SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
OBRAS PORTUÁRIAS DE ABRIGO
         ESPIGÕES
A agitação permanente das águas do mar
(ondas) impede a acostagem em zonas
abertas, sendo que ela só possível em certos
locais menos expostos ou mais abrigados.
Além disso, para que estes locais sirvam de
porto a um determinado tipo de embarcação,
é necessário também que haja profundidade
compatível com o seu calado e condições de
acesso que permitam o tráfego: largura,
conformação em planta, tranqüilidade das
águas, etc.
Apesar desses fatores, a escolha da localização
de um novo porto geralmente é determinada
por imposições relacionadas à infra-estrutura
existente no continente, ou seja, com a infra-
estrutura viária, rodoviária, ferroviária,
industrial e de produção.
Nesse contexto, os critérios relacionados ao
lado marítimo ficam em segundo plano. Ou
seja, muitas vezes, o local escolhido não
dispõe dessas condições de profundidade,
tranqüilidade, acesso e outras que facilitam as
operações portuárias, sendo necessárias obras
de melhoramento dos portos.
OBRAS PORTUÁRIAS DE ABRIGO
As estruturas de abrigo tem as funções de
reduzir os efeitos das correntes marítimas que
atinjam os navios atracados e para conter o
avanço da erosão na área e desassorear o
canal, melhorando a navegabilidade das
embarcações.
Ex.: os molhes, os espigões, guias-correntes,
quebra-mares etc.
Quebra-mar - estrutura de proteção para
mitigar efeitos das ondas (duas extremidades
o oceano); geralmente feitas por enrocamento
ou blocos de concreto com geometria
específica;
Molhes - estrutura de proteção para mitigar
efeitos das ondas (possui uma extremidade no
continente e outro oceano);

            Espigões – estruturas enraizadas
            no continente, com a função de
atenuar     efeitos decorrentes.
ESPIGÕES




•   Espigão Costeiro, em São Luís-MA.
ESPIGÕES
Estrutura rígida de engenharia costeira,
disposta transversalmente ao desenvolvimento
da linha de costa.
Em geral, os espigões são retilíneos, mas
podem ter forma em T ou em L, ou mesmo
mais complexas, como curvilíneas, em Z e
ondulada.
ESPIGÕES
A parte superior da estrutura (coroamento)
pode estar emersa ou submersa ou ter uma
parte emersa e outra submersa. Podem,
ainda, ser do tipo permeável (permitindo que
a água e algum sedimento os atravesse) ou
impermeável.
ESPIGÕES
  O efeito de um único esporão é a
 acumulação da praia a barlamar e a
erosão da praia a sotamar através do
controle ou pelo menos modificação
   dos fenômenos hidrodinâmicos
  associados à agitação e às marés
 bem como, da sua interferência na
      corrente de deriva litoral.
O espigão pode ser também
                                  empregado em conjunto,
                                sendo chamado de campo de
                                          espigões.




Campo de espigões – Olinda-PE
Essa é uma solução para minimizar os efeitos
da erosão no sotavento.

O comprimento, a cota de coroamento e o
espaçamento      entre     esporões    são
condicionados pela amplitude da maré, pela
energia da onda incidente e pelo pendor da
praia.
Nesse caso, a construção pode ser efetuada
em etapas, iniciando pelo sotamar,
adicionando novos espigões sempre que for
atingida a capacidade de retenção máxima.
Quando a construção dos espigões se realiza
em uma só etapa, os espigões de barlamar
preenchem primeiro, sendo o campo
preenchido de barlamar para sotamar, a
medida em que os espigões de barlamar são
preenchidos e os sedimentos os contornam.
As construções de espigões não são indicadas
para áreas onde o transporte de sedimentos
litorâneos for fraco, pois as erosões a sotamar
podem ser graves. Isto também pode ocorrer
quando o rumo deste transporte de
sedimentos for variável, pois reduz a eficácia
da obra.
Constituem as estruturas mais vulgarizadas de
proteção costeira. Devido aos impactos
negativos que induzem a sotamar, bem como
por razões estéticas, a sua construção é cada
vez mais polémica, sendo preferível, com
frequência, adoptar outras técnicas de
protecção ambientalmente menos agressivas.
MATERIAIS
Entre os materiais que têm sido utilizados
referem-se concreto, blocos de rocha
(enrocamento), gabiões, sacos com areia ou
pedras, madeira e metal.
MATERIAIS
Os espigões são geralmente construídos
através de enrocamentos, com a vantagem de
formar estruturas flexíveis, adaptáveis aos
assentamentos do terreno. Também é possível
aplicar o sistema de gabiões, particularmente
nos trechos em que as estruturas ficarão
assoreadas, ou sacos preenchidos com
argamassa de alta resistência.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hidráulica de Canais
Hidráulica de CanaisHidráulica de Canais
Hidráulica de CanaisDanilo Max
 
