SlideShare uma empresa Scribd logo
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 
69 
Volume 14 - Número 1 - 1º Semestre 2014 
EDUCAÇÃO ESPECIAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UMA REVISÃO 
INTEGRATIVA DA LITERATURA 
Ariely Nunes Ferreira de Almeida1; Arielma Nunes Ferreira Picanço2 
RESUMO 
O estudo trata-se de uma revisão integrativa da literatura científica acerca da Educação especial das pessoas 
com deficiência visual. O percurso metodológico obedeceu as seis fases da revisão integrativa: Elaboração da 
pergunta norteadora; Busca ou amostragem na literatura; Critérios para categorização dos estudos; Análise dos 
estudos incluídos nos resultados; Discussão do resultado e Apresentação da revisão integrativa. A amostra foi 
constituída por 23 artigos de periódicos da área da saúde, disponibilizados nas bases de dados da Literatura 
Latino Americana e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde (LILACS) e da Scientific Electronic 
Library Online (SciELO), entre 2004 a 2011. Após análise criteriosa do conteúdo dos estudos, emergiram duas 
categorias temáticas: 1 - Inclusão escolar da Pessoa com Deficiência Visual; 2 - Estratégias metodológicas 
para o processo de ensino-aprendizagem da Pessoa com Deficiência Visual. Como contribuição, os diversos 
estudos apontaram as dificuldades no processo de inclusão educacional das pessoas com deficiência visual, 
incluindo o preconceito e a falta de conhecimento sobre a deficiência visual; a carência de recursos didáticos 
e de metodologias adequadas a esse público; e a ausência ou má formação docente para lidar com alunos 
deficientes visuais, o que acaba dificultando o acesso dos mesmos ao espaço escolar. 
Palavras-chaves: Educação especial, deficiência visual, cegueira. 
SPECIAL EDUCATION OF PEOPLE WITH VISUAL DISABILITIES: AN INTEGRATIVE 
REVIEW OF THE LITERATURE 
ABSTRACT 
The study deals with an integrative review of the scientific literature about the special education of people with 
visual impairment. The methodological approach followed the six stages of the integrative review: 
Development of guiding question; Search or sampling the literature; Criteria for categorization of studies, 
analysis of the studies included in the results; Discussion of results and presentation of the integrative review. 
Thus, the sample consisted of 23 journal articles in the area of health, available in the databases of the Latin 
American and Caribbean Center on Health Sciences ( LILACS ) and Scientific Electronic Library Online ( 
SciELO ) , among years 2004-2011 . After careful analysis of the content of the studies, two themes emerged: 
1 - Inclusion of People with Disabilities School Visual; 2 - Methodological strategies for teaching- learning of 
People with Visual Impairment. As a contribution, the various studies pointed out the difficulties in the process 
of educational inclusion of people with visual impairment, including prejudice and lack of knowledge about 
visual impairment, the lack of teaching resources and methodologies appropriate to this audience, and the 
absence or malformation teachers to deal with visually impaired students, which ultimately hindering their 
access to the school. 
Keywords: Special education, visual impairment, blindness.
70 
INTRODUÇÃO 
A deficiência visual refere-se a uma 
situação irreversível de diminuição da resposta 
visual, em virtude de causas congênitas ou 
hereditárias, mesmo após tratamento clínico e/ou 
cirúrgico e uso de óculos convencionais 
(BRASIL, 2007). 
De acordo com o Decreto nº 3.298/99 e o 
Decreto nº 5.296/04, conceitua-se como 
deficiência visual: a cegueira, na qual a acuidade 
visual é igual ou menor que 0,05 no melhor olho, 
com a melhor correção óptica; a Baixa Visão, que 
significa acuidade visual entre 0,3 e 0,05 no 
melhor olho, com a melhor correção óptica; os 
casos nos quais a somatória da medida do campo 
visual em ambos os olhos for igual ou menor que 
60°; ou a ocorrência simultânea de quaisquer das 
condições anteriores (BRASIL, 2007). 
De acordo com o Censo Demográfico do 
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 
(IBGE) 2010, mais de 45,6 milhões de brasileiros 
têm alguma deficiência, o que representa 23,9% 
da população do país. A deficiência visual foi a 
mais prevalente com 35,7 milhões de pessoas e 
18,8% dos entrevistados afirmaram ter 
dificuldade para enxergar, mesmo com óculos ou 
lentes de contato. Entre as pessoas com 
deficiência visual, mais de 6,5 milhões disseram 
ter a dificuldade de forma severa, 6 milhões 
afirmaram que tinham dificuldade de enxergar e 
mais de 506 mil informaram serem cegas (IBGE, 
2010). 
Segundo Vigotski, a ausência ou 
deficiência visual não impede o 
desenvolvimento, embora possa limitar, 
principalmente, a sua dimensão social. Por isso, 
é preciso investir de forma consciente e planejada 
na organização de um ambiente que promova a 
interação social e a participação dessas crianças 
(VIGOTSKI; 2000 apud DELAPLANE; 
BATISTA, 2008). 
Ante o exposto, o presente estudo tem 
como objetivo geral delinear a caracterização de 
publicações científicas acerca da educação 
especial das pessoas com deficiência visual a 
partir de uma revisão integrativa da literatura, a 
fim de saber qual a contribuição dos estudos para 
a área da educação. Portanto, o estudo parte da 
seguinte questão norteadora: Qual a 
caracterização da produção científica acerca da 
Educação Especial das pessoas com deficiência 
visual, em periódicos on-line, no período de 2004 
a 2011? 
Para responder tal questão, delimitaram-se 
para este estudo os seguintes objetivos 
específicos: caracterizar as produções científicas 
acerca da Educação Especial das pessoas com 
deficiência visual, em periódicos on-line, no 
período de 2004 a 2011, e sintetizar a 
contribuição da produção científica sobre essa 
temática. 
MATERIAL E MÉTODOS 
Trata-se de uma revisão integrativa 
baseada na literatura acerca da Educação especial 
das pessoas com deficiência visual. Esta 
modalidade de pesquisa, segundo Mendes, 
Silveira, Galvão (2008) tem como finalidade 
reunir e sistematizar resultados de pesquisas 
sobre um determinado tema ou questão de 
maneira sistemática e ordenada, contribuindo 
para o aprofundamento do conhecimento do tema 
investigado. 
O percurso metodológico ficou 
subdividido em seis fases: identificação do tema 
ou questão da pesquisa; realização da 
amostragem (seleção dos artigos); definição das 
informações extraídas das publicações revisadas 
e categorização dos estudos; avaliação dos 
estudos selecionados; interpretação dos 
resultados; e apresentação dos resultados da 
pesquisa (MENDES; SILVEIRA; GALVÃO, 
2008). 
Em relação a primeira fase foi formulada 
a seguinte questão da pesquisa: qual 
caracterização da produção científica 
disseminadas em periódicos on-line no período 
de 2004 a 2011, referentes a Educação Especial 
das pessoas com deficiência visual? Diante deste 
questionamento, partiu-se para a segunda fase: 
seleção da amostragem. Para tanto, realizou-se 
uma busca on-line nos artigos científicos 
publicados nas bases de dados da Literatura 
Latino Americana e do Caribe de Informação em 
Ciências da Saúde (LILACS) e da Scientific 
Electronic Library Online (SciELO), utilizando 
os seguintes descritores: Educação especial, 
pessoas com deficiência visual, cegueira. 
Para a seleção dos artigos inseridos no 
estudo foram formulados os seguintes critérios 
de inclusão: ter sido publicado na modalidade 
artigo científico original, de revisão, estudo de
71 
caso e relato de pesquisa, com resumos 
disponíveis na base de dados selecionada, sendo 
publicados no período compreendido entre 2004 
a 2011 e que contemplassem em seus títulos e/ou 
resumos aspectos relativos a educação das 
pessoas com deficiência visual, disponibilizados 
na íntegra e gratuitamente, com idioma em 
português. 
Foram identificados, no total, 234 estudos 
que falavam sobre deficiência visual, sendo 206 
na base de dados SciELO e 28 na LILACS. Após 
uma análise minuciosa, 23 artigos se adequavam 
aos critérios de inclusão e fizeram parte da 
amostra. 
Na terceira fase, realizou-se a revisão e 
categorização dos estudos, para que as 
informações-chaves fossem reunidas e 
sintetizadas. Portanto, foi elaborado um 
instrumento de coleta de dados, contendo as 
seguintes variáveis: título do artigo, autores, ano 
de publicação, base de dados, nome do periódico, 
modalidade da pesquisa, objetivos, principais 
resultados e conclusões de cada estudo. 
Em seguida, na quarta fase, deu-se início 
ao procedimento de avaliação dos estudos 
selecionados; onde as informações foram 
organizadas, agrupadas, sumarizadas e 
integradas à discussão da presente revisão. 
Assim, na quinta fase, os resultados foram 
interpretados e sintetizados conforme os 
conteúdos abordados nos artigos, o que levou a 
definir duas categorias temáticas: 1) Inclusão 
escolar da Pessoa com Deficiência Visual e 2) 
Estratégias metodológicas para o processo de 
ensino-aprendizagem da Pessoa com Deficiência 
Visual. Por fim, a sexta fase consiste na 
apresentação dos resultados da pesquisa, 
conforme as duas categorias elencadas. 
RESULTADOS E DISCUSSÃO 
A análise das publicações envolvidas 
nesta revisão integrativa da literatura permitiu 
caracterizar as produções científicas inseridas no 
estudo, segundo título e autor(es), ano de 
publicação, base de dados e modalidade do 
estudo. 
Por meio da análise dos 23 artigos 
constatou-se que os resultados apontaram o 
período de 2004 a 2011, exceto o ano de 2005, 
no qual não teve nenhuma publicação inserida 
neste estudo. Observou-se que 2006 
correspondeu ao ano com o maior número de 
artigos científicos publicados sobre a temática 
investigada, 6 (26,08%), seguido dos anos de 
2008, 5 (21,73%), 2010, 4 (17,39%), 2004 e 
2011, cada um com 2 (8,69%), e ano de 2007 
obteve apenas 1 (4,34%) estudo. Quanto a 
modalidade dos estudos, o tipo “artigo original” 
esteve presente em 65,21% das publicações (15 
artigos), seguido da modalidade Relato de 
Pesquisa com 17,39% das publicações (4 
artigos), Estudo de Caso com 13,04% (3 artigos) 
e Estudo de revisão com 4,34% (1 artigo). 
Após sucessivas leituras dos conteúdos 
expostos pelos estudos investigados, foi possível 
realizar a síntese do conhecimento contemplado 
na literatura, em duas categorias temáticas 
apresentadas a seguir: 
Tema I- Inclusão escolar da Pessoa 
com Deficiência Visual 
Os deficientes visuais são pessoas cegas 
ou com visão subnormal que necessitam de 
algum tipo de apoio ou suporte, e independente 
de suas limitações físicas ou biológicas, não 
podem ser excluídas da sociedade, pois assim 
como qualquer cidadão, devem ter oportunidades 
iguais de usufruir seus direitos. Quanto à 
educação voltada ao deficiente, a Constituição 
Federal de 1988, no artigo 208, inciso III, 
garante, por meio do Poder Público Federal, que 
o atendimento educacional deve ser 
especializado e, preferencialmente, na rede 
regular de ensino (BRASIL, 1988 apud 
WATAYA, 2006). 
Conforme definido na Constituição 
Federal, a educação do deficiente visual é 
marcada pela relação intrínseca com o 
atendimento especializado, capaz de suprir as 
necessidades especiais advindas da falta de visão 
e assegurar o ensino formal deste aluno. Esse 
atendimento especializado deve ser garantido 
pela chamada educação especial, que constitui 
uma modalidade de ensino que deve caminhar 
paralelamente ao ensino regular, em todos os 
seus níveis: educação infantil, ensino 
fundamental, médio e superior (NUNES; 
LOMÔNACO, 2010). 
Nesse sentido, a promoção de uma escola 
inclusiva se faz com estrutura educacional 
adequada, sem barreiras atitudinais, sociais, 
arquitetônicas que possam impedir o acesso dos
72 
deficientes ao espaço escolar (COSTA, 2010). 
Corroborando com essa ideia, Nunes e 
Lomônaco (2010, p.59) afirmam que 
[...] devido à limitação visual, o indivíduo cego 
vai precisar de um ambiente diferenciado e adaptado, que 
dê conta de garantir a satisfação de suas necessidades. E 
toda essa vivência diferenciada define uma estrutura 
mental diferente daquele que vê, pois a pessoa cega precisa 
usufruir de outros caminhos para conhecer o mundo, o que 
marca outras formas de processo perceptivo e, por 
consequência, da estruturação e organização do 
desenvolvimento cognitivo. Este fato pode ser evidenciado 
com os conceitos de espaço e tempo. No caso do espaço, 
os elementos que dão as informações espaciais são 
diferentes para o vidente e para o cego: quem vê se utiliza 
muito mais da visão do que dos outros sentidos, enquanto 
o cego se utiliza mais de uma exploração tátil-cinestésica 
do ambiente. 
Nuernberg (2008) destaca que a questão 
da educação de pessoas com deficiência visual 
constitui uma preocupação recorrente de 
Vigotski, emergindo tanto em textos sobre os 
princípios gerais da educação de pessoas 
com deficiência como naqueles em que o 
teórico se dedica especificamente ao problema 
do desenvolvimento psicológico na presença 
da cegueira. 
Sobre o desenvolvimento e a educação de 
cegos, por um lado, Vigotski nega a noção de 
compensação biológica do tato e da audição em 
função da cegueira e coloca o processo de 
compensação social centrado na capacidade da 
linguagem de superar as limitações produzidas 
pela impossibilidade de acesso direto à 
experiência visual. Para o autor, o conhecimento 
resulta de um processo de apropriação que se 
realiza pelas relações sociais (NUERNBERG, 
2008). 
Por outro lado, Vygotsky não nega as 
limitações da cegueira enquanto restrição 
biológica, mas afirma que, socialmente, não há 
limitações, porque o cego, por meio da palavra, 
pode se comunicar e apreender significados 
sociais. No entanto, a inter-relação do indivíduo 
cego com o ambiente não se dá sem conflitos, 
mas é devido ao fato do conflito existir que há 
forças para sua superação (VYGOTSKY; 
1934/1997 apud NUNES; LOMÔNACO, 2010). 
Ratificando o exposto acima, Kastrup et 
al. (2009; p.257) consideram que 
[...] a deficiência visual não é um fenômeno 
natural e meramente fisiológico, mas um fenômeno 
complexo, de cuja construção participam também fatores 
