SlideShare uma empresa Scribd logo
A Montanha da Água LilásFábula para Todas as IdadesPepetelaVanda Teixeira, 17Vera Barbosa, 1812ºH
PepetelaPepetela nasceu em Benguela, Angola, em 1941.Licenciou-se em Sociologia, em Argel, durante o exílio.Foi guerrilheiro pelo MPLA, político e governante.Desde 1984 é professor na Universidade Agostinho Neto, em Luanda, e tem sido dirigente de associações culturais, com destaque para a União dos Escritores Angolanos e a Associação Cultural e Recreativa Chá de Caxinde.A atribuição do Prémio Camões (1997) confirmou o seu lugar de destaque na literatura lusófona.
Fábula	A fábula é um género narrativo que surgiu no Oriente, mas foi particularmente desenvolvido por um escravo chamado Esopo, que viveu no século 6º. a.C., na Grécia antiga. Esopo inventava histórias em que os animais eram os personagens. Por meio dos diálogos entre os bichos e das situações que os envolviam, ele procurava transmitir sabedoria de carácter moral ao homem. Assim, os animais, nas fábulas, tornam-se exemplos para o ser humano. Cada bicho simboliza algum aspecto ou qualidade do homem como, por exemplo, o leão representa a força; a raposa, a astúcia; a formiga, o trabalho. É uma narrativa inverosímil, com fundo didáctico.
O Livro
As personagens
Lupis	Os lupis são seres cor-de-laranja que se distinguem em três qualidades. Todos eles são “peludinhos” excepto na cara, com um nariz bem gordo, batatudo, e com orelhas e bochechas redondas. Idênticos aos humanos, os lupis tinham duas pernas e dois braços, andando de pé como eles. O nome tem origem no modo como eles comunicam, fazendo lupi-lupi-lupi (lupilarem) sempre que estão contentes ou muito zangados. São também seres muito curiosos.
CambutasA primeira qualidade dos lupis são os cambutas, sendo estes do tamanho de coelhos, e os mais ágeis e rápidos de todos.Estas qualidades permitiam aos cambutas subir facilmente às arvores para se alimentarem de frutas e recolhe-las para toda a comunidade, especialmente para os jacalupis.
Lupões	Os lupões são a segunda qualidade dos lupis, distinguindo-se dos cambutas pelo facto de serem maiores, “do tamanho de um chimpanzé pequeno” e mais gordos e redondos.	Apesar de também subirem às arvores, tinham mais dificuldades, devido ao seu tamanho.
Jacalupis	Mais tarde, apareceu uma nova qualidade entre os lupis. À medida que os lupizinhos foram crescendo, alguns deles tomavam proporções maiores do que os próprios lupões. Os jacalupis acabavam de nascer, tendo o seu nome origem no facto de ao invés de lupilarem, gritarem constantemente jac-jac-jac (jacarejarem).	Estes seres distinguem-se em muitos aspectos dos outros lupis, tinham por exemplo um apetite devorador e eram ainda mais redondos do que os lupões. Muito preguiçosos, nem conseguiam sequer aprender a subir às arvores, preferindo ficar o dia todo deitados a jacarejar, sendo incapazes de arranjarem comida para si próprios, deixando-se servir pelos outros.
Jacalupis	Apesar de todos os lupis serem dotados de grande inteligência, esta qualidade diferencia-se também por ter uma capacidade de raciocínio muito inferior aos outros, sendo a sua aptidão de aprendizagem quase inexistente, tendo fraca memória. 	Os jacalupis tinham um carácter muito difícil, pois eram muito agressivos, rudes e malcriados.
Lupi-professoraLupi-kimbanbaTinha dois filhos cambutinhas e um jacalupi, sofrendo muito por estes se darem mal.Cautelosa, solidária, sensata, fiel.Muito sábio em termos de raízes e ervas, para tratar as doenças.
Lupi-sábioO mais inteligente e experiente dos lupis.Gostava muito de estudar e inventar coisas no laboratório, pois as experiências eram as coisas mais importantes para ele, logo não gosta de desperdiçar tempo com coisas inúteis quando pode aproveitar aquilo que já tem.Lupi-cobaiaDevido a um desgosto amoroso, perdeu o gosto pela vida e passou a oferecer-se para todas as experiencias dos sábios, não por procurar a morte, mas por ser generoso e querer ajudar os outros, arriscando nas experiencias e encontrando no risco um gosto e felicidade.
Lupi-pensadorLupi-poetaÉ justo e a favor da igualdade entre todos.  Sensato como é, gosta de ponderar tudo antes de tomar um partido. Não é influenciável, pensando sempre por ele próprio.É orgulhoso, mas tem um bom coração, o que faz dele um lupi altruísta.É um ser muito irritável, quando os resultados não lhe agradam.Gosta muito do luar e inspira-se na paisagem e beleza da natureza.Tem uma intuição apurada, e precisa de sossego para se concentrarSão fiéis aos seus ideais
