SlideShare uma empresa Scribd logo
Agentes químicos
AGENTES QUÍMICOS
• É o perigo a que determinado indivíduo
está exposto ao manipular produtos
químicos que podem causar-lhe danos
físicos ou prejudicar - lhe a saúde.
• Os riscos químicos presentes nos locais
de trabalho são encontrados na forma
sólida, líquida e gasosa.
HISTÓRICO
Hipócrates (370 a.C)
• Descreve as primeiras doenças
ocupacionais (intoxicações por
chumbo), escreve o livro Ares, Água
e Lugares, relacionado o meio
ambiente e a saúde.
HISTÓRICO
• Galeno 129 – 199 d.C
• - doenças presentes em trabalhadores
das minas.
• Plinius Secundus 23 – 79 a.C (Plínio, o
Velho)
• - os fundidores envolviam as faces
com bexigas de animais, para não
inalar as poeiras fatais.
CLASSIFICAÇÃO dos AGENTES QUÍMICOS
• Agentes químicos podem ser classificados de
acordo com:
• 1. Forma física :
• Poeiras
• Fumos
• Gases e vapores
• Neblinas/ névoas
AGENTES QUÍMICOS
• Poeiras, fumos, névoas, gases e vapores estão dispersos no
ar e são chamados AERODISPERSÓIDES.
Aerodispersóides diferem quanto:
- tamanho das partículas e do seu
- estado e forma de origem.
• Se dividem em:
a) Gases/Vapores
b) Líquidos: nevoas e neblina
c) Sólidos: poeiras e fumos
AERODISPERSÓIDES
•
São divididos
• Em:
Gases e
Vapores
Líquidos
Sólidos
• Irritantes
•Asfixiantes
• Anestésicos
• Nevoas
• Neblina
• Poeiras
•Minerais
•Vegetais
•Alcalinas
• Fumos
GASES e VAPORES
• VAPORES  fase gasosa de uma substância
que nas Condições Normais de Temperatura
e Pressão é sólida ou líquida  vapor de
gasolina, de álcool, benzeno, etc.
• GASES substâncias que nas CNTP
(Condições Normais de Temperatura e
Pressão) estão no estado gasoso como:
metano, monóxido de carbono.
GASES E VAPORES: classificação
a) Irritantes: irritação das vias aéreas superiores.
• Ex: ácido clorídrico, ácido sulfúrico, soda caústica, cloro, etc.
• b) Asfixiantes: dor de cabeça , náuseas, sonolência, convulsões,
coma e morte.
Ex: hidrogênio, nitrogênio, hélio, metano, acetileno, dióxido de
carbono, monóxido de carbono, etc
• c) Anestésicos:  ação depressiva sobre o sistema nervoso,
danos aos diversos órgãos, ao sistema formador de sangue
(benzeno), etc.  maioria solventes orgânicos.
•
Ex: butano, propano, aldeídos, cetonas, cloreto de carbono,
tricloroetileno, benzeno, tolueno, álcoois, percloroetileno.
IRRITANTES
Segundo a solubilidade em água se classificam em:
1.Gases altamente solúveis:  amônia e cloro, que são bem
adsorvidos pelo trato respiratório superior e rapidamente produzem efeitos nas
membranas mucosas dos olhos, nariz e garganta.
2.Gases menos solúveis  fosgênio e dióxido de nitrogênio,
são lentamente adsorvidos pelo trato respiratório superior e podem atingir o
trato respiratório inferior, onde sua toxicidade será exercida.
Efeitos tóxicos POR INALAÇÃO ( maior exposição):
• cefaléia, conjuntivite, rinite, faringite, laringite, secura e insensibilidade
nasal, hemorragia, edema de glote, edema laríngeo, pneumonite,
bronquite, taquipnéia, sibilos, tosse, infiltrado pulmonar e síndrome
disfuncional reativa das vias aéreas.
Efeitos tóxicos por exposição CUTÂNEA  eritema e queimadura
IRRITANTES
• Segundo sua ação irritante:
• 1.1.IRRITANTES PRIMÁRIOS = substâncias que
concentram sua ação irritante ao organismo e que têm ação:
• sobre as vias respiratórias superiores  substâncias de alta
solubilidade em água, (ex. ácido sulfúrico ,amônia e soda
cáustica);
• - sobre os brônquios  substâncias com moderada
solubilidade em água que, quando inaladas, penetram mais
profundamente no sistema respiratório (ex.: anidrido
sulfuroso e cloro);
• - ação sobre os pulmões  substâncias que apresentam
baixa solubilidade em água, alcançando os alvéolos
pulmonares (ex.: ozônio, óxidos nitrosos e fosgênio).
IRRITANTES
• 1.2.IRRITANTES SECUNDÁRIOS= substâncias
que, apesar de possuírem efeito irritante, têm
uma ação tóxica generalizada sobre o
organismo (ex.: gás sulfídrico).
ASFIXIANTES
MONÓXIDO DE CARBONO
• gás combustível, derivado do petróleo, incolor,
inodoro e altamente inflamável
USOS
• motores a explosão e da indústria siderúrgica.
• queimadores de gás sujos ou defeituosos.
• motores de carros ( principais poluentes do ar
atmosférico ).
ASFIXIANTES QUÍMICOS
Intoxicações agudas leves e moderadas: mal-estar, cefaléia,
fadiga, dispnéia leve, náusea, vômitos, fraqueza, distúrbios visuais e irritabilidade. Sinais
agudos que podem ser encontrados: taquipnéia, taquicardia, hipotensão. vertigens,
astenia, dificuldade de concentração, diminuição da tolerância ao exercício físico, febre
baixa e hipotensão sistólica. Raramente podem ocorrer convulsões ou perdas de
consciência, geralmente de curta duração
Intoxicações leves e moderadas crônicas podem ocorrer
distúrbios psiquiátricos, mudanças de personalidade, apatia, apraxia, desorientação,
rigidez muscular, incontinências urinária e fecal, e coma.
10% dos pacientes recuperados de intoxicações moderadas e graves apresentam
alguma sequela neurológica, entre as quais já foram relatados parkinsonismo, estado
vegetativo persistente,, apraxia, alterações visuais, estados confabulatórios, amnésia e
psicose.
Intoxicações graves :síncope, convulsões, rigidez muscular generalizada,
coma e morte por choque e insuficiência respiratória. Podem também ocasionar
hemorragias na retina e edema pulmonar..
Os níveis ambientais de monóxido de carbono estão diretamente relacionados à
concentração de carboxihemoglobina (COHb) e aos efeitos clínicos.
ASFIXIANTES QUÍMICOS
MONÓXIDO de CARBONO
Duas síndromes tardias são descritas após a exposição aguda ao
monóxido de carbono.
