SlideShare uma empresa Scribd logo
A Eucaristia
Síntese e adaptação a partir do Catecismo da Igreja Católica, nn. 1322 a 1419.
Missa – Fração do Pão – Ceia do Senhor – Festa do Amor
Memorial da Páscoa do Senhor Jesus
Concebido para leitura de todos os fiéis. Se quiser levar para casa, poderá fazê-lo. Mas, se puder deixá-lo de
novo na Igreja para que outras pessoas o possam ler, agradecemos. Desinfete as mãos antes e depois de lhe
pegar. Não toque na boca nem nos olhos sem ter desinfetado e/ou lavado as mãos.
Celebremos o mistério, da Divina
Eucaristia, Corpo e Sangue de Jesus, o
mistério de Deus vivo, tão real no Seu
Altar, como outrora sobre a Cruz.
Vindo à terra que O chamava, Cristo foi a
Salvação, e a alegria do Seu Povo, foi
Profeta, foi Palavra, e Palavra que pregada,
fez do mundo um mundo novo.
Foi na noite derradeira que, na Ceia com os
Doze, coração a coração, Se deu todo e
para sempre, mãos em bênção sobre a
Mesa, da Primeira Comunhão.
Assim Deus que Se fez homem, tudo fez
em plenitude, de humildade e de pobreza,
e o milagre continua. Onde falham os
sentidos, chega a esperança de quem reza.
Veneremos, adoremos, a presença do
Senhor, nossa Luz e Pão da Vida. Cante a
alma o seu louvor. Adoremos no sacrário,
Deus oculto por amor.
Dêmos glória ao Pai do Céu, infinita
Majestade; Glória ao Filho e ao Santo
Espírito, em espírito e verdade.
Veneremos, adoremos, a Santíssima
Trindade.
Ámen.
© joaofreigil@hotmail.com | https://pt.slideshare.net/Joaofreigil | Diácono João Pereira - Diocese de Lamego
1. Quando foi a primeira missa?
O nosso Salvador, Jesus Cristo,
instituiu na sua última ceia com
os apóstolos, na noite em que foi
entregue, o sacrifício eucarístico
do seu corpo e sangue, para
perpetuar pelo decorrer dos
séculos, até que Ele volte, o
sacrifício da cruz, confiando à Igreja, sua esposa amada, o memorial da sua
morte e ressurreição: sacramento de piedade, sinal de unidade, vínculo de
caridade, banquete pascal em que se recebe Cristo, a alma se enche de graça e
nos é dado o penhor da glória futura.
2. Qual a sua importância para nós?
A Eucaristia é fonte e cume de toda a vida
cristã. Os restantes sacramentos, assim
como todos os ministérios eclesiásticos
(sacerdócio; diaconado, etc.) e obras de
apostolado, estão vinculados com a sagrada
Eucaristia e a ela se ordenam. Com efeito,
na santíssima Eucaristia está contido todo
o tesouro espiritual da Igreja, isto é, o
próprio Cristo, nossa Páscoa. Pela celebração eucarística, unimo-nos desde já à
Liturgia do céu e antecipamos a vida eterna, quando «Deus for tudo em todos»
(1 Cor 15, 18 ).
3. Qual o significado da palavra Eucaristia?
A riqueza inesgotável deste sacramento exprime-se nos diferentes nomes que
lhe são dados. Cada um destes nomes evoca alguns dos seus aspetos. Chama-se:
Eucaristia, porque é ação de graças a Deus. As palavras «eucharistein» (Lc 22,
19; 1 Cor 11, 24) e «eulogein» (Mt 26, 26; Mc 14, 22) lembram as bênçãos
judaicas que proclamam – sobretudo durante a refeição – as obras de Deus: a
criação, a redenção e a santificação.
Também lhe chamamos Ceia do Senhor, porque se trata da ceia que o Senhor
comeu com os discípulos na véspera da sua paixão e da antecipação do banquete
nupcial do Cordeiro na Jerusalém celeste.
Chamamos-lhe ainda de Fracção do Pão, porque este rito, próprio da refeição
dos judeus, foi utilizado por Jesus quando abençoava e distribuía o pão como
chefe de família, sobretudo aquando da última ceia. É por este gesto que os
discípulos O reconhecerão depois da sua ressurreição (Lc 24, 13-35) e é com esta
expressão que os primeiros cristãos designarão as suas assembleias eucarísticas
(Act 2, 42.46: 20, 7.11). Querem com isso significar que todos os que comem do
único pão partido, Cristo, entram em comunhão com Ele e formam um só corpo
n'Ele (1 Cor 10, 16-17).
E ainda, chamamos-lhe Santo Sacrifício, porque atualiza o único sacrifício de
Cristo Salvador e inclui a oferenda da Igreja; ou ainda santo Sacrifício da Missa,
«Sacrifício de louvor» (Heb 13, 15), Sacrifício espiritual (1 Pe 2, 5) Sacrifício puro
(Ml 1, 11) e santo, pois completa e ultrapassa todos os sacrifícios da Antiga
Aliança.
Chamamos-lhe Santa e divina Liturgia, porque toda a liturgia da Igreja encontra
o seu centro e a sua expressão mais densa na celebração deste sacramento; no
mesmo sentido se lhe chama também celebração dos Santos Mistérios. Fala-se
igualmente do Santíssimo Sacramento, porque é o sacramento dos
sacramentos, o mais excelso de todos os sacramentos. E, com este nome, se
designam as espécies eucarísticas guardadas no sacrário.
Chamamos-lhe Comunhão, pois é por este sacramento que nos unimos a Cristo,
o qual nos torna participantes do seu corpo e do seu sangue, para formarmos
um só corpo (1 Cor 10, 16-17); chama-se ainda as coisas santas («tà hágia»;
«sancta») – é o sentido primário da «comunhão dos santos» de que fala o
Símbolo dos Apóstolos – , pão dos anjos, pão do céu, remédio da imortalidade,
viático...
Finalmente, chamamos-lhe Santa Missa, porque a liturgia em que se realiza o
mistério da salvação termina com o envio dos fiéis («missio»), para a missão de
cumprir a vontade de Deus na sua vida quotidiana.
4. Porquê pão e vinho?
No centro da celebração da Eucaristia temos o pão e o vinho que, pelas palavras
de Cristo e pela invocação do Espírito Santo, se tornam o corpo e o sangue do
mesmo Cristo. Fiel à ordem do Senhor, a Igreja continua a fazer, em memória
d'Ele e até à sua vinda gloriosa, o que Ele fez na véspera da sua paixão: «Tomou
o pão...», «Tomou o cálice com vinho...». Tornando-se misteriosamente o corpo
e o sangue de Cristo, os sinais do pão e do vinho continuam a significar também
a bondade da criação. Por isso, no ofertório [apresentação das oferendas], nós
damos graças ao Criador pelo pão e pelo vinho, fruto «do trabalho do homem»,
mas primeiramente «fruto da terra» e «da videira», dons do Criador. A Igreja vê
no gesto de Melquisedec, rei e sacerdote, que «ofereceu pão e vinho» (Gn 14,
18), uma prefiguração da sua própria oferenda.
Na Antiga Aliança, a aliança de Deus com os judeus, o pão e o vinho são