Lupi-comercianteLupi-contabilistaTem muito sentido prático e não gosta de desperdiçar nada, o que faz dele um génio para os negócios.É muito orgulhoso, autoritário, interesseiro, egoísta, tornando-se manhoso e prudente.Era o mais forte dos lupis em contas de cabeça.Era uma espécie de adjunto do lupi-comerciante, sendo muito influenciado por ele.
Lupi-diplomataÉ bom a argumentar, nunca dá uma opinião precisa e é muito hábil perante discussões difíceis.Perante um fracasso fica triste e envergonhado, pois é raro falhar uma negociação, tendo a necessidade de arranjar desculpas para esse fracasso.Pondera sempre tudo antes de tomar alguma decisão, gostando de civilização e boas maneiras.Lupi-advogadoÉ um bom argumentador e bom orador.Justo e gosta de regras.Sempre que quer iniciar um discurso puxa o braço para trás das costas e levanta a cabeça.
Lupi-armazenistaJacalupi-capitãoTem a mania de guardar sempre comida numa gruta só conhecida dele, onde está tudo muito bem organizadoÉ agressivo e impaciente, e gosta de ameaçar toda a gente.Tem a mania das altezas e acha-se superior aos outros por ser o mais inteligente entre os jacalupis. É também muito vaidoso e materialista.É influenciável e gosta de comer.
Os animaisOs animais que viviam naplanicie têm um papelrelevante para odesenvolvimento dahistória, pois representamas diferentes sociedades eculturas, tipicamenteimperfeitas e consumistas,levando a desordem àharmonia dos lupis.
Os animaisOs leões e as onças, porexemplo, inimigos desdesempre, são rivais, eambos querem-seapoderar da montanha eda água lilás dos lupis (obem material deles). Assimpodemos comparar essesanimais aos colonozadoresde diversos países, quedisputam o territórioafricano e as suas riquezasentre si.
Simbologia
Introdução   Pepetela oferece-nos uma deliciosa metáfora social ao dotar o texto de uma sonoridade e de um ritmo tropical que lhe conferem um estilo com um encanto singular.Mais ainda, o livro está povoado de lindíssimas ilustrações que contém em si o essencial de cada capítulo ajudando o leitor a decifrar a estória e a visualizar os lupis, lupões e jacalupis.http://hasempreumlivro.blogspot.com/2006/03/montanha-da-gua-lils-de-pepetela-dom.html
CambutasEm termos gerais podemos associar os cambutas à população africana, explorada pelos colonizadores estrangeiros, que se achavam mais fortes e superiores.A maioria dos africanos sujeitava-se às ordens dos ‘brancos’, pois não tinham coragem e força suficiente para enfrentá-los. Os cambutas simbolizam principalmente a ingenuidade e fragilidade emocional dos explorados, não só dos africanos na altura das colonizações, mas também dos operários de hoje.
LupõesOs Lupões surgem nesta obra como os representantes dos Africanos mais poderosos, inteligentes e manhosos, que se aproveitavam das oportunidades que surgiam para tirar os seus prórpios lucros. 	Exemplificado pelo Comerciante, o Advogado ou o diplomata, os Lupões tinham habilidades suficientes para conseguirem atingir os seus objectivos.
JacalupisOs colonizadores vindos da Europa, os brancos, que iam para África explorar a terra e os seus habitantes, são encarnados pelos jacalupis.Estes, com a mania das grandezas, exploravam os africanos mais pobres, aproveitando-se do trabalho deles pela força, pois sabiam que estes eram ingénuos. Basicamente os jacalupis representam os parasitas da sociedade, e simbolizam o sucesso e a vitória dos medíocres, que deixam os outros trabalhar para alimentarem os seus próprios vícios.
O Narrador
ParticipaçãoFocalizaçãoHeterodiegético: o narrador não é uma personagem da história.Focalização omnisciente: colocado numa posição de transcendência, o narrador mostra a conhecer toda a história.
Conclusão“Considero a obra algo muito inteligente, não só pela sua crítica à sociedade, mas pela forma como é feita, através de uma fábula, como se também os adultos fossem eles algo crianças em relação a este assunto que precisassem de que lhes explicassem como se fossem tal, porque na verdade, toda a vida aprendemos. Neste caso dá-se o efeito de ainda haverem lições a aprender, especialmente sobre algo para o qual as pessoas aceitam pacificamente. Tem igualmente efeito este distanciamento, não utilizando pessoas mas animais, o que leva também de certo modo às pessoas reflectirem através da identificação com estes “estranhos” animais. Não seremos nós “estranhos” animais?”http://pergaminhos.blogspot.com/2007/02/montanha-de-gua-lils-comentrio-da-obra.html
Trabalho realizado por...Vanda Teixeira, Nº17Vera Barbosa, Nº 18

