SlideShare uma empresa Scribd logo
Antologia Poética
ANTOLOGIA
De acordo com o Dicionário Houaiss, antologia é a coleção de
textos em prosa e/ou em verso, geralmente de autores
consagrados, organizados segundo tema, época, autoria etc.
A OBRA
A obra indicada como leitura obrigatória para os vestibulares
FUVEST e UNICAMP é Antologia poética (com base na 2ª ed.
Aumentada), de Vinícius de Moraes.
De acordo com o Informe a Imprensa nº 02/2010 de 28/01/2009
(disponível no site oficial da FUVEST):
Ao indicar a 2ª edição revista e aumentada, de 1960, como texto de
referência da mencionada Antologia, teve-se em vista proporcionar
aos candidatos o contato com uma seleção de poemas feita pelo
próprio autor, o qual fixou, naquela data, o conjunto de poemas
depois reproduzido, com alterações de pormenor, nas edições
sucessivas da Livraria José Olympio Editora S.A., a partir de 1967.
Posteriormente, nos anos de 1990, a mesma seleção passou a ser
publicada pela Editora Companhia das Letras, também com
pequenas modificações. De todas essas edições, consta uma
"Advertência" do Autor, na qual ele expõe seus critérios de seleção
e o sentido que atribui ao conjunto.
ESTRUTURA DA OBRA
A obra apresenta poemas de fases distintas do poeta, assim
representadas:
– 27 poemas correspondentes à fase transcendental do poeta (1933-
1936);
– 05 elegias que ilustram a fase de transição do poeta (1943);
– 112 poemas correspondentes à fase de maior aproximação do
mundo material.
De acordo com o próprio poeta, sua obra pode ser assim classificada:
• 1ª fase
Fase transcendental, resultante de sua educação cristã, é uma fase
de profundo misticismo e, portanto, marcada pela preocupação
religiosa, pela angústia existencial diante da condição humana e pelo
desejo de superar o pecado e a culpa, inerentes ao homem, pela via
da transcendência mística.
Em geral, os poemas deste período são longos e se utilizam de
linguagem abstrata. Esta fase se inicia com a obra O caminho para a
distância (1933) e se finaliza com a obra Ariana, a mulher (1936).
Durante a produção poética das obras dessa primeira fase, Vinícius
apresenta certa singularidade essencial em não ter pertencido,
realmente, a uma geração, no sentido convencional da palavra, mas a
um grupo ideológico: o dos escritores católicos, que juntamente com
Jorge de Lima, Murilo Mendes, Octávio de Faria, Otto Lara Resende,
Pedro Nava, Augusto Frederico Schmidt e outros procuravam
restaurar em Cristo não só a poesia, mas também o pensamento
brasileiro em geral, construindo uma restauração que se pretendia,
não arcaizante, mas sim, modernizante.
Sob esse aspecto, a restauração católica tinha algo de desesperado,
procurando reconquistar a intelectualidade, corrigindo-lhe a perigosa
deriva esquerdista. Vinícius, a esse tempo, mostrava-se resistente ao
Modernismo de 22, repelindo, principalmente, o que considerava um
anarquismo formal.
FASE DE TRANSIÇÃO
No próprio dizer do poeta, as Cinco elegias são representativas do
período de transição entre as duas tendências contraditórias de
sua produção poética, uma mais mística e a outra mais cotidiana.
Nas Elegias, notamos o início dessa transformação não só nas
temáticas, mas também na estruturação mais livres dos poemas,
tanto em relação às rimas como às métricas, como veremos a
seguir.
*Elegia: tipo de poesia lírica (que teve origem na Grécia antiga)
declamada pelo próprio poeta, acompanhada, geralmente, por um
instrumento musical. Utilizada em diferentes épocas e literaturas,
costuma expressar lamento, melancolia e dor. A elegia possui
metrificação específica, no entanto, seu uso, com o passar do
tempo, foi se atendo mais ao conteúdo do que à forma.
• 2ª fase
Nesta fase, há grande aproximação da poética de Vinícius com o
mundo real. É quando o poeta passa a se interessar por temas
cotidianos, por uma abordagem mais simples da vida e mais
sensual dos temas que versam sobre o amor e a mulher.
Também a linguagem empregada pelo poeta se transforma,
