SlideShare uma empresa Scribd logo
Curso:
Fontes de Financiamento - Empreendimentos Culturais e Criativos

Aula 3
Investimento-Anjo e Private equity
Minom Pinho
Noções gerais para encontrar investidores para o seu negócio: requisitos, riscos
e vantagens.
O que é um Investidor-Anjo.

O Investimento-Anjo é originário dos EUA, aonde é conhecido como Angel Investor  ou
Business Angel, apresentando as seguintes características:

1. É efetivado por pessoa física (que pode investir através de uma PJ, mas com recursos
e trabalho próprios; não de terceiros*).

2. Investe em empresas nascentes(startups), próximas aonde reside, para poder apoiá-
las.

3. Tem normalmente uma participação minoritária no negócio.

4. Não tem posição executiva na empresa, mas apóia o empreendedor com seu
conhecimento, experiência e relacionamento, além dos recursos financeiros. O que é
conhecido como smart-money.

*O Investimento com recursos de terceiros é chamado de "gestão de recursos". É
efetivado por fundos de investimento e similares, sendo uma modalidade importante e
complementar a de Investimento-Anjo, é normalmente aplicado em aportes subsequentes.



Fonte:	
  h)p://www.anjosdobrasil.net
O Investidor-Anjo.


O Investidor-Anjo é normalmente um (ex-)empresário/empreendedor ou executivo que já
trilhou uma carreira de sucesso.

Acumulou recursos suficientes e alocar uma parte deles(normalmente entre 5% a 10% do
seu patrimônio) para investir em novas empresas.

Aplica sua experiência apoiando as empresas em que investe.

Diferentemente que muitos imaginam, o Investidor-Anjo normalmente não é detentor de
grandes fortunas, pois o investimento-anjo para estes seria muito pequeno para ser
administrado.



Fonte:	
  www.anjosdobrasil.net	
  
Parâmetros do investimento-anjo:


- O investimento-anjo não é uma atividade filantrópica e/ou com fins sociais.

- O Investidor-Anjo tem como objetivo aplicar em negócios com alto potencial de retorno,
que consequentemente terão um grande impacto positivo para a sociedade através da
geração de oportunidades de trabalho e de renda.

- O termo "anjo" é utilizado pelo fato de não ser um investidor puramente financeiro que
fornece apenas o capital necessário para o negócio, mas por apoiar o empreendedor,
aplicando seus conhecimentos, experiência e rede de relacionamento para orientá-lo e
aumentar suas chances de sucesso.

O investimento-anjo em uma empresa é normalmente feito por um grupo de 2 a 5
investidores, tanto para diluição de riscos como para o compartilhamento da dedicação,
sendo definido para cada negócio 1 ou 2 como investidores-líderes, para agilizar o
processo de investimento.

Fonte:	
  www.anjosdobrasil.net
Características do Investidor Anjo:

O Investimento Anjo é a primeira etapa de investimento em um projeto ou uma empresa
start-up.
O investimento individual vai de R$ 25.000 A R$100.000, dependendo do negócio, região
e quantidade de Investidores-Anjo presentes no investimento.
O valor de investimento pretendido deve ser preferencialmente inferior a 1 milhão de reais.
Geralmente não adquire mais do que 30 ou 40% de uma empresa.
Ele não está interessado em sentar na poltrona do presidente e ditar ordens.
Não está interessado em empresas que apresentam poucas barreiras de entrada, mesmo
que o negócio possa ser extremamente lucrativo.
A empresa deve ser inovadora ou de base tecnológica. Entende-se por inovadora uma
empresa que preste uma solução ou serviço pioneiro em sua região.
Não deseja ficar na empresa investida por muito tempo, pelo contrário.
O processo de Investimento-Anjo pode durar em torno de dois a seis anos. Após esse
período o investidor espera vender a empresa para um “player” maior (ou outra condição
de saída).

Fonte:	
  www.INVESTIMENTOanjo.COM
Investidor-Anjo
Guia Prático para Empreendedores e Investidores

1a. edição, 2011

Cassio A. Spina

nVersos
STARTUPS

Uma companhia start-up ou startup é uma empresa com um histórico operacional limitado.
Essas empresas, geralmente recém-criadas, estão em fase de desenvolvimento e
pesquisa de mercados.
O termo se tornou popular internacionalmente durante a bolha da internet, quando um
grande número de empresa “ponto com” foram fundadas.
Uma startup é uma empresa nova, até mesmo embrionária ou ainda em fase de
constituição, que conta com projetos promissores, ligados à pesquisa, investigação e
desenvolvimento de ideias inovadoras.
STARTUPS

Por ser jovem e estar implantando uma ideia no mercado, outra característica das startups
é possuir risco envolvido no negócio.
Mas, apesar disso, são empreendimentos com baixos custos iniciais e são altamente
escaláveis, ou seja, possuem uma expectativa de crescimento muito grande quando dão
certo.
Algumas empresas já solidificadas no mercado e líderes em seus segmentos, como o
Google, a Yahoo e o Ebay, também são consideradas startups.
Essas empresas, normalmente de base tecnológica, possuem espírito empreendedor e
uma constante busca por modelo de negócios inovador.
Este modelo de negócios é a maneira como a startup gera valor – ou seja, como
transforma seu trabalho em dinheiro.
STARTUPS

Um exemplo de startup é o modelo de negócios do Google que se baseia em cobrar por
cada click nos anúncios mostrados nos resultados de busca.
Outro exemplo seria o modelo de negócio de franquias: o franqueado paga royalties por
uma marca, mas tem acesso a uma receita de sucesso com suporte do franquiador – e
por isso aumenta suas chances de gerar lucro.
Empresas que criam modelos de negócio altamente escaláveis, a baixos custos e a
partir de ideias inovadoras são empresas startups.
Startups não são somente empresas de internet. Elas só são mais frequentes na internet
porque é bem mais barato criar uma empresa de software do que uma indústria.
PRIVATE	
  EQUITY

Private equity é um tipo de atividade financeira realizada por instituições que investem
essencialmente em empresas que ainda não são listadas em bolsa de valores, com o
objetivo de alavancar seu desenvolvimento. Esses investimentos são realizados via
FUNDOS DE PRIVATE EQUITY.

Private Equity geralmente são realizados em empresas emergentes de maior porte com
grande potencial.

Em sua maioria são constituídos em acordos contratuais privados entre investidores e
gestores, não sendo oferecidos abertamente ao mercado e sim através de colocação
privada.
PRIVATE	
  EQUITY
Principais formas de atuação

 •   Venture capital: investimento na fundação de uma empresa nova ou expansão de
     uma empresa pequena;

 •   Buy-out: aquisição de parte significativa ou até mesmo o controle de uma empresa
     mais madura em seu estágio de desenvolvimento;

 •   Situações extraordinárias: investimento em empresas que passam por dificuldades
     financeiras ou sofrem mudanças impactantes, tais como mudanças regulatórias e de
     tendências do mercado.
RODADAS DE NEGÓCIOS E PITCHINGS

A apresentação para os investidores devem ter no máximo 20 slides.

1) APRESENTAÇÃO
No primeiro slide coloque o nome e logotipo da empresa.
Inclua também o nome do empreendedor(es) e uma breve descrição sobre suas respectivas
experiências profissionais.
Sintetize em poucas linhas a atividade da sua empresa.

2) VISÃO GERAL DO NEGÓCIO
Diga o que você vende e que serviço ou solução sua empresa está prestando.

Utilize uma linguagem de fácil entendimento e bem sintetizada, pois isso define o contexto para o
resto de sua apresentação.

3) EQUIPE EXECUTIVA
Em uma linha descreva cada integrante de sua equipe executiva.
4) MERCADO
Defina qual o seu nicho de mercado, tamanho, possibilidade de crescimento e fraquezas.
Qual o seu diferencial e o que exatamente faz. Utilize um protótipo, uma imagem ou um simples
diagrama. Se o investidor não sabe exatamente o que você vai fazer, provavelmente ele não terá
motivos suficientes para investir tempo e capital em sua empresa.

5) MODELO DE NEGÓCIOS
Quem paga, quanto e de onde. Fluxos de receitas anuais.

6) CONSUMIDORES
Quantos, quem são eles, processo de distribuição.

7) PARCERIAS

Caso tenha qualquer parceria estratégica informe ao investidor.
8) CONCORRENCIA
Quem são seus concorrentes? Qual o grau de ameaça?
Quais são os diferenciais?
Lembre-se que para tudo existe concorrência e se você disser que não existe nenhuma será
improvável de obter financiamento. Inclua concorrentes diretos e indiretos.

9) BARREIRAS DE ENTRADA
Como os concorrentes serão evitados?

10) PLANO FINANCEIRO

Receitas e despesas. Dois anos atrás e quatro anos afrente.

11) POTENCIAL DO NEGÓCIO E USO DOS RECURSOS
Para que você precisa do investimento e onde pretende chegar.