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
FJDOliveira
 
conto tradicional-popular
 conto tradicional-popular conto tradicional-popular
conto tradicional-popular
sesal
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
Margarida Tomaz
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
Cláudia Cardoso
 
13407362-As-palavras-Eugenio-de-Andrade.docx
13407362-As-palavras-Eugenio-de-Andrade.docx13407362-As-palavras-Eugenio-de-Andrade.docx
13407362-As-palavras-Eugenio-de-Andrade.docx
silviaelisabete
 
A debil cesario verde
A debil cesario verdeA debil cesario verde
A debil cesario verde
Diogo Oliveira
 
«Mestre Finezas» de Manuel da Fonseca
«Mestre Finezas» de Manuel da Fonseca «Mestre Finezas» de Manuel da Fonseca
«Mestre Finezas» de Manuel da Fonseca
Ana Silva
 
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
lurdesmartins
 
Resumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasResumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os Lusíadas
Raffaella Ergün
 
Quincas Borba
Quincas BorbaQuincas Borba
Quincas Borba
Cláudia Heloísa
 
O gato malhado e a andorinha sinhá ana maria e olivia- 8ºe
O gato malhado e a andorinha sinhá   ana maria e olivia- 8ºeO gato malhado e a andorinha sinhá   ana maria e olivia- 8ºe
O gato malhado e a andorinha sinhá ana maria e olivia- 8ºe
Biblioteca Escolar Secundária Amarante
 
Seminário fanfic
Seminário   fanficSeminário   fanfic
Seminário fanfic
Felipe Sant'anna
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
Bárbara Minhoto
 
Cesario verde
Cesario verdeCesario verde
Cesario verde
cnlx
 
Alvaro de campos
Alvaro de camposAlvaro de campos
Alvaro de campos
ALYNNE FERREIRA
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
becastanheiradepera
 
Livro mia couto
Livro mia coutoLivro mia couto
Livro mia couto
Miriam Menezes
 
Analise no dia em que eu nasci moura e pereca
Analise no dia em que eu nasci moura e perecaAnalise no dia em que eu nasci moura e pereca
Analise no dia em que eu nasci moura e pereca
cnlx
 
Temáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verdeTemáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verde
MariaVerde1995
 
Textos de opinião
Textos de opiniãoTextos de opinião
Textos de opinião
becastanheiradepera
 

Mais procurados (20)

Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
conto tradicional-popular
 conto tradicional-popular conto tradicional-popular
conto tradicional-popular
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 
Texto de opinião
Texto de opiniãoTexto de opinião
Texto de opinião
 
13407362-As-palavras-Eugenio-de-Andrade.docx
13407362-As-palavras-Eugenio-de-Andrade.docx13407362-As-palavras-Eugenio-de-Andrade.docx
13407362-As-palavras-Eugenio-de-Andrade.docx
 
A debil cesario verde
A debil cesario verdeA debil cesario verde
A debil cesario verde
 
«Mestre Finezas» de Manuel da Fonseca
«Mestre Finezas» de Manuel da Fonseca «Mestre Finezas» de Manuel da Fonseca
«Mestre Finezas» de Manuel da Fonseca
 
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
Os Lusíadas - epopeia e estrutura (revisões)
 
Resumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os LusíadasResumos de Português: Os Lusíadas
Resumos de Português: Os Lusíadas
 
Quincas Borba
Quincas BorbaQuincas Borba
Quincas Borba
 
O gato malhado e a andorinha sinhá ana maria e olivia- 8ºe
O gato malhado e a andorinha sinhá   ana maria e olivia- 8ºeO gato malhado e a andorinha sinhá   ana maria e olivia- 8ºe
O gato malhado e a andorinha sinhá ana maria e olivia- 8ºe
 
Seminário fanfic
Seminário   fanficSeminário   fanfic
Seminário fanfic
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Cesario verde
Cesario verdeCesario verde
Cesario verde
 
Alvaro de campos
Alvaro de camposAlvaro de campos
Alvaro de campos
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Livro mia couto
Livro mia coutoLivro mia couto
Livro mia couto
 
Analise no dia em que eu nasci moura e pereca
Analise no dia em que eu nasci moura e perecaAnalise no dia em que eu nasci moura e pereca
Analise no dia em que eu nasci moura e pereca
 
Temáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verdeTemáticas de Cesário verde
Temáticas de Cesário verde
 
Textos de opinião
Textos de opiniãoTextos de opinião
Textos de opinião
 

Destaque

Presentación pepetela
Presentación pepetelaPresentación pepetela
Presentación pepetela
Alexander Komodoroski
 
Cláudia nº10 8ºc
Cláudia  nº10 8ºcCláudia  nº10 8ºc
Cláudia nº10 8ºc
missxica
 
Leis de Newton
Leis de NewtonLeis de Newton
Leis de Newton
Tiago Oliveira
 
Quélia II
Quélia IIQuélia II
Quélia II
Carla Luís
 
Pepetela
PepetelaPepetela
Pepetela
Filipe Rocha
 
Análise da estrutura e conteúdo dos poemas
Análise da estrutura e conteúdo dos poemasAnálise da estrutura e conteúdo dos poemas
Análise da estrutura e conteúdo dos poemas
Péricles Penuel
 
Estratificação e hierarquia social 3 I
Estratificação e hierarquia social 3 IEstratificação e hierarquia social 3 I
Estratificação e hierarquia social 3 I
edsonfgodoy
 
Slide Livro
Slide LivroSlide Livro
Slide Livro
Wladimir Crippa
 
Robinson crusoé livro
Robinson crusoé   livroRobinson crusoé   livro
Robinson crusoé livro
margaridamarques777
 