Exercicios resolvidos hidraulica
Exercicios resolvidos hidraulicaExercicios resolvidos hidraulica
Exercicios resolvidos hidraulicafernando correa
 
Apresentação vertedores
Apresentação vertedoresApresentação vertedores
Apresentação vertedoresNircele Leal
 
Drenagem de Taludes
Drenagem de TaludesDrenagem de Taludes
Drenagem de Taludescamilapasta
 
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água paraNbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água paraJacqueline Schultz
 
Escoamento Laminar e turbulento
Escoamento Laminar e turbulentoEscoamento Laminar e turbulento
Escoamento Laminar e turbulentoDiego Henrique
 
Exercícios dimensionamento de floculadores
Exercícios dimensionamento de floculadoresExercícios dimensionamento de floculadores
Exercícios dimensionamento de floculadoresGiovanna Ortiz
 
Estradas drenagem superficial - oficial
Estradas drenagem superficial - oficialEstradas drenagem superficial - oficial
Estradas drenagem superficial - oficialAnderson Nunes
 
Introducao hidrologia
Introducao hidrologiaIntroducao hidrologia
Introducao hidrologiaCleide Soares
 
Projeto de sistema de drenagem (Completo)
Projeto de sistema de drenagem (Completo)Projeto de sistema de drenagem (Completo)
Projeto de sistema de drenagem (Completo)Giovani Aurélio Costa
 
Exercício dimensionamento de lagoa facultativa (1)
Exercício dimensionamento de lagoa facultativa (1)Exercício dimensionamento de lagoa facultativa (1)
Exercício dimensionamento de lagoa facultativa (1)Giovanna Ortiz
 
Perdas de cargas em tubulações
Perdas de cargas em tubulaçõesPerdas de cargas em tubulações
Perdas de cargas em tubulaçõesVivi Basilio
 
Aula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método RacionalAula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método RacionalLucas Sant'ana
 
Barragens e Reservatórios
Barragens e Reservatórios Barragens e Reservatórios
Barragens e Reservatórios Ozi Carvalho
 
Ensaios e Investigações Geotécnicas: SPT e CPT
Ensaios e Investigações Geotécnicas: SPT e CPTEnsaios e Investigações Geotécnicas: SPT e CPT
Ensaios e Investigações Geotécnicas: SPT e CPTCaio Talarico
 
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradasAula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradasGiovanna Ortiz
 

Mais procurados (20)

Hidráulica de Canais
Hidráulica de CanaisHidráulica de Canais
Hidráulica de Canais
 
Aula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbanaAula 8 drenagem urbana
Aula 8 drenagem urbana
 
Exercicios resolvidos hidraulica
Exercicios resolvidos hidraulicaExercicios resolvidos hidraulica
Exercicios resolvidos hidraulica
 
Apresentação vertedores
Apresentação vertedoresApresentação vertedores
Apresentação vertedores
 
Drenagem de Taludes
Drenagem de TaludesDrenagem de Taludes
Drenagem de Taludes
 
4 cinematica dos fluidos exercícios
4 cinematica dos fluidos exercícios4 cinematica dos fluidos exercícios
4 cinematica dos fluidos exercícios
 
