SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Baixar para ler offline
Tópicos em Geotecnia e Obras de Terra - 2004 Prof. M. Marangon
Rebaixamento do Lençol Freático
1 - Introdução
A construção de edifícios, barragens, túneis, etc. normalmente requer escavações
abaixo do lençol freático. Tais escavações podem exigir tanto uma drenagem, como um
rebaixamento do lençol freático. São vários os métodos para eliminar a água existente no
subsolo.
Somente após a realização de ensaios preliminares de rebaixamento do lençol
freático, poder-se-á definir quais os métodos a serem empregados.
Devem ser obervados os diversos níveis de água do subsolo, as quantidades de água
que se infiltram e que serão bombeadas, e os recalques que porventura possam aparecer nas
vizinhanças das escavações. Para proteção de edificações adjacentes às zonas de recalque,
considere-se a possibilidade de injeções de água no solo.
Deve-se ter em mente que, ao se realizar um rebaixamento do lençol freático,
introduzem-se certas alterações nas condições naturais do subsolo. Assim, poderão surgir
danos no interior ou no exterior da escavação, quando o rebaixamento é realizado
incorretamente.
É preciso observar também se existe o perigo de ruptura hidráulica, por causa da
presença de águas artesianas, confinadas entre certos horizontes do subsolo.
2 - Campo de aplicação de vários métodos de rebaixamento
A figura a seguir mostra esquematicamente os métodos de rebaixamento usados em
função das curvas granulométricas dos materias.
Os limites de eficiência desses métodos de drenagem são definidos de forma
aproximada, porque existem casos em que há duas alternativas a se considerarem, podendo-
se optar pela mais econômica ou pela mais facilmente exequível, devido ao equipamento
disponível.
1
Tópicos em Geotecnia e Obras de Terra - 2004 Prof. M. Marangon
3 - Tipos de rebaixamento do lençol freático
Três são os processos principais de rebaixamento do lençol freático:
1. por ponteiras filtrantes (“well-points”)
2. por poços profundos - gravitacionais e a vácuo
3. por eletrosmose
1. Ponteiras Filtrantes (“well-points”)
Empregam-se ponteiras filtrantes de 1 ½” a 2 ½” de diâmetro, com 30 a 100 cm de
comprimento, para drenagem por gravidade ou a vácuo. Essas ponteiras filtrantes
constituem-se de um tubo de aço perfurado, tendo a seguir um tubo metálico fechado com 8m
a 9m de comprimento (figura a seguir).
A instalação das ponteiras no solo é feita geralmente de jatos de água através da
própria ponteira. Na impossibilidade de se dispor de água em abundância para esse tipo de
instalação ou em solos poucos permeáveis, executa-se a abertura de um furo com 150 mm de
diâmetro, colocando-se no seu interior a ponteira, envolvida por material filtrante adequado.
2
Tópicos em Geotecnia e Obras de Terra - 2004 Prof. M. Marangon
As ponteiras filtrantes são colocadas ao longo de uma linha, tendo um espaçamento de
1m a 3m, ligando-se todas as pontas a um cano coletor comum. No final deste, acha-se
instalado um conjunto motor-bomba, que subtrai do coletor de água e eventualmente o ar que
penetra nas ponteiras filtrantes.
No caso de se necessitar do emprego do vácuo, liga-se, em série ao sistema, uma
bomba de vácuo.
A desvantagem deste esquema, em virtude de leis físicas, consiste numa limitação de
rebaixamento do lençol freático em cerca de 5m de profundidade. A drenagem de escavações
mais profundas deverá ser realizada por meio de vários estágios de ponteiras (figura a
seguir).
2. Poços Profundos
O rebaixamento do nível d’água, através de poços profundos, é executado por meio de
uma série de perfurações equidistantes (por ex.: 8m, 10m, 15m ou 20m), com diâmetro de 300
mm a 600 mm.
Dentro dessa perfuração são colocados tubos de aço, constituídos de trechos lisos e
perfurados, nos horizontes permeáveis e abaixo do nível d’água. O diâmetro desses tubos
pode variar de 150 mm a 300 mm, e cada segmento é unido ao outro por solda. Os tubos
devem ser colocados em perfeita verticalidade e o trecho perfurado deverá ser envolvido por
uma tela de nylon de 0,6 mm de diâmetro, para impedir a entrada de partículas dentro do
poço.
Dentro dos tubos será colocada a 1m de seu fundo, uma bomba do tipo submersa
centrífuga, com capacidade de acordo com as condições hidrogeológicas locais e a altura de
recalque (por exemplo, bombas com vazão 2 a 5 l/s, de 5 a 10 l/s ou 10 a 15 l/s). A ligação e
parada das bombas devem ser automáticas e controladas por um par de eletrodos.
3
Tópicos em Geotecnia e Obras de Terra - 2004 Prof. M. Marangon
No caso de se necessitar empregar o vácuo, a exaustão de ar é feita nas partes
superiores dos poços, por meio de um tubo coletor acoplado a uma bomba de vácuo.
Após a colocação dos tubos, o espaço entre a parede da perfuração e a dos tubos (por
exemplo, entre 600 mm e 300 mm), deverá ser preenchido por material filtrante de
granulometria adequada (por ex.: areia grossa lavada).
