SlideShare uma empresa Scribd logo
LPP computron.pptx
Lesão por Pressão
Prevenção cuidado que dá
certo
Lesão por Pressão
Lesão por Pressão
Introdução
• Problem
a
prejuízo
de saúde pública (morbimortalidade,
da qualidade de vida, constitui
insustentável sobrecarga econômica
para os serviços de saúde
(COSTA, 2010; ROCHA, MIRANDA
E ANDRADE, 2006)
• Evitável em 95%
Declaração do RJ, 2011
Lesão por Pressão
Dano na pele e/ou tecidos subjacentes,
geralmente sobre uma proeminência óssea ou
relacionada ao uso de dispositivo médico ou
a outro artefato, em
pressão,
em
intensa/não e ou
combinação com o
resultado da
prolongada/não
cisalhamento.
A tolerância do tecido dependerá de fatores
nutricionais, perfusão, microclima, comorbidades.
(NPUAP, 2016)
Lesão por Pressão
Etiopatogenia
Terminação
venosa
Terminação arterial
Pressão capilar em condições normais
10 a 14mmHg 30 a 40mmHg
EXPOSIÇÃO AOS FATORES
CONTRIBUINTES PARA
DESENVOLVIMENTODA LP
Oclusão dos
capilares
Interrupção do fluxo
sg
Isquemia – acidose
tissular – acúmulo de
resíduos - edema
Piora da perfusão
PRESSÃO
LP
Hipóxia tecidual (-) de nutrientes
Classificação da Lesão por
Pressão
Estágio 1: Pele integra -
Eritema não branqueável
ao toque digital.
Em pele de pigmentação
escura(dolorido,
intumescido
/amolecido, quente/ frio).
(NPUAP, 2016)
https://www.slideshare.net/Proqualis/aul
a- preveno-de-leso-por-presso-lp
Classificação da Lesão por
Pressão
Estágio 2: Perda da pele
em sua espessura
parcial - Coloração rosa/
vermelha, sem tecido
desvitalizado.
Pode ser bolha intacta
(exs. seroso) ou rompida.
(NPUAP, 2016)
Imagem: arquivo da autora
Imagem: arquivo da
autora
Classificação da Lesão por Pressão
Estágio 3: Perda da
pele em
tecido
sua espessura total–
adiposo visível
,
granulação.
Pode haver tecido
desvitalizado,
descolamento, túneis,
epibolia.
(NPUAP, 2016)
Imagem: arquivo da
autora
Classificação da Lesão por
Pressão Estágio 4: Perda da pele em
perda
sua espessura total e
tissular –
Exposição/palpação da
fáscia, músculo, tendão, ligamento,
cartilagem ou osso (osteomielite).
T
ecido desvitalizado
(úmido) ou necrose (seco),
epíbole, deslocamentos.
(NPUAP, 2016)
Imagem: arquivo da autora
Classificação da Lesão por Pressão
Não Classificável ou não
Perd
a
Estadiável:
espessura
da
total da pele/
perda tissular não é visível
-
coberta por
desvitalizado
tecido
(amarelo
,
acastanhado, cinzento,
verde ou castanho) ou
necrótico (amarelo escuro,
castanho ou preto).
Escara estável calcâneo
não deve ser removida.
(NPUAP, 2016)
Imagem: arquivo da
autora
Classificação da Lesão por Pressão
Lesão por Pressão
Tissular Profunda:
Pele
de
integra/não, com área
descoloração vermelha
escura, marrom ou púrpura
que não embranquece.
Separação epidérmica de leito
escurecido ou bolha com
exsudato sanguinolento.
A descoloração diferente em
pessoas com pele de
tonalidade mais escura.
(NPUAP, 2016)
Imagem: arquivo da
autora
Classificação da Lesão por Pressão
Lesão por Pressão Relacionada a Dispositivo
Médico -
lesão com padrão ou forma do dispositivo.
Lesão por Pressão em Membranas Mucosas - lesão
em membranas mucosas com histórico de uso de
dispositivos médicos no local do dano.
(NPUAP, 2016)
Locais comuns
PREVENIR É O MELHOR
CUIDADO
Como Prevenir
AVALIAÇÃO DOS RISCOS AVALIAÇÃO DA
PELE APORTE NUTRICIONAL
REPOSICIONAMENTO SUPORTE DE
SUPERFICIE
• Estabelecer uma política...
• Capacitar os profissionais
sobre...
de saúde
• Documentar...
• Desenvolver e implementar um plano de
prevenção...
NPUAP e EPUAP,
2014
Fatores de risco
AVALIAÇÃO
DOS R
ISC
OS
• Na admissão do
doente usar
uma avaliação de
risco
estruturada e repeti-la
re
gularmente
conform
e
necessidade. Reavaliar
mediant
e alteração
quadro.
INTRINSECOS EXTRINSECOS
Tolerância tecidual Umidade
Alteração cutânea Pressão
Déficit nutricional Fricção
Hipotensão Cisalhamento
Idade
