SlideShare uma empresa Scribd logo
Qual é o Perfil do Empreendedor?
Como e Onde Surgiu o Espírito
Para Empreender?
Quais as Principais
Características dos
Empreendedores de Sucesso?
Como Identificar
Oportunidades de
Negócios
Lucrativos?
Como Planejar a Produção,
Controlar Estoques e Finanças?
Como Fazer Previsões de Vendas de Um
Empreendimento?
ORIGEM E CONCEITO DE
EMPREENDEDORISMO
Empreendedorismo significa “a disposição ou a capacidade de
idealizar, coordenar e realizar projetos, serviços, negócios”. Seria
uma inciativa de implementar novos negócios ou mudanças em
empresas já existentes, conferindo alterações que envolvam
inovação e riscos
O Empreendedorismo tem
sua origem na reflexão do
famoso pensador
econômicos do século XVIII
e XIX Adam Smith,
conhecido defensor do
laissez-faire (liberalismo
econômico)
Como um processo de descoberta, a
competição faz com que as empresas aprendam
aos poucos o que agrada e o que não agrada a
elas e aos consumidores
O empreendedor imagina as oportunidades e,
dependendo do seu julgamento e do cálculo
econômico de preços futuros antecipados, escolhe
agir para transformar em realidade o lucro
imaginado
Então, o empreendedorismo seria o processo
de iniciativa em implementar novos negócios,
ou mudanças em empresas já existentes
O ESPÍRITO
EMPREENDEDOR
O empreendedor brasileiro está no
epicentro deste curso, pois ele não é
apenas um fundador de novos
negócios, ele é a energia da
economia, a alavanca de recursos, o
impulso de talentos, a dinâmica de
novas ideias
O empreendedor é a
pessoa que inicia e/ou
opera um negócio para
realizar uma ideia – ou
um projeto pessoal –
assumindo riscos,
responsabilidades e
inovando
continuamente
Para ter sucesso, ele deve saber
gerir seu próprio negócio para
mantê-lo e sustentá-lo em um ciclo
de vida prolongado e obter retornos
significativos de seus
investimentos. Isso significa
administrar, planejar, organizar,
dirigir e controlar todas as
atividades relacionadas direta ou
indiretamente com o negócio
O espírito empreendedor envolve
emoção, paixão, impulso, inovação,
risco e intuição. Mas deve também
reservar um bom espaço para a
racionalidade, pois o balanceamento
entre os aspectos racionais e
emocionais do negócio é
indispensável
Caraterísticas do Espírito
Empreendedor
Necessidade de Realização: as pessoas são diferentes quanto à
necessidade de realização. Existem aquelas com pouca necessidades
e que se contentam com o status que alcançaram. Contudo, as
pessoas com alta necessidade de realização gostam de competir com
padrões de excelência e preferem ser pessoalmente responsáveis por
tarefas e objetivos
Disposição Para Assumir Riscos: o empreendedor assume vários
riscos ao iniciar seu próprio negócio. Os riscos financeiros são
decorrentes do seu próprio investimento e do abandono de empregos
seguros e de carreiras definidas
Autoconfiança: quem possui autoconfiança sente que pode
enfrentar os desafios que existem ao seu redor e tem
domínio sobre os problemas que enfrenta
À despeito das três (3) características apresentadas acima, veremos a
seguir que o SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas
Empresas) selecionou outras cinco (5) importantes características
O PERFIL DO EMPREENDEDOR:
Alto Grau de Energia.
Capacidade de Pensar Como
Empreendedor
Talento nos Relacionamentos Pessoais
Hábil Comunicador
Conhecimentos Técnicos no Ramo.
Alto Grau de Energia: Para descrever esta
característica, o SEBRAE utiliza a palavra “drive”
– uma combinação de energia, impulso e avanço
Capacidade de pensar como empreendedor:
O Empreendedor precisa possuir
originalidade, criatividade, sentido crítico e
sentido analítico (habilidade de usar a razão
em termos práticos, teóricos e abstratos)
Talento nos relacionamentos
com pessoas:
Envolve sociabilidade,
cooperação, tato, alegria,
consideração, ascendência e
cuidado (habilidade de
avaliar situações com
seriedade, antes de assumir
um risco)
Habilidade com as
comunicações:
Envolve comunicação
oral, compreensão
verbal, comunicação
escrita e
confiabilidade
Conhecimentos
técnicos do ramo:
Envolve a informação
sobre o processo em si
(como produzir os bens
ou serviços no ramo em
que deseja atuar) e a
habilidade de utilizar
estas informações de
maneira prática e útil
CONFORME TOM PETERS:
O Empreendedor Ideal é Aquele
Que Tem Prazer em Novos
Desafios, em Lidar Com Mudanças
Rápidas
Tem Que Ser Imaginativo o
Suficiente Para Sobreviver no
Mercado Escolhido
INOVAÇÃO E ESPÍRITO EMPREENDEDOR
É a capacidade do ser humano em identificar
as necessidades de outros e oferecer a elas
exatamente aquilo que precisam
Não é algo que nasce junto com a pessoa, pois
ele é uma capacidade que pode ser aprendida
Características do Espírito Empreendedor:
Sonho e Visão:
Esse tipo de pessoa
sempre tem um plano a
ser executado e ela está
sempre ciente do
assunto em questão,
porque tem um olhar
ampliado sobre isso
Decisão e Atitude:
Além do mais, está
sempre determinado e
não permite por perto,
pessoas negativas que
possam desanimar e
prejudicar seu trabalho
Confiança e Coragem:
Ele afasta o medo; ou seja,
aquilo que possa vir
atrapalhar a conclusão do
seu projeto. Faz do seu
objetivo final, a motivação
para continuar sempre
buscando a realização
Definição de Empreendedor e Empreendedorismo
O Empreendedor costuma ser definido como alguém que
monta um negócio ou uma empresa, embora nem todas as
pequenas empresas tenham o espírito empreendedor ou o
representem
O Empreendedorismo é uma característica bem
definida de uma pessoa ou organização
INOVAÇÃO
É a tarefa de dotar recursos humanos e materiais com uma capacidade
de produção de riqueza nova e maior. Por isso, os gerentes precisam
transformar as necessidades da sociedade em oportunidades de negócios
lucrativos, pois isso também seria uma definição de inovação
Os Princípios da Inovação
Segundo Drucker
Analise as fontes de inovação em busca de oportunidades
Identifique as necessidades, os desejos e as
expectativas do cliente
A inovação deve
começar pequena A inovação deve almejar a liderança
EMPRESÁRIO OU EMPREENDEDOR?
Existe certa confusão entre o que é ser empreendedor e o
que é ser empresário – ou administrador – uma vez que o
empreendedorismo está diretamente ligado a uma
realização pessoal e profissional
O empreendedor não
precisa fundar a sua
própria empresa, pois ele
pode participar do
negócio de outras
pessoas de uma forma
proativa e, antes de tudo,
deve se sentir realizado
por proceder dessa
maneira
Para Drucker, as
características do e
mpreendedor bem-
sucedido são:
Comprometer-se /
Atuar com qualidade /
Procurar informações
Procurar
oportunidades / Correr
riscos calculados /
Estabelecer metas
objetivas
Persuadir e manter
contatos / Ter
confiança e
independência /
Planejar e treinar de
forma sistemática
É Possível Ensinar Alguém a Se Tornar Um Empreendedor?
O treinamento para a atividade empreendedora deve
capacitar o empreendedor para imaginar, identificar visões e
desenvolver habilidades para sonhos realistas. Já o
treinamento para gerentes de empresas, “enfatiza as
habilidades analíticas”
Atitudes Presentes no
Empreendedor
Assumir Riscos: Arriscar conscientemente é ter coragem
de enfrentar desafios, tentar um novo empreendimento
Identificar
Oportunidades:
Ficar atento e
perceber as
oportunidades que o
mercado oferece e
reunir as condições
para a realização de
um bom negócio
Conhecimento: Quanto mais o empresário domina um ramo
de negócios, mais aumentam suas chances de sucesso
Organização: É saber utilizar os recursos humanos e materiais
(financeiro e tecnológico) de forma racional
Tomar Decisões: O sucesso de um empreendimento está relacionado
com a capacidade de decidir corretamente
Tino Empresarial: O que muitos acreditam ser um “sexto sentido”,
intuição ou faro empresarial é a soma de todas essas qualidades
PREPARANDO-SE PARA SER UM
EMPREENDEDOR:
Analise Suas Economias
Dê o Passo do Tamanho da Sua
Perna
Terceirize o Que Valer a Pena
Prepare-se Para Alternativas em
Caso de Fracasso
QUER ABRIR UM
NEGÓCIO PRÓPRIO?
Então Conheça Bem:
Os Clientes
Potenciais
O Mercado Escolhido
Todos os Seus Concorrentes
Os Fornecedores
TIPOS DE EMPREENDEDORES
Os Empreendedores Podem Ser Muito Diferentes Uns Dos
Outros e Podemos Classificá-los em Diversos Tipos
Empreendedores Natos ou Mitológicos: São os mais
conhecidos e reverenciados. Normalmente são pessoas
que começaram a trabalhar desde muito cedo, com
poucas condições e acabaram criando grandes empresas
Empreendedor Que
Aprende: É aquele
que, ao se deparar
com uma
oportunidade de
negócio, decide
aprender a gerir seu
próprio
empreendimento
Empreendedor
Serial:
É aquele que
cria um
negócio para
vendê-lo, a fim
de comprar
outros e
vendê-los
Empreendedores Corporativos:
São executivos que se destacam e que
buscam crescer dentro da empresa, trazendo
bons frutos para a organização
Empreendedores Por Necessidade:
São aqueles que iniciaram um empreendimento
autônomo por não possuírem melhores opções para o
trabalho e precisam abrir um negócio, a fim de gerar
renda
CAMINHOS PARA COMEÇAR:
Use os Olhos de Um Consumidor