• “REBOTE”, ocorre uma a duas semanas após o evento agudo, com
aparecimento de sintomas parecidos com os da fase aguda, sem
que haja nova exposição ao gás.
• Podem aparecer cefaléia, náuseas, vômitos, confusão mental e
amnésia.
• SINDROMES NEUROLÓGICAS ou PSIQUIÁTRICAS: aparecimento
tardio , como demência, parkinsonismo, movimentos coreiformes,
zumbido, incontinência urinária e fecal, alucinações, labilidade
emocional, etc.
ASFIXIANTES QUÍMICOS
• 2.Cianeto de hidrogênio ou gás cianídrico 
muito volátil, chegando a concentrações
potencialmente letais, à temperatura ambiente.
O vapor é inflamável e potencialmente explosivo.
•
• Tem um tênue odor de amêndoas amargas.
• Limite de exposição máximo permissível (média
para 8h de trabalho) da é de 10 ppm.
ASFIXIANTES QUÍMICOS
USOS do CIANETO
• - fontes industriais de cianeto
• - atividades de galvanoplastia,
• - extração de ouro e prata,
• - têmpera de metais,
• - processos fotográficos,
• - produção de acrilonitrila, acetonitrila e
gliconitrila,
• - fabricação de pesticidas e fumigantes
ASFIXIANTES QUÍMICOS
EFEITOS CLÍNICOS
hipóxia celular por inibição da atividade da citocromo oxidase mitocondrial;
impede a extração e uso do oxigênio do sangue arterial. inibição do
metabolismo oxidativo
A citocromo oxidase é uma metaloenzima contendo ferro, que constitui um
elemento importante da fosforilação oxidativa e, conseqüentemente, da
produção de energia aeróbica celular. Sua função na cadeia transportadora de
elétrons na mitocôndria leva à produção de uma molécula altamente
energética, o trifosfato de adenosina ou ATP  cianeto se combina com o íon
férrico da citocromo oxidase mitocondrial, prevenindo o transporte de elétron
no sistema citocromo e causando uma interrupção da fosforilação oxidativa e
da produção de ATP.
Esta inibição do metabolismo oxidativo provoca um aumento da glicólise
anaeróbica que produz ácido lático e leva a distúrbios ácido-base severos.
O sistema nervoso central é particularmente sensível aos efeitos tóxicos do
cianeto cujos sintomas se manifestam, em geral, em um curto período de
tempo.
ASFIXIANTES QUÍMICOS
INTOXICAÇÃO AGUDA : cianeto
Ocular: midríase, edema de córnea, conjuntivite e ceratite.
- Nasal: irritação, rinorréia, sangramento.
- Cardiovascular: hipertensão e taquicardia, seguidos de hipotensão e
bradicardia, cianose e arritmias.
- Respiratório: irritação das vias aéreas, desconforto, dispnéia, depressão
respiratória e edema pulmonar não cardiogênico,
- Neurológico: cefaléia, fraqueza, síncope, estimulação do sistema nervoso
central, tonteira, alucinação, convulsão e coma. Síndrome extrapiramidal,
alterações de personalidade, déficit de memória têm sido reportados como
sequelas.
- Gastrintestinal: náuseas, vômitos e dor abdominal. Pode ocorrer o
aparecimento de uma úlcera gástrica.
- Acidose metabólica severa.
- Dermatológico: pápulas, eritema extenso, prurido, irritação e ulcera.
ASFIXIANTES QUÍMICOS
• ESPOSIÇÃO CRÔNICA DO CIANETO
• - perda auditiva,
• - irritação de pele e mucosas,
• - náuseas, vômito,
• - cefaléia, vertigem
• - desconforto torácico,
• - palpitação,
• - irritação ocular e respiratória,
• - diminuição do apetite,
• - perda de peso,
• - sonolência e efeitos neurotóxicos.
• Não há evidências de carcinogenicidade
ANESTÉSICOS
– 1.Anestésico primário: são aquelas substâncias que
não produzem outro efeito além da anestesia, mesmo
que o trabalhador seja submetido a exposições
repetidas, em baixas concentrações (ex.: aldeídos,
cetonas, ésteres e os hidrocarbonetos alifáticos –
butano, propano, eteno e outros).
– 2.Anestésico de efeitos sobre as vísceras: são
aquelas substâncias que podem acarretar danos ao
fígado e aos rins dos trabalhadores expostos
(hidrocarbonetos clorados – tricloroetileno,
tetracloreto de carbono e percloroetileno).
ANESTÉSICOS
– 3.Anestésico de ação sobre o sistema formador do
sangue: são substâncias que se acumulam, preferencialmente, nos
tecidos graxos, medula óssea e sistema nervoso (ex.: benzeno, tolueno
e xileno).
– 4.Anestésico de ação sobre o sistema nervoso: são
substâncias que, devido à sua alta solubilidade em água, apresentam
eliminação lenta pelo organismo; daí, a sua manifestação mais
acentuada no sistema nervoso (ex.: álcool etílico e metílico).
– 5.Anestésico de ação sobre o sangue e o sistema
circulatório: são substâncias, em especial aquelas pertencentes
ao grupo dos nitrocompostos de carbono, que, em decorrência de sua
utilização industrial, podem ocasionar alteração na hemoglobina do
sangue (ex.: nitrotolueno, nitrito de etila, nitrobenzeno e anilina).
LÍQUIDOS
• Neblinas /Névoas
Partículas líquidas produzidas por condensação de vapores de
substâncias em condições normais ou da dispersão mecânica de
líquidos.
NEBLINAS (MIST) ou NÉVOAS = Suspensão gasosa de pequenas
gotas de líquido geradas por condensação de um estado gasoso
ou pela desintegração de um estado líquido por atomização,
ebulição, etc. o seu tamanho varia entre
o 0,001 µm e 10 µm
• Partículas em suspensão derivadas de : pintura
• por pistola, spray, processo de lubrificação,
• monóxido de carbono liberado pelos escapamentos dos carros.
SÓLIDOS
• POEIRAS
•
• POEIRAS (DUST) = Suspensão no ar de partículas sólidas
de pequeno tamanho provenientes de processos mecânicos
de desagregação ou ruptura: tamanho varia entre 0,1 µm a
25 µm. esmerilhamento, trituração.
• São classificadas em:
a) Poeiras minerais
Ex: sílica, asbesto, carvão mineral.
 Consequências: silicose (quartzo ou silica), asbestose
(amianto), pneumoconiose dos mineiros ( carvão mineral)
SÓLIDOS
• b) Poeiras vegetais:
Ex: algodão, bagaço de cana-de-açúcar.
