SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Complexo Convectivo de Mesoescala
C
i
r
o
L
o
p
e
s
Os CCMs são caracterizados por um conjunto de
nuvens de grande desenvolvimento vertical (cb), que se
extendem por centenas de quilômetros com duração
mínima de 6 horas. Na imagem de satélite apresentam
forma circular com alta reflectância devido ao gelo no
topo das nuvens.
Complexo convectivo de
Mesoescala (CCM) no Brasil
Os CCMs são responsáveis pela maior
parte da precipitação nos trópicos e em várias
localidades de latitudes médias durante a
estação quente.
Complexo convectivo de
Mesoescala (CCM) no Brasil
1. Tamanho
2. Forma
3. Tempo de vida
Critérios de classificação
Maddox (1980)
Tamanho
O sistema deve apresentar cobertura de
nuvens com temperaturas no infravermelho
menores que -32°C e com área de 100.000
Km². A região mais interna da nuvem deve
apresentar temperaturas inferiores a -52°C e
com área de 50.000 Km².
Forma
O sistema deve ter formato
circular com excentricidade (eixo
menor/maior) maior que 0,7.
Tempo de vida
É caracterizado quando as duas
condições descritas na classificação
de tamanho ocorrem por um período
superior a 6 horas.
Observação
Quando as características
incluídas na definição não forem
observadas, os sistemas são
denominados genericamente de
SCMs.
Ciclo de Vida
 Gênese
 Maduro
 Dissipação
Gênese
Nas regiões subtropicais ocorre no
final da tarde e início da noite, quando
células convectivas isoladas se
desenvolvem e se unificam em áreas
com condições favoráveis a convecção.
No Brasil
Os fluxos de calor e umidade
(durante o período da noite)
provenientes da região amazônica
passam a fornecer condições
necessárias para que esses sistemas
cresçam.
Estágio maduro
Geralmente, ocorre durante a madrugada,
coincidindo com o horário de máxima
intensidade do Jato de baixos níveis. Nessa
fase, tempestades severas podem ocorrer.
Entretanto, a condição principal de tempo são
as fortes chuvas localizadas.
Estágio de dissipação
Os fluxos de calor e de umidade são
reduzidos (por volta das 12:00 UTC), em
razão do aumento dos processos turbulentos.
A circulação do tipo vale-montanha também
contribui durante o processo de dissipação.
Ocorrência dos CCMs
Grande número de ocorrências durante a
primavera e verão, de preferência na faixa
latitudinal entre 15° e 30°S.
Dependência geográfica
A gênese dos complexos revela grande
dependência da situação geográfica
relacionadas a:
– Topografia
– Circulação noturna (vales)
– Fluxo de ar quente e úmido proveniente da
região amazônica.
Topografia
A cadeia de montanhas dos Andes
a oeste, o vale dos rios Paraná e
Paraguai e, mais a leste, a Serra do
Mar.
Circulação noturna
A baixa pressão à superfície no vale da bacia do
Prata inicia o processo de convecção, associada à
brisa vale-montanha proveniente das encostas dos
Andes. A convecção local é realimentada por ar quente
e úmido vindos da Amazônia transportados pelos
JBNs. Os JBNs são mecanismos eficientes que afetam
o transporte de umidade e calor em baixos níveis,
ligados a estrutura dos CCMs.
Muitas vezes na forma de um jato
de ar com máxima velocidade
aproximadamente a 3.000 m acima
do nível médio do mar, o chamado
Jato de Baixos Níveis.
Fluxo de ar quente e úmido proveniente
da região amazônica
Grande escala
A Alta da Bolívia e a Baixa do Chaco atuam
para gerar convergência e movimentos
ascendentes, condições necessárias para
desencadear a convecção.
Jato de Baixos Níveis
O JBN representa um dos mecanismos
dinâmicos responsáveis pelo transporte de
calor e umidade da região amazônica para as
regiões preferenciais de formação de CCMs,
contribuindo com os índices pluviométricos
nessa região.
Cordilheira dos Andes
Exerce um papel fundamental no ciclo de
vida dos CCMs. O ciclo de vida dos
complexos pode ser explicados
principalmente pela associação de dois
mecanismos:
– O ciclo diurno do JBN e o escoamento
catabático, que são “combustíveis”
necessários para a convecção.
Sudeste do Brasil
Verifica-se uma correlação negativa dos
CCMs com a presença da ZCAS. Durante
períodos de ZCAS os CCMs não são
observados, porque os JBNs que fornecem
calor e umidade para os CCMs são fracos.
Trajetória dos CCMs
Os CCMs subtropicais iniciam-se a leste dos Andes em
torno de 250 S e sobre os vales dos rios Paraná e
Paraguai. Figueiredo e Scobar (1996) verificaram que
dos 25 casos estudados 70% deslocaram para leste e
sudeste, atingindo o Rio Grande do Sul, Santa Catarina e
Paraná, e 30% deslocaram-se para nordeste e norte,
atingindo a região sudeste do Brasil.
Trajetória dos CCMs
Segundo Figueiredo e Scobar (1996) os
CCMs na fase de gênese ocorrem
predominantemente no nordeste da argentina ou
nas áreas central e sul do Paraguai, e se
deslocam em direção a leste, para a região sul
do Brasil. Apenas uma pequena parcela se
desloca nas direções norte e nordeste, atingindo
as regiões sudeste e centro-oeste do Brasil.
Ocorrem preferencialmente entre os meses de
novembro e março.
Regiões de ocorrência
Além da bacia do Prata, os CCMs ocorrem
em toda parte e em outras regiões brasileiras,
como na costa do nordeste e Amazônia. Os
CCMs tropicais geralmente são modulados por
ventos de leste em baixos níveis e ventos de
norte em altos níveis, que intensificam a
convecção e a forma circular. Os CCMs
tropicais são menos intensos que os
subtropicais que ocorrem a leste dos Andes
próximos ao Paraguai e Argentina.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

