SlideShare uma empresa Scribd logo
COLETA DE DADOS EM REDES
SOCIAIS:
Privacidade de dados pessoais no
acesso via Application Programming
Interface
M.S. Fernando de Assis Rodrigues
Orientação: Prof. Dr. Ricardo César Gonçalves Sant’Ana
Rede Social
● Antiguidade
○ [...] interesse em desenvolver ambientes para a exposição de
ideias e de discussões, com o uso de argumentos lógicos e do
discurso racional → Ágoras Grega e Romana
● Idade Média
○ Série de acordos sobre direitos e garantias pessoais
(HABERMAS, 1984; MALKIN; CONSTANTAKOPOULOU; PANAGOPOULOU, 2009) 2
Rede Social
Grupos Sociais:
- Interação entre indivíduos (final do séc XIX):
Tönnies: o fenômeno de rede social
como um processo desencadeado
pelos valores e crenças do indivíduo
em relação ao grupo (Comunidade) ou
pelos vínculos sociais formais,
instrumentais e impessoais –
(Sociedade);
Durkheim: o fenômeno de rede social
como um processo desencadeado pela
própria predisposição do indivíduo de
ser ‘sociável’ e desejar participar de
uma vida em sociedade.
3(DURKHEIM, 1984; SEGRE, 2004; TONNIES, 1973)
- A partir de 1920-30:
- Uso de teorias matemáticas, por estudos de Moreno (1955).
A Sociedade da Informação
● Revolução Industrial e o Pós-Guerra (1945-)
● Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC)
○ Aumento do uso de TIC em atividades profissionais x pessoais
(CASTELLS, 2001; 2003; FREIRE, 1991; HABERMAS, 1984; JORENTE; SANTOS;
VIDOTTI, 2009; WELLMAN; HAYTHORNTHWAITE, 2002)
Imagens: https://goo.gl/sgJP4V e https://goo.gl/70G4e9
4
A Sociedade da Informação
● Sociedade da Informação
○ Ativos: Dado e Informação
○ Motrizes: TIC e Internet
○ Efeitos:
■ Troca de informação via Sistemas de Informação
■ Internet como novo local de organização social e cultural
■ Quebra de barreiras temporais, geográficas…
■ ...
(CASTELLS, 2001; 2003; FREIRE, 1991;WELLMAN; HAYTHORNTHWAITE, 2002) 5
Redes Sociais
[...] é uma estrutura social interconectada por um conjunto
de nós (individuais ou grupais) que são interligados por um
ou mais tipos de relacionamentos. A rede tem a
informação como operador da relação nas estruturas
sociais; e também nos aparatos tecnológicos
informacionais da transferência (ambientes digitais,
estruturas de produção, tratamento, armazenamento e
reprodução de recursos ou mensagens, produção de novos
sistemas e modelos de armazenagem e acesso à
informação, entre outros) (JORENTE; SANTOS; VIDOTTI,
2009, p. 10).
6
Redes Sociais
● Redes Sociais On-line, Sites de Redes Sociais ou
Redes Sociais;
○ Presentes desde o
início da Internet
(ADAMIC; ADAR, 2003; BOYD; ELLISON, 2007; CERN, 2015; FLAKE;
LAWRENCE; GILES, 2000; MISLOVE et al., 2007)
Internet Relay Chat (IRC)
7
Redes Sociais
Amadurecimento
das TICs
Disponibilidade de
conexão
Redes Sociais com serviços específicos de
inter-relacionamento de usuários e troca de conteúdo
multimídia
(ADAMIC; ADAR, 2003; BOYD; ELLISON, 2007; CERN, 2015; DONATH,
2007; FLAKE; LAWRENCE; GILES, 2000; MISLOVE et al., 2007)
Super
Redes
Sociais
8
● Elaboração e manutenção por instituições públicas
e/ou privadas;
○ Banco de dados com informações e dados pessoais
● Potencializa preocupações já existentes em outros
contextos:
○ Exposição de dados de usuários para outras instituições,
governos e outros usuários
○ Crimes sexuais e abusos contra crianças e a juventude
○ Perseguição de pessoas (Cyberstalking)
○ Ações e atividades resultantes de intolerância
Redes Sociais - Preocupações
9
Em todos estes
cenários, ocorrem
exposições de dados
que perpassam
questões inerentes a
privacidade.
10
Privacidade
11
[...] a capacidade de indivíduos, grupos e instituições
determinarem por si mesmos, quando, como e de
que forma as informações do sujeito são divulgadas
para outros (WESTIN, 1970, p. 7).
[...] um direito, que consiste em um número de
interesses individuais que indivíduos querem manter
seus negócios e informações pessoais livres de
interferências de outros (WANG, 2011, p. 8).
Privacidade
● Elementos de proteção à privacidade:
○ Leis que regem impedimentos a ações e atividades que são
consideradas prejudiciais a privacidade;
○ Variam de acordo com o Estado;
○ Garantem um espaço particular (privado) para garantir a
liberdade dos cidadãos.
● Taxonomia de ações e atividades prejudiciais à
privacidade:
■ 4 Grupos e 16 Subgrupos → Conceitos voltados a atender a
demanda de categorização de ações e atividades na web;
■ Exemplo: Grupo “Coleta de Informação” → Subgrupo “Vigilância”:
“atividades encadeadas com o propósito de vigiar um indivíduo no
seu espaço privado ou em espaço público”.
(RODRIGUES;SANT’ANA,2016;
SOLOVE,2008;ZANON,2013)
12
Ciclo de Vida dos Dados para a CI (CVD)
● Contextualização para a análise das estruturas de
coleta/armazenamento/recuperação;
● Ciclo, segmentado em 4 Fases:
○ Coleta: fase inicial de planejamento e outras atividades
relacionadas a obtenção dos dados;
○ Armazenamento: atividades relacionadas ao processamento, a
inserção, a manipulação, a migração e a transmissão na persistência
dos dados;
○ Recuperação: atividades voltadas à fase em que estes dados passam a
estar disponíveis para consulta e visualização;
○ Descarte: atividades relacionadas com o descarte de dados que,
dependendo da situação, poderá gerar dados, seja por transferência
para outras bases, seja para efeito de preservação de informações
selecionadas.
13
Ciclo de Vida dos Dados para a CI (CVD)
● As fases são permeadas por 6 objetivos:
(SANT’ANA, 2016)
14
Coleta
● Redes sociais apresentam a possibilidade de coleta
de dados pessoais para agentes externos
○ CVD → Coleta → como são obtidos os dados?
Application Programming Interface (API)
○
○ Termos de Uso → estabelecem as atividades
consideradas legais no momento da coleta de dados
pessoais
■ Legalidade ≠ Privacidade
○ Sutil
15
A API é uma estrutura formal de regras e protocolos para proporcionar a interoperabilidade de conjunto
de dados, independentes de plataforma, por dois ou mais sistemas de informação, com o uso de padrões
abertos ou fechados para o intercâmbio dos dados e que contém documentação disponível na origem
para o entendimento de todas as partes sobre o seu modo de operacionalização.
(PAPAZOGLOU, 2003)
Case
Aplicativo de Terceiro
Dados que serão enviados ao
Aplicativo Externo
Fonte: http://www.toptestes.com/
16
Problema
● Usuário/Referenciado: click-wrap nos Termos de Uso
○ Aceitação antes da utilização
● Não há garantias do que será realizado com os dados
pessoais compartilhados:
○ O que o aplicativo X fará com minhas fotografias?
○ O que o aplicativo Y fará com meu endereço de e-mail?
○ A rede social não tem capacidade de acompanhar o qu
realizado com seus dados em todos os seus parceiros.
■ Após copiado para outro serviço, a coleta de dados pessoais não
tem volta.
17
Problema
Mesmo com o auxílio de profissionais, com
habilidades e conhecimentos prévios sobre a forma de
coletar conjuntos de dados de referenciados e sobre
