SlideShare uma empresa Scribd logo
UM PANORAMA HISTÓRICO
Gl 4.4
“vindoporém a plenitudedo
tempo, Deus enviou seu filho...”
Porque?
Unidade
Política
Excelentes
estradas
ROMA
LÍNGUA
GREGA
GRÉCIA
SINAGOGAS
MONOTEÍSMO
A.T. COMO
BASE PARA O
EVANGELHO
JUDEUS
ONDE
ACONTECEU
A
EXPANSÃO?
JERUSALÉM
ANTIOQUIA
ROMA
APÓSTOLOS
Pedro – Roma
João – Ásia Menor
Tiago (João) -
Tradição Espanhola
Tiago (Jesus) -
Jerusalém
André - Ásia Menore
Grécia
Judas Tadeu - Pérsia
Mateus - Etiópia
Tomé – Índia
AIGREJA
APOSTÓLICA
OPOSIÇAO
E
REAÇÃO
2° SÉCULO
⚫ENVOLVIMENTO COM ORGIAS
⚫UNIÕES INCESTUOSAS
⚫CANIBALISMO
⚫NATUREZA DE DEUS
⚫NASCIMENTO VIRGINAL DE JESUS
⚫DIVINDADE DE JESUS
APOLOGISTAS POLEMISTAS
APOLOGISTAS TERTULIANO
⚫TRINDADE x MODALISMO
⚫“O QUE ATENAS TEM A
VER COM JERUSALÉM.
CLEMENTE DE
ALEXANDRIA
⚫ ALEGORIZAÇÃO (318 de
Abraão) – Gn 14.14
⚫ FILOSOFIA = LEI
PRIMEIRAS
HERESIAS
MONTANISMO
MARCIONISMO
GNOSTICISMO
1° Século 0 – 100 –
Expansão
2° Século –
Oposição/
Reação
3° Século –
Perseguição
4° Século -
Oficialização
1° Século - Expansão
2° Século 101 –
200 –
Oposição/
Reação
3° Século –
Perseguição
4° Século -
Oficialização
CÂNON DO NOVO TESTAMENTO
O CREDO DOS APÓSTOLOS
O EPISCOPADO
1° Século - Expansão
2° Século 101 –
200 –
Oposição/
Reação
3° Século –
Perseguição
4° Século -
Oficialização
A CONSCIÊNCIA
DA
IGREJA
O CÂNON
DO NT
⚫Creioem Deus Pai, Todo-poderoso, Criadordo Céu e
da terra.
⚫Creioem Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor, o
qual foi concebido por obra do Espírito Santo; nasceu
da virgem Maria; padeceu sob o poder de Pôncio
Pilatos, foi crucificado, mortoe sepultado; ressurgiu
dos mortos ao terceiro dia; subiu ao Céu; está sentado
à direita de Deus Pai Todo-poderoso, donde há de vir
para julgarosvivoseos mortos.
⚫Creio no Espírito Santo; na Santa Igreja Universal; na
comunhãodos santos; na remissãodos pecados; na
ressurreiçãodocorpo; navida eterna. Amém.
⚫O PRIMEIRO ENTRE OS
IGUAIS (ROMA)
⚫SUCESSORES DOS
APÓSTOLOS
⚫RAZÕES
⚫ HERESIAS
⚫ PERSEGUIÇÃO
Nero
Domici
ano
Trajano
Marco
Aurélio
Sétimo
Severo
Décio
Diocleciano
Nero
Domici
ano
Trajano
Marco
Aurélio
Sétimo
Severo
Décio
Diocleciano
Nero
Domici
ano
Trajano
Marco
Aurélio
Sétimo
Severo
Décio
Diocleciano
Nero
Domici
ano
Trajano
Marco
Aurélio
Sétimo
Severo
Décio
Diocleciano
Nero
Domici
ano
Trajano
Marco
Aurélio
Sétimo
Severo
Décio
Diocleciano
Nero
Domici
ano
Trajano
Marco
Aurélio
Sétimo
Severo
Décio
Diocleciano
Nero
Domici
ano
Trajano
Marco
Aurélio
Sétimo
Severo
Décio
Diocleciano
Nero
Domici
ano
Trajano
Marco
Aurélio
Sétimo
Severo
Décio
Diocleciano
Nero
Domici
ano
Trajano
Marco
Aurélio
Sétimo
Severo
Décio
Diocleciano
Edito de tolerância
311 d.C
Em seu leito de morte
Galérioconcede
“perdão” aos cristãosem
trocadeles orarem
paraseu Deus
abençoar Roma.
Oficializaçã
o
4º Século
Este homem
dividiu a
história do
cristianismo
Constantino
Batalha da Ponte Mílvio
Constantino
X
Maxêncio
“In hoc signo vince”
Visãoautênticaou oportunismopolítico?
C
O
N
S
E
Q
Ü
Ê
N
C
I
A
S
União Igreja-Estado
O subsídio da igreja pelo Estado
A separação do “diado sol” como um dia
dedescansoeculto.
Construção de pomposas basílicas
Alteração na liturgia
Interferênciaestatal nas decisões teológicas
SURGIMENTO DO MONASTICISMO
Fugado mundanismo
da igreja
Radical
Isolamento
Locais
mais procurados
Concílios
Nicéia
Constanti
nopla
Éfeso
Calce-
dônia
Ano
325 381 431 451
Disputa Cristo é
co-eterno
com o Pai?
Jesus=corpo
humano e
mente divina
qeotokos
Jesus= uma
única natu-
reza:divina
Herege
Ario Apolinário Nestorio Êutico
Igreja Arianos Vitalinos Igreja
nestoriana
Monofisitas
Armênia, etíope
Copta e síria
Credo de Nicéia
Cremosem um Deus Pai Todo Poderoso, Criadordetodasascoisas
visíveis e invisíveis.
E em um só Jesus Cristo, o Filhode Deus, geradocomoo Unigênitodo Pai, isto
é, da substância do Pai; Deus de Deus; Luz da luz; Deus verdadeirode Deus
