SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
A economia mineradora
As origens da mineração
-Com a decadência econômica tanto colonial como em Portugal, devido à produção
açucareira holandesa, o descobrimento de ouro na região de Minas Gerais gerou uma
corrida para o estado, tanto pela população local, como pelos imigrantes portugueses
-O ouro ficava em áreas montanhosas, não ocupadas pelos índios. Assim, apenas a
partir que a escravização dos índios deixa de ser lucrativa que se intensifica as
expedições as áreas para encontrar ouro
-Foi criado o Regimento das Minas permitia a livre extração, desde que coubesse à
Coroa um quinto do ouro obtido, facilitando o controle do mesmo pela Coroa
-Criava-se a Intendência das Minas que garantia a extração, porém qualquer
descoberta deveria ser informada à Intendência, a qual, após avaliar o tamanho da
jazida, dividia-a em datas, sendo que aquele que tivera descoberto a jazida teria direito
à escolha de uma data, as demais seriam leiloadas aos mineradores
-Criava-se o quinto, mais um imposto sobre a atividade. Era a capitação, uma quantia
fixa em ouro, paga pelo minerador, proporcional ao número de escravos que ele
tivesseempregando na mineração
-Dificuldades surgiam em relação ao controle português, com a extensão da região
mineradora e as constantes descobertas de novas áreas, como a própria característica do
ouro brasileiro, o qual era ouro de aluvião, obtido através do garimpo sob a forma de
pó, facilmente contrabandeável
-1719- Coroa estabeleceu uma série de limitações à circulação do ouro em pó, as quais
culminaram com sua proibição e com a criação das Casas de Fundição. Assim, todo o
ouro obtido teria que ser levado para estas Casas de Fundição, onde seria fundido em
barras, recebendo o lacre real atestando seu peso e valor, e seria já devidamente
quintado, ou seja, teria já retirada a parte que cabia à Coroa
-Em função da mineração, estabelece-se um vasto comércio para abastecer a região, já
que havia muitas pessoas, não apenas em mantimentos, mas também de escravos. Da
mesma forma, desenvolve-se uma pecuária em MG
-Acentuam-se os problemas de abastecimento no restante da colônia. MG se tornara um
polo de integração entre as regiões, já que se tornou a base da economia. Assim, a
economia interna se desenvolve muito, fazendo com que a economia de subsistência
predominasse
Os diamantes
-1729- Descobertos em Arraial do Tijuco, causando novo interesse entre a população e
toda uma série de medidas com parte da Coroa portuguesa
-Havia a possibilidade de os escravos engolirem os diamantes para que servissem como
pagamento de sua carta de alforria, para evitar isso eram vigiados
-Diferente do ouro, o qual era encontrado em uma vasta região, os diamantes foram
encontrados apenas no Arraial do Tijuco, fazendo com que houvesse uma maior
integração colonial, maior diversidade econômica e, portanto, maior
disponibilidade de capitais, já que quanto mais raro, mais caro. Isso também facilitou
a vigia imposta pela Coroa, já que era em apenas um local
-Os diamantes foram declarados estanco régio, ou seja, monopólio da Coroa na
extração. O Arraial do Tijuco foi cercado, sendo criado o Distrito Diamantino. Os
direitos de exploração foram repassados aos contratadores, os quais pagavam, além de
um alto valor inicial pela concessão (exemplo: 100 @), altas taxas de capitação, além de
50% do valor obtido à Coroa.
Declínio da atividade mineradora
-1740-1770- Apogeu da mineração. A partir de 1770, as técnicas rudimentares de
obtenção de ouro e diamantes, bem como o próprio esgotamento das jazidas, levou a
prática à sua decadência. Assim, acentuou-se a crise interna, fazendo com que os
portugueses aumentassem os impostos
-Com esse objetivo, foi estabelecida a Derrama, a cobrança forçada dos impostos
atrasados, através do uso do Exército (Regimento dos Dragões), inclusive com o
confisco de riquezas como pagamento pelas dívidas dos mineradores
-A combinação desses dois elementos, a crise econômica e a ampliação da fiscalização
portuguesa, foi decisiva para ampliar o sentimento antimetropolitano, dando origem à,
por exemplo, Inconfidência Mineira
Transformações a partir da segunda metade do século XVII
A crise portuguesa e o “Arrocho Colonial”: arrocho: aumento de
impostos
-Anteriormente a crise que se abre em Portugal, após o domínio espanhol (União
Ibérica- um capital ia para a Espanha), levou o país a uma situação de maior
dependência externa (sem autonomia) e endividamento, notadamente em relação à
Inglaterra, após sua independência. O Brasil ficou como principal fonte de recursos para
Portugal, o que motivou uma prática mais opressiva por parte da Coroa portuguesa
-Duas razões levaram a isso: a ampliação da dependência e do endividamento com a
Inglaterra, principalmente a partir do Tratado de Panos e Vinhos, o qual estabelecia
uma reciprocidade de taxas alfandegárias entre Portugal e Inglaterra, na importação,
pela Inglaterra, do vinho português e, por Portugal, dos tecidos ingleses
-Esse compromisso é ruim para Portugal, já que essa época antecede à Revolução
Industrial inglesa, no qual a Inglaterra já contava com uma vasta produção
manufatureira a preços consideravelmente mais baixos que seus similares portugueses.
A entrada de grandes quantidades de produtos ingleses em Portugal, pagando taxas
alfandegárias baixíssimas, e, portanto, sendo vendidos a baixo custo no país, destruiu a
manufatura portuguesa (o acordo não deixou Portugal se desenvolver). Ao mesmo
tempo, o acordo condenava Portugal a investir no vinho, único produto para o qual
haveria um mercado externo, de valores muito mais baixos e importado pela Inglaterra
em quantidades muito menores
-Ou seja, os panos eram mais caros que os vinhos (déficit em Portugal)
-Com a descoberta do ouro e, posteriormente, dos diamantes, Portugal focou nessas
riquezas com oobjetivo de ajudar sua economia
O governo do marquês de pombal
-Início de uma ampla reação política, social e cultural, já que seu governo está inserido