os aspectos legais de compartilhamento de dados das
redes sociais, não há um modelo de dados para a
coleta, e uma sistematização apropriada para o
acompanhamento dos aspectos relacionados à
privacidade de referenciados no processo de coleta de
dados.
18
Hipótese
A sistematização dos procedimentos de coleta de dados sobre
documentos contendo as características dos conjuntos de dados
das APIs, e Termos de Uso e suas seções – retroalimentada
pelos próprios instrumentos desenvolvidos no processo – pode
auxiliar a identificação de ações e atividades potencialmente
prejudiciais à privacidade dos referenciados, no momento da
coleta de dados por agentes externos, e revelar pré-requisitos de
conhecimentos sobre as tecnologias envolvidas neste processo,
conceitos prévios necessários à identificação das características,
e áreas profissionais envolvidas no entendimento das
informações sobre tecnologias voltadas às APIs e as condições
dos Termos de Uso.
19
Objetivo
[...] construção de um modelo de dados orientado a
análise sobre questões de privacidade de dados
pessoais, a partir da identificação das características
da coleta de dados de referenciados via API, para
auxiliar na identificação de potenciais ações e
atividades prejudiciais à privacidade, realizadas na
coleta de dados.
20
Relevância
● Ir de “senso comum” para “formalização por dados”
sobre as questões de privacidade de dados
pessoais.
● Minimizar a:
○ Complexidade e linguagem dos Termos de Uso
○ Complexidade das redes
○ Complexidade técnica dos documentos que estabelecem a
conexão de aplicativos externos via APIs
21
Administração
- Gestão da
Informação
- Entrega dos
produtos
- ...
Ciência da Computação
- Privacidade na
implementação
- TIC (performance,
desenvolvimento, …)
- ...
Direito
- Legislação
- Políticas
- Jurisprudência
- ...
Ciência da Informação
- Caráter Social
- Olhar a partir dos dados
- Olhar sob a perspectiva dos
referenciados
- ...
Ponto-chave: atividade colaborativa
22
Universo de Pesquisa/Amostra
● Serviços disponíveis na internet que utilizam API
como interfaces e interoperabilidade de seus
conteúdos.
● São dados das APIs e não do conteúdo.
● Amostra - APIs:
○ : Graph API, v. 2.6/2.8
○ : Public API, v. 1.1
○ : Rest API, v. 1.0
*Top 20 no Ranking ALEXA
23
Metodologia
Análise exploratória de caráter qualitativo
24
○ Método combinado:
a. Exploração das características técnicas
das APIs
b. Leitura das coleções de documentos
disponíveis (técnicos e termos de uso)
c. Perspectivas de Análise
Etapas
3 CVDs distintos:
25
API - Estrutura e Modelagem
● Requisições para coleta
● Uso de Visões para restringir seu conteúdo
● Modelagem de Banco de Dados:
○ Tabelas, Colunas e Linhas
○ Identificadores
○ Relações e cardinalidade
26
Coleta de Dados
27
Redes Sociais
Referenciados ~ 1,65 bi ~ 300 mi ~ 467 mi
Presença Global* Global* Global*
Idiomas 107 55 24
Escritórios Regionais 62 35 31
* Alguns países bloqueiam o acesso, como o caso da Coreia do Norte.
28(FACEBOOK INC., 2016; LINKEDIN CORP., 2017; TWITTER INC., 2017)
As APIs possuem áreas específicas para a
documentação de referência técnica
29(FACEBOOK INC., 2016; LINKEDIN CORP., 2017; TWITTER INC., 2017)
As Redes Sociais possuem áreas específicas para os
Termos de Uso
Coleta de Dados
30
APIs
Total
Graph
API
REST
API
REST
API
Controle de Versões
Sim
(v2.6
/v2.8)
SIm
(1.1)
Sim
(1.0)
-
Protocolo HTTP HTTPS HTTPS -
Linguagens de Marcação JSON
JSON
e XML
JSON
e XML
-
Visões 291 74 21 386
Coleta de Dados
31
APIs
Total
Graph
API
REST
API
REST
API
Visões 291 74 21 386
Colunas
Formas de apresentação 3 2 4 9
Nomes utilizados 167 477 170 814
Qualificadores 3 2 2 7
Total encontrado 1231 803 231 2265
Tipos de Dado 159 25 22 206
Coleta de Dados
32
APIs
Total
Graph
API
REST
API
REST
API
Relacionamentos 484 111 29 624
Pontos de Entrada 279 64 2 345
Parâmetros
Nomes utilizados 164 63 4 231
Qualificadores 3 2 2 7
Total encontrado 398 234 6 638
Coleta de Dados
33
APIs
Total
Graph
API
REST
API
REST
API
Tokens de Permissão de Acesso 4 2 1 7
Permissões 43 0* 5 48
Termos de Uso - Quantidade de
Seções 12 6 5 23
Resultados
34
1. Sistematização dos elementos no primeiro ciclo
da coleta de dados
35
36
37
38
Sistematização dos elementos no primeiro ciclo da
coleta de dados
● Não depende de uma tecnologia específica
○ Ex: pode-se utilizar formulários, planilhas ou um sistema de
informação com banco de dados relacional
39
2. Modelagem Direta
40
Modelagem Direta
41
● Explicitação direta das características das APIs e
dos Termos de Uso;
● Adicionadas informações sobre o processo da
coleta de dados e sobre os coletores.
42
Atividades
Perspectivas
Tecnologias
de Coleta
Pré-requisitos de
Conhecimento
Áreas Profissionais
envolvidas
1. Leitura dos
documentos e
das referências
relativas ao
funcionamento
da API e dos
Termos de Uso
Protocolos HTTP e
HTTPS;
Procedimentos para
a Coleta de dados via
API;
Sistemas de entradas
(Proprietários e
baseados no OAuth)
Linguagens de
marcação (JSON e
XML);
Linguagens de
Programação;
Redes sociais;
Privacidade de dados
pessoais;
Programação;
Interoperabilidade de
conjuntos de dados entre
sistemas de informação;
SaaS;
API;
Wire Protocol;
Teoria dos Grafos;
Privacidade;
Ações e atividades
prejudiciais a privacidade.
Administrador, Estatístico ou Economista
de preferência voltados com formação na
área da Administração Pública;
Advogado ou outra profissão similar, com
formação em Direito;
Cientista de Dados, com formação
profissional em áreas como Administração,
Arquivologia, Biblioteconomia,
Computação, Economia e Matemática;
com pós-graduação em Ciência da
Informação ou cursos de formação sobre
temas relacionados a tríade
Dado/Informação/Conhecimento de caráter
interdisciplinar;
Engenheiro de Sistemas, com formação
em áreas como Engenharia da
Computação, Ciência da Computação,
Sistemas de Informação, Análise de
Sistemas, Análise de Processamento de
Dados ou curso similar. 43
44
3. Modelagem de Segunda Ordem
45
Modelagem de Segunda Ordem
● Derivado da complexidade da Modelagem Direta
○ Utilização de Esquema Estrela (Data Mart)
■ Fato: colunas (atributos das visões)
■ Dimensões: Origem e API; Autorização; Visão, Permissão;
Termos de Uso e Seção.
46
47
48
Wireframes
49
Wireframes
50
51
Atividades
Perspectivas
Tecnologias
de Coleta
Pré-requisitos de
Conhecimento
Áreas Profissionais
envolvidas
1. Seleção das
tabelas da
Modelagem
Direta
Aplicativos para a
sistematização de
conjuntos de dados
na forma da tríade
<Tabela, Coluna,
Linha>;
SGBD;
Linguagem SQL;
Linguagens de
programação e
aplicativos que
permitem a
recuperação de
conjuntos de dados
em SGBD.
Ações e atividades
prejudiciais a privacidade;
Aplicações para
visualização de conjunto
de dados armazenados
em SGBD;
Cardinalidade;
Diagrama de
Entidade-Relacionamento
Dicionário de Dados;
Esquema estrela;
[...]
Administrador, Estatístico ou Economista