e Conheça o Mercado no Papel
de um Cliente
PESQUISE BASTANTE SOBRE O RAMO
Analise se Você tem o
Perfil do
Empreendedor
Utilize, se Possível, as
Incubadoras de Empresas
AS OPORTUNIDADES DE UM NEGÓCIOAs oportunidades para iniciar um negócio
poderão estar em alguma das seguintes áreas:
MANUFATURA ATACADO
VAREJO SERVIÇOS
A Manufatura (denominada de “indústria”) requer
pesado investimento em instalações para fábrica,
maquinaria, pessoal especializado e grandes volumes
de compras de materiais básicos ou semiprocessados
para possibilitar a produção
Atacadistas são
os
intermediários
entre os
produtores e os
varejistas
Varejistas também são intermediários que conduzem os produtos até
o consumidor final. Mas eles vendem ao consumidor e satisfazem suas
necessidades, vendendo-lhe mercadorias ou serviços
Serviços são atividades, benefícios ou satisfações que são
oferecidas para venda (ou em conexão com vendas) de
determinados bens. É a área de negócios com maior
crescimento no Brasil
Prepare-se Para Uma Rotina de Desafios
Escape dos 71% de Empresas Que
Fecham Antes do 5º Ano
Economize Com Encargos e Tributos
Cuidado Com as Taxas Bancárias
Avalie o Peso dos Juros Para Não
Calcular Mal Uma Operação
A QUEM EU VOU ME ALIAR? Existem várias alternativas jurídicas para abrir uma
sociedade com diferentes tipos de sócios dentro da
legislação sobre o assunto, agora modificada pelo
novo Código Civil
Constituição Jurídica da Empresa:
As empresas podem assumir várias formas e
tamanhos. Do ponto de vista jurídico, as
sociedades empresariais podem ser
classificadas em: o empresário e a sociedade
empresáriaEMPRESÁRIO: O conceito de
empresário reúne dois (2) elementos:
atividade econômica e um
estabelecimento. Assim, o empresário
exerce profissionalmente uma
atividade econômica organizada para
a produção, circulação de bens ou
serviços
O conceito de Empresário (de firmas individuais)
apresenta as seguintes vantagens:
a) O proprietário é o seu próprio patrão; ele toma
sozinho todas as decisões relacionadas com o negócio;
b) o proprietário assume todo o lucro e todo o risco do
negócio; c) os custos operacionais são baixos
Outros Tipos de Associações Franquias (Franchising):
Refere-se ao licenciamento do uso de marcas. Constitui a
transferência para um segundo empresário de toda a
história de sucesso de determinada marca, incluindo o
repasse de informações nos campos de tecnologia, gestão do
negócio, treinamento e merchandising
Cooperativa: É uma associação que supre as
necessidades (e interesses) dos associados. O objetivo é
amparar (por meio da cooperação) os negócios dos
associados. Exemplo: Cooperativas de agricultores,
Cooperativas de consumo etc.
Terceirização:
Ocorre quando uma empresa
transfere para outra a
produção de bens ou de
serviços que realizava com
seus próprios recursos. Assim,
em vez de produzir certos
serviços ou produtos, ela passa
a comprá-los de fornecedores
na medida de suas
necessidades
Parcerias: pode ser uma interessante opção para alguns
empreendedores, pois com ela é possível dividir tarefas sem que
exista concorrência entre as partes envolvidas, garantindo
independência para ambas
Associação: É uma entidade de direito privado com
personalidade jurídica, que se caracteriza pelo agrupamento de
pessoas para a realização e consecução de objetivos e ideais
comuns, sem finalidade lucrativa
MONTANDO EQUIPES
DE TRABALHO
Defina o Número de Empregados e
o Perfil Profissional de Cada Um
Mesmo Urgente, Escolha
com Paciência
Sempre
Verifique
as Referências
Anteriores
Funcionário p/ Cargo de
Confiança Deve Ter Boas
Indicações
Pesquise a Média da Remuneração Paga no Mercado.
CONFORME TOM PETERS:
Tenha na Sua Equipe Pessoas Criativas e Boas em Finanças
Invista em Um Negócio “Inovador no
Mercado” (Algo Que Nunca Foi Feito
Antes)
Tenha Dinheiro Suficiente Para o
Negócio Sobreviver aos Primeiros
Meses
GERENCIANDO A PRODUÇÃO O foco está na
transformação das
matérias-primas em
produtos acabados,
pois é através do
processo de produção
que as mercadorias
são fabricadas – e os
serviços prestados
Toda empresa utiliza alguma
tecnologia para suas operações, a
qual pode ser avançada
(computador, tecnologia da
informação, eletrônica etc.) ou
rudimentar (vassoura, esfregão
ou cremalheira) e, quando bem
escolhida, a tecnologia permite a
melhor utilização dos demais
recursos empresariaisProjetando a Localização e
a Área de Trabalho
A localização da empresa refere-se
ao local específico escolhido para
suas instalações (fábrica, oficina,
loja ou escritório de serviços). Essa
escolha depende de vários fatores
que variam se a empresa for
produtora de bens, prestadora de
serviços, industrial ou comercial,
etc.
Capacidade Instalada X Capacidade de Produção
Enquanto a capacidade instalada é definida pelo arsenal de
instalações e equipamentos, a capacidade de produção
representa a produção possível com a capacidade instalada,
mais os recursos materiais (matérias-primas), os recursos
humanos (pessoal e mão-de-obra) e os financeiros
(disponibilidade de capital para financiar as operações da
empresa)
Visão Geral Sobre Armazenamento e Rotação de Estoques
O almoxarifado é o setor que recebe, guarda, controla e distribui
mercadorias (matérias-primas, componentes, materiais, ferramentas,
equipamentos, materiais de escritório etc.) que a empresa comprou
no mercado e que serão consumidos internamente, nas áreas
produtivas (fábrica, oficinas, agências etc.), ou nas áreas
administrativas (escritórios)
Já o depósito é o
setor encarregado
de receber, guardar,
controlar e
distribuir os
produtos acabados
que a empresa
produziu e que
serão vendidos no
mercado,
aguardando sua
comercialização
A entrada é o ingresso de mercadoria no setor. O estoque é a
quantidade de mercadoria armazenada e, a saída, é a
mercadoria entregue ao usuário que deixa de ser estocada
Tanto o almoxarifado como o depósito representam
custos elevados de estocagem e, quando os fornecedores
trabalham com qualidade assegurada, o almoxarifado
pode ser dispensado. Isso traz uma enorme redução de
custos para a produção. Nesse caso, os fornecedores
entregam a matéria-prima diretamente no processo
produtivo just-in-time (JIT), sem necessidade de
estocagem prévia
Os materiais entram na empresa, fluem, transitam
por ela e saem pelo depósito, com destino aos
clientes, como produtos acabados. A essa
movimentação dá-se o nome de “fluxo de
materiais” e, por causa disso, eles podem ser
classificados em 5 tipos:
Matérias-Primas: São os insumos e os materiais básicos
que ingressam no processo de produção
Materiais em
Processamento:
Também denominados
materiais em vias, vão
sendo processados ao
longo das diversas
seções que compõem
o processo produtivo
Materiais
Semiacabados:
São os materiais
parcialmente
acabados, cujo
processo está em
estágio
intermediário de
acabamento e ao
longo das diversas
seções
Materiais Acabados:
Denominados
componentes, porque
constituem peças isoladas
ou componentes já
acabados e prontos para
serem anexados ao
produto. São as partes
prontas que, quando
unidas, constituirão o
produto acabado
Produtos Acabados:
São os produtos já
prontos, cujo
processamento foi
completado
PLANEJAMENTO DE ESTOQUE
O 1º Abastecimento Deve Ser Feito
Baseado nas Encomendas
Mantenha Estoques Mínimos Que
Garantam os Prazos de Entrega
Faça Um Controle Diário do Que
Sai e do Que Entra
Manter Itens Desnecessários no
Estoque Provoca Desperdícios
CONTROLE DE ESTOQUES Denominada “Curva de Pareto”, a Classificação ABC se baseia no
princípio de que a maior parte do investimento em estoque está
concentrada em um pequeno número de itens. Essa
classificação divide os estoques conforme seu valor monetários
em 3 classes:Classe “A”: É constituída de
poucos itens (de 15 % a 20
% do total de itens), os
quais são responsáveis pela
maior parte do valor
monetário do estoque
(aproximadamente 80 %)
Classe “B”: É constituída de
uma quantidade média de
itens (de 35 a 40% do total)
que representam
aproximadamente 15% do
valor total do estoque
Classe “C”: É constituída de uma enorme quantidade de itens (de 40 a 50% do
total), os quais representam um valor desprezível dos estoques (de 5 a 10%).
Trata-se dos itens mais numerosos e menos importantes, uma vez que
correspondem a poucos valores no estoque total
A “Classificação ABC” é baseada no bom senso, na conveniência de um
adequado controle de estoques e, na prática, classifica-se no máximo
20% dos itens na Classe “A”, cerca de 30% na Classe “B” e os
restantes 50% na Classe “C
Principais Fatores a Serem
Considerados na Armazenagem:
Semelhança: Todos os produtos devem ser
armazenados considerando-se a sua similaridade
(ou semelhança), o que nos é dado através de uma
rigorosa classificação
Popularidade:
É a frequência de
saída de um
determinado
produto; isto é, é o
número de vezes
que esse produto é
solicitado e
entregue. Não
confundir com
quantidade de
saída
Tamanho:
Considerando-se o
nível inconstante de
determinados
produtos em estoque,
torna-se essencial
considerar-se sua
armazenagem em
termos de cubagem
(metros cúbicos) e não
da área (metros
quadrados)