verdadeiro, gerado não feito; consubstancial como Pai; medianteoqual todas
ascoisas foram feitas, tantoasqueestão noscéuscomoasqueestão
na terra; quepara nós humanoseparaa nossasalvaçãodesceuese fezcarne,
se fez homem, e sofreu, e ressuscitou ao terceiro dia, e virá para julgar os
vivoseos mortos.
Cremos no Espírito Santo.
Aosquedizem, pois, que houvequandoo Filho nãoexistia, equeantesde
serconcebido nãoexistia, eque foi feitodascoisas que nãosão, ou que foi
formadodeoutra substância ou essência, ou queéumacriatura ou queé
mutável ouvariável, aestesa igrejacatólicaanematiza.
Credo de Constantinopla
Nóscremosem um Deus, o Pai Todo Poderoso, criadordocéueda terra
ede todasascoisasvisíveise invisíveis.
E em um Senhor Jesus Cristo, o unigênito Filho de Deus, gerado do Pai
Antes de todas as eras, luz de luz, verdadeiro Deus do verdadeiro Deus,
Gerado, nãocriado, deumasubstância (homoousios) como Pai. Por Ele
Todasascoisas foram feitas. Por nós homense paraa nossasalvação
Eledesceudoscéus, foi feitocarnedo Espírito Santoe Maria, avirgem,
e tornou-se homem. Ele foi crucificado por nóssob Pôncio Pilatos, sofreu
E foi sepultado. Eleressuscitou novamenteao terceirodia, deacordocom
As Escrituras e ascendeu aos céus. Ele assenta-se à direita do Pai e virá
Novamentecom glóriapara julgarosvivoseos mortos.
Seureino não terá fim
E no Espírito Santo, o Senhoredoadordavida, queprocededo Pai.
Juntocomo Pai eo Filho Eleéadoradoeglorificado. Ele falouatravés dos
Profetas.
E em uma santa igrejacatólicaeapostólica.
Fórmula da União
Nósconfessamos, portanto, queo nosso Senhor Jesus Cristocomounigênito
filho de Deus, é perfeito Deus e perfeito homem, consistindo de uma alma
racional e um corpo. Ele foi geradodo Pai antesde todasas eras, como Deus, e
nos últimosdias, por nóse paraa nossasalvação, ele foi geradode Maria,
avirgem, como homem. Ele é de uma substância (homoousios) com o Pai, como
Deus, e de uma substância (homoousios) conosco, como homem. Porque há
uma união de duas naturezas e portanto, nós confessamos um Cristo, um Filho,
um Senhor.
Deacordocom esta compreensãoda união inconfundível, nós confessamosque a
santa virgem é theotokos, porque Deus, o verbo foi encarnado e tornou-se
homem e destaconcepçãoele uniu-sea si mesmo no temploque recebeu dela.
Credo de Fé de
Calcedônia
Seguindo, pois, os santos Pais, ensinamos todos a uma voz que deve ser confessado um E
o mesmo Filho, nosso Senhor Jesus Cristo, o qual é perfeito em divindade e perfeito em
manidade; verdadeiro Deuseverdadeiro homem, de alma racional e corpo; consubstancial
Com o Pai de acordo com a divindade, e assim mesmo consubstancial conosco, de acordo
om a humanidade; semelhante a nós em tudo, porém, sem pecado; gerado pelo Pai antes os
séculosdeacordocom adivindade, e nos últimos dias, por nós e para a nossasalvação,
Da virgem Maria,mãe de Deus (theotokos), segundo a humanidade; um e o mesmo Cristo
Jesus e Senhor Unigênito, em duas naturezas, sem confusão, sem mutação, sem divisão,
Sem separação, sem que despareça a diferença das naturezas por causa da união, mas
Mantendoas propriedadesde cada natureza, e unindo-as em uma pessoae hipóstasis; não
Dividido ou partido em duas pessoas, mas um e o mesmo Filho Unigênito, Deus Verbo e
Senhor Jesus Cristo, como foi dito acerca dele pelos profetas de antigamente e o próprio
Jesus Cristo nos ensinou eo credodos Pais nos transmitiu.
O fato do século que definiu a história
Atanásio “fecha” o Cânon do NT
367
Existem, pois noAntigoTestamento, vinteedois
livros… Nãoé tedioso falar novamentedos [livros]
do Novo Testamento. Estes são os quatro Evangelhos,
segundoMateus, Marcos, Lucase João. Em seguida, os
Atos dos Apóstolos e as sete Epístolas (chamadas
católicas) a saber, de Tiago, uma; de Pedro, duas, de
João, três; depois destas, uma de Judas. Além disso,
existem catorze epístolas de Paulo… E também o
Apocalipsede João.
39a. Carta das Festividades