tendendo mais à simplicidade, com utilização do verso livre, para
uma comunicação mais direta e mais dinâmica com o leitor. Apesar
de sua poesia, desde cedo, ter tido como características certa dicção
clássica e a predileção pelo soneto, pela primeira vez podemos
perceber que a poética de Vinícius mostra uma aproximação maior
às propostas dos modernistas de 1922.
O soneto, forma clássica do poema, adquire roupagem mais
moderna e mais real nas mãos de Vinícius. Em seus sonetos, o
poeta faz largo uso de termos simples e cotidianos, expediente
pouco comum neste tipo de composição.
Os poemas mais conhecidos do poeta estão reunidos nessa parte da
obra (Soneto de fidelidade, Soneto do amor total, Soneto de
separação). Adotando uma postura mais voltada para a realidade,
seu interesse volta-se para os aspectos do cotidiano e para o
relacionamento amoroso, muito influenciado pela lírica camoniana.
Poesia social
A poesia de cunho social também foi característica da obra de
Vinícius. Neste tipo de poema, o poeta se utiliza de uma linguagem
ainda mais simples e mais direta, chegando quase ao didatismo. O
seu objetivo é despertar a consciência social no leitor por via de
quem o lê ou o ouve.
O melhor exemplo dessa poesia social é o poema Operário em
construção, que fecha sua antologia poética. Na epígrafe utilizada
no poema, estabelece uma comparação ao momento de
conscientização política do operário, que, pela primeira vez,
percebendo-se explorado, diz não ao patrão
Outro poema importante a ser destacado da obra é O dia da
criação, em que o poeta, tomando com base a gênese humana, a
partir de um ótica religiosa, elege o “sábado” como o dia em que
tudo acontece. O poema apresenta três partes: introdução ao
tema “Hoje é o dia do presente”, desenvolvimento “Porque hoje
é sábado” e conclusão “de que Deus criou o homem no sábado”.
Na Antologia Poética deparamo-nos, de fato, com poemas plurais, estas poesias
tratam do espírito e da matéria, cantam mulheres sacralizadas, mulheres vistas
nas ruas e mulheres prostitutas, cantam o amor, o desejo, a alegria e a dor dos
amantes, aludem ao amor fraterno e incondicional – por todos os seres, por
todas as coisas −, falam da vida e da morte, traduzem imagens oníricas, trazem
imagens de um dia a dia, cantam a pátria, homenageiam amigos do poeta e
grandes nomes da arte mundial. E contam, para isso, com grandes recursos
formais, harmonizados tanto com a frase coloquial quanto com referência à vida
do cotidiano. Na Antologia, encontramos sonetos bem ao estilo do poeta clássico
Luiz Vaz de Camões, elegias, baladas e, ainda, estrofação irregular, versos curtos
e livres. Dessa forma, o que vemos é um cruzamento muito interessante: versos
em irregularidade, curtos e livres expressam não só o comum do dia a dia, mas
também temas mais sublimes, elevados; por outro lado, formas clássicas
expressam não apenas os temas clássicos, sublimes, como também os assuntos
triviais, ou até os que formam inimaginável material poético, como a
prostituição.
A seguir, os poemas mais conhecidos da Antologia daquele que foi
o maior “poetinha” da 2ª fase do Modernismo brasileiro: Vinícius
de Moraes.
– Soneto de fidelidade
– A um passarinho
– Soneto do maior amor
– Soneto de separação
– Poema de Natal
– Poema enjoadinho
– A rosa de Hiroshima
– Pátria minha
– Poética (I)
– Receita de mulher
Site oficial do autor http://www.viniciusdemoraes.com.br/
Documentário: Vinícius (2005 - Direção: Miguel Faria Jr.)
O documentário mostra a vida, a obra, a família, os amigos e os
amores de Vinícius de Moraes; apresenta também a essência
criativa do artista e filósofo do cotidiano e as transformações do
Rio de Janeiro, por meio de raras imagens de arquivo, entrevistas
e interpretações de muitos de seus clássicos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Poetas contemporâneos
Poetas contemporâneosPoetas contemporâneos
Poetas contemporâneos
Maria Teixiera
 
Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De AndradeAmor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
catiasgs
 
Consolo Na Praia, Carlos Drummond De Andrade
Consolo Na Praia, Carlos Drummond De AndradeConsolo Na Praia, Carlos Drummond De Andrade
Consolo Na Praia, Carlos Drummond De Andrade
catiasgs
 
Eugénio de Andrade e Augusto de Campos
Eugénio de Andrade e Augusto de CamposEugénio de Andrade e Augusto de Campos
Eugénio de Andrade e Augusto de Campos
Rosário Cunha
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
Ana Paula Ribeiro de Oliveira
 
Romantismo/Antologia Poética
Romantismo/Antologia PoéticaRomantismo/Antologia Poética
Romantismo/Antologia Poética
Vinicius Soco
 
Análise do poema: Procura da poesia - Carlos Drummond de Andrade
Análise do poema: Procura da poesia - Carlos Drummond de AndradeAnálise do poema: Procura da poesia - Carlos Drummond de Andrade
Análise do poema: Procura da poesia - Carlos Drummond de Andrade
Leonardo Silva Coelho
 
PROJETO: SARAU LITERÁRIO
PROJETO: SARAU LITERÁRIOPROJETO: SARAU LITERÁRIO
PROJETO: SARAU LITERÁRIO
Escola Estadual Antônio Valadares
 
Trabalho de portugues
Trabalho de portuguesTrabalho de portugues
Trabalho de portugues
Rosário Cunha
 
Sophia
SophiaSophia
Carlos drummond de andrade próprio
Carlos drummond de andrade   próprioCarlos drummond de andrade   próprio
Carlos drummond de andrade próprio
William Ferraz
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
Andresa Araújo
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
Cláudia Heloísa
 
Eugénio de Andrade
Eugénio de AndradeEugénio de Andrade
Eugénio de Andrade
Rosário Cunha
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
Adriana Masson
 
Carlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeCarlos drummond de andrade
Carlos drummond de andrade
Sillas oliveira Santos
 
Eugénio de Andrade
Eugénio de AndradeEugénio de Andrade
Eugénio de Andrade
Dina Baptista
 
Eugenio De Andrade
Eugenio De AndradeEugenio De Andrade
Eugenio De Andrade
kally
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
Jonatas Carlos
 
Eugenio de andrade
Eugenio de andradeEugenio de andrade
Eugenio de andrade
liofer21
 

Mais procurados (20)

Poetas contemporâneos
Poetas contemporâneosPoetas contemporâneos
Poetas contemporâneos
 
Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De AndradeAmor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
 
Consolo Na Praia, Carlos Drummond De Andrade
Consolo Na Praia, Carlos Drummond De AndradeConsolo Na Praia, Carlos Drummond De Andrade
Consolo Na Praia, Carlos Drummond De Andrade
 
Eugénio de Andrade e Augusto de Campos
Eugénio de Andrade e Augusto de CamposEugénio de Andrade e Augusto de Campos
Eugénio de Andrade e Augusto de Campos
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
Romantismo/Antologia Poética
Romantismo/Antologia PoéticaRomantismo/Antologia Poética
Romantismo/Antologia Poética
 
Análise do poema: Procura da poesia - Carlos Drummond de Andrade
Análise do poema: Procura da poesia - Carlos Drummond de AndradeAnálise do poema: Procura da poesia - Carlos Drummond de Andrade
Análise do poema: Procura da poesia - Carlos Drummond de Andrade
 
PROJETO: SARAU LITERÁRIO
PROJETO: SARAU LITERÁRIOPROJETO: SARAU LITERÁRIO
PROJETO: SARAU LITERÁRIO
 
Trabalho de portugues
Trabalho de portuguesTrabalho de portugues
Trabalho de portugues
 
Sophia
SophiaSophia
Sophia
 
Carlos drummond de andrade próprio
Carlos drummond de andrade   próprioCarlos drummond de andrade   próprio
Carlos drummond de andrade próprio
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
Eugénio de Andrade
Eugénio de AndradeEugénio de Andrade
Eugénio de Andrade
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
Carlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeCarlos drummond de andrade
Carlos drummond de andrade
 
