SlideShare uma empresa Scribd logo
ESCOLA MUNICIPAL BOM PASTOR. PROFESSORA:  SILMARA ROBLES ESCORSIN 4ª SÉRIE – “F” Silmara Robles Escorsin
A DESCOBERTA FOGO Silmara Robles Escorsin
Este processo ocorria de duas formas: 1) batendo uma pedra na outra e produzindo faísca que atingia palha; 2) friccionando graveto seco numa madeira até produzir a faísca, atingindo a palha. Com a produção do fogo, o homem pré-histórico garantiu um grande avanço, pois podia iluminar a caverna, cozinhar a carne, espantar os animais selvagens e garantir o aquecimento nas épocas de frio. A invenção, na Inglaterra em 1827, do palito de fósforo2. O elemento fósforo combina-se com o oxigênio tão facilmente que se acende apenas exposto ao ar. Os primeiros fósforos fabricados acendiam por atrito e exalavam um cheiro muito desagradável. Mais adiante, em 1845, começaram a ser fabricados os chamados fósforos de segurança, cuja cabeça combustível contém outros componentes não-inflamáveis, garantindo a sua utilização de forma segura. Silmara Robles Escorsin
SOM Silmara Robles Escorsin
O  som  é a propagação de uma frente de compressão  mecânica  ou  onda mecânica ;  Seres humanos  e vários  animais  percebem sons com o sentido da  audição , com seus dois  ouvidos , o que permite saber a distância e posição da fonte sonora: a chamada audição  estereofônica . Muitos sons de baixa freqüência também podem ser sentidos por outras partes do  corpo  e pesquisas revelam que  elefantes  se comunicam através de infra-sons. Os sons são usados de várias maneiras, muito especialmente para  comunicação  através da  fala  ou, por exemplo,  música . Por exemplo,  morcegos ,  baleias  e  golfinhos  usam a  ecolocalização  para voar e nadar por entre obstáculos e  caçar  suas  presas .  Navios  e  submarinos  usam o  sonar ; seres humanos recebem e usam informações espaciais percebidas em sons. Silmara Robles Escorsin
LUZ  E  CORES Silmara Robles Escorsin
Cor-luz , ou  cor-energia  é aquela, em a  Teoria das cores , que, contrapondo-se à  cor-pigmento , diz respeito à reflexão dos  raios luminosos  - e não pela cor efetiva contida na substância. Identificada pelo fenômeno da  refracção  dos raios  solares , essa concepção das  cores  deu-se pela primeira vez com o  físico   inglês   Isaac Newton , no ano de  1666 . Só podemos perceber as cores na presença da luz.Cor é luz. Sem a luz, nossos olhos não conseguem captar as cores. A luz branca é formada pela reunião de numerosas radiações coloridas que podem ser separadas. A cor é o resultado do reflexo da luz que não é absorvida por um pigmento. O branco é a soma de todas as cores, o preto é a ausência delas. O arco-íris, na verdade, é formado pelo desvio e dispersão da luz do Sol em um número enorme de gotas. Só algumas dessas gotas desviam a luz na direção de seus olhos. Outra pessoa a seu lado verá a luz desviada por  outras gotas diferentes , isto é, verá  outro arco-íris . Cada um vê seu arco-íris particular e cada um está no vértice de seu próprio arco-íris.Qual é a distância do arco-íris até você? Qualquer uma, pois qualquer gota situada nas laterais do cone que tem seu olho no vértice pode contribuir para seu arco-íris. As gotas podem estar até bem perto de você, como acontece quando você vê um arco-íris formado pela água espalhada por um dispersor de jardim. Silmara Robles Escorsin
Meios transparentes:  são meios que permitem que a luz atravesse, descrevendo trajetórias regulares e bem definidas. Existe apenas um meio que é perfeitamente transparente, é o vácuo, no entanto existem alguns outros meios, como a água pura e o vidro hialino, que podem ser considerados como transparentes.  Veja a representação de raios de luz atravessando um meio transparente:  Silmara Robles Escorsin
Meios translúcidos:  são meios pelos quais os feixes de luz descrevem trajetórias irregulares com intensa difusão, ou seja, a luz se espalha sobre o meio no qual está se propagando. Nesses meios a luz consegue passar, porém seus feixes sofrem desvios na sua orientação por causa da constituição do material sobre o qual a luz está incidindo. Veja a representação de um meio translúcido: Silmara Robles Escorsin
Meios opacos: nesse tipo de meio a luz não se propaga. A luz após incidir sobre os meios opacos é parcialmente absorvida e parcialmente refletida. A parte que é parcialmente absorvida é transformada em energia, como a energia térmica. São exemplos de meios opacos: madeira, papelão, metais, etc.  Veja a representação de meios opacos: Silmara Robles Escorsin
Silmara Robles Escorsin
Ímãs Silmara Robles Escorsin
O imã, também conhecido como magneto, é uma substância que possui a capacidade de atrair substâncias magnéticas (ferro ou outros metais).  Existem dois tipos de imãs: Imãs Naturais  – são aqueles que encontramos na natureza e são compostos por minério de ferro (óxido de ferro). Este tipo de ferro magnético é denominado magnetita. Imãs Artificiais  – são aqueles que adquirem propriedade magnética ao serem atritados com um imã natural. A capacidade magnética destes imãs podem superar a dos imãs naturais.  Os imãs possuem dois polos (norte e sul). O polo sul de um imã é atraído pelo polo norte do Planeta Terra e vice-versa.  Silmara Robles Escorsin
ELETRICIDADE Silmara Robles Escorsin
É um fenômeno físico originado por  cargas elétricas  estáticas, ou em movimento, e por sua interação. Quando uma carga se encontra em repouso, produz  forças  sobre outras situadas à sua volta. Se a carga se desloca, produz também campos  magnéticos . Há dois tipos de cargas elétricas : positivas e negativas. Silmara Robles Escorsin
A energia elétrica começa na usina elétrica. Em quase todos os casos, a usina elétrica consiste de um  gerador elétrico de giro . Algo tem que girar esse gerador - pode ser uma roda de água em uma represa hidrelétrica, um grande motor a diesel ou uma turbina a gasolina. Na maioria dos casos, porém, o que gira o gerador é uma  turbina a vapor . O vapor pode ser criado pela queima de carvão, óleo ou gás natural Silmara Robles Escorsin
Silmara Robles Escorsin
Silmara Robles Escorsin
Silmara Robles Escorsin
Silmara Robles Escorsin
Silmara Robles Escorsin
Silmara Robles Escorsin

