SlideShare uma empresa Scribd logo
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 
57 
Volume 14 - Número 2 - 2º Semestre 2014 
PREVALÊNCIA DE LEVEDURAS Candida albicans E Candida NÃO-albicans EM 
AMOSTRAS VAGINAIS OBTIDAS EM UMA UNIDADE DE SAÚDE DE PALMAS-TOCANTINS 
Sônia Maria Ferreira Queiroz e Silva1; Vinícius Gomes de Oliveira2; Maria Vilian Ferreira de Queiroz3; 
José Gerley Diaz Castro4; Solange Cristina Carreiro5 
RESUMO 
Este estudo consistiu de um isolamento de leveduras Candida colhidas através de amostras vaginais, 
para cultivo e caracterização morfológica sobre leveduras isoladas. A população de estudo 
compreendeu de 60 mulheres de 18 a 65 anos atendidas em um serviço de saúde de Palmas-TO. As 
amostras isoladas foram submetidas à caracterização morfológica através da observação dos aspectos 
macro e micromorfológicos. Os achados apontaram a prevalência de C. albicans em 62,5% dos 
isolamentos sobre 38% de C. não albicans, o que sugere que o tratamento para este fungo deve ser 
priorizado pela Atenção Primária. 
Palavras-chave: Atenção primária, microbiologia, saúde da mulher. 
PREVALENCE OF YEASTS C. albicans AND NON-albicans ISOLATED FROM VAGINAL 
SPECIMENS OBTAINED AT A CLINIC IN PALMAS-TOCANTINS 
ABSTRACT 
This study consisted of an isolation of Candida yeasts collected by vaginal samples for cultivation 
and morphological characterization of yeasts isolated. The study population consisted of 60 women 
aged 18 to 65 years seen at a health facility Palmas-TO. All strains were subjected to morphological 
characterization by observing the macro and micromorphological aspects. Findings indicated the 
prevalence of C. albicans in 62.5% of the isolates on 38% of C. albicans did not, suggesting that the 
treatment for this fungus should be prioritized by the Primary Care. 
Keywords: Primary care, microbiology, women’s health.
58 
INTRODUÇÃO 
Ao longo dos últimos anos as infecções 
fúngicas humanas vêm apresentando um notável 
grau de crescimento, principalmente as causadas 
pelo gênero Candida, sendo esta responsável por 
15% a 25% dos casos de vulvovaginites. Têm 
sido consideradas como os problemas 
ginecológicos mais comuns nas mulheres. Estas 
infecções, ainda que mediante presença de 
sintomatologia ou aparente ausência, e estando o 
indivíduo suscetível, poderão evoluir para casos 
agudos ou crônicos (GALLE & GIANINI, 2004; 
BOATTO et al., 2007; OLIVEIRA et al., 2008). 
A candidose vulvovaginal é a infecção 
mais comum do trato genital feminino, ocupa o 
segundo lugar entre as vulvovaginites, sendo a 
Candida albicans, a espécie mais importante do 
ponto de vista etiológico incidindo em 75% a 
85% dos casos. Estima-se que cerca de 75% das 
mulheres adultas apresentaram pelo menos um 
episódio de vulvovaginite fúngica em sua vida, 
sendo que destas 40% a 50% vivenciaram um 
novo surto. No entanto, outras espécies de 
Candida também podem causar infecções. 
(HADDAD, 2006; RODRIGUES, 2006). 
A candidíase, ou candidose, é uma 
infeccção causada por espécies de leveduras do 
gênero Candida que acometem indivíduos em 
todo o mundo. Estes microrganismos 
apresentam-se como comensais ao homem, 
podendo ser oportunistas em certas ocasiões e 
habitam normalmente o aparelho digestivo e 
respiratório, mucosa vaginal, oral e tegumento 
cutâneo. Seu espectro é bastante extenso, 
variando desde manifestações banais como a 
colonização de mucosas, até quadros sistêmicos 
com a invasão de vários órgãos (SIDRIM & 
MOREIRA, 1999; GALLE & GIANINI, 2004; 
CONCEIÇÃO et al., 2005). 
Considerando que a Candida faz parte da 
microbiota normal da vagina, a simples 
colonização de leveduras na mucosa não 
significa presença da doença, porém pela ação de 
diversos fatores como diabetes, gravidez, 
tratamentos prolongados com corticosteróides, 
antibióticos, deficiência de alguns minerais como 
o ferro e o zinco, ou por fatores de virulência 
inerentes as leveduras motivados por condições 
ambientais favoráveis, a Candida passa de 
saprófita à patogênica dependendo da quantidade 
de microrganismos, conforme apontam os dados 
de estudos microbiológicos quantitativos 
(GARCIA & SIQUEIRA, 1988; RODRIGUES, 
2006; ÁLVARES, SVIDZINSKI & 
CONSOLARO, 2007). 
Conceição et al. (2005) e Mendes et al. 
(2005) consideram que o desencadeamento da 
candidose vulvovaginal pode, ainda, ser 
explicado pela própria fisiologia da mucosa 
vinculada à produção do estrógeno, que 
transforma o glicogênio em glicose, como no 
caso da fase lútea ou na gestação, a mulher pode 
vir a apresentar um quadro infeccioso por 
Candida, que se caracteriza pelo prurido vulvar 
intenso, eritema, leucorréia, presença de placas 
branco-cremosas e descamativas na mucosa 
vaginal. Cordeiro et al. (2004) apontam a relação 
da resposta imune celular através da síntese de 
imunoglobulinas com o controle da proliferação 
fúngica no epitélio vaginal pela ativação do 
Sistema Nervoso Central mediado pelas 
respostas emocionais, como nas situações de 
estresse. 
Atualmente, vários estudos descrevem 
distintos e potenciais fatores de risco para a 
candidose vulvovaginal incluindo o processo da 
autotransmissão, no qual as leveduras são 
carreadas para a vagina tendo como fonte a 
microbiota do intestino por meio da região 
perianal. Os hábitos higiênicos inadequados ou 
as trocas sexuais estão comumente associados a 
este modo de transmissão (ROSA & RUMEL, 
2004; FERRAZZA et al., 2005). 
Diversos autores têm enfatizado a 
prevalência relativamente alta de espécies não 
albicans mediante seus achados, sendo os vários 
relatos convergentes quanto ao surgimento destas 
leveduras pelo uso inadequado de antifúngicos 
ou como resultado da realização de culturas e 
provas de identificação, o que parece indicar uma 
tendência de mudança na etiologia da candidose 
após décadas de predomínio da C. albicans. Para 
estas análises houve maior prevalência de C. 
glabrata em percentuais superiores aos de outras 
espécies citadas como a C. parapapilosis, C. 
krusei e C, tropicalis. Diante de tais averiguações 
torna-se preponderante a atenção dispensada às 
espécies não albicans pela ausência de 
sintomatologia e resistência à maioria dos 
antifúngicos (NETO et al.,1999; ROSA & 
RUMEL, 2004; LINARES et al., 2005; 
HOLANDA, 2007).
59 
As leveduras do gênero Candida são 
fungos que ocorrem em todo o mundo, seja no 
solo, em plantas vivas ou mortas e convivem 
normalmente com o ser humano saudável em 
locais como pele e mucosas. Pertencem ao reino 
fungi; filo Deuteromycota; grupo Eumycota; 
classe Blastomycetes; família Criptocococeae; 
gênero Candida. Neste gênero estão as principais 
espécies de interesse clínico: Candida albicans, 
Candida glabrata, Candida parapapilosis, 
Candida krusei, Candida tropicalis (RIBEIRO, 
1998; CAMARGO et al., 2008). 
Caracterizada como uma levedura 
dimorfa a Candida se apresenta sob as formas de 
blastoconídeos, pseudo-hifas e/ou hifas 
verdadeiras. Pela sua condição de oportunista 
depende de fatores próprios de virulência e 
fatores predisponentes do hospedeiro para causar 
infecção. São colonizadores naturais da 
microbiota vaginal e intestinal, permanecendo 
neste habitat até encontrar as condições 
apropriadas para se multiplicar, quando então 
liberam seus fatores de virulência e 
