SlideShare uma empresa Scribd logo
1 A MISSÃO DA IGREJA, PRESSUPOSTO DA MISSÃO DO FIEL CRISTÃO E DA
MISSÃO LAICAL

        Neste capítulo, são apresentados alguns tópicos importantes no tocante à questão
da missão da Igreja como pressuposto da missão do fiel cristão e da missão laical.


        Jesus Cristo cumpriu a vontade do Pai, inaugurou na terra o Reino de Deus,
revelou-nos Seu mistério e, por Sua obediência, realizou a redenção6. “Em Jesus, Deus
recapitula toda a sua história de salvação em favor dos homens”7.


        Cristo, cumpridor da missão recebida do Pai, confiou esta também a seus
apóstolos. Para que a salvação de Deus seja conhecida por todos, faz-se necessário que
seja anunciada. Para que o homem possa amar a Deus, é preciso conhecê-lo. Para que
possa chegar a Deus, é mister ser santificado pela graça. Assim, Cristo enviou os
apóstolos que escolhera, dando-lhes o mandato de anunciar o Evangelho: “Ide, fazei que
todas as nações se tornem discípulos, batizando-as em nome do Pai, do Filho e do
Espírito Santo e ensinando-as a observar tudo quanto vos ordenei8”.


        Através dos apóstolos, a missão, que o Pai confiou a seu Filho Jesus Cristo,
chega à Igreja, que terá a responsabilidade de, através dos tempos, realizar a
continuidade da missão salvadora de seu fundador:


                          Jesus entrega o seu espírito nas mãos do Pai. No momento em que por
                          sua Morte é vencedor da morte, de maneira que, ressuscitado dos
                          mortos pela Glória do Pai, dá imediatamente o Espírito Santo „soprado‟
                          sobre seus discípulos. A partir dessa Hora, a missão de Cristo e do


6
  LG 3.
7
  Catecismo da Igreja Católica. São Paulo: Paulinas, 1993. 430.
8
  Mt 28, 19-20.
9



                         Espírito passa a ser a missão da Igreja: „Como o Pai me enviou, também
                         eu vos envio‟9.


          João Paulo II lembra que a Igreja recebeu uma missão universal, sem limites,
referente à salvação em toda a sua integridade, segundo aquela plenitude de vida que
Cristo veio trazer. Ela foi „enviada para manifestar e comunicar a caridade de Deus a
todos os homens e povos‟10.


          Assim, a missão da Igreja, pressuposto da missão do fiel cristão e da missão
laical, precisa ser analisada nos seguintes aspectos: a missão da Igreja; Igreja e mundo;
realidade e limites da participação da Igreja na ação de Deus no mundo; a autonomia
das realidades terrestres; mundo: lugar de missão e de santificação; horizonte teologal e
realidade da história.

1.1 A missão da Igreja


          O Espírito Santo é quem mantém a Igreja viva e atuante. Ele é o principal
protagonista da missão, ou seja, o principal „personagem‟ da obra da evangelização.
Não se pretende, aqui, negar que os leigos e os clérigos, também protagonizam essa
missão; porém, entende-se que a parte que lhes toca é significativa, mas não a principal.
É o Espírito Santo quem guia a missão, é dele que vem a força que se necessita para o
encorajamento e o prosseguimento da evangelização. O Espírito Santo abre os caminhos
e os corações daqueles que não o conhecem, ou ainda que o rejeitam.O Papa Wojtyla
afirma:

                         Sob o impulso do Espírito, a fé cristã abre-se, decididamente, às nações
                         pagãs, e o testemunho de Cristo expande-se em direção aos centros mais
                         importantes do Mediterrâneo oriental, para chegar, depois, a Roma e ao
                         extremo Ocidente. É o Espírito que impele a ir sempre mais além, não
                         só em sentido geográfico, mas também ultrapassando barreiras étnicas e
                         religiosas, até se chegar a uma missão verdadeiramente universal11.



          A missão originária foi a de Cristo. Ele é o enviado do Pai por excelência;
portanto, a nossa missão tem origem na dele: “Sendo Cristo enviado pelo Pai a fonte e a

9
  Catecismo da Igreja Católica. São Paulo: Paulinas, 1993. 730.
10
   JOÃO PAULO II. Carta Encíclica Redemptoris Missio. São Paulo: Paulinas, 1991. 31.
11
   Id., ibid.,25.
10



origem de todo apostolado da Igreja, é evidente que a fecundidade do apostolado, tanto
a dos ministros ordenados como a dos leigos, depende da sua união vital com Cristo”12.

        Na reflexão da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil:


                         Tem-se que anunciar Jesus Cristo, sua doutrina, o nome, a vida, as
                         promessas, o Reino, o mistério de Jesus de Nazaré, Filho de Deus. Vise
                         a inculturação da fé; comprometa a todos na comunhão e participação;
                         favoreça a colaboração entre todos os homens de boa vontade assuma a
                         encarnação como caminho da missão e se fundamente na plena inserção
                         da realidade sociocultural13.


        “A Igreja é o fruto da ação gratuita e salvadora de Deus trino, nascida do decreto
de Deus Pai, participando da vida de Deus Filho, animada pelo Espírito Santo”14.


        Na verdade, o construtor do Reino é o próprio Deus, só Deus pode construir o
Reino, e, portanto, esse Reino não pode ser o resultado exclusivo das mãos do homem.
Porém, Deus confia ao homem participar com sua colaboração,


                         para estabelecer, quanto possível, o Reino de Deus, e, portanto, para
                         sujeitar todas as coisas inferiores e tudo o mais ao Espírito de Deus. É
                         de fato esse o programa da obra de Deus, (...) e para realizar tal
                         programa o Senhor nos deu a graça de sermos Seus colaboradores.
                         Seremos reis, adaptando-nos a Seus desígnios reais, cooperando nessa
                         obra do Reino, nas condições queridas por Deus e nos diferentes planos
                         de sua realização15.


        As questões temporais também fazem parte da missão, pois o mundo é o lugar
do acontecimento da mesma missão. “O batismo e a confirmação incorporam a Cristo e
o tornam membros da Igreja”16 e pede ao leigo que se envolva com a vocação da Igreja
que está no mundo e com as coisas do mundo.


1.2 Igreja e Mundo



12
   Catecismo da Igreja Católica. São Paulo: Paulinas, 1993. 864.
13
   Igreja: comunhão e missão na evangelização dos povos. Doc. 40. CNBB. 122.
14
   Cf. ILLANES, José Luis. Laicado y sacerdocio. Pamplona: Universidad de Navarra, 2000, p. 99.
15
   CONGAR, Yves. Os leigos na Igreja. São Paulo: Herder, 1966, p. 335.
16
   DP 786.
11



        Acerca da questão sobre Igreja e mundo, João Paulo II lembra que “são
numerosos os textos evangélicos que provam a atitude de clemência e misericórdia que
Jesus tem com respeito ao mundo, enquanto é seu salvador17”. “Partindo desse
pressuposto, os leigos a serviço da Igreja no mundo estão chamados a trabalhar pela sua
santificação”18.