Em alguns poços, ao longo da camada filtrante, deverá ser colocado um tubo de PVC
ou ferro galvanizado de 1 ½” de φ, que permitirá a observação do nível d’água. A
extremidade inferior desse tubo deverá ter cerca de 1m de trecho envolvido, também por tela
de nylon.
Uma série de piezômetros e indicadores de nível d’água deverá ser colocada a
distância adequadas de cada poço, com a finalidade de permitir a observação da variação do
nível d’água e traçar, posteriormente, a curva de depressão de cada poço, e controlar
também o valor da subpressão, quando esta existir (esquemas a seguir).
Antes de qualquer trabalho de rebaixamento, recomenda-se a execução de ensaios
preliminares, para definição do método mais adequado a ser aplicado.
Quando o poço termina numa camada impermeável, trata-se de um poço “perfeito”
(Fig. A). Caso o poço termine numa camada permeável, este é denominado “imperfeito” (Fig.
B) (esquema a seguir).
4
Tópicos em Geotecnia e Obras de Terra - 2004 Prof. M. Marangon
2.1. Poços Gravitacionais
O emprego de poços profundos gravitacionais é indicado para os solos bastante
permeáveis, tais como pedregulhos e areias, isto é, onde a água se infiltre livremente nos
poços pela ação de gravidade, e é retirada deste por meio de bombas submersas.
A disposição dos poços é diferente em cada caso e segundo a posição da cava.
Basicamente, distinguem-se poços internos e externos, em relação à escavação. Ao se
colocarem os poços no interior da escavação, não deverão prejudicar os espaços reservados
para os trabalhos.
3. Processos a Vácuo
Nos solos pouco permeáveis, tais como areia fina, areia siltosa ou silte (K = 10-3
a 10-
5
cm/seg), o rebaixamento do lençol freático por gravidade pode não mais conduzir a
resultados satisfatórios, tornando-se a curva de depressão muito íngreme e limitada.
As forças de adesão e de capilaridade existentes nos poros extremamente pequenos
destes solos, tornam-se tão grandes que a ação da gravidade não é mais suficiente para
deslocar a água em direção aos poços. O sucesso de poços profundos por gravidade nestes
solos é muito pequeno. Dessa maneira, pode se aplicar vácuo tanto nos “well-points”, como
nos poços profundos.
A figura a seguir explica a eficiência maior do rebaixamento, com aplicação de vácuo
em solos pouco permeáveis.
4. Outros fatores a serem considerados em um sistema de rebaixamento
- Fornecimento de Energia Elétrica
Para qualquer sistema de rebaixamento, é indispensável prever, além da rede elétrica
normal, uma fonte de energia de emergência, a fim de impedir a ocorrência de acidentes, na
hipótese de uma interrupção no fornecimento de energia pela rede pública. A transferência de
uma fonte de alimentação para outra deverá ser possível a qualquer hora.
5
Tópicos em Geotecnia e Obras de Terra - 2004 Prof. M. Marangon
- Medidas e Observações dos resultados obtidos
É absolutamente necessário observar e registrar os seguintes resultados, ao se
executar um processo de rebaixamento:
• Determinações das vazões dos poços, através de hidrômetros.
• Determinações das curvas de depressão, através dos piezômetros e indicadores de
nível d’água.
• Medidas de recalques de edifícios e da superfície do terreno, através de pinos e
marcos.
5. Aplicação do rebaixamento do nível d’água
O rebaixamento do nível d’água tem se tornado uma prática constante em obras de
Engenharia Civil. Assim por exemplo, os grandes edifícios em Santos e Rio de Janeiro
normalmente exigem rebaixamento do nível d’água. O método de ponteiras filtrantes é o mais
usual.
No setor de barragens, a de Ponte Nova no Rio Tietê, próximo a Mogi das Cruzes,
Estado de São Paulo, exigiu um rebaixamento através de poços profundos gravitacionais.
Dos 17 Km da primeira linha do Metro de São Paulo, cerca de 12 km exigiram
trabalhos de rebaixamento do nível d’água, através de poços profundos gravitacionais e a
vácuo, ponteiras filtrantes e drenos de areia de alívio.
A SABESP, que constrói várias linhas de interceptores de esgoto ao longo dos rios
Tietê e Pinheiros em São Paulo, utilizou ponteiras filtrantes para o rebaixamento do nível
d’água das valas e poços profundos gravitacionais, para a Estação Elevatória do bairro de
Pinheiros.
A Usina Nuclear de Andra dos Reis, situada em depósitos de areia e junto ao mar,
exigiu grandes trabalhos de rebaixamento , em função da grande área de escavação, da
presença de areias, e do nível d’água elevado. Empregou-se o método de poços profundos
gravitacionais.
Também o Metro do Rio de Janeiro tem empregado processos de rebaixamento
semelhantes aos utilizados em São Paulo.
Ainda no Rio de Janeiro, durante a construção do interceptor oceânico em
Copacabana, utilizaram-se conjuntamente poços rasos e ponteiras filtrantes, para a
construção do túnel de concreto nas areias daquela praia.
A barragem de Curuá-Una, no Pará, localizada em arenitos, exigiu grandes trabalhos