Mobilidade reduzida
Sensibilidade reduzida
Peso corpóreo
Drogas
Diminuição do nível de
consciência
Dor
Como Prevenir
AVALIAÇÃO DOS RISCOS
• Utilizar uma abordagem estruturada para
identificação na admissão/avaliação do doente e
repeti-la regularmente conforme necessidade.
• Reavaliar mediante alteração quadro.
NPUAP e EPUAP,
2014
Avaliação
Estruturada-
Escala de
Braden
(NPUAP, 2016)
Como Prevenir
AVALIAÇÃO DA PELE
• Inspecionar regularmente procurando zonas de rubor.
• Avaliação calor localizado, edema, tumefação,
rigidez.
• Pedir a colaboração da pessoa na identificação de
áreas
de desconforto ou dor por pressão.
• Vigiar a pele com dispositivos médicos. (cateteres,
tubos, cânulas...)
Atentar para os pontos de pressão
Como Prevenir
NPUAP e EPUAP,
2014
CUIDADOS COM A PELE
• Não massagear ou esfregar vigorosamente a pele em
risco e ou em proeminências e ou áreas hiperemiadas.
• Proteger a pele da umidade (drenos, exsudação, linfa, suor,
fraldas, absorventes, comadres e papagaios...).
• Conter a umidade, limpar pele com água morna e sabão com Ph
equilibrado.
• Hidratar a pele após banho.
• Utilizar barreiras protetoras nas proeminências ou outros
curativos.
Como Prevenir
APORTE NUTRICIONAL
• Rastrear e avaliar o estado nutricional.
• Referenciar todas as pessoas em risco
nutricional e de desenvolvimento de lesão por
pressão para o nutricionista.
• Comunicar: edema, perda de peso,
disfagia,
inapetência, desidratação...
• Comunicar a necessidade de avaliação para
possível suporte nutricional (suplemento VO/
sondagem)
Como Prevenir
NPUAP e EPUAP,
2014
REPOSICIONAMENTO
•Estabelecer um plano com
frequência alternância.
e duração
• A frequência da mudançade decúbito dependerá das
características do paciente.
• Aliviar pressão (drenos, tubos, sondas, proeminências...).
• Não posicionar em hiperemia não reativa.
Como Prevenir
NPUAP e EPUAP,
2014
REPOSICIONAMENTO
• Aliviar e redistribuir a pressão.
• Inclinar a pessoa num ângulo 30º para lateral (DLD e
DLE)..
Como Prevenir
NPUAP e EPUAP,
2014
REPOSICIONAMENTO
• Usar ajuda de transferência(lençol móvel) para evitar
a fricção e cisalhamento, levante a pessoa, não o
arraste.
NPUAP e EPUAP,
2014
Como Prevenir
REPOSICIONAMENTO
• Limitar posição da cabeceira elevada.
• Inclinar no máximo 30º na posição de semi-
Fowler.
Como Prevenir
NPUAP e EPUAP,
2014
SUPORTE SUPERFICIE
• Manter joelho leve flexão.
• Manter almofada em cadeira.
• Utilizar superfície de redistribuição de
pressão.
• Avaliar a vida util.
Como Prevenir
NPUAP e EPUAP,
2014
SUPORTE SUPERFICIE
• Usar superfícies de apoio nos calcâneos
• Elevar completamente calcâneos,
mantendo-os livres.
• Distribuir o peso da perna ao longo da sua
parte posterior sem pressão no tendão de
Aquiles
Como Prevenir
NPUAP e EPUAP,
2014
REPOSICIONAMENTO PESSOA SENTADA
• Escolher uma posição tolerada pela pessoa.
• Evitar pressão região sacro coccígea ao sentar.
• Manter os pés apoiados
• Alivio da pressão a cada tempo (15`).
• Limitar o tempo sentado.
• Manter almofada em cadeira.
Como Prevenir
NPUAP e EPUAP,
2014
SUPORTE SUPERFICIE
• Evitar o uso de dispositivos recortados em forma
de
anel ou “donut”.
• Não utilizar luvas cheias de água.
Referências
Protocolo de Prevençãode Ulcera por Pressão.
Albert Einstein, junho de 2010.
Protocolo de Prevenção e Tratamento de Feridas.
Prefeitura São Paulo, 2010.
Fundamentos de Enfermagem. Potter, 2005.
ABORDAGEM TERAPÊUTICA DAS
ÚLCERAS DE PRESSÃO -
Intervenções baseadas na evidência Acta Med Port
2006; 19: 29-38
European Pressure Ulcer Advisory Panel and National
Pressure Ulcer Advisory Panel. Prevention and
treatment of pressure ulcers: quick reference guide.
Washington DC: National Pressure Ulcer Advisory
Panel; 2014.
Lesão por
Pressão
Reposicionamento: um cuidado que não deixa marca
OBRIGADA!
olacilene@gmail.com
SOUZA, 2012
Perguntas e
respostas

