SlideShare uma empresa Scribd logo
Budismo Escola EB 2,3 da Maia Prof. Tony Moreira Francisco Fernandes nº8 Henrique Domingos nº9 João Pinto nº12 Pedro Corrêa nº17 Março de 2011
Índice Introdução Budismo Características A Fundação A Expansão Buda Quem era? As Visões A Descoberta do “Caminho do Meio” Os ensinamentos Karma Nirvana O conceito de sofrimento Quatro nobres verdades O nobre caminho óctuplo As seis perfeições Meditação Funeral
Introdução 	Neste trabalho proposto pelo nosso professor de E.M.R.C., dentro do tema do Budismo pretendemos dar maior enfâse à história desta religião oriental.
Budismo  Budismo é uma filosofia de vida baseada integralmente nos profundos ensinamentos do Buda para todos os seres, que revela a verdadeira face da vida e do universo. Quando pregava, o Buda não pretendia converter as pessoas, mas iluminá-las. É uma religião de sabedoria, onde conhecimento e inteligência predominam. O Budismo trouxe paz interior, felicidade e harmonia a milhões de pessoas durante sua longa história de mais de 2.500 anos.
Características do Budismo Bodhisattva Bodhisattva Avalokiteshvara (Kuan Yin PuSa) Bodhisattva Kshitigarbha (Guardião do Mundo) Curvar-se em reverência Buda Shakyamuni (o fundador do Budismo Buda Amitabha  (Buda da Luz e Vida Infinitas) Bhaishajya Guru (O Buda da Medicina) Buda Maitreya (O Buda Feliz) Instrumentos do Dharma Incenso Flor de Lótus Mudra Oferendas Suástica FoTzu (Pérolas de Buda)
A Fundação do Budismo Após a morte de Shakyamuni, foi realizado o Primeiro Concílio Budista, que reuniu 500 membros, a fim de coletar e organizar os ensinamentos do Buda, os quais são chamados de Dharma. Este se tornou o único guia e fonte de inspiração da Sangha. Seus discursos são chamados de Sutras. Foi no Segundo Concílio Budista em Vaishali, realizado algumas centenas de anos após a morte do Buda, que as duas grandes tradições, hoje conhecidas como Theravada e Mahayana, começaram a se formar. Os Theravadins seguem o Cânone Páli, enquanto os Mahayanistas seguem os sutras que foram escritos em sânscrito.
Expansão do Budismo Os ensinamentos do Buda foram transmitidos pela primeira vez, fora da Índia, no Sri Lanka, durante o reinado do Rei Ashoka (272 – 232 a.C.). Na China, a história registra que dois missionários budistas da Índia chegaram na corte do Imperador Ming no ano 68 d.C. e lá permaneceram para traduzir textos budistas. Durante a Dinastia Tang (602 – 664 d.C.), um monge chinês, HsuanTsang, cruzou o Deserto Ghobi até a Índia, onde reuniu e pesquisou sutras budistas. Ele retornou à China dezessete anos depois com grandes volumes de textos budistas e a partir de então passou muitos anos traduzindo-os para o chinês.
Quem era Buda O Budismo foi fundado na Índia, no séc. VI a.C.,  pelo Buda Shakyamuni. O Buda Shakyamuni nasceu ao norte da Índia (actualmente Nepal) como um rico príncipe chamado Sidarta. O Buda não era um deus. Ele foi um ser humano que alcançou a iluminação por meio de sua própria prática. De maneira a compartilhar os benefícios de seu despertar, o Buda viajou por toda a Índia com seus discípulos, ensinando e divulgando seus princípios às pessoas, por mais de 45 anos, até sua morte, aos 80 anos de idade.
 As Visões de Buda Aos 29 anos de idade, ele teve quatro visões que transformaram sua vida. As três primeiras visões – o sofrimento devido ao envelhecimento, doenças e morte – mostraram-lhe a natureza inexorável da vida e as aflições universais da humanidade. A quarta visão — um eremita com um semblante sereno – revelou-lhe o meio de alcançar paz. A sua busca pela paz era mais por compaixão pelo sofrimento alheio do que pelo seu próprio, já que não havia tido tal experiência. Ele não abandonou sua vida mundana na velhice, mas no alvorecer de sua maturidade.
A Descoberta do “Caminho do Meio” Depois de seis anos de ascetismo, ele compreendeu que se deveria praticar o "Caminho do Meio", evitando o extremo da auto-mortificação, que só enfraquece o intelecto, e o extremo da auto-indulgência, que retarda o progresso moral. Aos 35 anos de idade (aproximadamente 525 a.C.), sentado sob uma árvore Bodhi, em uma noite de lua cheia, ele, de repente, experimentou extraordinária sabedoria, compreendendo a verdade suprema do universo e alcançando profunda visão dos caminhos da vida humana. Os budistas chamam essa compreensão de "iluminação". A partir de então, ele passou a ser chamado de Buda Shakyamuni (Shakyamuni significa "Sábio do clã dos Shakya"). A palavra Buda pode ser traduzida como: "aquele que é plenamente desperto e iluminado".
