
“Numerosas observações e fatos
irrecusáveis, demonstraram a existência no
homem de três componentes:
ou Alma, princípio inteligente
em que se encontra o senso moral
, invólucro material e grosseiro de
que é revestido temporariamente para o
cumprimento de alguns desígnios providenciais
, invólucro fluídico,
semimaterial, que serve de liame entre a alma e o
corpo.”
Livro dos Médiuns – item 54
1) Espírito
2) Corpo
3) Perispírito
Perispírito
Espírito ou
Alma
Corpo
Mental
REPRESENTAÇÃO DO CORPO MENTAL
“O Perispírito é o intermediário de todas as sensações
que o Espírito percebe, e através do qual o espírito
transmite a sua vontade ao exterior, agindo sobre os
órgãos do corpo.”
“O Perispírito está de acordo com a natureza moral do
espírito. Quanto mais elevado o espírito, mais sutil seu
perispírito.”
“A constituição íntima do perispírito não é idêntica
em todos os espíritos encarnados ou desencarnados que
povoam a Terra ou o espaço circundante.”
A Gênese, cap XIV, item 10
“A forma do períspirito é a forma humana.”
“A matéria sutil do períspirito não tem a rigidez da
matéria compacta do corpo.
Ela é flexível e expansível.
Por isso, a forma que ela toma não é absoluta.
Ela se molda à vontade do Espírito, que pode lhe
dar a aparência que quiser.
O períspirito se distende ou se contrai, se presta a
todas as modificações segundo a vontade que o dirige.
Por isso o espírito pode se fazer reconhecer,
tomando a aparência que tinha na vida física.”
Livro do Médiuns – 56
A Gênese, cap. XIV, item 10
“O períspirito se modifica
com o progresso moral do
espírito.”
Períspirito e Evolução:
“Todos os órgãos do corpo espiritual e
consequentemente do corpo físico foram construídos com
lentidão, atendendo-se à necessidade do campo mental”
André Luiz/Chico Xavier, Evolução em Dois Mundos, pág. 39 a 41
“sua função primordial é servir de
instrumento à alma, em sua interação com os mundos espiritual
e físico”.
“O perispírito, corpo
imperecível da alma, serve à sua individualização e
identificação.” A alma é única e diferenciada, e o perispírito
mostra-a, refletindo-a”
“Na reencarnação, em que o ritmo
morfogenético, obedecendo aos impulsos psicossômicos de
crescimento, leva à formação de um novo corpo físico que se
estrutura rigorosamente de acordo com as características que
marcam o corpo espiritual, modelo por excelência.”
Perispírito - Z.Zimmermann
pág. 59 60 61
Funções do Perispírito:
1 ) Função Instrumental
2 ) Função individualizadora
3 ) Função organizadora
Marta/2000
1. A energia do fluido vital é de natureza eletro-
magnética.
2. O perispírito do doente recebe a energia do
passe através de pontos que André Luiz
chama de Centros de Força ou chacras,
segundo escolas espiritualistas orientais.
3. O nosso perispírito possui sete
centros de força principais
que se conjugam nas
ramificações dos plexos do
sistema nervoso.
4. Os principais centros de força
são: coronário, cerebral,
laríngeo, cardíaco, esplênico,
gástrico e genésico.
-A energia transmitida pelo
passe atua no períspirito do
paciente e deste sobre o
corpo físico. O períspirito
recebe a energia através de
pontos determinados, que
André Luiz chama de centros
de força e certas escolas
espiritualistas chamam de
chacras. (8)
-O nosso períspirito possui
sete centros de força, que se
conjugam nas ramificações
dos plexos e que, vibrando
em sintonia uns com os
outros, ao influxo do poder
diretriz da mente,
estabelecem, para o nosso
uso, um veículo de células
elétricas, que podemos
definir como sendo um
campo eletromagnético, no
qual o pensamento vibra em
circuito fechado. (20)
Caixas de ligação nervosa = os plexos
Um plexo nervoso é uma rede de nervos entrecruzados
semelhante a uma caixa de distribuição eléctrica numa casa. No
tronco do corpo existem quatro plexos nervosos.
O plexo cervical leva as ligações nervosas à cabeça, ao pescoço e ao
ombro.
O plexo braquial leva ao peito, ao ombro, ao braço, ao antebraço e à
mão.
O plexo lombar leva às costas, ao abdómen, à virilha, à coxa, ao
joelho e à perna.
O plexo sagrado leva à pelve, às nádegas, aos órgãos sexuais, à coxa,
à perna e ao pé.
Devido à interligação dos plexos lombar e sagrado, por vezes são
designados como o plexo lombossagrado. Os nervos intercostais
estão localizados entre as costelas.
Os centros vitais estão
localizados, também, no
duplo etéreo, corpo
fluídico que se apresenta
como uma duplicata
energética do individuo,
interpenetrando o seu
corpo físico ao mesmo
tempo em que parece
dele emergir. O duplo
etéreo emite,
continuamente, uma
emanação energética
que se apresenta em
forma de raias ou estrias
que partem de toda a sua
superfície. (10)
Coronário
Frontal
Laríngeo
Cardíaco
Esplênico
Gástrico
Genésico
Centros vitaisPlexos
Laríngeo
Cardíaco
Esplênico
Gástrico
Genésico
Para o aplicador de passes é muito
importante ter sempre em mente que os
centros vitais captam energias,
transferindo-as ao corpo físico e também
que todos eles encontram-se em
constante permuta energética entre si,
fazendo com que qualquer desequilíbrio
em um deles reflita-se automaticamente
em todo o conjunto e, por consequência,
em todo o corpo físico.
Energias
Coronário
Frontal
Laríngeo
Cardíaco
Esplênico
Gástrico
Genésico
Centros vitais
Centro Coronário
Localizado na parte superior da cabeça,
mantendo relacionamento com os
órgãos situados no interior do crânio,
principalmente a epífise. Constitui-se no
principal ponto de assimilação dos
estímulos provenientes do plano
espiritual. Ele coordena os
funcionamentos dos demais centros e
torna-se assim responsável pela
estabilidade de todo o metabolismo
orgânico, sendo ainda o mais
significativo dos pontos de conexão
entre o corpo físico e o períspirito.
Centro Frontal
Localizado na região situada entre
as sobrancelhas, atua sobre o
córtex cerebral, com ação
predominante sobre o
funcionamento global do sistema
nervoso. Exerce forte ação sobre a
hipófise, controlando, por esse
meio, todo o sistema endócrino.
Está ligado às atividades
intelectuais e à vidência mediúnica.
Centro laríngeo
Localizado na região anterior do
pescoço é ele que exerce controle
sobre a respiração e fonação,
estando também ligado ao
mecanismo da audição. É um
centro muito importante, pois a
materialização das ideias através
da palavra reforça, em muito, a
precisão das formas que estão
sendo plasmadas por ação do
pensamento. Também tem
ligações com a audição mediúnica.
Centro cardíaco
Localizado na região do coração,
dirige a emotividade e a distribuição
das energias vitalizantes no
organismo. Em virtude das tensões
características do mundo moderno, e
da dificuldade que ainda temos em
controlar as nossas emoções, é hoje
um dos centros que, no adulto,
comumente apresenta
desequilíbrios.
Centro esplênico
Localizado na região anterior
esquerda do organismo, onde se
localiza a última costela, ele
controla o equilíbrio hemático,
sendo o principal elemento de
captação das energias do plano
espiritual, principalmente do
fluido cósmico universal, daí sua
grande influência sobre a
vitalidade do indivíduo.
Centro gástrico
Também conhecido como solar,
está localizado um pouco acima
do umbigo.
Age fundamentalmente sobre os
órgãos da digestão e apresenta,
também, certa ligação com o
estado emocional do indivíduo.
Centro genésico
Também conhecido como
sagrado, está localizado na
região do baixo ventre.
Suas energias agem sobre os
órgãos ligados à reprodução, às
atividades sexuais e ainda sobre
os estímulos referentes ao
trabalho intelectual.
Correspondência entre Plexos e
Chacras
LOCALIZAÇÃO PLEXOS CHACRAS
BASE DA ESPINHA SACRAL GENÉSICO
UMBIGO SOLAR GÁSTRICO
BAÇO MESENTÉRICO ESPLÉNICO
CORAÇÃO CARDÍACO CARDÍACO
GARGANTA LARÍNGEO LARÍNGEO
FRONTE FRONTAL FRONTAL
ALTO DA CABEÇA PINEAL CORONÁRIO
CHACRAS FUNÇÕES CORES
GENÉSICO Capta e distribui a força
primária
Roxo e Laranja
Forte
GÁSTRICO Regula a manipulação e
assimilação dos alimentos
/Influi sobre as emoções
Roxo e Verde
Brilhante
ESPLÊNICO Regula a circulação dos
elementos vitais
Amarelo, Roxo
e Verde
CARDÍACO Regula a circulação do
sangue, as emoções e
sentimentos
Rosa e
Dourado
Brilhante
LARÍNGEO Regula o uso da palavra;
influi sobre a audição
mediúnica
Prata e Azul
FRONTAL Regula as atividades da
vidência, inteligência e da
intuição (hipófise)
Amarelo, Roxo
e Azul
CORONÁRIO Órgão de ligação com o Plano
Espiritual: Serve ao Espírito
para influir sobre os demais
chacras e influi na
mediunidade (pineal)
Branco-Prata e
Dourado
1-DEDO POLEGAR - chacra esplênico (região
do baço);
2- INDICADOR -chacra cardíaco (coração);
3- MÉDIO -chacra coronário (alto da cabeça);
4- ANULAR -chacra genésico ou básico (base
da coluna);
5- MÍNIMO- chacra laríngeo (garganta);
6- Chacra Plexo Solar ( Estômago);
7- Chacra Frontal (Testa)
Duplo etérico
Raias do duplo etérico
ou aura interna
Aura = Aura interna + aura
externa
Aura externa
Corpo físico
AURA HUMANA
• — Considerando-se toda célula em ação por unidade viva, qual
motor microscópico, em conexão com a usina mental, é
claramente compreensível que todas as agregações celulares
emitam radiações e que essas radiações se articulem, através de
sinergias funcionais, a se constituírem de recursos que podemos
nomear por “tecidos de força”, em torno dos corpos que as
exteriorizam.
• Todos os seres vivos, por isso, dos mais rudimentares aos mais
complexos se revestem de um “halo energético” que lhes
corresponde à natureza.
• No homem, contudo, semelhante projeção surge
profundamente enriquecida e modificada pelos fatores do
pensamento contínuo que, em se ajustando às emanações do
campo celular, lhe modelam, em derredor da personalidade, o
conhecido corpo vital ou duplo etéreo de algumas escolas
espiritualistas, duplicata mais ou menos radiante da criatura.
MEDIUNIDADE INICIAL
• — A aura é, portanto, a nossa plataforma onipresente
em toda comunicação com as rotas alheias,
antecâmara do Espírito, em todas as nossas
atividades de intercâmbio com a vida que nos rodeia,
através da qual somos vistos e examinados pelas
Inteligências Superiores, sentidos e reconhecidos
pelos nossos afins, e temidos e hostilizados ou
amados e auxiliados pelos irmãos que caminham em
posição inferior à nossa.
• Isso porque exteriorizamos, de maneira invariável, o
reflexo de nós mesmos, nos contatos de pensamento
a pensamento, sem necessidade das palavras para as
simpatias ou repulsões fundamentais.
Sistema de Energia
• As energias que fluem pelos centros de força
possuem uma determinada medida de onda e,
por conseqüência, uma cor.
Bom dia a todos.
Você esta recebendo um trabalho/pesquisa feito há mais de 30 anos com
o auxilio da máquina Kirlian (máquina que fotografa a aura). Fomos
pioneiro neste tipo de pesquisa. Este estudo faz parte de nossas
palestras de orientação as instituições espiritualista. Este tema nestes
30 anos já foi apresentado centenas de vezes e sempre com um grande
público. Agora desejo aumentar este publico com os recursos da internet
e passar este conhecimento a todos os meus amigos internautas e peço
também que repassem aos amigos, mantendo os devidos créditos.
Espero que divulgue junto a sua casa de estudo.
Muita paz
Márcio Pontes
www.psicenter.psc.br site de pesquisas
www.psicenter.psc.br/cev.htm (centro espírita virtual)
FLUIDOS MAGNÉTICOS E AURA
Estudos feitos com a máquina Kirlian,
enfocando basicamente o valor do passe
magnético.
Márcio Pontes – Psicólogo
Rua Silva Cardoso 125/210 - Rio de Janeiro
Tels: 2401-2628 / 9874-9650
www.psicenter.psc.br
psicenter@psicenter.psc.br
A aura humana é
vista como uma
luz que envolve o
corpo. O diâmetro
varia conforme a
elevação
espiritual.
Esta foi a primeira foto
tirada por nós. Pertence
a mão do meu pai
Frontino M. Pontes.
Detalhe de um dedo
com a camada aúrica e
suas descargas
energéticas.
O fluido magnético é de
natureza tão evidente e objetiva
que pode ser visto por videntes
atravessando em forma de língua
de fogo a aura das pessoas e
projetando-se para fora do
corpo somático.
Edgard Armond
(Passes e Radiações)
Esta foi a primeira foto em
que aparece as diferenças
entre aura e fluído,
segundo Edgar Armond.
Esta foto e as próximas
mostram pessoas
“leigas” em praticas de
passes magnéticos.
Pedimos a elas que
fizessem passes entre
eles. A primeira foto
será o seu estado normal
e a segunda foto
durante o passe.
Esta é a segunda foto
com pessoas “leigas”
em passes
magnéticos. Este é o
estado em que estão
dando o passe. Eu lhe
digo que pouca coisa
Pessoa “leiga” no estado
normal...
A mesma pessoa após ensaiar
um passe magnético
Uma terceira pessoa também “leiga” no
estado normal. Foram feitas 42 fotos
de pessoas leigas, antes e depois de
tentarem dar um passe.
Este companheiro quase que
apaga totalmente o seu campo
fluídico, pois não fora educado
ainda no processo de
transmissão.
Agora iremos verificar como
acontece com os médiuns passistas
“antes do passe e durante o passe
magnético”. É sempre bom lembrar
que são fotos do dedo indicador.
Médium passista em seu
estado “normal”, antes de
aplicar o passe magnético.
O mesmo médium durante a
aplicação do passe
magnético. Perceba o jato
de luz que sai da ponta dos
dedos. É o seu campo de
energia ativado
Este é um segundo médium se
preparando para dar passes.
Notem que no seu dedo existem
pontos de luz a serem ativados
O médium anterior, na atividade do passe.
Notem que parece um Sol radiante. Na verdade
o Sol emite para a Terra energia magnética em
forma de luz e calor indispensável a nossa Vida
terrena. Somos um pequeno Sol e não sabemos
disto.
Médium em seu estado “normal” ,
preparando-se para dar o passe.
O mesmo médium em trabalho de passe.
Perceba quanta energia é capaz de emitir.
Este médium é da Igreja Messiânica.
Podemos reparar que no seu estado
“normal”, parece ativado. Segundo
informações colhidas, os messiânicos
praticam diariamente a transmissão
magnética. Na foto seguinte iremos vê-lo
em trabalho.
Médium messiânico aplicando o passe
magnético dentro dos seus conhecimentos.
Obs: O messiânico aplica os fluídos com as
mãos paradas e espalmadas para frente.
As próximas fotos são
referentes aos assistidos.
Estamos fazendo comparações
“antes do passe e após o passe
magnético”, para que possamos
avaliar as mudanças no campo
energético das pessoas.
Quando uma pessoa chega a casa
espírita para ser assistida,
geralmente ela apresenta o seu
centro de equilíbrio
desarmonizado, conforme a
figura.
Após ser assistida,
tende a reequilibrar os
seus centros de força.
Assistido fotografado antes
de receber os passes
magnéticos. Notem que seu
campo fluídico encontra-se
totalmente desarmonizado.
O mesmo assistido da
foto anterior, após
receber os passes
magnéticos. Repare
como seu campo
fluídico encontra-se
harmonizado e
direcionado.
Esta foto é de uma
assistida que estava com
os “centros de força”
desarmonizados, perdendo
com isto muita energia e
sentindo uma
emagrecimento
progressivo e
incontrolado.
A mesma pessoa anterior após o
passe magnético. Nota-se que as
emissões fluídicas agora estão
harmonizadas e direcionadas.
Pessoa muito nervosa, tensa.
Antes de ganhar o passe
magnético. Observe as
descargas elétricas
ectoplasmicas emitidas em
azul.
A mesma pessoa anterior, após o
passe.
A próxima seqüência de fotos
foram tiradas por um colega
de Belo Horizonte, Vinicius.
Segundo relato uma lagarta foi
sacrificada e fotografada
passo a passo a sua agonia até
o instante final.
Artigo copiado da revista Realidade/76
Esta foto é de uma
Lagarta
fotografada no
inicio do seu
processo de morte.
Continuando o
processo de
morte da
Lagarta.
Instantes finais da
morte da Lagarta.
Lagarta morta. No
principio, no ano de
1976, quando foi
feita esta foto, o
campo de energia era
totalmente azul, mas
a coloração se
perdeu com o tempo.
Agora veremos o “Caso Felipe”. Ele era um
garoto de 9 meses de vida, mas tinha uma
doença degenerativa muscular (não tinha
resistência) e estava desenganado pelos
médicos. Os pais, após assistirem a uma
palestra sobre passes nos perguntou se este
processo poderia ajudar o seu filho. Falamos
que estaríamos a disposição para começar um
tratamento magnético, mas a cura não
dependeria unicamente dos nossos trabalhos.
Assim foi feito e durante 9 semanas
acompanhamos em fotografia os passes. O
fato é que a criança não conseguia reter o
fluido e com isto na semana seguinte
apresentava as mesmas condições iniciais da
semana passada.
O guia espiritual da casa espírita, na época
Centro Espírita “Paulo, O Apóstolo”, sugeriu
que a criança deveria, antes do passe, tomar
um banho tépido e após o passe um banho a
temperatura normal. Perguntei-lhe a razão,
respondeu:
O banho tépido dilata os poros e relaxa a
musculatura, fazendo com que os fluidos
entranhem mais profundamente e o banho a
temperatura normal contrai, fazendo assim um
melhor acasalamento fluídico. Os pais não
aceitaram e continuamos com o processo
normal.
No dia do último passe, estava presente
conosco uma médium da Federação Espírita de
São Paulo e ela nos trouxe uma comunicação da
Irmão Sheila sobre o caso. Relata ela: Não
devemos contar passes. Tomou-se 1 agora
faltam 8, tomou-se 5 agora faltam apenas 4.
No caso daquele garoto e em outros muitos
casos, são necessários infinitos grupos de 9
passes até que se restabeleça o equilíbrio
então desarmonizado.
Mas os pais não tinham tempo para outros
passes. Trinta dias após o último passe, Felipe
veio a desencarnar.
Esta é a primeira foto tirada da
mão inteira do garoto Felipe
antes de receber o passe de
transfusão fluídica.
Após receber o passe. Estes
passes eram semanais. Mas, na
próxima semana quando se
reiniciava os passes, o primeiro
mostrava-se totalmente azul
conforme a foto anterior,
denotando que a criança não tinha
capacidade de reter os elementos
fluídicos.
As duas próximas fotos mostram um
jovem viciado em tóxico injetável. Este
jovem era nosso conhecido e
encontramos ele na avenida. Ele relatou
que estava procurando um local para
tomar a dose. Sabíamos que palavras
não iriam naquele momento retirar-lhe
a vontade. Oferecemos o nosso espaço
de pesquisa, contanto que o ato fosse
por nós fotografado e pesquisado.
Aceitou. Após a conclusão dos estudos
do seu caso, nosso amigo ficou tão
admirado do efeito nocivo no seu campo
energético que nunca mais pensou em
praticar tal “suicídio”.
Jovem viciado em drogas
antes de ingerir a cocaína.
Jovem drogado, sentindo os seus
efeitos. Perceba que os elementos
fluídicos vitais estão sufocados.
Esta seqüência fotográfica foi feita
durante uma briga de bate-boca entre três
pessoas, dentro de uma imobiliária. Os três
achavam que tinham direito a uma comissão
de venda maior por diversas razões. E com
isto se agrediam verbalmente. A cada
instante que um saia da sala para “respirar
melhor” eu o convidava para entrar na
minha sala e já estava com a máquina
pronta. E assim aconteceu com os três. E
quase que apanho dos três, pois acharam
que eu estava brincando com uma coisa que
para eles era muito “séria” .
Pessoa em estado de Ira,
raiva no momento de uma
briga, um bate- boca.
Outra pessoa na mesma condições e na
mesma oportunidade.
Na mesma oportunidade o terceiro
elemento do bate-boca. Perceba as
descargas nervosas ectoplásmicas em
branco azulado.
Agora iremos observar o estado de
relaxamento, quase uma meditação.
Notem o equilíbrio dos campos de
energia, sem nenhum excesso e muito
uniforme.
Pessoa em pleno relaxamento.
Inicio de meditação.
As mesmas condições
da foto anterior e na
mesma oportunidade,
mas outra pessoa.
Outra pessoa na
mesma oportunidade
anterior.
Duas crianças foi por nós fotografadas
espontaneamente. Repare que crianças
tem uma energia muito grande,
principalmente na época de crescimento,
fazendo com que muitos pais pensem que
elas tem problemas e com isto buscam a
medicina para acalmá-las. Mas este
estado é natural e necessário ao
desenvolvimento infantil.
Dedo de uma criança. Notem quanta
energia...
Outra criança da mesma faixa
etária.
As próximas fotos foram tiradas numa
casa umbandista. Os dirigentes nos
solicitou que fossem feitas fotos dos
médiuns no estado “normal” e no estado
de “incorporação”. E assim foi feito.
Médium umbandista
antes do processo de
“incorporação”.
O mesmo médium no estado
“incorporado”.
Outro médium
umbandista no
estado normal.
Antes da
incorporação.
O mesmo médium
anterior,
incorporado.
Outro médium,
na mesma
oportunidade
dos anteriores,
no seu estado
normal.
Médium
“incorporado”.
Este é o estado
normal do médium
presidente dos
trabalhos da noite.
Médium presidente no
estado de
“incorporação”.
Esta foto foi feita
no IBPP, Instituto
de Pesquisas
Psicobiofísicas, em
São Paulo, pelo Prof°
Hernani Guimarães
Andrade. Esta foto
é muito conhecida
por “Efeito
Fantasma”.
Esta foto é de um
anel impregnado
dos fluídos
magnéticos da
pessoa que estava
usando.
Esta foto que veremos agora é muito especial. Ela foi foi
feita sem nenhuma preparação. Pois coloquei sem querer, “
ao acaso”, um livro de capa preta e nesta capa esta
inserido em dourado e baixo relevo a figura cristã, o livro
chamava-se “Caminhos da Fé”. Esqueci este livro encima do
dispositivo onde se coloca o filme para fotografias Kirlian.
No escuro, quando fui fotografar, esqueci de retirar o
livro e coloquei o filme exposto encima do livro, bem
encima da figura do Cristo. Fotografei pensado estar
fotografando o meu dedo e saiu esta foto. Repare que os
lábios parece esfolado em sangue. Um filete de sangue
desce da testa, simulando os cortes feito pela coroa de
espinhos...e mais, a aura branca a envolve-lo . Depois tentei
fazer melhor, mas não consegui nem mesmo o resultado
inicial. É com esta foto que costumo encerrar as minhas
palestras sobre este tema.
Esta foto é
única...
Este trabalho de pesquisa foi feito no ano de 1976,
contando com a ajuda dos centros espíritas “Paulo, O
Apóstolo” e “Issac Lima”, e com inteiro apoio dos
respectivos presidentes Sr. Otávio e Sr. Benigno.
O meu maior incentivador foi o meu Pai, Frontino M.
Pontes, que a todo momento me alimentava de instruções e
idéias devido ao seu potencial de conhecimentos nesta
área.
Este trabalho é para uso universal, e pode ser exibido sem
restrições. Apenas peço os devidos créditos.
www.psicenter.psc.br/cev.htm
Márcio Pontes - Psicólogo
OS CENTROS DE FORÇA E A
PINEAL
A GLÂNDULA PINEAL
A GLÂNDULA PINEAL
• Denominações comuns:
– órgão pineal,
– epífise neural,
– ou simplesmente pineal
• Estrutura única e muito pequena localizada no cérebro
• Participa na regulação endócrina da reprodução, do sistema imunológico e da
organização dos ritmos biológicos, atuando como mediadora entre o ciclo
claro/escuro ambiental e processos fisiológicos tais como sono/vigília,
atividade/repouso, entre outros.
• Visível em radiografias; por isso, até recentemente muitos afirmavam que a glândula
estava calcificada e era uma estrutura em involução.
• Atualmente, foi demonstrado que ela não se calcifica; e, sim, forma cristais de
apatita: um mineral incolor composto por fosfato de cálcio que contém urânio em seu
interior e, que tem sido muito estudado no Instituto de Física da Universidade
Estadual de Campinas (UNICAMP).
A GLÂNDULA PINEAL
• André Luiz, em Os Missionários da Luz, ensina:
• No período do desenvolvimento infantil, fase de reajustamento desse centro
importante do corpo perispiritual preexistente, a epífise parece constituir o freio às
manifestações do sexo;
• Aos quatorze anos, aproximadamente, de posição estacionária, quanto às suas
atribuições essenciais, recomeça a funcionar no homem reencarnado e desperta as
forças criadoras. Em seguida, continua a funcionar, como o mais avançado
laboratório de elementos psíquicos da criatura terrestre.
• O que representava controle é fonte criadora e válvula de escapamento.
• A glândula pineal reajusta-se ao concerto orgânico e reabre seus mundos
maravilhosos de sensações e impressões na esfera emocional.
• Entrega-se a criatura à recapitulação da sexualidade, examina o inventário de suas
paixões vividas noutra época, que reaparecem sob fortes impulsos.
• O neurologista comum não a conhece bem.
O psiquiatra devassar-lhe-á, mais tarde, os segredos.
Os psicólogos vulgares ignoram-na.
Freud interpretou-lhe o desvio, quando exagerou a influenciação da “libido”, no
estudo da indisciplina congênita da Humanidade.
.
A GLÂNDULA PINEAL
• “... o orientador Alexandre faz as seguintes considerações: (...)
analisemos a epífise como glândula da vida espiritual do
homem. Segregando energias psíquicas, a glândula pineal
conserva ascendência em todo o sistema endócrino. Ligada à
mente, através de princípios eletromagnéticos do campo vital,
que a ciência comum ainda não pode identificar, comanda as
forças subconscientes sob a determinação direta da vontade. As
redes nervosas constituem-lhe os fios telegráficos para ordens
imediatas a todos os departamentos celulares, e sob sua direção
efetuam-se os suprimentos de energias psíquicas a todos os
armazéns autônomos dos órgãos...".
(Missionários da Luz, André Luiz)
A GLÂNDULA PINEAL
• "Enquanto o nosso companheiro se aproveitava da organização mediúnica,
vali-me das forças magnéticas que o instrutor me fornecera, para fixar a
máxima atenção no médium. Quanto mais lhe notava as singularidades do
cérebro, mais admirava a luz crescente que a epífise deixava perceber. A
glândula minúscula transformara-se em núcleo radiante e, em derredor, seus
raios formavam um lótus de pétalas sublimes.
Examinei atentamente os demais encarnados. Em todos eles, a glândula
apresentava notas de luminosidade, mas em nenhum brilhava como no
intermediário em serviço.
Sobre o núcleo, semelhante agora a flor resplandecente, caiam luzes suaves,
de Mais Alto, reconhecendo eu que ali se encontravam em jogo de vibrações
delicadíssimas, imperceptíveis para mim.
Estudara a função da epífise nos meus apagados serviços de médico
terrestre. Segundo os orientadores clássicos, circunscreviam-se suas
atribuições ao controle sexual no período infantil. Não passava de velador
dos instintos, até que as rodas da experiência sexual pudessem deslizar com
regularidade, pelos caminhos da vida humana.
Depois, decrescia em força, relaxava-se, quase desaparecia, para que as
glândulas genitais a sucedessem no campo da energia plena(...)”
(Missionários da Luz, André Luiz)
A GLÂNDULA PINEAL
• “A epífise preside aos fenômenos nervosos da emotividade, como órgão de
elevada expressão no corpo etéreo. Desata, de certo modo, os laços divinos
da Natureza, os quais ligam as existências umas às outras, na seqüência de
lutas, pelo aprimoramento da alma, e deixa entrever a grandeza das
faculdades criadoras de que a criatura se acha investida.
— Deus meu! — exclamei — e as glândulas genitais, onde ficam?
O instrutor sorriu e esclareceu:
— São demasiadamente mecânicas, para guardarem os princípios sutis e
quase imponderáveis da geração. Acham-se absolutamente controladas pelo
potencial magnético de que a epífise é a fonte fundamental. As glândulas
genitais segregam os hormônios do sexo, mas a glândula pineal, se me posso
exprimir assim, segrega "hormônios psíquicos” ou “unidades-força” que vão
atuar, de maneira positiva, nas energias geradoras. Os cromossomos da bolsa
seminal não lhe escapam à influenciação absoluta e determinada.”
(Missionários da Luz, André Luiz)
A GLÂNDULA PINEAL
• A glândula pineal conserva ascendência em todo o sistema endócrino.
• Ligada à mente, através de princípios eletromagnéticos do campo vital,
comanda as forças subconscientes sob a determinação direta da vontade.
• As redes nervosas constituem-lhe os fios telegráficos para ordens imediatas a
todos os departamentos celulares, e sob sua direção efetuam-se os
suprimentos de energias psíquicas a todos os armazéns autônomos dos
órgãos.
• Manancial criador dos mais importantes, suas atribuições são extensas e
fundamentais.
• Na qualidade de controladora do mundo emotivo, sua posição na experiência
sexual é básica e absoluta.
• De modo geral, todos nós, agora ou no pretérito, viciamos esse foco sagrado
de forças criadoras, transformando-o num ímã relaxado, entre as sensações
inferiores de natureza animal.
(Missionários da Luz, André Luiz)
A GLÂNDULA PINEAL
• Divorciados da lei do uso, abraçamos os desregramentos
emocionais.
• Viciação das energias geradoras, carregados de compromissos
morais, com todos aqueles a quem ferimos com os nossos
desvarios e irreflexões.
• Do menosprezo a esse potencial sagrado, decorrem os dolorosos
fenômenos da hereditariedade fisiológica, que deveria constituir,
invariavelmente, um quadro de aquisições abençoadas e puras.
• A perversão do nosso plano mental consciente, em qualquer
sentido da evolução, determina a perversão de nosso psiquismo
inconsciente, encarregado da execução dos desejos e
ordenações mais íntimas, na esfera das operações automáticas.
• A vontade desequilibrada desregula o foco de nossas
possibilidades criadoras.
(Missionários da Luz, André Luiz)
A GLÂNDULA PINEAL
“Segregando “unidades-força” — continuou —, pode ser comparada a poderosa usina, que deve ser
aproveitada e controlada, no serviço de iluminação, refinamento e benefício da personalidade e não
relaxada em gasto excessivo do suprimento psíquico, nas emoções de baixa classe. Refocilar-se no
charco das sensações inferiores, à maneira dos suínos, é retê-la nas correntes tóxicas dos desvarios
de natureza animal, e, na despesa excessiva de energias sutis, muito dificilmente consegue o homem
levantar-se do mergulho terrível nas sombras, mergulho que se prolonga, além da morte corporal.
Contra os perigos possíveis, na excessiva acumulação de forças nervosas, como são chamadas as
secreções elétricas da epífise,
São muito raros ainda, na Terra, os que reconhecem a necessidade de preservação das energias
psíquicas para engrandecimento do Espírito eterno. O homem vive esquecido de que Jesus ensinou
a virtude como esporte da alma, e nem sempre se recorda de que, no problema do aprimoramento
interior, não se trata de retificar a sombra da substância e sim a substância em si mesma.
— De acordo com as nossas observações, a função da epífise na vida mental é muito importante.
— Sim — considerei —, compreendo agora a substancialidade de sua influenciação no sexo e
entendo igualmente a dolorosa e longa tragédia sexual da humanidade. Percebo, nitidamente, o
porquê dos dramas que se sucedem, ininterruptos, as aflições que parecem nunca chegar ao fim,
as ansiedades que esbarram no crime, o cipoal do sofrimento, envolvendo lares e corações...
— E o homem sempre disposto a viciar os centros sagrados de sua personalidade — concluiu
Alexandre, solenemente —, sempre inclinado a contrair novos débitos, mas dificilmente decidido a
retificar ou pagar. (...) É, portanto, indispensável distinguir entre harmonia e desequilíbrio,
evitando o estacionamento em desfiladeiros fatais.“
(Missionários da Luz, André Luiz)
CONCLUSÕES GERAIS
• A nossa conduta mental (pensamento) se propaga
por meio de ondas vibratórias e é causa
preponderante de nosso equilíbrio físico e espiritual.
• Nosso pensamento conduz o nosso sistema de
distribuição de energia.
• Centros vitais desequilibrados obrigarão a alma à
permanência nas situações de desequilíbrio.
A vontade é atributo essencial do
Espírito, isto é, do ser pensante.
Com o auxílio dessa alavanca, ele
atua sobre a matéria elementar e,
por uma ação consecutiva, reage
sobre seus compostos, cujas
propriedades íntimas vem assim
ficar transformadas. (5) É assim
que a água é fluidificada ou
magnetizada, é assim que ocorrem
as curas, conhecidas no meio
espírita. (...) quanto mais forte for
a nossa vontade e quanto mais
positiva for a nossa confiança,
tanto mais eficientes serão os
efeitos da magnetização.
Afirmamos, por igual, que
quanto mais nos
elevarmos espiritualmente,
tanto maior será o poder
de nossa irradiação. (14)
O períspirito do
necessitado recebe fluidos
do médium de passe, os
quais são transferidos ao
seu corpo físico, uma vez
que a transfusão fluídica
se opera de períspirito a
períspirito.
O fluido magnético, que se
nos escapa continuamente,
forma em torno do nosso
corpo uma atmosfera.
Não sendo impulsionado pela
nossa vontade, não age
sensivelmente sobre os
indivíduos que nos cercam;
desde, porém, que nossa
vontade o impulsione e o
dirija, ele se move com toda
a força que lhe imprimimos.
(15)
Outro fator importante no
passe, além da vontade, é a
ação da prece. A prece atrairá
a assistência dos bons
Espíritos, criando um clima de
elevação e de harmonia,
favorável à cura. A prece é um
recurso de que todos podemos
lançar mão, principalmente o
passista, e que, quando
corretamente executada,
funciona como verdadeiro
“banho” de limpeza fluídica.
(11)
A prece tem um outro
papel importantíssimo,
que é o de higienização
do ambiente fluídico em
que se encontra aquele
que ora. No momento
em que o passista
passa a receber fluidos
de qualidade superior,
passa também à
condição de repulsor
dos fluidos inferiores
do ambiente. (12)
3o. Tipos de Passe ou
de ação magnética (03)
A ação magnética pode
produzir-se de muitas
maneiras:
-pelo próprio fluido do
magnetizador; é o
magnetismo
propriamente dito, ou
magnetismo humano,
cuja ação se acha
adstrita à força e,
sobretudo, à qualidade
do fluido;
-Pelo fluido dos Espíritos,
atuando diretamente sem
intermediário sobre um
encarnado, seja para o curar
ou acalmar um sofrimento,
seja para provocar o sono
sonambúlico espontâneo,
seja para exercer sobre o
individuo uma influencia
física ou moral qualquer. É o
magnetismo espiritual, cuja
qualidade esta na razão
direta das qualidades do
Espírito;
-Pelos fluidos que os Espíritos
derramam sobre o magnetizador
[no caso, médium passista], que
serve de veiculo para esse
derramamento. É o magnetismo
misto, semi-espiritual, ou