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Formação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiroFormação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiro
feraps
 
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Darlan Campos
 
Atividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e chargesAtividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades Diversas Cláudia
 
Avaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Avaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoAvaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Avaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Identidade e Alteridade
Identidade e AlteridadeIdentidade e Alteridade
Identidade e Alteridade
Paula Meyer Piagentini
 
Exercícios de Etnocentrismo - Antropologia
Exercícios de Etnocentrismo - AntropologiaExercícios de Etnocentrismo - Antropologia
Exercícios de Etnocentrismo - Antropologia
Psicologia_2015
 
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades Diversas Cláudia
 
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe AssunçãoATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Estudo dirigido 2º ano - mobilidade social
Estudo dirigido   2º ano - mobilidade socialEstudo dirigido   2º ano - mobilidade social
Estudo dirigido 2º ano - mobilidade social
Sara Sarita
 
Avaliação de filosofia 2° ano
Avaliação de filosofia   2° anoAvaliação de filosofia   2° ano
Avaliação de filosofia 2° ano
ananiasdoamaral
 
Atividades arte bizantina
Atividades arte bizantinaAtividades arte bizantina
Atividades arte bizantina
Doug Caesar
 
Sociologia a sociologia no brasil
Sociologia   a sociologia no brasilSociologia   a sociologia no brasil
Sociologia a sociologia no brasil
Gustavo Soares
 
As três peneiras de Sócrates
As três peneiras  de SócratesAs três peneiras  de Sócrates
As três peneiras de Sócrates
Mary Alvarenga
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
Paulo Alexandre
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
José Ferreira Júnior
 
INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIAINTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Dia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência NegraDia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência Negra
Paulo Medeiros
 
83230085 caca-palavras-feudalismo
83230085 caca-palavras-feudalismo83230085 caca-palavras-feudalismo
83230085 caca-palavras-feudalismo
Klonetur Viagens E Turismo Ltda Me
 
Cidadania e Política
Cidadania e PolíticaCidadania e Política
Cidadania e Política
Brenda Grazielle
 
Atividades racismo e futebol
Atividades racismo e futebolAtividades racismo e futebol
Atividades racismo e futebol
Acrópole - História & Educação
 

Mais procurados (20)

Formação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiroFormação do povo brasileiro
Formação do povo brasileiro
 
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Sociologia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
 
Atividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e chargesAtividades de sociologia interpretação de textos e charges
Atividades de sociologia interpretação de textos e charges
 
Avaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Avaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe AssunçãoAvaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
Avaliação democracia e cidadania - 3º Sociologia - Prof. Noe Assunção
 
Identidade e Alteridade
Identidade e AlteridadeIdentidade e Alteridade
Identidade e Alteridade
 
Exercícios de Etnocentrismo - Antropologia
Exercícios de Etnocentrismo - AntropologiaExercícios de Etnocentrismo - Antropologia
Exercícios de Etnocentrismo - Antropologia
 
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
Atividades de sociologia brasil(inclusãox exclusão) (1)
 
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe AssunçãoATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
ATIVIDADE - INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção
 
Estudo dirigido 2º ano - mobilidade social
Estudo dirigido   2º ano - mobilidade socialEstudo dirigido   2º ano - mobilidade social
Estudo dirigido 2º ano - mobilidade social
 
Avaliação de filosofia 2° ano
Avaliação de filosofia   2° anoAvaliação de filosofia   2° ano
Avaliação de filosofia 2° ano
 
Atividades arte bizantina
Atividades arte bizantinaAtividades arte bizantina
Atividades arte bizantina
 
Sociologia a sociologia no brasil
Sociologia   a sociologia no brasilSociologia   a sociologia no brasil
Sociologia a sociologia no brasil
 
As três peneiras de Sócrates
As três peneiras  de SócratesAs três peneiras  de Sócrates
As três peneiras de Sócrates
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Filosofia Política
Filosofia PolíticaFilosofia Política
Filosofia Política
 
INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIAINTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
 
Dia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência NegraDia Da Consciência Negra
Dia Da Consciência Negra
 
83230085 caca-palavras-feudalismo
83230085 caca-palavras-feudalismo83230085 caca-palavras-feudalismo
83230085 caca-palavras-feudalismo
 
Cidadania e Política
Cidadania e PolíticaCidadania e Política
Cidadania e Política
 
Atividades racismo e futebol
Atividades racismo e futebolAtividades racismo e futebol
Atividades racismo e futebol
 

Destaque

Pre historia2
Pre historia2Pre historia2
Pre historia2
Evanildo Pitombeira
 
A origem do homem
A origem do homemA origem do homem
A origem do homem
Janayna Lira
 
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOSPRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
carlosbidu
 
1processo de hominizacao
1processo de hominizacao1processo de hominizacao
1processo de hominizacao
Ligia Eiras
 
Pré história
Pré históriaPré história
Pré história
Guilherme Drumond
 
Pré história e história
Pré história e históriaPré história e história
Pré história e história
Acessa Esterina
 
A vida do homem no paleolítico
A vida do homem no paleolíticoA vida do homem no paleolítico
A vida do homem no paleolítico
amgmrodrigues
 
Enumerar as vantagens da descoberta da técnica do fogo
Enumerar as vantagens da descoberta da técnica do fogoEnumerar as vantagens da descoberta da técnica do fogo
Enumerar as vantagens da descoberta da técnica do fogo
Paulo Martins
 
Aulas nº 3 e 4 Sociedades Recoletoras
Aulas nº 3 e 4 Sociedades RecoletorasAulas nº 3 e 4 Sociedades Recoletoras
Aulas nº 3 e 4 Sociedades Recoletoras
Patrícia Morais
 
