Obras portuárias de abrigo

5.963 visualizações

Publicada em

OBRAS PORTUÁRIAS DE ABRIGO

espigão

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.963
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
136
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Obras portuárias de abrigo

  1. 1. OBRAS PORTUÁRIAS DE ABRIGO ESPIGÕES
  2. 2. A agitação permanente das águas do mar(ondas) impede a acostagem em zonasabertas, sendo que ela só possível em certoslocais menos expostos ou mais abrigados.
  3. 3. Além disso, para que estes locais sirvam deporto a um determinado tipo de embarcação,é necessário também que haja profundidadecompatível com o seu calado e condições deacesso que permitam o tráfego: largura,conformação em planta, tranqüilidade daságuas, etc.
  4. 4. Apesar desses fatores, a escolha da localizaçãode um novo porto geralmente é determinadapor imposições relacionadas à infra-estruturaexistente no continente, ou seja, com a infra-estrutura viária, rodoviária, ferroviária,industrial e de produção.
  5. 5. Nesse contexto, os critérios relacionados aolado marítimo ficam em segundo plano. Ouseja, muitas vezes, o local escolhido nãodispõe dessas condições de profundidade,tranqüilidade, acesso e outras que facilitam asoperações portuárias, sendo necessárias obrasde melhoramento dos portos.
  6. 6. OBRAS PORTUÁRIAS DE ABRIGOAs estruturas de abrigo tem as funções dereduzir os efeitos das correntes marítimas queatinjam os navios atracados e para conter oavanço da erosão na área e desassorear ocanal, melhorando a navegabilidade dasembarcações.Ex.: os molhes, os espigões, guias-correntes,quebra-mares etc.
  7. 7. Quebra-mar - estrutura de proteção paramitigar efeitos das ondas (duas extremidadeso oceano); geralmente feitas por enrocamentoou blocos de concreto com geometriaespecífica;
  8. 8. Molhes - estrutura de proteção para mitigarefeitos das ondas (possui uma extremidade nocontinente e outro oceano); Espigões – estruturas enraizadas no continente, com a função deatenuar efeitos decorrentes.
  9. 9. ESPIGÕES• Espigão Costeiro, em São Luís-MA.
  10. 10. ESPIGÕESEstrutura rígida de engenharia costeira,disposta transversalmente ao desenvolvimentoda linha de costa.
  11. 11. Em geral, os espigões são retilíneos, maspodem ter forma em T ou em L, ou mesmomais complexas, como curvilíneas, em Z eondulada.
  12. 12. ESPIGÕESA parte superior da estrutura (coroamento)pode estar emersa ou submersa ou ter umaparte emersa e outra submersa. Podem,ainda, ser do tipo permeável (permitindo quea água e algum sedimento os atravesse) ouimpermeável.
  13. 13. ESPIGÕES O efeito de um único esporão é a acumulação da praia a barlamar e aerosão da praia a sotamar através docontrole ou pelo menos modificação dos fenômenos hidrodinâmicos associados à agitação e às marés bem como, da sua interferência na corrente de deriva litoral.
  14. 14. O espigão pode ser também empregado em conjunto, sendo chamado de campo de espigões.Campo de espigões – Olinda-PE
  15. 15. Essa é uma solução para minimizar os efeitosda erosão no sotavento.O comprimento, a cota de coroamento e oespaçamento entre esporões sãocondicionados pela amplitude da maré, pelaenergia da onda incidente e pelo pendor dapraia.
  16. 16. Nesse caso, a construção pode ser efetuadaem etapas, iniciando pelo sotamar,adicionando novos espigões sempre que foratingida a capacidade de retenção máxima.
  17. 17. Quando a construção dos espigões se realizaem uma só etapa, os espigões de barlamarpreenchem primeiro, sendo o campopreenchido de barlamar para sotamar, amedida em que os espigões de barlamar sãopreenchidos e os sedimentos os contornam.
  18. 18. As construções de espigões não são indicadaspara áreas onde o transporte de sedimentoslitorâneos for fraco, pois as erosões a sotamarpodem ser graves. Isto também pode ocorrerquando o rumo deste transporte desedimentos for variável, pois reduz a eficáciada obra.
  19. 19. Constituem as estruturas mais vulgarizadas deproteção costeira. Devido aos impactosnegativos que induzem a sotamar, bem comopor razões estéticas, a sua construção é cadavez mais polémica, sendo preferível, comfrequência, adoptar outras técnicas deprotecção ambientalmente menos agressivas.
  20. 20. MATERIAISEntre os materiais que têm sido utilizadosreferem-se concreto, blocos de rocha(enrocamento), gabiões, sacos com areia oupedras, madeira e metal.
  21. 21. MATERIAISOs espigões são geralmente construídosatravés de enrocamentos, com a vantagem deformar estruturas flexíveis, adaptáveis aosassentamentos do terreno. Também é possívelaplicar o sistema de gabiões, particularmentenos trechos em que as estruturas ficarãoassoreadas, ou sacos preenchidos comargamassa de alta resistência.

×