na crise do Antigo Regime e do Sistema Colonial. Essa reação deu origem a uma nova
forma de ver o mundo, uma série de novos valores políticos sociais e culturais. Trazia,
ao lado de uma luta por liberdade política (negando o Absolutismo), liberdade
econômica e igualdade social, com uma preocupação em exaltar a razão como único
guia para o conhecimento, em oposição ao obscurantismo da fé, dando início ao
Iluminismo
-Governantes europeus empregam a ideia iluminista, já que queriam modernizar seus
governos, incorporando, por exemplo, ensino técnico, sem abrir mão de seu poder
absoluto. Receberam o nome de Déspotas Esclarecidos
-Pombal é o principal símbolo do despotismo esclarecido, ou do Reformismo Ilustrado
em Portugal. O mesmo empreendeu reformas com o objetivo de modernizar o reino,
impedir a dispersão de recursos, centralizar a administração e reduzir o abismo que
separava Portugal das demais potências
-Assim, em relação ao Brasil, Pombal:
*extinguiu as Capitanias Hereditárias, com o objetivo de centralizar a administração,
reunificando o Brasil
*transferiu a capital para o Rio de Janeiro, já que é a cidade mais próxima de Minas
Gerais, facilitando o envio do ouro para Portugal
*extinguiu a escravidão indígena, ampliando o tráfico negreiro
*instituiu a Derrama, para ampliar a arrecadação de impostos com a mineração
-Pombal entrou em atrito com os jesuítas, já que os mesmos gozavam de ampla
autonomia dentro de Portugal e do Brasil, quase um “estado dentro do estado”, o que
contrariava os princípios centralizadores da administração pombalina. Além disso,
acumulavam imensas riquezas, cujo confisco ajudaria na elevação da economia
portuguesa. Outra razão se encontrava sobre a educação proporcionada pelos jesuítas, o
que se contrapunha à tentativa de Pombal de ampliar o ensino técnico
-Acusando os jesuítas de participação em um atentado contra o rei, Pombal expulsou a
ordem de Portugal e, mais tarde, do Brasil
-Com a morte de d. José, Pombal deixou o cargo, com o retorno dos jesuítas durante o
reinado de d. Maria I
Consequências e transformações trazidas pela mineração
-Causas:A atividade mineradora foi responsável pela ida dos portugueses e os
interessados ao interior e, ao atingir áreas além de Tordesilhas, levou à expansão
territorial. Proporcionou, também, um maior volume de capitais, além de uma
ampliação do mercado interno
-Consequências: A necessidade do abastecimento das regiões mineradoras levou ao
desenvolvimento do comércio e ao surgimento de cidades
-Nova elite se forma, sendo que seus filhos, ao estudarem na Europa, trarão para o
Brasil as novas ideias de liberdade, já que estavam ocorrendo movimentos
revolucionários na França = neoliberalismo = novas ideias de romper com a metrópole.
Responsáveis pela ampliação da atividade cultural na colônia, mas, principalmente, pela
base intelectual da luta que começava a se travar contra o domínio metropolitano
O Renascimento Agrícola
-Período que se segue à crise da mineração no Brasil. Porém trata-se de uma
denominação imprecisa, já que a agricultura nunca deixou de existir, visto que o açúcar,
mesmo com sua decadência, continuou sendo um produto gerador de riquezas através
da exportação
-Além do declínio da mineração, vários outros fatores internacionais contribuíram para
esse renascimento. Este é o período da Revolução Industrial, na qual a Inglaterra teve
ampliada sua produção de tecidos, necessitando, portanto, de fontes de matéria-prima.
Além disso, eclode a Guerra de Independência dos Estados Unidos (independência
voltada para realizar o processo de industrialização)
-Nesse período de guerra, as relações entre a Inglaterra e suas antigas colônias foram
cortadas. Assim, a Inglaterra necessitava de algodão, fazendo com que o mercado desse
produto abrisse no Brasil, principalmente no estado de Maranhão
-Tabaco também cresceu nesse período, em função do aumento do hábito de fumar na
Europa. O cacau deixou de ser um produto meramente extrativista, passando a ser
plantado em várias regiões da Bahia. Por fim, o açúcar teve sua ampliação fortemente
ampliada. As razões para essa ampliação ligam-se às revoltas de escravos nas Antilhas,
as quais levaram à diminuição da produção na região, o que permitiu aos brasileiros
novamente o domínio do mercado europeu
As revoltas nativistas
-Século XVII: Começam os movimentos nativistas (com sentimento anti-
metropolitano), os quais tinham interesses diferentes entre metrópole e colônia. Tais
diferenças ligam-se às necessidades da metrópole, a qual tinha a colônia como seu
enriquecimento, fazendo com que cobrasse impostos, restrições, levando ao
descontentamento da população nativa, ou seja, explorava-a
-Esses movimentos não representam a crise no Sistema Colonial, já que se constituem
de movimentos isolados, voltados à resolução de aspectos também isolados
-1641- Aclamação de Amador Bueno: ocorreu em São Paulo e surgiu a partir de
bandeirantes paulistas, diretamente ligado à questão da escravização de índios
-Essa reação ocorreu um ano após o fim da União Ibérica. Durante aquele período, até
pelo fato de que os espanhóis não tinham restrições à escravização indígena, a captura
de índios por bandeirantes paulistas havia aumentado. Entretanto, com a restauração e a
crise, a Coroa viu-se obrigada a incentivar o tráfico negreiro para maior lucro,
desvalorizando a escravização indígena através do envio de jesuítas, que eram contra
essa escravização, a São Vicente, centro das bandeiras
-Reação dos bandeirantes: expulsão dos jesuítas. Porém a fragilidade do movimento fez
com que o mesmo fosse facilmente derrotado
-1684- Revolta de Beckman: ocorreu no Maranhão, estado que possuía uma economia
voltada ao comércio das drogas do sertão e agricultura, a qual tinha a escravização
indígena, por ser mais barata que a negra. Porém, com a presença de jesuítas na região,
a escravização indígena foi impedida. Em 1682 houve a criação da Companhia Geral de
Comércio do Estado do Maranhão, a qual vendia por preços altíssimos e pagava aos