oferecidos em sacrifício entre as primícias (primeiros frutos) da terra, em sinal
de reconhecimento ao Criador. Mas também recebem uma nova significação no
contexto do Êxodo: os pães ázimos que Israel come todos os anos na Páscoa,
comemoram a pressa da partida libertadora do Egipto; a lembrança do maná do
deserto recordará sempre ao povo de Israel que é do pão da Palavra de Deus
que ele vive (Dt 8, 3). Finalmente, o pão de cada dia é o fruto da terra
prometida, penhor da fidelidade de Deus às suas promessas. O «cálice de
bênção» (1 Cor 10, 16), no fim da ceia pascal dos judeus, acrescenta à alegria
festiva do vinho uma dimensão escatológica – a da expectativa messiânica do
restabelecimento de Jerusalém. Jesus instituiu a sua Eucaristia dando um
sentido novo e definitivo à bênção do pão e do cálice.
5. Como foi a primeira missa?
Tendo amado os seus, o Senhor amou-os até ao fim. Sabendo que era chegada
a hora de partir deste mundo para regressar ao Pai, no decorrer duma refeição,
lavou-lhes os pés e deu-lhes o mandamento do amor. Para lhes deixar uma
garantia deste amor, para jamais se afastar dos seus e para os tornar
participantes da sua Páscoa, instituiu a Eucaristia como memorial da sua morte
e da sua ressurreição, e ordenou aos seus Apóstolos que a celebrassem até ao
seu regresso, «constituindo-os, então, sacerdotes do Novo Testamento.
«Veio o dia dos Ázimos, em que devia imolar-se a Páscoa. [Jesus] enviou
então a Pedro e a João, dizendo: "Ide preparar-nos a Páscoa, para que
a possamos comer" [...]. Partiram pois, [...] e prepararam a Páscoa. Ao
chegar a hora, Jesus tomou lugar à mesa, e os Apóstolos com Ele.
Disse-lhes então: "Tenho desejado ardentemente comer convosco esta
Páscoa, antes de padecer. Pois vos digo que não voltarei a comê-la, até
que ela se realize plenamente no Reino de Deus". [...] Depois, tomou o
pão e, dando graças, partiu-o, deu-lho e disse-lhes: "Isto é o Meu
corpo, que vai ser entregue por vós. Fazei isto em memória de Mim".
No fim da ceia, fez o mesmo com o cálice e disse: "Este cálice é a Nova
Aliança no meu sangue, que vai ser derramado por vós"» (Lc 22, 7-20).
6. Como chegou até nós?
Desde o princípio, a Igreja foi fiel à ordem do Senhor. Da Igreja de Jerusalém está
escrito: «Eram assíduos ao ensino dos Apóstolos, à união fraterna, à fração do
pão e às orações. [...] Todos os dias frequentavam o templo, como se tivessem
uma só alma, e partiam o pão em suas casas; tomavam o alimento com alegria
e simplicidade de coração» (Act 2, 42.46).
Era sobretudo «no primeiro dia da semana», isto é, no dia de domingo, dia da
ressurreição de Jesus, que os cristãos se reuniam «para partir o pão» (Act 20,
7). Desde esses tempos até aos nossos dias, a celebração da Eucaristia
perpetuou-se, de maneira que hoje a encontramos em toda a parte na Igreja
com a mesma estrutura fundamental. Ela continua a ser o centro da vida da
Igreja.
7. Como acreditamos que Cristo está presente?
Se os cristãos celebram a Eucaristia desde as origens é porque sabem que estão
ligados pela ordem do Senhor, dada na véspera da sua paixão: «Fazei isto em
memória de Mim» (1 Cor 11, 24-25). Esta ordem do Senhor, cumprimo-la
celebrando o memorial do seu sacrifício. E fazendo-o, oferecemos ao Pai o que
Ele próprio nos deu: os dons da sua criação, o pão e o vinho, transformados,
pelo poder do Espírito Santo e pelas palavras de Cristo, no corpo e no sangue
do mesmo Cristo: assim Cristo torna-se real e misteriosamente presente.
Temos, pois, de considerar a Eucaristia:
– como ação de graças (agradecimento) e louvor ao Pai,
– como memorial sacrificial de Cristo e do Seu corpo (na sua vida terrena e Cruz),
– como presença de Cristo pelo poder da sua Palavra e do seu Espírito.
A Eucaristia é um sacrifício de ação de graças ao Pai, uma bênção pela qual a
Igreja exprime o seu reconhecimento a Deus por todos os seus benefícios, por
tudo o que Ele fez mediante a criação, a redenção e a santificação. A Eucaristia
é também o sacrifício de louvor, pelo qual a Igreja canta a glória de Deus em
nome de toda a criação. Este sacrifício de louvor só é possível através de Cristo:
Ele une os fiéis à sua pessoa, ao seu louvor e à sua intercessão, de maneira que
o sacrifício de louvor ao Pai é oferecido por Cristo e com Cristo, para ser aceite
em Cristo. O sacrifício de Cristo e o sacrifício da Eucaristia são um único
sacrifício: «É uma só e mesma vítima e Aquele que agora Se oferece pelo
ministério dos sacerdotes é o mesmo que outrora Se ofereceu a Si mesmo na
cruz; só a maneira de oferecer é que é diferente».
8. A Igreja oferece Cristo e também a si mesma?
A Eucaristia é igualmente o sacrifício da Igreja. A Igreja, que é o corpo de Cristo,
participa na oblação da sua Cabeça. Com Ele, ela própria é oferecida
integralmente. Ela une-se à sua intercessão junto do Pai em favor de todos os
homens. Na Eucaristia, o sacrifício de Cristo torna-se também o sacrifício dos
membros do seu corpo. A vida dos fiéis, o seu louvor, o seu sofrimento, a sua
oração, o seu trabalho, unem-se aos de Cristo e à sua oblação (oferta) total,
adquirindo assim um novo valor. O sacrifício de Cristo presente sobre o altar
proporciona a todas as gerações de cristãos a possibilidade de se unirem à sua
oblação. À oblação de Cristo unem-se não só os membros que estão ainda neste
mundo, mas também os que já estão na glória do céu: é em comunhão com a
santíssima Virgem Maria e fazendo memória d'Ela, assim como de todos os
santos e de todas as santas, que a Igreja oferece o sacrifício eucarístico. Na
Eucaristia, a Igreja, com Maria, está como que ao pé da cruz, unida à oblação e
à intercessão de Cristo.
9. Porquê invocamos o nome de pessoas que já morreram?
O sacrifício eucarístico é também oferecido pelos fiéis defuntos, «que morreram
em Cristo e não estão ainda totalmente purificados», para que possam ser
dignos de entrar na luz e na paz de Cristo, isto é, na vida eterna (paraíso).
10. Há outros lugares onde Cristo está presente?
«Jesus Cristo, que morreu, que ressuscitou, que está à direita de Deus, que
intercede por nós» (Rm 8, 34), está presente na sua Igreja de múltiplos modos:
na sua Palavra, na oração da sua Igreja, «onde dois ou três estão reunidos em
Meu nome» (Mt 18, 20), nos pobres, nos doentes, nos prisioneiros (Mt 25, 31-
46), nos seus sacramentos, dos quais é o autor, no sacrifício da missa e na
pessoa do ministro. Mas está presente «sobretudo sob as espécies
eucarísticas».
11. Porque adoramos Jesus escondido no sacrário?
Na liturgia da Missa, nós exprimimos a nossa fé na presença real de Cristo sob
as espécies do pão e do vinho, entre outras maneiras, ajoelhando ou inclinando-
nos profundamente em sinal de adoração do Senhor. «A Igreja Católica sempre
prestou e continua a prestar este culto de adoração que é devido ao sacramento
da Eucaristia, não só durante a missa, mas também fora da sua celebração:
conservando com o maior cuidado as hóstias consagradas, apresentando-as aos
fiéis para que solenemente as venerem e adorem, e levando-as em procissão»
como a do Corpo de Deus.
A sagrada Reserva (sacrário ou tabernáculo) era, ao princípio, destinada a
guardar, de maneira digna, a Eucaristia, para poder ser levada aos doentes e
ausentes, fora da missa. Pelo aprofundamento da fé na presença real de Cristo
na sua Eucaristia, a Igreja tomou consciência do sentido da adoração silenciosa
do Senhor, presente sob as espécies eucarísticas, por isso que o sacrário deve
ser colocado num lugar particularmente digno da igreja; deve ser construído de
tal modo que sublinhe e manifeste a verdade da presença real de Cristo no
Santíssimo Sacramento.
É de suma conveniência que Cristo tenha querido ficar presente na sua Igreja
deste modo único. Uma vez que estava para deixar os seus sob forma visível,
Cristo quis dar-nos a sua presença sacramental; e visto que ia sofrer na cruz para
nos salvar, quis que tivéssemos o memorial do amor com que nos amou «até ao
fim» (Jo 13, 1), até ao dom da própria vida. Com efeito, na sua presença
eucarística, Ele fica misteriosamente no meio de nós, como Aquele que nos
amou e Se entregou por nós, e permanece sob os sinais que exprimem e
comunicam este seu amor.
«A presença do verdadeiro corpo e do verdadeiro sangue de Cristo neste
sacramento, "não a apreendemos pelos sentidos [visão, tato, paladar, etc.], diz
São Tomás, mas só pela fé, que se apoia na autoridade de Deus". É por isso que,
comentando o texto de São Lucas 22, 19 "Isto é o Meu corpo que será entregue
por vós", São Cirilo de Alexandria declara: "Não vás agora perguntar-te se isso
é verdade; mas acolhe com fé as palavras do Senhor, porque Ele, que é a
verdade, não mente"».
12. O que é a comunhão?
A Missa é, ao mesmo tempo e inseparavelmente, o memorial sacrificial em que
se perpetua o sacrifício da cruz e o banquete sagrado da comunhão do corpo e
sangue do Senhor. Mas a celebração do sacrifício eucarístico está toda orientada
para a união íntima dos fiéis com Cristo pela comunhão. Comungar é receber o
próprio Cristo, que Se ofereceu por nós. O Senhor dirige-nos um convite
insistente a que O recebamos no sacramento da Eucaristia: «Em verdade, em
verdade vos digo: se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes
o seu sangue, não tereis a vida em vós» (Jo 6, 53). Para responder a este convite,
devemos preparar-nos para este momento tão grande e santo. São Paulo
exorta a um exame de consciência: «Quem comer o pão ou beber do cálice do
Senhor indignamente será réu do corpo e do sangue do Senhor» (1Cor 11, 27-
29). Aquele que tiver consciência dum pecado grave deve receber o
sacramento da Reconciliação antes de se aproximar da Comunhão.
Para se prepararem convenientemente para receber este sacramento, os fiéis
devem observar o jejum prescrito na sua Igreja (pelo menos 1 hora antes de
comungar e 15 minutos depois de receber o Senhor). A atitude corporal (gestos,
roupas, comportamento, modo de falar) deve traduzir o respeito, a solenidade,
a alegria deste momento em que Cristo Se torna nosso hóspede.
A Igreja impõe aos fiéis a obrigação de «participar na divina liturgia nos
domingos e dias de festa» e de receber a Eucaristia ao menos uma vez em cada
ano, se possível no tempo pascal preparados pelo sacramento da
Reconciliação. Mas recomenda-lhes vivamente que recebam a santa Eucaristia
aos domingos e dias de festa, ou ainda mais vezes, mesmo todos os dias.
Graças à presença sacramental de Cristo sob cada uma das espécies, a
comunhão apenas sob a espécie de pão permite receber todo o fruto de graça
da Eucaristia. A Comunhão aumenta a nossa união com Cristo. Receber a
Eucaristia na comunhão traz consigo, como fruto principal, a união íntima com
Cristo Jesus. De facto, o Senhor diz: «Quem come a minha carne e bebe o meu
sangue permanece em Mim e Eu nele» (Jo 6, 56). A vida em Cristo tem o seu
fundamento no banquete eucarístico: «Assim como o Pai, que vive, Me enviou,
e Eu vivo pelo Pai, também o que Me come viverá por Mim» (Jo 6, 57).
O corpo de Cristo que recebemos na Comunhão é «entregue por nós» e o sangue
que nós bebemos é «derramado pela multidão [dos Homens], para remissão dos
pecados». É por isso que a Eucaristia não pode unir-nos a Cristo sem nos
purificar, ao mesmo tempo, dos pecados cometidos, e nos preservar dos
pecados futuros. Quanto mais participarmos na vida de Cristo e progredirmos
na sua amizade, mais difícil nos será romper com Ele pelo pecado mortal. A
Eucaristia não está ordenada ao perdão dos pecados mortais. Isso é próprio do
sacramento da Reconciliação. O que é próprio da Eucaristia é ser o sacramento
daqueles que estão na plena comunhão da Igreja. A Eucaristia é também a
antecipação da glória celeste pois, pela nossa comunhão no altar, somos
cumulados da «plenitude das bênçãos e graças do céu». Na última ceia, o próprio
Senhor chamou a atenção dos seus discípulos para a consumação da Páscoa no
Reino de Deus: «Eu vos digo que não voltarei a beber deste fruto da videira,
até o dia em que beberei convosco o vinho novo no Reino do meu Pai» (Mt 26,
29). Sempre que a Igreja celebra a Eucaristia, lembra-se desta promessa.
© joaofreigil@hotmail.com | https://pt.slideshare.net/Joaofreigil | Diácono João Pereira - Diocese de Lamego

