SlideShare uma empresa Scribd logo
Principaiscomponentes
deumabarragem
Hello!
Meu nome Claudeny Simone
Essa é a Disciplina de Introdução à Barragens
Centro Universitário Uninovafapi
3
5Carasquevcdeveconhecer….
4
• Karl Anton Von Terzaghi
• Nasceu na Áustria em 1883, foi
engenheiro apaixonado pela área de
Geotcnica e precursor da Mecânica dos
Solos como uma ciência.
• Seu livro Soil Mechanics in Engineering
Practice, escrito em parceria com Ralph
B. Peck, é de consulta obrigatória para
os profissionais da engenharia
geotécnica. É considerado um dos mais
destacados engenheiros civis do século
XX.
5Carasquevcdeveconhecer….
5
Arthur Casagrande
Engenheiro Civil Americano, considerado
um dos pais da Mecânica dos Solos. Teve
contributos fundamentais no avanço dos
métodos de ensaio geológicos e geotécnicos,
no estudo da liquefacção dos solos e
percolação de água em solos. Faleceu em 6
de setembro de 1981, criador da
classificação SUCS de solos
Elementosdebarragem 6
CRISTA
A largura da crista é determinada
pelas necessidades de tráfego sobre ela,
não devendo ser inferior a 3 metros,
mesmo para pequenas barragens.
Bureau of Reclamation (2002),
recomenda que a largura mínima da
crista para pequenas barragens seja
calculada pela fórmula: L = Z/5 + 3
metros, onde Z é a altura máxima da
barragem e L, a largura mínima da
crista. Caso seja prevista uma estrada
sobre a crista, a dimensão mínima
sempre deverá ser de 5 metros.
7
Bordalivre
A borda livre (ou “folga”, “revanche”,
“freeboard”) é a distância vertical entre
a crista da barragem e o nível das águas
do reservatório e objetiva a segurança
contra o transbordamento, que pode ser
provocado pela ação de ondas formadas
pela ação dos ventos, evitando danos e
erosão no talude de jusante.
A altura das ondas depende da velocidade
e da duração do vento, da extensão
do reservatório na direção do vento
considerada (“fetch”) e da profundidadedo
reservatório.
8
Borda
livre
Taludeamontanteejusante
O talude de montante é a parte do maciço
que vai ficar diretamente em contato
com a água do reservatório, o que vai
exigir considerações especiais na fase de
projeto, no cálculo de sua estabilidade, e
cuidados especiais para sua manutenção
durante a fase de operação do
reservatório.
O talude a jusante também merece atenção
pois ficará exposto ao intemperismo e deverá
receber tratamento adequado para tal,
evitando o surgimento de erosão e problemas de
infiltração.
9
montante
jusante
Taludeamontanteejusante
Inclinação de taludes ( Vertical : Horizontal ) em função do tipo de
solo e altura da barragem (Eletrobrás, 2000 )
Proteçãodotaludeamontante 11
RIP-RAP lançado
O “rip-rap” lançado “consiste de uma
camada dimensionada de blocos de pedra,
lançada sobre um filtro de uma ou mais
camadas, de modo que este atue como zona
de transição granulométrica, servindo
como obstáculo à fuga dos materiais finos
que constituem o maciço. A rocha deve
resistir a fatores climáticos e ser
preferencialmente alongada.
12
RIP-RAP com predras arrumadas
As pedras são arrumadas de modo a
constituírem uma camada de blocos bem
definida, preenchendo-se os vazios com
pedras menores
A espessura da camada pode ser a metade
da dimensão recomendada no caso de
“riprap” lançado.
GEOTÊXTIL
13
Solo cimento
O solo-cimento normalmente é colocado em
camadas com largura de 2,5m, em forma
de escada. A espessura mínima
recomendada para cada camada é de
0,15m. Para sua construção devem ser
utilizados solos arenosos, com cerca de 10
a 15% passando na peneira de número
200, com índice de plasticidade menor que
8% (Fell et al, 1992).
14
Pedras rejuntadas
A camada de pedra é construída sobre um
colchão de areia com características de
filtro, possuindo ambas, no mínimo,
espessuras de 0,30m (Bureau of
Reclamation, 2002)”, as pedras são
rejuntadas com argamassa de cimento
ou asfalto.
Essa prática necessita de constante
vistoria por causa da rigidez do
sistema constituído pelas pedras
ejuntadas não acompanhar as
deformações do maciço de terra.
15
Revestimento de concreto
Além da proteção contra as ondas, teve a
função de impermeabilizar a face de
montante da barragem. Espessuras
mínimas de 15 cm de revestimentos.
Deve-se ter atenção especial quando se
adotar este tipo de proteção em barragens
granulares, pois devido sua baixa
elasticidade o concreto não acompanha os
recalques que surgem na barragem. Por
isso, nesse caso, as vistorias devem ser
ocnstantes.
16
Concreto com geo-células
1- Geotêxtil não tecido;
2- geo-células;
3- concreto projetado.
Proteçãodotaludeajusante 17
Canaletas de drenagem para coletar
águas pluviais, subdividir o talude a cada
10 metros com a implantação de
BERMAS com 3 a 5 metros de largura. A
bermas devem apresentar inclinação para
a montante com canaletas de concreto,
diminuindo a possibilidade de escoamento
na parede do talude e possível surgimento
de erosão(Gaito, 2003).
GRAMAS, ENRONCAMENTO...
“O problema não é o
problema, mas a
atitude diante do
problema.”
18
23
Thanks!
Alguma pergunta pessoal??
Sucesso vem pra quem trabalha!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Composição das Barragens, partes e conceitos