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a LPP computron.pptx

Protocolo para Prevenção de Úlcera por Pressão
Protocolo para Prevenção de Úlcera por Pressão Protocolo para Prevenção de Úlcera por Pressão
Protocolo para Prevenção de Úlcera por Pressão
Socorro Carneiro
 
Protoc ulcera pressao
Protoc ulcera pressaoProtoc ulcera pressao
Protoc ulcera pressao
FlaviaMota33
 
Prevenção de queda
Prevenção de  quedaPrevenção de  queda
Prevenção de queda
Socorro Carneiro
 
Protocolo ulcera por pressão
Protocolo ulcera por pressãoProtocolo ulcera por pressão
Protocolo ulcera por pressão
Thaís Braga
 
Protocolo ulcera por pressão
Protocolo ulcera por pressãoProtocolo ulcera por pressão
Protocolo ulcera por pressão
Thaís Braga
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Proqualis
 
Fast hug para hupd
Fast hug para hupdFast hug para hupd
Fast hug para hupd
Yuri Assis
 
Aula Unidade 2 - Mecanismos para Prevencao de Queda dos Pacientes.pdf
Aula Unidade 2 - Mecanismos para Prevencao de Queda dos Pacientes.pdfAula Unidade 2 - Mecanismos para Prevencao de Queda dos Pacientes.pdf
Aula Unidade 2 - Mecanismos para Prevencao de Queda dos Pacientes.pdf
WanessaMaia3
 
Caderno de Enfermagem em Ortopedia 2009
Caderno de Enfermagem em Ortopedia 2009Caderno de Enfermagem em Ortopedia 2009
Caderno de Enfermagem em Ortopedia 2009
Letícia Spina Tapia
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
HIAGO SANTOS
 
segurança do paciente
segurança do paciente segurança do paciente
segurança do paciente
matheuspacheco43
 