Características:
A maioria dos
itens
pertencentes ao
abastecimento
comum não exige
métodos
especiais para
seu
armazenamento
(ou sua manobra)
Considerando-se
as peculiaridades
desses produtos,
podemos
classificá-los pelas
suas qualidades
de: (A)
Periculosidade; (B)
Segurança; (C)
Pericibilidade
MODALIDADES DE
TRANSPORTES:
Podemos dividir o transporte de carga em
cinco (5) modalidades básicas:
Transporte
Rodoviário
Transporte Ferroviário
Transporte
Hidroviário
Transporte
Aeroviário
Transporte
Dutoviário
MODALIDADES DE FORNECIMENTO DE
TRANSPORTE:
CIF = É Quando a Mercadoria é
Colocada Nas Instalações do
Comprador SEM Nenhum Tipo de
Custo. Ou Seja, as Despesas
(Carregamento, Descarga, Frete e
Seguro) Correm Por Conta do
Fornecedor
FOB = Nessa modalidade de
fornecimento de transporte, o
comprador arca com todas as
despesas, tais como o carregamento, a
descarga, o preço do frete, o seguro e
outras
SETOR DE COMPRAS O setor de compras tem importante função dentro da empresa; ou
seja, supri-la de todos os itens necessários ao seu funcionamento no
tempo certo, na quantidade necessária, na qualidade adequada e
ao melhor preço possível
O Processo de Compras Tem Sete Fases Principais:
Pesquisa do mercado de fornecedores. É a antecessora do processo
de compra do item requisitado, em que o encarregado do setor de
compras pesquisa os possíveis fornecedores
Recebimento da Ordem de
Compra
Cotação de preços e de condições de pagamento
Escolha do
Fornecedor
Mais
Adequado
Pedido de
Compra
Acompanhamento do
Pedido de Compra
Recebimento do Material
CONFORME SERGIO MOREIRA (SEBRAE)
É PRECISO SABER:
O Que Vender e Para
Quem Vender
Mapear o Perfil do Comprador
e “Enxergar” a Clientela
Controlar Custos, Montar uma
Logística Eficiente e Um
Marketing Apropriado
GERENCIANDO O MARKETINGNão adianta nada saber
fabricar um bom produto
(ou prestar um bom
serviço), pois é preciso
colocá-lo no mercado e
conseguir convencer as
pessoas a comprá-lo
O Marketing é o principal elo
entre o empreendedor e o
comprador. É por meio dele que
o cliente recebe o produto e/ou
o serviço no momento certo,
com características e preços
adequados
Definição de
Marketing
Estar Atento às
Tendências do
Mercado a Fim de
Produzir
Rapidamente Aquilo
Que os Consumidores
Desejam
Desmembrando essa
definição temos o seguinte:
“Estar Atento às Tendências de Mercado”: Significa
estar de “antenas ligadas” nos desejos dos consumidores
“Para produzir rapidamente aquilo que os
consumidores desejam”: Significa fabricar os produtos
(ou os serviços) que os clientes querem de maneira rápida,
pois outras empresas (ou pessoas) podem ter tido a
mesma ideia
As “Ferramentas” do Marketing
Ao serem solicitados a realizar seu
trabalho, muitos profissionais (como os
eletricistas, mecânicos, etc.) carregam
consigo uma caixa de ferramentas, as quais
são essenciais para que consigam fazer o
seu trabalho
MERCHANDISING
Promoção de Vendas
Propaganda Relações Públicas
Venda Pessoal
MARKETING
No Brasil, o termo “Marketing” surgiu após 1950 nas primeiras Escolas de
Administração.
“É um Processo Gerencial Pelo Qual os Indivíduos
Obtém Produtos ou Serviços Que Necessitam,
Através da Criação da Oferta e da Troca de
Valores por Produtos” (Kotler)
O consumidor compra o produto (ou serviço) atribuindo valores às ofertas e, tais
valores, decorrem de suas necessidades
Portanto, o produto (ou serviço) que oferecer maior VALOR por
unidade monetária, será o escolhido.
O DINÂMICO
PROCESSO DE VENDAS
Conhecendo o cliente e suas características o
empreendedor se prepara melhor para vender
seus produtos e serviços
O setor de vendas deve seguir um processo, o
qual é composto de sete (7) fases:
Pesquisa de Mercado de Consumidores
PROPAGANDA VENDA (Pessoal, Impessoal e Virtual)
PROMOÇÃO de VENDAS CANAIS de DISTRIBUIÇÃO
MERCHANDISISNG PÓS-VENDA
Previsão de Vendas de Produtos de Consumo
As previsões de vendas são muito utilizadas em outras
atividades empresariais, como no cálculo dos recursos
financeiros ou no planejamento operacional de compras, de
finanças e de recursos humanos
Uma previsão de
vendas deve ser
desenvolvida com
muito cuidado,
devendo ser
baseada em
critérios bem
definidos e de
acordo com
alguns
parâmetros:
1) Produtos Existentes: Os Métodos Utilizados Poderão Ser
(A) Qualitativo; (B) Tendências; (C) Correlação
2) Produtos
Novos:
Potencial de Mercado
Teste de Mercado
EVOLUÇÃO Comparação Com a Experiência Local e /
ou Internacional
ESTRUTURA de DISTRIBUIÇÃO
PREVISÃO de VENDAS de SERVIÇOS
No Brasil o consumo de serviços está diretamente relacionado a
fatores sociais, econômicos, políticos e comportamentais. Fatores
como a crescente urbanização, as eventuais perdas do poder
aquisitivo e a estratificação social vêm apontando um novo perfil
de consumidor de serviços
Para elaborar uma previsão de venda de serviços é
necessário considerar as influências que atuam
sobre os consumidores de serviços, como:
Influências
Culturais
Influências
Sociais
Influências Psicológicas
É necessário considerar
alguns métodos que
poderão ser utilizados
para uma previsão de
vendas eficaz. Tais como:
Opinião de Especialistas
Sondagens de Mercado
Opinião da Força
de Vendas
Análise de Séries
Históricas
ATENDIMENTO e FOCO no CLIENTE
Todo negócio deve estar voltado para o cliente e,
somente se manterá, se o cliente continuar
comprando o produto (ou serviço), seja para sua
satisfação pessoal ou suas necessidades básicas
Para que o negócio
possa ser bem-
sucedido, é
imprescindível que o
cliente fique satisfeito
com o serviço oferecido
Então, os serviços devem ser continuamente ajustados às
preferências dele (cliente). Isso é denominado de “orientação
para o cliente” ou “mentalidade mercadológica”
Então, em vez de olhar para dentro do próprio negócio,
deve-se olhar para fora, tendo o foco no cliente
Com as informações obtidas, o empreendedor terá condições de criar
produtos/serviços e desenvolver um espírito de equipe entre seu
pessoal a fim de atender bem ao seu cliente, sempre oferecendo um
excelente serviço, o qual certamente será o diferencial da sua empresa
diante das demais
GERENCIANDO as FINANÇAS
Para operar, as empresas necessitam de dinheiro e, o simples fato
de um empreendimento precisar de um imóvel para se instalar,
equipamentos para produzir, pessoas para trabalhar e matérias-
primas para processar, demonstra a necessidade de dinheiro que
permita alugar ou comprar o imóvel, adquirir as máquinas, pagar
os salários e comprar as matérias-primas
Nenhuma empresa
pode funcionar sem
um mínimo de
capital inicial, muito
menos funcionar
sem algum capital
de giro. Elas são
organizações
sociais que usam
recursos para
atingir objetivos
O gerenciamento
financeiro é a área da
empresa que cuida
dos recursos
financeiros,
preocupando-se com
dois (2) aspectos
importantes: a
rentabilidade e a
liquidez
Tendo esses 2
objetivos em mente, o
empreendedor pode
tocar suas finanças. A
rentabilidade será
alcançada na medida
que o negócio
proporciona a
maximização dos
retornos dos
investimentos feitos
pelos proprietários
Um dos principais
desafios do
gerenciamento
financeiro é manter
a rentabilidade e a
liquidez da empresa
em nível
satisfatório, já que
em nível máximo
não é possível
ADMINISTRE BEM AS CIFRAS
Não “Carregue” Suas Dívidas Por
Muito Tempo
É Preciso Capital de Giro Para
Administrar Períodos de Crise
Quando a
Situação For
Confortável Não
Gaste Além do
Necessário
Quando o Caixa Estiver “Azul” o Melhor
é Reinvestir, Para Continuar Competitivo.
Nunca Dê Um Passo Maior Que a Perna.
Principais Atribuições do Gerenciamento Financeiro
Obter
Recursos
Financeiros
SABER
UTILIZÁ-LOS
Aplicar o
Excedente
O gerenciamento
financeiro é cíclico e
repetitivo. Precisa ser
constantemente
avaliado para que a
rentabilidade e a
liquidez sejam
preservadas e, para
tanto, utilizam-se essas
ferramentas:
Controle de
Caixa
Controle de Conta
Corrente
Conciliação
Bancária
Contas a Pagar
Contas a Receber
Fluxo de Caixa
Controle dos Ativos Circulantes
Arquivo de Documentos
CAPITAL de GIRO
A administração do
Capital de Giro tem por
objetivo administrar
cada um dos Ativos e dos
Passivos circulantes da
empresa, para garantir
um nível aceitável de
Capital Circulante
Líquido
Os Ativos Circulantes
mais importantes são
caixa, títulos negociáveis,
duplicatas a receber e
estoques
Os Passivos
Circulantes mais
importantes são
duplicatas a pagar,
títulos a pagar,
salários a pagar e
juros a pagar
Esses Passivos Circulantes devem ser bem
dosados para garantir que cada uma das fontes de
financiamento de curto prazo seja utilizada
adequadamente
O planejamento e a operação das entradas e das
saídas do caixa constituem a parte mais
representativa da operação financeira da
empresa e, dessa forma, o Capital de Giro
funciona no curto prazo
INFORMATIZE-SE JÁ
Instale Programas de: Contabilidade.
Folha de Pagamento.
Contas a Pagar
Compras, Vendas e
Estoques.
Mas Considere os
Gastos Com
Assistência e
Manutenção.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avaliação de Desempenho
Avaliação de DesempenhoAvaliação de Desempenho
Avaliação de Desempenho
Fabio Aguiar
 
