SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
Acidentes Previsíveis



Engº Antonio Fernando Navarro
Muitos acidentes ocorrem e depois de
apuradas as causas e danos percebe-se
que poderiam ter sido evitados.
Talvez seja fácil identificar-se os problemas
depois que esses ocorrem, mas a questão
não é essa.
Todas as vezes que um trabalho não é
planejado, que se empregam ferramentas
adaptadas e em condições inapropriadas
tem-se uma enorme chance de ocorrência
de acidentes, ou melhor, está se dando uma
oportunidade ao azar.
Um dos acidentes mais comuns ocorre em
serralherias, caldeirarias ou outras, quando se
tem que utilizar marretas.
Para se pregar um prego basta apenas algo
duro, não é? A lateral de um alicate, um
pedaço duro de pedra, uma talhadeira, até
mesmo um martelo.
As marretas desenvolvem função similar à do
martelo, mas são utilizadas quando se
necessita de maior impacto sobre as peças,
seja para quebrar, provocar a penetração
(suportes ou apoios), enfim, utiliza-se muito
mais energia do que com um martelo.
Existem relatos de inúmeros acidentes
envolvendo marretas.
Há acidentes fatais e outros com lesões de
leves a graves.
Se gruparmos os acidentes poderemos
enquadrá-los em duas categorias:
1. Acidentes provocados pelo cabo da
   ferramenta
Nesses casos a ferramenta pode soltar-se do
cabo ou o cabo partir-se com o impacto.
No segundo grupo podemos citar a projeção de
partes da marreta ou do material que está
sendo “marretado”, seja pela fragilidade dos
materiais, ou porque estão sendo impactados
metais de dureza diferentes.
O exemplo a seguir é o de um acidente onde
um pedaço da marreta soltou-se com o
impacto e atingiu o braço do assistente. Por
sorte não atingiu uma artéria calibrosa ou não
perfurou o tronco do mesmo.
Outubro de 2001, caldeiraria de uma grande indústria
dois funcionários trabalhavam na tentativa de sacar um
rolamento a golpes de marreta.

     O que batia pertencia ao quadro da fábrica, o que
segurava o punção, era funcionário de uma empreiteira.

      A marreta era insegura (havia formação de rebarbas –
formato cogumelo - em sua estrutura, além de ter um cabo
inadequado soldado diretamente à marreta).

      Um estilhaço desprendeu-se da marreta e entrou no
braço do empreiteiro.

      Vejam as cenas !!!
            Para quem não acredita!!!
Marreta utilizada




    Parte que
    desprendeu
Já imaginou agora?

1- Se fosse no olho?

2- Se fosse no centro do tórax ?

3- Se fosse sobre a carótida?

Haveria chance de escapar com vida?
Olha o tamanho da peça...




       1,5
       Cm




             1,2 Cm
Conseqüência do acidente




            APROX. 10 Cm
  ENTRADA                  SAÍDA
Será que pelas características da marreta e do
trabalho já não se podia prever a ocorrência do
acidente> Certamente que sim. Somente não
se poderia prever o traçado da parte que se
soltou da marreta, que poderia ter atingido o
tronco ou a cabeça do assistente.
Como dissemos, foi dada chance ao azar.
Para quebrarmos esse paradigma temos que
inspecionar cuidadosamente as ferramentas e
planejar as atividades, buscando a prevenção
dos riscos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

8 apresentação - acidentes de trabalho
8   apresentação - acidentes de trabalho8   apresentação - acidentes de trabalho
8 apresentação - acidentes de trabalho
Nilton Goulart
 
Politica de saúde e segurança do trabalho
Politica de saúde e segurança do trabalhoPolitica de saúde e segurança do trabalho
Politica de saúde e segurança do trabalho
EvandroPFonseca
 
1 - NR 6 – EPI - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - R5 (1).pdf
1 - NR 6 – EPI - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - R5 (1).pdf1 - NR 6 – EPI - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - R5 (1).pdf
1 - NR 6 – EPI - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - R5 (1).pdf
AntonioSouzs
 
Treinamento NR 12.pptx
Treinamento NR 12.pptxTreinamento NR 12.pptx
Treinamento NR 12.pptx
breno90
 
Treinamento Esmerilhadeira
Treinamento EsmerilhadeiraTreinamento Esmerilhadeira
Treinamento Esmerilhadeira
Ane Costa
 
