SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
Baixar para ler offline
Fundamentos de Petrologia
Unidade 6
DEFINIÇÃO E CICLO
METAMÓRFICO DAS ROCHAS
Definição e Ciclo Metamórfico
Objetivos do Estudo do MetamorfismoObjetivos do Estudo do Metamorfismo
Principais Categorias do Metamorfismo
Definição e Ciclo MetamórficoDefinição e Ciclo Metamórfico
Definição eç
Ciclo Metamórfico
Rochas Metamórficas = são aquelas que sofreram mudanças desdeq q ç
a sua primeira formação, face a operação de processos físico-
químicos no interior da Terra.q
Essas mudanças envolvem em geral recristalização parcial ouEssas mudanças envolvem em geral recristalização parcial ou
completa, cristalização, variação textural (tamanho, forma e relações
entre os grãos) e variações de massa e volume face a atuação dag ) ç ç
Temperatura e da Pressão.
Definição eç
Ciclo Metamórfico
A intensidade destes parâmetros sobre as rochas metamórficas pode
tornar os protólitos (rochas originais – sedimentares, ígneas e
(mesmo) metamórficas) irreconhecíveis.
Os processos de recristalização no estado sólido ocorrem mais
rapidamente com o aumento da Temperatura e a presença de fluidos
nos poros que também influenciam nas transformações
mineralógicas.
Definição eç
Ciclo Metamórfico
METAMORFISMOMETAMORFISMO
f fMeta = Mudança morfos = forma
Conjunto de processo pelo qual uma rocha é transformada atravésConjunto de processo pelo qual uma rocha é transformada, através
de reações, que se processam no estado sólido, em outra rocha com
características distintas.
Mudança na textura e na assembléia mineral das rochas é devido ao
aumento de Temperatura e de Pressãoaumento de Temperatura e de Pressão.
Mudança na textura = recristalização
Definição eç
Ciclo Metamórfico
(Press et al. 2006)
Definição eç
Ciclo Metamórfico
Definição eç
Ciclo Metamórfico
Metamorfismo em Hollywood Aumento do Calor e
da Tensãoda Tensão
Karl Mueller
http://structure.colorado.edu/~structure/teaching_GEOL1010/coursenotes/Ch7_Metamorphism.ppt
Objetivos do EstudoObjetivos do Estudo
do Metamorfismodo Metamorfismo
Objetivos do Estudoj
do Metamorfismo
Por meio da caracterização textural e composicional das rochas
metamórficas obtemos informações sobre a história de aquecimento,
d f ã d i l ã d fl id ( lé d t )deformação e de circulação de fluidos (além de outros processos) no
metamorfismo de rochas ígneas, sedimentares (e mesmo
metamórficas).metamórficas).
Os geólogos que estudam as rochas metamórficas se apóiam em
métodos indiretos para reconstruir a história metamórfica delasmétodos indiretos para reconstruir a história metamórfica delas
(modo e processos de formação das rochas e minerais, história P-T-
percurso) baseada na:p )
i) interpretação das relações de campo, ii) minerais, iii) texturas e iv)
observações de laboratórios para instabilidade dos mineraisobservações de laboratórios para instabilidade dos minerais
metamórficos índices.
Objetivos do Estudoj
do Metamorfismo
As rochas metamórficas além do interesse científico também despertam
o interesse econômico. Muitos depósitos de metais exploráveis são
formados por processos metamórficos (Au em veios – Mina Sãoformados por processos metamórficos (Au em veios – Mina São
Francisco e Skarn com W e Au – Mina Brejuí (ambas em Currais Novos)
Objetivos do Estudoj
do Metamorfismo
Principais CategoriasPrincipais Categorias
do Metamorfismodo Metamorfismo
Principais Categoriasp g
do Metamorfismo
As rochas metamórficas são agrupadas em 2 grandes grupos:
AA –– Metamorfismo Regional ou OrogênicoMetamorfismo Regional ou Orogênico
- Metamorfismo Regional – Dinamotermal
BB –– Metamorfismo LocalMetamorfismo Local
- Metamorfismo de Contato
Metamorfismo de Cataclástico
g
- Metamorfismo de Assoalho Oceânico
- Metamorfismo de Carga ou Soterramento
- Metamorfismo de Cataclástico
- Metamorfismo de Impacto
- Metamorfismo HidrotermalMetamorfismo Hidrotermal
A primeira (A) inclui rochas/afloramentos ocupando grandes regiõesA primeira (A) inclui rochas/afloramentos ocupando grandes regiões
de importantes variedades litológicas. A segunda (B) inclui
rochas/afloramentos ocupando área restrita, mostrando tiposp , p
