SlideShare uma empresa Scribd logo
Discentes: Anderson dos Santos
Lennon Kledson
Docente: Brainer
UNIVERSIDADE FEDERAL DE
ALAGOAS
A manga (Mangifera indica Linn.) é uma fruta tipicamente
tropical. Bem adaptada ao solo brasileiro e ao gosto da população.
TAXONOMIA
Reino Plantae
Divisão Magnoliophyta
Classe Magnoliopsida
Ordem Sapindales
Família Anacardiaceae
Género Mangifera
A mangueira - Mangifera indica, L. Dicotyledonae, Família
Anacardiaceae
Foi trazida ao Brasil pelos portugueses, tornando-se uma das
principais frutíferas cultivadas no Nordeste brasileiro
É originária da Ásia, (Índia)
A manga do Brasil tem o mercado interno como a principal
fonte de escoamento da produção.
As nossas exportações de manga
ainda não alcançaram 10% do
volume total produzido no país.
PAISES PRODUTORES % DO TOTAL
Índia 50,20
China 10,40
México 8,91
Paquistão 7,34
Indonésia 6,22
Tailândia 5,41
Brasil 3,17
Filipinas 1,95
Outros 12,4
Mundo 100,00
A produção mundial de manga e de aproximadamente 24 milhões
de toneladas
TABELA 1- Principais países produtores de manga
Países Exportação (t.)
Participação
(%)
Participação
acumulada (%)
México 206.782 33,83 -
Brasil 67.172 10,99 44,82
Paquistão 48.453 7,93 52,75
Filipinas 40.031 6,55 59,30
Índia 37.110 6,07 65,37
Holanda 34.477 5,64 71,01
Equador 25.502 4,17 75,18
Peru 21.070 3,45 78,63
Bélgica 13.965 2,28 80,91
Guatemala 12.948 2,12 83,03
África do sul 12.341 2,02 85,05
Outros 91.383 14,95 100,00
Mundo 611.234 100,00 -
TABELA 2. Principais países exportadores de manga no mundo em 2000.
Fonte: FAO, 2002 (dados básicos).
ESTADOS PRODUTORES % DO TOTAL
São Paulo 40,52
Minas Gerais 11,85
Bahia 8,86
Pernambuco 6,62
Piauí 6,59
Rio Grande do Norte 4,58
Ceará 4,33
Paraíba 3,52
Alagoas 2,10
Mundo 100,00
TABELA 3 –Principais Estados Produtores de Manga, A.E.B. (1994).
Causada pelo fungo Colletotrichum gloeosporioide.
Antracnose Glomerella cingulata
Nas folhas novas, a doença causa numerosas e pequenas manchas
salientes, arredondadas ou irregulares, de tamanho variável e
coloração marrom.
Sintomas:
Que podem evoluir para um secamento
descendente, da ponta para a base,
causando desfolha do ramo.
Na raque da inflorescência e
suas ramificações, aparecem
pequenas manchas de coloração
marrom-escura, profundas e
secas, alongadas no sentido
longitudinal, destruindo grande
número de flores.
Em inflorescências, surgem
pontuações escuras que se tornam
alongadas e profundas,
provocando a morte de flores e
queda de frutos jovens.
Sintomas:
Quando a infecção é em frutos, o patógeno pode permanecer
quiescente e os sintomas surgirem durante o amadurecimento
em pós-colheita.
Durante o amadurecimento,
manchas marrom-escuras a
pretas, geralmente arredondadas e
levemente deprimidas podem se
desenvolver em qualquer parte do
fruto.
Com a evolução dos sintomas, as
manchas se tornam maiores e mais
deprimidas, com pequenas
rachaduras em certos casos,
levando ao apodrecimento do fruto.
Sintomas:
Etiologia
Glomerella cingulata
subdivisão
Ascomycotina
Colletotrichum
gloeosporioides
Ordem Melanconiales Família Melanconiaceae.
Antracnose e Morte Descendente da Mangueira
Antracnose e Morte Descendente da Mangueira
Produzidos durante todo o ano em lesões novas ou velhas de
folhas, ramos verdes ou secos, inflorescências mumificadas e
nas raques desenvolvidas;
Disseminação dos conídios pode ocorrem pela ação da água ou
da irrigação por aspersão.
Temperaturas
de 10 a 30 ºC
Umidade
Relativa acima
de 95%
