SlideShare uma empresa Scribd logo
AMALGAMA
DENTÁRIO
PRÉ-CLÍNICA I
MONITORA: ClaritaBrasil
PROGRAMA DE INICIAÇÃO A DOCÊNCIA
O QUE É AMÁLGAMA?
Liga metálica com vários elementos processados na forma de finas partículas de pó.
PRATA ZINCO
PÓ
AMÁLGAMAMERCÚRIOESTANHO
LÍQUIDO
COBRE
COMPOSIÇÃO DA LIGA
Prata
Estanho
Cobre
Zinco
Mínimo 65%
Máximo 29%
Máximo 6%
Máximo 2%
- ↑ Resistência da restauração.
- ↓ Escoamento do amálgama sob forças da mastigação.
- ↑ Expansão de presa.
COMPOSIÇÃO DA LIGA
 PRATA (Ag)
- Presente em cerca de 25%.
- Facilitar a amalgamação à temperatura ambiente.
- Redução na expansão da Ag.
- Acima de 27%: ↑ Contração e ↓ Resistência/Dureza da liga,
↑ Escoamento
COMPOSIÇÃO DA LIGA
 ESTANHO (Sn)
- Substitui parcialmente o Ag.
- ↑ resistência.
- ↓ Escoamento e a corrosão.
- Até 6% (ligas convencionais).
- Acima de 6% e até 30% (ligas de alto teor de Cu).
COMPOSIÇÃO DA LIGA
 COBRE (Cu)
- Agente desoxidante durante a fusão da liga.
- Reduz formação de outros óxidos.
- + de 0,01%: ligas com Zn.
- - de 0,01%; ligas sem Zn.
COMPOSIÇÃO DA LIGA
 ZINCO (Zn)
Ag3Sn + Hg → Ag3Sn + Ag2Hg3 + Sn7-8Hg
Partículas
originais de
fase gama Y
Mercúrio
Núcleos não
dissolvidos
de fase
gama Y
Núcleos não
dissolvidos
de fase
gama Y
Grãos
formados
de fase
gama 2
Y2
Ag3Sn + Hg → Ag3Sn + Ag2Hg3 + Sn7-8Hg
Partículas
originais de
fase gama Y
Mercúrio
Núcleos não
dissolvidos
de fase
gama Y
Núcleos não
dissolvidos
de fase
gama Y
Grãos
formados
de fase
gama 2
Y2
Representa o produto da reação entre a prata (Ag) e o mercúrio (Hg) Gama 2 - γ2 (Sn7-8Hg):
representa o produto da combinação entre o estanho (Sn) e o mercúrio (Hg). Apesar de a
fase gama 1 cristalizar-se primeiro, a velocidade de crescimento é mais rápida e a quantidade
formada destas fases depende da quantidade de mercúrio na reação. As fases de
cristalização gama 1 e gama 2 vão se desenvolvendo e sua formação só termina quando a
quantidade de mercúrio torna-se insuficiente para que a reação possa se processar (Figura 1).
As ligas para amálgama são hoje caracterizadas pela presença na sua composição do
composto Ag3Sn (Sistema prata-estanho - fase γ), juntamente com outros metais
adicionados. Na trituração, quando a liga está sendo misturada com o mercúrio, o
composto Ag3Sn (representando neste caso todos os constituintes da liga) absorve o
mercúrio e com ele reage, produzindo duas fases de cristalização: gama 1(γ1) e gama 2(γ2).
Figura 1. Fotomicrografia de uma liga convencional: fases Gama - γ, Gama 1 - γ1 e Gama 2 - γ2
Forma das
partículas
Conteúdo
de cobre
Conteúdo
de Zinco
CLASSIFICAÇÃO QUANTO À:
FORMA DA PARTÍCULA DA LIGA
PARTÍCULAS IRREGULARES / USINADAS / LIMALHA
Figura 3. Fotomicrografia das partículas esferoidais.
PARTÍCULAS ESFEROIDAIS
Figura 2. Fotomicrografia das partículas de limalha.
CONTEÚDO DE COBRE
 COM BAIXO CONTEÚDO DE COBRE
 COM ALTO CONTEÚDO DE COBRE
< 6% de Cobre em peso
> 6% de Cobre em peso
Ligas de fase dispersa Ligas de composição única
CONTEÚDO DE ZINCO
 LIGAS SEM ZINCO
 LIGAS COM ZINCO
≤0,01% de Zinco em peso
> 0,01% de Zinco em peso
EXPANSÃO TARDIA
PROPRIEDADES
PLASTICIDADE E TEMPO DE TRABALHO
• Permite o contato íntimo entre o material e as paredes da cavidade;
ALTERAÇÃO DIMENSIONAL
• Permite o contato íntimo entre o material e as paredes da cavidade;
• Selamento hermético da cavidade;
RESISTÊNCIA A COMPRESSÃO
• Alta resistência a compressão;
• Suporta altas cargas mastigatórias;
RESISTÊNCIA À TRAÇÃO
• Baixa resistência a tração;
• Requer preparos cavitários que minimizem este tipo de esforço;
MÓDULO DE ELASTICIDADE
• Auto-selamento
