SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
Análise do poema
Eu não tinha este rosto de hoje,
assim calmo, assim triste, assim magro,
nem estes olhos tão vazios,
nem o lábio amargo
Eu não tinha estas mãos sem força,
tão paradas e frias e mortas;
eu não tinha este coração
que nem se mostra.
Eu não dei por esta mudança,
tão simples, tão certa, tão fácil:
- em que espelho ficou perdida
a minha face?
No início da leitura do poema “Retrato”, notamos também a presença da primeira
pessoa, o “eu” lírico descrevendo o seu próprio rosto, esse rosto que ele não mais
reconhece como sendo o seu, como nesse primeiro verso: Eu não tinha esse rosto
de hoje, a idéia é intensificada pelo advérbio de negação e pelo pronome
demonstrativo, que sugere a passagem de tempo, a transitoriedade da vida; e a
melancolia do “eu” lírico ao fazer esta constatação, continuando no segundo verso,
no qual há a repetição da palavra “assim”, que indica uma mudança ocorrida tanto
no íntimo, na personalidade, como em assim calmo, assim triste, quanto
fisicamente, “assim magro”.
O uso seguido da palavra “assim” dá um ritmo lento a esse verso, como se a
sugerida passagem fosse tranqüila e quase imperceptível para o “eu” lírico.
Na terceira estrofe a constatação continua na percepção dos olhos tão vazios,
devido aos sofrimentos e experiências vividos e o lábio amargo, no quarto verso dá
continuidade a essa idéia. Ocorre uma anáfora, nome dado à figura que resulta
quando se repete a mesma palavra ou frase no começo de vários versos, da
palavra “nem” no início do terceiro e quarto versos desta primeira estrofe, na qual
o “eu” lírico continua reiterando a sua negação da percepção de suas mudanças.
No primeiro verso da segunda estrofe, o “eu” lírico observa a mudança ocorrida,
nas suas mãos, partes significativas e simbólicas do corpo e que simbolizam força e
luta pela vida, no poema, esse hoje é sem força e já não se luta mais como nos
tempos remotos, passados. O “eu” lírico continua descrevendo-as no segundo verso
como tão paradas e frias e mortas, destacando-se o tom melancólico. Novamente,
nesse verso a repetição da conjunção “e” imprime lentidão ao ritmo do verso e
sugere a passagem da vida para morte.
Ainda nesta estrofe, no terceiro verso, o eu lírico descreve seu coração, metáfora
para os seus sentimentos, que, antes, eram mostrados, expostos e atualmente
estão retraídos, escondidos, como é dito no quarto verso.
Ocorre na segunda estrofe uma anáfora, com a expressão “eu não tinha” que
introduz o poema. É o “eu” lírico reafirmando a não percepção dessa passagem de
tempo, o que provoca um sentimento de perplexidade.
Na terceira estrofe, no primeiro verso, o “eu” lírico percebe e assume que mudou
fisicamente e interiormente e que isto foi tão simples, tão certa, tão fácil, como se
lê no segundo verso. Mais uma vez, o poeta fala-nos da transitoriedade da vida,
dessa “passagem” para outro lugar, passagem esta que é universal, pois
acontecerá com todos nós, sem saber quando, nem onde, e, mesmo assim, ficamos
surpresos com isto. Há a repetição da palavra “tão” mostrando a certeza da
evolução e o ritmo torna-se acelerado como a passagem da vida.
No penúltimo e último versos da última estrofe há um questionamento “eu” lírico,
que fica desejoso em saber em que momento ele perdeu a sua vitalidade. O poeta
fala isso no poema metaforicamente: “espelho” seria o lugar, o momento; “face”
seria a vida, a juventude.
Cecília Meireles, magnífica e liricamente, aborda o tema da passagem da vida e da
sua transitoriedade de maneira filosófica, universal e simples, influências estas
recebidas do grupo espiritualista ao qual pertenceu, o que aparece em toda a sua
obra.
Sobre essa transitoriedade e fugacidade do tempo, Darcy Damasceno, em Poesia
do Sensível e do Imaginário, afirma: “Contínuo latejar, a consciência da fugacidade
não apenas se torna a mola mestra do lirismo, como, por ansioso esforço de
apreensão do fugidio, busca no concreto as amarras dos fios imaginativos”. (p. 37)
Observamos neste poema a gradação que ocorre nestes versos:
assim calmo, assim triste, assim magro
tão paradas e frias e mortas
tão simples, tão certa, tão fácil
Essas gradações sugerem a evolução, a passagem de tempo do poema.
Em dois momentos ocorre o cavalgamento:
eu não tinha este coração
que nem se mostra.
- Em que espelho ficou perdida
a minha face?
Ocorre a sugestão ou a impressão de que o “eu” lírico fez uma pausa no seu
pensamento ao constatar todas as mudanças ocorridas.
Ocorrem cesuras nos seguintes exemplos:
Eu não tinha / este rosto de hoje
Eu não tinha / estas mãos sem força
eu não tinha / este coração
Eu não dei / por esta mudança
Este recurso nos sugere a conscientização do “eu” lírico, da sua mudança lenta e
gradual.
É interessante ressaltar que o poeta faz um jogo com as palavras “magro” (o
segundo verso, primeira estrofe) e “amargo” (quarto verso, primeira estrofe). As
letras da primeira aparecem inseridas e na segunda, como se o final da existência
estivesse por pouco tempo e isso o deixa amargurado. Isto ocorre novamente em
“mortas” (segundo verso, segunda estrofe) e “mostra” (quarto verso, segunda
estrofe), significando que a morte sempre se mostra em nossa vida.
O poeta segue a estrutura de três estrofes e cada uma delas é composta por quatro
versos, resquícios da influência simbolista e sua forma tradicional, nunca
abandonadas por Cecília.
Ela utiliza principalmente de assonâncias de /e/ e /o/:
Eu não tinha este rosto de hoje
nem estes olhos tão vazios
Dando-nos um sentimento e uma idéia de melancolia permanente. Usa também de
aliteração de /r/ em:
tão paradas e frias e mortas
Nesses versos indica-se o grande obstáculo que é a morte. Nota-se a musicalidade
presente, fato característico no poema.
Também notamos as impressões sensoriais sugeridas no poema., principalmente a
imagem visual que surge com o uso das palavras “rosto”, “calmo”, “triste”,
“magro”, “olhos”, “lábio”, “mãos”, “espelho”, “face” e a imagem do paladar e do
tato em “amargo”, “força”, “parada”, “fria”, “morta”, sugerindo que o corpo
demonstra toda sua tristeza, toda a sua “passagem” desta vida para o
desconhecido.
O título Retrato se encaixa perfeitamente ao poema porque a palavra simboliza algo
estático, parado, eternizado e o “eu” lírico ansiava se eternizar, porém o tempo não
permitiu e, por isso, ao final do poema se indaga em que momento de sua vida a
sua juventude foi eternizada pela imobilidade, como acontece nos álbuns de família.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mario de Andrade
Mario de AndradeMario de Andrade
Mario de AndradeTaís Melo
 
