SlideShare uma empresa Scribd logo
Universidade Estadual do Centro
Oeste – Unicentro
Setor de Ciências Agrarias e Ambientais – SCAA
Departamento de Agronomia – Deagro.
Acadêmicos: Beatriz da Silva Vanolli
Bruno Didur Veiga
Letícia Sviech
Professor: Dr. Alessandro Jefferson Sato
Disciplina: Introdução a Agronomia
CAFÉ
O que é o café?
•

Bebida
aromática, de forte
sabor, apreciado
no mundo inteiro.

•

Muito importante
na economia do
País, contribuindo
para
seu
desenvolvimento.
Importância econômica
Café:
• Principal
responsável
pelo
desenvolvimento do
Brasil na época do
Segundo Reinado
(1840 a 1889).
• As primeiras mudas
foram trazidas da
Guiana
Francesa
por volta de 1727.
• Plantadas no Pará.
•

Foi em São Paulo
que a produção
mais
prosperou.
Itália

Como a entrada de Japão
escravos no Brasil foi
proibida, muitos povos
vieram trabalhar nas
fazendas de café.

Espanha

Portugal

Alemanha

Síria

Líbano
• Seu
cultivo
proporcionou
melhoria
na
infraestrutura
brasileira
da
época.
Clima
(arábica)
•Temperatura ideal  19 e 22oC.
•Temperaturas mais altas  Pragas/ infecções.
•O cafeeiro é também muito suscetível à geada
e temperaturas abaixo de 10oC inibem o
crescimento da planta.
Clima
(robusta)

•Mais resistente a temperaturas altas e a
doenças
•Temperatura ideal  22 a 26oC.
•Período de seca  Nunca maiores de 3
meses.
•Índice pluviométrico  1500 a 1900 mm
anuais (bem distribuídas).
Solos e preparo da área
•Solos bem drenados.
•Solos pouco profundos  Grande rede de
raízes superficiais.
•Solos ricos em húmus.
•Levemente ácidos.
Solos e preparo da área
•Plantio em curvas de nível.
•Uso de máquinas  Declive for menor que 15%.
•Cuidados co erosão do solo.

•Cultivo mínimo.
Plantio
•Lavoura adensada  5 a 10 mil plantas por ha.
(2,5 x 0,7m; 2,0 x 0,7m; 2,0 x 1,0m) .
A densidade populacional dos cafezais aumentou
devido à adoção de espaçamentos menores.
•Super-adensada  Mais de 10 mil plantas há.
(1,0 x 1,0m ou 1,0 x 0,7m).
Doenças do Cafeeiro
Principais Doenças
•

O cafeeiro pode ser atacado por
diferentes patógenos, tais como
fungos, bactérias e nematoides. Dentre as
doenças destacam-se:

• Antracnose;
• Cercosporiose ou Olho Pardo do Cafeeiro;
•Ferrugem do café;
•Rizoctoniose;
•Seca-dos-ponteiros;
•Nematoides.
Antracnose
• Doença de ocorrência generalizada na
maioria das regiões cafeicultoras;
•Causada por fungo.
•Sintomas:
• Folha  Mancha ou listra castanho escura.
• Fruto  Pequenas manchas necróticas.
Cercosporiose ou Olho Pardo do
Cafeeiro (Cercospora coffeicolla )
• É um fungo.
• Altamente conhecida por todos os
cafeicultores.
Sintomas:
Algumas condições favorecem o
ataque dessa doença como:
•
•
•
•
•
•
•

Baixas temperaturas;
Alta umidade;
Ventos frios;
Excesso de insolação;
Nutrição desequilibrada ou deficiente;
Sistema radicular pouco desenvolvido;
Deficiência hídrica severa.
Seca dos ponteiros e ramos laterais
Sintomas:

• Plantas de qualquer idade e ocorre a
desfolha e morte descendente (da ponta
para a base) dos ramos;
• Dois períodos: nos períodos de inverno
chuvoso e na época da granação.
• O
desequilíbrio
nutricional
pode
desencadear a doença, que se agrava pelo
ataque de fungos.
Outras doenças do café:
• Mancha Analur;
• Fusariose;
• Mal Rosado;
• Mancha macana ou câncer de tronco;
• Mancha americana;
• Mal-de-4-anos;
• Mancha aurelada.
Pragas
Bicho mineiro (Leucoptera coffeella)
• Ataca a folha.
• Cava galerias ou minas  desenvolver/ alojar.