de rebaixamento por ponteiras filtrantes, com a cravação de mais de 1.250 ponteiras.
6 - Drenagem por eletrosmose
O método de drenagem por eletrosmose baseia-se no seguinte princípio: a superfície
das particulas dos solos de granulação muito fina (argilas coloidais) possui uma carga
elétrica negativa, decorrendo então em torno das particulas, a formação de uma película de
água com predominância de íons com carga positiva. Se se colocarem dois eletrodos em um
solo saturado, após o estabelecimento de uma corrente elétrica entre ambos, a água contida
nos vazios do solo percolará no sentido do ânodo (pólo positivo) para o cátodo (pólo
negativo).
6
Tópicos em Geotecnia e Obras de Terra - 2004 Prof. M. Marangon
Esse princípio pode ser aplicado à drenagem dos solos, fazendo-se com que o cátodo
seja uma ponteira. A água que emigra através do solo, pelo efeito da diferença de potencial
entre os eletrodos, será coletada pela ponteira, daí sendo então esgotada por meio de uma
bomba hidráulica.
O processo de estabilização e de drenagem por eletromose tem sido pouco usado até o
momento, encontrando-se ainda em estágio experimental, mas parece apresentar interesse
futuro na drenagem de solos com permeabilidade inferior a 10-7
cm/seg. Se as ponteiras
(cátodos) forem distribuídas fora da escavação em sua periferia, a percolação de água dar-
se-á em sentido contrário àquele do escorregamento dos taludes, de forma que, neste caso, as
forças de percolação são favoráveis à estabilidade, quer dos taludes, quer do fundo da
escavação.
Devido à existência de uma diferença de potencial (corrente contínua), partículas de
água emigram dos ânodos para os cátodos, estes sob forma de poços. Tal processo conuz a
resultados satisfatórios, quando o rebaixamento a vácuo não é mais aplicável.
7
Tópicos em Geotecnia e Obras de Terra - 2004 Prof. M. Marangon
Exemplos de rebaixamento do nível d’água no Metro de São Paulo
Todos os métodos usuais de rebaixamento foram empregados na construção do Metro
de São Paulo. Os fatores básicos que influíram na escolha de um ou mais método de
rebaixamento foram basicamente os seguintes:
1 - para os solos areno-argilosos, normalmente intercalados com camadas argilosas,
empregam-se poços profundos a vácuo, em virtude da permeabilidade pequena desses
solos.
2 - para as camadas arenosas quase puras de granulação grossa, usaram-se poços profundos
gravitacionais, em função de a permeabilidade dessas areias variarem de 10-2
ou 10-3
cm/seg.
3 - para as camadas arenosas de espessura limitada e para todos os trechos de
escavação pouco profunda, utilizaram-se ponteiras filtrantes, isto é, para pequenas alturas
de rebaixamento.
4 - em vários locais onde apareciam camadas ou lentes de areia com pressão artesiana
(subpressão), foram executadas redes de dreno verticais de areia (poços de alívio), com
distância entre 5 a 10 m para cada poço.
Contudo, em algumas estações e em certos trechos de túnel, várias soluções foram
empregadas, como por exemplo:
a) túnel pelo método da couraça (“shield”)
Em virtude de uma camada argilosa na base do túnel e da existência de areias
argilosas acima dela e areias para abaixo, foram executados poços rasos a vácuo, para
drenarem as camadas superiores, e poços profundos gravitacionais, para aliviarem a a
subpressão das areias inferiores.
A figura a seguir esquematiza essa solução.
8
Tópicos em Geotecnia e Obras de Terra - 2004 Prof. M. Marangon
b) Na Estação Paraíso, situada no bairro Paraíso, foramm utilizadas três soluções, em
função das condições geológicas e do método construtivo:
i) Poços de alívio, em toda a estação, para alívio da subpressão de uma camada
arenosa.
ii) Ponteiras, em pontos onde a escavação da estação possuía patamares ou taludes.
iii) Poços profundos, nos locais onde não havia patamares ou taludes para as
ponteiras.
Exemplo do Eficiência dos Métodos de Rebaixamento
A eficiência dos métodos de rebaixamento do nível d’água pode ser exemplificada pela
construção do Metro de São Paulo, que exigiu extensos e intensos trabalhos de rebaixamento.
Na figura a seguir estão assinaladas as curvas de abaixamento do nível d’água, na Estação
Conceição. Notar que cada curva corresponde a um período de bombeamento dos poços
profundos existentes. Notar que a curva final de rebaixamento ficou estabelecida abaixo do
nível da escavação.
No presente caso, o nível d’água situava-se a cerca de 5,50m de profundidade, e o
nível da escavação, a 15,50m.
Um outro dado importante, nos trabalhos de rebaixamento, é o controle da curva de
abaixamento do nível d’água, com o tempo.
O gráfico a seguir ilustra esse abaixamento, através de dois indicadores de nível
d’água, após um certo tempo de bombeamento de dois poços profundos. Mostra também a
recuperação do nível d’água à sua posição inicial, após o desligamento das bombas. (O
gráfico foi obtido através dos dados do Metro de São Paulo).
9
Tópicos em Geotecnia e Obras de Terra - 2004 Prof. M. Marangon
10