litológicos particulares.
Principais Categorias
Metamorfismo Regional (ou Dinamotermal)
p g
do Metamorfismo
É o mais comum, sendo caracterizado nos cinturões orogênicos (no
limite de placas convergentes) pela deformação penetrativa
acompanhada da recristalização e cristalização de minerais.
O t iõ l í i f d d tOcorre em extensas regiões e alcança níveis profundos da crosta
(com condições de pressão e temperatura variadas).
Responsável pela
formação de grande
maioria das rochas da
crosta terrestre.
(Teixeira et al. 2000)
Principais Categorias
Metamorfismo Regional (ou Dinamotermal)
p g
do Metamorfismo
Os protólitos são
fortementefortemente
deformados e as
rochas
resultantes
(ardósias, filitos,
xistos gnaissesxistos, gnaisses,
granulitos,
migmatitos) sãog )
geralmente
foliadas.
Principais Categorias
É
Metamorfismo de Assoalho Oceânico
p g
do Metamorfismo
É caracterizado por transformações das crosta oceânica nas
adjacências das cadeias meso-oceânicas (Myashiro et al. 1971). As
rochas cobrem grande área dessa crosta que se move lateralmenterochas cobrem grande área dessa crosta que se move lateralmente
face à expansão do assoalho oceânico.
Assim dá origem a basalto alterado cuja composição química difereAssim, dá origem a basalto alterado, cuja composição química difere
do basalto original.
A água do mar, percolando
pelos basaltos fraturados e
quentes é aquecida Oquentes, é aquecida. O
aumento da temperatura
provoca reações químicas
(Teixeira et al. 2000)
ç
entre ela e a rocha.
Principais Categorias
Metamorfismo de Assoalho Oceânico
p g
do Metamorfismo
Esse processo produz importantes interações de rochas – água do
mar, assemelhando-se ao metamorfismo hidrotermal.
Cadeias meso-oceânicas
Geossistema magmático dos centros de expansão do assoalho oceânicog p
Basalto
Principais Categorias
Metamorfismo de Carga ou Soterramento
p g
do Metamorfismo
Foi apresentado por Coombs (1961) e representa o metamorfismo
regional em baixa temperatura afetando sedimentos e vulcânicas
i t l d i fl ê i ê iintercaladas sem influência orogênica.
Dependendo do gradiente geotérmico este ocorre em profundidades
d 6 10 k t t t 100 200oC õde 6 a 10 km, com temperaturas entre 100 e 200oC e pressões
menores que 3 kbar.
A i f i õ i i iAqui as feições originais
são preservadas e as
transformações mineraistransformações minerais
incompletas. Foliação
horizontal está paralela a
(Teixeira et al. 2000)
estratificação da rocha.
Principais Categorias
Diferentes Tipos de Metamorfismo
p g
do Metamorfismo
(Press et al. 2006)
Principais Categorias
Metamorfismo de Contato
p g
do Metamorfismo
Este tipo ocorre devido ao aquecimento das rochas por corpos
magmáticos intrusivos provocando auréolas metamórficas de ordem
centimétrica até vários quilômetroscentimétrica até vários quilômetros.
O desenvolvimento da auréola depende: volume, natureza e
profundidade da intrusão e contraste térmico entre o corpo ígneo e as
(Teixeira et al. 2000)
profundidade da intrusão e contraste térmico entre o corpo ígneo e as
encaixantes.
A natureza de umA natureza de um
corpo ígneo determina
a temperatura do seu
magma e em
consequência o maior
ou menor poder deou menor poder de
distribuição do calor.
Principais Categorias
Metamorfismo de Contato
p g
do Metamorfismo
Em geral a evolução de uma auréola está confinada em profundidade
inferiores a 12 km da crosta. Nos níveis mais profundos as
encaixantes possuem temperaturas próximas aos corpos ígneosencaixantes possuem temperaturas próximas aos corpos ígneos.
As rochas metamórficas possuem granulação fina e sem xistosidade,
t i h f l ( bi it ) P é h f li d titais como os hornfels (ou cornubianito). Porém rochas foliadas tipo
ardósia e xisto podem estar presentes.
Hornfels
Na influência de mais altas
temperaturas o termo usado é
Hornfels
pirometamorfismo. Considerado
limite entre metamorfismo e os
processo magmáticosprocesso magmáticos.
Principais Categorias
Metamorfismo de Contato
p g
do Metamorfismo
Principais Categorias
Metamorfismo de Contato
p g
do Metamorfismo
Mapa da auréola metamórfica em torno do Batólito Granítico de Acari mostrando as zonas metamórficas (Souza et al. 2007).