12) ESTRUTURA DE CAPITAL E VALUATION
Quanto você já faturou anteriormente, quem são seus investidores atuais, o que você está
procurando nesta rodada e como você chegou ao valuation sugerido.
13) RESUMO

Um resumo das características mais fortes do seu empreendimento. Atenha-se aos cinco ou seis
pontos mais importantes. Certifique-se que o último ponto citado seja o mais forte.
BUSINESS MODEL GENERATION

Alexander Osterwalder e Yves Pigneur

Um manual para visionários, empreendedores e inovadores.
Um best-seller que virou fenômeno global - aplicado por pessoas de
inúmeros países. Ensina como compreender, criar e diferenciar o seu
modelo de negócio e forma simples e sistematizada.
O BMG foi testado e aplicado em diversos países do mundo e em
empresas como IBM, Deloitte, Ericsson, dentre outras.
BUSINESS MODEL GENERATION

Alexander Osterwalder e Yves Pigneur

O best-seller no brasil:
BUSINESS MODEL GENERATION

Alexander Osterwalder e Yves Pigneur

http://www.businessmodelgeneration.com/
- Você possui espírito empreendedor?
- Você sempre pensa sobre como criar
valor e construir novos negócios?
- Pensa continuamente em como
melhorar ou transformar seu negócio ou
sua empresa?
- Quer encontrar maneiras inovadoras de
fazer negócios, gerar movimentos,
promover mudanças?
BUSINESS MODEL GENERATION

Um modelo de negócios que descreve como uma organização cria,
entrega e promove/gera valor (capture value) para o mercado.


Os conceitos aplicados ao desenho do modelo e às descrições do
negócio devem ser simples, relevantes, intuitivamente
compreensíveis.


Servem para descrever o modelo de negócio e trabalhar com ele
criando novas estratégias e soluções.
Fontes de Financimento 3 - Minom Pinho
Fontes de Financimento 3 - Minom Pinho
CANVAS

9   BLOCOS DE CONSTRUÇÃO DO MODELO

 Os nove blocos trabalham de forma diferenciada
 com os 4 elementos de um negócio: clientes, oferta,
 infraestrutura e viabilidade financeira.
1   Segmento de Mercado/Clientes
1     Segmento de Mercado/Clientes

Para quem estamos criando valor?
Quem são nossos clientes mais importantes?

    Descreve os diferentes grupos de pessoas ou organizações com os quais
    uma empresa deseja ou pretende relacionar-se com ou servir.
2   Proposição de Valor / Valor agregado
2     Proposição de Valor / Valor agregado



Que valores entregamos aos nossos clientes?
Que problemas dos nossos clientes estamos resolvendo?

   Descreve o conjunto de produtos e serviços que cria valor para um
  segmento de mercado(clientes). É a razão pela qual os clientes escolhem
  a sua empresa e não outra.
3   Canais
3      Canais
Que canais de distribuição/comunicação devemos utilizar para
chegar aos nossos clientes/públicos? Que canais estamos
utilizando hoje? Que outros canais podemos utilizar? Há
integração entre os canais de comunicação, distribuição e
vendas? Quais funcionam melhor? Quais são os mais
eficientes? Eles dialogam e se adequam às rotinas/hábitos dos
clientes?

-Descreve como uma empresa se comunica e alcança seus clientes para
entregar os valores propostos pelo negócio, Canais de comunicação,
distribuição e vendas compõem as interfaces da empresa/organização com
os clientes/públicos. Canais são pontos de contato com o cliente/públicos e
desempenham um papel importante na experiência oferecida pela
organização/empresa.
4   Relacionamento com os Clientes
4    Relacionamento com os Clientes
Que tipo de relação cada segmentos de clientes espera
estabelecer/manter com a nossa empresa/organização?
Quais os tipos de relacionamento que temos estabelecido
com os clientes? Os relacionamentos envolvem altos
custos? Como estes relacionamentos interagem com o
resto do nosso modelo de negócio?
-Descreve os tipos de relacionamentos que uma empresa estabelece com
segmentos específicos de clientes A empresa deve ter clareza sobre o tipo
de relação que deseja estabelecer com cada segmento. Relacionamentos
podem variar de pessoal para automatizados. As políticas de relacionamento
com o cliente influenciam profundamente a experiência geral do cliente.

Podem ser orientados pelas motivações abaixo:
a) Aquisição de novos clientes; b) Retenção/fidelização de clientes; c)
Impulsionar as vendas (upselling).
5   Fluxos de Receitas
5     Fluxos de Receitas

Que valor os nossos clientes estão realmente dispostos a
pagar pelos produtos e serviços oferecidos? Quanto e
como eles pagam por estes produtos/seviços atualmente?
Qual a receita gerada por cada segmento de mercado
atendido e quanto ela contribui para as receitas globais
da empresa/organização?
A empresa deve se perguntar: Qual o preço que cada segmento está
realmente disposto a pagar pelos produtos/serviços oferecidos?

Responder a esta questão permite à empresa/organização gerar um ou mais
fluxos de receitas provenientes dos múltiplos segmentos de mercado/
clientes atendidos.
6   Recursos-Chave
6      Recursos-Chave
Quais os recursos envolvidos para gerar valor aos
produtos/serviços da minha empresa? E para construir/
ativar canais de comunicação/distribuição e venda? O que
é necessário para garantir estratégias de relacionamento
com segmentos específicos de mercado? Quais os
recursos envolvidos na geração de receitas do meu
negócio?
Descreve os ativos mais importantes necessários à implementação e
funcionamento do modelo de negócios. Estes recursos permitem que uma
empresa crie valor agregado, atingindo mercados, mantendo relações com
segmentos de clientes e gerando fluxos de receitas contínuos.

Diferentes recursos são necessários a partir do tipo de modelo de negócio. A
fabricante de microchips requer instalações de capital intensivo de produção,
enquanto que um designer de microchips se concentra mais em recursos
humanos.

Os recursos podem ser físicos, financeiros, intelectuais ou humanos. Podem
ser próprios, arrendados ou adquiridos de parceiros-chave.
7   Atividades-Chave
7      Atividades-Chave



Descreve as coisas mais importantes que uma empresa deve fazer para fazer
com que o modelo de negócio funcione. Cada modelo de negócio exige uma
série de atividades-chave.

São as ações mais importantes que uma empresa deve observar para operar
com êxito.

São as atividades fundamentais que garantem a criação e a oferta de valor
agregado aos produtos/serviços da empresa, o alcance dos segmentos de
mercados, a manutenção dos relacionamentos com clientes e a geração de
receitas.
8   Parcerias-Chave
8      Parcerias-Chave
Quem são os nossos principais parceiros? Quem
são os nossos principais fornecedores? Que
recursos-chave estão envolvidos na adquisição
de parceiros? Quais as atividades-chave dos
nossos parceiros e como elas dialogam com/
facilitam/dinamizam o nosso negócio?
Descreve a rede de fornecedores e parceiros que fazem o modelo
de negócio funcionar.

Empresas firmam parcerias por muitas razões, mas recentemente
as parcerias estão se tornando a verdadeira sustentação de
muitos modelos de negócios. As empresas criam alianças para
otimizar seus modelos de negócios, reduzir o risco ou adquirir
recursos.
9   Estrutura de Custos
9      Estrutura de Custos

Quais são os custos mais importantes inerentes ao
nosso modelo de negócio? Quais recursos-chave são
mais caros? Quais atividades-chave que são mais
caros?
Descreve todos os custos incorridos para operar um modelo de negócio
e os custos mais importantes envolvidos.

Criação e entrega de valor, manutenção dos relacionamentos com
clientes e geração de receitas envolvem inúmeros custos.

Tais custos podem ser calculados de forma relativamente fácil depois
de definir recursos-chave, atividades-chave e parcerias importantes.

Alguns modelos de negócios, porém, são mais dirigidos a custos do
que outros.
Fontes de Financimento 3 - Minom Pinho
Fontes de Financimento 3 - Minom Pinho
Fontes de Financimento 3 - Minom Pinho
Riscos

“O investidor vai se tornar um sócio e não vai ser passivo, vai ter uma frequência de
comunicação semanal muitas vezes. Geralmente, a ansiedade do empreendedor pelo
recurso financeiro é grande e ele deixa de controlar esse ponto”. Fernando Campos,
investidoro-anjo e gestor da Devise.

“É importante ter discussões de ideias, mas não dá para pensar de forma totalmente oposta.
Precisa ter ideias complementares e se sentir confortável durante a conversa”. Cassio Spina,
autor do livro indicado.

“Não é tão popular ou comum eles divulgarem os investimentos que fazem, mas é bom fazer
uma pesquisa na internet ou perguntar diretamente ao investidor. É bom saber em que
segmento ele atuou e como é a relação com as outras empresas”. Cassio Spina.