        O Vaticano II, sobretudo na Lumen Gentium e na Gaudium et Spes, propõe uma
Igreja encarnada no mundo, no diálogo com o mundo e ao serviço do mundo, mas não
sujeita ao mundo. “As alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos homens
do nosso tempo, sobretudo dos pobres e de todos os que sofrem, são também as alegrias
e as esperanças, as tristezas e as angústias dos discípulos de Cristo”19. Devem os fiéis
viver em estreita união com os outros homens do seu tempo e se esforçar por
compreender a fundo os seus modos de pensar e de sentir, expressos na cultura. Eis a
reflexão do Vaticano II:


                         Que conciliem os conhecimentos das novas ciências e teorias e das mais
                         recentes invenções com os costumes e o ensinamento da doutrina cristã,
                         para que o sentimento religioso e a retidão moral avancem neles a par
                         do conhecimento científico e dos progressos diários da técnica; assim
                         poderão apreciar e interpretar todas as coisas com uma sensibilidade
                         autenticamente cristã 20.



        A verdade de Deus está semeada no coração de todos os seres humanos e
encontrou seu eco no mundo. Pertencem ao elo da grande corrente humana que se vai
sucedendo no tempo, e permanecendo no mundo, como afirma Illanes: “A Igreja que
está no mundo, comunidade de salvação que se vai formando na história até alcançar
sua plenitude no momento da consumação escatológica, antecipa e anuncia o fim e o
destino até que tudo tenha a virtude do qual tudo se explica”21.


        É importante que se tenha clareza sobre a relação entre a Igreja e o mundo, pois
todos os batizados pertencem à Igreja que cresce no mundo, diante de todos os desafios
que a humanidade conhece. O mundo em si é de natureza boa, pois é obra de Deus, que
17
   JOÃO PAULO II. Creo en la Iglesia – Catequesis sobre el credo. Madrid: Palabra, 1997, p. 408.
18
   Id., ibid., p. 409.
19
   GS 1.
20
   Id., ibid., 62.
21
   ILLANES, op. cit., p.126.
12



é só bondade. Porém, o mundo pode tornar-se decadente, devido a sua natureza de
contingência. “O mundo foi criado bom, tem sua origem na sabedoria e no amor de
Deus: na eficiência amorosa de Deus Pai, que o fez por meio de suas mãos, o Verbo e o
Espírito Santo”22.


           O mundo sofre constantes mudanças. Essas mudanças trazem novos desafios ao
homem, que o fazem tomar novas atitudes diante do desconhecido. A sociedade recebe
as mudanças, e, para absorvê-las, necessita da capacidade do homem de dar uma
resposta.


           Todos os acontecimentos do mundo influenciam direta ou indiretamente a vida
dos homens e, com isso, também as suas realidades e acontecimentos da história. O
modo de viver de uma sociedade acaba por mudar também os direcionamentos de tudo
aquilo que dela depende. Aqui se quer aludir à relação da Igreja com o mundo. M.
Santos afirma:


                            Dado que a Igreja está no mundo e na história, a relação da Igreja com o
                            mundo estará sempre temporalmente condicionada e será sempre a
                            história da salvação de uma Igreja peregrina. Desde o início do
                            cristianismo, e até ao fim dos tempos, foi, é e será ponto fulcral de
                            debates de todo o tipo. Das perseguições do Império Romano ao atual
                            secularismo, passando pelo cesaropapismo, a questão das investiduras
                            (...) 23.


           É necessário elucidar a relação existente entre Igreja e mundo, portanto a relação
de suas realidades. Estar no mundo é deliberadamente sujeitar-se e condicionar-se às
suas exigências, ou esforçar-se para melhorá-lo. Surge daí a possibilidade e a
necessidade de a Igreja aparecer sempre missionária.


           A história da salvação, da qual a Igreja faz parte, é sem dúvida uma história
conturbada. Sempre foi cercada por dificuldades. Mas a Igreja resiste sempre e fazer-se
presente e atuante no mundo faz parte de sua índole. A realidade da Igreja passa pela




22
     SANTOS, M. Igreja x Mundo. Teocomunicação, Porto Alegre, v. 32, n. 137, p. 488, set. 2002.
23
     Id., ibid., p. 485.
13



provação das mesmas conseqüências a que está sujeita toda a humanidade, pois ela está
no mundo e convive dia a dia com as coisas que ele lhe impõe. Segundo M. Santos,


                           com o pecado, a criação ficou também ferida. Mas a situação da
                           humanidade no mundo foi distorcida pelo pecado, e o mundo se
                           converteu em instrumento da ira e do castigo de Deus: o trabalho deixa
                           de ser um prazer; a terra seria uma maldição para os que desobedecem a
                           Deus. Nenhuma das ajudas oferecidas por Deus, através dos juízes, reis
                           e profetas, bastaria. Por isso chega à fase final do plano de Deus: „Deus
                           tanto amou o mundo (tòn kósmon) que enviou o seu Filho único‟24.



            Por causa do pecado da humanidade, pela dureza de coração do homem, foi
necessário que Deus interviesse na história do mundo e aqui deixasse seu sinal, sua
Igreja, fundada por seu Filho, e fizesse dos filhos de Deu missionários para engajar-se
contra o pecado, contra as injustiças e dificuldades que o próprio homem cria em nome
do progresso e do egoísmo.


1.3 Realidade e limites da participação da Igreja na ação de Deus no mundo



            Afirma João Paulo II: “Ao anunciar e ao acolher o Evangelho na força do
Espírito, a Igreja torna-se comunidade evangelizada e evangelizadora e, precisamente
por isso, faz-se serva dos homens” 25.


            O cristão pode afirmar a mais decidida autonomia das realidades temporais,
porque o mundo é obra de Deus, a realidade temporal tem sua verdade própria, suas leis
próprias, naturais.


            Consoante oVaticano II, na Gaudium et Spes,


                           se por autonomia das realidades terrestres entendemos que as coisas
                           criadas e as próprias sociedades gozam de leis e valores próprios, a
                           serem conhecidos, usados e ordenados gradativamente pelo homem, é
                           absolutamente necessário exigi-la. Isto não é só reivindicado pelos



24
     Id., ibid., p. 489.
25
     CfL 36.
14



                          homens de nosso tempo, mas está também de acordo com a vontade do
                          criador26.


        É necessário respeitar a autonomia das realidades temporais. Importante é
reconhecer que todas as realidades têm em si suas próprias características que as tornam
o que são. Com isso, não fica difícil de se perceber que, em se tratando das realidades
terrestres, há de se reconhecer que toda a sua autonomia é originada em seu criador,
que é Deus, a quem tudo pertence. Por isso, o Concílio Vaticano II adverte: “Porém, se
pelas palavras „autonomia das realidades temporais‟ se entende que as coisas criadas
não dependem de Deus, e o homem as pode usar sem referência ao criador, todo aquele
que admite Deus percebe o quanto sejam falsas tais máximas”27.

