SlideShare uma empresa Scribd logo
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228
Volume 16 - Número 2 - 2º Semestre 2016
BENEFÍCIOS DA EQUOTERAPIA EM CRIANÇAS COM ENCEFALOPATIA CRÔNICA
NÃO PROGRESSIVA: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
Adriana Aparecida Souza1
; Samara Lamounier Santana Parreira 2
RESUMO
Introdução: A Encefalopatia Crônica Não Progressiva é uma lesão ocasionada no cérebro
apresentando caracterizadas por disfunção motora e postural. A equoterapia é um método
terapêutico e educacional onde é utilizada uma abordagem interdisciplinar buscando a recuperação
de pessoas com deficiência e/ou com necessidades especiais. A técnica equoterápica proporciona
benefícios onde se utiliza o cavalo dentro de uma abordagem interdisciplinar e o paciente terá
benefícios onde proporcionará uma melhora da estabilidade postural, coordenação motora, redução
de espasmos, uma melhora de sua autoestima e autoconfiança, o que termina por proporcionar
melhor qualidade de vida ao paciente. Objetivos: Analisar os benefícios da Equoterapia em
pacientes portadores de Paralisia Cerebral. Metodologia: o referente estudo será de caráter
exploratório tendo como foco de pesquisa o levantamento bibliográfico. Resultados: A conduta
observada foi a Equoterapia em seus diversos benefícios para um paciente com paralisia cerebral.
Considerações finais: Concluiu-se então que a Equoterapia é uma conduta fisioterapêutica adotadas
para a reabilitação de um paciente com Paralisia Cerebral apresentando-se eficiente seus benefícios
e proporcionando resultados positivos.
Palavras-chave: Equoterapia, Benefícios, Paralisia cerebral.
BENEFITS OF HIPPOTHERAPY IN CHILDREN WITH CHRONIC ENCEPHALOPATHY
NO PROGRESSIVE: LITERATURE REVIEW
ABSTRACT
Introduction: The chronic encephalopathy not progressive is a lesion in the brain characterized for
motor and posture dysfunction. The hippotherapy is a therapeutic and educational method which
uses an interdisciplinary approach for recuperation of disabled people or with special needs. The
technic hippotherapy uses the horse in the interdisciplinary approach and the patient will have
improvement of the posture stability, motor coordination, self-esteem and self-confidence, reduce
spasms and finally provides better life quality to patient. Objectives: To analyse the benefits of the
hippotherapy in patients with cerebral paralysis. Methodology: This study will be exploratory
focusing the bibliographic search. Results: It was observed that the hippotherapy brings many
benefits to patients with cerebral paralysis. Considerations: Concluded that the hippotherapy is a
process used in the physiotherapy for rehabilitation of patients with cerebral paralysis showing
yours benefits and positive results.
Keywords: Hippotherapy, Benefit, Chronic Encephalopathy not progressive.
45
INTRODUÇÃO
A Encefalopatia Crônica Não
Progressiva (ECNP) é uma lesão ocasionada no
cérebro apresentando caracterizadas por
disfunção motora e postural. Estas condições,
que variam em gravidade, são devidas a
alterações do desenvolvimento do cérebro
resultante a partir de uma variedade de causas,
mesmo não sendo uma doença progressiva,
ocorre o aparecimento de neuropatologias
implicando para o não amadurecimento do
cérebro1
.
A Encefalopatia Crônica Não
Progressiva também é definida como Paralisia
Cerebral, é considerado um distúrbio de
motricidade que geralmente sua manifestação é
com indivíduos de até os 3 anos2
.Essa patologia
possui uma característica específica, pois, o
paciente apresenta sequela de agressão
encefálica, transtornos persistentes e invariáveis
do tono, postura e dos movimentos. Os
distúrbios são diferenciados devidos o não
controle dos movimentos, não adaptação do
comprimento muscular podendo vir a surgir
deformidades ósseas. Existem casos, as sequelas
só atingem a região motora sendo associada a
outras alterações como, por exemplo, na fala,
visão, tato, audição, distúrbios da percepção
e/ou sensibilidade, revelando deficiências
intelectuais, convulsivas, distúrbios ortopédicos,
educacionais e até mesmo de comportamento3
.
A Equoterapia é uma técnica de
reabilitação e educação corporal que utiliza a
equitação para proporcionar ao paciente
benefício físicos, psicológicos, educacionais e
sociais onde, exige a participação do corpo
inteiro do paciente, trabalhando o globalmente à
musculatura sendo que a utilização do cavalo é
considerada como um método terapêutico
contribuindo, assim, para o ganho e o
desenvolvimento do equilíbrio, tônus, força
muscular, conscientização do corporal,
aperfeiçoamento de coordenação motora,
autoconfiança e autoestima4
.
Esta técnica constitui-se da interação
entre ambiente, cavaleiro, cavalo e equipe
multidisciplinar responsável pelo paciente e
também pelo tratamento adequado do cavalo.
Essa atuação em conjunto é de extrema
importância, pois se aglomeram conhecimentos
de áreas específicas, uma complementando a
outra, e resultando assim em um único método
que beneficia o paciente durante todo seu
tratamento5
.
No momento em que o paciente se
encontra em cima do dorso do cavalo, ambos se
tornam um só ser e todos os movimentos que o
cavalo produz são refletidos no paciente,
portanto, podemos definir essa atuação conjunta
como sequenciada e simultânea. Notoriamente,
a prática da equoterapia promove aos pacientes
estímulos que os auxiliam em sua superação das
suas necessidades, e consequentemente terão
uma melhor qualidade de vida5
.
Dentre os diversos tratamentos
fisioterapêuticos disponíveis atualmente e sendo
eles utilizados em pacientes com ECNP ou com
algum outro tipo de deficiência e/ou
necessidades especiais, a Equoterapia é uma das
técnicas que proporciona benefícios em curto
prazo, pois além de ser um método terapêutico e
educacional que utiliza o cavalo dentro de uma
abordagem interdisciplinar, buscando o
desenvolvimento biopsicossocial, o paciente
terá benefícios além da patologia como, melhora
do humor, entusiasmo para pratica de outros
esportes e melhorando sua qualidade de vida4
.
A Equoterapia dispõe de benefícios para
o paciente portador de Paralisia Cerebral, sendo
eles: melhoramento da relação (aspectos da
comunicação, autocontrole, autoconfiança,
vigilância da relação, atenção e do tempo de
atenção); melhoramento da psicomotricidade
(aspectos do tônus, mobilidade das articulações
da coluna e pelve, equilíbrio e postura de
tronco, percepção corporal, coordenação
motora, dissociação de movimentos corporais);
melhoramento de natureza técnica (aprendizado
das técnicas de equitação e cuidados com o
cavalo) e melhoramento da socialização (facilita
a integração de paciente-terapeuta e paciente-
sociedade)6
.
O conhecimento é extenso sobre esse
tipo de tratamento que se torna
consideravelmente importante, por isso, o
objetivo deste trabalho é analisar os benefícios
que a Equoterapia proporciona para os pacientes
portadores de Paralisia Cerebral.
METODOLOGIA
Este estudo foi uma revisão bibliográfica
tendo como foco de pesquisa o levantamento da
literatura a respeito dos benefícios que a
Equoterapia proporciona aos pacientes com
Encefalopatia Crônica Não Progressiva, para
isto, foram utilizados os seguintes descritores:
equoterapia, benefícios e paralisia cerebral. Os
artigos selecionados foram coletados das bases
de dados PUBMED, SCIELO, LILACS e
MEDLINE, além de capítulos de livros, no
período de 2002 a 2013, em língua portuguesa.
Foram encontradas 42 referências envolvendo o
assunto temático, sendo utilizadas 16
referências, nesta pesquisa.
REFERENCIAL TEÓRICO
No Sistema Nervoso Central (SNC)
chega às informações sensoriais onde, as ordens
destinadas aos músculos e às glândulas são
liberadas. Os Músculos das pernas, braços ou
pálpebras também são informados pela via
sensorial. Porém, existem situações em que
estes músculos podem se contrair sem a
participação da estimulação sensorial tendo as
respostas totalmente automáticas sendo
denominadas de reflexos1
.
Toda mensagem nervosa, levará certo
tempo para percorrer as neurofibras (fibras
nervosas) e quanto mais afastado estiver o
centro nervoso, maior será o tempo a que
informação levará para chegar até o SNC1
.
A Encefalopatia Crônica Não
Progressiva (ECNP) é um distúrbio sensorial e
senso- motor causado por uma lesão cerebral, a
qual perturba o desenvolvimento normal do
cérebro. A perturbação é estacionária e não
progressiva. O distúrbio do cérebro é
estacionário, porém, o comprometimento dos
movimentos é progressivo1
.
A ECNP também é considerada uma
lesão ocasionada no cérebro onde se apresenta
características específicas ocasionadas por
disfunções motoras e posturais que variam em
gravidade, por isto é muito importante iniciar o
tratamento objetivando a correção dos
movimentos executados erroneamente, obtendo
assim movimentos mais precisos1
ocasionados
pelas alterações do desenvolvimento do cérebro
resultante a partir de uma variedade de causas,
mesmo não sendo uma doença progressiva,
ocorre o aparecimento de neuropatologias
implicando para o não amadurecimento do
cérebro2
.
A incidência mundial de ECNP tem-se
mantido constante nos últimos anos. Isso se
deve, dentre outras razões, às melhores
condições de atendimento materno infantil
atingido pelo avanço tecnológico, favorecendo
principalmente a sobrevida de pré-termos 1
.
Nos Estados Unidos, esta incidência tem
variado de 1,5 a 5,9/1.000 nascidos vivos. Já no
Brasil, estima-se que a cada 1.000 crianças que
nascem, 7crianças são portadoras de ECNP e
nos países que encontram em desenvolvimento
como o Brasil, essa condição pode estar
relacionada a problemas gestacionais, más
condições de nutrição materna e infantil,
atendimento médico e hospitalar inadequado,
dentre outros. Dados também revelam que o
nascimento de um bebê pré-termo é uma das
causas primárias da ECNP chegando a
aproximadamente 30% dos nascidosvivos3
.
Segundo Oliveira et al. (2005) e
Vasconcelos (2009), a etiologia da ECNP pode
estar relacionada às causas específicas com suas
respectivas características para que ocorra
aECNP que seria durante o período:
• Pré-Natal: diminuição da pressão parcial
de oxigênio; diminuição da concentração
de hemoglobina; diminuição da
superfície placentária; alterações da
circulação materna; tumores uterinos; nó
de cordão umbilical; cordão umbilical
curto; más formações do cordão
umbilical; prolapso;
• Peri- Natal: Neste ciclo existem 3 fatores
que podem vir a ocasionar a ECNP:
Fatores maternos podem influenciar tais
como a idade da mãe, desproporção
céfalo-pélvica, anomalias da placenta,
anomalias do cordão umbilical,
anomalias da contração uterina, narcose
e anestesia; Fatores fetais:
primogenidade, prematuridade,
dismaturidade, gemelaridade,
malformações fetais e macrossomia
fetal. Por fim, os fatores de parto: parto
instrumental, anomalias de posição e
duração do trabalho de parto;
• Pós-natais: anóxia anêmica, anóxia por
êxtase, anóxia anoxêmica e anóxia
histotóxica.
O quadro clínico que os pacientes com
ECNP apresentam tem uma característica
específica que é o comprometimento motor
onde este comprometimento afetará o seu
desempenho funcional, mas, cada paciente é
classificado devido seus critérios em
específico4
. A ECNP ela tem dois critérios de
classificação sendo eles o tipo de função
motora: extrapiramidal ou discinético
(atetóide,coréico e distônico), atáxico, misto e
espástico; e pela localização do corpo afetado
(tetraplegia ou quadriplegia,monoplegia,
paraplegia ou diplegia e hemiplegia)6
.
A heterogeneidade do quadro clínico
apresenta dificuldades quanto a classificação do
comprometimento da disfunção motora e é,
ainda, um desafio para as equipes
multiprofissionais envolvidas na reabilitação
trabalharem com medidas baseadas no seu
desempenho funcional. Isso se comprova de
acordo com os diversos estudos apresentados
onde é relatado que o quadro clínico funcional
relacionado aos níveis de severidade da ECNP
em atividades do cotidiano, não indicam o
impacto da disfunção motora isolada4
De forma geral, o diagnóstico de ECNP
sugere que o individuo em questão apresente
características específicas como, distúrbio
central de postura e movimento, retardo em seu
desenvolvimento motor, pertinência de reflexos
primitivos e também anormais, o não
desenvolvimento dos reflexos protetores11
.
Todo esse diagnóstico é confirmado
através de uma Anamnese e um exame físico
minucioso, até para que seja confirmada uma
possível ou não doenças degenerativas ou até
mesmo uma distrofia muscular. São realizados
exames como o Eletroencefalograma e
tomografia Computadorizada para então
determinar a localização e extensão das lesões
estruturais. Outros exames adicionais podem ser
incluídos como o teste para verificar a função
auditiva e visual6
. Além disso, o processo de
identificação mostra frequentemente partes do
corpo que estão primariamente envolvidas:
diplegia, hemiplegia e quadriplegia sendo elas
que indicam respectivamente que os membros
inferiores, um lado do corpo, ou os quatro
membros, estão afetados11
.
TIPOS DE ENCEFALOPATIA CRÔNICA
NÃO PROGRESSIVA
Na observação clínica da ECNP, deve-se
levar em consideração a extensão do distúrbio
motor, sua intensidade e, principalmente, a