“O empreendedor tem que estar preparado para puxar uma ficha do investidor, saber se ele
tem processos ou o nome limpo. É bom também avaliar a reputação: saber de onde vem e se
já teve startups, por exemplo”. Cassio Spina
Sites de interesse:

http://www.anjosdobrasil.net/

http://www.investidoranjo.com/

http://www.businessmodelgeneration.com/

http://www.endeavor.org.br/

http://www.artemisia.org.br/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

"Como criar um negócio em franchising" - Ana Correia (Onebiz)
"Como criar um negócio em franchising" - Ana Correia (Onebiz)"Como criar um negócio em franchising" - Ana Correia (Onebiz)
"Como criar um negócio em franchising" - Ana Correia (Onebiz)
Associação Nacional de Jovens Empresários
 
E book - investimento-anjo - angels club
E book - investimento-anjo - angels clubE book - investimento-anjo - angels club
E book - investimento-anjo - angels club
Geraldo Coutinho Jr.
 
Principais erros legais a evitar no lançamento de uma startup
Principais erros legais a evitar no lançamento de uma startupPrincipais erros legais a evitar no lançamento de uma startup
Principais erros legais a evitar no lançamento de uma startup
Associação Nacional de Jovens Empresários
 
Investimento Anjo, o capital para Empresas Inovadoras e a LC 155
Investimento Anjo, o capital para Empresas Inovadoras e a LC 155 Investimento Anjo, o capital para Empresas Inovadoras e a LC 155
Investimento Anjo, o capital para Empresas Inovadoras e a LC 155
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 
Captação de Recursos Financeiros
Captação de Recursos FinanceirosCaptação de Recursos Financeiros
Captação de Recursos Financeiros
Camila Nascimento
 
Captação de Recursos Financeiros
Captação de Recursos FinanceirosCaptação de Recursos Financeiros
Captação de Recursos Financeiros
ipv7
 
"Como criar o seu negócio com o apoio do IEFP" - (Parte 2)
"Como criar o seu negócio com o apoio do IEFP" - (Parte 2)"Como criar o seu negócio com o apoio do IEFP" - (Parte 2)
"Como criar o seu negócio com o apoio do IEFP" - (Parte 2)
Associação Nacional de Jovens Empresários
 
Atrevome Workshop Ideias 4 Mar
Atrevome  Workshop Ideias 4 MarAtrevome  Workshop Ideias 4 Mar
Atrevome Workshop Ideias 4 Mar
DPI - UEvora
 
10 licoes sobre como falar com um investidor
10 licoes sobre como falar com um investidor10 licoes sobre como falar com um investidor
10 licoes sobre como falar com um investidor
Felipe Matos
 
Constituição de uma empresa
Constituição de uma empresaConstituição de uma empresa
Constituição de uma empresa
sankif
 
Iscte empreendedorismo digital
Iscte empreendedorismo digitalIscte empreendedorismo digital
Iscte empreendedorismo digital
Diogo Rebelo
 
"Crowdfunding - Financiamento alternativo para apoiar startups" - Sandra Corr...
"Crowdfunding - Financiamento alternativo para apoiar startups" - Sandra Corr..."Crowdfunding - Financiamento alternativo para apoiar startups" - Sandra Corr...
"Crowdfunding - Financiamento alternativo para apoiar startups" - Sandra Corr...
Associação Nacional de Jovens Empresários
 
Inventtaradarcapitalderiscoguiapraticoparaempresasnascentes 111107080523-phpa...
Inventtaradarcapitalderiscoguiapraticoparaempresasnascentes 111107080523-phpa...Inventtaradarcapitalderiscoguiapraticoparaempresasnascentes 111107080523-phpa...
Inventtaradarcapitalderiscoguiapraticoparaempresasnascentes 111107080523-phpa...
Manuel Fernandes
 
Empr2
Empr2Empr2
Empr2
Pelo Siro
 
Apresentacão Campus Party 2010: Relacao Com Investidores
Apresentacão Campus Party 2010: Relacao Com InvestidoresApresentacão Campus Party 2010: Relacao Com Investidores
Apresentacão Campus Party 2010: Relacao Com Investidores
Eduardo Bilman
 
Empreendedorismo corporativo aula 1 e 2 slides
Empreendedorismo corporativo   aula 1 e 2 slidesEmpreendedorismo corporativo   aula 1 e 2 slides
Empreendedorismo corporativo aula 1 e 2 slides
Edvaldo Eliezer Gomes da Silva
 
Aspectos Legais no Desenvolvimento de Startups no Brasil: Conceitos Elementar...
Aspectos Legais no Desenvolvimento de Startups no Brasil: Conceitos Elementar...Aspectos Legais no Desenvolvimento de Startups no Brasil: Conceitos Elementar...
Aspectos Legais no Desenvolvimento de Startups no Brasil: Conceitos Elementar...
Cloud Coaching
 
Empreendedorismo: Definição, Características e Oportunidades de Negócios
Empreendedorismo: Definição, Características e Oportunidades de NegóciosEmpreendedorismo: Definição, Características e Oportunidades de Negócios
Empreendedorismo: Definição, Características e Oportunidades de Negócios
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Empreendedorismo aula 1 parte 2 - professor marcelo reis
Empreendedorismo   aula 1 parte 2  - professor marcelo reisEmpreendedorismo   aula 1 parte 2  - professor marcelo reis
Empreendedorismo aula 1 parte 2 - professor marcelo reis
Marcelo Reis
 

Mais procurados (19)

"Como criar um negócio em franchising" - Ana Correia (Onebiz)
"Como criar um negócio em franchising" - Ana Correia (Onebiz)"Como criar um negócio em franchising" - Ana Correia (Onebiz)
"Como criar um negócio em franchising" - Ana Correia (Onebiz)
 
E book - investimento-anjo - angels club
E book - investimento-anjo - angels clubE book - investimento-anjo - angels club
E book - investimento-anjo - angels club
 
Principais erros legais a evitar no lançamento de uma startup
Principais erros legais a evitar no lançamento de uma startupPrincipais erros legais a evitar no lançamento de uma startup
Principais erros legais a evitar no lançamento de uma startup
 
Investimento Anjo, o capital para Empresas Inovadoras e a LC 155
Investimento Anjo, o capital para Empresas Inovadoras e a LC 155 Investimento Anjo, o capital para Empresas Inovadoras e a LC 155
Investimento Anjo, o capital para Empresas Inovadoras e a LC 155
 
Captação de Recursos Financeiros
Captação de Recursos FinanceirosCaptação de Recursos Financeiros
Captação de Recursos Financeiros
 
Captação de Recursos Financeiros
Captação de Recursos FinanceirosCaptação de Recursos Financeiros
Captação de Recursos Financeiros
 
"Como criar o seu negócio com o apoio do IEFP" - (Parte 2)
"Como criar o seu negócio com o apoio do IEFP" - (Parte 2)"Como criar o seu negócio com o apoio do IEFP" - (Parte 2)
"Como criar o seu negócio com o apoio do IEFP" - (Parte 2)
 
Atrevome Workshop Ideias 4 Mar
Atrevome  Workshop Ideias 4 MarAtrevome  Workshop Ideias 4 Mar
Atrevome Workshop Ideias 4 Mar
 
10 licoes sobre como falar com um investidor
10 licoes sobre como falar com um investidor10 licoes sobre como falar com um investidor
10 licoes sobre como falar com um investidor
 
Constituição de uma empresa
Constituição de uma empresaConstituição de uma empresa
Constituição de uma empresa
 
Iscte empreendedorismo digital
Iscte empreendedorismo digitalIscte empreendedorismo digital
Iscte empreendedorismo digital
 
"Crowdfunding - Financiamento alternativo para apoiar startups" - Sandra Corr...
"Crowdfunding - Financiamento alternativo para apoiar startups" - Sandra Corr..."Crowdfunding - Financiamento alternativo para apoiar startups" - Sandra Corr...
"Crowdfunding - Financiamento alternativo para apoiar startups" - Sandra Corr...
 
Inventtaradarcapitalderiscoguiapraticoparaempresasnascentes 111107080523-phpa...
Inventtaradarcapitalderiscoguiapraticoparaempresasnascentes 111107080523-phpa...Inventtaradarcapitalderiscoguiapraticoparaempresasnascentes 111107080523-phpa...
Inventtaradarcapitalderiscoguiapraticoparaempresasnascentes 111107080523-phpa...
 
Empr2
Empr2Empr2
Empr2
 
Apresentacão Campus Party 2010: Relacao Com Investidores
Apresentacão Campus Party 2010: Relacao Com InvestidoresApresentacão Campus Party 2010: Relacao Com Investidores
Apresentacão Campus Party 2010: Relacao Com Investidores
 
Empreendedorismo corporativo aula 1 e 2 slides
Empreendedorismo corporativo   aula 1 e 2 slidesEmpreendedorismo corporativo   aula 1 e 2 slides
Empreendedorismo corporativo aula 1 e 2 slides
 
Aspectos Legais no Desenvolvimento de Startups no Brasil: Conceitos Elementar...
Aspectos Legais no Desenvolvimento de Startups no Brasil: Conceitos Elementar...Aspectos Legais no Desenvolvimento de Startups no Brasil: Conceitos Elementar...
Aspectos Legais no Desenvolvimento de Startups no Brasil: Conceitos Elementar...
 