        Todos somos chamados a viver a fé cristã na sociedade, junto com os outros,
junto com os diversos problemas existentes no mundo. Não se pode ignorar que a
missão exige dedicação, empenho na caridade, trabalho. Diante das necessidades, das
imperfeições do mundo, urge que os batizados se lancem à missão. Quando nos
referimos aos batizados, queremos incluir os clérigos, os leigos e os consagrados.

        É preciso entender as conseqüências da missão e ver no mundo o lugar das
realizações. Por isso, o campo de trabalho se torna amplo.


        A realidade da participação da Igreja na ação de Deus no mundo é vontade do
próprio Deus. É ele quem quer que a humanidade seja engajada no serviço, na missão
do mundo. Illanes afirma:


                          Dado que a missão da Igreja participa, mediante a graça e a vocação de
                          Deus, na constante obra do Pai, do Filho e do Espírito Santo, se deve
                          concluir que nosso serviço leva o selo daquele que atribuímos às
                          pessoas divinas, a saber, sua obra, ora na criação, ora na redenção, ora
                          na santificação28.


        Há realidades que limitam a participação da Igreja na ação de Deus, no mundo,
segundo Illanes:


26
   GS 36.
27
   Id., ibid., 36.
28
   ILLANES, op. cit., p. 77.
15




                          Em primeiro lugar, proclama-se, de uma parte, que a Igreja participa na
                          ação de Deus no mundo. De outra, que esta participação tem dois
                          limites: primeiro limite, a ação de Deus no mundo não está reduzida à
                          que exerce através das estruturas e realidades eclesiais e, além disso, o
                          segundo limite, porque há uma atuação do cristão que se situa também
                          além dos confins eclesiais29.


        Afirma a CNBB:


                          o cristão olha para o mundo com realismo e com esperança. Procura
                          reconhecer nele os sinais da vontade de Deus e os caminhos que
                          apontam para o Reino, assim como distinguir os obstáculos e as forças
                          do mal que impedem a sociedade humana de avançar na direção da
                          justiça, da paz e da fraternidade30.



        Há que reconhecer uma certa autonomia de todas as realidades terrestres. Sabe-
se que Deus é o criador de todas as coisas e quem constitui seu povo santo. Ele dá a
liberdade para as realizações do homem neste mundo. Segundo Illanes,


                          o conhecimento de que o criador proveua todas suas criaturas de uma
                          peculiar forma de ser e desenrolar internamente, com estruturas, valores
                          e modos de fazer próprios. Portanto, os homens têm direito a investigar
                          a criação, mediante a experiência, o estudo e a reflexão racional dessa
                          realidade31.


        Naturalmente, para um cristão, o mundo é criação de Deus e obra de sua
inteligência. Portanto, conhecer o mundo é conhecer sinais de Deus. Cada criatura, por
provir de Deus, participa do ser de Deus.


1.4 Mundo e história: lugar de missão e de santificação

     Deus quis que as mudanças se dessem também com a ação dos homens. João Paulo
II lembra que




29
   Id., ibid., p. 81.
30
   Missão e ministério dos cristãos leigos e leigas – CNBB – Doc. 62. n. 10.
31
   ILLANES, op. cit., p. 88.
16



                        a missão da Igreja, tal como a de Jesus, é obra de Deus, ou, usando uma
                        expressão freqüente em São Lucas, é obra do Espírito Santo. Depois da
                        ressurreição e ascensão de Jesus, os apóstolos viveram uma intensa
                        experiência que os transformou: o Pentecostes. A vinda do Espírito
                        Santo fez deles testemunhas e profetas32.



        Abraçar a tarefa missionária da Igreja é estar em conformidade e unido a Cristo,
pois esta é, verdadeiramente, a atitude de um batizado. E cada um tem um espaço onde
possa ser útil. Cada testemunho é importante na comunidade, na Igreja e no mundo: “A
participação na missão universal, portanto, não se reduz a algumas atividades isoladas,
mas é o sinal da maturidade da fé e de uma vida cristã que dá fruto”33.


                         O cristão olha para o mundo com realismo e com esperança. Procura
                         reconhecer nele os sinais da vontade de Deus e os caminhos que
                         apontam para o reino, assim como distinguir os obstáculos e as forças
                         do mal que impedem a sociedade humana de avançar na direção da
                         justiça, da paz e da fraternidade34.


        É preciso que haja um engajamento consciente das pessoas na construção do
Reino, uma verdadeira resposta ao amor de Deus. Esse trabalho não é temporário, é
contínuo e urgente.

        Tanto na Igreja como no mundo encontramos ambiente próprio de missão e de
salvação, que se dá por meio da santificação, a qual é própria da ação de Deus. Antes da
divisão entre clérigo e laicado, está o fim último da missão: “a conversão dos homens a
Cristo e, como conseqüência, transformar a sociedade humana numa sociedade mais
justa e fraterna”35.


        Todos os fiéis são chamados à santidade, e esta é oferecida como possibilidade
de realização no mundo com suas realidades temporais. É preciso lembrar que não é
somente do aspecto das realizações terrenas que surge a possibilidade de santificação, é




32
   JOÃO PAULO II. Carta Encíclica Redemptoris Missio. São Paulo: Paulinas, 1991. 24
33
   Id., ibid.,77.
34
   Missão e ministérios dos cristãos leigos e leigas. Doc 62. CNBB. 10.
35
   ZILLES, U. Quem é o leigo na Igreja? qual sua missão? Teocomunicação, Porto Alegre, n. 72, p. 18,
1986/1.
17



também necessária a espiritualidade, um envolvimento consciente de busca do amor e
proteção de Deus do qual procedem todas as coisas.


           Lançe-se um olhar sobre a história, na perspectiva da compreensão das
realidades que ocorrem em todos os campos da vida humana, e hão de encontrar-se
elementos que respondem a perguntas pertinentes a cada realidade vivida pelos homens.
No horizonte teologal, também se passa por várias realidades, ou seja, na história
encontram variados tipos de acontecimentos. O que se pretende aqui é estabelecer uma
relação de compreensão entre secularidade da Igreja e secularidade do leigo. São duas
realidades diferentes, contudo, pertencentes à mesma realidade histórica.


          A realidade da história é a realidade dos homens; portanto, tudo o que nela
acontece é referente à humanidade. Deus revela-se e intervém na história em favor dos
homens, confirmando sua presença desde o princípio como criador e ordenador de tudo.
“Cristo como entrega decisiva de Deus ao homem é a realidade suprema e primordial, o
centro do qual depende e meta que tudo ordena, o ponto de referência que dá unidade à
criação e à história desde seu início até à sua consumação”36.


          As realizações humanas devem servir como instrumento de vida. Illanes afirma
que “as atividades levadas a cabo hoje, no presente da história, e as realizações que
delas derivam se apresentam como realidades não últimas, mas abertas a uma realização
e de sentido, e por tanto como antecipação da plenitude de vida que se alcançará na
escatologia”37.       “Nada é irrelevante ou fútil na história que tem por protagonista
Deus”38.