Ensinamentos do Buda O Buda foi um grande professor. Ele ensinou que todos os seres vivos possuem Natureza Búdica idêntica e são capazes de atingir a iluminação através da prática. Se todos os seres vivos têm o potencial de tornar-se iluminados, são todos, portanto, possíveis futuros Budas. Apesar de haver diferentes práticas entre as várias escolas budistas, todas elas abraçam a essência dos ideais do Buda.
Karma "Karma" é uma palavra em sânscrito que significa "acção, trabalho ou feito". Qualquer ação física, verbal ou mental, realizada com intenção, pode ser chamada de karma. Assim, boas atitudes podem produzir karma positivo, enquanto más atitudes podem resultar em karma negativo. A consciência do karma criado em vidas passadas nem sempre é possível; a alegria ou o sofrimento, o belo ou o feio, a sabedoria ou a ignorância, a riqueza ou a pobreza experimentados nesta vida são, no entanto, determinados pelo karma passado.
Nirvana Através da prática diligente, do proporcionar compaixão e bondade amorosa a todos os seres vivos, do condicionamento da mente para evitar apegos e eliminar karma negativo, os budistas acreditam que finalmente alcançarão a iluminação. Quando isso ocorre, eles são capazes de sair do ciclo de morte e renascimento e ascender ao estado de nirvana. O nirvana não é um local físico, mas um estado de consciência suprema de perfeita felicidade e libertação. É o fim de todo retorno à reencarnação e seu compromisso com o sofrimento.
O Conceito de sofrimento Osofrimento está primariamente associado com as acções de nossa mente. É a ignorância que nos faz tender à avidez, à vontade doente e à ilusão. Como consequência, praticamos maus actos, causando diferentes combinações de sofrimento. O Budismo nos faz vislumbrar maneiras efectivas e possíveis de eliminar todo o nosso sofrimento e, mais importante, de alcançar a libertação do Ego do ciclo de nascimento, doença e morte.
Quatro nobres verdades 1. A Verdade do Sofrimento. 2. A Verdade da Causa do Sofrimento. 3. A Verdade da Cessação do Sofrimento. 4. O Caminho que leva à Cessação do Sofrimento.
O nobre caminho óctuplo Compreensão Correta. Pensamento Correto.  Palavra Correta.  AçãoCorreta. Meio de Vida Correto.  Esforço Correto.  Plena Atenção Correta.  Concentração Correta.
As seis perfeições Caridade. Inclui todas as formas de doar e compartilhar o Dharma. Moralidade. Elimina todas as paixões maléficas através da prática dos preceitos de não matar, não roubar, não ter conduta sexual inadequada, não mentir, não usar tóxicos, não usar palavras ásperas ou caluniosas, não cobiçar, não praticar o ódio nem ter visões incorrectas. Paciência. Pratica a abstenção para prevenir o surgimento de raiva por causa de actos cometidos por pessoas ignorantes. Perseverança. Desenvolve esforço vigoroso e persistente na prática do Dharma. Meditação. Reduz a confusão da mente e leva à paz e à felicidade. Sabedoria.Desenvolve o poder de discernir realidade e verdade.
Meditação A meditação é comummente praticada pelos budistas para obter felicidade interior e cultivar sabedoria, de forma a alcançar a purificação da mente e a libertação. É uma actividade de consciência mental.
Funeral A prática funeral budista é normalmente conduzida com solenidade. Não se estimula o luto. Um altar simples, com uma imagem do Buda, é montado. Há queima de incenso e oferenda de frutas e flores. Se a família assim o desejar, pode haver monges budistas ministrando bênçãos e recitando sutras e os vários nomes do Buda, juntamente com pessoas laicas. Estes procedimentos podem ser seguidos de um elogio à memória do morto.
Conclusão Com este trabalho conhecemos, não só, a cultura, história e tradições budistas, mas também um modo de viver.
Biografia http://hsingyun.dharmanet.com.br/buddhismo.htm http://pt.wikipedia.org/wiki/Budismo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o RacionalismoAula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Diversidade religiosa
Diversidade religiosaDiversidade religiosa
Diversidade religiosa
Andreia Oliveira
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
Janimara
 