Aula planejamento de carreira
Aula planejamento de carreiraAula planejamento de carreira
Aula planejamento de carreira
André Boaratti
 
MINI AULA KARINA ZACCARON - SENAC
MINI AULA KARINA ZACCARON - SENACMINI AULA KARINA ZACCARON - SENAC
MINI AULA KARINA ZACCARON - SENAC
Karina Z.
 
Cultura organizacional
Cultura organizacionalCultura organizacional
Cultura organizacional
Michael Silva
 
Rotinas administrativas
Rotinas administrativasRotinas administrativas
Rotinas administrativas
Valéria Lins
 
Aula 1 planejamento estratégico
Aula 1   planejamento estratégicoAula 1   planejamento estratégico
Aula 1 planejamento estratégico
Kesia Rozzett Oliveira
 
Avaliação de desempenho ppt
Avaliação de desempenho pptAvaliação de desempenho ppt
Avaliação de desempenho ppt
Estevam Pires
 
Práticas Administrativas - Aulas 1 a 12
Práticas Administrativas - Aulas 1 a 12Práticas Administrativas - Aulas 1 a 12
Práticas Administrativas - Aulas 1 a 12
Wandick Rocha de Aquino
 
Treinamento & desenvolvimento...de RH
Treinamento & desenvolvimento...de RHTreinamento & desenvolvimento...de RH
Treinamento & desenvolvimento...de RH
Rose Oliveira
 
Aula cargos e salários
Aula cargos e saláriosAula cargos e salários
Aula cargos e salários
Valéria Fratini
 
DP - Admissão
DP - AdmissãoDP - Admissão
DP - Admissão
Lucas Gheller
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
Ricardo F. Nantes
 
Gestao por Processos
Gestao por ProcessosGestao por Processos
Gestao por Processos
Adeildo Caboclo
 
Introdução Organização Sistemas e Metodos
Introdução Organização Sistemas e MetodosIntrodução Organização Sistemas e Metodos
Introdução Organização Sistemas e Metodos
Adm Pub
 
Palestra motivacional
Palestra motivacionalPalestra motivacional
Palestra motivacional
Fernando Lima
 
Aula -gestão_por_competências
Aula  -gestão_por_competênciasAula  -gestão_por_competências
Aula -gestão_por_competências
Cicero Feitosa
 
Analise swot
Analise swotAnalise swot
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégiasTreinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
Ricardo Silva Coqueiro
 
Características do comportamento empreendedor
Características do comportamento empreendedorCaracterísticas do comportamento empreendedor
Características do comportamento empreendedor
Diego Andreasi
 
Gestão de recursos humanos
Gestão de recursos humanosGestão de recursos humanos
Gestão de recursos humanos
Rafael Pozzobon
 

Mais procurados (20)

Avaliação de Desempenho
Avaliação de DesempenhoAvaliação de Desempenho
Avaliação de Desempenho
 
Aula planejamento de carreira
Aula planejamento de carreiraAula planejamento de carreira
Aula planejamento de carreira
 
MINI AULA KARINA ZACCARON - SENAC
MINI AULA KARINA ZACCARON - SENACMINI AULA KARINA ZACCARON - SENAC
MINI AULA KARINA ZACCARON - SENAC
 
Cultura organizacional
Cultura organizacionalCultura organizacional
Cultura organizacional
 
Rotinas administrativas
Rotinas administrativasRotinas administrativas
Rotinas administrativas
 
Aula 1 planejamento estratégico
Aula 1   planejamento estratégicoAula 1   planejamento estratégico
Aula 1 planejamento estratégico
 
Avaliação de desempenho ppt
Avaliação de desempenho pptAvaliação de desempenho ppt
Avaliação de desempenho ppt
 
Práticas Administrativas - Aulas 1 a 12
Práticas Administrativas - Aulas 1 a 12Práticas Administrativas - Aulas 1 a 12
Práticas Administrativas - Aulas 1 a 12
 
Treinamento & desenvolvimento...de RH
Treinamento & desenvolvimento...de RHTreinamento & desenvolvimento...de RH
Treinamento & desenvolvimento...de RH
 
Aula cargos e salários
Aula cargos e saláriosAula cargos e salários
Aula cargos e salários
 
DP - Admissão
DP - AdmissãoDP - Admissão
DP - Admissão
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Gestao por Processos
Gestao por ProcessosGestao por Processos
Gestao por Processos
 
Introdução Organização Sistemas e Metodos
Introdução Organização Sistemas e MetodosIntrodução Organização Sistemas e Metodos
Introdução Organização Sistemas e Metodos
 
Palestra motivacional
Palestra motivacionalPalestra motivacional
Palestra motivacional
 
Aula -gestão_por_competências
Aula  -gestão_por_competênciasAula  -gestão_por_competências
Aula -gestão_por_competências
 
Analise swot
Analise swotAnalise swot
Analise swot
 
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégiasTreinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
Treinamento & Desenvolvimento de Equipes: Modelos, Feramentas e estratégias
 
Características do comportamento empreendedor
Características do comportamento empreendedorCaracterísticas do comportamento empreendedor
Características do comportamento empreendedor
 
Gestão de recursos humanos
Gestão de recursos humanosGestão de recursos humanos
Gestão de recursos humanos
 

Semelhante a Empreendedorismo: Definição, Características e Oportunidades de Negócios

EMPREENDEDORISMO EMPREENDEDORISMO-160809142307
EMPREENDEDORISMO EMPREENDEDORISMO-160809142307EMPREENDEDORISMO EMPREENDEDORISMO-160809142307
EMPREENDEDORISMO EMPREENDEDORISMO-160809142307
falecomivo4561
 
Empreendedorismo - Aula Inicial
Empreendedorismo - Aula InicialEmpreendedorismo - Aula Inicial
Empreendedorismo - Aula Inicial
Júlio Moscardini
 