1e conc submerso
1e   conc submerso1e   conc submerso
1e conc submersoJho05
 
01 prospecção e amostragem dos solos
01 prospecção e amostragem dos solos01 prospecção e amostragem dos solos
01 prospecção e amostragem dos solosthiagolf7
 
MARANGON-M.-Dez-2018-Capítulo-05-Resistência-ao-Cisalhamento-dos-Solos.pdf
MARANGON-M.-Dez-2018-Capítulo-05-Resistência-ao-Cisalhamento-dos-Solos.pdfMARANGON-M.-Dez-2018-Capítulo-05-Resistência-ao-Cisalhamento-dos-Solos.pdf
MARANGON-M.-Dez-2018-Capítulo-05-Resistência-ao-Cisalhamento-dos-Solos.pdfAnaPaulaMagalhesMach
 
Drenagem piso partes de madeira
Drenagem piso partes de madeiraDrenagem piso partes de madeira
Drenagem piso partes de madeiraRenato Villela
 
Apostila estruturas de contencao parte 1
Apostila estruturas de contencao parte 1Apostila estruturas de contencao parte 1
Apostila estruturas de contencao parte 1Rafael Maciel
 
Barragens sandroni - 2006 - 5 percolação interfaces
Barragens   sandroni - 2006 - 5 percolação interfacesBarragens   sandroni - 2006 - 5 percolação interfaces
Barragens sandroni - 2006 - 5 percolação interfacesAlex Duarte
 
Complementos de fundacoes
Complementos de fundacoesComplementos de fundacoes
Complementos de fundacoesHumberto Magno
 
CARACTERISTICAS DO CONCRETO - EQUIPE 02.pptx
CARACTERISTICAS DO CONCRETO - EQUIPE 02.pptxCARACTERISTICAS DO CONCRETO - EQUIPE 02.pptx
CARACTERISTICAS DO CONCRETO - EQUIPE 02.pptxRonaldoSL1
 
Aula fissuras por retração e recalques
Aula fissuras por retração e recalquesAula fissuras por retração e recalques
Aula fissuras por retração e recalquesluciano schadler
 
Hote7 unid05 barragens-terra
Hote7 unid05 barragens-terraHote7 unid05 barragens-terra
Hote7 unid05 barragens-terraDiego Santos
 
Obras portuárias de abrigo
Obras portuárias de abrigoObras portuárias de abrigo
Obras portuárias de abrigoPedroJr123
 
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...Thales Vinícius de Melo Rissi
 
Rompimento global de taludes metodo de fellenius
Rompimento global de taludes metodo de felleniusRompimento global de taludes metodo de fellenius
Rompimento global de taludes metodo de felleniusMadLoboT
 