Projeto leitura 10ºano
Projeto leitura 10ºanoProjeto leitura 10ºano
Projeto leitura 10ºano
BibliotecaESDS
 
Guião apresentação oral de livro
Guião apresentação oral de livroGuião apresentação oral de livro
Guião apresentação oral de livro
Biblioteca Escolar Sobreira
 
O homem do pais azul
O homem do pais azulO homem do pais azul
O homem do pais azul
12anogolega
 
Livros infantis
Livros infantisLivros infantis
Livros infantis
alguresraquel
 

Destaque (13)

Presentación pepetela
Presentación pepetelaPresentación pepetela
Presentación pepetela
 
Cláudia nº10 8ºc
Cláudia  nº10 8ºcCláudia  nº10 8ºc
Cláudia nº10 8ºc
 
Leis de Newton
Leis de NewtonLeis de Newton
Leis de Newton
 
Quélia II
Quélia IIQuélia II
Quélia II
 
Pepetela
PepetelaPepetela
Pepetela
 
Análise da estrutura e conteúdo dos poemas
Análise da estrutura e conteúdo dos poemasAnálise da estrutura e conteúdo dos poemas
Análise da estrutura e conteúdo dos poemas
 
Estratificação e hierarquia social 3 I
Estratificação e hierarquia social 3 IEstratificação e hierarquia social 3 I
Estratificação e hierarquia social 3 I
 
Slide Livro
Slide LivroSlide Livro
Slide Livro
 
Robinson crusoé livro
Robinson crusoé   livroRobinson crusoé   livro
Robinson crusoé livro
 
Projeto leitura 10ºano
Projeto leitura 10ºanoProjeto leitura 10ºano
Projeto leitura 10ºano
 
Guião apresentação oral de livro
Guião apresentação oral de livroGuião apresentação oral de livro
Guião apresentação oral de livro
 
O homem do pais azul
O homem do pais azulO homem do pais azul
O homem do pais azul
 
Livros infantis
Livros infantisLivros infantis
Livros infantis
 

Semelhante a A Montanha Da áGua LiláS, Pepetela (2)

Fábulas
FábulasFábulas
Resenha Árica
Resenha ÁricaResenha Árica
Resenha Árica
africanidades
 
Fábulas apologos
Fábulas apologosFábulas apologos
Fábulas apologos
Julio ricardo Silveira
 
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.AlbertTrabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
Doug Petrova
 
Cláudia nº10 8ºc
Cláudia  nº10 8ºcCláudia  nº10 8ºc
Cláudia nº10 8ºc
missxica
 
Texto jennifer
Texto jenniferTexto jennifer
Texto jennifer
izoldaferreira
 
1 ano camisetas.pptx
1 ano camisetas.pptx1 ano camisetas.pptx
1 ano camisetas.pptx
DANIELMARTINSNOMOTO
 
Elogio da Bobagem - Palhaços no Brasil e no Mundo
Elogio da Bobagem - Palhaços no Brasil e no MundoElogio da Bobagem - Palhaços no Brasil e no Mundo
Elogio da Bobagem - Palhaços no Brasil e no Mundo
Renata Zonatto
 
Material para imprimir - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E L...
Material para imprimir - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E L...Material para imprimir - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E L...
Material para imprimir - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E L...
weleslima
 
002 O Homem Animal.pptx
002 O Homem Animal.pptx002 O Homem Animal.pptx
002 O Homem Animal.pptx
Milena Leite
 
Construindo fábulas
Construindo fábulasConstruindo fábulas
Construindo fábulas
Lucia Meneguetti
 
Contos da Mata dos Medos
Contos da Mata dos MedosContos da Mata dos Medos
Apresentação Fábulas - Pedagogia
Apresentação Fábulas - PedagogiaApresentação Fábulas - Pedagogia
Apresentação Fábulas - Pedagogia
paulacod_pedagogia
 
Atividade sobre fabulas ok
Atividade sobre fabulas okAtividade sobre fabulas ok
Atividade sobre fabulas ok
Walkiria Zanuncio
 
Fábula - Texto Narrativo.pdf
Fábula - Texto Narrativo.pdfFábula - Texto Narrativo.pdf
Fábula - Texto Narrativo.pdf
Igor71257
 
Folclore
FolcloreFolclore
Folclore
julialp
 
Ideias de jeca tatu – monteiro lobato
Ideias de jeca tatu – monteiro lobatoIdeias de jeca tatu – monteiro lobato
Ideias de jeca tatu – monteiro lobato
Henrikael Walisson
 
Biblioteca boletim nº 8
Biblioteca   boletim nº 8Biblioteca   boletim nº 8
Biblioteca boletim nº 8
bibdjosei2006
 
Leitura e interpretacao_de_textos
Leitura e interpretacao_de_textosLeitura e interpretacao_de_textos
Leitura e interpretacao_de_textos
Marcos Ataide
 
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
Sonia Ramos
 

Semelhante a A Montanha Da áGua LiláS, Pepetela (2) (20)

Fábulas
FábulasFábulas
Fábulas
 
Resenha Árica
Resenha ÁricaResenha Árica
Resenha Árica
 
Fábulas apologos
Fábulas apologosFábulas apologos
Fábulas apologos
 
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.AlbertTrabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
Trabalho de didática - Fábulas by Doug.Albert
 