de preferência voltados com formação na
área da Administração Pública;
Advogado ou outra profissão similar, com
formação em Direito;
Cientista de Dados, com formação
profissional em áreas como Administração,
Arquivologia, Biblioteconomia,
Computação, Economia e Matemática; com
pós-graduação em Ciência da Informação
ou cursos de formação sobre temas
relacionados a tríade
Dado/Informação/Conhecimento de caráter
interdisciplinar;
Engenheiro de Sistemas, com formação
em áreas como Engenharia da
Computação, Ciência da Computação,
Sistemas de Informação, Análise de
Sistemas, Análise de Processamento de
Dados ou curso similar. 52
4. Critérios
53
Critérios: para a análise e a avaliação de documentos
relacionados aos aspectos de privacidade.
● Segmentado em 11 partes:
○ Rede Social
○ API
○ Requisição
○ Parâmetros
○ Visão
○ Colunas
○ Tipos de Dados
○ Relações
○ Autorizações de Acesso
○ Permissões
○ Termos de Uso
● Total de 54 critérios
54
Critérios
Segmento Critério
Application
Programming
Interface
A documentação de referência do funcionamento da Application
Programming Interface é acessível, com endereço URL próprio?
A documentação de referência possui a lista com as visões
existentes?
As atualizações da Application Programming Interface possuem
um número próprio ou adota um sistema de controle de versão
das revisões?
A Application Programming Interface fornece ambiente para
homologação ou realização de testes?
55
Considerações Finais
● Acompanhamento de potenciais ações e atividades
prejudiciais à privacidade → alta opacidade;
● Necessidade de conhecimentos de múltiplas áreas do
conhecimento → colaboração interdisciplinar
● Reforça o papel da Ciência da Informação neste contexto
→ caráter social
● Estrutura de armazenamento das redes sociais +
diversificação dos tipos de conteúdo → complexidade em
compreender quais conjuntos de dados pessoais estão
disponíveis na coleta via API
● A (quase) invisibilidade da interoperabilidade de dados via
API → opacidade ao usuário 56
Considerações Finais
[...] o objetivo de desenvolver um modelo de dados
voltado para a análise sobre questões de privacidade, a
partir de conjuntos de dados pessoais de usuários de
redes sociais que permitem o acesso via API, revelou
que a associação entre os instrumentos desenvolvidos
e a sistematização do processo de coleta de
informações da rede social e suas entidades, pode
auxiliar na identificação de ações e atividades
potencialmente prejudiciais à privacidade dos
referenciados, no momento da coleta de dados por
agentes externos.
57
ADAMIC, L. A.; ADAR, E. Friends and neighbors on the Web. Social Networks, v. 25, n. 3, p. 211–230, jul.
2003.
BOYD, D. M.; ELLISON, N. B. Social Network Sites: Definition, History, and Scholarship. Journal of
Computer-Mediated Communication, v. 13, n. 1, p. 210–230, out. 2007.
CASTELLS, M. O poder da Identidade. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2001. v. 2
CASTELLS, M. A Sociedade em Rede. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2003. v. 3
CONSEIL EUROPÉEN POUR LA RECHERCHE NUCLÉAIRE (CERN). The birth of the web, 2015. Disponível
em: <http://home.web.cern.ch/topics/birth-web>
DONATH, J. Signals in Social Supernets. Journal of Computer-Mediated Communication, v. 13, n. 1, p.
231–251, out. 2007.
DURKHEIM, É. Da divisão do trabalho social. 2. ed. Lisboa: Presença, 1984.
FACEBOOK INC. Terms of ServiceFacebook Inc., , 2015. Disponível em:
<https://www.facebook.com/legal/terms>. Acesso em: 10 fev. 2015
FACEBOOK INC. Facebook for Developers, 2016. Disponível em: <https://developers.facebook.com/>. Acesso
em: 28 jun. 2016
FLAKE, G. W.; LAWRENCE, S.; GILES, C. L. Efficient identification of web communities. Proceedings of the
sixth ACM SIGKDD international conference on Knowledge discovery and data mining. Anais...ACM, 2000
Referências desta apresentação (Recorte)
58
FREIRE, I. M. Barreiras na comunicação da informação tecnológica. Ciência da Informação, v. 20, n. 1, 1991.
HABERMAS, J. Mudança estrutural da Esfera Pública. 1. ed. Rio de Janeiro, Brasil: Tempo Brasileiro, 1984.
JORENTE, M. J. V.; SANTOS, P. L. V. A. DA C.; VIDOTTI, S. A. B. G. Quando as Webs se encontram: social e
semântica – promessa de uma visão realizada? Informação & Informação, v. 14, n. supl, p. 1–24, 19 dez. 2009.
LINKEDIN CORP. User AgreementLinkedIn Corp., , 23 out. 2014. Disponível em:
<https://www.linkedin.com/legal/user-agreement>. Acesso em: 11 jan. 2017
LINKEDIN CORP. LinkedIn DevelopersLinkedIn Corp., , 2017. Disponível em:
<https://developer.linkedin.com/>. Acesso em: 11 jan. 2017
MALKIN, I.; CONSTANTAKOPOULOU, C.; PANAGOPOULOU, K. Greek and Roman networks in the
Mediterranean. London; New York: Routledge, 2009.
MISLOVE, A. et al. Measurement and analysis of online social networks. ACM Press, 2007Disponível em:
<http://portal.acm.org/citation.cfm?doid=1298306.1298311>. Acesso em: 14 ago. 2015
MORENO, J. L. Who Shall Survive?: Foundations of Sociometry, Group Psychotherapy, and Sociodrama. Nova
Iorque: Beacon House, 1955.
PAPAZOGLOU, M. P. Service-oriented computing: Concepts, characteristics and directions. Proceedings of the
Fourth International Conference on Web Information Systems Engineering. Anais... In: FOURTH
INTERNATIONAL CONFERENCE ON WEB INFORMATION SYSTEMS ENGINEERING (WISE’03). IEEE,
2003
Referências desta apresentação (Recorte)
59
RODRIGUES, F. DE A.; SANT’ANA, R. C. G. Use of Taxonomy of Privacy to Identify Activities Found in Social
Network’s Terms of Use. Knowledge Organization, v. 43, n. 4, p. p285–295, 2016.
SANT’ANA, R. C. G. Ciclo de vida dos dados: uma perspectiva a partir da ciência da informação. Informação &
Informação, v. 21, n. 2, p. 116, 20 dez. 2016.
SEGRE, S. A Durkheimian Network Theory. Journal of Classical Sociology, v. 4, n. 2, p. 215–235, jul. 2004.
SOLOVE, D. J. Understanding privacy. Cambridge, Mass: Harvard University Press, 2008.
TONNIES, F. Comunidade e sociedade como entidades típico-ideais. São Paulo: Nacional, 1973.
TWITTER INC. Terms of ServiceTwitter Inc., , 18 maio 2015. Disponível em:
<https://twitter.com/tos/previous/version_10?lang=en>. Acesso em: 10 fev. 2015
TWITTER INC. Twitter DevelopersTwitter Inc., , 2017. Disponível em: <https://dev.twitter.com/>. Acesso em: 3
jan. 2017
Referências desta apresentação (Recorte)
60
WANG, H. Protecting privacy in China: a research on China’s privacy standards and the possibility of
establishing the right to privacy and the information privacy protection legislation in modern China. Heidelberg ;
New York: Springer, 2011.
WELLMAN, B.; HAYTHORNTHWAITE, C. A. (EDS.). The Internet in everyday life. Malden, MA, USA: Blackwell
Pub, 2002.
WESTIN, A. F. Privacy and freedom. London: Bodley Head, 1970.
ZANON, J. C. (ED.). Direito à Proteção dos Dados Pessoais. 1. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013. v.
1.
Referências desta apresentação (Recorte)
61