Assistência ao paciente cardíaco POI
Assistência ao paciente cardíaco POIAssistência ao paciente cardíaco POI
Assistência ao paciente cardíaco POI
Raquelzinha Vales
 
Tromboembolismo venoso
Tromboembolismo venosoTromboembolismo venoso
Tromboembolismo venoso
CarlosAlberto803554
 
Fisioterapia_nos_cuidados_paliativos.pdf
Fisioterapia_nos_cuidados_paliativos.pdfFisioterapia_nos_cuidados_paliativos.pdf
Fisioterapia_nos_cuidados_paliativos.pdf
GustavoArouche1
 
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e PâncreasAssistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Bruno Cavalcante Costa
 
Catarina cirurgia
Catarina cirurgiaCatarina cirurgia
Catarina cirurgia
Regis Valentim
 
Cópia de Bucomaxilo Maycon.pptx
Cópia de Bucomaxilo Maycon.pptxCópia de Bucomaxilo Maycon.pptx
Cópia de Bucomaxilo Maycon.pptx
Maycon Duarte
 
Miastenia Grave
Miastenia GraveMiastenia Grave
Miastenia Grave
Julio Cesar Matias
 
Administrar terapeutica em_cuidados_paliativos
Administrar terapeutica em_cuidados_paliativosAdministrar terapeutica em_cuidados_paliativos
Administrar terapeutica em_cuidados_paliativos
nokas2009
 
ORTOPEDIA.pptx
ORTOPEDIA.pptxORTOPEDIA.pptx
ORTOPEDIA.pptx
luana352083
 

Semelhante a LPP computron.pptx (20)

Protocolo para Prevenção de Úlcera por Pressão
Protocolo para Prevenção de Úlcera por Pressão Protocolo para Prevenção de Úlcera por Pressão
Protocolo para Prevenção de Úlcera por Pressão
 
Protoc ulcera pressao
Protoc ulcera pressaoProtoc ulcera pressao
Protoc ulcera pressao
 
Prevenção de queda
Prevenção de  quedaPrevenção de  queda
Prevenção de queda
 
Protocolo ulcera por pressão
Protocolo ulcera por pressãoProtocolo ulcera por pressão
Protocolo ulcera por pressão
 
Protocolo ulcera por pressão
Protocolo ulcera por pressãoProtocolo ulcera por pressão
Protocolo ulcera por pressão
 
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
Aula prevenção de lesão por pressão (LP)
 
Fast hug para hupd
Fast hug para hupdFast hug para hupd
Fast hug para hupd
 
Aula Unidade 2 - Mecanismos para Prevencao de Queda dos Pacientes.pdf
Aula Unidade 2 - Mecanismos para Prevencao de Queda dos Pacientes.pdfAula Unidade 2 - Mecanismos para Prevencao de Queda dos Pacientes.pdf
Aula Unidade 2 - Mecanismos para Prevencao de Queda dos Pacientes.pdf
 
Caderno de Enfermagem em Ortopedia 2009
Caderno de Enfermagem em Ortopedia 2009Caderno de Enfermagem em Ortopedia 2009
Caderno de Enfermagem em Ortopedia 2009
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
segurança do paciente
segurança do paciente segurança do paciente
segurança do paciente
 
Assistência ao paciente cardíaco POI
Assistência ao paciente cardíaco POIAssistência ao paciente cardíaco POI
Assistência ao paciente cardíaco POI
 
Tromboembolismo venoso
Tromboembolismo venosoTromboembolismo venoso
Tromboembolismo venoso
 
Fisioterapia_nos_cuidados_paliativos.pdf
Fisioterapia_nos_cuidados_paliativos.pdfFisioterapia_nos_cuidados_paliativos.pdf
Fisioterapia_nos_cuidados_paliativos.pdf
 