Budismo
BudismoBudismo
Direitos Humanos
Direitos HumanosDireitos Humanos
Direitos Humanos
MINV
 
Cultura
CulturaCultura
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
Over Lane
 
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANOÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
Diego Bian Filo Moreira
 
Liberdade de expressão
Liberdade de expressãoLiberdade de expressão
Liberdade de expressão
Agnes Zanardi
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ciência e Religião
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ciência e ReligiãoSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ciência e Religião
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ciência e Religião
Turma Olímpica
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
O que é conhecimento - filosofia
O que é conhecimento - filosofiaO que é conhecimento - filosofia
O que é conhecimento - filosofia
Marcelo Avila
 
Racionalismo e empirismo
Racionalismo e empirismoRacionalismo e empirismo
Racionalismo e empirismo
Estácio Dourado
 
O senhor das moscas
O senhor das moscasO senhor das moscas
O senhor das moscas
Mônica Almeida Neves
 
A justiça social
A justiça socialA justiça social
A justiça social
Paulo Gomes
 
Direitos Humanos
Direitos HumanosDireitos Humanos
Direitos Humanos
MINV
 
Liberdade Filosofia
Liberdade FilosofiaLiberdade Filosofia
Liberdade Filosofia
Isabel Cabral
 
Direitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadaniaDireitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadania
Fillipe Lobo
 
Liberdade
LiberdadeLiberdade
Liberdade
Maira Alves
 
Liberdade
LiberdadeLiberdade
Liberdade
Jorge Barbosa
 

Mais procurados (20)

Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o RacionalismoAula 07 - Descartes e o Racionalismo
Aula 07 - Descartes e o Racionalismo
 
Diversidade religiosa
Diversidade religiosaDiversidade religiosa
Diversidade religiosa
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Direitos Humanos
Direitos HumanosDireitos Humanos
Direitos Humanos
 
Cultura
CulturaCultura
Cultura
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
 
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANOÉTICA  E AÇÃO MORAL - 3 ANO
ÉTICA E AÇÃO MORAL - 3 ANO
 
Liberdade de expressão
Liberdade de expressãoLiberdade de expressão
Liberdade de expressão
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ciência e Religião
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ciência e ReligiãoSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ciência e Religião
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Ciência e Religião
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
O que é conhecimento - filosofia
O que é conhecimento - filosofiaO que é conhecimento - filosofia
O que é conhecimento - filosofia
 
Racionalismo e empirismo
Racionalismo e empirismoRacionalismo e empirismo
Racionalismo e empirismo
 
O senhor das moscas
O senhor das moscasO senhor das moscas
O senhor das moscas
 
A justiça social
A justiça socialA justiça social
A justiça social
 
Direitos Humanos
Direitos HumanosDireitos Humanos
Direitos Humanos
 
Liberdade Filosofia
Liberdade FilosofiaLiberdade Filosofia
Liberdade Filosofia
 
Direitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadaniaDireitos humanos e cidadania
Direitos humanos e cidadania
 
Liberdade
LiberdadeLiberdade
Liberdade
 
Liberdade
LiberdadeLiberdade
Liberdade
 

Destaque

O budismo
O budismoO budismo
O budismo
Lino Barbosa
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
Aida Morais
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
Maria André
 