Empreendedorismo: Definição, Características e Oportunidades de Negócios
Empreendedorismo: Definição, Características e Oportunidades de NegóciosEmpreendedorismo: Definição, Características e Oportunidades de Negócios
Empreendedorismo: Definição, Características e Oportunidades de Negócios
 
Empreendedorismo aula 1 parte 2 - professor marcelo reis
Empreendedorismo   aula 1 parte 2  - professor marcelo reisEmpreendedorismo   aula 1 parte 2  - professor marcelo reis
Empreendedorismo aula 1 parte 2 - professor marcelo reis
 

Destaque

Aula 3- Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 2013
Aula 3- Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 2013Aula 3- Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 2013
Aula 3- Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 2013
Cultura e Mercado
 
Contabilidade pública - Demonstrações Contábeis
Contabilidade pública - Demonstrações ContábeisContabilidade pública - Demonstrações Contábeis
Contabilidade pública - Demonstrações Contábeis
Universidade Federal da Paraíba
 
Identificacion De La Guia De Aprendizaje 1
Identificacion De La Guia De Aprendizaje 1Identificacion De La Guia De Aprendizaje 1
Identificacion De La Guia De Aprendizaje 1
niyireth
 
Apostila toxicologia geral
Apostila toxicologia geral Apostila toxicologia geral
Apostila toxicologia geral
NUNO RICARDO
 
Tipologias Multimedia
Tipologias MultimediaTipologias Multimedia
Tipologias Multimedia
guesta5892b
 
Multimedia
MultimediaMultimedia
Multimedia
Brigitt Lopez
 
Diapositivas De TipòLogias Multimedia 2
Diapositivas De TipòLogias Multimedia 2Diapositivas De TipòLogias Multimedia 2
Diapositivas De TipòLogias Multimedia 2
Especialización WebMaster
 
Noções de hidráulica
Noções de hidráulicaNoções de hidráulica
Noções de hidráulica
Tarcísio Bandeira
 
Apostila de noã§ãµes de hidrã¡ulica
Apostila de noã§ãµes de hidrã¡ulicaApostila de noã§ãµes de hidrã¡ulica
Apostila de noã§ãµes de hidrã¡ulica
Carem Pereira
 
Tipologia multimedia
Tipologia multimediaTipologia multimedia
Tipologia multimedia
Yenny-love
 
Tipologia multimedia
Tipologia multimediaTipologia multimedia
Tipologia multimedia
Yenny-love
 
Tipologias Multimedia
Tipologias MultimediaTipologias Multimedia
Tipologias Multimedia
Edgardo Perdomo Trujillo
 
Plexo lumbosacro (2)
Plexo lumbosacro (2)Plexo lumbosacro (2)
Plexo lumbosacro (2)
Alejandro Mejia
 
Código de ética dos profissionais de ed fis
Código de ética dos profissionais de ed fisCódigo de ética dos profissionais de ed fis
Código de ética dos profissionais de ed fis
jorge luiz dos santos de souza
 
Contratos de propriedade indust serie gv law
Contratos de propriedade indust   serie gv lawContratos de propriedade indust   serie gv law
Contratos de propriedade indust serie gv law
Luiz Fernandes Vieira
 
Apostila de imunologia
Apostila de imunologiaApostila de imunologia
Como calcular o valor da empresa
Como calcular o valor da empresaComo calcular o valor da empresa
Como calcular o valor da empresa
Eduardo Vilas Boas
 
Management strategique 02 2015 [mode de compatibilité]
Management strategique 02 2015 [mode de compatibilité]Management strategique 02 2015 [mode de compatibilité]
Management strategique 02 2015 [mode de compatibilité]
Jawad Sabiri
 
Oportunidades historias de_exito_espanol
Oportunidades historias de_exito_espanolOportunidades historias de_exito_espanol
Oportunidades historias de_exito_espanol
Edgar Arguello Castro
 
Avaliação no pea o medo e afobação que os alunos tem na realização da avaliação
Avaliação no pea o medo e afobação que os alunos tem na realização da avaliaçãoAvaliação no pea o medo e afobação que os alunos tem na realização da avaliação
Avaliação no pea o medo e afobação que os alunos tem na realização da avaliação
wilkerfilipel
 

Destaque (20)

Aula 3- Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 2013
Aula 3- Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 2013Aula 3- Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 2013
Aula 3- Curso Fontes de Financiamento dias 22 e 23 de Junho 2013
 
Contabilidade pública - Demonstrações Contábeis
Contabilidade pública - Demonstrações ContábeisContabilidade pública - Demonstrações Contábeis
Contabilidade pública - Demonstrações Contábeis
 
Identificacion De La Guia De Aprendizaje 1
Identificacion De La Guia De Aprendizaje 1Identificacion De La Guia De Aprendizaje 1
Identificacion De La Guia De Aprendizaje 1
 
Apostila toxicologia geral
Apostila toxicologia geral Apostila toxicologia geral
Apostila toxicologia geral
 
Tipologias Multimedia
Tipologias MultimediaTipologias Multimedia
Tipologias Multimedia
 
Multimedia
MultimediaMultimedia
Multimedia
 
Diapositivas De TipòLogias Multimedia 2
Diapositivas De TipòLogias Multimedia 2Diapositivas De TipòLogias Multimedia 2
Diapositivas De TipòLogias Multimedia 2
 
Noções de hidráulica
Noções de hidráulicaNoções de hidráulica
Noções de hidráulica
 
Apostila de noã§ãµes de hidrã¡ulica
Apostila de noã§ãµes de hidrã¡ulicaApostila de noã§ãµes de hidrã¡ulica
Apostila de noã§ãµes de hidrã¡ulica
 
Tipologia multimedia
Tipologia multimediaTipologia multimedia
Tipologia multimedia
 
Tipologia multimedia
Tipologia multimediaTipologia multimedia
Tipologia multimedia
 
Tipologias Multimedia
Tipologias MultimediaTipologias Multimedia
Tipologias Multimedia
 
Plexo lumbosacro (2)
Plexo lumbosacro (2)Plexo lumbosacro (2)
Plexo lumbosacro (2)
 
Código de ética dos profissionais de ed fis
Código de ética dos profissionais de ed fisCódigo de ética dos profissionais de ed fis
Código de ética dos profissionais de ed fis
 
Contratos de propriedade indust serie gv law
Contratos de propriedade indust   serie gv lawContratos de propriedade indust   serie gv law
Contratos de propriedade indust serie gv law
 
Apostila de imunologia
Apostila de imunologiaApostila de imunologia
Apostila de imunologia
 
Como calcular o valor da empresa
Como calcular o valor da empresaComo calcular o valor da empresa
Como calcular o valor da empresa
 
Management strategique 02 2015 [mode de compatibilité]
Management strategique 02 2015 [mode de compatibilité]Management strategique 02 2015 [mode de compatibilité]
Management strategique 02 2015 [mode de compatibilité]
 
Oportunidades historias de_exito_espanol
Oportunidades historias de_exito_espanolOportunidades historias de_exito_espanol
Oportunidades historias de_exito_espanol
 
Avaliação no pea o medo e afobação que os alunos tem na realização da avaliação
Avaliação no pea o medo e afobação que os alunos tem na realização da avaliaçãoAvaliação no pea o medo e afobação que os alunos tem na realização da avaliação
Avaliação no pea o medo e afobação que os alunos tem na realização da avaliação
 

Semelhante a Fontes de Financimento 3 - Minom Pinho

Como Obter Financiamento para sua Startup
Como Obter Financiamento para sua StartupComo Obter Financiamento para sua Startup
Como Obter Financiamento para sua Startup
Laboratorium
 
Planejamento de negocios 2013 apostila.3
Planejamento de negocios 2013   apostila.3Planejamento de negocios 2013   apostila.3
Planejamento de negocios 2013 apostila.3
Silvina Ramal
 
GuiaCriatec3_Empreendedores
GuiaCriatec3_EmpreendedoresGuiaCriatec3_Empreendedores
GuiaCriatec3_Empreendedores
Joao Pirola
 
Desenvolvimento de projeto i
Desenvolvimento de projeto iDesenvolvimento de projeto i
Desenvolvimento de projeto i
Eltonorris
 
Empr2 120111085855-phpapp01
Empr2 120111085855-phpapp01Empr2 120111085855-phpapp01
Empr2 120111085855-phpapp01
Pelo Siro
 
Investidor anjo - Startups
Investidor anjo - StartupsInvestidor anjo - Startups
Investidor anjo - Startups
André Bianchi
 