 Consequências:
• bissinose (algodão), bagaçose (cana-de-açúcar) etc.
•
• c) Poeiras alcalinas:
Ex: calcário
 Consequências: doenças pulmonares obstrutivas
crônicas, enfisema pulmonar.
SÓLIDOS
FUMOS
• FUMOS (SMOKE) = partículas sólidas suspensas no ar geradas
pelo processo de condensação de vapores metálicos
• como: chumbo, antimônio, manganês, ferro, etc
tamanho é inferior a 0,1 µm
• Ex: fumos de óxido de zinco nas operações
• de soldagem com ferro.
 Consequências: doença pulmonar obstrutiva,
 febre de fumos metálicos, intoxicação
 específica de acordo com o metal.
AGENTES QUÍMICOS
•
2. NATUREZA QUÍMICA
1.METAIS e METALÓIDES chumbo, mercúrio,
manganês, cádmio e os metaloides, como o arsênico e o
fósforo.
2.2.Solventes AROMÁTICOS amplamente utilizados nas
industrias plásticas de borracha, química e petroquímica
benzeno, o tolueno e o xileno.
•
Todos causam, mediante exposição maciça ( grandes
quantidades), sonolência, torpor, coma, podendo causar a
morte por parada respiratória, pois são narcóticos.
Metais De onde vem Efeitos
Alumínio
Produção de artefatos de alumínio;
serralheria; soldagem de medicamentos
(antiácidos) e tratamento convencional
de água.
Anemia por deficiência de
ferro; intoxicação crônica
Arsênio
Metalurgia; manufatura de vidros e
fundição.
Câncer (seios paranasais)
Cádmio Soldas; tabaco; baterias e pilhas.
Câncer de pulmões e
próstata; lesão nos rins
Chumbo
Fabricação e reciclagem de baterias de
autos; indústria de tintas; pintura em
cerâmica; soldagem.
Saturnismo (cólicas
abdominais, tremores,
fraqueza muscular, lesão
renal e cerebral)
Cobalto
Preparo de ferramentas de corte e
furadoras.
Fibrose pulmonar
(endurecimento do pulmão)
que pode levar à morte
AGENTES QUÍMICOS
• 2.3. Solventes HALOGENADOS 
• Uso industrial
• - principalmente no desengraxamento de peças em metalúrgicas;
• - solventes de tintas e vernizes,
• - em pesticidas,
• - nas lavagens a seco em tinturarias, etc.
Exemplos : tetracloreto de carbono, o tricloroetileno, o tetracloroetileno, o
tricloroetano, etc.
Exposição maior, também podem causar sonolência, torpor e até a morte,
se a dose absorvida for muito alta ( efeito anestésico geral ).
2.4. POEIRAS MINERAIS de graves doenças pulmonares crônicas,
denominadas pneumoconioses silicose e a asbestose e antracose.
AGENTES QUÍMICOS
• 2.5.ÓLEOS GRAXOS contato prolongado com óleos e graxas
causa uma lesão de pele ELAICONIOSE = a pele apresenta
vários pequenos pontos com pus e perda de pêlos nas regiões
afetadas, em geral coxas e os antebraços.
• Acomete frequentemente os trabalhadores mecânicos e
metalúrgicos
• Tratamento prolongado, exigindo longos afastamentos do trabalho
para a cura completa.
• Medidas preventivas :
• higiene corporal após o trabalho
• uso de avental de plástico que impeça o borrifo de óleo nas roupas
do trabalhador.
AGENTES QUÍMICOS
• 3. Tipo de ação tóxica ( FUNDACENTRO)
• Grupo I - Substâncias de ação generalizada sobre o
organismo cujos efeitos, no organismo dos trabalhadores,
dependem da quantidade de substâncias absorvidas (ex.:
cloro, chumbo, dióxido de carbono, monóxido de carbono e
nitroetano).
• Grupo II - Substância de ação generalizada sobre o
organismo, podendo ser absorvida, também por via
cutânea e inaladas por via respiratória.ex.: anilina,
benzeno, bromofórmio, fenol, percloretileno, tetracloreto
de carbono e tolueno.
AGENTES QUÍMICOS
• Grupo III - Substâncias de efeito extremamente rápido e os
limites máximos de tolerância não podem ser
ultrapassados, em momento algum durante a jornada de
trabalho (ex.: ácido clorídrico, dióxido de enxofre e
formaldeído).
• Grupo IV - Substâncias de efeitos extremamente rápidos,
podendo ser absorvidas, também por via cutânea: álcool n-
butílico, m-butilamonia, mono- etil - hidrazina e sulfato de
dimetila, cujos limites de tolerância não podem ser
ultrapassados em nenhum momento da jornada de
trabalho e exige equipamento de proteção individual
AGENTES QUÍMICOS
• Grupo V - Asfixiantes simples: são representados por alguns gases
em altas concentrações no ar, atuam no sentido de deslocar o
oxigênio do ar, sem provocar efeitos fisiológicos importantes. Ex.:
acetileno, argônio, hélio, hidrogênio, metano).
• Grupo VI - Poeiras: são substâncias químicas sólidas provenientes
da segregação mecânica das substâncias no estado sólido; podem
ser altamente nocivas, dependendo da sua dimensão, podendo
causar pneumoconioses .
• Grupo VII - Substâncias cancerígenas: ex.: cloreto de vinila,
asbestos, benzidina, beta-naftalina, 4 nitrodifenil, 4-aminodifenil e,
benzeno
RISCOS QUÍMICOS EM CASA
As principais vítimas costumam ser
as crianças, pessoas com problemas
visuais, mentais, senilidade ou
analfabetas, por isso tenha os
maiores cuidados!
- várias espécies de plantas, muitas
delas ornamentais
RISCOS QUÍMICOS EM CASA
- produtos de limpeza para a casa e/ou carro
e/ou moto (detergentes, sabão em pó,
lustra-móveis, desinfetantes, alvejante,
solventes, aromatizantes, etc.)
- inseticidas (em aerossol, concentrado, em
pó, iscas para formigas ou baratas, etc.)
- raticidas, colas, produtos para desentupir
pias, vasos sanitários
PANORAMA ATUAL
33 998 351 Substâncias orgânicas e inorgânicas (CAS*:5/2008)
100000 Substâncias primarias
• 4000 Conhecidas toxicologicamente
• 2000 Suspeitas de carcinogenicidade
70 Carcinogênicas para humanos
• 1600 Ensaios de efeitos teratogênico e fetotóxico
• 800 Teratogênicas para animais
• 50 Teratogênicas para humanos
• 1300 Frequentemente associadas com acidentes
• 260 mil uso industrial regulado
• *Chemical Abstract System – American Chemical Society