O Budismo.
O Budismo.O Budismo.
O Budismo.
Marcos Jr. Faccin
 
Budismo religion
Budismo religionBudismo religion
Budismo religion
Pilar
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
BudismoBudismo
Music
MusicMusic
Music
Fender
 
Japão kamakura
Japão kamakuraJapão kamakura
Japão kamakura
chinaturismo
 
Drugs and teens
Drugs and teensDrugs and teens
Drugs and teens
Fender
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
Carol Pires
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
infoAndreia
 
A Batata
A BatataA Batata
Civilizacion india
Civilizacion indiaCivilizacion india
Civilizacion india
Claudio Alejandro Mérida
 
O budismo
O budismo O budismo
O budismo
Vanessa Jorge
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
Ricardo Silva
 
Hinduismo y Budismo
Hinduismo y BudismoHinduismo y Budismo
Hinduismo y Budismo
anabe.y.sirvya
 
Branca de neve e os sete anões
Branca de neve e os sete anõesBranca de neve e os sete anões
Branca de neve e os sete anões
NMBQ
 
"História da Carochinha"
"História da Carochinha""História da Carochinha"
"História da Carochinha"
Maria Almeida
 
EL BUDISMO
EL BUDISMOEL BUDISMO
EL BUDISMO
sergimano1
 

Destaque (20)

O budismo
O budismoO budismo
O budismo
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
O Budismo.
O Budismo.O Budismo.
O Budismo.
 
Budismo religion
Budismo religionBudismo religion
Budismo religion
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Music
MusicMusic
Music
 
Japão kamakura
Japão kamakuraJapão kamakura
Japão kamakura
 
Drugs and teens
Drugs and teensDrugs and teens
Drugs and teens
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
A Batata
A BatataA Batata
A Batata
 
Civilizacion india
Civilizacion indiaCivilizacion india
Civilizacion india
 
O budismo
O budismo O budismo
O budismo
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Hinduismo y Budismo
Hinduismo y BudismoHinduismo y Budismo
Hinduismo y Budismo
 
Branca de neve e os sete anões
Branca de neve e os sete anõesBranca de neve e os sete anões
Branca de neve e os sete anões
 
"História da Carochinha"
"História da Carochinha""História da Carochinha"
"História da Carochinha"
 
EL BUDISMO
EL BUDISMOEL BUDISMO
EL BUDISMO
 

Semelhante a Budismo

Budismo na china
Budismo na chinaBudismo na china
Budismo na china
Jessyca Maia
 
Buda
BudaBuda
Budismo
BudismoBudismo
Sobre o budismo
Sobre o budismoSobre o budismo
Sobre o budismo
nefer_amarna
 
Budismo - psicologia do autoconhecimento
Budismo - psicologia do autoconhecimentoBudismo - psicologia do autoconhecimento
Budismo - psicologia do autoconhecimento
Kogen Gouveia
 
Budismo Religião Oriental
Budismo Religião Oriental Budismo Religião Oriental
Budismo Religião Oriental
Catarina'a Silva
 
O budismo
O budismoO budismo
O budismo
lucasschneider
 
Budismo Rita 9 A
Budismo Rita 9 ABudismo Rita 9 A
Dharma
DharmaDharma
Dharma
Cinara Aline
 
O Budismo seminário de religiões mundiais
O Budismo   seminário de religiões mundiaisO Budismo   seminário de religiões mundiais
O Budismo seminário de religiões mundiais
Irisney Nascimento
 
Budismo psicologia-do-auto-conhecimento
Budismo psicologia-do-auto-conhecimentoBudismo psicologia-do-auto-conhecimento
Budismo psicologia-do-auto-conhecimento
Vinícius Menezes Campos
 
Budismo
BudismoBudismo
Os quatro caminhos do yoga swami vivekananda (em pdf)
Os quatro caminhos do yoga   swami vivekananda (em pdf)Os quatro caminhos do yoga   swami vivekananda (em pdf)
Os quatro caminhos do yoga swami vivekananda (em pdf)
Álvaro Rodrigues
 