caracterização semiológica desse distúrbio. A
ECNP pode ser classificada através de 2
critérios: Lesões piramidais e Lesões
Extrapiramidais sendo sub classificadas de
acordo com sua topografia e quais os membros
envolvidos em cada lesão.
Leite e Prado relatam que as lesões
piramidais são distintas, caracterizando-se por
características específicas, sendo elas descritas
abaixo:
1. Hemiplegia: ocorre com maior
comprometimento de membro superior,
acompanha-se de sinais de liberação:
espasticidade, hiperreflexia e sinal de
Babinski positivo. O paciente ostenta
atitude em semiflexão do membro
superior, permanecendo o membro
inferior hiperestendido e aduzido, e o pé
em postura equinovara. Também é
comum apresentar hipotrofia dos
segmentos acometidos, provocando uma
possível ocorrência de outras hemi-
hipoestesiaou hemianopsia;
2. Quadriplegia: são lesões difusas
bilaterais no sistema piramidal
resultando-se em uma grave tetraparesia
espástica com intensas retrações em
semiflexão, síndrome pseudobulbar
(hipomimia, disfagia e disartria),
podendo vir a ocorrer ainda
microcefalia, deficiência mental e
epilepsia;
3. Diplegia: acontece entre 10 a 30 % dos
pacientes com ECNP, sendo a forma
mais encontrada em prematuros. Trata-
se de um comprometimento dos
membros inferiores, comumente
comprovando uma acentuada hipertonia
dos adutores, que configura em alguns
doentes o aspecto semiológico
denominado síndrome de Little, ou seja,
apresenta uma postura com cruzamento
dos membros inferiores e marcha “em
tesoura”.
Além do distúrbio motor, existem
manifestações acessórias com frequência
variável que um paciente com ECNP apresenta8
:
1. Deficiência mental: Ocorre de 30 a 70%
dos pacientes. Está mais associada às
formas tetraplégicas, diplégicas ou
mistas;
2. Epilepsia: Varia de 25 a 35% dos casos,
ocorrendo mais associado com a forma
hemiplégica ou tetraplégica;
3. Distúrbios da linguagem;
4. Distúrbios visuais: Pode ocorrer perda da
acuidade visual ou dos movimentos
oculares (estrabismo);
5. Distúrbios do comportamento: São mais
comuns nas crianças com inteligência
normal ou limítrofe, que se sentem
frustradas pela sua limitação motora,
rejeição familiar.
6. Distúrbios ortopédicos: Mesmo nos
pacientes submetidos à reabilitação bem
orientada, são comuns retrações
fibrotendíneas (50%), cifoescoliose (15%),
“coxa valga” (5%) e deformidades nos pés.
Tendo em vista as necessidades,
limitações e inabilidades motoras e posturais do
paciente com ECNP, há uma tendência
fisioterapêutica de utilização da equoterapia
como tratamento14
.
A Equoterapia é um método terapêutico
e educacional pelo qual utiliza o cavalo dentro
de uma abordagem multidisciplinar, nas áreas
de Saúde, Educação e Equitação onde busca o
desenvolvimento biopsicossocial de pessoas
portadoras de necessidades especiais8
.
Atualmente, existem divergências
conceituais e semânticas a respeito do nome
podendo ser observadas várias nomenclaturas:
hipoterapia, equitação terapêutica, reeducação
equestre, equitação para deficientes, reabilitação
equestre 3
.
Dentre os diversos tratamentos
fisioterapêuticos disponíveis atualmente e sendo
eles utilizados em pacientes com ECNP ou com
algum outro tipo de deficiência e/ou
necessidades especiais, a Equoterapia é uma das
técnicas que proporciona benefícios em curto
prazo, pois além de ser um método terapêutico e
educacional que utiliza o cavalo dentro de uma
abordagem interdisciplinar, buscando o
desenvolvimento biopsicossocial, o paciente
terá benefícios além da patologia como, melhora
do humor, ânimo para pratica de outros esportes
e melhorando sua qualidade de vida 2
.
Na equoterapia a ação do movimento do
cavalo é tridimensional ativando as respostas de
deslocamento para frente e para trás, esquerda,
direita e de cima para baixo3,15
.Existem
semelhanças entre a marcha humana e a
andadura do cavalo ao passo: sequência de
perdas e retomadas de equilíbrio, movimento
tridimensional, dissociação de cinturas pélvica e
escapular. Este trote que o cavalo realiza auxilia
em diversos benefícios para o paciente com
ECNP que seria a melhora do equilíbrio e
postura, conscientização corporal, sensações de
ritmo, aumento da autoestima, facilita sua
integração social, melhora da memória,
concentração. Também auxilia na aquisição e
desenvolvimento das funções psicomotoras. A
função do cavalo é entrar como um instrumento
terapêutico, exigindo do cavaleiro
planejamento, criação de estratégias e
potencialização das habilidades motoras13
.
A equoterapia proporciona a criança com
ECNP, benefícios importantes para seu
desenvolvimento, pois, proporciona a criança
com ECNP um ganho de equilíbrio e foça
muscular através da estimulação proprioceptiva,
vestibular e sensório-motora6,16
obtendo uma
melhora no tônus, mobilidade articular de
coluna e pelve, equilíbrio e postura, obtenção da
lateralidade, percepção do esquema corporal,
coordenação motora e dissociação de
movimentos, precisão de gestos e integração do
mesmo para compreensão de uma ordem
recebida ou por imitação 2
.
RESULTADOS
Os resultados serão apresentados em
forma de tabela 1- Paralisia Cerebral e Tabela 2
- Equoterapia (Em anexo)
CONSIDERAÇÕES FINAIS
De acordo com os artigos revisados, a
Equoterapia em crianças portadoras de
Encefalopatia Crônica Não Progressiva
apresenta ser uma técnica de tratamento
eficiente, obtendo os benefícios esperados, pois
estes os resultados são benfeitorias que
potencializam o equilíbrio e a força muscular do
paciente através da estimulação proprioceptiva e
sensório-motora proporcionando então
resultados positivos, desde que os exercícios
sejam bem prescritos e assistidos permitindo a
criança um ganho em suas funções motoras e
consequentemente uma melhor qualidade de
vida.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
AQUINO JFM; CUSINATO, CO E MARÃES,
VRFS. Avaliação dos padrões de marcha e
postura corporal dos praticantes equoterapia
com Paralisia Cerebral. CONIC-SEMESP,
2007.
BRASIL. MS. Secretaria de Atenção à Saúde.
Departamento de Ações Programáticas
Estratégicas. Diretrizes de atenção à pessoa com
paralisia cerebral / Ministério da Saúde,
Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento
de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília:
Ministério da Saúde, 2013.
BRILINGER, CO. A influência da equoterapia
no desenvolvimento Motor do portador de
síndrome de Down: estudo de um Caso.
Tubarão, 2005.
CÂNDIDO, AMDM. Paralisia Cerebral:
Abordagem para o Pediatra Geral e manejo
multidisciplinar. Passo Fundo: UPF, 2004.
CHRISTOFOLETTI G; HYGANHI F; GODOY
ALR. Paralisia Cerebral: uma análise do
comprometimento motor sobre a qualidade de
vida. Fisioterapia em Movimento. Curitiba,
2007; 20,37-44.
COSTA, M. Incapacidade motora cerebral:
Paralisia cerebral. 2003. Disponível em:
http://www.wgate.com.br/conteudo/medicinaesa
ude/fisioterapia/variedades/paralisia_cerebral.ht
m
FERLINI, GMS; Cavalari, N. Os benefícios da
equoterapia no desenvolvimento da criança com
deficiência física. Caderno Multidisciplinar de
Pós-Graduação da UCP, Pitanga, v.1, n.4, p.1-
14, abr., 2010.
FERLINI, GMS; Cavalari, N. Os benefícios da
equoterapia no desenvolvimento da criança com
deficiência física. Caderno multidisciplinar de
pós-graduação da UCP. Pitanga, v.1, n.4, p. 1-
14, abr, 2010.
LEITE, JMRS; Prado, GF. Paralisia cerebral:
Aspectos Fisioterapêuticos e Clínicos. Ver
Neurociências, v.12, n.01, 2004.
LIMA, AS; Cipriano, D; Silva, EF. Simpósio
Internacional De Ciências Integradas Da
UNAERP: Paralisia Cerebral. Guarujá, 2011.
MANCINI, MC; et al. Gravidade da Paralisia
Cerebral e desempenho funcional. Rev. bras.
fisioter. v.8, n.3, p.253-260, 2004.
MARCONSONI, E. et al. Equoterapia: seus
benefícios terapêuticos motores na paralisia
cerebral. RIES, ISSN 2238-832X, Caçador, V.1,
n.2, p. 78-90, 2012.
OLIVEIRA, EM. et al. Equoterapia: O uso do
cavalo em práticas terapêuticas. IV Semana de
Ciência e Tecnologia IFMG, Bambuí, 2011.
PAZ, CB; Moraes, VLR. Contribuições da
Educação Física para a Qualidade De Vida de
Educandos com Paralisia Cerebral. Revista
CientíficaJOPEF, 2012.
PITA, M. C.; PASCHOARELLI, L. C.; SILVA,
J. C. P. Biofotogrametria Computadorizada:
Aplicação na Avaliação Postural
Fisioterapêutica e sua Contribuição para o
Design Ergonômico. Anais do VII
ERGODESIGN e VII USICH. Balneário
Camboriú/SC: NPDESIGN - UNIVALI, v. 1,
2007.
ROTTA NT. Paralisia cerebral, novas
perspectivas terapêuticas. J. Pediatr.
2002;78(1):48-54.
SILVEIRA, MM; Wibelinger, LM. A
equoterapia como recurso terapêutico no
equilíbrio do idoso. Brasília: 2013.
TAFNER, MA; Fischer, J. Paralisia Cerebral e
Aprendizagem: Um Estudo De Caso Inserido no
Ensino Regular. 2004.
VASCONCELOS, RLM. Avaliação do
desempenho funcional de crianças com paralisia
cerebral de acordo com níveis de
comprometimento motor. Natal, 2009.
WALTER, GB; Vendramini, OM. Equoterapia:
terapia com o uso do cavalo. Minas Gerais:
CPT/CEE-UFV, 2000.
______________________________________
1- Acadêmica de fisioterapia do Centro
Universitário UniEVANGÉLICA, Anápolis,
GO – Brasil, e-mail: adri_a_s@hotmail.com
2- Fisioterapeuta, Livre Docente, Professora
adjunto ao Curso de Fisioterapia na
UniEVANGÉLICA, Anápolis, GO – Brasil, e-
mail: samaralsparreira@ibest.com.br
literatura a respeito dos benefícios que a
Equoterapia proporciona aos pacientes com
Encefalopatia Crônica Não Progressiva, para
isto, foram utilizados os seguintes descritores:
equoterapia, benefícios e paralisia cerebral. Os
artigos selecionados foram coletados das bases
de dados PUBMED, SCIELO, LILACS e
MEDLINE, além de capítulos de livros, no
período de 2002 a 2013, em língua portuguesa.
Foram encontradas 42 referências envolvendo o
assunto temático, sendo utilizadas 16
referências, nesta pesquisa.
REFERENCIAL TEÓRICO
No Sistema Nervoso Central (SNC)
chega às informações sensoriais onde, as ordens
destinadas aos músculos e às glândulas são
liberadas. Os Músculos das pernas, braços ou
pálpebras também são informados pela via
sensorial. Porém, existem situações em que
estes músculos podem se contrair sem a
participação da estimulação sensorial tendo as
respostas totalmente automáticas sendo
denominadas de reflexos1
.
Toda mensagem nervosa, levará certo
tempo para percorrer as neurofibras (fibras
nervosas) e quanto mais afastado estiver o
centro nervoso, maior será o tempo a que
informação levará para chegar até o SNC1
.
A Encefalopatia Crônica Não
Progressiva (ECNP) é um distúrbio sensorial e
senso- motor causado por uma lesão cerebral, a
qual perturba o desenvolvimento normal do
cérebro. A perturbação é estacionária e não
progressiva. O distúrbio do cérebro é
estacionário, porém, o comprometimento dos
movimentos é progressivo1
.
A ECNP também é considerada uma
lesão ocasionada no cérebro onde se apresenta
características específicas ocasionadas por
disfunções motoras e posturais que variam em
gravidade, por isto é muito importante iniciar o
tratamento objetivando a correção dos
movimentos executados erroneamente, obtendo
assim movimentos mais precisos1
ocasionados
pelas alterações do desenvolvimento do cérebro
resultante a partir de uma variedade de causas,
mesmo não sendo uma doença progressiva,
ocorre o aparecimento de neuropatologias
implicando para o não amadurecimento do
cérebro2
.
A incidência mundial de ECNP tem-se
mantido constante nos últimos anos. Isso se
deve, dentre outras razões, às melhores
condições de atendimento materno infantil
atingido pelo avanço tecnológico, favorecendo
principalmente a sobrevida de pré-termos 1
.
Nos Estados Unidos, esta incidência tem
variado de 1,5 a 5,9/1.000 nascidos vivos. Já no
Brasil, estima-se que a cada 1.000 crianças que
nascem, 7crianças são portadoras de ECNP e
nos países que encontram em desenvolvimento
como o Brasil, essa condição pode estar
relacionada a problemas gestacionais, más
condições de nutrição materna e infantil,
atendimento médico e hospitalar inadequado,
dentre outros. Dados também revelam que o
nascimento de um bebê pré-termo é uma das
causas primárias da ECNP chegando a
aproximadamente 30% dos nascidosvivos3
.
Segundo Oliveira et al. (2005) e
Vasconcelos (2009), a etiologia da ECNP pode
estar relacionada às causas específicas com suas
respectivas características para que ocorra
aECNP que seria durante o período:
• Pré-Natal: diminuição da pressão parcial
de oxigênio; diminuição da concentração
de hemoglobina; diminuição da
superfície placentária; alterações da
circulação materna; tumores uterinos; nó
de cordão umbilical; cordão umbilical
curto; más formações do cordão
umbilical; prolapso;
• Peri- Natal: Neste ciclo existem 3 fatores
que podem vir a ocasionar a ECNP:
Fatores maternos podem influenciar tais
como a idade da mãe, desproporção
céfalo-pélvica, anomalias da placenta,
anomalias do cordão umbilical,
anomalias da contração uterina, narcose
e anestesia; Fatores fetais:
primogenidade, prematuridade,
dismaturidade, gemelaridade,
malformações fetais e macrossomia
fetal. Por fim, os fatores de parto: parto
instrumental, anomalias de posição e
duração do trabalho de parto;
• Pós-natais: anóxia anêmica, anóxia por
êxtase, anóxia anoxêmica e anóxia
histotóxica.