BALADAO-DOS-DESCRITORES (1).pptx
BALADAO-DOS-DESCRITORES (1).pptxBALADAO-DOS-DESCRITORES (1).pptx
BALADAO-DOS-DESCRITORES (1).pptxBIBIANAFERREIRA6
 
Atividades de português sobre variação linguística
Atividades de português sobre variação linguísticaAtividades de português sobre variação linguística
Atividades de português sobre variação linguísticaNivea Neves
 
Figuras de linguagem versos drummondianos
Figuras de linguagem   versos drummondianosFiguras de linguagem   versos drummondianos
Figuras de linguagem versos drummondianosKleber Brito
 
Eça de Queirós vida e obra
Eça de Queirós vida e obraEça de Queirós vida e obra
Eça de Queirós vida e obraElisabete Silva
 
Análise do poema os sapos, de manuel bandeira
Análise do poema os sapos, de manuel bandeiraAnálise do poema os sapos, de manuel bandeira
Análise do poema os sapos, de manuel bandeirama.no.el.ne.ves
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeAdriana Masson
 
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdfFICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdfNatália Moura
 
Atividade avaliativa 9º figuras de linguagem
Atividade avaliativa 9º figuras de linguagemAtividade avaliativa 9º figuras de linguagem
Atividade avaliativa 9º figuras de linguagemKatiuscia Soares
 
Elementos estruturais da poesia
Elementos estruturais da poesiaElementos estruturais da poesia
Elementos estruturais da poesiaAline Castro
 