trabalhadores locais um salário baixo
-Isso provocou uma revolta, com líder Manuel Beckman, que expulsou os
representantes da Companhia e os jesuítas, instituindo um governo próprio. Esse ato não
foi por uma independência, mas sim para protestar contra determinados abusosda
Coroa. Porém a reação portuguesa foi intensa e os participantes foram capturados e
enforcados
-1708-1709- Guerra dos Emboabas, ocorrida em MG, envolvendo bandeirantes
paulistas e portugueses na disputa pelo domínio das áreas coloniais. Os bandeirantes
haviam descoberto as jazidas e se consideravam proprietários delas, porém os
portugueses contavam com o apoio das autoridades locais para que os mesmos fossem
donos
-A intervenção dos portugueses, assim como a descoberta do outo em Goiás e Mato
Grosso, atraindo os bandeirantes para essas regiões, contribuíram para o fim dos
conflitos
-1710-1711-Guerra dos Mascates, ocorrida em Pernambuco. Desde a expansão dos
holandeses, em 1654, a economia pernambucana vinha passando por um período de
decadência, que agravou-se com a mineração, a qual trouxe um desabastecimento,
inclusive de escravos. Ao mesmo tempo, os comerciantes de Recife, que eram
portugueses, protegidos por uma legislação que lhes garantiam o monopólio comercial,
prosperavam, passando a ser credores da aristocracia decadente
-1709- comerciantes de Recife (mascates) conseguiram da Coroa sua emancipação e a
elevação de Recife à categoria de vila, separada de Olinda. Isso permitiria a eles definir
novas tarifas de frete marítimo, até então sob o controle da Câmara de Olinda
-Reação dos olindenses foi a invasão de Recife, dando origem a uma guerra, a qual
terminou em 1711, com a intervenção de Portugal. Todos os revoltosos foram
anistiados, mas Recife manteve sua autonomia e foi transformada em sede
administrativa da Capitania
-Revolta de Filipe dos Santos foi uma revolta que teve como causa os excessos
fiscalistasque incidiram sobre a mineração
-1719- governo proíbe a circulação do ouro em pó, instituindo a obrigatoriedade de que
todo ouro produzido fosse entregue às Casas de Fundição
-2000 mineradores se rebelaram, passando a pressionar o intendente de Minas Gerais, o
conde de Assumar, exigindo também o fim de vários impostos que incidiam sobre a
atividade econômica. Sem tropas, o conde procurou negociar e ganhar a simpatia dos
mineradores, aceitando as reinvindicações. Entretanto, reuniu as tropas e atacou os
revoltosos, enforcando-os
A crise do Sistema Colonial
-Segunda metade do séc XVIII - Os movimentos emancipacionistas, em função do
Iluminismo, movimento que trazia ideias de liberdade e igualdade, negando a nobreza,
passam a questionar a dominação colonial como um todo, ou seja, não apenas
isoladamente, como os nativistas
Movimentos emancipacionistas
*A Inconfidência Mineira
-A Coroa buscou um maior controle sobre a região por causa das jazidas. Substituiu o
imposto de captação pelo quinto. Quanto aos diamantes, retirou o controle da
exploração de particulares, passando para si. Porém a quantia do quinto, com o
esgotamento das minas, não estava sendo apago, assim, a Coroa instituiu a Derrama,
que cobrava os quintos atrasados, criando também o Regimento dos Dragões, que
confiscava propriedades como forma de pagamento
-Era contra a derrama e o arrocho na região das minas. Tratava-se de uma articulação de
intelectuais, destacando-se José Joaquim da Silva Xavier, o Tiradentes, já que o mesmo
era uma ligação entre os intelectuais e o povo,o qual era necessário para atingir os seus
objetivos
-Tais objetivos eram maldefinidos, já que propunham a extinção de todas as medidas de
controle sobre a colônia. O plano dos intelectuais era de se aproveitar do momento da
derrama, a qual iria despertar uma indignação popular, dando um impulso ao
movimento
-Porém o movimento foi denunciado antes de ser efetivado. Tiradentes foi enforcado e
os demais foram expulsos do Brasil
*Conjuração Baiana (1798):
-Movimento popular contando com a participação e liderança de escravos, mulatos
-Objetivos:
--República
--Libertação em relação a Portugal
--Democracia
--Aumento de salários
--Liberdade de comércio
--Fim da escravidão e abolição de todas as formas de preconceito (com o objetivo de
empregar o negro que antes era escravo)
-Suas origens: transferência da capital para o RJ, esvaziando a economia de Salvador.
Além do momento histórico, que era o Iluminismo, influenciando ainda mais esse
movimento, visto que a Revolução Francesa também foi exercida apenas por populares.
Além disso, os escravos do Haiti iniciaram uma rebelião que levou à independência do
país
-O movimento chegou a contar com a elite, a qual buscava limitar as transformações
limitares, em vão, a mesma viu-se isolada, já que a maioria era de origem popular. Em
consequência, o movimento ficou restrito a um grupo de intelectuais através de uma
organização revolucionária secreta, os Cavaleiros da Luz
-2 de agosto de 1798: A revolta se inicia, porém já havia sido denunciada, sofrendo
imediata repressão pelos portugueses, sendo seus “cabeças”enforcados e esquartejados
*Revolução Pernambucana (1817):
-Ocorreu em um momento em que o RJ era a capital, sendo que no nordeste havia uma
decadência econômica, a qual só se agravava devido a mudança de capital. Além disso,
D. João declarava o aumento de impostos para custear o RJ
-Tudo isso gerou um sentimento emancipacionista, ou seja, a certeza da necessidade de
ruptura com Portugal. Assim, setores populares de classe média e da elite uniam-se,
além do apoio de militares, o que levou à queda do governo, implantando um governo
republicano, decretando a extinção de impostos, liberdade de imprensa e de religião
-Não obteve reconhecimento político pelos EUA e Inglaterra, mas ganhava mais
revoltosos de outros estados
-Não rompeu com os interesses da elite, estabelecendo a Lei Orgânica, a qual garantia
a propriedade privada, inclusive de escravos
-Porém a repressão foi violenta e todos os líderes presos, porém a mesma não sufocou
as ideias revolucionárias e separatistas