BIZCOOL - CICLO DE FUNDING: ONDE CONSEGUIR DINHEIRO
BIZCOOL - CICLO DE FUNDING: ONDE CONSEGUIR DINHEIROBIZCOOL - CICLO DE FUNDING: ONDE CONSEGUIR DINHEIRO
BIZCOOL - CICLO DE FUNDING: ONDE CONSEGUIR DINHEIRO
Bizcool | Escola Aceleradora
 
Apresentação empreedrinks 20jan2012
Apresentação empreedrinks 20jan2012Apresentação empreedrinks 20jan2012
Apresentação empreedrinks 20jan2012
Marcelo Amorim
 
Compreendendo O Capital Empreendedor
Compreendendo O Capital EmpreendedorCompreendendo O Capital Empreendedor
Compreendendo O Capital Empreendedor
simonolson
 
Evento Anjos do Brasil Fortaleza ago 2014
Evento Anjos do Brasil   Fortaleza ago 2014Evento Anjos do Brasil   Fortaleza ago 2014
Evento Anjos do Brasil Fortaleza ago 2014
Marcelo Amorim
 
Lean startup
Lean startupLean startup
STARTUP 3º PRAT EMP emcomercio emoprendendo
STARTUP 3º PRAT EMP emcomercio  emoprendendoSTARTUP 3º PRAT EMP emcomercio  emoprendendo
STARTUP 3º PRAT EMP emcomercio emoprendendo
HenriqueLuciano2
 
Investimentos para iniciantes
Investimentos para iniciantesInvestimentos para iniciantes
Investimentos para iniciantes
ContaAzul
 
Como conseguir investidores para o seu negócio
Como conseguir investidores para o seu negócioComo conseguir investidores para o seu negócio
Como conseguir investidores para o seu negócio
ContaAzul
 
Palestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario junior
Palestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario juniorPalestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario junior
Palestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario junior
Universidade de Pernambuco
 
Iae aula 09 plano de negócio 2012-1
Iae aula 09 plano de negócio 2012-1Iae aula 09 plano de negócio 2012-1
Iae aula 09 plano de negócio 2012-1
Rodrigo Pereira Melo
 
Slides módulo5.2
Slides módulo5.2Slides módulo5.2
Slides módulo5.2
Eva Gomes
 
Mbas6fundraising 110803161226-phpapp01
Mbas6fundraising 110803161226-phpapp01Mbas6fundraising 110803161226-phpapp01
Mbas6fundraising 110803161226-phpapp01
Manuel Fernandes
 

Semelhante a Fontes de Financimento 3 - Minom Pinho (18)

Como Obter Financiamento para sua Startup
Como Obter Financiamento para sua StartupComo Obter Financiamento para sua Startup
Como Obter Financiamento para sua Startup
 
Planejamento de negocios 2013 apostila.3
Planejamento de negocios 2013   apostila.3Planejamento de negocios 2013   apostila.3
Planejamento de negocios 2013 apostila.3
 
GuiaCriatec3_Empreendedores
GuiaCriatec3_EmpreendedoresGuiaCriatec3_Empreendedores
GuiaCriatec3_Empreendedores
 
Desenvolvimento de projeto i
Desenvolvimento de projeto iDesenvolvimento de projeto i
Desenvolvimento de projeto i
 
Empr2 120111085855-phpapp01
Empr2 120111085855-phpapp01Empr2 120111085855-phpapp01
Empr2 120111085855-phpapp01
 
Investidor anjo - Startups
Investidor anjo - StartupsInvestidor anjo - Startups
Investidor anjo - Startups
 
BIZCOOL - CICLO DE FUNDING: ONDE CONSEGUIR DINHEIRO
BIZCOOL - CICLO DE FUNDING: ONDE CONSEGUIR DINHEIROBIZCOOL - CICLO DE FUNDING: ONDE CONSEGUIR DINHEIRO
BIZCOOL - CICLO DE FUNDING: ONDE CONSEGUIR DINHEIRO
 
Apresentação empreedrinks 20jan2012
Apresentação empreedrinks 20jan2012Apresentação empreedrinks 20jan2012
Apresentação empreedrinks 20jan2012
 
Compreendendo O Capital Empreendedor
Compreendendo O Capital EmpreendedorCompreendendo O Capital Empreendedor
Compreendendo O Capital Empreendedor
 
Evento Anjos do Brasil Fortaleza ago 2014
Evento Anjos do Brasil   Fortaleza ago 2014Evento Anjos do Brasil   Fortaleza ago 2014
Evento Anjos do Brasil Fortaleza ago 2014
 
Lean startup
Lean startupLean startup
Lean startup
 
STARTUP 3º PRAT EMP emcomercio emoprendendo
STARTUP 3º PRAT EMP emcomercio  emoprendendoSTARTUP 3º PRAT EMP emcomercio  emoprendendo
STARTUP 3º PRAT EMP emcomercio emoprendendo
 
Investimentos para iniciantes
Investimentos para iniciantesInvestimentos para iniciantes
Investimentos para iniciantes
 
Como conseguir investidores para o seu negócio
Como conseguir investidores para o seu negócioComo conseguir investidores para o seu negócio
Como conseguir investidores para o seu negócio
 
Palestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario junior
Palestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario juniorPalestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario junior
Palestra como montar e gerir uma empresa na visao de um empresario junior
 
Iae aula 09 plano de negócio 2012-1
Iae aula 09 plano de negócio 2012-1Iae aula 09 plano de negócio 2012-1
Iae aula 09 plano de negócio 2012-1
 
Slides módulo5.2
Slides módulo5.2Slides módulo5.2
Slides módulo5.2
 
Mbas6fundraising 110803161226-phpapp01
Mbas6fundraising 110803161226-phpapp01Mbas6fundraising 110803161226-phpapp01
Mbas6fundraising 110803161226-phpapp01
 

Mais de Cultura e Mercado

Captação de Recursos com Daniele Torres
Captação de Recursos com Daniele TorresCaptação de Recursos com Daniele Torres
Captação de Recursos com Daniele Torres
Cultura e Mercado
 
Mesa: Show business e os novos modelos de negócio com Tahiana D'Egmont (Kicka...
Mesa: Show business e os novos modelos de negócio com Tahiana D'Egmont (Kicka...Mesa: Show business e os novos modelos de negócio com Tahiana D'Egmont (Kicka...
Mesa: Show business e os novos modelos de negócio com Tahiana D'Egmont (Kicka...
Cultura e Mercado
 
Palestra: Gestão Coletiva com Rachel de Souza
Palestra: Gestão Coletiva com Rachel de SouzaPalestra: Gestão Coletiva com Rachel de Souza
Palestra: Gestão Coletiva com Rachel de Souza
Cultura e Mercado
 
Mesa 3: Distribuição digital - Música por Demanda com Renata Loyola
Mesa 3: Distribuição digital - Música por Demanda com Renata LoyolaMesa 3: Distribuição digital - Música por Demanda com Renata Loyola
Mesa 3: Distribuição digital - Música por Demanda com Renata Loyola
Cultura e Mercado
 
Mesa: A era digital nas artes com Marcelo Salomão
Mesa: A era digital nas artes com Marcelo SalomãoMesa: A era digital nas artes com Marcelo Salomão
Mesa: A era digital nas artes com Marcelo Salomão
Cultura e Mercado
 
Mesa: A era digital nas artes com Eliane Costa
Mesa: A era digital nas artes com Eliane CostaMesa: A era digital nas artes com Eliane Costa
Mesa: A era digital nas artes com Eliane Costa
Cultura e Mercado
 
Mesa: Três desafios digitais da indústria do livro com Carlo Carrenho
Mesa: Três desafios digitais da indústria do livro com Carlo CarrenhoMesa: Três desafios digitais da indústria do livro com Carlo Carrenho
Mesa: Três desafios digitais da indústria do livro com Carlo Carrenho
Cultura e Mercado
 
Mesa: Os desafios do mercado editorial na era digital com Cristiane Gomes
Mesa: Os desafios do mercado editorial na era digital com Cristiane GomesMesa: Os desafios do mercado editorial na era digital com Cristiane Gomes
Mesa: Os desafios do mercado editorial na era digital com Cristiane Gomes
Cultura e Mercado
 
Palestra Internacional: Estudo da remuneração do Streaming com Dra. Susan Abr...
Palestra Internacional: Estudo da remuneração do Streaming com Dra. Susan Abr...Palestra Internacional: Estudo da remuneração do Streaming com Dra. Susan Abr...
Palestra Internacional: Estudo da remuneração do Streaming com Dra. Susan Abr...
Cultura e Mercado
 
Mesa: Cadeia produtiva do audiovisual na nova era com Rosana Alcântara (Ancine)
Mesa: Cadeia produtiva do audiovisual na nova era com Rosana Alcântara (Ancine)Mesa: Cadeia produtiva do audiovisual na nova era com Rosana Alcântara (Ancine)
Mesa: Cadeia produtiva do audiovisual na nova era com Rosana Alcântara (Ancine)
Cultura e Mercado
 