Pré modernismo e modernismo - exercícios
Pré modernismo e modernismo - exercíciosPré modernismo e modernismo - exercícios
Pré modernismo e modernismo - exercíciosjasonrplima
 
Modernismo e suas fases
Modernismo e suas fasesModernismo e suas fases
Modernismo e suas fasesLuan Victor
 

Mais procurados (20)

Mario de Andrade
Mario de AndradeMario de Andrade
Mario de Andrade
 
BALADAO-DOS-DESCRITORES (1).pptx
BALADAO-DOS-DESCRITORES (1).pptxBALADAO-DOS-DESCRITORES (1).pptx
BALADAO-DOS-DESCRITORES (1).pptx
 
Atividades de português sobre variação linguística
Atividades de português sobre variação linguísticaAtividades de português sobre variação linguística
Atividades de português sobre variação linguística
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
 
Figuras de linguagem versos drummondianos
Figuras de linguagem   versos drummondianosFiguras de linguagem   versos drummondianos
Figuras de linguagem versos drummondianos
 
João Cabral de Melo Neto
João Cabral de Melo NetoJoão Cabral de Melo Neto
João Cabral de Melo Neto
 
Sonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMPSonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMP
 
Eça de Queirós vida e obra
Eça de Queirós vida e obraEça de Queirós vida e obra
Eça de Queirós vida e obra
 
3ª geração do Romantismo By: Elayne Farias!
3ª geração do Romantismo By: Elayne Farias!3ª geração do Romantismo By: Elayne Farias!
3ª geração do Romantismo By: Elayne Farias!
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
Análise do poema os sapos, de manuel bandeira
Análise do poema os sapos, de manuel bandeiraAnálise do poema os sapos, de manuel bandeira
Análise do poema os sapos, de manuel bandeira
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdfFICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
FICHA - GÊNEROS LITERÁRIOS - EXERCÍCIOS - Gabarito.pdf
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
 
Atividade avaliativa 9º figuras de linguagem
Atividade avaliativa 9º figuras de linguagemAtividade avaliativa 9º figuras de linguagem
Atividade avaliativa 9º figuras de linguagem
 
Elementos estruturais da poesia
Elementos estruturais da poesiaElementos estruturais da poesia
Elementos estruturais da poesia
 
Modernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geraçãoModernismo brasileiro 1ª geração
Modernismo brasileiro 1ª geração
 
Inferência
InferênciaInferência
Inferência
 
Pré modernismo e modernismo - exercícios
Pré modernismo e modernismo - exercíciosPré modernismo e modernismo - exercícios
Pré modernismo e modernismo - exercícios
 
Modernismo e suas fases
Modernismo e suas fasesModernismo e suas fases
Modernismo e suas fases
 

Destaque

Cecília Meireles, vida, obras, características e homenagens...
Cecília Meireles, vida, obras, características e homenagens...Cecília Meireles, vida, obras, características e homenagens...
Cecília Meireles, vida, obras, características e homenagens...Daniel Meneses
 
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópiaPéricles Penuel
 
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota  teoria i escansão poemas cecília meire s gabaNota  teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gabaPéricles Penuel
 
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópiaPéricles Penuel
 
Entradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmpEntradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmpPéricles Penuel
 
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota  teoria i escansão poemas cecília meire s gabaNota  teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gabaPéricles Penuel
 
Shall we play a game?
Shall we play a game?Shall we play a game?
Shall we play a game?Maciej Lasyk
 

Destaque (8)

Cecília Meireles, vida, obras, características e homenagens...
Cecília Meireles, vida, obras, características e homenagens...Cecília Meireles, vida, obras, características e homenagens...
Cecília Meireles, vida, obras, características e homenagens...
 
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
 
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota  teoria i escansão poemas cecília meire s gabaNota  teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
 
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap   cópia
2 ilum, indep amer, rev franc, imp nap cópia
 
Arte pré histórica
Arte pré históricaArte pré histórica
Arte pré histórica
 
Entradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmpEntradas e bandeiras imagens tmp
Entradas e bandeiras imagens tmp
 
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota  teoria i escansão poemas cecília meire s gabaNota  teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
Nota teoria i escansão poemas cecília meire s gaba
 
Shall we play a game?
Shall we play a game?Shall we play a game?
Shall we play a game?
 