sociais, econômicos, culturais, políticos, artísticos, 
educacionais e tecnológicos. A ideia central é de que as 
capacidades cognitivas e a amplitude existencial de uma 
pessoa que não dispõe da visão, mas que recebeu cuidados, 
educação e oportunidades de participar da vida social e 
cultural são bastante diferentes e superiores com relação 
àquela que não dispôs de tais possibilidades. 
Portanto, é possível inferir que as 
dificuldades inerentes à educação das pessoas 
com deficiência visual vão além das limitações 
físicas e biológicas, mas envolvem, 
principalmente, dificuldades de proporcionar 
condições estruturais e ambientais para 
construção de experiências e relações sociais e 
culturais favoráveis ao processo educacional. 
Montilha et al. (2009), ao realizar um 
estudo com 26 alunos sendo 46,2% com visão 
subnormal e 53,8% com cegueira, com média de 
idade de 17,1 anos, inseridos e uma escola 
pública do Estado de São Paulo, verificou que a 
repetência escolar foi declarada por 73,1%. Entre 
as dificuldades escolares decorrentes da 
cegueira, sobressaiu-se a leitura de livros 
didáticos e, entre as decorrentes da visão 
subnormal, a visualização da lousa. Além disso, 
o nível de escolaridade mostrou-se baixo em 
relação à média de idade, indicando provável 
evasão escolar ou dificuldade de acesso à escola. 
Por sua vez, Costa (2010) em sua 
pesquisa de mestrado realizada entre 2007 e 2008 
nas escolas públicas e particulares da cidade de 
São Carlos/SP, descobriu que o processo de 
inclusão em relação à Educação Física escolar de 
estudantes deficientes visuais, incluídos na 
Educação Básica, encontra dificuldades para se 
efetivar, dada a má preparação e formação 
docente. 
Falkenbach e Lopes (2010) ao 
investigarem a compreensão de professores, da 
Educação Física e do nível de ensino da 
Educação Infantil, diante da inclusão de alunos 
com baixa visão, em escola pública estadual, 
verificaram que entre as dificuldades encontradas 
estão: a) Necessidade dos professores de terem 
apoio escolar, do coletivo de professores e da 
comunidade; b) Escassez de recursos aos 
professores, o que induz a criatividade e a 
improvisação como experiências realizadas na 
prática; c) Os alunos da Educação Infantil 
manifestam melhor receptividade e 
acompanhamento ao colega com deficiência
73 
visual nas aulas de Educação Física, enquanto 
que, em relação aos alunos do Ensino 
Fundamental há resistências; d) O aluno da 
Educação Infantil demonstrou gostar de 
movimento e de praticar atividades com os 
colegas, enquanto que o aluno do Ensino 
Fundamental apresentou menor desenvoltura nas 
práticas da Educação Física. 
Vale ressaltar que tanto no estudo de 
Montilha et al. (2009), quanto no de Costa (2010) 
e Falkenbach e Lopes (2010) a falta de 
preparação ou má formação do professor ao lidar 
com alunos deficientes visuais aliada a falta de 
recursos didáticos adequados ao processo de 
ensino e aprendizagem desses alunos é um 
problema comum na educação especial e que 
dificulta a participação dos alunos na prática 
educativa. 
Diante dessas problemáticas, Profeta 
(2007, apud FALKENBACH; LOPES, 2010, 
p.3) considera 
[...] o ato de educar todos os alunos no ensino regular e 
propiciar a eles oportunidades iguais implica em ações 
complexas e desafiadoras que o ensino formal e seus 
professores talvez não queiram enfrentar, uma vez que o 
enfrentamento requisita a responsabilidade coletiva da 
escola, como apoio de uns aos outros em trocas de 
experiência e de recursos para essa finalidade. Não é tarefa 
elementar, mas enriquecedora de um contexto que se 
intitula educativo. 
Dessa forma, Monte Alegre (2003, citado 
por NUNES; LOMÔNACO, 2010) afirma que a 
falta de apoio especializado nas escolas comuns 
e ditas “inclusivas”, tanto pela falta de materiais 
e recursos para o trabalho com as crianças cegas, 
quanto pela falta de preparo dos docentes da sala 
de aula comum, resulta em um trabalho 
pedagógico técnico, espontaneísta e muitas vezes 
inadequado por não dar conta das necessidades 
do aluno deficiente visual. 
Nunes e Lomônaco (2010, p.60) trazem 
ainda em seu estudo a função do professor 
especializado segundo a Lei nº 5.540/68 
[...] a função do professor especializado é a de atuar como 
docente e especialista. Ele atua como docente porque é 
responsável por atividades de ensino e aprendizagem e 
como especialista porque é um agente facilitador do 
processo educacional ao orientar a escola, a família e a 
comunidade. Dessa forma, a ênfase da atuação do professor 
especializado depende do lugar onde ele está 
desenvolvendo seu trabalho, que pode ser: classe especial, 
sala de recursos ou ensino itinerante. 
De forma semelhante, Maruyama, 
Sampaio, Rehder (2009) destacam a importância 
do pedagogo especializado em baixa visão e 
cegueira (Visopedagogo), como elemento 
imprescindível para a educação inclusiva, e a 
necessidade de sua presença justifica-se pela 
falta de conhecimentos técnicos a respeito de 
como atuar diante do aluno com baixa visão. 
Outro problema observado na educação 
especial é que as pessoas cegas, frequentemente, 
são tidas como especiais, como portadoras de 
características profundamente diferenciadas das 
outras pessoas, tanto na literatura como na mídia 
em geral, e esse preconceito impede que se 
perceba o cego como um ser humano. Logo, essa 
estigmatização do aluno cego deve ser 
combatida, pois sua presença prejudica a 
personalidade e autoestima do aluno (NUNES; 
LOMÔNACO, 2010) 
Quanto ao processo de inclusão do cego 
ao longo da história, duas concepções de inclusão 
se destacam. A primeira, chamada de 
normalização, foi influenciada pela prática 
estadunidense e é voltada a programas de 
treinamentos que visam tornar o deficiente visual 
mais parecido com o vidente. Essa concepção é 
bastante criticada, pois remete a ideia de que ser 
deficiente visual é ser inferior e faltante. A 
segunda concepção de inclusão, parte do 
princípio de que o deficiente visual deve ser 
aceito sem valorizar demais as suas 
incapacidades, mas buscando respeitar o que ele 
é, conforme descrito por Nunes e Lomônaco 
(2010; p.60) 
Essa concepção de inclusão não enfoca os limites e déficits 
das pessoas cegas, mas busca compreender a forma como 
essa pessoa se constitui e percebe o mundo, de modo a não 
querer transformar os cegos em videntes, e nem tampouco 
impor conceitos, padrões e valores dos que veem. Em vez 
disso, tenta entender as limitações da ausência de visão e 
analisa as condições de vida na família, escola e em outros 
grupos de referência que possam facilitar o 
desenvolvimento desse indivíduo. 
Portanto, considerando um modelo de 
sociedade inclusiva parece ser consenso a ideia 
de que é preciso reconhecer as diferentes 
potencialidades de cada pessoa, as pequenas 
conquistas valorizadas e considerar o processo 
durante a aprendizagem, pois cada momento é 
importante e serve como estímulo para 
desenvolvimento de novos conhecimentos 
(FALKENBACH; LOPES, 2010)
74 
O processo de inclusão posiciona-se 
então, de forma contrária aos movimentos de 
normalização e defende o direito à diferença, a 
heterogeneidade e a diversidade. Sua efetivação 
deve ocorrer pela presença do aluno com 
deficiência na escola regular e adequação da 
escola às necessidades de todos os seus 
participantes, incluindo o fornecimento de 
condições favoráveis ao aprendizado do aluno 
com deficiência ao contexto da sala de aula. 
Portanto, na lógica da inclusão, não há mais lugar 
para exclusões ou segregações, e todos os alunos, 
com e sem deficiências, devem participar 
efetivamente do processo educativo 
(CAMARGO; NARDI, 2008). 
Tema II- Estratégias metodológicas para o 
processo de ensino-aprendizagem da Pessoa 
com Deficiência Visual 
De acordo com Wataya (2006) os 
recursos didáticos são os meios empregados nos 
diferentes níveis, em distintas disciplinas, áreas 
de estudo ou em outras atividades com o objetivo 
de auxiliar, com maior eficácia, a aprendizagem, 
transformando-se em uma ferramenta 
facilitadora e incentivadora do processo de 
ensino-aprendizagem. 
Todavia, considerando a educação da 
pessoa com deficiência visual, as estratégias de 
ensino devem levar em conta a aceitação que o 
aluno tem de sua limitação, as intercorrências da 
perda visual, como funcionam seus sentidos 
remanescentes e se existem ferramentas didático-pedagógicas 
adequadas (MONTILHA; 2009). 
Neste sentido, Nunes, Lomônaco (2010; p.60) 
afirmam que 
O aluno cego, em sua vida escolar, necessita de materiais 
adaptados que sejam adequados ao conhecimento tátil-cinestésico, 
auditivo, olfativo e gustativo – em especial 
materiais gráficos tateáveis e o braile. A adequação de 
materiais tem o objetivo de garantir o acesso às mesmas 
informações que as outras crianças têm, para que a criança 
cega não esteja em desvantagem em relação aos seus pares. 
Para Costa, Neves e Barone (2006, p.151) 
as dificuldades no processo de ensino são bem 
maiores para os deficientes visuais do que para 
outros deficientes 
[...] em quaisquer tipos de escola ou níveis de ensino faltam 
ao deficiente visual a literatura e os recursos didáticos 
adaptados, computadores e tecnologia específica, 
monitoria especial, acessibilidade arquitetônica, 
professores habilitados, entre outros. Isso sem considerar o 
fato de que a dificuldade torna-se ainda maior à medida que 
o grau de escolarização aumenta, impossibilitando o 
estudante com deficiência visual de concluir, até mesmo, 
as etapas de escolarização anteriores ao ingresso na 
universidade: os ensinos Fundamental e Médio. O sistema 
escolar é incapaz de lidar com a deficiência: suas 
deficiências são bem maiores que as dos assim rotulados 
“deficientes”! (COSTA; NEVES; BARONE, 2006, p.151). 
Seguindo nessa perspectiva, Wataya 
(2006) cita em seu estudo três possibilidades para 
a educação especial de deficientes visuais 
alcançar seus objetivos: a Seleção, onde os 
alunos cegos fazem uso dos recursos utilizados 
por aqueles de visão subnormal, como figuras 
geométricas e alguns jogos; a Adaptação, onde 
materiais são adaptados, tornando-se 
instrumentos eficientes na educação dos cegos; e 
a Fabricação, na qual adotam-se materiais 
recicláveis para confeccionar objetos para a 
prática educacional, como palitos de fósforo, 
barbantes, cartolinas, botões, etc. 
Com o advento da tecnologia e da internet 
ressalta-se o aumento crescente de novas 
Tecnologias de Informação e Comunicação 
(TIC), e da rede de computadores internet no 
meio educacional. A internet oferece grande 
oportunidade para a inclusão social de qualquer 
pessoa que possua ou não dificuldades, desde que 
assegure a ela o acesso e a acessibilidade, 
independente de suas necessidades. No caso das 
pessoas com deficiência visual é preciso que, 
além dos equipamentos básicos, o computador 
utilizado esteja equipado com os softwares 
Leitores de Tela - LT e hardwares compatíveis 
(WATAYA, 2006). 
Rabello, Motti e Gasparetto (2007, p. 
283) citam outros recursos pedagógicos que 
podem ser utilizados na educação da criança cega 
[...] podem ser adotados recursos alternativos, tais como o 
Sistema Braille, constituído por 63 possibilidades de 
combinações de pontos organizados para representar o 
alfabeto, os acentos, a pontuação, os sinais especiais de 
composição e os códigos matemáticos, químicos, musicais 
e aqueles aplicados na informática [...] No 
desenvolvimento do letramento da criança cega, podem ser 
utilizados instrumentos como o sorobã e recursos de áudio, 
gravador e fita cassete, além de estratégias didáticas 
adequadas às condições do aluno de acordo com o 
conteúdo abordado em sala de aula.
75 
Entretanto, Laplane e Batista (2008) 
ressaltam que o uso desses recursos específicos 
não será decidido apenas em virtude do tipo e 
grau de visão do aluno, mas deve ser levado em 
consideração fatores relacionados à 
personalidade, modo de elaboração e estilo 
pessoal de cada criança ao lidar com a 
deficiência. 
Diversos autores enfatizam o brincar 
como recurso para favorecer o desenvolvimento 
de crianças com deficiência, pois estas, 
frequentemente, vivenciam situações de fracasso 
no desempenho de diferentes tarefas, mas quando 
estão numa situação de brincadeira, as mesmas 
crianças ousam tentar novas alternativas e 
tendem a tomar iniciativas sem preocupação de 
atingir ou não um resultado (HUEARA et al., 
2006). Entre as diversas brincadeiras que podem 
ser utilizadas na pratica educativa de crianças 
especiais, Hueara et al., (2006) destacam em seu 
artigo as brincadeiras faz-de-conta como método 
para construção de conhecimentos, conforme 
destacado por Vygotsky, a saber: 
Vygotsky (1989) destaca a brincadeira faz-de-conta como 
uma situação que privilegia a promoção do 
desenvolvimento e o surgimento de novas formas de 
interpretação e entendimento do mundo real. Ele considera 
que o faz-de-conta cria uma zona de desenvolvimento 
proximal, ao referir-se às potencialidades das crianças, que 
podem emergir e se desenvolver numa situação de 
imaginação (VYGOTSKY; 1989, apud HUEARA et al., 
2006, p.352). 
De forma semelhante, Souza e Batista 
(2008) destacam a importância da interação entre 
pares no processo de desenvolvimento das 
crianças com necessidades especiais e destacam 
a situação de brincadeira como espaço favorável 
para a construção dessas interações. Para Laplane 
e Batista (2008) a atuação em grupo valoriza o 
contato entre as crianças e seus parceiros, e 
favorece a aprendizagem. Logo, atividades 
grupais de ensino e recreativas, envolvendo 
diferentes recursos pedagógicos, devem ser 
desenvolvidas em situações de ensino formal e 
informal, iniciando-se na pré-escola. 
Quanto às estratégias metodológicas, 
Camargo e Nardi (2006) descrevem duas 
estratégias de ensino usadas com alunos 
deficientes visuais: a estratégia diretiva/passiva e 
a dialógica/participativa. A primeira tem seu foco 
de ensino em ações docentes diretivas, e a relação 
entre docente e discente se estabelecem de modo 
fechada, individual, unilateral e de cima para 
baixo. A segunda, dialógica/participativa, tem 
seu foco de ensino na participação reflexiva do 