• Corrosão excessiva= Porosidades. Menor resistência e liberação de íons.
VANTAGENS
• Baixo custo
• Longevidade
• Baixo desgaste
• Adaptação às paredes
• Auto selamento marginal
• Resistência à esforços mastigatórios
DESVANTAGENS
• Estética
• Não há adesão
• Condutabilidade térmica
• Possível toxicidade com o Hg
• Valamento do ângulo cavosuperficial
CAVIDADE PARA AMÁLGAMA
CAVIDADE PARA AMÁLGAMA
Preparo com caixas
auto retentivas
Confecção de
retenções adicionais
4%
40%
56%
FALHAS DO AMÁLGAMA
PREPARO CAVITÁRIO INCORRETO MANIPULAÇÃO INADEQUADA OUTROS FATORES
PROBLEMAS CLÍNICOS RELACIONADOS
AO PREPARO CAVITÁRIO
FRATURA DE BORDA
FRATURA DE CORPO
FRATURA DE ÍSTMO
DESLOCAMENTO PROXIMAL
FRATURA DA CRISTA MARGINAL
FRATURA DO DENTE
• Ângulos internos da cavidade arredondados (diminuir tensão)
• Base maior que o corpo
• Paredes planas
• Espessura mínima de 1,5mm
• Ângulo cavossuperficial reto, bem definido e sem bisel
• Paredes circundantes mesial e distal paralelas e levemente divergentes
• Vestibular e palatina/lingual convergentes para oclusal
• Brocas 245 e 246
• Esmalte sem suporte dentinário deve ser removido
CARACTERÍSTICAS DO PREPARO PARA AMÁLGAMA
MONDELLI, 2003
Ângulo Cavo-Superficial definido
Após finalizar o preparo, limpar a cavidade e
avaliar a necessidade de proteção do complexo dentinho pulpar
APLICAÇÃO DO AGENTE SELADOR
- Verniz cavitário
MANIPULAÇÃO DO AMÁLGAMA
- Amalgamador por 10 segundos
- Aplicar amálgama com porta amálgama
CONDENSAÇÃO
- Preenchimento da cavidade, compactação do material na cavidade, requisitos
biomecânicos
- Sempre em excesso
BRUNIDURA PRÉ ESCULTURA
- Definição de sulcos e fissuras
ESCULTURA
- Amálgama com leve resistência, sulcos pouco profundos, em região de fóssulas sempre
mais material
BRUNIDURA PÓS ESCULTURA
- Diminuir a porosidade, melhor adaptação marginal na cavidade
TÉCNICA RESTAURADORA
SUPERFÍCIES OCLUSAIS - Brocas multilaminadas (em baixa rotação)
ACABAMENTO E POLIMENTO
APÓS 24H
SUPERFÍCIES OCLUSAIS - Brocas multilaminadas (em baixa rotação)
FACES LIVRES – Discos abrasivos
ACABAMENTO E POLIMENTO
APÓS 24H
Reestabelecendo os detalhes do dente, não reduzindo tanto a espessura
do material e ameace a integridade estrutural da restauração
SUPERFÍCIES OCLUSAIS - Brocas multilaminadas (em baixa rotação)
FACES LIVRES – Discos abrasivos
FACES PROXIMAIS – Tiras de lixa metálicas
ACABAMENTO E POLIMENTO
APÓS 24H
POLIMENTO
PONTAS DE BORRACHAS ABRASIVAS
TRÊS NÍVEIS DE ABRASÃO
PÓ DE ÓXIDO DE ZINCO + ALCOOL
• Corrigir a oclusão quando necessário (as vezes só se consegue
fazer isso com as brocas multilaminadas);
• Refinar escultura;
• Eliminar rugosidades (diminui retenção de placa);
• Regularizar bordas da restauração;
• Aumentar a resistência do amálgama a corrosão em virtude da
remoção da camada superficial que contém mercúrio.
FUNÇÕES DO ACABAMENTO E POLIMENTO
1. ACESSO A LESÃO CARIOSA
2. PREPARO CAVITÁRIO PARA AMÁLGAMA
3. SE NECESSÁRIO, REALIZAR PROTEÇÃO DO COMPLEXO DENTINOPULPAR
4. MANIPULAÇÃO DO MATERIAL E INSERÇÃO NA CAVIDADE
5. ACABAMENTO E POLIMENTO
RECAPITULANDO...
PARA RESTAURAÇÃO CLASSE I COM AMÁLGAMA
 MONDELLI, J – Proteção do Complexo dentinopulpar. 1ª ed, São
Paulo:Artes Médicas: Série EAP – APCD, 1998. 316p.
 CRAIG, R.G.; POWERS, J.M. – Materiais Dentários Restauradores. São
Paulo: Santos, 2004. 704p.
 Ligas para Restaurações de Amálgama Versão 1.0 de 2003
REFERÊNCIAS
REFERÊNCIASREFERÊNCIAS
OBRIGADA,
BOA PROVA!
clarittabrasil@gmail.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resina composta
Resina compostaResina composta
Resina composta
Adriana Mércia
 
Preparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgamaPreparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgama
profguilhermeterra
 
Materiais dentários
Materiais dentáriosMateriais dentários
Materiais dentários
Jonathan Cardoso Gomes Rodrigues
 
Aula fosfato de zinco
Aula fosfato de zincoAula fosfato de zinco
Aula fosfato de zinco
Odonto ufrj
 
Alginato Odontológico
Alginato OdontológicoAlginato Odontológico
Alginato Odontológico
Marcos Paulo Hutchison
 
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das CavidadesNomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
profguilhermeterra
 
Preparo e restauração em amálgama 2012 1
Preparo e restauração em amálgama 2012 1Preparo e restauração em amálgama 2012 1
Preparo e restauração em amálgama 2012 1
Guilherme Terra
 
Resinas compostas
Resinas compostasResinas compostas
Resinas compostas
Regis Valentim
 
Isolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo OperatórioIsolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo Operatório
profcelsoklein
 
Sistemas adesivos
Sistemas adesivosSistemas adesivos
Sistemas adesivos
Dr.João Calais.:
 
Preparo biomecânico
Preparo biomecânico  Preparo biomecânico
Preparo biomecânico
Camilla Bringel
 
Materiais Dentários
Materiais DentáriosMateriais Dentários
Materiais Dentários
Flavio Salomao-Miranda
 
Cárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à DentísticaCárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à Dentística
profguilhermeterra
 
Instrumentos para Restaurações em Amálgama
Instrumentos para Restaurações em AmálgamaInstrumentos para Restaurações em Amálgama
Instrumentos para Restaurações em Amálgama
profguilhermeterra
 