Principais Categorias
Metamorfismo Cataclástico (ou dinâmico)
p g
do Metamorfismo
Está confinado ao longo de zonas de alta concentração de
deformação, definindo falhas e zonas de cisalhamento de natureza
frágil e/ou dúctil As temperaturas são variáveis com caráter frágil-dúctilfrágil e/ou dúctil. As temperaturas são variáveis com caráter frágil-dúctil
definido pela temperatura.
Em condições de baixa temperatura o metamorfismo favorece aEm condições de baixa temperatura o metamorfismo favorece a
formação de rochas não foliadas do tipo brecha de falhas, cataclasitos
e pseudotaquilitos.
(Teixeira et al. 2000)
Principais Categorias
Metamorfismo Cataclástico (ou dinâmico)
p g
do Metamorfismo
a) Zona de falha rasa com brecha de falhas. b)
Zona de falha profunda (exposta por erosão)Zona de falha profunda (exposta por erosão)
com fluxo dúctil e milonitos (Winter, 2001).
Principais Categorias
Metamorfismo Cataclástico (ou dinâmico)
p g
do Metamorfismo
Com altas temperaturas a deformação é plástica e formam rochas
foliadas gerando os milonitos, nos quais a recristalização e
neoblastese podem ocorrer sem quebra dos minerais (caso anterior)
Em muitos casos, a deformação é acompanhada por percolação de
fluidos gerando novos minerais hidratados
neoblastese podem ocorrer sem quebra dos minerais (caso anterior).
fluidos, gerando novos minerais hidratados.
Milonito em zona de
cisalhamento
(Press et al. 2006)(Press et al. 2006)
Brecha de falha
(Press et al. 2006)
Principais Categorias
É
Metamorfismo de Impacto
p g
do Metamorfismo
É provocado por ondas de choque que resultam do impacto em alta
velocidade de um corpo de meteorito. Estes são fragmentos de
cometas ou asteróides que foram atraídos pelo campo gravitacionalcometas ou asteróides que foram atraídos pelo campo gravitacional
da Terra.
Durante o impacto a energiaDurante o impacto a energia
representada pela massa e pela
velocidade dos meteoritos se
transforma em calor e ondas de
choque.
A rocha encaixante pode ser
fragmentada e até mesmo
parcialmente fundida gerando osparcialmente fundida, gerando os
tectitos (matérias vítreos). (Teixeira et al. 2000)
Principais Categorias
Metamorfismo de Impacto
p g
do Metamorfismo
A temperatura pode chegar a 5000oC com pressão de até 1000 kbar,
reequilibrando os minerais. Em alguns casos o quartzo é
transformado em coesita e stishovita (formas de alta P).
Cratera de Colônia (SP)
(www.unb.br/ig/sigep)
Meteorito Itapuranga (GO) com
628 kg. Instituto de Geociências da USP
Principais Categorias
Metamorfismo de Impacto
p g
do Metamorfismo
http://www.mans.edu.eg/FacSciM/english/courses/geology/Dr_Mahrous/Abu%20El-
Enen%20Metamorphic%20Petrology%20Course/Metamorphic%20petrology%20-%20Lectute%20III.ppt
Principais Categorias
É
Metamorfismo Hidrotermal
p g
do Metamorfismo
É provocado pela atividade de soluções ou gases quentes ao longo
de fraturas e zonas de cisalhamento. As atividades de fluidos quentes
são particularmente relevantes no estudo da gênese de minériossão particularmente relevantes no estudo da gênese de minérios.
É um processo metassomático que se desenvolve através das trocas
iônicas entre a água quente circulante e as paredes das fraturas.
(Teixeira et al. 2000)
Neste processo os minerais
perdem a estabilidade e
i t lirecristalizam-se em novas
assembléias mineralógicas sob
temperaturas entre 100o a 370oC.temperaturas entre 100 a 370 C.
Principais Categorias
Metamorfismo Hidrotermal
p g
do Metamorfismo
Ocorre principalmente em bordas de intrusões ígneas (por ex. Granito
de Acari, RN), em áreas de vulcanismo basáltico submarino e em
t icampos geotermais.
rochas calcissilicáticas
Mapa da auréola metamórfica em torno do Batólito Granítico de Acari mostrando as zonas metamórficas (Souza et al. 2007).
Principais Categorias
Diferentes Tipos de Metamorfismo
p g
do Metamorfismo
(Press et al. 2006)
Principais Categorias
Exemplos de diferentes Tipos de Metamorfismo
p g
do Metamorfismo
(Press et al. 2006)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula rochas ígneas 2012.2 gg
Aula rochas ígneas 2012.2 ggAula rochas ígneas 2012.2 gg
Aula rochas ígneas 2012.2 ggMauriceia Santana
 
