SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Fonte: http://www.cebb.org.br/
O que é obudismo
A palavra “buda” significa aquele que despertou do sono da
ignorância, aquele que se iluminou, e “Sakyamuni” significa o sábio do clã
dos Sakya. Ele nasceu com o nome de Siddhartha Gautama, na Índia, e
viveu aproximadamente entre 563 e 483 a.C, Nepal. Um dia, ao sair do
palácio, Siddharta teve contato com o sofrimento e a miséria. Foi então que
resolveu isolar-se a fim de encontrar um método que pusesse fim ao
sofrimento humano. Abandonou a vida mundana. Sozinho, aos 35 anos de
idade, Siddhartha realizou sua própria natureza búdica e, conseqüentemente,
compreendeu o sofrimento, sua causa, sua extinção e o meio para extingui-lo.
Iluminado, passou a ser conhecido como Buda Sakyamuni e proferiu ensinamentos até os 80 anos,
quando morreu. A base de sua doutrina são as Quatro Nobres Verdades e o Nobre Caminho de Oito
Passos. O objetivo principal é escapar do sofrimento, cuja constatação é apontada na Primeira Nobre
Verdade. Na Quarta, o Buda afirma que há um caminho para a superação do sofrimento, que é explicado
no Nobre Caminho Óctuplo. Os ensinamentos básicos são evitar as ações não virtuosas, fazer o bem e
dominar a própria mente.
No século VI, foi a vez do Tibete conhecer a doutrina do Buda. Lá, floresceu de modo singular.
*1Foi somente a partir do século VII, no entanto, quando o Rei Trisong Deutsen convidou da Índia o
monge e erudito Shantarakshita e o Mestre Guru Padmasambava para construírem o Monastério de
Samye que o budismo firmemente se estabeleceu no país das neves.
Guru Padmasambava, o Guru Rinpoche é o mestre que levou o
Darma para o Tibete. Conhecido como “Senhor Nascido no Lótus” e “Precioso
Guru”, ele demonstrou incríveis habilidades espirituais para auxiliar os seres a
domarem suas mentes. No século VIII, em um Tibete majestoso, porém
turbulento, Padmasambava propagou o caminho de lucidez para que os
praticantes espirituais pudessem superar as emoções aflitivas, a delusão e a
desarmonia. Recitar a Prece de Sete Linhas é a melhor forma de invocar Guru
Rinpoche para que possamos repousar em sua presença, cultivar devoção por
ele e, assim, receber suas bênçãos.
*1
Fonte: http://kl.chagdud.org/budismotibetano/.
2
Fonte: http://www.cebb.org.br/
Nas palavras de Dzogchen Ponlop Rinpoche*2: “Embora o Budismo possa ser praticado religiosamente, em
muitos sentidos, ele não é uma religião. Devido à sua ênfase no questionamento e no trabalho com a mente,
ele é de natureza espiritual. Contudo, por confiar na análise lógica e no raciocínio, bem como na
meditação, muitos professores budistas consideram o budismo uma ciência da mente e não uma religião.
Em cada sessão de meditação, obtemos conhecimentos sobre a mente através da observação, do
questionamento e da experimentação. Fazemos isso vez após vez e, gradualmente, desenvolvemos um
bom nível de compreensão de nossa mente” (....). Não importa como rotulemos os ensinamentos do Buda
— como religião ou como caminho espiritual —, o corpo de conhecimentos contido nas escrituras
budistas não foi planejado para substituir o nosso processo de questionamento. Ele é mais como um
laboratório de pesquisa bem equipado, onde podemos encontrar ferramentas de todos os tipos para
investigarmos a própria experiência”.
Os Três Giros da Roda do Darma
A grande variedade de ensinamentos e métodos transmitidos por Buda Shakiamuni foi categorizada
posteriormente como os “Três Giros da Roda do Darma”. “Darma” aqui é sinônimo de “ensinamentos do
Buda”. Esses três discursos deram origem às três principais escolas: Hinayana, Mahayana e Vajraianai.
Uma breve introdução ao Budismo *3
por Lama Padma Samten
O budismo pode ser apresentado como um remédio. O próprio Buda ofereceu os ensinamentos
