SlideShare uma empresa Scribd logo
Acidentes Previsíveis
Engº Antonio Fernando Navarro
Muitos acidentes ocorrem e depois de
apuradas as causas e danos percebe-se
que poderiam ter sido evitados.
Talvez seja fácil identificar-se os problemas
depois que esses ocorrem, mas a questão
não é essa.
Todas as vezes que um trabalho não é
planejado, que se empregam ferramentas
adaptadas e em condições inapropriadas
tem-se uma enorme chance de ocorrência
de acidentes, ou melhor, está se dando uma
oportunidade ao azar.
Um dos acidentes mais comuns ocorre em
serralherias, caldeirarias ou outras, quando se
tem que utilizar marretas.
Para se pregar um prego basta apenas algo
duro, não é? A lateral de um alicate, um
pedaço duro de pedra, uma talhadeira, até
mesmo um martelo.
As marretas desenvolvem função similar à do
martelo, mas são utilizadas quando se
necessita de maior impacto sobre as peças,
seja para quebrar, provocar a penetração
(suportes ou apoios), enfim, utiliza-se muito
mais energia do que com um martelo.
Existem relatos de inúmeros acidentes
envolvendo marretas.
Há acidentes fatais e outros com lesões de
leves a graves.
Se gruparmos os acidentes poderemos
enquadrá-los em duas categorias:
1. Acidentes provocados pelo cabo da
ferramenta
Nesses casos a ferramenta pode soltar-se do
cabo ou o cabo partir-se com o impacto.
No segundo grupo podemos citar a projeção de
partes da marreta ou do material que está
sendo “marretado”, seja pela fragilidade dos
materiais, ou porque estão sendo impactados
metais de dureza diferentes.
O exemplo a seguir é o de um acidente onde
um pedaço da marreta soltou-se com o
impacto e atingiu o braço do assistente. Por
sorte não atingiu uma artéria calibrosa ou não
perfurou o tronco do mesmo.
Outubro de 2001, caldeiraria de uma grande indústria
dois funcionários trabalhavam na tentativa de sacar um
rolamento a golpes de marreta.
O que batia pertencia ao quadro da fábrica, o que
segurava o punção, era funcionário de uma empreiteira.
A marreta era insegura (havia formação de rebarbas –
formato cogumelo - em sua estrutura, além de ter um cabo
inadequado soldado diretamente à marreta).
Um estilhaço desprendeu-se da marreta e entrou no
braço do empreiteiro.
Vejam as cenas !!!
Para quem não acredita!!!
Marreta utilizada
Parte que
desprendeu
Já imaginou agora?
1- Se fosse no olho?
2- Se fosse no centro do tórax ?
3- Se fosse sobre a carótida?
Haveria chance de escapar com vida?
Olha o tamanho da peça...
1,5
Cm
1,2 Cm
Conseqüência do acidente
ENTRADA SAÍDA
APROX. 10 Cm
Será que pelas características da marreta e do
trabalho já não se podia prever a ocorrência do
acidente> Certamente que sim. Somente não
se poderia prever o traçado da parte que se
soltou da marreta, que poderia ter atingido o
tronco ou a cabeça do assistente.
Como dissemos, foi dada chance ao azar.
Para quebrarmos esse paradigma temos que
inspecionar cuidadosamente as ferramentas e
planejar as atividades, buscando a prevenção
dos riscos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto de segurança para esmerilhadora de bancada
Projeto de segurança para esmerilhadora de bancadaProjeto de segurança para esmerilhadora de bancada
Projeto de segurança para esmerilhadora de bancada
Franklin Arisson Rodrigues dos Santos
 
ferramentas2
ferramentas2ferramentas2
treienamento de proteção das maos
treienamento de proteção das maostreienamento de proteção das maos
treienamento de proteção das maos
Ane Costa
 
Ferramentas manuais 1
Ferramentas manuais 1Ferramentas manuais 1
Ferramentas manuais 1
Joyce Domingues
 
ferramentas3
ferramentas3ferramentas3
(Ferramentas manuais chaves de fenda)
(Ferramentas manuais   chaves de fenda)(Ferramentas manuais   chaves de fenda)
(Ferramentas manuais chaves de fenda)
Nilton Goulart
 
Acidente do trabalho com disco de corte cenas fortes
Acidente do trabalho com disco de corte   cenas fortesAcidente do trabalho com disco de corte   cenas fortes
Acidente do trabalho com disco de corte cenas fortes
Universidade Federal Fluminense
 
(Ferramentas manuais martelos)
(Ferramentas manuais   martelos)(Ferramentas manuais   martelos)
(Ferramentas manuais martelos)
Nilton Goulart
 
Apresentação do esmeril
Apresentação  do esmerilApresentação  do esmeril
Apresentação do esmeril
Juan Carlos Garcia Urrutia
 
Treinamento Esmerilhadeira
Treinamento EsmerilhadeiraTreinamento Esmerilhadeira
Treinamento Esmerilhadeira
Ane Costa
 