Gestao de novos negocios completo
Gestao de novos negocios completoGestao de novos negocios completo
Gestao de novos negocios completo
Eduardo Faraco
 
Empreendedor
EmpreendedorEmpreendedor
Empreendedor
Mirian Oliveira
 
Aula 01 empreendedorismo
Aula 01 empreendedorismoAula 01 empreendedorismo
Aula 01 empreendedorismo
Homero Alves de Lima
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
Mauricio Maulaz
 
Apostila1
Apostila1Apostila1
1a. aula
1a. aula1a. aula
1a. aula
Nilton Goulart
 
O que é Empreendedorismo
O que é EmpreendedorismoO que é Empreendedorismo
O que é Empreendedorismo
Jigdalias Rodrigues
 
Empreenda com Sucesso
Empreenda com SucessoEmpreenda com Sucesso
Empreenda com Sucesso
Liberty Ensino
 
Perguntas comuns no empreendedor
Perguntas comuns no empreendedorPerguntas comuns no empreendedor
Perguntas comuns no empreendedor
telmogalveia
 
Empreendedorismoeticaprofissional 120509102013-phpapp01
Empreendedorismoeticaprofissional 120509102013-phpapp01Empreendedorismoeticaprofissional 120509102013-phpapp01
Empreendedorismoeticaprofissional 120509102013-phpapp01
Carlos Reutymann
 
Empreendedorismo aula 1
Empreendedorismo   aula 1Empreendedorismo   aula 1
Empreendedorismo aula 1
Itamar Pereira
 
36 1 arquivo_empreendedor
36 1 arquivo_empreendedor36 1 arquivo_empreendedor
36 1 arquivo_empreendedor
Ellen Christina Dias Leite
 
Empreendedorismo e Legislação Aula 2 Flammarion Cysneiros
Empreendedorismo e Legislação   Aula 2   Flammarion CysneirosEmpreendedorismo e Legislação   Aula 2   Flammarion Cysneiros
Empreendedorismo e Legislação Aula 2 Flammarion Cysneiros
flammarion
 
1a. aula
1a. aula1a. aula
1a. aula
Nilton Goulart
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
Diego Alexandre da Silva
 
Empreendedorismo [modo de compatibilidade]
Empreendedorismo [modo de compatibilidade]Empreendedorismo [modo de compatibilidade]
Empreendedorismo [modo de compatibilidade]
Airton Oliveira
 
Vida empreendedora
Vida empreendedoraVida empreendedora
Vida empreendedora
Bruno Ataide
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
Dafmet Ufpel
 

Semelhante a Empreendedorismo: Definição, Características e Oportunidades de Negócios (20)

EMPREENDEDORISMO EMPREENDEDORISMO-160809142307
EMPREENDEDORISMO EMPREENDEDORISMO-160809142307EMPREENDEDORISMO EMPREENDEDORISMO-160809142307
EMPREENDEDORISMO EMPREENDEDORISMO-160809142307
 
Empreendedorismo - Aula Inicial
Empreendedorismo - Aula InicialEmpreendedorismo - Aula Inicial
Empreendedorismo - Aula Inicial
 
Gestao de novos negocios completo
Gestao de novos negocios completoGestao de novos negocios completo
Gestao de novos negocios completo
 
Empreendedor
EmpreendedorEmpreendedor
Empreendedor
 
Aula 01 empreendedorismo
Aula 01 empreendedorismoAula 01 empreendedorismo
Aula 01 empreendedorismo
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Apostila1
Apostila1Apostila1
Apostila1
 
1a. aula
1a. aula1a. aula
1a. aula
 
O que é Empreendedorismo
O que é EmpreendedorismoO que é Empreendedorismo
O que é Empreendedorismo
 
Empreenda com Sucesso
Empreenda com SucessoEmpreenda com Sucesso
Empreenda com Sucesso
 
Perguntas comuns no empreendedor
Perguntas comuns no empreendedorPerguntas comuns no empreendedor
Perguntas comuns no empreendedor
 
Empreendedorismoeticaprofissional 120509102013-phpapp01
Empreendedorismoeticaprofissional 120509102013-phpapp01Empreendedorismoeticaprofissional 120509102013-phpapp01
Empreendedorismoeticaprofissional 120509102013-phpapp01
 
Empreendedorismo aula 1
Empreendedorismo   aula 1Empreendedorismo   aula 1
Empreendedorismo aula 1
 
36 1 arquivo_empreendedor
36 1 arquivo_empreendedor36 1 arquivo_empreendedor
36 1 arquivo_empreendedor
 
Empreendedorismo e Legislação Aula 2 Flammarion Cysneiros
Empreendedorismo e Legislação   Aula 2   Flammarion CysneirosEmpreendedorismo e Legislação   Aula 2   Flammarion Cysneiros
Empreendedorismo e Legislação Aula 2 Flammarion Cysneiros
 
1a. aula
1a. aula1a. aula
1a. aula
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Empreendedorismo [modo de compatibilidade]
Empreendedorismo [modo de compatibilidade]Empreendedorismo [modo de compatibilidade]
Empreendedorismo [modo de compatibilidade]
 
Vida empreendedora
Vida empreendedoraVida empreendedora
Vida empreendedora
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 

Mais de PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas

Comportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de TrabalhoComportamento em Ambientes de Trabalho
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes SociaisComo Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes CorporativosPostura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptxO Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptxConceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas OrganizacõesA Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptxTécnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptxA Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptxGestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptxA Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptxProgramação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
DINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptxDINÂMICA de GRUPO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptxAUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptxDESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptxINTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptxA Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 

Mais de PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas (20)

Comportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de TrabalhoComportamento em Ambientes de Trabalho
Comportamento em Ambientes de Trabalho
 
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes SociaisComo Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
Como Utilizar o Marketing nas Redes Sociais
 
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
Ambiente Empreendedor nas Corporações e a Proposta de Um Modelo de Inovação P...
 
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes CorporativosPostura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
Postura e Imagem Profissional em Ambientes Corporativos
 
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
Psicologia do Trabalho (Uma Introdução ao Estudo do Comportamento e da Person...
 
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptxO Processo de Transporte de Cargas.pptx
O Processo de Transporte de Cargas.pptx
 
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptxConceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
Conceitos, Evolução e Processos Logísticos.pptx
 
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas OrganizacõesA Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
A Criatividade Como Estratégia Competitiva Nas Organizacões
 
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
A Ciência Política e as Implicações Filosóficas, Sociológicas e Jurídicas no ...
 
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptxTécnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
Técnicas de Relacionamentos Interpessoais.pptx
 
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptxA Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
A Identidade Visual na Criação de Uma Marca.pptx
 
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptxGestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
Gestão Financeira Para Pequenas Empresas.pptx
 
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptxA Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
A Contabilidade Como Instrumento Gerencial.pptx
 
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptxProgramação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
Programação Neurolinguística – História, Competências e Pressupostos.pptx
 
DINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptxDINÂMICA de GRUPO.pptx
DINÂMICA de GRUPO.pptx
 
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptxAUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
AUXILIAR DE ESCRITÓRIO.pptx
 
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptxDESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
DESENVOLVIMENTO PESSOAL no TRABALHO.pptx
 
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptxINTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
INTELIGÊNCIA de NEGÓCIOS.pptx
 
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptxA Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
A Controladoria Voltada a Avaliação de Desempenho nas Empresas.pptx
 
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
Psicologia Organizacional (Histórico, Conceitos e Clima)
 