desencadeiam a infecção através da invasão da 
mucosa. Esse poder patogênico da Candida 
depende tanto destes fatores de virulência como 
da capacidade de crescer em uma temperatura 
corporal de 37°C, ideal para seu 
desenvolvimento no corpo humano, sendo a 
formação de hifas e pseudohifas determinantes 
para fixação das leveduras nos epitélios. Neste 
processo, a produção das enzimas fosfolipases e 
proteinases auxiliam a aderência nas mucosas do 
hospedeiro facilitando a infecção fúngica. Entre 
as espécies de Candida somente a C. albicans 
produz fosfolipase e adesinas (ZARDO & 
MEZZARI, 2004; CAMARGO et al., 2008). 
De maneira geral, o processo de 
identificação das espécies de Candida, baseia-se 
nos aspectos morfológicos macro e 
microscópicos combinados com critérios 
bioquímicos característicos, constituindo-se em 
recurso para a execução dos distintos métodos 
adotados para este fim. Assim, além da aparência 
e morfologia das colônias, outros achados como 
a produção de tubo germinativo e pseudomicélio 
são particularmente importantes para a 
determinação e/ou distinção de espécies C. 
albicans e C. não albicans (SIDRIM & 
MOREIRA, 1999). 
METODOLOGIA 
O presente trabalho foi realizado na 
Policlínica 303 Norte e no Laboratório de 
Microbiologia da UFT, no município de Palmas- 
TO. Este constou de um isolamento de leveduras 
através de coleta das amostras vaginais, de 
cultivo das amostras e sua caracterização 
morfológica sobre a leveduras isoladas. Para 
realização deste trabalho a população de estudo 
compreendeu de 60 mulheres de 18 a 65 anos 
cadastradas na Atenção à Saúde da Mulher da 
Policlínica 303 Norte, procedentes da zona 
urbana, sem restrição sócio-econômico-cultural, 
cuja participação foi voluntária mediante 
assinatura de termo de consentimento livre e 
esclarecido. Como critério de inclusão na 
pesquisa utilizou-se a ausência de diabetes, 
gravidez, de HIV e não estar sob terapêutica com 
corticosteróides e/ou antifúngicos. 
O presente estudo contou com a 
aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa 
(CEP) da Universidade Luterana do Brasil – 
ULBRA sob nº 775/2008. 
Para o isolamento das leveduras utilizou-se 
amostras de mucosa vaginal que foram 
coletadas utilizando-se swabs estéreis, por 
ocasião da coleta de exame citológico, pelas 
usuárias atendidas no programa de atenção à 
saúde da mulher da referida Policlínica. 
Os swabs foram transportados até o 
laboratório de Microbiologia da UFT em tubos 
com solução salina estéril (NaCl 0,85%), os quais 
foram mantidos em caixa térmica até o momento 
do seu processamento, respeitando o máximo de 
03 horas após a coleta. Cada swab foi semeado 
em placa de Petri contendo Ágar Sabouraud-dextrose 
acrescido de 0,02% de Cloranfenicol. 
As placas foram incubadas a 37 oC em estufa 
bacteriológica por 48 horas. Após o período de 
incubação as colônias foram purificadas por 
esgotamento utilizando-se o mesmo meio. Todas 
as linhagens foram preservadas em meio Gymp 
sólido coberto com óleo mineral estéril sob 
refrigeração e em Gymp líquido a -20°C 
(PÁDUA; GUILHERMETTI; SVIDZINSKI, 
2003). 
As amostras isoladas foram submetidas a 
caracterização morfológica através da 
observação dos aspectos macro e 
micromorfológicos. A caracterização 
macroscópica das colônias levou em
60 
consideração aspectos como cor, tamanho, forma 
e borda das colônias após crescimento em Ágar 
Sabouroud-dextrose. Na caracterização 
microscópica observou-se tamanho e forma das 
células, presença/ausência de brotamentos, 
clamidiosporos, pseudomicélio e tubo 
germinativo através da observação de lâminas 
sob microscopia óptica comum. Para a 
observação de tubo germinativo, colônias com 24 
horas de crescimento em Ágar Sabouroud-dextrose 
foram semeadas em tubos de ensaio 
contendo 0,3 mL de soro humano suplementado 
com 0,5% de glicose segundo Sidrim & Moreira 
(1997) com modificações. Os tubos foram 
incubados a 37°C em banho-maria por 1 hora. 
Uma gota da suspensão foi analisada entre 
lâmina-lamínula ao microscópio óptico comum, 
para verificação da formação de tubo 
germinativo. Foram consideradas como C. 
albicans as linhagens que apresentaram tubo 
germinativo, as demais foram consideradas como 
C. não albicans. 
Para análise da micromorfologia utilizou-se 
a técnica de microcultivo. As leveduras foram 
semeadas em estrias horizontais sobre o meio 
Ágar fubá (HIMÉDIA) sobre lâminas de 
microscopia e coberto com lamínulas, dispostas 
em conjuntos estéreis. As lâminas foram 
incubadas em estufa a 37°C por 24 horas. 
Decorrido o tempo de incubação procedeu-se a 
observação, em microscópia óptica comum 
(FISCHER & COOK, 2001). 
RESULTADOS E DISCUSSÃO 
No presente estudo 49 (82%) usuárias 
apresentaram sintomas, sendo significativa a 
presença de Candida spp nas amostras colhidas 
de usuárias sintomáticas e assintomáticas. Esses 
resultados se assemelham ao estudo de Silva, 
Franceschini & Cândido (2003) e de Camargo et 
al (2008) que coletaram amostras vaginais 
independente de sintomas para isolamento de 
leveduras. Da mesma forma, Mendes & 
Chiapetta (2005) encontraram uma prevalência 
de 75% de Candida spp em exames de secreção 
endovaginal sendo a maioria em jovens. 
Realizou-se o isolamento e identificação 
preliminar das leveduras a partir de esfregaço 
vaginal das usuárias consideradas sintomáticas 
ou não ao exame clínico. Das 60 amostras de 
esfregaço vaginal obtidas 50 apresentaram 
crescimento de leveduras, o que mostra 67% de 
positividade para leveduras. 10 linhagens 
perderam a viabilidade após período de 
estocagem, portanto a caracterização 
morfológica foi realizada com 40 linhagens. 
O aspecto macroscópico mostrou colônias 
de coloração branca a creme, aspecto liso com ou 
sem brilho, características do gênero Candida. A 
formação de Pseudo-hifas foi observada em 15 
amostras, porém esse achado isoladamente não 
permite a diferenciação de C. albicans e C. não 
albicans. A presença de tubo germinativo foi 
observada em 25 (62,5%) dos isolados 
caracterizando-os assim como C. albicans, já que 
a formação de tubo é determinante para essa 
espécie. Portanto, as 25 amostras que produziram 
tubo germinativo foram identificadas como 
Candida albicans, enquanto que as 15 amostras 
restantes que exibiram estrutura características 
de pseudohifas (pseudomicélios) foram 
identificadas como Candida não albicans, 
segundo a padronização de Sidrim e Moreira 
(1999); Fischer e Cook (2001); Conceição et al., 
(2005). 
Vale considerar que a prova do tubo 
germinativo apresenta alta especificidade, 
apresentando índice positivo entre 94 a 97 %. Já 
a prova da formação de pseudomicélio, que se 
baseia no princípio de que as leveduras quando 
incubadas num meio com baixa tensão de 
oxigênio têm a capacidade de filamentar, 
constitui-se em parâmetro morfológico apenas 
para agrupar leveduras não albicans, não sendo 
pois, determinante na distinção das respectivas 
espécies (SIDRIM & MOREIRA, 1999; ALVES 
et al., 2000; CAMARGO et al., 2008)). 
Sendo assim, este estudo mostrou que os 
achados apontaram a C. albicans em 62,5% dos 
isolamentos e 38% C. não albicans e cujos dados 
corroboram com as investigações de Galle & 
Gianini(2004) acerca da identificação das 
espécies de Candida situando a prevalência de 