          Na perspectiva de traçar no horizonte da história uma compreensão teológica dos
acontecimentos, deve-se ter presente, que a ação de Deus, diante das realidades, tem
sempre uma utilidade, há sempre uma importância relacionada ao homem, ou seja, é por
causa da humanidade que Deus age na história. “Assim sendo, os homens como Igreja,
e agentes da Igreja, devem compreender que sua responsabilidade e missão no mundo
tem como fim manifestar aos homens a dimensão profunda e o valor radical

36
     ILLANES, op. cit., p. 131.
37
     Id., ibid., p. 131.
38
     Id., ibid., p. 132.
18



escatológico da existência”39, isto é, todo o sentido da vida humana culmina e caminha
para a salvação.


            Assim, as realidades temporais não são alheias a Deus, ou seja, as realizações do
mundo e das diversas ordens terrenas não acontecem à margem do conhecimento e
atuação de Deus. “A vida comunicada por Deus dá sentido à existência do homem, e,
por tanto, sua fé em Jesus Cristo, a esperança da salvação, recobra seu significado,
radica dentro da história”40.




39
      Id., ibid., p. 132.
40
     Id., ibid., p. 131.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Catequese Renovada
Catequese RenovadaCatequese Renovada
Catequese Renovada
Rodrigo Oliveira
 
Encontro de catequistas sao jose
Encontro de catequistas sao joseEncontro de catequistas sao jose
Encontro de catequistas sao jose
paroquiasaojose
 
“Há diversidade dos serviços”
“Há diversidade dos serviços”“Há diversidade dos serviços”
“Há diversidade dos serviços”
JUERP
 
Dei verbum
Dei verbumDei verbum
Dei verbum
Ian Farias
 
2016 3 TRI LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
2016 3 TRI LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA2016 3 TRI LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
2016 3 TRI LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
Natalino das Neves Neves
 
Lição 3 - A Evangelização Urbana
Lição 3 - A Evangelização UrbanaLição 3 - A Evangelização Urbana
Lição 3 - A Evangelização Urbana
Éder Tomé
 
Introdução a Catequese
Introdução a CatequeseIntrodução a Catequese
Introdução a Catequese
Alexandre
 
FUNDAMENTOS TEOLÓGICOS DA MISSÃO
FUNDAMENTOS TEOLÓGICOS DA MISSÃOFUNDAMENTOS TEOLÓGICOS DA MISSÃO
FUNDAMENTOS TEOLÓGICOS DA MISSÃO
Paulo David
 
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIAIBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
Coop. Fabio Silva
 
Querigma parte por parte
Querigma parte por parteQuerigma parte por parte
Querigma parte por parte
Cassio Felipe
 
Doc 53 da cnbb
Doc 53 da cnbbDoc 53 da cnbb
Doc 53 da cnbb
Cassio Felipe
 
Lição 05 - A evangelização de grupos específicos
Lição 05 - A evangelização de grupos específicosLição 05 - A evangelização de grupos específicos
Lição 05 - A evangelização de grupos específicos
Éder Tomé
 
Lição 4 - O perfil dos enviados de Cristo
Lição 4 - O perfil dos enviados de CristoLição 4 - O perfil dos enviados de Cristo
Lição 4 - O perfil dos enviados de Cristo
Éder Tomé
 
Lumen Gentium
Lumen GentiumLumen Gentium
Lausanne.org pacto de lausanne
Lausanne.org pacto de lausanneLausanne.org pacto de lausanne
Lausanne.org pacto de lausanne
Walace Borges
 
Novena de sâo Joâo Eudes
Novena de sâo Joâo EudesNovena de sâo Joâo Eudes
Novena de sâo Joâo Eudes
Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Pacto de Lausanne
Pacto de LausannePacto de Lausanne
Pacto de Lausanne
Alex Martins
 
Reconciliação
ReconciliaçãoReconciliação
Reconciliação
João Pereira
 
LIÇÃO 1 - O QUE É EVANGELIZAÇÃO
LIÇÃO 1 - O QUE É EVANGELIZAÇÃOLIÇÃO 1 - O QUE É EVANGELIZAÇÃO
LIÇÃO 1 - O QUE É EVANGELIZAÇÃO
Andrew Guimarães
 

Mais procurados (19)

Catequese Renovada
Catequese RenovadaCatequese Renovada
Catequese Renovada
 
Encontro de catequistas sao jose
Encontro de catequistas sao joseEncontro de catequistas sao jose
Encontro de catequistas sao jose
 
“Há diversidade dos serviços”
“Há diversidade dos serviços”“Há diversidade dos serviços”
“Há diversidade dos serviços”
 
Dei verbum
Dei verbumDei verbum
Dei verbum
 
2016 3 TRI LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
2016 3 TRI LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA2016 3 TRI LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
2016 3 TRI LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
 
Lição 3 - A Evangelização Urbana
Lição 3 - A Evangelização UrbanaLição 3 - A Evangelização Urbana
Lição 3 - A Evangelização Urbana
 
Introdução a Catequese
Introdução a CatequeseIntrodução a Catequese
Introdução a Catequese
 
FUNDAMENTOS TEOLÓGICOS DA MISSÃO
FUNDAMENTOS TEOLÓGICOS DA MISSÃOFUNDAMENTOS TEOLÓGICOS DA MISSÃO
FUNDAMENTOS TEOLÓGICOS DA MISSÃO
 
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIAIBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
IBADEP - ECLESIOLOGIA E MISSIOLOGIA
 
Querigma parte por parte
Querigma parte por parteQuerigma parte por parte
Querigma parte por parte
 
Doc 53 da cnbb
Doc 53 da cnbbDoc 53 da cnbb
Doc 53 da cnbb
 
Lição 05 - A evangelização de grupos específicos
Lição 05 - A evangelização de grupos específicosLição 05 - A evangelização de grupos específicos
Lição 05 - A evangelização de grupos específicos
 
Lição 4 - O perfil dos enviados de Cristo
Lição 4 - O perfil dos enviados de CristoLição 4 - O perfil dos enviados de Cristo
Lição 4 - O perfil dos enviados de Cristo
 
Lumen Gentium
Lumen GentiumLumen Gentium
Lumen Gentium
 
Lausanne.org pacto de lausanne
Lausanne.org pacto de lausanneLausanne.org pacto de lausanne
Lausanne.org pacto de lausanne
 
Novena de sâo Joâo Eudes
Novena de sâo Joâo EudesNovena de sâo Joâo Eudes
Novena de sâo Joâo Eudes
 
Pacto de Lausanne
Pacto de LausannePacto de Lausanne
Pacto de Lausanne
 
Reconciliação
ReconciliaçãoReconciliação
Reconciliação
 
LIÇÃO 1 - O QUE É EVANGELIZAÇÃO
LIÇÃO 1 - O QUE É EVANGELIZAÇÃOLIÇÃO 1 - O QUE É EVANGELIZAÇÃO
LIÇÃO 1 - O QUE É EVANGELIZAÇÃO
 