Aula 1 bases forradoras
Aula 1  bases forradorasAula 1  bases forradoras
Aula 1 bases forradoras
Odonto ufrj
 
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Guilherme Terra
 
3 aula hidrocolóides
3 aula   hidrocolóides3 aula   hidrocolóides
3 aula hidrocolóides
rafaelalourenco
 
Principios gerais do preparo cavitário
Principios gerais do preparo cavitárioPrincipios gerais do preparo cavitário
Principios gerais do preparo cavitário
profcelsoklein
 
Materiais odontologicos
Materiais odontologicosMateriais odontologicos
Materiais odontologicos
Regis Valentim
 
Silicone de adição- Materiais de Moldagem
Silicone de adição- Materiais de MoldagemSilicone de adição- Materiais de Moldagem
Silicone de adição- Materiais de Moldagem
Marcos Paulo Hutchison
 

Mais procurados (20)

Resina composta
Resina compostaResina composta
Resina composta
 
Preparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgamaPreparo e restauração classes II e V em amálgama
Preparo e restauração classes II e V em amálgama
 
Materiais dentários
Materiais dentáriosMateriais dentários
Materiais dentários
 
Aula fosfato de zinco
Aula fosfato de zincoAula fosfato de zinco
Aula fosfato de zinco
 
Alginato Odontológico
Alginato OdontológicoAlginato Odontológico
Alginato Odontológico
 
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das CavidadesNomenclatura e Classificação das Cavidades
Nomenclatura e Classificação das Cavidades
 
Preparo e restauração em amálgama 2012 1
Preparo e restauração em amálgama 2012 1Preparo e restauração em amálgama 2012 1
Preparo e restauração em amálgama 2012 1
 
Resinas compostas
Resinas compostasResinas compostas
Resinas compostas
 
Isolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo OperatórioIsolamento do Campo Operatório
Isolamento do Campo Operatório
 
Sistemas adesivos
Sistemas adesivosSistemas adesivos
Sistemas adesivos
 
Preparo biomecânico
Preparo biomecânico  Preparo biomecânico
Preparo biomecânico
 
Materiais Dentários
Materiais DentáriosMateriais Dentários
Materiais Dentários
 
Cárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à DentísticaCárie com interesse à Dentística
Cárie com interesse à Dentística
 
Instrumentos para Restaurações em Amálgama
Instrumentos para Restaurações em AmálgamaInstrumentos para Restaurações em Amálgama
Instrumentos para Restaurações em Amálgama
 
Aula 1 bases forradoras
Aula 1  bases forradorasAula 1  bases forradoras
Aula 1 bases forradoras
 
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
Proteção do complexo dentino pulpar 2012-1
 
3 aula hidrocolóides
3 aula   hidrocolóides3 aula   hidrocolóides
3 aula hidrocolóides
 
Principios gerais do preparo cavitário
Principios gerais do preparo cavitárioPrincipios gerais do preparo cavitário
Principios gerais do preparo cavitário
 
Materiais odontologicos
Materiais odontologicosMateriais odontologicos
Materiais odontologicos
 
Silicone de adição- Materiais de Moldagem
Silicone de adição- Materiais de MoldagemSilicone de adição- Materiais de Moldagem
Silicone de adição- Materiais de Moldagem
 

Semelhante a AMÁLGAMA DENTÁRIO

COTEQ 2017 Desempenho de armaduras zincadas
COTEQ 2017 Desempenho de armaduras zincadasCOTEQ 2017 Desempenho de armaduras zincadas
COTEQ 2017 Desempenho de armaduras zincadas
Adriana de Araujo
 
DESEMPENHO DE ARMADURAS DE AÇO-CARBONO ZINCADAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO FRE...
DESEMPENHO DE ARMADURAS DE AÇO-CARBONO ZINCADAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO FRE...DESEMPENHO DE ARMADURAS DE AÇO-CARBONO ZINCADAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO FRE...
DESEMPENHO DE ARMADURAS DE AÇO-CARBONO ZINCADAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO FRE...
Adriana de Araujo
 