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a ahistriadaigrejacrist-100803151123-phpapp01.pptx

Conteúdos Programáticos, Bibliografia
Conteúdos Programáticos, BibliografiaConteúdos Programáticos, Bibliografia
Conteúdos Programáticos, Bibliografia
Sandra Vale
 
Licao 11 maria mãe de Jesus uma serva humilde
Licao 11 maria mãe de Jesus uma serva humildeLicao 11 maria mãe de Jesus uma serva humilde
Licao 11 maria mãe de Jesus uma serva humilde
RODRIGO FERREIRA
 
Teologia Sistemática - Augustus Hopkins Strong vol 1.pdf
Teologia Sistemática - Augustus Hopkins Strong vol 1.pdfTeologia Sistemática - Augustus Hopkins Strong vol 1.pdf
Teologia Sistemática - Augustus Hopkins Strong vol 1.pdf
eduardo726060
 
TEOLOGIA SISTEMÁTICA VOL. 1 - A. H. STRONG.pdf
TEOLOGIA SISTEMÁTICA VOL. 1 - A. H. STRONG.pdfTEOLOGIA SISTEMÁTICA VOL. 1 - A. H. STRONG.pdf
TEOLOGIA SISTEMÁTICA VOL. 1 - A. H. STRONG.pdf
Sávio Gomes Parente
 
Carta do Pr. Osvair aos Adventistas Leigos
Carta do Pr. Osvair aos Adventistas LeigosCarta do Pr. Osvair aos Adventistas Leigos
Carta do Pr. Osvair aos Adventistas Leigos
ASD Remanescentes
 
O Batismo - Caibar Schutel
O Batismo -  Caibar SchutelO Batismo -  Caibar Schutel
O Batismo - Caibar Schutel
Tatiana Mendes
 
Confissão de Fé Pentecostal
Confissão de Fé PentecostalConfissão de Fé Pentecostal
Confissão de Fé Pentecostal
Eduardo Sales de lima
 