Bhopal desastre continua
Bhopal desastre continuaBhopal desastre continua
Bhopal desastre continua
grazieleguimaraes
 
Arte Pré-histórica: um compêndio.
 Arte  Pré-histórica: um compêndio. Arte  Pré-histórica: um compêndio.
Arte Pré-histórica: um compêndio.
Professor Gilson Nunes
 
A guerra do fogo
A guerra do fogoA guerra do fogo
A guerra do fogo
Elton Santos
 
Nações indígenas no brasil
Nações indígenas no brasilNações indígenas no brasil
Nações indígenas no brasil
Acrópole - História & Educação
 
Pré história - aula 1
Pré história - aula 1Pré história - aula 1
Pré história - aula 1
Eduard Henry
 
Periodo paleolitico e neolitico
Periodo paleolitico e neoliticoPeriodo paleolitico e neolitico
Periodo paleolitico e neolitico
Fabiana Tonsis
 
Paleolítico
PaleolíticoPaleolítico
Paleolítico
Fátima Luís
 
Pré História
Pré   História Pré   História
Pré História
Fatima Freitas
 
Enfoquesdidacticos 090605171219-phpapp01
Enfoquesdidacticos 090605171219-phpapp01Enfoquesdidacticos 090605171219-phpapp01
Enfoquesdidacticos 090605171219-phpapp01
Lenny Marchán
 
Paleolítico
PaleolíticoPaleolítico
Paleolítico
cattonia
 
A criação do universo e origem da vida no planeta terra
A criação do universo e origem da vida no planeta terraA criação do universo e origem da vida no planeta terra
A criação do universo e origem da vida no planeta terra
KATIA MARIA FARAH V DA SILVA
 

Destaque (20)

Pre historia2
Pre historia2Pre historia2
Pre historia2
 
A origem do homem
A origem do homemA origem do homem
A origem do homem
 
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOSPRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
PRÉ-HISTÓRIA SLIDES COMPLETOS
 
1processo de hominizacao
1processo de hominizacao1processo de hominizacao
1processo de hominizacao
 
Pré história
Pré históriaPré história
Pré história
 
Pré história e história
Pré história e históriaPré história e história
Pré história e história
 
A vida do homem no paleolítico
A vida do homem no paleolíticoA vida do homem no paleolítico
A vida do homem no paleolítico
 
Enumerar as vantagens da descoberta da técnica do fogo
Enumerar as vantagens da descoberta da técnica do fogoEnumerar as vantagens da descoberta da técnica do fogo
Enumerar as vantagens da descoberta da técnica do fogo
 
Aulas nº 3 e 4 Sociedades Recoletoras
Aulas nº 3 e 4 Sociedades RecoletorasAulas nº 3 e 4 Sociedades Recoletoras
Aulas nº 3 e 4 Sociedades Recoletoras
 
Bhopal desastre continua
Bhopal desastre continuaBhopal desastre continua
Bhopal desastre continua
 
Arte Pré-histórica: um compêndio.
 Arte  Pré-histórica: um compêndio. Arte  Pré-histórica: um compêndio.
Arte Pré-histórica: um compêndio.
 
A guerra do fogo
A guerra do fogoA guerra do fogo
A guerra do fogo
 
Nações indígenas no brasil
Nações indígenas no brasilNações indígenas no brasil
Nações indígenas no brasil
 
Pré história - aula 1
Pré história - aula 1Pré história - aula 1
Pré história - aula 1
 
Periodo paleolitico e neolitico
Periodo paleolitico e neoliticoPeriodo paleolitico e neolitico
Periodo paleolitico e neolitico
 
Paleolítico
PaleolíticoPaleolítico
Paleolítico
 
Pré História
Pré   História Pré   História
Pré História
 
Enfoquesdidacticos 090605171219-phpapp01
Enfoquesdidacticos 090605171219-phpapp01Enfoquesdidacticos 090605171219-phpapp01
Enfoquesdidacticos 090605171219-phpapp01
 
Paleolítico
PaleolíticoPaleolítico
Paleolítico
 
A criação do universo e origem da vida no planeta terra
A criação do universo e origem da vida no planeta terraA criação do universo e origem da vida no planeta terra
A criação do universo e origem da vida no planeta terra
 