Semelhante a A MISSÃO DA IGREJA, PRESSUPOSTO DA MISSÃO DO FIEL CRISTÃO E DA MISSÃO LAICAL

INTRODUÇÃO
INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO
Curso de-ministros
Curso de-ministrosCurso de-ministros
Curso de-ministros
Wesley Mallbross
 
Cat04
Cat04Cat04
Ist eclesiologia - 02
Ist   eclesiologia - 02Ist   eclesiologia - 02
Ist eclesiologia - 02
Léo Mendonça
 
LIVRO DE APOIO REVISTA ADULTO 4TRI2023.pdf
LIVRO DE APOIO REVISTA ADULTO 4TRI2023.pdfLIVRO DE APOIO REVISTA ADULTO 4TRI2023.pdf
LIVRO DE APOIO REVISTA ADULTO 4TRI2023.pdf
JeanePatrcia
 
Os institutos seculares bento xvi
Os institutos seculares   bento xviOs institutos seculares   bento xvi
Os institutos seculares bento xvi
cnisbrasil
 
Cnbb doc 62
Cnbb doc 62Cnbb doc 62
Cnbb doc 62
Paulodiantedoaltar
 
Cat08
Cat08Cat08
Orientaçoes da CNBB sobre a RCC
Orientaçoes da CNBB sobre a RCC Orientaçoes da CNBB sobre a RCC
Orientaçoes da CNBB sobre a RCC
Pejota2015
 
Ecovida set-out 2108
Ecovida   set-out 2108Ecovida   set-out 2108
Ecovida set-out 2108
Lada vitorino
 
Documento 85-cnbb (1)
Documento 85-cnbb (1)Documento 85-cnbb (1)
Documento 85-cnbb (1)
Pejota2015
 
Encerramento do ano_da_fe-(web)
Encerramento do ano_da_fe-(web)Encerramento do ano_da_fe-(web)
Encerramento do ano_da_fe-(web)
António Rodrigues
 
As Dimensões missionarias da Igreja
As Dimensões missionarias da Igreja  As Dimensões missionarias da Igreja
As Dimensões missionarias da Igreja
Oswaldo Michaelano
 
Declaração doutrinária da CBB
Declaração doutrinária da CBBDeclaração doutrinária da CBB
Declaração doutrinária da CBB
mdscs81
 
Declaração Doutrinaria da Convenção Batista Brasileira
Declaração Doutrinaria da Convenção Batista BrasileiraDeclaração Doutrinaria da Convenção Batista Brasileira
Declaração Doutrinaria da Convenção Batista Brasileira
Igreja Batista em Camobi
 
Declaração doutrinária da CBB
Declaração doutrinária da CBBDeclaração doutrinária da CBB
Declaração doutrinária da CBB
mdscs81
 
LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORALIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
Lourinaldo Serafim
 
Congresso Lima
Congresso LimaCongresso Lima
Congresso Lima
Isaura Miike
 
Diretrizes gerais-de-evangelizacao--doc102--2015-a-2019
Diretrizes gerais-de-evangelizacao--doc102--2015-a-2019Diretrizes gerais-de-evangelizacao--doc102--2015-a-2019
Diretrizes gerais-de-evangelizacao--doc102--2015-a-2019
raparecido2600
 
Ascensao
AscensaoAscensao

Semelhante a A MISSÃO DA IGREJA, PRESSUPOSTO DA MISSÃO DO FIEL CRISTÃO E DA MISSÃO LAICAL (20)

INTRODUÇÃO
INTRODUÇÃOINTRODUÇÃO
INTRODUÇÃO
 
Curso de-ministros
Curso de-ministrosCurso de-ministros
Curso de-ministros
 
Cat04
Cat04Cat04
Cat04
 
Ist eclesiologia - 02
Ist   eclesiologia - 02Ist   eclesiologia - 02
Ist eclesiologia - 02
 
LIVRO DE APOIO REVISTA ADULTO 4TRI2023.pdf
LIVRO DE APOIO REVISTA ADULTO 4TRI2023.pdfLIVRO DE APOIO REVISTA ADULTO 4TRI2023.pdf
LIVRO DE APOIO REVISTA ADULTO 4TRI2023.pdf
 
Os institutos seculares bento xvi
Os institutos seculares   bento xviOs institutos seculares   bento xvi
Os institutos seculares bento xvi
 
Cnbb doc 62
Cnbb doc 62Cnbb doc 62
Cnbb doc 62
 
Cat08
Cat08Cat08
Cat08
 
Orientaçoes da CNBB sobre a RCC
Orientaçoes da CNBB sobre a RCC Orientaçoes da CNBB sobre a RCC
Orientaçoes da CNBB sobre a RCC
 
Ecovida set-out 2108
Ecovida   set-out 2108Ecovida   set-out 2108
Ecovida set-out 2108
 
Documento 85-cnbb (1)
Documento 85-cnbb (1)Documento 85-cnbb (1)
Documento 85-cnbb (1)
 
Encerramento do ano_da_fe-(web)
Encerramento do ano_da_fe-(web)Encerramento do ano_da_fe-(web)
Encerramento do ano_da_fe-(web)
 
As Dimensões missionarias da Igreja
As Dimensões missionarias da Igreja  As Dimensões missionarias da Igreja
As Dimensões missionarias da Igreja
 
Declaração doutrinária da CBB
Declaração doutrinária da CBBDeclaração doutrinária da CBB
Declaração doutrinária da CBB
 
Declaração Doutrinaria da Convenção Batista Brasileira
Declaração Doutrinaria da Convenção Batista BrasileiraDeclaração Doutrinaria da Convenção Batista Brasileira
Declaração Doutrinaria da Convenção Batista Brasileira
 
Declaração doutrinária da CBB
Declaração doutrinária da CBBDeclaração doutrinária da CBB
Declaração doutrinária da CBB
 
LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORALIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
LIÇÃO 13 - A EVANGELIZAÇÃO INTEGRAL NESTA ÚLTIMA HORA
 
Congresso Lima
Congresso LimaCongresso Lima
Congresso Lima
 
Diretrizes gerais-de-evangelizacao--doc102--2015-a-2019
Diretrizes gerais-de-evangelizacao--doc102--2015-a-2019Diretrizes gerais-de-evangelizacao--doc102--2015-a-2019
Diretrizes gerais-de-evangelizacao--doc102--2015-a-2019
 
Ascensao
AscensaoAscensao
Ascensao
 

Mais de Pedro Francisco Moraes De

Falando em filosofia; falando em doutrina
Falando em filosofia; falando em doutrinaFalando em filosofia; falando em doutrina
Falando em filosofia; falando em doutrina
Pedro Francisco Moraes De
 
Sacramento batismal e caráter indelével
Sacramento batismal e  caráter indelévelSacramento batismal e  caráter indelével
Sacramento batismal e caráter indelével
Pedro Francisco Moraes De
 
Biografia de Pedro Francisco de Moraes
Biografia de Pedro Francisco de MoraesBiografia de Pedro Francisco de Moraes
Biografia de Pedro Francisco de Moraes
Pedro Francisco Moraes De
 