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a agentesquimicosparte1-130409033612-phpapp02.pptx

Patologia basica
Patologia basicaPatologia basica
Patologia basica
washington carlos vieira
 
Cipa apresentacao
Cipa apresentacaoCipa apresentacao
Cipa apresentacao
Tst Muniz
 
Domissanitarios toxicologia
Domissanitarios toxicologiaDomissanitarios toxicologia
Domissanitarios toxicologia
Abelardo Souza
 
Aula 1 reconhecimento de risco
Aula 1 reconhecimento de riscoAula 1 reconhecimento de risco
Aula 1 reconhecimento de risco
mpaffetti
 
Toxicologia dos metais
Toxicologia dos metaisToxicologia dos metais
Toxicologia dos metais
Leticia Costa
 
Controle de risco
Controle de riscoControle de risco
aula1a.pdf
aula1a.pdfaula1a.pdf
aula1a.pdf
Daniela Chucre
 
AULA 02 - SISTEMA RESPIRATORIO PARTE 01 - Enfermagem médica.pptx
AULA 02 - SISTEMA RESPIRATORIO PARTE 01 - Enfermagem médica.pptxAULA 02 - SISTEMA RESPIRATORIO PARTE 01 - Enfermagem médica.pptx
AULA 02 - SISTEMA RESPIRATORIO PARTE 01 - Enfermagem médica.pptx
JoaoLucasSilva9
 
AULA 5 - DOENÇAS CAUSADAS POR GASES E VAPORES, PNEUMOCONIOSES.pptx
AULA 5 - DOENÇAS CAUSADAS POR GASES E VAPORES, PNEUMOCONIOSES.pptxAULA 5 - DOENÇAS CAUSADAS POR GASES E VAPORES, PNEUMOCONIOSES.pptx
AULA 5 - DOENÇAS CAUSADAS POR GASES E VAPORES, PNEUMOCONIOSES.pptx
EnfaVivianeCampos
 
aines20-200622001256.pdf
aines20-200622001256.pdfaines20-200622001256.pdf
aines20-200622001256.pdf
valdomiro furtado furtado
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
pauloalambert
 
Antiinflamatórios não hormonais.pdf
Antiinflamatórios não hormonais.pdfAntiinflamatórios não hormonais.pdf
Antiinflamatórios não hormonais.pdf
DaniellePaes1
 
AINES.pdf
AINES.pdfAINES.pdf
AINES.pdf
DaniellePaes1
 
Aula 2 - Dispersao dos poluentes na atmosfera.pdf
Aula 2 - Dispersao dos poluentes na atmosfera.pdfAula 2 - Dispersao dos poluentes na atmosfera.pdf
Aula 2 - Dispersao dos poluentes na atmosfera.pdf
DboraAlvim1
 
Curso de cipa apresentação power point 15 11 05
Curso de cipa   apresentação power point 15 11 05Curso de cipa   apresentação power point 15 11 05
Curso de cipa apresentação power point 15 11 05
Nilton Goulart
 
Aspectos toxicologicos solventes
Aspectos toxicologicos solventesAspectos toxicologicos solventes
Aspectos toxicologicos solventes
jorge luiz dos santos de souza
 
Metais pesados[1]
Metais pesados[1]Metais pesados[1]
Metais pesados[1]
Deivyson Roris de Freitas
 
Os perigos do consumo do tabaco
Os perigos do consumo do tabacoOs perigos do consumo do tabaco
Os perigos do consumo do tabaco
Antonio Ribeiro da Cunha
 
intoxicação metais pesados CORRIGIDO.pptx
intoxicação metais pesados CORRIGIDO.pptxintoxicação metais pesados CORRIGIDO.pptx
intoxicação metais pesados CORRIGIDO.pptx
BRENDACARLALUQUETTI
 
Fispq acetileno
Fispq acetilenoFispq acetileno
Fispq acetileno
Renato Lopes de Freitas
 

Semelhante a agentesquimicosparte1-130409033612-phpapp02.pptx (20)

Patologia basica
Patologia basicaPatologia basica
Patologia basica
 
Cipa apresentacao
Cipa apresentacaoCipa apresentacao
Cipa apresentacao
 
Domissanitarios toxicologia
Domissanitarios toxicologiaDomissanitarios toxicologia
Domissanitarios toxicologia
 
Aula 1 reconhecimento de risco
Aula 1 reconhecimento de riscoAula 1 reconhecimento de risco
Aula 1 reconhecimento de risco
 
Toxicologia dos metais
Toxicologia dos metaisToxicologia dos metais
Toxicologia dos metais
 
Controle de risco
Controle de riscoControle de risco
Controle de risco
 
aula1a.pdf
aula1a.pdfaula1a.pdf
aula1a.pdf
 
AULA 02 - SISTEMA RESPIRATORIO PARTE 01 - Enfermagem médica.pptx
AULA 02 - SISTEMA RESPIRATORIO PARTE 01 - Enfermagem médica.pptxAULA 02 - SISTEMA RESPIRATORIO PARTE 01 - Enfermagem médica.pptx
AULA 02 - SISTEMA RESPIRATORIO PARTE 01 - Enfermagem médica.pptx
 
AULA 5 - DOENÇAS CAUSADAS POR GASES E VAPORES, PNEUMOCONIOSES.pptx
AULA 5 - DOENÇAS CAUSADAS POR GASES E VAPORES, PNEUMOCONIOSES.pptxAULA 5 - DOENÇAS CAUSADAS POR GASES E VAPORES, PNEUMOCONIOSES.pptx
AULA 5 - DOENÇAS CAUSADAS POR GASES E VAPORES, PNEUMOCONIOSES.pptx
 
aines20-200622001256.pdf
aines20-200622001256.pdfaines20-200622001256.pdf
aines20-200622001256.pdf
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAISANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
ANTI-INFLAMATÓRIOS NÃO ESTEROIDAIS
 