Eugénio de Andrade
Eugénio de AndradeEugénio de Andrade
Eugénio de Andrade
 
Eugenio De Andrade
Eugenio De AndradeEugenio De Andrade
Eugenio De Andrade
 
Aula 17 parnasianismo
Aula 17   parnasianismoAula 17   parnasianismo
Aula 17 parnasianismo
 
Eugenio de andrade
Eugenio de andradeEugenio de andrade
Eugenio de andrade
 

Semelhante a Antologia poética em pp

Vinicius de-moraes-livro-de-sonetos
Vinicius de-moraes-livro-de-sonetosVinicius de-moraes-livro-de-sonetos
Vinicius de-moraes-livro-de-sonetos
jcmucuge
 
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedoAps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
juliannecarvalho
 
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
juliannecarvalho
 
A rosa do_povo
A rosa do_povoA rosa do_povo
A rosa do_povo
Cláudio Márcio Cunha
 
Libertação em "Poética", de Manuel Bandeira
Libertação em "Poética", de Manuel BandeiraLibertação em "Poética", de Manuel Bandeira
Libertação em "Poética", de Manuel Bandeira
Ana Polo
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Jonatas Carlos
 
A problematica do pos-modernismo
A problematica do pos-modernismoA problematica do pos-modernismo
A problematica do pos-modernismo
Lucas pk'
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
dedecamp06
 
Texto Simbolismo
Texto   SimbolismoTexto   Simbolismo
Texto Simbolismo
hsjval
 
Liricacamoniana
LiricacamonianaLiricacamoniana
Liricacamoniana
Mariana Carvalho
 
Liricacamoniana (1)
Liricacamoniana (1)Liricacamoniana (1)
Liricacamoniana (1)
ritaamelo21
 
Romantismo no brasil 1
Romantismo no brasil 1Romantismo no brasil 1
Romantismo no brasil 1
Cleia Moura
 
Escolas literárias-enem
Escolas literárias-enemEscolas literárias-enem
Escolas literárias-enem
Maria Cristina Almeida
 
Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01
Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01
Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01
Ma_rcia
 
História da Litertura Brasileira José Veríssimo
História da Litertura Brasileira   José VeríssimoHistória da Litertura Brasileira   José Veríssimo
História da Litertura Brasileira José Veríssimo
Sol Stabile
 
Considerações Sobre o Início da Poesia Concreta
Considerações Sobre o Início da Poesia ConcretaConsiderações Sobre o Início da Poesia Concreta
Considerações Sobre o Início da Poesia Concreta
Icaro Amorim
 
Romanticismo base.ppt
Romanticismo base.pptRomanticismo base.ppt
Romanticismo base.ppt
AldenoraMarciaChaves
 
Eugénio de Andrade
Eugénio de AndradeEugénio de Andrade
Eugénio de Andrade
liofer21
 
Seminário de língua portuguesa.rtf
Seminário de língua portuguesa.rtfSeminário de língua portuguesa.rtf
Seminário de língua portuguesa.rtf
anigoncalves
 
Entrevista com Mário Chamie
Entrevista com Mário ChamieEntrevista com Mário Chamie
Entrevista com Mário Chamie
Luís Rodolfo A. de Souza Dantas
 

Semelhante a Antologia poética em pp (20)

Vinicius de-moraes-livro-de-sonetos
Vinicius de-moraes-livro-de-sonetosVinicius de-moraes-livro-de-sonetos
Vinicius de-moraes-livro-de-sonetos
 
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedoAps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
 
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo (1)
 
A rosa do_povo
A rosa do_povoA rosa do_povo
A rosa do_povo
 
Libertação em "Poética", de Manuel Bandeira
Libertação em "Poética", de Manuel BandeiraLibertação em "Poética", de Manuel Bandeira
Libertação em "Poética", de Manuel Bandeira
 
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)Aula 24   modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
Aula 24 modernismo no brasil - 2ª fase (poesia)
 
A problematica do pos-modernismo
A problematica do pos-modernismoA problematica do pos-modernismo
A problematica do pos-modernismo
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Texto Simbolismo
Texto   SimbolismoTexto   Simbolismo
Texto Simbolismo
 