humano-espiritual. Combinado
com o fluido humano, o fluido
espiritual lhe imprime qualidades
de que ele carece. Em tais
circunstancias, o concurso dos
Espíritos é amiúde espontâneo,
porem, as mais das vezes,
provocado por um apelo do
magnetizador. (03)
3o. Os Tipos de passes:
Imposição de mãos:
Transversal:
Longitudinal
Sopro Quente sopro frio
Perpendicular:
Rotatório:
Dispersivo:
Auto passe:
Coletivos:
A distancia:
IMPOSIÇÃO
Trata-se de técnica concentradora de fluidos, dependendo da
distancia da aplicação efetuada, funcionará como
concentradora e bastante ativante se aplicado de perto do
paciente - e calmante se aplicado de longe do paciente, desta
forma descarregando fluidos pesados, facilitando a circulação
sangüínea.
A forma de executá-lo é muito simples; posiciona-se a (s) mão
(s) sobre o lugar onde se deseja fazer a aplicação fluídica, sem
movimentos e sem algum toque no paciente. A (s) mãos
devem ficar abertas, com os dedos levemente afastados um
dos outros, dificultando assim, as contrações musculares nas
mãos.
TRANSVERSAL
Técnica essencialmente dispersiva, por este fato muito
eficiente quando aplicada com conhecimento.
Funciona basicamente, com os braços paralelamente
esticados sem enrijecimento dos mesmos e as mãos
voltadas em direção ao ponto que se deseje aplicar o
transversal, abrindo-os com rapidez e vigor. Tendo bastante
cautela quanto a distância tomada entre as mãos e o corpo
do paciente, para não batermos no mesmo.
PASSES LONGITUDINAIS
Passe longitudinal é aquele feito ao longo do corpo,
de cima para baixo. A base fundamental desta
aplicação é a formação de uma corrente de fluidos
que, partindo do passista e veiculado pelas suas
mãos, transmite-se ao corpo do paciente em todo o
seu campo vibratório.
Os passes longitudinais movimentam os fluidos e os
distribuem, mas quando ultrapassam as
extremidades ( pés e mãos), os descarregam.
Longitudinal
Quanto ao tempo de duração do passe, compreende-se que não
seja fixo. Cabe ao passista usar o bom senso e a inspiração do
momento.
• Demorar muito, principalmente em crianças, não é
confortável e causa irritação.
• Não é aconselhável também acumular fluidos só numa
parte do corpo, ex: a cabeça.
• uma forma bem usual é, por exemplo, essa:
• imponha a mão sobre o centro de força coronário,
permaneça por um tempo (curto), desça em suaves
movimentos dispersivos (siga sua inspiração), e depois
retome a energização no coronário. ( passe longitudinal)
• Lembrando que o passe é de períspirito á períspirito,
aura a aura, e sua principal ação é a mente (leia
pensamento), vontade e fé.
SOPRO ou INSUFLAÇÃO
Consiste em insuflar com a boca, mais ou menos aberta, o hálito humano sobre as
partes afetadas do paciente, fazendo penetrar o máximo possível na área dos
tecidos. Para isso é necessário que o passista aspire ar suficiente para dilatar seu
tórax, além do normal, deverá Ter capacidade bem ampla de respiração, podendo
obtê-la através de exercícios de respiração profunda.
André Luiz em Os mensageiros – Cap 19 – O Sopro, nos diz “Nossos técnicos não se
forma de pronto. Exercitam-se longamente, adquiririam experiência a preço alto. Em
tudo há uma ciência de começar. São servidores respeitáveis pelas realizações que
atingiram, ganharam remunerações de vultos e gozam de enorme acatamento mas,
precisam conservar a pureza da boca e a santidade das intenções. Nos círculos
carnais, para que o sopro se afirme suficientemente, é imprescindível que o homem
tenha estômago sadio, a boca habituada a falar o bem, com abstenção do mal, e
mente reta, interessada em auxiliar. Obedecendo a esses requisitos, teremos o sopro
calmante e revigorador, estimulante e curativo. Através dele, poder-se-á transmitir,
também na Crosta, a saúde, o conforto e a vida”.
Divide-se em dois grande grupos:
1 Frias - são muito usadas como dispersivos ou calmante a depender da distancia e da
força que se imprime no próprio sopro a verificar, pois são aplicadas, normalmente a uma
relativa distância da região que se deseje dispersar, como se ali estivesse uma a vela que
se queira apagar.
O sopro é dado com os pulmões cheio de ar, liberando-os lentamente (se o objetivo é
acalmar) e rapidamente e com vigor ( para o objetivo de dispersar, como acordar o
paciente de um sono magnético, sonambúlico ou mediúnico, depressão nervosa,
afastamento de espírito). Poderemos verificar, que nesta aplicação o centro laríngeo será o
grande usinador de fluidos e que dependendo do seu estado, doará saúde ou desarmonia.
2 Quentes - ao contrário das frias, são extremamente concentradoras de ativantes. São
aplicadas o mais próximo possível da região que se queira fluidificar, como se ali tivesse
uma lâmina que quiséssemos embaçar.
É praticada com os pulmões cheios de ar, com o aquecimento do estômago, liberando-os
lentamente, até esgotar o ar.
Findando a insuflação, afasta-se a boca do local, respira-se normalmente algumas vezes e
depois, com os pulmões novamente cheios, repete-se a insuflação.
CIRCULAR OU ROTATÓRIO
Como podemos deduzir, é a técnica definida que
usa de movimentos circulares.
Esta técnica é definida como concentradora, mesmo
quando feitos em giros mais rápidos.
PERPENDICULAR
Também prática geralmente usada para dispersar, onde o
seu poder é mais consistente, pode também ser útil em
concentrações fluídicas em grandes regiões. Seu
funcionamento solicita que o paciente esteja formando um
ângulo reto com o passista, no campo das concentrações
fluídicas deve ser aplicado com velocidade muito lenta.
O passista passará as mãos simultaneamente , uma pela
frente e outra pelas costas, perpendicularmente, sempre no
sentido da cabeça aos pés, com rapidez, no sentido de
dispersar.
DISPERSIVOS E SUAS IMPORTÂNCIAS
Já falamos bastante em dispersivos ou passes de
distribuição e limpeza, todavia gostaríamos de dar
alguns destaques breves sobre suas funções bem como a
importância nas técnicas dos passes já utilizadas por nós
na nossa casa espírita. O termo dispersivo, também
conhecido por alguns como limpeza fluídica.
Analisando o dicionário Aurélio, o termo dispersar entre
outras coisas significa - fazer ir para diferentes partes,
pôr em debandada, espalhar.
Auto passe.
PASSE COLETIVO
Caracteriza-se esta modalidade, quando o número de
passistas é insuficiente para atender a todos os
frequentadores individualmente, pode-se lançar mão deste
recurso como medida de emergência. Realiza-se esse
trabalho com o diretor, após a prece e a preleção evangélica,
pedindo a todos os passistas presentes que doem fluidos aos
trabalhadores do plano espiritual e mentalizem as
aplicações dos passes necessários a cada paciente.
Esta modalidade poderá ser aplicada mentalmente,
imaginando os passistas aplicando os passes através das
projeções mentais sob os pacientes no recinto.
PASSE A DISTÂNCIA – IRRADIAÇÕES
Nesta modalidade, comumente verificamos uma equipe de médiuns que
visitam hospitais e que na busca do auxílio reservam uma atividade para
as irradiações a distância para aqueles enfermos visitados nos hospitais.
O médium sintonizado com o necessitado, a distância canaliza igualmente
fluidos salutares e benéficos. Os doentes são beneficiados não somente
em virtude dos fluidos dirigidos conscientemente pelos encarnados como
pelas energias extraídas dos presentes pelos cooperadores espirituais.
O passe a distância entretanto é praticado da seguinte maneira :
Concentração e prece.
Idealizar a figura material do doente – se for conhecido – dando como
presente; ou, então, imaginar sua figura, no local indicado e ir lá com o
pensamento.
Fazer sobre essa figura, imaginada ou ideoplastizada, os passes indicados,
encerrando com uma prece.
4o. Os efeitos do Passe
Nem todo os homens são sensíveis à ação
magnética, e, entre os que o são, pode haver
maior ou menor receptividade, o que depende
de diversas condições, umas que dizem
respeito ao magnetizador e outras ao próprio
magnetizado, alem de circunstancias
ocasionais oriundas de diversos fatores.
Comumente, o magnetismo não exerce
nenhuma ação sobre as pessoas que gozam
de uma saúde perfeita. (16)
Os Fatores que interferem nos efeitos do passe
podem ser resumidos em:
impedimento provacional (a pessoa tem que
passar por aquela provação);
condições físicas do passista (velhice, uso de
certos medicamentos, doenças em geral, vícios,
etc);
falta de cooperação do paciente (falta de fé ou
rejeição à ação fluídica).
O grande efeito ou beneficio do passe é,
naturalmente, a cura, física ou psíquica.
A cura se opera mediante a substituição de uma
molécula malsã por uma molécula sã.
O poder curativo estará na razão direta da pureza
da substancia inoculada; mas depende também da
energia da vontade que, quanto maior for, tanto
mais abundante emissão fluídica provocará e tanto
maior força de penetração dará ao fluido (…).
Os fluidos que emanam de uma fonte impura são
quais substancias medicamentosas alteradas. (02)
As pessoas doentes do corpo ou da alma – presas a
obsessões ou influencias espirituais – devem
buscar o lenitivo do passe para os seus males.
5o. O Passe nas Reuniões Mediúnicas
O passe é utilizado nas reuniões mediúnicas quando
necessário. É uma forma de doar fluidos salutares ao Espírito
sofredor comunicante, auxiliando-o na recuperação ou no
equilíbrio de seu estado mental e emocional.
Tem o poder de também auxiliar o médium durante a
comunicação mediúnica, de forma que os fluidos deletérios
sejam dissipados e não atinjam diretamente o equilíbrio
somático do medianeiro.
Naturalmente, não é uma conduta obrigatória, uma vez que o
médium harmonizado com o plano espiritual superior
encontra os recursos necessários para não se deixar
influenciar pelas ações, emoções ou sentimento do sofredor,
que lhe utiliza as faculdades psíquicas para manifestar-se.
O passe é necessário no trabalho da desobsessão. (17)
Jesus impunha as mãos sobre os enfermos e sofredores,
inclusive os endemoniados (obsidiados), curando-os dos seus
males. Os apóstolos adotavam também esta pratica. (18) Nas
reuniões mediúnicas, a aplicação do passe deve ser observada
regularmente, de vez que o serviço de desobsessão pede
energias de todos os presentes e os instrutores espirituais
estão prontos a repor os dispêndios de força havidos, através
dos instrumentos de auxilio magnético que se dispõem a servi-
los, sem ruídos desnecessários, de modo, a não quebrarem a
paz e a respeitabilidade do recinto. (18) Os médiuns passistas,
no entanto, aplicarão o passe, quando se fizer necessário, a
pedido do dirigente da reunião.
Orientações oportunas:
• Mantenha os olhos sempre abertos ou
semi-serrados, pois o assistido* pode
mudar de local ou sofrer algum distúrbio
momentâneo (desmaiar, cair, levantar,
virar),
• evitando assim ocasionar o contato físico
e/ou um acidente com o assistido.
• * a palavra paciente não é recomendada o uso, tendo em vista o enquadramento da instituição espírita em
curandeirismo e prática ilegal da medicina. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
• Paciente é aquela pessoa que consulta o médico ou profissional da área de saúde.
Orientações oportunas:
• Se na aplicação do passe houver alguma manifestação
estranha ao momento ex: choro, tremor excessivo, ou
mesmo uma manifestação mediúnica e/ou anímica:
• 1 - devemos sempre manter a calma;
• 2 – nos mantermos em oração (buscando ajuda da
equipe espiritual);
• 3- direcionar o pensamento ao assistido e ao
desencarnado (se houver), auxiliando o ser
restabelecimento. Evitar o diálogo com o desencarnado
( o momento não é para doutrinação), aplicar passes
dispersivos, induzindo o desencarnado ao sono. (fé
verdadeira é êxito certo).
• 4- recorrer ao dirigente encarnado se necessário.
6. O passista: Requisitos morais.
• Quem pode aplicar o passe? Essa é uma das primeiras
perguntas que surgem quando pensamos na programação das
atividades de passe nas casas espíritas.
• O conhecimento da natureza e dos mecanismos do passe nos
possibilita inferir que todas as pessoas sadias poderiam, em
princípio, aplicar o passe.
• Todas possuem fluidos, em várias gradações, naturalmente,
que podem ser mobilizados pelo amor na direção do
semelhante que sofre.
• Mas para efetivamente nos qualificarmos como bons
servidores do passe, precisamos muito esforço, muita
vontade ativa, muita disciplina para irmos adquirindo certas
condições mínimas, de que resumidamente trataremos nesta
seção e na seguinte.
Continua...
• Se pretendes, pois, guardar as vantagens do passe que,
em substância, é ato sublime de fraternidade cristã,
purifica o sentimento e o raciocínio, o coração e o
cérebro. (Segue-me, cap. "O passe", p. 134)
• No capítulo 19 do livro Missionário da Luz, de André
Luiz, encontramos estas significativas palavras do
Instrutor Alexandre:
• O missionário do auxilio magnético, na Crosta ou aqui
em nossa esfera, necessita ter grande domínio sobre si
mesmo, espontâneo equilíbrio de sentimentos,
acendrado amor aos semelhantes, alta compreensão
da vida, fé vigorosa e profunda confiança no Poder
Divino.
Vemos aqui a imensa gama de conquistas requeridas de todo aquele que se propõe doar fluidos balsamizantes
aos necessitados. Logo após, Alexandre faz um esclarecimento que achamos importante transcrever:
• Cumpre-me acentuar, todavia, que semelhantes requisitos em nosso plano constituem
exigências a que não se pode fugir, quando, na esfera carnal, a boa vontade sincera, em
muitos casos, pode suprir essa ou aquela deficiência, o que se justifica, em virtude da
assistência prestada pelos benfeitores de nossos círculos de ação ao servidor humano,
ainda incompleto no terreno das qualidades desejáveis.
• O passe é um trabalho de equipe. É comum que os colaboradores encarnados mostrem
maior soma de deficiências que os desencarnados, em geral mais conscientes de seus
deveres e da delicadeza da tarefa. Não podendo os serviços serem prejudicados, já que é
o bem do próximo que está em jogo, tais deficiências podem ser supridas pelos Espíritos,
quando de nossa parte houver boa vontade e desejo sincero de ajudar. Meditando nisso,
vemos como precisamos lutar por nossa melhoria integral!
• Continuemos o estudo com André Luiz, acompanhando-lhe o diálogo com Alexandre:
• - Ainda mesmo que o operário humano revele valores muito reduzidos, pode ser
mobilizado? [...]
• - Perfeitamente [...]. Desde que o interesse dele nas aquisições sagradas do bem seja
mantido acima de qualquer preocupação transitória, deve esperar incessante progresso
das faculdades radiantes, não só pelo esforço próprio, senão também pelo concurso de
Mais Alto de que se fez merecedor.
6.a – Questões oportunas.
• Trabalhadores ou turistas?
• Como fica a questão da escala de trabalho?
• “Vou “quando dá”, ou só vou porque é meu dia,
mesmo não estando bem?
• “vou uma vez por mês”, faço minha parte com a casa!
• “Eu venho doar, não preciso me tratar”
Continua...
• - Quer dizer que numa casa como esta [um centro
espírita] há colaboradores espirituais devidamente
fichados, assim como ocorre com médicos e
enfermeiros num hospital terrestre comum?
• - Perfeitamente. Tanto entre os homens como entre
nós, que ainda nos achamos longe da perfeição
espiritual, o êxito do trabalho reclama experiência,
horário, segurança, responsabilidade do servidor fiel
aos compromissos assumidos. A Lei não pode
menosprezar as linhas da lógica.
Quantos ensinamentos para o passista!
Quantas diretrizes para o preparo do
doador de fluidos!
• Áulus afirma que: o serviço de passe deve ser exercido com
a mesma responsabilidade dos médicos que socorrem nos
hospitais da Terra. Cada hospital possui a sua equipe de
médicos, encarregados cada um de sua área, obedecendo à
disciplina que o hospital estipula.
• Achamos importante a referência ao fichamento dos
colaboradores no "hospital" do centro espírita. Como são
graves as conseqüências da ausência do passista escalado no
dia e hora do passe! Tudo estava programado para que os
seus fluidos fossem utilizados, os Espíritos contavam com ele,
mas... Nas substituições apressadas é inevitável o dano geral.
Ciente disso é importante que o passista só falte em situações
excepcionais.
Diretrizes para o trabalho
• No Gelp, em nossa nova diretriz de
trabalho, os colaboradores se identificaram
com o dia da reunião que mais os
agradaram ou favoreciam no momento.
• podendo o colaborador estar disponível
em duas delas, ex; Domingo e Quarta-Feira.
Diretrizes para o trabalho
• A - Os trabalhadores da quarta-feira ou do domingo estão
escalados para o trabalho em todas as reuniões de quarta e
de domingo, durante o ano todo, e não mais em uma vez ao
mês e/ou em cada quinze dias.
• B - Se me candidato ao trabalho de passes e me considero
apto á tarefa, devo me preparar para o passe, toda vez que
for a instituição espírita, não importando o dia ou horário,
porque quase sempre poderemos ser chamados a servir na
tarefa do passe em socorro a um companheiro da casa e/ ou
visitante.
• C - Estando todos os colaboradores do dia previsto em maior
número que o necessário, os que estiverem em melhor
condição fisio-psíquico-espiritual, faram a aplicação do passe,
lembrando que o bom senso deve reger toda e qualquer
escolha nossa.
Diretrizes para o trabalho
• D - Se a equipe se manteve em maior número na reunião seguinte, e todos
estando em condição de trabalho no passe, que atue os que estiveram
fora da cabine e (estavam na reunião), na semana anterior e assim
sucessivamente.
• E - Podendo em vista de problemas outros e/ou tarefas, se absterem do
trabalho, mesmo estando presentes na reunião doutrinária.
• Sabemos que por muitas vezes faltar é necessário e inevitável, lembrando
também, que para qualquer trabalho no bem a freqüência é necessária
para a manutenção do trabalho em si, (o ideal mínimo é de 75% de
freqüência), ou seja, em quatro reuniões semanais é de bom tom que você
esteja presente no mínimo em três delas, fora disso o trabalhador será
mais bem aproveitado em outra tarefa que não seja o passe.
• Vindo o colaborador apenas uma vez ao mês nessa tarefa especifica, não
constrói vínculos com a equipe encarnada e principalmente com a equipe
desencarnada.
Diretrizes para o trabalho
• F - Caso o colaborador falte em duas reuniões seguidas ou
mais, não devera no seu retorno aplicar passes, o mesmo
número de faltas, deve ser o número de reuniões em que
deve se harmonizar novamente com a equipe de
desencarnados e de encarnados, mantendo-se na reunião
doutrinária e auxiliando em outras tarefas.
• G- Estando o colaborador da tarefa do passe em
tratamento (espiritual) em outra instituição, denotando
problema físico e/ou espiritual, deve-se ausentar da tarefa
de aplicar passe no gelp, e aproveitando sua freqüência na
reunião doutrinaria também tomar o passe em nossa casa.
Ao término do tratamento oriente-se com a coordenação
do departamento de orientação mediúnica para seu
retorno.
Diretrizes para o trabalho
• H - Observando que a reunião doutrinária é para o tratamento dos
médiuns e a reunião mediúnica o é para o tratamento dos espíritos,
não estar presente no tratamento indica duas coisas: ou você não se
julga necessitado de tratamento ou não quer se tratar, por isso a
freqüência em pelo menos uma reunião doutrinária na semana é um
reconhecimento da necessidade de mudanças e uma prova de nosso
esforço em nos tornar mais humildades e principalmente mais
saudáveis, físico-psíquico-espiritual.
• I - O encaminhamento para a câmara de passes e a condução e
manutenção do silencio e clima de oração no recinto (salão), é tarefa
da equipe de passes e deve disponibilizar trabalhadores para essa
tarefa, que se diga de passagem é de igual relevância à aplicação do
passe na cabine.
Diretrizes para o trabalho
• J - Outro ponto fundamental do texto transcrito é a
necessidade de o passista recorrer à oração como um meio
iluminado para alijar do mundo interior, eventuais
pensamentos sombrios, remanescentes das atividades do
dia, e sorver dos bons Espíritos as substâncias renovadoras,
para ajudar com eficácia o enfermo.
• K - Lembrando apenas que a oração preliminar pode nos
conectar com a equipe e nos melhorar, mas, isso quanto
não houve desequilíbrios sérios no campo do sentimento e
da emoção, dificultando a melhora rápida do colaborador,
impedindo-o do trabalho de passes no dia e/ou noite. A
harmonização real e verdadeira se faz no dia a dia.
Diretrizes para o trabalho
• L - Importante é não fazer dessa necessidade de
orar, uma necessidade de ritual, anexando
“adjetivos” na “oração”, onde temos que fazer
leitura, meditação, corrente de mãos,
relaxamento, mesmo estando em relativa
harmonia, nosso objetivo na tarefa é que nos faz
unidos, e essa união se dá pelo pensamento.
• M - Orar sempre e espontaneamente antes e
depois dos trabalhos de passe, nos vinculando á
equipe espiritual, no início para harmonização e
no final para agradecer.
• a) Estudo
• b) Disciplina
• c) Amor
• d) Paciência
• e) Vivência cristã constante
• f) Equilíbrio emocional
• g) Preparo contínuo
• h) Fé e oração
Com base na vasta literatura espírita sobre o assunto, tentaremos enumerar agora algumas das
diretrizes que o passista deve seguir tanto em sua vivência cotidiana quanto na aplicação do passe.
7. O passista: Requisitos físicos.
• Depois de havermos apontado
alguns dos requisitos morais, tão
difíceis de conquistar, faremos
alguns comentários sobre as
condições físicas de quem ministra o
passe:
Requisitos físicos.
• l) Higiene
• ll) Alimentação
• lll) Vícios: álcool, fumo, tóxico
• lV) Conduta sexual
• V) Hábito do Jogo
8. O enfermo
• a) Posição mental para receber o passe
• Para que obtenha melhora, as pessoas que buscam o recurso do
passe devem ter postura mental adequada.
• A esse respeito, é interessante consultarmos o item 10 do capítulo
15 de A Gênese. Kardec analisa aí a passagem evangélica da mulher
hemorroíssa (Marcos, 5: 25-34), uma das inúmeras curas operadas
por Jesus. Vejamos este trecho:
• Considerado como matéria terapêutica, o fluido tem que atingir a
matéria orgânica, a fim de repará-la; pode então ser dirigido sobre
o mal pela vontade do curador, ou atraído pelo desejo ardente, pela
confiança, numa palavra: pela fé do doente. Com relação à corrente
fluídica, o primeiro age como uma bomba calcante e o segundo
como uma bomba aspirante.
8. O enfermo
• b) Posição física para receber o passe
• Quem vai receber o passe deve ficar na posição que lhe dê
mais conforto físico. O passe transmite-se ao perispírito,
independentemente da posição do corpo físico.
• Dependendo do lugar, pode ficar deitado, sentado ou de pé.
Mas em qualquer caso, deverá ficar descontraído, respirando
normalmente.
• Não há necessidade de ficar com as mãos espalmadas para
cima, como se fossem "receber" algo material.
• Certas pessoas alegam que não se devem cruzar os braços ou
as pernas, porque tais posturas dificultariam a "circulação"
dos fluidos. Parece-nos, porém, que se não devemos cruzar
os membros é apenas porque isso em geral atrapalha a
circulação sangüínea e gera tensões musculares.
Ilustração
Continua...
• Sensações de calor, frio, tremor, suor, arrepio, choro podem ocorrer
durante o passe. São, geralmente, motivadas por causas
psicológicas. O misticismo, de que muitos ainda se não
desvencilharam, pode provocar efeitos ilusórios variados.
• Nem o passista nem o paciente precisam retirar pulseiras, colares,
relógios, óculos, sapatos, etc. Tais objetos não interferem no passe,
porque são de natureza diversa daquela dos fluidos. (quem assim
procede, orientando a retirada dos objetos, deve ter outro motivo
que não seja a influência nos fluidos transmitidos pelos espíritos,
ex: em reuniões especificas de tratamento, retira o calçado para
evitar barulho no ambiente ao caminhar.)
• Vemos alguns fumantes que se apressam em alijar-se
momentaneamente do maço de cigarros. A presença dos cigarros
não é, em si, o problema. O problema sério é o hábito de fumar,
que intoxica o organismo, atuando em sentido contrário ao do
passe, quando recebido.
9. Quando receber o passe
• Não abuses, sobretudo, daqueles que te auxiliam. Não
tomes o lugar do verdadeiramente necessitado, tão só
porque os teus caprichos e melindres pessoais estejam
feridos.
• Emmanuel (Segue-me, p. 134)
• A ninguém imponhas precipitadamente as mãos. (Paulo, I
Timóteo 5: 22)
• Dessas sábias advertências de Emmanuel e do Apóstolo dos
Gentios concluímos que as pessoas só devem buscar os
recursos do passe quando têm realmente necessidade.
Passe é remédio. E todo remédio só se toma quando
necessário, na dose certa e até que se recupere a saúde. Se
estivermos bem, o passe é dispensável.
Continua...
• No capítulo 28 de Conduta Espírita, André Luiz recomenda-nos:
• "esclarecer os companheiros quanto à inconveniência da
petição de passe todos os dias, sem necessidade real, para que
esse gênero de auxílio não se transforme em mania."
• Se a pessoa não precisa de passe, devemos esclarecê-la a esse
respeito, orientando-a para o estudo doutrinário e o serviço ao
próximo.
• Devemos lembrar-nos que os problemas do nosso dia podem
ser resolvidos com bom senso, honestidade, equilíbrio e muita
disciplina.
• Em seu livro Segue-me, Emmanuel assim se expressa sobre a
questão de quem necessita do passe: "O passe exprime
também gastos de forças, e não deves provocar o dispêndio de
energias do Alto, com infantilidades e ninharias" (p. 134).
10. O recinto do passe
• De ambiente poluído nada de bom se pode esperar. (André Luiz,
Conduta Espírita, cap. 28.)
• O lugar mais adequado para a transmissão do passe é o
centro espírita, que, pela natureza de suas atividades,
constitui o núcleo mais importante de assistência a
encarnados e desencarnados no que tange ao socorro de
ordem espiritual.
• Se possível, deve-se reservar uma sala especial para essa
tarefa, na qual se reúnem sublimados recursos fluídicos
movimentados pelos pensamentos elevados e pelas preces.
• A sala de passes deve ser simples, mas muito limpa,
arejada, ensolarada. Os Espíritos auxiliam na preparação
do ambiente espiritual, porém não podem usar vassoura,
água e sabão.
11. Os efeitos do passe
• Existem vários fatores que influem nos efeitos do passe.
• A despeito da ajuda segura dos bons Espíritos, o resultado
dependerá das condições do enfermo e também do passista,
se bem que as deficiências deste possam em geral ser
supridas pelos Espíritos, há sempre que observar nosso
estado de “saúde”, se realmente estamos preparados e se é
necessária a nossa ação.
• Temos observado que algumas pessoas se sentem curadas,
outras apenas melhoram, enquanto outras ainda
permanecem completamente impermeáveis aos recursos do
passe.
• O clima de fraternidade, simpatia entre o passista e o
enfermo é condição importantíssima para que o passe
produza bons resultados.
Os efeitos do passe
• A fé é outro fator relevante. Observamos que muitos não voltam
mais ao centro espírita após constatarem que não obtiveram
melhoras imediatas.
• Na sua ignorância, alegam que o centro é "fraco", ou mesmo
descrêem completamente dos recursos fluídicos e dos
mecanismos divinos.
• Observemos os passistas que aplicam passes em uma instituição
e na hora que desejam receber se dirigem á outra, não seria um
contra senso e uma falta de fé?
• Para doar aos outros o centro “serve”, mas, para você receber o
mesmo centro não “serve”, é claro que aqui não inclui os
“tratamentos” especializados que outras instituições espíritas
oferecem e que nossa casa mãe ainda não ofereça ou não tenha
equipe “encarnada” e “desencarnada” para tal função.
Continua...
• Lembremos sempre da fé viva, certeza absoluta de que
em Deus nos movemos e existimos.
• O passista não deve aplicar-se em demasia no exame
dos resultados do passe. Empenhe-se em cumprir os
requisitos que se exigem de sua posição, e confie na
Providência Divina, que saberá, melhor do que ele,
quais as reais condições de cada enfermo, quais os
seus méritos e suas necessidades provacionais e
expiatórias. Nunca se envaideça de eventuais
resultados positivos, lembrando sempre de que a fonte
última de todo o bem é Deus.
12. A água fluidificada
• É assim que as mais insignificantes substâncias, como a
água, por exemplo, podem adquirir qualidades
poderosas e efetivas, sob a ação do fluido espiritual ou
magnético, ao qual elas servem de veículo, ou se
quiserem, de reservatório.
• Kardec, A Gênese, cap. 15, § 25
• A água é dos corpos mais simples e receptivos da Terra.
É como que a base pura, em que a medicação do Céu
pode ser impressa, através de recursos substanciais de
assistência ao corpo e à alma, embora em processo
invisível aos olhos mortais.
• Emmanuel, Segue-me, p. 131.
13. Jesus - O Divino Modelo
• Qual o tipo mais perfeito que Deus tem oferecido ao homem, para
lhe servir de guia e modelo? "Jesus". (O Livro dos Espíritos, questão
no 625.)
• Todos os aspectos de Sua passagem na Terra fornecem-nos
exemplos a serem imitados. Acima de tudo, devemos inspirar-nos
em sua conduta moral, marcada pelo amor puro que distribuía
entre todos e tudo que encontrava. Em muitas ocasiões, a
mobilização desse amor deu-se na forma de alívio para as dores,
nas múltiplas expressões das enfermidades orgânicas e espirituais.
Cegueiras e paralisias, ulcerações e debilidades, processos
letárgicos e obsessivos foram por Ele sanados ou aliviados.
Os milagres e as predições ...
• As numerosas curas operadas pelo Mestre foram em geral tidas por
milagrosas. Coube ao Espiritismo a sua explicação racional, pela
ação fluídica impulsionada por uma poderosa vontade.
• Foi no último livro que publicou A Gênese, os Milagres e as
Predições segundo o Espiritismo que Kardec examinou alguns dos
principais feitos materiais de Jesus, destacando-se entre eles as
curas de diversas doenças e limitações orgânicas.
• Devemos, a esse respeito, consultar os capítulos 13, 14 e 15. No
último deles são analisados, de forma particular, os casos da mulher
hemorroíssa (Mc 5: 25-34), do cego de Betsaida (Mc 8: 22-26), do
paralítico de Cafarnaum (Mt 9: 1-8), dos dez leprosos (Lc 17: 11-19),
do homem da mão seca (Mc 3: 1-8), da mulher curvada (Lc 13: 10-
17), do paralítico da piscina de Betesda (Jo 5: 1-17), do cego de
nascença (Jo 9: 1-34), além de vários casos de "possessões" e
"ressurreições".
JESUSIMPUNHAASMÃOSSOBREOSENFERMOSESOFREDORES,INCLUSIVEOSENDEMONIADOS(OBSIDIADOS),
CURANDO-OSDOSSEUSMALES.OSAPÓSTOLOSTAMBÉMADOTAVAMESSAPRÁTICA
ANDRÉLUIZ:aobsessãoe assuamáscaras .Cap.17.
.
Fontes de Consulta
1. KARDEC, Allan. A Gênese. Cap XIV, item 31, p 294-295
2. ________, p 295
3. ________, item 33, p 295-296
4. ________. O Livro dos Espíritos. Questao 70
5. ________. O Livro dos Médiuns. Cap. VIII, item 131
6. FEB. Espiritismo de A a Z. p 377
7. GENTILE, Salvador. O Passe Magnético, p 47
8. ________, p 62
9. ________, p 67
10. GURGEL, Luiz Carlos. O Passe Espírita. P 84-86
11. ________, p 109
12. ________, p 111
13. ________, p 113
14. MICHAELUS. Magnetismo Espiritual. Cap V, p 37
15. ________, Cap VI, p 46
16. ________, Cap VIII, p 58
17. NOBRE, Marlene. A Obsessão e suas Mascaras, p 142
18. XAVIER, Chico; VIEIRA, Waldo. Desobsessão. Cap 52. p 142
19. ______. Evolução em Dois Mundos, Cap XV, p 183
20. XAVIER, Chico. Entre a Terra e o Céu. Cap 20, p 163-164
Todas as pessoas sadias, poderiam, em princípio, aplicar o
passe.Todas possuem fluidos, em várias gradações,
naturalmente, que podem ser mobilizados pelo amor na
direção do semelhante que sofre. Mas para efetivamente
nos qualificarmos como bons servidores do passe,
precisamos muito esforço, muita vontade ativa, muita
disciplina para irmos adquirindo certas condições mínimas,
como por exemplo: ter grande domínio de si mesmo,
espontâneo equilíbrio de sentimentos, acendrado amor aos
semelhantes, alta compreensão da vida, fé vigorosa e
profunda confiança no Poder Divino. (Cap. 19 do livro
Missionários da Luz, de André Luiz).
01 - Quem pode aplicar o passe?
02 - A higiene pessoal influencia no passe?
 Sim. Podemos destacar duas razões básicas:
 1. - Os desequilíbrios a que submetemos o corpo físico
são refletivos nos outros corpos do indivíduo,
contribuindo para a piora dos fluídos que formam tais
corpos. Sendo esses fluídos doados no momento da
fluidoterapia (do passe), é natural esperarmos que tal
parcela deletéria seja também transferida ao paciente.
 2. -Tanto o passista quanto o paciente necessitam de
concentração mental para que se alcance maior
eficácia. A falta de higiene provoca muitas vezes
odores fétidos que desarticulam a capacidade de
concentração, afetando inclusive quem esteja
localizado no mesmo ambiente físico, prejudicando a
todos.
03 - O vestuário do passista influencia
na tarefa?
 Sim. A grande maioria das pessoas encarnadas
ainda enfrenta problemas relacionados à área
sexual. Nesse sentido, muitas vezes o uso de
roupas mais curtas e justas funciona como
catalisador de pensamentos abusivos que
destoam completamente da serenidade
requerida na câmara do passe.Tendo em vista
esse problema comum, não só o passista ou o
paciente, mas qualquer um de nós deverá
observar com cautela o vestuário a ser utilizado
no dia a dia, lembrando sempre que "o equilíbrio
está no meio"
04 - Para ser médium passista é preciso
ser vegetariano?
 Não. Conforme a questão 723 de O Livro dos
Espíritos, "permitido é ao homem alimentar-
se de tudo o que não lhe prejudique a saúde".
05 - O médium passista precisa fazer tratamento
de desobsessão antes de ingressar na tarefa?
 Não. Freqüentemente a falta de trabalho em
benefício do semelhante é o ponto de apoio
da variada gama de processos obsessivos. Em
relação ao passista, apenas os casos de
subjugação deverão merecer tratamento
antecipado. (Livro dos Médiuns, item 240,
cap. 23)