positividade deste gênero nos isolados o qual têm 
demonstrado a expressiva ocorrência de C. 
albicans, assim como apontado e destacado as 
C. não albicans pelo surgimento de resistência 
aos antifúngicos na tentativa de se estabelecer a 
pertinência da colonização por Candida ao 
comportamento clínico e terapêutico da 
candidose vulvovaginal.
61 
CONCLUSÃO 
No presente estudo identificou-se maior 
número de Cãndida albicans o que sugere que o 
tratamento para este fungo deve ser priorizado 
pela Atenção primária. 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 
ALVES, S. H,; SILVA, G. M.; SCOPEL, P. A.; 
OLIVEIRA, L. T. O.; COSTA, J. M.; MILÁN, 
E. P.; COLOMBO, A. L. Isolamento de Candida 
dubliniensis da mucosa oral de um paciente com 
SIDA no Rio Grande do Sul. Revista AMRIGS, 
Porto Alegre, v. 44, n. 3,4, p. 185-187, jul./dez. 
2000. 
ALVARES, C. A.; SVIDZINSKI, T. I. E.; 
CONSOLARO, M. E. L. Vulvovaginal 
candidiasis: Susceptibility factors of the host and 
virulence of the yeasts. Jornal Brasileiro de 
Patologia Medica Laboratorial, v. 43, n.5, 
sept./oct. 2007. 
ARAÚJO, C. R. de.; MIRANDA, K. C.; 
PASSOS, X, S.; SOUSA, L, K. H.; LEMOS, J. 
A.; KHRAIS, C. H. A.; COSTA, C. R.; SILVA, 
M. R. R.; FERNANDES, O. F. L. Identificação 
das leveduras Candida por métodos manuais 
convencionais e pelo método cromogênico 
CHROMagarTM CANDIDA. Revista de 
Patologia Tropical, v. 34, n. 1, p. 37-42, 
jan./abri. 2005. 
BOATTO, H. F.; MORAES, M. S.; 
MACHADO, A. P.; GIRÃO, M. J. B. C.; 
FISCHMAN, O. Correlação entre os resultados 
laboratoriais e os sintomas clínicos das pacientes 
com Candidíase Vulvovaginal e relevância dos 
parceiros sexuais na manutenção da infecção em 
São Paulo, Brasil. Revista Brasileira de 
Ginecologia e Obstetrícia, v. 29, n. 2, p. 80-84, 
2007. 
CAMARGO, F. P. de.; ALVES, I. A.; 
PARLOW, M. S.; GOULART, L. S. Isolamento 
de Candida sp da mucosa vaginal de mulheres 
atendidas em um serviço de ginecologia do 
município de Santo Ângelo-RS. NewsLab, n. 87. 
2008. 
CONCEIÇÃO, G. C.; COÊLHO, P. P.; SOUSA 
JÚNIOR, M. A. de.; PEREIRA, M. L.; 
MIGUEL, D. S. C. G.; TORALLES, M. B. P. 
Avaliação do Tubo Germinativo em secreção 
vaginal a fresco para triagem de Candida 
albicans: Um teste rápido. NewsLab, n.73 p. 106 
– 112, 2005. 
CORDEIRO, S. N.; GIRALDO, P. C.; 
SABATINO, J. H.; FONSECHI-CARVASAN, 
G. A.; TURATO, E. R. Vulvovaginites 
Recorrentes: Uma doença psicossomática? 
Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente 
Transmissíveis, v. 16, n. 1, p. 45-51, 2004. 
CROCCO, E. I.; SOUSA, V. M.; MIMICA, L. 
M. J.; RUIZ, L. R. B.; MURAMATU, L. H.; 
ZAITZ, C.; GARCIA, C. Identificação de 
espécies de Candida e susceptibilidade 
antifúngica in vitro: Estudo de 100 pacientes com 
Candidíases Superficiais. Anais Brasileiros em 
Dermatologia... Rio de Janeiro, v. 79, n. 6, p. 
689-697, 2004. 
FERRAZZA, M. H. S. H.; MALUF, M. L. F.; 
CONSOLARO, M. E.L.; SHINOBU, C. S.; 
SVIDZINSKI, T. I. E.; BATISTA, M. R. 
Caracterização de leveduras isoladas da vagina e 
sua associação com Candidíase vulvovaginal em 
duas cidades do sul do Brasil. Revista Brasileira 
de Ginecologia e Obstetrícia, v. 27, n. 2, p. 58 - 
63, 2005. 
FISCHER, F.; COOK, N. B. MICOLOGIA: 
Fundamentos e Diagnóstico. Rio de Janeiro: 
Editora Revinter, 2001. 337 p. 
GALLE, L. C.; GIANINI, M. J. S. M. 
Prevalência e susceptibilidade de leveduras 
vaginais. Jornal Brasileiro de Patologia 
Médica Laboratorial, v. 40, n. 4, p. 229 – 236, 
ago. 2004. 
GARCIA, A. L.; SIQUEIRA, A. M. de. 
Isolamento, Identificação e Sorotipagem de 
Candida albicans a partir de secreção vaginal. 
Revista Instituto de Medicina Tropical, v. 30, 
n. 4, p. 270-273, jul./ago. 1988. 
HADDAD, J. M. Candidíase: Abordagem atual. 
Revista Educação Médica Continuada. São 
Paulo, 2006.
62 
HOLANDA, A. A. R. Candidíase 
Vulvovaginal: Sintomatologia, fatores de risco 
e colonização anal concomitante. Dissertação 
(Mestrado em Ciências da Saúde) – Universidade 
Federal do Rio Grande do Norte. 60 p. 2007. 
LINARES, C. E. B.; DAGIOS, G.; CARATI, M. 
R.; GASPARINI, M. P.; NETO, A. T. ; SCHEID, 
L. A.; SCHUBERT, A. Epidemiologic and 
susceptibility study of Candida isolated from 
women with Vulvovaginal candidiasis in 
Frederico Westphalen-RS. Saúde, v. 31, n. 1-2, 
p. 42-46, 2005. 
MENDES, C. L.; ARAÚJO, A. A.; SENA, K. X. 
F. R. de.; CHIAPETTA, A. A. Prevalência de 
Candida sp em infecções vaginais. NewsLab, 
edição 68, 2005. 
MURRAY, P. R.; ROSENTHAL, K. S.; 
PFALLER, M.A. Microbiologia Médica, 1. ed. 
Rio de Janeiro: Elsevier, 2006. 
NETO, A. A.; HAMDAN, J. S.; SOUSA, R. C. 
Prevalência de Candida na flora vaginal de 
mulheres atendidas num serviço de Planejamento 
Familiar. Revista Brasileira de Ginecologia e 
Obstetrícia, v. 21, n. 8, p. 440 – 445, 1999. 
OLIVEIRA, P. M.; MASCARENHAS, R. E.; 
FERRER, S. R.; OLIVEIRA, R. P. C.; 
TRAVESSA, I. E. M.; GOMES, M. V. C.; 
GRASSI, M. F. R. Vulvovaginites em mulheres 
infectadas pelo vírus da Imunodeficiência 
Humana. Revista Brasileira de Ginecologia e 
Obstetrícia, v. 30, n. 3, p. 121-126, 2008. 
PÁDUA, R. A. F. de.; GUILHERMETTI, E.; 
SVIDZINSKI, T. I. E. In vitro activity of 
antifungal agents on yeasts isolated from vaginal 
secretion. Acta Scientiarum Health Sciences. 
Maringá, v.25, n. 1, p. 51-54, 2003. 
RIBEIRO, A. A.; OLIVEIRA, D. F.; SAMPAIO, 
M. C. N.; CARNEIRO, M. A. S.; TAVARES, S. 
B. N.; SOUSA, N. L. A. de.; FONSECHI-CARVASAN, 
G. A.; RIBEIRO,E. L. Aspectos 
biológicos das leveduras do gênero Candida 
isoladas de candidíase vaginal. Revista da 
Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 
31, n.6, p. 595, nov./dez. 1998. 
RODRIGUES, F. M. Candidíase Vulvovaginal 
Recorrente: Tratar é Fácil, Curar é Difícil. 
Revista Residência Médica, São Paulo, 2006. 
ROSA, M. I. da.; RUMEL, D. Fatores 
associados a Candidíase Vulvovaginal: Estudo 
exploratório. Revista Brasileira de Ginecologia 
e Obstetrícia, Rio de Janeiro, v. 26, n. 1, p. 65- 
70, 2004. 
SILVA, J. O.; FRANCESCHINI, S. A.; 
CANDIDO, R. C. Presense of yeasts in the 
mucosae and feces of apparently realthy 
individual and subjects with symptoms of fungal 
infection. Revista do Instituto Adolfo Lutz, v. 
61, n. 2, p. 113-120, 2003. 
SIDRIM, J. J. C.; MOREIRA. J. L. B. 
Fundamentos Clínicos e Laboratoriais da 
Micologia Médica. Rio de Janeiro: Guanabara, 
1999. 287p. 
ZARDO, V.; MEZZARI, A. Os antifúngicos nas 
infecções por Candida sp. NewsLab, 63. ed. 
2004. 
______________________________________ 
[1] Enfermeira, Professora do curso de 
enfermagem e nutrição da Universidade Federal 
do Tocantins. Palmas (TO) Email: 
squeiroz@uft.edu.br 
[2] Graduação em medicina pela Universidade 
Federal do Tocantins Palmas (TO), ex- bolsista 
PIBIC. Email: vinicius.vinyoliver@gmail.com 
[3] Odontóloga. Professora do curso de Nutrição 
da Universidade Federal do Tocantins. Palmas 
(TO), sauloricardo123@hotmail.com 
[4] Zootecnista, Professor do curso de Nutrição 
da Universidade Federal do Tocantins. Email: 
diazcastro@uft.edu.br 
[5] Engenheira de Alimento. Professora do curso 
de Engenharia de Alimentos da Universidade 
Federal do Tocantins, Palmas (TO). 
solange@uft.edu.br.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Staphylococcus aureus5
Staphylococcus aureus5Staphylococcus aureus5
Staphylococcus aureus5
Danilo Coelho
 