discente durante a aula e a avaliação é 
diagnóstica, formativa. 
Outra modalidade de apoio pedagógico 
que atende aos princípios da educação inclusiva 
é o serviço de itinerância, caracterizado como 
[...] uma modalidade especializada de apoio pedagógico, 
desenvolvida por profissional devidamente capacitado se 
caracteriza pela movimentação do professor, que se 
deslocará para as escolas do ensino regular onde existirem 
matriculados alunos com deficiência visual. O ensino 
itinerante é o atendimento recomendado para regiões onde 
não exista escola especial ou escola regular com sala de 
recursos e onde haja carência de professores 
especializados. Esse tipo de ensino visa sempre 
complementar o atendimento educacional oferecido em 
classe comum [...]. Por meio do ensino itinerante, poderão 
ser beneficiados os alunos com deficiência visual, 
matriculados na educação fundamental, até o término do 
ensino médio, podendo o atendimento ser limitado a uma 
ou duas vezes por semana ou com frequência a ser definida, 
considerando o nível de escolaridade, a idade e o potencial 
de aprendizagem do aluno, principalmente nas séries 
iniciais (ROCHA; ALMEIDA, 2008, p. 202). 
No que concerne ao papel do professor na 
educação especial, a reforma prevê, na 
Resolução CNE n. 02/2001, que os professores 
podem ser capacitados ou especializados. Quanto 
aos professores capacitados, o artigo 18, 
parágrafo primeiro, da Lei de Diretrizes e Bases 
da Educação Nacional (LDBEN) considera 
§ 1º São considerados professores capacitados para atuar 
em classes comuns com alunos que apresentam 
necessidades educacionais especiais aqueles que 
comprovem que em sua formação, de nível médio ou 
superior, foram incluídos conteúdos sobre educação 
especial adequados ao desenvolvimento de competências e 
valores para: 
I – perceber as necessidades educativas especiais dos 
alunos e valorizar a educação inclusiva; 
II – flexibilizar a ação pedagógica nas diferentes áreas de 
conhecimento de modo adequado as necessidades 
especiais de aprendizagem; 
III – avaliar continuamente a eficácia do processo 
educativo para o atendimento de necessidades 
educacionais especiais; 
IV – atuar em equipe, inclusive com professores 
especializados em educação especial (LDBEN apud REIS; 
EUFRÁSIO; BAZON, 2010, p.117).
76 
Quanto aos professores especializados, o 
artigo 18, parágrafo segundo e terceiro da 
LDBEN diz: 
§ 2º São considerados professores especializados em 
educação especial aqueles que desenvolverem 
competências para identificar as necessidades educacionais 
especiais para definir, implementar , liderar e apoiar a 
implementação de estratégias de flexibilização, adaptação 
curricular, procedimentos didáticos, pedagógicos e práticas 
alternativas, adequadas no atendimento das mesmas , bem 
como trabalhar em equipe, assistindo o professor de classe 
comum nas práticas que são necessárias para promover a 
inclusão dos alunos com necessidades educativas especiais 
[...] (LDBEN apud REIS; EUFRÁSIO; BAZON, 2010, 
p.117). 
Todavia, essa formação preconizada pela 
LDBEN nem sempre está presente nos 
professores que lidam com a educação de pessoas 
com necessidades especiais. 
Reis, Eufrásio e Bazon (2010) em sua 
pesquisa para analisar a formação de professores 
universitários formados em Ciências 
Biológicas/licenciatura para o atendimento de 
pessoas com deficiência visual no sistema 
universitário, evidenciaram grandes problemas 
na formação docente, entre eles: a falta de 
conhecimento quanto ao conceito de deficiência 
visual, o qual é confundido com outros 
problemas atribuídos à visão; falta de material 
didático adaptado à deficiência visual; o não 
preparo dos professores para receber o aluno com 
necessidades especiais, e a falta de 
experiência/contato com alunos deficientes 
visuais durante suas carreiras acadêmicas. 
Diante dessa pesquisa nota-se a lacuna 
existente na formação do professor de nível 
superior para atender alunos com deficiência 
visual o que torna fundamental a implantação de 
disciplinas referentes à educação inclusiva na 
grade curricular dos graduandos em licenciatura 
e o investimento em formação continuada, seja 
por interesse próprio seja por incentivo do 
governo ou por instituições de ensino (REIS; 
EUFRÁSIO; BAZON, 2010). 
Quanto à avaliação de alunos com 
deficiência visual, Batista, Cardoso e Santos 
(2006) consideram que os mesmos tendem a 
obter baixos escores em avaliações padronizadas, 
e em geral, essas avaliações não constituem a 
melhor opção para a identificação de capacidades 
em aquisição, no caso desses alunos. 
As avaliações padronizadas visam 
comparar o sujeito com uma população definida 
e buscam a caracterização do nível de 
desenvolvimento real, ou seja, daquilo que o 
aluno é capaz de fazer sozinho. Por outro lado, a 
avaliação assistida ou dinâmica permite a 
identificação de uma série de habilidades, 
especialmente no aspecto cognitivo do indivíduo. 
Batista, Nunes e Horino (2004) também 
fazem uma crítica aos testes padronizados e 
defendem para fins educacionais a avaliação do 
nível de desenvolvimento potencial, onde o foco 
é centrado em tarefas e habilidades que o 
indivíduo já realiza com ajuda ou apoio, em 
situações favoráveis, e não em realizações 
independentes, como é o caso, por exemplo, de 
um exame de seleção. 
Outro tipo de avaliação a ser discutida na 
educação inclusiva de deficientes visuais é a 
chamada avaliação oftalmológica. Gasparetto et 
al. (2004) defendem a ideia de que toda criança 
deveria ser submetida a exame oftalmológico 
antes de seu ingresso na escola, e isso se daria por 
meio da realização de programas de triagem da 
acuidade visual e detecção de problemas visuais 
na escola. Além disso, para que haja o controle 
da deficiência visual na infância é essencial que 
haja capacitação de profissionais para atuarem na 
promoção da saúde ocular e atenção primária em 
saúde, que inclui os programas para avaliação da 
acuidade visual e identificação de crianças com 
significativos erros de refração. 
Para Montilha et al. (2006) os 
profissionais que atuam na reabilitação e 
educação de indivíduos deficientes visuais 
necessitam deter conhecimentos sobre as 
limitações desses indivíduos bem como sobre o 
sistema de ensino e reabilitação vigentes. 
Condição essa também defendida por Rabello, 
Motti e Gasparetto (2007; p. 283) 
A inclusão da criança cega na escola regular deve ser 
tratada como um processo, no qual pais e familiares 
envolvidos no ambiente doméstico, gradualmente passem 
a ser parceiros no ambiente escolar. Decorrente dessa 
situação e do contexto envolvido há necessidade de 
professores que detenham esse conhecimento e que sejam 
empenhados e interessados em compreender as 
necessidades específicas das crianças com deficiência 
visual, em qualquer grau. Dessa forma, pais, professores e 
toda a comunidade escolar necessitam do apoio de 
especialistas. O trabalho educacional a ser realizado deve 
ser antecedido por avaliação abrangente, que permita 
conhecer os modos de interação da criança cega, sua
77 
comunicação, a qualidade das experiências anteriores e 
seus pensamentos [...] 
Santos et al. (2011), em seu estudo clínico 
e comparativo realizado com 30 crianças 
inseridas em escola regular, sendo 15 escolares 
com deficiência visual, e 15 delas com visão 
normal, verificaram que as crianças com 
deficiência visual mostraram desempenho 
desfavorável em relação as com visão normal, 
tanto na avaliação audiológica básica e na bateria 
de testes do Processamento Auditivo quanto no 
maior número de repetências e dificuldades no 
aprendizado da leitura e escrita. 
Dessa forma, fica evidente a importância 
da avaliação, tanto do processo de ensino-aprendizagem 
quanto das limitações físicas do 
aluno com deficiência visual, para que seja 
possível diagnosticar as limitações e as 
possibilidades educacionais do aluno, buscando 
assim promover uma educação inclusiva de 
qualidade que respeite as peculiaridades de cada 
indivíduo. 
CONCLUSÃO 
O presente estudo possibilitou a 
caracterização da produção científica acerca da 
Educação especial da pessoa com deficiência 
visual em periódicos online, no período de 2004 
a 2011. A análise integrativa das publicações 
selecionadas permitiu identificar dificuldades na 
promoção de uma escola inclusiva, entre elas: o 
preconceito e a falta de conhecimento sobre a 
deficiência visual; a carência de recursos 
didáticos e de metodologias adequadas a esse 
público; e a ausência ou má formação docente 
para lidar com alunos deficientes visuais. 
Constatou-se ainda, que a produção 
acerca da temática em questão, ainda é 
incipiente, sendo importante e necessária maior 
investigação do assunto, pois é por meio da 
pesquisa científica que será possível construir um 
leque de conhecimentos consistentes e 
necessários para ampliar as intervenções a 
respeito da educação especial das pessoas com 
deficiência visual. 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 
BATISTA, C.G.; CARDOSO, L.M.; SANTOS, 
M.R.A. Procurando “botões” de 
desenvolvimento: avaliação de crianças com 
deficiência e acentuadas dificuldades de 
aprendizagem. Estudos de Psicologia. v.11, n.3, 
p. 297-305. 2006. 
BATISTA, C.G.; NUNES, S.S.; HORINO, L.E. 
Avaliação assistida de habilidades cognitivas em 
crianças com deficiência visual e com 
dificuldades de aprendizagem. Psicologia: 
Reflexão e Crítica. V.17, n. 3, p.381-393. 2004. 
BRASIL, Ministério do Trabalho e Emprego. A 
inclusão de pessoas com deficiência no mercado 
de trabalho. 2. ed. Brasília: MTE, SIT, 2007. 
CAMARGO, E.P.; NARDI, R. Ensino de 
conceitos físicos de termologia para alunos com 
deficiência visual: dificuldades e alternativas 
encontradas por licenciandos para o 
planejamento de atividades. Rev. Bras. Ed. Esp. 
Marília, v.12, n.2, p.149-168, mai.-ago. 2006. 
________. O emprego de linguagens acessíveis 
para alunos com deficiência visual em aulas de 
óptica. Rev. Bras. Ed. Esp.Marília, v.14, n.3, 
p.405-426, set.-dez. 2008. 
COSTA, L.G.; NEVES, M.C.D.; BARONE, 
D.A.C. O ensino de física para deficientes visuais 
a partir de uma perspectiva fenomenológica. 
Ciência e Educação. v. 12, n. 2, p. 143-153. 2006. 
COSTA, V.B. Inclusão escolar na educação 
física: reflexões acerca da formação docente. 
Motriz. Rio Claro, v.16, n.4, p.889-899, out./dez. 
2010. 
DELAPLANE, A.L.; BATISTA, C.G. Ver, não 
ver e aprender: a participação de crianças com 
baixa visão e cegueira na escola. Cad. Cedes. 
Campinas, v. 28, n. 75, p. 209-227, maio/ago. 
2008. 
FALKENBACH, A.P.; LOPES, E.R. Professores 
de educação física diante da inclusão de alunos 
com deficiência visual. Pensar a Prática. Goiânia, 
v.13, n. 3, p. 1-18, set./dez. 2010.
78 
GASPARETTO, M.E.R.F. et al. Dificuldade 
visual em escolares: conhecimentos e ações de 
professores do ensino fundamental que atuam 
com alunos que apresentam visão subnormal. 
Arq. Bras. Oftalmol. v. 67, p. 65-71. 2004. 
HUEARA, L. et al. O faz-de-conta em crianças 
com deficiência visual: Identificando 
Habilidades. Rev. Bras. Ed. Esp. Marília, v.12, 
n.3, p.351-368, set.-dez. 2006. 
IBGE. Censo Demográfico 2010. Instituto 
Brasileiro de Geografia e Estatística, 2011. 
KASTRUP, V. et al. O aprendizado da utilização 
da substituição sensorial visuo-tátil por pessoas 
com deficiência visual: primeiras experiências e 
estratégias metodológicas. Psicologia & 
Sociedade, v. 21, n. 2, p. 256-265. 2009. 
MARUYAMA, A.T.; SAMPAIO, P.R.S.; 
REHDER, J.R.L . Percepção dos professores da 
rede regular de ensino sobre os problemas visuais 
e a inclusão de alunos com baixa visão. Rev. 
Bras. Oftalmol. v. 68, n.2, p. 73-5. 2009. 
MENDES, K. D. S. ; SILVEIRA, R. C. C. P.; 
GALVÃO, C. M. Revisão integrativa: método de 
pesquisa para a incorporação de evidências na 
saúde e na enfermagem integrative literature. 
Texto & Contexto Enferm. Florianópolis, v. 17, 
n. 4, p. 758-764,out.-dez. 2008. 
MONTILHA, R.C.L. et al. Utilização de recursos 
ópticos e equipamentos por escolares com 
deficiência visual. Arq. Bras. Oftalmol. v. 69, 
n.2, p. 207-11. 2006. 
________. Percepções de escolares com 
deficiência visual em relação ao seu processo de 
escolarização. Paideia. v. 19, n. 44, p. 333-339. 
2009. 
MOREIRA, L.C.; BOLSANELLO, M.A.; 
SEGER, R.G. Ingresso e permanência na 
Universidade: alunos com deficiências em foco. 
Educar em Revista. Curitiba, n. 41, p. 125-143, 
jul./set. 2011. 
NUERNBERG, A.H. Contribuições de Vigotski 
para a educação de pessoas com deficiência 
visual. Psicologia em Estudo. Maringá, v. 13, n. 
2, p.307-316, abr./jun. 2008. 
NUNES, S.; LOMÔNACO, J.F.B. O aluno cego 
preconceitos e potencialidades. Revista 
Semestral da Associação Brasileira de Psicologia 
Escolar e Educacional. São Paulo, v.14, n.1, p. 
55-64, jan/Jun. 2010. 
RABELLO, S.; MOTTI, T.F.G.; 
GASPARETTO, E.R.F. Avaliação educacional 
por meio do teste IAR em escolares com 
cegueira. Rev. Bras. Ed. Esp. Marília, v.13, n.2, 
p.281-290, mai.-ago. 2007. 
REIS, M.X.; EUFRÁSIO, D.A.; BAZON, 
F.V.M. Formação do professor para o ensino 
superior: prática docente com alunos com 
deficiência visual. Educação em Revista. Belo 
Horizonte, v.2, n.01, p.111-130, abr. 2010. 
ROCHA, M.M.; ALMEIDA, M.A. Ensino 
itinerante para deficientes visuais: um estudo 
exploratório. Rev. Bras. Ed. Esp.Marília, , v.14, 
n.2, p.201-216, mai.-ago. 2008. 
SANTOS, E.; et al. Estudo da audição em 
crianças portadoras de deficiência visual. Rev. 
CEFAC. V. 13, N.3, P. 460-471, mai-jun. 2011. 
SOUZA, C.M.L.; BATISTA, C.G. Interação 
entre Crianças com Necessidades Especiais em 
Contexto Lúdico: Possibilidades de 
Desenvolvimento. Psicologia: Reflexão e 
Crítica. v. 21, n.3, p. 383-391.2008. 
WATAYA, R.S. O uso de leitores de tela no 
Teleduc. Interface - Comunic., Saúde, Educ. 
Interface - Comunic., Saúde, Educ., v.10, n.19, 
p.227-42, jan/jun. 2006. 
_____________________________________ 
1-Fisioterapeuta. Enfermeira. Mestra em 
Ciências da Saúde. Professora do Magistério 
Superior da Universidade Federal do Amapá, 
colegiado de Fisioterapia. 
2-Pedagoga. Especialista em Educação Especial 
e Inclusiva. Governo do Estado do Amapá 
(GEA)-Secretaria de Estado da Educação 
(SEED)
79