Os minerais e as suas características
Os minerais e as suas característicasOs minerais e as suas características
Os minerais e as suas característicasCatir
 
3 a formaçãorochassedimentares
3 a  formaçãorochassedimentares3 a  formaçãorochassedimentares
3 a formaçãorochassedimentaresmargaridabt
 
Rochas_magmáticas.pptx
Rochas_magmáticas.pptxRochas_magmáticas.pptx
Rochas_magmáticas.pptxNoanze1
 
Classificação Geoquímica de Rochas Igneas
Classificação Geoquímica de Rochas IgneasClassificação Geoquímica de Rochas Igneas
Classificação Geoquímica de Rochas IgneasAstrid Siachoque
 
5 rochas magmáticas
5  rochas magmáticas5  rochas magmáticas
5 rochas magmáticasmargaridabt
 
1ºRochas MagmáTicas
1ºRochas MagmáTicas1ºRochas MagmáTicas
1ºRochas MagmáTicasArminda Malho
 
CaracteríSticas Das Rochas MagmáTicas
CaracteríSticas Das Rochas MagmáTicasCaracteríSticas Das Rochas MagmáTicas
CaracteríSticas Das Rochas MagmáTicasArminda Malho
 
Geologia estrutural lineações em rocha
Geologia estrutural   lineações em rochaGeologia estrutural   lineações em rocha
Geologia estrutural lineações em rochamarciotecsoma
 
Geologia estrutural foliações em rochas
Geologia estrutural   foliações em rochasGeologia estrutural   foliações em rochas
Geologia estrutural foliações em rochasmarciotecsoma
 

Mais procurados (20)

Aula rochas ígneas 2012.2 gg
Aula rochas ígneas 2012.2 ggAula rochas ígneas 2012.2 gg
Aula rochas ígneas 2012.2 gg
 
Aula minerais
Aula mineraisAula minerais
Aula minerais
 
Os minerais e as suas características
Os minerais e as suas característicasOs minerais e as suas características
Os minerais e as suas características
 
Texturas magmaticas
Texturas magmaticasTexturas magmaticas
Texturas magmaticas
 
Rochas metamórficas viii
Rochas metamórficas  viiiRochas metamórficas  viii
Rochas metamórficas viii
 
Rochas metamorficas
Rochas metamorficasRochas metamorficas
Rochas metamorficas
 
3 a formaçãorochassedimentares
3 a  formaçãorochassedimentares3 a  formaçãorochassedimentares
3 a formaçãorochassedimentares
 
Rochas_magmáticas.pptx
Rochas_magmáticas.pptxRochas_magmáticas.pptx
Rochas_magmáticas.pptx
 
Classificação Geoquímica de Rochas Igneas
Classificação Geoquímica de Rochas IgneasClassificação Geoquímica de Rochas Igneas
Classificação Geoquímica de Rochas Igneas
 
Aula 4 petrologia
Aula 4   petrologiaAula 4   petrologia
Aula 4 petrologia
 
Rochas Metamórficas
Rochas MetamórficasRochas Metamórficas
Rochas Metamórficas
 
5 rochas magmáticas
5  rochas magmáticas5  rochas magmáticas
5 rochas magmáticas
 
2 as rochas
2   as rochas2   as rochas
2 as rochas
 
XI - ROCHAS METAMÓRFICAS
XI - ROCHAS METAMÓRFICASXI - ROCHAS METAMÓRFICAS
XI - ROCHAS METAMÓRFICAS
 
1ºRochas MagmáTicas
1ºRochas MagmáTicas1ºRochas MagmáTicas
1ºRochas MagmáTicas
 
CaracteríSticas Das Rochas MagmáTicas
CaracteríSticas Das Rochas MagmáTicasCaracteríSticas Das Rochas MagmáTicas
CaracteríSticas Das Rochas MagmáTicas
 
Geologia estrutural lineações em rocha
Geologia estrutural   lineações em rochaGeologia estrutural   lineações em rocha
Geologia estrutural lineações em rocha
 
Apresentação mineralogia
Apresentação mineralogiaApresentação mineralogia
Apresentação mineralogia
 
Geologia estrutural foliações em rochas
Geologia estrutural   foliações em rochasGeologia estrutural   foliações em rochas
Geologia estrutural foliações em rochas
 
Textura Inequigranular
Textura InequigranularTextura Inequigranular
Textura Inequigranular
 

Destaque

Semana 8 rocas_metamorfica
Semana 8 rocas_metamorficaSemana 8 rocas_metamorfica
Semana 8 rocas_metamorficacristianscout79
 
Rocas metamorficas
Rocas metamorficasRocas metamorficas
Rocas metamorficastigreaxul
 
O ciclo das rochas
O ciclo das rochasO ciclo das rochas
O ciclo das rochasCatir
 
IDCC 2257 Annexe 2 avenant n°21 du 1er janvier 2016
IDCC 2257 Annexe 2 avenant n°21 du 1er janvier 2016IDCC 2257 Annexe 2 avenant n°21 du 1er janvier 2016
IDCC 2257 Annexe 2 avenant n°21 du 1er janvier 2016Société Tripalio
 
Geo 10 ciclo das rocha
Geo 10   ciclo das rochaGeo 10   ciclo das rocha
Geo 10 ciclo das rochaNuno Correia
 
Geologia 10 as rochas, arquivos que relatam a história da terra (aula prática)
Geologia 10   as rochas, arquivos que relatam a história da terra (aula prática)Geologia 10   as rochas, arquivos que relatam a história da terra (aula prática)
Geologia 10 as rochas, arquivos que relatam a história da terra (aula prática)Nuno Correia
 
6 dobras e falhas
6   dobras e falhas6   dobras e falhas
6 dobras e falhasmargaridabt
 