Maior produção de
conídios
Menor Viabilidade dos
Esporos
Períodos Úmidos
Seguidos de
Períodos Secos
Ocorrência de epidemias
Longos Períodos
de chuva
Ativo Crescimento
e florescimento
Controle
CULTURAL
Maior espaçamento favorecendo a ventilação e
insolação das plantas.
Podas leves abrindo a copa para penetração dos
raios solares.
Podas de limpeza reduzindo as fontes de inóculo e
instalação dos pomares em regiões mais secas.
Controle
QUÍMICO
Fungicidas orgânicos zineb, maneb e captan, em
pulverizações semanais durante o florescimento.
Cúpricos nas pulverizações pós-florescimento.
Fungicidas Sistêmicos e de contato
Controle
Tabela 4. Produtos registrados para o controle químico de
Antracnose.
Nos pomares cujos frutos se destinam à exportação, é
recomendável fazer-se duas pulverizações com benomyl a
0,03% ou prochloraz a 0,045%, iniciadas 15 dias antes e nas
vésperas do início da colheita.
Tratamento pós-colheita consiste na imersão dos frutos em
uma solução fungicida a 55 ºC durante 5 minutos
Controle
Morte Descendente - Physalospora rhodina (Berk & Curt.)
Cooke (Botryodiplodia theobromae Pat)
Morte Descendente - Physalospora rhodina (Berk & Curt.)
Cooke (Botryodiplodia theobromae Pat)
Morte Descendente
da Magueira
Áreas Irrigadas do
Nordeste Brasileiro
Disseminando
Regiões Produtoras
Brasileiras
ÁfricaÁsiaAmérica
Central
Sintomas
Inicialmente, é observada, próximo a
extremidade do ramo novo, a
formação de lesão escura e seca.
Progride da casca para o
lenho, às vezes com
exudação de goma de
coloração marrom na região
da gema.
Sintomas
As folhas secam, nos ramos
atacados, secam, ficam retorcidos,
de coloração palha com pecílos
necrosados e escuros.
As inflorescências
secam, reduzindo
drasticamente a
produtividade do pomar.
Sintomas
Nos frutos maduros, observam-se
manchas de coloração escura, com
bordos bem definidos. A casca do
fruto, na região lesionada, apresenta
rachaduras expondo a polpa.
A penetração do fruto
dá-se diretamente pelo
pedúnculo ou através
de ferimentos,
causando um rápido
apodrecimento ou
queda.
Etiologia
A morte descendente é causada pelo fungo Botryodiplodia
theobromae, fase anamórfica de Physalospora rhodina.
HifaSeptada
Hialina
Granular
GutuladaVerde escura
Picnídios
Sub-Globoso
Separados
Rostrado
Globoso
Isolados
Etiologia
Quando Imaturos:
Conídios Hialinos Ovais Não
septados
Na Maturidades:
Conídios
Adquirem coloração pardo-escuros com um septo transversal, não
constrito e estriado longitudinalmente, sendo liberados dos
picnídios através de um ostíolo apical na forma de massa escura.
Etiologia
Apesar de poder penetrar diretamente no tecido sadio do
hospedeiro, seu desenvolvimento é muito mais intenso quando a
infecção ocorre a partir de um ferimento.
Temperatura entre 27 e 32
ºC e umidade relativa do
ar variando entre 80 a 85
% são condições ideais
para infecção.
O fungo frutifica nos
ramos doentes ou secos
onde sobrevive como
saprófita, sendo
disseminado pelo vento.
Controle
Utilização de mudas sadias;
Poda sistemática de limpeza no pomar;
Pulverização do pomar com tiabendazole (240 g/100 L
de água ou benomyl (60 g/ 100 L água;
Evitar períodos prolongados de estresse e adubar
adequadamente o pomar com macro e micronutrientes
(Ca, Mg, B, Zn).
Kimat, H.; Amorim L.; Rezende, J.A.M.; Filho B. A.; Camargo
L.E.A. Manual de Fitopatologia. Quarta edição. São Paulo –
SP: Editora Agronômica Ceres Ltda. 223-228
Referências
Antracnose e Morte Descendente da Mangueira