DDS - Dialogo Diario de Segurança
DDS - Dialogo Diario de SegurançaDDS - Dialogo Diario de Segurança
DDS - Dialogo Diario de Segurança
Tuany Caldas
 

Mais procurados (20)

8 apresentação - acidentes de trabalho
8   apresentação - acidentes de trabalho8   apresentação - acidentes de trabalho
8 apresentação - acidentes de trabalho
 
Dds 60 temas
Dds 60 temasDds 60 temas
Dds 60 temas
 
Trabalho a Quente Modulo I
Trabalho a Quente   Modulo ITrabalho a Quente   Modulo I
Trabalho a Quente Modulo I
 
NR10 - TREINAMENTO NR 10 ATUALIZADO.ppt
NR10 - TREINAMENTO NR 10 ATUALIZADO.pptNR10 - TREINAMENTO NR 10 ATUALIZADO.ppt
NR10 - TREINAMENTO NR 10 ATUALIZADO.ppt
 
Palestra comportamento seguro 2015
Palestra comportamento seguro   2015Palestra comportamento seguro   2015
Palestra comportamento seguro 2015
 
Ordem de-servico
Ordem de-servicoOrdem de-servico
Ordem de-servico
 
Treinamento nr 12
Treinamento nr 12Treinamento nr 12
Treinamento nr 12
 
Politica de saúde e segurança do trabalho
Politica de saúde e segurança do trabalhoPolitica de saúde e segurança do trabalho
Politica de saúde e segurança do trabalho
 
1 - NR 6 – EPI - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - R5 (1).pdf
1 - NR 6 – EPI - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - R5 (1).pdf1 - NR 6 – EPI - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - R5 (1).pdf
1 - NR 6 – EPI - EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - R5 (1).pdf
 
Campanha adornos
Campanha adornosCampanha adornos
Campanha adornos
 
Apresentação0 ferramentas manuais
Apresentação0 ferramentas manuaisApresentação0 ferramentas manuais
Apresentação0 ferramentas manuais
 
Capacitação nr 12
Capacitação nr 12Capacitação nr 12
Capacitação nr 12
 
Treinamento NR 12.pptx
Treinamento NR 12.pptxTreinamento NR 12.pptx
Treinamento NR 12.pptx
 
Cardeno de dds julho
Cardeno de dds   julhoCardeno de dds   julho
Cardeno de dds julho
 
Treinamento Esmerilhadeira
Treinamento EsmerilhadeiraTreinamento Esmerilhadeira
Treinamento Esmerilhadeira
 
NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
NR 6 - Equipamento de Proteção IndividualNR 6 - Equipamento de Proteção Individual
NR 6 - Equipamento de Proteção Individual
 
Protecao para as maos
Protecao para as maosProtecao para as maos
Protecao para as maos
 
Ato inseguro acidentes trabalho
Ato inseguro acidentes trabalhoAto inseguro acidentes trabalho
Ato inseguro acidentes trabalho
 
Treinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratóriaTreinamento PPR - Proteção respiratória
Treinamento PPR - Proteção respiratória
 
DDS - Dialogo Diario de Segurança
DDS - Dialogo Diario de SegurançaDDS - Dialogo Diario de Segurança
DDS - Dialogo Diario de Segurança
 

Destaque (17)

Dds martelos e marretas
Dds   martelos e marretasDds   martelos e marretas
Dds martelos e marretas
 
Acidente com marreta
Acidente com marretaAcidente com marreta
Acidente com marreta
 
Acidentedotrabalhocommarreta 120911220438-phpapp01
Acidentedotrabalhocommarreta 120911220438-phpapp01Acidentedotrabalhocommarreta 120911220438-phpapp01
Acidentedotrabalhocommarreta 120911220438-phpapp01
 
Petróleo e gasolina
Petróleo e gasolinaPetróleo e gasolina
Petróleo e gasolina
 
Benzeno cardoso
Benzeno cardosoBenzeno cardoso
Benzeno cardoso
 
5 benzeno
5 benzeno5 benzeno
5 benzeno
 
Higiene Ocupacional
Higiene OcupacionalHigiene Ocupacional
Higiene Ocupacional
 
Petróleo
PetróleoPetróleo
Petróleo
 
Efeitos do benzeno
Efeitos do benzenoEfeitos do benzeno
Efeitos do benzeno
 
DDS a lei de Murphy
DDS a lei de MurphyDDS a lei de Murphy
DDS a lei de Murphy
 
Benzeno
BenzenoBenzeno
Benzeno
 
Funções Orgânicas - Hidrocarbonetos
Funções Orgânicas - HidrocarbonetosFunções Orgânicas - Hidrocarbonetos
Funções Orgânicas - Hidrocarbonetos
 