Dss proteção para as mãos
Dss   proteção para as mãosDss   proteção para as mãos
Dss proteção para as mãos
Everton Silva
 
Nr 35 capacete cordas e cadeirinhas
Nr  35 capacete cordas e cadeirinhasNr  35 capacete cordas e cadeirinhas
Nr 35 capacete cordas e cadeirinhas
DiegoAugusto86
 
Maos cuidados
Maos cuidadosMaos cuidados
Maos cuidados
Valerio Felix
 
Ferramentas Manuais
Ferramentas ManuaisFerramentas Manuais
Ferramentas Manuais
Paula Barroca
 
Os trabalho em_altura
Os trabalho em_alturaOs trabalho em_altura
Os trabalho em_altura
givaldonascimento
 
Treinamento betoneira
Treinamento betoneiraTreinamento betoneira
Treinamento betoneira
rafaele123
 
Apresentação0 ferramentas manuais
Apresentação0 ferramentas manuaisApresentação0 ferramentas manuais
Apresentação0 ferramentas manuais
Wellen Bastos
 

Mais procurados (17)

Projeto de segurança para esmerilhadora de bancada
Projeto de segurança para esmerilhadora de bancadaProjeto de segurança para esmerilhadora de bancada
Projeto de segurança para esmerilhadora de bancada
 
ferramentas2
ferramentas2ferramentas2
ferramentas2
 
treienamento de proteção das maos
treienamento de proteção das maostreienamento de proteção das maos
treienamento de proteção das maos
 
Ferramentas manuais 1
Ferramentas manuais 1Ferramentas manuais 1
Ferramentas manuais 1
 
ferramentas3
ferramentas3ferramentas3
ferramentas3
 
(Ferramentas manuais chaves de fenda)
(Ferramentas manuais   chaves de fenda)(Ferramentas manuais   chaves de fenda)
(Ferramentas manuais chaves de fenda)
 
Acidente do trabalho com disco de corte cenas fortes
Acidente do trabalho com disco de corte   cenas fortesAcidente do trabalho com disco de corte   cenas fortes
Acidente do trabalho com disco de corte cenas fortes
 
(Ferramentas manuais martelos)
(Ferramentas manuais   martelos)(Ferramentas manuais   martelos)
(Ferramentas manuais martelos)
 
Apresentação do esmeril
Apresentação  do esmerilApresentação  do esmeril
Apresentação do esmeril
 
Treinamento Esmerilhadeira
Treinamento EsmerilhadeiraTreinamento Esmerilhadeira
Treinamento Esmerilhadeira
 
Dss proteção para as mãos
Dss   proteção para as mãosDss   proteção para as mãos
Dss proteção para as mãos
 
Nr 35 capacete cordas e cadeirinhas
Nr  35 capacete cordas e cadeirinhasNr  35 capacete cordas e cadeirinhas
Nr 35 capacete cordas e cadeirinhas
 
Maos cuidados
Maos cuidadosMaos cuidados
Maos cuidados
 
Ferramentas Manuais
Ferramentas ManuaisFerramentas Manuais
Ferramentas Manuais
 
Os trabalho em_altura
Os trabalho em_alturaOs trabalho em_altura
Os trabalho em_altura
 
Treinamento betoneira
Treinamento betoneiraTreinamento betoneira
Treinamento betoneira
 
Apresentação0 ferramentas manuais
Apresentação0 ferramentas manuaisApresentação0 ferramentas manuais
Apresentação0 ferramentas manuais
 

Mais de Fabiano Silvano Francisco

CARTILHA_TRABALHO_EM_ALTURA-1.pdf
CARTILHA_TRABALHO_EM_ALTURA-1.pdfCARTILHA_TRABALHO_EM_ALTURA-1.pdf
CARTILHA_TRABALHO_EM_ALTURA-1.pdf
Fabiano Silvano Francisco
 
NBR 14.276 (2020-Brigada de Incêndio e Emergência - Requisitos e Procedimento...
NBR 14.276 (2020-Brigada de Incêndio e Emergência - Requisitos e Procedimento...NBR 14.276 (2020-Brigada de Incêndio e Emergência - Requisitos e Procedimento...
NBR 14.276 (2020-Brigada de Incêndio e Emergência - Requisitos e Procedimento...
Fabiano Silvano Francisco
 
seguranca-ifrs-poa-apostila-treinamento-brigada-de-incendio.pdf
seguranca-ifrs-poa-apostila-treinamento-brigada-de-incendio.pdfseguranca-ifrs-poa-apostila-treinamento-brigada-de-incendio.pdf
seguranca-ifrs-poa-apostila-treinamento-brigada-de-incendio.pdf
Fabiano Silvano Francisco
 
NBR-14276-Brigada-de-Incêndio.pdf
NBR-14276-Brigada-de-Incêndio.pdfNBR-14276-Brigada-de-Incêndio.pdf
NBR-14276-Brigada-de-Incêndio.pdf
Fabiano Silvano Francisco
 
apostila_brigada.pdf
apostila_brigada.pdfapostila_brigada.pdf
apostila_brigada.pdf
Fabiano Silvano Francisco
 