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro ppsFormação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
José Luiz Silva Pinto
 
Os sacramentos da igreja - Aula 01
Os sacramentos da igreja - Aula 01Os sacramentos da igreja - Aula 01
Os sacramentos da igreja - Aula 01
Rubens Júnior
 
Material de apoio à iniciação cristã
Material de apoio à iniciação cristãMaterial de apoio à iniciação cristã
Material de apoio à iniciação cristã
Catequese Anjos dos Céus
 
Curso de liturgia
Curso de liturgiaCurso de liturgia
Curso de liturgia
mbsilva1971
 
O sacramento da crisma
O sacramento da crismaO sacramento da crisma
O sacramento da crisma
Si Leão
 
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra - Mesa da Eucarístia
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra -  Mesa da EucarístiaMissa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra -  Mesa da Eucarístia
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra - Mesa da Eucarístia
Cris-Keka Mania
 
Liturgia
LiturgiaLiturgia
Liturgia
Samuel Elanio
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
Samuel Elanio
 
Instrução geral do missal romano terceira edição
Instrução geral do missal romano terceira ediçãoInstrução geral do missal romano terceira edição
Instrução geral do missal romano terceira edição
nyllolucas
 
Formação com Catequistas
Formação com CatequistasFormação com Catequistas
Formação com Catequistas
José Vieira Dos Santos
 
Retiro com Crismandos
Retiro com CrismandosRetiro com Crismandos
Retiro com Crismandos
José Vieira Dos Santos
 
Os sacramentos da igreja - Aula 03
Os sacramentos da igreja - Aula 03Os sacramentos da igreja - Aula 03
Os sacramentos da igreja - Aula 03
Rubens Júnior
 
Maria nos dogmas: Maternidade e virgindade
Maria nos dogmas: Maternidade e virgindadeMaria nos dogmas: Maternidade e virgindade
Maria nos dogmas: Maternidade e virgindade
Afonso Murad (FAJE)
 
Apostila preparacao catequese_de_adultos
Apostila preparacao catequese_de_adultosApostila preparacao catequese_de_adultos
Apostila preparacao catequese_de_adultos
Antonio Cardoso
 
Ano Litúrgico
Ano Litúrgico Ano Litúrgico
Ano Litúrgico
José Vieira Dos Santos
 
Quaresma e Semana Santa 2016
Quaresma e Semana Santa 2016Quaresma e Semana Santa 2016
Quaresma e Semana Santa 2016
Catequese Anjos dos Céus
 
Missa parte por_parte
Missa parte por_parteMissa parte por_parte
Missa parte por_parte
Presentepravoce SOS
 
Formação do batismo
Formação do batismoFormação do batismo
Formação do batismo
Henrique Avelar
 
Vamos a igreja para participar da santa missa
Vamos a igreja para participar da santa missaVamos a igreja para participar da santa missa
Vamos a igreja para participar da santa missa
SITEclarissasmarilia
 
Missa
MissaMissa
Missa
nyllolucas
 

Mais procurados (20)

Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro ppsFormação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
Formação para Ministros Extraordinário da Palavra 17° encontro pps
 
Os sacramentos da igreja - Aula 01
Os sacramentos da igreja - Aula 01Os sacramentos da igreja - Aula 01
Os sacramentos da igreja - Aula 01
 
Material de apoio à iniciação cristã
Material de apoio à iniciação cristãMaterial de apoio à iniciação cristã
Material de apoio à iniciação cristã
 
Curso de liturgia
Curso de liturgiaCurso de liturgia
Curso de liturgia
 
O sacramento da crisma
O sacramento da crismaO sacramento da crisma
O sacramento da crisma
 
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra - Mesa da Eucarístia
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra -  Mesa da EucarístiaMissa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra -  Mesa da Eucarístia
Missa-Origem, gestos e símbolos - Mesa da Palavra - Mesa da Eucarístia
 
Liturgia
LiturgiaLiturgia
Liturgia
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
 
Instrução geral do missal romano terceira edição
Instrução geral do missal romano terceira ediçãoInstrução geral do missal romano terceira edição
Instrução geral do missal romano terceira edição
 
Formação com Catequistas
Formação com CatequistasFormação com Catequistas
Formação com Catequistas
 
Retiro com Crismandos
Retiro com CrismandosRetiro com Crismandos
Retiro com Crismandos
 
Os sacramentos da igreja - Aula 03
Os sacramentos da igreja - Aula 03Os sacramentos da igreja - Aula 03
Os sacramentos da igreja - Aula 03
 
Maria nos dogmas: Maternidade e virgindade
Maria nos dogmas: Maternidade e virgindadeMaria nos dogmas: Maternidade e virgindade
Maria nos dogmas: Maternidade e virgindade
 
Apostila preparacao catequese_de_adultos
Apostila preparacao catequese_de_adultosApostila preparacao catequese_de_adultos
Apostila preparacao catequese_de_adultos
 
Ano Litúrgico
Ano Litúrgico Ano Litúrgico
Ano Litúrgico
 
Quaresma e Semana Santa 2016
Quaresma e Semana Santa 2016Quaresma e Semana Santa 2016
Quaresma e Semana Santa 2016
 
Missa parte por_parte
Missa parte por_parteMissa parte por_parte
Missa parte por_parte
 
Formação do batismo
Formação do batismoFormação do batismo
Formação do batismo
 
Vamos a igreja para participar da santa missa
Vamos a igreja para participar da santa missaVamos a igreja para participar da santa missa
Vamos a igreja para participar da santa missa
 
Missa
MissaMissa
Missa
 

Semelhante a A eucaristia

Corpus christi 2 catecismo (portugues)
Corpus christi   2 catecismo (portugues)Corpus christi   2 catecismo (portugues)
Corpus christi 2 catecismo (portugues)
Martin M Flynn
 
CARTA ENCÍCLICA ECCLESIA DE EUCHARISTIA DO SUMO PONTÍFICE JOÃO PAULO II
CARTA ENCÍCLICA ECCLESIA DE EUCHARISTIA DO SUMO PONTÍFICE JOÃO PAULO IICARTA ENCÍCLICA ECCLESIA DE EUCHARISTIA DO SUMO PONTÍFICE JOÃO PAULO II
CARTA ENCÍCLICA ECCLESIA DE EUCHARISTIA DO SUMO PONTÍFICE JOÃO PAULO II
Marcos Antonio da Silva
 
A missa parte por parte
A missa parte por parteA missa parte por parte
A missa parte por parte
nyllolucas
 
A missa parte por parte
A missa parte por parteA missa parte por parte
A missa parte por parte
nyllolucas
 
Lição 11 A Última Ceia
Lição 11 A Última CeiaLição 11 A Última Ceia
Lição 11 A Última Ceia
Ev.Antonio Vieira
 
Escolinha diocesana
Escolinha diocesanaEscolinha diocesana
Escolinha diocesana
Luiz Henrique Rezende
 
Escolinha diocesana
Escolinha diocesanaEscolinha diocesana
Escolinha diocesana
Luiz Henrique Rezende
 
Escolinha diocesana
Escolinha diocesanaEscolinha diocesana
Escolinha diocesana
Luiz Henrique Rezende
 
a santa missa parte por partes para formação
a santa missa parte por partes para formaçãoa santa missa parte por partes para formação
a santa missa parte por partes para formação
freivalentimpesente
 
Amissaparteporparte 101224221903-phpapp02
Amissaparteporparte 101224221903-phpapp02Amissaparteporparte 101224221903-phpapp02
Amissaparteporparte 101224221903-phpapp02
Paróquia Menino Jesus
 
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppt
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.pptLiturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppt
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppt
Padre Anderson de Lima Alencar
 
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppsx
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppsxLiturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppsx
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppsx
Padre Anderson de Lima Alencar
 
17 encontro A Santa Ceia
17 encontro  A Santa Ceia17 encontro  A Santa Ceia
17 encontro A Santa Ceia
Catequese Anjos dos Céus
 
Os sacramentos da igreja - Aula 04
Os sacramentos da igreja - Aula 04Os sacramentos da igreja - Aula 04
Os sacramentos da igreja - Aula 04
Rubens Júnior
 
9 Ideias Para Viver A Eucaristia
9 Ideias Para Viver A Eucaristia9 Ideias Para Viver A Eucaristia
9 Ideias Para Viver A Eucaristia
loboastuto
 