Cláudia nº10 8ºc
Cláudia  nº10 8ºcCláudia  nº10 8ºc
Cláudia nº10 8ºc
 
Texto jennifer
Texto jenniferTexto jennifer
Texto jennifer
 
1 ano camisetas.pptx
1 ano camisetas.pptx1 ano camisetas.pptx
1 ano camisetas.pptx
 
Elogio da Bobagem - Palhaços no Brasil e no Mundo
Elogio da Bobagem - Palhaços no Brasil e no MundoElogio da Bobagem - Palhaços no Brasil e no Mundo
Elogio da Bobagem - Palhaços no Brasil e no Mundo
 
Material para imprimir - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E L...
Material para imprimir - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E L...Material para imprimir - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E L...
Material para imprimir - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E L...
 
002 O Homem Animal.pptx
002 O Homem Animal.pptx002 O Homem Animal.pptx
002 O Homem Animal.pptx
 
Construindo fábulas
Construindo fábulasConstruindo fábulas
Construindo fábulas
 
Contos da Mata dos Medos
Contos da Mata dos MedosContos da Mata dos Medos
Contos da Mata dos Medos
 
Apresentação Fábulas - Pedagogia
Apresentação Fábulas - PedagogiaApresentação Fábulas - Pedagogia
Apresentação Fábulas - Pedagogia
 
Atividade sobre fabulas ok
Atividade sobre fabulas okAtividade sobre fabulas ok
Atividade sobre fabulas ok
 
Fábula - Texto Narrativo.pdf
Fábula - Texto Narrativo.pdfFábula - Texto Narrativo.pdf
Fábula - Texto Narrativo.pdf
 
Folclore
FolcloreFolclore
Folclore
 
Ideias de jeca tatu – monteiro lobato
Ideias de jeca tatu – monteiro lobatoIdeias de jeca tatu – monteiro lobato
Ideias de jeca tatu – monteiro lobato
 
Biblioteca boletim nº 8
Biblioteca   boletim nº 8Biblioteca   boletim nº 8
Biblioteca boletim nº 8
 
Leitura e interpretacao_de_textos
Leitura e interpretacao_de_textosLeitura e interpretacao_de_textos
Leitura e interpretacao_de_textos
 
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
Leituraeinterpretacaodetextos 140507190836-phpapp02
 

Mais de catiasgs

Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De AndradeAmor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
catiasgs
 
Consolo Na Praia, Carlos Drummond De Andrade
Consolo Na Praia, Carlos Drummond De AndradeConsolo Na Praia, Carlos Drummond De Andrade
Consolo Na Praia, Carlos Drummond De Andrade
catiasgs
 
O Padre E A MoçA, Carlos Drummond De Andrade
O Padre E A MoçA, Carlos Drummond De AndradeO Padre E A MoçA, Carlos Drummond De Andrade
O Padre E A MoçA, Carlos Drummond De Andrade
catiasgs
 
Quando Te Propus, HéLder ProençA
Quando Te Propus, HéLder ProençAQuando Te Propus, HéLder ProençA
Quando Te Propus, HéLder ProençA
catiasgs
 
Nas Noites De N’Djimpol, HéLder ProençA
Nas Noites De N’Djimpol, HéLder ProençANas Noites De N’Djimpol, HéLder ProençA
Nas Noites De N’Djimpol, HéLder ProençA
catiasgs
 
Canto A Sundiata, HéLder ProençA
Canto A Sundiata, HéLder ProençACanto A Sundiata, HéLder ProençA
Canto A Sundiata, HéLder ProençA
catiasgs
 
Mar Me Quer Resumo E Personagens
Mar Me Quer   Resumo E PersonagensMar Me Quer   Resumo E Personagens
Mar Me Quer Resumo E Personagens
catiasgs
 
Mar Me Quer, Mia Couto
Mar Me Quer, Mia CoutoMar Me Quer, Mia Couto
Mar Me Quer, Mia Couto
catiasgs
 
Vavó Xixi, Luandino Vieira
Vavó Xixi, Luandino VieiraVavó Xixi, Luandino Vieira
Vavó Xixi, Luandino Vieira
catiasgs
 
EstóRia Do LadrãO E Do Papagaio, Luandino Vieira
EstóRia Do LadrãO E Do Papagaio, Luandino VieiraEstóRia Do LadrãO E Do Papagaio, Luandino Vieira
EstóRia Do LadrãO E Do Papagaio, Luandino Vieira
catiasgs
 
EstóRia Da Galinha E Do Ovo, Luandino Vieira
EstóRia Da Galinha E Do Ovo, Luandino VieiraEstóRia Da Galinha E Do Ovo, Luandino Vieira
EstóRia Da Galinha E Do Ovo, Luandino Vieira
catiasgs
 
Quero Ser Tambor, José Craveirinha
Quero Ser Tambor, José CraveirinhaQuero Ser Tambor, José Craveirinha
Quero Ser Tambor, José Craveirinha
catiasgs
 