06 - Estou fazendo uso de remédios. Posso
atuar como médium passista?
 Depende. Há medicamentos que podem ser chamados "simples",
tais como remédios contra dor de cabeça, cólicas, resfriados e
coisas afins. Sabemos ser provável que parcela sutilizada do
remédio venha a se agrupar aos fluídos dos médiuns passistas,
podendo parte desta ser posteriormente transferida para o
paciente. Há casos raros na literatura espírita relacionada aos
passes que acusam esses fatos. No entanto, mesmo que a
transferência ocorra, cremos que para os remédios ditos
"simples" a parcela transferida chega a ser desprezível. O único
problema aqui encontrado é a classificação exata de um remédio
como sendo "simples" ou não. Na dúvida, talvez o melhor seja
abster-se de participar da tarefa pelo período de uso do remédio.
No rol dos medicamentos impeditivos da participação na tarefa,
caso o médium passista os use, estão enquadrados todos aqueles
que afetem o Sistema Nervoso Central.

07 - E se o médium passista estiver
doente?
 Em geral um organismo adoentado
apresenta maior dispêndio de energia para
sua manutenção e/ou maior dificuldade em
absorção desta. Excetuando-se os casos em
que as observações acima não se verifiquem,
tal como ocorre em algumas doenças que
acompanham o indivíduo durante toda a
vida, o médium passista deverá se afastar da
tarefa até o restabelecimento adequado.
08 - A ingestão de carne influencia na
tarefa do passe?
 Sim. Embora o médium passista não precise ser
obrigatoriamente vegetariano, encarando o passe como
recurso terapêutico físico e espiritual, geralmente utilizado
quando apresentamos indisposições de variada ordem, é
útil abstermo-nos de alimentos mais pesados, tal qual
fazemos quando em tratamentos médicos convencionais.
 A alimentação do médium passista afeta os fluídos que este
doará no momento do passe. Conforme consta na questão
724 de "O Livro dos Espíritos", a abstinência de carne será
meritória se a praticarmos em benefício dos outros.
 Tendo em mente o benefício do próximo, cumpre-nos
preferir a alimentação vegetariana pelo menos no dia exato
da tarefa.
09 - Posso ministrar o passe de
estômago cheio?
 Via de regra, quanto menor a atividade
orgânica, melhor possibilidade de contato
com o plano espiritual encontrará o Espírito.
Tanto quanto possível, tanto o médium
passista quanto o paciente, deverão se
apresentar à tarefa apenas levemente
alimentados.
10 - Estou cheio de preocupações. Posso
ministrar o passe assim mesmo?
 Se o médium passista já aprendeu que
amparar o semelhante é a melhor forma de
auxiliar a si mesmo, compreenderá que
principalmente nesses casos sua presença se
faz mais útil.

11 - Sou fumante Posso ser médium
passista?
 O ideal é que ninguém seja fumante. No entanto, o
bom não poderá ser inimigo do ótimo. Pessoas que
ainda se utilizam do cigarro, mas estejam se
esforçando continuamente para abolir o vício,
encontrarão na aquisição de responsabilidade como
médiuns passistas maior motivação para absterem-se
do fumo, desde que enquanto ainda fumem procurem
não fazer uso do cigarro pelo menos cinco a seis horas
antes da tarefa. Aos companheiros que não estão
interessados no combate às próprias deficiências,
preferível é que se esforcem primeiramente por
convencer a si mesmos do imperativo da mudança de
hábito.

12 - Faço uso de bebidas alcoólicas.
Posso ser médium passista?
 Relativamente às bebidas alcoólicas, deverá o
médium passista esforçar-se por discernir
adequadamente entre o uso e o abuso. Em caso
de abuso, recomenda-se que o médium passista
não participe da tarefa do passe nos próximos
quatro ou cinco dias, de forma a alijar o máximo
possível os fluídos deletérios contraídos pelo
excesso praticado. Em situações normais,
recomenda-se que particularmente no dia da
tarefa o médium passista não faça uso de
qualquer tipo de bebida alcoólica
13 - Faço uso de drogas ou tóxicos. Posso
ser médium passista?
 Não. O usuário de tóxicos não deverá
participar de tarefas de doação de fluídos.