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Coleta de Dados em Redes Sociais: privacidade de dados pessoais no acesso via Application Programming Interface

2018 uel-apresentacao-coleta redes-sociais_online
2018 uel-apresentacao-coleta redes-sociais_online2018 uel-apresentacao-coleta redes-sociais_online
2018 uel-apresentacao-coleta redes-sociais_online
Fernando de Assis Rodrigues
 
Fundamentos teóricos para coleta de dados de redes sociais online
Fundamentos teóricos para coleta de dados de redes sociais onlineFundamentos teóricos para coleta de dados de redes sociais online
Fundamentos teóricos para coleta de dados de redes sociais online
Fernando de Assis Rodrigues
 
Coleta de Dados em Redes Sociais
Coleta de Dados em Redes SociaisColeta de Dados em Redes Sociais
Coleta de Dados em Redes Sociais
Fernando de Assis Rodrigues
 
Aspectos de Privacidade em Redes Sociais Online
Aspectos de Privacidade em Redes Sociais OnlineAspectos de Privacidade em Redes Sociais Online
Aspectos de Privacidade em Redes Sociais Online
Fernando de Assis Rodrigues
 
Aspectos de privacidade em Redes Sociais Online
Aspectos de privacidade em Redes Sociais OnlineAspectos de privacidade em Redes Sociais Online
Aspectos de privacidade em Redes Sociais Online
Fernando de Assis Rodrigues
 
Using Privacy's Taxonomy to identify activities found on Social Network's ter...
Using Privacy's Taxonomy to identify activities found on Social Network's ter...Using Privacy's Taxonomy to identify activities found on Social Network's ter...
Using Privacy's Taxonomy to identify activities found on Social Network's ter...
Fernando de Assis Rodrigues
 
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
Fernando de Assis Rodrigues
 
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
Fernando de Assis Rodrigues
 
Dados Abertos no Governo
Dados Abertos no GovernoDados Abertos no Governo
Dados Abertos no Governo
Colaborativismo
 
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
Fernando de Assis Rodrigues
 
Dados, sensores, privacidade e aplicativos
Dados, sensores, privacidade e aplicativosDados, sensores, privacidade e aplicativos
Dados, sensores, privacidade e aplicativos
Fernando de Assis Rodrigues
 
O Bibliotecário como gestor de Projetos em TIC
 O Bibliotecário como gestor de Projetos em TIC O Bibliotecário como gestor de Projetos em TIC
O Bibliotecário como gestor de Projetos em TIC
Rodrigo Moreira Garcia
 
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
Fernando de Assis Rodrigues
 
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
Fernando de Assis Rodrigues
 
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
Fernando de Assis Rodrigues
 
Manual dados abertos_web
Manual dados abertos_webManual dados abertos_web
Manual dados abertos_web
Lisandro Michel
 
Manual dados abertos_web
Manual dados abertos_webManual dados abertos_web
Manual dados abertos_web
Joel Lobo
 
Apresentação Monografia Federação de redes e mídias sociais virtuais
Apresentação Monografia Federação de redes e mídias sociais virtuaisApresentação Monografia Federação de redes e mídias sociais virtuais
Apresentação Monografia Federação de redes e mídias sociais virtuais
Jean José
 
Apresentacao geral opendata
Apresentacao geral opendataApresentacao geral opendata
Apresentacao geral opendata
Ricardo Poppi
 
Contextualização de conceitos teóricos no processo de coleta de dados de Rede...
Contextualização de conceitos teóricos no processo de coleta de dados de Rede...Contextualização de conceitos teóricos no processo de coleta de dados de Rede...
Contextualização de conceitos teóricos no processo de coleta de dados de Rede...
Fernando de Assis Rodrigues
 

Semelhante a Coleta de Dados em Redes Sociais: privacidade de dados pessoais no acesso via Application Programming Interface (20)

2018 uel-apresentacao-coleta redes-sociais_online
2018 uel-apresentacao-coleta redes-sociais_online2018 uel-apresentacao-coleta redes-sociais_online
2018 uel-apresentacao-coleta redes-sociais_online
 
Fundamentos teóricos para coleta de dados de redes sociais online
Fundamentos teóricos para coleta de dados de redes sociais onlineFundamentos teóricos para coleta de dados de redes sociais online
Fundamentos teóricos para coleta de dados de redes sociais online
 
Coleta de Dados em Redes Sociais
Coleta de Dados em Redes SociaisColeta de Dados em Redes Sociais
Coleta de Dados em Redes Sociais
 
Aspectos de Privacidade em Redes Sociais Online
Aspectos de Privacidade em Redes Sociais OnlineAspectos de Privacidade em Redes Sociais Online
Aspectos de Privacidade em Redes Sociais Online
 
Aspectos de privacidade em Redes Sociais Online
Aspectos de privacidade em Redes Sociais OnlineAspectos de privacidade em Redes Sociais Online
Aspectos de privacidade em Redes Sociais Online
 
Using Privacy's Taxonomy to identify activities found on Social Network's ter...
Using Privacy's Taxonomy to identify activities found on Social Network's ter...Using Privacy's Taxonomy to identify activities found on Social Network's ter...
Using Privacy's Taxonomy to identify activities found on Social Network's ter...
 
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
 
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
 
Dados Abertos no Governo
Dados Abertos no GovernoDados Abertos no Governo
Dados Abertos no Governo
 
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
 
Dados, sensores, privacidade e aplicativos
Dados, sensores, privacidade e aplicativosDados, sensores, privacidade e aplicativos
Dados, sensores, privacidade e aplicativos
 
O Bibliotecário como gestor de Projetos em TIC
 O Bibliotecário como gestor de Projetos em TIC O Bibliotecário como gestor de Projetos em TIC
O Bibliotecário como gestor de Projetos em TIC
 
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
 
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
 
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
 
Manual dados abertos_web
Manual dados abertos_webManual dados abertos_web
Manual dados abertos_web
 
Manual dados abertos_web
Manual dados abertos_webManual dados abertos_web
Manual dados abertos_web
 
Apresentação Monografia Federação de redes e mídias sociais virtuais
Apresentação Monografia Federação de redes e mídias sociais virtuaisApresentação Monografia Federação de redes e mídias sociais virtuais
Apresentação Monografia Federação de redes e mídias sociais virtuais
 
Apresentacao geral opendata
Apresentacao geral opendataApresentacao geral opendata
Apresentacao geral opendata
 
Contextualização de conceitos teóricos no processo de coleta de dados de Rede...
Contextualização de conceitos teóricos no processo de coleta de dados de Rede...Contextualização de conceitos teóricos no processo de coleta de dados de Rede...
Contextualização de conceitos teóricos no processo de coleta de dados de Rede...
 

Mais de Fernando de Assis Rodrigues

Perspectivas e impasses na salvaguarda e preservação documental pós Medida Pr...
Perspectivas e impasses na salvaguarda e preservação documental pós Medida Pr...Perspectivas e impasses na salvaguarda e preservação documental pós Medida Pr...
Perspectivas e impasses na salvaguarda e preservação documental pós Medida Pr...
Fernando de Assis Rodrigues
 
Serviços de Redes Sociais On-line e a Comunicação Científica: visibilidade de...
Serviços de Redes Sociais On-line e a Comunicação Científica: visibilidade de...Serviços de Redes Sociais On-line e a Comunicação Científica: visibilidade de...
Serviços de Redes Sociais On-line e a Comunicação Científica: visibilidade de...
Fernando de Assis Rodrigues
 
Interseções entre Coleta de Dados e Redes Sociais Online
Interseções entre Coleta de Dados e Redes Sociais OnlineInterseções entre Coleta de Dados e Redes Sociais Online
Interseções entre Coleta de Dados e Redes Sociais Online
Fernando de Assis Rodrigues
 
Processo de Acesso a Dados e suas fases
Processo de Acesso a Dados e suas fasesProcesso de Acesso a Dados e suas fases
Processo de Acesso a Dados e suas fases
Fernando de Assis Rodrigues
 
Identifying semantics characteristics of user’s interactions datasets through...
Identifying semantics characteristics of user’s interactions datasets through...Identifying semantics characteristics of user’s interactions datasets through...
Identifying semantics characteristics of user’s interactions datasets through...
Fernando de Assis Rodrigues
 