Antiinflamatórios não hormonais.pdf
Antiinflamatórios não hormonais.pdfAntiinflamatórios não hormonais.pdf
Antiinflamatórios não hormonais.pdf
 
AINES.pdf
AINES.pdfAINES.pdf
AINES.pdf
 
Aula 2 - Dispersao dos poluentes na atmosfera.pdf
Aula 2 - Dispersao dos poluentes na atmosfera.pdfAula 2 - Dispersao dos poluentes na atmosfera.pdf
Aula 2 - Dispersao dos poluentes na atmosfera.pdf
 
Curso de cipa apresentação power point 15 11 05
Curso de cipa   apresentação power point 15 11 05Curso de cipa   apresentação power point 15 11 05
Curso de cipa apresentação power point 15 11 05
 
Aspectos toxicologicos solventes
Aspectos toxicologicos solventesAspectos toxicologicos solventes
Aspectos toxicologicos solventes
 
Metais pesados[1]
Metais pesados[1]Metais pesados[1]
Metais pesados[1]
 
Os perigos do consumo do tabaco
Os perigos do consumo do tabacoOs perigos do consumo do tabaco
Os perigos do consumo do tabaco
 
intoxicação metais pesados CORRIGIDO.pptx
intoxicação metais pesados CORRIGIDO.pptxintoxicação metais pesados CORRIGIDO.pptx
intoxicação metais pesados CORRIGIDO.pptx
 
Fispq acetileno
Fispq acetilenoFispq acetileno
Fispq acetileno
 

Mais de sintiasousa3

Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptxAulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
sintiasousa3
 
experimentaçao
experimentaçao experimentaçao
experimentaçao
sintiasousa3
 
Geometria Molecular [Salvo automaticamente].pptx
Geometria Molecular  [Salvo automaticamente].pptxGeometria Molecular  [Salvo automaticamente].pptx
Geometria Molecular [Salvo automaticamente].pptx
sintiasousa3
 
aula teorica_20_5 (1).pptx
aula teorica_20_5 (1).pptxaula teorica_20_5 (1).pptx
aula teorica_20_5 (1).pptx
sintiasousa3
 
aula1-131127065920-phpapp01.pptx
aula1-131127065920-phpapp01.pptxaula1-131127065920-phpapp01.pptx
aula1-131127065920-phpapp01.pptx
sintiasousa3
 
agentes quimicosparte1-.pptx
agentes quimicosparte1-.pptxagentes quimicosparte1-.pptx
agentes quimicosparte1-.pptx
sintiasousa3
 
funcoesorganicas.pptx
funcoesorganicas.pptxfuncoesorganicas.pptx
funcoesorganicas.pptx
sintiasousa3
 
Aspectos quantitativos das soluções (concentração comum e concentração em mol...
Aspectos quantitativos das soluções (concentração comum e concentração em mol...Aspectos quantitativos das soluções (concentração comum e concentração em mol...
Aspectos quantitativos das soluções (concentração comum e concentração em mol...
sintiasousa3
 
AGENTES DE RISCO FÍSICO- AULA 2.pptx
AGENTES DE RISCO FÍSICO- AULA 2.pptxAGENTES DE RISCO FÍSICO- AULA 2.pptx
AGENTES DE RISCO FÍSICO- AULA 2.pptx
sintiasousa3
 
Propriedades gerais e específicas da matéria, partindo do conceito de matéria...
Propriedades gerais e específicas da matéria, partindo do conceito de matéria...Propriedades gerais e específicas da matéria, partindo do conceito de matéria...
Propriedades gerais e específicas da matéria, partindo do conceito de matéria...
sintiasousa3
 
Aula 3- TABELA PERIODICA.pdf
Aula 3- TABELA PERIODICA.pdfAula 3- TABELA PERIODICA.pdf
Aula 3- TABELA PERIODICA.pdf
sintiasousa3
 

Mais de sintiasousa3 (11)

Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptxAulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
Aulão-Primandade-Química-Mychel-Eletroquimica-AULAO-02-06.pptx
 
experimentaçao
experimentaçao experimentaçao
experimentaçao
 
Geometria Molecular [Salvo automaticamente].pptx
Geometria Molecular  [Salvo automaticamente].pptxGeometria Molecular  [Salvo automaticamente].pptx
Geometria Molecular [Salvo automaticamente].pptx
 
aula teorica_20_5 (1).pptx
aula teorica_20_5 (1).pptxaula teorica_20_5 (1).pptx
aula teorica_20_5 (1).pptx
 
aula1-131127065920-phpapp01.pptx
aula1-131127065920-phpapp01.pptxaula1-131127065920-phpapp01.pptx
aula1-131127065920-phpapp01.pptx
 
agentes quimicosparte1-.pptx
agentes quimicosparte1-.pptxagentes quimicosparte1-.pptx
agentes quimicosparte1-.pptx
 
funcoesorganicas.pptx
funcoesorganicas.pptxfuncoesorganicas.pptx
funcoesorganicas.pptx
 
Aspectos quantitativos das soluções (concentração comum e concentração em mol...
Aspectos quantitativos das soluções (concentração comum e concentração em mol...Aspectos quantitativos das soluções (concentração comum e concentração em mol...
Aspectos quantitativos das soluções (concentração comum e concentração em mol...
 
AGENTES DE RISCO FÍSICO- AULA 2.pptx
AGENTES DE RISCO FÍSICO- AULA 2.pptxAGENTES DE RISCO FÍSICO- AULA 2.pptx
AGENTES DE RISCO FÍSICO- AULA 2.pptx
 
Propriedades gerais e específicas da matéria, partindo do conceito de matéria...
Propriedades gerais e específicas da matéria, partindo do conceito de matéria...Propriedades gerais e específicas da matéria, partindo do conceito de matéria...
Propriedades gerais e específicas da matéria, partindo do conceito de matéria...
 