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História do maranhão
História do maranhãoHistória do maranhão
História do maranhão
Lyssa Martins
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
joana71
 
Independência das 13 Colônias Inglesas na América
Independência das 13 Colônias Inglesas na AméricaIndependência das 13 Colônias Inglesas na América
Independência das 13 Colônias Inglesas na América
eiprofessor
 
HISTÓRIA: Inconfidência Mineira
HISTÓRIA: Inconfidência MineiraHISTÓRIA: Inconfidência Mineira
HISTÓRIA: Inconfidência Mineira
BlogSJuniinho
 

Mais procurados (20)

Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
Colonização da América
Colonização da AméricaColonização da América
Colonização da América
 
História do maranhão
História do maranhãoHistória do maranhão
História do maranhão
 
Absolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slideAbsolutismo e mercantilismo slide
Absolutismo e mercantilismo slide
 
Brasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistasBrasil colônia4 revoltas nativistas
Brasil colônia4 revoltas nativistas
 
1° ano - Grécia Antiga
1° ano -  Grécia Antiga1° ano -  Grécia Antiga
1° ano - Grécia Antiga
 
Revolução Industrial
Revolução IndustrialRevolução Industrial
Revolução Industrial
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 
Estado sociedade e poder
Estado sociedade e poderEstado sociedade e poder
Estado sociedade e poder
 
Independência das 13 Colônias Inglesas na América
Independência das 13 Colônias Inglesas na AméricaIndependência das 13 Colônias Inglesas na América
Independência das 13 Colônias Inglesas na América
 
HISTÓRIA: Inconfidência Mineira
HISTÓRIA: Inconfidência MineiraHISTÓRIA: Inconfidência Mineira
HISTÓRIA: Inconfidência Mineira
 
Conjuração Baiana
Conjuração BaianaConjuração Baiana
Conjuração Baiana
 
África Medieval - 7º Ano (2016)
África Medieval - 7º Ano (2016)África Medieval - 7º Ano (2016)
África Medieval - 7º Ano (2016)
 
Revolução industrial
Revolução industrialRevolução industrial
Revolução industrial
 
Baixa idade média
Baixa idade médiaBaixa idade média
Baixa idade média
 
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIALREVOLUÇÃO INDUSTRIAL
REVOLUÇÃO INDUSTRIAL
 
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesasBrasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
Brasil invasões estrangeiras - francesas e holandesas
 
Crise do império e proclamação da república
Crise do império e proclamação da repúblicaCrise do império e proclamação da república
Crise do império e proclamação da república
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 

Destaque

Mineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil ColôniaMineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil Colônia
Jerry Guimarães
 
Economia mineradora século XVIII
Economia mineradora século XVIIIEconomia mineradora século XVIII
Economia mineradora século XVIII
Lú Carvalho
 
Goiás no período colonial ( slide)
Goiás no período colonial ( slide)Goiás no período colonial ( slide)
Goiás no período colonial ( slide)
gesik
 
Apostila gastronomis e cultura
Apostila gastronomis e culturaApostila gastronomis e cultura
Apostila gastronomis e cultura
Soraia Lima
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
martinha10
 
Java, NetBeans e Orientação a Objetos
Java, NetBeans e Orientação a ObjetosJava, NetBeans e Orientação a Objetos
Java, NetBeans e Orientação a Objetos
João Longo
 
Mineração no Brasil Colonial
Mineração no Brasil ColonialMineração no Brasil Colonial
Mineração no Brasil Colonial
Talita Barreto
 
Aula 06 auxiliar de mineração mineração e (meio ambiente) ll
Aula 06 auxiliar de mineração mineração e (meio ambiente) llAula 06 auxiliar de mineração mineração e (meio ambiente) ll
Aula 06 auxiliar de mineração mineração e (meio ambiente) ll
Homero Alves de Lima
 

Destaque (20)

Mineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil ColôniaMineração no Brasil Colônia
Mineração no Brasil Colônia
 
Economia mineradora século XVIII
Economia mineradora século XVIIIEconomia mineradora século XVIII
Economia mineradora século XVIII
 
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino FundamentalA Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
 
Goiás no período colonial ( slide)
Goiás no período colonial ( slide)Goiás no período colonial ( slide)
Goiás no período colonial ( slide)
 
Economia colonial
Economia colonialEconomia colonial
Economia colonial
 
Mineração no Brasil colônia
Mineração no Brasil colôniaMineração no Brasil colônia
Mineração no Brasil colônia
 
7 historia-economia-mineradora-v01
7   historia-economia-mineradora-v017   historia-economia-mineradora-v01
7 historia-economia-mineradora-v01
 
Apostila gastronomis e cultura
Apostila gastronomis e culturaApostila gastronomis e cultura
Apostila gastronomis e cultura
 
Revolução inglesa
Revolução inglesaRevolução inglesa
Revolução inglesa
 
Mineração, Legislação Mineral e Requerimento de Pesquisa (The Brazilian Minin...
Mineração, Legislação Mineral e Requerimento de Pesquisa (The Brazilian Minin...Mineração, Legislação Mineral e Requerimento de Pesquisa (The Brazilian Minin...
Mineração, Legislação Mineral e Requerimento de Pesquisa (The Brazilian Minin...
 
Java, NetBeans e Orientação a Objetos
Java, NetBeans e Orientação a ObjetosJava, NetBeans e Orientação a Objetos
Java, NetBeans e Orientação a Objetos
 
Mineração no Brasil Colonial
Mineração no Brasil ColonialMineração no Brasil Colonial
Mineração no Brasil Colonial
 
A exploração do ouro
A exploração do ouroA exploração do ouro
A exploração do ouro
 
Mineração no Brasil - Século XVIII
Mineração no Brasil - Século XVIIIMineração no Brasil - Século XVIII
Mineração no Brasil - Século XVIII
 
A exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasilA exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasil
 
Aula 06 auxiliar de mineração mineração e (meio ambiente) ll
Aula 06 auxiliar de mineração mineração e (meio ambiente) llAula 06 auxiliar de mineração mineração e (meio ambiente) ll
Aula 06 auxiliar de mineração mineração e (meio ambiente) ll
 
O Ciclo do ouro
O Ciclo do  ouroO Ciclo do  ouro
O Ciclo do ouro
 
Sociedade Mineradora
Sociedade MineradoraSociedade Mineradora
Sociedade Mineradora
 