14 - Qual o número de passes que posso dar em
cada tarefa?
 Esta questão tem causado muita polêmica.À guisa de sugestão, vamos analisar as duas
colocações a seguir:
 1. - O passe misto, também chamado de passe espírita, praticado na maioria das casas
espíritas, leva em conta a doação de energia tanto por parte do Espírito responsável
pelo passe, como do médium passista.Assim, o desgaste energético por parte do
médium passista não pode ser desprezado;
 2. - É sempre importante criarmos oportunidades de trabalho para os interessados,
dentro da casa espírita.Assim, se há número de médiuns passistas maior que o
recomendado para a tarefa, é interessante que haja um rodízio destes, a fim de que
todos trabalhem.
 Com base nessas duas considerações, cremos ser de responsabilidade do coordenador
da tarefa dimensionar o número de passes por médium passista, de forma que todos
participem igualmente, evitando a sobrecarga. Em casos excepcionais que requeiram a
participação intensa do médium passista em uma ou outra oportunidade, devemos
recordar a assertiva de Emmanuel: "a necessidade está acima da razão", sem contudo
utilizarmo-nos desta frase para justificar qualquer tipo de abuso de nossa parte, mesmo
em se tratando de auxílio ao semelhante. O passe misto, necessariamente, envolve
gasto de energia por parte do médium passista. E gasto, obviamente, requer reposição.
15 - Quantas vezes por semana posso
participar da tarefa do passe?
 Recomenda-se que o médium passista
intercale um dia de atividade na tarefa de
doação de fluídos com um dia de descanso
para a reposição natural dos fluídos. Nesse
particular, as reuniões mediúnicas são
também consideradas eventos de doação
fluídica.
16 - Sou médium ostensivo e participo de
reuniões mediúnicas. Posso dar passes?
 Sim, desde que observados os períodos de
descanso para a reposição de fluídos. No
entanto, como a tarefa do passe não exige
qualquer tipo de mediunidade ostensiva, é
sempre um gesto de amor dar preferência a
tarefeiros que não apresentem os requisitos
para o mediunato.
17 - Minha vida é muito corrida e
agitada. Posso ser passista?
 Há muitas pessoas que, mesmo com propósitos
nobres, abarcam mais responsabilidades do que
podem. A tarefa do passe, como outras, exige
presença assídua de seus colaboradores, assim
como dedicação, sempre que possível, aos
estudos para melhoramento individual do
passista. Normalmente é preferível não contar
com um passista, do que contar com ele apenas
raramente. A disciplina é a alavanca do
progresso.
18 - Para ser passista, qual é o sexo
mais adequado?
 Para a tarefa do passe, não há diferenciação
entre os sexo.
19 - A vida sexual do médium passista
influencia em seu desempenho na tarefa do
passe?
 Sim, principalmente a vida sexual que está no
seu pensamento, pois ele atrai energias positivas
ou não, conforme o que se pensa. Assim, o que
gravita em nosso redor invariavelmente combina
com nossos fluídos com base na lei de afinidade.
Esses mesmos fluídos são transferidos
posteriormente ao paciente. A grosso modo,
recomenda-se que principalmente no dia da
tarefa o passista procure manter sua "casa
mental" adequadamente limpa e organizada.
20 - Qual a conduta ideal do
passista?
 À medida que o passista avança na compreensão
da importância da tarefa do passe, ele percebe
que o seu bem-estar físico e espiritual não mais
representa benefício para si próprio, mas
também para todos os companheiros que se
utilizam desse recurso terapêutico na casa
espírita. Naturalmente, a conduta ideal de
qualquer um de nós está descrita no Evangelho
de Jesus, cuja interpretação cristalina
encontramos atualmente na Doutrina Espírita.
21 - Quero ser passista. Preciso ser
"santo"?
 Não. O passe é tarefa de amor, recurso
terapêutico para as almas. Assim como o
lavrador é o primeiro a recolher os benefícios
da colheita, o passista pode ser encarado
como o indivíduo que mais recebe na tarefa.
22 - O passista precisa se preparar ao
longo do dia para dar o passe?
 Podemos comparar o passista a um cirurgião. O
cirurgião, antes do trabalho, deverá apresentar-
se o mais higienizado possível para o
desempenho adequado de sua tarefa sem a
infecção do paciente. O médium passista deverá
higienizar a sua "casa mental" para evitar a
contaminação de seus próprios fluídos que serão
transferidos ao paciente.Tal higienização só
poderá ocorrer com o esforço de se evitar
pensamentos incorretos de qualquer tipo, a
leitura de publicações inadequadas, a conversa
de temas inferiores e absorção de qualquer tipo
de idéia nociva aos princípios cristãos.
23 - O passista deve estudar
sempre?
 Sempre que possível o passista deverá
melhorar sua compreensão dos mecanismos
do passe pelo estudo e observação. No
entanto, o bom desempenho na tarefa do
passe não se vincula exclusivamente ao
aspecto intelectual, mas principalmente ao
amor com que se participa da tarefa.


24 - O passista é médium?

 Nas casas espíritas geralmente pratica-se o passe misto. Nesse
tipo de passe, o passista atua como mediador entre o Espírito
responsável pelo passe e o paciente. Dessa forma, o passista
pode ser considerado médium. Kardec chamava a doação de
fluídos como uma mediunidade de efeitos físicos e, ao seu
médium, de médium curador.Talvez esse nome possa ser muito
pretensioso e por isso as denominações mais simples como
médium passista ou médium de fluidoterapia sejam mais
adequadas.Com isso elimina-se qualquer confusão com a tarefa
levada pelos profissionais da ciência material, médicos,
psicólogos, etc. o que pode ser confundido com charlatanismo e
até ser enquadrado como crime se feito com receituário (mesmo
homeopático) e outras práticas além da imposição de mãos e da
vontade de ajudar o próximo.
25 - O passista absorve os fluídos negativos dos
pacientes?
 Na tarefa do passe realizada dentro da casa
espírita, com a observância dos critérios de
segurança e disciplina conhecidos, a
coordenação da tarefa ocorre a nível
espiritual, embora se tenha sempre um
coordenador encarnado. Assim, é lícito
pensar-se que a Espiritualidade procure
sempre resguardar os tarefeiros durante o
trabalho.
26 - Posso dar passe fora do centro espírita?
 Há casas espíritas que possuem equipes de passistas que vão à
casa do paciente ou a hospitais. Essas equipes sempre
trabalham sob condições de disciplina e de ordem para se
garantir a segurança adequada ao desempenho da tarefa. O
passista, sozinho, nunca deverá assumir responsabilidades por
qualquer tipo de trabalho fora do âmbito da casa que freqüenta,
embora, a título de beneficência, em visita a companheiro
adoentado, poderá orar por ele, o que na verdade é também um
passe, chegando mesmo a aplicar-lhe um passe, somente nos
casos em que o próprio doente manifeste o interesse pela
aplicação. Mesmo nesses casos, deverá o passista agir com
extrema cautela a fim de se evitar inconvenientes tais como
manifestações mediúnicas de qualquer parte. Atendimentos a
companheiros vinculados a processos obsessivos que envolvam
manifestação mediúnica e que se encontrem impossibilitados
de se dirigir à casa espírita nunca deverão ser realizados
pessoalmente por qualquer indivíduo, mas apenas por equipe
especializada da própria casa espírita.
27 - Devo dar conselhos durante a aplicação do
passe?
 Não. a tarefa é de aplicação de passes, e não de
sugestões e conselhos. Não que os conselhos e as
sugestões embasadas na vivência do Evangelho sejam
incorretas, mas no momento da tarefa do passe, tal
prática não dever ser permitida, por melhor que seja a
intenção. Em algumas casas espíritas observa-se a
tendência à conversação durante a aplicação do passe,
estando o passista muitas vezes mediunizado. Embora
tal prática seja adotada nas respeitáveis religiões
africanistas, ela não encontra suporte na Doutrina dos
Espíritos. O passe misto, praticado nas casas espíritas,
exige concentração tanto do paciente como do
passista e intercâmbio de idéias apenas a nível mental,
e não verbal.
28 - Devo receitar durante a tarefa do
passe?
 Não. A tarefa do passe não é receituário
mediúnico, mas apenas ministração, por via
fluídica, de elementos terapêuticos
extremamente sutis ao paciente, que atuam
diretamente no perispírito, atuando à
semelhança dos compostos homeopáticos,
fazendo repercutir seus benefícios inclusive no
corpo físico.Tal prática difere completamente do
receituário mediúnico, que aliás deve ser
utilizado somente com o amplo entendimento
das responsabilidades, tanto físicas quanto
espirituais, que seu exercício acarreta.
29 - Posso prometer cura a alguém?
 Não. Aprendemos com Jesus que a cura somente
pertence ao próprio doente que, mercê de Deus,
aproveita as oportunidades de progresso
espiritual. A promessa de cura, sobretudo
endereçada a pessoa realmente doente, excita
demasiadamente o psiquismo desta, podendo
leva-la a estados muito piores se a melhora não
se verifica conforme o prometido. Assim, por
mais seja a fé do passista em relação à eficácia
do tratamento fluidoterápico, devemos
relembrar o mestre lionês, quando diz que "fé
inabalável é aquela que pode encarar a razão,
face a face"
30 - Posso dar passe mediunizado?
 Não. Se todos os companheiros das casas
espíritas trabalhassem apenas mediunizados,
muito provavelmente os Espíritos não
precisariam de nosso concurso inteligente. O
estado de consciência plena do passista durante
o passe indica que este também participa
ativamente do processo de doação, através de
seu raciocínio e seu sentimento, doando não
somente os fluidos animais necessários ao
transporte e à absorção dos elementos por parte
do paciente, mas também de sua ideação nobre
que irá impressionar positivamente os fluidos a
serem transmitido.
31 - Posso dar o passe com qualquer
roupa?
 Não há regra. Entretanto, recomenda-se que o passista vista-
se de forma confortável, para que não venha a sentir
incômodo durante a tarefa, podendo atingir seu término com
tranqüilidade. Deve-se evitar o uso de roupas espalhafatosas,
o que poderá ocasionar pensamentos de estranheza em uns,
assim como a crítica em outros, desviando os pensamentos
do campo nobre de ilações que a tarefa exige. essencial
também não abusar de decotes, roupas muito justas, curtas,
e coisas afins que, naturalmente, possam gerar pensamentos
libidinosos nas outras pessoas. De maneira geral, todos nós
ainda temos vinculações no campo da sexualidade mal
direcionada. E por fim, sugere-se que os passistas não façam
uso de colares, pulseiras ou qualquer outro objeto que faça
barulho durante a tarefa, para evitar-se desviar a atenção de
outros co-participantes.
32 - Posso tocar no paciente?
 O toque denota, essencialmente, intimidade. Por mais bela e pura que seja a
relação entre passista e paciente, deve-se evitar o toque dentro do ambiente
da casa espírita, como forma de respeito aos outros companheiros, em
relação à unidade de trabalho que deve haver dentro da casa espírita.
Quando participamos de qualquer tarefa dessa natureza, não podemos agir
da maneira que queremos, mas submeter-nos às orientações da casa. Nunca
é pouco ressaltar que a ordem e a disciplina presidem o progresso. No que diz
respeito ao toque em pessoa que não se conhece, a situação se complica
ainda mais. É possível que o paciente se assuste, e com maior intensidade se
este for do sexo feminino. Em qualquer trabalho, principalmente com o
público, o cuidado deve ser redobrado. Imagine a seguinte situação:
determinado companheiro vai ao centro espírita pela primeira vez; encontra-
se amedrontado; indicam-lhe a sala de passes; ele observa a escuridão, o
silêncio, e estes lhe causam estranheza maior; na sua vez, senta-se e olhos
arregalados, enxergando com deficiência; subitamente o passista à sua
frente põe a mão em seus ombros; talvez esse companheiro não volte àquela
ou a qualquer outra casa espírita, ou talvez saia correndo. Embora o caráter
cômico da narrativa, observamos que tal fato já ocorreu mais de uma vez.
Não é demérito algum para o Espiritismo reconhecermos que, em virtude da
ignorância, muitas pessoas ainda de amedrontam quando passam em frente
a uma casa espírita.
33 - Os olhos devem ficar abertos ou
fechados?
 Em geral, abertos. Particularmente os
passistas que se servem de movimentos para
a aplicação do passe não poderão agir de
olhos fechados, sob pena de virem a colidir
com outro passista também em movimento,
ou até mesmo com o próprio paciente. Além,
é claro, dos inconvenientes trazidos pelo
toque indesejado.
34 - Senti tonturas durante a aplicação
do passe. O que aconteceu?
 Os fluídos são a base da manifestação mediúnica. Determinados
companheiros que tenham ostensividade mediúnica podem tender
para o estado sonambúlico em ambientes de grande reserva
fluídica. A tontura, muitas vezes, indica o limiar entre os estados de
vigília e sonambúlico. Sendo fenômeno natural, pode ser coibido
pelo passista com a devida educação da mediunidade. Quando
ocorrer, deve-se, sem alarde, informar ao coordenador da tarefa,
para que, se possível, substitua-se o passista em questão, até o
restabelecimento adequado, que geralmente ocorre em alguns
minutos. Costuma-se recomendar que o passista tome um pouco
de ar, procure relaxar o orar rogando aos benfeitores espirituais
que o auxiliem.Tal fato não é, definitivamente, motivo para que
qualquer companheiro se afaste da tarefa do passe.

35 - O que o passista deve pensar na hora
do passe?
 O passista deve orar continuamente durante a tarefa.O
pensamento bem direcionado é essencial para o desempenho da
tarefa.Assim, quanto mais se estudam os mecanismos do passe,
maior capacidade de orientação de sua força mental terá o
passista. Embora não haja regra sobre "o que pensar", observa-se
que muitos companheiros mais afinizados com o estudo
imaginam correntes magnéticas luminosas entrando e saindo
pelos centros vitais do paciente, outros projetam na tela mental a
figura de Jesus, e ainda outros imaginam descargas enormes de
fluidos saindo das pontas de seus dedos, dos olhos, ou de todo o
corpo. Seja qual for a ideação, esta sempre deverá ser nobre,
além de ser alimentada pela crença profunda do passista na
eficácia da aplicação, embora, como já foi mencionado, o
passista não tenha autoridade suficiente para garantir cura a
qualquer pessoa.
36 - Devo das passe descalço?
 Não há regra. Porém, dentro da casa espírita,
preferível é apresentar-se convenientemente, ou
seja, com vestuário adequado e sapatos
confortáveis, que não causarão incômodos
durante a tarefa. Dar passes descalço traz sérios
inconvenientes, que variam da estranheza de se
ver uma pessoa descalça dentro da câmara de
passes, até o desconforto nasal que os
companheiros possam vir a sentir. Além disso, o
passista não é mais eficaz por estar descalço.
37 - Tenho problemas com o paciente que
acabou de se sentar à minha frente. Devo
dar o passe?
 Sim. Devemos entender tal fato como
oportunidade de se perdoar, entendendo
que um "inimigo" é sempre um amigo
perdido.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O Passe
O PasseO Passe
O Passe
paikachambi
 
Fluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico UniversalFluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico Universal
Marcos Bueno Sander
 
O Perispirito
O PerispiritoO Perispirito
O Perispirito
Ceile Bernardo
 
PERISPÍRITO - MODELO ORGANIZADOR BIOLÓGICO (MOB)
PERISPÍRITO - MODELO ORGANIZADOR BIOLÓGICO (MOB)PERISPÍRITO - MODELO ORGANIZADOR BIOLÓGICO (MOB)
PERISPÍRITO - MODELO ORGANIZADOR BIOLÓGICO (MOB)
Jorge Luiz dos Santos
 
Principio Vital
Principio VitalPrincipio Vital
Principio Vital
Ceile Bernardo
 
Corpos Espirituais
Corpos EspirituaisCorpos Espirituais
Corpos Espirituais
contatodoutrina2013
 
Aula o perispirito
Aula o perispiritoAula o perispirito
Aula o perispirito
duadv
 
09 duplo etérico
09 duplo etérico09 duplo etérico
09 duplo etérico
Antonio SSantos
 
FLUIDO CÓSMICO UNIVERSAL
FLUIDO CÓSMICO UNIVERSALFLUIDO CÓSMICO UNIVERSAL
FLUIDO CÓSMICO UNIVERSAL
Denise Aguiar
 
15 o passe-conceito, tipos e mecanismos
15   o passe-conceito, tipos e mecanismos15   o passe-conceito, tipos e mecanismos
15 o passe-conceito, tipos e mecanismos
jcevadro
 
Centros de força.pptx
Centros de força.pptxCentros de força.pptx
Centros de força.pptx
Marta Gomes
 
Plexo
PlexoPlexo
Plexo
cscaceca
 
Esdei 01.04 pontos principais da doutrina espírita
Esdei 01.04 pontos principais da doutrina espíritaEsdei 01.04 pontos principais da doutrina espírita
Esdei 01.04 pontos principais da doutrina espírita
Denise Aguiar
 
Os sete chakras no espiritismo e em nossa saúde
Os sete chakras no espiritismo e em nossa saúdeOs sete chakras no espiritismo e em nossa saúde
Os sete chakras no espiritismo e em nossa saúde
Marcel Jefferson Gonçalves
 
O Perispírito
O PerispíritoO Perispírito
O Perispírito
hamletcrs
 
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espíritaO PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
Jorge Luiz dos Santos
 
Fluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico UniversalFluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico Universal
Marcelo Gomez Brito Junior
 
Curso de Passe - Módulo 1
Curso de Passe - Módulo 1Curso de Passe - Módulo 1
Curso de Passe - Módulo 1
Edna Costa
 
Aula sobre o passe espirita
Aula sobre o passe espiritaAula sobre o passe espirita
Aula sobre o passe espirita
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Os centros de força e a pineal
Os centros de força e a pinealOs centros de força e a pineal
Os centros de força e a pineal
Graça Maciel
 

Mais procurados (20)

O Passe
O PasseO Passe
O Passe
 
Fluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico UniversalFluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico Universal
 
O Perispirito
O PerispiritoO Perispirito
O Perispirito
 
PERISPÍRITO - MODELO ORGANIZADOR BIOLÓGICO (MOB)
PERISPÍRITO - MODELO ORGANIZADOR BIOLÓGICO (MOB)PERISPÍRITO - MODELO ORGANIZADOR BIOLÓGICO (MOB)
PERISPÍRITO - MODELO ORGANIZADOR BIOLÓGICO (MOB)
 
Principio Vital
Principio VitalPrincipio Vital
Principio Vital
 
Corpos Espirituais
Corpos EspirituaisCorpos Espirituais
Corpos Espirituais
 
Aula o perispirito
Aula o perispiritoAula o perispirito
Aula o perispirito
 
09 duplo etérico
09 duplo etérico09 duplo etérico
09 duplo etérico
 
FLUIDO CÓSMICO UNIVERSAL
FLUIDO CÓSMICO UNIVERSALFLUIDO CÓSMICO UNIVERSAL
FLUIDO CÓSMICO UNIVERSAL
 
15 o passe-conceito, tipos e mecanismos
15   o passe-conceito, tipos e mecanismos15   o passe-conceito, tipos e mecanismos
15 o passe-conceito, tipos e mecanismos
 
Centros de força.pptx
Centros de força.pptxCentros de força.pptx
Centros de força.pptx
 
Plexo
PlexoPlexo
Plexo
 
Esdei 01.04 pontos principais da doutrina espírita
Esdei 01.04 pontos principais da doutrina espíritaEsdei 01.04 pontos principais da doutrina espírita
Esdei 01.04 pontos principais da doutrina espírita
 
Os sete chakras no espiritismo e em nossa saúde
Os sete chakras no espiritismo e em nossa saúdeOs sete chakras no espiritismo e em nossa saúde
Os sete chakras no espiritismo e em nossa saúde
 
O Perispírito
O PerispíritoO Perispírito
O Perispírito
 
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espíritaO PENSAMENTO Uma abordagem espírita
O PENSAMENTO Uma abordagem espírita
 
Fluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico UniversalFluido Cósmico Universal
Fluido Cósmico Universal
 
Curso de Passe - Módulo 1
Curso de Passe - Módulo 1Curso de Passe - Módulo 1
Curso de Passe - Módulo 1
 
Aula sobre o passe espirita
Aula sobre o passe espiritaAula sobre o passe espirita
Aula sobre o passe espirita
 
Os centros de força e a pineal
Os centros de força e a pinealOs centros de força e a pineal
Os centros de força e a pineal
 

Destaque

Curso do Passe Espírita - Associação Espírita Missionários da Luz - 2012 - Fe...
Curso do Passe Espírita - Associação Espírita Missionários da Luz - 2012 - Fe...Curso do Passe Espírita - Associação Espírita Missionários da Luz - 2012 - Fe...
Curso do Passe Espírita - Associação Espírita Missionários da Luz - 2012 - Fe...
costaunicastelo
 
O passe espírita curso básico
O passe espírita curso básicoO passe espírita curso básico
O passe espírita curso básico
asepal
 
Curso de Passe
Curso de PasseCurso de Passe
Curso de Passe
Adão Salles
 
Passes E Curas Espirituais
Passes E Curas EspirituaisPasses E Curas Espirituais
Passes E Curas Espirituais
Roque Souza
 
Entendendo o Passe e a Fluidoterapia
Entendendo o Passe e a FluidoterapiaEntendendo o Passe e a Fluidoterapia
Entendendo o Passe e a Fluidoterapia
Sergio Lima Dias Junior
 
Apostila do Curso de Passe 2014
Apostila do Curso de Passe 2014Apostila do Curso de Passe 2014
Apostila do Curso de Passe 2014
Edna Costa
 
Estudo do passe e do magnetismo
Estudo do passe e do magnetismoEstudo do passe e do magnetismo
Estudo do passe e do magnetismo
AdilsonMotadeSantana
 
Apostila do Curso de Passe 2016
Apostila do Curso de Passe 2016Apostila do Curso de Passe 2016
Apostila do Curso de Passe 2016
Edna Costa
 
Aura foto kirlian
Aura   foto kirlianAura   foto kirlian
Aura foto kirlian
Claudio Duarte Sá
 
Curso de Passe 2016 - Módulo 1
Curso de Passe 2016 - Módulo 1Curso de Passe 2016 - Módulo 1
Curso de Passe 2016 - Módulo 1
Edna Costa
 
CURSO DE PASSES - Razin_Slides 1a aula
CURSO DE PASSES - Razin_Slides 1a aula CURSO DE PASSES - Razin_Slides 1a aula
CURSO DE PASSES - Razin_Slides 1a aula
Elizabeth Bastos
 
Os Chakras
Os ChakrasOs Chakras
Os Chakras
paikachambi
 
Passe suas técnicas e aplicações - Por Leonardo Pereira
Passe suas técnicas e aplicações  - Por Leonardo PereiraPasse suas técnicas e aplicações  - Por Leonardo Pereira
Passe suas técnicas e aplicações - Por Leonardo Pereira
Leonardo Pereira
 
Prova científica da aura e seu campo energético.
Prova científica da aura e seu campo energético.Prova científica da aura e seu campo energético.
Prova científica da aura e seu campo energético.
Claudio Duarte Sá
 
Estudo sobre os chacras e as doenças
Estudo sobre os chacras e as doençasEstudo sobre os chacras e as doenças
Estudo sobre os chacras e as doenças
Edna Costa
 
Escola Dominical/Lição 4 - O milagre da filha de Jairo
Escola Dominical/Lição 4 - O milagre da filha de JairoEscola Dominical/Lição 4 - O milagre da filha de Jairo
Escola Dominical/Lição 4 - O milagre da filha de Jairo
Escola Bíblica Dominical - Betel
 
Edgard armond passes e radiações
Edgard armond   passes e radiaçõesEdgard armond   passes e radiações
Edgard armond passes e radiações
EWALDO DE SOUZA
 
Aura
AuraAura
Curso de passe 2016 - Módulo 2 - Anatomia Humana e Anatomia Energética
Curso de passe 2016 -  Módulo 2 - Anatomia Humana e Anatomia EnergéticaCurso de passe 2016 -  Módulo 2 - Anatomia Humana e Anatomia Energética
Curso de passe 2016 - Módulo 2 - Anatomia Humana e Anatomia Energética
Edna Costa
 
Curso de passe centro de força 2011113 v1
Curso de passe   centro de força 2011113 v1Curso de passe   centro de força 2011113 v1
Curso de passe centro de força 2011113 v1
Tiburcio Santos
 

Destaque (20)

Curso do Passe Espírita - Associação Espírita Missionários da Luz - 2012 - Fe...
Curso do Passe Espírita - Associação Espírita Missionários da Luz - 2012 - Fe...Curso do Passe Espírita - Associação Espírita Missionários da Luz - 2012 - Fe...
Curso do Passe Espírita - Associação Espírita Missionários da Luz - 2012 - Fe...
 
O passe espírita curso básico
O passe espírita curso básicoO passe espírita curso básico
O passe espírita curso básico
 
Curso de Passe
Curso de PasseCurso de Passe
Curso de Passe
 
Passes E Curas Espirituais
Passes E Curas EspirituaisPasses E Curas Espirituais
Passes E Curas Espirituais
 
Entendendo o Passe e a Fluidoterapia
Entendendo o Passe e a FluidoterapiaEntendendo o Passe e a Fluidoterapia
Entendendo o Passe e a Fluidoterapia
 
Apostila do Curso de Passe 2014
Apostila do Curso de Passe 2014Apostila do Curso de Passe 2014
Apostila do Curso de Passe 2014
 
Estudo do passe e do magnetismo
Estudo do passe e do magnetismoEstudo do passe e do magnetismo
Estudo do passe e do magnetismo
 
Apostila do Curso de Passe 2016
Apostila do Curso de Passe 2016Apostila do Curso de Passe 2016
Apostila do Curso de Passe 2016
 
Aura foto kirlian
Aura   foto kirlianAura   foto kirlian
Aura foto kirlian
 
Curso de Passe 2016 - Módulo 1
Curso de Passe 2016 - Módulo 1Curso de Passe 2016 - Módulo 1
Curso de Passe 2016 - Módulo 1
 
CURSO DE PASSES - Razin_Slides 1a aula
CURSO DE PASSES - Razin_Slides 1a aula CURSO DE PASSES - Razin_Slides 1a aula
CURSO DE PASSES - Razin_Slides 1a aula
 
Os Chakras
Os ChakrasOs Chakras
Os Chakras
 
Passe suas técnicas e aplicações - Por Leonardo Pereira
Passe suas técnicas e aplicações  - Por Leonardo PereiraPasse suas técnicas e aplicações  - Por Leonardo Pereira
Passe suas técnicas e aplicações - Por Leonardo Pereira
 
Prova científica da aura e seu campo energético.
Prova científica da aura e seu campo energético.Prova científica da aura e seu campo energético.
Prova científica da aura e seu campo energético.
 