dessa forma. Quando o Buda era um príncipe, percebeu que todos os seres estavam submetidos a uma
doença geral. Essa doença tem um nome específico, mas não existe correspondente para essa palavra no
Ocidente. Lá no Oriente chamam essa doença de duka. Embora todos tenhamos essa doença, talvez não
percebamos sua existência. Essa doença é algo como alegria e sofrimento inseparáveis. Na visão budista
existe uma única palavra para esses dois conceitos, eles não podem ser separados.
Duka pode ser explicado de forma simples a partir do fato de que, quando temos alegrias, elas são
sempre, simultaneamente, sementes de sofrimento. Dizemos que esta é uma experiência cíclica — é como
uma roda girando entre as polaridades de estar bem e estar mal. Gostaríamos de encontrar o freio quando
estamos na região de felicidade, e gostaríamos de acelerar quando estamos tristes. Às vezes achamos que
*2
Livro: Dzogchen Ponlop Rinpoche (2015). Buda rebelde: na rota da liberdade.
*3 Trechos da palestra proferida pelo Lama Padma Santem no Centro de Estudos Budistas Bodisatva, no Caminho
do Meio, em Viamão, em 19/101999. Disponível: http://www.cebb.org.br/uma-breve-introducao-ao-budismo/.
3
Fonte: http://www.cebb.org.br/
encontramos um controle de velocidade desse tipo, mas logo surgem problemas nessa tentativa de
controle. O primeiro exemplo que me surge é o de uma mãe que deseja ter um filho. Quando o bebê
nasce, primeiro ela pensa: “Que maravilha!” Depois ela percebe que tudo que acontece ao filho a perturba
intensamente. Na exata medida da intensidade daquela alegria, surge o sofrimento. E assim é com todas
as relações humanas. Para todas as características favoráveis que percebemos no mundo, existem
problemas correspondentes, exatamente no mesmo grau.
Todos os aspectos do budismo são propostos como remédios para esta doença. Assim, a partir
deste processo, se quisermos ver o que é o budismo de fato, não devemos pensar em épocas, pois a
experiência de duka não está limitada pelo tempo. O próprio Buda histórico, o Buda Sakyamuni, não foi o
primeiro Buda. Como ele mesmo relata, serviu e ouviu instruções de incontáveis Budas no passado. Ao
aprofundarmos o significado da palavra Buda, percebemos que os primeiros Budas surgem quando
surgem as complicações. O budismo não é algo messiânico, Buda não veio anunciar alguma coisa, ele
veio manifestar uma liberdade que a maior parte dos seres não vê. Na medida em que os Budas
periodicamente aparecem e dão ensinamentos é que surge o budismo. O budismo não é propriamente algo
que pertença à história humana. Algumas vezes as pessoas colocam os ensinamentos espirituais desta
forma: “Quem foi o fundador do budismo? Quando e onde surgiu o budismo? O budismo acredita em
reencarnação? Que tipo de preceitos morais são praticados pelo budista? Qual a diferença entre tal e tal
escolas budistas?” Esta análise do budismo em forma de questionário talvez não ajude muito. Colocamos
os ensinamentos budistas na forma de um remédio destinado a remover o sofrimento originado por duka,
quando isso acontece, atinge-se uma situação além de espaço e de tempo, de escrituras e profetas. Assim
se dá a liberação da existência cíclica.
O que é Buda? A natureza completamente liberta dos hábitos, dos condicionamentos grosseiros e
sutis. Buda não é o ser, não é uma pessoa. Buda é uma condição de libertação de todos esses impulsos. O
Buda também diz: “Não acreditem no que eu digo, testem por si próprios.” Ou seja, o que eu ensino não
precisa ser tomado como uma verdade a ser aceita. Escutem e testem à sua própria maneira.
O budismo inteiro pode ser resumido em três palavras. A primeira é Buda. A segunda é Darma, é
o ensinamento que surge na mente do Buda para beneficiar os seres. A terceira é Sanga. É um calor que
