SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Aplicações da Teoria dos
Grafos em coletas de dados
Fernando de Assis Rodrigues
Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados
(GPTAD)
→ Matemática
→ Conjuntos
2
A1 = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9}
A2 = {10, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17, 18, 19}
A3 = {⅓, -9, 21, 0.0333, 2}
A4 = {Carlos, José, Maria, André}
Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados
(GPTAD)
→ Matemática
→ Conjuntos
→ Relações entre objetos de um conjunto
3
Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados
(GPTAD)
4
A = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9}
Espelho
Espelho
A={0,1,2,3,4,5,6,7,8,9}
→ Matemática
→ Conjuntos
Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados
(GPTAD)
Como resolver/expressar os
relacionamentos entre objetos?
5
Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados
(GPTAD)
→ Matemática
→ Conjuntos
→ Relações entre objetos de um conjunto
6
https://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Leonhard_Euler_2.jpg
Euler (1736) →
Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados
(GPTAD)
Teoria dos Grafos
7
Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados
(GPTAD)
Teoria dos Grafos
8
→Vértices (objetos)
→Arestas (relações)
Que podem apresentar
informações sobre a direção.
Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados
(GPTAD)
Teoria dos Grafos
9
A = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9}
O “1” é um
exemplo de
vértice.
Esta é uma
aresta que
relaciona “1”
com “0”.Espelho
Espelho
A={0,1,2,3,4,5,6,7,8,9}
Esta seta
representa a
direção da aresta.
Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados
(GPTAD)
Teoria dos Grafos
Expressão Visual dos vértices e das arestas
→Grafo
→Dígrafo ou grafo dirigido
10
Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados
(GPTAD)
Espelho
Espelho
A = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9}
O “1” é um
exemplo de
vértice.
Esta é uma
aresta que
relaciona “1”
com “0”.
A={0,1,2,3,4,5,6,7,8,9}
Esta seta
representa a
direção da aresta.
1
5
3
2
4
6
7
8
9
0
11
Teoria dos Grafos Vértice.
Aresta.
Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados
(GPTAD)
Teoria dos Grafos
Ciência da Computação
Aplicação em algoritmos, banco de
dados.
Relações entre objetos.
Expressar visualmente para
máquinas e para humanos as
relações entre objetos armazenados.
BANG-JENSEN, J.; GUTIN, G. Z. Digraphs: theory,
algorithms and applications. 2. ed., 1. softcover print ed.
London: Springer, 2010.
BIGGS, N.; LLOYD, E. K.; WILSON, R. J. Graph theory,
1736-1936. Oxford [Oxfordshire] ; New York: Clarendon
Press, 1986.
12
Coleta de dados
Expressar relacionamentos entre
conjunto de dados
Uso de tecnologias (←) Application
Interface Programming (API)
Destaque: Relações Sociais
MORENO, J. L. Who shall survive? Foundations of
Sociometry, Group Psychotherapy and Sociodrama.
New York: Beacon House Inc., 1953. v. 58
Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados
(GPTAD)
Exemplo: Redes sociais on-line
13
Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados
(GPTAD)
Teoria dos Grafos
Facebook
API - Graph API
Protocolos de transmissão:
Transmission Control Protocol /
Internet Protocol (TCP/IP) e
HyperText Transfer Protocol (HTTP)
Linguagens de Marcação: Comma-
Separated Values (CSV) e
JavaScript Object Notation (JSON)
14
Coleta de dados
Conjunto
de dados
(data set)
Conjunto
de dados
(data set)
Conjunto
de dados
(data set)
Conjunto
de dados
(data set)
Conju
de dad
(data s
Conjunto
de dados
(data set)
Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados
(GPTAD)
Teoria dos Grafos
15
Person
id: número inteiro
name: alfanúmerico
...
Picture
data.is_sillouette:
booleano
url: alfanúmerico
...
picture
Photo
created_time: data e
hora
name: alfanumérico
id: número inteiro
photos
Vértice,
representando o
objeto do tipo
“Person”, com
dois atributos (“id”
e “name”).
Aresta,
representando
um
relacionamento
do tipo “photos”,
com direção de
“Person” para
“Photo”
Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados
(GPTAD)
Teoria dos Grafos
16
JavaScriptObjectNotation(JSON)
Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados
(GPTAD)
Teoria dos Grafos
17
Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados
(GPTAD)
Para saber mais...
18
BANG-JENSEN, J.; GUTIN, G. Z. Digraphs: theory, algorithms and applications. 2. ed., 1. softcover print ed. London: Springer,
2010.
BIGGS, N.; LLOYD, E. K.; WILSON, R. J. Graph theory, 1736-1936. Oxford [Oxfordshire] ; New York: Clarendon Press, 1986.
MORENO, J. L. Who shall survive? Foundations of Sociometry, Group Psychotherapy and Sociodrama. New York: Beacon
House Inc., 1953. v. 58
RODRIGUES, F. DE A. Coleta de dados em redes sociais: privacidade de dados pessoais no acesso via Application
Programming Interface. Tese—Marília, Brasil: Universidade Estadual Paulista, 3 mar. 2017.
SANT’ANA, R. C. G.; RODRIGUES, F. DE A. Visualização de afinidades entre parlamentares mediante dados de votações no Senado
Brasileiro. Informação & Sociedade: estudos, v. 23, n. 1, p. 49–59, jan. 2013.
http://rodrigues.pro.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Falácias e erros de raciocínio
Falácias e erros de raciocínioFalácias e erros de raciocínio
Falácias e erros de raciocínio
Hélio Consolaro
 