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ensaio de Compressão triaxial
Ensaio de Compressão triaxialEnsaio de Compressão triaxial
Ensaio de Compressão triaxialEzequiel Borges
 
Ensaio de cisalhamento direto
Ensaio de cisalhamento diretoEnsaio de cisalhamento direto
Ensaio de cisalhamento diretoEzequiel Borges
 
Ensaio suporte californiano
Ensaio suporte californianoEnsaio suporte californiano
Ensaio suporte californianoEzequiel Borges
 
Metodologia executiva das Sondagens a Percussão SPT e Correlaões de Nspt
Metodologia executiva das Sondagens a Percussão SPT e Correlaões de NsptMetodologia executiva das Sondagens a Percussão SPT e Correlaões de Nspt
Metodologia executiva das Sondagens a Percussão SPT e Correlaões de NsptEdgar Pereira Filho
 
Aula 12 resistência não drenada
Aula 12  resistência não drenadaAula 12  resistência não drenada
Aula 12 resistência não drenadaJhones Jhow
 
Metodologia executiva das sondagens Mistas e Rotativas com recuperação de tes...
Metodologia executiva das sondagens Mistas e Rotativas com recuperação de tes...Metodologia executiva das sondagens Mistas e Rotativas com recuperação de tes...
Metodologia executiva das sondagens Mistas e Rotativas com recuperação de tes...Edgar Pereira Filho
 
Métodos de perfuração aula
Métodos de perfuração aulaMétodos de perfuração aula
Métodos de perfuração aulaPublicaTUDO
 
Perfuração e completação
Perfuração e completaçãoPerfuração e completação
Perfuração e completaçãoSydney Dias
 
06 tensoes no solo ojo-ejercicios
06 tensoes no solo ojo-ejercicios06 tensoes no solo ojo-ejercicios
06 tensoes no solo ojo-ejerciciosEsteban Caballero
 
PROCEDIMENTO PARA COLETA DE CORPO DE PROVA (CONCRETO) NA OBRA – NBR 5738.
PROCEDIMENTO PARA COLETA DE CORPO DE PROVA (CONCRETO) NA OBRA – NBR 5738.PROCEDIMENTO PARA COLETA DE CORPO DE PROVA (CONCRETO) NA OBRA – NBR 5738.
PROCEDIMENTO PARA COLETA DE CORPO DE PROVA (CONCRETO) NA OBRA – NBR 5738.Guilherme Bender Coswig
 
Compressibilidade e adensamento
Compressibilidade e adensamentoCompressibilidade e adensamento
Compressibilidade e adensamentoBráulio Naya
 
2º resistência ao cisalhamento
2º resistência ao cisalhamento2º resistência ao cisalhamento
2º resistência ao cisalhamentoRafael Franca
 

Mais procurados (20)

Ensaio de Compressão triaxial
Ensaio de Compressão triaxialEnsaio de Compressão triaxial
Ensaio de Compressão triaxial
 
Ensaio de cisalhamento direto
Ensaio de cisalhamento diretoEnsaio de cisalhamento direto
Ensaio de cisalhamento direto
 
Ensaio de adensamento
Ensaio de adensamentoEnsaio de adensamento
Ensaio de adensamento
 
0003 slides
0003 slides0003 slides
0003 slides
 
Ensaio suporte californiano
Ensaio suporte californianoEnsaio suporte californiano
Ensaio suporte californiano
 
Metodologia executiva das Sondagens a Percussão SPT e Correlaões de Nspt
Metodologia executiva das Sondagens a Percussão SPT e Correlaões de NsptMetodologia executiva das Sondagens a Percussão SPT e Correlaões de Nspt
Metodologia executiva das Sondagens a Percussão SPT e Correlaões de Nspt
 
Aula 12 resistência não drenada
Aula 12  resistência não drenadaAula 12  resistência não drenada
Aula 12 resistência não drenada
 
Sondagem
SondagemSondagem
Sondagem
 
Metodologia executiva das sondagens Mistas e Rotativas com recuperação de tes...
Metodologia executiva das sondagens Mistas e Rotativas com recuperação de tes...Metodologia executiva das sondagens Mistas e Rotativas com recuperação de tes...
Metodologia executiva das sondagens Mistas e Rotativas com recuperação de tes...
 
14 resistencia ao cisalhamento
14  resistencia ao cisalhamento14  resistencia ao cisalhamento
14 resistencia ao cisalhamento
 
Aula3 taludes
Aula3 taludesAula3 taludes
Aula3 taludes
 
Métodos de perfuração aula
Métodos de perfuração aulaMétodos de perfuração aula
Métodos de perfuração aula
 
Perfuração e completação
Perfuração e completaçãoPerfuração e completação
Perfuração e completação
 
06 tensoes no solo ojo-ejercicios
06 tensoes no solo ojo-ejercicios06 tensoes no solo ojo-ejercicios
06 tensoes no solo ojo-ejercicios
 
Coleta e preparo de amostras
Coleta e preparo de amostrasColeta e preparo de amostras
Coleta e preparo de amostras
 
Aula rev
Aula revAula rev
Aula rev
 
PROCEDIMENTO PARA COLETA DE CORPO DE PROVA (CONCRETO) NA OBRA – NBR 5738.
PROCEDIMENTO PARA COLETA DE CORPO DE PROVA (CONCRETO) NA OBRA – NBR 5738.PROCEDIMENTO PARA COLETA DE CORPO DE PROVA (CONCRETO) NA OBRA – NBR 5738.
PROCEDIMENTO PARA COLETA DE CORPO DE PROVA (CONCRETO) NA OBRA – NBR 5738.
 