Aula 3- TABELA PERIODICA.pdf
Aula 3- TABELA PERIODICA.pdfAula 3- TABELA PERIODICA.pdf
Aula 3- TABELA PERIODICA.pdf
 

Último

Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 

agentesquimicosparte1-130409033612-phpapp02.pptx

  • 2. AGENTES QUÍMICOS • É o perigo a que determinado indivíduo está exposto ao manipular produtos químicos que podem causar-lhe danos físicos ou prejudicar - lhe a saúde. • Os riscos químicos presentes nos locais de trabalho são encontrados na forma sólida, líquida e gasosa.
  • 3. HISTÓRICO Hipócrates (370 a.C) • Descreve as primeiras doenças ocupacionais (intoxicações por chumbo), escreve o livro Ares, Água e Lugares, relacionado o meio ambiente e a saúde.
  • 4. HISTÓRICO • Galeno 129 – 199 d.C • - doenças presentes em trabalhadores das minas. • Plinius Secundus 23 – 79 a.C (Plínio, o Velho) • - os fundidores envolviam as faces com bexigas de animais, para não inalar as poeiras fatais.
  • 5. CLASSIFICAÇÃO dos AGENTES QUÍMICOS • Agentes químicos podem ser classificados de acordo com: • 1. Forma física : • Poeiras • Fumos • Gases e vapores • Neblinas/ névoas
  • 6. AGENTES QUÍMICOS • Poeiras, fumos, névoas, gases e vapores estão dispersos no ar e são chamados AERODISPERSÓIDES. Aerodispersóides diferem quanto: - tamanho das partículas e do seu - estado e forma de origem. • Se dividem em: a) Gases/Vapores b) Líquidos: nevoas e neblina c) Sólidos: poeiras e fumos
  • 7. AERODISPERSÓIDES • São divididos • Em: Gases e Vapores Líquidos Sólidos • Irritantes •Asfixiantes • Anestésicos • Nevoas • Neblina • Poeiras •Minerais •Vegetais •Alcalinas • Fumos
  • 8. GASES e VAPORES • VAPORES  fase gasosa de uma substância que nas Condições Normais de Temperatura e Pressão é sólida ou líquida  vapor de gasolina, de álcool, benzeno, etc. • GASES substâncias que nas CNTP (Condições Normais de Temperatura e Pressão) estão no estado gasoso como: metano, monóxido de carbono.
  • 9. GASES E VAPORES: classificação a) Irritantes: irritação das vias aéreas superiores. • Ex: ácido clorídrico, ácido sulfúrico, soda caústica, cloro, etc. • b) Asfixiantes: dor de cabeça , náuseas, sonolência, convulsões, coma e morte. Ex: hidrogênio, nitrogênio, hélio, metano, acetileno, dióxido de carbono, monóxido de carbono, etc • c) Anestésicos:  ação depressiva sobre o sistema nervoso, danos aos diversos órgãos, ao sistema formador de sangue (benzeno), etc.  maioria solventes orgânicos. • Ex: butano, propano, aldeídos, cetonas, cloreto de carbono, tricloroetileno, benzeno, tolueno, álcoois, percloroetileno.
  • 10. IRRITANTES Segundo a solubilidade em água se classificam em: 1.Gases altamente solúveis:  amônia e cloro, que são bem adsorvidos pelo trato respiratório superior e rapidamente produzem efeitos nas membranas mucosas dos olhos, nariz e garganta. 2.Gases menos solúveis  fosgênio e dióxido de nitrogênio, são lentamente adsorvidos pelo trato respiratório superior e podem atingir o trato respiratório inferior, onde sua toxicidade será exercida. Efeitos tóxicos POR INALAÇÃO ( maior exposição): • cefaléia, conjuntivite, rinite, faringite, laringite, secura e insensibilidade nasal, hemorragia, edema de glote, edema laríngeo, pneumonite, bronquite, taquipnéia, sibilos, tosse, infiltrado pulmonar e síndrome disfuncional reativa das vias aéreas. Efeitos tóxicos por exposição CUTÂNEA  eritema e queimadura
  • 11. IRRITANTES • Segundo sua ação irritante: • 1.1.IRRITANTES PRIMÁRIOS = substâncias que concentram sua ação irritante ao organismo e que têm ação: • sobre as vias respiratórias superiores  substâncias de alta solubilidade em água, (ex. ácido sulfúrico ,amônia e soda cáustica); • - sobre os brônquios  substâncias com moderada solubilidade em água que, quando inaladas, penetram mais profundamente no sistema respiratório (ex.: anidrido sulfuroso e cloro); • - ação sobre os pulmões  substâncias que apresentam baixa solubilidade em água, alcançando os alvéolos pulmonares (ex.: ozônio, óxidos nitrosos e fosgênio).
  • 12. IRRITANTES • 1.2.IRRITANTES SECUNDÁRIOS= substâncias que, apesar de possuírem efeito irritante, têm uma ação tóxica generalizada sobre o organismo (ex.: gás sulfídrico).
  • 13. ASFIXIANTES MONÓXIDO DE CARBONO • gás combustível, derivado do petróleo, incolor, inodoro e altamente inflamável USOS • motores a explosão e da indústria siderúrgica. • queimadores de gás sujos ou defeituosos. • motores de carros ( principais poluentes do ar atmosférico ).
  • 14. ASFIXIANTES QUÍMICOS Intoxicações agudas leves e moderadas: mal-estar, cefaléia, fadiga, dispnéia leve, náusea, vômitos, fraqueza, distúrbios visuais e irritabilidade. Sinais agudos que podem ser encontrados: taquipnéia, taquicardia, hipotensão. vertigens, astenia, dificuldade de concentração, diminuição da tolerância ao exercício físico, febre baixa e hipotensão sistólica. Raramente podem ocorrer convulsões ou perdas de consciência, geralmente de curta duração Intoxicações leves e moderadas crônicas podem ocorrer distúrbios psiquiátricos, mudanças de personalidade, apatia, apraxia, desorientação, rigidez muscular, incontinências urinária e fecal, e coma. 10% dos pacientes recuperados de intoxicações moderadas e graves apresentam alguma sequela neurológica, entre as quais já foram relatados parkinsonismo, estado vegetativo persistente,, apraxia, alterações visuais, estados confabulatórios, amnésia e psicose. Intoxicações graves :síncope, convulsões, rigidez muscular generalizada, coma e morte por choque e insuficiência respiratória. Podem também ocasionar hemorragias na retina e edema pulmonar.. Os níveis ambientais de monóxido de carbono estão diretamente relacionados à concentração de carboxihemoglobina (COHb) e aos efeitos clínicos.