Amálgama parte ii
Amálgama  parte iiAmálgama  parte ii
Amálgama parte ii
Dr.João Calais.:
 
Soldagem A_os Inoxid_veis P_s (1).pdf
Soldagem A_os Inoxid_veis P_s (1).pdfSoldagem A_os Inoxid_veis P_s (1).pdf
Soldagem A_os Inoxid_veis P_s (1).pdf
WILLIANRICARDODOSSAN1
 
Metal patente - Soldagem
Metal patente -  SoldagemMetal patente -  Soldagem
Metal patente - Soldagem
Seta SA Extrativa Tanino de Acácia
 
Classificação
ClassificaçãoClassificação
Classificação
Wesley Luiz
 
Amálgama parte i
Amálgama  parte iAmálgama  parte i
Amálgama parte i
Dr.João Calais.:
 
Ligas não ferrosas
Ligas não ferrosasLigas não ferrosas
Ligas não ferrosas
Jenny Schiavinato
 
Aula6 materiais
Aula6 materiaisAula6 materiais
Aula6 materiais
Tiago Cruz
 
Acoinoxidavel nocoesbasicas
Acoinoxidavel nocoesbasicasAcoinoxidavel nocoesbasicas
Acoinoxidavel nocoesbasicas
Weniton Oliveira
 
Aula Materiais nao ferrosos.pptx
Aula Materiais nao ferrosos.pptxAula Materiais nao ferrosos.pptx
Aula Materiais nao ferrosos.pptx
Miguel Jose
 
Soldas Especiais_pt XX.pdf
Soldas Especiais_pt XX.pdfSoldas Especiais_pt XX.pdf
Soldas Especiais_pt XX.pdf
Azboxbrasil
 
Cobre: Mecânica Tarde 2008. por: Amadeus
Cobre: Mecânica Tarde 2008. por: AmadeusCobre: Mecânica Tarde 2008. por: Amadeus
Cobre: Mecânica Tarde 2008. por: Amadeus
Amadeus Ottoni
 
10 pite
10 pite10 pite
Aluminio
Aluminio Aluminio
Cad Arq
Cad ArqCad Arq
Cad Arq
guestd71d29
 
Aula_Aluminio (1).pdf
Aula_Aluminio (1).pdfAula_Aluminio (1).pdf
Aula_Aluminio (1).pdf
Juliana Barbosa Oliveira
 
Metais e ligas
Metais e ligasMetais e ligas
Metais e ligas
Francisco Neto
 
Aços estruturais
Aços estruturaisAços estruturais
Aços estruturais
Natanael Ferreira
 
A c3 a7os_estruturais
A c3 a7os_estruturaisA c3 a7os_estruturais
A c3 a7os_estruturais
Levi de Paula Oliveira
 

Semelhante a AMÁLGAMA DENTÁRIO (20)

COTEQ 2017 Desempenho de armaduras zincadas
COTEQ 2017 Desempenho de armaduras zincadasCOTEQ 2017 Desempenho de armaduras zincadas
COTEQ 2017 Desempenho de armaduras zincadas
 
DESEMPENHO DE ARMADURAS DE AÇO-CARBONO ZINCADAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO FRE...
DESEMPENHO DE ARMADURAS DE AÇO-CARBONO ZINCADAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO FRE...DESEMPENHO DE ARMADURAS DE AÇO-CARBONO ZINCADAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO FRE...
DESEMPENHO DE ARMADURAS DE AÇO-CARBONO ZINCADAS EM ESTRUTURAS DE CONCRETO FRE...
 