Estudo sobre os chacras e as doenças
Estudo sobre os chacras e as doençasEstudo sobre os chacras e as doenças
Estudo sobre os chacras e as doenças
 
Escola Dominical/Lição 4 - O milagre da filha de Jairo
Escola Dominical/Lição 4 - O milagre da filha de JairoEscola Dominical/Lição 4 - O milagre da filha de Jairo
Escola Dominical/Lição 4 - O milagre da filha de Jairo
 
Edgard armond passes e radiações
Edgard armond   passes e radiaçõesEdgard armond   passes e radiações
Edgard armond passes e radiações
 
Aura
AuraAura
Aura
 
Curso de passe 2016 - Módulo 2 - Anatomia Humana e Anatomia Energética
Curso de passe 2016 -  Módulo 2 - Anatomia Humana e Anatomia EnergéticaCurso de passe 2016 -  Módulo 2 - Anatomia Humana e Anatomia Energética
Curso de passe 2016 - Módulo 2 - Anatomia Humana e Anatomia Energética
 
Curso de passe centro de força 2011113 v1
Curso de passe   centro de força 2011113 v1Curso de passe   centro de força 2011113 v1
Curso de passe centro de força 2011113 v1
 

Semelhante a Curso passes ( Leonardo Pereira),

Perispirito
PerispiritoPerispirito
Perispirito
Angelespirita
 
Curso energizacao ou fluidoterapia
Curso energizacao ou fluidoterapiaCurso energizacao ou fluidoterapia
Curso energizacao ou fluidoterapia
SergioMello
 
Perispírito - Aula1
Perispírito - Aula1Perispírito - Aula1
Perispírito - Aula1
SimoneGAP
 
09
0909
Corpos e funcoes_do_perispirito-rosana_c
Corpos e funcoes_do_perispirito-rosana_cCorpos e funcoes_do_perispirito-rosana_c
Corpos e funcoes_do_perispirito-rosana_c
Grupo Espírita Mensageiros
 
PASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptxPASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptx
Marta Gomes
 
O perispirito
O perispirito O perispirito
O perispirito
FabianoSelbakdosSant
 
Perispírito e suas propriedades
Perispírito e suas propriedades Perispírito e suas propriedades
Perispirito
PerispiritoPerispirito
Perispirito
john2011
 
Perispirito1
Perispirito1Perispirito1
Perispirito1
lucianodudu
 
Genese cap 14 aula 3 de 4 curas ressurreição
Genese cap 14 aula 3 de 4 curas ressurreiçãoGenese cap 14 aula 3 de 4 curas ressurreição
Genese cap 14 aula 3 de 4 curas ressurreição
Fernando Pinto
 
Genese cap 14 aula 3 de 4 curas ressurreição
Genese cap 14 aula 3 de 4 curas ressurreiçãoGenese cap 14 aula 3 de 4 curas ressurreição
Genese cap 14 aula 3 de 4 curas ressurreição
Fernando A. O. Pinto
 
Funesdoperespirito 151017123618-lva1-app6892
Funesdoperespirito 151017123618-lva1-app6892Funesdoperespirito 151017123618-lva1-app6892
Funesdoperespirito 151017123618-lva1-app6892
Carlos Alberto Freire De Souza
 
Ame sorocaba-estudo-de-passe-2017-10-e-11a-aula-cap-7-e-8-corpos-sutis-corpo-...
Ame sorocaba-estudo-de-passe-2017-10-e-11a-aula-cap-7-e-8-corpos-sutis-corpo-...Ame sorocaba-estudo-de-passe-2017-10-e-11a-aula-cap-7-e-8-corpos-sutis-corpo-...
Ame sorocaba-estudo-de-passe-2017-10-e-11a-aula-cap-7-e-8-corpos-sutis-corpo-...
Anderson da Cunha
 
Perispírito-1,5h
Perispírito-1,5hPerispírito-1,5h
Perispírito-1,5h
home
 
Perispírito
PerispíritoPerispírito
Parte 1 cláudia campos
Parte 1   cláudia camposParte 1   cláudia campos
Parte 1 cláudia campos
Claudia Barbosa Campos
 
06 perispírito
06   perispírito06   perispírito
06 perispírito
jcevadro
 
Chacras
Chacras  Chacras
2.1.4 perispirito
2.1.4   perispirito2.1.4   perispirito
2.1.4 perispirito
Marta Gomes
 

Semelhante a Curso passes ( Leonardo Pereira), (20)

Perispirito
PerispiritoPerispirito
Perispirito
 
Curso energizacao ou fluidoterapia
Curso energizacao ou fluidoterapiaCurso energizacao ou fluidoterapia
Curso energizacao ou fluidoterapia
 
Perispírito - Aula1
Perispírito - Aula1Perispírito - Aula1
Perispírito - Aula1
 
09
0909
09
 
Corpos e funcoes_do_perispirito-rosana_c
Corpos e funcoes_do_perispirito-rosana_cCorpos e funcoes_do_perispirito-rosana_c
Corpos e funcoes_do_perispirito-rosana_c
 
PASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptxPASSE ESPÍRITA.pptx
PASSE ESPÍRITA.pptx
 
O perispirito
O perispirito O perispirito
O perispirito
 
Perispírito e suas propriedades
Perispírito e suas propriedades Perispírito e suas propriedades
Perispírito e suas propriedades
 
Perispirito
PerispiritoPerispirito
Perispirito
 
Perispirito1
Perispirito1Perispirito1
Perispirito1
 
Genese cap 14 aula 3 de 4 curas ressurreição
Genese cap 14 aula 3 de 4 curas ressurreiçãoGenese cap 14 aula 3 de 4 curas ressurreição
Genese cap 14 aula 3 de 4 curas ressurreição
 
Genese cap 14 aula 3 de 4 curas ressurreição
Genese cap 14 aula 3 de 4 curas ressurreiçãoGenese cap 14 aula 3 de 4 curas ressurreição
Genese cap 14 aula 3 de 4 curas ressurreição
 
Funesdoperespirito 151017123618-lva1-app6892
Funesdoperespirito 151017123618-lva1-app6892Funesdoperespirito 151017123618-lva1-app6892
Funesdoperespirito 151017123618-lva1-app6892
 
Ame sorocaba-estudo-de-passe-2017-10-e-11a-aula-cap-7-e-8-corpos-sutis-corpo-...
Ame sorocaba-estudo-de-passe-2017-10-e-11a-aula-cap-7-e-8-corpos-sutis-corpo-...Ame sorocaba-estudo-de-passe-2017-10-e-11a-aula-cap-7-e-8-corpos-sutis-corpo-...
Ame sorocaba-estudo-de-passe-2017-10-e-11a-aula-cap-7-e-8-corpos-sutis-corpo-...
 
Perispírito-1,5h
Perispírito-1,5hPerispírito-1,5h
Perispírito-1,5h
 
Perispírito
PerispíritoPerispírito
Perispírito
 
Parte 1 cláudia campos
Parte 1   cláudia camposParte 1   cláudia campos
Parte 1 cláudia campos
 
06 perispírito
06   perispírito06   perispírito
06 perispírito
 
Chacras
Chacras  Chacras
Chacras
 
2.1.4 perispirito
2.1.4   perispirito2.1.4   perispirito
2.1.4 perispirito
 

Mais de Leonardo Pereira

Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência" Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência"
Leonardo Pereira
 
Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"
Leonardo Pereira
 
E a morte o fim da vida
E a morte o fim da vidaE a morte o fim da vida
E a morte o fim da vida
Leonardo Pereira
 
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02
Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos cap 1
Escutando sentimentos  cap 1Escutando sentimentos  cap 1
Escutando sentimentos cap 1
Leonardo Pereira
 
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortalO apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
Leonardo Pereira
 
Consciência e evolução
Consciência e evolução Consciência e evolução
Consciência e evolução
Leonardo Pereira
 
Prisões mentais
Prisões mentaisPrisões mentais
Prisões mentais
Leonardo Pereira
 
Seminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediadosSeminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediados
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Leonardo Pereira
 

Mais de Leonardo Pereira (20)

Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência" Jesus " psicólogo por excelência"
Jesus " psicólogo por excelência"
 
Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"Jesus "o Cristo de nossos dias"
Jesus "o Cristo de nossos dias"
 
E a morte o fim da vida
E a morte o fim da vidaE a morte o fim da vida
E a morte o fim da vida
 
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
Doentes da alma ' Raiva ' melindre e magoa
 
Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12Escutando sentimentos cap 10 a 12
Escutando sentimentos cap 10 a 12
 
Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10Escutando sentimentos cap 09e 10
Escutando sentimentos cap 09e 10
 
Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08Escutando sentimentos cap 07e 08
Escutando sentimentos cap 07e 08
 
Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06Escutando sentimentos cap 06
Escutando sentimentos cap 06
 
Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04Escutando sentimentos cap 04
Escutando sentimentos cap 04
 
Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03Escutando sentimentos cap 03
Escutando sentimentos cap 03
 
Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02Escutando sentimentos cap 02
Escutando sentimentos cap 02
 
Escutando sentimentos cap 1
Escutando sentimentos  cap 1Escutando sentimentos  cap 1
Escutando sentimentos cap 1
 
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortalO apego e suas consequencias para o espirito imortal
O apego e suas consequencias para o espirito imortal
 
Consciência e evolução
Consciência e evolução Consciência e evolução
Consciência e evolução
 
Prisões mentais
Prisões mentaisPrisões mentais
Prisões mentais
 
Seminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediadosSeminário Médiuns obsediados
Seminário Médiuns obsediados
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 

Último

ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
Oziete SS
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
marcobueno2024
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
REFORMADOR PROTESTANTE
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Elton Zanoni
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
GABRIELADIASDUTRA1
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 

Último (10)

ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.docORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
ORGANIZAÇÃO ABERTURA EBF 2024.pdf-1.doc
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdfde volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
de volta as estrelas - Erich von Däniken.pdf
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
O que está oculto na Maçonaria? Livro cristão.
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
Teresa Gerhardinger - corajosa mulher de fé e de visão mundial (1989)
 
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livroA VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
A VOZ DO SILÊNCIO - Helena Blavatsky livro
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 