A trindade e a divindade de jesus
A trindade e a divindade de jesusA trindade e a divindade de jesus
A trindade e a divindade de jesus
Reginaldo Oliveira
 
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, DoutrinaA Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
ministeriotemplovivo
 
Novena de São João Eudes pt
Novena de São João Eudes ptNovena de São João Eudes pt
Novena de São João Eudes pt
Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Novena de sâo Joâo Eudes
Novena de sâo Joâo EudesNovena de sâo Joâo Eudes
Novena de sâo Joâo Eudes
Unidad de Espiritualidad Eudista
 
De onde vem, para onde vai a Igreja Cristã?
De onde vem, para onde vai a Igreja Cristã?De onde vem, para onde vai a Igreja Cristã?
De onde vem, para onde vai a Igreja Cristã?
Ramon S da Costa
 
Roteiro homilético do 21.º domingo tempo comum – ano a – verde – 24.08.2014 (1)
Roteiro homilético do 21.º domingo tempo comum – ano a – verde – 24.08.2014 (1)Roteiro homilético do 21.º domingo tempo comum – ano a – verde – 24.08.2014 (1)
Roteiro homilético do 21.º domingo tempo comum – ano a – verde – 24.08.2014 (1)
José Luiz Silva Pinto
 
Contra o arianismo moderno
Contra o arianismo modernoContra o arianismo moderno
Contra o arianismo moderno
Willian Orlandi
 
09 ist - cristologia
09  ist - cristologia09  ist - cristologia
09 ist - cristologia
Léo Mendonça
 
A verdade 10 - saudacoes paulo
A verdade 10 - saudacoes pauloA verdade 10 - saudacoes paulo
A verdade 10 - saudacoes paulo
Monteiro07
 
LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOSLIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
Lourinaldo Serafim
 
2 - O periodo dos apostolos.pptx
2 - O periodo dos apostolos.pptx2 - O periodo dos apostolos.pptx
2 - O periodo dos apostolos.pptx
PIB Penha - SP
 
São Justino, filósofo, apologista, mártir, Doutor da Igreja.pptx
São Justino, filósofo, apologista, mártir, Doutor da Igreja.pptxSão Justino, filósofo, apologista, mártir, Doutor da Igreja.pptx
São Justino, filósofo, apologista, mártir, Doutor da Igreja.pptx
Martin M Flynn
 
Lição 5 - A Identidade do Espírito Santo
Lição 5 - A Identidade do Espírito SantoLição 5 - A Identidade do Espírito Santo
Lição 5 - A Identidade do Espírito Santo
Igreja Evangélica Assembléia de Deus
 

Semelhante a ahistriadaigrejacrist-100803151123-phpapp01.pptx (20)

Conteúdos Programáticos, Bibliografia
Conteúdos Programáticos, BibliografiaConteúdos Programáticos, Bibliografia
Conteúdos Programáticos, Bibliografia
 
Licao 11 maria mãe de Jesus uma serva humilde
Licao 11 maria mãe de Jesus uma serva humildeLicao 11 maria mãe de Jesus uma serva humilde
Licao 11 maria mãe de Jesus uma serva humilde
 
Teologia Sistemática - Augustus Hopkins Strong vol 1.pdf
Teologia Sistemática - Augustus Hopkins Strong vol 1.pdfTeologia Sistemática - Augustus Hopkins Strong vol 1.pdf
Teologia Sistemática - Augustus Hopkins Strong vol 1.pdf
 
TEOLOGIA SISTEMÁTICA VOL. 1 - A. H. STRONG.pdf
TEOLOGIA SISTEMÁTICA VOL. 1 - A. H. STRONG.pdfTEOLOGIA SISTEMÁTICA VOL. 1 - A. H. STRONG.pdf
TEOLOGIA SISTEMÁTICA VOL. 1 - A. H. STRONG.pdf
 
Carta do Pr. Osvair aos Adventistas Leigos
Carta do Pr. Osvair aos Adventistas LeigosCarta do Pr. Osvair aos Adventistas Leigos
Carta do Pr. Osvair aos Adventistas Leigos
 
O Batismo - Caibar Schutel
O Batismo -  Caibar SchutelO Batismo -  Caibar Schutel
O Batismo - Caibar Schutel
 
Confissão de Fé Pentecostal
Confissão de Fé PentecostalConfissão de Fé Pentecostal
Confissão de Fé Pentecostal
 