Infecção cruzada
Infecção cruzadaInfecção cruzada
Infecção cruzada
Tamara Paz
 
Vírus hep b avaliação da resposta sorológica à vacina em funcionários de li...
Vírus hep b   avaliação da resposta sorológica à vacina em funcionários de li...Vírus hep b   avaliação da resposta sorológica à vacina em funcionários de li...
Vírus hep b avaliação da resposta sorológica à vacina em funcionários de li...
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
001 manual pos_vacina
001 manual pos_vacina001 manual pos_vacina
001 manual pos_vacina
nanda_enfe
 
Métodos na detecção do h pilori52 184-1-pb
Métodos na detecção do h pilori52 184-1-pbMétodos na detecção do h pilori52 184-1-pb
Métodos na detecção do h pilori52 184-1-pb
Gerson da Cunha Mariobo
 
Risco biologico
Risco biologicoRisco biologico
Risco biologico
André Tobias
 
prevenção da Infecção hospitalar
prevenção da Infecção hospitalarprevenção da Infecção hospitalar
prevenção da Infecção hospitalar
Renato Abdoral
 
Epidemiologia das Doenças aula 3
Epidemiologia das Doenças   aula 3Epidemiologia das Doenças   aula 3
Epidemiologia das Doenças aula 3
profsempre
 
O que é preciso saber sobre infecções
O que é preciso saber sobre infecçõesO que é preciso saber sobre infecções
O que é preciso saber sobre infecções
Tookmed
 
Vaginose bacteriana
Vaginose bacterianaVaginose bacteriana
Vaginose bacteriana
ReyCatrine
 
Cadeia de infecção e controle de infecção
Cadeia de infecção e controle de infecção Cadeia de infecção e controle de infecção
Cadeia de infecção e controle de infecção
Mariana Remiro
 
Análise da produção científica sobre hepatite b na pós graduação de enfermage...
Análise da produção científica sobre hepatite b na pós graduação de enfermage...Análise da produção científica sobre hepatite b na pós graduação de enfermage...
Análise da produção científica sobre hepatite b na pós graduação de enfermage...
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
T.d vírus
T.d vírusT.d vírus

Mais procurados (13)

Staphylococcus aureus5
Staphylococcus aureus5Staphylococcus aureus5
Staphylococcus aureus5
 
Infecção cruzada
Infecção cruzadaInfecção cruzada
Infecção cruzada
 
Vírus hep b avaliação da resposta sorológica à vacina em funcionários de li...
Vírus hep b   avaliação da resposta sorológica à vacina em funcionários de li...Vírus hep b   avaliação da resposta sorológica à vacina em funcionários de li...
Vírus hep b avaliação da resposta sorológica à vacina em funcionários de li...
 
001 manual pos_vacina
001 manual pos_vacina001 manual pos_vacina
001 manual pos_vacina
 
Métodos na detecção do h pilori52 184-1-pb
Métodos na detecção do h pilori52 184-1-pbMétodos na detecção do h pilori52 184-1-pb
Métodos na detecção do h pilori52 184-1-pb
 
Risco biologico
Risco biologicoRisco biologico
Risco biologico
 
prevenção da Infecção hospitalar
prevenção da Infecção hospitalarprevenção da Infecção hospitalar
prevenção da Infecção hospitalar
 
Epidemiologia das Doenças aula 3
Epidemiologia das Doenças   aula 3Epidemiologia das Doenças   aula 3
Epidemiologia das Doenças aula 3
 
O que é preciso saber sobre infecções
O que é preciso saber sobre infecçõesO que é preciso saber sobre infecções
O que é preciso saber sobre infecções
 
Vaginose bacteriana
Vaginose bacterianaVaginose bacteriana
Vaginose bacteriana
 
Cadeia de infecção e controle de infecção
Cadeia de infecção e controle de infecção Cadeia de infecção e controle de infecção
Cadeia de infecção e controle de infecção
 
Análise da produção científica sobre hepatite b na pós graduação de enfermage...
Análise da produção científica sobre hepatite b na pós graduação de enfermage...Análise da produção científica sobre hepatite b na pós graduação de enfermage...
Análise da produção científica sobre hepatite b na pós graduação de enfermage...
 
T.d vírus
T.d vírusT.d vírus
T.d vírus
 

Destaque

Artigo bioterra v14_n1_08
Artigo bioterra v14_n1_08Artigo bioterra v14_n1_08
Artigo bioterra v14_n1_08
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo bioterra v16_n1_04
Artigo bioterra v16_n1_04Artigo bioterra v16_n1_04
Artigo bioterra v16_n1_04
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo bioterra v14_n2_04
Artigo bioterra v14_n2_04Artigo bioterra v14_n2_04
Artigo bioterra v14_n2_04
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo bioterra v16_n1_06
Artigo bioterra v16_n1_06Artigo bioterra v16_n1_06
Artigo bioterra v16_n1_06
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo bioterra v14_n2_03
Artigo bioterra v14_n2_03Artigo bioterra v14_n2_03
Artigo bioterra v14_n2_03
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo bioterra v16_n2_03
Artigo bioterra v16_n2_03Artigo bioterra v16_n2_03
Artigo bioterra v16_n2_03
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo bioterra v16_n1_02
Artigo bioterra v16_n1_02Artigo bioterra v16_n1_02
Artigo bioterra v16_n1_02
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo bioterra v16_n1_10
Artigo bioterra v16_n1_10Artigo bioterra v16_n1_10
Artigo bioterra v16_n1_10
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo bioterra v14_n1_04
Artigo bioterra v14_n1_04Artigo bioterra v14_n1_04
Artigo bioterra v14_n1_04
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo bioterra v16_n2_05
Artigo bioterra v16_n2_05Artigo bioterra v16_n2_05
Artigo bioterra v16_n2_05
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Artigo bioterra v16_n1_09
Artigo bioterra v16_n1_09Artigo bioterra v16_n1_09
Artigo bioterra v16_n1_09
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 