As Saborosas Tanjarinas De Inhambane
As Saborosas Tanjarinas De InhambaneAs Saborosas Tanjarinas De Inhambane
As Saborosas Tanjarinas De Inhambane
catiasgs
 
Ocorre Me Agora, Eduardo White
Ocorre Me Agora, Eduardo WhiteOcorre Me Agora, Eduardo White
Ocorre Me Agora, Eduardo White
catiasgs
 
O Que Voces Nao Sabem Nem Imaginam, Eduardo White
O Que Voces Nao Sabem Nem Imaginam, Eduardo WhiteO Que Voces Nao Sabem Nem Imaginam, Eduardo White
O Que Voces Nao Sabem Nem Imaginam, Eduardo White
catiasgs
 
A Palavra Renova Se No Poema, Eduardo White
A Palavra Renova Se No Poema, Eduardo WhiteA Palavra Renova Se No Poema, Eduardo White
A Palavra Renova Se No Poema, Eduardo White
catiasgs
 
Regresso, Alda Lara
Regresso, Alda LaraRegresso, Alda Lara
Regresso, Alda Lara
catiasgs
 
PrelúDio, Alda Lara
PrelúDio, Alda LaraPrelúDio, Alda Lara
PrelúDio, Alda Lara
catiasgs
 
De Longe; Noites Africanas Langorosas, Alda Lara
De Longe; Noites Africanas Langorosas, Alda LaraDe Longe; Noites Africanas Langorosas, Alda Lara
De Longe; Noites Africanas Langorosas, Alda Lara
catiasgs
 

Mais de catiasgs (19)

Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De AndradeAmor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
Amor, Pois Que é Palavra Essencial; Carlos Drummond De Andrade
 
Consolo Na Praia, Carlos Drummond De Andrade
Consolo Na Praia, Carlos Drummond De AndradeConsolo Na Praia, Carlos Drummond De Andrade
Consolo Na Praia, Carlos Drummond De Andrade
 
O Padre E A MoçA, Carlos Drummond De Andrade
O Padre E A MoçA, Carlos Drummond De AndradeO Padre E A MoçA, Carlos Drummond De Andrade
O Padre E A MoçA, Carlos Drummond De Andrade
 
Quando Te Propus, HéLder ProençA
Quando Te Propus, HéLder ProençAQuando Te Propus, HéLder ProençA
Quando Te Propus, HéLder ProençA
 
Nas Noites De N’Djimpol, HéLder ProençA
Nas Noites De N’Djimpol, HéLder ProençANas Noites De N’Djimpol, HéLder ProençA
Nas Noites De N’Djimpol, HéLder ProençA
 
Canto A Sundiata, HéLder ProençA
Canto A Sundiata, HéLder ProençACanto A Sundiata, HéLder ProençA
Canto A Sundiata, HéLder ProençA
 
Mar Me Quer Resumo E Personagens
Mar Me Quer   Resumo E PersonagensMar Me Quer   Resumo E Personagens
Mar Me Quer Resumo E Personagens
 
Mar Me Quer, Mia Couto
Mar Me Quer, Mia CoutoMar Me Quer, Mia Couto
Mar Me Quer, Mia Couto
 
Vavó Xixi, Luandino Vieira
Vavó Xixi, Luandino VieiraVavó Xixi, Luandino Vieira
Vavó Xixi, Luandino Vieira
 
EstóRia Do LadrãO E Do Papagaio, Luandino Vieira
EstóRia Do LadrãO E Do Papagaio, Luandino VieiraEstóRia Do LadrãO E Do Papagaio, Luandino Vieira
EstóRia Do LadrãO E Do Papagaio, Luandino Vieira
 
EstóRia Da Galinha E Do Ovo, Luandino Vieira
EstóRia Da Galinha E Do Ovo, Luandino VieiraEstóRia Da Galinha E Do Ovo, Luandino Vieira
EstóRia Da Galinha E Do Ovo, Luandino Vieira
 
Quero Ser Tambor, José Craveirinha
Quero Ser Tambor, José CraveirinhaQuero Ser Tambor, José Craveirinha
Quero Ser Tambor, José Craveirinha
 
As Saborosas Tanjarinas De Inhambane
As Saborosas Tanjarinas De InhambaneAs Saborosas Tanjarinas De Inhambane
As Saborosas Tanjarinas De Inhambane
 
Ocorre Me Agora, Eduardo White
Ocorre Me Agora, Eduardo WhiteOcorre Me Agora, Eduardo White
Ocorre Me Agora, Eduardo White
 
O Que Voces Nao Sabem Nem Imaginam, Eduardo White
O Que Voces Nao Sabem Nem Imaginam, Eduardo WhiteO Que Voces Nao Sabem Nem Imaginam, Eduardo White
O Que Voces Nao Sabem Nem Imaginam, Eduardo White
 
A Palavra Renova Se No Poema, Eduardo White
A Palavra Renova Se No Poema, Eduardo WhiteA Palavra Renova Se No Poema, Eduardo White
A Palavra Renova Se No Poema, Eduardo White
 