Open Source e Open Platform: potenciais catalizadores para uso de Internet da...
Open Source e Open Platform: potenciais catalizadores para uso de Internet da...Open Source e Open Platform: potenciais catalizadores para uso de Internet da...
Open Source e Open Platform: potenciais catalizadores para uso de Internet da...
Fernando de Assis Rodrigues
 
Metadados em objetos digitais: conceitos e indexação na Web
Metadados em objetos digitais: conceitos e indexação na WebMetadados em objetos digitais: conceitos e indexação na Web
Metadados em objetos digitais: conceitos e indexação na Web
Fernando de Assis Rodrigues
 
Metadados e Interoperabilidade
Metadados e InteroperabilidadeMetadados e Interoperabilidade
Metadados e Interoperabilidade
Fernando de Assis Rodrigues
 
Aplicações da Teoria dos Grafos em coletas de dados
Aplicações da Teoria dos Grafos em coletas de dadosAplicações da Teoria dos Grafos em coletas de dados
Aplicações da Teoria dos Grafos em coletas de dados
Fernando de Assis Rodrigues
 
Raspagem de dados em websites governamentais
Raspagem de dados em websites governamentaisRaspagem de dados em websites governamentais
Raspagem de dados em websites governamentais
Fernando de Assis Rodrigues
 
Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...
Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...
Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...
Fernando de Assis Rodrigues
 
ACESSO ÀS INFORMAÇÕES SOBRE AGRICULTURA FAMILIAR NA WEB
ACESSO ÀS INFORMAÇÕES SOBRE AGRICULTURA FAMILIAR NA WEBACESSO ÀS INFORMAÇÕES SOBRE AGRICULTURA FAMILIAR NA WEB
ACESSO ÀS INFORMAÇÕES SOBRE AGRICULTURA FAMILIAR NA WEB
Fernando de Assis Rodrigues
 
O USO DE DADOS PÚBLICOS PARA O ACOMPANHAMENTO DA ATIVIDADE PARLAMENTAR
O USO DE DADOS PÚBLICOS PARA O ACOMPANHAMENTO DA ATIVIDADE PARLAMENTARO USO DE DADOS PÚBLICOS PARA O ACOMPANHAMENTO DA ATIVIDADE PARLAMENTAR
O USO DE DADOS PÚBLICOS PARA O ACOMPANHAMENTO DA ATIVIDADE PARLAMENTAR
Fernando de Assis Rodrigues
 
Estudo de aderência entre padrões de representação de dados sobre entidades
Estudo de aderência entre padrões de representação de dados sobre entidadesEstudo de aderência entre padrões de representação de dados sobre entidades
Estudo de aderência entre padrões de representação de dados sobre entidades
Fernando de Assis Rodrigues
 
FINDABILITY ASPECTS IN FAMILY FARMING DIGITAL INFORMATION ENVIRONMENTS
FINDABILITY ASPECTS IN FAMILY FARMING DIGITAL INFORMATION ENVIRONMENTSFINDABILITY ASPECTS IN FAMILY FARMING DIGITAL INFORMATION ENVIRONMENTS
FINDABILITY ASPECTS IN FAMILY FARMING DIGITAL INFORMATION ENVIRONMENTS
Fernando de Assis Rodrigues
 
Coleta de dados, redes e privacidade
Coleta de dados, redes e privacidadeColeta de dados, redes e privacidade
Coleta de dados, redes e privacidade
Fernando de Assis Rodrigues
 
Direitos e Privacidade na Coleta de Dados
Direitos e Privacidade na Coleta de DadosDireitos e Privacidade na Coleta de Dados
Direitos e Privacidade na Coleta de Dados
Fernando de Assis Rodrigues
 
Visibilidade da produção científica utilizando ReserchGate e Google Scholar
Visibilidade da produção científica utilizando ReserchGate e Google ScholarVisibilidade da produção científica utilizando ReserchGate e Google Scholar
Visibilidade da produção científica utilizando ReserchGate e Google Scholar
Fernando de Assis Rodrigues
 

Mais de Fernando de Assis Rodrigues (18)

Perspectivas e impasses na salvaguarda e preservação documental pós Medida Pr...
Perspectivas e impasses na salvaguarda e preservação documental pós Medida Pr...Perspectivas e impasses na salvaguarda e preservação documental pós Medida Pr...
Perspectivas e impasses na salvaguarda e preservação documental pós Medida Pr...
 
Serviços de Redes Sociais On-line e a Comunicação Científica: visibilidade de...
Serviços de Redes Sociais On-line e a Comunicação Científica: visibilidade de...Serviços de Redes Sociais On-line e a Comunicação Científica: visibilidade de...
Serviços de Redes Sociais On-line e a Comunicação Científica: visibilidade de...
 
Interseções entre Coleta de Dados e Redes Sociais Online
Interseções entre Coleta de Dados e Redes Sociais OnlineInterseções entre Coleta de Dados e Redes Sociais Online
Interseções entre Coleta de Dados e Redes Sociais Online
 
Processo de Acesso a Dados e suas fases
Processo de Acesso a Dados e suas fasesProcesso de Acesso a Dados e suas fases
Processo de Acesso a Dados e suas fases
 
Identifying semantics characteristics of user’s interactions datasets through...
Identifying semantics characteristics of user’s interactions datasets through...Identifying semantics characteristics of user’s interactions datasets through...
Identifying semantics characteristics of user’s interactions datasets through...
 
Open Source e Open Platform: potenciais catalizadores para uso de Internet da...
Open Source e Open Platform: potenciais catalizadores para uso de Internet da...Open Source e Open Platform: potenciais catalizadores para uso de Internet da...
Open Source e Open Platform: potenciais catalizadores para uso de Internet da...
 
Metadados em objetos digitais: conceitos e indexação na Web
Metadados em objetos digitais: conceitos e indexação na WebMetadados em objetos digitais: conceitos e indexação na Web
Metadados em objetos digitais: conceitos e indexação na Web
 
Metadados e Interoperabilidade
Metadados e InteroperabilidadeMetadados e Interoperabilidade
Metadados e Interoperabilidade
 
Aplicações da Teoria dos Grafos em coletas de dados
Aplicações da Teoria dos Grafos em coletas de dadosAplicações da Teoria dos Grafos em coletas de dados
Aplicações da Teoria dos Grafos em coletas de dados
 
Raspagem de dados em websites governamentais
Raspagem de dados em websites governamentaisRaspagem de dados em websites governamentais
Raspagem de dados em websites governamentais
 
Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...
Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...
Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...
 
ACESSO ÀS INFORMAÇÕES SOBRE AGRICULTURA FAMILIAR NA WEB
ACESSO ÀS INFORMAÇÕES SOBRE AGRICULTURA FAMILIAR NA WEBACESSO ÀS INFORMAÇÕES SOBRE AGRICULTURA FAMILIAR NA WEB
ACESSO ÀS INFORMAÇÕES SOBRE AGRICULTURA FAMILIAR NA WEB
 
O USO DE DADOS PÚBLICOS PARA O ACOMPANHAMENTO DA ATIVIDADE PARLAMENTAR
O USO DE DADOS PÚBLICOS PARA O ACOMPANHAMENTO DA ATIVIDADE PARLAMENTARO USO DE DADOS PÚBLICOS PARA O ACOMPANHAMENTO DA ATIVIDADE PARLAMENTAR
O USO DE DADOS PÚBLICOS PARA O ACOMPANHAMENTO DA ATIVIDADE PARLAMENTAR
 
Estudo de aderência entre padrões de representação de dados sobre entidades
Estudo de aderência entre padrões de representação de dados sobre entidadesEstudo de aderência entre padrões de representação de dados sobre entidades
Estudo de aderência entre padrões de representação de dados sobre entidades
 
FINDABILITY ASPECTS IN FAMILY FARMING DIGITAL INFORMATION ENVIRONMENTS
FINDABILITY ASPECTS IN FAMILY FARMING DIGITAL INFORMATION ENVIRONMENTSFINDABILITY ASPECTS IN FAMILY FARMING DIGITAL INFORMATION ENVIRONMENTS
FINDABILITY ASPECTS IN FAMILY FARMING DIGITAL INFORMATION ENVIRONMENTS
 