Programa de prevenção à exposição ocupacional ao benzeno
Programa de prevenção à exposição ocupacional ao benzenoPrograma de prevenção à exposição ocupacional ao benzeno
Programa de prevenção à exposição ocupacional ao benzeno
 
dds solda
dds soldadds solda
dds solda
 
Petroleo hidrocarbonetos
Petroleo hidrocarbonetosPetroleo hidrocarbonetos
Petroleo hidrocarbonetos
 
Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)
Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)
Quimica inorgânica ácidosbases (9o ano)
 
Agentes quimicos parte_1
Agentes quimicos parte_1Agentes quimicos parte_1
Agentes quimicos parte_1
 

Mais de Universidade Federal Fluminense

Mais de Universidade Federal Fluminense (20)

Punto de inflexión, accidentes frente a equipos de protección personal
Punto de inflexión, accidentes frente a equipos de protección personalPunto de inflexión, accidentes frente a equipos de protección personal
Punto de inflexión, accidentes frente a equipos de protección personal
 
Tipping point, accidents versus personal protective equipment
Tipping point, accidents versus personal protective equipmentTipping point, accidents versus personal protective equipment
Tipping point, accidents versus personal protective equipment
 
Pegadas hídricas água, o precioso líquido do presente e do futuro
Pegadas hídricas   água, o precioso líquido do presente e do futuroPegadas hídricas   água, o precioso líquido do presente e do futuro
Pegadas hídricas água, o precioso líquido do presente e do futuro
 
Rc para executivos ganha destaque no mercado segurador ad corretora de seguros
Rc para executivos ganha destaque no mercado segurador   ad corretora de segurosRc para executivos ganha destaque no mercado segurador   ad corretora de seguros
Rc para executivos ganha destaque no mercado segurador ad corretora de seguros
 
Liderança da gestão
Liderança da gestãoLiderança da gestão
Liderança da gestão
 
Percepção, compreensão e avaliação de riscos análise de resultados de pesqu...
Percepção, compreensão e avaliação de riscos   análise de resultados de pesqu...Percepção, compreensão e avaliação de riscos   análise de resultados de pesqu...
Percepção, compreensão e avaliação de riscos análise de resultados de pesqu...
 
Editora roncarati incêndio em áreas de tancagem de produtos diversos arti...
Editora roncarati   incêndio em áreas de tancagem de produtos diversos   arti...Editora roncarati   incêndio em áreas de tancagem de produtos diversos   arti...
Editora roncarati incêndio em áreas de tancagem de produtos diversos arti...
 
Editora roncarati cenários críticos que ampliam riscos artigos e notícias
Editora roncarati   cenários críticos que ampliam riscos   artigos e notíciasEditora roncarati   cenários críticos que ampliam riscos   artigos e notícias
Editora roncarati cenários críticos que ampliam riscos artigos e notícias
 
Cenários críticos que ampliam riscos
Cenários críticos que ampliam riscosCenários críticos que ampliam riscos
Cenários críticos que ampliam riscos
 
Uma passagem só de ida no voo do dia 24 de março de 2015
Uma passagem só de ida no voo do dia 24 de março de 2015Uma passagem só de ida no voo do dia 24 de março de 2015
Uma passagem só de ida no voo do dia 24 de março de 2015
 
Revista opinião.seg nº 7 maio de 2014
Revista opinião.seg nº 7   maio de 2014Revista opinião.seg nº 7   maio de 2014
Revista opinião.seg nº 7 maio de 2014
 
Editora roncarati autovistoria de edificações - considerações gerais arti...
Editora roncarati   autovistoria de edificações - considerações gerais   arti...Editora roncarati   autovistoria de edificações - considerações gerais   arti...
Editora roncarati autovistoria de edificações - considerações gerais arti...
 