Liricacamoniana
LiricacamonianaLiricacamoniana
Liricacamoniana
 
Liricacamoniana (1)
Liricacamoniana (1)Liricacamoniana (1)
Liricacamoniana (1)
 
Romantismo no brasil 1
Romantismo no brasil 1Romantismo no brasil 1
Romantismo no brasil 1
 
Escolas literárias-enem
Escolas literárias-enemEscolas literárias-enem
Escolas literárias-enem
 
Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01
Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01
Escolas literrias-enem-141024091225-conversion-gate01
 
História da Litertura Brasileira José Veríssimo
História da Litertura Brasileira   José VeríssimoHistória da Litertura Brasileira   José Veríssimo
História da Litertura Brasileira José Veríssimo
 
Considerações Sobre o Início da Poesia Concreta
Considerações Sobre o Início da Poesia ConcretaConsiderações Sobre o Início da Poesia Concreta
Considerações Sobre o Início da Poesia Concreta
 
Romanticismo base.ppt
Romanticismo base.pptRomanticismo base.ppt
Romanticismo base.ppt
 
Eugénio de Andrade
Eugénio de AndradeEugénio de Andrade
Eugénio de Andrade
 
Seminário de língua portuguesa.rtf
Seminário de língua portuguesa.rtfSeminário de língua portuguesa.rtf
Seminário de língua portuguesa.rtf
 
Entrevista com Mário Chamie
Entrevista com Mário ChamieEntrevista com Mário Chamie
Entrevista com Mário Chamie
 

Mais de BriefCase

Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
BriefCase
 
Biomas
Biomas Biomas
Biomas
BriefCase
 
White Fang Jack London
White Fang  Jack LondonWhite Fang  Jack London
White Fang Jack London
BriefCase
 
República brasileira
República brasileiraRepública brasileira
República brasileira
BriefCase
 
Nazismo na Alemanha 2010
Nazismo na Alemanha   2010Nazismo na Alemanha   2010
Nazismo na Alemanha 2010
BriefCase
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
BriefCase
 
Resumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoResumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema Nervoso
BriefCase
 
Questão Palestina
Questão PalestinaQuestão Palestina
Questão Palestina
BriefCase
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
BriefCase
 
Grandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais ExercíciosGrandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais Exercícios
BriefCase
 
Funções quimica organica
Funções quimica organicaFunções quimica organica
Funções quimica organica
BriefCase
 
Enzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos geraisEnzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos gerais
BriefCase
 
Resumão Dom Casmurro
Resumão Dom CasmurroResumão Dom Casmurro
Resumão Dom Casmurro
BriefCase
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
BriefCase
 
Egito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e GréciaEgito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e Grécia
BriefCase
 
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesaBaixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
BriefCase
 
As reformas religiosas
As reformas religiosasAs reformas religiosas
As reformas religiosas
BriefCase
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
BriefCase
 
A economia mineradora
A economia mineradoraA economia mineradora
A economia mineradora
BriefCase
 
A Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaA Baixa Idade Média
A Baixa Idade Média
BriefCase
 

Mais de BriefCase (20)

Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Biomas
Biomas Biomas
Biomas
 
White Fang Jack London
White Fang  Jack LondonWhite Fang  Jack London
White Fang Jack London
 
República brasileira
República brasileiraRepública brasileira
República brasileira
 
Nazismo na Alemanha 2010
Nazismo na Alemanha   2010Nazismo na Alemanha   2010
Nazismo na Alemanha 2010
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
 
Resumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoResumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema Nervoso
 
Questão Palestina
Questão PalestinaQuestão Palestina
Questão Palestina
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
Grandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais ExercíciosGrandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais Exercícios
 
Funções quimica organica
Funções quimica organicaFunções quimica organica
Funções quimica organica
 
Enzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos geraisEnzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos gerais
 
Resumão Dom Casmurro
Resumão Dom CasmurroResumão Dom Casmurro
Resumão Dom Casmurro
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
 
Egito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e GréciaEgito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e Grécia
 
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesaBaixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
 