O LEIGO: HOMEM DA IGREJA NO MUNDO E HOMEM DO MUNDO NA IGREJA
 O LEIGO: HOMEM DA IGREJA NO MUNDO E HOMEM DO MUNDO NA IGREJA O LEIGO: HOMEM DA IGREJA NO MUNDO E HOMEM DO MUNDO NA IGREJA
O LEIGO: HOMEM DA IGREJA NO MUNDO E HOMEM DO MUNDO NA IGREJA
Pedro Francisco Moraes De
 
COINCIDENTIA OPPOSITORUM EM NICOLAU DE CUSA, NO PRIMEIRO LIVRO DE SUA OBRA: D...
COINCIDENTIA OPPOSITORUM EM NICOLAU DE CUSA, NO PRIMEIRO LIVRO DE SUA OBRA: D...COINCIDENTIA OPPOSITORUM EM NICOLAU DE CUSA, NO PRIMEIRO LIVRO DE SUA OBRA: D...
COINCIDENTIA OPPOSITORUM EM NICOLAU DE CUSA, NO PRIMEIRO LIVRO DE SUA OBRA: D...
Pedro Francisco Moraes De
 
História e crenças
História e crençasHistória e crenças
História e crenças
Pedro Francisco Moraes De
 

Mais de Pedro Francisco Moraes De (6)

Falando em filosofia; falando em doutrina
Falando em filosofia; falando em doutrinaFalando em filosofia; falando em doutrina
Falando em filosofia; falando em doutrina
 
Sacramento batismal e caráter indelével
Sacramento batismal e  caráter indelévelSacramento batismal e  caráter indelével
Sacramento batismal e caráter indelével
 
Biografia de Pedro Francisco de Moraes
Biografia de Pedro Francisco de MoraesBiografia de Pedro Francisco de Moraes
Biografia de Pedro Francisco de Moraes
 
O LEIGO: HOMEM DA IGREJA NO MUNDO E HOMEM DO MUNDO NA IGREJA
 O LEIGO: HOMEM DA IGREJA NO MUNDO E HOMEM DO MUNDO NA IGREJA O LEIGO: HOMEM DA IGREJA NO MUNDO E HOMEM DO MUNDO NA IGREJA
O LEIGO: HOMEM DA IGREJA NO MUNDO E HOMEM DO MUNDO NA IGREJA
 
COINCIDENTIA OPPOSITORUM EM NICOLAU DE CUSA, NO PRIMEIRO LIVRO DE SUA OBRA: D...
COINCIDENTIA OPPOSITORUM EM NICOLAU DE CUSA, NO PRIMEIRO LIVRO DE SUA OBRA: D...COINCIDENTIA OPPOSITORUM EM NICOLAU DE CUSA, NO PRIMEIRO LIVRO DE SUA OBRA: D...
COINCIDENTIA OPPOSITORUM EM NICOLAU DE CUSA, NO PRIMEIRO LIVRO DE SUA OBRA: D...
 