Regresso, Alda Lara
Regresso, Alda LaraRegresso, Alda Lara
Regresso, Alda Lara
 
PrelúDio, Alda Lara
PrelúDio, Alda LaraPrelúDio, Alda Lara
PrelúDio, Alda Lara
 
De Longe; Noites Africanas Langorosas, Alda Lara
De Longe; Noites Africanas Langorosas, Alda LaraDe Longe; Noites Africanas Langorosas, Alda Lara
De Longe; Noites Africanas Langorosas, Alda Lara
 

A Montanha Da áGua LiláS, Pepetela (2)

  • 1. A Montanha da Água LilásFábula para Todas as IdadesPepetelaVanda Teixeira, 17Vera Barbosa, 1812ºH
  • 2. PepetelaPepetela nasceu em Benguela, Angola, em 1941.Licenciou-se em Sociologia, em Argel, durante o exílio.Foi guerrilheiro pelo MPLA, político e governante.Desde 1984 é professor na Universidade Agostinho Neto, em Luanda, e tem sido dirigente de associações culturais, com destaque para a União dos Escritores Angolanos e a Associação Cultural e Recreativa Chá de Caxinde.A atribuição do Prémio Camões (1997) confirmou o seu lugar de destaque na literatura lusófona.
  • 3. Fábula A fábula é um género narrativo que surgiu no Oriente, mas foi particularmente desenvolvido por um escravo chamado Esopo, que viveu no século 6º. a.C., na Grécia antiga. Esopo inventava histórias em que os animais eram os personagens. Por meio dos diálogos entre os bichos e das situações que os envolviam, ele procurava transmitir sabedoria de carácter moral ao homem. Assim, os animais, nas fábulas, tornam-se exemplos para o ser humano. Cada bicho simboliza algum aspecto ou qualidade do homem como, por exemplo, o leão representa a força; a raposa, a astúcia; a formiga, o trabalho. É uma narrativa inverosímil, com fundo didáctico.
  • 6. Lupis Os lupis são seres cor-de-laranja que se distinguem em três qualidades. Todos eles são “peludinhos” excepto na cara, com um nariz bem gordo, batatudo, e com orelhas e bochechas redondas. Idênticos aos humanos, os lupis tinham duas pernas e dois braços, andando de pé como eles. O nome tem origem no modo como eles comunicam, fazendo lupi-lupi-lupi (lupilarem) sempre que estão contentes ou muito zangados. São também seres muito curiosos.
  • 7. CambutasA primeira qualidade dos lupis são os cambutas, sendo estes do tamanho de coelhos, e os mais ágeis e rápidos de todos.Estas qualidades permitiam aos cambutas subir facilmente às arvores para se alimentarem de frutas e recolhe-las para toda a comunidade, especialmente para os jacalupis.
  • 8. Lupões Os lupões são a segunda qualidade dos lupis, distinguindo-se dos cambutas pelo facto de serem maiores, “do tamanho de um chimpanzé pequeno” e mais gordos e redondos. Apesar de também subirem às arvores, tinham mais dificuldades, devido ao seu tamanho.
  • 9. Jacalupis Mais tarde, apareceu uma nova qualidade entre os lupis. À medida que os lupizinhos foram crescendo, alguns deles tomavam proporções maiores do que os próprios lupões. Os jacalupis acabavam de nascer, tendo o seu nome origem no facto de ao invés de lupilarem, gritarem constantemente jac-jac-jac (jacarejarem). Estes seres distinguem-se em muitos aspectos dos outros lupis, tinham por exemplo um apetite devorador e eram ainda mais redondos do que os lupões. Muito preguiçosos, nem conseguiam sequer aprender a subir às arvores, preferindo ficar o dia todo deitados a jacarejar, sendo incapazes de arranjarem comida para si próprios, deixando-se servir pelos outros.
  • 10. Jacalupis Apesar de todos os lupis serem dotados de grande inteligência, esta qualidade diferencia-se também por ter uma capacidade de raciocínio muito inferior aos outros, sendo a sua aptidão de aprendizagem quase inexistente, tendo fraca memória. Os jacalupis tinham um carácter muito difícil, pois eram muito agressivos, rudes e malcriados.
  • 11. Lupi-professoraLupi-kimbanbaTinha dois filhos cambutinhas e um jacalupi, sofrendo muito por estes se darem mal.Cautelosa, solidária, sensata, fiel.Muito sábio em termos de raízes e ervas, para tratar as doenças.
  • 12. Lupi-sábioO mais inteligente e experiente dos lupis.Gostava muito de estudar e inventar coisas no laboratório, pois as experiências eram as coisas mais importantes para ele, logo não gosta de desperdiçar tempo com coisas inúteis quando pode aproveitar aquilo que já tem.Lupi-cobaiaDevido a um desgosto amoroso, perdeu o gosto pela vida e passou a oferecer-se para todas as experiencias dos sábios, não por procurar a morte, mas por ser generoso e querer ajudar os outros, arriscando nas experiencias e encontrando no risco um gosto e felicidade.
  • 13. Lupi-pensadorLupi-poetaÉ justo e a favor da igualdade entre todos. Sensato como é, gosta de ponderar tudo antes de tomar um partido. Não é influenciável, pensando sempre por ele próprio.É orgulhoso, mas tem um bom coração, o que faz dele um lupi altruísta.É um ser muito irritável, quando os resultados não lhe agradam.Gosta muito do luar e inspira-se na paisagem e beleza da natureza.Tem uma intuição apurada, e precisa de sossego para se concentrarSão fiéis aos seus ideais