Amálgama parte ii
Amálgama  parte iiAmálgama  parte ii
Amálgama parte ii
 
Soldagem A_os Inoxid_veis P_s (1).pdf
Soldagem A_os Inoxid_veis P_s (1).pdfSoldagem A_os Inoxid_veis P_s (1).pdf
Soldagem A_os Inoxid_veis P_s (1).pdf
 
Metal patente - Soldagem
Metal patente -  SoldagemMetal patente -  Soldagem
Metal patente - Soldagem
 
Classificação
ClassificaçãoClassificação
Classificação
 
Amálgama parte i
Amálgama  parte iAmálgama  parte i
Amálgama parte i
 
Ligas não ferrosas
Ligas não ferrosasLigas não ferrosas
Ligas não ferrosas
 
Aula6 materiais
Aula6 materiaisAula6 materiais
Aula6 materiais
 
Acoinoxidavel nocoesbasicas
Acoinoxidavel nocoesbasicasAcoinoxidavel nocoesbasicas
Acoinoxidavel nocoesbasicas
 
Aula Materiais nao ferrosos.pptx
Aula Materiais nao ferrosos.pptxAula Materiais nao ferrosos.pptx
Aula Materiais nao ferrosos.pptx
 
Soldas Especiais_pt XX.pdf
Soldas Especiais_pt XX.pdfSoldas Especiais_pt XX.pdf
Soldas Especiais_pt XX.pdf
 
Cobre: Mecânica Tarde 2008. por: Amadeus
Cobre: Mecânica Tarde 2008. por: AmadeusCobre: Mecânica Tarde 2008. por: Amadeus
Cobre: Mecânica Tarde 2008. por: Amadeus
 
10 pite
10 pite10 pite
10 pite
 
Aluminio
Aluminio Aluminio
Aluminio
 
Cad Arq
Cad ArqCad Arq
Cad Arq
 
Aula_Aluminio (1).pdf
Aula_Aluminio (1).pdfAula_Aluminio (1).pdf
Aula_Aluminio (1).pdf
 
Metais e ligas
Metais e ligasMetais e ligas
Metais e ligas
 
Aços estruturais
Aços estruturaisAços estruturais
Aços estruturais
 
A c3 a7os_estruturais
A c3 a7os_estruturaisA c3 a7os_estruturais
A c3 a7os_estruturais
 