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avaliação e seleção de cultivares de Capim Elefante (Pennisetum purpureun sch...
Avaliação e seleção de cultivares de Capim Elefante (Pennisetum purpureun sch...Avaliação e seleção de cultivares de Capim Elefante (Pennisetum purpureun sch...
Avaliação e seleção de cultivares de Capim Elefante (Pennisetum purpureun sch...
Brenda Bueno
 
Fitopatologia
FitopatologiaFitopatologia
Fitopatologia
Jadson Belem de Moura
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Geagra UFG
 
Manejo integrado de pragas de cebola e produção orgânica
Manejo integrado de pragas de cebola e produção orgânicaManejo integrado de pragas de cebola e produção orgânica
Manejo integrado de pragas de cebola e produção orgânica
Paulo Antonio de Souza Gonçalves
 
Doenças da mangueira antracnose
Doenças da mangueira   antracnoseDoenças da mangueira   antracnose
Doenças da mangueira antracnose
rfoltran
 
A cultura da banana minicurso
A cultura da banana   minicursoA cultura da banana   minicurso
A cultura da banana minicurso
Ernane Nogueira Nunes
 
Banana cultura
Banana culturaBanana cultura
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Killer Max
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
Killer Max
 
Fruticultura
FruticulturaFruticultura
Fruticultura
Sher Hamid
 
Apresentação pós colheita
Apresentação pós colheitaApresentação pós colheita
Apresentação pós colheita
Ítalo Arrais
 
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milhoManejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
Geagra UFG
 
aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
Lafaiete Sousa
 
Contexto Histórico e Diversidade das Leguminosas
Contexto Histórico e Diversidade das LeguminosasContexto Histórico e Diversidade das Leguminosas
Contexto Histórico e Diversidade das Leguminosas
Gilberto Fugimoto
 
Tomate cultivo esalq
Tomate cultivo esalqTomate cultivo esalq
Tomate cultivo esalq
Ana Flavia Garcia Moraes
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
Geagra UFG
 
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoFenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Geagra UFG
 
Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
Geraldo Henrique
 
Calagem e adubação da alface, almeirão, agrião d’água, chicória, coentro, esp...
Calagem e adubação da alface, almeirão, agrião d’água, chicória, coentro, esp...Calagem e adubação da alface, almeirão, agrião d’água, chicória, coentro, esp...
Calagem e adubação da alface, almeirão, agrião d’água, chicória, coentro, esp...
Rural Pecuária
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
Killer Max
 

Mais procurados (20)

Avaliação e seleção de cultivares de Capim Elefante (Pennisetum purpureun sch...
Avaliação e seleção de cultivares de Capim Elefante (Pennisetum purpureun sch...Avaliação e seleção de cultivares de Capim Elefante (Pennisetum purpureun sch...
Avaliação e seleção de cultivares de Capim Elefante (Pennisetum purpureun sch...
 
Fitopatologia
FitopatologiaFitopatologia
Fitopatologia
 
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da SojaMorfologia e Ecofisiologia da Soja
Morfologia e Ecofisiologia da Soja
 
Manejo integrado de pragas de cebola e produção orgânica
Manejo integrado de pragas de cebola e produção orgânicaManejo integrado de pragas de cebola e produção orgânica
Manejo integrado de pragas de cebola e produção orgânica
 
Doenças da mangueira antracnose
Doenças da mangueira   antracnoseDoenças da mangueira   antracnose
Doenças da mangueira antracnose
 
A cultura da banana minicurso
A cultura da banana   minicursoA cultura da banana   minicurso
A cultura da banana minicurso
 