L'effetto serra in una bottiglia
L'effetto serra in una bottigliaL'effetto serra in una bottiglia
L'effetto serra in una bottiglia
Progetto Pervinca
 
6.5 - El Nino
6.5 - El Nino6.5 - El Nino
6.5 - El Nino
Ecumene
 
Climate regions
Climate regionsClimate regions
Climate regions
san pacman
 
El nino and La nina
El nino and La ninaEl nino and La nina
El nino and La nina
Thermal Aid
 
diapositivas sobre el clima
diapositivas sobre el climadiapositivas sobre el clima
diapositivas sobre el clima
daanitzaa
 

Mais procurados (20)

Monsoons
MonsoonsMonsoons
Monsoons
 
Fronts
FrontsFronts
Fronts
 
L'effetto serra in una bottiglia
L'effetto serra in una bottigliaL'effetto serra in una bottiglia
L'effetto serra in una bottiglia
 
6.5 - El Nino
6.5 - El Nino6.5 - El Nino
6.5 - El Nino
 
Climate regions
Climate regionsClimate regions
Climate regions
 
Seasons wd equinox & solstice
Seasons wd equinox & solsticeSeasons wd equinox & solstice
Seasons wd equinox & solstice
 
El nino - The arrival of Warm water
El nino - The arrival of Warm waterEl nino - The arrival of Warm water
El nino - The arrival of Warm water
 
Climate: Climatic Change - Evidence, Cycles and The Future
Climate: Climatic Change - Evidence, Cycles and The FutureClimate: Climatic Change - Evidence, Cycles and The Future
Climate: Climatic Change - Evidence, Cycles and The Future
 
Climas ppt
Climas pptClimas ppt
Climas ppt
 
Energy budgets
Energy budgetsEnergy budgets
Energy budgets
 
El nino and La nina
El nino and La ninaEl nino and La nina
El nino and La nina
 
The Hydrologic Cycle
The Hydrologic CycleThe Hydrologic Cycle
The Hydrologic Cycle
 
Milankovitch theory
Milankovitch theoryMilankovitch theory
Milankovitch theory
 
El nino and la nina
El nino and la ninaEl nino and la nina
El nino and la nina
 
Movement of Ocean water
Movement of Ocean waterMovement of Ocean water
Movement of Ocean water
 
THE MOON
THE MOONTHE MOON
THE MOON
 
Spheres of the earth
Spheres of the earthSpheres of the earth
Spheres of the earth
 
Stratosphere
StratosphereStratosphere
Stratosphere
 
diapositivas sobre el clima
diapositivas sobre el climadiapositivas sobre el clima
diapositivas sobre el clima
 
Atmospheric circulation-Climatology Chapter
Atmospheric circulation-Climatology ChapterAtmospheric circulation-Climatology Chapter
Atmospheric circulation-Climatology Chapter
 

Semelhante a Complexo Convectivo de Mesoescala

Apresentação de tempo e clima
Apresentação de tempo e climaApresentação de tempo e clima
Apresentação de tempo e clima
amorimgeo
 