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e PâncreasAssistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
Assistência de Enfermagem em Cirurgias via Biliares e Pâncreas
 
Catarina cirurgia
Catarina cirurgiaCatarina cirurgia
Catarina cirurgia
 
Cópia de Bucomaxilo Maycon.pptx
Cópia de Bucomaxilo Maycon.pptxCópia de Bucomaxilo Maycon.pptx
Cópia de Bucomaxilo Maycon.pptx
 
Miastenia Grave
Miastenia GraveMiastenia Grave
Miastenia Grave
 
Administrar terapeutica em_cuidados_paliativos
Administrar terapeutica em_cuidados_paliativosAdministrar terapeutica em_cuidados_paliativos
Administrar terapeutica em_cuidados_paliativos
 
ORTOPEDIA.pptx
ORTOPEDIA.pptxORTOPEDIA.pptx
ORTOPEDIA.pptx
 

Mais de enfermeiraelainnechr

UTI.pptx
UTI.pptxUTI.pptx
DOENÇAS RESPIRATORIAS.pptx
DOENÇAS RESPIRATORIAS.pptxDOENÇAS RESPIRATORIAS.pptx
DOENÇAS RESPIRATORIAS.pptx
enfermeiraelainnechr
 
Tipos de Curativos (1).pptx
Tipos de Curativos (1).pptxTipos de Curativos (1).pptx
Tipos de Curativos (1).pptx
enfermeiraelainnechr
 
ant hipertensivos.pptx
ant hipertensivos.pptxant hipertensivos.pptx
ant hipertensivos.pptx
enfermeiraelainnechr
 
atiarritimicos.pptx
atiarritimicos.pptxatiarritimicos.pptx
atiarritimicos.pptx
enfermeiraelainnechr
 
Fentanila-3.pptx
Fentanila-3.pptxFentanila-3.pptx
Fentanila-3.pptx
enfermeiraelainnechr
 
apresentação estudo de caso LUZA.pptx
apresentação estudo de caso LUZA.pptxapresentação estudo de caso LUZA.pptx
apresentação estudo de caso LUZA.pptx
enfermeiraelainnechr
 
aula-09.pdf
aula-09.pdfaula-09.pdf
Aula_nervoso.pptx
Aula_nervoso.pptxAula_nervoso.pptx
Aula_nervoso.pptx
enfermeiraelainnechr
 
Microbiologia UNOPAR.pptx
Microbiologia UNOPAR.pptxMicrobiologia UNOPAR.pptx
Microbiologia UNOPAR.pptx
enfermeiraelainnechr
 
TOC.pptx
TOC.pptxTOC.pptx
Depressão.pptx
Depressão.pptxDepressão.pptx
Depressão.pptx
enfermeiraelainnechr
 
sindrome do PANICO.pptx
sindrome do PANICO.pptxsindrome do PANICO.pptx
sindrome do PANICO.pptx
enfermeiraelainnechr
 
enfermagem do trabalho.pptx
enfermagem do trabalho.pptxenfermagem do trabalho.pptx
enfermagem do trabalho.pptx
enfermeiraelainnechr
 
fisiologia computron.pptx
fisiologia computron.pptxfisiologia computron.pptx
fisiologia computron.pptx
enfermeiraelainnechr
 
Apresentação de Esquizofrenia.pptx
Apresentação de  Esquizofrenia.pptxApresentação de  Esquizofrenia.pptx
Apresentação de Esquizofrenia.pptx
enfermeiraelainnechr
 
AP1.pptx
AP1.pptxAP1.pptx
Transtorno bipolar.pptx
Transtorno bipolar.pptxTranstorno bipolar.pptx
Transtorno bipolar.pptx
enfermeiraelainnechr
 

Mais de enfermeiraelainnechr (18)

