SlideShare uma empresa Scribd logo
Transtorno Bipolar
(Transtornos do Humor)
Liberty Ensino
Os sintomas da maniaem idosos são semelhantes àqueles de adultos mais jovens e
incluem euforia, humor expansivoe irritável,necessidade de sono diminuída, fácil
distração, impulsividade e, freqüentemente, consumo excessivode álcool.Pode
haver um comportamento hostil e desconfiado. Quando um primeiro episódio de
comportamento maníacoocorre após os 65 anos, deve-se alertar para uma causa
orgânica associada. O tratamento deve ser feito com medicação cuidadosamente
controlada pelo médico.
Liberty Ensino
Transtorno Delirante
A idade de início ocorre por volta da meia-idade mas pode ocorrer em idosos. Os sintomas
são alterações do pensamento mais comumente de natureza persecutória (os pacientes
crêem que estão sendo espionados, seguidos, envenenados ou de algum modo
assediados). Podem tornar-se violentos contra seus supostos perseguidores, trancarem-se
em seus aposentos e viverem em reclusão. A natureza dos pensamentos pode ser em
relação ao corpo, como acreditar ter uma doença fatal (hipocondria).
Ocorre sob estresse físico ou psicológico em indivíduos vulneráveis e pode ser precipitado
pela morte do cônjuge, perda do emprego, aposentadoria, isolamento social,
circunstâncias financeiras adversas, doenças médicas que debilitam ou por cirurgia,
comprometimento visual e surdez.
As alterações do pensamento podem acompanhar outras doenças psiquiátricas que
devem ser descartadas como demência tipo Alzheimer, transtornos por uso de álcool,
esquizofrenia, transtornos depressivos e transtorno bipolar. Além disso, podem ser
secundárias ao uso de medicamentos ou sinais precoces de um tumor cerebral.
Liberty Ensino
Transtornos de Ansiedade
Incluem transtornos de pânico, fobias, TOC, ansiedade generalizada, de estresse agudo e de estresse
pós-traumático. Desses, os mais comuns são as fobias.
Os transtornos de ansiedade começam no início ou no período intermediário da idade adulta, mas
alguns aparecem pela primeira vez após os 60 anos.
As características são as mesmas das descritas em transtornos de ansiedade em outras faixas etárias.
Em idosos a fragilidade do sistema nervoso autônomo pode explicar o desenvolvimento de ansiedade
após um estressor importante. O transtorno de estresse pós-traumático freqüentemente é mais severo
nos idosos que em indivíduos mais jovens em vista da debilidade física concomitante nos idosos.
As obsessões (pensamento, sentimento, idéia ou sensação intrusiva e persistente) e compulsões
(comportamento consciente e repetitivo como contar, verificar ou evitar ou um pensamento que
serve para anular uma obsessão) podem aparecer pela primeira vez em idosos, embora geralmente
seja possível encontrar esses sintomas em pessoas que eram mais organizadas, perfeccionistas,
pontuais e parcimoniosas. Tornam-se excessivos em seu desejo por organização, rituais e
necessidade excessiva de manter rotinas. Podem ter compulsões para verificar as coisas
repetidamente, tornando-se geralmente inflexíveis e rígidos.
Transtornos Somatoformes
Liberty ensino
São um grupo de transtornos que incluem sintomas físicos (por exemplo dores, náuseas
e tonturas) para os quais não pode ser encontrada uma explicação médica
adequada e que são suficientemente sérios para causarem um sofrimento
emocional ou prejuízo significativo à capacidade do paciente para funcionar em
papéis sociais e ocupacionais. Nesses transtornos, os fatores psicológicos são
grandes contribuidores para o início, a severidade e a duração dos sintomas. Não
são resultado de simulação consciente.
A hipocondria é comum em pacientes com mais de 60 anos, embora o seja mais
freqüente entre 40 e 50 anos. Exames físicos repetidos são úteis para garantirem aos
pacientes que eles não têm uma doença fatal. A queixa é real, a dor é verdadeira
e percebida como tal pelo paciente. Ao tratamento, deve-se dar um enfoque
psicológicoou farmacológico.
Transtornos por Uso de Álcool e Outras
Substâncias
Liberty Ensino
Os pacientes idosos com dependência de álcool, geralmente, apresentam uma
história de consumo excessivo que começou na idade adulta e apresenta uma
doença médica, principalmente doença hepática. Além disso, um grande número
tem demência causada pelo álcool.
A dependência de substâncias como hipnóticos, ansiolíticos e narcóticos é comum. Os
pacientes idosos podem abusar de ansiolíticos para o alívio da ansiedade crônica
ou para garantirem uma noite de sono.
A apresentação clínica é variada e inclui quedas, confusão mental, fraca higiene
pessoal, depressão e desnutrição.
Depressão
Liberty Ensino
Sinônimos e nomes relacionados:
Transtorno depressivo, depressão maior, depressão unipolar, incluindo ainda tipos diferenciados de
depressão, como depressão grave, depressão psicótica, depressão atípica, depressão endógena,
melancolia, depressão sazonal.
O que é a depressão?
Depressão é uma doença que se caracteriza por afetar o estado de humor da pessoa, deixando-a com um
predomínio anormal de tristeza. Todas as pessoas, homens e mulheres, de qualquer faixa etária, podem ser
atingidas, porém mulheres são duas vezes mais afetadas que os homens. Em crianças e idosos a doença
tem características particulares, sendo a sua ocorrência em ambos os grupos também freqüente.
Como se desenvolve a depressão?
Na depressão como doença (transtorno depressivo), nem sempre é possível haver clareza sobre
quais acontecimentos da vida levaram a pessoa a ficar deprimida, diferentemente das reações
depressivas normais e das reações de ajustamento depressivo, nas quais é possível localizar o
evento desencadeador.
As causas de depressão são múltiplas, de
maneira que somadas podem iniciar a doença.
Deve-sea questões constitucionais da pessoa,
com fatores genéticos e neuroquímicos
(neurotransmissores cerebrais) somados a
fatores ambientais, sociais e psicológicos, como:
• Estresse
• Estilo de vida
• Acontecimentos vitais, tais como crises
e separações conjugais, morte na
família, climatério, crise da meia-idade,
entre outros.
Como se diagnostica a depressão?
Na depressão a intensidade do sofrimento é intensa,
durando a maior parte do dia por pelo menos duas
semanas, nem sempre sendo possível saber porque a
pessoa está assim. O mais importante é saber como
a pessoa se sente, como ela continua organizando a
sua vida (trabalho, cuidados domésticos, cuidados
pessoais com higiene, alimentação, vestuário) e
como ela está se relacionando com outras pessoas,
a fim de se diagnosticar a doença e se iniciar um
tratamentomédico eficaz.
O que sente a pessoa deprimida?
Freqüentementeo indivíduodeprimido sente-se triste e
desesperançado, desanimado, abatido ou " na fossa ",
com " baixo-astral ". Muitas pessoas com depressão,
contudo,negam a existência de tais sentimentos, que
podem aparecer de outrasmaneiras, como por um
sentimento de raiva persistente, ataques de ira ou
tentativasconstantesde culpar os outros, ou mesmo ainda
com inúmeras dores pelo corpo, sem outrascausas
médicas que as justifiquem. Pode ocorrer também uma
perda de interesse por atividadesque antes eram capazes
de dar prazer à pessoa, como atividadesrecreativas,
passatempos, encontrossociais e prática de esportes. Tais
eventosdeixam de ser agradáveis.Geralmente o sono e a
alimentação estão também alterados, podendo haver
diminuição do apetite, ou mesmo o oposto, seu aumento,
havendoperda ou ganhode peso. Em relação ao sono
pode ocorrer insônia, com a pessoa tendo dificuldade para
começar a dormir, ou acordando no meio da noite ou
mesmo mais cedo que o seu habitual, não conseguindo
voltar a dormir. São comuns ainda a sensação de
diminuição de energia, cansaço e fadiga, injustificáveis por
algum outro problema físico.
Como é o pensamento da pessoa deprimida?
Pensamentos que freqüentemente ocorrem com as pessoas deprimidas são os de se sentirem sem
valor, culpando-se em demasia, sentindo-se fracassadas até por acontecimentos do passado. Muitas
vezes questões comuns do dia-a-dia deixam os indivíduos com tais pensamentos. Muitas pessoas
podem ter ainda dificuldade em pensar, sentindo-se com falhas para concentrar-se ou para tomar
decisões antes corriqueiras, sentindo-se incapazes de tomá-las ou exagerando os efeitos
"catastróficos" de suas possíveis decisões erradas.
Pensamentos de morte ou tentativas de suicídio
Freqüentemente a pessoa pode pensar muito em morte, em outras pessoas que já morreram, ou na
sua própria morte. Muitas vezes há um desejo suicida, às vezes com tentativas de se matar, achando