Apostilade cristologia
Apostilade cristologiaApostilade cristologia
Apostilade cristologia
Fabiano Silvano Francisco
 

Mais de Fabiano Silvano Francisco (6)

CARTILHA_TRABALHO_EM_ALTURA-1.pdf
CARTILHA_TRABALHO_EM_ALTURA-1.pdfCARTILHA_TRABALHO_EM_ALTURA-1.pdf
CARTILHA_TRABALHO_EM_ALTURA-1.pdf
 
NBR 14.276 (2020-Brigada de Incêndio e Emergência - Requisitos e Procedimento...
NBR 14.276 (2020-Brigada de Incêndio e Emergência - Requisitos e Procedimento...NBR 14.276 (2020-Brigada de Incêndio e Emergência - Requisitos e Procedimento...
NBR 14.276 (2020-Brigada de Incêndio e Emergência - Requisitos e Procedimento...
 
seguranca-ifrs-poa-apostila-treinamento-brigada-de-incendio.pdf
seguranca-ifrs-poa-apostila-treinamento-brigada-de-incendio.pdfseguranca-ifrs-poa-apostila-treinamento-brigada-de-incendio.pdf
seguranca-ifrs-poa-apostila-treinamento-brigada-de-incendio.pdf
 
NBR-14276-Brigada-de-Incêndio.pdf
NBR-14276-Brigada-de-Incêndio.pdfNBR-14276-Brigada-de-Incêndio.pdf
NBR-14276-Brigada-de-Incêndio.pdf
 
apostila_brigada.pdf
apostila_brigada.pdfapostila_brigada.pdf
apostila_brigada.pdf
 
Apostilade cristologia
Apostilade cristologiaApostilade cristologia
Apostilade cristologia
 

Acidentedotrabalhocommarreta 120911220438-phpapp01

  • 2. Muitos acidentes ocorrem e depois de apuradas as causas e danos percebe-se que poderiam ter sido evitados. Talvez seja fácil identificar-se os problemas depois que esses ocorrem, mas a questão não é essa. Todas as vezes que um trabalho não é planejado, que se empregam ferramentas adaptadas e em condições inapropriadas tem-se uma enorme chance de ocorrência de acidentes, ou melhor, está se dando uma oportunidade ao azar.
  • 3. Um dos acidentes mais comuns ocorre em serralherias, caldeirarias ou outras, quando se tem que utilizar marretas. Para se pregar um prego basta apenas algo duro, não é? A lateral de um alicate, um pedaço duro de pedra, uma talhadeira, até mesmo um martelo. As marretas desenvolvem função similar à do martelo, mas são utilizadas quando se necessita de maior impacto sobre as peças, seja para quebrar, provocar a penetração (suportes ou apoios), enfim, utiliza-se muito mais energia do que com um martelo.
  • 4. Existem relatos de inúmeros acidentes envolvendo marretas. Há acidentes fatais e outros com lesões de leves a graves. Se gruparmos os acidentes poderemos enquadrá-los em duas categorias: 1. Acidentes provocados pelo cabo da ferramenta Nesses casos a ferramenta pode soltar-se do cabo ou o cabo partir-se com o impacto.
  • 5. No segundo grupo podemos citar a projeção de partes da marreta ou do material que está sendo “marretado”, seja pela fragilidade dos materiais, ou porque estão sendo impactados metais de dureza diferentes. O exemplo a seguir é o de um acidente onde um pedaço da marreta soltou-se com o impacto e atingiu o braço do assistente. Por sorte não atingiu uma artéria calibrosa ou não perfurou o tronco do mesmo.
  • 6. Outubro de 2001, caldeiraria de uma grande indústria dois funcionários trabalhavam na tentativa de sacar um rolamento a golpes de marreta. O que batia pertencia ao quadro da fábrica, o que segurava o punção, era funcionário de uma empreiteira. A marreta era insegura (havia formação de rebarbas – formato cogumelo - em sua estrutura, além de ter um cabo inadequado soldado diretamente à marreta). Um estilhaço desprendeu-se da marreta e entrou no braço do empreiteiro. Vejam as cenas !!! Para quem não acredita!!!
  • 8. Já imaginou agora? 1- Se fosse no olho? 2- Se fosse no centro do tórax ? 3- Se fosse sobre a carótida? Haveria chance de escapar com vida?
  • 9. Olha o tamanho da peça... 1,5 Cm 1,2 Cm
  • 10. Conseqüência do acidente ENTRADA SAÍDA APROX. 10 Cm
  • 11. Será que pelas características da marreta e do trabalho já não se podia prever a ocorrência do acidente> Certamente que sim. Somente não se poderia prever o traçado da parte que se soltou da marreta, que poderia ter atingido o tronco ou a cabeça do assistente. Como dissemos, foi dada chance ao azar. Para quebrarmos esse paradigma temos que inspecionar cuidadosamente as ferramentas e planejar as atividades, buscando a prevenção dos riscos.