• O ataque da praga reduz a área foliar e, por
vezes, provoca intenso desfolhamento.
Broca dos frutos (Hypothenemus
hampei)
• Ataca os frutos do cafeeiro.
• A fêmea perfura os frutos para fazer
a oviposição.
• Após os insetos perfurarem os frutos a entrada
de fungos que causam a podridão é muito
comum.
Cigarras

• Adultos  Ovos no solo  Ninfas  Sucção
de seivas das raízes.
• Insetos sugadores.
Colheita do café
Normalmente colheita é
feita por derriça no chão,
no período de abril a setembro.
Uma série de operações deve ser feita
antes da colheita para garantir a
qualidade do café
• Arruação
• Varrição

• Derriça
Formas de colheita.
•

Derriça manual : derriça que pode ser no
chão ou no pano.
• Derriça mecânica : uso de Colhedoras
tracionadas por trator e as semi-automáticas
ou manuais.
Pós Colheita
• Rastelação
•Abanação
• Esparramação
Produção cafeeira, hoje, presente em grande
parte do território nacional, porém concentrada
em seis estados:
•
•
•
•
•
•

Minas Gerais
Espírito Santo
São Paulo
Paraná
Bahia
Rondônia
Produção do Café para o Comercio
• Seleção
• Torração
• Moagem
• Empacotamento
OBRIGADO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
Lafaiete Sousa
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptxINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
Geagra UFG
 
Pragas do cafeeiro
Pragas do cafeeiroPragas do cafeeiro
Pragas do cafeeiro
Diego Carvalho
 
Aula 02 cultura do maracujá.
Aula 02  cultura do maracujá.Aula 02  cultura do maracujá.
Aula 02 cultura do maracujá.
CETEP, FTC, FASA..
 
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoCultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Ítalo Arrais
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃOINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
Geagra UFG
 
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioiTecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
Revista Cafeicultura
 
Colheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da sojaColheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da soja
Geagra UFG
 
Adubação cafeeiro )
Adubação cafeeiro     )Adubação cafeeiro     )
Adubação cafeeiro )
Luis Deleprane
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
Geagra UFG
 
A cultura da banana minicurso
A cultura da banana   minicursoA cultura da banana   minicurso
A cultura da banana minicurso
Ernane Nogueira Nunes
 
Olericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliçasOlericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliças
Rafael Soares Dias
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
Geagra UFG
 
UFMT 2017 - Fitonematoides
UFMT 2017 - FitonematoidesUFMT 2017 - Fitonematoides
UFMT 2017 - Fitonematoides
Giovani de Oliveira Arieira
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
Geagra UFG
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
Geagra UFG
 
PÓS-COLHEITA E QUALIDADE DO CAFÉ - Prof. Flávio Meira Borém
PÓS-COLHEITA E QUALIDADE DO CAFÉ - Prof. Flávio Meira BorémPÓS-COLHEITA E QUALIDADE DO CAFÉ - Prof. Flávio Meira Borém
PÓS-COLHEITA E QUALIDADE DO CAFÉ - Prof. Flávio Meira Borém
Revista Cafeicultura
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Killer Max
 
cultura do arroz slide simplificado
cultura do arroz slide simplificadocultura do arroz slide simplificado
cultura do arroz slide simplificado
Andre Vinicius
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptxINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO.pptx
 
Pragas do cafeeiro
Pragas do cafeeiroPragas do cafeeiro
Pragas do cafeeiro
 
Aula 02 cultura do maracujá.
Aula 02  cultura do maracujá.Aula 02  cultura do maracujá.
Aula 02 cultura do maracujá.
 
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do MilhoCultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
Cultura do Feijão Caupi e Cultura do Milho
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃOINTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
INTRODUÇÃO À CULTURA DO FEIJÃO
 
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioiTecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
 
Colheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da sojaColheita e armazenamento da soja
Colheita e armazenamento da soja
 
Adubação cafeeiro )
Adubação cafeeiro     )Adubação cafeeiro     )
Adubação cafeeiro )
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
 
A cultura da banana minicurso
A cultura da banana   minicursoA cultura da banana   minicurso
A cultura da banana minicurso
 
Olericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliçasOlericultura e hortaliças
Olericultura e hortaliças
 
Fenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodãoFenologia da soja, milho e algodão
Fenologia da soja, milho e algodão
 