Curso passes ( Leonardo Pereira),

  • 3. Como já foi visto, o fluido universal é o elemento primitivo do corpo carnal e do perispírito, os quais são simples transformação dele. Pela identidade da sua natureza, esse fluido, condensado no perispírito, pode fornecer princípios reparadores ao corpo; o Espírito, encarnado ou desencarnado, é o agente propulsor que infiltra num corpo deteriorado uma parte da subsistência do seu envoltório fluídico. (1) Essas explicações de Kardec são necessárias para que se possa melhor compreender o que é o passe, qual o seu mecanismo, a maneira correta de aplicá-lo e os benefícios por ele proporcionados.
  • 4. “O PASSE É UMA EMANAÇÃO CONTROLADA DA FORÇA MENTAL QUE, SOB A ALAVANCA DA VONTADE E DA PRECE, ATRAI A FORÇA DIVINA EM NOSSO BENEFÍCIO” André Luiz/EDM/Cap15 É A TRANSMISSÃO DE ENERGIAS PRÓPRIAS, OU DE UM ESPÍRITO, PARA ALGUÉM NECESSITADO, A FIM DE SOCORRER-LHE A CARÊNCIA FÍSICA E/OU MENTAL, QUE DECORRE DA FALTA DESSA ENERGIA. S . GENTILE/ OPM/Cap.6 Marta/2000
  • 5. 1o. Conceitos de Passe Espírita -É uma emanação controlada da força mental que, sob a alavanca da vontade e da ação da prece, atrai a Força Divina em nosso benefício. (19) -(…)é a ação ou esforço de transmitir, para um outro indivíduo, energias magnéticas, próprias ou de um Espírito, a fim de socorrer- lhe a carência física e/ou mental, que decorre da falta dessa energia (7)
  • 6. -O passe é sempre, segundo a visão espírita, um procedimento fluidico- magnético, que tem como principal objetivo auxiliar a restauração do equilíbrio orgânico do paciente. (13) -Assim como a transfusão de sangue representa uma renovação das forças físicas, o passe é uma transfusão de energias psíquicas(…) é a transmissão de uma força psíquica e espiritual, dispensando qualquer contato físico na sua aplicação. (6)
  • 7. MECANISMOS DO PASSE O fluido cósmico universal sendo o elemento primitivo que forma o corpo físico e o períspirito, ao condensar-se no períspirito do encarnado ou desencarnado, fornece princípios reparadores ou curadores, passiveis de serem transmissíveis ao doente – Kardec/A Gênese/Cap.14
  • 8. O fluido cósmico universal condensado no perispírito passa para o corpo físico sob a forma de fluido vital que, além de dar vida aos órgãos, pode ser transmitido às pessoas doentes ou enfraquecidas. O fluido vital se transmite de pessoa a pessoa pelo passe. A energia transmitida pelo passe atua no perispírito do paciente e deste sobre o corpo físico. As emanações energéticas do perispírito e do fluido vital formam a aura humana.
  • 9. O Mecanismo do passe baseia-se na transmissão do fluido vital: -O fluido vital se transmite de um indivíduo a outro. -Aquele que o tiver em maior porção pode dá-lo a um que o tenha de menos, e em certos casos, prolongar a vida prestes a extinguir-se. (4)
  • 10. ESTRUTURAÇÃO DA VIDA ESPÍRITO PERISPÍRITO CORPO FÍSICO FLUIDO VITAL O Fluido Vital ou Energia Vital é a estruturadora da vida orgânica, Está mais próximo da matéria. É gerado na ligação do perispírito com as células do corpo orgânico.
  • 12. O espírito propriamente dito vive a descoberto, ou como pretendem alguns, envolvidos por alguma substância? O espírito é envolvido por uma substância que é vaporosa para ti, mas ainda bastante grosseira para nós; suficientemente vaporosa, entretanto, para que ele possa elevar-se na atmosfera e transportar-se para onde quiser. Como a semente de um fruto é envolvida pelo perisperma o espírito propriamente dito é revestido de um envoltório que, por comparação, se pode chamar períspirito. Livro dos Espirtos – cap.IV P 93
  • 13. ESPÍRITO O Espírito, estrutura automaticamante o perispírito, pelo aprendizado decorrente da evolução do princípio inteligente. PERISPÍRITO O perispírito é constituído de fluidos e energias processadas no próprio perispírito, sob o influxo do Espírito. REPRESENTAÇÃO ESPÍRITO/PERISPÍRITO
  • 14. “Numerosas observações e fatos irrecusáveis, demonstraram a existência no homem de três componentes: ou Alma, princípio inteligente em que se encontra o senso moral , invólucro material e grosseiro de que é revestido temporariamente para o cumprimento de alguns desígnios providenciais , invólucro fluídico, semimaterial, que serve de liame entre a alma e o corpo.” Livro dos Médiuns – item 54 1) Espírito 2) Corpo 3) Perispírito
  • 16. “O Perispírito é o intermediário de todas as sensações que o Espírito percebe, e através do qual o espírito transmite a sua vontade ao exterior, agindo sobre os órgãos do corpo.” “O Perispírito está de acordo com a natureza moral do espírito. Quanto mais elevado o espírito, mais sutil seu perispírito.” “A constituição íntima do perispírito não é idêntica em todos os espíritos encarnados ou desencarnados que povoam a Terra ou o espaço circundante.” A Gênese, cap XIV, item 10
  • 17. “A forma do períspirito é a forma humana.” “A matéria sutil do períspirito não tem a rigidez da matéria compacta do corpo. Ela é flexível e expansível. Por isso, a forma que ela toma não é absoluta. Ela se molda à vontade do Espírito, que pode lhe dar a aparência que quiser. O períspirito se distende ou se contrai, se presta a todas as modificações segundo a vontade que o dirige. Por isso o espírito pode se fazer reconhecer, tomando a aparência que tinha na vida física.” Livro do Médiuns – 56
  • 18. A Gênese, cap. XIV, item 10 “O períspirito se modifica com o progresso moral do espírito.”
  • 19. Períspirito e Evolução: “Todos os órgãos do corpo espiritual e consequentemente do corpo físico foram construídos com lentidão, atendendo-se à necessidade do campo mental” André Luiz/Chico Xavier, Evolução em Dois Mundos, pág. 39 a 41
  • 20. “sua função primordial é servir de instrumento à alma, em sua interação com os mundos espiritual e físico”. “O perispírito, corpo imperecível da alma, serve à sua individualização e identificação.” A alma é única e diferenciada, e o perispírito mostra-a, refletindo-a” “Na reencarnação, em que o ritmo morfogenético, obedecendo aos impulsos psicossômicos de crescimento, leva à formação de um novo corpo físico que se estrutura rigorosamente de acordo com as características que marcam o corpo espiritual, modelo por excelência.” Perispírito - Z.Zimmermann pág. 59 60 61 Funções do Perispírito: 1 ) Função Instrumental 2 ) Função individualizadora 3 ) Função organizadora
  • 21. Marta/2000 1. A energia do fluido vital é de natureza eletro- magnética. 2. O perispírito do doente recebe a energia do passe através de pontos que André Luiz chama de Centros de Força ou chacras, segundo escolas espiritualistas orientais. 3. O nosso perispírito possui sete centros de força principais que se conjugam nas ramificações dos plexos do sistema nervoso. 4. Os principais centros de força são: coronário, cerebral, laríngeo, cardíaco, esplênico, gástrico e genésico.
  • 22. -A energia transmitida pelo passe atua no períspirito do paciente e deste sobre o corpo físico. O períspirito recebe a energia através de pontos determinados, que André Luiz chama de centros de força e certas escolas espiritualistas chamam de chacras. (8)
  • 23. -O nosso períspirito possui sete centros de força, que se conjugam nas ramificações dos plexos e que, vibrando em sintonia uns com os outros, ao influxo do poder diretriz da mente, estabelecem, para o nosso uso, um veículo de células elétricas, que podemos definir como sendo um campo eletromagnético, no qual o pensamento vibra em circuito fechado. (20)
  • 24. Caixas de ligação nervosa = os plexos Um plexo nervoso é uma rede de nervos entrecruzados semelhante a uma caixa de distribuição eléctrica numa casa. No tronco do corpo existem quatro plexos nervosos. O plexo cervical leva as ligações nervosas à cabeça, ao pescoço e ao ombro. O plexo braquial leva ao peito, ao ombro, ao braço, ao antebraço e à mão. O plexo lombar leva às costas, ao abdómen, à virilha, à coxa, ao joelho e à perna. O plexo sagrado leva à pelve, às nádegas, aos órgãos sexuais, à coxa, à perna e ao pé. Devido à interligação dos plexos lombar e sagrado, por vezes são designados como o plexo lombossagrado. Os nervos intercostais estão localizados entre as costelas.
  • 25.
  • 26. Os centros vitais estão localizados, também, no duplo etéreo, corpo fluídico que se apresenta como uma duplicata energética do individuo, interpenetrando o seu corpo físico ao mesmo tempo em que parece dele emergir. O duplo etéreo emite, continuamente, uma emanação energética que se apresenta em forma de raias ou estrias que partem de toda a sua superfície. (10)
  • 28. Para o aplicador de passes é muito importante ter sempre em mente que os centros vitais captam energias, transferindo-as ao corpo físico e também que todos eles encontram-se em constante permuta energética entre si, fazendo com que qualquer desequilíbrio em um deles reflita-se automaticamente em todo o conjunto e, por consequência, em todo o corpo físico.
  • 30. Centro Coronário Localizado na parte superior da cabeça, mantendo relacionamento com os órgãos situados no interior do crânio, principalmente a epífise. Constitui-se no principal ponto de assimilação dos estímulos provenientes do plano espiritual. Ele coordena os funcionamentos dos demais centros e torna-se assim responsável pela estabilidade de todo o metabolismo orgânico, sendo ainda o mais significativo dos pontos de conexão entre o corpo físico e o períspirito.
  • 31. Centro Frontal Localizado na região situada entre as sobrancelhas, atua sobre o córtex cerebral, com ação predominante sobre o funcionamento global do sistema nervoso. Exerce forte ação sobre a hipófise, controlando, por esse meio, todo o sistema endócrino. Está ligado às atividades intelectuais e à vidência mediúnica.
  • 32. Centro laríngeo Localizado na região anterior do pescoço é ele que exerce controle sobre a respiração e fonação, estando também ligado ao mecanismo da audição. É um centro muito importante, pois a materialização das ideias através da palavra reforça, em muito, a precisão das formas que estão sendo plasmadas por ação do pensamento. Também tem ligações com a audição mediúnica.
  • 33. Centro cardíaco Localizado na região do coração, dirige a emotividade e a distribuição das energias vitalizantes no organismo. Em virtude das tensões características do mundo moderno, e da dificuldade que ainda temos em controlar as nossas emoções, é hoje um dos centros que, no adulto, comumente apresenta desequilíbrios.
  • 34. Centro esplênico Localizado na região anterior esquerda do organismo, onde se localiza a última costela, ele controla o equilíbrio hemático, sendo o principal elemento de captação das energias do plano espiritual, principalmente do fluido cósmico universal, daí sua grande influência sobre a vitalidade do indivíduo.
  • 35. Centro gástrico Também conhecido como solar, está localizado um pouco acima do umbigo. Age fundamentalmente sobre os órgãos da digestão e apresenta, também, certa ligação com o estado emocional do indivíduo.
  • 36. Centro genésico Também conhecido como sagrado, está localizado na região do baixo ventre. Suas energias agem sobre os órgãos ligados à reprodução, às atividades sexuais e ainda sobre os estímulos referentes ao trabalho intelectual.
  • 37. Correspondência entre Plexos e Chacras LOCALIZAÇÃO PLEXOS CHACRAS BASE DA ESPINHA SACRAL GENÉSICO UMBIGO SOLAR GÁSTRICO BAÇO MESENTÉRICO ESPLÉNICO CORAÇÃO CARDÍACO CARDÍACO GARGANTA LARÍNGEO LARÍNGEO FRONTE FRONTAL FRONTAL ALTO DA CABEÇA PINEAL CORONÁRIO
  • 38. CHACRAS FUNÇÕES CORES GENÉSICO Capta e distribui a força primária Roxo e Laranja Forte GÁSTRICO Regula a manipulação e assimilação dos alimentos /Influi sobre as emoções Roxo e Verde Brilhante ESPLÊNICO Regula a circulação dos elementos vitais Amarelo, Roxo e Verde CARDÍACO Regula a circulação do sangue, as emoções e sentimentos Rosa e Dourado Brilhante LARÍNGEO Regula o uso da palavra; influi sobre a audição mediúnica Prata e Azul FRONTAL Regula as atividades da vidência, inteligência e da intuição (hipófise) Amarelo, Roxo e Azul CORONÁRIO Órgão de ligação com o Plano Espiritual: Serve ao Espírito para influir sobre os demais chacras e influi na mediunidade (pineal) Branco-Prata e Dourado
  • 39. 1-DEDO POLEGAR - chacra esplênico (região do baço); 2- INDICADOR -chacra cardíaco (coração); 3- MÉDIO -chacra coronário (alto da cabeça); 4- ANULAR -chacra genésico ou básico (base da coluna); 5- MÍNIMO- chacra laríngeo (garganta); 6- Chacra Plexo Solar ( Estômago); 7- Chacra Frontal (Testa)
  • 40. Duplo etérico Raias do duplo etérico ou aura interna Aura = Aura interna + aura externa Aura externa Corpo físico
  • 41. AURA HUMANA • — Considerando-se toda célula em ação por unidade viva, qual motor microscópico, em conexão com a usina mental, é claramente compreensível que todas as agregações celulares emitam radiações e que essas radiações se articulem, através de sinergias funcionais, a se constituírem de recursos que podemos nomear por “tecidos de força”, em torno dos corpos que as exteriorizam. • Todos os seres vivos, por isso, dos mais rudimentares aos mais complexos se revestem de um “halo energético” que lhes corresponde à natureza. • No homem, contudo, semelhante projeção surge profundamente enriquecida e modificada pelos fatores do pensamento contínuo que, em se ajustando às emanações do campo celular, lhe modelam, em derredor da personalidade, o conhecido corpo vital ou duplo etéreo de algumas escolas espiritualistas, duplicata mais ou menos radiante da criatura.
  • 42. MEDIUNIDADE INICIAL • — A aura é, portanto, a nossa plataforma onipresente em toda comunicação com as rotas alheias, antecâmara do Espírito, em todas as nossas atividades de intercâmbio com a vida que nos rodeia, através da qual somos vistos e examinados pelas Inteligências Superiores, sentidos e reconhecidos pelos nossos afins, e temidos e hostilizados ou amados e auxiliados pelos irmãos que caminham em posição inferior à nossa. • Isso porque exteriorizamos, de maneira invariável, o reflexo de nós mesmos, nos contatos de pensamento a pensamento, sem necessidade das palavras para as simpatias ou repulsões fundamentais.
  • 43.
  • 44. Sistema de Energia • As energias que fluem pelos centros de força possuem uma determinada medida de onda e, por conseqüência, uma cor.
  • 45.
  • 46. Bom dia a todos. Você esta recebendo um trabalho/pesquisa feito há mais de 30 anos com o auxilio da máquina Kirlian (máquina que fotografa a aura). Fomos pioneiro neste tipo de pesquisa. Este estudo faz parte de nossas palestras de orientação as instituições espiritualista. Este tema nestes 30 anos já foi apresentado centenas de vezes e sempre com um grande público. Agora desejo aumentar este publico com os recursos da internet e passar este conhecimento a todos os meus amigos internautas e peço também que repassem aos amigos, mantendo os devidos créditos. Espero que divulgue junto a sua casa de estudo. Muita paz Márcio Pontes www.psicenter.psc.br site de pesquisas www.psicenter.psc.br/cev.htm (centro espírita virtual)
  • 47. FLUIDOS MAGNÉTICOS E AURA Estudos feitos com a máquina Kirlian, enfocando basicamente o valor do passe magnético. Márcio Pontes – Psicólogo Rua Silva Cardoso 125/210 - Rio de Janeiro Tels: 2401-2628 / 9874-9650 www.psicenter.psc.br psicenter@psicenter.psc.br
  • 48. A aura humana é vista como uma luz que envolve o corpo. O diâmetro varia conforme a elevação espiritual.
  • 49. Esta foi a primeira foto tirada por nós. Pertence a mão do meu pai Frontino M. Pontes.
  • 50. Detalhe de um dedo com a camada aúrica e suas descargas energéticas.
  • 51. O fluido magnético é de natureza tão evidente e objetiva que pode ser visto por videntes atravessando em forma de língua de fogo a aura das pessoas e projetando-se para fora do corpo somático. Edgard Armond (Passes e Radiações)
  • 52. Esta foi a primeira foto em que aparece as diferenças entre aura e fluído, segundo Edgar Armond.
  • 53. Esta foto e as próximas mostram pessoas “leigas” em praticas de passes magnéticos. Pedimos a elas que fizessem passes entre eles. A primeira foto será o seu estado normal e a segunda foto durante o passe.
  • 54. Esta é a segunda foto com pessoas “leigas” em passes magnéticos. Este é o estado em que estão dando o passe. Eu lhe digo que pouca coisa
  • 55. Pessoa “leiga” no estado normal...
  • 56. A mesma pessoa após ensaiar um passe magnético
  • 57. Uma terceira pessoa também “leiga” no estado normal. Foram feitas 42 fotos de pessoas leigas, antes e depois de tentarem dar um passe.
  • 58. Este companheiro quase que apaga totalmente o seu campo fluídico, pois não fora educado ainda no processo de transmissão.
  • 59. Agora iremos verificar como acontece com os médiuns passistas “antes do passe e durante o passe magnético”. É sempre bom lembrar que são fotos do dedo indicador.
  • 60. Médium passista em seu estado “normal”, antes de aplicar o passe magnético.
  • 61. O mesmo médium durante a aplicação do passe magnético. Perceba o jato de luz que sai da ponta dos dedos. É o seu campo de energia ativado
  • 62. Este é um segundo médium se preparando para dar passes. Notem que no seu dedo existem pontos de luz a serem ativados
  • 63. O médium anterior, na atividade do passe. Notem que parece um Sol radiante. Na verdade o Sol emite para a Terra energia magnética em forma de luz e calor indispensável a nossa Vida terrena. Somos um pequeno Sol e não sabemos disto.
  • 64. Médium em seu estado “normal” , preparando-se para dar o passe.
  • 65. O mesmo médium em trabalho de passe. Perceba quanta energia é capaz de emitir.
  • 66. Este médium é da Igreja Messiânica. Podemos reparar que no seu estado “normal”, parece ativado. Segundo informações colhidas, os messiânicos praticam diariamente a transmissão magnética. Na foto seguinte iremos vê-lo em trabalho.
  • 67. Médium messiânico aplicando o passe magnético dentro dos seus conhecimentos. Obs: O messiânico aplica os fluídos com as mãos paradas e espalmadas para frente.
  • 68. As próximas fotos são referentes aos assistidos. Estamos fazendo comparações “antes do passe e após o passe magnético”, para que possamos avaliar as mudanças no campo energético das pessoas.
  • 69. Quando uma pessoa chega a casa espírita para ser assistida, geralmente ela apresenta o seu centro de equilíbrio desarmonizado, conforme a figura.
  • 70. Após ser assistida, tende a reequilibrar os seus centros de força.
  • 71. Assistido fotografado antes de receber os passes magnéticos. Notem que seu campo fluídico encontra-se totalmente desarmonizado.
  • 72. O mesmo assistido da foto anterior, após receber os passes magnéticos. Repare como seu campo fluídico encontra-se harmonizado e direcionado.
  • 73. Esta foto é de uma assistida que estava com os “centros de força” desarmonizados, perdendo com isto muita energia e sentindo uma emagrecimento progressivo e incontrolado.
  • 74. A mesma pessoa anterior após o passe magnético. Nota-se que as emissões fluídicas agora estão harmonizadas e direcionadas.
  • 75. Pessoa muito nervosa, tensa. Antes de ganhar o passe magnético. Observe as descargas elétricas ectoplasmicas emitidas em azul.
  • 76. A mesma pessoa anterior, após o passe.
  • 77. A próxima seqüência de fotos foram tiradas por um colega de Belo Horizonte, Vinicius. Segundo relato uma lagarta foi sacrificada e fotografada passo a passo a sua agonia até o instante final. Artigo copiado da revista Realidade/76
  • 78. Esta foto é de uma Lagarta fotografada no inicio do seu processo de morte.
  • 81. Lagarta morta. No principio, no ano de 1976, quando foi feita esta foto, o campo de energia era totalmente azul, mas a coloração se perdeu com o tempo.
  • 82. Agora veremos o “Caso Felipe”. Ele era um garoto de 9 meses de vida, mas tinha uma doença degenerativa muscular (não tinha resistência) e estava desenganado pelos médicos. Os pais, após assistirem a uma palestra sobre passes nos perguntou se este processo poderia ajudar o seu filho. Falamos que estaríamos a disposição para começar um tratamento magnético, mas a cura não dependeria unicamente dos nossos trabalhos. Assim foi feito e durante 9 semanas acompanhamos em fotografia os passes. O fato é que a criança não conseguia reter o fluido e com isto na semana seguinte apresentava as mesmas condições iniciais da semana passada.
  • 83. O guia espiritual da casa espírita, na época Centro Espírita “Paulo, O Apóstolo”, sugeriu que a criança deveria, antes do passe, tomar um banho tépido e após o passe um banho a temperatura normal. Perguntei-lhe a razão, respondeu: O banho tépido dilata os poros e relaxa a musculatura, fazendo com que os fluidos entranhem mais profundamente e o banho a temperatura normal contrai, fazendo assim um melhor acasalamento fluídico. Os pais não aceitaram e continuamos com o processo normal.
  • 84. No dia do último passe, estava presente conosco uma médium da Federação Espírita de São Paulo e ela nos trouxe uma comunicação da Irmão Sheila sobre o caso. Relata ela: Não devemos contar passes. Tomou-se 1 agora faltam 8, tomou-se 5 agora faltam apenas 4. No caso daquele garoto e em outros muitos casos, são necessários infinitos grupos de 9 passes até que se restabeleça o equilíbrio então desarmonizado. Mas os pais não tinham tempo para outros passes. Trinta dias após o último passe, Felipe veio a desencarnar.
  • 85. Esta é a primeira foto tirada da mão inteira do garoto Felipe antes de receber o passe de transfusão fluídica.
  • 86. Após receber o passe. Estes passes eram semanais. Mas, na próxima semana quando se reiniciava os passes, o primeiro mostrava-se totalmente azul conforme a foto anterior, denotando que a criança não tinha capacidade de reter os elementos fluídicos.
  • 87. As duas próximas fotos mostram um jovem viciado em tóxico injetável. Este jovem era nosso conhecido e encontramos ele na avenida. Ele relatou que estava procurando um local para tomar a dose. Sabíamos que palavras não iriam naquele momento retirar-lhe a vontade. Oferecemos o nosso espaço de pesquisa, contanto que o ato fosse por nós fotografado e pesquisado. Aceitou. Após a conclusão dos estudos do seu caso, nosso amigo ficou tão admirado do efeito nocivo no seu campo energético que nunca mais pensou em praticar tal “suicídio”.
  • 88. Jovem viciado em drogas antes de ingerir a cocaína.
  • 89. Jovem drogado, sentindo os seus efeitos. Perceba que os elementos fluídicos vitais estão sufocados.
  • 90. Esta seqüência fotográfica foi feita durante uma briga de bate-boca entre três pessoas, dentro de uma imobiliária. Os três achavam que tinham direito a uma comissão de venda maior por diversas razões. E com isto se agrediam verbalmente. A cada instante que um saia da sala para “respirar melhor” eu o convidava para entrar na minha sala e já estava com a máquina pronta. E assim aconteceu com os três. E quase que apanho dos três, pois acharam que eu estava brincando com uma coisa que para eles era muito “séria” .
  • 91. Pessoa em estado de Ira, raiva no momento de uma briga, um bate- boca.
  • 92. Outra pessoa na mesma condições e na mesma oportunidade.
  • 93. Na mesma oportunidade o terceiro elemento do bate-boca. Perceba as descargas nervosas ectoplásmicas em branco azulado.
  • 94. Agora iremos observar o estado de relaxamento, quase uma meditação. Notem o equilíbrio dos campos de energia, sem nenhum excesso e muito uniforme.
  • 95. Pessoa em pleno relaxamento. Inicio de meditação.
  • 96. As mesmas condições da foto anterior e na mesma oportunidade, mas outra pessoa.
  • 97. Outra pessoa na mesma oportunidade anterior.
  • 98. Duas crianças foi por nós fotografadas espontaneamente. Repare que crianças tem uma energia muito grande, principalmente na época de crescimento, fazendo com que muitos pais pensem que elas tem problemas e com isto buscam a medicina para acalmá-las. Mas este estado é natural e necessário ao desenvolvimento infantil.
  • 99. Dedo de uma criança. Notem quanta energia...
  • 100. Outra criança da mesma faixa etária.
  • 101. As próximas fotos foram tiradas numa casa umbandista. Os dirigentes nos solicitou que fossem feitas fotos dos médiuns no estado “normal” e no estado de “incorporação”. E assim foi feito.
  • 102. Médium umbandista antes do processo de “incorporação”.
  • 103. O mesmo médium no estado “incorporado”.
  • 104. Outro médium umbandista no estado normal. Antes da incorporação.
  • 106. Outro médium, na mesma oportunidade dos anteriores, no seu estado normal.
  • 108. Este é o estado normal do médium presidente dos trabalhos da noite.
  • 109. Médium presidente no estado de “incorporação”.
  • 110. Esta foto foi feita no IBPP, Instituto de Pesquisas Psicobiofísicas, em São Paulo, pelo Prof° Hernani Guimarães Andrade. Esta foto é muito conhecida por “Efeito Fantasma”.
  • 111. Esta foto é de um anel impregnado dos fluídos magnéticos da pessoa que estava usando.
  • 112. Esta foto que veremos agora é muito especial. Ela foi foi feita sem nenhuma preparação. Pois coloquei sem querer, “ ao acaso”, um livro de capa preta e nesta capa esta inserido em dourado e baixo relevo a figura cristã, o livro chamava-se “Caminhos da Fé”. Esqueci este livro encima do dispositivo onde se coloca o filme para fotografias Kirlian. No escuro, quando fui fotografar, esqueci de retirar o livro e coloquei o filme exposto encima do livro, bem encima da figura do Cristo. Fotografei pensado estar fotografando o meu dedo e saiu esta foto. Repare que os lábios parece esfolado em sangue. Um filete de sangue desce da testa, simulando os cortes feito pela coroa de espinhos...e mais, a aura branca a envolve-lo . Depois tentei fazer melhor, mas não consegui nem mesmo o resultado inicial. É com esta foto que costumo encerrar as minhas palestras sobre este tema.
  • 114. Este trabalho de pesquisa foi feito no ano de 1976, contando com a ajuda dos centros espíritas “Paulo, O Apóstolo” e “Issac Lima”, e com inteiro apoio dos respectivos presidentes Sr. Otávio e Sr. Benigno. O meu maior incentivador foi o meu Pai, Frontino M. Pontes, que a todo momento me alimentava de instruções e idéias devido ao seu potencial de conhecimentos nesta área. Este trabalho é para uso universal, e pode ser exibido sem restrições. Apenas peço os devidos créditos. www.psicenter.psc.br/cev.htm Márcio Pontes - Psicólogo
  • 115. OS CENTROS DE FORÇA E A PINEAL
  • 117. A GLÂNDULA PINEAL • Denominações comuns: – órgão pineal, – epífise neural, – ou simplesmente pineal • Estrutura única e muito pequena localizada no cérebro • Participa na regulação endócrina da reprodução, do sistema imunológico e da organização dos ritmos biológicos, atuando como mediadora entre o ciclo claro/escuro ambiental e processos fisiológicos tais como sono/vigília, atividade/repouso, entre outros. • Visível em radiografias; por isso, até recentemente muitos afirmavam que a glândula estava calcificada e era uma estrutura em involução. • Atualmente, foi demonstrado que ela não se calcifica; e, sim, forma cristais de apatita: um mineral incolor composto por fosfato de cálcio que contém urânio em seu interior e, que tem sido muito estudado no Instituto de Física da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).
  • 118. A GLÂNDULA PINEAL • André Luiz, em Os Missionários da Luz, ensina: • No período do desenvolvimento infantil, fase de reajustamento desse centro importante do corpo perispiritual preexistente, a epífise parece constituir o freio às manifestações do sexo; • Aos quatorze anos, aproximadamente, de posição estacionária, quanto às suas atribuições essenciais, recomeça a funcionar no homem reencarnado e desperta as forças criadoras. Em seguida, continua a funcionar, como o mais avançado laboratório de elementos psíquicos da criatura terrestre. • O que representava controle é fonte criadora e válvula de escapamento. • A glândula pineal reajusta-se ao concerto orgânico e reabre seus mundos maravilhosos de sensações e impressões na esfera emocional. • Entrega-se a criatura à recapitulação da sexualidade, examina o inventário de suas paixões vividas noutra época, que reaparecem sob fortes impulsos. • O neurologista comum não a conhece bem. O psiquiatra devassar-lhe-á, mais tarde, os segredos. Os psicólogos vulgares ignoram-na. Freud interpretou-lhe o desvio, quando exagerou a influenciação da “libido”, no estudo da indisciplina congênita da Humanidade. .
  • 119. A GLÂNDULA PINEAL • “... o orientador Alexandre faz as seguintes considerações: (...) analisemos a epífise como glândula da vida espiritual do homem. Segregando energias psíquicas, a glândula pineal conserva ascendência em todo o sistema endócrino. Ligada à mente, através de princípios eletromagnéticos do campo vital, que a ciência comum ainda não pode identificar, comanda as forças subconscientes sob a determinação direta da vontade. As redes nervosas constituem-lhe os fios telegráficos para ordens imediatas a todos os departamentos celulares, e sob sua direção efetuam-se os suprimentos de energias psíquicas a todos os armazéns autônomos dos órgãos...". (Missionários da Luz, André Luiz)
  • 120. A GLÂNDULA PINEAL • "Enquanto o nosso companheiro se aproveitava da organização mediúnica, vali-me das forças magnéticas que o instrutor me fornecera, para fixar a máxima atenção no médium. Quanto mais lhe notava as singularidades do cérebro, mais admirava a luz crescente que a epífise deixava perceber. A glândula minúscula transformara-se em núcleo radiante e, em derredor, seus raios formavam um lótus de pétalas sublimes. Examinei atentamente os demais encarnados. Em todos eles, a glândula apresentava notas de luminosidade, mas em nenhum brilhava como no intermediário em serviço. Sobre o núcleo, semelhante agora a flor resplandecente, caiam luzes suaves, de Mais Alto, reconhecendo eu que ali se encontravam em jogo de vibrações delicadíssimas, imperceptíveis para mim. Estudara a função da epífise nos meus apagados serviços de médico terrestre. Segundo os orientadores clássicos, circunscreviam-se suas atribuições ao controle sexual no período infantil. Não passava de velador dos instintos, até que as rodas da experiência sexual pudessem deslizar com regularidade, pelos caminhos da vida humana. Depois, decrescia em força, relaxava-se, quase desaparecia, para que as glândulas genitais a sucedessem no campo da energia plena(...)” (Missionários da Luz, André Luiz)