A trindade e a divindade de jesus
A trindade e a divindade de jesusA trindade e a divindade de jesus
A trindade e a divindade de jesus
 
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, DoutrinaA Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
A Igreja MinistéRio Templo Vivo, Doutrina
 
Novena de São João Eudes pt
Novena de São João Eudes ptNovena de São João Eudes pt
Novena de São João Eudes pt
 
Novena de sâo Joâo Eudes
Novena de sâo Joâo EudesNovena de sâo Joâo Eudes
Novena de sâo Joâo Eudes
 
De onde vem, para onde vai a Igreja Cristã?
De onde vem, para onde vai a Igreja Cristã?De onde vem, para onde vai a Igreja Cristã?
De onde vem, para onde vai a Igreja Cristã?
 
Roteiro homilético do 21.º domingo tempo comum – ano a – verde – 24.08.2014 (1)
Roteiro homilético do 21.º domingo tempo comum – ano a – verde – 24.08.2014 (1)Roteiro homilético do 21.º domingo tempo comum – ano a – verde – 24.08.2014 (1)
Roteiro homilético do 21.º domingo tempo comum – ano a – verde – 24.08.2014 (1)
 
Contra o arianismo moderno
Contra o arianismo modernoContra o arianismo moderno
Contra o arianismo moderno
 
09 ist - cristologia
09  ist - cristologia09  ist - cristologia
09 ist - cristologia
 
A verdade 10 - saudacoes paulo
A verdade 10 - saudacoes pauloA verdade 10 - saudacoes paulo
A verdade 10 - saudacoes paulo
 
LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOSLIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
 
2 - O periodo dos apostolos.pptx
2 - O periodo dos apostolos.pptx2 - O periodo dos apostolos.pptx
2 - O periodo dos apostolos.pptx
 
São Justino, filósofo, apologista, mártir, Doutor da Igreja.pptx
São Justino, filósofo, apologista, mártir, Doutor da Igreja.pptxSão Justino, filósofo, apologista, mártir, Doutor da Igreja.pptx
São Justino, filósofo, apologista, mártir, Doutor da Igreja.pptx
 
Lição 5 - A Identidade do Espírito Santo
Lição 5 - A Identidade do Espírito SantoLição 5 - A Identidade do Espírito Santo
Lição 5 - A Identidade do Espírito Santo
 

Mais de Márcio Azevedo

Estudo_HF_50_Int_novo_testamento (1).pdf
Estudo_HF_50_Int_novo_testamento (1).pdfEstudo_HF_50_Int_novo_testamento (1).pdf
Estudo_HF_50_Int_novo_testamento (1).pdf
Márcio Azevedo
 
Revista-Palavra-Viva-Profetas-Menores (1).pdf
Revista-Palavra-Viva-Profetas-Menores (1).pdfRevista-Palavra-Viva-Profetas-Menores (1).pdf
Revista-Palavra-Viva-Profetas-Menores (1).pdf
Márcio Azevedo
 
panorama-do-antigo-testamento.pptx
panorama-do-antigo-testamento.pptxpanorama-do-antigo-testamento.pptx
panorama-do-antigo-testamento.pptx
Márcio Azevedo
 
licao12-3t-2018-betel-180913120551.pdf
licao12-3t-2018-betel-180913120551.pdflicao12-3t-2018-betel-180913120551.pdf
licao12-3t-2018-betel-180913120551.pdf
Márcio Azevedo
 
panorama-do-antigo-testamento-dyogocris.pptx
panorama-do-antigo-testamento-dyogocris.pptxpanorama-do-antigo-testamento-dyogocris.pptx
panorama-do-antigo-testamento-dyogocris.pptx
Márcio Azevedo
 
panorama velho testamento o inico de tudo.pptx
panorama velho testamento o inico de tudo.pptxpanorama velho testamento o inico de tudo.pptx
panorama velho testamento o inico de tudo.pptx
Márcio Azevedo
 
PANORAMA DA IGREJA E CRISTIANISMO.pptx
PANORAMA DA IGREJA E CRISTIANISMO.pptxPANORAMA DA IGREJA E CRISTIANISMO.pptx
PANORAMA DA IGREJA E CRISTIANISMO.pptx
Márcio Azevedo
 