UFMT 2017 - Fitonematoides
UFMT 2017 - FitonematoidesUFMT 2017 - Fitonematoides
UFMT 2017 - Fitonematoides
 
Nutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milhoNutrição e adubação do milho
Nutrição e adubação do milho
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
 
PÓS-COLHEITA E QUALIDADE DO CAFÉ - Prof. Flávio Meira Borém
PÓS-COLHEITA E QUALIDADE DO CAFÉ - Prof. Flávio Meira BorémPÓS-COLHEITA E QUALIDADE DO CAFÉ - Prof. Flávio Meira Borém
PÓS-COLHEITA E QUALIDADE DO CAFÉ - Prof. Flávio Meira Borém
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
 
cultura do arroz slide simplificado
cultura do arroz slide simplificadocultura do arroz slide simplificado
cultura do arroz slide simplificado
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
 

Semelhante a cultura do café

DOENÇAS DA CULTURA DO CAFEEIRO - JOSÉ e TALES.pptx
DOENÇAS DA CULTURA DO CAFEEIRO - JOSÉ e TALES.pptxDOENÇAS DA CULTURA DO CAFEEIRO - JOSÉ e TALES.pptx
DOENÇAS DA CULTURA DO CAFEEIRO - JOSÉ e TALES.pptx
JosFranciscoNogueira3
 
Enfermedades del cafe dr. rui leite
Enfermedades del cafe dr. rui leiteEnfermedades del cafe dr. rui leite
Enfermedades del cafe dr. rui leite
SINAVEF_LAB
 
Alliaceas , doenças que atacam a cultura do alho .
Alliaceas ,  doenças que atacam a cultura do alho .Alliaceas ,  doenças que atacam a cultura do alho .
Alliaceas , doenças que atacam a cultura do alho .
maria890686
 
Citrus de mesa
Citrus de mesaCitrus de mesa
Citrus de mesa
Caroline Esperança
 
Doenças pós-colheita de frutas e hortaliças 2016.pdf
Doenças pós-colheita de frutas e hortaliças 2016.pdfDoenças pós-colheita de frutas e hortaliças 2016.pdf
Doenças pós-colheita de frutas e hortaliças 2016.pdf
Gilson Nachtigall
 
Manejo integrado na melhoria da qualidade dos nossos cafés alysson e andré
Manejo integrado na melhoria da qualidade dos nossos cafés   alysson e andréManejo integrado na melhoria da qualidade dos nossos cafés   alysson e andré
Manejo integrado na melhoria da qualidade dos nossos cafés alysson e andré
Manejo Da Lavoura Cafeeira
 
Doenças de Batata e Inhame.pdf
Doenças de Batata e Inhame.pdfDoenças de Batata e Inhame.pdf
Doenças de Batata e Inhame.pdf
TesteOo
 
Cultura da Cenoura
Cultura da CenouraCultura da Cenoura
Cultura da Cenoura
Sabrina Nascimento
 
Apresentação sorgo
Apresentação sorgoApresentação sorgo
Apresentação sorgo
Lily Soares
 
aulamaracuja.pdf
aulamaracuja.pdfaulamaracuja.pdf
aulamaracuja.pdf
Cleilton Moreira
 
Pragas e doenças nas hortícolas
Pragas e doenças nas hortícolasPragas e doenças nas hortícolas
Pragas e doenças nas hortícolas
Epfr De Estaquinha
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
Geagra UFG
 
Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia
Hemilly Rayanne
 
CULTURA DO CENTEIO
CULTURA DO CENTEIOCULTURA DO CENTEIO
CULTURA DO CENTEIO
EduardaAmaral11
 
O Potencial dos Cultivos de Oliveiras no Brasil
O Potencial dos Cultivos de Oliveiras no BrasilO Potencial dos Cultivos de Oliveiras no Brasil
O Potencial dos Cultivos de Oliveiras no Brasil
Victor Rafael Barra
 
A cultura do figo
A cultura do figoA cultura do figo
A cultura do figo
Magno Abreu
 
a culturadabanana
a culturadabananaa culturadabanana
a culturadabanana
JulioGarcia972475
 
Doenças de aliáceas
Doenças de aliáceasDoenças de aliáceas
Doenças de aliáceas
Lidiane Magalhães Madureira
 
Mamoeiro
MamoeiroMamoeiro
Mamoeiro
Jessica Veloso
 
Apresentação abacaxi cultivares_clima
Apresentação abacaxi cultivares_climaApresentação abacaxi cultivares_clima
Apresentação abacaxi cultivares_clima
Ítalo Arrais
 