O quadro clínico que os pacientes com
ECNP apresentam tem uma característica
específica que é o comprometimento motor
Cândido
AMDM. 2009
Ressaltar sua
importância
quanto ao
conhecimento
e emprego das
técnicas
corretas de
reanimação
neonatal, bem
como a
imperiosidade
de que toda
criança seja
assistida por
um Pediatra ao
nascimento.
Realizou-se uma
revisão
bibliográfica em
livros-texto
especializados na
patologia, bem
como pesquisa em
sites da Internet,
com periódicos e
artigos da literatura
médica, páginas dos
centros
especializados no
tratamento da
Paralisia Cerebral,
como a Rede Sarah
de Hospitais do
Aparelho
Locomotor e a
AACD
Dados literários
referentes a teoria
sobre Paralisia
Cerebral
Os centros
especializados para
pacientes, como
PC como, hospitais
da Rede SARAH,
a AACD, entre
outros, dispõem de
centros
diagnósticos,
produção de
órteses, tratamento
fisioterápico,
musicoterápico de
acordo com o que
a neurologia e os
outros ramos
encaminham o para
esses locais
tratamento
proporcionando
uma melhor
conduta para o
tratamento
Todo
procedimento
durante a fase de
tratamento de uma
criança com
paralisia cerebral
deve ser
multidisciplinarm
ente para que a
criança tenha um
tratamento eficaz
e com uma boa
qualidade de vida.
Vasconcelos
RLM. et al.
2009
Identificar
diferenças
funcionais de
crianças com
Paralisia
Cerebral em
diferentes
níveis de
disfunção
motora e
correlacioná-
las com os
domínios
mobilidade,
autocuidado e
função social
na habilidade
funcional e na
assistência do
cuidador.
Realizou-se uma
pesquisa analítica
de corte transversal
com 70
crianças/famílias,
com idades de 4 a
7,5 anos,atendidas
no Centro de
Reabilitação
Infantil, por meio
do
PediatricEvaluation
DisabilityInventory(
PEDI) e do Gross
Motor Function
Classification
System (GMFCS).
A análise dos dados
foi realizada por
meio da ANOVA e
teste de correlação
de Pearson
70 Indicaram
importante
variabilidade
funcional das
crianças com PC
em diferentes
níveis de
severidade da
disfunção
Motora.
Percebe-se a
necessidade de
aplicação do
PEDI e GMFCS,
o que parece
aumentar o
entendimento
sobre a relação
entre funções
motoras grossas e
atividades da vida
diária.
Costa M. 2003. Apresentar as
particularidade
s sobre a
Paralisia
Cerebral
A metodologia
utilizada refere-se a
uma revisão
bibliográfica
referente a Paralisia
Cerebral e suas
particularidades
Dados literários
referentes a
Paralisia Cerebral
Importante
ressaltar que a
frequência no
programa de
fisioterapia
depende das
condições da
criança e da
família; mas o
maior número de
vezes por semana
geralmente leva a
melhores
resultados
O paciente que
recebe um
tratamento
especializado
(diferenciado),
altamente
adequado e sem
interrupções,
apresentaram uma
qualidade de vida
muito superior em
diversos aspectos,
sejam eles; motor,
cognitivo,
interação social e
até na sua
independência.
Pita MC,
PaschoarelliL
C,
Silva JCP.
2007
Revisar as
características
da
Biofotogrametr
ia
computadoriza
da como
segmento
aplicativo na
Fisioterapia,
apresentando
também
alternativas de
uso nas
análises
ergonômicas.
A metodologia
utilizada reporta-se
a uma revisão
bibliográfica
referente a formas
de tratamento da
patologia
Dados literários
referente a
Biofotogrametria
computadorizada
O estudo referente
abiofotogrametria
computadorizada
por ser uma
linguagem de
fácil interpretação
e reprodutividade
de resultados
favorece um
intercâmbio entre
profissionais de
diversas áreas.
A
biofotogrametria
computadorizada
apresenta ao
fisioterapeuta
dados
quantificados da
análise da postura
corporal e dos
movimentos,
podendo ser usado
para escolher o
melhor
tratamento.
Hoffmann RA,
Tafner MA,
Fischer J. 2004
Apresentar o
que significa a
Paralisia
Cerebral, sua
origem, bem
como seus
graus, suas
sequelas, e
uma
experiência de
inclusão no
ensino regular
de uma criança
paralisada
cerebral
Mostrou-se qual é o
papel do educador
nesta nova
perspectiva de
ensino,
apresentando as
possibilidades de
poder criar e buscar
novas metodologias
de ensino, fazendo o
que não se sabe
fazer, mas,
deixando-se ensinar
através do estranho,
do novo, do
diferente.
Dados literários
sobre a inclusão
de crianças com
Paralisia Cerebral
em escolas
Ao final do ano
letivo de 2000,
após realizar vários
trabalhos
diversificados,
envolvendo o
grupo no qual se
encontrava
inserida, obteve
resultados
significativos na
suaaprendizagem.
Ao refletirmos
sobre a inclusão
de crianças
portadoras de
Necessidades
educativas
Especiais no
ensino regular,
reconhecemos a
importância e
responsabilidade
da escola em
poder atender este
indivíduo em sua
totalidade.
Mancini MC,et
al. 2004
Comparar o
impacto da
gravidade
neuro motora
ao perfil
funcional das
crianças
portadoras de
PC.
É uma pesquisa
quantitativas sendo,
36 crianças
portadoras de PC,
divididas em três
grupos de acordo
com o nível de
gravidade da
doença, que foi
classificado com
base no Sistema de
Classificação da
Função Motora
Grossa
36 Os resultados
revelam que
crianças com
comprometimento
moderado
apresentam
repertório
funcional
(habilidades de
autocuidado e
função social)
semelhante às de
gravidade leve e
independência
semelhante às
graves.
Concluem que
atitudes e
expectativas dos
cuidadores de
crianças
portadoras de PC
moderada podem
exercer uma
influência
negativa em sua
independência
funcional.
RottaNT. 2002 Ofertar ao
pediatra
informações
atualizadas
sobre o
diagnóstico e
tratamento de
Paralisia
Cerebral.
Foram utilizados
dados de revisão
bibliográfica
não sistematizada e
da experiência no
atendimento dos
pacientes
da Unidade de
Neurologia do
Serviço de Pediatria
Dados de revisão
bibliográfica não
sistematizada e da
experiência no
atendimento dos
pacientes da
Unidade de
Neurologia do
Serviço de
Pediatria do
O atendimento das
crianças com PC
estava
baseadoprincipalm
ente na experiência
pessoal e
atualmente, têm
sido realizados
estudos com
escalas de
O pediatra é o
primeiro médico a
entrar em contato
com a criança
com paralisia
cerebral, e deve
estar apto para
reconhecer
precocemente os
desvios do
Tabela 02: Equoterapia
AUTOR/ANO OBJETIVOS METODOLOGIA POPULAÇÃO RESULTADOS CONCLUSÃO
Silveira MM,
Wibelinger
LM. 2011
Verificar os
efeitos da
Equoterapia no
equilíbrio do
idoso.
Esta atividade exige a
participação do corpo
inteiro, trabalhando o
praticante de forma
global utilizando o
cavalo como método
terapêutico
contribuindo, assim,
para o
desenvolvimento do
equilíbrio, tônus, força
muscular, a
conscientização do
próprio corpo, o
aperfeiçoamento de
coordenação motora,
atenção,
autoconfiança e
autoestima.
Dados literários
referentes aos
efeitos da
equoterapia em
idosos
O cavalo oferece
características de
seu passo em
situações únicas,
aumentando a
vivacidade do
praticante, em
exercícios como
parar e andar,
mudar de
direção e
sentido, fazer
desenhos no
chão,
trabalhando não
apenas o
equilíbrio
corporal, mas
também o
emocional do
praticante.
É um recurso
terapêutico
eficaz para o
equilíbrio do
idoso, pois a
biomecânica do
cavalo auxilia
no ritmo e
continuidade de
estímulos ao
sistema nervoso
do praticante,
reeducando a
postura,
auxiliando na
autoestima e
autoconfiança
do praticante.
Oliveira EM.
et al. 2011
Explicar o que é a
equoterapia, quais
seus fundamentos
e enfatizar os
resultados obtidos
A metodologia
utilizada reporta-se a
uma revisão
bibliográfica através
conceitos
Dados literários
referente à
importância da
Equoterapia
Os resultados
obtidos através
da prática
equoterápica são
comprovados
Conclui-se que
a prática da
Equoterapia
além de
apresentar uma
do HCPA -
UFRGS.
HCPA -UFRGS. desenvolvimento
capazes de
quantificar
respostas, e de
reproduzir
melhores
resultados
desenvolvimento,
orientar o manejo
e, dentro das
possibilidades e
necessidades,
encaminhar ao
especialista.
LeiteJRMS,
PradoGF. 2009
Revisar os
aspectos
clínicos da
paralisia
cerebral,
discutindo a
fisioterapia e as
diversas
abordagens
terapêuticas
utilizadas.
A metodologia
utilizada reporta-se
a uma revisão
bibliográfica através
da apresentação de
tratamentos clínicos
e fisioterapêuticos
Dados literários
referente a parte
clínica e
tratamento da
Paralisia Cerebral
A fisioterapia
prepara a criança
para uma função,
mantémresultando
e, reduzir a
espasticidade.
A criança
portadora de
Paralisia Cerebral
exibe os
resultados
complexos de
uma lesão do
cérebro ou de um
erro do
desenvolvimento
cerebral. À
medida que a
criança cresce e
evolui, outros
fatores se
combinam com os
efeitos da lesão
para agravar as
deficiências
funcionais.
pelos pacientes. equoterápico
realçando seus
fundamentos e formas
de tratamento com
pacientes
pela ciência, e o
trabalho
realizado não é
destinado
somente à parte
física, mas
também ao
psicológico dos
pacientes, por
isso os mesmos
adquirem
autoconfiança,
autoestima, força
de vontade e
adequam-se
melhor a
sociedade.
melhora
funcional,
motora,
cognitiva,
afetiva
resultando em
uma melhora na
qualidade de
vida do paciente
de
formaimprescin
dível .
FerliniGMS,
Cavalari N.
2010
Conceituar e
caracterizar a
Equoterapia e
Demonstrar os
benefícios da
estimulação
através da
Equoterapia para
o
desenvolvimento
das áreas motoras,
linguagem,
cognição,
socialização da
criança com
deficiência física
.
Concretiza-se em uma
abordagem
qualitativa,envolvendo
a observação do
comportamentodos
animais e alunos
participantes.
Relatos e
estudos de casos
vivenciados na
APAE e no
Novo
Amanhecer.
Os resultados
obtidos através
da equoterapia
favorecem a
alfabetização, a
socialização e o
desenvolvimento
global de alunos
portadores de
necessidades
especiais.
Pode-se notar
que os melhores
resultados
podem ser
esperados
quando
iniciados com
crianças com
idade mais
precoce.
BrilingerCO.
2005
Analisar a
influência da
equoterapia no
desenvolvimento
motor do portador
de síndrome de
Down.
Realizou-se estudo de
caso com portador
desíndrome de Down,
sexo feminino, 21
anos.
1 A praticante
apresentou
maior
independência e
melhora da
performance
motora ao longo
da intervenção.
Conclui-se que
existe uma
influência
benéfica da
equoterapia no
desenvolviment
o motor do
praticante
Silva, JP,
Aguiar, OX.
2008
Apresentar a
importância da
Equoterapia em
pessoas com
necessidades
especiais,
trabalhando a
estimulação da
sua coordenação
motora através
dos exercícios
conforme
necessidades dos
pacientes.
Realizou-se uma
analise de dados
referentes os dados
obtidos durante o
estagio observatório
na Instituição de
Garça
Estágio
observatório em
uma instituição
no Município de
Garça
Os resultados
apresentaram
foram positivos
e além disso foi
verificada uma
melhora nos
aspectos
comportamentais
e emocionais nos
praticantes
da Equoterapia.
Foi possível
caracterizar a
importância do
trabalho
interdisciplinar
cujo foco é o
paciente,
constatando
assim a
melhora dos
clientes
atendidos no
tocante à
interação social,
na coordenação
global,
equilíbrio
estático e
dinâmico e
também na
orientação
espacial.
Aquino JFM.
2007
Avaliar o padrão
de marcha e
postura corporal
em praticantes de
equoterapia com
Paralisia Cerebral
Foi realizada uma
Amostragem de
crianças portadoras de
PC, ambos os sexos
32 Os resultados
apontaram para
um aumento nas
médias de todas
as estruturas
motoras
avaliadas ao
padrão de
marcha e postura
Conclui-se que
houve uma
melhora
significativa
quanto ao ganho
de postura e
marcha pré e
pós
terapiaequoteráp
ica..
MarconsoniE.
et al. 2012
Realizar uma
revisão de
literatura sobre os
benefícios
terapêuticos
motores da
equoterapia em
pacientes com
paralisia cerebral.
Foi realizada pesquisa
no Medline, Lilacs,
Capes e livros,
considerando o
período de 1988 a
2009, em três
combinações de
palavras-chave como:
equoterapia e paralisia
cerebral, equoterapia e
benefícios
terapêuticos motores,
paralisia cerebral e
benefícios
terapêuticos motores.
Dados literários
referentes aos
benefícios
motores da
equoterapia em
pacientes
portadores de
Paralisia
Cerebral
A paralisia
cerebral
apresenta
funções motoras
deficitárias e
movimentos
involuntários.
Com isto, a
prática da
equoterapia,
realizada de
forma prazerosa
seguindo um
programa
estabelecido pela
equipe
interdisciplinar.
Observou-se
que a prática da
equoterapia na
paralisia
cerebral
apresenta efeito
benéfico tanto
na terapia como
na educação de
portadores desta
patologia,
aumentando sua
capacidade de
independência e
decisão, a
estimulação
sensório-motora
e o esquema
corporal.
Romero CH,
LocatelliJP.
2008
Explorar e
analisar artigos
bibliográficos
referentes aos
efeitos da
equoterapia em
pacientes com
Paralisia Cerebral.
Esta pesquisa trata-se
de um estudo
bibliográfico,
exploratório, de
caráter analítico e
descritivo, contando
com a contribuição
demuitos autores
sobre o tema, de
natureza qualitativa,
propondo-se uma
análise dos efeitos da
Equoterapia em
pacientes com
Paralisia Cerebral.
6 Afirma-se que a
Equoterapia
exerce diferentes
efeitos em
pacientes com
Paralisia
Cerebral,
podendo citar: o
desenvolvimento
da
autoconfiança,
segurança,
disciplina,
concentração.
Pode-se concluir
que o tratamento
equoterápico
realizado em
crianças
portadoras de
PC, provocou
efeitos
benéficos e
significativos,
além de
melhorar o
relacionamento
com outras
pessoas, com
uma sadia
sociabilidade,
melhora a sua
motricidade,
firmeza do
tronco e tônus
muscular, bem
como, controle
postural.
57