PÁSCOA 2014 ..... A páscoa de Jesus Cristo (3/4)
PÁSCOA 2014 ..... A páscoa de Jesus Cristo (3/4)PÁSCOA 2014 ..... A páscoa de Jesus Cristo (3/4)
PÁSCOA 2014 ..... A páscoa de Jesus Cristo (3/4)
Luís Carvalho
 
01 paroquia imaculadocoracao
01 paroquia imaculadocoracao01 paroquia imaculadocoracao
01 paroquia imaculadocoracao
Juliana Felisberto Cardoso Silva
 
Lbcpad
LbcpadLbcpad
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
Fábio Soares
 
Culto Divino - Quinta-feira Santa
Culto Divino -  Quinta-feira SantaCulto Divino -  Quinta-feira Santa
Culto Divino - Quinta-feira Santa
Josemar da Silva Alves Bonho
 

Semelhante a A eucaristia (20)

Corpus christi 2 catecismo (portugues)
Corpus christi   2 catecismo (portugues)Corpus christi   2 catecismo (portugues)
Corpus christi 2 catecismo (portugues)
 
CARTA ENCÍCLICA ECCLESIA DE EUCHARISTIA DO SUMO PONTÍFICE JOÃO PAULO II
CARTA ENCÍCLICA ECCLESIA DE EUCHARISTIA DO SUMO PONTÍFICE JOÃO PAULO IICARTA ENCÍCLICA ECCLESIA DE EUCHARISTIA DO SUMO PONTÍFICE JOÃO PAULO II
CARTA ENCÍCLICA ECCLESIA DE EUCHARISTIA DO SUMO PONTÍFICE JOÃO PAULO II
 
A missa parte por parte
A missa parte por parteA missa parte por parte
A missa parte por parte
 
A missa parte por parte
A missa parte por parteA missa parte por parte
A missa parte por parte
 
Lição 11 A Última Ceia
Lição 11 A Última CeiaLição 11 A Última Ceia
Lição 11 A Última Ceia
 
Escolinha diocesana
Escolinha diocesanaEscolinha diocesana
Escolinha diocesana
 
Escolinha diocesana
Escolinha diocesanaEscolinha diocesana
Escolinha diocesana
 
Escolinha diocesana
Escolinha diocesanaEscolinha diocesana
Escolinha diocesana
 
a santa missa parte por partes para formação
a santa missa parte por partes para formaçãoa santa missa parte por partes para formação
a santa missa parte por partes para formação
 
Amissaparteporparte 101224221903-phpapp02
Amissaparteporparte 101224221903-phpapp02Amissaparteporparte 101224221903-phpapp02
Amissaparteporparte 101224221903-phpapp02
 
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppt
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.pptLiturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppt
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppt
 
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppsx
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppsxLiturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppsx
Liturgia Fundamental - Liturgia e História da Salvação.ppsx
 
17 encontro A Santa Ceia
17 encontro  A Santa Ceia17 encontro  A Santa Ceia
17 encontro A Santa Ceia
 
Os sacramentos da igreja - Aula 04
Os sacramentos da igreja - Aula 04Os sacramentos da igreja - Aula 04
Os sacramentos da igreja - Aula 04
 
9 Ideias Para Viver A Eucaristia
9 Ideias Para Viver A Eucaristia9 Ideias Para Viver A Eucaristia
9 Ideias Para Viver A Eucaristia
 
PÁSCOA 2014 ..... A páscoa de Jesus Cristo (3/4)
PÁSCOA 2014 ..... A páscoa de Jesus Cristo (3/4)PÁSCOA 2014 ..... A páscoa de Jesus Cristo (3/4)
PÁSCOA 2014 ..... A páscoa de Jesus Cristo (3/4)
 
01 paroquia imaculadocoracao
01 paroquia imaculadocoracao01 paroquia imaculadocoracao
01 paroquia imaculadocoracao
 
Lbcpad
LbcpadLbcpad
Lbcpad
 
Eucaristia
EucaristiaEucaristia
Eucaristia
 
Culto Divino - Quinta-feira Santa
Culto Divino -  Quinta-feira SantaCulto Divino -  Quinta-feira Santa
Culto Divino - Quinta-feira Santa
 

Mais de João Pereira

XXXI Comum Ano A
XXXI Comum Ano AXXXI Comum Ano A
XXXI Comum Ano A
João Pereira
 
III Dom da Páscoa
III Dom da PáscoaIII Dom da Páscoa
III Dom da Páscoa
João Pereira
 
Missa da Última Ceia do Senhor
Missa da Última Ceia do SenhorMissa da Última Ceia do Senhor
Missa da Última Ceia do Senhor
João Pereira
 
Adoração da Santa Cruz
Adoração da Santa CruzAdoração da Santa Cruz
Adoração da Santa Cruz
João Pereira
 
Missa Vigília Pascal
Missa Vigília PascalMissa Vigília Pascal
Missa Vigília Pascal
João Pereira
 
Missa de Páscoa
Missa de PáscoaMissa de Páscoa
Missa de Páscoa
João Pereira
 
Cânticos do Natal
Cânticos do NatalCânticos do Natal
Cânticos do Natal
João Pereira
 
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntosORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
João Pereira
 
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaCânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
João Pereira
 
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzCânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
João Pereira
 
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do SenhorCânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
João Pereira
 
Antífonas para procissões da Semana Santa
Antífonas para procissões da Semana SantaAntífonas para procissões da Semana Santa
Antífonas para procissões da Semana Santa
João Pereira
 
Cânticos IV Domingo da quaresma
Cânticos IV Domingo da quaresmaCânticos IV Domingo da quaresma
Cânticos IV Domingo da quaresma
João Pereira
 
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaCânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
João Pereira
 
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzCânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
João Pereira
 
Cânticos V dom quaresma A
Cânticos V dom quaresma ACânticos V dom quaresma A
Cânticos V dom quaresma A
João Pereira
 
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano A
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano ACânticos III Domingo da Quaresma - ano A
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano A
João Pereira
 
Cânticos II Domingo Quaresma - ano A
Cânticos II Domingo Quaresma - ano ACânticos II Domingo Quaresma - ano A
Cânticos II Domingo Quaresma - ano A
João Pereira
 
Canticos I Domingo Quaresma - ano A
Canticos I Domingo Quaresma - ano ACanticos I Domingo Quaresma - ano A
Canticos I Domingo Quaresma - ano A
João Pereira
 
Cânticos de quarta-feira de cinzas
Cânticos de quarta-feira de cinzasCânticos de quarta-feira de cinzas
Cânticos de quarta-feira de cinzas
João Pereira
 

Mais de João Pereira (20)

XXXI Comum Ano A
XXXI Comum Ano AXXXI Comum Ano A
XXXI Comum Ano A
 
III Dom da Páscoa
III Dom da PáscoaIII Dom da Páscoa
III Dom da Páscoa
 
Missa da Última Ceia do Senhor
Missa da Última Ceia do SenhorMissa da Última Ceia do Senhor
Missa da Última Ceia do Senhor
 
Adoração da Santa Cruz
Adoração da Santa CruzAdoração da Santa Cruz
Adoração da Santa Cruz
 
Missa Vigília Pascal
Missa Vigília PascalMissa Vigília Pascal
Missa Vigília Pascal
 
Missa de Páscoa
Missa de PáscoaMissa de Páscoa
Missa de Páscoa
 
Cânticos do Natal
Cânticos do NatalCânticos do Natal
Cânticos do Natal
 
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntosORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
ORAÇÃO DE VIGÍLIA, pelos defuntos
 