Semelhante a cultura do café (20)

DOENÇAS DA CULTURA DO CAFEEIRO - JOSÉ e TALES.pptx
DOENÇAS DA CULTURA DO CAFEEIRO - JOSÉ e TALES.pptxDOENÇAS DA CULTURA DO CAFEEIRO - JOSÉ e TALES.pptx
DOENÇAS DA CULTURA DO CAFEEIRO - JOSÉ e TALES.pptx
 
Enfermedades del cafe dr. rui leite
Enfermedades del cafe dr. rui leiteEnfermedades del cafe dr. rui leite
Enfermedades del cafe dr. rui leite
 
Alliaceas , doenças que atacam a cultura do alho .
Alliaceas ,  doenças que atacam a cultura do alho .Alliaceas ,  doenças que atacam a cultura do alho .
Alliaceas , doenças que atacam a cultura do alho .
 
Citrus de mesa
Citrus de mesaCitrus de mesa
Citrus de mesa
 
Doenças pós-colheita de frutas e hortaliças 2016.pdf
Doenças pós-colheita de frutas e hortaliças 2016.pdfDoenças pós-colheita de frutas e hortaliças 2016.pdf
Doenças pós-colheita de frutas e hortaliças 2016.pdf
 
Manejo integrado na melhoria da qualidade dos nossos cafés alysson e andré
Manejo integrado na melhoria da qualidade dos nossos cafés   alysson e andréManejo integrado na melhoria da qualidade dos nossos cafés   alysson e andré
Manejo integrado na melhoria da qualidade dos nossos cafés alysson e andré
 
Doenças de Batata e Inhame.pdf
Doenças de Batata e Inhame.pdfDoenças de Batata e Inhame.pdf
Doenças de Batata e Inhame.pdf
 
Cultura da Cenoura
Cultura da CenouraCultura da Cenoura
Cultura da Cenoura
 
Apresentação sorgo
Apresentação sorgoApresentação sorgo
Apresentação sorgo
 
aulamaracuja.pdf
aulamaracuja.pdfaulamaracuja.pdf
aulamaracuja.pdf
 
Pragas e doenças nas hortícolas
Pragas e doenças nas hortícolasPragas e doenças nas hortícolas
Pragas e doenças nas hortícolas
 
Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja Manejo de doenças na soja
Manejo de doenças na soja
 
Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia
 
CULTURA DO CENTEIO
CULTURA DO CENTEIOCULTURA DO CENTEIO
CULTURA DO CENTEIO
 
O Potencial dos Cultivos de Oliveiras no Brasil
O Potencial dos Cultivos de Oliveiras no BrasilO Potencial dos Cultivos de Oliveiras no Brasil
O Potencial dos Cultivos de Oliveiras no Brasil
 
A cultura do figo
A cultura do figoA cultura do figo
A cultura do figo
 
a culturadabanana
a culturadabananaa culturadabanana
a culturadabanana
 
Doenças de aliáceas
Doenças de aliáceasDoenças de aliáceas
Doenças de aliáceas
 
Mamoeiro
MamoeiroMamoeiro
Mamoeiro
 
Apresentação abacaxi cultivares_clima
Apresentação abacaxi cultivares_climaApresentação abacaxi cultivares_clima
Apresentação abacaxi cultivares_clima
 

Último

Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 

Último (20)

Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 

cultura do café

  • 1. Universidade Estadual do Centro Oeste – Unicentro Setor de Ciências Agrarias e Ambientais – SCAA Departamento de Agronomia – Deagro. Acadêmicos: Beatriz da Silva Vanolli Bruno Didur Veiga Letícia Sviech Professor: Dr. Alessandro Jefferson Sato Disciplina: Introdução a Agronomia
  • 3. O que é o café? • Bebida aromática, de forte sabor, apreciado no mundo inteiro. • Muito importante na economia do País, contribuindo para seu desenvolvimento.
  • 4. Importância econômica Café: • Principal responsável pelo desenvolvimento do Brasil na época do Segundo Reinado (1840 a 1889). • As primeiras mudas foram trazidas da Guiana Francesa por volta de 1727. • Plantadas no Pará.
  • 5.
  • 6. • Foi em São Paulo que a produção mais prosperou.
  • 7. Itália Como a entrada de Japão escravos no Brasil foi proibida, muitos povos vieram trabalhar nas fazendas de café. Espanha Portugal Alemanha Síria Líbano
  • 9.
  • 10. Clima (arábica) •Temperatura ideal  19 e 22oC. •Temperaturas mais altas  Pragas/ infecções. •O cafeeiro é também muito suscetível à geada e temperaturas abaixo de 10oC inibem o crescimento da planta.
  • 11. Clima (robusta) •Mais resistente a temperaturas altas e a doenças •Temperatura ideal  22 a 26oC. •Período de seca  Nunca maiores de 3 meses. •Índice pluviométrico  1500 a 1900 mm anuais (bem distribuídas).
  • 12. Solos e preparo da área •Solos bem drenados. •Solos pouco profundos  Grande rede de raízes superficiais. •Solos ricos em húmus. •Levemente ácidos.
  • 13. Solos e preparo da área •Plantio em curvas de nível. •Uso de máquinas  Declive for menor que 15%. •Cuidados co erosão do solo. •Cultivo mínimo.
  • 14.
  • 15. Plantio •Lavoura adensada  5 a 10 mil plantas por ha. (2,5 x 0,7m; 2,0 x 0,7m; 2,0 x 1,0m) . A densidade populacional dos cafezais aumentou devido à adoção de espaçamentos menores. •Super-adensada  Mais de 10 mil plantas há. (1,0 x 1,0m ou 1,0 x 0,7m).
  • 16.
  • 17.
  • 19. Principais Doenças • O cafeeiro pode ser atacado por diferentes patógenos, tais como fungos, bactérias e nematoides. Dentre as doenças destacam-se: • Antracnose; • Cercosporiose ou Olho Pardo do Cafeeiro; •Ferrugem do café; •Rizoctoniose; •Seca-dos-ponteiros; •Nematoides.
  • 20. Antracnose • Doença de ocorrência generalizada na maioria das regiões cafeicultoras; •Causada por fungo. •Sintomas: • Folha  Mancha ou listra castanho escura. • Fruto  Pequenas manchas necróticas.
  • 21.
  • 22. Cercosporiose ou Olho Pardo do Cafeeiro (Cercospora coffeicolla ) • É um fungo. • Altamente conhecida por todos os cafeicultores.
  • 24. Algumas condições favorecem o ataque dessa doença como: • • • • • • • Baixas temperaturas; Alta umidade; Ventos frios; Excesso de insolação; Nutrição desequilibrada ou deficiente; Sistema radicular pouco desenvolvido; Deficiência hídrica severa.
  • 25. Seca dos ponteiros e ramos laterais Sintomas: • Plantas de qualquer idade e ocorre a desfolha e morte descendente (da ponta para a base) dos ramos; • Dois períodos: nos períodos de inverno chuvoso e na época da granação. • O desequilíbrio nutricional pode desencadear a doença, que se agrava pelo ataque de fungos.
  • 26.
  • 27. Outras doenças do café: • Mancha Analur; • Fusariose; • Mal Rosado; • Mancha macana ou câncer de tronco; • Mancha americana; • Mal-de-4-anos; • Mancha aurelada.
  • 29. Bicho mineiro (Leucoptera coffeella) • Ataca a folha. • Cava galerias ou minas  desenvolver/ alojar. • O ataque da praga reduz a área foliar e, por vezes, provoca intenso desfolhamento.
  • 30.
  • 31. Broca dos frutos (Hypothenemus hampei) • Ataca os frutos do cafeeiro. • A fêmea perfura os frutos para fazer a oviposição. • Após os insetos perfurarem os frutos a entrada de fungos que causam a podridão é muito comum.
  • 32.
  • 33.
  • 34. Cigarras • Adultos  Ovos no solo  Ninfas  Sucção de seivas das raízes. • Insetos sugadores.
  • 35.
  • 36. Colheita do café Normalmente colheita é feita por derriça no chão, no período de abril a setembro.
  • 37. Uma série de operações deve ser feita antes da colheita para garantir a qualidade do café • Arruação • Varrição • Derriça
  • 38. Formas de colheita. • Derriça manual : derriça que pode ser no chão ou no pano. • Derriça mecânica : uso de Colhedoras tracionadas por trator e as semi-automáticas ou manuais.
  • 40. Produção cafeeira, hoje, presente em grande parte do território nacional, porém concentrada em seis estados: • • • • • • Minas Gerais Espírito Santo São Paulo Paraná Bahia Rondônia
  • 41. Produção do Café para o Comercio • Seleção • Torração