A época do ouro no brasil
A época do ouro no brasilA época do ouro no brasil
A época do ouro no brasil
 
Mineração no brasil
Mineração no brasilMineração no brasil
Mineração no brasil
 

Semelhante a A economia mineradora

Historia cn2
Historia cn2Historia cn2
Historia cn2
2marrow
 
Historia cn2
Historia cn2Historia cn2
Historia cn2
cavip
 
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
Franciele Marques
 
A economia do brasil colonial
A economia do brasil colonialA economia do brasil colonial
A economia do brasil colonial
historiando
 
A influência das ideias iluministas no brasil 8°
A influência das ideias iluministas no brasil 8°A influência das ideias iluministas no brasil 8°
A influência das ideias iluministas no brasil 8°
Josivane Love
 
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
Andrei Rita
 
A Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaA Baixa Idade Média
A Baixa Idade Média
BriefCase
 

Semelhante a A economia mineradora (20)

A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
 
Historia cn2
Historia cn2Historia cn2
Historia cn2
 
Historia cn2
Historia cn2Historia cn2
Historia cn2
 
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
22024408 historia-brasil-colonia-mineracao-resumo-questoes-gabarito-prof-marc...
 
ciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdfciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdf
 
A economia do brasil colonial
A economia do brasil colonialA economia do brasil colonial
A economia do brasil colonial
 
Brasil colônia seculo XVIII
Brasil colônia seculo XVIIIBrasil colônia seculo XVIII
Brasil colônia seculo XVIII
 
A economia do brasil colonial
A economia do brasil colonialA economia do brasil colonial
A economia do brasil colonial
 
A influência das ideias iluministas no brasil 8°
A influência das ideias iluministas no brasil 8°A influência das ideias iluministas no brasil 8°
A influência das ideias iluministas no brasil 8°
 
A economia na América portuguesa e o Brasil holandês.
A economia na América portuguesa e o Brasil holandês.A economia na América portuguesa e o Brasil holandês.
A economia na América portuguesa e o Brasil holandês.
 
Brasil colônia II economia
Brasil colônia II   economiaBrasil colônia II   economia
Brasil colônia II economia
 
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
04-Cana-de-Açúcar.ppt.pdf
 
Sociedade mineradora (1).pptx
Sociedade mineradora (1).pptxSociedade mineradora (1).pptx
Sociedade mineradora (1).pptx
 
O controle sobre ouro- Sociedade mineradora
O controle sobre ouro- Sociedade mineradoraO controle sobre ouro- Sociedade mineradora
O controle sobre ouro- Sociedade mineradora
 
Ciclo do Ouro
Ciclo do OuroCiclo do Ouro
Ciclo do Ouro
 
A Baixa Idade Média
A Baixa Idade MédiaA Baixa Idade Média
A Baixa Idade Média
 
www.AulasEnsinoMedio.com.br - História - Expansão Marítima
www.AulasEnsinoMedio.com.br - História -  Expansão Marítimawww.AulasEnsinoMedio.com.br - História -  Expansão Marítima
www.AulasEnsinoMedio.com.br - História - Expansão Marítima
 
Aula 3 hist em
Aula 3   hist emAula 3   hist em
Aula 3 hist em
 
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptxBrasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
Brasil Colônia - ciclo do ouro.pptx
 
Resumo historia
Resumo historiaResumo historia
Resumo historia
 

Mais de BriefCase

White Fang Jack London
White Fang  Jack LondonWhite Fang  Jack London
White Fang Jack London
BriefCase
 
República brasileira
República brasileiraRepública brasileira
República brasileira
BriefCase
 
Nazismo na Alemanha 2010
Nazismo na Alemanha   2010Nazismo na Alemanha   2010
Nazismo na Alemanha 2010
BriefCase
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
BriefCase
 
Resumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoResumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema Nervoso
BriefCase
 
Questão Palestina
Questão PalestinaQuestão Palestina
Questão Palestina
BriefCase
 
Grandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais ExercíciosGrandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais Exercícios
BriefCase
 
Funções quimica organica
Funções quimica organicaFunções quimica organica
Funções quimica organica
BriefCase
 
Enzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos geraisEnzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos gerais
BriefCase
 
Resumão Dom Casmurro
Resumão Dom CasmurroResumão Dom Casmurro
Resumão Dom Casmurro
BriefCase
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
BriefCase
 
Egito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e GréciaEgito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e Grécia
BriefCase
 
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesaBaixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
BriefCase
 
As reformas religiosas
As reformas religiosasAs reformas religiosas
As reformas religiosas
BriefCase
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
BriefCase
 
Aspectos políticos da colônia portuguesa
Aspectos políticos da colônia portuguesaAspectos políticos da colônia portuguesa
Aspectos políticos da colônia portuguesa
BriefCase
 
As revoluções inglesas do século XVII
As revoluções inglesas do século XVIIAs revoluções inglesas do século XVII
As revoluções inglesas do século XVII
BriefCase
 

Mais de BriefCase (20)

Evolução
EvoluçãoEvolução
Evolução
 
Biomas
Biomas Biomas
Biomas
 
White Fang Jack London
White Fang  Jack LondonWhite Fang  Jack London
White Fang Jack London
 
República brasileira
República brasileiraRepública brasileira
República brasileira
 
Nazismo na Alemanha 2010
Nazismo na Alemanha   2010Nazismo na Alemanha   2010
Nazismo na Alemanha 2010
 
Totalitarismo
TotalitarismoTotalitarismo
Totalitarismo
 
Resumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema NervosoResumo Sistema Nervoso
Resumo Sistema Nervoso
 
Questão Palestina
Questão PalestinaQuestão Palestina
Questão Palestina
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
Grandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais ExercíciosGrandes grupos-vegetais Exercícios
Grandes grupos-vegetais Exercícios
 
Funções quimica organica
Funções quimica organicaFunções quimica organica
Funções quimica organica
 
Enzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos geraisEnzimas aspectos gerais
Enzimas aspectos gerais
 
Resumão Dom Casmurro
Resumão Dom CasmurroResumão Dom Casmurro
Resumão Dom Casmurro
 
República Oligárquica
República OligárquicaRepública Oligárquica
República Oligárquica
 