ser esta a " única saída " ou para " se livrar " do sofrimento, sentimentos estes provocados pela
própria depressão, que fazem a pessoa culpar-se, sentir-se inútil ou um peso para os outros. Esse
aspecto faz com que a depressão seja uma das principais causas de suicídio, principalmente em
pessoas deprimidas que vivem solitariamente. É bom lembrar que a própria tendência a isolar-se é
uma conseqüência da depressão, a qual gera um ciclo vicioso depressivo que resulta na perda da
esperança em melhorar naquelas pessoas que não iniciam um tratamento médico adequado.
Sentimentos que afetam a vida diária e os relacionamentos pessoais
Freqüentemente a depressão pode afetar o dia-a-dia da pessoa. Muitas vezes é difícil iniciar o dia,
pelo desânimo e pela tristeza ao acordar. Assim, cuidar das tarefas habituais pode tornar-se um
peso: trabalhar, dedicar-se a uma outra pessoa, cuidar de filhos, entre outros afazeres podem tornar-
se apenas obrigações penosas, ou mesmo impraticáveis, dependendo da gravidade dos sintomas.
Dessa forma, o relacionamento com outras pessoas pode tornar-se prejudicado: dificuldades
conjugais podem acentuar-se, inclusive com a diminuição do desejo sexual; desinteresse por
amizades e por convívio social podem fazer o indivíduo tender a se isolar, até mesmo dificultando a
busca de ajuda médica.
Como se trata a depressão?
O tratamento médico sempre se faz necessário, sendo o tipo de tratamento relacionado à
intensidade dos problemas que a doença traz. Pode haver depressões leves, com poucos aspectos
dos problemas mostrados anteriormente, ou pode haver depressões bem mais graves, prejudicando
de forma importante a vida do indivíduo. De qualquer forma, depressões leves ou mais graves
necessitam de tratamento médico, geralmente medicamentoso (com medicações antidepressivas),
ou psicoterápico, ou a combinação de ambos, de acordo com a intensidade da doença e a
disponibilidade dos tratamentos.
Doença de Alzheimer
Liberty Ensino
1.1. O que é doença de Alzheimer?
A doença de Alzheimer é a mais freqüente forma de demência entre idosos. É caracterizada por
um progressivo e irreversível declínio em certas funções intelectuais: memória, orientação no
tempo e no espaço, pensamento abstrato, aprendizado, incapacidade de realizar cálculos
simples, distúrbios da linguagem, da comunicação e da capacidade de realizar as tarefas
cotidianas. Outros sintomas incluem, mudança da personalidade e da capacidade de
julgamento.
Erroneamente conhecida pela população como “esclerose” ou como o “velhinho gagá” não está
relacionada com problemas circulatórios.
1.2. O que é demência?
Demência é um grupo de sintomas caracterizado por um declínio progressivo das funções
intelectuais, severo o bastante para interferir com as atividades sociais e do cotidiano. A doença
de Alzheimer é a forma mais comum de demência. A segunda causa mais freqüente de
demência é a demência por múltiplos infartos cerebrais, uma série de pequenos derrames. A
demência pode ocorrer também a partir de outras doenças do sistema nervoso como a doença
de Parkinson e a Aids.
O que é Demência Senil?
Demência Senil é um termo ultrapassado que foi usado para definir demências que ocorriam em
idosos.
Quantas pessoas sofrem de doença de Alzheimer?
Estima-se no Brasil 1 milhão e 200 mil pessoas.
A proporção de pessoas com a doença dobra a cada 5 anos a partir dos 65 anos de idade.
Qual é a idade da maioria das pessoas com doença de Alzheimer?
Na maioria das pessoas os sintomas iniciam depois dos 60 anos de idade.
Cerca de 3% das pessoas com idade entre 65 e 74 anos tem a doença mas quase a metade das
que tem 85 ou mais são acometidas. Normalmente o diagnóstico é feito pelo menos um ano
depois dos primeiros sintomas que costumam ser leves e confundidos como normais no
envelhecimento.
1.3. O que causa a doença de Alzheimer ?
Os cientistas ainda não sabem exatamente qual é a causa da doença de Alzheimer. O que se sabe é que a
doença desenvolve-secomo resultado de uma série de eventoscomplexos que ocorrem no interior do cérebro.
A idade é o maior fator de risco para a doença. Quantomais idade maior o risco.
Se uma pessoa da minha família tem Alzheimer eu tenhomaior risco de ter a doença?
Existem dois tipos de doença de Alzheimer: a doença de Alzheimer familiar que ocorre em adultos jovense
parece ter um caráter hereditário importante e a forma esporádica na qual o fator hereditário não é óbvio.
Aproximadamente apenas 5 % da doença de Alzheimer é familiar e 95% esporádica.
Na forma familiar da doença de Alzheimer, vários membros de uma mesma geração são afetados. Na forma
esporádica a doença desenvolve-sea partir de uma grandevariedadede fatores que os cientistas ainda estão
tentandodeterminar.
A idade é o fator de risco mais conhecido e importantepara a forma esporádica da doença de Alzheimer. Ter
um familiar com Alzheimer aumenta o risco duas ou três vezesna forma esporádica mas não há como prever se
vocêirá ter a doença ou não.
Fora a genética, que outros fatores contribuem para que a doença se desenvolva?
Se bem que a causa da doença de Alzheimer ainda não esteja completamente esclarecida, alguns pesquisadores
sugerem que traumas cranianos repetidos, especialmente os com perda da consciência no passado, processos
inflamatórios cerebrais e o chamado “stress oxidativo” podem estar envolvidos na causa da doença.
São os homens ou as mulheres os mais afetados?
Mais mulheres do que homens têm a doença de Alzheimer. Porém, como a expectativa de vida das mulheres é pelo
menos 5 anos superior a dos homens não se sabe se o risco está no sexo em si ou no fato das mulheres viverem mais do
que os homens.
De que modo os traumas cranianos podem contribuir para que a doença de Alzheimer se desenvolva?
Alguns estudos sugerem que a pessoa que sofreu um trauma craniano com perda da consciência no passado, têm duas
vezes mais probabilidade de ter a doença, mas outros estudos não confirmaram essa associação.
O nível educacional está relacionado com o risco de se ter à doença de Alzheimer?
Pesquisas sugerem que quanto maior o número de anos de educação formal que uma pessoa tem, menor é a chance
dela ou dele desenvolver a doença quando for idoso. Alguns estudos sugerem que manter uma atividade intelectual
como fazer palavras cruzadas por exemplo pode reduzir a probabilidade de se adquirir a doença de Alzheimer.
Qual é a relação entre o alumínio e a doença de Alzheimer?
Uma das mais controvertidas hipóteses veiculada pela mídia é sobre a correlação entre o
alumínio e a doença de Alzheimer. Essa suspeita foi originada a partir da constatação de
que portadores da doença de Alzheimer possuíam traços de alumínio em seus cérebros.
Inúmeros estudos não foram capazes de demonstrar conclusivamente essa correlação.
Não se pode afirmar que esse metal desempenhe um papel na gênese da enfermidade.
Algumas pessoas, desinformadas ou mal intencionadas, baseiam seus pseudo-
tratamentos, no mínimo duvidosos como a quelação, apoiados nessa equivocada
premissa.
Quais são os sintomas da doença de Alzheimer?
A doença de Alzheimer é uma enfermidade progressiva e os sintomas agravam-se à
medida que o tempo passa. Mas é também uma doença cujos sintomas, sua gravidade
e velocidade variam de pessoa para pessoa.
Os sintomas mais comuns
são :
 erda de memória, confusão e desorientação.
 Ansiedade, agitação, ilusão, desconfiança.
 Alteração da personalidade e do senso crítico.
 Dificuldades com as atividades da vidadiária
como alimentar-see banhar-se.
 Dificuldade em reconhecer familiares e amigos.
 Dificuldade em tomar decisões.
 Perder-se em ambientes conhecidos.
 Alucinações,inapetência, perda de peso,
incontinênciaurináriae fecal.
 Dificuldades com a fala e a comunicação.
 Movimentos e fala repetitiva.
Perder memória não é normal em
nenhuma idade. É comum à medida
que vamosenvelhecendo.Problemas
com a memória podem ser devidosa
uma ampla gama de fatores. É
normal em qualquer idade esquecer
de vez em quandonomes,
compromissos ou objetos como
chaves,guarda-chuva etc... A causa
pode ser: certos medicamentos
(calmantes e hipnóticos
principalmente), estresse, distração,
tristeza, cansaço, problemas de visão
ou audição, uso de álcool, uma
doença graveou a tentativa de se
lembrar de muitas coisas ao mesmo
tempo.
1.4. Como a doença de Alzheimer é diagnosticada?
A doença de Alzheimer só pode ser diagnosticada com certeza através do exame microscópico do tecido cerebral