Locação Curva de Nível
Locação Curva de NívelLocação Curva de Nível
Locação Curva de Nível
 
Compressibilidade e adensamento
Compressibilidade e adensamentoCompressibilidade e adensamento
Compressibilidade e adensamento
 
2º resistência ao cisalhamento
2º resistência ao cisalhamento2º resistência ao cisalhamento
2º resistência ao cisalhamento
 

Semelhante a Rebaixamento de Lençol Freático

SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS - drenagem 1.pptx
SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS - drenagem 1.pptxSISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS - drenagem 1.pptx
SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS - drenagem 1.pptxCamilaCamposGomezFam
 
Galerias de drenagem de guas pluviais com tubos
Galerias de drenagem de guas pluviais com tubosGalerias de drenagem de guas pluviais com tubos
Galerias de drenagem de guas pluviais com tubosJupira Silva
 
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concretoGalerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concretoJupira Silva
 
Microdrenagem urbana
Microdrenagem urbanaMicrodrenagem urbana
Microdrenagem urbanaDenielle100
 
PedroDuarte_AguasPenacova.pdf
PedroDuarte_AguasPenacova.pdfPedroDuarte_AguasPenacova.pdf
PedroDuarte_AguasPenacova.pdfAfonsoCuamba1
 
Fluidos de perfuração e completação_aula 1.pdf
Fluidos de perfuração e completação_aula 1.pdfFluidos de perfuração e completação_aula 1.pdf
Fluidos de perfuração e completação_aula 1.pdfjackson_lima
 
Composição_Barragem1_Continuação da Aula 1
Composição_Barragem1_Continuação da Aula 1Composição_Barragem1_Continuação da Aula 1
Composição_Barragem1_Continuação da Aula 1Denny Santana
 
Composição das Barragens, partes e conceitos
Composição das Barragens, partes e conceitosComposição das Barragens, partes e conceitos
Composição das Barragens, partes e conceitosDenny Santana
 
Aula de Abertura de Vala
Aula de Abertura de ValaAula de Abertura de Vala
Aula de Abertura de ValaMarco Taveira
 
Projeto simplificado água pluvial
Projeto simplificado água pluvialProjeto simplificado água pluvial
Projeto simplificado água pluvialWANDERSON ANJOS
 
Pinheiro - O intrigante caso de movimentação do terreno
Pinheiro - O intrigante caso de movimentação do terrenoPinheiro - O intrigante caso de movimentação do terreno
Pinheiro - O intrigante caso de movimentação do terrenoedvaldorf
 
157654221 sumidouros-e-valas-de-infiltracao (1)
157654221 sumidouros-e-valas-de-infiltracao (1)157654221 sumidouros-e-valas-de-infiltracao (1)
157654221 sumidouros-e-valas-de-infiltracao (1)Andrea Silva
 

Semelhante a Rebaixamento de Lençol Freático (20)

SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS - drenagem 1.pptx
SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS - drenagem 1.pptxSISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS - drenagem 1.pptx
SISTEMAS DE ESGOTOS SANITÁRIOS - drenagem 1.pptx
 
Microdrenagem.pdf
Microdrenagem.pdfMicrodrenagem.pdf
Microdrenagem.pdf
 
Fasciculo 25 instalações sanitárias
Fasciculo 25 instalações sanitáriasFasciculo 25 instalações sanitárias
Fasciculo 25 instalações sanitárias
 
Galerias de drenagem de guas pluviais com tubos
Galerias de drenagem de guas pluviais com tubosGalerias de drenagem de guas pluviais com tubos
Galerias de drenagem de guas pluviais com tubos
 
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concretoGalerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
Galerias de drenagem de águas pluviais com tubos de concreto
 
Microdrenagem urbana
Microdrenagem urbanaMicrodrenagem urbana
Microdrenagem urbana
 
PedroDuarte_AguasPenacova.pdf
PedroDuarte_AguasPenacova.pdfPedroDuarte_AguasPenacova.pdf
PedroDuarte_AguasPenacova.pdf
 
Fluidos de perfuração e completação_aula 1.pdf
Fluidos de perfuração e completação_aula 1.pdfFluidos de perfuração e completação_aula 1.pdf
Fluidos de perfuração e completação_aula 1.pdf
 
Composição_Barragem1_Continuação da Aula 1
Composição_Barragem1_Continuação da Aula 1Composição_Barragem1_Continuação da Aula 1
Composição_Barragem1_Continuação da Aula 1
 
Composição das Barragens, partes e conceitos
Composição das Barragens, partes e conceitosComposição das Barragens, partes e conceitos
Composição das Barragens, partes e conceitos
 
Valas
ValasValas
Valas
 
Adutoras
AdutorasAdutoras
Adutoras
 
Aula de Abertura de Vala
Aula de Abertura de ValaAula de Abertura de Vala
Aula de Abertura de Vala
 
Projeto simplificado água pluvial
Projeto simplificado água pluvialProjeto simplificado água pluvial
Projeto simplificado água pluvial
 
Tema II.pptx
Tema II.pptxTema II.pptx
Tema II.pptx
 
Pinheiro - O intrigante caso de movimentação do terreno
Pinheiro - O intrigante caso de movimentação do terrenoPinheiro - O intrigante caso de movimentação do terreno
Pinheiro - O intrigante caso de movimentação do terreno
 
3 Barragens1
3 Barragens13 Barragens1
3 Barragens1
 
Sumidouros
SumidourosSumidouros
Sumidouros
 
157654221 sumidouros-e-valas-de-infiltracao (1)
157654221 sumidouros-e-valas-de-infiltracao (1)157654221 sumidouros-e-valas-de-infiltracao (1)
157654221 sumidouros-e-valas-de-infiltracao (1)
 
Escoamento variado..
Escoamento variado..Escoamento variado..
Escoamento variado..
 