UTI.pptx
UTI.pptxUTI.pptx
UTI.pptx
 
DOENÇAS RESPIRATORIAS.pptx
DOENÇAS RESPIRATORIAS.pptxDOENÇAS RESPIRATORIAS.pptx
DOENÇAS RESPIRATORIAS.pptx
 
Tipos de Curativos (1).pptx
Tipos de Curativos (1).pptxTipos de Curativos (1).pptx
Tipos de Curativos (1).pptx
 
ant hipertensivos.pptx
ant hipertensivos.pptxant hipertensivos.pptx
ant hipertensivos.pptx
 
atiarritimicos.pptx
atiarritimicos.pptxatiarritimicos.pptx
atiarritimicos.pptx
 
Fentanila-3.pptx
Fentanila-3.pptxFentanila-3.pptx
Fentanila-3.pptx
 
apresentação estudo de caso LUZA.pptx
apresentação estudo de caso LUZA.pptxapresentação estudo de caso LUZA.pptx
apresentação estudo de caso LUZA.pptx
 
aula-09.pdf
aula-09.pdfaula-09.pdf
aula-09.pdf
 
Aula_nervoso.pptx
Aula_nervoso.pptxAula_nervoso.pptx
Aula_nervoso.pptx
 
Microbiologia UNOPAR.pptx
Microbiologia UNOPAR.pptxMicrobiologia UNOPAR.pptx
Microbiologia UNOPAR.pptx
 
TOC.pptx
TOC.pptxTOC.pptx
TOC.pptx
 
Depressão.pptx
Depressão.pptxDepressão.pptx
Depressão.pptx
 
sindrome do PANICO.pptx
sindrome do PANICO.pptxsindrome do PANICO.pptx
sindrome do PANICO.pptx
 
enfermagem do trabalho.pptx
enfermagem do trabalho.pptxenfermagem do trabalho.pptx
enfermagem do trabalho.pptx
 
fisiologia computron.pptx
fisiologia computron.pptxfisiologia computron.pptx
fisiologia computron.pptx
 
Apresentação de Esquizofrenia.pptx
Apresentação de  Esquizofrenia.pptxApresentação de  Esquizofrenia.pptx
Apresentação de Esquizofrenia.pptx
 
AP1.pptx
AP1.pptxAP1.pptx
AP1.pptx
 
Transtorno bipolar.pptx
Transtorno bipolar.pptxTranstorno bipolar.pptx
Transtorno bipolar.pptx
 