Coleta de dados, redes e privacidade
Coleta de dados, redes e privacidadeColeta de dados, redes e privacidade
Coleta de dados, redes e privacidade
 
Direitos e Privacidade na Coleta de Dados
Direitos e Privacidade na Coleta de DadosDireitos e Privacidade na Coleta de Dados
Direitos e Privacidade na Coleta de Dados
 
Visibilidade da produção científica utilizando ReserchGate e Google Scholar
Visibilidade da produção científica utilizando ReserchGate e Google ScholarVisibilidade da produção científica utilizando ReserchGate e Google Scholar
Visibilidade da produção científica utilizando ReserchGate e Google Scholar
 

Coleta de Dados em Redes Sociais: privacidade de dados pessoais no acesso via Application Programming Interface

  • 1. COLETA DE DADOS EM REDES SOCIAIS: Privacidade de dados pessoais no acesso via Application Programming Interface M.S. Fernando de Assis Rodrigues Orientação: Prof. Dr. Ricardo César Gonçalves Sant’Ana
  • 2. Rede Social ● Antiguidade ○ [...] interesse em desenvolver ambientes para a exposição de ideias e de discussões, com o uso de argumentos lógicos e do discurso racional → Ágoras Grega e Romana ● Idade Média ○ Série de acordos sobre direitos e garantias pessoais (HABERMAS, 1984; MALKIN; CONSTANTAKOPOULOU; PANAGOPOULOU, 2009) 2
  • 3. Rede Social Grupos Sociais: - Interação entre indivíduos (final do séc XIX): Tönnies: o fenômeno de rede social como um processo desencadeado pelos valores e crenças do indivíduo em relação ao grupo (Comunidade) ou pelos vínculos sociais formais, instrumentais e impessoais – (Sociedade); Durkheim: o fenômeno de rede social como um processo desencadeado pela própria predisposição do indivíduo de ser ‘sociável’ e desejar participar de uma vida em sociedade. 3(DURKHEIM, 1984; SEGRE, 2004; TONNIES, 1973) - A partir de 1920-30: - Uso de teorias matemáticas, por estudos de Moreno (1955).
  • 4. A Sociedade da Informação ● Revolução Industrial e o Pós-Guerra (1945-) ● Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) ○ Aumento do uso de TIC em atividades profissionais x pessoais (CASTELLS, 2001; 2003; FREIRE, 1991; HABERMAS, 1984; JORENTE; SANTOS; VIDOTTI, 2009; WELLMAN; HAYTHORNTHWAITE, 2002) Imagens: https://goo.gl/sgJP4V e https://goo.gl/70G4e9 4
  • 5. A Sociedade da Informação ● Sociedade da Informação ○ Ativos: Dado e Informação ○ Motrizes: TIC e Internet ○ Efeitos: ■ Troca de informação via Sistemas de Informação ■ Internet como novo local de organização social e cultural ■ Quebra de barreiras temporais, geográficas… ■ ... (CASTELLS, 2001; 2003; FREIRE, 1991;WELLMAN; HAYTHORNTHWAITE, 2002) 5
  • 6. Redes Sociais [...] é uma estrutura social interconectada por um conjunto de nós (individuais ou grupais) que são interligados por um ou mais tipos de relacionamentos. A rede tem a informação como operador da relação nas estruturas sociais; e também nos aparatos tecnológicos informacionais da transferência (ambientes digitais, estruturas de produção, tratamento, armazenamento e reprodução de recursos ou mensagens, produção de novos sistemas e modelos de armazenagem e acesso à informação, entre outros) (JORENTE; SANTOS; VIDOTTI, 2009, p. 10). 6
  • 7. Redes Sociais ● Redes Sociais On-line, Sites de Redes Sociais ou Redes Sociais; ○ Presentes desde o início da Internet (ADAMIC; ADAR, 2003; BOYD; ELLISON, 2007; CERN, 2015; FLAKE; LAWRENCE; GILES, 2000; MISLOVE et al., 2007) Internet Relay Chat (IRC) 7
  • 8. Redes Sociais Amadurecimento das TICs Disponibilidade de conexão Redes Sociais com serviços específicos de inter-relacionamento de usuários e troca de conteúdo multimídia (ADAMIC; ADAR, 2003; BOYD; ELLISON, 2007; CERN, 2015; DONATH, 2007; FLAKE; LAWRENCE; GILES, 2000; MISLOVE et al., 2007) Super Redes Sociais 8
  • 9. ● Elaboração e manutenção por instituições públicas e/ou privadas; ○ Banco de dados com informações e dados pessoais ● Potencializa preocupações já existentes em outros contextos: ○ Exposição de dados de usuários para outras instituições, governos e outros usuários ○ Crimes sexuais e abusos contra crianças e a juventude ○ Perseguição de pessoas (Cyberstalking) ○ Ações e atividades resultantes de intolerância Redes Sociais - Preocupações 9
  • 10. Em todos estes cenários, ocorrem exposições de dados que perpassam questões inerentes a privacidade. 10
  • 11. Privacidade 11 [...] a capacidade de indivíduos, grupos e instituições determinarem por si mesmos, quando, como e de que forma as informações do sujeito são divulgadas para outros (WESTIN, 1970, p. 7). [...] um direito, que consiste em um número de interesses individuais que indivíduos querem manter seus negócios e informações pessoais livres de interferências de outros (WANG, 2011, p. 8).
  • 12. Privacidade ● Elementos de proteção à privacidade: ○ Leis que regem impedimentos a ações e atividades que são consideradas prejudiciais a privacidade; ○ Variam de acordo com o Estado; ○ Garantem um espaço particular (privado) para garantir a liberdade dos cidadãos. ● Taxonomia de ações e atividades prejudiciais à privacidade: ■ 4 Grupos e 16 Subgrupos → Conceitos voltados a atender a demanda de categorização de ações e atividades na web; ■ Exemplo: Grupo “Coleta de Informação” → Subgrupo “Vigilância”: “atividades encadeadas com o propósito de vigiar um indivíduo no seu espaço privado ou em espaço público”. (RODRIGUES;SANT’ANA,2016; SOLOVE,2008;ZANON,2013) 12
  • 13. Ciclo de Vida dos Dados para a CI (CVD) ● Contextualização para a análise das estruturas de coleta/armazenamento/recuperação; ● Ciclo, segmentado em 4 Fases: ○ Coleta: fase inicial de planejamento e outras atividades relacionadas a obtenção dos dados; ○ Armazenamento: atividades relacionadas ao processamento, a inserção, a manipulação, a migração e a transmissão na persistência dos dados; ○ Recuperação: atividades voltadas à fase em que estes dados passam a estar disponíveis para consulta e visualização; ○ Descarte: atividades relacionadas com o descarte de dados que, dependendo da situação, poderá gerar dados, seja por transferência para outras bases, seja para efeito de preservação de informações selecionadas. 13
  • 14. Ciclo de Vida dos Dados para a CI (CVD) ● As fases são permeadas por 6 objetivos: (SANT’ANA, 2016) 14
  • 15. Coleta ● Redes sociais apresentam a possibilidade de coleta de dados pessoais para agentes externos ○ CVD → Coleta → como são obtidos os dados? Application Programming Interface (API) ○ ○ Termos de Uso → estabelecem as atividades consideradas legais no momento da coleta de dados pessoais ■ Legalidade ≠ Privacidade ○ Sutil 15 A API é uma estrutura formal de regras e protocolos para proporcionar a interoperabilidade de conjunto de dados, independentes de plataforma, por dois ou mais sistemas de informação, com o uso de padrões abertos ou fechados para o intercâmbio dos dados e que contém documentação disponível na origem para o entendimento de todas as partes sobre o seu modo de operacionalização. (PAPAZOGLOU, 2003)
  • 16. Case Aplicativo de Terceiro Dados que serão enviados ao Aplicativo Externo Fonte: http://www.toptestes.com/ 16