Último

A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralA Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralFranciscaArrudadaSil
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraGuilhermeLucio9
 
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfLivro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfSamuel Ramos
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAMCassio Rodrigo
 
Treinamento de Proteção Auditiva 2023.pp
Treinamento de Proteção Auditiva 2023.ppTreinamento de Proteção Auditiva 2023.pp
Treinamento de Proteção Auditiva 2023.ppssuser238e8f
 
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção IndividualTreinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individualpablocastilho3
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalleandroladesenvolvim
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaGuilhermeLucio9
 
Aula de classificação de rolamentos norma DIN
Aula de classificação de rolamentos norma DINAula de classificação de rolamentos norma DIN
Aula de classificação de rolamentos norma DINFabioFranca22
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréGuilhermeLucio9
 
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalPauloHenrique154965
 

Último (11)

A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralA Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
 
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfLivro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
 
Treinamento de Proteção Auditiva 2023.pp
Treinamento de Proteção Auditiva 2023.ppTreinamento de Proteção Auditiva 2023.pp
Treinamento de Proteção Auditiva 2023.pp
 
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção IndividualTreinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animal
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
 
Aula de classificação de rolamentos norma DIN
Aula de classificação de rolamentos norma DINAula de classificação de rolamentos norma DIN
Aula de classificação de rolamentos norma DIN
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
 