LPP computron.pptx

  • 2. Lesão por Pressão Prevenção cuidado que dá certo
  • 4. Lesão por Pressão Introdução • Problem a prejuízo de saúde pública (morbimortalidade, da qualidade de vida, constitui insustentável sobrecarga econômica para os serviços de saúde (COSTA, 2010; ROCHA, MIRANDA E ANDRADE, 2006) • Evitável em 95% Declaração do RJ, 2011
  • 5. Lesão por Pressão Dano na pele e/ou tecidos subjacentes, geralmente sobre uma proeminência óssea ou relacionada ao uso de dispositivo médico ou a outro artefato, em pressão, em intensa/não e ou combinação com o resultado da prolongada/não cisalhamento. A tolerância do tecido dependerá de fatores nutricionais, perfusão, microclima, comorbidades. (NPUAP, 2016)
  • 7. Terminação venosa Terminação arterial Pressão capilar em condições normais 10 a 14mmHg 30 a 40mmHg EXPOSIÇÃO AOS FATORES CONTRIBUINTES PARA DESENVOLVIMENTODA LP Oclusão dos capilares Interrupção do fluxo sg Isquemia – acidose tissular – acúmulo de resíduos - edema Piora da perfusão PRESSÃO LP Hipóxia tecidual (-) de nutrientes
  • 8. Classificação da Lesão por Pressão Estágio 1: Pele integra - Eritema não branqueável ao toque digital. Em pele de pigmentação escura(dolorido, intumescido /amolecido, quente/ frio). (NPUAP, 2016) https://www.slideshare.net/Proqualis/aul a- preveno-de-leso-por-presso-lp
  • 9. Classificação da Lesão por Pressão Estágio 2: Perda da pele em sua espessura parcial - Coloração rosa/ vermelha, sem tecido desvitalizado. Pode ser bolha intacta (exs. seroso) ou rompida. (NPUAP, 2016) Imagem: arquivo da autora Imagem: arquivo da autora
  • 10. Classificação da Lesão por Pressão Estágio 3: Perda da pele em tecido sua espessura total– adiposo visível , granulação. Pode haver tecido desvitalizado, descolamento, túneis, epibolia. (NPUAP, 2016) Imagem: arquivo da autora
  • 11. Classificação da Lesão por Pressão Estágio 4: Perda da pele em perda sua espessura total e tissular – Exposição/palpação da fáscia, músculo, tendão, ligamento, cartilagem ou osso (osteomielite). T ecido desvitalizado (úmido) ou necrose (seco), epíbole, deslocamentos. (NPUAP, 2016) Imagem: arquivo da autora
  • 12. Classificação da Lesão por Pressão Não Classificável ou não Perd a Estadiável: espessura da total da pele/ perda tissular não é visível - coberta por desvitalizado tecido (amarelo , acastanhado, cinzento, verde ou castanho) ou necrótico (amarelo escuro, castanho ou preto). Escara estável calcâneo não deve ser removida. (NPUAP, 2016) Imagem: arquivo da autora
  • 13. Classificação da Lesão por Pressão Lesão por Pressão Tissular Profunda: Pele de integra/não, com área descoloração vermelha escura, marrom ou púrpura que não embranquece. Separação epidérmica de leito escurecido ou bolha com exsudato sanguinolento. A descoloração diferente em pessoas com pele de tonalidade mais escura. (NPUAP, 2016) Imagem: arquivo da autora
  • 14. Classificação da Lesão por Pressão Lesão por Pressão Relacionada a Dispositivo Médico - lesão com padrão ou forma do dispositivo. Lesão por Pressão em Membranas Mucosas - lesão em membranas mucosas com histórico de uso de dispositivos médicos no local do dano. (NPUAP, 2016)
  • 16. PREVENIR É O MELHOR CUIDADO
  • 17. Como Prevenir AVALIAÇÃO DOS RISCOS AVALIAÇÃO DA PELE APORTE NUTRICIONAL REPOSICIONAMENTO SUPORTE DE SUPERFICIE • Estabelecer uma política... • Capacitar os profissionais sobre... de saúde • Documentar... • Desenvolver e implementar um plano de prevenção... NPUAP e EPUAP, 2014
  • 18. Fatores de risco AVALIAÇÃO DOS R ISC OS • Na admissão do doente usar uma avaliação de risco estruturada e repeti-la re gularmente conform e necessidade. Reavaliar mediant e alteração quadro. INTRINSECOS EXTRINSECOS Tolerância tecidual Umidade Alteração cutânea Pressão Déficit nutricional Fricção Hipotensão Cisalhamento Idade Mobilidade reduzida Sensibilidade reduzida Peso corpóreo Drogas Diminuição do nível de consciência Dor