Destaque (11)

Artigo bioterra v14_n1_08
Artigo bioterra v14_n1_08Artigo bioterra v14_n1_08
Artigo bioterra v14_n1_08
 
Artigo bioterra v16_n1_04
Artigo bioterra v16_n1_04Artigo bioterra v16_n1_04
Artigo bioterra v16_n1_04
 
Artigo bioterra v14_n2_04
Artigo bioterra v14_n2_04Artigo bioterra v14_n2_04
Artigo bioterra v14_n2_04
 
Artigo bioterra v16_n1_06
Artigo bioterra v16_n1_06Artigo bioterra v16_n1_06
Artigo bioterra v16_n1_06
 
Artigo bioterra v14_n2_03
Artigo bioterra v14_n2_03Artigo bioterra v14_n2_03
Artigo bioterra v14_n2_03
 
Artigo bioterra v16_n2_03
Artigo bioterra v16_n2_03Artigo bioterra v16_n2_03
Artigo bioterra v16_n2_03
 
Artigo bioterra v16_n1_02
Artigo bioterra v16_n1_02Artigo bioterra v16_n1_02
Artigo bioterra v16_n1_02
 
Artigo bioterra v16_n1_10
Artigo bioterra v16_n1_10Artigo bioterra v16_n1_10
Artigo bioterra v16_n1_10
 
Artigo bioterra v14_n1_04
Artigo bioterra v14_n1_04Artigo bioterra v14_n1_04
Artigo bioterra v14_n1_04
 
Artigo bioterra v16_n2_05
Artigo bioterra v16_n2_05Artigo bioterra v16_n2_05
Artigo bioterra v16_n2_05
 
Artigo bioterra v16_n1_09
Artigo bioterra v16_n1_09Artigo bioterra v16_n1_09
Artigo bioterra v16_n1_09
 

Semelhante a Artigo bioterra v14_n2_08

001
001001
exame ginecologico.pdf
exame ginecologico.pdfexame ginecologico.pdf
exame ginecologico.pdf
Claudio52487
 
Seminário de Microbiologia - Candidíase
Seminário de Microbiologia - CandidíaseSeminário de Microbiologia - Candidíase
Seminário de Microbiologia - Candidíase
Carla Bernardo Chagas
 
010
010010
Ebook probióticos para evitar partos prematuros
Ebook probióticos para evitar partos prematurosEbook probióticos para evitar partos prematuros
Ebook probióticos para evitar partos prematuros
NacionalAVA
 
Costa et al. 2008 mastites por leveduras em bovinos leiteirod do sul do est...
Costa et al. 2008   mastites por leveduras em bovinos leiteirod do sul do est...Costa et al. 2008   mastites por leveduras em bovinos leiteirod do sul do est...
Costa et al. 2008 mastites por leveduras em bovinos leiteirod do sul do est...
BeefPoint
 
Isolamento De Candida Spp. No Mamilo De Lactantes Do Banco De Leite Humano Da...
Isolamento De Candida Spp. No Mamilo De Lactantes Do Banco De Leite Humano Da...Isolamento De Candida Spp. No Mamilo De Lactantes Do Banco De Leite Humano Da...
Isolamento De Candida Spp. No Mamilo De Lactantes Do Banco De Leite Humano Da...
Biblioteca Virtual
 
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
Flávio Henrique Ferreira Barbosa
 
004
004004
Candidíase 1.1
Candidíase 1.1Candidíase 1.1
Candidíase 1.1
Stephani Coelho
 
microbiologia II
microbiologia IImicrobiologia II
microbiologia II
Keyla Sousa
 
presencia de la candida en las mucosas vaginales y bucales y su relacion con ...
presencia de la candida en las mucosas vaginales y bucales y su relacion con ...presencia de la candida en las mucosas vaginales y bucales y su relacion con ...
presencia de la candida en las mucosas vaginales y bucales y su relacion con ...
Christian Aguilar Rojas
 
Helmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdfHelmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdf
Arielle Freitas
 
microrganismos patogênicos em alimentos
 microrganismos patogênicos em alimentos microrganismos patogênicos em alimentos
microrganismos patogênicos em alimentos
Cris Botelho
 
DSTs
DSTsDSTs
Sífilis e outras IST'S na população jovem
Sífilis e outras IST'S  na população jovemSífilis e outras IST'S  na população jovem
Sífilis e outras IST'S na população jovem
EvertonMonteiro19
 
Trabalho de gonorreia
Trabalho de gonorreiaTrabalho de gonorreia
Trabalho de gonorreia
Daniela Santos
 
apresentação toxoplasmose.pptx
apresentação toxoplasmose.pptxapresentação toxoplasmose.pptx
apresentação toxoplasmose.pptx
ViniciusBarrosOlivei
 
Apostila microbiologia i
Apostila microbiologia iApostila microbiologia i
Apostila microbiologia i
FredericoMMN
 
Perfil epidemiológico da vaginose bacteriana em São Paulo
Perfil epidemiológico da vaginose bacteriana em São PauloPerfil epidemiológico da vaginose bacteriana em São Paulo
Perfil epidemiológico da vaginose bacteriana em São Paulo
Gabriela Montargil
 

Semelhante a Artigo bioterra v14_n2_08 (20)

001
001001
001
 
exame ginecologico.pdf
exame ginecologico.pdfexame ginecologico.pdf
exame ginecologico.pdf
 
Seminário de Microbiologia - Candidíase
Seminário de Microbiologia - CandidíaseSeminário de Microbiologia - Candidíase
Seminário de Microbiologia - Candidíase
 
010
010010
010
 
Ebook probióticos para evitar partos prematuros
Ebook probióticos para evitar partos prematurosEbook probióticos para evitar partos prematuros
Ebook probióticos para evitar partos prematuros
 
Costa et al. 2008 mastites por leveduras em bovinos leiteirod do sul do est...
Costa et al. 2008   mastites por leveduras em bovinos leiteirod do sul do est...Costa et al. 2008   mastites por leveduras em bovinos leiteirod do sul do est...
Costa et al. 2008 mastites por leveduras em bovinos leiteirod do sul do est...
 
Isolamento De Candida Spp. No Mamilo De Lactantes Do Banco De Leite Humano Da...
Isolamento De Candida Spp. No Mamilo De Lactantes Do Banco De Leite Humano Da...Isolamento De Candida Spp. No Mamilo De Lactantes Do Banco De Leite Humano Da...
Isolamento De Candida Spp. No Mamilo De Lactantes Do Banco De Leite Humano Da...
 
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
Ciência Equatorial - ISSN 2179-9563 - V1N1 2011
 
004
004004
004
 
Candidíase 1.1
Candidíase 1.1Candidíase 1.1
Candidíase 1.1
 
microbiologia II
microbiologia IImicrobiologia II
microbiologia II
 
presencia de la candida en las mucosas vaginales y bucales y su relacion con ...
presencia de la candida en las mucosas vaginales y bucales y su relacion con ...presencia de la candida en las mucosas vaginales y bucales y su relacion con ...
presencia de la candida en las mucosas vaginales y bucales y su relacion con ...
 
Helmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdfHelmintos-2014.pdf
Helmintos-2014.pdf
 
microrganismos patogênicos em alimentos
 microrganismos patogênicos em alimentos microrganismos patogênicos em alimentos
microrganismos patogênicos em alimentos
 
DSTs
DSTsDSTs
DSTs
 
Sífilis e outras IST'S na população jovem
Sífilis e outras IST'S  na população jovemSífilis e outras IST'S  na população jovem
Sífilis e outras IST'S na população jovem
 
Trabalho de gonorreia
Trabalho de gonorreiaTrabalho de gonorreia
Trabalho de gonorreia
 
apresentação toxoplasmose.pptx
apresentação toxoplasmose.pptxapresentação toxoplasmose.pptx
apresentação toxoplasmose.pptx
 
Apostila microbiologia i
Apostila microbiologia iApostila microbiologia i
Apostila microbiologia i
 
Perfil epidemiológico da vaginose bacteriana em São Paulo
Perfil epidemiológico da vaginose bacteriana em São PauloPerfil epidemiológico da vaginose bacteriana em São Paulo
Perfil epidemiológico da vaginose bacteriana em São Paulo
 

Mais de Universidade Federal de Sergipe - UFS

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 

Mais de Universidade Federal de Sergipe - UFS (20)