  • 121. A GLÂNDULA PINEAL • “A epífise preside aos fenômenos nervosos da emotividade, como órgão de elevada expressão no corpo etéreo. Desata, de certo modo, os laços divinos da Natureza, os quais ligam as existências umas às outras, na seqüência de lutas, pelo aprimoramento da alma, e deixa entrever a grandeza das faculdades criadoras de que a criatura se acha investida. — Deus meu! — exclamei — e as glândulas genitais, onde ficam? O instrutor sorriu e esclareceu: — São demasiadamente mecânicas, para guardarem os princípios sutis e quase imponderáveis da geração. Acham-se absolutamente controladas pelo potencial magnético de que a epífise é a fonte fundamental. As glândulas genitais segregam os hormônios do sexo, mas a glândula pineal, se me posso exprimir assim, segrega "hormônios psíquicos” ou “unidades-força” que vão atuar, de maneira positiva, nas energias geradoras. Os cromossomos da bolsa seminal não lhe escapam à influenciação absoluta e determinada.” (Missionários da Luz, André Luiz)
  • 122. A GLÂNDULA PINEAL • A glândula pineal conserva ascendência em todo o sistema endócrino. • Ligada à mente, através de princípios eletromagnéticos do campo vital, comanda as forças subconscientes sob a determinação direta da vontade. • As redes nervosas constituem-lhe os fios telegráficos para ordens imediatas a todos os departamentos celulares, e sob sua direção efetuam-se os suprimentos de energias psíquicas a todos os armazéns autônomos dos órgãos. • Manancial criador dos mais importantes, suas atribuições são extensas e fundamentais. • Na qualidade de controladora do mundo emotivo, sua posição na experiência sexual é básica e absoluta. • De modo geral, todos nós, agora ou no pretérito, viciamos esse foco sagrado de forças criadoras, transformando-o num ímã relaxado, entre as sensações inferiores de natureza animal. (Missionários da Luz, André Luiz)
  • 123. A GLÂNDULA PINEAL • Divorciados da lei do uso, abraçamos os desregramentos emocionais. • Viciação das energias geradoras, carregados de compromissos morais, com todos aqueles a quem ferimos com os nossos desvarios e irreflexões. • Do menosprezo a esse potencial sagrado, decorrem os dolorosos fenômenos da hereditariedade fisiológica, que deveria constituir, invariavelmente, um quadro de aquisições abençoadas e puras. • A perversão do nosso plano mental consciente, em qualquer sentido da evolução, determina a perversão de nosso psiquismo inconsciente, encarregado da execução dos desejos e ordenações mais íntimas, na esfera das operações automáticas. • A vontade desequilibrada desregula o foco de nossas possibilidades criadoras. (Missionários da Luz, André Luiz)
  • 124. A GLÂNDULA PINEAL “Segregando “unidades-força” — continuou —, pode ser comparada a poderosa usina, que deve ser aproveitada e controlada, no serviço de iluminação, refinamento e benefício da personalidade e não relaxada em gasto excessivo do suprimento psíquico, nas emoções de baixa classe. Refocilar-se no charco das sensações inferiores, à maneira dos suínos, é retê-la nas correntes tóxicas dos desvarios de natureza animal, e, na despesa excessiva de energias sutis, muito dificilmente consegue o homem levantar-se do mergulho terrível nas sombras, mergulho que se prolonga, além da morte corporal. Contra os perigos possíveis, na excessiva acumulação de forças nervosas, como são chamadas as secreções elétricas da epífise, São muito raros ainda, na Terra, os que reconhecem a necessidade de preservação das energias psíquicas para engrandecimento do Espírito eterno. O homem vive esquecido de que Jesus ensinou a virtude como esporte da alma, e nem sempre se recorda de que, no problema do aprimoramento interior, não se trata de retificar a sombra da substância e sim a substância em si mesma. — De acordo com as nossas observações, a função da epífise na vida mental é muito importante. — Sim — considerei —, compreendo agora a substancialidade de sua influenciação no sexo e entendo igualmente a dolorosa e longa tragédia sexual da humanidade. Percebo, nitidamente, o porquê dos dramas que se sucedem, ininterruptos, as aflições que parecem nunca chegar ao fim, as ansiedades que esbarram no crime, o cipoal do sofrimento, envolvendo lares e corações... — E o homem sempre disposto a viciar os centros sagrados de sua personalidade — concluiu Alexandre, solenemente —, sempre inclinado a contrair novos débitos, mas dificilmente decidido a retificar ou pagar. (...) É, portanto, indispensável distinguir entre harmonia e desequilíbrio, evitando o estacionamento em desfiladeiros fatais.“ (Missionários da Luz, André Luiz)
  • 125. CONCLUSÕES GERAIS • A nossa conduta mental (pensamento) se propaga por meio de ondas vibratórias e é causa preponderante de nosso equilíbrio físico e espiritual. • Nosso pensamento conduz o nosso sistema de distribuição de energia. • Centros vitais desequilibrados obrigarão a alma à permanência nas situações de desequilíbrio.
  • 126. A vontade é atributo essencial do Espírito, isto é, do ser pensante. Com o auxílio dessa alavanca, ele atua sobre a matéria elementar e, por uma ação consecutiva, reage sobre seus compostos, cujas propriedades íntimas vem assim ficar transformadas. (5) É assim que a água é fluidificada ou magnetizada, é assim que ocorrem as curas, conhecidas no meio espírita. (...) quanto mais forte for a nossa vontade e quanto mais positiva for a nossa confiança, tanto mais eficientes serão os
  • 127. efeitos da magnetização. Afirmamos, por igual, que quanto mais nos elevarmos espiritualmente, tanto maior será o poder de nossa irradiação. (14) O períspirito do necessitado recebe fluidos do médium de passe, os quais são transferidos ao seu corpo físico, uma vez que a transfusão fluídica se opera de períspirito a períspirito.
  • 128. O fluido magnético, que se nos escapa continuamente, forma em torno do nosso corpo uma atmosfera. Não sendo impulsionado pela nossa vontade, não age sensivelmente sobre os indivíduos que nos cercam; desde, porém, que nossa vontade o impulsione e o dirija, ele se move com toda a força que lhe imprimimos. (15)
  • 129. Outro fator importante no passe, além da vontade, é a ação da prece. A prece atrairá a assistência dos bons Espíritos, criando um clima de elevação e de harmonia, favorável à cura. A prece é um recurso de que todos podemos lançar mão, principalmente o passista, e que, quando corretamente executada, funciona como verdadeiro “banho” de limpeza fluídica. (11)
  • 130. A prece tem um outro papel importantíssimo, que é o de higienização do ambiente fluídico em que se encontra aquele que ora. No momento em que o passista passa a receber fluidos de qualidade superior, passa também à condição de repulsor dos fluidos inferiores do ambiente. (12)
  • 131. 3o. Tipos de Passe ou de ação magnética (03) A ação magnética pode produzir-se de muitas maneiras: -pelo próprio fluido do magnetizador; é o magnetismo propriamente dito, ou magnetismo humano, cuja ação se acha adstrita à força e, sobretudo, à qualidade do fluido;
  • 132. -Pelo fluido dos Espíritos, atuando diretamente sem intermediário sobre um encarnado, seja para o curar ou acalmar um sofrimento, seja para provocar o sono sonambúlico espontâneo, seja para exercer sobre o individuo uma influencia física ou moral qualquer. É o magnetismo espiritual, cuja qualidade esta na razão direta das qualidades do Espírito;
  • 133. -Pelos fluidos que os Espíritos derramam sobre o magnetizador [no caso, médium passista], que serve de veiculo para esse derramamento. É o magnetismo misto, semi-espiritual, ou humano-espiritual. Combinado com o fluido humano, o fluido espiritual lhe imprime qualidades de que ele carece. Em tais circunstancias, o concurso dos Espíritos é amiúde espontâneo, porem, as mais das vezes, provocado por um apelo do magnetizador. (03)
  • 134. 3o. Os Tipos de passes: Imposição de mãos: Transversal: Longitudinal Sopro Quente sopro frio Perpendicular: Rotatório: Dispersivo: Auto passe: Coletivos: A distancia:
  • 135. IMPOSIÇÃO Trata-se de técnica concentradora de fluidos, dependendo da distancia da aplicação efetuada, funcionará como concentradora e bastante ativante se aplicado de perto do paciente - e calmante se aplicado de longe do paciente, desta forma descarregando fluidos pesados, facilitando a circulação sangüínea. A forma de executá-lo é muito simples; posiciona-se a (s) mão (s) sobre o lugar onde se deseja fazer a aplicação fluídica, sem movimentos e sem algum toque no paciente. A (s) mãos devem ficar abertas, com os dedos levemente afastados um dos outros, dificultando assim, as contrações musculares nas mãos.
  • 136. TRANSVERSAL Técnica essencialmente dispersiva, por este fato muito eficiente quando aplicada com conhecimento. Funciona basicamente, com os braços paralelamente esticados sem enrijecimento dos mesmos e as mãos voltadas em direção ao ponto que se deseje aplicar o transversal, abrindo-os com rapidez e vigor. Tendo bastante cautela quanto a distância tomada entre as mãos e o corpo do paciente, para não batermos no mesmo.
  • 137. PASSES LONGITUDINAIS Passe longitudinal é aquele feito ao longo do corpo, de cima para baixo. A base fundamental desta aplicação é a formação de uma corrente de fluidos que, partindo do passista e veiculado pelas suas mãos, transmite-se ao corpo do paciente em todo o seu campo vibratório. Os passes longitudinais movimentam os fluidos e os distribuem, mas quando ultrapassam as extremidades ( pés e mãos), os descarregam.
  • 139. Quanto ao tempo de duração do passe, compreende-se que não seja fixo. Cabe ao passista usar o bom senso e a inspiração do momento. • Demorar muito, principalmente em crianças, não é confortável e causa irritação. • Não é aconselhável também acumular fluidos só numa parte do corpo, ex: a cabeça. • uma forma bem usual é, por exemplo, essa: • imponha a mão sobre o centro de força coronário, permaneça por um tempo (curto), desça em suaves movimentos dispersivos (siga sua inspiração), e depois retome a energização no coronário. ( passe longitudinal) • Lembrando que o passe é de períspirito á períspirito, aura a aura, e sua principal ação é a mente (leia pensamento), vontade e fé.
  • 140. SOPRO ou INSUFLAÇÃO Consiste em insuflar com a boca, mais ou menos aberta, o hálito humano sobre as partes afetadas do paciente, fazendo penetrar o máximo possível na área dos tecidos. Para isso é necessário que o passista aspire ar suficiente para dilatar seu tórax, além do normal, deverá Ter capacidade bem ampla de respiração, podendo obtê-la através de exercícios de respiração profunda. André Luiz em Os mensageiros – Cap 19 – O Sopro, nos diz “Nossos técnicos não se forma de pronto. Exercitam-se longamente, adquiririam experiência a preço alto. Em tudo há uma ciência de começar. São servidores respeitáveis pelas realizações que atingiram, ganharam remunerações de vultos e gozam de enorme acatamento mas, precisam conservar a pureza da boca e a santidade das intenções. Nos círculos carnais, para que o sopro se afirme suficientemente, é imprescindível que o homem tenha estômago sadio, a boca habituada a falar o bem, com abstenção do mal, e mente reta, interessada em auxiliar. Obedecendo a esses requisitos, teremos o sopro calmante e revigorador, estimulante e curativo. Através dele, poder-se-á transmitir, também na Crosta, a saúde, o conforto e a vida”.
  • 141. Divide-se em dois grande grupos: 1 Frias - são muito usadas como dispersivos ou calmante a depender da distancia e da força que se imprime no próprio sopro a verificar, pois são aplicadas, normalmente a uma relativa distância da região que se deseje dispersar, como se ali estivesse uma a vela que se queira apagar. O sopro é dado com os pulmões cheio de ar, liberando-os lentamente (se o objetivo é acalmar) e rapidamente e com vigor ( para o objetivo de dispersar, como acordar o paciente de um sono magnético, sonambúlico ou mediúnico, depressão nervosa, afastamento de espírito). Poderemos verificar, que nesta aplicação o centro laríngeo será o grande usinador de fluidos e que dependendo do seu estado, doará saúde ou desarmonia. 2 Quentes - ao contrário das frias, são extremamente concentradoras de ativantes. São aplicadas o mais próximo possível da região que se queira fluidificar, como se ali tivesse uma lâmina que quiséssemos embaçar. É praticada com os pulmões cheios de ar, com o aquecimento do estômago, liberando-os lentamente, até esgotar o ar. Findando a insuflação, afasta-se a boca do local, respira-se normalmente algumas vezes e depois, com os pulmões novamente cheios, repete-se a insuflação.
  • 142. CIRCULAR OU ROTATÓRIO Como podemos deduzir, é a técnica definida que usa de movimentos circulares. Esta técnica é definida como concentradora, mesmo quando feitos em giros mais rápidos.
  • 143. PERPENDICULAR Também prática geralmente usada para dispersar, onde o seu poder é mais consistente, pode também ser útil em concentrações fluídicas em grandes regiões. Seu funcionamento solicita que o paciente esteja formando um ângulo reto com o passista, no campo das concentrações fluídicas deve ser aplicado com velocidade muito lenta. O passista passará as mãos simultaneamente , uma pela frente e outra pelas costas, perpendicularmente, sempre no sentido da cabeça aos pés, com rapidez, no sentido de dispersar.
  • 144. DISPERSIVOS E SUAS IMPORTÂNCIAS Já falamos bastante em dispersivos ou passes de distribuição e limpeza, todavia gostaríamos de dar alguns destaques breves sobre suas funções bem como a importância nas técnicas dos passes já utilizadas por nós na nossa casa espírita. O termo dispersivo, também conhecido por alguns como limpeza fluídica. Analisando o dicionário Aurélio, o termo dispersar entre outras coisas significa - fazer ir para diferentes partes, pôr em debandada, espalhar.
  • 146. PASSE COLETIVO Caracteriza-se esta modalidade, quando o número de passistas é insuficiente para atender a todos os frequentadores individualmente, pode-se lançar mão deste recurso como medida de emergência. Realiza-se esse trabalho com o diretor, após a prece e a preleção evangélica, pedindo a todos os passistas presentes que doem fluidos aos trabalhadores do plano espiritual e mentalizem as aplicações dos passes necessários a cada paciente. Esta modalidade poderá ser aplicada mentalmente, imaginando os passistas aplicando os passes através das projeções mentais sob os pacientes no recinto.
  • 147. PASSE A DISTÂNCIA – IRRADIAÇÕES Nesta modalidade, comumente verificamos uma equipe de médiuns que visitam hospitais e que na busca do auxílio reservam uma atividade para as irradiações a distância para aqueles enfermos visitados nos hospitais. O médium sintonizado com o necessitado, a distância canaliza igualmente fluidos salutares e benéficos. Os doentes são beneficiados não somente em virtude dos fluidos dirigidos conscientemente pelos encarnados como pelas energias extraídas dos presentes pelos cooperadores espirituais. O passe a distância entretanto é praticado da seguinte maneira : Concentração e prece. Idealizar a figura material do doente – se for conhecido – dando como presente; ou, então, imaginar sua figura, no local indicado e ir lá com o pensamento. Fazer sobre essa figura, imaginada ou ideoplastizada, os passes indicados, encerrando com uma prece.
  • 148. 4o. Os efeitos do Passe Nem todo os homens são sensíveis à ação magnética, e, entre os que o são, pode haver maior ou menor receptividade, o que depende de diversas condições, umas que dizem respeito ao magnetizador e outras ao próprio magnetizado, alem de circunstancias ocasionais oriundas de diversos fatores. Comumente, o magnetismo não exerce nenhuma ação sobre as pessoas que gozam de uma saúde perfeita. (16)
  • 149. Os Fatores que interferem nos efeitos do passe podem ser resumidos em: impedimento provacional (a pessoa tem que passar por aquela provação); condições físicas do passista (velhice, uso de certos medicamentos, doenças em geral, vícios, etc); falta de cooperação do paciente (falta de fé ou rejeição à ação fluídica).
  • 150. O grande efeito ou beneficio do passe é, naturalmente, a cura, física ou psíquica. A cura se opera mediante a substituição de uma molécula malsã por uma molécula sã. O poder curativo estará na razão direta da pureza da substancia inoculada; mas depende também da energia da vontade que, quanto maior for, tanto mais abundante emissão fluídica provocará e tanto maior força de penetração dará ao fluido (…). Os fluidos que emanam de uma fonte impura são quais substancias medicamentosas alteradas. (02) As pessoas doentes do corpo ou da alma – presas a obsessões ou influencias espirituais – devem buscar o lenitivo do passe para os seus males.
  • 151. 5o. O Passe nas Reuniões Mediúnicas O passe é utilizado nas reuniões mediúnicas quando necessário. É uma forma de doar fluidos salutares ao Espírito sofredor comunicante, auxiliando-o na recuperação ou no equilíbrio de seu estado mental e emocional. Tem o poder de também auxiliar o médium durante a comunicação mediúnica, de forma que os fluidos deletérios sejam dissipados e não atinjam diretamente o equilíbrio somático do medianeiro. Naturalmente, não é uma conduta obrigatória, uma vez que o médium harmonizado com o plano espiritual superior encontra os recursos necessários para não se deixar influenciar pelas ações, emoções ou sentimento do sofredor, que lhe utiliza as faculdades psíquicas para manifestar-se. O passe é necessário no trabalho da desobsessão. (17)
  • 152. Jesus impunha as mãos sobre os enfermos e sofredores, inclusive os endemoniados (obsidiados), curando-os dos seus males. Os apóstolos adotavam também esta pratica. (18) Nas reuniões mediúnicas, a aplicação do passe deve ser observada regularmente, de vez que o serviço de desobsessão pede energias de todos os presentes e os instrutores espirituais estão prontos a repor os dispêndios de força havidos, através dos instrumentos de auxilio magnético que se dispõem a servi- los, sem ruídos desnecessários, de modo, a não quebrarem a paz e a respeitabilidade do recinto. (18) Os médiuns passistas, no entanto, aplicarão o passe, quando se fizer necessário, a pedido do dirigente da reunião.
  • 153. Orientações oportunas: • Mantenha os olhos sempre abertos ou semi-serrados, pois o assistido* pode mudar de local ou sofrer algum distúrbio momentâneo (desmaiar, cair, levantar, virar), • evitando assim ocasionar o contato físico e/ou um acidente com o assistido. • * a palavra paciente não é recomendada o uso, tendo em vista o enquadramento da instituição espírita em curandeirismo e prática ilegal da medicina. Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. • Paciente é aquela pessoa que consulta o médico ou profissional da área de saúde.
  • 154. Orientações oportunas: • Se na aplicação do passe houver alguma manifestação estranha ao momento ex: choro, tremor excessivo, ou mesmo uma manifestação mediúnica e/ou anímica: • 1 - devemos sempre manter a calma; • 2 – nos mantermos em oração (buscando ajuda da equipe espiritual); • 3- direcionar o pensamento ao assistido e ao desencarnado (se houver), auxiliando o ser restabelecimento. Evitar o diálogo com o desencarnado ( o momento não é para doutrinação), aplicar passes dispersivos, induzindo o desencarnado ao sono. (fé verdadeira é êxito certo). • 4- recorrer ao dirigente encarnado se necessário.
  • 155. 6. O passista: Requisitos morais. • Quem pode aplicar o passe? Essa é uma das primeiras perguntas que surgem quando pensamos na programação das atividades de passe nas casas espíritas. • O conhecimento da natureza e dos mecanismos do passe nos possibilita inferir que todas as pessoas sadias poderiam, em princípio, aplicar o passe. • Todas possuem fluidos, em várias gradações, naturalmente, que podem ser mobilizados pelo amor na direção do semelhante que sofre. • Mas para efetivamente nos qualificarmos como bons servidores do passe, precisamos muito esforço, muita vontade ativa, muita disciplina para irmos adquirindo certas condições mínimas, de que resumidamente trataremos nesta seção e na seguinte.
  • 156. Continua... • Se pretendes, pois, guardar as vantagens do passe que, em substância, é ato sublime de fraternidade cristã, purifica o sentimento e o raciocínio, o coração e o cérebro. (Segue-me, cap. "O passe", p. 134) • No capítulo 19 do livro Missionário da Luz, de André Luiz, encontramos estas significativas palavras do Instrutor Alexandre: • O missionário do auxilio magnético, na Crosta ou aqui em nossa esfera, necessita ter grande domínio sobre si mesmo, espontâneo equilíbrio de sentimentos, acendrado amor aos semelhantes, alta compreensão da vida, fé vigorosa e profunda confiança no Poder Divino.
  • 157. Vemos aqui a imensa gama de conquistas requeridas de todo aquele que se propõe doar fluidos balsamizantes aos necessitados. Logo após, Alexandre faz um esclarecimento que achamos importante transcrever: • Cumpre-me acentuar, todavia, que semelhantes requisitos em nosso plano constituem exigências a que não se pode fugir, quando, na esfera carnal, a boa vontade sincera, em muitos casos, pode suprir essa ou aquela deficiência, o que se justifica, em virtude da assistência prestada pelos benfeitores de nossos círculos de ação ao servidor humano, ainda incompleto no terreno das qualidades desejáveis. • O passe é um trabalho de equipe. É comum que os colaboradores encarnados mostrem maior soma de deficiências que os desencarnados, em geral mais conscientes de seus deveres e da delicadeza da tarefa. Não podendo os serviços serem prejudicados, já que é o bem do próximo que está em jogo, tais deficiências podem ser supridas pelos Espíritos, quando de nossa parte houver boa vontade e desejo sincero de ajudar. Meditando nisso, vemos como precisamos lutar por nossa melhoria integral! • Continuemos o estudo com André Luiz, acompanhando-lhe o diálogo com Alexandre: • - Ainda mesmo que o operário humano revele valores muito reduzidos, pode ser mobilizado? [...] • - Perfeitamente [...]. Desde que o interesse dele nas aquisições sagradas do bem seja mantido acima de qualquer preocupação transitória, deve esperar incessante progresso das faculdades radiantes, não só pelo esforço próprio, senão também pelo concurso de Mais Alto de que se fez merecedor.
  • 158. 6.a – Questões oportunas. • Trabalhadores ou turistas? • Como fica a questão da escala de trabalho? • “Vou “quando dá”, ou só vou porque é meu dia, mesmo não estando bem? • “vou uma vez por mês”, faço minha parte com a casa! • “Eu venho doar, não preciso me tratar”
  • 159. Continua... • - Quer dizer que numa casa como esta [um centro espírita] há colaboradores espirituais devidamente fichados, assim como ocorre com médicos e enfermeiros num hospital terrestre comum? • - Perfeitamente. Tanto entre os homens como entre nós, que ainda nos achamos longe da perfeição espiritual, o êxito do trabalho reclama experiência, horário, segurança, responsabilidade do servidor fiel aos compromissos assumidos. A Lei não pode menosprezar as linhas da lógica.
  • 160. Quantos ensinamentos para o passista! Quantas diretrizes para o preparo do doador de fluidos! • Áulus afirma que: o serviço de passe deve ser exercido com a mesma responsabilidade dos médicos que socorrem nos hospitais da Terra. Cada hospital possui a sua equipe de médicos, encarregados cada um de sua área, obedecendo à disciplina que o hospital estipula. • Achamos importante a referência ao fichamento dos colaboradores no "hospital" do centro espírita. Como são graves as conseqüências da ausência do passista escalado no dia e hora do passe! Tudo estava programado para que os seus fluidos fossem utilizados, os Espíritos contavam com ele, mas... Nas substituições apressadas é inevitável o dano geral. Ciente disso é importante que o passista só falte em situações excepcionais.
  • 161. Diretrizes para o trabalho • No Gelp, em nossa nova diretriz de trabalho, os colaboradores se identificaram com o dia da reunião que mais os agradaram ou favoreciam no momento. • podendo o colaborador estar disponível em duas delas, ex; Domingo e Quarta-Feira.
  • 162. Diretrizes para o trabalho • A - Os trabalhadores da quarta-feira ou do domingo estão escalados para o trabalho em todas as reuniões de quarta e de domingo, durante o ano todo, e não mais em uma vez ao mês e/ou em cada quinze dias. • B - Se me candidato ao trabalho de passes e me considero apto á tarefa, devo me preparar para o passe, toda vez que for a instituição espírita, não importando o dia ou horário, porque quase sempre poderemos ser chamados a servir na tarefa do passe em socorro a um companheiro da casa e/ ou visitante. • C - Estando todos os colaboradores do dia previsto em maior número que o necessário, os que estiverem em melhor condição fisio-psíquico-espiritual, faram a aplicação do passe, lembrando que o bom senso deve reger toda e qualquer escolha nossa.
  • 163. Diretrizes para o trabalho • D - Se a equipe se manteve em maior número na reunião seguinte, e todos estando em condição de trabalho no passe, que atue os que estiveram fora da cabine e (estavam na reunião), na semana anterior e assim sucessivamente. • E - Podendo em vista de problemas outros e/ou tarefas, se absterem do trabalho, mesmo estando presentes na reunião doutrinária. • Sabemos que por muitas vezes faltar é necessário e inevitável, lembrando também, que para qualquer trabalho no bem a freqüência é necessária para a manutenção do trabalho em si, (o ideal mínimo é de 75% de freqüência), ou seja, em quatro reuniões semanais é de bom tom que você esteja presente no mínimo em três delas, fora disso o trabalhador será mais bem aproveitado em outra tarefa que não seja o passe. • Vindo o colaborador apenas uma vez ao mês nessa tarefa especifica, não constrói vínculos com a equipe encarnada e principalmente com a equipe desencarnada.
  • 164. Diretrizes para o trabalho • F - Caso o colaborador falte em duas reuniões seguidas ou mais, não devera no seu retorno aplicar passes, o mesmo número de faltas, deve ser o número de reuniões em que deve se harmonizar novamente com a equipe de desencarnados e de encarnados, mantendo-se na reunião doutrinária e auxiliando em outras tarefas. • G- Estando o colaborador da tarefa do passe em tratamento (espiritual) em outra instituição, denotando problema físico e/ou espiritual, deve-se ausentar da tarefa de aplicar passe no gelp, e aproveitando sua freqüência na reunião doutrinaria também tomar o passe em nossa casa. Ao término do tratamento oriente-se com a coordenação do departamento de orientação mediúnica para seu retorno.
  • 165. Diretrizes para o trabalho • H - Observando que a reunião doutrinária é para o tratamento dos médiuns e a reunião mediúnica o é para o tratamento dos espíritos, não estar presente no tratamento indica duas coisas: ou você não se julga necessitado de tratamento ou não quer se tratar, por isso a freqüência em pelo menos uma reunião doutrinária na semana é um reconhecimento da necessidade de mudanças e uma prova de nosso esforço em nos tornar mais humildades e principalmente mais saudáveis, físico-psíquico-espiritual. • I - O encaminhamento para a câmara de passes e a condução e manutenção do silencio e clima de oração no recinto (salão), é tarefa da equipe de passes e deve disponibilizar trabalhadores para essa tarefa, que se diga de passagem é de igual relevância à aplicação do passe na cabine.
  • 166. Diretrizes para o trabalho • J - Outro ponto fundamental do texto transcrito é a necessidade de o passista recorrer à oração como um meio iluminado para alijar do mundo interior, eventuais pensamentos sombrios, remanescentes das atividades do dia, e sorver dos bons Espíritos as substâncias renovadoras, para ajudar com eficácia o enfermo. • K - Lembrando apenas que a oração preliminar pode nos conectar com a equipe e nos melhorar, mas, isso quanto não houve desequilíbrios sérios no campo do sentimento e da emoção, dificultando a melhora rápida do colaborador, impedindo-o do trabalho de passes no dia e/ou noite. A harmonização real e verdadeira se faz no dia a dia.
  • 167. Diretrizes para o trabalho • L - Importante é não fazer dessa necessidade de orar, uma necessidade de ritual, anexando “adjetivos” na “oração”, onde temos que fazer leitura, meditação, corrente de mãos, relaxamento, mesmo estando em relativa harmonia, nosso objetivo na tarefa é que nos faz unidos, e essa união se dá pelo pensamento. • M - Orar sempre e espontaneamente antes e depois dos trabalhos de passe, nos vinculando á equipe espiritual, no início para harmonização e no final para agradecer.
  • 168. • a) Estudo • b) Disciplina • c) Amor • d) Paciência • e) Vivência cristã constante • f) Equilíbrio emocional • g) Preparo contínuo • h) Fé e oração Com base na vasta literatura espírita sobre o assunto, tentaremos enumerar agora algumas das diretrizes que o passista deve seguir tanto em sua vivência cotidiana quanto na aplicação do passe.
  • 169. 7. O passista: Requisitos físicos. • Depois de havermos apontado alguns dos requisitos morais, tão difíceis de conquistar, faremos alguns comentários sobre as condições físicas de quem ministra o passe:
  • 170. Requisitos físicos. • l) Higiene • ll) Alimentação • lll) Vícios: álcool, fumo, tóxico • lV) Conduta sexual • V) Hábito do Jogo
  • 171. 8. O enfermo • a) Posição mental para receber o passe • Para que obtenha melhora, as pessoas que buscam o recurso do passe devem ter postura mental adequada. • A esse respeito, é interessante consultarmos o item 10 do capítulo 15 de A Gênese. Kardec analisa aí a passagem evangélica da mulher hemorroíssa (Marcos, 5: 25-34), uma das inúmeras curas operadas por Jesus. Vejamos este trecho: • Considerado como matéria terapêutica, o fluido tem que atingir a matéria orgânica, a fim de repará-la; pode então ser dirigido sobre o mal pela vontade do curador, ou atraído pelo desejo ardente, pela confiança, numa palavra: pela fé do doente. Com relação à corrente fluídica, o primeiro age como uma bomba calcante e o segundo como uma bomba aspirante.