Egito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e GréciaEgito, Palestina e Grécia
Egito, Palestina e Grécia
 
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesaBaixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
Baixa Idade Média, Idade Moderna e Colônia portuguesa
 
As reformas religiosas
As reformas religiosasAs reformas religiosas
As reformas religiosas
 
A Idade Média
A Idade MédiaA Idade Média
A Idade Média
 
Aspectos políticos da colônia portuguesa
Aspectos políticos da colônia portuguesaAspectos políticos da colônia portuguesa
Aspectos políticos da colônia portuguesa
 
As revoluções inglesas do século XVII
As revoluções inglesas do século XVIIAs revoluções inglesas do século XVII
As revoluções inglesas do século XVII
 

A economia mineradora

  • 1. A economia mineradora As origens da mineração -Com a decadência econômica tanto colonial como em Portugal, devido à produção açucareira holandesa, o descobrimento de ouro na região de Minas Gerais gerou uma corrida para o estado, tanto pela população local, como pelos imigrantes portugueses -O ouro ficava em áreas montanhosas, não ocupadas pelos índios. Assim, apenas a partir que a escravização dos índios deixa de ser lucrativa que se intensifica as expedições as áreas para encontrar ouro -Foi criado o Regimento das Minas permitia a livre extração, desde que coubesse à Coroa um quinto do ouro obtido, facilitando o controle do mesmo pela Coroa -Criava-se a Intendência das Minas que garantia a extração, porém qualquer descoberta deveria ser informada à Intendência, a qual, após avaliar o tamanho da jazida, dividia-a em datas, sendo que aquele que tivera descoberto a jazida teria direito à escolha de uma data, as demais seriam leiloadas aos mineradores -Criava-se o quinto, mais um imposto sobre a atividade. Era a capitação, uma quantia fixa em ouro, paga pelo minerador, proporcional ao número de escravos que ele tivesseempregando na mineração -Dificuldades surgiam em relação ao controle português, com a extensão da região mineradora e as constantes descobertas de novas áreas, como a própria característica do ouro brasileiro, o qual era ouro de aluvião, obtido através do garimpo sob a forma de pó, facilmente contrabandeável -1719- Coroa estabeleceu uma série de limitações à circulação do ouro em pó, as quais culminaram com sua proibição e com a criação das Casas de Fundição. Assim, todo o ouro obtido teria que ser levado para estas Casas de Fundição, onde seria fundido em barras, recebendo o lacre real atestando seu peso e valor, e seria já devidamente quintado, ou seja, teria já retirada a parte que cabia à Coroa -Em função da mineração, estabelece-se um vasto comércio para abastecer a região, já que havia muitas pessoas, não apenas em mantimentos, mas também de escravos. Da mesma forma, desenvolve-se uma pecuária em MG -Acentuam-se os problemas de abastecimento no restante da colônia. MG se tornara um polo de integração entre as regiões, já que se tornou a base da economia. Assim, a economia interna se desenvolve muito, fazendo com que a economia de subsistência predominasse
  • 2. Os diamantes -1729- Descobertos em Arraial do Tijuco, causando novo interesse entre a população e toda uma série de medidas com parte da Coroa portuguesa -Havia a possibilidade de os escravos engolirem os diamantes para que servissem como pagamento de sua carta de alforria, para evitar isso eram vigiados -Diferente do ouro, o qual era encontrado em uma vasta região, os diamantes foram encontrados apenas no Arraial do Tijuco, fazendo com que houvesse uma maior integração colonial, maior diversidade econômica e, portanto, maior disponibilidade de capitais, já que quanto mais raro, mais caro. Isso também facilitou a vigia imposta pela Coroa, já que era em apenas um local -Os diamantes foram declarados estanco régio, ou seja, monopólio da Coroa na extração. O Arraial do Tijuco foi cercado, sendo criado o Distrito Diamantino. Os direitos de exploração foram repassados aos contratadores, os quais pagavam, além de um alto valor inicial pela concessão (exemplo: 100 @), altas taxas de capitação, além de 50% do valor obtido à Coroa. Declínio da atividade mineradora -1740-1770- Apogeu da mineração. A partir de 1770, as técnicas rudimentares de obtenção de ouro e diamantes, bem como o próprio esgotamento das jazidas, levou a prática à sua decadência. Assim, acentuou-se a crise interna, fazendo com que os portugueses aumentassem os impostos -Com esse objetivo, foi estabelecida a Derrama, a cobrança forçada dos impostos atrasados, através do uso do Exército (Regimento dos Dragões), inclusive com o confisco de riquezas como pagamento pelas dívidas dos mineradores -A combinação desses dois elementos, a crise econômica e a ampliação da fiscalização portuguesa, foi decisiva para ampliar o sentimento antimetropolitano, dando origem à, por exemplo, Inconfidência Mineira Transformações a partir da segunda metade do século XVII A crise portuguesa e o “Arrocho Colonial”: arrocho: aumento de impostos -Anteriormente a crise que se abre em Portugal, após o domínio espanhol (União Ibérica- um capital ia para a Espanha), levou o país a uma situação de maior dependência externa (sem autonomia) e endividamento, notadamente em relação à Inglaterra, após sua independência. O Brasil ficou como principal fonte de recursos para Portugal, o que motivou uma prática mais opressiva por parte da Coroa portuguesa