surge a partir do conjunto. Temos dificuldade de seguir o caminho da liberação sozinhos, mas quando
estamos juntos é mais fácil. Chamamos isso de Sanga.
As pessoas estão presas a ideologias, formas de compreensão, hábitos mentais, soluções aparentes,
prioridades invasivas que as impedem. Ajudar estes seres é o foco da maior parte dos ensinamentos dos
mestres. Se eles compreenderem a bondade, o amor e a compaixão, isto será maravilhoso. É como o Buda
disse: “Pratiquem a bondade, não criem sofrimento, dirijam a própria mente. Esta é a essência do
Budismo”.
4
Fonte: http://www.cebb.org.br/
Sobre o Lama Padma Samten
O mestre budista Lama Padma Samten tem auxiliado inúmeras pessoas
em suas vidas e relações cotidianas, com ensinamentos que dialogam com as
mais diversas áreas do conhecimento. Físico, com bacharelado e mestrado pela
Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Alfredo Aveline foi
professor de física de 1969 a 1994. Dedicou-se especialmente ao exame da
física quântica, teoria na qual encontrou afinidade com o pensamento budista.
No início dos anos 80, intensificou seu interesse pelo budismo e em 1986 fundou o Centro de
Estudos Budistas Bodisatva (CEBB). Em 1993, foi aceito como discípulo por Chagdud Tulku Rinpoche e
em 1996 foi ordenado lama, título que significa líder, sacerdote e professor. Em Viamão (RS), onde
reside, está situada a sede do Instituto Caminho do Meio – Centro de Estudos Budistas Bodisatva
(CEBB).
S. Ema. Chagdud Tulku Rinpoche*4
Sua Eminência Chagdud Tulku Rinpoche (1930-2002) nasceu no leste
do Tibete. Reconhecido aos 4 anos como um tulku (encarnação de um mestre
de meditação), recebeu treinamento rigoroso e aprofundou os seus estudos em
retiros extensos. Em 1959, ele escapou da ocupação comunista do Tibete e
viveu exilado em comunidades de refugiados na Índia e no Nepal até se
estabelecer nos Estados Unidos em 1979.
Em 1994, mudou-se para o Brasil, começou a construção do seu centro principal, Khadro Ling, no
Rio Grande do Sul. Ao viajar e ensinar constantemente, irradiando entusiasmo e compaixão, tornou-se o
lama do coração de centenas de alunos e foi uma inspiração profunda para milhares de outros.
i O termo “mahayana”, que começou a ser usado aproximadamente em 100 A.C, é um sinônimo para
“bodhisattvayana”, o caminho da busca da iluminação para o benefício de todos os seres (Fonte:
http://darma.info/budismo/escolas-budistas/). A escola Mahayana é toda lógica, estruturada, ligada à nossa vida
cotidiana, portanto, ela não tem nenhum aspecto místico. A abordagem Mahayana enfatiza especialmente as quatro
qualidades incomensuráveis: compaixão, amor, alegria, equanimidade; e as seis perfeições: generosidade,
moralidade, paz, energia constante, concentração e sabedoria. No ensinamento do Nobre Caminho Óctuplo também
não há nada místico. Em primeiro lugar vem a motivação e, a seguir, não trazer sofrimento aos seres com a mente,
não trazer sofrimento com a fala, não trazer sofrimento com o corpo, as qualidades incomensuráveis e as seis
perfeições, meditação em silêncio, perfeição da sabedoria – que é uma forma de olharmos todas as coisas através de
vacuidade e luminosidade; e, finalmente, temos a sabedoria yeshe, sabedoria que localiza aquilo que é incessante,
luminoso, sempre presente em qualquer experiência. Localizamos através de um processo direto, não há
propriamente lugar para as deidades nessa abordagem (Fonte: http://www.cebb.org.br/o-mahayana-e-os-
aspectos-misticos/).
*4
Fonte do texto: http://br.chagdud.org/s-ema-chagdud-tulku-rinpoche/.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Budismo Rita 9 A
Budismo Rita 9 ABudismo Rita 9 A
Manual de hatha yoga 108 asanas
Manual de hatha yoga 108 asanasManual de hatha yoga 108 asanas
Manual de hatha yoga 108 asanas
Matheus Sampaio
 