Último

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 

AMÁLGAMA DENTÁRIO

  • 2. O QUE É AMÁLGAMA? Liga metálica com vários elementos processados na forma de finas partículas de pó. PRATA ZINCO PÓ AMÁLGAMAMERCÚRIOESTANHO LÍQUIDO COBRE
  • 3. COMPOSIÇÃO DA LIGA Prata Estanho Cobre Zinco Mínimo 65% Máximo 29% Máximo 6% Máximo 2%
  • 4. - ↑ Resistência da restauração. - ↓ Escoamento do amálgama sob forças da mastigação. - ↑ Expansão de presa. COMPOSIÇÃO DA LIGA  PRATA (Ag)
  • 5. - Presente em cerca de 25%. - Facilitar a amalgamação à temperatura ambiente. - Redução na expansão da Ag. - Acima de 27%: ↑ Contração e ↓ Resistência/Dureza da liga, ↑ Escoamento COMPOSIÇÃO DA LIGA  ESTANHO (Sn)
  • 6. - Substitui parcialmente o Ag. - ↑ resistência. - ↓ Escoamento e a corrosão. - Até 6% (ligas convencionais). - Acima de 6% e até 30% (ligas de alto teor de Cu). COMPOSIÇÃO DA LIGA  COBRE (Cu)
  • 7. - Agente desoxidante durante a fusão da liga. - Reduz formação de outros óxidos. - + de 0,01%: ligas com Zn. - - de 0,01%; ligas sem Zn. COMPOSIÇÃO DA LIGA  ZINCO (Zn)
  • 8. Ag3Sn + Hg → Ag3Sn + Ag2Hg3 + Sn7-8Hg Partículas originais de fase gama Y Mercúrio Núcleos não dissolvidos de fase gama Y Núcleos não dissolvidos de fase gama Y Grãos formados de fase gama 2 Y2
  • 9. Ag3Sn + Hg → Ag3Sn + Ag2Hg3 + Sn7-8Hg Partículas originais de fase gama Y Mercúrio Núcleos não dissolvidos de fase gama Y Núcleos não dissolvidos de fase gama Y Grãos formados de fase gama 2 Y2 Representa o produto da reação entre a prata (Ag) e o mercúrio (Hg) Gama 2 - γ2 (Sn7-8Hg): representa o produto da combinação entre o estanho (Sn) e o mercúrio (Hg). Apesar de a fase gama 1 cristalizar-se primeiro, a velocidade de crescimento é mais rápida e a quantidade formada destas fases depende da quantidade de mercúrio na reação. As fases de cristalização gama 1 e gama 2 vão se desenvolvendo e sua formação só termina quando a quantidade de mercúrio torna-se insuficiente para que a reação possa se processar (Figura 1). As ligas para amálgama são hoje caracterizadas pela presença na sua composição do composto Ag3Sn (Sistema prata-estanho - fase γ), juntamente com outros metais adicionados. Na trituração, quando a liga está sendo misturada com o mercúrio, o composto Ag3Sn (representando neste caso todos os constituintes da liga) absorve o mercúrio e com ele reage, produzindo duas fases de cristalização: gama 1(γ1) e gama 2(γ2).
  • 10. Figura 1. Fotomicrografia de uma liga convencional: fases Gama - γ, Gama 1 - γ1 e Gama 2 - γ2
  • 11. Forma das partículas Conteúdo de cobre Conteúdo de Zinco CLASSIFICAÇÃO QUANTO À:
  • 12. FORMA DA PARTÍCULA DA LIGA PARTÍCULAS IRREGULARES / USINADAS / LIMALHA Figura 3. Fotomicrografia das partículas esferoidais. PARTÍCULAS ESFEROIDAIS Figura 2. Fotomicrografia das partículas de limalha.
  • 13. CONTEÚDO DE COBRE  COM BAIXO CONTEÚDO DE COBRE  COM ALTO CONTEÚDO DE COBRE < 6% de Cobre em peso > 6% de Cobre em peso Ligas de fase dispersa Ligas de composição única
  • 14. CONTEÚDO DE ZINCO  LIGAS SEM ZINCO  LIGAS COM ZINCO ≤0,01% de Zinco em peso > 0,01% de Zinco em peso EXPANSÃO TARDIA
  • 15. PROPRIEDADES PLASTICIDADE E TEMPO DE TRABALHO • Permite o contato íntimo entre o material e as paredes da cavidade; ALTERAÇÃO DIMENSIONAL • Permite o contato íntimo entre o material e as paredes da cavidade; • Selamento hermético da cavidade; RESISTÊNCIA A COMPRESSÃO • Alta resistência a compressão; • Suporta altas cargas mastigatórias; RESISTÊNCIA À TRAÇÃO • Baixa resistência a tração; • Requer preparos cavitários que minimizem este tipo de esforço; MÓDULO DE ELASTICIDADE • Auto-selamento • Corrosão excessiva= Porosidades. Menor resistência e liberação de íons.