  • 14. Lupi-comercianteLupi-contabilistaTem muito sentido prático e não gosta de desperdiçar nada, o que faz dele um génio para os negócios.É muito orgulhoso, autoritário, interesseiro, egoísta, tornando-se manhoso e prudente.Era o mais forte dos lupis em contas de cabeça.Era uma espécie de adjunto do lupi-comerciante, sendo muito influenciado por ele.
  • 15. Lupi-diplomataÉ bom a argumentar, nunca dá uma opinião precisa e é muito hábil perante discussões difíceis.Perante um fracasso fica triste e envergonhado, pois é raro falhar uma negociação, tendo a necessidade de arranjar desculpas para esse fracasso.Pondera sempre tudo antes de tomar alguma decisão, gostando de civilização e boas maneiras.Lupi-advogadoÉ um bom argumentador e bom orador.Justo e gosta de regras.Sempre que quer iniciar um discurso puxa o braço para trás das costas e levanta a cabeça.
  • 16. Lupi-armazenistaJacalupi-capitãoTem a mania de guardar sempre comida numa gruta só conhecida dele, onde está tudo muito bem organizadoÉ agressivo e impaciente, e gosta de ameaçar toda a gente.Tem a mania das altezas e acha-se superior aos outros por ser o mais inteligente entre os jacalupis. É também muito vaidoso e materialista.É influenciável e gosta de comer.
  • 17. Os animaisOs animais que viviam naplanicie têm um papelrelevante para odesenvolvimento dahistória, pois representamas diferentes sociedades eculturas, tipicamenteimperfeitas e consumistas,levando a desordem àharmonia dos lupis.
  • 18. Os animaisOs leões e as onças, porexemplo, inimigos desdesempre, são rivais, eambos querem-seapoderar da montanha eda água lilás dos lupis (obem material deles). Assimpodemos comparar essesanimais aos colonozadoresde diversos países, quedisputam o territórioafricano e as suas riquezasentre si.
  • 20. Introdução Pepetela oferece-nos uma deliciosa metáfora social ao dotar o texto de uma sonoridade e de um ritmo tropical que lhe conferem um estilo com um encanto singular.Mais ainda, o livro está povoado de lindíssimas ilustrações que contém em si o essencial de cada capítulo ajudando o leitor a decifrar a estória e a visualizar os lupis, lupões e jacalupis.http://hasempreumlivro.blogspot.com/2006/03/montanha-da-gua-lils-de-pepetela-dom.html
  • 21. CambutasEm termos gerais podemos associar os cambutas à população africana, explorada pelos colonizadores estrangeiros, que se achavam mais fortes e superiores.A maioria dos africanos sujeitava-se às ordens dos ‘brancos’, pois não tinham coragem e força suficiente para enfrentá-los. Os cambutas simbolizam principalmente a ingenuidade e fragilidade emocional dos explorados, não só dos africanos na altura das colonizações, mas também dos operários de hoje.
  • 22. LupõesOs Lupões surgem nesta obra como os representantes dos Africanos mais poderosos, inteligentes e manhosos, que se aproveitavam das oportunidades que surgiam para tirar os seus prórpios lucros. Exemplificado pelo Comerciante, o Advogado ou o diplomata, os Lupões tinham habilidades suficientes para conseguirem atingir os seus objectivos.
  • 23. JacalupisOs colonizadores vindos da Europa, os brancos, que iam para África explorar a terra e os seus habitantes, são encarnados pelos jacalupis.Estes, com a mania das grandezas, exploravam os africanos mais pobres, aproveitando-se do trabalho deles pela força, pois sabiam que estes eram ingénuos. Basicamente os jacalupis representam os parasitas da sociedade, e simbolizam o sucesso e a vitória dos medíocres, que deixam os outros trabalhar para alimentarem os seus próprios vícios.
  • 25. ParticipaçãoFocalizaçãoHeterodiegético: o narrador não é uma personagem da história.Focalização omnisciente: colocado numa posição de transcendência, o narrador mostra a conhecer toda a história.
  • 26. Conclusão“Considero a obra algo muito inteligente, não só pela sua crítica à sociedade, mas pela forma como é feita, através de uma fábula, como se também os adultos fossem eles algo crianças em relação a este assunto que precisassem de que lhes explicassem como se fossem tal, porque na verdade, toda a vida aprendemos. Neste caso dá-se o efeito de ainda haverem lições a aprender, especialmente sobre algo para o qual as pessoas aceitam pacificamente. Tem igualmente efeito este distanciamento, não utilizando pessoas mas animais, o que leva também de certo modo às pessoas reflectirem através da identificação com estes “estranhos” animais. Não seremos nós “estranhos” animais?”http://pergaminhos.blogspot.com/2007/02/montanha-de-gua-lils-comentrio-da-obra.html
  • 27. Trabalho realizado por...Vanda Teixeira, Nº17Vera Barbosa, Nº 18