Brasil – massas de ar e clima
Brasil – massas de ar e climaBrasil – massas de ar e clima
Brasil – massas de ar e clima
Professor
 
Brasil – massas de ar e clima
Brasil – massas de ar e climaBrasil – massas de ar e clima
Brasil – massas de ar e clima
Professor
 

Semelhante a Complexo Convectivo de Mesoescala (20)

Adversidades climáticas geradoras de eventos de inundação
Adversidades climáticas geradoras de eventos de inundaçãoAdversidades climáticas geradoras de eventos de inundação
Adversidades climáticas geradoras de eventos de inundação
 
Climatologia da Região Norte
Climatologia da Região NorteClimatologia da Região Norte
Climatologia da Região Norte
 
Atividades sobre climas
Atividades sobre climasAtividades sobre climas
Atividades sobre climas
 
GEO PSC1 - Clima na Amazônia
GEO PSC1 - Clima na AmazôniaGEO PSC1 - Clima na Amazônia
GEO PSC1 - Clima na Amazônia
 
Apresentação de tempo e clima
Apresentação de tempo e climaApresentação de tempo e clima
Apresentação de tempo e clima
 
clima e massas de ar.ppt
clima e massas de ar.pptclima e massas de ar.ppt
clima e massas de ar.ppt
 
Fundamentos da climatologia
Fundamentos da climatologiaFundamentos da climatologia
Fundamentos da climatologia
 
06 inmet-course-portuguese-capitulo-6
06 inmet-course-portuguese-capitulo-606 inmet-course-portuguese-capitulo-6
06 inmet-course-portuguese-capitulo-6
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Aula3
Aula3Aula3
Aula3
 
Climatologia
Climatologia Climatologia
Climatologia
 
Brasil – massas de ar e clima
Brasil – massas de ar e climaBrasil – massas de ar e clima
Brasil – massas de ar e clima
 
Tempo e Clima
Tempo e ClimaTempo e Clima
Tempo e Clima
 
1º ANO -Tempo e Clima
1º ANO -Tempo e Clima1º ANO -Tempo e Clima
1º ANO -Tempo e Clima
 
Clima
ClimaClima
Clima
 
Brasil – massas de ar e clima
Brasil – massas de ar e climaBrasil – massas de ar e clima
Brasil – massas de ar e clima
 
Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2Sext oano unidade 6_tema1e2
Sext oano unidade 6_tema1e2
 
6º ano unidade 6
6º ano unidade 6 6º ano unidade 6
6º ano unidade 6
 
O espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - ClimaO espaço natural brasileiro - Clima
O espaço natural brasileiro - Clima
 
06092018072941290.pdf
06092018072941290.pdf06092018072941290.pdf
06092018072941290.pdf
 

Último

GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
rarakey779
 

Último (20)

"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimentoApresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
Apresentação de vocabulário fundamental em contexto de atendimento
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anosFotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
Fotossíntese para o Ensino médio primeiros anos
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 