  • 15. ASFIXIANTES QUÍMICOS MONÓXIDO de CARBONO Duas síndromes tardias são descritas após a exposição aguda ao monóxido de carbono. • “REBOTE”, ocorre uma a duas semanas após o evento agudo, com aparecimento de sintomas parecidos com os da fase aguda, sem que haja nova exposição ao gás. • Podem aparecer cefaléia, náuseas, vômitos, confusão mental e amnésia. • SINDROMES NEUROLÓGICAS ou PSIQUIÁTRICAS: aparecimento tardio , como demência, parkinsonismo, movimentos coreiformes, zumbido, incontinência urinária e fecal, alucinações, labilidade emocional, etc.
  • 16. ASFIXIANTES QUÍMICOS • 2.Cianeto de hidrogênio ou gás cianídrico  muito volátil, chegando a concentrações potencialmente letais, à temperatura ambiente. O vapor é inflamável e potencialmente explosivo. • • Tem um tênue odor de amêndoas amargas. • Limite de exposição máximo permissível (média para 8h de trabalho) da é de 10 ppm.
  • 17. ASFIXIANTES QUÍMICOS USOS do CIANETO • - fontes industriais de cianeto • - atividades de galvanoplastia, • - extração de ouro e prata, • - têmpera de metais, • - processos fotográficos, • - produção de acrilonitrila, acetonitrila e gliconitrila, • - fabricação de pesticidas e fumigantes
  • 18. ASFIXIANTES QUÍMICOS EFEITOS CLÍNICOS hipóxia celular por inibição da atividade da citocromo oxidase mitocondrial; impede a extração e uso do oxigênio do sangue arterial. inibição do metabolismo oxidativo A citocromo oxidase é uma metaloenzima contendo ferro, que constitui um elemento importante da fosforilação oxidativa e, conseqüentemente, da produção de energia aeróbica celular. Sua função na cadeia transportadora de elétrons na mitocôndria leva à produção de uma molécula altamente energética, o trifosfato de adenosina ou ATP  cianeto se combina com o íon férrico da citocromo oxidase mitocondrial, prevenindo o transporte de elétron no sistema citocromo e causando uma interrupção da fosforilação oxidativa e da produção de ATP. Esta inibição do metabolismo oxidativo provoca um aumento da glicólise anaeróbica que produz ácido lático e leva a distúrbios ácido-base severos. O sistema nervoso central é particularmente sensível aos efeitos tóxicos do cianeto cujos sintomas se manifestam, em geral, em um curto período de tempo.
  • 19. ASFIXIANTES QUÍMICOS INTOXICAÇÃO AGUDA : cianeto Ocular: midríase, edema de córnea, conjuntivite e ceratite. - Nasal: irritação, rinorréia, sangramento. - Cardiovascular: hipertensão e taquicardia, seguidos de hipotensão e bradicardia, cianose e arritmias. - Respiratório: irritação das vias aéreas, desconforto, dispnéia, depressão respiratória e edema pulmonar não cardiogênico, - Neurológico: cefaléia, fraqueza, síncope, estimulação do sistema nervoso central, tonteira, alucinação, convulsão e coma. Síndrome extrapiramidal, alterações de personalidade, déficit de memória têm sido reportados como sequelas. - Gastrintestinal: náuseas, vômitos e dor abdominal. Pode ocorrer o aparecimento de uma úlcera gástrica. - Acidose metabólica severa. - Dermatológico: pápulas, eritema extenso, prurido, irritação e ulcera.
  • 20. ASFIXIANTES QUÍMICOS • ESPOSIÇÃO CRÔNICA DO CIANETO • - perda auditiva, • - irritação de pele e mucosas, • - náuseas, vômito, • - cefaléia, vertigem • - desconforto torácico, • - palpitação, • - irritação ocular e respiratória, • - diminuição do apetite, • - perda de peso, • - sonolência e efeitos neurotóxicos. • Não há evidências de carcinogenicidade
  • 21. ANESTÉSICOS – 1.Anestésico primário: são aquelas substâncias que não produzem outro efeito além da anestesia, mesmo que o trabalhador seja submetido a exposições repetidas, em baixas concentrações (ex.: aldeídos, cetonas, ésteres e os hidrocarbonetos alifáticos – butano, propano, eteno e outros). – 2.Anestésico de efeitos sobre as vísceras: são aquelas substâncias que podem acarretar danos ao fígado e aos rins dos trabalhadores expostos (hidrocarbonetos clorados – tricloroetileno, tetracloreto de carbono e percloroetileno).
  • 22. ANESTÉSICOS – 3.Anestésico de ação sobre o sistema formador do sangue: são substâncias que se acumulam, preferencialmente, nos tecidos graxos, medula óssea e sistema nervoso (ex.: benzeno, tolueno e xileno). – 4.Anestésico de ação sobre o sistema nervoso: são substâncias que, devido à sua alta solubilidade em água, apresentam eliminação lenta pelo organismo; daí, a sua manifestação mais acentuada no sistema nervoso (ex.: álcool etílico e metílico). – 5.Anestésico de ação sobre o sangue e o sistema circulatório: são substâncias, em especial aquelas pertencentes ao grupo dos nitrocompostos de carbono, que, em decorrência de sua utilização industrial, podem ocasionar alteração na hemoglobina do sangue (ex.: nitrotolueno, nitrito de etila, nitrobenzeno e anilina).
  • 23. LÍQUIDOS • Neblinas /Névoas Partículas líquidas produzidas por condensação de vapores de substâncias em condições normais ou da dispersão mecânica de líquidos. NEBLINAS (MIST) ou NÉVOAS = Suspensão gasosa de pequenas gotas de líquido geradas por condensação de um estado gasoso ou pela desintegração de um estado líquido por atomização, ebulição, etc. o seu tamanho varia entre o 0,001 µm e 10 µm • Partículas em suspensão derivadas de : pintura • por pistola, spray, processo de lubrificação, • monóxido de carbono liberado pelos escapamentos dos carros.
  • 24. SÓLIDOS • POEIRAS • • POEIRAS (DUST) = Suspensão no ar de partículas sólidas de pequeno tamanho provenientes de processos mecânicos de desagregação ou ruptura: tamanho varia entre 0,1 µm a 25 µm. esmerilhamento, trituração. • São classificadas em: a) Poeiras minerais Ex: sílica, asbesto, carvão mineral.  Consequências: silicose (quartzo ou silica), asbestose (amianto), pneumoconiose dos mineiros ( carvão mineral)