Empreendedorismo: Definição, Características e Oportunidades de Negócios

  • 1. Qual é o Perfil do Empreendedor? Como e Onde Surgiu o Espírito Para Empreender? Quais as Principais Características dos Empreendedores de Sucesso? Como Identificar Oportunidades de Negócios Lucrativos? Como Planejar a Produção, Controlar Estoques e Finanças? Como Fazer Previsões de Vendas de Um Empreendimento?
  • 2. ORIGEM E CONCEITO DE EMPREENDEDORISMO Empreendedorismo significa “a disposição ou a capacidade de idealizar, coordenar e realizar projetos, serviços, negócios”. Seria uma inciativa de implementar novos negócios ou mudanças em empresas já existentes, conferindo alterações que envolvam inovação e riscos O Empreendedorismo tem sua origem na reflexão do famoso pensador econômicos do século XVIII e XIX Adam Smith, conhecido defensor do laissez-faire (liberalismo econômico) Como um processo de descoberta, a competição faz com que as empresas aprendam aos poucos o que agrada e o que não agrada a elas e aos consumidores O empreendedor imagina as oportunidades e, dependendo do seu julgamento e do cálculo econômico de preços futuros antecipados, escolhe agir para transformar em realidade o lucro imaginado Então, o empreendedorismo seria o processo de iniciativa em implementar novos negócios, ou mudanças em empresas já existentes
  • 3. O ESPÍRITO EMPREENDEDOR O empreendedor brasileiro está no epicentro deste curso, pois ele não é apenas um fundador de novos negócios, ele é a energia da economia, a alavanca de recursos, o impulso de talentos, a dinâmica de novas ideias O empreendedor é a pessoa que inicia e/ou opera um negócio para realizar uma ideia – ou um projeto pessoal – assumindo riscos, responsabilidades e inovando continuamente Para ter sucesso, ele deve saber gerir seu próprio negócio para mantê-lo e sustentá-lo em um ciclo de vida prolongado e obter retornos significativos de seus investimentos. Isso significa administrar, planejar, organizar, dirigir e controlar todas as atividades relacionadas direta ou indiretamente com o negócio O espírito empreendedor envolve emoção, paixão, impulso, inovação, risco e intuição. Mas deve também reservar um bom espaço para a racionalidade, pois o balanceamento entre os aspectos racionais e emocionais do negócio é indispensável
  • 4. Caraterísticas do Espírito Empreendedor Necessidade de Realização: as pessoas são diferentes quanto à necessidade de realização. Existem aquelas com pouca necessidades e que se contentam com o status que alcançaram. Contudo, as pessoas com alta necessidade de realização gostam de competir com padrões de excelência e preferem ser pessoalmente responsáveis por tarefas e objetivos Disposição Para Assumir Riscos: o empreendedor assume vários riscos ao iniciar seu próprio negócio. Os riscos financeiros são decorrentes do seu próprio investimento e do abandono de empregos seguros e de carreiras definidas Autoconfiança: quem possui autoconfiança sente que pode enfrentar os desafios que existem ao seu redor e tem domínio sobre os problemas que enfrenta À despeito das três (3) características apresentadas acima, veremos a seguir que o SEBRAE (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) selecionou outras cinco (5) importantes características
  • 5. O PERFIL DO EMPREENDEDOR: Alto Grau de Energia. Capacidade de Pensar Como Empreendedor Talento nos Relacionamentos Pessoais Hábil Comunicador Conhecimentos Técnicos no Ramo.
  • 6. Alto Grau de Energia: Para descrever esta característica, o SEBRAE utiliza a palavra “drive” – uma combinação de energia, impulso e avanço Capacidade de pensar como empreendedor: O Empreendedor precisa possuir originalidade, criatividade, sentido crítico e sentido analítico (habilidade de usar a razão em termos práticos, teóricos e abstratos) Talento nos relacionamentos com pessoas: Envolve sociabilidade, cooperação, tato, alegria, consideração, ascendência e cuidado (habilidade de avaliar situações com seriedade, antes de assumir um risco) Habilidade com as comunicações: Envolve comunicação oral, compreensão verbal, comunicação escrita e confiabilidade Conhecimentos técnicos do ramo: Envolve a informação sobre o processo em si (como produzir os bens ou serviços no ramo em que deseja atuar) e a habilidade de utilizar estas informações de maneira prática e útil
  • 7. CONFORME TOM PETERS: O Empreendedor Ideal é Aquele Que Tem Prazer em Novos Desafios, em Lidar Com Mudanças Rápidas Tem Que Ser Imaginativo o Suficiente Para Sobreviver no Mercado Escolhido
  • 8. INOVAÇÃO E ESPÍRITO EMPREENDEDOR É a capacidade do ser humano em identificar as necessidades de outros e oferecer a elas exatamente aquilo que precisam Não é algo que nasce junto com a pessoa, pois ele é uma capacidade que pode ser aprendida Características do Espírito Empreendedor: Sonho e Visão: Esse tipo de pessoa sempre tem um plano a ser executado e ela está sempre ciente do assunto em questão, porque tem um olhar ampliado sobre isso Decisão e Atitude: Além do mais, está sempre determinado e não permite por perto, pessoas negativas que possam desanimar e prejudicar seu trabalho Confiança e Coragem: Ele afasta o medo; ou seja, aquilo que possa vir atrapalhar a conclusão do seu projeto. Faz do seu objetivo final, a motivação para continuar sempre buscando a realização
  • 9. Definição de Empreendedor e Empreendedorismo O Empreendedor costuma ser definido como alguém que monta um negócio ou uma empresa, embora nem todas as pequenas empresas tenham o espírito empreendedor ou o representem O Empreendedorismo é uma característica bem definida de uma pessoa ou organização INOVAÇÃO É a tarefa de dotar recursos humanos e materiais com uma capacidade de produção de riqueza nova e maior. Por isso, os gerentes precisam transformar as necessidades da sociedade em oportunidades de negócios lucrativos, pois isso também seria uma definição de inovação Os Princípios da Inovação Segundo Drucker Analise as fontes de inovação em busca de oportunidades Identifique as necessidades, os desejos e as expectativas do cliente A inovação deve começar pequena A inovação deve almejar a liderança
  • 10. EMPRESÁRIO OU EMPREENDEDOR? Existe certa confusão entre o que é ser empreendedor e o que é ser empresário – ou administrador – uma vez que o empreendedorismo está diretamente ligado a uma realização pessoal e profissional O empreendedor não precisa fundar a sua própria empresa, pois ele pode participar do negócio de outras pessoas de uma forma proativa e, antes de tudo, deve se sentir realizado por proceder dessa maneira Para Drucker, as características do e mpreendedor bem- sucedido são: Comprometer-se / Atuar com qualidade / Procurar informações Procurar oportunidades / Correr riscos calculados / Estabelecer metas objetivas Persuadir e manter contatos / Ter confiança e independência / Planejar e treinar de forma sistemática
  • 11. É Possível Ensinar Alguém a Se Tornar Um Empreendedor? O treinamento para a atividade empreendedora deve capacitar o empreendedor para imaginar, identificar visões e desenvolver habilidades para sonhos realistas. Já o treinamento para gerentes de empresas, “enfatiza as habilidades analíticas” Atitudes Presentes no Empreendedor Assumir Riscos: Arriscar conscientemente é ter coragem de enfrentar desafios, tentar um novo empreendimento Identificar Oportunidades: Ficar atento e perceber as oportunidades que o mercado oferece e reunir as condições para a realização de um bom negócio Conhecimento: Quanto mais o empresário domina um ramo de negócios, mais aumentam suas chances de sucesso Organização: É saber utilizar os recursos humanos e materiais (financeiro e tecnológico) de forma racional Tomar Decisões: O sucesso de um empreendimento está relacionado com a capacidade de decidir corretamente Tino Empresarial: O que muitos acreditam ser um “sexto sentido”, intuição ou faro empresarial é a soma de todas essas qualidades
  • 12. PREPARANDO-SE PARA SER UM EMPREENDEDOR: Analise Suas Economias Dê o Passo do Tamanho da Sua Perna Terceirize o Que Valer a Pena Prepare-se Para Alternativas em Caso de Fracasso
  • 13. QUER ABRIR UM NEGÓCIO PRÓPRIO? Então Conheça Bem: Os Clientes Potenciais O Mercado Escolhido Todos os Seus Concorrentes Os Fornecedores
  • 14. TIPOS DE EMPREENDEDORES Os Empreendedores Podem Ser Muito Diferentes Uns Dos Outros e Podemos Classificá-los em Diversos Tipos Empreendedores Natos ou Mitológicos: São os mais conhecidos e reverenciados. Normalmente são pessoas que começaram a trabalhar desde muito cedo, com poucas condições e acabaram criando grandes empresas Empreendedor Que Aprende: É aquele que, ao se deparar com uma oportunidade de negócio, decide aprender a gerir seu próprio empreendimento Empreendedor Serial: É aquele que cria um negócio para vendê-lo, a fim de comprar outros e vendê-los Empreendedores Corporativos: São executivos que se destacam e que buscam crescer dentro da empresa, trazendo bons frutos para a organização Empreendedores Por Necessidade: São aqueles que iniciaram um empreendimento autônomo por não possuírem melhores opções para o trabalho e precisam abrir um negócio, a fim de gerar renda