Manual Brasileiro de Geossintéticos cap 04
Manual Brasileiro de Geossintéticos cap 04Manual Brasileiro de Geossintéticos cap 04
Manual Brasileiro de Geossintéticos cap 04Fabricio Daiany
 
Emissários Submarinos para cidades pequenas-Revista do CREA-RJ º 77
Emissários Submarinos para cidades pequenas-Revista do CREA-RJ º 77Emissários Submarinos para cidades pequenas-Revista do CREA-RJ º 77
Emissários Submarinos para cidades pequenas-Revista do CREA-RJ º 77Sergio Freitas
 

Semelhante a Composição das Barragens, partes e conceitos (20)

Como construir paredes de taipa
Como construir paredes de taipaComo construir paredes de taipa
Como construir paredes de taipa
 
1e conc submerso
1e   conc submerso1e   conc submerso
1e conc submerso
 
01 prospecção e amostragem dos solos
01 prospecção e amostragem dos solos01 prospecção e amostragem dos solos
01 prospecção e amostragem dos solos
 
MARANGON-M.-Dez-2018-Capítulo-05-Resistência-ao-Cisalhamento-dos-Solos.pdf
MARANGON-M.-Dez-2018-Capítulo-05-Resistência-ao-Cisalhamento-dos-Solos.pdfMARANGON-M.-Dez-2018-Capítulo-05-Resistência-ao-Cisalhamento-dos-Solos.pdf
MARANGON-M.-Dez-2018-Capítulo-05-Resistência-ao-Cisalhamento-dos-Solos.pdf
 
Fsa06.5 betonagem
Fsa06.5 betonagemFsa06.5 betonagem
Fsa06.5 betonagem
 
Drenagem piso partes de madeira
Drenagem piso partes de madeiraDrenagem piso partes de madeira
Drenagem piso partes de madeira
 
Apostila estruturas de contencao parte 1
Apostila estruturas de contencao parte 1Apostila estruturas de contencao parte 1
Apostila estruturas de contencao parte 1
 
Barragens sandroni - 2006 - 5 percolação interfaces
Barragens   sandroni - 2006 - 5 percolação interfacesBarragens   sandroni - 2006 - 5 percolação interfaces
Barragens sandroni - 2006 - 5 percolação interfaces
 
Processo contrutivo
Processo contrutivoProcesso contrutivo
Processo contrutivo
 
Complementos de fundacoes
Complementos de fundacoesComplementos de fundacoes
Complementos de fundacoes
 
2º resumo estradas
2º resumo estradas2º resumo estradas
2º resumo estradas
 
CARACTERISTICAS DO CONCRETO - EQUIPE 02.pptx
CARACTERISTICAS DO CONCRETO - EQUIPE 02.pptxCARACTERISTICAS DO CONCRETO - EQUIPE 02.pptx
CARACTERISTICAS DO CONCRETO - EQUIPE 02.pptx
 
Aula fissuras por retração e recalques
Aula fissuras por retração e recalquesAula fissuras por retração e recalques
Aula fissuras por retração e recalques
 
Hote7 unid05 barragens-terra
Hote7 unid05 barragens-terraHote7 unid05 barragens-terra
Hote7 unid05 barragens-terra
 
Obras portuárias de abrigo
Obras portuárias de abrigoObras portuárias de abrigo
Obras portuárias de abrigo
 
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...
Manual para implantação de aterros sanitários em valas de pequenas dimensões ...
 
Rompimento global de taludes metodo de fellenius
Rompimento global de taludes metodo de felleniusRompimento global de taludes metodo de fellenius
Rompimento global de taludes metodo de fellenius
 
Manual Brasileiro de Geossintéticos cap 04
Manual Brasileiro de Geossintéticos cap 04Manual Brasileiro de Geossintéticos cap 04
Manual Brasileiro de Geossintéticos cap 04
 
Emissários Submarinos para cidades pequenas-Revista do CREA-RJ º 77
Emissários Submarinos para cidades pequenas-Revista do CREA-RJ º 77Emissários Submarinos para cidades pequenas-Revista do CREA-RJ º 77
Emissários Submarinos para cidades pequenas-Revista do CREA-RJ º 77
 