Banana cultura
Banana culturaBanana cultura
Banana cultura
 
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do FeijãoOrigem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
Origem e importância econômica e classificação botânica do Feijão
 
A cultura do Milho
A cultura do MilhoA cultura do Milho
A cultura do Milho
 
Fruticultura
FruticulturaFruticultura
Fruticultura
 
Apresentação pós colheita
Apresentação pós colheitaApresentação pós colheita
Apresentação pós colheita
 
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milhoManejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
Manejo de lagartas, percevejos e pulgões no milho
 
aulas de friticultura
aulas de friticulturaaulas de friticultura
aulas de friticultura
 
Contexto Histórico e Diversidade das Leguminosas
Contexto Histórico e Diversidade das LeguminosasContexto Histórico e Diversidade das Leguminosas
Contexto Histórico e Diversidade das Leguminosas
 
Tomate cultivo esalq
Tomate cultivo esalqTomate cultivo esalq
Tomate cultivo esalq
 
Tratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: SorgoTratos culturais: Sorgo
Tratos culturais: Sorgo
 
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e MilhetoFenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
Fenologia e Fisiologia do Sorgo e Milheto
 
Apresentação abacaxi
Apresentação abacaxiApresentação abacaxi
Apresentação abacaxi
 
Calagem e adubação da alface, almeirão, agrião d’água, chicória, coentro, esp...
Calagem e adubação da alface, almeirão, agrião d’água, chicória, coentro, esp...Calagem e adubação da alface, almeirão, agrião d’água, chicória, coentro, esp...
Calagem e adubação da alface, almeirão, agrião d’água, chicória, coentro, esp...
 
Implantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do FeijãoImplantação da Cultura do Feijão
Implantação da Cultura do Feijão
 

Destaque

A cultura da manga
A cultura da mangaA cultura da manga
A cultura da manga
Nevio Carlos de Alarcão
 
Manual de Práticas para o Melhor Manejo Pós-Colheita da Manga
Manual de Práticas para o Melhor Manejo Pós-Colheita da MangaManual de Práticas para o Melhor Manejo Pós-Colheita da Manga
Manual de Práticas para o Melhor Manejo Pós-Colheita da Manga
Portal Canal Rural
 
Manga
MangaManga
Globo rural responde carta à leitor sobre manga e goiaba
Globo rural responde carta à leitor sobre manga e goiabaGlobo rural responde carta à leitor sobre manga e goiaba
Globo rural responde carta à leitor sobre manga e goiaba
Agricultura Sao Paulo
 
Adubação de Frutos Tropicais
Adubação de Frutos Tropicais Adubação de Frutos Tropicais
Adubação de Frutos Tropicais
Agricultura Sao Paulo
 
Aula 02 cultura do maracujá.
Aula 02  cultura do maracujá.Aula 02  cultura do maracujá.
Aula 02 cultura do maracujá.
CETEP, FTC, FASA..
 
Taxonomia animal
Taxonomia animalTaxonomia animal
Taxonomia animal
adrianapaulon
 
Aula de Ciências - Absorção e circulação nas plantas
Aula de Ciências - Absorção e circulação nas plantasAula de Ciências - Absorção e circulação nas plantas
Aula de Ciências - Absorção e circulação nas plantas
guest3e8a25
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
Daniel Gonçalves
 
Fotossíntese, respiração e transpiração nas plantas
Fotossíntese, respiração e transpiração nas plantasFotossíntese, respiração e transpiração nas plantas
Fotossíntese, respiração e transpiração nas plantas
Agrupamento de Escolas de Mortágua
 

Destaque (10)

A cultura da manga
A cultura da mangaA cultura da manga
A cultura da manga
 
Manual de Práticas para o Melhor Manejo Pós-Colheita da Manga
Manual de Práticas para o Melhor Manejo Pós-Colheita da MangaManual de Práticas para o Melhor Manejo Pós-Colheita da Manga
Manual de Práticas para o Melhor Manejo Pós-Colheita da Manga
 
Manga
MangaManga
Manga
 
Globo rural responde carta à leitor sobre manga e goiaba
Globo rural responde carta à leitor sobre manga e goiabaGlobo rural responde carta à leitor sobre manga e goiaba
Globo rural responde carta à leitor sobre manga e goiaba
 
Adubação de Frutos Tropicais
Adubação de Frutos Tropicais Adubação de Frutos Tropicais
Adubação de Frutos Tropicais
 
Aula 02 cultura do maracujá.
Aula 02  cultura do maracujá.Aula 02  cultura do maracujá.
Aula 02 cultura do maracujá.
 