  • 17. Problema ● Usuário/Referenciado: click-wrap nos Termos de Uso ○ Aceitação antes da utilização ● Não há garantias do que será realizado com os dados pessoais compartilhados: ○ O que o aplicativo X fará com minhas fotografias? ○ O que o aplicativo Y fará com meu endereço de e-mail? ○ A rede social não tem capacidade de acompanhar o qu realizado com seus dados em todos os seus parceiros. ■ Após copiado para outro serviço, a coleta de dados pessoais não tem volta. 17
  • 18. Problema Mesmo com o auxílio de profissionais, com habilidades e conhecimentos prévios sobre a forma de coletar conjuntos de dados de referenciados e sobre os aspectos legais de compartilhamento de dados das redes sociais, não há um modelo de dados para a coleta, e uma sistematização apropriada para o acompanhamento dos aspectos relacionados à privacidade de referenciados no processo de coleta de dados. 18
  • 19. Hipótese A sistematização dos procedimentos de coleta de dados sobre documentos contendo as características dos conjuntos de dados das APIs, e Termos de Uso e suas seções – retroalimentada pelos próprios instrumentos desenvolvidos no processo – pode auxiliar a identificação de ações e atividades potencialmente prejudiciais à privacidade dos referenciados, no momento da coleta de dados por agentes externos, e revelar pré-requisitos de conhecimentos sobre as tecnologias envolvidas neste processo, conceitos prévios necessários à identificação das características, e áreas profissionais envolvidas no entendimento das informações sobre tecnologias voltadas às APIs e as condições dos Termos de Uso. 19
  • 20. Objetivo [...] construção de um modelo de dados orientado a análise sobre questões de privacidade de dados pessoais, a partir da identificação das características da coleta de dados de referenciados via API, para auxiliar na identificação de potenciais ações e atividades prejudiciais à privacidade, realizadas na coleta de dados. 20
  • 21. Relevância ● Ir de “senso comum” para “formalização por dados” sobre as questões de privacidade de dados pessoais. ● Minimizar a: ○ Complexidade e linguagem dos Termos de Uso ○ Complexidade das redes ○ Complexidade técnica dos documentos que estabelecem a conexão de aplicativos externos via APIs 21
  • 22. Administração - Gestão da Informação - Entrega dos produtos - ... Ciência da Computação - Privacidade na implementação - TIC (performance, desenvolvimento, …) - ... Direito - Legislação - Políticas - Jurisprudência - ... Ciência da Informação - Caráter Social - Olhar a partir dos dados - Olhar sob a perspectiva dos referenciados - ... Ponto-chave: atividade colaborativa 22
  • 23. Universo de Pesquisa/Amostra ● Serviços disponíveis na internet que utilizam API como interfaces e interoperabilidade de seus conteúdos. ● São dados das APIs e não do conteúdo. ● Amostra - APIs: ○ : Graph API, v. 2.6/2.8 ○ : Public API, v. 1.1 ○ : Rest API, v. 1.0 *Top 20 no Ranking ALEXA 23
  • 24. Metodologia Análise exploratória de caráter qualitativo 24 ○ Método combinado: a. Exploração das características técnicas das APIs b. Leitura das coleções de documentos disponíveis (técnicos e termos de uso) c. Perspectivas de Análise
  • 26. API - Estrutura e Modelagem ● Requisições para coleta ● Uso de Visões para restringir seu conteúdo ● Modelagem de Banco de Dados: ○ Tabelas, Colunas e Linhas ○ Identificadores ○ Relações e cardinalidade 26
  • 27. Coleta de Dados 27 Redes Sociais Referenciados ~ 1,65 bi ~ 300 mi ~ 467 mi Presença Global* Global* Global* Idiomas 107 55 24 Escritórios Regionais 62 35 31 * Alguns países bloqueiam o acesso, como o caso da Coreia do Norte.
  • 28. 28(FACEBOOK INC., 2016; LINKEDIN CORP., 2017; TWITTER INC., 2017) As APIs possuem áreas específicas para a documentação de referência técnica
  • 29. 29(FACEBOOK INC., 2016; LINKEDIN CORP., 2017; TWITTER INC., 2017) As Redes Sociais possuem áreas específicas para os Termos de Uso
  • 30. Coleta de Dados 30 APIs Total Graph API REST API REST API Controle de Versões Sim (v2.6 /v2.8) SIm (1.1) Sim (1.0) - Protocolo HTTP HTTPS HTTPS - Linguagens de Marcação JSON JSON e XML JSON e XML - Visões 291 74 21 386
  • 31. Coleta de Dados 31 APIs Total Graph API REST API REST API Visões 291 74 21 386 Colunas Formas de apresentação 3 2 4 9 Nomes utilizados 167 477 170 814 Qualificadores 3 2 2 7 Total encontrado 1231 803 231 2265 Tipos de Dado 159 25 22 206
  • 32. Coleta de Dados 32 APIs Total Graph API REST API REST API Relacionamentos 484 111 29 624 Pontos de Entrada 279 64 2 345 Parâmetros Nomes utilizados 164 63 4 231 Qualificadores 3 2 2 7 Total encontrado 398 234 6 638
  • 33. Coleta de Dados 33 APIs Total Graph API REST API REST API Tokens de Permissão de Acesso 4 2 1 7 Permissões 43 0* 5 48 Termos de Uso - Quantidade de Seções 12 6 5 23
  • 35. 1. Sistematização dos elementos no primeiro ciclo da coleta de dados 35
  • 36. 36
  • 37. 37
  • 38. 38
  • 39. Sistematização dos elementos no primeiro ciclo da coleta de dados ● Não depende de uma tecnologia específica ○ Ex: pode-se utilizar formulários, planilhas ou um sistema de informação com banco de dados relacional 39
  • 41. Modelagem Direta 41 ● Explicitação direta das características das APIs e dos Termos de Uso; ● Adicionadas informações sobre o processo da coleta de dados e sobre os coletores.
  • 42. 42
  • 43. Atividades Perspectivas Tecnologias de Coleta Pré-requisitos de Conhecimento Áreas Profissionais envolvidas 1. Leitura dos documentos e das referências relativas ao funcionamento da API e dos Termos de Uso Protocolos HTTP e HTTPS; Procedimentos para a Coleta de dados via API; Sistemas de entradas (Proprietários e baseados no OAuth) Linguagens de marcação (JSON e XML); Linguagens de Programação; Redes sociais; Privacidade de dados pessoais; Programação; Interoperabilidade de conjuntos de dados entre sistemas de informação; SaaS; API; Wire Protocol; Teoria dos Grafos; Privacidade; Ações e atividades prejudiciais a privacidade. Administrador, Estatístico ou Economista de preferência voltados com formação na área da Administração Pública; Advogado ou outra profissão similar, com formação em Direito; Cientista de Dados, com formação profissional em áreas como Administração, Arquivologia, Biblioteconomia, Computação, Economia e Matemática; com pós-graduação em Ciência da Informação ou cursos de formação sobre temas relacionados a tríade Dado/Informação/Conhecimento de caráter interdisciplinar; Engenheiro de Sistemas, com formação em áreas como Engenharia da Computação, Ciência da Computação, Sistemas de Informação, Análise de Sistemas, Análise de Processamento de Dados ou curso similar. 43
  • 44. 44
  • 45. 3. Modelagem de Segunda Ordem 45
  • 46. Modelagem de Segunda Ordem ● Derivado da complexidade da Modelagem Direta ○ Utilização de Esquema Estrela (Data Mart) ■ Fato: colunas (atributos das visões) ■ Dimensões: Origem e API; Autorização; Visão, Permissão; Termos de Uso e Seção. 46
  • 47. 47
  • 48. 48
  • 51. 51