Ensinamentos budistas
Ensinamentos budistasEnsinamentos budistas
Ensinamentos budistas
Camilla Fontoura
 
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi PadaA Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
André Ricardo Marcondes
 
Yoga
YogaYoga
Yoga
liliana11
 
Budismo psicologia-do-auto-conhecimento
Budismo psicologia-do-auto-conhecimentoBudismo psicologia-do-auto-conhecimento
Budismo psicologia-do-auto-conhecimento
Vinícius Menezes Campos
 
4caminhos da yoga
4caminhos da yoga4caminhos da yoga
4caminhos da yoga
Rosane Pio Bruno
 
O Budismo seminário de religiões mundiais
O Budismo   seminário de religiões mundiaisO Budismo   seminário de religiões mundiais
O Budismo seminário de religiões mundiais
Irisney Nascimento
 
Budismo
BudismoBudismo
A Essência dos Yoga Sutras
A Essência dos Yoga SutrasA Essência dos Yoga Sutras
A Essência dos Yoga Sutras
André Ricardo Marcondes
 
Filosofia Védica
Filosofia VédicaFilosofia Védica
Filosofia Védica
Michele Pó
 
Preparação Para o Yoga - I. K. Taimni
Preparação Para o Yoga -  I. K. TaimniPreparação Para o Yoga -  I. K. Taimni
Preparação Para o Yoga - I. K. Taimni
André Ricardo Marcondes
 
14 lições de filosofia yogue
14 lições de filosofia yogue14 lições de filosofia yogue
14 lições de filosofia yogue
Álvaro Rodrigues
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
BudismoBudismo
Mantra Yoga e o Gayatri
Mantra Yoga e o GayatriMantra Yoga e o Gayatri
Mantra Yoga e o Gayatri
André Ricardo Marcondes
 
Ásanas de inversão
Ásanas de inversãoÁsanas de inversão
Ásanas de inversão
Daniela Brusco
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
EASYMATICA
 
A ciência hindu yogi da respiração
A ciência hindu yogi da respiraçãoA ciência hindu yogi da respiração
A ciência hindu yogi da respiração
Álvaro Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Budismo Rita 9 A
Budismo Rita 9 ABudismo Rita 9 A
Budismo Rita 9 A
 
Manual de hatha yoga 108 asanas
Manual de hatha yoga 108 asanasManual de hatha yoga 108 asanas
Manual de hatha yoga 108 asanas
 
Ensinamentos budistas
Ensinamentos budistasEnsinamentos budistas
Ensinamentos budistas
 
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi PadaA Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
A Ciência do Yoga - Seção 1 - Samâdhi Pada
 
Yoga
YogaYoga
Yoga
 
Budismo psicologia-do-auto-conhecimento
Budismo psicologia-do-auto-conhecimentoBudismo psicologia-do-auto-conhecimento
Budismo psicologia-do-auto-conhecimento
 
4caminhos da yoga
4caminhos da yoga4caminhos da yoga
4caminhos da yoga
 
O Budismo seminário de religiões mundiais
O Budismo   seminário de religiões mundiaisO Budismo   seminário de religiões mundiais
O Budismo seminário de religiões mundiais
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
A Essência dos Yoga Sutras
A Essência dos Yoga SutrasA Essência dos Yoga Sutras
A Essência dos Yoga Sutras
 
Filosofia Védica
Filosofia VédicaFilosofia Védica
Filosofia Védica
 
Preparação Para o Yoga - I. K. Taimni
Preparação Para o Yoga -  I. K. TaimniPreparação Para o Yoga -  I. K. Taimni
Preparação Para o Yoga - I. K. Taimni
 
14 lições de filosofia yogue
14 lições de filosofia yogue14 lições de filosofia yogue
14 lições de filosofia yogue
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Mantra Yoga e o Gayatri
Mantra Yoga e o GayatriMantra Yoga e o Gayatri
Mantra Yoga e o Gayatri
 