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Função motora e qualidade de vida de indivíduos com paralisia cerebral
Função motora e qualidade de vida de indivíduos com paralisia cerebralFunção motora e qualidade de vida de indivíduos com paralisia cerebral
Função motora e qualidade de vida de indivíduos com paralisia cerebral
Fisioterapeuta
 
Força
ForçaForça
Força
rodrigo_aqua
 
ATIVAÇÃO DA REGIÃO DO CORE PRÉ-TREINAMENTO PLIOMÉTRICO EM JOGADORES DE FUTEBO...
ATIVAÇÃO DA REGIÃO DO CORE PRÉ-TREINAMENTO PLIOMÉTRICO EM JOGADORES DE FUTEBO...ATIVAÇÃO DA REGIÃO DO CORE PRÉ-TREINAMENTO PLIOMÉTRICO EM JOGADORES DE FUTEBO...
ATIVAÇÃO DA REGIÃO DO CORE PRÉ-TREINAMENTO PLIOMÉTRICO EM JOGADORES DE FUTEBO...
Fernando Farias
 
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio MuscularEfeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
Fernando Farias
 
Antonio moreira aptn_2016
Antonio moreira aptn_2016Antonio moreira aptn_2016
Antonio moreira aptn_2016
Antonio Moreira
 
A contribuição dos fatores neurais em fases iniciais do treinamento de força...
A contribuição dos fatores neurais em fases iniciais do treinamento de  força...A contribuição dos fatores neurais em fases iniciais do treinamento de  força...
A contribuição dos fatores neurais em fases iniciais do treinamento de força...
Fernando Farias
 
Efeito da técnica isostretching no equilíbrio postural
Efeito da técnica isostretching no equilíbrio posturalEfeito da técnica isostretching no equilíbrio postural
Efeito da técnica isostretching no equilíbrio postural
Melissa Louyse Duarte
 
Acupuntura Desporto
Acupuntura DesportoAcupuntura Desporto
Acupuntura Desporto
ruben4l
 
Palmilhas e ergonomia
Palmilhas e ergonomiaPalmilhas e ergonomia
Painel pronto
Painel prontoPainel pronto
Painel pronto
bonigeo
 
Efeito metodo pilates
Efeito metodo pilatesEfeito metodo pilates
Efeito metodo pilates
Marcos Aurelio
 
Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de tronco
Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de troncoAvaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de tronco
Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de tronco
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...
Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...
Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...
Dra. Welker Fisioterapeuta
 
A03v23n4
A03v23n4A03v23n4
A03v23n4
Sergio Câmara
 
Fadeup doutoramento fisioterapia
Fadeup doutoramento fisioterapiaFadeup doutoramento fisioterapia
Fadeup doutoramento fisioterapia
alvesemilia
 
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
Fernanda Emikaele
 

Mais procurados (17)

Função motora e qualidade de vida de indivíduos com paralisia cerebral
Função motora e qualidade de vida de indivíduos com paralisia cerebralFunção motora e qualidade de vida de indivíduos com paralisia cerebral
Função motora e qualidade de vida de indivíduos com paralisia cerebral
 
Força
ForçaForça
Força
 
ATIVAÇÃO DA REGIÃO DO CORE PRÉ-TREINAMENTO PLIOMÉTRICO EM JOGADORES DE FUTEBO...
ATIVAÇÃO DA REGIÃO DO CORE PRÉ-TREINAMENTO PLIOMÉTRICO EM JOGADORES DE FUTEBO...ATIVAÇÃO DA REGIÃO DO CORE PRÉ-TREINAMENTO PLIOMÉTRICO EM JOGADORES DE FUTEBO...
ATIVAÇÃO DA REGIÃO DO CORE PRÉ-TREINAMENTO PLIOMÉTRICO EM JOGADORES DE FUTEBO...
 
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio MuscularEfeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
Efeitos do RPG na Correção Postural e Reequilíbrio Muscular
 
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a prevenção e recuperação de lesõ...
 
Antonio moreira aptn_2016
Antonio moreira aptn_2016Antonio moreira aptn_2016
Antonio moreira aptn_2016
 
A contribuição dos fatores neurais em fases iniciais do treinamento de força...
A contribuição dos fatores neurais em fases iniciais do treinamento de  força...A contribuição dos fatores neurais em fases iniciais do treinamento de  força...
A contribuição dos fatores neurais em fases iniciais do treinamento de força...
 
Efeito da técnica isostretching no equilíbrio postural
Efeito da técnica isostretching no equilíbrio posturalEfeito da técnica isostretching no equilíbrio postural
Efeito da técnica isostretching no equilíbrio postural
 
Acupuntura Desporto
Acupuntura DesportoAcupuntura Desporto
Acupuntura Desporto
 
Palmilhas e ergonomia
Palmilhas e ergonomiaPalmilhas e ergonomia
Palmilhas e ergonomia
 
Painel pronto
Painel prontoPainel pronto
Painel pronto
 
Efeito metodo pilates
Efeito metodo pilatesEfeito metodo pilates
Efeito metodo pilates
 
Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de tronco
Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de troncoAvaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de tronco
Avaliação isocinética da musculatura envolvida na flexao de tronco
 
Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...
Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...
Plugin sacco,%20 i.c.n%20et%20al%20-m%e9todo%20pilates%20em%20revista%20aspec...
 
A03v23n4
A03v23n4A03v23n4
A03v23n4
 
Fadeup doutoramento fisioterapia
Fadeup doutoramento fisioterapiaFadeup doutoramento fisioterapia
Fadeup doutoramento fisioterapia
 
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
Ativação muscular estabilizadora da patela e do quadril durante exercícios d ...
 