  • 15. CAMINHOS PARA COMEÇAR: Use os Olhos de Um Consumidor e Conheça o Mercado no Papel de um Cliente PESQUISE BASTANTE SOBRE O RAMO Analise se Você tem o Perfil do Empreendedor Utilize, se Possível, as Incubadoras de Empresas
  • 16. AS OPORTUNIDADES DE UM NEGÓCIOAs oportunidades para iniciar um negócio poderão estar em alguma das seguintes áreas: MANUFATURA ATACADO VAREJO SERVIÇOS A Manufatura (denominada de “indústria”) requer pesado investimento em instalações para fábrica, maquinaria, pessoal especializado e grandes volumes de compras de materiais básicos ou semiprocessados para possibilitar a produção Atacadistas são os intermediários entre os produtores e os varejistas Varejistas também são intermediários que conduzem os produtos até o consumidor final. Mas eles vendem ao consumidor e satisfazem suas necessidades, vendendo-lhe mercadorias ou serviços Serviços são atividades, benefícios ou satisfações que são oferecidas para venda (ou em conexão com vendas) de determinados bens. É a área de negócios com maior crescimento no Brasil
  • 17. Prepare-se Para Uma Rotina de Desafios Escape dos 71% de Empresas Que Fecham Antes do 5º Ano Economize Com Encargos e Tributos Cuidado Com as Taxas Bancárias Avalie o Peso dos Juros Para Não Calcular Mal Uma Operação
  • 18. A QUEM EU VOU ME ALIAR? Existem várias alternativas jurídicas para abrir uma sociedade com diferentes tipos de sócios dentro da legislação sobre o assunto, agora modificada pelo novo Código Civil Constituição Jurídica da Empresa: As empresas podem assumir várias formas e tamanhos. Do ponto de vista jurídico, as sociedades empresariais podem ser classificadas em: o empresário e a sociedade empresáriaEMPRESÁRIO: O conceito de empresário reúne dois (2) elementos: atividade econômica e um estabelecimento. Assim, o empresário exerce profissionalmente uma atividade econômica organizada para a produção, circulação de bens ou serviços O conceito de Empresário (de firmas individuais) apresenta as seguintes vantagens: a) O proprietário é o seu próprio patrão; ele toma sozinho todas as decisões relacionadas com o negócio; b) o proprietário assume todo o lucro e todo o risco do negócio; c) os custos operacionais são baixos
  • 19. Outros Tipos de Associações Franquias (Franchising): Refere-se ao licenciamento do uso de marcas. Constitui a transferência para um segundo empresário de toda a história de sucesso de determinada marca, incluindo o repasse de informações nos campos de tecnologia, gestão do negócio, treinamento e merchandising Cooperativa: É uma associação que supre as necessidades (e interesses) dos associados. O objetivo é amparar (por meio da cooperação) os negócios dos associados. Exemplo: Cooperativas de agricultores, Cooperativas de consumo etc. Terceirização: Ocorre quando uma empresa transfere para outra a produção de bens ou de serviços que realizava com seus próprios recursos. Assim, em vez de produzir certos serviços ou produtos, ela passa a comprá-los de fornecedores na medida de suas necessidades Parcerias: pode ser uma interessante opção para alguns empreendedores, pois com ela é possível dividir tarefas sem que exista concorrência entre as partes envolvidas, garantindo independência para ambas Associação: É uma entidade de direito privado com personalidade jurídica, que se caracteriza pelo agrupamento de pessoas para a realização e consecução de objetivos e ideais comuns, sem finalidade lucrativa
  • 20. MONTANDO EQUIPES DE TRABALHO Defina o Número de Empregados e o Perfil Profissional de Cada Um Mesmo Urgente, Escolha com Paciência Sempre Verifique as Referências Anteriores Funcionário p/ Cargo de Confiança Deve Ter Boas Indicações Pesquise a Média da Remuneração Paga no Mercado.
  • 21. CONFORME TOM PETERS: Tenha na Sua Equipe Pessoas Criativas e Boas em Finanças Invista em Um Negócio “Inovador no Mercado” (Algo Que Nunca Foi Feito Antes) Tenha Dinheiro Suficiente Para o Negócio Sobreviver aos Primeiros Meses
  • 22. GERENCIANDO A PRODUÇÃO O foco está na transformação das matérias-primas em produtos acabados, pois é através do processo de produção que as mercadorias são fabricadas – e os serviços prestados Toda empresa utiliza alguma tecnologia para suas operações, a qual pode ser avançada (computador, tecnologia da informação, eletrônica etc.) ou rudimentar (vassoura, esfregão ou cremalheira) e, quando bem escolhida, a tecnologia permite a melhor utilização dos demais recursos empresariaisProjetando a Localização e a Área de Trabalho A localização da empresa refere-se ao local específico escolhido para suas instalações (fábrica, oficina, loja ou escritório de serviços). Essa escolha depende de vários fatores que variam se a empresa for produtora de bens, prestadora de serviços, industrial ou comercial, etc. Capacidade Instalada X Capacidade de Produção Enquanto a capacidade instalada é definida pelo arsenal de instalações e equipamentos, a capacidade de produção representa a produção possível com a capacidade instalada, mais os recursos materiais (matérias-primas), os recursos humanos (pessoal e mão-de-obra) e os financeiros (disponibilidade de capital para financiar as operações da empresa)
  • 23. Visão Geral Sobre Armazenamento e Rotação de Estoques O almoxarifado é o setor que recebe, guarda, controla e distribui mercadorias (matérias-primas, componentes, materiais, ferramentas, equipamentos, materiais de escritório etc.) que a empresa comprou no mercado e que serão consumidos internamente, nas áreas produtivas (fábrica, oficinas, agências etc.), ou nas áreas administrativas (escritórios) Já o depósito é o setor encarregado de receber, guardar, controlar e distribuir os produtos acabados que a empresa produziu e que serão vendidos no mercado, aguardando sua comercialização A entrada é o ingresso de mercadoria no setor. O estoque é a quantidade de mercadoria armazenada e, a saída, é a mercadoria entregue ao usuário que deixa de ser estocada Tanto o almoxarifado como o depósito representam custos elevados de estocagem e, quando os fornecedores trabalham com qualidade assegurada, o almoxarifado pode ser dispensado. Isso traz uma enorme redução de custos para a produção. Nesse caso, os fornecedores entregam a matéria-prima diretamente no processo produtivo just-in-time (JIT), sem necessidade de estocagem prévia
  • 24. Os materiais entram na empresa, fluem, transitam por ela e saem pelo depósito, com destino aos clientes, como produtos acabados. A essa movimentação dá-se o nome de “fluxo de materiais” e, por causa disso, eles podem ser classificados em 5 tipos: Matérias-Primas: São os insumos e os materiais básicos que ingressam no processo de produção Materiais em Processamento: Também denominados materiais em vias, vão sendo processados ao longo das diversas seções que compõem o processo produtivo Materiais Semiacabados: São os materiais parcialmente acabados, cujo processo está em estágio intermediário de acabamento e ao longo das diversas seções Materiais Acabados: Denominados componentes, porque constituem peças isoladas ou componentes já acabados e prontos para serem anexados ao produto. São as partes prontas que, quando unidas, constituirão o produto acabado Produtos Acabados: São os produtos já prontos, cujo processamento foi completado
  • 25. PLANEJAMENTO DE ESTOQUE O 1º Abastecimento Deve Ser Feito Baseado nas Encomendas Mantenha Estoques Mínimos Que Garantam os Prazos de Entrega Faça Um Controle Diário do Que Sai e do Que Entra Manter Itens Desnecessários no Estoque Provoca Desperdícios
  • 26. CONTROLE DE ESTOQUES Denominada “Curva de Pareto”, a Classificação ABC se baseia no princípio de que a maior parte do investimento em estoque está concentrada em um pequeno número de itens. Essa classificação divide os estoques conforme seu valor monetários em 3 classes:Classe “A”: É constituída de poucos itens (de 15 % a 20 % do total de itens), os quais são responsáveis pela maior parte do valor monetário do estoque (aproximadamente 80 %) Classe “B”: É constituída de uma quantidade média de itens (de 35 a 40% do total) que representam aproximadamente 15% do valor total do estoque Classe “C”: É constituída de uma enorme quantidade de itens (de 40 a 50% do total), os quais representam um valor desprezível dos estoques (de 5 a 10%). Trata-se dos itens mais numerosos e menos importantes, uma vez que correspondem a poucos valores no estoque total A “Classificação ABC” é baseada no bom senso, na conveniência de um adequado controle de estoques e, na prática, classifica-se no máximo 20% dos itens na Classe “A”, cerca de 30% na Classe “B” e os restantes 50% na Classe “C
  • 27. Principais Fatores a Serem Considerados na Armazenagem: Semelhança: Todos os produtos devem ser armazenados considerando-se a sua similaridade (ou semelhança), o que nos é dado através de uma rigorosa classificação Popularidade: É a frequência de saída de um determinado produto; isto é, é o número de vezes que esse produto é solicitado e entregue. Não confundir com quantidade de saída Tamanho: Considerando-se o nível inconstante de determinados produtos em estoque, torna-se essencial considerar-se sua armazenagem em termos de cubagem (metros cúbicos) e não da área (metros quadrados) Características: A maioria dos itens pertencentes ao abastecimento comum não exige métodos especiais para seu armazenamento (ou sua manobra) Considerando-se as peculiaridades desses produtos, podemos classificá-los pelas suas qualidades de: (A) Periculosidade; (B) Segurança; (C) Pericibilidade