por biópsia ou necropsia, para demonstrar a presença das lesões características: as placas neuríticas e os
novelos neurofibrilares em certas áreas do cérebro. Os médicos podem fazer o diagnóstico de “possível” ou
“provável”doença de Alzheimer.
Vários instrumentos clínicos são usados para se chegar ao diagnóstico: uma história médica completa, testes para
avaliar a memória e o estado mental, avaliação do grau de atenção e concentração e das habilidades em
resolver problemas e nível de comunicação. Testes laboratoriais como exames de sangue e urina são usados
para excluir outrascausas de demência, algumas delas passíveis de serem curadas.
Exames de imagem como a tomografia computadorizada, ressonância nuclear magnética, spect e pet, são
utilizados para determinar o tipo de demência e/ou avaliar sua gravidade.
Qual o nívelde certeza do diagnóstico clínico?
Médicos experientes em doença de Alzheimer fazem o diagnóstico correto em cerca de 90% dos casos.
Quais as outrasdoenças que têm sintomas parecidos com a doença de Alzheimer?
Tumores cerebrais, derrames, depressão maior, doenças da tireóide, o uso de certos medicamentos, problemas
nutricionais, e outras condições podem imitar os sintomas da doença de Alzheimer. O diagnóstico precoce
aumenta em muito a chance de se tratar essas doenças com sucesso.
Esquecer onde coloquei as chaves, óculos é um processo natural do envelhecimento ou
da doença de Alzheimer?
A depressão pode comprometer a concentração, causar distúrbios do sono que levam à
perda de memória em pessoas não portadoras de doença de Alzheimer.
Pessoas nas fases iniciais da doença de Alzheimer freqüentemente apresentam
comprometimento da memória. Podem ter dificuldades em lembrar de eventos
recentes, de atividades, de pessoas familiares e de objetos. A perda de memória que se
associa com a doença de Alzheimer acaba por interferir seriamente na execução das
atividades da vida diária.
Por que o diagnóstico precoce é tão importante?
Quanto mais cedo o diagnóstico for feito, maiores serão as chances de tratar os sintomas
corretamente, retardando a evolução da doença e assim oferecer uma oportunidade
digna para a pessoa portadora da doença de Alzheimer poder inclusive, tomar parte
nas decisões que lhe diz respeito , especialmente na fase inicial da enfermidade.
Existem fases ou estágios na doença de Alzheimer?
Existem 4 fases:
Na fase inicial os sintomas mais importantes são:
perda de memória, confusão e desorientação.
ansiedade, agitação, ilusão, desconfiança.
alteração da personalidade e do senso crítico.
dificuldades com as atividades da vida diária como alimentar-se e banhar-se.
algumadificuldade com ações mais complexas como cozinhar, fazer compras,
dirigir, telefonar.
Na fase final:
•Dependência total.
•Imobilidade crescente.
•Incontinência urinária e fecal.
•Tendência em assumir a posição fetal.
•Mutismo.
•Restrito a poltrona ou ao leito.
•Presença de úlceras por pressão (escaras).
•Perda progressiva de peso.
•Infecções urinárias e respiratórias freqüentes.
•Término da comunicação.
Na fase terminal:
• Agravamento dos sintomas da fase
final
• Incontinência dupla
• Restrito ao leito
• Posição fetal
• Mutismo
• Úlceras por pressão
• Alimentação enterall
• Infecções de repetição
• Morte
A partir do diagnóstico,quantotempouma pessoa com doença de
Alzheimer tem de vida?
Pessoas com doença de Alzheimer podem viver por muitos anos e
freqüentementemorrem de pneumonia. A duraçãoda doença
pode ser de 20 anos ou mais. A média de vida varia entre4 a 8 anos.
Por que as pessoas com a doença de Alzheimer costumam morrer de
pneumonia?
Realmente a pneumonia é uma das principais causas de morte em
pacientes com doença de Alzheimer.
O primeiro fator se relaciona com a idade uma vez que na maioria
das vezesas pessoas acometidas são idosas.
O sistema imunológico normalmente está comprometido facilitando
a ocorrência de infecções, especialmente as respiratórias e urinárias.
O estado nutricional e o nívelde hidratação também desempenham
um papel decisivo
É imperioso que esses pacientes estejam bem nutridosseja com o uso
de suplementos ou com medidas dietéticas eficazes.
A questão da comunicação se soma a esses fatores uma vez que
podem não se queixar de frio,fome, sede etc.
Nas fases mais adiantadaso paciente se movimenta menos, os
sintomas motores começam a aparecer e a imobilidade propicia a
instalação de infecções pulmonares, muitas vezesfatais.
Esse fato demonstra a importância dos cuidados gerais uma vez que
essa complicação pode ser evitada.
Como a doença de Alzheimer é tratada?
Não existe nenhuma droga que garanta a cura, ou que interrompa definitivamente o curso da doença de
Alzheimer.
Uma parcela dos doentes, especialmente nas fases iniciais e intermediárias, pode se beneficiar de alguns
medicamentos específicos.
Outros medicamentos podem ajudar a controlar distúrbios de comportamento, insônia, agitação, vagância,
ansiedade e depressão. O tratamento correto desses sintomas deixam o paciente e seu cuidador mais tranqüilos
e confortáveis. Há ainda uma outra gama de opções de drogas que podem colaborar no retardamento da doença.
Várias drogas encontram-se em experiência em laboratórios por todas as partes do mundo.
Existe uma vacina contra a doença de Alzheimer?
Não há uma vacina disponível para a doença de Alzheimer. Essa abordagem está sendo investigada e é muito
promissora. A vacina estimularia o sistema imunológico para reconhecer, detectar e evitar a formação das placas
neuríticas e da deposição de amilóide, substância tóxica para os neurônios.
Os antiinflamatórios não hormonais podem tratar a doença de Alzheimer?
Existem fortes evidências de que a doença de Alzheimer está associada com processos inflamatórios cerebrais e
que esse tipo de droga pode ajudar.
Alguns cientistas defendem a tese de que pessoas com alto risco de desenvolverem a doença poderiam evitar ou
no mínimo retardar a evolução utilizando essa estratégia terapêutica. Casos de evolução muito rápida seriam
candidatos naturais a esse tipo de abordagem. Os efeitos colaterais são muitos e bastante sérios fazendo com
que esses pacientes devam ser acompanhados com muito cuidado e sob estrita supervisão médica.
A reposição hormonal pode ser usada para tratar a doença de
Alzheimer?
Váriaspesquisas estão sendo conduzidas no sentido de determinar se a
administração de estrógenos retarda a evoluçãoe/ou reduz o risco de
se desenvolver a doença.
Estudo recente concluiu que a administração de estrógeno em conjunto
com progesterona aumentou o risco da doença em duas vezesquando
comparada com o grupoque não fez uso da medicação.
Existem compostos como as isoflavonasque mimetizam a ação dos
hormônios femininos.
Parece que, por serem naturais,obtidos atravésda soja, beneficiam os
pacientes sem apresentar os efeitos indesejáveis dos hormônios.
Mais estudos precisam ser realizados mas essa não deixa de ser uma
opção interessante.
O colesterol altorepresenta algum risco para a doença de Alzheimer?
Recentementealguns estudos sugerem fortemente a associação de
níveiselevados de colesterol com a doença de Alzheimer. Atualmente
estão em curso estudos controlados para determinar se essa correlação
é verdadeira.Por outrolado, sabe-se que o colesterol sérico elevadoé
comprovadamenteum importantefator de risco para doenças
cardiovascularesdevendoser tratadoindependentedessa possível
correlação.
É verdade que alguns nutrientes e vitaminas devem ser administradas em conjunto com o
tratamento convencional?
Existem demências relacionadas com níveis baixos de vitaminas do complexo B,
especialmente a vitamina B12, B1 e ácido fólico. Estudos recentes demonstraram que
pacientes com doença de Alzheimer apresentam níveis elevados de Homocisteína
(substância passível de ser quantificada por exame de sangue). Essa substância estaria
relacionada com a teoria do “stress oxidativo” e seus níveis podem ser controlados com
orientação nutricional e/ou com a administração de folato. Com base nesse mesma teoria,
a suplementação de Vitamina C e de Vitamina E pode resultar em neuroproteção.
Como o familiar e cuidador (a) pode encontrar informações e ajuda sobre a doença?
A informação correta associada à solidariedade ainda são as armas mais poderosas no
enfrentamento dessagrave questão humana e de saúde pública. Um site foi construído
exatamente para preencher essa lacuna definitivamente www.alzheimermed.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Depressão na 3ª idade
Depressão na 3ª idadeDepressão na 3ª idade
Depressão na 3ª idade
Cras Macatuba
 