Destaque

Seleção de cavalos para Equoterapia
Seleção de cavalos para EquoterapiaSeleção de cavalos para Equoterapia
Seleção de cavalos para Equoterapia
Equo Saúde Minas
 
Paralisia cerebral ataxia
Paralisia cerebral ataxiaParalisia cerebral ataxia
Paralisia cerebral ataxia
Fisioterapeuta
 
Um mix entre o aprendizado presencial e virtual estela s buenoetecgvdocx
Um mix entre o aprendizado presencial e virtual estela s buenoetecgvdocxUm mix entre o aprendizado presencial e virtual estela s buenoetecgvdocx
Um mix entre o aprendizado presencial e virtual estela s buenoetecgvdocx
Estela Sales
 
Paralisia cerebral atetóide
Paralisia cerebral atetóideParalisia cerebral atetóide
Paralisia cerebral atetóide
Fisioterapeuta
 
Equoterapiatcc
EquoterapiatccEquoterapiatcc
Equoterapiatcc
Rodrygo Arruda
 
Paralisia cerebral atetóide - Revisão
Paralisia cerebral atetóide - RevisãoParalisia cerebral atetóide - Revisão
Paralisia cerebral atetóide - Revisão
Fisioterapeuta
 
Monitorização Hemodinamica
Monitorização HemodinamicaMonitorização Hemodinamica
Monitorização Hemodinamica
Rodrigo Biondi
 
Kabat aula pratica cintura pelvica
Kabat   aula pratica cintura pelvicaKabat   aula pratica cintura pelvica
Kabat aula pratica cintura pelvica
Natha Fisioterapia
 
Aula+sinais+vitais carmen
Aula+sinais+vitais carmenAula+sinais+vitais carmen
Aula+sinais+vitais carmen
drilopez
 
MonitorizaçãO HemodinâMica
MonitorizaçãO HemodinâMicaMonitorizaçãO HemodinâMica
MonitorizaçãO HemodinâMica
galegoo
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
resenfe2013
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
Viviane da Silva
 
Equoterapia parte 3
Equoterapia   parte 3Equoterapia   parte 3
Equoterapia parte 3
clinicansl
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
Mateus Camargo
 

Destaque (14)

Seleção de cavalos para Equoterapia
Seleção de cavalos para EquoterapiaSeleção de cavalos para Equoterapia
Seleção de cavalos para Equoterapia
 
Paralisia cerebral ataxia
Paralisia cerebral ataxiaParalisia cerebral ataxia
Paralisia cerebral ataxia
 
Um mix entre o aprendizado presencial e virtual estela s buenoetecgvdocx
Um mix entre o aprendizado presencial e virtual estela s buenoetecgvdocxUm mix entre o aprendizado presencial e virtual estela s buenoetecgvdocx
Um mix entre o aprendizado presencial e virtual estela s buenoetecgvdocx
 
Paralisia cerebral atetóide
Paralisia cerebral atetóideParalisia cerebral atetóide
Paralisia cerebral atetóide
 
Equoterapiatcc
EquoterapiatccEquoterapiatcc
Equoterapiatcc
 
Paralisia cerebral atetóide - Revisão
Paralisia cerebral atetóide - RevisãoParalisia cerebral atetóide - Revisão
Paralisia cerebral atetóide - Revisão
 
Monitorização Hemodinamica
Monitorização HemodinamicaMonitorização Hemodinamica
Monitorização Hemodinamica
 
Kabat aula pratica cintura pelvica
Kabat   aula pratica cintura pelvicaKabat   aula pratica cintura pelvica
Kabat aula pratica cintura pelvica
 
Aula+sinais+vitais carmen
Aula+sinais+vitais carmenAula+sinais+vitais carmen
Aula+sinais+vitais carmen
 
MonitorizaçãO HemodinâMica
MonitorizaçãO HemodinâMicaMonitorizaçãO HemodinâMica
MonitorizaçãO HemodinâMica
 
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-InvasivaMonitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
Monitorização Hemodinâmica Não-Invasiva
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Equoterapia parte 3
Equoterapia   parte 3Equoterapia   parte 3
Equoterapia parte 3
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
 

Semelhante a Artigo bioterra v16_n2_07

A musicoterapia na reabilitação de pacientes com paralisia cerebral
A musicoterapia na reabilitação de pacientes com paralisia cerebralA musicoterapia na reabilitação de pacientes com paralisia cerebral
A musicoterapia na reabilitação de pacientes com paralisia cerebral
Michelle de Melo Ferreira
 
Plasticidade e fisioterapia
Plasticidade e fisioterapiaPlasticidade e fisioterapia
Plasticidade e fisioterapia
juuliacarolina
 
Ebook - Intervenção da Fisioterapia pós-AVE/AVCs - Os principais mitos
Ebook - Intervenção da Fisioterapia pós-AVE/AVCs - Os principais mitosEbook - Intervenção da Fisioterapia pós-AVE/AVCs - Os principais mitos
Ebook - Intervenção da Fisioterapia pós-AVE/AVCs - Os principais mitos
Master - Science Lab
 
Equoterapia
EquoterapiaEquoterapia
Equoterapia
Marília Gomes
 
Relatorio neurologia apae (salvo automaticamente)
Relatorio neurologia apae (salvo automaticamente)Relatorio neurologia apae (salvo automaticamente)
Relatorio neurologia apae (salvo automaticamente)
Paula Müller
 
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Tratamento pc
Tratamento pcTratamento pc
Tratamento pc
Equipe Bagaceiros
 
Acupuntura e obesidade
Acupuntura e obesidadeAcupuntura e obesidade
Acupuntura e obesidade
barrosilson
 
ESCLEROSE.pptx
ESCLEROSE.pptxESCLEROSE.pptx
ESCLEROSE.pptx
ALESSANDRAVANESSADES
 
415 revisão
415 revisão415 revisão
415 revisão
ricardodrews88
 
Psicologia e equoterapia
Psicologia e equoterapiaPsicologia e equoterapia
Psicologia e equoterapia
Maureen Dos Reis
 
Lesão medular
Lesão medularLesão medular
Acupuntura no auxílio da diminuição da espasticidade em crianças com paralisi...
Acupuntura no auxílio da diminuição da espasticidade em crianças com paralisi...Acupuntura no auxílio da diminuição da espasticidade em crianças com paralisi...
Acupuntura no auxílio da diminuição da espasticidade em crianças com paralisi...
Rubens Montes
 
Terapia Assistida pelo Cavalo (TAC)
Terapia Assistida pelo Cavalo (TAC)Terapia Assistida pelo Cavalo (TAC)
Terapia Assistida pelo Cavalo (TAC)
Ana Patricia Meunier
 
Neuropsicologia e Especialidades Médicas: Olhares que se complementam
Neuropsicologia e Especialidades Médicas: Olhares que se complementamNeuropsicologia e Especialidades Médicas: Olhares que se complementam
Neuropsicologia e Especialidades Médicas: Olhares que se complementam
Emanuel F. da Conceição António
 
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotróficaBenefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Ergonomia do trabalho fisioterapia preventiva
Ergonomia do trabalho fisioterapia preventivaErgonomia do trabalho fisioterapia preventiva
Ergonomia do trabalho fisioterapia preventiva
DeboraKaroline4
 
Distrofia Muscular
Distrofia MuscularDistrofia Muscular
Distrofia Muscular
rodrigo_aqua
 
Escala de fugl meyer (brasil)
Escala de fugl meyer (brasil)Escala de fugl meyer (brasil)
Escala de fugl meyer (brasil)
juuliacarolina
 
Seminário Esclerose Múltipla .pptx
Seminário Esclerose Múltipla .pptxSeminário Esclerose Múltipla .pptx
Seminário Esclerose Múltipla .pptx
Fran Alex Glovaski
 

Semelhante a Artigo bioterra v16_n2_07 (20)

A musicoterapia na reabilitação de pacientes com paralisia cerebral
A musicoterapia na reabilitação de pacientes com paralisia cerebralA musicoterapia na reabilitação de pacientes com paralisia cerebral
A musicoterapia na reabilitação de pacientes com paralisia cerebral
 
Plasticidade e fisioterapia
Plasticidade e fisioterapiaPlasticidade e fisioterapia
Plasticidade e fisioterapia
 
Ebook - Intervenção da Fisioterapia pós-AVE/AVCs - Os principais mitos
Ebook - Intervenção da Fisioterapia pós-AVE/AVCs - Os principais mitosEbook - Intervenção da Fisioterapia pós-AVE/AVCs - Os principais mitos
Ebook - Intervenção da Fisioterapia pós-AVE/AVCs - Os principais mitos
 
Equoterapia
EquoterapiaEquoterapia
Equoterapia
 
Relatorio neurologia apae (salvo automaticamente)
Relatorio neurologia apae (salvo automaticamente)Relatorio neurologia apae (salvo automaticamente)
Relatorio neurologia apae (salvo automaticamente)
 
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
A influência do comprometimento neuromotor na aquisição de habilidades em par...
 
Tratamento pc
Tratamento pcTratamento pc
Tratamento pc
 
Acupuntura e obesidade
Acupuntura e obesidadeAcupuntura e obesidade
Acupuntura e obesidade
 
ESCLEROSE.pptx
ESCLEROSE.pptxESCLEROSE.pptx
ESCLEROSE.pptx
 
415 revisão
415 revisão415 revisão
415 revisão
 
Psicologia e equoterapia
Psicologia e equoterapiaPsicologia e equoterapia
Psicologia e equoterapia
 
Lesão medular
Lesão medularLesão medular
Lesão medular
 
Acupuntura no auxílio da diminuição da espasticidade em crianças com paralisi...
Acupuntura no auxílio da diminuição da espasticidade em crianças com paralisi...Acupuntura no auxílio da diminuição da espasticidade em crianças com paralisi...
Acupuntura no auxílio da diminuição da espasticidade em crianças com paralisi...
 
Terapia Assistida pelo Cavalo (TAC)
Terapia Assistida pelo Cavalo (TAC)Terapia Assistida pelo Cavalo (TAC)
Terapia Assistida pelo Cavalo (TAC)
 
Neuropsicologia e Especialidades Médicas: Olhares que se complementam
Neuropsicologia e Especialidades Médicas: Olhares que se complementamNeuropsicologia e Especialidades Médicas: Olhares que se complementam
Neuropsicologia e Especialidades Médicas: Olhares que se complementam
 
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotróficaBenefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
Benefícios da intervenção fisioterapêutica na esclerose lateral amiotrófica
 
Ergonomia do trabalho fisioterapia preventiva
Ergonomia do trabalho fisioterapia preventivaErgonomia do trabalho fisioterapia preventiva
Ergonomia do trabalho fisioterapia preventiva
 
Distrofia Muscular
Distrofia MuscularDistrofia Muscular
Distrofia Muscular
 
Escala de fugl meyer (brasil)
Escala de fugl meyer (brasil)Escala de fugl meyer (brasil)
Escala de fugl meyer (brasil)
 
Seminário Esclerose Múltipla .pptx
Seminário Esclerose Múltipla .pptxSeminário Esclerose Múltipla .pptx
Seminário Esclerose Múltipla .pptx
 

Mais de Universidade Federal de Sergipe - UFS

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 

Mais de Universidade Federal de Sergipe - UFS (20)