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Artigo bioterra v14_n1_06

O comportamento informacional dos alunos de fonoaudiologia da Faculdade de Fi...
O comportamento informacional dos alunos de fonoaudiologia da Faculdade de Fi...O comportamento informacional dos alunos de fonoaudiologia da Faculdade de Fi...
O comportamento informacional dos alunos de fonoaudiologia da Faculdade de Fi...
Felipe Arakaki
 
Artigo gislene bioenergética tcc temporário fevereiro 2013
Artigo gislene bioenergética tcc temporário fevereiro 2013Artigo gislene bioenergética tcc temporário fevereiro 2013
Artigo gislene bioenergética tcc temporário fevereiro 2013
Professora Gislene
 
A Produção Científica Brasileira sobre Autismo na Psicologia e na Educação.PDF
A Produção Científica Brasileira sobre Autismo na Psicologia e na Educação.PDFA Produção Científica Brasileira sobre Autismo na Psicologia e na Educação.PDF
A Produção Científica Brasileira sobre Autismo na Psicologia e na Educação.PDF
Emerson Piqueno
 
Ebook andrea final
Ebook andrea finalEbook andrea final
Monografia da diana
Monografia da dianaMonografia da diana
Monografia da diana
ana gomes
 
Pedagogia hospitalar multiencontros ufc
Pedagogia hospitalar   multiencontros ufcPedagogia hospitalar   multiencontros ufc
Pedagogia hospitalar multiencontros ufc
Rosalina Moraes
 
Metodologia da Pesquisa em Educação - material001.ppt
Metodologia da Pesquisa em Educação - material001.pptMetodologia da Pesquisa em Educação - material001.ppt
Metodologia da Pesquisa em Educação - material001.ppt
RichardDouglasCoelho
 
Formação profissional e produtividade em saúde coletiva
Formação profissional e produtividade em saúde coletivaFormação profissional e produtividade em saúde coletiva
Formação profissional e produtividade em saúde coletiva
Fabiana F. Dos Santos
 
1 Ativ. O ENFERMEIRO E A EDUCAÇÃO EM SAÚDE - UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO.pdf
1 Ativ. O  ENFERMEIRO E A EDUCAÇÃO EM SAÚDE - UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO.pdf1 Ativ. O  ENFERMEIRO E A EDUCAÇÃO EM SAÚDE - UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO.pdf
1 Ativ. O ENFERMEIRO E A EDUCAÇÃO EM SAÚDE - UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO.pdf
JOSADNILTONFERREIRA
 
Sites de Aleitamento: avaliação da qualidade da informação / pesquisa
Sites de Aleitamento: avaliação da qualidade da informação / pesquisa Sites de Aleitamento: avaliação da qualidade da informação / pesquisa
Sites de Aleitamento: avaliação da qualidade da informação / pesquisa
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Em dialogo relatorio_final_pesquisa_para
Em dialogo relatorio_final_pesquisa_paraEm dialogo relatorio_final_pesquisa_para
Em dialogo relatorio_final_pesquisa_para
Fabiolla Andrade
 