Semelhante a Ciencias sil a descoberta do fogo

Fenômenos ópticos.pdf
Fenômenos ópticos.pdfFenômenos ópticos.pdf
Fenômenos ópticos.pdf
kotinha luz
 
Luz e ondas eletromagnéticas
Luz e ondas eletromagnéticasLuz e ondas eletromagnéticas
Luz e ondas eletromagnéticas
Kate Vieira
 
Aurora Boreal
Aurora Boreal Aurora Boreal
Aurora Boreal
NICKSON ♥
 
Apostila 1º aulão do Esquadrão do Conhecimento 2013
Apostila 1º aulão do Esquadrão do Conhecimento 2013Apostila 1º aulão do Esquadrão do Conhecimento 2013
Apostila 1º aulão do Esquadrão do Conhecimento 2013
Esquadrão Do Conhecimento
 
Aula ondas, som, luz, espelhos, lentes
Aula ondas, som, luz, espelhos, lentesAula ondas, som, luz, espelhos, lentes
Aula ondas, som, luz, espelhos, lentes
Roberto Bagatini
 
Óptica introdução
Óptica introduçãoÓptica introdução
Óptica introdução
O mundo da FÍSICA
 
Introdução à Astronomia
Introdução à AstronomiaIntrodução à Astronomia
Introdução à Astronomia
Colégio Espaço Aberto
 
Aurora Boreal
Aurora Boreal Aurora Boreal
Aurora Boreal
JadiVentin
 
A luz
A luzA luz
Óptica prof Ivanise Meyer
Óptica prof Ivanise MeyerÓptica prof Ivanise Meyer
Óptica prof Ivanise Meyer
Ivanise Meyer
 
7a SéRie Luz E Sombra
7a SéRie   Luz E Sombra7a SéRie   Luz E Sombra
7a SéRie Luz E Sombra
SESI 422 - Americana
 
Opticageometrica
OpticageometricaOpticageometrica
Opticageometrica
Kelly Freitas
 
Óptica introdução
Óptica introduçãoÓptica introdução
Óptica introdução
O mundo da FÍSICA
 
Como A Luz Funciona
Como A Luz FuncionaComo A Luz Funciona
Como A Luz Funciona
Sanclé Porchéra
 
A Espectroscopia e a Química
A Espectroscopia e a QuímicaA Espectroscopia e a Química
A Espectroscopia e a Química
Dharma Initiative
 
Historia
HistoriaHistoria
Óptica geométrica (2017)
Óptica geométrica (2017)Óptica geométrica (2017)
Óptica geométrica (2017)
Marco Antonio Sanches
 
A natureza da luz 2
A natureza da luz 2A natureza da luz 2
A natureza da luz 2
Wanderson Saraiva de Paula
 
Optica
OpticaOptica
Optica
Viviane Luz
 
Atividade de Fisica 09 de maio (1).docx
Atividade de Fisica 09 de maio (1).docxAtividade de Fisica 09 de maio (1).docx
Atividade de Fisica 09 de maio (1).docx
alessandra souza bispo
 

Semelhante a Ciencias sil a descoberta do fogo (20)

Fenômenos ópticos.pdf
Fenômenos ópticos.pdfFenômenos ópticos.pdf
Fenômenos ópticos.pdf
 
Luz e ondas eletromagnéticas
Luz e ondas eletromagnéticasLuz e ondas eletromagnéticas
Luz e ondas eletromagnéticas
 
Aurora Boreal
Aurora Boreal Aurora Boreal
Aurora Boreal
 
Apostila 1º aulão do Esquadrão do Conhecimento 2013
Apostila 1º aulão do Esquadrão do Conhecimento 2013Apostila 1º aulão do Esquadrão do Conhecimento 2013
Apostila 1º aulão do Esquadrão do Conhecimento 2013
 
Aula ondas, som, luz, espelhos, lentes
Aula ondas, som, luz, espelhos, lentesAula ondas, som, luz, espelhos, lentes
Aula ondas, som, luz, espelhos, lentes
 