Mesa: Audiovisual- Animação: Publicidade infantil com Isabella Henriques
Mesa: Audiovisual- Animação: Publicidade infantil com Isabella HenriquesMesa: Audiovisual- Animação: Publicidade infantil com Isabella Henriques
Mesa: Audiovisual- Animação: Publicidade infantil com Isabella Henriques
Cultura e Mercado
 
Mesa: Audiovisual - Animação: Publicidade infantil com Mara Lobão (Panorâmica)
Mesa: Audiovisual - Animação: Publicidade infantil com Mara Lobão (Panorâmica)Mesa: Audiovisual - Animação: Publicidade infantil com Mara Lobão (Panorâmica)
Mesa: Audiovisual - Animação: Publicidade infantil com Mara Lobão (Panorâmica)
Cultura e Mercado
 
Mesa: Games Físicos e on line com Tania Lima (UBV&G)
Mesa: Games Físicos e on line com Tania Lima (UBV&G)Mesa: Games Físicos e on line com Tania Lima (UBV&G)
Mesa: Games Físicos e on line com Tania Lima (UBV&G)
Cultura e Mercado
 
Mesa: Games Físicos e on line com Carlos Estigarrabia
Mesa: Games Físicos e on line com Carlos EstigarrabiaMesa: Games Físicos e on line com Carlos Estigarrabia
Mesa: Games Físicos e on line com Carlos Estigarrabia
Cultura e Mercado
 
Palestra: Games Físicos e on line: os desafios do mercado com Arthur Protasio...
Palestra: Games Físicos e on line: os desafios do mercado com Arthur Protasio...Palestra: Games Físicos e on line: os desafios do mercado com Arthur Protasio...
Palestra: Games Físicos e on line: os desafios do mercado com Arthur Protasio...
Cultura e Mercado
 
Palestra: A decisão do STF sobre biografias: aspectos de direito autoral e da...
Palestra: A decisão do STF sobre biografias: aspectos de direito autoral e da...Palestra: A decisão do STF sobre biografias: aspectos de direito autoral e da...
Palestra: A decisão do STF sobre biografias: aspectos de direito autoral e da...
Cultura e Mercado
 
Palestra: Biografia x Intimidade com Ricardo Brajterman
Palestra: Biografia x Intimidade com Ricardo BrajtermanPalestra: Biografia x Intimidade com Ricardo Brajterman
Palestra: Biografia x Intimidade com Ricardo Brajterman
Cultura e Mercado
 
Palestra: Conceitos de tecnologia digital com Fábio Lima (Sofá digital)
Palestra: Conceitos de tecnologia digital com Fábio Lima (Sofá digital)Palestra: Conceitos de tecnologia digital com Fábio Lima (Sofá digital)
Palestra: Conceitos de tecnologia digital com Fábio Lima (Sofá digital)
Cultura e Mercado
 
Palestra: Panorama econômico do entretenimento. Perspectiva do mercado 2015-2...
Palestra: Panorama econômico do entretenimento. Perspectiva do mercado 2015-2...Palestra: Panorama econômico do entretenimento. Perspectiva do mercado 2015-2...
Palestra: Panorama econômico do entretenimento. Perspectiva do mercado 2015-2...
Cultura e Mercado
 
PROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 final
PROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 finalPROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 final
PROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 final
Cultura e Mercado
 

Mais de Cultura e Mercado (20)

Captação de Recursos com Daniele Torres
Captação de Recursos com Daniele TorresCaptação de Recursos com Daniele Torres
Captação de Recursos com Daniele Torres
 
Mesa: Show business e os novos modelos de negócio com Tahiana D'Egmont (Kicka...
Mesa: Show business e os novos modelos de negócio com Tahiana D'Egmont (Kicka...Mesa: Show business e os novos modelos de negócio com Tahiana D'Egmont (Kicka...
Mesa: Show business e os novos modelos de negócio com Tahiana D'Egmont (Kicka...
 
Palestra: Gestão Coletiva com Rachel de Souza
Palestra: Gestão Coletiva com Rachel de SouzaPalestra: Gestão Coletiva com Rachel de Souza
Palestra: Gestão Coletiva com Rachel de Souza
 
Mesa 3: Distribuição digital - Música por Demanda com Renata Loyola
Mesa 3: Distribuição digital - Música por Demanda com Renata LoyolaMesa 3: Distribuição digital - Música por Demanda com Renata Loyola
Mesa 3: Distribuição digital - Música por Demanda com Renata Loyola
 
Mesa: A era digital nas artes com Marcelo Salomão
Mesa: A era digital nas artes com Marcelo SalomãoMesa: A era digital nas artes com Marcelo Salomão
Mesa: A era digital nas artes com Marcelo Salomão
 
Mesa: A era digital nas artes com Eliane Costa
Mesa: A era digital nas artes com Eliane CostaMesa: A era digital nas artes com Eliane Costa
Mesa: A era digital nas artes com Eliane Costa
 
Mesa: Três desafios digitais da indústria do livro com Carlo Carrenho
Mesa: Três desafios digitais da indústria do livro com Carlo CarrenhoMesa: Três desafios digitais da indústria do livro com Carlo Carrenho
Mesa: Três desafios digitais da indústria do livro com Carlo Carrenho
 
Mesa: Os desafios do mercado editorial na era digital com Cristiane Gomes
Mesa: Os desafios do mercado editorial na era digital com Cristiane GomesMesa: Os desafios do mercado editorial na era digital com Cristiane Gomes
Mesa: Os desafios do mercado editorial na era digital com Cristiane Gomes
 
Palestra Internacional: Estudo da remuneração do Streaming com Dra. Susan Abr...
Palestra Internacional: Estudo da remuneração do Streaming com Dra. Susan Abr...Palestra Internacional: Estudo da remuneração do Streaming com Dra. Susan Abr...
Palestra Internacional: Estudo da remuneração do Streaming com Dra. Susan Abr...
 
Mesa: Cadeia produtiva do audiovisual na nova era com Rosana Alcântara (Ancine)
Mesa: Cadeia produtiva do audiovisual na nova era com Rosana Alcântara (Ancine)Mesa: Cadeia produtiva do audiovisual na nova era com Rosana Alcântara (Ancine)
Mesa: Cadeia produtiva do audiovisual na nova era com Rosana Alcântara (Ancine)
 
Mesa: Audiovisual- Animação: Publicidade infantil com Isabella Henriques
Mesa: Audiovisual- Animação: Publicidade infantil com Isabella HenriquesMesa: Audiovisual- Animação: Publicidade infantil com Isabella Henriques
Mesa: Audiovisual- Animação: Publicidade infantil com Isabella Henriques
 
Mesa: Audiovisual - Animação: Publicidade infantil com Mara Lobão (Panorâmica)
Mesa: Audiovisual - Animação: Publicidade infantil com Mara Lobão (Panorâmica)Mesa: Audiovisual - Animação: Publicidade infantil com Mara Lobão (Panorâmica)
Mesa: Audiovisual - Animação: Publicidade infantil com Mara Lobão (Panorâmica)
 
Mesa: Games Físicos e on line com Tania Lima (UBV&G)
Mesa: Games Físicos e on line com Tania Lima (UBV&G)Mesa: Games Físicos e on line com Tania Lima (UBV&G)
Mesa: Games Físicos e on line com Tania Lima (UBV&G)
 
Mesa: Games Físicos e on line com Carlos Estigarrabia
Mesa: Games Físicos e on line com Carlos EstigarrabiaMesa: Games Físicos e on line com Carlos Estigarrabia
Mesa: Games Físicos e on line com Carlos Estigarrabia
 
Palestra: Games Físicos e on line: os desafios do mercado com Arthur Protasio...
Palestra: Games Físicos e on line: os desafios do mercado com Arthur Protasio...Palestra: Games Físicos e on line: os desafios do mercado com Arthur Protasio...
Palestra: Games Físicos e on line: os desafios do mercado com Arthur Protasio...
 
Palestra: A decisão do STF sobre biografias: aspectos de direito autoral e da...
Palestra: A decisão do STF sobre biografias: aspectos de direito autoral e da...Palestra: A decisão do STF sobre biografias: aspectos de direito autoral e da...
Palestra: A decisão do STF sobre biografias: aspectos de direito autoral e da...
 
Palestra: Biografia x Intimidade com Ricardo Brajterman
Palestra: Biografia x Intimidade com Ricardo BrajtermanPalestra: Biografia x Intimidade com Ricardo Brajterman
Palestra: Biografia x Intimidade com Ricardo Brajterman
 
Palestra: Conceitos de tecnologia digital com Fábio Lima (Sofá digital)
Palestra: Conceitos de tecnologia digital com Fábio Lima (Sofá digital)Palestra: Conceitos de tecnologia digital com Fábio Lima (Sofá digital)
Palestra: Conceitos de tecnologia digital com Fábio Lima (Sofá digital)
 
Palestra: Panorama econômico do entretenimento. Perspectiva do mercado 2015-2...
Palestra: Panorama econômico do entretenimento. Perspectiva do mercado 2015-2...Palestra: Panorama econômico do entretenimento. Perspectiva do mercado 2015-2...
Palestra: Panorama econômico do entretenimento. Perspectiva do mercado 2015-2...
 
PROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 final
PROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 finalPROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 final
PROAC_Inti Queiroz cemec proac junho 2015 final
 

Fontes de Financimento 3 - Minom Pinho

  • 1. Curso: Fontes de Financiamento - Empreendimentos Culturais e Criativos Aula 3 Investimento-Anjo e Private equity Minom Pinho Noções gerais para encontrar investidores para o seu negócio: requisitos, riscos e vantagens.
  • 2. O que é um Investidor-Anjo. O Investimento-Anjo é originário dos EUA, aonde é conhecido como Angel Investor  ou Business Angel, apresentando as seguintes características: 1. É efetivado por pessoa física (que pode investir através de uma PJ, mas com recursos e trabalho próprios; não de terceiros*). 2. Investe em empresas nascentes(startups), próximas aonde reside, para poder apoiá- las. 3. Tem normalmente uma participação minoritária no negócio. 4. Não tem posição executiva na empresa, mas apóia o empreendedor com seu conhecimento, experiência e relacionamento, além dos recursos financeiros. O que é conhecido como smart-money. *O Investimento com recursos de terceiros é chamado de "gestão de recursos". É efetivado por fundos de investimento e similares, sendo uma modalidade importante e complementar a de Investimento-Anjo, é normalmente aplicado em aportes subsequentes. Fonte:  h)p://www.anjosdobrasil.net
  • 3. O Investidor-Anjo. O Investidor-Anjo é normalmente um (ex-)empresário/empreendedor ou executivo que já trilhou uma carreira de sucesso. Acumulou recursos suficientes e alocar uma parte deles(normalmente entre 5% a 10% do seu patrimônio) para investir em novas empresas. Aplica sua experiência apoiando as empresas em que investe. Diferentemente que muitos imaginam, o Investidor-Anjo normalmente não é detentor de grandes fortunas, pois o investimento-anjo para estes seria muito pequeno para ser administrado. Fonte:  www.anjosdobrasil.net  
  • 4. Parâmetros do investimento-anjo: - O investimento-anjo não é uma atividade filantrópica e/ou com fins sociais. - O Investidor-Anjo tem como objetivo aplicar em negócios com alto potencial de retorno, que consequentemente terão um grande impacto positivo para a sociedade através da geração de oportunidades de trabalho e de renda. - O termo "anjo" é utilizado pelo fato de não ser um investidor puramente financeiro que fornece apenas o capital necessário para o negócio, mas por apoiar o empreendedor, aplicando seus conhecimentos, experiência e rede de relacionamento para orientá-lo e aumentar suas chances de sucesso. O investimento-anjo em uma empresa é normalmente feito por um grupo de 2 a 5 investidores, tanto para diluição de riscos como para o compartilhamento da dedicação, sendo definido para cada negócio 1 ou 2 como investidores-líderes, para agilizar o processo de investimento. Fonte:  www.anjosdobrasil.net
  • 5. Características do Investidor Anjo: O Investimento Anjo é a primeira etapa de investimento em um projeto ou uma empresa start-up. O investimento individual vai de R$ 25.000 A R$100.000, dependendo do negócio, região e quantidade de Investidores-Anjo presentes no investimento. O valor de investimento pretendido deve ser preferencialmente inferior a 1 milhão de reais. Geralmente não adquire mais do que 30 ou 40% de uma empresa. Ele não está interessado em sentar na poltrona do presidente e ditar ordens. Não está interessado em empresas que apresentam poucas barreiras de entrada, mesmo que o negócio possa ser extremamente lucrativo. A empresa deve ser inovadora ou de base tecnológica. Entende-se por inovadora uma empresa que preste uma solução ou serviço pioneiro em sua região. Não deseja ficar na empresa investida por muito tempo, pelo contrário. O processo de Investimento-Anjo pode durar em torno de dois a seis anos. Após esse período o investidor espera vender a empresa para um “player” maior (ou outra condição de saída). Fonte:  www.INVESTIMENTOanjo.COM
  • 6. Investidor-Anjo Guia Prático para Empreendedores e Investidores 1a. edição, 2011 Cassio A. Spina nVersos
  • 7. STARTUPS Uma companhia start-up ou startup é uma empresa com um histórico operacional limitado. Essas empresas, geralmente recém-criadas, estão em fase de desenvolvimento e pesquisa de mercados. O termo se tornou popular internacionalmente durante a bolha da internet, quando um grande número de empresa “ponto com” foram fundadas. Uma startup é uma empresa nova, até mesmo embrionária ou ainda em fase de constituição, que conta com projetos promissores, ligados à pesquisa, investigação e desenvolvimento de ideias inovadoras.
  • 8. STARTUPS Por ser jovem e estar implantando uma ideia no mercado, outra característica das startups é possuir risco envolvido no negócio. Mas, apesar disso, são empreendimentos com baixos custos iniciais e são altamente escaláveis, ou seja, possuem uma expectativa de crescimento muito grande quando dão certo. Algumas empresas já solidificadas no mercado e líderes em seus segmentos, como o Google, a Yahoo e o Ebay, também são consideradas startups. Essas empresas, normalmente de base tecnológica, possuem espírito empreendedor e uma constante busca por modelo de negócios inovador. Este modelo de negócios é a maneira como a startup gera valor – ou seja, como transforma seu trabalho em dinheiro.
  • 9. STARTUPS Um exemplo de startup é o modelo de negócios do Google que se baseia em cobrar por cada click nos anúncios mostrados nos resultados de busca. Outro exemplo seria o modelo de negócio de franquias: o franqueado paga royalties por uma marca, mas tem acesso a uma receita de sucesso com suporte do franquiador – e por isso aumenta suas chances de gerar lucro. Empresas que criam modelos de negócio altamente escaláveis, a baixos custos e a partir de ideias inovadoras são empresas startups. Startups não são somente empresas de internet. Elas só são mais frequentes na internet porque é bem mais barato criar uma empresa de software do que uma indústria.
  • 10. PRIVATE  EQUITY Private equity é um tipo de atividade financeira realizada por instituições que investem essencialmente em empresas que ainda não são listadas em bolsa de valores, com o objetivo de alavancar seu desenvolvimento. Esses investimentos são realizados via FUNDOS DE PRIVATE EQUITY. Private Equity geralmente são realizados em empresas emergentes de maior porte com grande potencial. Em sua maioria são constituídos em acordos contratuais privados entre investidores e gestores, não sendo oferecidos abertamente ao mercado e sim através de colocação privada.
  • 11. PRIVATE  EQUITY Principais formas de atuação • Venture capital: investimento na fundação de uma empresa nova ou expansão de uma empresa pequena; • Buy-out: aquisição de parte significativa ou até mesmo o controle de uma empresa mais madura em seu estágio de desenvolvimento; • Situações extraordinárias: investimento em empresas que passam por dificuldades financeiras ou sofrem mudanças impactantes, tais como mudanças regulatórias e de tendências do mercado.
  • 12. RODADAS DE NEGÓCIOS E PITCHINGS A apresentação para os investidores devem ter no máximo 20 slides. 1) APRESENTAÇÃO No primeiro slide coloque o nome e logotipo da empresa. Inclua também o nome do empreendedor(es) e uma breve descrição sobre suas respectivas experiências profissionais. Sintetize em poucas linhas a atividade da sua empresa. 2) VISÃO GERAL DO NEGÓCIO Diga o que você vende e que serviço ou solução sua empresa está prestando. Utilize uma linguagem de fácil entendimento e bem sintetizada, pois isso define o contexto para o resto de sua apresentação. 3) EQUIPE EXECUTIVA Em uma linha descreva cada integrante de sua equipe executiva.
  • 13. 4) MERCADO Defina qual o seu nicho de mercado, tamanho, possibilidade de crescimento e fraquezas. Qual o seu diferencial e o que exatamente faz. Utilize um protótipo, uma imagem ou um simples diagrama. Se o investidor não sabe exatamente o que você vai fazer, provavelmente ele não terá motivos suficientes para investir tempo e capital em sua empresa. 5) MODELO DE NEGÓCIOS Quem paga, quanto e de onde. Fluxos de receitas anuais. 6) CONSUMIDORES Quantos, quem são eles, processo de distribuição. 7) PARCERIAS Caso tenha qualquer parceria estratégica informe ao investidor.
  • 14. 8) CONCORRENCIA Quem são seus concorrentes? Qual o grau de ameaça? Quais são os diferenciais? Lembre-se que para tudo existe concorrência e se você disser que não existe nenhuma será improvável de obter financiamento. Inclua concorrentes diretos e indiretos. 9) BARREIRAS DE ENTRADA Como os concorrentes serão evitados? 10) PLANO FINANCEIRO Receitas e despesas. Dois anos atrás e quatro anos afrente. 11) POTENCIAL DO NEGÓCIO E USO DOS RECURSOS Para que você precisa do investimento e onde pretende chegar. 12) ESTRUTURA DE CAPITAL E VALUATION Quanto você já faturou anteriormente, quem são seus investidores atuais, o que você está procurando nesta rodada e como você chegou ao valuation sugerido.