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água paraNbr 12216 92   projeto de estação de tratamento de água para
Nbr 12216 92 projeto de estação de tratamento de água para
 
Escoamento Laminar e turbulento
Escoamento Laminar e turbulentoEscoamento Laminar e turbulento
Escoamento Laminar e turbulento
 
Exercícios dimensionamento de floculadores
Exercícios dimensionamento de floculadoresExercícios dimensionamento de floculadores
Exercícios dimensionamento de floculadores
 
Estradas drenagem superficial - oficial
Estradas drenagem superficial - oficialEstradas drenagem superficial - oficial
Estradas drenagem superficial - oficial
 
Introducao hidrologia
Introducao hidrologiaIntroducao hidrologia
Introducao hidrologia
 
Projeto de sistema de drenagem (Completo)
Projeto de sistema de drenagem (Completo)Projeto de sistema de drenagem (Completo)
Projeto de sistema de drenagem (Completo)
 
Exercício dimensionamento de lagoa facultativa (1)
Exercício dimensionamento de lagoa facultativa (1)Exercício dimensionamento de lagoa facultativa (1)
Exercício dimensionamento de lagoa facultativa (1)
 
Perdas de cargas em tubulações
Perdas de cargas em tubulaçõesPerdas de cargas em tubulações
Perdas de cargas em tubulações
 
Drenagem Superficial
Drenagem SuperficialDrenagem Superficial
Drenagem Superficial
 
Aula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método RacionalAula Hidrologia - Método Racional
Aula Hidrologia - Método Racional
 
10 fundacoes em_tubuloes
10 fundacoes em_tubuloes10 fundacoes em_tubuloes
10 fundacoes em_tubuloes
 
Barragens e Reservatórios
Barragens e Reservatórios Barragens e Reservatórios
Barragens e Reservatórios
 
Ensaios e Investigações Geotécnicas: SPT e CPT
Ensaios e Investigações Geotécnicas: SPT e CPTEnsaios e Investigações Geotécnicas: SPT e CPT
Ensaios e Investigações Geotécnicas: SPT e CPT
 
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradasAula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
Aula 7 lagoas anaeróbias e lagoas aeradas
 

Semelhante a O que são espigões portuários e suas funções

Trabalho de geologia
Trabalho de geologia   Trabalho de geologia
Trabalho de geologia biomaniacas
 
Zonas Costeiras C2
Zonas Costeiras C2Zonas Costeiras C2
Zonas Costeiras C2sshjj2
 
trabalho
trabalhotrabalho
trabalhosshjj2
 
ApresentaçãO1
ApresentaçãO1ApresentaçãO1
ApresentaçãO1sshjj2
 
Trabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteTrabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteMaria Paredes
 
Zonas costeiras
Zonas costeirasZonas costeiras
Zonas costeirasdanikj
 
Nota técnica | CONTENSÃO DE EROSÃO COSTEIRA
Nota técnica | CONTENSÃO DE EROSÃO COSTEIRANota técnica | CONTENSÃO DE EROSÃO COSTEIRA
Nota técnica | CONTENSÃO DE EROSÃO COSTEIRAMarco Lyra
 
Geomorfologia litorânea
Geomorfologia litorâneaGeomorfologia litorânea
Geomorfologia litorâneaHenrique Soares
 
Relatório de visita de estudo ao litoral norte
Relatório de visita de estudo ao litoral norteRelatório de visita de estudo ao litoral norte
Relatório de visita de estudo ao litoral norteMaria Paredes
 
O relevo litoral
O relevo litoralO relevo litoral
O relevo litoralclaudiamf11
 
Geologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertenteGeologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertenteCientistasMalucas
 
Estrutura de proteção ponta negra-rn
Estrutura de proteção   ponta negra-rnEstrutura de proteção   ponta negra-rn
Estrutura de proteção ponta negra-rnPrefeitura do Natal
 