  • 3. -Duas razões levaram a isso: a ampliação da dependência e do endividamento com a Inglaterra, principalmente a partir do Tratado de Panos e Vinhos, o qual estabelecia uma reciprocidade de taxas alfandegárias entre Portugal e Inglaterra, na importação, pela Inglaterra, do vinho português e, por Portugal, dos tecidos ingleses -Esse compromisso é ruim para Portugal, já que essa época antecede à Revolução Industrial inglesa, no qual a Inglaterra já contava com uma vasta produção manufatureira a preços consideravelmente mais baixos que seus similares portugueses. A entrada de grandes quantidades de produtos ingleses em Portugal, pagando taxas alfandegárias baixíssimas, e, portanto, sendo vendidos a baixo custo no país, destruiu a manufatura portuguesa (o acordo não deixou Portugal se desenvolver). Ao mesmo tempo, o acordo condenava Portugal a investir no vinho, único produto para o qual haveria um mercado externo, de valores muito mais baixos e importado pela Inglaterra em quantidades muito menores -Ou seja, os panos eram mais caros que os vinhos (déficit em Portugal) -Com a descoberta do ouro e, posteriormente, dos diamantes, Portugal focou nessas riquezas com oobjetivo de ajudar sua economia O governo do marquês de pombal -Início de uma ampla reação política, social e cultural, já que seu governo está inserido na crise do Antigo Regime e do Sistema Colonial. Essa reação deu origem a uma nova forma de ver o mundo, uma série de novos valores políticos sociais e culturais. Trazia, ao lado de uma luta por liberdade política (negando o Absolutismo), liberdade econômica e igualdade social, com uma preocupação em exaltar a razão como único guia para o conhecimento, em oposição ao obscurantismo da fé, dando início ao Iluminismo -Governantes europeus empregam a ideia iluminista, já que queriam modernizar seus governos, incorporando, por exemplo, ensino técnico, sem abrir mão de seu poder absoluto. Receberam o nome de Déspotas Esclarecidos -Pombal é o principal símbolo do despotismo esclarecido, ou do Reformismo Ilustrado em Portugal. O mesmo empreendeu reformas com o objetivo de modernizar o reino, impedir a dispersão de recursos, centralizar a administração e reduzir o abismo que separava Portugal das demais potências -Assim, em relação ao Brasil, Pombal: *extinguiu as Capitanias Hereditárias, com o objetivo de centralizar a administração, reunificando o Brasil *transferiu a capital para o Rio de Janeiro, já que é a cidade mais próxima de Minas Gerais, facilitando o envio do ouro para Portugal *extinguiu a escravidão indígena, ampliando o tráfico negreiro *instituiu a Derrama, para ampliar a arrecadação de impostos com a mineração
  • 4. -Pombal entrou em atrito com os jesuítas, já que os mesmos gozavam de ampla autonomia dentro de Portugal e do Brasil, quase um “estado dentro do estado”, o que contrariava os princípios centralizadores da administração pombalina. Além disso, acumulavam imensas riquezas, cujo confisco ajudaria na elevação da economia portuguesa. Outra razão se encontrava sobre a educação proporcionada pelos jesuítas, o que se contrapunha à tentativa de Pombal de ampliar o ensino técnico -Acusando os jesuítas de participação em um atentado contra o rei, Pombal expulsou a ordem de Portugal e, mais tarde, do Brasil -Com a morte de d. José, Pombal deixou o cargo, com o retorno dos jesuítas durante o reinado de d. Maria I Consequências e transformações trazidas pela mineração -Causas:A atividade mineradora foi responsável pela ida dos portugueses e os interessados ao interior e, ao atingir áreas além de Tordesilhas, levou à expansão territorial. Proporcionou, também, um maior volume de capitais, além de uma ampliação do mercado interno -Consequências: A necessidade do abastecimento das regiões mineradoras levou ao desenvolvimento do comércio e ao surgimento de cidades -Nova elite se forma, sendo que seus filhos, ao estudarem na Europa, trarão para o Brasil as novas ideias de liberdade, já que estavam ocorrendo movimentos revolucionários na França = neoliberalismo = novas ideias de romper com a metrópole. Responsáveis pela ampliação da atividade cultural na colônia, mas, principalmente, pela base intelectual da luta que começava a se travar contra o domínio metropolitano O Renascimento Agrícola -Período que se segue à crise da mineração no Brasil. Porém trata-se de uma denominação imprecisa, já que a agricultura nunca deixou de existir, visto que o açúcar, mesmo com sua decadência, continuou sendo um produto gerador de riquezas através da exportação -Além do declínio da mineração, vários outros fatores internacionais contribuíram para esse renascimento. Este é o período da Revolução Industrial, na qual a Inglaterra teve ampliada sua produção de tecidos, necessitando, portanto, de fontes de matéria-prima. Além disso, eclode a Guerra de Independência dos Estados Unidos (independência voltada para realizar o processo de industrialização) -Nesse período de guerra, as relações entre a Inglaterra e suas antigas colônias foram cortadas. Assim, a Inglaterra necessitava de algodão, fazendo com que o mercado desse produto abrisse no Brasil, principalmente no estado de Maranhão
  • 5. -Tabaco também cresceu nesse período, em função do aumento do hábito de fumar na Europa. O cacau deixou de ser um produto meramente extrativista, passando a ser plantado em várias regiões da Bahia. Por fim, o açúcar teve sua ampliação fortemente ampliada. As razões para essa ampliação ligam-se às revoltas de escravos nas Antilhas, as quais levaram à diminuição da produção na região, o que permitiu aos brasileiros novamente o domínio do mercado europeu As revoltas nativistas -Século XVII: Começam os movimentos nativistas (com sentimento anti- metropolitano), os quais tinham interesses diferentes entre metrópole e colônia. Tais diferenças ligam-se às necessidades da metrópole, a qual tinha a colônia como seu enriquecimento, fazendo com que cobrasse impostos, restrições, levando ao descontentamento da população nativa, ou seja, explorava-a -Esses movimentos não representam a crise no Sistema Colonial, já que se constituem de movimentos isolados, voltados à resolução de aspectos também isolados -1641- Aclamação de Amador Bueno: ocorreu em São Paulo e surgiu a partir de bandeirantes paulistas, diretamente ligado à questão da escravização de índios -Essa reação ocorreu um ano após o fim da União Ibérica. Durante aquele período, até pelo fato de que os espanhóis não tinham restrições à escravização indígena, a captura de índios por bandeirantes paulistas havia aumentado. Entretanto, com a restauração e a crise, a Coroa viu-se obrigada a incentivar o tráfico negreiro para maior lucro, desvalorizando a escravização indígena através do envio de jesuítas, que eram contra essa escravização, a São Vicente, centro das bandeiras -Reação dos bandeirantes: expulsão dos jesuítas. Porém a fragilidade do movimento fez com que o mesmo fosse facilmente derrotado -1684- Revolta de Beckman: ocorreu no Maranhão, estado que possuía uma economia voltada ao comércio das drogas do sertão e agricultura, a qual tinha a escravização indígena, por ser mais barata que a negra. Porém, com a presença de jesuítas na região, a escravização indígena foi impedida. Em 1682 houve a criação da Companhia Geral de Comércio do Estado do Maranhão, a qual vendia por preços altíssimos e pagava aos trabalhadores locais um salário baixo -Isso provocou uma revolta, com líder Manuel Beckman, que expulsou os representantes da Companhia e os jesuítas, instituindo um governo próprio. Esse ato não foi por uma independência, mas sim para protestar contra determinados abusosda Coroa. Porém a reação portuguesa foi intensa e os participantes foram capturados e enforcados -1708-1709- Guerra dos Emboabas, ocorrida em MG, envolvendo bandeirantes paulistas e portugueses na disputa pelo domínio das áreas coloniais. Os bandeirantes haviam descoberto as jazidas e se consideravam proprietários delas, porém os