Introdução à ciencia politica uab
Introdução à ciencia politica   uabIntrodução à ciencia politica   uab
Introdução à ciencia politica uab
Espi Sul
 
Fundamentos de relações públicas
Fundamentos de relações públicasFundamentos de relações públicas
Fundamentos de relações públicas
Paulo Marquêz
 

Mais procurados (20)

O estado em emile durkheim
O estado em emile durkheimO estado em emile durkheim
O estado em emile durkheim
 
Estado, sociedade e poder 3 II
Estado, sociedade e poder 3 IIEstado, sociedade e poder 3 II
Estado, sociedade e poder 3 II
 
CIÊNCIA POLÍTICA
CIÊNCIA POLÍTICA CIÊNCIA POLÍTICA
CIÊNCIA POLÍTICA
 
Falácias e erros de raciocínio
Falácias e erros de raciocínioFalácias e erros de raciocínio
Falácias e erros de raciocínio
 
Pierre Bourdieu! A SOCIEDADE DOS INDIVÍDUOS
Pierre Bourdieu! A SOCIEDADE DOS INDIVÍDUOSPierre Bourdieu! A SOCIEDADE DOS INDIVÍDUOS
Pierre Bourdieu! A SOCIEDADE DOS INDIVÍDUOS
 
Estatística para Ciências Sociais
Estatística para Ciências SociaisEstatística para Ciências Sociais
Estatística para Ciências Sociais
 
Introdução à ciencia politica uab
Introdução à ciencia politica   uabIntrodução à ciencia politica   uab
Introdução à ciencia politica uab
 
Fundamentos de relações públicas
Fundamentos de relações públicasFundamentos de relações públicas
Fundamentos de relações públicas
 
O que é o Linkedin
O que é o LinkedinO que é o Linkedin
O que é o Linkedin
 
A Escola de Chicago e suas teorias sociológicas do crime
A Escola de Chicago e suas teorias sociológicas do crimeA Escola de Chicago e suas teorias sociológicas do crime
A Escola de Chicago e suas teorias sociológicas do crime
 
Maquiavel
MaquiavelMaquiavel
Maquiavel
 
Etica e liberdade
Etica e liberdadeEtica e liberdade
Etica e liberdade
 
Digital influencers e microinfluenciadores
Digital influencers e microinfluenciadoresDigital influencers e microinfluenciadores
Digital influencers e microinfluenciadores
 