1 ocupação antrópica - zonas costeiras
1   ocupação antrópica - zonas costeiras1   ocupação antrópica - zonas costeiras
1 ocupação antrópica - zonas costeirasmargaridabt
 
Zonas costeiras
Zonas costeirasZonas costeiras
Zonas costeiraschave1999
 
Zonas costeiras
Zonas costeirasZonas costeiras
Zonas costeiraschave1999
 
Geologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertenteGeologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertenteCientistasMalucas
 

Semelhante a O que são espigões portuários e suas funções (20)

Trabalho de geologia
Trabalho de geologia   Trabalho de geologia
Trabalho de geologia
 
Zonas Costeiras C2
Zonas Costeiras C2Zonas Costeiras C2
Zonas Costeiras C2
 
trabalho
trabalhotrabalho
trabalho
 
ApresentaçãO1
ApresentaçãO1ApresentaçãO1
ApresentaçãO1
 
Ocupação Antrópica
Ocupação AntrópicaOcupação Antrópica
Ocupação Antrópica
 
Sistemas dunares
Sistemas dunaresSistemas dunares
Sistemas dunares
 
Trabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteTrabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norte
 
Zonas costeiras
Zonas costeirasZonas costeiras
Zonas costeiras
 
Nota técnica | CONTENSÃO DE EROSÃO COSTEIRA
Nota técnica | CONTENSÃO DE EROSÃO COSTEIRANota técnica | CONTENSÃO DE EROSÃO COSTEIRA
Nota técnica | CONTENSÃO DE EROSÃO COSTEIRA
 
Geomorfologia litorânea
Geomorfologia litorâneaGeomorfologia litorânea
Geomorfologia litorânea
 
Relatório de visita de estudo ao litoral norte
Relatório de visita de estudo ao litoral norteRelatório de visita de estudo ao litoral norte
Relatório de visita de estudo ao litoral norte
 
Resumo geologia (0)
Resumo geologia (0)Resumo geologia (0)
Resumo geologia (0)
 
O relevo litoral
O relevo litoralO relevo litoral
O relevo litoral
 
Geografia[1]
Geografia[1]Geografia[1]
Geografia[1]
 
Geologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertenteGeologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertente
 
Estrutura de proteção ponta negra-rn
Estrutura de proteção   ponta negra-rnEstrutura de proteção   ponta negra-rn
Estrutura de proteção ponta negra-rn
 
1 ocupação antrópica - zonas costeiras
1   ocupação antrópica - zonas costeiras1   ocupação antrópica - zonas costeiras
1 ocupação antrópica - zonas costeiras
 
Zonas costeiras
Zonas costeirasZonas costeiras
Zonas costeiras
 
Zonas costeiras
Zonas costeirasZonas costeiras
Zonas costeiras
 
Geologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertenteGeologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertente
 

Último

Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasCasa Ciências
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfdottoor
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?MrciaRocha48
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfdio7ff
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 

Último (20)

Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de PartículasRecurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
Recurso Casa das Ciências: Sistemas de Partículas
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
Empreendedorismo: O que é ser empreendedor?
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdfHABILIDADES ESSENCIAIS  - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
HABILIDADES ESSENCIAIS - MATEMÁTICA 4º ANO.pdf
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 