Depressão e Suicício
Depressão e SuicícioDepressão e Suicício
Depressão e Suicício
Laís Maria da Cruz
 
Depressão e demência no idoso 1
Depressão e demência no idoso 1Depressão e demência no idoso 1
Depressão e demência no idoso 1
Ana Lopes
 
A depressão
A depressãoA depressão
A depressão
Sara Baptista
 
Depressão - Marcelly e Marcilene
Depressão -  Marcelly e MarcileneDepressão -  Marcelly e Marcilene
Depressão - Marcelly e Marcilene
mahvieira
 
Depressão geriatria
Depressão geriatriaDepressão geriatria
Depressão geriatria
Cláudia Sofia
 
Depressão na pessoa idosa rui grilo
Depressão na pessoa idosa    rui griloDepressão na pessoa idosa    rui grilo
Depressão na pessoa idosa rui grilo
Rui Grilo
 
Transtorno depressivo - Sintomas da Depressão, Curso, Prognóstico e Tratamento
Transtorno depressivo - Sintomas da Depressão, Curso, Prognóstico e TratamentoTranstorno depressivo - Sintomas da Depressão, Curso, Prognóstico e Tratamento
Transtorno depressivo - Sintomas da Depressão, Curso, Prognóstico e Tratamento
Felipe de Souza
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
UNIME
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
Marco Benetoli
 
A Depressão
A DepressãoA Depressão
A Depressão
Marisa Almeida
 
Transtornos ansiosos na infância e adolescência
Transtornos ansiosos na infância e adolescênciaTranstornos ansiosos na infância e adolescência
Transtornos ansiosos na infância e adolescência
Cláudio Costa
 
Depressao para acs
Depressao para acsDepressao para acs
Depressao para acs
Isabel Teixeira
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
Junior Gargaro
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
Bárbara Thais
 
Um homem de Deus em depressão
Um homem de Deus em depressãoUm homem de Deus em depressão
Um homem de Deus em depressão
Moisés Sampaio
 
Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização
Inaiara Bragante
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
Lisete B.
 
Transtornos depressivos
Transtornos depressivosTranstornos depressivos
Transtornos depressivos
Caio Maximino
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
BrendaMello7
 

Mais procurados (20)

Depressão na 3ª idade
Depressão na 3ª idadeDepressão na 3ª idade
Depressão na 3ª idade
 
Depressão e Suicício
Depressão e SuicícioDepressão e Suicício
Depressão e Suicício
 
Depressão e demência no idoso 1
Depressão e demência no idoso 1Depressão e demência no idoso 1
Depressão e demência no idoso 1
 
A depressão
A depressãoA depressão
A depressão
 
Depressão - Marcelly e Marcilene
Depressão -  Marcelly e MarcileneDepressão -  Marcelly e Marcilene
Depressão - Marcelly e Marcilene
 
Depressão geriatria
Depressão geriatriaDepressão geriatria
Depressão geriatria
 
Depressão na pessoa idosa rui grilo
Depressão na pessoa idosa    rui griloDepressão na pessoa idosa    rui grilo
Depressão na pessoa idosa rui grilo
 
Transtorno depressivo - Sintomas da Depressão, Curso, Prognóstico e Tratamento
Transtorno depressivo - Sintomas da Depressão, Curso, Prognóstico e TratamentoTranstorno depressivo - Sintomas da Depressão, Curso, Prognóstico e Tratamento
Transtorno depressivo - Sintomas da Depressão, Curso, Prognóstico e Tratamento
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
 
A Depressão
A DepressãoA Depressão
A Depressão
 
Transtornos ansiosos na infância e adolescência
Transtornos ansiosos na infância e adolescênciaTranstornos ansiosos na infância e adolescência
Transtornos ansiosos na infância e adolescência
 
Depressao para acs
Depressao para acsDepressao para acs
Depressao para acs
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
 
Um homem de Deus em depressão
Um homem de Deus em depressãoUm homem de Deus em depressão
Um homem de Deus em depressão
 
Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização Transtornos mentais comuns e somatização
Transtornos mentais comuns e somatização
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
 
Transtornos depressivos
Transtornos depressivosTranstornos depressivos
Transtornos depressivos
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
 

Semelhante a Cuidador de idoso_29

Psicologia na vida adulta
Psicologia na vida adultaPsicologia na vida adulta
Psicologia na vida adulta
edi
 
Por que algumas pessoas sofrem de depressão?
Por que algumas pessoas sofrem de depressão? Por que algumas pessoas sofrem de depressão?
Por que algumas pessoas sofrem de depressão?
João Marcos Professor Literatura
 
DEPRESSãobgggggghjuytfyxfd\swae45rtyfghv
DEPRESSãobgggggghjuytfyxfd\swae45rtyfghvDEPRESSãobgggggghjuytfyxfd\swae45rtyfghv
DEPRESSãobgggggghjuytfyxfd\swae45rtyfghv
mhliraa2005
 
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptxSíndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
SilviaLouro2
 
A depressao-e-uma-doenca-que-se-trata
A depressao-e-uma-doenca-que-se-trataA depressao-e-uma-doenca-que-se-trata
A depressao-e-uma-doenca-que-se-trata
Cosmo Palasio
 
Estresse e Doenças da Alma
Estresse e Doenças da AlmaEstresse e Doenças da Alma
Estresse e Doenças da Alma
Robson Roberto
 
COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VI...
COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VI...COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VI...
COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VI...
Faga1939
 
Psicopatologia do Envelhecimento.docx
Psicopatologia do Envelhecimento.docxPsicopatologia do Envelhecimento.docx
Psicopatologia do Envelhecimento.docx
PatriciaAiresCosta1
 
Depresao
DepresaoDepresao
Depresao
Isabel Teixeira
 
ARTIGO SOBRE A DEPREÇÃO COM TODOS OS DETALHES
ARTIGO SOBRE A DEPREÇÃO COM TODOS OS DETALHESARTIGO SOBRE A DEPREÇÃO COM TODOS OS DETALHES
ARTIGO SOBRE A DEPREÇÃO COM TODOS OS DETALHES
RCGrficaRpida
 
Apresentação de psicologia
Apresentação de psicologiaApresentação de psicologia
Apresentação de psicologia
edi
 
8º ano B (Grupo 1) - O corpo em (des)ordem
8º ano B (Grupo 1) - O corpo em (des)ordem8º ano B (Grupo 1) - O corpo em (des)ordem
8º ano B (Grupo 1) - O corpo em (des)ordem
Saber interáreas SESI 005 - LIMEIRA
 
Guia rápido de perturbações psicológicas
Guia rápido de perturbações psicológicasGuia rápido de perturbações psicológicas
Guia rápido de perturbações psicológicas
Oficina Psicologia
 
Seminario saude mental
Seminario saude mentalSeminario saude mental
Seminario saude mental
morganal13
 
DISTÚRBIOS MENTAIS E SUAS MEDIDAS DE PREVENÇÃO, VISÃO HOLÍSTICA DO SER HUMANO...
DISTÚRBIOS MENTAIS E SUAS MEDIDAS DE PREVENÇÃO, VISÃO HOLÍSTICA DO SER HUMANO...DISTÚRBIOS MENTAIS E SUAS MEDIDAS DE PREVENÇÃO, VISÃO HOLÍSTICA DO SER HUMANO...
DISTÚRBIOS MENTAIS E SUAS MEDIDAS DE PREVENÇÃO, VISÃO HOLÍSTICA DO SER HUMANO...
Joice Lima
 
Depresao.pptx
Depresao.pptxDepresao.pptx
Depresao.pptx
Tawan Moura
 
Aulas 10 e 11 Guanambi.pdf
Aulas 10 e 11 Guanambi.pdfAulas 10 e 11 Guanambi.pdf
Aulas 10 e 11 Guanambi.pdf
JainnyBeatriz1
 
Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..
Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..
Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..
josytds1
 
Depressão.pptx
Depressão.pptxDepressão.pptx
Depressão.pptx
enfermeiraelainnechr
 
Sessão 2 - Saúde Mental - ITA.pdf
Sessão 2 -  Saúde Mental - ITA.pdfSessão 2 -  Saúde Mental - ITA.pdf
Sessão 2 - Saúde Mental - ITA.pdf
pcosta977
 

Semelhante a Cuidador de idoso_29 (20)

Psicologia na vida adulta
Psicologia na vida adultaPsicologia na vida adulta
Psicologia na vida adulta
 
Por que algumas pessoas sofrem de depressão?
Por que algumas pessoas sofrem de depressão? Por que algumas pessoas sofrem de depressão?
Por que algumas pessoas sofrem de depressão?
 