Ásanas de inversão
Ásanas de inversãoÁsanas de inversão
Ásanas de inversão
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
A ciência hindu yogi da respiração
A ciência hindu yogi da respiraçãoA ciência hindu yogi da respiração
A ciência hindu yogi da respiração
 

Semelhante a Sobre o budismo

O budismo
O budismoO budismo
O budismo
lucasschneider
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo slide
Budismo slideBudismo slide
Histórico budismo 1ª parte dos slides
Histórico budismo   1ª parte dos slidesHistórico budismo   1ª parte dos slides
Histórico budismo 1ª parte dos slides
Camilla Fontoura
 
Budismo
BudismoBudismo
Buda
BudaBuda
Budismo
BudismoBudismo
Dharma
DharmaDharma
Dharma
Cinara Aline
 
Silde do budismo da UFPB 2024 em ética m
Silde do budismo da UFPB 2024 em ética mSilde do budismo da UFPB 2024 em ética m
Silde do budismo da UFPB 2024 em ética m
IaDalves
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
Maria André
 
Budismo
BudismoBudismo
Carlos Rebouças Jr - Medicine Buddha Reiki
Carlos Rebouças Jr - Medicine Buddha ReikiCarlos Rebouças Jr - Medicine Buddha Reiki
Carlos Rebouças Jr - Medicine Buddha Reiki
Carlos Junior
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
Aida Morais
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
Espaço Emrc
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
Carol Pires
 
meditação para principiantes
meditação para principiantesmeditação para principiantes
meditação para principiantes
carol brandao
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
Tataia Araujo
 
4caminhos yoga
4caminhos yoga4caminhos yoga
4caminhos yoga
marciot
 
Os quatro caminhos do yoga swami vivekananda (em pdf)
Os quatro caminhos do yoga   swami vivekananda (em pdf)Os quatro caminhos do yoga   swami vivekananda (em pdf)
Os quatro caminhos do yoga swami vivekananda (em pdf)
Álvaro Rodrigues
 
Vitor portela nº25 9ºd emrc
Vitor portela nº25 9ºd emrcVitor portela nº25 9ºd emrc
Vitor portela nº25 9ºd emrc
Vitor Portela
 

Semelhante a Sobre o budismo (20)

O budismo
O budismoO budismo
O budismo
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Budismo slide
Budismo slideBudismo slide
Budismo slide
 
Histórico budismo 1ª parte dos slides
Histórico budismo   1ª parte dos slidesHistórico budismo   1ª parte dos slides
Histórico budismo 1ª parte dos slides
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Buda
BudaBuda
Buda
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Dharma
DharmaDharma
Dharma
 
Silde do budismo da UFPB 2024 em ética m
Silde do budismo da UFPB 2024 em ética mSilde do budismo da UFPB 2024 em ética m
Silde do budismo da UFPB 2024 em ética m
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Carlos Rebouças Jr - Medicine Buddha Reiki
Carlos Rebouças Jr - Medicine Buddha ReikiCarlos Rebouças Jr - Medicine Buddha Reiki
Carlos Rebouças Jr - Medicine Buddha Reiki
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
meditação para principiantes
meditação para principiantesmeditação para principiantes
meditação para principiantes
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
4caminhos yoga
4caminhos yoga4caminhos yoga
4caminhos yoga
 
Os quatro caminhos do yoga swami vivekananda (em pdf)
Os quatro caminhos do yoga   swami vivekananda (em pdf)Os quatro caminhos do yoga   swami vivekananda (em pdf)
Os quatro caminhos do yoga swami vivekananda (em pdf)
 
Vitor portela nº25 9ºd emrc
Vitor portela nº25 9ºd emrcVitor portela nº25 9ºd emrc
Vitor portela nº25 9ºd emrc
 

Último

3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
PIB Penha
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
PIB Penha
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptxLição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
LaerciodeSouzaSilva1
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
PIB Penha
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
Especialidade  Arqueologia  Bíblica.pptxEspecialidade  Arqueologia  Bíblica.pptx
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
AlexandreJr7
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
EdimarEdigesso
 
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
OBrasilParaCristoRad
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
PIB Penha
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdfauxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
EzeirAlvesdaSilva
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 

Último (20)