232-Texto do Artigo-433-1-10-20210325 (1).pdf
232-Texto do Artigo-433-1-10-20210325 (1).pdf232-Texto do Artigo-433-1-10-20210325 (1).pdf
232-Texto do Artigo-433-1-10-20210325 (1).pdf
Elisvaneoliveira1
 
Educação museus
Educação museusEducação museus
Educação museus
elipava
 
Tese final pdf
Tese final pdfTese final pdf
Tese final pdf
lucelenium
 
9729 40740-2-pb
9729 40740-2-pb9729 40740-2-pb
9729 40740-2-pb
Luciano José Raimundo
 
revisão integrativa metodologia FASES 2010.pdf
revisão integrativa metodologia FASES 2010.pdfrevisão integrativa metodologia FASES 2010.pdf
revisão integrativa metodologia FASES 2010.pdf
JoilaneAlvesPereiraF
 
Aprendizagem baseada-em-problemas-na-formacao-medica-e-o-curriculo-tradiciona...
Aprendizagem baseada-em-problemas-na-formacao-medica-e-o-curriculo-tradiciona...Aprendizagem baseada-em-problemas-na-formacao-medica-e-o-curriculo-tradiciona...
Aprendizagem baseada-em-problemas-na-formacao-medica-e-o-curriculo-tradiciona...
PROIDDBahiana
 
Aprendizagem baseada-em-problemas-na-formacao-medica-e-o-curriculo-tradiciona...
Aprendizagem baseada-em-problemas-na-formacao-medica-e-o-curriculo-tradiciona...Aprendizagem baseada-em-problemas-na-formacao-medica-e-o-curriculo-tradiciona...
Aprendizagem baseada-em-problemas-na-formacao-medica-e-o-curriculo-tradiciona...
PROIDDBahiana
 
Saúde Mental para Médicos que Atuam na Estratégia Saúde da Família: uma Contr...
Saúde Mental para Médicos que Atuam na Estratégia Saúde da Família: uma Contr...Saúde Mental para Médicos que Atuam na Estratégia Saúde da Família: uma Contr...
Saúde Mental para Médicos que Atuam na Estratégia Saúde da Família: uma Contr...
Albert Nilo
 
Andrea kochhann machado
Andrea kochhann machadoAndrea kochhann machado
Andrea kochhann machado
eleusa Eleusaferreiracarvalho
 

Semelhante a Artigo bioterra v14_n1_06 (20)

O comportamento informacional dos alunos de fonoaudiologia da Faculdade de Fi...
O comportamento informacional dos alunos de fonoaudiologia da Faculdade de Fi...O comportamento informacional dos alunos de fonoaudiologia da Faculdade de Fi...
O comportamento informacional dos alunos de fonoaudiologia da Faculdade de Fi...
 
Artigo gislene bioenergética tcc temporário fevereiro 2013
Artigo gislene bioenergética tcc temporário fevereiro 2013Artigo gislene bioenergética tcc temporário fevereiro 2013
Artigo gislene bioenergética tcc temporário fevereiro 2013
 
A Produção Científica Brasileira sobre Autismo na Psicologia e na Educação.PDF
A Produção Científica Brasileira sobre Autismo na Psicologia e na Educação.PDFA Produção Científica Brasileira sobre Autismo na Psicologia e na Educação.PDF
A Produção Científica Brasileira sobre Autismo na Psicologia e na Educação.PDF
 
Ebook andrea final
Ebook andrea finalEbook andrea final
Ebook andrea final
 
Monografia da diana
Monografia da dianaMonografia da diana
Monografia da diana
 
Pedagogia hospitalar multiencontros ufc
Pedagogia hospitalar   multiencontros ufcPedagogia hospitalar   multiencontros ufc
Pedagogia hospitalar multiencontros ufc
 
Metodologia da Pesquisa em Educação - material001.ppt
Metodologia da Pesquisa em Educação - material001.pptMetodologia da Pesquisa em Educação - material001.ppt
Metodologia da Pesquisa em Educação - material001.ppt
 
Formação profissional e produtividade em saúde coletiva
Formação profissional e produtividade em saúde coletivaFormação profissional e produtividade em saúde coletiva
Formação profissional e produtividade em saúde coletiva
 
1 Ativ. O ENFERMEIRO E A EDUCAÇÃO EM SAÚDE - UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO.pdf
1 Ativ. O  ENFERMEIRO E A EDUCAÇÃO EM SAÚDE - UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO.pdf1 Ativ. O  ENFERMEIRO E A EDUCAÇÃO EM SAÚDE - UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO.pdf
1 Ativ. O ENFERMEIRO E A EDUCAÇÃO EM SAÚDE - UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO.pdf
 
Sites de Aleitamento: avaliação da qualidade da informação / pesquisa
Sites de Aleitamento: avaliação da qualidade da informação / pesquisa Sites de Aleitamento: avaliação da qualidade da informação / pesquisa
Sites de Aleitamento: avaliação da qualidade da informação / pesquisa
 
Em dialogo relatorio_final_pesquisa_para
Em dialogo relatorio_final_pesquisa_paraEm dialogo relatorio_final_pesquisa_para
Em dialogo relatorio_final_pesquisa_para
 
232-Texto do Artigo-433-1-10-20210325 (1).pdf
232-Texto do Artigo-433-1-10-20210325 (1).pdf232-Texto do Artigo-433-1-10-20210325 (1).pdf
232-Texto do Artigo-433-1-10-20210325 (1).pdf
 
Educação museus
Educação museusEducação museus
Educação museus
 
Tese final pdf
Tese final pdfTese final pdf
Tese final pdf
 
9729 40740-2-pb
9729 40740-2-pb9729 40740-2-pb
9729 40740-2-pb
 
revisão integrativa metodologia FASES 2010.pdf
revisão integrativa metodologia FASES 2010.pdfrevisão integrativa metodologia FASES 2010.pdf
revisão integrativa metodologia FASES 2010.pdf
 
Aprendizagem baseada-em-problemas-na-formacao-medica-e-o-curriculo-tradiciona...
Aprendizagem baseada-em-problemas-na-formacao-medica-e-o-curriculo-tradiciona...Aprendizagem baseada-em-problemas-na-formacao-medica-e-o-curriculo-tradiciona...
Aprendizagem baseada-em-problemas-na-formacao-medica-e-o-curriculo-tradiciona...
 
Aprendizagem baseada-em-problemas-na-formacao-medica-e-o-curriculo-tradiciona...
Aprendizagem baseada-em-problemas-na-formacao-medica-e-o-curriculo-tradiciona...Aprendizagem baseada-em-problemas-na-formacao-medica-e-o-curriculo-tradiciona...
Aprendizagem baseada-em-problemas-na-formacao-medica-e-o-curriculo-tradiciona...
 
Saúde Mental para Médicos que Atuam na Estratégia Saúde da Família: uma Contr...
Saúde Mental para Médicos que Atuam na Estratégia Saúde da Família: uma Contr...Saúde Mental para Médicos que Atuam na Estratégia Saúde da Família: uma Contr...
Saúde Mental para Médicos que Atuam na Estratégia Saúde da Família: uma Contr...
 
Andrea kochhann machado
Andrea kochhann machadoAndrea kochhann machado
Andrea kochhann machado
 

Mais de Universidade Federal de Sergipe - UFS

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 

Mais de Universidade Federal de Sergipe - UFS (20)

REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V25_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 - Artigo_Bioterra_V24_...
 