Taxonomia animal
Taxonomia animalTaxonomia animal
Taxonomia animal
 
Aula de Ciências - Absorção e circulação nas plantas
Aula de Ciências - Absorção e circulação nas plantasAula de Ciências - Absorção e circulação nas plantas
Aula de Ciências - Absorção e circulação nas plantas
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
 
Fotossíntese, respiração e transpiração nas plantas
Fotossíntese, respiração e transpiração nas plantasFotossíntese, respiração e transpiração nas plantas
Fotossíntese, respiração e transpiração nas plantas
 

Semelhante a Antracnose e Morte Descendente da Mangueira

Doeçnas__Abacaxizeiro..ppt slide da disc
Doeçnas__Abacaxizeiro..ppt slide da discDoeçnas__Abacaxizeiro..ppt slide da disc
Doeçnas__Abacaxizeiro..ppt slide da disc
MariaRibeiro194699
 
Slide de feijão e soja
Slide de feijão e sojaSlide de feijão e soja
Slide de feijão e soja
IFMT - Campus Juína
 
Doenças do mamoeiro.
Doenças do mamoeiro.Doenças do mamoeiro.
Doenças do mamoeiro.
Ediney Dias
 
Slide de feijão e soja
Slide de feijão e sojaSlide de feijão e soja
Slide de feijão e soja
IFMT - Campus Juína
 
Slide de feijão e soja
Slide de feijão e sojaSlide de feijão e soja
Slide de feijão e soja
IFMT - Campus Juína
 
Mamoeiro
MamoeiroMamoeiro
Mamoeiro
Jessica Veloso
 
Apresentação pragas do abacaxi
Apresentação pragas do abacaxiApresentação pragas do abacaxi
Apresentação pragas do abacaxi
Anderson Santos
 
Doençãs fungicas do milho pdf
Doençãs fungicas do milho pdfDoençãs fungicas do milho pdf
Doençãs fungicas do milho pdf
Evangela Gielow
 
Doenças do-eucalipto
Doenças do-eucaliptoDoenças do-eucalipto
Doenças do-eucalipto
Jucelaine Haas
 
ManualZPintaZPreta_site.pdf
ManualZPintaZPreta_site.pdfManualZPintaZPreta_site.pdf
ManualZPintaZPreta_site.pdf
MarcioSitoe1
 
Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia
Hemilly Rayanne
 
Sintomatologia Vegetal.Curso de LEAP.
Sintomatologia Vegetal.Curso de LEAP.Sintomatologia Vegetal.Curso de LEAP.
Sintomatologia Vegetal.Curso de LEAP.
Alarindo Salvador Dos Santos
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
Geagra UFG
 
Apresentação Morango Doenças - Epagri.pdf
Apresentação Morango Doenças - Epagri.pdfApresentação Morango Doenças - Epagri.pdf
Apresentação Morango Doenças - Epagri.pdf
GilsonRibeiroNachtig
 
E book-ervas-medicinais
E book-ervas-medicinaisE book-ervas-medicinais
E book-ervas-medicinais
ALTAIR SOUZA
 
DOENÇAS DA CULTURA DO CAFEEIRO - JOSÉ e TALES.pptx
DOENÇAS DA CULTURA DO CAFEEIRO - JOSÉ e TALES.pptxDOENÇAS DA CULTURA DO CAFEEIRO - JOSÉ e TALES.pptx
DOENÇAS DA CULTURA DO CAFEEIRO - JOSÉ e TALES.pptx
JosFranciscoNogueira3
 
Nutrição vegetal
Nutrição vegetalNutrição vegetal
Nutrição vegetal
Wilgner Landemberger
 