3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptxLição 11 -  Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
Lição 11 - Avivamento e a Missão da Igreja.pptx
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
Especialidade  Arqueologia  Bíblica.pptxEspecialidade  Arqueologia  Bíblica.pptx
Especialidade Arqueologia Bíblica.pptx
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
 
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
3 - Plena Paz.ppt Harpa cristã assembleia
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdfauxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
auxiliar- juvenis-1trimestre de 2024.pdf
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 

Sobre o budismo

  • 1. 1 Fonte: http://www.cebb.org.br/ O que é obudismo A palavra “buda” significa aquele que despertou do sono da ignorância, aquele que se iluminou, e “Sakyamuni” significa o sábio do clã dos Sakya. Ele nasceu com o nome de Siddhartha Gautama, na Índia, e viveu aproximadamente entre 563 e 483 a.C, Nepal. Um dia, ao sair do palácio, Siddharta teve contato com o sofrimento e a miséria. Foi então que resolveu isolar-se a fim de encontrar um método que pusesse fim ao sofrimento humano. Abandonou a vida mundana. Sozinho, aos 35 anos de idade, Siddhartha realizou sua própria natureza búdica e, conseqüentemente, compreendeu o sofrimento, sua causa, sua extinção e o meio para extingui-lo. Iluminado, passou a ser conhecido como Buda Sakyamuni e proferiu ensinamentos até os 80 anos, quando morreu. A base de sua doutrina são as Quatro Nobres Verdades e o Nobre Caminho de Oito Passos. O objetivo principal é escapar do sofrimento, cuja constatação é apontada na Primeira Nobre Verdade. Na Quarta, o Buda afirma que há um caminho para a superação do sofrimento, que é explicado no Nobre Caminho Óctuplo. Os ensinamentos básicos são evitar as ações não virtuosas, fazer o bem e dominar a própria mente. No século VI, foi a vez do Tibete conhecer a doutrina do Buda. Lá, floresceu de modo singular. *1Foi somente a partir do século VII, no entanto, quando o Rei Trisong Deutsen convidou da Índia o monge e erudito Shantarakshita e o Mestre Guru Padmasambava para construírem o Monastério de Samye que o budismo firmemente se estabeleceu no país das neves. Guru Padmasambava, o Guru Rinpoche é o mestre que levou o Darma para o Tibete. Conhecido como “Senhor Nascido no Lótus” e “Precioso Guru”, ele demonstrou incríveis habilidades espirituais para auxiliar os seres a domarem suas mentes. No século VIII, em um Tibete majestoso, porém turbulento, Padmasambava propagou o caminho de lucidez para que os praticantes espirituais pudessem superar as emoções aflitivas, a delusão e a desarmonia. Recitar a Prece de Sete Linhas é a melhor forma de invocar Guru Rinpoche para que possamos repousar em sua presença, cultivar devoção por ele e, assim, receber suas bênçãos. *1 Fonte: http://kl.chagdud.org/budismotibetano/.
  • 2. 2 Fonte: http://www.cebb.org.br/ Nas palavras de Dzogchen Ponlop Rinpoche*2: “Embora o Budismo possa ser praticado religiosamente, em muitos sentidos, ele não é uma religião. Devido à sua ênfase no questionamento e no trabalho com a mente, ele é de natureza espiritual. Contudo, por confiar na análise lógica e no raciocínio, bem como na meditação, muitos professores budistas consideram o budismo uma ciência da mente e não uma religião. Em cada sessão de meditação, obtemos conhecimentos sobre a mente através da observação, do questionamento e da experimentação. Fazemos isso vez após vez e, gradualmente, desenvolvemos um bom nível de compreensão de nossa mente” (....). Não importa como rotulemos os ensinamentos do Buda — como religião ou como caminho espiritual —, o corpo de conhecimentos contido nas escrituras budistas não foi planejado para substituir o nosso processo de questionamento. Ele é mais como um laboratório de pesquisa bem equipado, onde podemos encontrar