História e crenças
História e crençasHistória e crenças
História e crenças
 

A MISSÃO DA IGREJA, PRESSUPOSTO DA MISSÃO DO FIEL CRISTÃO E DA MISSÃO LAICAL

  • 1. 1 A MISSÃO DA IGREJA, PRESSUPOSTO DA MISSÃO DO FIEL CRISTÃO E DA MISSÃO LAICAL Neste capítulo, são apresentados alguns tópicos importantes no tocante à questão da missão da Igreja como pressuposto da missão do fiel cristão e da missão laical. Jesus Cristo cumpriu a vontade do Pai, inaugurou na terra o Reino de Deus, revelou-nos Seu mistério e, por Sua obediência, realizou a redenção6. “Em Jesus, Deus recapitula toda a sua história de salvação em favor dos homens”7. Cristo, cumpridor da missão recebida do Pai, confiou esta também a seus apóstolos. Para que a salvação de Deus seja conhecida por todos, faz-se necessário que seja anunciada. Para que o homem possa amar a Deus, é preciso conhecê-lo. Para que possa chegar a Deus, é mister ser santificado pela graça. Assim, Cristo enviou os apóstolos que escolhera, dando-lhes o mandato de anunciar o Evangelho: “Ide, fazei que todas as nações se tornem discípulos, batizando-as em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo e ensinando-as a observar tudo quanto vos ordenei8”. Através dos apóstolos, a missão, que o Pai confiou a seu Filho Jesus Cristo, chega à Igreja, que terá a responsabilidade de, através dos tempos, realizar a continuidade da missão salvadora de seu fundador: Jesus entrega o seu espírito nas mãos do Pai. No momento em que por sua Morte é vencedor da morte, de maneira que, ressuscitado dos mortos pela Glória do Pai, dá imediatamente o Espírito Santo „soprado‟ sobre seus discípulos. A partir dessa Hora, a missão de Cristo e do 6 LG 3. 7 Catecismo da Igreja Católica. São Paulo: Paulinas, 1993. 430. 8 Mt 28, 19-20.
  • 2. 9 Espírito passa a ser a missão da Igreja: „Como o Pai me enviou, também eu vos envio‟9. João Paulo II lembra que a Igreja recebeu uma missão universal, sem limites, referente à salvação em toda a sua integridade, segundo aquela plenitude de vida que Cristo veio trazer. Ela foi „enviada para manifestar e comunicar a caridade de Deus a todos os homens e povos‟10. Assim, a missão da Igreja, pressuposto da missão do fiel cristão e da missão laical, precisa ser analisada nos seguintes aspectos: a missão da Igreja; Igreja e mundo; realidade e limites da participação da Igreja na ação de Deus no mundo; a autonomia das realidades terrestres; mundo: lugar de missão e de santificação; horizonte teologal e realidade da história. 1.1 A missão da Igreja O Espírito Santo é quem mantém a Igreja viva e atuante. Ele é o principal protagonista da missão, ou seja, o principal „personagem‟ da obra da evangelização. Não se pretende, aqui, negar que os leigos e os clérigos, também protagonizam essa missão; porém, entende-se que a parte que lhes toca é significativa, mas não a principal. É o Espírito Santo quem guia a missão, é dele que vem a força que se necessita para o encorajamento e o prosseguimento da evangelização. O Espírito Santo abre os caminhos e os corações daqueles que não o conhecem, ou ainda que o rejeitam.O Papa Wojtyla afirma: Sob o impulso do Espírito, a fé cristã abre-se, decididamente, às nações pagãs, e o testemunho de Cristo expande-se em direção aos centros mais importantes do Mediterrâneo oriental, para chegar, depois, a Roma e ao extremo Ocidente. É o Espírito que impele a ir sempre mais além, não só em sentido geográfico, mas também ultrapassando barreiras étnicas e religiosas, até se chegar a uma missão verdadeiramente universal11. A missão originária foi a de Cristo. Ele é o enviado do Pai por excelência; portanto, a nossa missão tem origem na dele: “Sendo Cristo enviado pelo Pai a fonte e a 9 Catecismo da Igreja Católica. São Paulo: Paulinas, 1993. 730. 10 JOÃO PAULO II. Carta Encíclica Redemptoris Missio. São Paulo: Paulinas, 1991. 31. 11 Id., ibid.,25.
  • 3. 10 origem de todo apostolado da Igreja, é evidente que a fecundidade do apostolado, tanto a dos ministros ordenados como a dos leigos, depende da sua união vital com Cristo”12. Na reflexão da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil: Tem-se que anunciar Jesus Cristo, sua doutrina, o nome, a vida, as promessas, o Reino, o mistério de Jesus de Nazaré, Filho de Deus. Vise a inculturação da fé; comprometa a todos na comunhão e participação; favoreça a colaboração entre todos os homens de boa vontade assuma a encarnação como caminho da missão e se fundamente na plena inserção da realidade sociocultural13. “A Igreja é o fruto da ação gratuita e salvadora de Deus trino, nascida do decreto de Deus Pai, participando da vida de Deus Filho, animada pelo Espírito Santo”14. Na verdade, o construtor do Reino é o próprio Deus, só Deus pode construir o Reino, e, portanto, esse Reino não pode ser o resultado exclusivo das mãos do homem. Porém, Deus confia ao homem participar com sua colaboração, para estabelecer, quanto possível, o Reino de Deus, e, portanto, para sujeitar todas as coisas inferiores e tudo o mais ao Espírito de Deus. É de fato esse o programa da obra de Deus, (...) e para realizar tal programa o Senhor nos deu a graça de sermos Seus colaboradores. Seremos reis, adaptando-nos a Seus desígnios reais, cooperando nessa obra do Reino, nas condições queridas por Deus e nos diferentes planos de sua realização15. As questões temporais também fazem parte da missão, pois o mundo é o lugar do acontecimento da mesma missão. “O batismo e a confirmação incorporam a Cristo e o tornam membros da Igreja”16 e pede ao leigo que se envolva com a vocação da Igreja que está no mundo e com as coisas do mundo. 1.2 Igreja e Mundo 12 Catecismo da Igreja Católica. São Paulo: Paulinas, 1993. 864. 13 Igreja: comunhão e missão na evangelização dos povos. Doc. 40. CNBB. 122. 14 Cf. ILLANES, José Luis. Laicado y sacerdocio. Pamplona: Universidad de Navarra, 2000, p. 99. 15 CONGAR, Yves. Os leigos na Igreja. São Paulo: Herder, 1966, p. 335. 16 DP 786.
  • 4. 11 Acerca da questão sobre Igreja e mundo, João Paulo II lembra que “são numerosos os textos evangélicos que provam a atitude de clemência e misericórdia que Jesus tem com respeito ao mundo, enquanto é seu salvador17”. “Partindo desse pressuposto, os leigos a serviço da Igreja no mundo estão chamados a trabalhar pela sua santificação”18. O Vaticano II, sobretudo na Lumen Gentium e na Gaudium et Spes, propõe uma Igreja encarnada no mundo, no diálogo com o mundo e ao serviço do mundo, mas não sujeita ao mundo. “As alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos homens do nosso tempo, sobretudo dos pobres e de todos os que sofrem, são também as alegrias e as esperanças, as tristezas e as angústias dos discípulos de Cristo”19. Devem os fiéis viver em estreita união com os outros homens do seu tempo e se esforçar por compreender a fundo os seus modos de pensar e de sentir, expressos na cultura. Eis a reflexão do Vaticano II: Que conciliem os conhecimentos das novas ciências e teorias e das mais recentes invenções com os costumes e o ensinamento da doutrina cristã, para que o sentimento religioso e a retidão moral avancem neles a par do conhecimento científico e dos progressos diários da técnica; assim poderão apreciar e interpretar todas as coisas com uma sensibilidade autenticamente cristã 20. A verdade de Deus está semeada no coração de todos os seres humanos e encontrou seu eco no mundo. Pertencem ao elo da grande corrente humana que se vai sucedendo no tempo, e permanecendo no mundo, como afirma Illanes: “A Igreja que está no mundo, comunidade de salvação que se vai formando na história até alcançar sua plenitude no momento da consumação escatológica, antecipa e anuncia o fim e o destino até que tudo tenha a virtude do qual tudo se explica”21. É importante que se tenha clareza sobre a relação entre a Igreja e o mundo, pois todos os batizados pertencem à Igreja que cresce no mundo, diante de todos os desafios que a humanidade conhece. O mundo em si é de natureza boa, pois é obra de Deus, que 17 JOÃO PAULO II. Creo en la Iglesia – Catequesis sobre el credo. Madrid: Palabra, 1997, p. 408. 18 Id., ibid., p. 409. 19 GS 1. 20 Id., ibid., 62. 21 ILLANES, op. cit., p.126.