  • 16. VANTAGENS • Baixo custo • Longevidade • Baixo desgaste • Adaptação às paredes • Auto selamento marginal • Resistência à esforços mastigatórios DESVANTAGENS • Estética • Não há adesão • Condutabilidade térmica • Possível toxicidade com o Hg • Valamento do ângulo cavosuperficial
  • 17. CAVIDADE PARA AMÁLGAMA CAVIDADE PARA AMÁLGAMA Preparo com caixas auto retentivas Confecção de retenções adicionais
  • 18. 4% 40% 56% FALHAS DO AMÁLGAMA PREPARO CAVITÁRIO INCORRETO MANIPULAÇÃO INADEQUADA OUTROS FATORES
  • 19. PROBLEMAS CLÍNICOS RELACIONADOS AO PREPARO CAVITÁRIO FRATURA DE BORDA FRATURA DE CORPO FRATURA DE ÍSTMO DESLOCAMENTO PROXIMAL FRATURA DA CRISTA MARGINAL FRATURA DO DENTE
  • 20. • Ângulos internos da cavidade arredondados (diminuir tensão) • Base maior que o corpo • Paredes planas • Espessura mínima de 1,5mm • Ângulo cavossuperficial reto, bem definido e sem bisel • Paredes circundantes mesial e distal paralelas e levemente divergentes • Vestibular e palatina/lingual convergentes para oclusal • Brocas 245 e 246 • Esmalte sem suporte dentinário deve ser removido CARACTERÍSTICAS DO PREPARO PARA AMÁLGAMA MONDELLI, 2003 Ângulo Cavo-Superficial definido Após finalizar o preparo, limpar a cavidade e avaliar a necessidade de proteção do complexo dentinho pulpar
  • 21. APLICAÇÃO DO AGENTE SELADOR - Verniz cavitário MANIPULAÇÃO DO AMÁLGAMA - Amalgamador por 10 segundos - Aplicar amálgama com porta amálgama CONDENSAÇÃO - Preenchimento da cavidade, compactação do material na cavidade, requisitos biomecânicos - Sempre em excesso BRUNIDURA PRÉ ESCULTURA - Definição de sulcos e fissuras ESCULTURA - Amálgama com leve resistência, sulcos pouco profundos, em região de fóssulas sempre mais material BRUNIDURA PÓS ESCULTURA - Diminuir a porosidade, melhor adaptação marginal na cavidade TÉCNICA RESTAURADORA
  • 22. SUPERFÍCIES OCLUSAIS - Brocas multilaminadas (em baixa rotação) ACABAMENTO E POLIMENTO APÓS 24H
  • 23. SUPERFÍCIES OCLUSAIS - Brocas multilaminadas (em baixa rotação) FACES LIVRES – Discos abrasivos ACABAMENTO E POLIMENTO APÓS 24H
  • 24. Reestabelecendo os detalhes do dente, não reduzindo tanto a espessura do material e ameace a integridade estrutural da restauração SUPERFÍCIES OCLUSAIS - Brocas multilaminadas (em baixa rotação) FACES LIVRES – Discos abrasivos FACES PROXIMAIS – Tiras de lixa metálicas ACABAMENTO E POLIMENTO APÓS 24H
  • 25. POLIMENTO PONTAS DE BORRACHAS ABRASIVAS TRÊS NÍVEIS DE ABRASÃO PÓ DE ÓXIDO DE ZINCO + ALCOOL
  • 26. • Corrigir a oclusão quando necessário (as vezes só se consegue fazer isso com as brocas multilaminadas); • Refinar escultura; • Eliminar rugosidades (diminui retenção de placa); • Regularizar bordas da restauração; • Aumentar a resistência do amálgama a corrosão em virtude da remoção da camada superficial que contém mercúrio. FUNÇÕES DO ACABAMENTO E POLIMENTO
  • 27. 1. ACESSO A LESÃO CARIOSA 2. PREPARO CAVITÁRIO PARA AMÁLGAMA 3. SE NECESSÁRIO, REALIZAR PROTEÇÃO DO COMPLEXO DENTINOPULPAR 4. MANIPULAÇÃO DO MATERIAL E INSERÇÃO NA CAVIDADE 5. ACABAMENTO E POLIMENTO RECAPITULANDO... PARA RESTAURAÇÃO CLASSE I COM AMÁLGAMA
  • 28.  MONDELLI, J – Proteção do Complexo dentinopulpar. 1ª ed, São Paulo:Artes Médicas: Série EAP – APCD, 1998. 316p.  CRAIG, R.G.; POWERS, J.M. – Materiais Dentários Restauradores. São Paulo: Santos, 2004. 704p.  Ligas para Restaurações de Amálgama Versão 1.0 de 2003 REFERÊNCIAS REFERÊNCIASREFERÊNCIAS