Destaque (11)

Falhas e dobras
Falhas e dobrasFalhas e dobras
Falhas e dobras
 
Semana 8 rocas_metamorfica
Semana 8 rocas_metamorficaSemana 8 rocas_metamorfica
Semana 8 rocas_metamorfica
 
Rocas metamorficas
Rocas metamorficasRocas metamorficas
Rocas metamorficas
 
O ciclo das rochas
O ciclo das rochasO ciclo das rochas
O ciclo das rochas
 
IDCC 2257 Annexe 2 avenant n°21 du 1er janvier 2016
IDCC 2257 Annexe 2 avenant n°21 du 1er janvier 2016IDCC 2257 Annexe 2 avenant n°21 du 1er janvier 2016
IDCC 2257 Annexe 2 avenant n°21 du 1er janvier 2016
 
Geo 10 ciclo das rocha
Geo 10   ciclo das rochaGeo 10   ciclo das rocha
Geo 10 ciclo das rocha
 
Geologia 10 as rochas, arquivos que relatam a história da terra (aula prática)
Geologia 10   as rochas, arquivos que relatam a história da terra (aula prática)Geologia 10   as rochas, arquivos que relatam a história da terra (aula prática)
Geologia 10 as rochas, arquivos que relatam a história da terra (aula prática)
 
6 dobras e falhas
6   dobras e falhas6   dobras e falhas
6 dobras e falhas
 
Carta de porte_ppt
Carta de porte_pptCarta de porte_ppt
Carta de porte_ppt
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
 
Metamorfismo
MetamorfismoMetamorfismo
Metamorfismo
 

Semelhante a Metamorfismo

Rochas MetamóRficas
Rochas MetamóRficasRochas MetamóRficas
Rochas MetamóRficasArminda Malho
 
Rochas Metamorficas. GG.pptx
Rochas Metamorficas. GG.pptxRochas Metamorficas. GG.pptx
Rochas Metamorficas. GG.pptxJernimoLoureno1
 
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)UFRJ
 
Rochas metamorficas 9
Rochas metamorficas 9Rochas metamorficas 9
Rochas metamorficas 9YagoVerling
 
Introducão à mineralogia e a petrografia
Introducão à mineralogia e a petrografiaIntroducão à mineralogia e a petrografia
Introducão à mineralogia e a petrografiaWendell Fabrício
 
Rochasmetamorficas
RochasmetamorficasRochasmetamorficas
RochasmetamorficasPelo Siro
 
O principio da alteração das rochas
O principio da alteração das rochasO principio da alteração das rochas
O principio da alteração das rochasCidinhoveronese
 
Processos físico químicos do metamorfismo
Processos físico químicos do metamorfismoProcessos físico químicos do metamorfismo
Processos físico químicos do metamorfismoMarcio Santos
 
Introducão à mineralogia e a petrografia
Introducão à mineralogia e a petrografiaIntroducão à mineralogia e a petrografia
Introducão à mineralogia e a petrografiaWendell Fabrício
 
PETROGRAFIA DE ROCHAS METAMÓRFICA_VF.pptx
PETROGRAFIA DE ROCHAS METAMÓRFICA_VF.pptxPETROGRAFIA DE ROCHAS METAMÓRFICA_VF.pptx
PETROGRAFIA DE ROCHAS METAMÓRFICA_VF.pptxJernimoLoureno1
 
Rochas metamórficas e ciclo r.
Rochas metamórficas e ciclo r.Rochas metamórficas e ciclo r.
Rochas metamórficas e ciclo r.7f14_15
 

Semelhante a Metamorfismo (20)

Rochas metamorficas
Rochas metamorficasRochas metamorficas
Rochas metamorficas
 
Rochas metamorficas
Rochas metamorficasRochas metamorficas
Rochas metamorficas
 
Rochas MetamóRficas
Rochas MetamóRficasRochas MetamóRficas
Rochas MetamóRficas
 
Rochas MetamóRficas
Rochas MetamóRficasRochas MetamóRficas
Rochas MetamóRficas
 
FT metamórficas
FT metamórficasFT metamórficas
FT metamórficas
 
Rochas metamórficas
Rochas metamórficasRochas metamórficas
Rochas metamórficas
 
Rochas Metamorficas. GG.pptx
Rochas Metamorficas. GG.pptxRochas Metamorficas. GG.pptx
Rochas Metamorficas. GG.pptx
 
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
Metamorfimo e rochas metamorficas (1)
 
Rochas metamorficas 9
Rochas metamorficas 9Rochas metamorficas 9
Rochas metamorficas 9
 
Introducão à mineralogia e a petrografia
Introducão à mineralogia e a petrografiaIntroducão à mineralogia e a petrografia
Introducão à mineralogia e a petrografia
 