29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS (1).PPT
29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS (1).PPT29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS (1).PPT
29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS (1).PPT
Márcio Azevedo
 
2.-INTRODUCAO-A-ESCATOLOGIA.pptx
2.-INTRODUCAO-A-ESCATOLOGIA.pptx2.-INTRODUCAO-A-ESCATOLOGIA.pptx
2.-INTRODUCAO-A-ESCATOLOGIA.pptx
Márcio Azevedo
 
29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS.PPT
29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS.PPT29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS.PPT
29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS.PPT
Márcio Azevedo
 
Financeiro e estoque ✨.pdf
Financeiro e estoque ✨.pdfFinanceiro e estoque ✨.pdf
Financeiro e estoque ✨.pdf
Márcio Azevedo
 
ECOLBAS_1.pptx
ECOLBAS_1.pptxECOLBAS_1.pptx
ECOLBAS_1.pptx
Márcio Azevedo
 
Como montar uma impermeabilização de estofados
Como montar uma impermeabilização de estofadosComo montar uma impermeabilização de estofados
Como montar uma impermeabilização de estofados
Márcio Azevedo
 

Mais de Márcio Azevedo (13)

Estudo_HF_50_Int_novo_testamento (1).pdf
Estudo_HF_50_Int_novo_testamento (1).pdfEstudo_HF_50_Int_novo_testamento (1).pdf
Estudo_HF_50_Int_novo_testamento (1).pdf
 
Revista-Palavra-Viva-Profetas-Menores (1).pdf
Revista-Palavra-Viva-Profetas-Menores (1).pdfRevista-Palavra-Viva-Profetas-Menores (1).pdf
Revista-Palavra-Viva-Profetas-Menores (1).pdf
 
panorama-do-antigo-testamento.pptx
panorama-do-antigo-testamento.pptxpanorama-do-antigo-testamento.pptx
panorama-do-antigo-testamento.pptx
 
licao12-3t-2018-betel-180913120551.pdf
licao12-3t-2018-betel-180913120551.pdflicao12-3t-2018-betel-180913120551.pdf
licao12-3t-2018-betel-180913120551.pdf
 
panorama-do-antigo-testamento-dyogocris.pptx
panorama-do-antigo-testamento-dyogocris.pptxpanorama-do-antigo-testamento-dyogocris.pptx
panorama-do-antigo-testamento-dyogocris.pptx
 
panorama velho testamento o inico de tudo.pptx
panorama velho testamento o inico de tudo.pptxpanorama velho testamento o inico de tudo.pptx
panorama velho testamento o inico de tudo.pptx
 
PANORAMA DA IGREJA E CRISTIANISMO.pptx
PANORAMA DA IGREJA E CRISTIANISMO.pptxPANORAMA DA IGREJA E CRISTIANISMO.pptx
PANORAMA DA IGREJA E CRISTIANISMO.pptx
 
29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS (1).PPT
29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS (1).PPT29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS (1).PPT
29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS (1).PPT
 
2.-INTRODUCAO-A-ESCATOLOGIA.pptx
2.-INTRODUCAO-A-ESCATOLOGIA.pptx2.-INTRODUCAO-A-ESCATOLOGIA.pptx
2.-INTRODUCAO-A-ESCATOLOGIA.pptx
 
29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS.PPT
29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS.PPT29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS.PPT
29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS.PPT
 
Financeiro e estoque ✨.pdf
Financeiro e estoque ✨.pdfFinanceiro e estoque ✨.pdf
Financeiro e estoque ✨.pdf
 
ECOLBAS_1.pptx
ECOLBAS_1.pptxECOLBAS_1.pptx
ECOLBAS_1.pptx
 
Como montar uma impermeabilização de estofados
Como montar uma impermeabilização de estofadosComo montar uma impermeabilização de estofados
Como montar uma impermeabilização de estofados
 