Artigo bioterra v14_n1_06

  • 1. REVISTA DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS DA TERRA ISSN 1519-5228 69 Volume 14 - Número 1 - 1º Semestre 2014 EDUCAÇÃO ESPECIAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA Ariely Nunes Ferreira de Almeida1; Arielma Nunes Ferreira Picanço2 RESUMO O estudo trata-se de uma revisão integrativa da literatura científica acerca da Educação especial das pessoas com deficiência visual. O percurso metodológico obedeceu as seis fases da revisão integrativa: Elaboração da pergunta norteadora; Busca ou amostragem na literatura; Critérios para categorização dos estudos; Análise dos estudos incluídos nos resultados; Discussão do resultado e Apresentação da revisão integrativa. A amostra foi constituída por 23 artigos de periódicos da área da saúde, disponibilizados nas bases de dados da Literatura Latino Americana e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde (LILACS) e da Scientific Electronic Library Online (SciELO), entre 2004 a 2011. Após análise criteriosa do conteúdo dos estudos, emergiram duas categorias temáticas: 1 - Inclusão escolar da Pessoa com Deficiência Visual; 2 - Estratégias metodológicas para o processo de ensino-aprendizagem da Pessoa com Deficiência Visual. Como contribuição, os diversos estudos apontaram as dificuldades no processo de inclusão educacional das pessoas com deficiência visual, incluindo o preconceito e a falta de conhecimento sobre a deficiência visual; a carência de recursos didáticos e de metodologias adequadas a esse público; e a ausência ou má formação docente para lidar com alunos deficientes visuais, o que acaba dificultando o acesso dos mesmos ao espaço escolar. Palavras-chaves: Educação especial, deficiência visual, cegueira. SPECIAL EDUCATION OF PEOPLE WITH VISUAL DISABILITIES: AN INTEGRATIVE REVIEW OF THE LITERATURE ABSTRACT The study deals with an integrative review of the scientific literature about the special education of people with visual impairment. The methodological approach followed the six stages of the integrative review: Development of guiding question; Search or sampling the literature; Criteria for categorization of studies, analysis of the studies included in the results; Discussion of results and presentation of the integrative review. Thus, the sample consisted of 23 journal articles in the area of health, available in the databases of the Latin American and Caribbean Center on Health Sciences ( LILACS ) and Scientific Electronic Library Online ( SciELO ) , among years 2004-2011 . After careful analysis of the content of the studies, two themes emerged: 1 - Inclusion of People with Disabilities School Visual; 2 - Methodological strategies for teaching- learning of People with Visual Impairment. As a contribution, the various studies pointed out the difficulties in the process of educational inclusion of people with visual impairment, including prejudice and lack of knowledge about visual impairment, the lack of teaching resources and methodologies appropriate to this audience, and the absence or malformation teachers to deal with visually impaired students, which ultimately hindering their access to the school. Keywords: Special education, visual impairment, blindness.
  • 2. 70 INTRODUÇÃO A deficiência visual refere-se a uma situação irreversível de diminuição da resposta visual, em virtude de causas congênitas ou hereditárias, mesmo após tratamento clínico e/ou cirúrgico e uso de óculos convencionais (BRASIL, 2007). De acordo com o Decreto nº 3.298/99 e o Decreto nº 5.296/04, conceitua-se como deficiência visual: a cegueira, na qual a acuidade visual é igual ou menor que 0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica; a Baixa Visão, que significa acuidade visual entre 0,3 e 0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica; os casos nos quais a somatória da medida do campo visual em ambos os olhos for igual ou menor que 60°; ou a ocorrência simultânea de quaisquer das condições anteriores (BRASIL, 2007). De acordo com o Censo Demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) 2010, mais de 45,6 milhões de brasileiros têm alguma deficiência, o que representa 23,9% da população do país. A deficiência visual foi a mais prevalente com 35,7 milhões de pessoas e 18,8% dos entrevistados afirmaram ter dificuldade para enxergar, mesmo com óculos ou lentes de contato. Entre as pessoas com deficiência visual, mais de 6,5 milhões disseram ter a dificuldade de forma severa, 6 milhões afirmaram que tinham dificuldade de enxergar e mais de 506 mil informaram serem cegas (IBGE, 2010). Segundo Vigotski, a ausência ou deficiência visual não impede o desenvolvimento, embora possa limitar, principalmente, a sua dimensão social. Por isso, é preciso investir de forma consciente e planejada na organização de um ambiente que promova a interação social e a participação dessas crianças (VIGOTSKI; 2000 apud DELAPLANE; BATISTA, 2008). Ante o exposto, o presente estudo tem como objetivo geral delinear a caracterização de publicações científicas acerca da educação especial das pessoas com deficiência visual a partir de uma revisão integrativa da literatura, a fim de saber qual a contribuição dos estudos para a área da educação. Portanto, o estudo parte da seguinte questão norteadora: Qual a caracterização da produção científica acerca da Educação Especial das pessoas com deficiência visual, em periódicos on-line, no período de 2004 a 2011? Para responder tal questão, delimitaram-se para este estudo os seguintes objetivos específicos: caracterizar as produções científicas acerca da Educação Especial das pessoas com deficiência visual, em periódicos on-line, no período de 2004 a 2011, e sintetizar a contribuição da produção científica sobre essa temática. MATERIAL E MÉTODOS Trata-se de uma revisão integrativa baseada na literatura acerca da Educação especial das pessoas com deficiência visual. Esta modalidade de pesquisa, segundo Mendes, Silveira, Galvão (2008) tem como finalidade reunir e sistematizar resultados de pesquisas sobre um determinado tema ou questão de maneira sistemática e ordenada, contribuindo para o aprofundamento do conhecimento do tema investigado. O percurso metodológico ficou subdividido em seis fases: identificação do tema ou questão da pesquisa; realização da amostragem (seleção dos artigos); definição das informações extraídas das publicações revisadas e categorização dos estudos; avaliação dos estudos selecionados; interpretação dos resultados; e apresentação dos resultados da pesquisa (MENDES; SILVEIRA; GALVÃO, 2008). Em relação a primeira fase foi formulada a seguinte questão da pesquisa: qual caracterização da produção científica disseminadas em periódicos on-line no período de 2004 a 2011, referentes a Educação Especial das pessoas com deficiência visual? Diante deste questionamento, partiu-se para a segunda fase: seleção da amostragem. Para tanto, realizou-se uma busca on-line nos artigos científicos publicados nas bases de dados da Literatura Latino Americana e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde (LILACS) e da Scientific Electronic Library Online (SciELO), utilizando os seguintes descritores: Educação especial, pessoas com deficiência visual, cegueira. Para a seleção dos artigos inseridos no estudo foram formulados os seguintes critérios de inclusão: ter sido publicado na modalidade artigo científico original, de revisão, estudo de
  • 3. 71 caso e relato de pesquisa, com resumos disponíveis na base de dados selecionada, sendo publicados no período compreendido entre 2004 a 2011 e que contemplassem em seus títulos e/ou resumos aspectos relativos a educação das pessoas com deficiência visual, disponibilizados na íntegra e gratuitamente, com idioma em português. Foram identificados, no total, 234 estudos que falavam sobre deficiência visual, sendo 206 na base de dados SciELO e 28 na LILACS. Após uma análise minuciosa, 23 artigos se adequavam aos critérios de inclusão e fizeram parte da amostra. Na terceira fase, realizou-se a revisão e categorização dos estudos, para que as informações-chaves fossem reunidas e sintetizadas. Portanto, foi elaborado um instrumento de coleta de dados, contendo as seguintes variáveis: título do artigo, autores, ano de publicação, base de dados, nome do periódico, modalidade da pesquisa, objetivos, principais resultados e conclusões de cada estudo. Em seguida, na quarta fase, deu-se início ao procedimento de avaliação dos estudos selecionados; onde as informações foram organizadas, agrupadas, sumarizadas e integradas à discussão da presente revisão. Assim, na quinta fase, os resultados foram interpretados e sintetizados conforme os conteúdos abordados nos artigos, o que levou a definir duas categorias temáticas: 1) Inclusão escolar da Pessoa com Deficiência Visual e 2) Estratégias metodológicas para o processo de ensino-aprendizagem da Pessoa com Deficiência Visual. Por fim, a sexta fase consiste na apresentação dos resultados da pesquisa, conforme as duas categorias elencadas. RESULTADOS E DISCUSSÃO A análise das publicações envolvidas nesta revisão integrativa da literatura permitiu caracterizar as produções científicas inseridas no estudo, segundo título e autor(es), ano de publicação, base de dados e modalidade do estudo. Por meio da análise dos 23 artigos constatou-se que os resultados apontaram o período de 2004 a 2011, exceto o ano de 2005, no qual não teve nenhuma publicação inserida neste estudo. Observou-se que 2006 correspondeu ao ano com o maior número de artigos científicos publicados sobre a temática investigada, 6 (26,08%), seguido dos anos de 2008, 5 (21,73%), 2010, 4 (17,39%), 2004 e 2011, cada um com 2 (8,69%), e ano de 2007 obteve apenas 1 (4,34%) estudo. Quanto a modalidade dos estudos, o tipo “artigo original” esteve presente em 65,21% das publicações (15 artigos), seguido da modalidade Relato de Pesquisa com 17,39% das publicações (4 artigos), Estudo de Caso com 13,04% (3 artigos) e Estudo de revisão com 4,34% (1 artigo). Após sucessivas leituras dos conteúdos expostos pelos estudos investigados, foi possível realizar a síntese do conhecimento contemplado na literatura, em duas categorias temáticas apresentadas a seguir: Tema I- Inclusão escolar da Pessoa com Deficiência Visual Os deficientes visuais são pessoas cegas ou com visão subnormal que necessitam de algum tipo de apoio ou suporte, e independente de suas limitações físicas ou biológicas, não podem ser excluídas da sociedade, pois assim como qualquer cidadão, devem ter oportunidades iguais de usufruir seus direitos. Quanto à educação voltada ao deficiente, a Constituição Federal de 1988, no artigo 208, inciso III, garante, por meio do Poder Público Federal, que o atendimento educacional deve ser especializado e, preferencialmente, na rede regular de ensino (BRASIL, 1988 apud WATAYA, 2006). Conforme definido na Constituição Federal, a educação do deficiente visual é marcada pela relação intrínseca com o atendimento especializado, capaz de suprir as necessidades especiais advindas da falta de visão e assegurar o ensino formal deste aluno. Esse atendimento especializado deve ser garantido pela chamada educação especial, que constitui uma modalidade de ensino que deve caminhar paralelamente ao ensino regular, em todos os seus níveis: educação infantil, ensino fundamental, médio e superior (NUNES; LOMÔNACO, 2010). Nesse sentido, a promoção de uma escola inclusiva se faz com estrutura educacional adequada, sem barreiras atitudinais, sociais, arquitetônicas que possam impedir o acesso dos
  • 4. 72 deficientes ao espaço escolar (COSTA, 2010). Corroborando com essa ideia, Nunes e Lomônaco (2010, p.59) afirmam que [...] devido à limitação visual, o indivíduo cego vai precisar de um ambiente diferenciado e adaptado, que dê conta de garantir a satisfação de suas necessidades. E toda essa vivência diferenciada define uma estrutura mental diferente daquele que vê, pois a pessoa cega precisa usufruir de outros caminhos para conhecer o mundo, o que marca outras formas de processo perceptivo e, por consequência, da estruturação e organização do desenvolvimento cognitivo. Este fato pode ser evidenciado com os conceitos de espaço e tempo. No caso do espaço, os elementos que dão as informações espaciais são diferentes para o vidente e para o cego: quem vê se utiliza muito mais da visão do que dos outros sentidos, enquanto o cego se utiliza mais de uma exploração tátil-cinestésica do ambiente. Nuernberg (2008) destaca que a questão da educação de pessoas com deficiência visual constitui uma preocupação recorrente de Vigotski, emergindo tanto em textos sobre os princípios gerais da educação de pessoas com deficiência como naqueles em que o teórico se dedica especificamente ao problema do desenvolvimento psicológico na presença da cegueira. Sobre o desenvolvimento e a educação de cegos, por um lado, Vigotski nega a noção de compensação biológica do tato e da audição em função da cegueira e coloca o processo de compensação social centrado na capacidade da linguagem de superar as limitações produzidas pela impossibilidade de acesso direto à experiência visual. Para o autor, o conhecimento resulta de um processo de apropriação que se realiza pelas relações sociais (NUERNBERG, 2008). Por outro lado, Vygotsky não nega as limitações da cegueira enquanto restrição biológica, mas afirma que, socialmente, não há limitações, porque o cego, por meio da palavra, pode se comunicar e apreender significados sociais. No entanto, a inter-relação do indivíduo cego com o ambiente não se dá sem conflitos, mas é devido ao fato do conflito existir que há forças para sua superação (VYGOTSKY; 1934/1997 apud NUNES; LOMÔNACO, 2010). Ratificando o exposto acima, Kastrup et al. (2009; p.257) consideram que [...] a deficiência visual não é um fenômeno natural e meramente fisiológico, mas um fenômeno complexo, de cuja construção