Valas
ValasValas
Valas
 

Último

aula-7sobre tipos de-grafos-eulerianos.pdf
aula-7sobre tipos de-grafos-eulerianos.pdfaula-7sobre tipos de-grafos-eulerianos.pdf
aula-7sobre tipos de-grafos-eulerianos.pdfjucimarengenh
 
AE01 -ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL -COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE01 -ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL -COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE01 -ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL -COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE01 -ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL -COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...Consultoria Acadêmica
 
ST 2024 Statum Apresentação Comercial - VF
ST 2024 Statum Apresentação Comercial - VFST 2024 Statum Apresentação Comercial - VF
ST 2024 Statum Apresentação Comercial - VFmarketing18485
 
AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024
AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024
AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024Consultoria Acadêmica
 
AE01 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL RELACOES DE CONSUMO E SUSTENTABILI...
AE01 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  RELACOES DE CONSUMO E SUSTENTABILI...AE01 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  RELACOES DE CONSUMO E SUSTENTABILI...
AE01 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL RELACOES DE CONSUMO E SUSTENTABILI...Consultoria Acadêmica
 
Checklist de renovação de AVCB -Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros.pdf
Checklist de renovação de AVCB -Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros.pdfChecklist de renovação de AVCB -Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros.pdf
Checklist de renovação de AVCB -Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros.pdfVandersonOliveira39
 
ATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdf
ATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdfATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdf
ATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdfColaborar Educacional
 

Último (7)

aula-7sobre tipos de-grafos-eulerianos.pdf
aula-7sobre tipos de-grafos-eulerianos.pdfaula-7sobre tipos de-grafos-eulerianos.pdf
aula-7sobre tipos de-grafos-eulerianos.pdf
 
AE01 -ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL -COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE01 -ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL -COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE01 -ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL -COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE01 -ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL -COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
ST 2024 Statum Apresentação Comercial - VF
ST 2024 Statum Apresentação Comercial - VFST 2024 Statum Apresentação Comercial - VF
ST 2024 Statum Apresentação Comercial - VF
 
AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024
AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024
AE02 - MAQUINAS TÉRMICAS UNICESUMAR 52/2024
 
AE01 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL RELACOES DE CONSUMO E SUSTENTABILI...
AE01 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  RELACOES DE CONSUMO E SUSTENTABILI...AE01 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL  RELACOES DE CONSUMO E SUSTENTABILI...
AE01 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL RELACOES DE CONSUMO E SUSTENTABILI...
 
Checklist de renovação de AVCB -Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros.pdf
Checklist de renovação de AVCB -Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros.pdfChecklist de renovação de AVCB -Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros.pdf
Checklist de renovação de AVCB -Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros.pdf
 
ATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdf
ATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdfATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdf
ATIVIDADE 2 - PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL - ok.pdf
 