DEPRESSãobgggggghjuytfyxfd\swae45rtyfghv
DEPRESSãobgggggghjuytfyxfd\swae45rtyfghvDEPRESSãobgggggghjuytfyxfd\swae45rtyfghv
DEPRESSãobgggggghjuytfyxfd\swae45rtyfghv
 
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptxSíndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
 
A depressao-e-uma-doenca-que-se-trata
A depressao-e-uma-doenca-que-se-trataA depressao-e-uma-doenca-que-se-trata
A depressao-e-uma-doenca-que-se-trata
 
Estresse e Doenças da Alma
Estresse e Doenças da AlmaEstresse e Doenças da Alma
Estresse e Doenças da Alma
 
COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VI...
COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VI...COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VI...
COMO SUPERAR A DEPRESSÃO E A ANSIEDADE NA VIDA DAS PESSOAS NO MUNDO EM QUE VI...
 
Psicopatologia do Envelhecimento.docx
Psicopatologia do Envelhecimento.docxPsicopatologia do Envelhecimento.docx
Psicopatologia do Envelhecimento.docx
 
Depresao
DepresaoDepresao
Depresao
 
ARTIGO SOBRE A DEPREÇÃO COM TODOS OS DETALHES
ARTIGO SOBRE A DEPREÇÃO COM TODOS OS DETALHESARTIGO SOBRE A DEPREÇÃO COM TODOS OS DETALHES
ARTIGO SOBRE A DEPREÇÃO COM TODOS OS DETALHES
 
Apresentação de psicologia
Apresentação de psicologiaApresentação de psicologia
Apresentação de psicologia
 
8º ano B (Grupo 1) - O corpo em (des)ordem
8º ano B (Grupo 1) - O corpo em (des)ordem8º ano B (Grupo 1) - O corpo em (des)ordem
8º ano B (Grupo 1) - O corpo em (des)ordem
 
Guia rápido de perturbações psicológicas
Guia rápido de perturbações psicológicasGuia rápido de perturbações psicológicas
Guia rápido de perturbações psicológicas
 
Seminario saude mental
Seminario saude mentalSeminario saude mental
Seminario saude mental
 
DISTÚRBIOS MENTAIS E SUAS MEDIDAS DE PREVENÇÃO, VISÃO HOLÍSTICA DO SER HUMANO...
DISTÚRBIOS MENTAIS E SUAS MEDIDAS DE PREVENÇÃO, VISÃO HOLÍSTICA DO SER HUMANO...DISTÚRBIOS MENTAIS E SUAS MEDIDAS DE PREVENÇÃO, VISÃO HOLÍSTICA DO SER HUMANO...
DISTÚRBIOS MENTAIS E SUAS MEDIDAS DE PREVENÇÃO, VISÃO HOLÍSTICA DO SER HUMANO...
 
Depresao.pptx
Depresao.pptxDepresao.pptx
Depresao.pptx
 
Aulas 10 e 11 Guanambi.pdf
Aulas 10 e 11 Guanambi.pdfAulas 10 e 11 Guanambi.pdf
Aulas 10 e 11 Guanambi.pdf
 
Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..
Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..
Ansiedade e Transtorno Depressivo pptx..
 
Depressão.pptx
Depressão.pptxDepressão.pptx
Depressão.pptx
 
Sessão 2 - Saúde Mental - ITA.pdf
Sessão 2 -  Saúde Mental - ITA.pdfSessão 2 -  Saúde Mental - ITA.pdf
Sessão 2 - Saúde Mental - ITA.pdf
 

Mais de Liberty Ensino

Coordenacao pedagogica 8
Coordenacao pedagogica 8Coordenacao pedagogica 8
Coordenacao pedagogica 8
Liberty Ensino
 
Coordenacao pedagogica 4
Coordenacao pedagogica 4Coordenacao pedagogica 4
Coordenacao pedagogica 4
Liberty Ensino
 
Coordenacao pedagogica 7
Coordenacao pedagogica 7Coordenacao pedagogica 7
Coordenacao pedagogica 7
Liberty Ensino
 
Coordenacao pedagogica 6
Coordenacao pedagogica 6Coordenacao pedagogica 6
Coordenacao pedagogica 6
Liberty Ensino
 
Coordenacao pedagogica 5
Coordenacao pedagogica 5Coordenacao pedagogica 5
Coordenacao pedagogica 5
Liberty Ensino
 
Coordenacao pedagogica 3
Coordenacao pedagogica 3Coordenacao pedagogica 3
Coordenacao pedagogica 3
Liberty Ensino
 
Coordenacao pedagogica 2
Coordenacao pedagogica 2Coordenacao pedagogica 2
Coordenacao pedagogica 2
Liberty Ensino
 
Coordenacao pedagogica 1
Coordenacao pedagogica 1Coordenacao pedagogica 1
Coordenacao pedagogica 1
Liberty Ensino
 
Gestao de educacao_infantil_3
Gestao de educacao_infantil_3Gestao de educacao_infantil_3
Gestao de educacao_infantil_3
Liberty Ensino
 
Gestao de educacao_infantil_7
Gestao de educacao_infantil_7Gestao de educacao_infantil_7
Gestao de educacao_infantil_7
Liberty Ensino
 
Gestao de educacao_infantil_10
Gestao de educacao_infantil_10Gestao de educacao_infantil_10
Gestao de educacao_infantil_10
Liberty Ensino
 
Gestao de educacao_infantil_5
Gestao de educacao_infantil_5Gestao de educacao_infantil_5
Gestao de educacao_infantil_5
Liberty Ensino
 
Gestao de educacao_infantil_2
Gestao de educacao_infantil_2Gestao de educacao_infantil_2
Gestao de educacao_infantil_2
Liberty Ensino
 
Gestao de educacao_infantil_11
Gestao de educacao_infantil_11Gestao de educacao_infantil_11
Gestao de educacao_infantil_11
Liberty Ensino
 
Gestao de educacao_infantil_4
Gestao de educacao_infantil_4Gestao de educacao_infantil_4
Gestao de educacao_infantil_4
Liberty Ensino
 
Gestao de educacao_infantil_9
Gestao de educacao_infantil_9Gestao de educacao_infantil_9
Gestao de educacao_infantil_9
Liberty Ensino
 
Gestao de educacao_infantil_12
Gestao de educacao_infantil_12Gestao de educacao_infantil_12
Gestao de educacao_infantil_12
Liberty Ensino
 
Gestao de educacao_infantil_8
Gestao de educacao_infantil_8Gestao de educacao_infantil_8
Gestao de educacao_infantil_8
Liberty Ensino
 
Gestao de educacao_infantil_6
Gestao de educacao_infantil_6Gestao de educacao_infantil_6
Gestao de educacao_infantil_6
Liberty Ensino
 
Cuidador de idoso_38
Cuidador de idoso_38Cuidador de idoso_38
Cuidador de idoso_38
Liberty Ensino
 

Mais de Liberty Ensino (20)

Coordenacao pedagogica 8
Coordenacao pedagogica 8Coordenacao pedagogica 8
Coordenacao pedagogica 8
 
Coordenacao pedagogica 4
Coordenacao pedagogica 4Coordenacao pedagogica 4
Coordenacao pedagogica 4
 
Coordenacao pedagogica 7
Coordenacao pedagogica 7Coordenacao pedagogica 7
Coordenacao pedagogica 7
 
Coordenacao pedagogica 6
Coordenacao pedagogica 6Coordenacao pedagogica 6
Coordenacao pedagogica 6
 
Coordenacao pedagogica 5
Coordenacao pedagogica 5Coordenacao pedagogica 5
Coordenacao pedagogica 5
 
Coordenacao pedagogica 3
Coordenacao pedagogica 3Coordenacao pedagogica 3
Coordenacao pedagogica 3
 
Coordenacao pedagogica 2
Coordenacao pedagogica 2Coordenacao pedagogica 2
Coordenacao pedagogica 2
 
Coordenacao pedagogica 1
Coordenacao pedagogica 1Coordenacao pedagogica 1
Coordenacao pedagogica 1
 
Gestao de educacao_infantil_3
Gestao de educacao_infantil_3Gestao de educacao_infantil_3
Gestao de educacao_infantil_3
 
Gestao de educacao_infantil_7
Gestao de educacao_infantil_7Gestao de educacao_infantil_7
Gestao de educacao_infantil_7
 
Gestao de educacao_infantil_10
Gestao de educacao_infantil_10Gestao de educacao_infantil_10
Gestao de educacao_infantil_10
 
Gestao de educacao_infantil_5
Gestao de educacao_infantil_5Gestao de educacao_infantil_5
Gestao de educacao_infantil_5
 
Gestao de educacao_infantil_2
Gestao de educacao_infantil_2Gestao de educacao_infantil_2
Gestao de educacao_infantil_2
 
Gestao de educacao_infantil_11
Gestao de educacao_infantil_11Gestao de educacao_infantil_11
Gestao de educacao_infantil_11
 