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 

Artigo bioterra v14_n2_08

  • 1. REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 57 Volume 14 - Número 2 - 2º Semestre 2014 PREVALÊNCIA DE LEVEDURAS Candida albicans E Candida NÃO-albicans EM AMOSTRAS VAGINAIS OBTIDAS EM UMA UNIDADE DE SAÚDE DE PALMAS-TOCANTINS Sônia Maria Ferreira Queiroz e Silva1; Vinícius Gomes de Oliveira2; Maria Vilian Ferreira de Queiroz3; José Gerley Diaz Castro4; Solange Cristina Carreiro5 RESUMO Este estudo consistiu de um isolamento de leveduras Candida colhidas através de amostras vaginais, para cultivo e caracterização morfológica sobre leveduras isoladas. A população de estudo compreendeu de 60 mulheres de 18 a 65 anos atendidas em um serviço de saúde de Palmas-TO. As amostras isoladas foram submetidas à caracterização morfológica através da observação dos aspectos macro e micromorfológicos. Os achados apontaram a prevalência de C. albicans em 62,5% dos isolamentos sobre 38% de C. não albicans, o que sugere que o tratamento para este fungo deve ser priorizado pela Atenção Primária. Palavras-chave: Atenção primária, microbiologia, saúde da mulher. PREVALENCE OF YEASTS C. albicans AND NON-albicans ISOLATED FROM VAGINAL SPECIMENS OBTAINED AT A CLINIC IN PALMAS-TOCANTINS ABSTRACT This study consisted of an isolation of Candida yeasts collected by vaginal samples for cultivation and morphological characterization of yeasts isolated. The study population consisted of 60 women aged 18 to 65 years seen at a health facility Palmas-TO. All strains were subjected to morphological characterization by observing the macro and micromorphological aspects. Findings indicated the prevalence of C. albicans in 62.5% of the isolates on 38% of C. albicans did not, suggesting that the treatment for this fungus should be prioritized by the Primary Care. Keywords: Primary care, microbiology, women’s health.
  • 2. 58 INTRODUÇÃO Ao longo dos últimos anos as infecções fúngicas humanas vêm apresentando um notável grau de crescimento, principalmente as causadas pelo gênero Candida, sendo esta responsável por 15% a 25% dos casos de vulvovaginites. Têm sido consideradas como os problemas ginecológicos mais comuns nas mulheres. Estas infecções, ainda que mediante presença de sintomatologia ou aparente ausência, e estando o indivíduo suscetível, poderão evoluir para casos agudos ou crônicos (GALLE & GIANINI, 2004; BOATTO et al., 2007; OLIVEIRA et al., 2008). A candidose vulvovaginal é a infecção mais comum do trato genital feminino, ocupa o segundo lugar entre as vulvovaginites, sendo a Candida albicans, a espécie mais importante do ponto de vista etiológico incidindo em 75% a 85% dos casos. Estima-se que cerca de 75% das mulheres adultas apresentaram pelo menos um episódio de vulvovaginite fúngica em sua vida, sendo que destas 40% a 50% vivenciaram um novo surto. No entanto, outras espécies de Candida também podem causar infecções. (HADDAD, 2006; RODRIGUES, 2006). A candidíase, ou candidose, é uma infeccção causada por espécies de leveduras do gênero Candida que acometem indivíduos em todo o mundo. Estes microrganismos apresentam-se como comensais ao homem, podendo ser oportunistas em certas ocasiões e habitam normalmente o aparelho digestivo e respiratório, mucosa vaginal, oral e tegumento cutâneo. Seu espectro é bastante extenso, variando desde manifestações banais como a colonização de mucosas, até quadros sistêmicos com a invasão de vários órgãos (SIDRIM & MOREIRA, 1999; GALLE & GIANINI, 2004; CONCEIÇÃO et al., 2005). Considerando que a Candida faz parte da microbiota normal da vagina, a simples colonização de leveduras na mucosa não significa presença da doença, porém pela ação de diversos fatores como diabetes, gravidez, tratamentos prolongados com corticosteróides, antibióticos, deficiência de alguns minerais como o ferro e o zinco, ou por fatores de virulência inerentes as leveduras motivados por condições ambientais favoráveis, a Candida passa de saprófita à patogênica dependendo da quantidade de microrganismos, conforme apontam os dados de estudos microbiológicos quantitativos (GARCIA & SIQUEIRA, 1988; RODRIGUES, 2006; ÁLVARES, SVIDZINSKI & CONSOLARO, 2007). Conceição et al. (2005) e Mendes et al. (2005) consideram que o desencadeamento da candidose vulvovaginal pode, ainda, ser explicado pela própria fisiologia da mucosa vinculada à produção do estrógeno, que transforma o glicogênio em glicose, como no caso da fase lútea ou na gestação, a mulher pode vir a apresentar um quadro infeccioso por Candida, que se caracteriza pelo prurido vulvar intenso, eritema, leucorréia, presença de placas branco-cremosas e descamativas na mucosa vaginal. Cordeiro et al. (2004) apontam a relação da resposta imune celular através da síntese de imunoglobulinas com o controle da proliferação fúngica no epitélio vaginal pela ativação do Sistema Nervoso Central mediado pelas respostas emocionais, como nas situações de estresse. Atualmente, vários estudos descrevem distintos e potenciais fatores de risco para a candidose vulvovaginal incluindo o processo da autotransmissão, no qual as leveduras são carreadas para a vagina tendo como fonte a microbiota do intestino por meio da região perianal. Os hábitos higiênicos inadequados ou as trocas sexuais estão comumente associados a este modo de transmissão (ROSA & RUMEL, 2004; FERRAZZA et al., 2005). Diversos autores têm enfatizado a prevalência relativamente alta de espécies não albicans mediante seus achados, sendo os vários relatos convergentes quanto ao surgimento destas leveduras pelo uso inadequado de antifúngicos ou como resultado da realização de culturas e provas de identificação, o que parece indicar uma tendência de mudança na etiologia da candidose após décadas de predomínio da C. albicans. Para estas análises houve maior prevalência de C. glabrata em percentuais superiores aos de outras espécies citadas como a C. parapapilosis, C. krusei e C, tropicalis. Diante de tais averiguações torna-se preponderante a atenção dispensada às espécies não albicans pela ausência de sintomatologia e resistência à maioria dos antifúngicos (NETO et al.,1999; ROSA & RUMEL, 2004; LINARES et al., 2005; HOLANDA, 2007).
  • 3. 59 As leveduras do gênero Candida são fungos que ocorrem em todo o mundo, seja no solo, em plantas vivas ou mortas e convivem normalmente com o ser humano saudável em locais como pele e mucosas. Pertencem ao reino fungi; filo Deuteromycota; grupo Eumycota; classe Blastomycetes; família Criptocococeae; gênero Candida. Neste gênero estão as principais espécies de interesse clínico: Candida albicans, Candida glabrata, Candida parapapilosis, Candida krusei, Candida tropicalis (RIBEIRO, 1998; CAMARGO et al., 2008). Caracterizada como uma levedura dimorfa a Candida se apresenta sob as formas de blastoconídeos, pseudo-hifas e/ou hifas verdadeiras. Pela sua condição de oportunista depende de fatores próprios de virulência e fatores predisponentes do hospedeiro para causar infecção. São colonizadores naturais da microbiota vaginal e intestinal, permanecendo neste habitat até encontrar as condições apropriadas para se multiplicar, quando então liberam seus fatores de virulência e desencadeiam a infecção através da invasão da mucosa. Esse poder patogênico da Candida depende tanto destes fatores de virulência como da capacidade de crescer em uma temperatura corporal de 37°C, ideal para seu desenvolvimento no corpo humano, sendo a formação de hifas e pseudohifas determinantes para fixação das leveduras nos epitélios. Neste processo, a produção das enzimas fosfolipases e proteinases auxiliam a aderência nas mucosas do hospedeiro facilitando a infecção fúngica. Entre as espécies de Candida somente a C. albicans produz fosfolipase e adesinas (ZARDO & MEZZARI, 2004; CAMARGO et al., 2008). De maneira geral, o processo de identificação das espécies de Candida, baseia-se nos aspectos morfológicos macro e microscópicos combinados com critérios bioquímicos característicos, constituindo-se em recurso para a execução dos distintos métodos adotados para este fim. Assim, além da aparência e morfologia das colônias, outros achados como a produção de tubo germinativo e pseudomicélio são particularmente importantes para a determinação e/ou distinção de espécies C. albicans e C. não albicans (SIDRIM & MOREIRA, 1999). METODOLOGIA O presente trabalho foi realizado na Policlínica 303 Norte e no Laboratório de Microbiologia da UFT, no município de Palmas- TO. Este constou de um isolamento de leveduras através de coleta das amostras vaginais, de cultivo das amostras e sua caracterização morfológica sobre a leveduras isoladas. Para realização deste trabalho a população de estudo compreendeu de 60 mulheres de 18 a 65 anos cadastradas na Atenção à Saúde da Mulher da Policlínica 303 Norte, procedentes da zona urbana, sem restrição sócio-econômico-cultural, cuja participação foi voluntária mediante assinatura de termo de consentimento livre e esclarecido. Como critério de inclusão na pesquisa utilizou-se a ausência de diabetes, gravidez, de HIV e não estar sob terapêutica com corticosteróides e/ou antifúngicos. O presente estudo contou com a aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da Universidade Luterana do Brasil – ULBRA sob nº 775/2008. Para o isolamento das leveduras utilizou-se amostras de mucosa vaginal que foram coletadas utilizando-se swabs estéreis, por ocasião da coleta de exame citológico, pelas usuárias atendidas no programa de atenção à saúde da mulher da referida Policlínica. Os swabs foram transportados até o laboratório de Microbiologia da UFT em tubos com solução salina estéril (NaCl 0,85%), os quais foram mantidos em caixa térmica até o momento do seu processamento, respeitando o máximo de 03 horas após a coleta. Cada swab foi semeado em placa de Petri contendo Ágar Sabouraud-dextrose acrescido de 0,02% de Cloranfenicol. As placas foram incubadas a 37 oC em estufa bacteriológica por 48 horas. Após o período de incubação as colônias foram purificadas por esgotamento utilizando-se o mesmo meio. Todas as linhagens foram preservadas em meio Gymp sólido coberto com óleo mineral estéril sob refrigeração e em Gymp líquido a -20°C (PÁDUA; GUILHERMETTI; SVIDZINSKI, 2003). As amostras isoladas foram submetidas a caracterização morfológica através da observação dos aspectos macro e micromorfológicos. A caracterização macroscópica das colônias levou em