Capacitação em análise de dados quantitativos
Capacitação em análise de dados quantitativosCapacitação em análise de dados quantitativos
Capacitação em análise de dados quantitativos
 
Introdução à Teoria dos Grafos e Análise de Redes Sociais
Introdução à Teoria dos Grafos e Análise de Redes SociaisIntrodução à Teoria dos Grafos e Análise de Redes Sociais
Introdução à Teoria dos Grafos e Análise de Redes Sociais
 
BARROS, Maria Helena T. C. Disseminação da informação para o desenvolvimento ...
BARROS, Maria Helena T. C. Disseminação da informação para o desenvolvimento ...BARROS, Maria Helena T. C. Disseminação da informação para o desenvolvimento ...
BARROS, Maria Helena T. C. Disseminação da informação para o desenvolvimento ...
 
Teorias da Comunicação - Walter Benjamin
Teorias da Comunicação - Walter BenjaminTeorias da Comunicação - Walter Benjamin
Teorias da Comunicação - Walter Benjamin
 
Introdução à Política
Introdução à PolíticaIntrodução à Política
Introdução à Política
 
Surgimento do Estado Moderno
Surgimento do Estado ModernoSurgimento do Estado Moderno
Surgimento do Estado Moderno
 
Suas 13 estudos de caso para debate
Suas  13 estudos de caso para debateSuas  13 estudos de caso para debate
Suas 13 estudos de caso para debate
 

Mais de Fernando de Assis Rodrigues

Mais de Fernando de Assis Rodrigues (20)

Perspectivas e impasses na salvaguarda e preservação documental pós Medida Pr...
Perspectivas e impasses na salvaguarda e preservação documental pós Medida Pr...Perspectivas e impasses na salvaguarda e preservação documental pós Medida Pr...
Perspectivas e impasses na salvaguarda e preservação documental pós Medida Pr...
 
Serviços de Redes Sociais On-line e a Comunicação Científica: visibilidade de...
Serviços de Redes Sociais On-line e a Comunicação Científica: visibilidade de...Serviços de Redes Sociais On-line e a Comunicação Científica: visibilidade de...
Serviços de Redes Sociais On-line e a Comunicação Científica: visibilidade de...
 
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
 
Interseções entre Coleta de Dados e Redes Sociais Online
Interseções entre Coleta de Dados e Redes Sociais OnlineInterseções entre Coleta de Dados e Redes Sociais Online
Interseções entre Coleta de Dados e Redes Sociais Online
 
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
Ficção Científica e Realidade da Coleta de Dados em Redes Sociais Online: aná...
 
2018 uel-apresentacao-coleta redes-sociais_online
2018 uel-apresentacao-coleta redes-sociais_online2018 uel-apresentacao-coleta redes-sociais_online
2018 uel-apresentacao-coleta redes-sociais_online
 
Processo de Acesso a Dados e suas fases
Processo de Acesso a Dados e suas fasesProcesso de Acesso a Dados e suas fases
Processo de Acesso a Dados e suas fases
 
Fundamentos teóricos para coleta de dados de redes sociais online
Fundamentos teóricos para coleta de dados de redes sociais onlineFundamentos teóricos para coleta de dados de redes sociais online
Fundamentos teóricos para coleta de dados de redes sociais online
 
Identifying semantics characteristics of user’s interactions datasets through...
Identifying semantics characteristics of user’s interactions datasets through...Identifying semantics characteristics of user’s interactions datasets through...
Identifying semantics characteristics of user’s interactions datasets through...
 
Open Source e Open Platform: potenciais catalizadores para uso de Internet da...
Open Source e Open Platform: potenciais catalizadores para uso de Internet da...Open Source e Open Platform: potenciais catalizadores para uso de Internet da...
Open Source e Open Platform: potenciais catalizadores para uso de Internet da...
 