Gestao de educacao_infantil_4
Gestao de educacao_infantil_4Gestao de educacao_infantil_4
Gestao de educacao_infantil_4
 
Gestao de educacao_infantil_9
Gestao de educacao_infantil_9Gestao de educacao_infantil_9
Gestao de educacao_infantil_9
 
Gestao de educacao_infantil_12
Gestao de educacao_infantil_12Gestao de educacao_infantil_12
Gestao de educacao_infantil_12
 
Gestao de educacao_infantil_8
Gestao de educacao_infantil_8Gestao de educacao_infantil_8
Gestao de educacao_infantil_8
 
Gestao de educacao_infantil_6
Gestao de educacao_infantil_6Gestao de educacao_infantil_6
Gestao de educacao_infantil_6
 
Cuidador de idoso_38
Cuidador de idoso_38Cuidador de idoso_38
Cuidador de idoso_38
 

Cuidador de idoso_29

  • 1. Transtorno Bipolar (Transtornos do Humor) Liberty Ensino
  • 2. Os sintomas da maniaem idosos são semelhantes àqueles de adultos mais jovens e incluem euforia, humor expansivoe irritável,necessidade de sono diminuída, fácil distração, impulsividade e, freqüentemente, consumo excessivode álcool.Pode haver um comportamento hostil e desconfiado. Quando um primeiro episódio de comportamento maníacoocorre após os 65 anos, deve-se alertar para uma causa orgânica associada. O tratamento deve ser feito com medicação cuidadosamente controlada pelo médico.
  • 4. A idade de início ocorre por volta da meia-idade mas pode ocorrer em idosos. Os sintomas são alterações do pensamento mais comumente de natureza persecutória (os pacientes crêem que estão sendo espionados, seguidos, envenenados ou de algum modo assediados). Podem tornar-se violentos contra seus supostos perseguidores, trancarem-se em seus aposentos e viverem em reclusão. A natureza dos pensamentos pode ser em relação ao corpo, como acreditar ter uma doença fatal (hipocondria). Ocorre sob estresse físico ou psicológico em indivíduos vulneráveis e pode ser precipitado pela morte do cônjuge, perda do emprego, aposentadoria, isolamento social, circunstâncias financeiras adversas, doenças médicas que debilitam ou por cirurgia, comprometimento visual e surdez. As alterações do pensamento podem acompanhar outras doenças psiquiátricas que devem ser descartadas como demência tipo Alzheimer, transtornos por uso de álcool, esquizofrenia, transtornos depressivos e transtorno bipolar. Além disso, podem ser secundárias ao uso de medicamentos ou sinais precoces de um tumor cerebral.
  • 6. Incluem transtornos de pânico, fobias, TOC, ansiedade generalizada, de estresse agudo e de estresse pós-traumático. Desses, os mais comuns são as fobias. Os transtornos de ansiedade começam no início ou no período intermediário da idade adulta, mas alguns aparecem pela primeira vez após os 60 anos. As características são as mesmas das descritas em transtornos de ansiedade em outras faixas etárias. Em idosos a fragilidade do sistema nervoso autônomo pode explicar o desenvolvimento de ansiedade após um estressor importante. O transtorno de estresse pós-traumático freqüentemente é mais severo nos idosos que em indivíduos mais jovens em vista da debilidade física concomitante nos idosos. As obsessões (pensamento, sentimento, idéia ou sensação intrusiva e persistente) e compulsões (comportamento consciente e repetitivo como contar, verificar ou evitar ou um pensamento que serve para anular uma obsessão) podem aparecer pela primeira vez em idosos, embora geralmente seja possível encontrar esses sintomas em pessoas que eram mais organizadas, perfeccionistas, pontuais e parcimoniosas. Tornam-se excessivos em seu desejo por organização, rituais e necessidade excessiva de manter rotinas. Podem ter compulsões para verificar as coisas repetidamente, tornando-se geralmente inflexíveis e rígidos.
  • 8. São um grupo de transtornos que incluem sintomas físicos (por exemplo dores, náuseas e tonturas) para os quais não pode ser encontrada uma explicação médica adequada e que são suficientemente sérios para causarem um sofrimento emocional ou prejuízo significativo à capacidade do paciente para funcionar em papéis sociais e ocupacionais. Nesses transtornos, os fatores psicológicos são grandes contribuidores para o início, a severidade e a duração dos sintomas. Não são resultado de simulação consciente. A hipocondria é comum em pacientes com mais de 60 anos, embora o seja mais freqüente entre 40 e 50 anos. Exames físicos repetidos são úteis para garantirem aos pacientes que eles não têm uma doença fatal. A queixa é real, a dor é verdadeira e percebida como tal pelo paciente. Ao tratamento, deve-se dar um enfoque psicológicoou farmacológico.
  • 9. Transtornos por Uso de Álcool e Outras Substâncias Liberty Ensino
  • 10. Os pacientes idosos com dependência de álcool, geralmente, apresentam uma história de consumo excessivo que começou na idade adulta e apresenta uma doença médica, principalmente doença hepática. Além disso, um grande número tem demência causada pelo álcool. A dependência de substâncias como hipnóticos, ansiolíticos e narcóticos é comum. Os pacientes idosos podem abusar de ansiolíticos para o alívio da ansiedade crônica ou para garantirem uma noite de sono. A apresentação clínica é variada e inclui quedas, confusão mental, fraca higiene pessoal, depressão e desnutrição.
  • 12. Sinônimos e nomes relacionados: Transtorno depressivo, depressão maior, depressão unipolar, incluindo ainda tipos diferenciados de depressão, como depressão grave, depressão psicótica, depressão atípica, depressão endógena, melancolia, depressão sazonal. O que é a depressão? Depressão é uma doença que se caracteriza por afetar o estado de humor da pessoa, deixando-a com um predomínio anormal de tristeza. Todas as pessoas, homens e mulheres, de qualquer faixa etária, podem ser atingidas, porém mulheres são duas vezes mais afetadas que os homens. Em crianças e idosos a doença tem características particulares, sendo a sua ocorrência em ambos os grupos também freqüente. Como se desenvolve a depressão? Na depressão como doença (transtorno depressivo), nem sempre é possível haver clareza sobre quais acontecimentos da vida levaram a pessoa a ficar deprimida, diferentemente das reações depressivas normais e das reações de ajustamento depressivo, nas quais é possível localizar o evento desencadeador.
  • 13. As causas de depressão são múltiplas, de maneira que somadas podem iniciar a doença. Deve-sea questões constitucionais da pessoa, com fatores genéticos e neuroquímicos (neurotransmissores cerebrais) somados a fatores ambientais, sociais e psicológicos, como: • Estresse • Estilo de vida • Acontecimentos vitais, tais como crises e separações conjugais, morte na família, climatério, crise da meia-idade, entre outros.
  • 14. Como se diagnostica a depressão? Na depressão a intensidade do sofrimento é intensa, durando a maior parte do dia por pelo menos duas semanas, nem sempre sendo possível saber porque a pessoa está assim. O mais importante é saber como a pessoa se sente, como ela continua organizando a sua vida (trabalho, cuidados domésticos, cuidados pessoais com higiene, alimentação, vestuário) e como ela está se relacionando com outras pessoas, a fim de se diagnosticar a doença e se iniciar um tratamentomédico eficaz. O que sente a pessoa deprimida? Freqüentementeo indivíduodeprimido sente-se triste e desesperançado, desanimado, abatido ou " na fossa ", com " baixo-astral ". Muitas pessoas com depressão, contudo,negam a existência de tais sentimentos, que podem aparecer de outrasmaneiras, como por um sentimento de raiva persistente, ataques de ira ou tentativasconstantesde culpar os outros, ou mesmo ainda com inúmeras dores pelo corpo, sem outrascausas médicas que as justifiquem. Pode ocorrer também uma perda de interesse por atividadesque antes eram capazes de dar prazer à pessoa, como atividadesrecreativas, passatempos, encontrossociais e prática de esportes. Tais eventosdeixam de ser agradáveis.Geralmente o sono e a alimentação estão também alterados, podendo haver diminuição do apetite, ou mesmo o oposto, seu aumento, havendoperda ou ganhode peso. Em relação ao sono pode ocorrer insônia, com a pessoa tendo dificuldade para começar a dormir, ou acordando no meio da noite ou mesmo mais cedo que o seu habitual, não conseguindo voltar a dormir. São comuns ainda a sensação de diminuição de energia, cansaço e fadiga, injustificáveis por algum outro problema físico.