  • 25. SÓLIDOS • b) Poeiras vegetais: Ex: algodão, bagaço de cana-de-açúcar.  Consequências: • bissinose (algodão), bagaçose (cana-de-açúcar) etc. • • c) Poeiras alcalinas: Ex: calcário  Consequências: doenças pulmonares obstrutivas crônicas, enfisema pulmonar.
  • 26. SÓLIDOS FUMOS • FUMOS (SMOKE) = partículas sólidas suspensas no ar geradas pelo processo de condensação de vapores metálicos • como: chumbo, antimônio, manganês, ferro, etc tamanho é inferior a 0,1 µm • Ex: fumos de óxido de zinco nas operações • de soldagem com ferro.  Consequências: doença pulmonar obstrutiva,  febre de fumos metálicos, intoxicação  específica de acordo com o metal.
  • 27. AGENTES QUÍMICOS • 2. NATUREZA QUÍMICA 1.METAIS e METALÓIDES chumbo, mercúrio, manganês, cádmio e os metaloides, como o arsênico e o fósforo. 2.2.Solventes AROMÁTICOS amplamente utilizados nas industrias plásticas de borracha, química e petroquímica benzeno, o tolueno e o xileno. • Todos causam, mediante exposição maciça ( grandes quantidades), sonolência, torpor, coma, podendo causar a morte por parada respiratória, pois são narcóticos.
  • 28. Metais De onde vem Efeitos Alumínio Produção de artefatos de alumínio; serralheria; soldagem de medicamentos (antiácidos) e tratamento convencional de água. Anemia por deficiência de ferro; intoxicação crônica Arsênio Metalurgia; manufatura de vidros e fundição. Câncer (seios paranasais) Cádmio Soldas; tabaco; baterias e pilhas. Câncer de pulmões e próstata; lesão nos rins Chumbo Fabricação e reciclagem de baterias de autos; indústria de tintas; pintura em cerâmica; soldagem. Saturnismo (cólicas abdominais, tremores, fraqueza muscular, lesão renal e cerebral) Cobalto Preparo de ferramentas de corte e furadoras. Fibrose pulmonar (endurecimento do pulmão) que pode levar à morte
  • 29. AGENTES QUÍMICOS • 2.3. Solventes HALOGENADOS  • Uso industrial • - principalmente no desengraxamento de peças em metalúrgicas; • - solventes de tintas e vernizes, • - em pesticidas, • - nas lavagens a seco em tinturarias, etc. Exemplos : tetracloreto de carbono, o tricloroetileno, o tetracloroetileno, o tricloroetano, etc. Exposição maior, também podem causar sonolência, torpor e até a morte, se a dose absorvida for muito alta ( efeito anestésico geral ). 2.4. POEIRAS MINERAIS de graves doenças pulmonares crônicas, denominadas pneumoconioses silicose e a asbestose e antracose.
  • 30. AGENTES QUÍMICOS • 2.5.ÓLEOS GRAXOS contato prolongado com óleos e graxas causa uma lesão de pele ELAICONIOSE = a pele apresenta vários pequenos pontos com pus e perda de pêlos nas regiões afetadas, em geral coxas e os antebraços. • Acomete frequentemente os trabalhadores mecânicos e metalúrgicos • Tratamento prolongado, exigindo longos afastamentos do trabalho para a cura completa. • Medidas preventivas : • higiene corporal após o trabalho • uso de avental de plástico que impeça o borrifo de óleo nas roupas do trabalhador.
  • 31. AGENTES QUÍMICOS • 3. Tipo de ação tóxica ( FUNDACENTRO) • Grupo I - Substâncias de ação generalizada sobre o organismo cujos efeitos, no organismo dos trabalhadores, dependem da quantidade de substâncias absorvidas (ex.: cloro, chumbo, dióxido de carbono, monóxido de carbono e nitroetano). • Grupo II - Substância de ação generalizada sobre o organismo, podendo ser absorvida, também por via cutânea e inaladas por via respiratória.ex.: anilina, benzeno, bromofórmio, fenol, percloretileno, tetracloreto de carbono e tolueno.
  • 32. AGENTES QUÍMICOS • Grupo III - Substâncias de efeito extremamente rápido e os limites máximos de tolerância não podem ser ultrapassados, em momento algum durante a jornada de trabalho (ex.: ácido clorídrico, dióxido de enxofre e formaldeído). • Grupo IV - Substâncias de efeitos extremamente rápidos, podendo ser absorvidas, também por via cutânea: álcool n- butílico, m-butilamonia, mono- etil - hidrazina e sulfato de dimetila, cujos limites de tolerância não podem ser ultrapassados em nenhum momento da jornada de trabalho e exige equipamento de proteção individual
  • 33. AGENTES QUÍMICOS • Grupo V - Asfixiantes simples: são representados por alguns gases em altas concentrações no ar, atuam no sentido de deslocar o oxigênio do ar, sem provocar efeitos fisiológicos importantes. Ex.: acetileno, argônio, hélio, hidrogênio, metano). • Grupo VI - Poeiras: são substâncias químicas sólidas provenientes da segregação mecânica das substâncias no estado sólido; podem ser altamente nocivas, dependendo da sua dimensão, podendo causar pneumoconioses . • Grupo VII - Substâncias cancerígenas: ex.: cloreto de vinila, asbestos, benzidina, beta-naftalina, 4 nitrodifenil, 4-aminodifenil e, benzeno
  • 34. RISCOS QUÍMICOS EM CASA As principais vítimas costumam ser as crianças, pessoas com problemas visuais, mentais, senilidade ou analfabetas, por isso tenha os maiores cuidados! - várias espécies de plantas, muitas delas ornamentais
  • 35. RISCOS QUÍMICOS EM CASA - produtos de limpeza para a casa e/ou carro e/ou moto (detergentes, sabão em pó, lustra-móveis, desinfetantes, alvejante, solventes, aromatizantes, etc.) - inseticidas (em aerossol, concentrado, em pó, iscas para formigas ou baratas, etc.) - raticidas, colas, produtos para desentupir pias, vasos sanitários
  • 36. PANORAMA ATUAL 33 998 351 Substâncias orgânicas e inorgânicas (CAS*:5/2008) 100000 Substâncias primarias • 4000 Conhecidas toxicologicamente • 2000 Suspeitas de carcinogenicidade 70 Carcinogênicas para humanos • 1600 Ensaios de efeitos teratogênico e fetotóxico • 800 Teratogênicas para animais • 50 Teratogênicas para humanos • 1300 Frequentemente associadas com acidentes • 260 mil uso industrial regulado • *Chemical Abstract System – American Chemical Society