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 

Artigo bioterra v16_n2_07

  • 1. REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 Volume 16 - Número 2 - 2º Semestre 2016 BENEFÍCIOS DA EQUOTERAPIA EM CRIANÇAS COM ENCEFALOPATIA CRÔNICA NÃO PROGRESSIVA: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Adriana Aparecida Souza1 ; Samara Lamounier Santana Parreira 2 RESUMO Introdução: A Encefalopatia Crônica Não Progressiva é uma lesão ocasionada no cérebro apresentando caracterizadas por disfunção motora e postural. A equoterapia é um método terapêutico e educacional onde é utilizada uma abordagem interdisciplinar buscando a recuperação de pessoas com deficiência e/ou com necessidades especiais. A técnica equoterápica proporciona benefícios onde se utiliza o cavalo dentro de uma abordagem interdisciplinar e o paciente terá benefícios onde proporcionará uma melhora da estabilidade postural, coordenação motora, redução de espasmos, uma melhora de sua autoestima e autoconfiança, o que termina por proporcionar melhor qualidade de vida ao paciente. Objetivos: Analisar os benefícios da Equoterapia em pacientes portadores de Paralisia Cerebral. Metodologia: o referente estudo será de caráter exploratório tendo como foco de pesquisa o levantamento bibliográfico. Resultados: A conduta observada foi a Equoterapia em seus diversos benefícios para um paciente com paralisia cerebral. Considerações finais: Concluiu-se então que a Equoterapia é uma conduta fisioterapêutica adotadas para a reabilitação de um paciente com Paralisia Cerebral apresentando-se eficiente seus benefícios e proporcionando resultados positivos. Palavras-chave: Equoterapia, Benefícios, Paralisia cerebral. BENEFITS OF HIPPOTHERAPY IN CHILDREN WITH CHRONIC ENCEPHALOPATHY NO PROGRESSIVE: LITERATURE REVIEW ABSTRACT Introduction: The chronic encephalopathy not progressive is a lesion in the brain characterized for motor and posture dysfunction. The hippotherapy is a therapeutic and educational method which uses an interdisciplinary approach for recuperation of disabled people or with special needs. The technic hippotherapy uses the horse in the interdisciplinary approach and the patient will have improvement of the posture stability, motor coordination, self-esteem and self-confidence, reduce spasms and finally provides better life quality to patient. Objectives: To analyse the benefits of the hippotherapy in patients with cerebral paralysis. Methodology: This study will be exploratory focusing the bibliographic search. Results: It was observed that the hippotherapy brings many benefits to patients with cerebral paralysis. Considerations: Concluded that the hippotherapy is a process used in the physiotherapy for rehabilitation of patients with cerebral paralysis showing yours benefits and positive results. Keywords: Hippotherapy, Benefit, Chronic Encephalopathy not progressive. 45
  • 2. INTRODUÇÃO A Encefalopatia Crônica Não Progressiva (ECNP) é uma lesão ocasionada no cérebro apresentando caracterizadas por disfunção motora e postural. Estas condições, que variam em gravidade, são devidas a alterações do desenvolvimento do cérebro resultante a partir de uma variedade de causas, mesmo não sendo uma doença progressiva, ocorre o aparecimento de neuropatologias implicando para o não amadurecimento do cérebro1 . A Encefalopatia Crônica Não Progressiva também é definida como Paralisia Cerebral, é considerado um distúrbio de motricidade que geralmente sua manifestação é com indivíduos de até os 3 anos2 .Essa patologia possui uma característica específica, pois, o paciente apresenta sequela de agressão encefálica, transtornos persistentes e invariáveis do tono, postura e dos movimentos. Os distúrbios são diferenciados devidos o não controle dos movimentos, não adaptação do comprimento muscular podendo vir a surgir deformidades ósseas. Existem casos, as sequelas só atingem a região motora sendo associada a outras alterações como, por exemplo, na fala, visão, tato, audição, distúrbios da percepção e/ou sensibilidade, revelando deficiências intelectuais, convulsivas, distúrbios ortopédicos, educacionais e até mesmo de comportamento3 . A Equoterapia é uma técnica de reabilitação e educação corporal que utiliza a equitação para proporcionar ao paciente benefício físicos, psicológicos, educacionais e sociais onde, exige a participação do corpo inteiro do paciente, trabalhando o globalmente à musculatura sendo que a utilização do cavalo é considerada como um método terapêutico contribuindo, assim, para o ganho e o desenvolvimento do equilíbrio, tônus, força muscular, conscientização do corporal, aperfeiçoamento de coordenação motora, autoconfiança e autoestima4 . Esta técnica constitui-se da interação entre ambiente, cavaleiro, cavalo e equipe multidisciplinar responsável pelo paciente e também pelo tratamento adequado do cavalo. Essa atuação em conjunto é de extrema importância, pois se aglomeram conhecimentos de áreas específicas, uma complementando a outra, e resultando assim em um único método que beneficia o paciente durante todo seu tratamento5 . No momento em que o paciente se encontra em cima do dorso do cavalo, ambos se tornam um só ser e todos os movimentos que o cavalo produz são refletidos no paciente, portanto, podemos definir essa atuação conjunta como sequenciada e simultânea. Notoriamente, a prática da equoterapia promove aos pacientes estímulos que os auxiliam em sua superação das suas necessidades, e consequentemente terão uma melhor qualidade de vida5 . Dentre os diversos tratamentos fisioterapêuticos disponíveis atualmente e sendo eles utilizados em pacientes com ECNP ou com algum outro tipo de deficiência e/ou necessidades especiais, a Equoterapia é uma das técnicas que proporciona benefícios em curto prazo, pois além de ser um método terapêutico e educacional que utiliza o cavalo dentro de uma abordagem interdisciplinar, buscando o desenvolvimento biopsicossocial, o paciente terá benefícios além da patologia como, melhora do humor, entusiasmo para pratica de outros esportes e melhorando sua qualidade de vida4 . A Equoterapia dispõe de benefícios para o paciente portador de Paralisia Cerebral, sendo eles: melhoramento da relação (aspectos da comunicação, autocontrole, autoconfiança, vigilância da relação, atenção e do tempo de atenção); melhoramento da psicomotricidade (aspectos do tônus, mobilidade das articulações da coluna e pelve, equilíbrio e postura de tronco, percepção corporal, coordenação motora, dissociação de movimentos corporais); melhoramento de natureza técnica (aprendizado das técnicas de equitação e cuidados com o cavalo) e melhoramento da socialização (facilita a integração de paciente-terapeuta e paciente- sociedade)6 . O conhecimento é extenso sobre esse tipo de tratamento que se torna consideravelmente importante, por isso, o objetivo deste trabalho é analisar os benefícios que a Equoterapia proporciona para os pacientes portadores de Paralisia Cerebral. METODOLOGIA Este estudo foi uma revisão bibliográfica tendo como foco de pesquisa o levantamento da
  • 3. literatura a respeito dos benefícios que a Equoterapia proporciona aos pacientes com Encefalopatia Crônica Não Progressiva, para isto, foram utilizados os seguintes descritores: equoterapia, benefícios e paralisia cerebral. Os artigos selecionados foram coletados das bases de dados PUBMED, SCIELO, LILACS e MEDLINE, além de capítulos de livros, no período de 2002 a 2013, em língua portuguesa. Foram encontradas 42 referências envolvendo o assunto temático, sendo utilizadas 16 referências, nesta pesquisa. REFERENCIAL TEÓRICO No Sistema Nervoso Central (SNC) chega às informações sensoriais onde, as ordens destinadas aos músculos e às glândulas são liberadas. Os Músculos das pernas, braços ou pálpebras também são informados pela via sensorial. Porém, existem situações em que estes músculos podem se contrair sem a participação da estimulação sensorial tendo as respostas totalmente automáticas sendo denominadas de reflexos1 . Toda mensagem nervosa, levará certo tempo para percorrer as neurofibras (fibras nervosas) e quanto mais afastado estiver o centro nervoso, maior será o tempo a que informação levará para chegar até o SNC1 . A Encefalopatia Crônica Não Progressiva (ECNP) é um distúrbio sensorial e senso- motor causado por uma lesão cerebral, a qual perturba o desenvolvimento normal do cérebro. A perturbação é estacionária e não progressiva. O distúrbio do cérebro é estacionário, porém, o comprometimento dos movimentos é progressivo1 . A ECNP também é considerada uma lesão ocasionada no cérebro onde se apresenta características específicas ocasionadas por disfunções motoras e posturais que variam em gravidade, por isto é muito importante iniciar o tratamento objetivando a correção dos movimentos executados erroneamente, obtendo assim movimentos mais precisos1 ocasionados pelas alterações do desenvolvimento do cérebro resultante a partir de uma variedade de causas, mesmo não sendo uma doença progressiva, ocorre o aparecimento de neuropatologias implicando para o não amadurecimento do cérebro2 . A incidência mundial de ECNP tem-se mantido constante nos últimos anos. Isso se deve, dentre outras razões, às melhores condições de atendimento materno infantil atingido pelo avanço tecnológico, favorecendo principalmente a sobrevida de pré-termos 1 . Nos Estados Unidos, esta incidência tem variado de 1,5 a 5,9/1.000 nascidos vivos. Já no Brasil, estima-se que a cada 1.000 crianças que nascem, 7crianças são portadoras de ECNP e nos países que encontram em desenvolvimento como o Brasil, essa condição pode estar relacionada a problemas gestacionais, más condições de nutrição materna e infantil, atendimento médico e hospitalar inadequado, dentre outros. Dados também revelam que o nascimento de um bebê pré-termo é uma das causas primárias da ECNP chegando a aproximadamente 30% dos nascidosvivos3 . Segundo Oliveira et al. (2005) e Vasconcelos (2009), a etiologia da ECNP pode estar relacionada às causas específicas com suas respectivas características para que ocorra aECNP que seria durante o período: • Pré-Natal: diminuição da pressão parcial de oxigênio; diminuição da concentração de hemoglobina; diminuição da superfície placentária; alterações da circulação materna; tumores uterinos; nó de cordão umbilical; cordão umbilical curto; más formações do cordão umbilical; prolapso; • Peri- Natal: Neste ciclo existem 3 fatores que podem vir a ocasionar a ECNP: Fatores maternos podem influenciar tais como a idade da mãe, desproporção céfalo-pélvica, anomalias da placenta, anomalias do cordão umbilical, anomalias da contração uterina, narcose e anestesia; Fatores fetais: primogenidade, prematuridade, dismaturidade, gemelaridade, malformações fetais e macrossomia fetal. Por fim, os fatores de parto: parto instrumental, anomalias de posição e duração do trabalho de parto; • Pós-natais: anóxia anêmica, anóxia por êxtase, anóxia anoxêmica e anóxia histotóxica. O quadro clínico que os pacientes com ECNP apresentam tem uma característica específica que é o comprometimento motor
  • 4. onde este comprometimento afetará o seu desempenho funcional, mas, cada paciente é classificado devido seus critérios em específico4 . A ECNP ela tem dois critérios de classificação sendo eles o tipo de função motora: extrapiramidal ou discinético (atetóide,coréico e distônico), atáxico, misto e espástico; e pela localização do corpo afetado (tetraplegia ou quadriplegia,monoplegia, paraplegia ou diplegia e hemiplegia)6 . A heterogeneidade do quadro clínico apresenta dificuldades quanto a classificação do comprometimento da disfunção motora e é, ainda, um desafio para as equipes multiprofissionais envolvidas na reabilitação trabalharem com medidas baseadas no seu desempenho funcional. Isso se comprova de acordo com os diversos estudos apresentados onde é relatado que o quadro clínico funcional relacionado aos níveis de severidade da ECNP em atividades do cotidiano, não indicam o impacto da disfunção motora isolada4 De forma geral, o diagnóstico de ECNP sugere que o individuo em questão apresente características específicas como, distúrbio central de postura e movimento, retardo em seu desenvolvimento motor, pertinência de reflexos primitivos e também anormais, o não desenvolvimento dos reflexos protetores11 . Todo esse diagnóstico é confirmado através de uma Anamnese e um exame físico minucioso, até para que seja confirmada uma possível ou não doenças degenerativas ou até mesmo uma distrofia muscular. São realizados exames como o Eletroencefalograma e tomografia Computadorizada para então determinar a localização e extensão das lesões estruturais. Outros exames adicionais podem ser incluídos como o teste para verificar a função auditiva e visual6 . Além disso, o processo de identificação mostra frequentemente partes do corpo que estão primariamente envolvidas: diplegia, hemiplegia e quadriplegia sendo elas que indicam respectivamente que os membros inferiores, um lado do corpo, ou os quatro membros, estão afetados11 . TIPOS DE ENCEFALOPATIA CRÔNICA NÃO PROGRESSIVA Na observação clínica da ECNP, deve-se levar em consideração a extensão do distúrbio motor, sua intensidade e, principalmente, a caracterização semiológica desse distúrbio. A ECNP pode ser classificada através de 2 critérios: Lesões piramidais e Lesões Extrapiramidais sendo sub classificadas de acordo com sua topografia e quais os membros envolvidos em cada lesão. Leite e Prado relatam que as lesões piramidais são distintas, caracterizando-se por características específicas, sendo elas descritas abaixo: 1. Hemiplegia: ocorre com maior comprometimento de membro superior, acompanha-se de sinais de liberação: espasticidade, hiperreflexia e sinal de Babinski positivo. O paciente ostenta atitude em semiflexão do membro superior, permanecendo o membro inferior hiperestendido e aduzido, e o pé em postura equinovara. Também é comum apresentar hipotrofia dos segmentos acometidos, provocando uma possível ocorrência de outras hemi- hipoestesiaou hemianopsia; 2. Quadriplegia: são lesões difusas bilaterais no sistema piramidal resultando-se em uma grave tetraparesia espástica com intensas retrações em semiflexão, síndrome pseudobulbar (hipomimia, disfagia e disartria), podendo vir a ocorrer ainda microcefalia, deficiência mental e epilepsia; 3. Diplegia: acontece entre 10 a 30 % dos pacientes com ECNP, sendo a forma mais encontrada em prematuros. Trata- se de um comprometimento dos membros inferiores, comumente comprovando uma acentuada hipertonia dos adutores, que configura em alguns doentes o aspecto semiológico denominado síndrome de Little, ou seja, apresenta uma postura com cruzamento dos membros inferiores e marcha “em tesoura”. Além do distúrbio motor, existem manifestações acessórias com frequência variável que um paciente com ECNP apresenta8 : 1. Deficiência mental: Ocorre de 30 a 70% dos pacientes. Está mais associada às