  • 15. Como é o pensamento da pessoa deprimida? Pensamentos que freqüentemente ocorrem com as pessoas deprimidas são os de se sentirem sem valor, culpando-se em demasia, sentindo-se fracassadas até por acontecimentos do passado. Muitas vezes questões comuns do dia-a-dia deixam os indivíduos com tais pensamentos. Muitas pessoas podem ter ainda dificuldade em pensar, sentindo-se com falhas para concentrar-se ou para tomar decisões antes corriqueiras, sentindo-se incapazes de tomá-las ou exagerando os efeitos "catastróficos" de suas possíveis decisões erradas. Pensamentos de morte ou tentativas de suicídio Freqüentemente a pessoa pode pensar muito em morte, em outras pessoas que já morreram, ou na sua própria morte. Muitas vezes há um desejo suicida, às vezes com tentativas de se matar, achando ser esta a " única saída " ou para " se livrar " do sofrimento, sentimentos estes provocados pela própria depressão, que fazem a pessoa culpar-se, sentir-se inútil ou um peso para os outros. Esse aspecto faz com que a depressão seja uma das principais causas de suicídio, principalmente em pessoas deprimidas que vivem solitariamente. É bom lembrar que a própria tendência a isolar-se é uma conseqüência da depressão, a qual gera um ciclo vicioso depressivo que resulta na perda da esperança em melhorar naquelas pessoas que não iniciam um tratamento médico adequado.
  • 16. Sentimentos que afetam a vida diária e os relacionamentos pessoais Freqüentemente a depressão pode afetar o dia-a-dia da pessoa. Muitas vezes é difícil iniciar o dia, pelo desânimo e pela tristeza ao acordar. Assim, cuidar das tarefas habituais pode tornar-se um peso: trabalhar, dedicar-se a uma outra pessoa, cuidar de filhos, entre outros afazeres podem tornar- se apenas obrigações penosas, ou mesmo impraticáveis, dependendo da gravidade dos sintomas. Dessa forma, o relacionamento com outras pessoas pode tornar-se prejudicado: dificuldades conjugais podem acentuar-se, inclusive com a diminuição do desejo sexual; desinteresse por amizades e por convívio social podem fazer o indivíduo tender a se isolar, até mesmo dificultando a busca de ajuda médica. Como se trata a depressão? O tratamento médico sempre se faz necessário, sendo o tipo de tratamento relacionado à intensidade dos problemas que a doença traz. Pode haver depressões leves, com poucos aspectos dos problemas mostrados anteriormente, ou pode haver depressões bem mais graves, prejudicando de forma importante a vida do indivíduo. De qualquer forma, depressões leves ou mais graves necessitam de tratamento médico, geralmente medicamentoso (com medicações antidepressivas), ou psicoterápico, ou a combinação de ambos, de acordo com a intensidade da doença e a disponibilidade dos tratamentos.
  • 18. 1.1. O que é doença de Alzheimer? A doença de Alzheimer é a mais freqüente forma de demência entre idosos. É caracterizada por um progressivo e irreversível declínio em certas funções intelectuais: memória, orientação no tempo e no espaço, pensamento abstrato, aprendizado, incapacidade de realizar cálculos simples, distúrbios da linguagem, da comunicação e da capacidade de realizar as tarefas cotidianas. Outros sintomas incluem, mudança da personalidade e da capacidade de julgamento. Erroneamente conhecida pela população como “esclerose” ou como o “velhinho gagá” não está relacionada com problemas circulatórios. 1.2. O que é demência? Demência é um grupo de sintomas caracterizado por um declínio progressivo das funções intelectuais, severo o bastante para interferir com as atividades sociais e do cotidiano. A doença de Alzheimer é a forma mais comum de demência. A segunda causa mais freqüente de demência é a demência por múltiplos infartos cerebrais, uma série de pequenos derrames. A demência pode ocorrer também a partir de outras doenças do sistema nervoso como a doença de Parkinson e a Aids.
  • 19. O que é Demência Senil? Demência Senil é um termo ultrapassado que foi usado para definir demências que ocorriam em idosos. Quantas pessoas sofrem de doença de Alzheimer? Estima-se no Brasil 1 milhão e 200 mil pessoas. A proporção de pessoas com a doença dobra a cada 5 anos a partir dos 65 anos de idade. Qual é a idade da maioria das pessoas com doença de Alzheimer? Na maioria das pessoas os sintomas iniciam depois dos 60 anos de idade. Cerca de 3% das pessoas com idade entre 65 e 74 anos tem a doença mas quase a metade das que tem 85 ou mais são acometidas. Normalmente o diagnóstico é feito pelo menos um ano depois dos primeiros sintomas que costumam ser leves e confundidos como normais no envelhecimento.
  • 20. 1.3. O que causa a doença de Alzheimer ? Os cientistas ainda não sabem exatamente qual é a causa da doença de Alzheimer. O que se sabe é que a doença desenvolve-secomo resultado de uma série de eventoscomplexos que ocorrem no interior do cérebro. A idade é o maior fator de risco para a doença. Quantomais idade maior o risco. Se uma pessoa da minha família tem Alzheimer eu tenhomaior risco de ter a doença? Existem dois tipos de doença de Alzheimer: a doença de Alzheimer familiar que ocorre em adultos jovense parece ter um caráter hereditário importante e a forma esporádica na qual o fator hereditário não é óbvio. Aproximadamente apenas 5 % da doença de Alzheimer é familiar e 95% esporádica. Na forma familiar da doença de Alzheimer, vários membros de uma mesma geração são afetados. Na forma esporádica a doença desenvolve-sea partir de uma grandevariedadede fatores que os cientistas ainda estão tentandodeterminar. A idade é o fator de risco mais conhecido e importantepara a forma esporádica da doença de Alzheimer. Ter um familiar com Alzheimer aumenta o risco duas ou três vezesna forma esporádica mas não há como prever se vocêirá ter a doença ou não.
  • 21. Fora a genética, que outros fatores contribuem para que a doença se desenvolva? Se bem que a causa da doença de Alzheimer ainda não esteja completamente esclarecida, alguns pesquisadores sugerem que traumas cranianos repetidos, especialmente os com perda da consciência no passado, processos inflamatórios cerebrais e o chamado “stress oxidativo” podem estar envolvidos na causa da doença. São os homens ou as mulheres os mais afetados? Mais mulheres do que homens têm a doença de Alzheimer. Porém, como a expectativa de vida das mulheres é pelo menos 5 anos superior a dos homens não se sabe se o risco está no sexo em si ou no fato das mulheres viverem mais do que os homens. De que modo os traumas cranianos podem contribuir para que a doença de Alzheimer se desenvolva? Alguns estudos sugerem que a pessoa que sofreu um trauma craniano com perda da consciência no passado, têm duas vezes mais probabilidade de ter a doença, mas outros estudos não confirmaram essa associação. O nível educacional está relacionado com o risco de se ter à doença de Alzheimer? Pesquisas sugerem que quanto maior o número de anos de educação formal que uma pessoa tem, menor é a chance dela ou dele desenvolver a doença quando for idoso. Alguns estudos sugerem que manter uma atividade intelectual como fazer palavras cruzadas por exemplo pode reduzir a probabilidade de se adquirir a doença de Alzheimer.
  • 22. Qual é a relação entre o alumínio e a doença de Alzheimer? Uma das mais controvertidas hipóteses veiculada pela mídia é sobre a correlação entre o alumínio e a doença de Alzheimer. Essa suspeita foi originada a partir da constatação de que portadores da doença de Alzheimer possuíam traços de alumínio em seus cérebros. Inúmeros estudos não foram capazes de demonstrar conclusivamente essa correlação. Não se pode afirmar que esse metal desempenhe um papel na gênese da enfermidade. Algumas pessoas, desinformadas ou mal intencionadas, baseiam seus pseudo- tratamentos, no mínimo duvidosos como a quelação, apoiados nessa equivocada premissa. Quais são os sintomas da doença de Alzheimer? A doença de Alzheimer é uma enfermidade progressiva e os sintomas agravam-se à medida que o tempo passa. Mas é também uma doença cujos sintomas, sua gravidade e velocidade variam de pessoa para pessoa.
  • 23. Os sintomas mais comuns são :  erda de memória, confusão e desorientação.  Ansiedade, agitação, ilusão, desconfiança.  Alteração da personalidade e do senso crítico.  Dificuldades com as atividades da vidadiária como alimentar-see banhar-se.  Dificuldade em reconhecer familiares e amigos.  Dificuldade em tomar decisões.  Perder-se em ambientes conhecidos.  Alucinações,inapetência, perda de peso, incontinênciaurináriae fecal.  Dificuldades com a fala e a comunicação.  Movimentos e fala repetitiva. Perder memória não é normal em nenhuma idade. É comum à medida que vamosenvelhecendo.Problemas com a memória podem ser devidosa uma ampla gama de fatores. É normal em qualquer idade esquecer de vez em quandonomes, compromissos ou objetos como chaves,guarda-chuva etc... A causa pode ser: certos medicamentos (calmantes e hipnóticos principalmente), estresse, distração, tristeza, cansaço, problemas de visão ou audição, uso de álcool, uma doença graveou a tentativa de se lembrar de muitas coisas ao mesmo tempo.