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaCânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
 
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzCânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
 
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do SenhorCânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
Cânticos Domingo de Ramos Na Paixão do Senhor
 
Antífonas para procissões da Semana Santa
Antífonas para procissões da Semana SantaAntífonas para procissões da Semana Santa
Antífonas para procissões da Semana Santa
 
Cânticos IV Domingo da quaresma
Cânticos IV Domingo da quaresmaCânticos IV Domingo da quaresma
Cânticos IV Domingo da quaresma
 
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de PáscoaCânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
Cânticos Vigília Pascal e Domingo de Páscoa
 
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa CruzCânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
Cânticos Última Ceia do Senhor e Adoração da Santa Cruz
 
Cânticos V dom quaresma A
Cânticos V dom quaresma ACânticos V dom quaresma A
Cânticos V dom quaresma A
 
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano A
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano ACânticos III Domingo da Quaresma - ano A
Cânticos III Domingo da Quaresma - ano A
 
Cânticos II Domingo Quaresma - ano A
Cânticos II Domingo Quaresma - ano ACânticos II Domingo Quaresma - ano A
Cânticos II Domingo Quaresma - ano A
 
Canticos I Domingo Quaresma - ano A
Canticos I Domingo Quaresma - ano ACanticos I Domingo Quaresma - ano A
Canticos I Domingo Quaresma - ano A
 
Cânticos de quarta-feira de cinzas
Cânticos de quarta-feira de cinzasCânticos de quarta-feira de cinzas
Cânticos de quarta-feira de cinzas
 

Último

Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
sesiomzezao
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdfAtividade Análise literária O GUARANI.pdf
Atividade Análise literária O GUARANI.pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 