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
 

Rebaixamento de Lençol Freático

  • 1. Tópicos em Geotecnia e Obras de Terra - 2004 Prof. M. Marangon Rebaixamento do Lençol Freático 1 - Introdução A construção de edifícios, barragens, túneis, etc. normalmente requer escavações abaixo do lençol freático. Tais escavações podem exigir tanto uma drenagem, como um rebaixamento do lençol freático. São vários os métodos para eliminar a água existente no subsolo. Somente após a realização de ensaios preliminares de rebaixamento do lençol freático, poder-se-á definir quais os métodos a serem empregados. Devem ser obervados os diversos níveis de água do subsolo, as quantidades de água que se infiltram e que serão bombeadas, e os recalques que porventura possam aparecer nas vizinhanças das escavações. Para proteção de edificações adjacentes às zonas de recalque, considere-se a possibilidade de injeções de água no solo. Deve-se ter em mente que, ao se realizar um rebaixamento do lençol freático, introduzem-se certas alterações nas condições naturais do subsolo. Assim, poderão surgir danos no interior ou no exterior da escavação, quando o rebaixamento é realizado incorretamente. É preciso observar também se existe o perigo de ruptura hidráulica, por causa da presença de águas artesianas, confinadas entre certos horizontes do subsolo. 2 - Campo de aplicação de vários métodos de rebaixamento A figura a seguir mostra esquematicamente os métodos de rebaixamento usados em função das curvas granulométricas dos materias. Os limites de eficiência desses métodos de drenagem são definidos de forma aproximada, porque existem casos em que há duas alternativas a se considerarem, podendo- se optar pela mais econômica ou pela mais facilmente exequível, devido ao equipamento disponível. 1
  • 2. Tópicos em Geotecnia e Obras de Terra - 2004 Prof. M. Marangon 3 - Tipos de rebaixamento do lençol freático Três são os processos principais de rebaixamento do lençol freático: 1. por ponteiras filtrantes (“well-points”) 2. por poços profundos - gravitacionais e a vácuo 3. por eletrosmose 1. Ponteiras Filtrantes (“well-points”) Empregam-se ponteiras filtrantes de 1 ½” a 2 ½” de diâmetro, com 30 a 100 cm de comprimento, para drenagem por gravidade ou a vácuo. Essas ponteiras filtrantes constituem-se de um tubo de aço perfurado, tendo a seguir um tubo metálico fechado com 8m a 9m de comprimento (figura a seguir). A instalação das ponteiras no solo é feita geralmente de jatos de água através da própria ponteira. Na impossibilidade de se dispor de água em abundância para esse tipo de instalação ou em solos poucos permeáveis, executa-se a abertura de um furo com 150 mm de diâmetro, colocando-se no seu interior a ponteira, envolvida por material filtrante adequado. 2
  • 3. Tópicos em Geotecnia e Obras de Terra - 2004 Prof. M. Marangon As ponteiras filtrantes são colocadas ao longo de uma linha, tendo um espaçamento de 1m a 3m, ligando-se todas as pontas a um cano coletor comum. No final deste, acha-se instalado um conjunto motor-bomba, que subtrai do coletor de água e eventualmente o ar que penetra nas ponteiras filtrantes. No caso de se necessitar do emprego do vácuo, liga-se, em série ao sistema, uma bomba de vácuo. A desvantagem deste esquema, em virtude de leis físicas, consiste numa limitação de rebaixamento do lençol freático em cerca de 5m de profundidade. A drenagem de escavações mais profundas deverá ser realizada por meio de vários estágios de ponteiras (figura a seguir). 2. Poços Profundos O rebaixamento do nível d’água, através de poços profundos, é executado por meio de uma série de perfurações equidistantes (por ex.: 8m, 10m, 15m ou 20m), com diâmetro de 300 mm a 600 mm. Dentro dessa perfuração são colocados tubos de aço, constituídos de trechos lisos e perfurados, nos horizontes permeáveis e abaixo do nível d’água. O diâmetro desses tubos pode variar de 150 mm a 300 mm, e cada segmento é unido ao outro por solda. Os tubos devem ser colocados em perfeita verticalidade e o trecho perfurado deverá ser envolvido por uma tela de nylon de 0,6 mm de diâmetro, para impedir a entrada de partículas dentro do poço. Dentro dos tubos será colocada a 1m de seu fundo, uma bomba do tipo submersa centrífuga, com capacidade de acordo com as condições hidrogeológicas locais e a altura de recalque (por exemplo, bombas com vazão 2 a 5 l/s, de 5 a 10 l/s ou 10 a 15 l/s). A ligação e parada das bombas devem ser automáticas e controladas por um par de eletrodos. 3
  • 4. Tópicos em Geotecnia e Obras de Terra - 2004 Prof. M. Marangon No caso de se necessitar empregar o vácuo, a exaustão de ar é feita nas partes superiores dos poços, por meio de um tubo coletor acoplado a uma bomba de vácuo. Após a colocação dos tubos, o espaço entre a parede da perfuração e a dos tubos (por exemplo, entre 600 mm e 300 mm), deverá ser preenchido por material filtrante de granulometria adequada (por ex.: areia grossa lavada). Em alguns poços, ao longo da camada filtrante, deverá ser colocado um tubo de PVC ou ferro galvanizado de 1 ½” de φ, que permitirá a observação do nível d’água. A extremidade inferior desse tubo deverá ter cerca de 1m de trecho envolvido, também por tela de nylon. Uma série de piezômetros e indicadores de nível d’água deverá ser colocada a distância adequadas de cada poço, com a finalidade de permitir a observação da variação do nível d’água e traçar, posteriormente, a curva de depressão de cada poço, e controlar também o valor da subpressão, quando esta existir (esquemas a seguir). Antes de qualquer trabalho de rebaixamento, recomenda-se a execução de ensaios preliminares, para definição do método mais adequado a ser aplicado. Quando o poço termina numa camada impermeável, trata-se de um poço “perfeito” (Fig. A). Caso o poço termine numa camada permeável, este é denominado “imperfeito” (Fig. B) (esquema a seguir). 4
  • 5. Tópicos em Geotecnia e Obras de Terra - 2004 Prof. M. Marangon 2.1. Poços Gravitacionais O emprego de poços profundos gravitacionais é indicado para os solos bastante permeáveis, tais como pedregulhos e areias, isto é, onde a água se infiltre livremente nos poços pela ação de gravidade, e é retirada deste por meio de bombas submersas. A disposição dos poços é diferente em cada caso e segundo a posição da cava. Basicamente, distinguem-se poços internos e externos, em relação à escavação. Ao se colocarem os poços no interior da escavação, não deverão prejudicar os espaços reservados para os trabalhos. 3. Processos a Vácuo Nos solos pouco permeáveis, tais como areia fina, areia siltosa ou silte (K = 10-3 a 10- 5 cm/seg), o rebaixamento do lençol freático por gravidade pode não mais conduzir a resultados satisfatórios, tornando-se a curva de depressão muito íngreme e limitada. As forças de adesão e de capilaridade existentes nos poros extremamente pequenos destes solos, tornam-se tão grandes que a ação da gravidade não é mais suficiente para deslocar a água em direção aos poços. O sucesso de poços profundos por gravidade nestes solos é muito pequeno. Dessa maneira, pode se aplicar vácuo tanto nos “well-points”, como nos poços profundos. A figura a seguir explica a eficiência maior do rebaixamento, com aplicação de vácuo em solos pouco permeáveis. 4. Outros fatores a serem considerados em um sistema de rebaixamento - Fornecimento de Energia Elétrica Para qualquer sistema de rebaixamento, é indispensável prever, além da rede elétrica normal, uma fonte de energia de emergência, a fim de impedir a ocorrência de acidentes, na hipótese de uma interrupção no fornecimento de energia pela rede pública. A transferência de uma fonte de alimentação para outra deverá ser possível a qualquer hora. 5