Complexo Convectivo de Mesoescala

  • 1. Complexo Convectivo de Mesoescala C i r o L o p e s
  • 2. Os CCMs são caracterizados por um conjunto de nuvens de grande desenvolvimento vertical (cb), que se extendem por centenas de quilômetros com duração mínima de 6 horas. Na imagem de satélite apresentam forma circular com alta reflectância devido ao gelo no topo das nuvens. Complexo convectivo de Mesoescala (CCM) no Brasil
  • 3. Os CCMs são responsáveis pela maior parte da precipitação nos trópicos e em várias localidades de latitudes médias durante a estação quente. Complexo convectivo de Mesoescala (CCM) no Brasil
  • 4. 1. Tamanho 2. Forma 3. Tempo de vida Critérios de classificação Maddox (1980)
  • 5. Tamanho O sistema deve apresentar cobertura de nuvens com temperaturas no infravermelho menores que -32°C e com área de 100.000 Km². A região mais interna da nuvem deve apresentar temperaturas inferiores a -52°C e com área de 50.000 Km².
  • 6. Forma O sistema deve ter formato circular com excentricidade (eixo menor/maior) maior que 0,7.
  • 7. Tempo de vida É caracterizado quando as duas condições descritas na classificação de tamanho ocorrem por um período superior a 6 horas.
  • 8. Observação Quando as características incluídas na definição não forem observadas, os sistemas são denominados genericamente de SCMs.
  • 9. Ciclo de Vida  Gênese  Maduro  Dissipação
  • 10. Gênese Nas regiões subtropicais ocorre no final da tarde e início da noite, quando células convectivas isoladas se desenvolvem e se unificam em áreas com condições favoráveis a convecção.
  • 11. No Brasil Os fluxos de calor e umidade (durante o período da noite) provenientes da região amazônica passam a fornecer condições necessárias para que esses sistemas cresçam.
  • 12. Estágio maduro Geralmente, ocorre durante a madrugada, coincidindo com o horário de máxima intensidade do Jato de baixos níveis. Nessa fase, tempestades severas podem ocorrer. Entretanto, a condição principal de tempo são as fortes chuvas localizadas.
  • 13. Estágio de dissipação Os fluxos de calor e de umidade são reduzidos (por volta das 12:00 UTC), em razão do aumento dos processos turbulentos. A circulação do tipo vale-montanha também contribui durante o processo de dissipação.
  • 14. Ocorrência dos CCMs Grande número de ocorrências durante a primavera e verão, de preferência na faixa latitudinal entre 15° e 30°S.
  • 15. Dependência geográfica A gênese dos complexos revela grande dependência da situação geográfica relacionadas a: – Topografia – Circulação noturna (vales) – Fluxo de ar quente e úmido proveniente da região amazônica.
  • 16. Topografia A cadeia de montanhas dos Andes a oeste, o vale dos rios Paraná e Paraguai e, mais a leste, a Serra do Mar.
  • 17. Circulação noturna A baixa pressão à superfície no vale da bacia do Prata inicia o processo de convecção, associada à brisa vale-montanha proveniente das encostas dos Andes. A convecção local é realimentada por ar quente e úmido vindos da Amazônia transportados pelos JBNs. Os JBNs são mecanismos eficientes que afetam o transporte de umidade e calor em baixos níveis, ligados a estrutura dos CCMs.
  • 18. Muitas vezes na forma de um jato de ar com máxima velocidade aproximadamente a 3.000 m acima do nível médio do mar, o chamado Jato de Baixos Níveis. Fluxo de ar quente e úmido proveniente da região amazônica
  • 19. Grande escala A Alta da Bolívia e a Baixa do Chaco atuam para gerar convergência e movimentos ascendentes, condições necessárias para desencadear a convecção.
  • 20. Jato de Baixos Níveis O JBN representa um dos mecanismos dinâmicos responsáveis pelo transporte de calor e umidade da região amazônica para as regiões preferenciais de formação de CCMs, contribuindo com os índices pluviométricos nessa região.
  • 21. Cordilheira dos Andes Exerce um papel fundamental no ciclo de vida dos CCMs. O ciclo de vida dos complexos pode ser explicados principalmente pela associação de dois mecanismos: – O ciclo diurno do JBN e o escoamento catabático, que são “combustíveis” necessários para a convecção.
  • 22. Sudeste do Brasil Verifica-se uma correlação negativa dos CCMs com a presença da ZCAS. Durante períodos de ZCAS os CCMs não são observados, porque os JBNs que fornecem calor e umidade para os CCMs são fracos.
  • 23. Trajetória dos CCMs Os CCMs subtropicais iniciam-se a leste dos Andes em torno de 250 S e sobre os vales dos rios Paraná e Paraguai. Figueiredo e Scobar (1996) verificaram que dos 25 casos estudados 70% deslocaram para leste e sudeste, atingindo o Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, e 30% deslocaram-se para nordeste e norte, atingindo a região sudeste do Brasil.
  • 24. Trajetória dos CCMs Segundo Figueiredo e Scobar (1996) os CCMs na fase de gênese ocorrem predominantemente no nordeste da argentina ou nas áreas central e sul do Paraguai, e se deslocam em direção a leste, para a região sul do Brasil. Apenas uma pequena parcela se desloca nas direções norte e nordeste, atingindo as regiões sudeste e centro-oeste do Brasil. Ocorrem preferencialmente entre os meses de novembro e março.
  • 25. Regiões de ocorrência Além da bacia do Prata, os CCMs ocorrem em toda parte e em outras regiões brasileiras, como na costa do nordeste e Amazônia. Os CCMs tropicais geralmente são modulados por ventos de leste em baixos níveis e ventos de norte em altos níveis, que intensificam a convecção e a forma circular. Os CCMs tropicais são menos intensos que os subtropicais que ocorrem a leste dos Andes próximos ao Paraguai e Argentina.