O que são espigões portuários e suas funções

  • 1. OBRAS PORTUÁRIAS DE ABRIGO ESPIGÕES
  • 2. A agitação permanente das águas do mar (ondas) impede a acostagem em zonas abertas, sendo que ela só possível em certos locais menos expostos ou mais abrigados.
  • 3. Além disso, para que estes locais sirvam de porto a um determinado tipo de embarcação, é necessário também que haja profundidade compatível com o seu calado e condições de acesso que permitam o tráfego: largura, conformação em planta, tranqüilidade das águas, etc.
  • 4. Apesar desses fatores, a escolha da localização de um novo porto geralmente é determinada por imposições relacionadas à infra-estrutura existente no continente, ou seja, com a infra- estrutura viária, rodoviária, ferroviária, industrial e de produção.
  • 5. Nesse contexto, os critérios relacionados ao lado marítimo ficam em segundo plano. Ou seja, muitas vezes, o local escolhido não dispõe dessas condições de profundidade, tranqüilidade, acesso e outras que facilitam as operações portuárias, sendo necessárias obras de melhoramento dos portos.
  • 6. OBRAS PORTUÁRIAS DE ABRIGO As estruturas de abrigo tem as funções de reduzir os efeitos das correntes marítimas que atinjam os navios atracados e para conter o avanço da erosão na área e desassorear o canal, melhorando a navegabilidade das embarcações. Ex.: os molhes, os espigões, guias-correntes, quebra-mares etc.
  • 7. Quebra-mar - estrutura de proteção para mitigar efeitos das ondas (duas extremidades o oceano); geralmente feitas por enrocamento ou blocos de concreto com geometria específica;
  • 8. Molhes - estrutura de proteção para mitigar efeitos das ondas (possui uma extremidade no continente e outro oceano); Espigões – estruturas enraizadas no continente, com a função de atenuar efeitos decorrentes.
  • 9. ESPIGÕES • Espigão Costeiro, em São Luís-MA.
  • 10. ESPIGÕES Estrutura rígida de engenharia costeira, disposta transversalmente ao desenvolvimento da linha de costa.
  • 11. Em geral, os espigões são retilíneos, mas podem ter forma em T ou em L, ou mesmo mais complexas, como curvilíneas, em Z e ondulada.
  • 12. ESPIGÕES A parte superior da estrutura (coroamento) pode estar emersa ou submersa ou ter uma parte emersa e outra submersa. Podem, ainda, ser do tipo permeável (permitindo que a água e algum sedimento os atravesse) ou impermeável.
  • 13. ESPIGÕES O efeito de um único esporão é a acumulação da praia a barlamar e a erosão da praia a sotamar através do controle ou pelo menos modificação dos fenômenos hidrodinâmicos associados à agitação e às marés bem como, da sua interferência na corrente de deriva litoral.
  • 14. O espigão pode ser também empregado em conjunto, sendo chamado de campo de espigões. Campo de espigões – Olinda-PE
  • 15. Essa é uma solução para minimizar os efeitos da erosão no sotavento. O comprimento, a cota de coroamento e o espaçamento entre esporões são condicionados pela amplitude da maré, pela energia da onda incidente e pelo pendor da praia.
  • 16. Nesse caso, a construção pode ser efetuada em etapas, iniciando pelo sotamar, adicionando novos espigões sempre que for atingida a capacidade de retenção máxima.
  • 17. Quando a construção dos espigões se realiza em uma só etapa, os espigões de barlamar preenchem primeiro, sendo o campo preenchido de barlamar para sotamar, a medida em que os espigões de barlamar são preenchidos e os sedimentos os contornam.
  • 18. As construções de espigões não são indicadas para áreas onde o transporte de sedimentos litorâneos for fraco, pois as erosões a sotamar podem ser graves. Isto também pode ocorrer quando o rumo deste transporte de sedimentos for variável, pois reduz a eficácia da obra.
  • 19. Constituem as estruturas mais vulgarizadas de proteção costeira. Devido aos impactos negativos que induzem a sotamar, bem como por razões estéticas, a sua construção é cada vez mais polémica, sendo preferível, com frequência, adoptar outras técnicas de protecção ambientalmente menos agressivas.
  • 20. MATERIAIS Entre os materiais que têm sido utilizados referem-se concreto, blocos de rocha (enrocamento), gabiões, sacos com areia ou pedras, madeira e metal.
  • 21. MATERIAIS Os espigões são geralmente construídos através de enrocamentos, com a vantagem de formar estruturas flexíveis, adaptáveis aos assentamentos do terreno. Também é possível aplicar o sistema de gabiões, particularmente nos trechos em que as estruturas ficarão assoreadas, ou sacos preenchidos com argamassa de alta resistência.