ferramentas de todos os tipos para investigarmos a própria experiência”. Os Três Giros da Roda do Darma A grande variedade de ensinamentos e métodos transmitidos por Buda Shakiamuni foi categorizada posteriormente como os “Três Giros da Roda do Darma”. “Darma” aqui é sinônimo de “ensinamentos do Buda”. Esses três discursos deram origem às três principais escolas: Hinayana, Mahayana e Vajraianai. Uma breve introdução ao Budismo *3 por Lama Padma Samten O budismo pode ser apresentado como um remédio. O próprio Buda ofereceu os ensinamentos dessa forma. Quando o Buda era um príncipe, percebeu que todos os seres estavam submetidos a uma doença geral. Essa doença tem um nome específico, mas não existe correspondente para essa palavra no Ocidente. Lá no Oriente chamam essa doença de duka. Embora todos tenhamos essa doença, talvez não percebamos sua existência. Essa doença é algo como alegria e sofrimento inseparáveis. Na visão budista existe uma única palavra para esses dois conceitos, eles não podem ser separados. Duka pode ser explicado de forma simples a partir do fato de que, quando temos alegrias, elas são sempre, simultaneamente, sementes de sofrimento. Dizemos que esta é uma experiência cíclica — é como uma roda girando entre as polaridades de estar bem e estar mal. Gostaríamos de encontrar o freio quando estamos na região de felicidade, e gostaríamos de acelerar quando estamos tristes. Às vezes achamos que *2 Livro: Dzogchen Ponlop Rinpoche (2015). Buda rebelde: na rota da liberdade. *3 Trechos da palestra proferida pelo Lama Padma Santem no Centro de Estudos Budistas Bodisatva, no Caminho do Meio, em Viamão, em 19/101999. Disponível: http://www.cebb.org.br/uma-breve-introducao-ao-budismo/.
  • 3. 3 Fonte: http://www.cebb.org.br/ encontramos um controle de velocidade desse tipo, mas logo surgem problemas nessa tentativa de controle. O primeiro exemplo que me surge é o de uma mãe que deseja ter um filho. Quando o bebê nasce, primeiro ela pensa: “Que maravilha!” Depois ela percebe que tudo que acontece ao filho a perturba intensamente. Na exata medida da intensidade daquela alegria, surge o sofrimento. E assim é com todas as relações humanas. Para todas as características favoráveis que percebemos no mundo, existem problemas correspondentes, exatamente no mesmo grau. Todos os aspectos do budismo são propostos como remédios para esta doença. Assim, a partir deste processo, se quisermos ver o que é o budismo de fato, não devemos pensar em épocas, pois a experiência de duka não está limitada pelo tempo. O próprio Buda histórico, o Buda Sakyamuni, não foi o primeiro Buda. Como ele mesmo relata, serviu e ouviu instruções de incontáveis Budas no passado. Ao aprofundarmos o significado da palavra Buda, percebemos que os primeiros Budas surgem quando surgem as complicações. O budismo não é algo messiânico, Buda não veio anunciar alguma coisa, ele veio manifestar uma liberdade que a maior parte dos seres não vê. Na medida em que os Budas periodicamente aparecem e dão ensinamentos é que surge o budismo. O budismo não é propriamente algo que pertença à história humana. Algumas vezes as pessoas colocam os ensinamentos espirituais desta forma: “Quem foi o fundador do budismo? Quando e onde surgiu o budismo? O budismo acredita em reencarnação? Que tipo de preceitos morais são praticados pelo budista? Qual a diferença entre tal e tal escolas budistas?” Esta análise do budismo em forma de questionário talvez não ajude muito. Colocamos os ensinamentos budistas na forma de um remédio destinado a remover o sofrimento originado por duka, quando isso acontece, atinge-se uma situação além de espaço e de tempo, de escrituras e profetas. Assim se dá a liberação da existência cíclica. O que é Buda? A natureza completamente liberta dos hábitos, dos condicionamentos grosseiros e sutis. Buda não é o ser, não é uma pessoa. Buda é uma condição de libertação de todos esses impulsos. O Buda