Último

Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
DeuzinhaAzevedo
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmenteeducação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
educação inclusiva na atualidade como ela se estabelece atualmente
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 

ahistriadaigrejacrist-100803151123-phpapp01.pptx

  • 2. Gl 4.4 “vindoporém a plenitudedo tempo, Deus enviou seu filho...” Porque?
  • 7. APÓSTOLOS Pedro – Roma João – Ásia Menor Tiago (João) - Tradição Espanhola Tiago (Jesus) - Jerusalém André - Ásia Menore Grécia Judas Tadeu - Pérsia Mateus - Etiópia Tomé – Índia
  • 8.
  • 10. ⚫ENVOLVIMENTO COM ORGIAS ⚫UNIÕES INCESTUOSAS ⚫CANIBALISMO ⚫NATUREZA DE DEUS ⚫NASCIMENTO VIRGINAL DE JESUS ⚫DIVINDADE DE JESUS
  • 12. APOLOGISTAS TERTULIANO ⚫TRINDADE x MODALISMO ⚫“O QUE ATENAS TEM A VER COM JERUSALÉM. CLEMENTE DE ALEXANDRIA ⚫ ALEGORIZAÇÃO (318 de Abraão) – Gn 14.14 ⚫ FILOSOFIA = LEI
  • 14. 1° Século 0 – 100 – Expansão 2° Século – Oposição/ Reação 3° Século – Perseguição 4° Século - Oficialização
  • 15. 1° Século - Expansão 2° Século 101 – 200 – Oposição/ Reação 3° Século – Perseguição 4° Século - Oficialização
  • 16. CÂNON DO NOVO TESTAMENTO O CREDO DOS APÓSTOLOS O EPISCOPADO 1° Século - Expansão 2° Século 101 – 200 – Oposição/ Reação 3° Século – Perseguição 4° Século - Oficialização
  • 18. ⚫Creioem Deus Pai, Todo-poderoso, Criadordo Céu e da terra. ⚫Creioem Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor, o qual foi concebido por obra do Espírito Santo; nasceu da virgem Maria; padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos, foi crucificado, mortoe sepultado; ressurgiu dos mortos ao terceiro dia; subiu ao Céu; está sentado à direita de Deus Pai Todo-poderoso, donde há de vir para julgarosvivoseos mortos. ⚫Creio no Espírito Santo; na Santa Igreja Universal; na comunhãodos santos; na remissãodos pecados; na ressurreiçãodocorpo; navida eterna. Amém.
  • 19. ⚫O PRIMEIRO ENTRE OS IGUAIS (ROMA) ⚫SUCESSORES DOS APÓSTOLOS ⚫RAZÕES ⚫ HERESIAS ⚫ PERSEGUIÇÃO
  • 20.
  • 21.
  • 31. Edito de tolerância 311 d.C Em seu leito de morte Galérioconcede “perdão” aos cristãosem trocadeles orarem paraseu Deus abençoar Roma.
  • 32.
  • 34. Este homem dividiu a história do cristianismo Constantino
  • 35. Batalha da Ponte Mílvio Constantino X Maxêncio “In hoc signo vince” Visãoautênticaou oportunismopolítico?
  • 36. C O N S E Q Ü Ê N C I A S União Igreja-Estado O subsídio da igreja pelo Estado A separação do “diado sol” como um dia dedescansoeculto. Construção de pomposas basílicas Alteração na liturgia Interferênciaestatal nas decisões teológicas
  • 37. SURGIMENTO DO MONASTICISMO Fugado mundanismo da igreja Radical Isolamento Locais mais procurados
  • 38. Concílios Nicéia Constanti nopla Éfeso Calce- dônia Ano 325 381 431 451 Disputa Cristo é co-eterno com o Pai? Jesus=corpo humano e mente divina qeotokos Jesus= uma única natu- reza:divina Herege Ario Apolinário Nestorio Êutico Igreja Arianos Vitalinos Igreja nestoriana Monofisitas Armênia, etíope Copta e síria
  • 39. Credo de Nicéia Cremosem um Deus Pai Todo Poderoso, Criadordetodasascoisas visíveis e invisíveis. E em um só Jesus Cristo, o Filhode Deus, geradocomoo Unigênitodo Pai, isto é, da substância do Pai; Deus de Deus; Luz da luz; Deus verdadeirode Deus verdadeiro, gerado não feito; consubstancial como Pai; medianteoqual todas ascoisas foram feitas, tantoasqueestão noscéuscomoasqueestão na terra; quepara nós humanoseparaa nossasalvaçãodesceuese fezcarne, se fez homem, e sofreu, e ressuscitou ao terceiro dia, e virá para julgar os vivoseos mortos. Cremos no Espírito Santo. Aosquedizem, pois, que houvequandoo Filho nãoexistia, equeantesde serconcebido nãoexistia, eque foi feitodascoisas que nãosão, ou que foi formadodeoutra substância ou essência, ou queéumacriatura ou queé mutável ouvariável, aestesa igrejacatólicaanematiza.