Nematoides em pdf
Nematoides em pdfNematoides em pdf
Nematoides em pdf
Rogger Wins
 
a cultura da Manga - cultura perene - fruta - técnico em Agropecuária: João A...
a cultura da Manga - cultura perene - fruta - técnico em Agropecuária: João A...a cultura da Manga - cultura perene - fruta - técnico em Agropecuária: João A...
a cultura da Manga - cultura perene - fruta - técnico em Agropecuária: João A...
João Antonio Pires
 
Doenças de Batata e Inhame.pdf
Doenças de Batata e Inhame.pdfDoenças de Batata e Inhame.pdf
Doenças de Batata e Inhame.pdf
TesteOo
 

Semelhante a Antracnose e Morte Descendente da Mangueira (20)

Doeçnas__Abacaxizeiro..ppt slide da disc
Doeçnas__Abacaxizeiro..ppt slide da discDoeçnas__Abacaxizeiro..ppt slide da disc
Doeçnas__Abacaxizeiro..ppt slide da disc
 
Slide de feijão e soja
Slide de feijão e sojaSlide de feijão e soja
Slide de feijão e soja
 
Doenças do mamoeiro.
Doenças do mamoeiro.Doenças do mamoeiro.
Doenças do mamoeiro.
 
Slide de feijão e soja
Slide de feijão e sojaSlide de feijão e soja
Slide de feijão e soja
 
Slide de feijão e soja
Slide de feijão e sojaSlide de feijão e soja
Slide de feijão e soja
 
Mamoeiro
MamoeiroMamoeiro
Mamoeiro
 
Apresentação pragas do abacaxi
Apresentação pragas do abacaxiApresentação pragas do abacaxi
Apresentação pragas do abacaxi
 
Doençãs fungicas do milho pdf
Doençãs fungicas do milho pdfDoençãs fungicas do milho pdf
Doençãs fungicas do milho pdf
 
Doenças do-eucalipto
Doenças do-eucaliptoDoenças do-eucalipto
Doenças do-eucalipto
 
ManualZPintaZPreta_site.pdf
ManualZPintaZPreta_site.pdfManualZPintaZPreta_site.pdf
ManualZPintaZPreta_site.pdf
 
Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia Doenças fúngicas na melancia
Doenças fúngicas na melancia
 
Sintomatologia Vegetal.Curso de LEAP.
Sintomatologia Vegetal.Curso de LEAP.Sintomatologia Vegetal.Curso de LEAP.
Sintomatologia Vegetal.Curso de LEAP.
 
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
MANEJO INTEGRADO DE DOENÇAS NA SOJA
 
Apresentação Morango Doenças - Epagri.pdf
Apresentação Morango Doenças - Epagri.pdfApresentação Morango Doenças - Epagri.pdf
Apresentação Morango Doenças - Epagri.pdf
 
E book-ervas-medicinais
E book-ervas-medicinaisE book-ervas-medicinais
E book-ervas-medicinais
 
DOENÇAS DA CULTURA DO CAFEEIRO - JOSÉ e TALES.pptx
DOENÇAS DA CULTURA DO CAFEEIRO - JOSÉ e TALES.pptxDOENÇAS DA CULTURA DO CAFEEIRO - JOSÉ e TALES.pptx
DOENÇAS DA CULTURA DO CAFEEIRO - JOSÉ e TALES.pptx
 
Nutrição vegetal
Nutrição vegetalNutrição vegetal
Nutrição vegetal
 
Nematoides em pdf
Nematoides em pdfNematoides em pdf
Nematoides em pdf
 
a cultura da Manga - cultura perene - fruta - técnico em Agropecuária: João A...
a cultura da Manga - cultura perene - fruta - técnico em Agropecuária: João A...a cultura da Manga - cultura perene - fruta - técnico em Agropecuária: João A...
a cultura da Manga - cultura perene - fruta - técnico em Agropecuária: João A...
 