Semelhante a Análise do poema cecília meireles

Artigo final o que permanece na moldura
Artigo final o que permanece na molduraArtigo final o que permanece na moldura
Artigo final o que permanece na molduraFranciele Pimentel
 
Análise estilística de alguns poems de Cecília meireles.pdf
Análise estilística de alguns poems de Cecília meireles.pdfAnálise estilística de alguns poems de Cecília meireles.pdf
Análise estilística de alguns poems de Cecília meireles.pdfMarliRodrigues31
 
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões LíricoGuia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões LíricoVanda Sousa
 
Guia de Correcção do Teste 1 Fevereiro
Guia de Correcção do Teste 1  FevereiroGuia de Correcção do Teste 1  Fevereiro
Guia de Correcção do Teste 1 FevereiroVanda Sousa
 
Apresentação Escolar - Manuel Bandeira e Obras
Apresentação Escolar - Manuel Bandeira e ObrasApresentação Escolar - Manuel Bandeira e Obras
Apresentação Escolar - Manuel Bandeira e ObrasJhonatan Holanda
 
Lira dos vinte anos (3)marco 2º b
Lira dos vinte anos (3)marco 2º bLira dos vinte anos (3)marco 2º b
Lira dos vinte anos (3)marco 2º bteresakashino
 
Simbolismo em portugal símbolo e imagética
Simbolismo em portugal símbolo e imagéticaSimbolismo em portugal símbolo e imagética
Simbolismo em portugal símbolo e imagéticaKarina Lobo
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 18-19
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 18-19Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 18-19
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 18-19luisprista
 
Quando o Sol encoberto vai Mostrando - Sonetos de Camões
Quando o Sol encoberto vai Mostrando - Sonetos de CamõesQuando o Sol encoberto vai Mostrando - Sonetos de Camões
Quando o Sol encoberto vai Mostrando - Sonetos de Camõesgustavocnm
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 6
Apresentação para décimo segundo ano, aula 6Apresentação para décimo segundo ano, aula 6
Apresentação para décimo segundo ano, aula 6luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 84-85
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 84-85Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 84-85
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 84-85luisprista
 
Análise de "Solombra", de cecília meireles
Análise de "Solombra", de cecília meirelesAnálise de "Solombra", de cecília meireles
Análise de "Solombra", de cecília meirelesma.no.el.ne.ves
 
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos  andré,douglas, luis augustoLira dos vinte anos  andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augustoteresakashino
 
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 87 88
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 87 88ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 87 88
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 87 88luisprista
 
Folhas caídas características gerais da obra
Folhas caídas  características gerais da obraFolhas caídas  características gerais da obra
Folhas caídas características gerais da obraHelena Coutinho
 
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedoAps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedojuliannecarvalho
 

Semelhante a Análise do poema cecília meireles (20)

Artigo final o que permanece na moldura
Artigo final o que permanece na molduraArtigo final o que permanece na moldura
Artigo final o que permanece na moldura
 
Análise estilística de alguns poems de Cecília meireles.pdf
Análise estilística de alguns poems de Cecília meireles.pdfAnálise estilística de alguns poems de Cecília meireles.pdf
Análise estilística de alguns poems de Cecília meireles.pdf
 
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões LíricoGuia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
Guia de Correcção do Teste/Fevereiro 2011/Camões Lírico
 
Guia de Correcção do Teste 1 Fevereiro
Guia de Correcção do Teste 1  FevereiroGuia de Correcção do Teste 1  Fevereiro
Guia de Correcção do Teste 1 Fevereiro
 
Ap bandeira
Ap bandeiraAp bandeira
Ap bandeira
 
Apresentação Escolar - Manuel Bandeira e Obras
Apresentação Escolar - Manuel Bandeira e ObrasApresentação Escolar - Manuel Bandeira e Obras
Apresentação Escolar - Manuel Bandeira e Obras
 
Análise de poemas
Análise de poemasAnálise de poemas
Análise de poemas
 
Lira dos vinte anos (3)marco 2º b
Lira dos vinte anos (3)marco 2º bLira dos vinte anos (3)marco 2º b
Lira dos vinte anos (3)marco 2º b
 