  • 40. Credo de Constantinopla Nóscremosem um Deus, o Pai Todo Poderoso, criadordocéueda terra ede todasascoisasvisíveise invisíveis. E em um Senhor Jesus Cristo, o unigênito Filho de Deus, gerado do Pai Antes de todas as eras, luz de luz, verdadeiro Deus do verdadeiro Deus, Gerado, nãocriado, deumasubstância (homoousios) como Pai. Por Ele Todasascoisas foram feitas. Por nós homense paraa nossasalvação Eledesceudoscéus, foi feitocarnedo Espírito Santoe Maria, avirgem, e tornou-se homem. Ele foi crucificado por nóssob Pôncio Pilatos, sofreu E foi sepultado. Eleressuscitou novamenteao terceirodia, deacordocom As Escrituras e ascendeu aos céus. Ele assenta-se à direita do Pai e virá Novamentecom glóriapara julgarosvivoseos mortos. Seureino não terá fim E no Espírito Santo, o Senhoredoadordavida, queprocededo Pai. Juntocomo Pai eo Filho Eleéadoradoeglorificado. Ele falouatravés dos Profetas. E em uma santa igrejacatólicaeapostólica.
  • 41. Fórmula da União Nósconfessamos, portanto, queo nosso Senhor Jesus Cristocomounigênito filho de Deus, é perfeito Deus e perfeito homem, consistindo de uma alma racional e um corpo. Ele foi geradodo Pai antesde todasas eras, como Deus, e nos últimosdias, por nóse paraa nossasalvação, ele foi geradode Maria, avirgem, como homem. Ele é de uma substância (homoousios) com o Pai, como Deus, e de uma substância (homoousios) conosco, como homem. Porque há uma união de duas naturezas e portanto, nós confessamos um Cristo, um Filho, um Senhor. Deacordocom esta compreensãoda união inconfundível, nós confessamosque a santa virgem é theotokos, porque Deus, o verbo foi encarnado e tornou-se homem e destaconcepçãoele uniu-sea si mesmo no temploque recebeu dela.
  • 42. Credo de Fé de Calcedônia Seguindo, pois, os santos Pais, ensinamos todos a uma voz que deve ser confessado um E o mesmo Filho, nosso Senhor Jesus Cristo, o qual é perfeito em divindade e perfeito em manidade; verdadeiro Deuseverdadeiro homem, de alma racional e corpo; consubstancial Com o Pai de acordo com a divindade, e assim mesmo consubstancial conosco, de acordo om a humanidade; semelhante a nós em tudo, porém, sem pecado; gerado pelo Pai antes os séculosdeacordocom adivindade, e nos últimos dias, por nós e para a nossasalvação, Da virgem Maria,mãe de Deus (theotokos), segundo a humanidade; um e o mesmo Cristo Jesus e Senhor Unigênito, em duas naturezas, sem confusão, sem mutação, sem divisão, Sem separação, sem que despareça a diferença das naturezas por causa da união, mas Mantendoas propriedadesde cada natureza, e unindo-as em uma pessoae hipóstasis; não Dividido ou partido em duas pessoas, mas um e o mesmo Filho Unigênito, Deus Verbo e Senhor Jesus Cristo, como foi dito acerca dele pelos profetas de antigamente e o próprio Jesus Cristo nos ensinou eo credodos Pais nos transmitiu.
  • 43. O fato do século que definiu a história Atanásio “fecha” o Cânon do NT 367 Existem, pois noAntigoTestamento, vinteedois livros… Nãoé tedioso falar novamentedos [livros] do Novo Testamento. Estes são os quatro Evangelhos, segundoMateus, Marcos, Lucase João. Em seguida, os Atos dos Apóstolos e as sete Epístolas (chamadas católicas) a saber, de Tiago, uma; de Pedro, duas, de João, três; depois destas, uma de Judas. Além disso, existem catorze epístolas de Paulo… E também o Apocalipsede João. 39a. Carta das Festividades