Coleta de Dados em Redes Sociais
Coleta de Dados em Redes SociaisColeta de Dados em Redes Sociais
Coleta de Dados em Redes Sociais
 
Metadados em objetos digitais: conceitos e indexação na Web
Metadados em objetos digitais: conceitos e indexação na WebMetadados em objetos digitais: conceitos e indexação na Web
Metadados em objetos digitais: conceitos e indexação na Web
 
Metadados e Interoperabilidade
Metadados e InteroperabilidadeMetadados e Interoperabilidade
Metadados e Interoperabilidade
 
Raspagem de dados em websites governamentais
Raspagem de dados em websites governamentaisRaspagem de dados em websites governamentais
Raspagem de dados em websites governamentais
 
Contextualização de conceitos teóricos no processo de coleta de dados de Rede...
Contextualização de conceitos teóricos no processo de coleta de dados de Rede...Contextualização de conceitos teóricos no processo de coleta de dados de Rede...
Contextualização de conceitos teóricos no processo de coleta de dados de Rede...
 
Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...
Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...
Pontos de contato entre a Esfera Pública e Instituições: reflexões sobre pote...
 
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
Categorização de elementos de privacidade identificados nos termos de uso de ...
 
ANÁLISE DA COLETA DE DADOS EM REDES SOCIAIS: aspectos de privacidade de dados...
ANÁLISE DA COLETA DE DADOS EM REDES SOCIAIS: aspectos de privacidade de dados...ANÁLISE DA COLETA DE DADOS EM REDES SOCIAIS: aspectos de privacidade de dados...
ANÁLISE DA COLETA DE DADOS EM REDES SOCIAIS: aspectos de privacidade de dados...
 
ACESSO ÀS INFORMAÇÕES SOBRE AGRICULTURA FAMILIAR NA WEB
ACESSO ÀS INFORMAÇÕES SOBRE AGRICULTURA FAMILIAR NA WEBACESSO ÀS INFORMAÇÕES SOBRE AGRICULTURA FAMILIAR NA WEB
ACESSO ÀS INFORMAÇÕES SOBRE AGRICULTURA FAMILIAR NA WEB
 
O USO DE DADOS PÚBLICOS PARA O ACOMPANHAMENTO DA ATIVIDADE PARLAMENTAR
O USO DE DADOS PÚBLICOS PARA O ACOMPANHAMENTO DA ATIVIDADE PARLAMENTARO USO DE DADOS PÚBLICOS PARA O ACOMPANHAMENTO DA ATIVIDADE PARLAMENTAR
O USO DE DADOS PÚBLICOS PARA O ACOMPANHAMENTO DA ATIVIDADE PARLAMENTAR
 