  • 172. 8. O enfermo • b) Posição física para receber o passe • Quem vai receber o passe deve ficar na posição que lhe dê mais conforto físico. O passe transmite-se ao perispírito, independentemente da posição do corpo físico. • Dependendo do lugar, pode ficar deitado, sentado ou de pé. Mas em qualquer caso, deverá ficar descontraído, respirando normalmente. • Não há necessidade de ficar com as mãos espalmadas para cima, como se fossem "receber" algo material. • Certas pessoas alegam que não se devem cruzar os braços ou as pernas, porque tais posturas dificultariam a "circulação" dos fluidos. Parece-nos, porém, que se não devemos cruzar os membros é apenas porque isso em geral atrapalha a circulação sangüínea e gera tensões musculares.
  • 174. Continua... • Sensações de calor, frio, tremor, suor, arrepio, choro podem ocorrer durante o passe. São, geralmente, motivadas por causas psicológicas. O misticismo, de que muitos ainda se não desvencilharam, pode provocar efeitos ilusórios variados. • Nem o passista nem o paciente precisam retirar pulseiras, colares, relógios, óculos, sapatos, etc. Tais objetos não interferem no passe, porque são de natureza diversa daquela dos fluidos. (quem assim procede, orientando a retirada dos objetos, deve ter outro motivo que não seja a influência nos fluidos transmitidos pelos espíritos, ex: em reuniões especificas de tratamento, retira o calçado para evitar barulho no ambiente ao caminhar.) • Vemos alguns fumantes que se apressam em alijar-se momentaneamente do maço de cigarros. A presença dos cigarros não é, em si, o problema. O problema sério é o hábito de fumar, que intoxica o organismo, atuando em sentido contrário ao do passe, quando recebido.
  • 175. 9. Quando receber o passe • Não abuses, sobretudo, daqueles que te auxiliam. Não tomes o lugar do verdadeiramente necessitado, tão só porque os teus caprichos e melindres pessoais estejam feridos. • Emmanuel (Segue-me, p. 134) • A ninguém imponhas precipitadamente as mãos. (Paulo, I Timóteo 5: 22) • Dessas sábias advertências de Emmanuel e do Apóstolo dos Gentios concluímos que as pessoas só devem buscar os recursos do passe quando têm realmente necessidade. Passe é remédio. E todo remédio só se toma quando necessário, na dose certa e até que se recupere a saúde. Se estivermos bem, o passe é dispensável.
  • 176. Continua... • No capítulo 28 de Conduta Espírita, André Luiz recomenda-nos: • "esclarecer os companheiros quanto à inconveniência da petição de passe todos os dias, sem necessidade real, para que esse gênero de auxílio não se transforme em mania." • Se a pessoa não precisa de passe, devemos esclarecê-la a esse respeito, orientando-a para o estudo doutrinário e o serviço ao próximo. • Devemos lembrar-nos que os problemas do nosso dia podem ser resolvidos com bom senso, honestidade, equilíbrio e muita disciplina. • Em seu livro Segue-me, Emmanuel assim se expressa sobre a questão de quem necessita do passe: "O passe exprime também gastos de forças, e não deves provocar o dispêndio de energias do Alto, com infantilidades e ninharias" (p. 134).
  • 177. 10. O recinto do passe • De ambiente poluído nada de bom se pode esperar. (André Luiz, Conduta Espírita, cap. 28.) • O lugar mais adequado para a transmissão do passe é o centro espírita, que, pela natureza de suas atividades, constitui o núcleo mais importante de assistência a encarnados e desencarnados no que tange ao socorro de ordem espiritual. • Se possível, deve-se reservar uma sala especial para essa tarefa, na qual se reúnem sublimados recursos fluídicos movimentados pelos pensamentos elevados e pelas preces. • A sala de passes deve ser simples, mas muito limpa, arejada, ensolarada. Os Espíritos auxiliam na preparação do ambiente espiritual, porém não podem usar vassoura, água e sabão.
  • 178. 11. Os efeitos do passe • Existem vários fatores que influem nos efeitos do passe. • A despeito da ajuda segura dos bons Espíritos, o resultado dependerá das condições do enfermo e também do passista, se bem que as deficiências deste possam em geral ser supridas pelos Espíritos, há sempre que observar nosso estado de “saúde”, se realmente estamos preparados e se é necessária a nossa ação. • Temos observado que algumas pessoas se sentem curadas, outras apenas melhoram, enquanto outras ainda permanecem completamente impermeáveis aos recursos do passe. • O clima de fraternidade, simpatia entre o passista e o enfermo é condição importantíssima para que o passe produza bons resultados.
  • 179. Os efeitos do passe • A fé é outro fator relevante. Observamos que muitos não voltam mais ao centro espírita após constatarem que não obtiveram melhoras imediatas. • Na sua ignorância, alegam que o centro é "fraco", ou mesmo descrêem completamente dos recursos fluídicos e dos mecanismos divinos. • Observemos os passistas que aplicam passes em uma instituição e na hora que desejam receber se dirigem á outra, não seria um contra senso e uma falta de fé? • Para doar aos outros o centro “serve”, mas, para você receber o mesmo centro não “serve”, é claro que aqui não inclui os “tratamentos” especializados que outras instituições espíritas oferecem e que nossa casa mãe ainda não ofereça ou não tenha equipe “encarnada” e “desencarnada” para tal função.
  • 180. Continua... • Lembremos sempre da fé viva, certeza absoluta de que em Deus nos movemos e existimos. • O passista não deve aplicar-se em demasia no exame dos resultados do passe. Empenhe-se em cumprir os requisitos que se exigem de sua posição, e confie na Providência Divina, que saberá, melhor do que ele, quais as reais condições de cada enfermo, quais os seus méritos e suas necessidades provacionais e expiatórias. Nunca se envaideça de eventuais resultados positivos, lembrando sempre de que a fonte última de todo o bem é Deus.
  • 181. 12. A água fluidificada • É assim que as mais insignificantes substâncias, como a água, por exemplo, podem adquirir qualidades poderosas e efetivas, sob a ação do fluido espiritual ou magnético, ao qual elas servem de veículo, ou se quiserem, de reservatório. • Kardec, A Gênese, cap. 15, § 25 • A água é dos corpos mais simples e receptivos da Terra. É como que a base pura, em que a medicação do Céu pode ser impressa, através de recursos substanciais de assistência ao corpo e à alma, embora em processo invisível aos olhos mortais. • Emmanuel, Segue-me, p. 131.
  • 182. 13. Jesus - O Divino Modelo • Qual o tipo mais perfeito que Deus tem oferecido ao homem, para lhe servir de guia e modelo? "Jesus". (O Livro dos Espíritos, questão no 625.) • Todos os aspectos de Sua passagem na Terra fornecem-nos exemplos a serem imitados. Acima de tudo, devemos inspirar-nos em sua conduta moral, marcada pelo amor puro que distribuía entre todos e tudo que encontrava. Em muitas ocasiões, a mobilização desse amor deu-se na forma de alívio para as dores, nas múltiplas expressões das enfermidades orgânicas e espirituais. Cegueiras e paralisias, ulcerações e debilidades, processos letárgicos e obsessivos foram por Ele sanados ou aliviados.
  • 183. Os milagres e as predições ... • As numerosas curas operadas pelo Mestre foram em geral tidas por milagrosas. Coube ao Espiritismo a sua explicação racional, pela ação fluídica impulsionada por uma poderosa vontade. • Foi no último livro que publicou A Gênese, os Milagres e as Predições segundo o Espiritismo que Kardec examinou alguns dos principais feitos materiais de Jesus, destacando-se entre eles as curas de diversas doenças e limitações orgânicas. • Devemos, a esse respeito, consultar os capítulos 13, 14 e 15. No último deles são analisados, de forma particular, os casos da mulher hemorroíssa (Mc 5: 25-34), do cego de Betsaida (Mc 8: 22-26), do paralítico de Cafarnaum (Mt 9: 1-8), dos dez leprosos (Lc 17: 11-19), do homem da mão seca (Mc 3: 1-8), da mulher curvada (Lc 13: 10- 17), do paralítico da piscina de Betesda (Jo 5: 1-17), do cego de nascença (Jo 9: 1-34), além de vários casos de "possessões" e "ressurreições".
  • 185. Fontes de Consulta 1. KARDEC, Allan. A Gênese. Cap XIV, item 31, p 294-295 2. ________, p 295 3. ________, item 33, p 295-296 4. ________. O Livro dos Espíritos. Questao 70 5. ________. O Livro dos Médiuns. Cap. VIII, item 131 6. FEB. Espiritismo de A a Z. p 377 7. GENTILE, Salvador. O Passe Magnético, p 47 8. ________, p 62 9. ________, p 67 10. GURGEL, Luiz Carlos. O Passe Espírita. P 84-86 11. ________, p 109 12. ________, p 111 13. ________, p 113 14. MICHAELUS. Magnetismo Espiritual. Cap V, p 37 15. ________, Cap VI, p 46 16. ________, Cap VIII, p 58 17. NOBRE, Marlene. A Obsessão e suas Mascaras, p 142
  • 186. 18. XAVIER, Chico; VIEIRA, Waldo. Desobsessão. Cap 52. p 142 19. ______. Evolução em Dois Mundos, Cap XV, p 183 20. XAVIER, Chico. Entre a Terra e o Céu. Cap 20, p 163-164
  • 187. Todas as pessoas sadias, poderiam, em princípio, aplicar o passe.Todas possuem fluidos, em várias gradações, naturalmente, que podem ser mobilizados pelo amor na direção do semelhante que sofre. Mas para efetivamente nos qualificarmos como bons servidores do passe, precisamos muito esforço, muita vontade ativa, muita disciplina para irmos adquirindo certas condições mínimas, como por exemplo: ter grande domínio de si mesmo, espontâneo equilíbrio de sentimentos, acendrado amor aos semelhantes, alta compreensão da vida, fé vigorosa e profunda confiança no Poder Divino. (Cap. 19 do livro Missionários da Luz, de André Luiz). 01 - Quem pode aplicar o passe?
  • 188. 02 - A higiene pessoal influencia no passe?  Sim. Podemos destacar duas razões básicas:  1. - Os desequilíbrios a que submetemos o corpo físico são refletivos nos outros corpos do indivíduo, contribuindo para a piora dos fluídos que formam tais corpos. Sendo esses fluídos doados no momento da fluidoterapia (do passe), é natural esperarmos que tal parcela deletéria seja também transferida ao paciente.  2. -Tanto o passista quanto o paciente necessitam de concentração mental para que se alcance maior eficácia. A falta de higiene provoca muitas vezes odores fétidos que desarticulam a capacidade de concentração, afetando inclusive quem esteja localizado no mesmo ambiente físico, prejudicando a todos.
  • 189. 03 - O vestuário do passista influencia na tarefa?  Sim. A grande maioria das pessoas encarnadas ainda enfrenta problemas relacionados à área sexual. Nesse sentido, muitas vezes o uso de roupas mais curtas e justas funciona como catalisador de pensamentos abusivos que destoam completamente da serenidade requerida na câmara do passe.Tendo em vista esse problema comum, não só o passista ou o paciente, mas qualquer um de nós deverá observar com cautela o vestuário a ser utilizado no dia a dia, lembrando sempre que "o equilíbrio está no meio"
  • 190. 04 - Para ser médium passista é preciso ser vegetariano?  Não. Conforme a questão 723 de O Livro dos Espíritos, "permitido é ao homem alimentar- se de tudo o que não lhe prejudique a saúde".
  • 191. 05 - O médium passista precisa fazer tratamento de desobsessão antes de ingressar na tarefa?  Não. Freqüentemente a falta de trabalho em benefício do semelhante é o ponto de apoio da variada gama de processos obsessivos. Em relação ao passista, apenas os casos de subjugação deverão merecer tratamento antecipado. (Livro dos Médiuns, item 240, cap. 23) 
  • 192. 06 - Estou fazendo uso de remédios. Posso atuar como médium passista?  Depende. Há medicamentos que podem ser chamados "simples", tais como remédios contra dor de cabeça, cólicas, resfriados e coisas afins. Sabemos ser provável que parcela sutilizada do remédio venha a se agrupar aos fluídos dos médiuns passistas, podendo parte desta ser posteriormente transferida para o paciente. Há casos raros na literatura espírita relacionada aos passes que acusam esses fatos. No entanto, mesmo que a transferência ocorra, cremos que para os remédios ditos "simples" a parcela transferida chega a ser desprezível. O único problema aqui encontrado é a classificação exata de um remédio como sendo "simples" ou não. Na dúvida, talvez o melhor seja abster-se de participar da tarefa pelo período de uso do remédio. No rol dos medicamentos impeditivos da participação na tarefa, caso o médium passista os use, estão enquadrados todos aqueles que afetem o Sistema Nervoso Central. 
  • 193. 07 - E se o médium passista estiver doente?  Em geral um organismo adoentado apresenta maior dispêndio de energia para sua manutenção e/ou maior dificuldade em absorção desta. Excetuando-se os casos em que as observações acima não se verifiquem, tal como ocorre em algumas doenças que acompanham o indivíduo durante toda a vida, o médium passista deverá se afastar da tarefa até o restabelecimento adequado.
  • 194. 08 - A ingestão de carne influencia na tarefa do passe?  Sim. Embora o médium passista não precise ser obrigatoriamente vegetariano, encarando o passe como recurso terapêutico físico e espiritual, geralmente utilizado quando apresentamos indisposições de variada ordem, é útil abstermo-nos de alimentos mais pesados, tal qual fazemos quando em tratamentos médicos convencionais.  A alimentação do médium passista afeta os fluídos que este doará no momento do passe. Conforme consta na questão 724 de "O Livro dos Espíritos", a abstinência de carne será meritória se a praticarmos em benefício dos outros.  Tendo em mente o benefício do próximo, cumpre-nos preferir a alimentação vegetariana pelo menos no dia exato da tarefa.
  • 195. 09 - Posso ministrar o passe de estômago cheio?  Via de regra, quanto menor a atividade orgânica, melhor possibilidade de contato com o plano espiritual encontrará o Espírito. Tanto quanto possível, tanto o médium passista quanto o paciente, deverão se apresentar à tarefa apenas levemente alimentados.
  • 196. 10 - Estou cheio de preocupações. Posso ministrar o passe assim mesmo?  Se o médium passista já aprendeu que amparar o semelhante é a melhor forma de auxiliar a si mesmo, compreenderá que principalmente nesses casos sua presença se faz mais útil. 
  • 197. 11 - Sou fumante Posso ser médium passista?  O ideal é que ninguém seja fumante. No entanto, o bom não poderá ser inimigo do ótimo. Pessoas que ainda se utilizam do cigarro, mas estejam se esforçando continuamente para abolir o vício, encontrarão na aquisição de responsabilidade como médiuns passistas maior motivação para absterem-se do fumo, desde que enquanto ainda fumem procurem não fazer uso do cigarro pelo menos cinco a seis horas antes da tarefa. Aos companheiros que não estão interessados no combate às próprias deficiências, preferível é que se esforcem primeiramente por convencer a si mesmos do imperativo da mudança de hábito. 
  • 198. 12 - Faço uso de bebidas alcoólicas. Posso ser médium passista?  Relativamente às bebidas alcoólicas, deverá o médium passista esforçar-se por discernir adequadamente entre o uso e o abuso. Em caso de abuso, recomenda-se que o médium passista não participe da tarefa do passe nos próximos quatro ou cinco dias, de forma a alijar o máximo possível os fluídos deletérios contraídos pelo excesso praticado. Em situações normais, recomenda-se que particularmente no dia da tarefa o médium passista não faça uso de qualquer tipo de bebida alcoólica
  • 199. 13 - Faço uso de drogas ou tóxicos. Posso ser médium passista?  Não. O usuário de tóxicos não deverá participar de tarefas de doação de fluídos. 
  • 200. 14 - Qual o número de passes que posso dar em cada tarefa?  Esta questão tem causado muita polêmica.À guisa de sugestão, vamos analisar as duas colocações a seguir:  1. - O passe misto, também chamado de passe espírita, praticado na maioria das casas espíritas, leva em conta a doação de energia tanto por parte do Espírito responsável pelo passe, como do médium passista.Assim, o desgaste energético por parte do médium passista não pode ser desprezado;  2. - É sempre importante criarmos oportunidades de trabalho para os interessados, dentro da casa espírita.Assim, se há número de médiuns passistas maior que o recomendado para a tarefa, é interessante que haja um rodízio destes, a fim de que todos trabalhem.  Com base nessas duas considerações, cremos ser de responsabilidade do coordenador da tarefa dimensionar o número de passes por médium passista, de forma que todos participem igualmente, evitando a sobrecarga. Em casos excepcionais que requeiram a participação intensa do médium passista em uma ou outra oportunidade, devemos recordar a assertiva de Emmanuel: "a necessidade está acima da razão", sem contudo utilizarmo-nos desta frase para justificar qualquer tipo de abuso de nossa parte, mesmo em se tratando de auxílio ao semelhante. O passe misto, necessariamente, envolve gasto de energia por parte do médium passista. E gasto, obviamente, requer reposição.
  • 201. 15 - Quantas vezes por semana posso participar da tarefa do passe?  Recomenda-se que o médium passista intercale um dia de atividade na tarefa de doação de fluídos com um dia de descanso para a reposição natural dos fluídos. Nesse particular, as reuniões mediúnicas são também consideradas eventos de doação fluídica.
  • 202. 16 - Sou médium ostensivo e participo de reuniões mediúnicas. Posso dar passes?  Sim, desde que observados os períodos de descanso para a reposição de fluídos. No entanto, como a tarefa do passe não exige qualquer tipo de mediunidade ostensiva, é sempre um gesto de amor dar preferência a tarefeiros que não apresentem os requisitos para o mediunato.
  • 203. 17 - Minha vida é muito corrida e agitada. Posso ser passista?  Há muitas pessoas que, mesmo com propósitos nobres, abarcam mais responsabilidades do que podem. A tarefa do passe, como outras, exige presença assídua de seus colaboradores, assim como dedicação, sempre que possível, aos estudos para melhoramento individual do passista. Normalmente é preferível não contar com um passista, do que contar com ele apenas raramente. A disciplina é a alavanca do progresso.
  • 204. 18 - Para ser passista, qual é o sexo mais adequado?  Para a tarefa do passe, não há diferenciação entre os sexo.
  • 205. 19 - A vida sexual do médium passista influencia em seu desempenho na tarefa do passe?  Sim, principalmente a vida sexual que está no seu pensamento, pois ele atrai energias positivas ou não, conforme o que se pensa. Assim, o que gravita em nosso redor invariavelmente combina com nossos fluídos com base na lei de afinidade. Esses mesmos fluídos são transferidos posteriormente ao paciente. A grosso modo, recomenda-se que principalmente no dia da tarefa o passista procure manter sua "casa mental" adequadamente limpa e organizada.
  • 206. 20 - Qual a conduta ideal do passista?  À medida que o passista avança na compreensão da importância da tarefa do passe, ele percebe que o seu bem-estar físico e espiritual não mais representa benefício para si próprio, mas também para todos os companheiros que se utilizam desse recurso terapêutico na casa espírita. Naturalmente, a conduta ideal de qualquer um de nós está descrita no Evangelho de Jesus, cuja interpretação cristalina encontramos atualmente na Doutrina Espírita.
  • 207. 21 - Quero ser passista. Preciso ser "santo"?  Não. O passe é tarefa de amor, recurso terapêutico para as almas. Assim como o lavrador é o primeiro a recolher os benefícios da colheita, o passista pode ser encarado como o indivíduo que mais recebe na tarefa.
  • 208. 22 - O passista precisa se preparar ao longo do dia para dar o passe?  Podemos comparar o passista a um cirurgião. O cirurgião, antes do trabalho, deverá apresentar- se o mais higienizado possível para o desempenho adequado de sua tarefa sem a infecção do paciente. O médium passista deverá higienizar a sua "casa mental" para evitar a contaminação de seus próprios fluídos que serão transferidos ao paciente.Tal higienização só poderá ocorrer com o esforço de se evitar pensamentos incorretos de qualquer tipo, a leitura de publicações inadequadas, a conversa de temas inferiores e absorção de qualquer tipo de idéia nociva aos princípios cristãos.
  • 209. 23 - O passista deve estudar sempre?  Sempre que possível o passista deverá melhorar sua compreensão dos mecanismos do passe pelo estudo e observação. No entanto, o bom desempenho na tarefa do passe não se vincula exclusivamente ao aspecto intelectual, mas principalmente ao amor com que se participa da tarefa.  
  • 210. 24 - O passista é médium?   Nas casas espíritas geralmente pratica-se o passe misto. Nesse tipo de passe, o passista atua como mediador entre o Espírito responsável pelo passe e o paciente. Dessa forma, o passista pode ser considerado médium. Kardec chamava a doação de fluídos como uma mediunidade de efeitos físicos e, ao seu médium, de médium curador.Talvez esse nome possa ser muito pretensioso e por isso as denominações mais simples como médium passista ou médium de fluidoterapia sejam mais adequadas.Com isso elimina-se qualquer confusão com a tarefa levada pelos profissionais da ciência material, médicos, psicólogos, etc. o que pode ser confundido com charlatanismo e até ser enquadrado como crime se feito com receituário (mesmo homeopático) e outras práticas além da imposição de mãos e da vontade de ajudar o próximo.
  • 211. 25 - O passista absorve os fluídos negativos dos pacientes?  Na tarefa do passe realizada dentro da casa espírita, com a observância dos critérios de segurança e disciplina conhecidos, a coordenação da tarefa ocorre a nível espiritual, embora se tenha sempre um coordenador encarnado. Assim, é lícito pensar-se que a Espiritualidade procure sempre resguardar os tarefeiros durante o trabalho.
  • 212. 26 - Posso dar passe fora do centro espírita?  Há casas espíritas que possuem equipes de passistas que vão à casa do paciente ou a hospitais. Essas equipes sempre trabalham sob condições de disciplina e de ordem para se garantir a segurança adequada ao desempenho da tarefa. O passista, sozinho, nunca deverá assumir responsabilidades por qualquer tipo de trabalho fora do âmbito da casa que freqüenta, embora, a título de beneficência, em visita a companheiro adoentado, poderá orar por ele, o que na verdade é também um passe, chegando mesmo a aplicar-lhe um passe, somente nos casos em que o próprio doente manifeste o interesse pela aplicação. Mesmo nesses casos, deverá o passista agir com extrema cautela a fim de se evitar inconvenientes tais como manifestações mediúnicas de qualquer parte. Atendimentos a companheiros vinculados a processos obsessivos que envolvam manifestação mediúnica e que se encontrem impossibilitados de se dirigir à casa espírita nunca deverão ser realizados pessoalmente por qualquer indivíduo, mas apenas por equipe especializada da própria casa espírita.
  • 213. 27 - Devo dar conselhos durante a aplicação do passe?  Não. a tarefa é de aplicação de passes, e não de sugestões e conselhos. Não que os conselhos e as sugestões embasadas na vivência do Evangelho sejam incorretas, mas no momento da tarefa do passe, tal prática não dever ser permitida, por melhor que seja a intenção. Em algumas casas espíritas observa-se a tendência à conversação durante a aplicação do passe, estando o passista muitas vezes mediunizado. Embora tal prática seja adotada nas respeitáveis religiões africanistas, ela não encontra suporte na Doutrina dos Espíritos. O passe misto, praticado nas casas espíritas, exige concentração tanto do paciente como do passista e intercâmbio de idéias apenas a nível mental, e não verbal.
  • 214. 28 - Devo receitar durante a tarefa do passe?  Não. A tarefa do passe não é receituário mediúnico, mas apenas ministração, por via fluídica, de elementos terapêuticos extremamente sutis ao paciente, que atuam diretamente no perispírito, atuando à semelhança dos compostos homeopáticos, fazendo repercutir seus benefícios inclusive no corpo físico.Tal prática difere completamente do receituário mediúnico, que aliás deve ser utilizado somente com o amplo entendimento das responsabilidades, tanto físicas quanto espirituais, que seu exercício acarreta.
  • 215. 29 - Posso prometer cura a alguém?  Não. Aprendemos com Jesus que a cura somente pertence ao próprio doente que, mercê de Deus, aproveita as oportunidades de progresso espiritual. A promessa de cura, sobretudo endereçada a pessoa realmente doente, excita demasiadamente o psiquismo desta, podendo leva-la a estados muito piores se a melhora não se verifica conforme o prometido. Assim, por mais seja a fé do passista em relação à eficácia do tratamento fluidoterápico, devemos relembrar o mestre lionês, quando diz que "fé inabalável é aquela que pode encarar a razão, face a face"
  • 216. 30 - Posso dar passe mediunizado?  Não. Se todos os companheiros das casas espíritas trabalhassem apenas mediunizados, muito provavelmente os Espíritos não precisariam de nosso concurso inteligente. O estado de consciência plena do passista durante o passe indica que este também participa ativamente do processo de doação, através de seu raciocínio e seu sentimento, doando não somente os fluidos animais necessários ao transporte e à absorção dos elementos por parte do paciente, mas também de sua ideação nobre que irá impressionar positivamente os fluidos a serem transmitido.
  • 217. 31 - Posso dar o passe com qualquer roupa?  Não há regra. Entretanto, recomenda-se que o passista vista- se de forma confortável, para que não venha a sentir incômodo durante a tarefa, podendo atingir seu término com tranqüilidade. Deve-se evitar o uso de roupas espalhafatosas, o que poderá ocasionar pensamentos de estranheza em uns, assim como a crítica em outros, desviando os pensamentos do campo nobre de ilações que a tarefa exige. essencial também não abusar de decotes, roupas muito justas, curtas, e coisas afins que, naturalmente, possam gerar pensamentos libidinosos nas outras pessoas. De maneira geral, todos nós ainda temos vinculações no campo da sexualidade mal direcionada. E por fim, sugere-se que os passistas não façam uso de colares, pulseiras ou qualquer outro objeto que faça barulho durante a tarefa, para evitar-se desviar a atenção de outros co-participantes.
  • 218. 32 - Posso tocar no paciente?  O toque denota, essencialmente, intimidade. Por mais bela e pura que seja a relação entre passista e paciente, deve-se evitar o toque dentro do ambiente da casa espírita, como forma de respeito aos outros companheiros, em relação à unidade de trabalho que deve haver dentro da casa espírita. Quando participamos de qualquer tarefa dessa natureza, não podemos agir da maneira que queremos, mas submeter-nos às orientações da casa. Nunca é pouco ressaltar que a ordem e a disciplina presidem o progresso. No que diz respeito ao toque em pessoa que não se conhece, a situação se complica ainda mais. É possível que o paciente se assuste, e com maior intensidade se este for do sexo feminino. Em qualquer trabalho, principalmente com o público, o cuidado deve ser redobrado. Imagine a seguinte situação: determinado companheiro vai ao centro espírita pela primeira vez; encontra- se amedrontado; indicam-lhe a sala de passes; ele observa a escuridão, o silêncio, e estes lhe causam estranheza maior; na sua vez, senta-se e olhos arregalados, enxergando com deficiência; subitamente o passista à sua frente põe a mão em seus ombros; talvez esse companheiro não volte àquela ou a qualquer outra casa espírita, ou talvez saia correndo. Embora o caráter cômico da narrativa, observamos que tal fato já ocorreu mais de uma vez. Não é demérito algum para o Espiritismo reconhecermos que, em virtude da ignorância, muitas pessoas ainda de amedrontam quando passam em frente a uma casa espírita.
  • 219. 33 - Os olhos devem ficar abertos ou fechados?  Em geral, abertos. Particularmente os passistas que se servem de movimentos para a aplicação do passe não poderão agir de olhos fechados, sob pena de virem a colidir com outro passista também em movimento, ou até mesmo com o próprio paciente. Além, é claro, dos inconvenientes trazidos pelo toque indesejado.
  • 220. 34 - Senti tonturas durante a aplicação do passe. O que aconteceu?  Os fluídos são a base da manifestação mediúnica. Determinados companheiros que tenham ostensividade mediúnica podem tender para o estado sonambúlico em ambientes de grande reserva fluídica. A tontura, muitas vezes, indica o limiar entre os estados de vigília e sonambúlico. Sendo fenômeno natural, pode ser coibido pelo passista com a devida educação da mediunidade. Quando ocorrer, deve-se, sem alarde, informar ao coordenador da tarefa, para que, se possível, substitua-se o passista em questão, até o restabelecimento adequado, que geralmente ocorre em alguns minutos. Costuma-se recomendar que o passista tome um pouco de ar, procure relaxar o orar rogando aos benfeitores espirituais que o auxiliem.Tal fato não é, definitivamente, motivo para que qualquer companheiro se afaste da tarefa do passe. 
  • 221. 35 - O que o passista deve pensar na hora do passe?  O passista deve orar continuamente durante a tarefa.O pensamento bem direcionado é essencial para o desempenho da tarefa.Assim, quanto mais se estudam os mecanismos do passe, maior capacidade de orientação de sua força mental terá o passista. Embora não haja regra sobre "o que pensar", observa-se que muitos companheiros mais afinizados com o estudo imaginam correntes magnéticas luminosas entrando e saindo pelos centros vitais do paciente, outros projetam na tela mental a figura de Jesus, e ainda outros imaginam descargas enormes de fluidos saindo das pontas de seus dedos, dos olhos, ou de todo o corpo. Seja qual for a ideação, esta sempre deverá ser nobre, além de ser alimentada pela crença profunda do passista na eficácia da aplicação, embora, como já foi mencionado, o passista não tenha autoridade suficiente para garantir cura a qualquer pessoa.
  • 222. 36 - Devo das passe descalço?  Não há regra. Porém, dentro da casa espírita, preferível é apresentar-se convenientemente, ou seja, com vestuário adequado e sapatos confortáveis, que não causarão incômodos durante a tarefa. Dar passes descalço traz sérios inconvenientes, que variam da estranheza de se ver uma pessoa descalça dentro da câmara de passes, até o desconforto nasal que os companheiros possam vir a sentir. Além disso, o passista não é mais eficaz por estar descalço.
  • 223. 37 - Tenho problemas com o paciente que acabou de se sentar à minha frente. Devo dar o passe?  Sim. Devemos entender tal fato como oportunidade de se perdoar, entendendo que um "inimigo" é sempre um amigo perdido.