Óptica introdução
Óptica introduçãoÓptica introdução
Óptica introdução
 
Introdução à Astronomia
Introdução à AstronomiaIntrodução à Astronomia
Introdução à Astronomia
 
Aurora Boreal
Aurora Boreal Aurora Boreal
Aurora Boreal
 
A luz
A luzA luz
A luz
 
Óptica prof Ivanise Meyer
Óptica prof Ivanise MeyerÓptica prof Ivanise Meyer
Óptica prof Ivanise Meyer
 
7a SéRie Luz E Sombra
7a SéRie   Luz E Sombra7a SéRie   Luz E Sombra
7a SéRie Luz E Sombra
 
Opticageometrica
OpticageometricaOpticageometrica
Opticageometrica
 
Óptica introdução
Óptica introduçãoÓptica introdução
Óptica introdução
 
Como A Luz Funciona
Como A Luz FuncionaComo A Luz Funciona
Como A Luz Funciona
 
A Espectroscopia e a Química
A Espectroscopia e a QuímicaA Espectroscopia e a Química
A Espectroscopia e a Química
 
Historia
HistoriaHistoria
Historia
 
Óptica geométrica (2017)
Óptica geométrica (2017)Óptica geométrica (2017)
Óptica geométrica (2017)
 
A natureza da luz 2
A natureza da luz 2A natureza da luz 2
A natureza da luz 2
 
Optica
OpticaOptica
Optica
 
Atividade de Fisica 09 de maio (1).docx
Atividade de Fisica 09 de maio (1).docxAtividade de Fisica 09 de maio (1).docx
Atividade de Fisica 09 de maio (1).docx
 

Mais de Silmara Robles

Provas 5 ano 2012 portugues
Provas 5 ano 2012  portuguesProvas 5 ano 2012  portugues
Provas 5 ano 2012 portugues
Silmara Robles
 
Simulado 5 ano
Simulado 5 anoSimulado 5 ano
Simulado 5 ano
Silmara Robles
 
Apostila texto
Apostila textoApostila texto
Apostila texto
Silmara Robles
 
Tangram
TangramTangram
Regiões brasileiras silmara
Regiões brasileiras silmaraRegiões brasileiras silmara
Regiões brasileiras silmara
Silmara Robles
 
Pontos cardeais e colaterais
Pontos cardeais e colateraisPontos cardeais e colaterais
Pontos cardeais e colaterais
Silmara Robles
 
Da semente a flor ciencias
Da semente a flor   cienciasDa semente a flor   ciencias
Da semente a flor ciencias
Silmara Robles
 
Frases e tipos de frases
Frases e tipos de frasesFrases e tipos de frases
Frases e tipos de frases
Silmara Robles
 
Ciencias 2 bimestre
Ciencias 2 bimestreCiencias 2 bimestre
Ciencias 2 bimestre
Silmara Robles
 
Ciencias o solo
Ciencias   o soloCiencias   o solo
Ciencias o solo
Silmara Robles
 
Diploma
DiplomaDiploma
Palavras com l ou u prof. silmara
Palavras com l ou u prof. silmaraPalavras com l ou u prof. silmara
Palavras com l ou u prof. silmara
Silmara Robles
 
Nova ortografia turma monica silmara
Nova ortografia turma monica silmaraNova ortografia turma monica silmara
Nova ortografia turma monica silmaraSilmara Robles
 
Ingles sil
Ingles silIngles sil
Ingles sil
Silmara Robles
 
ciclo da água
ciclo da águaciclo da água
ciclo da água
Silmara Robles
 
Power point água
Power point águaPower point água
Power point água
Silmara Robles
 
Saude corpo humano
Saude   corpo humanoSaude   corpo humano
Saude corpo humano
Silmara Robles
 
Leitura e interpretação
Leitura  e interpretaçãoLeitura  e interpretação
Leitura e interpretação
Silmara Robles
 
A casa de ca co silmara
A casa de ca co silmaraA casa de ca co silmara
A casa de ca co silmara
Silmara Robles
 

Mais de Silmara Robles (20)