Rochasmetamorficas
RochasmetamorficasRochasmetamorficas
Rochasmetamorficas
 
Metamorfismo 2018
Metamorfismo 2018Metamorfismo 2018
Metamorfismo 2018
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 
O principio da alteração das rochas
O principio da alteração das rochasO principio da alteração das rochas
O principio da alteração das rochas
 
Rochas e sua importância
Rochas e sua importânciaRochas e sua importância
Rochas e sua importância
 
Processos físico químicos do metamorfismo
Processos físico químicos do metamorfismoProcessos físico químicos do metamorfismo
Processos físico químicos do metamorfismo
 
Introducão à mineralogia e a petrografia
Introducão à mineralogia e a petrografiaIntroducão à mineralogia e a petrografia
Introducão à mineralogia e a petrografia
 
PETROGRAFIA DE ROCHAS METAMÓRFICA_VF.pptx
PETROGRAFIA DE ROCHAS METAMÓRFICA_VF.pptxPETROGRAFIA DE ROCHAS METAMÓRFICA_VF.pptx
PETROGRAFIA DE ROCHAS METAMÓRFICA_VF.pptx
 
Rochas metamórficas e ciclo r.
Rochas metamórficas e ciclo r.Rochas metamórficas e ciclo r.
Rochas metamórficas e ciclo r.
 
Petrologia1.....
Petrologia1.....Petrologia1.....
Petrologia1.....
 

Último

análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfMaiteFerreira4
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptxLuana240603
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfandreaLisboa7
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxsfwsoficial
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 

Último (20)

análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 

Metamorfismo

  • 1. Fundamentos de Petrologia Unidade 6 DEFINIÇÃO E CICLO METAMÓRFICO DAS ROCHAS Definição e Ciclo Metamórfico Objetivos do Estudo do MetamorfismoObjetivos do Estudo do Metamorfismo Principais Categorias do Metamorfismo
  • 2. Definição e Ciclo MetamórficoDefinição e Ciclo Metamórfico
  • 3. Definição eç Ciclo Metamórfico Rochas Metamórficas = são aquelas que sofreram mudanças desdeq q ç a sua primeira formação, face a operação de processos físico- químicos no interior da Terra.q Essas mudanças envolvem em geral recristalização parcial ouEssas mudanças envolvem em geral recristalização parcial ou completa, cristalização, variação textural (tamanho, forma e relações entre os grãos) e variações de massa e volume face a atuação dag ) ç ç Temperatura e da Pressão.
  • 4. Definição eç Ciclo Metamórfico A intensidade destes parâmetros sobre as rochas metamórficas pode tornar os protólitos (rochas originais – sedimentares, ígneas e (mesmo) metamórficas) irreconhecíveis. Os processos de recristalização no estado sólido ocorrem mais rapidamente com o aumento da Temperatura e a presença de fluidos nos poros que também influenciam nas transformações mineralógicas.
  • 5. Definição eç Ciclo Metamórfico METAMORFISMOMETAMORFISMO f fMeta = Mudança morfos = forma Conjunto de processo pelo qual uma rocha é transformada atravésConjunto de processo pelo qual uma rocha é transformada, através de reações, que se processam no estado sólido, em outra rocha com características distintas. Mudança na textura e na assembléia mineral das rochas é devido ao aumento de Temperatura e de Pressãoaumento de Temperatura e de Pressão. Mudança na textura = recristalização
  • 8. Definição eç Ciclo Metamórfico Metamorfismo em Hollywood Aumento do Calor e da Tensãoda Tensão Karl Mueller http://structure.colorado.edu/~structure/teaching_GEOL1010/coursenotes/Ch7_Metamorphism.ppt
  • 9. Objetivos do EstudoObjetivos do Estudo do Metamorfismodo Metamorfismo
  • 10. Objetivos do Estudoj do Metamorfismo Por meio da caracterização textural e composicional das rochas metamórficas obtemos informações sobre a história de aquecimento, d f ã d i l ã d fl id ( lé d t )deformação e de circulação de fluidos (além de outros processos) no metamorfismo de rochas ígneas, sedimentares (e mesmo metamórficas).metamórficas). Os geólogos que estudam as rochas metamórficas se apóiam em métodos indiretos para reconstruir a história metamórfica delasmétodos indiretos para reconstruir a história metamórfica delas (modo e processos de formação das rochas e minerais, história P-T- percurso) baseada na:p ) i) interpretação das relações de campo, ii) minerais, iii) texturas e iv) observações de laboratórios para instabilidade dos mineraisobservações de laboratórios para instabilidade dos minerais metamórficos índices.
  • 11. Objetivos do Estudoj do Metamorfismo As rochas metamórficas além do interesse científico também despertam o interesse econômico. Muitos depósitos de metais exploráveis são formados por processos metamórficos (Au em veios – Mina Sãoformados por processos metamórficos (Au em veios – Mina São Francisco e Skarn com W e Au – Mina Brejuí (ambas em Currais Novos)
  • 12. Objetivos do Estudoj do Metamorfismo
  • 13. Principais CategoriasPrincipais Categorias do Metamorfismodo Metamorfismo
  • 14. Principais Categoriasp g do Metamorfismo As rochas metamórficas são agrupadas em 2 grandes grupos: AA –– Metamorfismo Regional ou OrogênicoMetamorfismo Regional ou Orogênico - Metamorfismo Regional – Dinamotermal BB –– Metamorfismo LocalMetamorfismo Local - Metamorfismo de Contato Metamorfismo de Cataclástico g - Metamorfismo de Assoalho Oceânico - Metamorfismo de Carga ou Soterramento - Metamorfismo de Cataclástico - Metamorfismo de Impacto - Metamorfismo HidrotermalMetamorfismo Hidrotermal A primeira (A) inclui rochas/afloramentos ocupando grandes regiõesA primeira (A) inclui rochas/afloramentos ocupando grandes regiões de importantes variedades litológicas. A segunda (B) inclui rochas/afloramentos ocupando área restrita, mostrando tiposp , p litológicos particulares.
  • 15. Principais Categorias Metamorfismo Regional (ou Dinamotermal) p g do Metamorfismo É o mais comum, sendo caracterizado nos cinturões orogênicos (no limite de placas convergentes) pela deformação penetrativa acompanhada da recristalização e cristalização de minerais. O t iõ l í i f d d tOcorre em extensas regiões e alcança níveis profundos da crosta (com condições de pressão e temperatura variadas). Responsável pela formação de grande maioria das rochas da crosta terrestre. (Teixeira et al. 2000)
  • 16. Principais Categorias Metamorfismo Regional (ou Dinamotermal) p g do Metamorfismo Os protólitos são fortementefortemente deformados e as rochas resultantes (ardósias, filitos, xistos gnaissesxistos, gnaisses, granulitos, migmatitos) sãog ) geralmente foliadas.
  • 17. Principais Categorias É Metamorfismo de Assoalho Oceânico p g do Metamorfismo É caracterizado por transformações das crosta oceânica nas adjacências das cadeias meso-oceânicas (Myashiro et al. 1971). As rochas cobrem grande área dessa crosta que se move lateralmenterochas cobrem grande área dessa crosta que se move lateralmente face à expansão do assoalho oceânico. Assim dá origem a basalto alterado cuja composição química difereAssim, dá origem a basalto alterado, cuja composição química difere do basalto original. A água do mar, percolando pelos basaltos fraturados e quentes é aquecida Oquentes, é aquecida. O aumento da temperatura provoca reações químicas (Teixeira et al. 2000) ç entre ela e a rocha.
  • 18. Principais Categorias Metamorfismo de Assoalho Oceânico p g do Metamorfismo Esse processo produz importantes interações de rochas – água do mar, assemelhando-se ao metamorfismo hidrotermal. Cadeias meso-oceânicas Geossistema magmático dos centros de expansão do assoalho oceânicog p Basalto