  • 6. portugueses contavam com o apoio das autoridades locais para que os mesmos fossem donos -A intervenção dos portugueses, assim como a descoberta do outo em Goiás e Mato Grosso, atraindo os bandeirantes para essas regiões, contribuíram para o fim dos conflitos -1710-1711-Guerra dos Mascates, ocorrida em Pernambuco. Desde a expansão dos holandeses, em 1654, a economia pernambucana vinha passando por um período de decadência, que agravou-se com a mineração, a qual trouxe um desabastecimento, inclusive de escravos. Ao mesmo tempo, os comerciantes de Recife, que eram portugueses, protegidos por uma legislação que lhes garantiam o monopólio comercial, prosperavam, passando a ser credores da aristocracia decadente -1709- comerciantes de Recife (mascates) conseguiram da Coroa sua emancipação e a elevação de Recife à categoria de vila, separada de Olinda. Isso permitiria a eles definir novas tarifas de frete marítimo, até então sob o controle da Câmara de Olinda -Reação dos olindenses foi a invasão de Recife, dando origem a uma guerra, a qual terminou em 1711, com a intervenção de Portugal. Todos os revoltosos foram anistiados, mas Recife manteve sua autonomia e foi transformada em sede administrativa da Capitania -Revolta de Filipe dos Santos foi uma revolta que teve como causa os excessos fiscalistasque incidiram sobre a mineração -1719- governo proíbe a circulação do ouro em pó, instituindo a obrigatoriedade de que todo ouro produzido fosse entregue às Casas de Fundição -2000 mineradores se rebelaram, passando a pressionar o intendente de Minas Gerais, o conde de Assumar, exigindo também o fim de vários impostos que incidiam sobre a atividade econômica. Sem tropas, o conde procurou negociar e ganhar a simpatia dos mineradores, aceitando as reinvindicações. Entretanto, reuniu as tropas e atacou os revoltosos, enforcando-os A crise do Sistema Colonial -Segunda metade do séc XVIII - Os movimentos emancipacionistas, em função do Iluminismo, movimento que trazia ideias de liberdade e igualdade, negando a nobreza, passam a questionar a dominação colonial como um todo, ou seja, não apenas isoladamente, como os nativistas
  • 7. Movimentos emancipacionistas *A Inconfidência Mineira -A Coroa buscou um maior controle sobre a região por causa das jazidas. Substituiu o imposto de captação pelo quinto. Quanto aos diamantes, retirou o controle da exploração de particulares, passando para si. Porém a quantia do quinto, com o esgotamento das minas, não estava sendo apago, assim, a Coroa instituiu a Derrama, que cobrava os quintos atrasados, criando também o Regimento dos Dragões, que confiscava propriedades como forma de pagamento -Era contra a derrama e o arrocho na região das minas. Tratava-se de uma articulação de intelectuais, destacando-se José Joaquim da Silva Xavier, o Tiradentes, já que o mesmo era uma ligação entre os intelectuais e o povo,o qual era necessário para atingir os seus objetivos -Tais objetivos eram maldefinidos, já que propunham a extinção de todas as medidas de controle sobre a colônia. O plano dos intelectuais era de se aproveitar do momento da derrama, a qual iria despertar uma indignação popular, dando um impulso ao movimento -Porém o movimento foi denunciado antes de ser efetivado. Tiradentes foi enforcado e os demais foram expulsos do Brasil *Conjuração Baiana (1798): -Movimento popular contando com a participação e liderança de escravos, mulatos -Objetivos: --República --Libertação em relação a Portugal --Democracia --Aumento de salários --Liberdade de comércio --Fim da escravidão e abolição de todas as formas de preconceito (com o objetivo de empregar o negro que antes era escravo) -Suas origens: transferência da capital para o RJ, esvaziando a economia de Salvador. Além do momento histórico, que era o Iluminismo, influenciando ainda mais esse movimento, visto que a Revolução Francesa também foi exercida apenas por populares. Além disso, os escravos do Haiti iniciaram uma rebelião que levou à independência do país -O movimento chegou a contar com a elite, a qual buscava limitar as transformações limitares, em vão, a mesma viu-se isolada, já que a maioria era de origem popular. Em
  • 8. consequência, o movimento ficou restrito a um grupo de intelectuais através de uma organização revolucionária secreta, os Cavaleiros da Luz -2 de agosto de 1798: A revolta se inicia, porém já havia sido denunciada, sofrendo imediata repressão pelos portugueses, sendo seus “cabeças”enforcados e esquartejados *Revolução Pernambucana (1817): -Ocorreu em um momento em que o RJ era a capital, sendo que no nordeste havia uma decadência econômica, a qual só se agravava devido a mudança de capital. Além disso, D. João declarava o aumento de impostos para custear o RJ -Tudo isso gerou um sentimento emancipacionista, ou seja, a certeza da necessidade de ruptura com Portugal. Assim, setores populares de classe média e da elite uniam-se, além do apoio de militares, o que levou à queda do governo, implantando um governo republicano, decretando a extinção de impostos, liberdade de imprensa e de religião -Não obteve reconhecimento político pelos EUA e Inglaterra, mas ganhava mais revoltosos de outros estados -Não rompeu com os interesses da elite, estabelecendo a Lei Orgânica, a qual garantia a propriedade privada, inclusive de escravos -Porém a repressão foi violenta e todos os líderes presos, porém a mesma não sufocou as ideias revolucionárias e separatistas