4caminhos da yoga
4caminhos da yoga4caminhos da yoga
4caminhos da yoga
Rosane Pio Bruno
 
4caminhos yoga
4caminhos yoga4caminhos yoga
4caminhos yoga
marciot
 
Histórico budismo 1ª parte dos slides
Histórico budismo   1ª parte dos slidesHistórico budismo   1ª parte dos slides
Histórico budismo 1ª parte dos slides
Camilla Fontoura
 
Budismo (síntese)
Budismo (síntese)Budismo (síntese)
Budismo (síntese)
Fernando Emídio
 
Budismo
BudismoBudismo
A idéia da Comunicação com os Espíritos
A idéia da Comunicação com os EspíritosA idéia da Comunicação com os Espíritos
A idéia da Comunicação com os Espíritos
Eduardo Henrique Marçal
 
01 a idéia da comunicação com os espíritos
01 a idéia da comunicação com os espíritos01 a idéia da comunicação com os espíritos
01 a idéia da comunicação com os espíritos
Antonio SSantos
 

Semelhante a Budismo (20)

Budismo na china
Budismo na chinaBudismo na china
Budismo na china
 
Buda
BudaBuda
Buda
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Sobre o budismo
Sobre o budismoSobre o budismo
Sobre o budismo
 
Budismo - psicologia do autoconhecimento
Budismo - psicologia do autoconhecimentoBudismo - psicologia do autoconhecimento
Budismo - psicologia do autoconhecimento
 
Budismo Religião Oriental
Budismo Religião Oriental Budismo Religião Oriental
Budismo Religião Oriental
 
O budismo
O budismoO budismo
O budismo
 
Budismo Rita 9 A
Budismo Rita 9 ABudismo Rita 9 A
Budismo Rita 9 A
 
Dharma
DharmaDharma
Dharma
 
O Budismo seminário de religiões mundiais
O Budismo   seminário de religiões mundiaisO Budismo   seminário de religiões mundiais
O Budismo seminário de religiões mundiais
 
Budismo psicologia-do-auto-conhecimento
Budismo psicologia-do-auto-conhecimentoBudismo psicologia-do-auto-conhecimento
Budismo psicologia-do-auto-conhecimento
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Os quatro caminhos do yoga swami vivekananda (em pdf)
Os quatro caminhos do yoga   swami vivekananda (em pdf)Os quatro caminhos do yoga   swami vivekananda (em pdf)
Os quatro caminhos do yoga swami vivekananda (em pdf)
 
4caminhos da yoga
4caminhos da yoga4caminhos da yoga
4caminhos da yoga
 
4caminhos yoga
4caminhos yoga4caminhos yoga
4caminhos yoga
 
Histórico budismo 1ª parte dos slides
Histórico budismo   1ª parte dos slidesHistórico budismo   1ª parte dos slides
Histórico budismo 1ª parte dos slides
 
Budismo (síntese)
Budismo (síntese)Budismo (síntese)
Budismo (síntese)
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
A idéia da Comunicação com os Espíritos
A idéia da Comunicação com os EspíritosA idéia da Comunicação com os Espíritos
A idéia da Comunicação com os Espíritos
 
01 a idéia da comunicação com os espíritos
01 a idéia da comunicação com os espíritos01 a idéia da comunicação com os espíritos
01 a idéia da comunicação com os espíritos
 