  • 19. Como Prevenir AVALIAÇÃO DOS RISCOS • Utilizar uma abordagem estruturada para identificação na admissão/avaliação do doente e repeti-la regularmente conforme necessidade. • Reavaliar mediante alteração quadro. NPUAP e EPUAP, 2014
  • 21. Como Prevenir AVALIAÇÃO DA PELE • Inspecionar regularmente procurando zonas de rubor. • Avaliação calor localizado, edema, tumefação, rigidez. • Pedir a colaboração da pessoa na identificação de áreas de desconforto ou dor por pressão. • Vigiar a pele com dispositivos médicos. (cateteres, tubos, cânulas...)
  • 22. Atentar para os pontos de pressão
  • 23. Como Prevenir NPUAP e EPUAP, 2014 CUIDADOS COM A PELE • Não massagear ou esfregar vigorosamente a pele em risco e ou em proeminências e ou áreas hiperemiadas. • Proteger a pele da umidade (drenos, exsudação, linfa, suor, fraldas, absorventes, comadres e papagaios...). • Conter a umidade, limpar pele com água morna e sabão com Ph equilibrado. • Hidratar a pele após banho. • Utilizar barreiras protetoras nas proeminências ou outros curativos.
  • 24. Como Prevenir APORTE NUTRICIONAL • Rastrear e avaliar o estado nutricional. • Referenciar todas as pessoas em risco nutricional e de desenvolvimento de lesão por pressão para o nutricionista. • Comunicar: edema, perda de peso, disfagia, inapetência, desidratação... • Comunicar a necessidade de avaliação para possível suporte nutricional (suplemento VO/ sondagem)
  • 25. Como Prevenir NPUAP e EPUAP, 2014 REPOSICIONAMENTO •Estabelecer um plano com frequência alternância. e duração • A frequência da mudançade decúbito dependerá das características do paciente. • Aliviar pressão (drenos, tubos, sondas, proeminências...). • Não posicionar em hiperemia não reativa.
  • 26. Como Prevenir NPUAP e EPUAP, 2014 REPOSICIONAMENTO • Aliviar e redistribuir a pressão. • Inclinar a pessoa num ângulo 30º para lateral (DLD e DLE)..
  • 27. Como Prevenir NPUAP e EPUAP, 2014 REPOSICIONAMENTO • Usar ajuda de transferência(lençol móvel) para evitar a fricção e cisalhamento, levante a pessoa, não o arraste.
  • 28. NPUAP e EPUAP, 2014 Como Prevenir REPOSICIONAMENTO • Limitar posição da cabeceira elevada. • Inclinar no máximo 30º na posição de semi- Fowler.
  • 29. Como Prevenir NPUAP e EPUAP, 2014 SUPORTE SUPERFICIE • Manter joelho leve flexão. • Manter almofada em cadeira. • Utilizar superfície de redistribuição de pressão. • Avaliar a vida util.
  • 30. Como Prevenir NPUAP e EPUAP, 2014 SUPORTE SUPERFICIE • Usar superfícies de apoio nos calcâneos • Elevar completamente calcâneos, mantendo-os livres. • Distribuir o peso da perna ao longo da sua parte posterior sem pressão no tendão de Aquiles
  • 31. Como Prevenir NPUAP e EPUAP, 2014 REPOSICIONAMENTO PESSOA SENTADA • Escolher uma posição tolerada pela pessoa. • Evitar pressão região sacro coccígea ao sentar. • Manter os pés apoiados • Alivio da pressão a cada tempo (15`). • Limitar o tempo sentado. • Manter almofada em cadeira.
  • 32. Como Prevenir NPUAP e EPUAP, 2014 SUPORTE SUPERFICIE • Evitar o uso de dispositivos recortados em forma de anel ou “donut”. • Não utilizar luvas cheias de água.
  • 33. Referências Protocolo de Prevençãode Ulcera por Pressão. Albert Einstein, junho de 2010. Protocolo de Prevenção e Tratamento de Feridas. Prefeitura São Paulo, 2010. Fundamentos de Enfermagem. Potter, 2005. ABORDAGEM TERAPÊUTICA DAS ÚLCERAS DE PRESSÃO - Intervenções baseadas na evidência Acta Med Port 2006; 19: 29-38 European Pressure Ulcer Advisory Panel and National Pressure Ulcer Advisory Panel. Prevention and treatment of pressure ulcers: quick reference guide. Washington DC: National Pressure Ulcer Advisory Panel; 2014.
  • 34. Lesão por Pressão Reposicionamento: um cuidado que não deixa marca OBRIGADA! olacilene@gmail.com SOUZA, 2012