  • 28. MODALIDADES DE TRANSPORTES: Podemos dividir o transporte de carga em cinco (5) modalidades básicas: Transporte Rodoviário Transporte Ferroviário Transporte Hidroviário Transporte Aeroviário Transporte Dutoviário MODALIDADES DE FORNECIMENTO DE TRANSPORTE: CIF = É Quando a Mercadoria é Colocada Nas Instalações do Comprador SEM Nenhum Tipo de Custo. Ou Seja, as Despesas (Carregamento, Descarga, Frete e Seguro) Correm Por Conta do Fornecedor FOB = Nessa modalidade de fornecimento de transporte, o comprador arca com todas as despesas, tais como o carregamento, a descarga, o preço do frete, o seguro e outras
  • 29. SETOR DE COMPRAS O setor de compras tem importante função dentro da empresa; ou seja, supri-la de todos os itens necessários ao seu funcionamento no tempo certo, na quantidade necessária, na qualidade adequada e ao melhor preço possível O Processo de Compras Tem Sete Fases Principais: Pesquisa do mercado de fornecedores. É a antecessora do processo de compra do item requisitado, em que o encarregado do setor de compras pesquisa os possíveis fornecedores Recebimento da Ordem de Compra Cotação de preços e de condições de pagamento Escolha do Fornecedor Mais Adequado Pedido de Compra Acompanhamento do Pedido de Compra Recebimento do Material
  • 30. CONFORME SERGIO MOREIRA (SEBRAE) É PRECISO SABER: O Que Vender e Para Quem Vender Mapear o Perfil do Comprador e “Enxergar” a Clientela Controlar Custos, Montar uma Logística Eficiente e Um Marketing Apropriado
  • 31. GERENCIANDO O MARKETINGNão adianta nada saber fabricar um bom produto (ou prestar um bom serviço), pois é preciso colocá-lo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo O Marketing é o principal elo entre o empreendedor e o comprador. É por meio dele que o cliente recebe o produto e/ou o serviço no momento certo, com características e preços adequados Definição de Marketing Estar Atento às Tendências do Mercado a Fim de Produzir Rapidamente Aquilo Que os Consumidores Desejam Desmembrando essa definição temos o seguinte: “Estar Atento às Tendências de Mercado”: Significa estar de “antenas ligadas” nos desejos dos consumidores “Para produzir rapidamente aquilo que os consumidores desejam”: Significa fabricar os produtos (ou os serviços) que os clientes querem de maneira rápida, pois outras empresas (ou pessoas) podem ter tido a mesma ideia
  • 32. As “Ferramentas” do Marketing Ao serem solicitados a realizar seu trabalho, muitos profissionais (como os eletricistas, mecânicos, etc.) carregam consigo uma caixa de ferramentas, as quais são essenciais para que consigam fazer o seu trabalho MERCHANDISING Promoção de Vendas Propaganda Relações Públicas Venda Pessoal
  • 33. MARKETING No Brasil, o termo “Marketing” surgiu após 1950 nas primeiras Escolas de Administração. “É um Processo Gerencial Pelo Qual os Indivíduos Obtém Produtos ou Serviços Que Necessitam, Através da Criação da Oferta e da Troca de Valores por Produtos” (Kotler) O consumidor compra o produto (ou serviço) atribuindo valores às ofertas e, tais valores, decorrem de suas necessidades Portanto, o produto (ou serviço) que oferecer maior VALOR por unidade monetária, será o escolhido.
  • 34. O DINÂMICO PROCESSO DE VENDAS Conhecendo o cliente e suas características o empreendedor se prepara melhor para vender seus produtos e serviços O setor de vendas deve seguir um processo, o qual é composto de sete (7) fases: Pesquisa de Mercado de Consumidores PROPAGANDA VENDA (Pessoal, Impessoal e Virtual) PROMOÇÃO de VENDAS CANAIS de DISTRIBUIÇÃO MERCHANDISISNG PÓS-VENDA
  • 35. Previsão de Vendas de Produtos de Consumo As previsões de vendas são muito utilizadas em outras atividades empresariais, como no cálculo dos recursos financeiros ou no planejamento operacional de compras, de finanças e de recursos humanos Uma previsão de vendas deve ser desenvolvida com muito cuidado, devendo ser baseada em critérios bem definidos e de acordo com alguns parâmetros: 1) Produtos Existentes: Os Métodos Utilizados Poderão Ser (A) Qualitativo; (B) Tendências; (C) Correlação 2) Produtos Novos: Potencial de Mercado Teste de Mercado EVOLUÇÃO Comparação Com a Experiência Local e / ou Internacional ESTRUTURA de DISTRIBUIÇÃO
  • 36. PREVISÃO de VENDAS de SERVIÇOS No Brasil o consumo de serviços está diretamente relacionado a fatores sociais, econômicos, políticos e comportamentais. Fatores como a crescente urbanização, as eventuais perdas do poder aquisitivo e a estratificação social vêm apontando um novo perfil de consumidor de serviços Para elaborar uma previsão de venda de serviços é necessário considerar as influências que atuam sobre os consumidores de serviços, como: Influências Culturais Influências Sociais Influências Psicológicas É necessário considerar alguns métodos que poderão ser utilizados para uma previsão de vendas eficaz. Tais como: Opinião de Especialistas Sondagens de Mercado Opinião da Força de Vendas Análise de Séries Históricas
  • 37. ATENDIMENTO e FOCO no CLIENTE Todo negócio deve estar voltado para o cliente e, somente se manterá, se o cliente continuar comprando o produto (ou serviço), seja para sua satisfação pessoal ou suas necessidades básicas Para que o negócio possa ser bem- sucedido, é imprescindível que o cliente fique satisfeito com o serviço oferecido Então, os serviços devem ser continuamente ajustados às preferências dele (cliente). Isso é denominado de “orientação para o cliente” ou “mentalidade mercadológica” Então, em vez de olhar para dentro do próprio negócio, deve-se olhar para fora, tendo o foco no cliente Com as informações obtidas, o empreendedor terá condições de criar produtos/serviços e desenvolver um espírito de equipe entre seu pessoal a fim de atender bem ao seu cliente, sempre oferecendo um excelente serviço, o qual certamente será o diferencial da sua empresa diante das demais
  • 38. GERENCIANDO as FINANÇAS Para operar, as empresas necessitam de dinheiro e, o simples fato de um empreendimento precisar de um imóvel para se instalar, equipamentos para produzir, pessoas para trabalhar e matérias- primas para processar, demonstra a necessidade de dinheiro que permita alugar ou comprar o imóvel, adquirir as máquinas, pagar os salários e comprar as matérias-primas Nenhuma empresa pode funcionar sem um mínimo de capital inicial, muito menos funcionar sem algum capital de giro. Elas são organizações sociais que usam recursos para atingir objetivos O gerenciamento financeiro é a área da empresa que cuida dos recursos financeiros, preocupando-se com dois (2) aspectos importantes: a rentabilidade e a liquidez Tendo esses 2 objetivos em mente, o empreendedor pode tocar suas finanças. A rentabilidade será alcançada na medida que o negócio proporciona a maximização dos retornos dos investimentos feitos pelos proprietários Um dos principais desafios do gerenciamento financeiro é manter a rentabilidade e a liquidez da empresa em nível satisfatório, já que em nível máximo não é possível
  • 39. ADMINISTRE BEM AS CIFRAS Não “Carregue” Suas Dívidas Por Muito Tempo É Preciso Capital de Giro Para Administrar Períodos de Crise Quando a Situação For Confortável Não Gaste Além do Necessário Quando o Caixa Estiver “Azul” o Melhor é Reinvestir, Para Continuar Competitivo. Nunca Dê Um Passo Maior Que a Perna.
  • 40. Principais Atribuições do Gerenciamento Financeiro Obter Recursos Financeiros SABER UTILIZÁ-LOS Aplicar o Excedente O gerenciamento financeiro é cíclico e repetitivo. Precisa ser constantemente avaliado para que a rentabilidade e a liquidez sejam preservadas e, para tanto, utilizam-se essas ferramentas: Controle de Caixa Controle de Conta Corrente Conciliação Bancária Contas a Pagar Contas a Receber Fluxo de Caixa Controle dos Ativos Circulantes Arquivo de Documentos
  • 41. CAPITAL de GIRO A administração do Capital de Giro tem por objetivo administrar cada um dos Ativos e dos Passivos circulantes da empresa, para garantir um nível aceitável de Capital Circulante Líquido Os Ativos Circulantes mais importantes são caixa, títulos negociáveis, duplicatas a receber e estoques Os Passivos Circulantes mais importantes são duplicatas a pagar, títulos a pagar, salários a pagar e juros a pagar Esses Passivos Circulantes devem ser bem dosados para garantir que cada uma das fontes de financiamento de curto prazo seja utilizada adequadamente O planejamento e a operação das entradas e das saídas do caixa constituem a parte mais representativa da operação financeira da empresa e, dessa forma, o Capital de Giro funciona no curto prazo
  • 42. INFORMATIZE-SE JÁ Instale Programas de: Contabilidade. Folha de Pagamento. Contas a Pagar Compras, Vendas e Estoques. Mas Considere os Gastos Com Assistência e Manutenção.