Budismo

  • 1. Budismo Escola EB 2,3 da Maia Prof. Tony Moreira Francisco Fernandes nº8 Henrique Domingos nº9 João Pinto nº12 Pedro Corrêa nº17 Março de 2011
  • 2. Índice Introdução Budismo Características A Fundação A Expansão Buda Quem era? As Visões A Descoberta do “Caminho do Meio” Os ensinamentos Karma Nirvana O conceito de sofrimento Quatro nobres verdades O nobre caminho óctuplo As seis perfeições Meditação Funeral
  • 3. Introdução Neste trabalho proposto pelo nosso professor de E.M.R.C., dentro do tema do Budismo pretendemos dar maior enfâse à história desta religião oriental.
  • 4. Budismo  Budismo é uma filosofia de vida baseada integralmente nos profundos ensinamentos do Buda para todos os seres, que revela a verdadeira face da vida e do universo. Quando pregava, o Buda não pretendia converter as pessoas, mas iluminá-las. É uma religião de sabedoria, onde conhecimento e inteligência predominam. O Budismo trouxe paz interior, felicidade e harmonia a milhões de pessoas durante sua longa história de mais de 2.500 anos.
  • 5. Características do Budismo Bodhisattva Bodhisattva Avalokiteshvara (Kuan Yin PuSa) Bodhisattva Kshitigarbha (Guardião do Mundo) Curvar-se em reverência Buda Shakyamuni (o fundador do Budismo Buda Amitabha  (Buda da Luz e Vida Infinitas) Bhaishajya Guru (O Buda da Medicina) Buda Maitreya (O Buda Feliz) Instrumentos do Dharma Incenso Flor de Lótus Mudra Oferendas Suástica FoTzu (Pérolas de Buda)
  • 6. A Fundação do Budismo Após a morte de Shakyamuni, foi realizado o Primeiro Concílio Budista, que reuniu 500 membros, a fim de coletar e organizar os ensinamentos do Buda, os quais são chamados de Dharma. Este se tornou o único guia e fonte de inspiração da Sangha. Seus discursos são chamados de Sutras. Foi no Segundo Concílio Budista em Vaishali, realizado algumas centenas de anos após a morte do Buda, que as duas grandes tradições, hoje conhecidas como Theravada e Mahayana, começaram a se formar. Os Theravadins seguem o Cânone Páli, enquanto os Mahayanistas seguem os sutras que foram escritos em sânscrito.
  • 7. Expansão do Budismo Os ensinamentos do Buda foram transmitidos pela primeira vez, fora da Índia, no Sri Lanka, durante o reinado do Rei Ashoka (272 – 232 a.C.). Na China, a história registra que dois missionários budistas da Índia chegaram na corte do Imperador Ming no ano 68 d.C. e lá permaneceram para traduzir textos budistas. Durante a Dinastia Tang (602 – 664 d.C.), um monge chinês, HsuanTsang, cruzou o Deserto Ghobi até a Índia, onde reuniu e pesquisou sutras budistas. Ele retornou à China dezessete anos depois com grandes volumes de textos budistas e a partir de então passou muitos anos traduzindo-os para o chinês.
  • 8. Quem era Buda O Budismo foi fundado na Índia, no séc. VI a.C.,  pelo Buda Shakyamuni. O Buda Shakyamuni nasceu ao norte da Índia (actualmente Nepal) como um rico príncipe chamado Sidarta. O Buda não era um deus. Ele foi um ser humano que alcançou a iluminação por meio de sua própria prática. De maneira a compartilhar os benefícios de seu despertar, o Buda viajou por toda a Índia com seus discípulos, ensinando e divulgando seus princípios às pessoas, por mais de 45 anos, até sua morte, aos 80 anos de idade.
  • 9. As Visões de Buda Aos 29 anos de idade, ele teve quatro visões que transformaram sua vida. As três primeiras visões – o sofrimento devido ao envelhecimento, doenças e morte – mostraram-lhe a natureza inexorável da vida e as aflições universais da humanidade. A quarta visão — um eremita com um semblante sereno – revelou-lhe o meio de alcançar paz. A sua busca pela paz era mais por compaixão pelo sofrimento alheio do que pelo seu próprio, já que não havia tido tal experiência. Ele não abandonou sua vida mundana na velhice, mas no alvorecer de sua maturidade.
  • 10. A Descoberta do “Caminho do Meio” Depois de seis anos de ascetismo, ele compreendeu que se deveria praticar o "Caminho do Meio", evitando o extremo da auto-mortificação, que só enfraquece o intelecto, e o extremo da auto-indulgência, que retarda o progresso moral. Aos 35 anos de idade (aproximadamente 525 a.C.), sentado sob uma árvore Bodhi, em uma noite de lua cheia, ele, de repente, experimentou extraordinária sabedoria, compreendendo a verdade suprema do universo e alcançando profunda visão dos caminhos da vida humana. Os budistas chamam essa compreensão de "iluminação". A partir de então, ele passou a ser chamado de Buda Shakyamuni (Shakyamuni significa "Sábio do clã dos Shakya"). A palavra Buda pode ser traduzida como: "aquele que é plenamente desperto e iluminado".