Doenças de Batata e Inhame.pdf
Doenças de Batata e Inhame.pdfDoenças de Batata e Inhame.pdf
Doenças de Batata e Inhame.pdf
 

Antracnose e Morte Descendente da Mangueira

  • 1. Discentes: Anderson dos Santos Lennon Kledson Docente: Brainer UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS
  • 2. A manga (Mangifera indica Linn.) é uma fruta tipicamente tropical. Bem adaptada ao solo brasileiro e ao gosto da população. TAXONOMIA Reino Plantae Divisão Magnoliophyta Classe Magnoliopsida Ordem Sapindales Família Anacardiaceae Género Mangifera
  • 3. A mangueira - Mangifera indica, L. Dicotyledonae, Família Anacardiaceae Foi trazida ao Brasil pelos portugueses, tornando-se uma das principais frutíferas cultivadas no Nordeste brasileiro É originária da Ásia, (Índia)
  • 4. A manga do Brasil tem o mercado interno como a principal fonte de escoamento da produção. As nossas exportações de manga ainda não alcançaram 10% do volume total produzido no país.
  • 5. PAISES PRODUTORES % DO TOTAL Índia 50,20 China 10,40 México 8,91 Paquistão 7,34 Indonésia 6,22 Tailândia 5,41 Brasil 3,17 Filipinas 1,95 Outros 12,4 Mundo 100,00 A produção mundial de manga e de aproximadamente 24 milhões de toneladas TABELA 1- Principais países produtores de manga
  • 6. Países Exportação (t.) Participação (%) Participação acumulada (%) México 206.782 33,83 - Brasil 67.172 10,99 44,82 Paquistão 48.453 7,93 52,75 Filipinas 40.031 6,55 59,30 Índia 37.110 6,07 65,37 Holanda 34.477 5,64 71,01 Equador 25.502 4,17 75,18 Peru 21.070 3,45 78,63 Bélgica 13.965 2,28 80,91 Guatemala 12.948 2,12 83,03 África do sul 12.341 2,02 85,05 Outros 91.383 14,95 100,00 Mundo 611.234 100,00 - TABELA 2. Principais países exportadores de manga no mundo em 2000. Fonte: FAO, 2002 (dados básicos).
  • 7. ESTADOS PRODUTORES % DO TOTAL São Paulo 40,52 Minas Gerais 11,85 Bahia 8,86 Pernambuco 6,62 Piauí 6,59 Rio Grande do Norte 4,58 Ceará 4,33 Paraíba 3,52 Alagoas 2,10 Mundo 100,00 TABELA 3 –Principais Estados Produtores de Manga, A.E.B. (1994).
  • 8. Causada pelo fungo Colletotrichum gloeosporioide. Antracnose Glomerella cingulata
  • 9. Nas folhas novas, a doença causa numerosas e pequenas manchas salientes, arredondadas ou irregulares, de tamanho variável e coloração marrom. Sintomas: Que podem evoluir para um secamento descendente, da ponta para a base, causando desfolha do ramo.
  • 10. Na raque da inflorescência e suas ramificações, aparecem pequenas manchas de coloração marrom-escura, profundas e secas, alongadas no sentido longitudinal, destruindo grande número de flores. Em inflorescências, surgem pontuações escuras que se tornam alongadas e profundas, provocando a morte de flores e queda de frutos jovens. Sintomas:
  • 11. Quando a infecção é em frutos, o patógeno pode permanecer quiescente e os sintomas surgirem durante o amadurecimento em pós-colheita. Durante o amadurecimento, manchas marrom-escuras a pretas, geralmente arredondadas e levemente deprimidas podem se desenvolver em qualquer parte do fruto. Com a evolução dos sintomas, as manchas se tornam maiores e mais deprimidas, com pequenas rachaduras em certos casos, levando ao apodrecimento do fruto. Sintomas:
  • 15. Produzidos durante todo o ano em lesões novas ou velhas de folhas, ramos verdes ou secos, inflorescências mumificadas e nas raques desenvolvidas; Disseminação dos conídios pode ocorrem pela ação da água ou da irrigação por aspersão. Temperaturas de 10 a 30 ºC Umidade Relativa acima de 95% Maior produção de conídios