  • 52. Atividades Perspectivas Tecnologias de Coleta Pré-requisitos de Conhecimento Áreas Profissionais envolvidas 1. Seleção das tabelas da Modelagem Direta Aplicativos para a sistematização de conjuntos de dados na forma da tríade <Tabela, Coluna, Linha>; SGBD; Linguagem SQL; Linguagens de programação e aplicativos que permitem a recuperação de conjuntos de dados em SGBD. Ações e atividades prejudiciais a privacidade; Aplicações para visualização de conjunto de dados armazenados em SGBD; Cardinalidade; Diagrama de Entidade-Relacionamento Dicionário de Dados; Esquema estrela; [...] Administrador, Estatístico ou Economista de preferência voltados com formação na área da Administração Pública; Advogado ou outra profissão similar, com formação em Direito; Cientista de Dados, com formação profissional em áreas como Administração, Arquivologia, Biblioteconomia, Computação, Economia e Matemática; com pós-graduação em Ciência da Informação ou cursos de formação sobre temas relacionados a tríade Dado/Informação/Conhecimento de caráter interdisciplinar; Engenheiro de Sistemas, com formação em áreas como Engenharia da Computação, Ciência da Computação, Sistemas de Informação, Análise de Sistemas, Análise de Processamento de Dados ou curso similar. 52
  • 54. Critérios: para a análise e a avaliação de documentos relacionados aos aspectos de privacidade. ● Segmentado em 11 partes: ○ Rede Social ○ API ○ Requisição ○ Parâmetros ○ Visão ○ Colunas ○ Tipos de Dados ○ Relações ○ Autorizações de Acesso ○ Permissões ○ Termos de Uso ● Total de 54 critérios 54
  • 55. Critérios Segmento Critério Application Programming Interface A documentação de referência do funcionamento da Application Programming Interface é acessível, com endereço URL próprio? A documentação de referência possui a lista com as visões existentes? As atualizações da Application Programming Interface possuem um número próprio ou adota um sistema de controle de versão das revisões? A Application Programming Interface fornece ambiente para homologação ou realização de testes? 55
  • 56. Considerações Finais ● Acompanhamento de potenciais ações e atividades prejudiciais à privacidade → alta opacidade; ● Necessidade de conhecimentos de múltiplas áreas do conhecimento → colaboração interdisciplinar ● Reforça o papel da Ciência da Informação neste contexto → caráter social ● Estrutura de armazenamento das redes sociais + diversificação dos tipos de conteúdo → complexidade em compreender quais conjuntos de dados pessoais estão disponíveis na coleta via API ● A (quase) invisibilidade da interoperabilidade de dados via API → opacidade ao usuário 56
  • 57. Considerações Finais [...] o objetivo de desenvolver um modelo de dados voltado para a análise sobre questões de privacidade, a partir de conjuntos de dados pessoais de usuários de redes sociais que permitem o acesso via API, revelou que a associação entre os instrumentos desenvolvidos e a sistematização do processo de coleta de informações da rede social e suas entidades, pode auxiliar na identificação de ações e atividades potencialmente prejudiciais à privacidade dos referenciados, no momento da coleta de dados por agentes externos. 57
  • 58. ADAMIC, L. A.; ADAR, E. Friends and neighbors on the Web. Social Networks, v. 25, n. 3, p. 211–230, jul. 2003. BOYD, D. M.; ELLISON, N. B. Social Network Sites: Definition, History, and Scholarship. Journal of Computer-Mediated Communication, v. 13, n. 1, p. 210–230, out. 2007. CASTELLS, M. O poder da Identidade. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2001. v. 2 CASTELLS, M. A Sociedade em Rede. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2003. v. 3 CONSEIL EUROPÉEN POUR LA RECHERCHE NUCLÉAIRE (CERN). The birth of the web, 2015. Disponível em: <http://home.web.cern.ch/topics/birth-web> DONATH, J. Signals in Social Supernets. Journal of Computer-Mediated Communication, v. 13, n. 1, p. 231–251, out. 2007. DURKHEIM, É. Da divisão do trabalho social. 2. ed. Lisboa: Presença, 1984. FACEBOOK INC. Terms of ServiceFacebook Inc., , 2015. Disponível em: <https://www.facebook.com/legal/terms>. Acesso em: 10 fev. 2015 FACEBOOK INC. Facebook for Developers, 2016. Disponível em: <https://developers.facebook.com/>. Acesso em: 28 jun. 2016 FLAKE, G. W.; LAWRENCE, S.; GILES, C. L. Efficient identification of web communities. Proceedings of the sixth ACM SIGKDD international conference on Knowledge discovery and data mining. Anais...ACM, 2000 Referências desta apresentação (Recorte) 58
  • 59. FREIRE, I. M. Barreiras na comunicação da informação tecnológica. Ciência da Informação, v. 20, n. 1, 1991. HABERMAS, J. Mudança estrutural da Esfera Pública. 1. ed. Rio de Janeiro, Brasil: Tempo Brasileiro, 1984. JORENTE, M. J. V.; SANTOS, P. L. V. A. DA C.; VIDOTTI, S. A. B. G. Quando as Webs se encontram: social e semântica – promessa de uma visão realizada? Informação & Informação, v. 14, n. supl, p. 1–24, 19 dez. 2009. LINKEDIN CORP. User AgreementLinkedIn Corp., , 23 out. 2014. Disponível em: <https://www.linkedin.com/legal/user-agreement>. Acesso em: 11 jan. 2017 LINKEDIN CORP. LinkedIn DevelopersLinkedIn Corp., , 2017. Disponível em: <https://developer.linkedin.com/>. Acesso em: 11 jan. 2017 MALKIN, I.; CONSTANTAKOPOULOU, C.; PANAGOPOULOU, K. Greek and Roman networks in the Mediterranean. London; New York: Routledge, 2009. MISLOVE, A. et al. Measurement and analysis of online social networks. ACM Press, 2007Disponível em: <http://portal.acm.org/citation.cfm?doid=1298306.1298311>. Acesso em: 14 ago. 2015 MORENO, J. L. Who Shall Survive?: Foundations of Sociometry, Group Psychotherapy, and Sociodrama. Nova Iorque: Beacon House, 1955. PAPAZOGLOU, M. P. Service-oriented computing: Concepts, characteristics and directions. Proceedings of the Fourth International Conference on Web Information Systems Engineering. Anais... In: FOURTH INTERNATIONAL CONFERENCE ON WEB INFORMATION SYSTEMS ENGINEERING (WISE’03). IEEE, 2003 Referências desta apresentação (Recorte) 59
  • 60. RODRIGUES, F. DE A.; SANT’ANA, R. C. G. Use of Taxonomy of Privacy to Identify Activities Found in Social Network’s Terms of Use. Knowledge Organization, v. 43, n. 4, p. p285–295, 2016. SANT’ANA, R. C. G. Ciclo de vida dos dados: uma perspectiva a partir da ciência da informação. Informação & Informação, v. 21, n. 2, p. 116, 20 dez. 2016. SEGRE, S. A Durkheimian Network Theory. Journal of Classical Sociology, v. 4, n. 2, p. 215–235, jul. 2004. SOLOVE, D. J. Understanding privacy. Cambridge, Mass: Harvard University Press, 2008. TONNIES, F. Comunidade e sociedade como entidades típico-ideais. São Paulo: Nacional, 1973. TWITTER INC. Terms of ServiceTwitter Inc., , 18 maio 2015. Disponível em: <https://twitter.com/tos/previous/version_10?lang=en>. Acesso em: 10 fev. 2015 TWITTER INC. Twitter DevelopersTwitter Inc., , 2017. Disponível em: <https://dev.twitter.com/>. Acesso em: 3 jan. 2017 Referências desta apresentação (Recorte) 60
  • 61. WANG, H. Protecting privacy in China: a research on China’s privacy standards and the possibility of establishing the right to privacy and the information privacy protection legislation in modern China. Heidelberg ; New York: Springer, 2011. WELLMAN, B.; HAYTHORNTHWAITE, C. A. (EDS.). The Internet in everyday life. Malden, MA, USA: Blackwell Pub, 2002. WESTIN, A. F. Privacy and freedom. London: Bodley Head, 1970. ZANON, J. C. (ED.). Direito à Proteção dos Dados Pessoais. 1. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2013. v. 1. Referências desta apresentação (Recorte) 61