  • 4. 60 consideração aspectos como cor, tamanho, forma e borda das colônias após crescimento em Ágar Sabouroud-dextrose. Na caracterização microscópica observou-se tamanho e forma das células, presença/ausência de brotamentos, clamidiosporos, pseudomicélio e tubo germinativo através da observação de lâminas sob microscopia óptica comum. Para a observação de tubo germinativo, colônias com 24 horas de crescimento em Ágar Sabouroud-dextrose foram semeadas em tubos de ensaio contendo 0,3 mL de soro humano suplementado com 0,5% de glicose segundo Sidrim & Moreira (1997) com modificações. Os tubos foram incubados a 37°C em banho-maria por 1 hora. Uma gota da suspensão foi analisada entre lâmina-lamínula ao microscópio óptico comum, para verificação da formação de tubo germinativo. Foram consideradas como C. albicans as linhagens que apresentaram tubo germinativo, as demais foram consideradas como C. não albicans. Para análise da micromorfologia utilizou-se a técnica de microcultivo. As leveduras foram semeadas em estrias horizontais sobre o meio Ágar fubá (HIMÉDIA) sobre lâminas de microscopia e coberto com lamínulas, dispostas em conjuntos estéreis. As lâminas foram incubadas em estufa a 37°C por 24 horas. Decorrido o tempo de incubação procedeu-se a observação, em microscópia óptica comum (FISCHER & COOK, 2001). RESULTADOS E DISCUSSÃO No presente estudo 49 (82%) usuárias apresentaram sintomas, sendo significativa a presença de Candida spp nas amostras colhidas de usuárias sintomáticas e assintomáticas. Esses resultados se assemelham ao estudo de Silva, Franceschini & Cândido (2003) e de Camargo et al (2008) que coletaram amostras vaginais independente de sintomas para isolamento de leveduras. Da mesma forma, Mendes & Chiapetta (2005) encontraram uma prevalência de 75% de Candida spp em exames de secreção endovaginal sendo a maioria em jovens. Realizou-se o isolamento e identificação preliminar das leveduras a partir de esfregaço vaginal das usuárias consideradas sintomáticas ou não ao exame clínico. Das 60 amostras de esfregaço vaginal obtidas 50 apresentaram crescimento de leveduras, o que mostra 67% de positividade para leveduras. 10 linhagens perderam a viabilidade após período de estocagem, portanto a caracterização morfológica foi realizada com 40 linhagens. O aspecto macroscópico mostrou colônias de coloração branca a creme, aspecto liso com ou sem brilho, características do gênero Candida. A formação de Pseudo-hifas foi observada em 15 amostras, porém esse achado isoladamente não permite a diferenciação de C. albicans e C. não albicans. A presença de tubo germinativo foi observada em 25 (62,5%) dos isolados caracterizando-os assim como C. albicans, já que a formação de tubo é determinante para essa espécie. Portanto, as 25 amostras que produziram tubo germinativo foram identificadas como Candida albicans, enquanto que as 15 amostras restantes que exibiram estrutura características de pseudohifas (pseudomicélios) foram identificadas como Candida não albicans, segundo a padronização de Sidrim e Moreira (1999); Fischer e Cook (2001); Conceição et al., (2005). Vale considerar que a prova do tubo germinativo apresenta alta especificidade, apresentando índice positivo entre 94 a 97 %. Já a prova da formação de pseudomicélio, que se baseia no princípio de que as leveduras quando incubadas num meio com baixa tensão de oxigênio têm a capacidade de filamentar, constitui-se em parâmetro morfológico apenas para agrupar leveduras não albicans, não sendo pois, determinante na distinção das respectivas espécies (SIDRIM & MOREIRA, 1999; ALVES et al., 2000; CAMARGO et al., 2008)). Sendo assim, este estudo mostrou que os achados apontaram a C. albicans em 62,5% dos isolamentos e 38% C. não albicans e cujos dados corroboram com as investigações de Galle & Gianini(2004) acerca da identificação das espécies de Candida situando a prevalência de positividade deste gênero nos isolados o qual têm demonstrado a expressiva ocorrência de C. albicans, assim como apontado e destacado as C. não albicans pelo surgimento de resistência aos antifúngicos na tentativa de se estabelecer a pertinência da colonização por Candida ao comportamento clínico e terapêutico da candidose vulvovaginal.
  • 5. 61 CONCLUSÃO No presente estudo identificou-se maior número de Cãndida albicans o que sugere que o tratamento para este fungo deve ser priorizado pela Atenção primária. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALVES, S. H,; SILVA, G. M.; SCOPEL, P. A.; OLIVEIRA, L. T. O.; COSTA, J. M.; MILÁN, E. P.; COLOMBO, A. L. Isolamento de Candida dubliniensis da mucosa oral de um paciente com SIDA no Rio Grande do Sul. Revista AMRIGS, Porto Alegre, v. 44, n. 3,4, p. 185-187, jul./dez. 2000. ALVARES, C. A.; SVIDZINSKI, T. I. E.; CONSOLARO, M. E. L. Vulvovaginal candidiasis: Susceptibility factors of the host and virulence of the yeasts. Jornal Brasileiro de Patologia Medica Laboratorial, v. 43, n.5, sept./oct. 2007. ARAÚJO, C. R. de.; MIRANDA, K. C.; PASSOS, X, S.; SOUSA, L, K. H.; LEMOS, J. A.; KHRAIS, C. H. A.; COSTA, C. R.; SILVA, M. R. R.; FERNANDES, O. F. L. Identificação das leveduras Candida por métodos manuais convencionais e pelo método cromogênico CHROMagarTM CANDIDA. Revista de Patologia Tropical, v. 34, n. 1, p. 37-42, jan./abri. 2005. BOATTO, H. F.; MORAES, M. S.; MACHADO, A. P.; GIRÃO, M. J. B. C.; FISCHMAN, O. Correlação entre os resultados laboratoriais e os sintomas clínicos das pacientes com Candidíase Vulvovaginal e relevância dos parceiros sexuais na manutenção da infecção em São Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, v. 29, n. 2, p. 80-84, 2007. CAMARGO, F. P. de.; ALVES, I. A.; PARLOW, M. S.; GOULART, L. S. Isolamento de Candida sp da mucosa vaginal de mulheres atendidas em um serviço de ginecologia do município de Santo Ângelo-RS. NewsLab, n. 87. 2008. CONCEIÇÃO, G. C.; COÊLHO, P. P.; SOUSA JÚNIOR, M. A. de.; PEREIRA, M. L.; MIGUEL, D. S. C. G.; TORALLES, M. B. P. Avaliação do Tubo Germinativo em secreção vaginal a fresco para triagem de Candida albicans: Um teste rápido. NewsLab, n.73 p. 106 – 112, 2005. CORDEIRO, S. N.; GIRALDO, P. C.; SABATINO, J. H.; FONSECHI-CARVASAN, G. A.; TURATO, E. R. Vulvovaginites Recorrentes: Uma doença psicossomática? Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissíveis, v. 16, n. 1, p. 45-51, 2004. CROCCO, E. I.; SOUSA, V. M.; MIMICA, L. M. J.; RUIZ, L. R. B.; MURAMATU, L. H.; ZAITZ, C.; GARCIA, C. Identificação de espécies de Candida e susceptibilidade antifúngica in vitro: Estudo de 100 pacientes com Candidíases Superficiais. Anais Brasileiros em Dermatologia... Rio de Janeiro, v. 79, n. 6, p. 689-697, 2004. FERRAZZA, M. H. S. H.; MALUF, M. L. F.; CONSOLARO, M. E.L.; SHINOBU, C. S.; SVIDZINSKI, T. I. E.; BATISTA, M. R. Caracterização de leveduras isoladas da vagina e sua associação com Candidíase vulvovaginal em duas cidades do sul do Brasil. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, v. 27, n. 2, p. 58 - 63, 2005. FISCHER, F.; COOK, N. B. MICOLOGIA: Fundamentos e Diagnóstico. Rio de Janeiro: Editora Revinter, 2001. 337 p. GALLE, L. C.; GIANINI, M. J. S. M. Prevalência e susceptibilidade de leveduras vaginais. Jornal Brasileiro de Patologia Médica Laboratorial, v. 40, n. 4, p. 229 – 236, ago. 2004. GARCIA, A. L.; SIQUEIRA, A. M. de. Isolamento, Identificação e Sorotipagem de Candida albicans a partir de secreção vaginal. Revista Instituto de Medicina Tropical, v. 30, n. 4, p. 270-273, jul./ago. 1988. HADDAD, J. M. Candidíase: Abordagem atual. Revista Educação Médica Continuada. São Paulo, 2006.
  • 6. 62 HOLANDA, A. A. R. Candidíase Vulvovaginal: Sintomatologia, fatores de risco e colonização anal concomitante. Dissertação (Mestrado em Ciências da Saúde) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte. 60 p. 2007. LINARES, C. E. B.; DAGIOS, G.; CARATI, M. R.; GASPARINI, M. P.; NETO, A. T. ; SCHEID, L. A.; SCHUBERT, A. Epidemiologic and susceptibility study of Candida isolated from women with Vulvovaginal candidiasis in Frederico Westphalen-RS. Saúde, v. 31, n. 1-2, p. 42-46, 2005. MENDES, C. L.; ARAÚJO, A. A.; SENA, K. X. F. R. de.; CHIAPETTA, A. A. Prevalência de Candida sp em infecções vaginais. NewsLab, edição 68, 2005. MURRAY, P. R.; ROSENTHAL, K. S.; PFALLER, M.A. Microbiologia Médica, 1. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006. NETO, A. A.; HAMDAN, J. S.; SOUSA, R. C. Prevalência de Candida na flora vaginal de mulheres atendidas num serviço de Planejamento Familiar. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, v. 21, n. 8, p. 440 – 445, 1999. OLIVEIRA, P. M.; MASCARENHAS, R. E.; FERRER, S. R.; OLIVEIRA, R. P. C.; TRAVESSA, I. E. M.; GOMES, M. V. C.; GRASSI, M. F. R. Vulvovaginites em mulheres infectadas pelo vírus da Imunodeficiência Humana. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, v. 30, n. 3, p. 121-126, 2008. PÁDUA, R. A. F. de.; GUILHERMETTI, E.; SVIDZINSKI, T. I. E. In vitro activity of antifungal agents on yeasts isolated from vaginal secretion. Acta Scientiarum Health Sciences. Maringá, v.25, n. 1, p. 51-54, 2003. RIBEIRO, A. A.; OLIVEIRA, D. F.; SAMPAIO, M. C. N.; CARNEIRO, M. A. S.; TAVARES, S. B. N.; SOUSA, N. L. A. de.; FONSECHI-CARVASAN, G. A.; RIBEIRO,E. L. Aspectos biológicos das leveduras do gênero Candida isoladas de candidíase vaginal. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 31, n.6, p. 595, nov./dez. 1998. RODRIGUES, F. M. Candidíase Vulvovaginal Recorrente: Tratar é Fácil, Curar é Difícil. Revista Residência Médica, São Paulo, 2006. ROSA, M. I. da.; RUMEL, D. Fatores associados a Candidíase Vulvovaginal: Estudo exploratório. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Rio de Janeiro, v. 26, n. 1, p. 65- 70, 2004. SILVA, J. O.; FRANCESCHINI, S. A.; CANDIDO, R. C. Presense of yeasts in the mucosae and feces of apparently realthy individual and subjects with symptoms of fungal infection. Revista do Instituto Adolfo Lutz, v. 61, n. 2, p. 113-120, 2003. SIDRIM, J. J. C.; MOREIRA. J. L. B. Fundamentos Clínicos e Laboratoriais da Micologia Médica. Rio de Janeiro: Guanabara, 1999. 287p. ZARDO, V.; MEZZARI, A. Os antifúngicos nas infecções por Candida sp. NewsLab, 63. ed. 2004. ______________________________________ [1] Enfermeira, Professora do curso de enfermagem e nutrição da Universidade Federal do Tocantins. Palmas (TO) Email: squeiroz@uft.edu.br [2] Graduação em medicina pela Universidade Federal do Tocantins Palmas (TO), ex- bolsista PIBIC. Email: vinicius.vinyoliver@gmail.com [3] Odontóloga. Professora do curso de Nutrição da Universidade Federal do Tocantins. Palmas (TO), sauloricardo123@hotmail.com [4] Zootecnista, Professor do curso de Nutrição da Universidade Federal do Tocantins. Email: diazcastro@uft.edu.br [5] Engenheira de Alimento. Professora do curso de Engenharia de Alimentos da Universidade Federal do Tocantins, Palmas (TO). solange@uft.edu.br.