Análise do poema: Procura da poesia - Carlos Drummond de Andrade

20.486 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
20.486
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
67
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Análise do poema: Procura da poesia - Carlos Drummond de Andrade

  1. 1. Seminario de IEL Análise do poema “A Procura da Poesia” De Carlos Drummond de Andrade
  2. 2. Seminario de IEL Membros: Clara Silva Giovanna Nunes Leonardo Coelho Nathalia Conti Nubia Vieira Pedro Sales Sidney Lopes
  3. 3. Procura da Poesia Não faças versos sobre acontecimentos. Não há criação nem morte perante a poesia. Diante dela, a vida é um sol estático, não aquece nem ilumina. As afinidades, os aniversários, os incidentes pessoais não contam. Não faças poesia com o corpo, esse excelente, completo e confortável corpo, tão infenso à efusão lírica. Tua gota de bile, tua careta de gozo ou dor no escuro são indiferentes. Não me reveles teus sentimentos, que se prevalecem de equívoco e tentam a longa viagem. O que pensas e sentes, isso ainda não é poesia. Não cantes tua cidade, deixa-a em paz. O canto não é o movimento das máquinas nem o segredo das casas. Não é música ouvida de passagem, rumor do mar nas ruas junto à linha de espuma.
  4. 4. O canto não é a natureza nem os homens em sociedade. Para ele, chuva e noite, fadiga e esperança nada significam. A poesia (não tires poesia das coisas) elide sujeito e objeto. Não dramatizes, não invoques, não indagues. Não percas tempo em mentir. Não te aborreças. Teu iate de marfim, teu sapato de diamante, vossas mazurcas e abusões, vossos esqueletos de família desaparecem na curva do tempo, é algo imprestável. Não recomponhas tua sepultada e merencória infância. Não osciles entre o espelho e a memória em dissipação. Que se dissipou, não era poesia. Que se partiu, cristal não era.
  5. 5. Penetra surdamente no reino das palavras. Lá estão os poemas que esperam ser escritos. Estão paralisados, mas não há desespero, há calma e frescura na superfície intata. Ei-los sós e mudos, em estado de dicionário. Convive com teus poemas, antes de escrevê-los. Tem paciência, se obscuros. Calma, se te provocam. Espera que cada um se realize e consume com seu poder de palavra e seu poder de silêncio. Não forces o poema a desprender-se do limbo. Não colhas no chão o poema que se perdeu. Não adules o poema. Aceita-o como ele aceitará sua forma definitiva e concentrada no espaço.
  6. 6. Chega mais perto e contempla as palavras. Cada uma tem mil faces secretas sob a face neutra e te pergunta, sem interesse pela resposta, pobre ou terrível que lhe deres: Trouxeste a chave? Repara: ermas de melodia e conceito elas se refugiaram na noite, as palavras. Ainda úmidas e impregnadas de sono, rolam num rio difícil e se transformam em desprezo.
  7. 7. Comentário Nasceu em 31 de outubro de 1902. ● Formou-se em farmácia na cidade de Ouro Preto em 1925. ● Fundou com outros escritores A Revista, que, apesar da vida breve, foi importante veículo de afirmação do modernismo em Minas. ●
  8. 8. Comentário O modernismo não chega a ser dominante nem mesmo nos primeiros livros de Drummond, a dominante é, na verdade, a individualidade do autor, poeta da ordem e da consolidação. ● O poeta trabalha sobretudo com o tempo, em sua cintilação cotidiana e subjetiva ● Poeta popular. ●
  9. 9. Comentário Em 1962 se aposenta do serviço público mas sua produção poética não para. ● Os anos 60 e 70 são produtivos. ● Morreu no Rio de Janeiro, no dia 17 de agosto de 1987, doze dias depois do falecimento de sua filha, a escritora Maria Julieta Drummond de Andrade ●
  10. 10. Comentário O Lutador “Lutar com palavras É a luta mais vã. Entanto Lutamos Mal rompe a manhã. São muitas, eu pouco. Algumas, tão fortes Como um javali. Não me julgo louco. Se o fosse, teria poder de encantá-las. (...) Insisto, solerte. Busco persuadi-las. Ser-lhes-ei escravo De rara humildade. (...)”
  11. 11. Comentário A Palavra Mágica “Certa palavra dorme na sombra de um livro raro. Como desencantá-la? É a senha da vida a senha do mundo. Vou procurá-la. (...)”
  12. 12. Aspectos sonoros Não possui rimas ●Versos brancos ●Versos e estrofes livres ●Dez estrofes ●Aliteração do “r” em “rumor do mas nas ruas” ●Alternância entre aliterações suaves, feitas com som de “s” (suaviza o verso), e o uso de consoantes que soram mais fortes, aumentando o tom do verso. ●
  13. 13. Aspectos semânticos e morfossintáticos Predominância de períodos simples e de predicados nominais. Poucas subordinadas e coordenadas; ● O poema, metalinguístico, pode ser dividido em duas partes: ● Primeira até a sexta estrofe; ● Sétima até a décima estrofe. ●
  14. 14. Aspectos semânticos e morfossintáticos Primeira ate sexta estrofe: Tom paternal, com verbos no imperativo da segunda pessoa do singular (faças, reveles, forces). ● Contém o que NÃO se deve colocar em um poema. Nessa parte há repetição do “não” para enfatizar essa “dica”, estruturada com base em imperativos e elementos negativos (nem, indiferentes, imprestável, etc). ●
  15. 15. Aspectos semânticos e morfossintáticos Sétima até a décima estrofe Contém a “matéria prima” de uma poesia, agora com imperativos afirmativos para reforçar a ideia do que tem que se basear um poema. ● O poeta dá vida a elementos que não a tem, principalmente à poesia: “elas se refugiam na noite, as palavras”, “Lá estão os poemas que esperam ser escritos” ●
  16. 16. Interpretação
  17. 17. Interpretação “Não faças versos sobre acontecimentos”: ● “No meio do caminho (…) Nunca me esquecerei desse acontecimento Na vida de minhas retinas tão fatigadas. Nunca me esquecerei que no meio do caminho Tinha uma pedra tinha uma pedra no meio do caminho (...)” Drummond
  18. 18. Interpretação “Não há criação nem morte perante a poesia”: ● “Para Sempre (…) Morrer acontece Com o que é breve e passa Sem deixar vestígio. Mãe, na sua graça, É eternidade. (...)” Drummond
  19. 19. Interpretação ● “As afinidades, os aniversários, os incidentes pessoais não contam.”: “Loucos e Santos Escolho meus amigos não pela pele ou outro arquetipo qualquer, mas pela pupila. Tem que ter brilho questionador e tonalidade inquietante.(...) Marcos de Lara Rezende “Soneto Ao meu primeiro filho nascido Morto com 7 meses incompletos 2 fevereiro 1911 (…) Ah! possas tu dormir feto esquecido, Pateisticamente dissolvido Na noumenalidade do NÃO SER!” Augusto dos Anjos
  20. 20. Interpretação “Não cantes tua cidade, deixa-a em paz”: ● “Confidência do Itabirano Alguns anos vivi em Itabira. Pricipalmente, nasci em Itabira. (...)” Drummond
  21. 21. Interpretação
  22. 22. Obrigado!

×