A eucaristia

  • 1. A Eucaristia Síntese e adaptação a partir do Catecismo da Igreja Católica, nn. 1322 a 1419. Missa – Fração do Pão – Ceia do Senhor – Festa do Amor Memorial da Páscoa do Senhor Jesus Concebido para leitura de todos os fiéis. Se quiser levar para casa, poderá fazê-lo. Mas, se puder deixá-lo de novo na Igreja para que outras pessoas o possam ler, agradecemos. Desinfete as mãos antes e depois de lhe pegar. Não toque na boca nem nos olhos sem ter desinfetado e/ou lavado as mãos. Celebremos o mistério, da Divina Eucaristia, Corpo e Sangue de Jesus, o mistério de Deus vivo, tão real no Seu Altar, como outrora sobre a Cruz. Vindo à terra que O chamava, Cristo foi a Salvação, e a alegria do Seu Povo, foi Profeta, foi Palavra, e Palavra que pregada, fez do mundo um mundo novo. Foi na noite derradeira que, na Ceia com os Doze, coração a coração, Se deu todo e para sempre, mãos em bênção sobre a Mesa, da Primeira Comunhão. Assim Deus que Se fez homem, tudo fez em plenitude, de humildade e de pobreza, e o milagre continua. Onde falham os sentidos, chega a esperança de quem reza. Veneremos, adoremos, a presença do Senhor, nossa Luz e Pão da Vida. Cante a alma o seu louvor. Adoremos no sacrário, Deus oculto por amor. Dêmos glória ao Pai do Céu, infinita Majestade; Glória ao Filho e ao Santo Espírito, em espírito e verdade. Veneremos, adoremos, a Santíssima Trindade. Ámen. © joaofreigil@hotmail.com | https://pt.slideshare.net/Joaofreigil | Diácono João Pereira - Diocese de Lamego
  • 2. 1. Quando foi a primeira missa? O nosso Salvador, Jesus Cristo, instituiu na sua última ceia com os apóstolos, na noite em que foi entregue, o sacrifício eucarístico do seu corpo e sangue, para perpetuar pelo decorrer dos séculos, até que Ele volte, o sacrifício da cruz, confiando à Igreja, sua esposa amada, o memorial da sua morte e ressurreição: sacramento de piedade, sinal de unidade, vínculo de caridade, banquete pascal em que se recebe Cristo, a alma se enche de graça e nos é dado o penhor da glória futura. 2. Qual a sua importância para nós? A Eucaristia é fonte e cume de toda a vida cristã. Os restantes sacramentos, assim como todos os ministérios eclesiásticos (sacerdócio; diaconado, etc.) e obras de apostolado, estão vinculados com a sagrada Eucaristia e a ela se ordenam. Com efeito, na santíssima Eucaristia está contido todo o tesouro espiritual da Igreja, isto é, o próprio Cristo, nossa Páscoa. Pela celebração eucarística, unimo-nos desde já à Liturgia do céu e antecipamos a vida eterna, quando «Deus for tudo em todos» (1 Cor 15, 18 ). 3. Qual o significado da palavra Eucaristia? A riqueza inesgotável deste sacramento exprime-se nos diferentes nomes que lhe são dados. Cada um destes nomes evoca alguns dos seus aspetos. Chama-se: Eucaristia, porque é ação de graças a Deus. As palavras «eucharistein» (Lc 22, 19; 1 Cor 11, 24) e «eulogein» (Mt 26, 26; Mc 14, 22) lembram as bênçãos judaicas que proclamam – sobretudo durante a refeição – as obras de Deus: a criação, a redenção e a santificação. Também lhe chamamos Ceia do Senhor, porque se trata da ceia que o Senhor comeu com os discípulos na véspera da sua paixão e da antecipação do banquete nupcial do Cordeiro na Jerusalém celeste.
  • 3. Chamamos-lhe ainda de Fracção do Pão, porque este rito, próprio da refeição dos judeus, foi utilizado por Jesus quando abençoava e distribuía o pão como chefe de família, sobretudo aquando da última ceia. É por este gesto que os discípulos O reconhecerão depois da sua ressurreição (Lc 24, 13-35) e é com esta expressão que os primeiros cristãos designarão as suas assembleias eucarísticas (Act 2, 42.46: 20, 7.11). Querem com isso significar que todos os que comem do único pão partido, Cristo, entram em comunhão com Ele e formam um só corpo n'Ele (1 Cor 10, 16-17). E ainda, chamamos-lhe Santo Sacrifício, porque atualiza o único sacrifício de Cristo Salvador e inclui a oferenda da Igreja; ou ainda santo Sacrifício da Missa, «Sacrifício de louvor» (Heb 13, 15), Sacrifício espiritual (1 Pe 2, 5) Sacrifício puro (Ml 1, 11) e santo, pois completa e ultrapassa todos os sacrifícios da Antiga Aliança. Chamamos-lhe Santa e divina Liturgia, porque toda a liturgia da Igreja encontra o seu centro e a sua expressão mais densa na celebração deste sacramento; no mesmo sentido se lhe chama também celebração dos Santos Mistérios. Fala-se igualmente do Santíssimo Sacramento, porque é o sacramento dos sacramentos, o mais excelso de todos os sacramentos. E, com este nome, se designam as espécies eucarísticas guardadas no sacrário. Chamamos-lhe Comunhão, pois é por este sacramento que nos unimos a Cristo, o qual nos torna participantes do seu corpo e do seu sangue, para formarmos um só corpo (1 Cor 10, 16-17); chama-se ainda as coisas santas («tà hágia»; «sancta») – é o sentido primário da «comunhão dos santos» de que fala o Símbolo dos Apóstolos – , pão dos anjos, pão do céu, remédio da imortalidade, viático... Finalmente, chamamos-lhe Santa Missa, porque a liturgia em que se realiza o mistério da salvação termina com o envio dos fiéis («missio»), para a missão de cumprir a vontade de Deus na sua vida quotidiana. 4. Porquê pão e vinho? No centro da celebração da Eucaristia temos o pão e o vinho que, pelas palavras de Cristo e pela invocação do Espírito Santo, se tornam o corpo e o sangue do mesmo Cristo. Fiel à ordem do Senhor, a Igreja continua a fazer, em memória d'Ele e até à sua vinda gloriosa, o que Ele fez na véspera da sua paixão: «Tomou o pão...», «Tomou o cálice com vinho...». Tornando-se misteriosamente o corpo e o sangue de Cristo, os sinais do pão e do vinho continuam a significar também a bondade da criação. Por isso, no ofertório [apresentação das oferendas], nós
  • 4. damos graças ao Criador pelo pão e pelo vinho, fruto «do trabalho do homem», mas primeiramente «fruto da terra» e «da videira», dons do Criador. A Igreja vê no gesto de Melquisedec, rei e sacerdote, que «ofereceu pão e vinho» (Gn 14, 18), uma prefiguração da sua própria oferenda. Na Antiga Aliança, a aliança de Deus com os judeus, o pão e o vinho são oferecidos em sacrifício entre as primícias (primeiros frutos) da terra, em sinal de reconhecimento ao Criador. Mas também recebem uma nova significação no contexto do Êxodo: os pães ázimos que Israel come todos os anos na Páscoa, comemoram a pressa da partida libertadora do Egipto; a lembrança do maná do deserto recordará sempre ao povo de Israel que é do pão da Palavra de Deus que ele vive (Dt 8, 3). Finalmente, o pão de cada dia é o fruto da terra prometida, penhor da fidelidade de Deus às suas promessas. O «cálice de bênção» (1 Cor 10, 16), no fim da ceia pascal dos judeus, acrescenta à alegria festiva do vinho uma dimensão escatológica – a da expectativa messiânica do restabelecimento de Jerusalém. Jesus instituiu a sua Eucaristia dando um sentido novo e definitivo à bênção do pão e do cálice. 5. Como foi a primeira missa? Tendo amado os seus, o Senhor amou-os até ao fim. Sabendo que era chegada a hora de partir deste mundo para regressar ao Pai, no decorrer duma refeição, lavou-lhes os pés e deu-lhes o mandamento do amor. Para lhes deixar uma garantia deste amor, para jamais se afastar dos seus e para os tornar participantes da sua Páscoa, instituiu a Eucaristia como memorial da sua morte e da sua ressurreição, e ordenou aos seus Apóstolos que a celebrassem até ao seu regresso, «constituindo-os, então, sacerdotes do Novo Testamento. «Veio o dia dos Ázimos, em que devia imolar-se a Páscoa. [Jesus] enviou então a Pedro e a João, dizendo: "Ide preparar-nos a Páscoa, para que a possamos comer" [...]. Partiram pois, [...] e prepararam a Páscoa. Ao chegar a hora, Jesus tomou lugar à mesa, e os Apóstolos com Ele. Disse-lhes então: "Tenho desejado ardentemente comer convosco esta Páscoa, antes de padecer. Pois vos digo que não voltarei a comê-la, até que ela se realize plenamente no Reino de Deus". [...] Depois, tomou o pão e, dando graças, partiu-o, deu-lho e disse-lhes: "Isto é o Meu corpo, que vai ser entregue por vós. Fazei isto em memória de Mim". No fim da ceia, fez o mesmo com o cálice e disse: "Este cálice é a Nova Aliança no meu sangue, que vai ser derramado por vós"» (Lc 22, 7-20).