  • 15. 13) RESUMO Um resumo das características mais fortes do seu empreendimento. Atenha-se aos cinco ou seis pontos mais importantes. Certifique-se que o último ponto citado seja o mais forte.
  • 16. BUSINESS MODEL GENERATION Alexander Osterwalder e Yves Pigneur Um manual para visionários, empreendedores e inovadores. Um best-seller que virou fenômeno global - aplicado por pessoas de inúmeros países. Ensina como compreender, criar e diferenciar o seu modelo de negócio e forma simples e sistematizada. O BMG foi testado e aplicado em diversos países do mundo e em empresas como IBM, Deloitte, Ericsson, dentre outras.
  • 17. BUSINESS MODEL GENERATION Alexander Osterwalder e Yves Pigneur O best-seller no brasil:
  • 18. BUSINESS MODEL GENERATION Alexander Osterwalder e Yves Pigneur http://www.businessmodelgeneration.com/
  • 19. - Você possui espírito empreendedor? - Você sempre pensa sobre como criar valor e construir novos negócios? - Pensa continuamente em como melhorar ou transformar seu negócio ou sua empresa? - Quer encontrar maneiras inovadoras de fazer negócios, gerar movimentos, promover mudanças?
  • 20. BUSINESS MODEL GENERATION Um modelo de negócios que descreve como uma organização cria, entrega e promove/gera valor (capture value) para o mercado. Os conceitos aplicados ao desenho do modelo e às descrições do negócio devem ser simples, relevantes, intuitivamente compreensíveis. Servem para descrever o modelo de negócio e trabalhar com ele criando novas estratégias e soluções.
  • 23. CANVAS 9 BLOCOS DE CONSTRUÇÃO DO MODELO Os nove blocos trabalham de forma diferenciada com os 4 elementos de um negócio: clientes, oferta, infraestrutura e viabilidade financeira.
  • 24. 1 Segmento de Mercado/Clientes
  • 25. 1 Segmento de Mercado/Clientes Para quem estamos criando valor? Quem são nossos clientes mais importantes? Descreve os diferentes grupos de pessoas ou organizações com os quais uma empresa deseja ou pretende relacionar-se com ou servir.
  • 26. 2 Proposição de Valor / Valor agregado
  • 27. 2 Proposição de Valor / Valor agregado Que valores entregamos aos nossos clientes? Que problemas dos nossos clientes estamos resolvendo? Descreve o conjunto de produtos e serviços que cria valor para um segmento de mercado(clientes). É a razão pela qual os clientes escolhem a sua empresa e não outra.
  • 28. 3 Canais
  • 29. 3 Canais Que canais de distribuição/comunicação devemos utilizar para chegar aos nossos clientes/públicos? Que canais estamos utilizando hoje? Que outros canais podemos utilizar? Há integração entre os canais de comunicação, distribuição e vendas? Quais funcionam melhor? Quais são os mais eficientes? Eles dialogam e se adequam às rotinas/hábitos dos clientes? -Descreve como uma empresa se comunica e alcança seus clientes para entregar os valores propostos pelo negócio, Canais de comunicação, distribuição e vendas compõem as interfaces da empresa/organização com os clientes/públicos. Canais são pontos de contato com o cliente/públicos e desempenham um papel importante na experiência oferecida pela organização/empresa.
  • 30. 4 Relacionamento com os Clientes
  • 31. 4 Relacionamento com os Clientes Que tipo de relação cada segmentos de clientes espera estabelecer/manter com a nossa empresa/organização? Quais os tipos de relacionamento que temos estabelecido com os clientes? Os relacionamentos envolvem altos custos? Como estes relacionamentos interagem com o resto do nosso modelo de negócio? -Descreve os tipos de relacionamentos que uma empresa estabelece com segmentos específicos de clientes A empresa deve ter clareza sobre o tipo de relação que deseja estabelecer com cada segmento. Relacionamentos podem variar de pessoal para automatizados. As políticas de relacionamento com o cliente influenciam profundamente a experiência geral do cliente. Podem ser orientados pelas motivações abaixo: a) Aquisição de novos clientes; b) Retenção/fidelização de clientes; c) Impulsionar as vendas (upselling).
  • 32. 5 Fluxos de Receitas
  • 33. 5 Fluxos de Receitas Que valor os nossos clientes estão realmente dispostos a pagar pelos produtos e serviços oferecidos? Quanto e como eles pagam por estes produtos/seviços atualmente? Qual a receita gerada por cada segmento de mercado atendido e quanto ela contribui para as receitas globais da empresa/organização? A empresa deve se perguntar: Qual o preço que cada segmento está realmente disposto a pagar pelos produtos/serviços oferecidos? Responder a esta questão permite à empresa/organização gerar um ou mais fluxos de receitas provenientes dos múltiplos segmentos de mercado/ clientes atendidos.
  • 34. 6 Recursos-Chave
  • 35. 6 Recursos-Chave Quais os recursos envolvidos para gerar valor aos produtos/serviços da minha empresa? E para construir/ ativar canais de comunicação/distribuição e venda? O que é necessário para garantir estratégias de relacionamento com segmentos específicos de mercado? Quais os recursos envolvidos na geração de receitas do meu negócio? Descreve os ativos mais importantes necessários à implementação e funcionamento do modelo de negócios. Estes recursos permitem que uma empresa crie valor agregado, atingindo mercados, mantendo relações com segmentos de clientes e gerando fluxos de receitas contínuos. Diferentes recursos são necessários a partir do tipo de modelo de negócio. A fabricante de microchips requer instalações de capital intensivo de produção, enquanto que um designer de microchips se concentra mais em recursos humanos. Os recursos podem ser físicos, financeiros, intelectuais ou humanos. Podem ser próprios, arrendados ou adquiridos de parceiros-chave.
  • 36. 7 Atividades-Chave
  • 37. 7 Atividades-Chave Descreve as coisas mais importantes que uma empresa deve fazer para fazer com que o modelo de negócio funcione. Cada modelo de negócio exige uma série de atividades-chave. São as ações mais importantes que uma empresa deve observar para operar com êxito. São as atividades fundamentais que garantem a criação e a oferta de valor agregado aos produtos/serviços da empresa, o alcance dos segmentos de mercados, a manutenção dos relacionamentos com clientes e a geração de receitas.
  • 38. 8 Parcerias-Chave
  • 39. 8 Parcerias-Chave Quem são os nossos principais parceiros? Quem são os nossos principais fornecedores? Que recursos-chave estão envolvidos na adquisição de parceiros? Quais as atividades-chave dos nossos parceiros e como elas dialogam com/ facilitam/dinamizam o nosso negócio? Descreve a rede de fornecedores e parceiros que fazem o modelo de negócio funcionar. Empresas firmam parcerias por muitas razões, mas recentemente as parcerias estão se tornando a verdadeira sustentação de muitos modelos de negócios. As empresas criam alianças para otimizar seus modelos de negócios, reduzir o risco ou adquirir recursos.
  • 40. 9 Estrutura de Custos
  • 41. 9 Estrutura de Custos Quais são os custos mais importantes inerentes ao nosso modelo de negócio? Quais recursos-chave são mais caros? Quais atividades-chave que são mais caros? Descreve todos os custos incorridos para operar um modelo de negócio e os custos mais importantes envolvidos. Criação e entrega de valor, manutenção dos relacionamentos com clientes e geração de receitas envolvem inúmeros custos. Tais custos podem ser calculados de forma relativamente fácil depois de definir recursos-chave, atividades-chave e parcerias importantes. Alguns modelos de negócios, porém, são mais dirigidos a custos do que outros.
  • 45. Riscos “O investidor vai se tornar um sócio e não vai ser passivo, vai ter uma frequência de comunicação semanal muitas vezes. Geralmente, a ansiedade do empreendedor pelo recurso financeiro é grande e ele deixa de controlar esse ponto”. Fernando Campos, investidoro-anjo e gestor da Devise. “É importante ter discussões de ideias, mas não dá para pensar de forma totalmente oposta. Precisa ter ideias complementares e se sentir confortável durante a conversa”. Cassio Spina, autor do livro indicado. “Não é tão popular ou comum eles divulgarem os investimentos que fazem, mas é bom fazer uma pesquisa na internet ou perguntar diretamente ao investidor. É bom saber em que segmento ele atuou e como é a relação com as outras empresas”. Cassio Spina. “O empreendedor tem que estar preparado para puxar uma ficha do investidor, saber se ele tem processos ou o nome limpo. É bom também avaliar a reputação: saber de onde vem e se já teve startups, por exemplo”. Cassio Spina