participam também fatores sociais, econômicos, culturais, políticos, artísticos, educacionais e tecnológicos. A ideia central é de que as capacidades cognitivas e a amplitude existencial de uma pessoa que não dispõe da visão, mas que recebeu cuidados, educação e oportunidades de participar da vida social e cultural são bastante diferentes e superiores com relação àquela que não dispôs de tais possibilidades. Portanto, é possível inferir que as dificuldades inerentes à educação das pessoas com deficiência visual vão além das limitações físicas e biológicas, mas envolvem, principalmente, dificuldades de proporcionar condições estruturais e ambientais para construção de experiências e relações sociais e culturais favoráveis ao processo educacional. Montilha et al. (2009), ao realizar um estudo com 26 alunos sendo 46,2% com visão subnormal e 53,8% com cegueira, com média de idade de 17,1 anos, inseridos e uma escola pública do Estado de São Paulo, verificou que a repetência escolar foi declarada por 73,1%. Entre as dificuldades escolares decorrentes da cegueira, sobressaiu-se a leitura de livros didáticos e, entre as decorrentes da visão subnormal, a visualização da lousa. Além disso, o nível de escolaridade mostrou-se baixo em relação à média de idade, indicando provável evasão escolar ou dificuldade de acesso à escola. Por sua vez, Costa (2010) em sua pesquisa de mestrado realizada entre 2007 e 2008 nas escolas públicas e particulares da cidade de São Carlos/SP, descobriu que o processo de inclusão em relação à Educação Física escolar de estudantes deficientes visuais, incluídos na Educação Básica, encontra dificuldades para se efetivar, dada a má preparação e formação docente. Falkenbach e Lopes (2010) ao investigarem a compreensão de professores, da Educação Física e do nível de ensino da Educação Infantil, diante da inclusão de alunos com baixa visão, em escola pública estadual, verificaram que entre as dificuldades encontradas estão: a) Necessidade dos professores de terem apoio escolar, do coletivo de professores e da comunidade; b) Escassez de recursos aos professores, o que induz a criatividade e a improvisação como experiências realizadas na prática; c) Os alunos da Educação Infantil manifestam melhor receptividade e acompanhamento ao colega com deficiência
  • 5. 73 visual nas aulas de Educação Física, enquanto que, em relação aos alunos do Ensino Fundamental há resistências; d) O aluno da Educação Infantil demonstrou gostar de movimento e de praticar atividades com os colegas, enquanto que o aluno do Ensino Fundamental apresentou menor desenvoltura nas práticas da Educação Física. Vale ressaltar que tanto no estudo de Montilha et al. (2009), quanto no de Costa (2010) e Falkenbach e Lopes (2010) a falta de preparação ou má formação do professor ao lidar com alunos deficientes visuais aliada a falta de recursos didáticos adequados ao processo de ensino e aprendizagem desses alunos é um problema comum na educação especial e que dificulta a participação dos alunos na prática educativa. Diante dessas problemáticas, Profeta (2007, apud FALKENBACH; LOPES, 2010, p.3) considera [...] o ato de educar todos os alunos no ensino regular e propiciar a eles oportunidades iguais implica em ações complexas e desafiadoras que o ensino formal e seus professores talvez não queiram enfrentar, uma vez que o enfrentamento requisita a responsabilidade coletiva da escola, como apoio de uns aos outros em trocas de experiência e de recursos para essa finalidade. Não é tarefa elementar, mas enriquecedora de um contexto que se intitula educativo. Dessa forma, Monte Alegre (2003, citado por NUNES; LOMÔNACO, 2010) afirma que a falta de apoio especializado nas escolas comuns e ditas “inclusivas”, tanto pela falta de materiais e recursos para o trabalho com as crianças cegas, quanto pela falta de preparo dos docentes da sala de aula comum, resulta em um trabalho pedagógico técnico, espontaneísta e muitas vezes inadequado por não dar conta das necessidades do aluno deficiente visual. Nunes e Lomônaco (2010, p.60) trazem ainda em seu estudo a função do professor especializado segundo a Lei nº 5.540/68 [...] a função do professor especializado é a de atuar como docente e especialista. Ele atua como docente porque é responsável por atividades de ensino e aprendizagem e como especialista porque é um agente facilitador do processo educacional ao orientar a escola, a família e a comunidade. Dessa forma, a ênfase da atuação do professor especializado depende do lugar onde ele está desenvolvendo seu trabalho, que pode ser: classe especial, sala de recursos ou ensino itinerante. De forma semelhante, Maruyama, Sampaio, Rehder (2009) destacam a importância do pedagogo especializado em baixa visão e cegueira (Visopedagogo), como elemento imprescindível para a educação inclusiva, e a necessidade de sua presença justifica-se pela falta de conhecimentos técnicos a respeito de como atuar diante do aluno com baixa visão. Outro problema observado na educação especial é que as pessoas cegas, frequentemente, são tidas como especiais, como portadoras de características profundamente diferenciadas das outras pessoas, tanto na literatura como na mídia em geral, e esse preconceito impede que se perceba o cego como um ser humano. Logo, essa estigmatização do aluno cego deve ser combatida, pois sua presença prejudica a personalidade e autoestima do aluno (NUNES; LOMÔNACO, 2010) Quanto ao processo de inclusão do cego ao longo da história, duas concepções de inclusão se destacam. A primeira, chamada de normalização, foi influenciada pela prática estadunidense e é voltada a programas de treinamentos que visam tornar o deficiente visual mais parecido com o vidente. Essa concepção é bastante criticada, pois remete a ideia de que ser deficiente visual é ser inferior e faltante. A segunda concepção de inclusão, parte do princípio de que o deficiente visual deve ser aceito sem valorizar demais as suas incapacidades, mas buscando respeitar o que ele é, conforme descrito por Nunes e Lomônaco (2010; p.60) Essa concepção de inclusão não enfoca os limites e déficits das pessoas cegas, mas busca compreender a forma como essa pessoa se constitui e percebe o mundo, de modo a não querer transformar os cegos em videntes, e nem tampouco impor conceitos, padrões e valores dos que veem. Em vez disso, tenta entender as limitações da ausência de visão e analisa as condições de vida na família, escola e em outros grupos de referência que possam facilitar o desenvolvimento desse indivíduo. Portanto, considerando um modelo de sociedade inclusiva parece ser consenso a ideia de que é preciso reconhecer as diferentes potencialidades de cada pessoa, as pequenas conquistas valorizadas e considerar o processo durante a aprendizagem, pois cada momento é importante e serve como estímulo para desenvolvimento de novos conhecimentos (FALKENBACH; LOPES, 2010)
  • 6. 74 O processo de inclusão posiciona-se então, de forma contrária aos movimentos de normalização e defende o direito à diferença, a heterogeneidade e a diversidade. Sua efetivação deve ocorrer pela presença do aluno com deficiência na escola regular e adequação da escola às necessidades de todos os seus participantes, incluindo o fornecimento de condições favoráveis ao aprendizado do aluno com deficiência ao contexto da sala de aula. Portanto, na lógica da inclusão, não há mais lugar para exclusões ou segregações, e todos os alunos, com e sem deficiências, devem participar efetivamente do processo educativo (CAMARGO; NARDI, 2008). Tema II- Estratégias metodológicas para o processo de ensino-aprendizagem da Pessoa com Deficiência Visual De acordo com Wataya (2006) os recursos didáticos são os meios empregados nos diferentes níveis, em distintas disciplinas, áreas de estudo ou em outras atividades com o objetivo de auxiliar, com maior eficácia, a aprendizagem, transformando-se em uma ferramenta facilitadora e incentivadora do processo de ensino-aprendizagem. Todavia, considerando a educação da pessoa com deficiência visual, as estratégias de ensino devem levar em conta a aceitação que o aluno tem de sua limitação, as intercorrências da perda visual, como funcionam seus sentidos remanescentes e se existem ferramentas didático-pedagógicas adequadas (MONTILHA; 2009). Neste sentido, Nunes, Lomônaco (2010; p.60) afirmam que O aluno cego, em sua vida escolar, necessita de materiais adaptados que sejam adequados ao conhecimento tátil-cinestésico, auditivo, olfativo e gustativo – em especial materiais gráficos tateáveis e o braile. A adequação de materiais tem o objetivo de garantir o acesso às mesmas informações que as outras crianças têm, para que a criança cega não esteja em desvantagem em relação aos seus pares. Para Costa, Neves e Barone (2006, p.151) as dificuldades no processo de ensino são bem maiores para os deficientes visuais do que para outros deficientes [...] em quaisquer tipos de escola ou níveis de ensino faltam ao deficiente visual a literatura e os recursos didáticos adaptados, computadores e tecnologia específica, monitoria especial, acessibilidade arquitetônica, professores habilitados, entre outros. Isso sem considerar o fato de que a dificuldade torna-se ainda maior à medida que o grau de escolarização aumenta, impossibilitando o estudante com deficiência visual de concluir, até mesmo, as etapas de escolarização anteriores ao ingresso na universidade: os ensinos Fundamental e Médio. O sistema escolar é incapaz de lidar com a deficiência: suas deficiências são bem maiores que as dos assim rotulados “deficientes”! (COSTA; NEVES; BARONE, 2006, p.151). Seguindo nessa perspectiva, Wataya (2006) cita em seu estudo três possibilidades para a educação especial de deficientes visuais alcançar seus objetivos: a Seleção, onde os alunos cegos fazem uso dos recursos utilizados por aqueles de visão subnormal, como figuras geométricas e alguns jogos; a Adaptação, onde materiais são adaptados, tornando-se instrumentos eficientes na educação dos cegos; e a Fabricação, na qual adotam-se materiais recicláveis para confeccionar objetos para a prática educacional, como palitos de fósforo, barbantes, cartolinas, botões, etc. Com o advento da tecnologia e da internet ressalta-se o aumento crescente de novas Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), e da rede de computadores internet no meio educacional. A internet oferece grande oportunidade para a inclusão social de qualquer pessoa que possua ou não dificuldades, desde que assegure a ela o acesso e a acessibilidade, independente de suas necessidades. No caso das pessoas com deficiência visual é preciso que, além dos equipamentos básicos, o computador utilizado esteja equipado com os softwares Leitores de Tela - LT e hardwares compatíveis (WATAYA, 2006). Rabello, Motti e Gasparetto (2007, p. 283) citam outros recursos pedagógicos que podem ser utilizados na educação da criança cega [...] podem ser adotados recursos alternativos, tais como o Sistema Braille, constituído por 63 possibilidades de combinações de pontos organizados para representar o alfabeto, os acentos, a pontuação, os sinais especiais de composição e os códigos matemáticos, químicos, musicais e aqueles aplicados na informática [...] No desenvolvimento do letramento da criança cega, podem ser utilizados instrumentos como o sorobã e recursos de áudio, gravador e fita cassete, além de estratégias didáticas adequadas às condições do aluno de acordo com o conteúdo abordado em sala de aula.
  • 7. 75 Entretanto, Laplane e Batista (2008) ressaltam que o uso desses recursos específicos não será decidido apenas em virtude do tipo e grau de visão do aluno, mas deve ser levado em consideração fatores relacionados à personalidade, modo de elaboração e estilo pessoal de cada criança ao lidar com a deficiência. Diversos autores enfatizam o brincar como recurso para favorecer o desenvolvimento de crianças com deficiência, pois estas, frequentemente, vivenciam situações de fracasso no desempenho de diferentes tarefas, mas quando estão numa situação de brincadeira, as mesmas crianças ousam tentar novas alternativas e tendem a tomar iniciativas sem preocupação de atingir ou não um resultado (HUEARA et al., 2006). Entre as diversas brincadeiras que podem ser utilizadas na pratica educativa de crianças especiais, Hueara et al., (2006) destacam em seu artigo as brincadeiras faz-de-conta como método para construção de conhecimentos, conforme destacado por Vygotsky, a saber: Vygotsky (1989) destaca a brincadeira faz-de-conta como uma situação que privilegia a promoção do desenvolvimento e o surgimento de novas formas de interpretação e entendimento do mundo real. Ele considera que o faz-de-conta cria uma zona de desenvolvimento proximal, ao referir-se às potencialidades das crianças, que podem emergir e se desenvolver numa situação de imaginação (VYGOTSKY; 1989, apud HUEARA et al., 2006, p.352). De forma semelhante, Souza e Batista (2008) destacam a importância da interação entre pares no processo de desenvolvimento das crianças com necessidades especiais e destacam a situação de brincadeira como espaço favorável para a construção dessas interações. Para Laplane e Batista (2008) a atuação em grupo valoriza o contato entre as crianças e seus parceiros, e favorece a aprendizagem. Logo, atividades grupais de ensino e recreativas, envolvendo diferentes recursos pedagógicos, devem ser desenvolvidas em situações de ensino formal e informal, iniciando-se na pré-escola. Quanto às estratégias metodológicas, Camargo e Nardi (2006) descrevem duas estratégias de ensino usadas com alunos deficientes visuais: a estratégia diretiva/passiva e a dialógica/participativa. A primeira tem seu foco de ensino em ações docentes diretivas, e a relação entre docente e discente se estabelecem de modo fechada, individual, unilateral e de cima para baixo. A segunda, dialógica/participativa, tem seu foco de ensino na participação reflexiva do discente durante a aula e a avaliação é diagnóstica, formativa. Outra modalidade de apoio pedagógico que atende aos princípios da educação inclusiva é o serviço de itinerância, caracterizado como [...] uma modalidade especializada de apoio pedagógico, desenvolvida por profissional devidamente capacitado se caracteriza pela movimentação do professor, que se deslocará para as escolas do ensino regular onde existirem matriculados alunos com deficiência visual. O ensino itinerante é o atendimento recomendado para regiões onde não exista escola especial ou escola regular com sala de recursos e onde haja carência de professores especializados. Esse tipo de ensino visa sempre complementar o atendimento educacional oferecido em classe comum [...]