  • 19. Principais Categorias Metamorfismo de Carga ou Soterramento p g do Metamorfismo Foi apresentado por Coombs (1961) e representa o metamorfismo regional em baixa temperatura afetando sedimentos e vulcânicas i t l d i fl ê i ê iintercaladas sem influência orogênica. Dependendo do gradiente geotérmico este ocorre em profundidades d 6 10 k t t t 100 200oC õde 6 a 10 km, com temperaturas entre 100 e 200oC e pressões menores que 3 kbar. A i f i õ i i iAqui as feições originais são preservadas e as transformações mineraistransformações minerais incompletas. Foliação horizontal está paralela a (Teixeira et al. 2000) estratificação da rocha.
  • 20. Principais Categorias Diferentes Tipos de Metamorfismo p g do Metamorfismo (Press et al. 2006)
  • 21. Principais Categorias Metamorfismo de Contato p g do Metamorfismo Este tipo ocorre devido ao aquecimento das rochas por corpos magmáticos intrusivos provocando auréolas metamórficas de ordem centimétrica até vários quilômetroscentimétrica até vários quilômetros. O desenvolvimento da auréola depende: volume, natureza e profundidade da intrusão e contraste térmico entre o corpo ígneo e as (Teixeira et al. 2000) profundidade da intrusão e contraste térmico entre o corpo ígneo e as encaixantes. A natureza de umA natureza de um corpo ígneo determina a temperatura do seu magma e em consequência o maior ou menor poder deou menor poder de distribuição do calor.
  • 22. Principais Categorias Metamorfismo de Contato p g do Metamorfismo Em geral a evolução de uma auréola está confinada em profundidade inferiores a 12 km da crosta. Nos níveis mais profundos as encaixantes possuem temperaturas próximas aos corpos ígneosencaixantes possuem temperaturas próximas aos corpos ígneos. As rochas metamórficas possuem granulação fina e sem xistosidade, t i h f l ( bi it ) P é h f li d titais como os hornfels (ou cornubianito). Porém rochas foliadas tipo ardósia e xisto podem estar presentes. Hornfels Na influência de mais altas temperaturas o termo usado é Hornfels pirometamorfismo. Considerado limite entre metamorfismo e os processo magmáticosprocesso magmáticos.
  • 23. Principais Categorias Metamorfismo de Contato p g do Metamorfismo
  • 24. Principais Categorias Metamorfismo de Contato p g do Metamorfismo Mapa da auréola metamórfica em torno do Batólito Granítico de Acari mostrando as zonas metamórficas (Souza et al. 2007).
  • 25. Principais Categorias Metamorfismo Cataclástico (ou dinâmico) p g do Metamorfismo Está confinado ao longo de zonas de alta concentração de deformação, definindo falhas e zonas de cisalhamento de natureza frágil e/ou dúctil As temperaturas são variáveis com caráter frágil-dúctilfrágil e/ou dúctil. As temperaturas são variáveis com caráter frágil-dúctil definido pela temperatura. Em condições de baixa temperatura o metamorfismo favorece aEm condições de baixa temperatura o metamorfismo favorece a formação de rochas não foliadas do tipo brecha de falhas, cataclasitos e pseudotaquilitos. (Teixeira et al. 2000)
  • 26. Principais Categorias Metamorfismo Cataclástico (ou dinâmico) p g do Metamorfismo a) Zona de falha rasa com brecha de falhas. b) Zona de falha profunda (exposta por erosão)Zona de falha profunda (exposta por erosão) com fluxo dúctil e milonitos (Winter, 2001).
  • 27. Principais Categorias Metamorfismo Cataclástico (ou dinâmico) p g do Metamorfismo Com altas temperaturas a deformação é plástica e formam rochas foliadas gerando os milonitos, nos quais a recristalização e neoblastese podem ocorrer sem quebra dos minerais (caso anterior) Em muitos casos, a deformação é acompanhada por percolação de fluidos gerando novos minerais hidratados neoblastese podem ocorrer sem quebra dos minerais (caso anterior). fluidos, gerando novos minerais hidratados. Milonito em zona de cisalhamento (Press et al. 2006)(Press et al. 2006) Brecha de falha (Press et al. 2006)
  • 28. Principais Categorias É Metamorfismo de Impacto p g do Metamorfismo É provocado por ondas de choque que resultam do impacto em alta velocidade de um corpo de meteorito. Estes são fragmentos de cometas ou asteróides que foram atraídos pelo campo gravitacionalcometas ou asteróides que foram atraídos pelo campo gravitacional da Terra. Durante o impacto a energiaDurante o impacto a energia representada pela massa e pela velocidade dos meteoritos se transforma em calor e ondas de choque. A rocha encaixante pode ser fragmentada e até mesmo parcialmente fundida gerando osparcialmente fundida, gerando os tectitos (matérias vítreos). (Teixeira et al. 2000)
  • 29. Principais Categorias Metamorfismo de Impacto p g do Metamorfismo A temperatura pode chegar a 5000oC com pressão de até 1000 kbar, reequilibrando os minerais. Em alguns casos o quartzo é transformado em coesita e stishovita (formas de alta P). Cratera de Colônia (SP) (www.unb.br/ig/sigep) Meteorito Itapuranga (GO) com 628 kg. Instituto de Geociências da USP
  • 30. Principais Categorias Metamorfismo de Impacto p g do Metamorfismo http://www.mans.edu.eg/FacSciM/english/courses/geology/Dr_Mahrous/Abu%20El- Enen%20Metamorphic%20Petrology%20Course/Metamorphic%20petrology%20-%20Lectute%20III.ppt
  • 31. Principais Categorias É Metamorfismo Hidrotermal p g do Metamorfismo É provocado pela atividade de soluções ou gases quentes ao longo de fraturas e zonas de cisalhamento. As atividades de fluidos quentes são particularmente relevantes no estudo da gênese de minériossão particularmente relevantes no estudo da gênese de minérios. É um processo metassomático que se desenvolve através das trocas iônicas entre a água quente circulante e as paredes das fraturas. (Teixeira et al. 2000) Neste processo os minerais perdem a estabilidade e i t lirecristalizam-se em novas assembléias mineralógicas sob temperaturas entre 100o a 370oC.temperaturas entre 100 a 370 C.
  • 32. Principais Categorias Metamorfismo Hidrotermal p g do Metamorfismo Ocorre principalmente em bordas de intrusões ígneas (por ex. Granito de Acari, RN), em áreas de vulcanismo basáltico submarino e em t icampos geotermais. rochas calcissilicáticas Mapa da auréola metamórfica em torno do Batólito Granítico de Acari mostrando as zonas metamórficas (Souza et al. 2007).
  • 33. Principais Categorias Diferentes Tipos de Metamorfismo p g do Metamorfismo (Press et al. 2006)
  • 34. Principais Categorias Exemplos de diferentes Tipos de Metamorfismo p g do Metamorfismo (Press et al. 2006)