  • 16. Menor Viabilidade dos Esporos Períodos Úmidos Seguidos de Períodos Secos Ocorrência de epidemias Longos Períodos de chuva Ativo Crescimento e florescimento
  • 17. Controle CULTURAL Maior espaçamento favorecendo a ventilação e insolação das plantas. Podas leves abrindo a copa para penetração dos raios solares. Podas de limpeza reduzindo as fontes de inóculo e instalação dos pomares em regiões mais secas.
  • 18. Controle QUÍMICO Fungicidas orgânicos zineb, maneb e captan, em pulverizações semanais durante o florescimento. Cúpricos nas pulverizações pós-florescimento. Fungicidas Sistêmicos e de contato
  • 19. Controle Tabela 4. Produtos registrados para o controle químico de Antracnose.
  • 20. Nos pomares cujos frutos se destinam à exportação, é recomendável fazer-se duas pulverizações com benomyl a 0,03% ou prochloraz a 0,045%, iniciadas 15 dias antes e nas vésperas do início da colheita. Tratamento pós-colheita consiste na imersão dos frutos em uma solução fungicida a 55 ºC durante 5 minutos Controle
  • 21. Morte Descendente - Physalospora rhodina (Berk & Curt.) Cooke (Botryodiplodia theobromae Pat)
  • 22. Morte Descendente - Physalospora rhodina (Berk & Curt.) Cooke (Botryodiplodia theobromae Pat) Morte Descendente da Magueira Áreas Irrigadas do Nordeste Brasileiro Disseminando Regiões Produtoras Brasileiras ÁfricaÁsiaAmérica Central
  • 23. Sintomas Inicialmente, é observada, próximo a extremidade do ramo novo, a formação de lesão escura e seca. Progride da casca para o lenho, às vezes com exudação de goma de coloração marrom na região da gema.
  • 24. Sintomas As folhas secam, nos ramos atacados, secam, ficam retorcidos, de coloração palha com pecílos necrosados e escuros. As inflorescências secam, reduzindo drasticamente a produtividade do pomar.
  • 25. Sintomas Nos frutos maduros, observam-se manchas de coloração escura, com bordos bem definidos. A casca do fruto, na região lesionada, apresenta rachaduras expondo a polpa. A penetração do fruto dá-se diretamente pelo pedúnculo ou através de ferimentos, causando um rápido apodrecimento ou queda.
  • 26. Etiologia A morte descendente é causada pelo fungo Botryodiplodia theobromae, fase anamórfica de Physalospora rhodina. HifaSeptada Hialina Granular GutuladaVerde escura Picnídios Sub-Globoso Separados Rostrado Globoso Isolados
  • 27. Etiologia Quando Imaturos: Conídios Hialinos Ovais Não septados Na Maturidades: Conídios Adquirem coloração pardo-escuros com um septo transversal, não constrito e estriado longitudinalmente, sendo liberados dos picnídios através de um ostíolo apical na forma de massa escura.
  • 28. Etiologia Apesar de poder penetrar diretamente no tecido sadio do hospedeiro, seu desenvolvimento é muito mais intenso quando a infecção ocorre a partir de um ferimento. Temperatura entre 27 e 32 ºC e umidade relativa do ar variando entre 80 a 85 % são condições ideais para infecção. O fungo frutifica nos ramos doentes ou secos onde sobrevive como saprófita, sendo disseminado pelo vento.
  • 29. Controle Utilização de mudas sadias; Poda sistemática de limpeza no pomar; Pulverização do pomar com tiabendazole (240 g/100 L de água ou benomyl (60 g/ 100 L água; Evitar períodos prolongados de estresse e adubar adequadamente o pomar com macro e micronutrientes (Ca, Mg, B, Zn).
  • 30. Kimat, H.; Amorim L.; Rezende, J.A.M.; Filho B. A.; Camargo L.E.A. Manual de Fitopatologia. Quarta edição. São Paulo – SP: Editora Agronômica Ceres Ltda. 223-228 Referências