Composição das Barragens, partes e conceitos

  • 2. Hello! Meu nome Claudeny Simone Essa é a Disciplina de Introdução à Barragens Centro Universitário Uninovafapi 3
  • 3. 5Carasquevcdeveconhecer…. 4 • Karl Anton Von Terzaghi • Nasceu na Áustria em 1883, foi engenheiro apaixonado pela área de Geotcnica e precursor da Mecânica dos Solos como uma ciência. • Seu livro Soil Mechanics in Engineering Practice, escrito em parceria com Ralph B. Peck, é de consulta obrigatória para os profissionais da engenharia geotécnica. É considerado um dos mais destacados engenheiros civis do século XX.
  • 4. 5Carasquevcdeveconhecer…. 5 Arthur Casagrande Engenheiro Civil Americano, considerado um dos pais da Mecânica dos Solos. Teve contributos fundamentais no avanço dos métodos de ensaio geológicos e geotécnicos, no estudo da liquefacção dos solos e percolação de água em solos. Faleceu em 6 de setembro de 1981, criador da classificação SUCS de solos
  • 6. CRISTA A largura da crista é determinada pelas necessidades de tráfego sobre ela, não devendo ser inferior a 3 metros, mesmo para pequenas barragens. Bureau of Reclamation (2002), recomenda que a largura mínima da crista para pequenas barragens seja calculada pela fórmula: L = Z/5 + 3 metros, onde Z é a altura máxima da barragem e L, a largura mínima da crista. Caso seja prevista uma estrada sobre a crista, a dimensão mínima sempre deverá ser de 5 metros. 7
  • 7. Bordalivre A borda livre (ou “folga”, “revanche”, “freeboard”) é a distância vertical entre a crista da barragem e o nível das águas do reservatório e objetiva a segurança contra o transbordamento, que pode ser provocado pela ação de ondas formadas pela ação dos ventos, evitando danos e erosão no talude de jusante. A altura das ondas depende da velocidade e da duração do vento, da extensão do reservatório na direção do vento considerada (“fetch”) e da profundidadedo reservatório. 8 Borda livre
  • 8. Taludeamontanteejusante O talude de montante é a parte do maciço que vai ficar diretamente em contato com a água do reservatório, o que vai exigir considerações especiais na fase de projeto, no cálculo de sua estabilidade, e cuidados especiais para sua manutenção durante a fase de operação do reservatório. O talude a jusante também merece atenção pois ficará exposto ao intemperismo e deverá receber tratamento adequado para tal, evitando o surgimento de erosão e problemas de infiltração. 9 montante jusante
  • 9. Taludeamontanteejusante Inclinação de taludes ( Vertical : Horizontal ) em função do tipo de solo e altura da barragem (Eletrobrás, 2000 )
  • 10. Proteçãodotaludeamontante 11 RIP-RAP lançado O “rip-rap” lançado “consiste de uma camada dimensionada de blocos de pedra, lançada sobre um filtro de uma ou mais camadas, de modo que este atue como zona de transição granulométrica, servindo como obstáculo à fuga dos materiais finos que constituem o maciço. A rocha deve resistir a fatores climáticos e ser preferencialmente alongada.
  • 11. 12 RIP-RAP com predras arrumadas As pedras são arrumadas de modo a constituírem uma camada de blocos bem definida, preenchendo-se os vazios com pedras menores A espessura da camada pode ser a metade da dimensão recomendada no caso de “riprap” lançado. GEOTÊXTIL
  • 12. 13 Solo cimento O solo-cimento normalmente é colocado em camadas com largura de 2,5m, em forma de escada. A espessura mínima recomendada para cada camada é de 0,15m. Para sua construção devem ser utilizados solos arenosos, com cerca de 10 a 15% passando na peneira de número 200, com índice de plasticidade menor que 8% (Fell et al, 1992).
  • 13. 14 Pedras rejuntadas A camada de pedra é construída sobre um colchão de areia com características de filtro, possuindo ambas, no mínimo, espessuras de 0,30m (Bureau of Reclamation, 2002)”, as pedras são rejuntadas com argamassa de cimento ou asfalto. Essa prática necessita de constante vistoria por causa da rigidez do sistema constituído pelas pedras ejuntadas não acompanhar as deformações do maciço de terra.
  • 14. 15 Revestimento de concreto Além da proteção contra as ondas, teve a função de impermeabilizar a face de montante da barragem. Espessuras mínimas de 15 cm de revestimentos. Deve-se ter atenção especial quando se adotar este tipo de proteção em barragens granulares, pois devido sua baixa elasticidade o concreto não acompanha os recalques que surgem na barragem. Por isso, nesse caso, as vistorias devem ser ocnstantes.
  • 15. 16 Concreto com geo-células 1- Geotêxtil não tecido; 2- geo-células; 3- concreto projetado.
  • 16. Proteçãodotaludeajusante 17 Canaletas de drenagem para coletar águas pluviais, subdividir o talude a cada 10 metros com a implantação de BERMAS com 3 a 5 metros de largura. A bermas devem apresentar inclinação para a montante com canaletas de concreto, diminuindo a possibilidade de escoamento na parede do talude e possível surgimento de erosão(Gaito, 2003). GRAMAS, ENRONCAMENTO...
  • 17. “O problema não é o problema, mas a atitude diante do problema.” 18