Utilidade social e eficiência do mutualismo
Utilidade social e eficiência do mutualismoUtilidade social e eficiência do mutualismo
Utilidade social e eficiência do mutualismo
 
Uma breve análise da evolução dos programas de gerenciamento de riscos
Uma breve análise da evolução dos programas de gerenciamento de riscosUma breve análise da evolução dos programas de gerenciamento de riscos
Uma breve análise da evolução dos programas de gerenciamento de riscos
 
Teste de adequação de passivos susep
Teste de adequação de passivos   susepTeste de adequação de passivos   susep
Teste de adequação de passivos susep
 
Teoria do risco
Teoria do riscoTeoria do risco
Teoria do risco
 
Teoria do risco tese de doutoramento
Teoria do risco   tese de doutoramentoTeoria do risco   tese de doutoramento
Teoria do risco tese de doutoramento
 
Teoria de utilidade e seguro
Teoria de utilidade e seguroTeoria de utilidade e seguro
Teoria de utilidade e seguro
 
Tecnicas atuariais dos seguros
Tecnicas atuariais dos segurosTecnicas atuariais dos seguros
Tecnicas atuariais dos seguros
 
Tábuas de mortalidade
Tábuas de mortalidadeTábuas de mortalidade
Tábuas de mortalidade
 

Acidente do trabalho com marreta

  • 2. Muitos acidentes ocorrem e depois de apuradas as causas e danos percebe-se que poderiam ter sido evitados. Talvez seja fácil identificar-se os problemas depois que esses ocorrem, mas a questão não é essa. Todas as vezes que um trabalho não é planejado, que se empregam ferramentas adaptadas e em condições inapropriadas tem-se uma enorme chance de ocorrência de acidentes, ou melhor, está se dando uma oportunidade ao azar.
  • 3. Um dos acidentes mais comuns ocorre em serralherias, caldeirarias ou outras, quando se tem que utilizar marretas. Para se pregar um prego basta apenas algo duro, não é? A lateral de um alicate, um pedaço duro de pedra, uma talhadeira, até mesmo um martelo. As marretas desenvolvem função similar à do martelo, mas são utilizadas quando se necessita de maior impacto sobre as peças, seja para quebrar, provocar a penetração (suportes ou apoios), enfim, utiliza-se muito mais energia do que com um martelo.
  • 4. Existem relatos de inúmeros acidentes envolvendo marretas. Há acidentes fatais e outros com lesões de leves a graves. Se gruparmos os acidentes poderemos enquadrá-los em duas categorias: 1. Acidentes provocados pelo cabo da ferramenta Nesses casos a ferramenta pode soltar-se do cabo ou o cabo partir-se com o impacto.
  • 5. No segundo grupo podemos citar a projeção de partes da marreta ou do material que está sendo “marretado”, seja pela fragilidade dos materiais, ou porque estão sendo impactados metais de dureza diferentes. O exemplo a seguir é o de um acidente onde um pedaço da marreta soltou-se com o impacto e atingiu o braço do assistente. Por sorte não atingiu uma artéria calibrosa ou não perfurou o tronco do mesmo.
  • 6. Outubro de 2001, caldeiraria de uma grande indústria dois funcionários trabalhavam na tentativa de sacar um rolamento a golpes de marreta. O que batia pertencia ao quadro da fábrica, o que segurava o punção, era funcionário de uma empreiteira. A marreta era insegura (havia formação de rebarbas – formato cogumelo - em sua estrutura, além de ter um cabo inadequado soldado diretamente à marreta). Um estilhaço desprendeu-se da marreta e entrou no braço do empreiteiro. Vejam as cenas !!! Para quem não acredita!!!
  • 7. Marreta utilizada Parte que desprendeu
  • 8. Já imaginou agora? 1- Se fosse no olho? 2- Se fosse no centro do tórax ? 3- Se fosse sobre a carótida? Haveria chance de escapar com vida?
  • 9. Olha o tamanho da peça... 1,5 Cm 1,2 Cm
  • 10. Conseqüência do acidente APROX. 10 Cm ENTRADA SAÍDA
  • 11. Será que pelas características da marreta e do trabalho já não se podia prever a ocorrência do acidente> Certamente que sim. Somente não se poderia prever o traçado da parte que se soltou da marreta, que poderia ter atingido o tronco ou a cabeça do assistente. Como dissemos, foi dada chance ao azar. Para quebrarmos esse paradigma temos que inspecionar cuidadosamente as ferramentas e planejar as atividades, buscando a prevenção dos riscos.