  • 24. 1.4. Como a doença de Alzheimer é diagnosticada? A doença de Alzheimer só pode ser diagnosticada com certeza através do exame microscópico do tecido cerebral por biópsia ou necropsia, para demonstrar a presença das lesões características: as placas neuríticas e os novelos neurofibrilares em certas áreas do cérebro. Os médicos podem fazer o diagnóstico de “possível” ou “provável”doença de Alzheimer. Vários instrumentos clínicos são usados para se chegar ao diagnóstico: uma história médica completa, testes para avaliar a memória e o estado mental, avaliação do grau de atenção e concentração e das habilidades em resolver problemas e nível de comunicação. Testes laboratoriais como exames de sangue e urina são usados para excluir outrascausas de demência, algumas delas passíveis de serem curadas. Exames de imagem como a tomografia computadorizada, ressonância nuclear magnética, spect e pet, são utilizados para determinar o tipo de demência e/ou avaliar sua gravidade. Qual o nívelde certeza do diagnóstico clínico? Médicos experientes em doença de Alzheimer fazem o diagnóstico correto em cerca de 90% dos casos. Quais as outrasdoenças que têm sintomas parecidos com a doença de Alzheimer? Tumores cerebrais, derrames, depressão maior, doenças da tireóide, o uso de certos medicamentos, problemas nutricionais, e outras condições podem imitar os sintomas da doença de Alzheimer. O diagnóstico precoce aumenta em muito a chance de se tratar essas doenças com sucesso.
  • 25. Esquecer onde coloquei as chaves, óculos é um processo natural do envelhecimento ou da doença de Alzheimer? A depressão pode comprometer a concentração, causar distúrbios do sono que levam à perda de memória em pessoas não portadoras de doença de Alzheimer. Pessoas nas fases iniciais da doença de Alzheimer freqüentemente apresentam comprometimento da memória. Podem ter dificuldades em lembrar de eventos recentes, de atividades, de pessoas familiares e de objetos. A perda de memória que se associa com a doença de Alzheimer acaba por interferir seriamente na execução das atividades da vida diária. Por que o diagnóstico precoce é tão importante? Quanto mais cedo o diagnóstico for feito, maiores serão as chances de tratar os sintomas corretamente, retardando a evolução da doença e assim oferecer uma oportunidade digna para a pessoa portadora da doença de Alzheimer poder inclusive, tomar parte nas decisões que lhe diz respeito , especialmente na fase inicial da enfermidade.
  • 26. Existem fases ou estágios na doença de Alzheimer? Existem 4 fases: Na fase inicial os sintomas mais importantes são: perda de memória, confusão e desorientação. ansiedade, agitação, ilusão, desconfiança. alteração da personalidade e do senso crítico. dificuldades com as atividades da vida diária como alimentar-se e banhar-se. algumadificuldade com ações mais complexas como cozinhar, fazer compras, dirigir, telefonar.
  • 27. Na fase final: •Dependência total. •Imobilidade crescente. •Incontinência urinária e fecal. •Tendência em assumir a posição fetal. •Mutismo. •Restrito a poltrona ou ao leito. •Presença de úlceras por pressão (escaras). •Perda progressiva de peso. •Infecções urinárias e respiratórias freqüentes. •Término da comunicação. Na fase terminal: • Agravamento dos sintomas da fase final • Incontinência dupla • Restrito ao leito • Posição fetal • Mutismo • Úlceras por pressão • Alimentação enterall • Infecções de repetição • Morte
  • 28. A partir do diagnóstico,quantotempouma pessoa com doença de Alzheimer tem de vida? Pessoas com doença de Alzheimer podem viver por muitos anos e freqüentementemorrem de pneumonia. A duraçãoda doença pode ser de 20 anos ou mais. A média de vida varia entre4 a 8 anos. Por que as pessoas com a doença de Alzheimer costumam morrer de pneumonia? Realmente a pneumonia é uma das principais causas de morte em pacientes com doença de Alzheimer. O primeiro fator se relaciona com a idade uma vez que na maioria das vezesas pessoas acometidas são idosas. O sistema imunológico normalmente está comprometido facilitando a ocorrência de infecções, especialmente as respiratórias e urinárias. O estado nutricional e o nívelde hidratação também desempenham um papel decisivo É imperioso que esses pacientes estejam bem nutridosseja com o uso de suplementos ou com medidas dietéticas eficazes. A questão da comunicação se soma a esses fatores uma vez que podem não se queixar de frio,fome, sede etc. Nas fases mais adiantadaso paciente se movimenta menos, os sintomas motores começam a aparecer e a imobilidade propicia a instalação de infecções pulmonares, muitas vezesfatais. Esse fato demonstra a importância dos cuidados gerais uma vez que essa complicação pode ser evitada.
  • 29. Como a doença de Alzheimer é tratada? Não existe nenhuma droga que garanta a cura, ou que interrompa definitivamente o curso da doença de Alzheimer. Uma parcela dos doentes, especialmente nas fases iniciais e intermediárias, pode se beneficiar de alguns medicamentos específicos. Outros medicamentos podem ajudar a controlar distúrbios de comportamento, insônia, agitação, vagância, ansiedade e depressão. O tratamento correto desses sintomas deixam o paciente e seu cuidador mais tranqüilos e confortáveis. Há ainda uma outra gama de opções de drogas que podem colaborar no retardamento da doença. Várias drogas encontram-se em experiência em laboratórios por todas as partes do mundo. Existe uma vacina contra a doença de Alzheimer? Não há uma vacina disponível para a doença de Alzheimer. Essa abordagem está sendo investigada e é muito promissora. A vacina estimularia o sistema imunológico para reconhecer, detectar e evitar a formação das placas neuríticas e da deposição de amilóide, substância tóxica para os neurônios. Os antiinflamatórios não hormonais podem tratar a doença de Alzheimer? Existem fortes evidências de que a doença de Alzheimer está associada com processos inflamatórios cerebrais e que esse tipo de droga pode ajudar. Alguns cientistas defendem a tese de que pessoas com alto risco de desenvolverem a doença poderiam evitar ou no mínimo retardar a evolução utilizando essa estratégia terapêutica. Casos de evolução muito rápida seriam candidatos naturais a esse tipo de abordagem. Os efeitos colaterais são muitos e bastante sérios fazendo com que esses pacientes devam ser acompanhados com muito cuidado e sob estrita supervisão médica.
  • 30. A reposição hormonal pode ser usada para tratar a doença de Alzheimer? Váriaspesquisas estão sendo conduzidas no sentido de determinar se a administração de estrógenos retarda a evoluçãoe/ou reduz o risco de se desenvolver a doença. Estudo recente concluiu que a administração de estrógeno em conjunto com progesterona aumentou o risco da doença em duas vezesquando comparada com o grupoque não fez uso da medicação. Existem compostos como as isoflavonasque mimetizam a ação dos hormônios femininos. Parece que, por serem naturais,obtidos atravésda soja, beneficiam os pacientes sem apresentar os efeitos indesejáveis dos hormônios. Mais estudos precisam ser realizados mas essa não deixa de ser uma opção interessante. O colesterol altorepresenta algum risco para a doença de Alzheimer? Recentementealguns estudos sugerem fortemente a associação de níveiselevados de colesterol com a doença de Alzheimer. Atualmente estão em curso estudos controlados para determinar se essa correlação é verdadeira.Por outrolado, sabe-se que o colesterol sérico elevadoé comprovadamenteum importantefator de risco para doenças cardiovascularesdevendoser tratadoindependentedessa possível correlação.
  • 31. É verdade que alguns nutrientes e vitaminas devem ser administradas em conjunto com o tratamento convencional? Existem demências relacionadas com níveis baixos de vitaminas do complexo B, especialmente a vitamina B12, B1 e ácido fólico. Estudos recentes demonstraram que pacientes com doença de Alzheimer apresentam níveis elevados de Homocisteína (substância passível de ser quantificada por exame de sangue). Essa substância estaria relacionada com a teoria do “stress oxidativo” e seus níveis podem ser controlados com orientação nutricional e/ou com a administração de folato. Com base nesse mesma teoria, a suplementação de Vitamina C e de Vitamina E pode resultar em neuroproteção. Como o familiar e cuidador (a) pode encontrar informações e ajuda sobre a doença? A informação correta associada à solidariedade ainda são as armas mais poderosas no enfrentamento dessagrave questão humana e de saúde pública. Um site foi construído exatamente para preencher essa lacuna definitivamente www.alzheimermed.com.br