também diz: “Não acreditem no que eu digo, testem por si próprios.” Ou seja, o que eu ensino não precisa ser tomado como uma verdade a ser aceita. Escutem e testem à sua própria maneira. O budismo inteiro pode ser resumido em três palavras. A primeira é Buda. A segunda é Darma, é o ensinamento que surge na mente do Buda para beneficiar os seres. A terceira é Sanga. É um calor que surge a partir do conjunto. Temos dificuldade de seguir o caminho da liberação sozinhos, mas quando estamos juntos é mais fácil. Chamamos isso de Sanga. As pessoas estão presas a ideologias, formas de compreensão, hábitos mentais, soluções aparentes, prioridades invasivas que as impedem. Ajudar estes seres é o foco da maior parte dos ensinamentos dos mestres. Se eles compreenderem a bondade, o amor e a compaixão, isto será maravilhoso. É como o Buda disse: “Pratiquem a bondade, não criem sofrimento, dirijam a própria mente. Esta é a essência do Budismo”.
  • 4. 4 Fonte: http://www.cebb.org.br/ Sobre o Lama Padma Samten O mestre budista Lama Padma Samten tem auxiliado inúmeras pessoas em suas vidas e relações cotidianas, com ensinamentos que dialogam com as mais diversas áreas do conhecimento. Físico, com bacharelado e mestrado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Alfredo Aveline foi professor de física de 1969 a 1994. Dedicou-se especialmente ao exame da física quântica, teoria na qual encontrou afinidade com o pensamento budista. No início dos anos 80, intensificou seu interesse pelo budismo e em 1986 fundou o Centro de Estudos Budistas Bodisatva (CEBB). Em 1993, foi aceito como discípulo por Chagdud Tulku Rinpoche e em 1996 foi ordenado lama, título que significa líder, sacerdote e professor. Em Viamão (RS), onde reside, está situada a sede do Instituto Caminho do Meio – Centro de Estudos Budistas Bodisatva (CEBB). S. Ema. Chagdud Tulku Rinpoche*4 Sua Eminência Chagdud Tulku Rinpoche (1930-2002) nasceu no leste do Tibete. Reconhecido aos 4 anos como um tulku (encarnação de um mestre de meditação), recebeu treinamento rigoroso e aprofundou os seus estudos em retiros extensos. Em 1959, ele escapou da ocupação comunista do Tibete e viveu exilado em comunidades de refugiados na Índia e no Nepal até se estabelecer nos Estados Unidos em 1979. Em 1994, mudou-se para o Brasil, começou a construção do seu centro principal, Khadro Ling, no Rio Grande do Sul. Ao viajar e ensinar constantemente, irradiando entusiasmo e compaixão, tornou-se o lama do coração de centenas de alunos e foi uma inspiração profunda para milhares de outros. i O termo “mahayana”, que começou a ser usado aproximadamente em 100 A.C, é um sinônimo para “bodhisattvayana”, o caminho da busca da iluminação para o benefício de todos os seres (Fonte: http://darma.info/budismo/escolas-budistas/). A escola Mahayana é toda lógica, estruturada, ligada à nossa vida cotidiana, portanto, ela não tem nenhum aspecto místico. A abordagem Mahayana enfatiza especialmente as quatro qualidades incomensuráveis: compaixão, amor, alegria, equanimidade; e as seis perfeições: generosidade, moralidade, paz, energia constante, concentração e sabedoria. No ensinamento do Nobre Caminho Óctuplo também não há nada místico. Em primeiro lugar vem a motivação e, a seguir, não trazer sofrimento aos seres com a mente, não trazer sofrimento com a fala, não trazer sofrimento com o corpo, as qualidades incomensuráveis e as seis perfeições, meditação em silêncio, perfeição da sabedoria – que é uma forma de olharmos todas as coisas através de vacuidade e luminosidade; e, finalmente, temos a sabedoria yeshe, sabedoria que localiza aquilo que é incessante, luminoso, sempre presente em qualquer experiência. Localizamos através de um processo direto, não há propriamente lugar para as deidades nessa abordagem (Fonte: http://www.cebb.org.br/o-mahayana-e-os- aspectos-misticos/). *4 Fonte do texto: http://br.chagdud.org/s-ema-chagdud-tulku-rinpoche/.