  • 5. formas tetraplégicas, diplégicas ou mistas; 2. Epilepsia: Varia de 25 a 35% dos casos, ocorrendo mais associado com a forma hemiplégica ou tetraplégica; 3. Distúrbios da linguagem; 4. Distúrbios visuais: Pode ocorrer perda da acuidade visual ou dos movimentos oculares (estrabismo); 5. Distúrbios do comportamento: São mais comuns nas crianças com inteligência normal ou limítrofe, que se sentem frustradas pela sua limitação motora, rejeição familiar. 6. Distúrbios ortopédicos: Mesmo nos pacientes submetidos à reabilitação bem orientada, são comuns retrações fibrotendíneas (50%), cifoescoliose (15%), “coxa valga” (5%) e deformidades nos pés. Tendo em vista as necessidades, limitações e inabilidades motoras e posturais do paciente com ECNP, há uma tendência fisioterapêutica de utilização da equoterapia como tratamento14 . A Equoterapia é um método terapêutico e educacional pelo qual utiliza o cavalo dentro de uma abordagem multidisciplinar, nas áreas de Saúde, Educação e Equitação onde busca o desenvolvimento biopsicossocial de pessoas portadoras de necessidades especiais8 . Atualmente, existem divergências conceituais e semânticas a respeito do nome podendo ser observadas várias nomenclaturas: hipoterapia, equitação terapêutica, reeducação equestre, equitação para deficientes, reabilitação equestre 3 . Dentre os diversos tratamentos fisioterapêuticos disponíveis atualmente e sendo eles utilizados em pacientes com ECNP ou com algum outro tipo de deficiência e/ou necessidades especiais, a Equoterapia é uma das técnicas que proporciona benefícios em curto prazo, pois além de ser um método terapêutico e educacional que utiliza o cavalo dentro de uma abordagem interdisciplinar, buscando o desenvolvimento biopsicossocial, o paciente terá benefícios além da patologia como, melhora do humor, ânimo para pratica de outros esportes e melhorando sua qualidade de vida 2 . Na equoterapia a ação do movimento do cavalo é tridimensional ativando as respostas de deslocamento para frente e para trás, esquerda, direita e de cima para baixo3,15 .Existem semelhanças entre a marcha humana e a andadura do cavalo ao passo: sequência de perdas e retomadas de equilíbrio, movimento tridimensional, dissociação de cinturas pélvica e escapular. Este trote que o cavalo realiza auxilia em diversos benefícios para o paciente com ECNP que seria a melhora do equilíbrio e postura, conscientização corporal, sensações de ritmo, aumento da autoestima, facilita sua integração social, melhora da memória, concentração. Também auxilia na aquisição e desenvolvimento das funções psicomotoras. A função do cavalo é entrar como um instrumento terapêutico, exigindo do cavaleiro planejamento, criação de estratégias e potencialização das habilidades motoras13 . A equoterapia proporciona a criança com ECNP, benefícios importantes para seu desenvolvimento, pois, proporciona a criança com ECNP um ganho de equilíbrio e foça muscular através da estimulação proprioceptiva, vestibular e sensório-motora6,16 obtendo uma melhora no tônus, mobilidade articular de coluna e pelve, equilíbrio e postura, obtenção da lateralidade, percepção do esquema corporal, coordenação motora e dissociação de movimentos, precisão de gestos e integração do mesmo para compreensão de uma ordem recebida ou por imitação 2 . RESULTADOS Os resultados serão apresentados em forma de tabela 1- Paralisia Cerebral e Tabela 2 - Equoterapia (Em anexo) CONSIDERAÇÕES FINAIS De acordo com os artigos revisados, a Equoterapia em crianças portadoras de Encefalopatia Crônica Não Progressiva apresenta ser uma técnica de tratamento eficiente, obtendo os benefícios esperados, pois estes os resultados são benfeitorias que potencializam o equilíbrio e a força muscular do paciente através da estimulação proprioceptiva e sensório-motora proporcionando então resultados positivos, desde que os exercícios sejam bem prescritos e assistidos permitindo a criança um ganho em suas funções motoras e
  • 6. consequentemente uma melhor qualidade de vida. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AQUINO JFM; CUSINATO, CO E MARÃES, VRFS. Avaliação dos padrões de marcha e postura corporal dos praticantes equoterapia com Paralisia Cerebral. CONIC-SEMESP, 2007. BRASIL. MS. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Diretrizes de atenção à pessoa com paralisia cerebral / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília: Ministério da Saúde, 2013. BRILINGER, CO. A influência da equoterapia no desenvolvimento Motor do portador de síndrome de Down: estudo de um Caso. Tubarão, 2005. CÂNDIDO, AMDM. Paralisia Cerebral: Abordagem para o Pediatra Geral e manejo multidisciplinar. Passo Fundo: UPF, 2004. CHRISTOFOLETTI G; HYGANHI F; GODOY ALR. Paralisia Cerebral: uma análise do comprometimento motor sobre a qualidade de vida. Fisioterapia em Movimento. Curitiba, 2007; 20,37-44. COSTA, M. Incapacidade motora cerebral: Paralisia cerebral. 2003. Disponível em: http://www.wgate.com.br/conteudo/medicinaesa ude/fisioterapia/variedades/paralisia_cerebral.ht m FERLINI, GMS; Cavalari, N. Os benefícios da equoterapia no desenvolvimento da criança com deficiência física. Caderno Multidisciplinar de Pós-Graduação da UCP, Pitanga, v.1, n.4, p.1- 14, abr., 2010. FERLINI, GMS; Cavalari, N. Os benefícios da equoterapia no desenvolvimento da criança com deficiência física. Caderno multidisciplinar de pós-graduação da UCP. Pitanga, v.1, n.4, p. 1- 14, abr, 2010. LEITE, JMRS; Prado, GF. Paralisia cerebral: Aspectos Fisioterapêuticos e Clínicos. Ver Neurociências, v.12, n.01, 2004. LIMA, AS; Cipriano, D; Silva, EF. Simpósio Internacional De Ciências Integradas Da UNAERP: Paralisia Cerebral. Guarujá, 2011. MANCINI, MC; et al. Gravidade da Paralisia Cerebral e desempenho funcional. Rev. bras. fisioter. v.8, n.3, p.253-260, 2004. MARCONSONI, E. et al. Equoterapia: seus benefícios terapêuticos motores na paralisia cerebral. RIES, ISSN 2238-832X, Caçador, V.1, n.2, p. 78-90, 2012. OLIVEIRA, EM. et al. Equoterapia: O uso do cavalo em práticas terapêuticas. IV Semana de Ciência e Tecnologia IFMG, Bambuí, 2011. PAZ, CB; Moraes, VLR. Contribuições da Educação Física para a Qualidade De Vida de Educandos com Paralisia Cerebral. Revista CientíficaJOPEF, 2012. PITA, M. C.; PASCHOARELLI, L. C.; SILVA, J. C. P. Biofotogrametria Computadorizada: Aplicação na Avaliação Postural Fisioterapêutica e sua Contribuição para o Design Ergonômico. Anais do VII ERGODESIGN e VII USICH. Balneário Camboriú/SC: NPDESIGN - UNIVALI, v. 1, 2007. ROTTA NT. Paralisia cerebral, novas perspectivas terapêuticas. J. Pediatr. 2002;78(1):48-54. SILVEIRA, MM; Wibelinger, LM. A equoterapia como recurso terapêutico no equilíbrio do idoso. Brasília: 2013.
  • 7. TAFNER, MA; Fischer, J. Paralisia Cerebral e Aprendizagem: Um Estudo De Caso Inserido no Ensino Regular. 2004. VASCONCELOS, RLM. Avaliação do desempenho funcional de crianças com paralisia cerebral de acordo com níveis de comprometimento motor. Natal, 2009. WALTER, GB; Vendramini, OM. Equoterapia: terapia com o uso do cavalo. Minas Gerais: CPT/CEE-UFV, 2000. ______________________________________ 1- Acadêmica de fisioterapia do Centro Universitário UniEVANGÉLICA, Anápolis, GO – Brasil, e-mail: adri_a_s@hotmail.com 2- Fisioterapeuta, Livre Docente, Professora adjunto ao Curso de Fisioterapia na UniEVANGÉLICA, Anápolis, GO – Brasil, e- mail: samaralsparreira@ibest.com.br
  • 8. literatura a respeito dos benefícios que a Equoterapia proporciona aos pacientes com Encefalopatia Crônica Não Progressiva, para isto, foram utilizados os seguintes descritores: equoterapia, benefícios e paralisia cerebral. Os artigos selecionados foram coletados das bases de dados PUBMED, SCIELO, LILACS e MEDLINE, além de capítulos de livros, no período de 2002 a 2013, em língua portuguesa. Foram encontradas 42 referências envolvendo o assunto temático, sendo utilizadas 16 referências, nesta pesquisa. REFERENCIAL TEÓRICO No Sistema Nervoso Central (SNC) chega às informações sensoriais onde, as ordens destinadas aos músculos e às glândulas são liberadas. Os Músculos das pernas, braços ou pálpebras também são informados pela via sensorial. Porém, existem situações em que estes músculos podem se contrair sem a participação da estimulação sensorial tendo as respostas totalmente automáticas sendo denominadas de reflexos1 . Toda mensagem nervosa, levará certo tempo para percorrer as neurofibras (fibras nervosas) e quanto mais afastado estiver o centro nervoso, maior será o tempo a que informação levará para chegar até o SNC1 . A Encefalopatia Crônica Não Progressiva (ECNP) é um distúrbio sensorial e senso- motor causado por uma lesão cerebral, a qual perturba o desenvolvimento normal do cérebro. A perturbação é estacionária e não progressiva. O distúrbio do cérebro é estacionário, porém, o comprometimento dos movimentos é progressivo1 . A ECNP também é considerada uma lesão ocasionada no cérebro onde se apresenta características específicas ocasionadas por disfunções motoras e posturais que variam em gravidade, por isto é muito importante iniciar o tratamento objetivando a correção dos movimentos executados erroneamente, obtendo assim movimentos mais precisos1 ocasionados pelas alterações do desenvolvimento do cérebro resultante a partir de uma variedade de causas, mesmo não sendo uma doença progressiva, ocorre o aparecimento de neuropatologias implicando para o não amadurecimento do cérebro2 . A incidência mundial de ECNP tem-se mantido constante nos últimos anos. Isso se deve, dentre outras razões, às melhores condições de atendimento materno infantil atingido pelo avanço tecnológico, favorecendo principalmente a sobrevida de pré-termos 1 . Nos Estados Unidos, esta incidência tem variado de 1,5 a 5,9/1.000 nascidos vivos. Já no Brasil, estima-se que a cada 1.000 crianças que nascem, 7crianças são portadoras de ECNP e nos países que encontram em desenvolvimento como o Brasil, essa condição pode estar relacionada a problemas gestacionais, más condições de nutrição materna e infantil, atendimento médico e hospitalar inadequado, dentre outros. Dados também revelam que o nascimento de um bebê pré-termo é uma das causas primárias da ECNP chegando a aproximadamente 30% dos nascidosvivos3 . Segundo Oliveira et al. (2005) e Vasconcelos (2009), a etiologia da ECNP pode estar relacionada às causas específicas com suas respectivas características para que ocorra aECNP que seria durante o período: • Pré-Natal: diminuição da pressão parcial de oxigênio; diminuição da concentração de hemoglobina; diminuição da superfície placentária; alterações da circulação materna; tumores uterinos; nó de cordão umbilical; cordão umbilical curto; más formações do cordão umbilical; prolapso; • Peri- Natal: Neste ciclo existem 3 fatores que podem vir a ocasionar a ECNP: Fatores maternos podem influenciar tais como a idade da mãe, desproporção céfalo-pélvica, anomalias da placenta, anomalias do cordão umbilical, anomalias da contração uterina, narcose e anestesia; Fatores fetais: primogenidade, prematuridade, dismaturidade, gemelaridade, malformações fetais e macrossomia fetal. Por fim, os fatores de parto: parto instrumental, anomalias de posição e duração do trabalho de parto; • Pós-natais: anóxia anêmica, anóxia por êxtase, anóxia anoxêmica e anóxia histotóxica. O quadro clínico que os pacientes com ECNP apresentam tem uma característica específica que é o comprometimento motor