  • 5. 6. Como chegou até nós? Desde o princípio, a Igreja foi fiel à ordem do Senhor. Da Igreja de Jerusalém está escrito: «Eram assíduos ao ensino dos Apóstolos, à união fraterna, à fração do pão e às orações. [...] Todos os dias frequentavam o templo, como se tivessem uma só alma, e partiam o pão em suas casas; tomavam o alimento com alegria e simplicidade de coração» (Act 2, 42.46). Era sobretudo «no primeiro dia da semana», isto é, no dia de domingo, dia da ressurreição de Jesus, que os cristãos se reuniam «para partir o pão» (Act 20, 7). Desde esses tempos até aos nossos dias, a celebração da Eucaristia perpetuou-se, de maneira que hoje a encontramos em toda a parte na Igreja com a mesma estrutura fundamental. Ela continua a ser o centro da vida da Igreja. 7. Como acreditamos que Cristo está presente? Se os cristãos celebram a Eucaristia desde as origens é porque sabem que estão ligados pela ordem do Senhor, dada na véspera da sua paixão: «Fazei isto em memória de Mim» (1 Cor 11, 24-25). Esta ordem do Senhor, cumprimo-la celebrando o memorial do seu sacrifício. E fazendo-o, oferecemos ao Pai o que Ele próprio nos deu: os dons da sua criação, o pão e o vinho, transformados, pelo poder do Espírito Santo e pelas palavras de Cristo, no corpo e no sangue do mesmo Cristo: assim Cristo torna-se real e misteriosamente presente. Temos, pois, de considerar a Eucaristia: – como ação de graças (agradecimento) e louvor ao Pai, – como memorial sacrificial de Cristo e do Seu corpo (na sua vida terrena e Cruz), – como presença de Cristo pelo poder da sua Palavra e do seu Espírito. A Eucaristia é um sacrifício de ação de graças ao Pai, uma bênção pela qual a Igreja exprime o seu reconhecimento a Deus por todos os seus benefícios, por tudo o que Ele fez mediante a criação, a redenção e a santificação. A Eucaristia é também o sacrifício de louvor, pelo qual a Igreja canta a glória de Deus em nome de toda a criação. Este sacrifício de louvor só é possível através de Cristo: Ele une os fiéis à sua pessoa, ao seu louvor e à sua intercessão, de maneira que o sacrifício de louvor ao Pai é oferecido por Cristo e com Cristo, para ser aceite em Cristo. O sacrifício de Cristo e o sacrifício da Eucaristia são um único sacrifício: «É uma só e mesma vítima e Aquele que agora Se oferece pelo ministério dos sacerdotes é o mesmo que outrora Se ofereceu a Si mesmo na cruz; só a maneira de oferecer é que é diferente».
  • 6. 8. A Igreja oferece Cristo e também a si mesma? A Eucaristia é igualmente o sacrifício da Igreja. A Igreja, que é o corpo de Cristo, participa na oblação da sua Cabeça. Com Ele, ela própria é oferecida integralmente. Ela une-se à sua intercessão junto do Pai em favor de todos os homens. Na Eucaristia, o sacrifício de Cristo torna-se também o sacrifício dos membros do seu corpo. A vida dos fiéis, o seu louvor, o seu sofrimento, a sua oração, o seu trabalho, unem-se aos de Cristo e à sua oblação (oferta) total, adquirindo assim um novo valor. O sacrifício de Cristo presente sobre o altar proporciona a todas as gerações de cristãos a possibilidade de se unirem à sua oblação. À oblação de Cristo unem-se não só os membros que estão ainda neste mundo, mas também os que já estão na glória do céu: é em comunhão com a santíssima Virgem Maria e fazendo memória d'Ela, assim como de todos os santos e de todas as santas, que a Igreja oferece o sacrifício eucarístico. Na Eucaristia, a Igreja, com Maria, está como que ao pé da cruz, unida à oblação e à intercessão de Cristo. 9. Porquê invocamos o nome de pessoas que já morreram? O sacrifício eucarístico é também oferecido pelos fiéis defuntos, «que morreram em Cristo e não estão ainda totalmente purificados», para que possam ser dignos de entrar na luz e na paz de Cristo, isto é, na vida eterna (paraíso). 10. Há outros lugares onde Cristo está presente? «Jesus Cristo, que morreu, que ressuscitou, que está à direita de Deus, que intercede por nós» (Rm 8, 34), está presente na sua Igreja de múltiplos modos: na sua Palavra, na oração da sua Igreja, «onde dois ou três estão reunidos em Meu nome» (Mt 18, 20), nos pobres, nos doentes, nos prisioneiros (Mt 25, 31- 46), nos seus sacramentos, dos quais é o autor, no sacrifício da missa e na pessoa do ministro. Mas está presente «sobretudo sob as espécies eucarísticas». 11. Porque adoramos Jesus escondido no sacrário? Na liturgia da Missa, nós exprimimos a nossa fé na presença real de Cristo sob as espécies do pão e do vinho, entre outras maneiras, ajoelhando ou inclinando- nos profundamente em sinal de adoração do Senhor. «A Igreja Católica sempre prestou e continua a prestar este culto de adoração que é devido ao sacramento da Eucaristia, não só durante a missa, mas também fora da sua celebração: conservando com o maior cuidado as hóstias consagradas, apresentando-as aos
  • 7. fiéis para que solenemente as venerem e adorem, e levando-as em procissão» como a do Corpo de Deus. A sagrada Reserva (sacrário ou tabernáculo) era, ao princípio, destinada a guardar, de maneira digna, a Eucaristia, para poder ser levada aos doentes e ausentes, fora da missa. Pelo aprofundamento da fé na presença real de Cristo na sua Eucaristia, a Igreja tomou consciência do sentido da adoração silenciosa do Senhor, presente sob as espécies eucarísticas, por isso que o sacrário deve ser colocado num lugar particularmente digno da igreja; deve ser construído de tal modo que sublinhe e manifeste a verdade da presença real de Cristo no Santíssimo Sacramento. É de suma conveniência que Cristo tenha querido ficar presente na sua Igreja deste modo único. Uma vez que estava para deixar os seus sob forma visível, Cristo quis dar-nos a sua presença sacramental; e visto que ia sofrer na cruz para nos salvar, quis que tivéssemos o memorial do amor com que nos amou «até ao fim» (Jo 13, 1), até ao dom da própria vida. Com efeito, na sua presença eucarística, Ele fica misteriosamente no meio de nós, como Aquele que nos amou e Se entregou por nós, e permanece sob os sinais que exprimem e comunicam este seu amor. «A presença do verdadeiro corpo e do verdadeiro sangue de Cristo neste sacramento, "não a apreendemos pelos sentidos [visão, tato, paladar, etc.], diz São Tomás, mas só pela fé, que se apoia na autoridade de Deus". É por isso que, comentando o texto de São Lucas 22, 19 "Isto é o Meu corpo que será entregue por vós", São Cirilo de Alexandria declara: "Não vás agora perguntar-te se isso é verdade; mas acolhe com fé as palavras do Senhor, porque Ele, que é a verdade, não mente"». 12. O que é a comunhão? A Missa é, ao mesmo tempo e inseparavelmente, o memorial sacrificial em que se perpetua o sacrifício da cruz e o banquete sagrado da comunhão do corpo e sangue do Senhor. Mas a celebração do sacrifício eucarístico está toda orientada para a união íntima dos fiéis com Cristo pela comunhão. Comungar é receber o próprio Cristo, que Se ofereceu por nós. O Senhor dirige-nos um convite insistente a que O recebamos no sacramento da Eucaristia: «Em verdade, em verdade vos digo: se não comerdes a carne do Filho do Homem e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós» (Jo 6, 53). Para responder a este convite, devemos preparar-nos para este momento tão grande e santo. São Paulo exorta a um exame de consciência: «Quem comer o pão ou beber do cálice do
  • 8. Senhor indignamente será réu do corpo e do sangue do Senhor» (1Cor 11, 27- 29). Aquele que tiver consciência dum pecado grave deve receber o sacramento da Reconciliação antes de se aproximar da Comunhão. Para se prepararem convenientemente para receber este sacramento, os fiéis devem observar o jejum prescrito na sua Igreja (pelo menos 1 hora antes de comungar e 15 minutos depois de receber o Senhor). A atitude corporal (gestos, roupas, comportamento, modo de falar) deve traduzir o respeito, a solenidade, a alegria deste momento em que Cristo Se torna nosso hóspede. A Igreja impõe aos fiéis a obrigação de «participar na divina liturgia nos domingos e dias de festa» e de receber a Eucaristia ao menos uma vez em cada ano, se possível no tempo pascal preparados pelo sacramento da Reconciliação. Mas recomenda-lhes vivamente que recebam a santa Eucaristia aos domingos e dias de festa, ou ainda mais vezes, mesmo todos os dias. Graças à presença sacramental de Cristo sob cada uma das espécies, a comunhão apenas sob a espécie de pão permite receber todo o fruto de graça da Eucaristia. A Comunhão aumenta a nossa união com Cristo. Receber a Eucaristia na comunhão traz consigo, como fruto principal, a união íntima com Cristo Jesus. De facto, o Senhor diz: «Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em Mim e Eu nele» (Jo 6, 56). A vida em Cristo tem o seu fundamento no banquete eucarístico: «Assim como o Pai, que vive, Me enviou, e Eu vivo pelo Pai, também o que Me come viverá por Mim» (Jo 6, 57). O corpo de Cristo que recebemos na Comunhão é «entregue por nós» e o sangue que nós bebemos é «derramado pela multidão [dos Homens], para remissão dos pecados». É por isso que a Eucaristia não pode unir-nos a Cristo sem nos purificar, ao mesmo tempo, dos pecados cometidos, e nos preservar dos pecados futuros. Quanto mais participarmos na vida de Cristo e progredirmos na sua amizade, mais difícil nos será romper com Ele pelo pecado mortal. A Eucaristia não está ordenada ao perdão dos pecados mortais. Isso é próprio do sacramento da Reconciliação. O que é próprio da Eucaristia é ser o sacramento daqueles que estão na plena comunhão da Igreja. A Eucaristia é também a antecipação da glória celeste pois, pela nossa comunhão no altar, somos cumulados da «plenitude das bênçãos e graças do céu». Na última ceia, o próprio Senhor chamou a atenção dos seus discípulos para a consumação da Páscoa no Reino de Deus: «Eu vos digo que não voltarei a beber deste fruto da videira, até o dia em que beberei convosco o vinho novo no Reino do meu Pai» (Mt 26, 29). Sempre que a Igreja celebra a Eucaristia, lembra-se desta promessa. © joaofreigil@hotmail.com | https://pt.slideshare.net/Joaofreigil | Diácono João Pereira - Diocese de Lamego