Simbolismo em portugal símbolo e imagética
Simbolismo em portugal símbolo e imagéticaSimbolismo em portugal símbolo e imagética
Simbolismo em portugal símbolo e imagética
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 18-19
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 18-19Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 18-19
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 18-19
 
Quando o Sol encoberto vai Mostrando - Sonetos de Camões
Quando o Sol encoberto vai Mostrando - Sonetos de CamõesQuando o Sol encoberto vai Mostrando - Sonetos de Camões
Quando o Sol encoberto vai Mostrando - Sonetos de Camões
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 6
Apresentação para décimo segundo ano, aula 6Apresentação para décimo segundo ano, aula 6
Apresentação para décimo segundo ano, aula 6
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 84-85
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 84-85Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 84-85
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 84-85
 
Análise de "Solombra", de cecília meireles
Análise de "Solombra", de cecília meirelesAnálise de "Solombra", de cecília meireles
Análise de "Solombra", de cecília meireles
 
Teste Luis de Camões
Teste Luis de CamõesTeste Luis de Camões
Teste Luis de Camões
 
Cesário Verde
Cesário VerdeCesário Verde
Cesário Verde
 
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos  andré,douglas, luis augustoLira dos vinte anos  andré,douglas, luis augusto
Lira dos vinte anos andré,douglas, luis augusto
 
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 87 88
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 87 88ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 87 88
ApresentaçãO Para DéCimo Ano, Aula 87 88
 
Folhas caídas características gerais da obra
Folhas caídas  características gerais da obraFolhas caídas  características gerais da obra
Folhas caídas características gerais da obra
 
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedoAps 1   2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
Aps 1 2015 - análise literária do poema saudades de álvares de azevedo
 

Último

Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 

Último (20)

Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 

Análise do poema cecília meireles

  • 1. Análise do poema Eu não tinha este rosto de hoje, assim calmo, assim triste, assim magro, nem estes olhos tão vazios, nem o lábio amargo Eu não tinha estas mãos sem força, tão paradas e frias e mortas; eu não tinha este coração que nem se mostra. Eu não dei por esta mudança, tão simples, tão certa, tão fácil: - em que espelho ficou perdida a minha face? No início da leitura do poema “Retrato”, notamos também a presença da primeira pessoa, o “eu” lírico descrevendo o seu próprio rosto, esse rosto que ele não mais reconhece como sendo o seu, como nesse primeiro verso: Eu não tinha esse rosto de hoje, a idéia é intensificada pelo advérbio de negação e pelo pronome demonstrativo, que sugere a passagem de tempo, a transitoriedade da vida; e a melancolia do “eu” lírico ao fazer esta constatação, continuando no segundo verso, no qual há a repetição da palavra “assim”, que indica uma mudança ocorrida tanto no íntimo, na personalidade, como em assim calmo, assim triste, quanto fisicamente, “assim magro”. O uso seguido da palavra “assim” dá um ritmo lento a esse verso, como se a sugerida passagem fosse tranqüila e quase imperceptível para o “eu” lírico. Na terceira estrofe a constatação continua na percepção dos olhos tão vazios, devido aos sofrimentos e experiências vividos e o lábio amargo, no quarto verso dá continuidade a essa idéia. Ocorre uma anáfora, nome dado à figura que resulta quando se repete a mesma palavra ou frase no começo de vários versos, da palavra “nem” no início do terceiro e quarto versos desta primeira estrofe, na qual o “eu” lírico continua reiterando a sua negação da percepção de suas mudanças.
  • 2. No primeiro verso da segunda estrofe, o “eu” lírico observa a mudança ocorrida, nas suas mãos, partes significativas e simbólicas do corpo e que simbolizam força e luta pela vida, no poema, esse hoje é sem força e já não se luta mais como nos tempos remotos, passados. O “eu” lírico continua descrevendo-as no segundo verso como tão paradas e frias e mortas, destacando-se o tom melancólico. Novamente, nesse verso a repetição da conjunção “e” imprime lentidão ao ritmo do verso e sugere a passagem da vida para morte. Ainda nesta estrofe, no terceiro verso, o eu lírico descreve seu coração, metáfora para os seus sentimentos, que, antes, eram mostrados, expostos e atualmente estão retraídos, escondidos, como é dito no quarto verso. Ocorre na segunda estrofe uma anáfora, com a expressão “eu não tinha” que introduz o poema. É o “eu” lírico reafirmando a não percepção dessa passagem de tempo, o que provoca um sentimento de perplexidade. Na terceira estrofe, no primeiro verso, o “eu” lírico percebe e assume que mudou fisicamente e interiormente e que isto foi tão simples, tão certa, tão fácil, como se lê no segundo verso. Mais uma vez, o poeta fala-nos da transitoriedade da vida, dessa “passagem” para outro lugar, passagem esta que é universal, pois acontecerá com todos nós, sem saber quando, nem onde, e, mesmo assim, ficamos surpresos com isto. Há a repetição da palavra “tão” mostrando a certeza da evolução e o ritmo torna-se acelerado como a passagem da vida. No penúltimo e último versos da última estrofe há um questionamento “eu” lírico, que fica desejoso em saber em que momento ele perdeu a sua vitalidade. O poeta fala isso no poema metaforicamente: “espelho” seria o lugar, o momento; “face” seria a vida, a juventude. Cecília Meireles, magnífica e liricamente, aborda o tema da passagem da vida e da sua transitoriedade de maneira filosófica, universal e simples, influências estas recebidas do grupo espiritualista ao qual pertenceu, o que aparece em toda a sua obra. Sobre essa transitoriedade e fugacidade do tempo, Darcy Damasceno, em Poesia do Sensível e do Imaginário, afirma: “Contínuo latejar, a consciência da fugacidade não apenas se torna a mola mestra do lirismo, como, por ansioso esforço de apreensão do fugidio, busca no concreto as amarras dos fios imaginativos”. (p. 37) Observamos neste poema a gradação que ocorre nestes versos: assim calmo, assim triste, assim magro tão paradas e frias e mortas tão simples, tão certa, tão fácil Essas gradações sugerem a evolução, a passagem de tempo do poema. Em dois momentos ocorre o cavalgamento:
  • 3. eu não tinha este coração que nem se mostra. - Em que espelho ficou perdida a minha face? Ocorre a sugestão ou a impressão de que o “eu” lírico fez uma pausa no seu pensamento ao constatar todas as mudanças ocorridas. Ocorrem cesuras nos seguintes exemplos: Eu não tinha / este rosto de hoje Eu não tinha / estas mãos sem força eu não tinha / este coração Eu não dei / por esta mudança Este recurso nos sugere a conscientização do “eu” lírico, da sua mudança lenta e gradual. É interessante ressaltar que o poeta faz um jogo com as palavras “magro” (o segundo verso, primeira estrofe) e “amargo” (quarto verso, primeira estrofe). As letras da primeira aparecem inseridas e na segunda, como se o final da existência estivesse por pouco tempo e isso o deixa amargurado. Isto ocorre novamente em “mortas” (segundo verso, segunda estrofe) e “mostra” (quarto verso, segunda estrofe), significando que a morte sempre se mostra em nossa vida. O poeta segue a estrutura de três estrofes e cada uma delas é composta por quatro versos, resquícios da influência simbolista e sua forma tradicional, nunca abandonadas por Cecília. Ela utiliza principalmente de assonâncias de /e/ e /o/: Eu não tinha este rosto de hoje nem estes olhos tão vazios
  • 4. Dando-nos um sentimento e uma idéia de melancolia permanente. Usa também de aliteração de /r/ em: tão paradas e frias e mortas Nesses versos indica-se o grande obstáculo que é a morte. Nota-se a musicalidade presente, fato característico no poema. Também notamos as impressões sensoriais sugeridas no poema., principalmente a imagem visual que surge com o uso das palavras “rosto”, “calmo”, “triste”, “magro”, “olhos”, “lábio”, “mãos”, “espelho”, “face” e a imagem do paladar e do tato em “amargo”, “força”, “parada”, “fria”, “morta”, sugerindo que o corpo demonstra toda sua tristeza, toda a sua “passagem” desta vida para o desconhecido. O título Retrato se encaixa perfeitamente ao poema porque a palavra simboliza algo estático, parado, eternizado e o “eu” lírico ansiava se eternizar, porém o tempo não permitiu e, por isso, ao final do poema se indaga em que momento de sua vida a sua juventude foi eternizada pela imobilidade, como acontece nos álbuns de família.