  • 6. Tópicos em Geotecnia e Obras de Terra - 2004 Prof. M. Marangon - Medidas e Observações dos resultados obtidos É absolutamente necessário observar e registrar os seguintes resultados, ao se executar um processo de rebaixamento: • Determinações das vazões dos poços, através de hidrômetros. • Determinações das curvas de depressão, através dos piezômetros e indicadores de nível d’água. • Medidas de recalques de edifícios e da superfície do terreno, através de pinos e marcos. 5. Aplicação do rebaixamento do nível d’água O rebaixamento do nível d’água tem se tornado uma prática constante em obras de Engenharia Civil. Assim por exemplo, os grandes edifícios em Santos e Rio de Janeiro normalmente exigem rebaixamento do nível d’água. O método de ponteiras filtrantes é o mais usual. No setor de barragens, a de Ponte Nova no Rio Tietê, próximo a Mogi das Cruzes, Estado de São Paulo, exigiu um rebaixamento através de poços profundos gravitacionais. Dos 17 Km da primeira linha do Metro de São Paulo, cerca de 12 km exigiram trabalhos de rebaixamento do nível d’água, através de poços profundos gravitacionais e a vácuo, ponteiras filtrantes e drenos de areia de alívio. A SABESP, que constrói várias linhas de interceptores de esgoto ao longo dos rios Tietê e Pinheiros em São Paulo, utilizou ponteiras filtrantes para o rebaixamento do nível d’água das valas e poços profundos gravitacionais, para a Estação Elevatória do bairro de Pinheiros. A Usina Nuclear de Andra dos Reis, situada em depósitos de areia e junto ao mar, exigiu grandes trabalhos de rebaixamento , em função da grande área de escavação, da presença de areias, e do nível d’água elevado. Empregou-se o método de poços profundos gravitacionais. Também o Metro do Rio de Janeiro tem empregado processos de rebaixamento semelhantes aos utilizados em São Paulo. Ainda no Rio de Janeiro, durante a construção do interceptor oceânico em Copacabana, utilizaram-se conjuntamente poços rasos e ponteiras filtrantes, para a construção do túnel de concreto nas areias daquela praia. A barragem de Curuá-Una, no Pará, localizada em arenitos, exigiu grandes trabalhos de rebaixamento por ponteiras filtrantes, com a cravação de mais de 1.250 ponteiras. 6 - Drenagem por eletrosmose O método de drenagem por eletrosmose baseia-se no seguinte princípio: a superfície das particulas dos solos de granulação muito fina (argilas coloidais) possui uma carga elétrica negativa, decorrendo então em torno das particulas, a formação de uma película de água com predominância de íons com carga positiva. Se se colocarem dois eletrodos em um solo saturado, após o estabelecimento de uma corrente elétrica entre ambos, a água contida nos vazios do solo percolará no sentido do ânodo (pólo positivo) para o cátodo (pólo negativo). 6
  • 7. Tópicos em Geotecnia e Obras de Terra - 2004 Prof. M. Marangon Esse princípio pode ser aplicado à drenagem dos solos, fazendo-se com que o cátodo seja uma ponteira. A água que emigra através do solo, pelo efeito da diferença de potencial entre os eletrodos, será coletada pela ponteira, daí sendo então esgotada por meio de uma bomba hidráulica. O processo de estabilização e de drenagem por eletromose tem sido pouco usado até o momento, encontrando-se ainda em estágio experimental, mas parece apresentar interesse futuro na drenagem de solos com permeabilidade inferior a 10-7 cm/seg. Se as ponteiras (cátodos) forem distribuídas fora da escavação em sua periferia, a percolação de água dar- se-á em sentido contrário àquele do escorregamento dos taludes, de forma que, neste caso, as forças de percolação são favoráveis à estabilidade, quer dos taludes, quer do fundo da escavação. Devido à existência de uma diferença de potencial (corrente contínua), partículas de água emigram dos ânodos para os cátodos, estes sob forma de poços. Tal processo conuz a resultados satisfatórios, quando o rebaixamento a vácuo não é mais aplicável. 7
  • 8. Tópicos em Geotecnia e Obras de Terra - 2004 Prof. M. Marangon Exemplos de rebaixamento do nível d’água no Metro de São Paulo Todos os métodos usuais de rebaixamento foram empregados na construção do Metro de São Paulo. Os fatores básicos que influíram na escolha de um ou mais método de rebaixamento foram basicamente os seguintes: 1 - para os solos areno-argilosos, normalmente intercalados com camadas argilosas, empregam-se poços profundos a vácuo, em virtude da permeabilidade pequena desses solos. 2 - para as camadas arenosas quase puras de granulação grossa, usaram-se poços profundos gravitacionais, em função de a permeabilidade dessas areias variarem de 10-2 ou 10-3 cm/seg. 3 - para as camadas arenosas de espessura limitada e para todos os trechos de escavação pouco profunda, utilizaram-se ponteiras filtrantes, isto é, para pequenas alturas de rebaixamento. 4 - em vários locais onde apareciam camadas ou lentes de areia com pressão artesiana (subpressão), foram executadas redes de dreno verticais de areia (poços de alívio), com distância entre 5 a 10 m para cada poço. Contudo, em algumas estações e em certos trechos de túnel, várias soluções foram empregadas, como por exemplo: a) túnel pelo método da couraça (“shield”) Em virtude de uma camada argilosa na base do túnel e da existência de areias argilosas acima dela e areias para abaixo, foram executados poços rasos a vácuo, para drenarem as camadas superiores, e poços profundos gravitacionais, para aliviarem a a subpressão das areias inferiores. A figura a seguir esquematiza essa solução. 8
  • 9. Tópicos em Geotecnia e Obras de Terra - 2004 Prof. M. Marangon b) Na Estação Paraíso, situada no bairro Paraíso, foramm utilizadas três soluções, em função das condições geológicas e do método construtivo: i) Poços de alívio, em toda a estação, para alívio da subpressão de uma camada arenosa. ii) Ponteiras, em pontos onde a escavação da estação possuía patamares ou taludes. iii) Poços profundos, nos locais onde não havia patamares ou taludes para as ponteiras. Exemplo do Eficiência dos Métodos de Rebaixamento A eficiência dos métodos de rebaixamento do nível d’água pode ser exemplificada pela construção do Metro de São Paulo, que exigiu extensos e intensos trabalhos de rebaixamento. Na figura a seguir estão assinaladas as curvas de abaixamento do nível d’água, na Estação Conceição. Notar que cada curva corresponde a um período de bombeamento dos poços profundos existentes. Notar que a curva final de rebaixamento ficou estabelecida abaixo do nível da escavação. No presente caso, o nível d’água situava-se a cerca de 5,50m de profundidade, e o nível da escavação, a 15,50m. Um outro dado importante, nos trabalhos de rebaixamento, é o controle da curva de abaixamento do nível d’água, com o tempo. O gráfico a seguir ilustra esse abaixamento, através de dois indicadores de nível d’água, após um certo tempo de bombeamento de dois poços profundos. Mostra também a recuperação do nível d’água à sua posição inicial, após o desligamento das bombas. (O gráfico foi obtido através dos dados do Metro de São Paulo). 9
  • 10. Tópicos em Geotecnia e Obras de Terra - 2004 Prof. M. Marangon 10