  • 11. Ensinamentos do Buda O Buda foi um grande professor. Ele ensinou que todos os seres vivos possuem Natureza Búdica idêntica e são capazes de atingir a iluminação através da prática. Se todos os seres vivos têm o potencial de tornar-se iluminados, são todos, portanto, possíveis futuros Budas. Apesar de haver diferentes práticas entre as várias escolas budistas, todas elas abraçam a essência dos ideais do Buda.
  • 12. Karma "Karma" é uma palavra em sânscrito que significa "acção, trabalho ou feito". Qualquer ação física, verbal ou mental, realizada com intenção, pode ser chamada de karma. Assim, boas atitudes podem produzir karma positivo, enquanto más atitudes podem resultar em karma negativo. A consciência do karma criado em vidas passadas nem sempre é possível; a alegria ou o sofrimento, o belo ou o feio, a sabedoria ou a ignorância, a riqueza ou a pobreza experimentados nesta vida são, no entanto, determinados pelo karma passado.
  • 13. Nirvana Através da prática diligente, do proporcionar compaixão e bondade amorosa a todos os seres vivos, do condicionamento da mente para evitar apegos e eliminar karma negativo, os budistas acreditam que finalmente alcançarão a iluminação. Quando isso ocorre, eles são capazes de sair do ciclo de morte e renascimento e ascender ao estado de nirvana. O nirvana não é um local físico, mas um estado de consciência suprema de perfeita felicidade e libertação. É o fim de todo retorno à reencarnação e seu compromisso com o sofrimento.
  • 14. O Conceito de sofrimento Osofrimento está primariamente associado com as acções de nossa mente. É a ignorância que nos faz tender à avidez, à vontade doente e à ilusão. Como consequência, praticamos maus actos, causando diferentes combinações de sofrimento. O Budismo nos faz vislumbrar maneiras efectivas e possíveis de eliminar todo o nosso sofrimento e, mais importante, de alcançar a libertação do Ego do ciclo de nascimento, doença e morte.
  • 15. Quatro nobres verdades 1. A Verdade do Sofrimento. 2. A Verdade da Causa do Sofrimento. 3. A Verdade da Cessação do Sofrimento. 4. O Caminho que leva à Cessação do Sofrimento.
  • 16. O nobre caminho óctuplo Compreensão Correta. Pensamento Correto.  Palavra Correta.  AçãoCorreta. Meio de Vida Correto. Esforço Correto.  Plena Atenção Correta.  Concentração Correta.
  • 17. As seis perfeições Caridade. Inclui todas as formas de doar e compartilhar o Dharma. Moralidade. Elimina todas as paixões maléficas através da prática dos preceitos de não matar, não roubar, não ter conduta sexual inadequada, não mentir, não usar tóxicos, não usar palavras ásperas ou caluniosas, não cobiçar, não praticar o ódio nem ter visões incorrectas. Paciência. Pratica a abstenção para prevenir o surgimento de raiva por causa de actos cometidos por pessoas ignorantes. Perseverança. Desenvolve esforço vigoroso e persistente na prática do Dharma. Meditação. Reduz a confusão da mente e leva à paz e à felicidade. Sabedoria.Desenvolve o poder de discernir realidade e verdade.
  • 18. Meditação A meditação é comummente praticada pelos budistas para obter felicidade interior e cultivar sabedoria, de forma a alcançar a purificação da mente e a libertação. É uma actividade de consciência mental.
  • 19. Funeral A prática funeral budista é normalmente conduzida com solenidade. Não se estimula o luto. Um altar simples, com uma imagem do Buda, é montado. Há queima de incenso e oferenda de frutas e flores. Se a família assim o desejar, pode haver monges budistas ministrando bênçãos e recitando sutras e os vários nomes do Buda, juntamente com pessoas laicas. Estes procedimentos podem ser seguidos de um elogio à memória do morto.
  • 20. Conclusão Com este trabalho conhecemos, não só, a cultura, história e tradições budistas, mas também um modo de viver.