Provas 5 ano 2012 portugues
Provas 5 ano 2012  portuguesProvas 5 ano 2012  portugues
Provas 5 ano 2012 portugues
 
Simulado 5 ano
Simulado 5 anoSimulado 5 ano
Simulado 5 ano
 
Apostila texto
Apostila textoApostila texto
Apostila texto
 
Tangram
TangramTangram
Tangram
 
Regiões brasileiras silmara
Regiões brasileiras silmaraRegiões brasileiras silmara
Regiões brasileiras silmara
 
Pontos cardeais e colaterais
Pontos cardeais e colateraisPontos cardeais e colaterais
Pontos cardeais e colaterais
 
Da semente a flor ciencias
Da semente a flor   cienciasDa semente a flor   ciencias
Da semente a flor ciencias
 
Frases e tipos de frases
Frases e tipos de frasesFrases e tipos de frases
Frases e tipos de frases
 
Ciencias 2 bimestre
Ciencias 2 bimestreCiencias 2 bimestre
Ciencias 2 bimestre
 
Ciencias o solo
Ciencias   o soloCiencias   o solo
Ciencias o solo
 
Diploma
DiplomaDiploma
Diploma
 
Palavras com l ou u prof. silmara
Palavras com l ou u prof. silmaraPalavras com l ou u prof. silmara
Palavras com l ou u prof. silmara
 
Nova ortografia turma monica silmara
Nova ortografia turma monica silmaraNova ortografia turma monica silmara
Nova ortografia turma monica silmara
 
Ingles sil
Ingles silIngles sil
Ingles sil
 
ciclo da água
ciclo da águaciclo da água
ciclo da água
 
Power point água
Power point águaPower point água
Power point água
 
Saude corpo humano
Saude   corpo humanoSaude   corpo humano
Saude corpo humano
 
Leitura e interpretação
Leitura  e interpretaçãoLeitura  e interpretação
Leitura e interpretação
 
A casa de ca co silmara
A casa de ca co silmaraA casa de ca co silmara
A casa de ca co silmara
 