Aplicações da Teoria dos Grafos em coletas de dados

  • 1. Aplicações da Teoria dos Grafos em coletas de dados Fernando de Assis Rodrigues
  • 2. Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados (GPTAD) → Matemática → Conjuntos 2 A1 = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9} A2 = {10, 11, 12, 13, 14, 15, 16, 17, 18, 19} A3 = {⅓, -9, 21, 0.0333, 2} A4 = {Carlos, José, Maria, André}
  • 3. Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados (GPTAD) → Matemática → Conjuntos → Relações entre objetos de um conjunto 3
  • 4. Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados (GPTAD) 4 A = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9} Espelho Espelho A={0,1,2,3,4,5,6,7,8,9} → Matemática → Conjuntos
  • 5. Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados (GPTAD) Como resolver/expressar os relacionamentos entre objetos? 5
  • 6. Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados (GPTAD) → Matemática → Conjuntos → Relações entre objetos de um conjunto 6 https://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Leonhard_Euler_2.jpg Euler (1736) →
  • 7. Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados (GPTAD) Teoria dos Grafos 7
  • 8. Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados (GPTAD) Teoria dos Grafos 8 →Vértices (objetos) →Arestas (relações) Que podem apresentar informações sobre a direção.
  • 9. Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados (GPTAD) Teoria dos Grafos 9 A = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9} O “1” é um exemplo de vértice. Esta é uma aresta que relaciona “1” com “0”.Espelho Espelho A={0,1,2,3,4,5,6,7,8,9} Esta seta representa a direção da aresta.
  • 10. Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados (GPTAD) Teoria dos Grafos Expressão Visual dos vértices e das arestas →Grafo →Dígrafo ou grafo dirigido 10
  • 11. Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados (GPTAD) Espelho Espelho A = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9} O “1” é um exemplo de vértice. Esta é uma aresta que relaciona “1” com “0”. A={0,1,2,3,4,5,6,7,8,9} Esta seta representa a direção da aresta. 1 5 3 2 4 6 7 8 9 0 11 Teoria dos Grafos Vértice. Aresta.
  • 12. Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados (GPTAD) Teoria dos Grafos Ciência da Computação Aplicação em algoritmos, banco de dados. Relações entre objetos. Expressar visualmente para máquinas e para humanos as relações entre objetos armazenados. BANG-JENSEN, J.; GUTIN, G. Z. Digraphs: theory, algorithms and applications. 2. ed., 1. softcover print ed. London: Springer, 2010. BIGGS, N.; LLOYD, E. K.; WILSON, R. J. Graph theory, 1736-1936. Oxford [Oxfordshire] ; New York: Clarendon Press, 1986. 12 Coleta de dados Expressar relacionamentos entre conjunto de dados Uso de tecnologias (←) Application Interface Programming (API) Destaque: Relações Sociais MORENO, J. L. Who shall survive? Foundations of Sociometry, Group Psychotherapy and Sociodrama. New York: Beacon House Inc., 1953. v. 58
  • 13. Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados (GPTAD) Exemplo: Redes sociais on-line 13
  • 14. Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados (GPTAD) Teoria dos Grafos Facebook API - Graph API Protocolos de transmissão: Transmission Control Protocol / Internet Protocol (TCP/IP) e HyperText Transfer Protocol (HTTP) Linguagens de Marcação: Comma- Separated Values (CSV) e JavaScript Object Notation (JSON) 14 Coleta de dados Conjunto de dados (data set) Conjunto de dados (data set) Conjunto de dados (data set) Conjunto de dados (data set) Conju de dad (data s Conjunto de dados (data set)
  • 15. Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados (GPTAD) Teoria dos Grafos 15 Person id: número inteiro name: alfanúmerico ... Picture data.is_sillouette: booleano url: alfanúmerico ... picture Photo created_time: data e hora name: alfanumérico id: número inteiro photos Vértice, representando o objeto do tipo “Person”, com dois atributos (“id” e “name”). Aresta, representando um relacionamento do tipo “photos”, com direção de “Person” para “Photo”
  • 16. Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados (GPTAD) Teoria dos Grafos 16 JavaScriptObjectNotation(JSON)
  • 17. Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados (GPTAD) Teoria dos Grafos 17
  • 18. Grupo de Pesquisas Tecnologias de Acesso a Dados (GPTAD) Para saber mais... 18 BANG-JENSEN, J.; GUTIN, G. Z. Digraphs: theory, algorithms and applications. 2. ed., 1. softcover print ed. London: Springer, 2010. BIGGS, N.; LLOYD, E. K.; WILSON, R. J. Graph theory, 1736-1936. Oxford [Oxfordshire] ; New York: Clarendon Press, 1986. MORENO, J. L. Who shall survive? Foundations of Sociometry, Group Psychotherapy and Sociodrama. New York: Beacon House Inc., 1953. v. 58 RODRIGUES, F. DE A. Coleta de dados em redes sociais: privacidade de dados pessoais no acesso via Application Programming Interface. Tese—Marília, Brasil: Universidade Estadual Paulista, 3 mar. 2017. SANT’ANA, R. C. G.; RODRIGUES, F. DE A. Visualização de afinidades entre parlamentares mediante dados de votações no Senado Brasileiro. Informação & Sociedade: estudos, v. 23, n. 1, p. 49–59, jan. 2013. http://rodrigues.pro.br