As reformas religiosas
As reformas religiosasAs reformas religiosas
As reformas religiosas
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
 
A economia mineradora
A economia mineradoraA economia mineradora
A economia mineradora
 
A Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaA Baixa Idade Média
A Baixa Idade Média
 

Antologia poética em pp

  • 2. ANTOLOGIA De acordo com o Dicionário Houaiss, antologia é a coleção de textos em prosa e/ou em verso, geralmente de autores consagrados, organizados segundo tema, época, autoria etc.
  • 3. A OBRA A obra indicada como leitura obrigatória para os vestibulares FUVEST e UNICAMP é Antologia poética (com base na 2ª ed. Aumentada), de Vinícius de Moraes.
  • 4. De acordo com o Informe a Imprensa nº 02/2010 de 28/01/2009 (disponível no site oficial da FUVEST): Ao indicar a 2ª edição revista e aumentada, de 1960, como texto de referência da mencionada Antologia, teve-se em vista proporcionar aos candidatos o contato com uma seleção de poemas feita pelo próprio autor, o qual fixou, naquela data, o conjunto de poemas depois reproduzido, com alterações de pormenor, nas edições sucessivas da Livraria José Olympio Editora S.A., a partir de 1967. Posteriormente, nos anos de 1990, a mesma seleção passou a ser publicada pela Editora Companhia das Letras, também com pequenas modificações. De todas essas edições, consta uma "Advertência" do Autor, na qual ele expõe seus critérios de seleção e o sentido que atribui ao conjunto.
  • 5. ESTRUTURA DA OBRA A obra apresenta poemas de fases distintas do poeta, assim representadas: – 27 poemas correspondentes à fase transcendental do poeta (1933- 1936); – 05 elegias que ilustram a fase de transição do poeta (1943); – 112 poemas correspondentes à fase de maior aproximação do mundo material.
  • 6. De acordo com o próprio poeta, sua obra pode ser assim classificada: • 1ª fase Fase transcendental, resultante de sua educação cristã, é uma fase de profundo misticismo e, portanto, marcada pela preocupação religiosa, pela angústia existencial diante da condição humana e pelo desejo de superar o pecado e a culpa, inerentes ao homem, pela via da transcendência mística. Em geral, os poemas deste período são longos e se utilizam de linguagem abstrata. Esta fase se inicia com a obra O caminho para a distância (1933) e se finaliza com a obra Ariana, a mulher (1936).
  • 7. Durante a produção poética das obras dessa primeira fase, Vinícius apresenta certa singularidade essencial em não ter pertencido, realmente, a uma geração, no sentido convencional da palavra, mas a um grupo ideológico: o dos escritores católicos, que juntamente com Jorge de Lima, Murilo Mendes, Octávio de Faria, Otto Lara Resende, Pedro Nava, Augusto Frederico Schmidt e outros procuravam restaurar em Cristo não só a poesia, mas também o pensamento brasileiro em geral, construindo uma restauração que se pretendia, não arcaizante, mas sim, modernizante. Sob esse aspecto, a restauração católica tinha algo de desesperado, procurando reconquistar a intelectualidade, corrigindo-lhe a perigosa deriva esquerdista. Vinícius, a esse tempo, mostrava-se resistente ao Modernismo de 22, repelindo, principalmente, o que considerava um anarquismo formal.
  • 8. FASE DE TRANSIÇÃO No próprio dizer do poeta, as Cinco elegias são representativas do período de transição entre as duas tendências contraditórias de sua produção poética, uma mais mística e a outra mais cotidiana. Nas Elegias, notamos o início dessa transformação não só nas temáticas, mas também na estruturação mais livres dos poemas, tanto em relação às rimas como às métricas, como veremos a seguir. *Elegia: tipo de poesia lírica (que teve origem na Grécia antiga) declamada pelo próprio poeta, acompanhada, geralmente, por um instrumento musical. Utilizada em diferentes épocas e literaturas, costuma expressar lamento, melancolia e dor. A elegia possui metrificação específica, no entanto, seu uso, com o passar do tempo, foi se atendo mais ao conteúdo do que à forma.