Bom pastor
Bom pastorBom pastor
Bom pastor
 

Ciencias sil a descoberta do fogo

  • 1. ESCOLA MUNICIPAL BOM PASTOR. PROFESSORA: SILMARA ROBLES ESCORSIN 4ª SÉRIE – “F” Silmara Robles Escorsin
  • 2. A DESCOBERTA FOGO Silmara Robles Escorsin
  • 3. Este processo ocorria de duas formas: 1) batendo uma pedra na outra e produzindo faísca que atingia palha; 2) friccionando graveto seco numa madeira até produzir a faísca, atingindo a palha. Com a produção do fogo, o homem pré-histórico garantiu um grande avanço, pois podia iluminar a caverna, cozinhar a carne, espantar os animais selvagens e garantir o aquecimento nas épocas de frio. A invenção, na Inglaterra em 1827, do palito de fósforo2. O elemento fósforo combina-se com o oxigênio tão facilmente que se acende apenas exposto ao ar. Os primeiros fósforos fabricados acendiam por atrito e exalavam um cheiro muito desagradável. Mais adiante, em 1845, começaram a ser fabricados os chamados fósforos de segurança, cuja cabeça combustível contém outros componentes não-inflamáveis, garantindo a sua utilização de forma segura. Silmara Robles Escorsin
  • 5. O som é a propagação de uma frente de compressão mecânica ou onda mecânica ; Seres humanos e vários animais percebem sons com o sentido da audição , com seus dois ouvidos , o que permite saber a distância e posição da fonte sonora: a chamada audição estereofônica . Muitos sons de baixa freqüência também podem ser sentidos por outras partes do corpo e pesquisas revelam que elefantes se comunicam através de infra-sons. Os sons são usados de várias maneiras, muito especialmente para comunicação através da fala ou, por exemplo, música . Por exemplo, morcegos , baleias e golfinhos usam a ecolocalização para voar e nadar por entre obstáculos e caçar suas presas . Navios e submarinos usam o sonar ; seres humanos recebem e usam informações espaciais percebidas em sons. Silmara Robles Escorsin
  • 6. LUZ E CORES Silmara Robles Escorsin
  • 7. Cor-luz , ou cor-energia é aquela, em a Teoria das cores , que, contrapondo-se à cor-pigmento , diz respeito à reflexão dos raios luminosos - e não pela cor efetiva contida na substância. Identificada pelo fenômeno da refracção dos raios solares , essa concepção das cores deu-se pela primeira vez com o físico inglês Isaac Newton , no ano de 1666 . Só podemos perceber as cores na presença da luz.Cor é luz. Sem a luz, nossos olhos não conseguem captar as cores. A luz branca é formada pela reunião de numerosas radiações coloridas que podem ser separadas. A cor é o resultado do reflexo da luz que não é absorvida por um pigmento. O branco é a soma de todas as cores, o preto é a ausência delas. O arco-íris, na verdade, é formado pelo desvio e dispersão da luz do Sol em um número enorme de gotas. Só algumas dessas gotas desviam a luz na direção de seus olhos. Outra pessoa a seu lado verá a luz desviada por outras gotas diferentes , isto é, verá outro arco-íris . Cada um vê seu arco-íris particular e cada um está no vértice de seu próprio arco-íris.Qual é a distância do arco-íris até você? Qualquer uma, pois qualquer gota situada nas laterais do cone que tem seu olho no vértice pode contribuir para seu arco-íris. As gotas podem estar até bem perto de você, como acontece quando você vê um arco-íris formado pela água espalhada por um dispersor de jardim. Silmara Robles Escorsin
  • 8. Meios transparentes: são meios que permitem que a luz atravesse, descrevendo trajetórias regulares e bem definidas. Existe apenas um meio que é perfeitamente transparente, é o vácuo, no entanto existem alguns outros meios, como a água pura e o vidro hialino, que podem ser considerados como transparentes. Veja a representação de raios de luz atravessando um meio transparente: Silmara Robles Escorsin
  • 9. Meios translúcidos: são meios pelos quais os feixes de luz descrevem trajetórias irregulares com intensa difusão, ou seja, a luz se espalha sobre o meio no qual está se propagando. Nesses meios a luz consegue passar, porém seus feixes sofrem desvios na sua orientação por causa da constituição do material sobre o qual a luz está incidindo. Veja a representação de um meio translúcido: Silmara Robles Escorsin
  • 10. Meios opacos: nesse tipo de meio a luz não se propaga. A luz após incidir sobre os meios opacos é parcialmente absorvida e parcialmente refletida. A parte que é parcialmente absorvida é transformada em energia, como a energia térmica. São exemplos de meios opacos: madeira, papelão, metais, etc. Veja a representação de meios opacos: Silmara Robles Escorsin
  • 13. O imã, também conhecido como magneto, é uma substância que possui a capacidade de atrair substâncias magnéticas (ferro ou outros metais). Existem dois tipos de imãs: Imãs Naturais – são aqueles que encontramos na natureza e são compostos por minério de ferro (óxido de ferro). Este tipo de ferro magnético é denominado magnetita. Imãs Artificiais – são aqueles que adquirem propriedade magnética ao serem atritados com um imã natural. A capacidade magnética destes imãs podem superar a dos imãs naturais. Os imãs possuem dois polos (norte e sul). O polo sul de um imã é atraído pelo polo norte do Planeta Terra e vice-versa. Silmara Robles Escorsin
  • 15. É um fenômeno físico originado por cargas elétricas estáticas, ou em movimento, e por sua interação. Quando uma carga se encontra em repouso, produz forças sobre outras situadas à sua volta. Se a carga se desloca, produz também campos magnéticos . Há dois tipos de cargas elétricas : positivas e negativas. Silmara Robles Escorsin
  • 16. A energia elétrica começa na usina elétrica. Em quase todos os casos, a usina elétrica consiste de um gerador elétrico de giro . Algo tem que girar esse gerador - pode ser uma roda de água em uma represa hidrelétrica, um grande motor a diesel ou uma turbina a gasolina. Na maioria dos casos, porém, o que gira o gerador é uma turbina a vapor . O vapor pode ser criado pela queima de carvão, óleo ou gás natural Silmara Robles Escorsin