  • 9. Cândido AMDM. 2009 Ressaltar sua importância quanto ao conhecimento e emprego das técnicas corretas de reanimação neonatal, bem como a imperiosidade de que toda criança seja assistida por um Pediatra ao nascimento. Realizou-se uma revisão bibliográfica em livros-texto especializados na patologia, bem como pesquisa em sites da Internet, com periódicos e artigos da literatura médica, páginas dos centros especializados no tratamento da Paralisia Cerebral, como a Rede Sarah de Hospitais do Aparelho Locomotor e a AACD Dados literários referentes a teoria sobre Paralisia Cerebral Os centros especializados para pacientes, como PC como, hospitais da Rede SARAH, a AACD, entre outros, dispõem de centros diagnósticos, produção de órteses, tratamento fisioterápico, musicoterápico de acordo com o que a neurologia e os outros ramos encaminham o para esses locais tratamento proporcionando uma melhor conduta para o tratamento Todo procedimento durante a fase de tratamento de uma criança com paralisia cerebral deve ser multidisciplinarm ente para que a criança tenha um tratamento eficaz e com uma boa qualidade de vida. Vasconcelos RLM. et al. 2009 Identificar diferenças funcionais de crianças com Paralisia Cerebral em diferentes níveis de disfunção motora e correlacioná- las com os domínios mobilidade, autocuidado e função social na habilidade funcional e na assistência do cuidador. Realizou-se uma pesquisa analítica de corte transversal com 70 crianças/famílias, com idades de 4 a 7,5 anos,atendidas no Centro de Reabilitação Infantil, por meio do PediatricEvaluation DisabilityInventory( PEDI) e do Gross Motor Function Classification System (GMFCS). A análise dos dados foi realizada por meio da ANOVA e teste de correlação de Pearson 70 Indicaram importante variabilidade funcional das crianças com PC em diferentes níveis de severidade da disfunção Motora. Percebe-se a necessidade de aplicação do PEDI e GMFCS, o que parece aumentar o entendimento sobre a relação entre funções motoras grossas e atividades da vida diária. Costa M. 2003. Apresentar as particularidade s sobre a Paralisia Cerebral A metodologia utilizada refere-se a uma revisão bibliográfica referente a Paralisia Cerebral e suas particularidades Dados literários referentes a Paralisia Cerebral Importante ressaltar que a frequência no programa de fisioterapia depende das condições da criança e da família; mas o maior número de vezes por semana geralmente leva a melhores resultados O paciente que recebe um tratamento especializado (diferenciado), altamente adequado e sem interrupções, apresentaram uma qualidade de vida muito superior em diversos aspectos, sejam eles; motor, cognitivo, interação social e
  • 10. até na sua independência. Pita MC, PaschoarelliL C, Silva JCP. 2007 Revisar as características da Biofotogrametr ia computadoriza da como segmento aplicativo na Fisioterapia, apresentando também alternativas de uso nas análises ergonômicas. A metodologia utilizada reporta-se a uma revisão bibliográfica referente a formas de tratamento da patologia Dados literários referente a Biofotogrametria computadorizada O estudo referente abiofotogrametria computadorizada por ser uma linguagem de fácil interpretação e reprodutividade de resultados favorece um intercâmbio entre profissionais de diversas áreas. A biofotogrametria computadorizada apresenta ao fisioterapeuta dados quantificados da análise da postura corporal e dos movimentos, podendo ser usado para escolher o melhor tratamento. Hoffmann RA, Tafner MA, Fischer J. 2004 Apresentar o que significa a Paralisia Cerebral, sua origem, bem como seus graus, suas sequelas, e uma experiência de inclusão no ensino regular de uma criança paralisada cerebral Mostrou-se qual é o papel do educador nesta nova perspectiva de ensino, apresentando as possibilidades de poder criar e buscar novas metodologias de ensino, fazendo o que não se sabe fazer, mas, deixando-se ensinar através do estranho, do novo, do diferente. Dados literários sobre a inclusão de crianças com Paralisia Cerebral em escolas Ao final do ano letivo de 2000, após realizar vários trabalhos diversificados, envolvendo o grupo no qual se encontrava inserida, obteve resultados significativos na suaaprendizagem. Ao refletirmos sobre a inclusão de crianças portadoras de Necessidades educativas Especiais no ensino regular, reconhecemos a importância e responsabilidade da escola em poder atender este indivíduo em sua totalidade. Mancini MC,et al. 2004 Comparar o impacto da gravidade neuro motora ao perfil funcional das crianças portadoras de PC. É uma pesquisa quantitativas sendo, 36 crianças portadoras de PC, divididas em três grupos de acordo com o nível de gravidade da doença, que foi classificado com base no Sistema de Classificação da Função Motora Grossa 36 Os resultados revelam que crianças com comprometimento moderado apresentam repertório funcional (habilidades de autocuidado e função social) semelhante às de gravidade leve e independência semelhante às graves. Concluem que atitudes e expectativas dos cuidadores de crianças portadoras de PC moderada podem exercer uma influência negativa em sua independência funcional. RottaNT. 2002 Ofertar ao pediatra informações atualizadas sobre o diagnóstico e tratamento de Paralisia Cerebral. Foram utilizados dados de revisão bibliográfica não sistematizada e da experiência no atendimento dos pacientes da Unidade de Neurologia do Serviço de Pediatria Dados de revisão bibliográfica não sistematizada e da experiência no atendimento dos pacientes da Unidade de Neurologia do Serviço de Pediatria do O atendimento das crianças com PC estava baseadoprincipalm ente na experiência pessoal e atualmente, têm sido realizados estudos com escalas de O pediatra é o primeiro médico a entrar em contato com a criança com paralisia cerebral, e deve estar apto para reconhecer precocemente os desvios do
  • 11. Tabela 02: Equoterapia AUTOR/ANO OBJETIVOS METODOLOGIA POPULAÇÃO RESULTADOS CONCLUSÃO Silveira MM, Wibelinger LM. 2011 Verificar os efeitos da Equoterapia no equilíbrio do idoso. Esta atividade exige a participação do corpo inteiro, trabalhando o praticante de forma global utilizando o cavalo como método terapêutico contribuindo, assim, para o desenvolvimento do equilíbrio, tônus, força muscular, a conscientização do próprio corpo, o aperfeiçoamento de coordenação motora, atenção, autoconfiança e autoestima. Dados literários referentes aos efeitos da equoterapia em idosos O cavalo oferece características de seu passo em situações únicas, aumentando a vivacidade do praticante, em exercícios como parar e andar, mudar de direção e sentido, fazer desenhos no chão, trabalhando não apenas o equilíbrio corporal, mas também o emocional do praticante. É um recurso terapêutico eficaz para o equilíbrio do idoso, pois a biomecânica do cavalo auxilia no ritmo e continuidade de estímulos ao sistema nervoso do praticante, reeducando a postura, auxiliando na autoestima e autoconfiança do praticante. Oliveira EM. et al. 2011 Explicar o que é a equoterapia, quais seus fundamentos e enfatizar os resultados obtidos A metodologia utilizada reporta-se a uma revisão bibliográfica através conceitos Dados literários referente à importância da Equoterapia Os resultados obtidos através da prática equoterápica são comprovados Conclui-se que a prática da Equoterapia além de apresentar uma do HCPA - UFRGS. HCPA -UFRGS. desenvolvimento capazes de quantificar respostas, e de reproduzir melhores resultados desenvolvimento, orientar o manejo e, dentro das possibilidades e necessidades, encaminhar ao especialista. LeiteJRMS, PradoGF. 2009 Revisar os aspectos clínicos da paralisia cerebral, discutindo a fisioterapia e as diversas abordagens terapêuticas utilizadas. A metodologia utilizada reporta-se a uma revisão bibliográfica através da apresentação de tratamentos clínicos e fisioterapêuticos Dados literários referente a parte clínica e tratamento da Paralisia Cerebral A fisioterapia prepara a criança para uma função, mantémresultando e, reduzir a espasticidade. A criança portadora de Paralisia Cerebral exibe os resultados complexos de uma lesão do cérebro ou de um erro do desenvolvimento cerebral. À medida que a criança cresce e evolui, outros fatores se combinam com os efeitos da lesão para agravar as deficiências funcionais.
  • 12. pelos pacientes. equoterápico realçando seus fundamentos e formas de tratamento com pacientes pela ciência, e o trabalho realizado não é destinado somente à parte física, mas também ao psicológico dos pacientes, por isso os mesmos adquirem autoconfiança, autoestima, força de vontade e adequam-se melhor a sociedade. melhora funcional, motora, cognitiva, afetiva resultando em uma melhora na qualidade de vida do paciente de formaimprescin dível . FerliniGMS, Cavalari N. 2010 Conceituar e caracterizar a Equoterapia e Demonstrar os benefícios da estimulação através da Equoterapia para o desenvolvimento das áreas motoras, linguagem, cognição, socialização da criança com deficiência física . Concretiza-se em uma abordagem qualitativa,envolvendo a observação do comportamentodos animais e alunos participantes. Relatos e estudos de casos vivenciados na APAE e no Novo Amanhecer. Os resultados obtidos através da equoterapia favorecem a alfabetização, a socialização e o desenvolvimento global de alunos portadores de necessidades especiais. Pode-se notar que os melhores resultados podem ser esperados quando iniciados com crianças com idade mais precoce. BrilingerCO. 2005 Analisar a influência da equoterapia no desenvolvimento motor do portador de síndrome de Down. Realizou-se estudo de caso com portador desíndrome de Down, sexo feminino, 21 anos. 1 A praticante apresentou maior independência e melhora da performance motora ao longo da intervenção. Conclui-se que existe uma influência benéfica da equoterapia no desenvolviment o motor do praticante Silva, JP, Aguiar, OX. 2008 Apresentar a importância da Equoterapia em pessoas com necessidades especiais, trabalhando a estimulação da sua coordenação motora através dos exercícios conforme necessidades dos pacientes. Realizou-se uma analise de dados referentes os dados obtidos durante o estagio observatório na Instituição de Garça Estágio observatório em uma instituição no Município de Garça Os resultados apresentaram foram positivos e além disso foi verificada uma melhora nos aspectos comportamentais e emocionais nos praticantes da Equoterapia. Foi possível caracterizar a importância do trabalho interdisciplinar cujo foco é o paciente, constatando assim a melhora dos clientes atendidos no tocante à interação social, na coordenação global, equilíbrio estático e dinâmico e
  • 13. também na orientação espacial. Aquino JFM. 2007 Avaliar o padrão de marcha e postura corporal em praticantes de equoterapia com Paralisia Cerebral Foi realizada uma Amostragem de crianças portadoras de PC, ambos os sexos 32 Os resultados apontaram para um aumento nas médias de todas as estruturas motoras avaliadas ao padrão de marcha e postura Conclui-se que houve uma melhora significativa quanto ao ganho de postura e marcha pré e pós terapiaequoteráp ica.. MarconsoniE. et al. 2012 Realizar uma revisão de literatura sobre os benefícios terapêuticos motores da equoterapia em pacientes com paralisia cerebral. Foi realizada pesquisa no Medline, Lilacs, Capes e livros, considerando o período de 1988 a 2009, em três combinações de palavras-chave como: equoterapia e paralisia cerebral, equoterapia e benefícios terapêuticos motores, paralisia cerebral e benefícios terapêuticos motores. Dados literários referentes aos benefícios motores da equoterapia em pacientes portadores de Paralisia Cerebral A paralisia cerebral apresenta funções motoras deficitárias e movimentos involuntários. Com isto, a prática da equoterapia, realizada de forma prazerosa seguindo um programa estabelecido pela equipe interdisciplinar. Observou-se que a prática da equoterapia na paralisia cerebral apresenta efeito benéfico tanto na terapia como na educação de portadores desta patologia, aumentando sua capacidade de independência e decisão, a estimulação sensório-motora e o esquema corporal. Romero CH, LocatelliJP. 2008 Explorar e analisar artigos bibliográficos referentes aos efeitos da equoterapia em pacientes com Paralisia Cerebral. Esta pesquisa trata-se de um estudo bibliográfico, exploratório, de caráter analítico e descritivo, contando com a contribuição demuitos autores sobre o tema, de natureza qualitativa, propondo-se uma análise dos efeitos da Equoterapia em pacientes com Paralisia Cerebral. 6 Afirma-se que a Equoterapia exerce diferentes efeitos em pacientes com Paralisia Cerebral, podendo citar: o desenvolvimento da autoconfiança, segurança, disciplina, concentração. Pode-se concluir que o tratamento equoterápico realizado em crianças portadoras de PC, provocou efeitos benéficos e significativos, além de melhorar o relacionamento com outras pessoas, com uma sadia sociabilidade, melhora a sua motricidade, firmeza do tronco e tônus muscular, bem como, controle postural. 57