  • 9. • 2ª fase Nesta fase, há grande aproximação da poética de Vinícius com o mundo real. É quando o poeta passa a se interessar por temas cotidianos, por uma abordagem mais simples da vida e mais sensual dos temas que versam sobre o amor e a mulher. Também a linguagem empregada pelo poeta se transforma, tendendo mais à simplicidade, com utilização do verso livre, para uma comunicação mais direta e mais dinâmica com o leitor. Apesar de sua poesia, desde cedo, ter tido como características certa dicção clássica e a predileção pelo soneto, pela primeira vez podemos perceber que a poética de Vinícius mostra uma aproximação maior às propostas dos modernistas de 1922.
  • 10. O soneto, forma clássica do poema, adquire roupagem mais moderna e mais real nas mãos de Vinícius. Em seus sonetos, o poeta faz largo uso de termos simples e cotidianos, expediente pouco comum neste tipo de composição. Os poemas mais conhecidos do poeta estão reunidos nessa parte da obra (Soneto de fidelidade, Soneto do amor total, Soneto de separação). Adotando uma postura mais voltada para a realidade, seu interesse volta-se para os aspectos do cotidiano e para o relacionamento amoroso, muito influenciado pela lírica camoniana.
  • 11. Poesia social A poesia de cunho social também foi característica da obra de Vinícius. Neste tipo de poema, o poeta se utiliza de uma linguagem ainda mais simples e mais direta, chegando quase ao didatismo. O seu objetivo é despertar a consciência social no leitor por via de quem o lê ou o ouve. O melhor exemplo dessa poesia social é o poema Operário em construção, que fecha sua antologia poética. Na epígrafe utilizada no poema, estabelece uma comparação ao momento de conscientização política do operário, que, pela primeira vez, percebendo-se explorado, diz não ao patrão
  • 12. Outro poema importante a ser destacado da obra é O dia da criação, em que o poeta, tomando com base a gênese humana, a partir de um ótica religiosa, elege o “sábado” como o dia em que tudo acontece. O poema apresenta três partes: introdução ao tema “Hoje é o dia do presente”, desenvolvimento “Porque hoje é sábado” e conclusão “de que Deus criou o homem no sábado”.
  • 13. Na Antologia Poética deparamo-nos, de fato, com poemas plurais, estas poesias tratam do espírito e da matéria, cantam mulheres sacralizadas, mulheres vistas nas ruas e mulheres prostitutas, cantam o amor, o desejo, a alegria e a dor dos amantes, aludem ao amor fraterno e incondicional – por todos os seres, por todas as coisas −, falam da vida e da morte, traduzem imagens oníricas, trazem imagens de um dia a dia, cantam a pátria, homenageiam amigos do poeta e grandes nomes da arte mundial. E contam, para isso, com grandes recursos formais, harmonizados tanto com a frase coloquial quanto com referência à vida do cotidiano. Na Antologia, encontramos sonetos bem ao estilo do poeta clássico Luiz Vaz de Camões, elegias, baladas e, ainda, estrofação irregular, versos curtos e livres. Dessa forma, o que vemos é um cruzamento muito interessante: versos em irregularidade, curtos e livres expressam não só o comum do dia a dia, mas também temas mais sublimes, elevados; por outro lado, formas clássicas expressam não apenas os temas clássicos, sublimes, como também os assuntos triviais, ou até os que formam inimaginável material poético, como a prostituição.
  • 14. A seguir, os poemas mais conhecidos da Antologia daquele que foi o maior “poetinha” da 2ª fase do Modernismo brasileiro: Vinícius de Moraes. – Soneto de fidelidade – A um passarinho – Soneto do maior amor – Soneto de separação – Poema de Natal – Poema enjoadinho – A rosa de Hiroshima – Pátria minha – Poética (I) – Receita de mulher
  • 15. Site oficial do autor http://www.viniciusdemoraes.com.br/ Documentário: Vinícius (2005 - Direção: Miguel Faria Jr.) O documentário mostra a vida, a obra, a família, os amigos e os amores de Vinícius de Moraes; apresenta também a essência criativa do artista e filósofo do cotidiano e as transformações do Rio de Janeiro, por meio de raras imagens de arquivo, entrevistas e interpretações de muitos de seus clássicos.