. Por meio do ensino itinerante, poderão ser beneficiados os alunos com deficiência visual, matriculados na educação fundamental, até o término do ensino médio, podendo o atendimento ser limitado a uma ou duas vezes por semana ou com frequência a ser definida, considerando o nível de escolaridade, a idade e o potencial de aprendizagem do aluno, principalmente nas séries iniciais (ROCHA; ALMEIDA, 2008, p. 202). No que concerne ao papel do professor na educação especial, a reforma prevê, na Resolução CNE n. 02/2001, que os professores podem ser capacitados ou especializados. Quanto aos professores capacitados, o artigo 18, parágrafo primeiro, da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN) considera § 1º São considerados professores capacitados para atuar em classes comuns com alunos que apresentam necessidades educacionais especiais aqueles que comprovem que em sua formação, de nível médio ou superior, foram incluídos conteúdos sobre educação especial adequados ao desenvolvimento de competências e valores para: I – perceber as necessidades educativas especiais dos alunos e valorizar a educação inclusiva; II – flexibilizar a ação pedagógica nas diferentes áreas de conhecimento de modo adequado as necessidades especiais de aprendizagem; III – avaliar continuamente a eficácia do processo educativo para o atendimento de necessidades educacionais especiais; IV – atuar em equipe, inclusive com professores especializados em educação especial (LDBEN apud REIS; EUFRÁSIO; BAZON, 2010, p.117).
  • 8. 76 Quanto aos professores especializados, o artigo 18, parágrafo segundo e terceiro da LDBEN diz: § 2º São considerados professores especializados em educação especial aqueles que desenvolverem competências para identificar as necessidades educacionais especiais para definir, implementar , liderar e apoiar a implementação de estratégias de flexibilização, adaptação curricular, procedimentos didáticos, pedagógicos e práticas alternativas, adequadas no atendimento das mesmas , bem como trabalhar em equipe, assistindo o professor de classe comum nas práticas que são necessárias para promover a inclusão dos alunos com necessidades educativas especiais [...] (LDBEN apud REIS; EUFRÁSIO; BAZON, 2010, p.117). Todavia, essa formação preconizada pela LDBEN nem sempre está presente nos professores que lidam com a educação de pessoas com necessidades especiais. Reis, Eufrásio e Bazon (2010) em sua pesquisa para analisar a formação de professores universitários formados em Ciências Biológicas/licenciatura para o atendimento de pessoas com deficiência visual no sistema universitário, evidenciaram grandes problemas na formação docente, entre eles: a falta de conhecimento quanto ao conceito de deficiência visual, o qual é confundido com outros problemas atribuídos à visão; falta de material didático adaptado à deficiência visual; o não preparo dos professores para receber o aluno com necessidades especiais, e a falta de experiência/contato com alunos deficientes visuais durante suas carreiras acadêmicas. Diante dessa pesquisa nota-se a lacuna existente na formação do professor de nível superior para atender alunos com deficiência visual o que torna fundamental a implantação de disciplinas referentes à educação inclusiva na grade curricular dos graduandos em licenciatura e o investimento em formação continuada, seja por interesse próprio seja por incentivo do governo ou por instituições de ensino (REIS; EUFRÁSIO; BAZON, 2010). Quanto à avaliação de alunos com deficiência visual, Batista, Cardoso e Santos (2006) consideram que os mesmos tendem a obter baixos escores em avaliações padronizadas, e em geral, essas avaliações não constituem a melhor opção para a identificação de capacidades em aquisição, no caso desses alunos. As avaliações padronizadas visam comparar o sujeito com uma população definida e buscam a caracterização do nível de desenvolvimento real, ou seja, daquilo que o aluno é capaz de fazer sozinho. Por outro lado, a avaliação assistida ou dinâmica permite a identificação de uma série de habilidades, especialmente no aspecto cognitivo do indivíduo. Batista, Nunes e Horino (2004) também fazem uma crítica aos testes padronizados e defendem para fins educacionais a avaliação do nível de desenvolvimento potencial, onde o foco é centrado em tarefas e habilidades que o indivíduo já realiza com ajuda ou apoio, em situações favoráveis, e não em realizações independentes, como é o caso, por exemplo, de um exame de seleção. Outro tipo de avaliação a ser discutida na educação inclusiva de deficientes visuais é a chamada avaliação oftalmológica. Gasparetto et al. (2004) defendem a ideia de que toda criança deveria ser submetida a exame oftalmológico antes de seu ingresso na escola, e isso se daria por meio da realização de programas de triagem da acuidade visual e detecção de problemas visuais na escola. Além disso, para que haja o controle da deficiência visual na infância é essencial que haja capacitação de profissionais para atuarem na promoção da saúde ocular e atenção primária em saúde, que inclui os programas para avaliação da acuidade visual e identificação de crianças com significativos erros de refração. Para Montilha et al. (2006) os profissionais que atuam na reabilitação e educação de indivíduos deficientes visuais necessitam deter conhecimentos sobre as limitações desses indivíduos bem como sobre o sistema de ensino e reabilitação vigentes. Condição essa também defendida por Rabello, Motti e Gasparetto (2007; p. 283) A inclusão da criança cega na escola regular deve ser tratada como um processo, no qual pais e familiares envolvidos no ambiente doméstico, gradualmente passem a ser parceiros no ambiente escolar. Decorrente dessa situação e do contexto envolvido há necessidade de professores que detenham esse conhecimento e que sejam empenhados e interessados em compreender as necessidades específicas das crianças com deficiência visual, em qualquer grau. Dessa forma, pais, professores e toda a comunidade escolar necessitam do apoio de especialistas. O trabalho educacional a ser realizado deve ser antecedido por avaliação abrangente, que permita conhecer os modos de interação da criança cega, sua
  • 9. 77 comunicação, a qualidade das experiências anteriores e seus pensamentos [...] Santos et al. (2011), em seu estudo clínico e comparativo realizado com 30 crianças inseridas em escola regular, sendo 15 escolares com deficiência visual, e 15 delas com visão normal, verificaram que as crianças com deficiência visual mostraram desempenho desfavorável em relação as com visão normal, tanto na avaliação audiológica básica e na bateria de testes do Processamento Auditivo quanto no maior número de repetências e dificuldades no aprendizado da leitura e escrita. Dessa forma, fica evidente a importância da avaliação, tanto do processo de ensino-aprendizagem quanto das limitações físicas do aluno com deficiência visual, para que seja possível diagnosticar as limitações e as possibilidades educacionais do aluno, buscando assim promover uma educação inclusiva de qualidade que respeite as peculiaridades de cada indivíduo. CONCLUSÃO O presente estudo possibilitou a caracterização da produção científica acerca da Educação especial da pessoa com deficiência visual em periódicos online, no período de 2004 a 2011. A análise integrativa das publicações selecionadas permitiu identificar dificuldades na promoção de uma escola inclusiva, entre elas: o preconceito e a falta de conhecimento sobre a deficiência visual; a carência de recursos didáticos e de metodologias adequadas a esse público; e a ausência ou má formação docente para lidar com alunos deficientes visuais. Constatou-se ainda, que a produção acerca da temática em questão, ainda é incipiente, sendo importante e necessária maior investigação do assunto, pois é por meio da pesquisa científica que será possível construir um leque de conhecimentos consistentes e necessários para ampliar as intervenções a respeito da educação especial das pessoas com deficiência visual. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BATISTA, C.G.; CARDOSO, L.M.; SANTOS, M.R.A. Procurando “botões” de desenvolvimento: avaliação de crianças com deficiência e acentuadas dificuldades de aprendizagem. Estudos de Psicologia. v.11, n.3, p. 297-305. 2006. BATISTA, C.G.; NUNES, S.S.; HORINO, L.E. Avaliação assistida de habilidades cognitivas em crianças com deficiência visual e com dificuldades de aprendizagem. Psicologia: Reflexão e Crítica. V.17, n. 3, p.381-393. 2004. BRASIL, Ministério do Trabalho e Emprego. A inclusão de pessoas com deficiência no mercado de trabalho. 2. ed. Brasília: MTE, SIT, 2007. CAMARGO, E.P.; NARDI, R. Ensino de conceitos físicos de termologia para alunos com deficiência visual: dificuldades e alternativas encontradas por licenciandos para o planejamento de atividades. Rev. Bras. Ed. Esp. Marília, v.12, n.2, p.149-168, mai.-ago. 2006. ________. O emprego de linguagens acessíveis para alunos com deficiência visual em aulas de óptica. Rev. Bras. Ed. Esp.Marília, v.14, n.3, p.405-426, set.-dez. 2008. COSTA, L.G.; NEVES, M.C.D.; BARONE, D.A.C. O ensino de física para deficientes visuais a partir de uma perspectiva fenomenológica. Ciência e Educação. v. 12, n. 2, p. 143-153. 2006. COSTA, V.B. Inclusão escolar na educação física: reflexões acerca da formação docente. Motriz. Rio Claro, v.16, n.4, p.889-899, out./dez. 2010. DELAPLANE, A.L.; BATISTA, C.G. Ver, não ver e aprender: a participação de crianças com baixa visão e cegueira na escola. Cad. Cedes. Campinas, v. 28, n. 75, p. 209-227, maio/ago. 2008. FALKENBACH, A.P.; LOPES, E.R. Professores de educação física diante da inclusão de alunos com deficiência visual. Pensar a Prática. Goiânia, v.13, n. 3, p. 1-18, set./dez. 2010.
  • 10. 78 GASPARETTO, M.E.R.F. et al. Dificuldade visual em escolares: conhecimentos e ações de professores do ensino fundamental que atuam com alunos que apresentam visão subnormal. Arq. Bras. Oftalmol. v. 67, p. 65-71. 2004. HUEARA, L. et al. O faz-de-conta em crianças com deficiência visual: Identificando Habilidades. Rev. Bras. Ed. Esp. Marília, v.12, n.3, p.351-368, set.-dez. 2006. IBGE. Censo Demográfico 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2011. KASTRUP, V. et al. O aprendizado da utilização da substituição sensorial visuo-tátil por pessoas com deficiência visual: primeiras experiências e estratégias metodológicas. Psicologia & Sociedade, v. 21, n. 2, p. 256-265. 2009. MARUYAMA, A.T.; SAMPAIO, P.R.S.; REHDER, J.R.L . Percepção dos professores da rede regular de ensino sobre os problemas visuais e a inclusão de alunos com baixa visão. Rev. Bras. Oftalmol. v. 68, n.2, p. 73-5. 2009. MENDES, K. D. S. ; SILVEIRA, R. C. C. P.; GALVÃO, C. M. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem integrative literature. Texto & Contexto Enferm. Florianópolis, v. 17, n. 4, p. 758-764,out.-dez. 2008. MONTILHA, R.C.L. et al. Utilização de recursos ópticos e equipamentos por escolares com deficiência visual. Arq. Bras. Oftalmol. v. 69, n.2, p. 207-11. 2006. ________. Percepções de escolares com deficiência visual em relação ao seu processo de escolarização. Paideia. v. 19, n. 44, p. 333-339. 2009. MOREIRA, L.C.; BOLSANELLO, M.A.; SEGER, R.G. Ingresso e permanência na Universidade: alunos com deficiências em foco. Educar em Revista. Curitiba, n. 41, p. 125-143, jul./set. 2011. NUERNBERG, A.H. Contribuições de Vigotski para a educação de pessoas com deficiência visual. Psicologia em Estudo. Maringá, v. 13, n. 2, p.307-316, abr./jun. 2008. NUNES, S.; LOMÔNACO, J.F.B. O aluno cego preconceitos e potencialidades. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional. São Paulo, v.14, n.1, p. 55-64, jan/Jun. 2010. RABELLO, S.; MOTTI, T.F.G.; GASPARETTO, E.R.F. Avaliação educacional por meio do teste IAR em escolares com cegueira. Rev. Bras. Ed. Esp. Marília, v.13, n.2, p.281-290, mai.-ago. 2007. REIS, M.X.; EUFRÁSIO, D.A.; BAZON, F.V.M. Formação do professor para o ensino superior: prática docente com alunos com deficiência visual. Educação em Revista. Belo Horizonte, v.2, n.01, p.111-130, abr. 2010. ROCHA, M.M.; ALMEIDA, M.A. Ensino itinerante para deficientes visuais: um estudo exploratório. Rev. Bras. Ed. Esp.Marília, , v.14, n.2, p.201-216, mai.-ago. 2008. SANTOS, E.; et al. Estudo da audição em crianças portadoras de deficiência visual. Rev. CEFAC. V. 13, N.3, P. 460-471, mai-jun. 2011. SOUZA, C.M.L.; BATISTA, C.G. Interação entre Crianças com Necessidades Especiais em Contexto Lúdico: Possibilidades de Desenvolvimento. Psicologia: Reflexão e Crítica. v. 21, n.3, p. 383-391.2008. WATAYA, R.S. O uso de leitores de tela no Teleduc. Interface - Comunic., Saúde, Educ. Interface - Comunic., Saúde, Educ., v.10, n.19, p.227-42, jan/jun. 2006. _____________________________________ 1-Fisioterapeuta. Enfermeira. Mestra em Ciências da Saúde. Professora do Magistério Superior da Universidade Federal do Amapá, colegiado de Fisioterapia. 2-Pedagoga. Especialista em Educação Especial e Inclusiva. Governo do Estado do Amapá (GEA)-Secretaria de Estado da Educação (SEED)
  • 11. 79