  • 5. 12 é só bondade. Porém, o mundo pode tornar-se decadente, devido a sua natureza de contingência. “O mundo foi criado bom, tem sua origem na sabedoria e no amor de Deus: na eficiência amorosa de Deus Pai, que o fez por meio de suas mãos, o Verbo e o Espírito Santo”22. O mundo sofre constantes mudanças. Essas mudanças trazem novos desafios ao homem, que o fazem tomar novas atitudes diante do desconhecido. A sociedade recebe as mudanças, e, para absorvê-las, necessita da capacidade do homem de dar uma resposta. Todos os acontecimentos do mundo influenciam direta ou indiretamente a vida dos homens e, com isso, também as suas realidades e acontecimentos da história. O modo de viver de uma sociedade acaba por mudar também os direcionamentos de tudo aquilo que dela depende. Aqui se quer aludir à relação da Igreja com o mundo. M. Santos afirma: Dado que a Igreja está no mundo e na história, a relação da Igreja com o mundo estará sempre temporalmente condicionada e será sempre a história da salvação de uma Igreja peregrina. Desde o início do cristianismo, e até ao fim dos tempos, foi, é e será ponto fulcral de debates de todo o tipo. Das perseguições do Império Romano ao atual secularismo, passando pelo cesaropapismo, a questão das investiduras (...) 23. É necessário elucidar a relação existente entre Igreja e mundo, portanto a relação de suas realidades. Estar no mundo é deliberadamente sujeitar-se e condicionar-se às suas exigências, ou esforçar-se para melhorá-lo. Surge daí a possibilidade e a necessidade de a Igreja aparecer sempre missionária. A história da salvação, da qual a Igreja faz parte, é sem dúvida uma história conturbada. Sempre foi cercada por dificuldades. Mas a Igreja resiste sempre e fazer-se presente e atuante no mundo faz parte de sua índole. A realidade da Igreja passa pela 22 SANTOS, M. Igreja x Mundo. Teocomunicação, Porto Alegre, v. 32, n. 137, p. 488, set. 2002. 23 Id., ibid., p. 485.
  • 6. 13 provação das mesmas conseqüências a que está sujeita toda a humanidade, pois ela está no mundo e convive dia a dia com as coisas que ele lhe impõe. Segundo M. Santos, com o pecado, a criação ficou também ferida. Mas a situação da humanidade no mundo foi distorcida pelo pecado, e o mundo se converteu em instrumento da ira e do castigo de Deus: o trabalho deixa de ser um prazer; a terra seria uma maldição para os que desobedecem a Deus. Nenhuma das ajudas oferecidas por Deus, através dos juízes, reis e profetas, bastaria. Por isso chega à fase final do plano de Deus: „Deus tanto amou o mundo (tòn kósmon) que enviou o seu Filho único‟24. Por causa do pecado da humanidade, pela dureza de coração do homem, foi necessário que Deus interviesse na história do mundo e aqui deixasse seu sinal, sua Igreja, fundada por seu Filho, e fizesse dos filhos de Deu missionários para engajar-se contra o pecado, contra as injustiças e dificuldades que o próprio homem cria em nome do progresso e do egoísmo. 1.3 Realidade e limites da participação da Igreja na ação de Deus no mundo Afirma João Paulo II: “Ao anunciar e ao acolher o Evangelho na força do Espírito, a Igreja torna-se comunidade evangelizada e evangelizadora e, precisamente por isso, faz-se serva dos homens” 25. O cristão pode afirmar a mais decidida autonomia das realidades temporais, porque o mundo é obra de Deus, a realidade temporal tem sua verdade própria, suas leis próprias, naturais. Consoante oVaticano II, na Gaudium et Spes, se por autonomia das realidades terrestres entendemos que as coisas criadas e as próprias sociedades gozam de leis e valores próprios, a serem conhecidos, usados e ordenados gradativamente pelo homem, é absolutamente necessário exigi-la. Isto não é só reivindicado pelos 24 Id., ibid., p. 489. 25 CfL 36.
  • 7. 14 homens de nosso tempo, mas está também de acordo com a vontade do criador26. É necessário respeitar a autonomia das realidades temporais. Importante é reconhecer que todas as realidades têm em si suas próprias características que as tornam o que são. Com isso, não fica difícil de se perceber que, em se tratando das realidades terrestres, há de se reconhecer que toda a sua autonomia é originada em seu criador, que é Deus, a quem tudo pertence. Por isso, o Concílio Vaticano II adverte: “Porém, se pelas palavras „autonomia das realidades temporais‟ se entende que as coisas criadas não dependem de Deus, e o homem as pode usar sem referência ao criador, todo aquele que admite Deus percebe o quanto sejam falsas tais máximas”27. Todos somos chamados a viver a fé cristã na sociedade, junto com os outros, junto com os diversos problemas existentes no mundo. Não se pode ignorar que a missão exige dedicação, empenho na caridade, trabalho. Diante das necessidades, das imperfeições do mundo, urge que os batizados se lancem à missão. Quando nos referimos aos batizados, queremos incluir os clérigos, os leigos e os consagrados. É preciso entender as conseqüências da missão e ver no mundo o lugar das realizações. Por isso, o campo de trabalho se torna amplo. A realidade da participação da Igreja na ação de Deus no mundo é vontade do próprio Deus. É ele quem quer que a humanidade seja engajada no serviço, na missão do mundo. Illanes afirma: Dado que a missão da Igreja participa, mediante a graça e a vocação de Deus, na constante obra do Pai, do Filho e do Espírito Santo, se deve concluir que nosso serviço leva o selo daquele que atribuímos às pessoas divinas, a saber, sua obra, ora na criação, ora na redenção, ora na santificação28. Há realidades que limitam a participação da Igreja na ação de Deus, no mundo, segundo Illanes: 26 GS 36. 27 Id., ibid., 36. 28 ILLANES, op. cit., p. 77.
  • 8. 15 Em primeiro lugar, proclama-se, de uma parte, que a Igreja participa na ação de Deus no mundo. De outra, que esta participação tem dois limites: primeiro limite, a ação de Deus no mundo não está reduzida à que exerce através das estruturas e realidades eclesiais e, além disso, o segundo limite, porque há uma atuação do cristão que se situa também além dos confins eclesiais29. Afirma a CNBB: o cristão olha para o mundo com realismo e com esperança. Procura reconhecer nele os sinais da vontade de Deus e os caminhos que apontam para o Reino, assim como distinguir os obstáculos e as forças do mal que impedem a sociedade humana de avançar na direção da justiça, da paz e da fraternidade30. Há que reconhecer uma certa autonomia de todas as realidades terrestres. Sabe- se que Deus é o criador de todas as coisas e quem constitui seu povo santo. Ele dá a liberdade para as realizações do homem neste mundo. Segundo Illanes, o conhecimento de que o criador proveua todas suas criaturas de uma peculiar forma de ser e desenrolar internamente, com estruturas, valores e modos de fazer próprios. Portanto, os homens têm direito a investigar a criação, mediante a experiência, o estudo e a reflexão racional dessa realidade31. Naturalmente, para um cristão, o mundo é criação de Deus e obra de sua inteligência. Portanto, conhecer o mundo é conhecer sinais de Deus. Cada criatura, por provir de Deus, participa do ser de Deus. 1.4 Mundo e história: lugar de missão e de santificação Deus quis que as mudanças se dessem também com a ação dos homens. João Paulo II lembra que 29 Id., ibid., p. 81. 30 Missão e ministério dos cristãos leigos e leigas – CNBB – Doc. 62. n. 10. 31 ILLANES, op. cit., p. 88.
  • 9. 16 a missão da Igreja, tal como a de Jesus, é obra de Deus, ou, usando uma expressão freqüente em São Lucas, é obra do Espírito Santo. Depois da ressurreição e ascensão de Jesus, os apóstolos viveram uma intensa experiência que os transformou: o Pentecostes. A vinda do Espírito Santo fez deles testemunhas e profetas32. Abraçar a tarefa missionária da Igreja é estar em conformidade e unido a Cristo, pois esta é, verdadeiramente, a atitude de um batizado. E cada um tem um espaço onde possa ser útil. Cada testemunho é importante na comunidade, na Igreja e no mundo: “A participação na missão universal, portanto, não se reduz a algumas atividades isoladas, mas é o sinal da maturidade da fé e de uma vida cristã que dá fruto”33. O cristão olha para o mundo com realismo e com esperança. Procura reconhecer nele os sinais da vontade de Deus e os caminhos que apontam para o reino, assim como distinguir os obstáculos e as forças do mal que impedem a sociedade humana de avançar na direção da justiça, da paz e da fraternidade34. É preciso que haja um engajamento consciente das pessoas na construção do Reino, uma verdadeira resposta ao amor de Deus. Esse trabalho não é temporário, é contínuo e urgente. Tanto na Igreja como no mundo encontramos ambiente próprio de missão e de salvação, que se dá por meio da santificação, a qual é própria da ação de Deus. Antes da divisão entre clérigo e laicado, está o fim último da missão: “a conversão dos homens a Cristo e, como conseqüência, transformar a sociedade humana numa sociedade mais justa e fraterna”35. Todos os fiéis são chamados à santidade, e esta é oferecida como possibilidade de realização no mundo com suas realidades temporais. É preciso lembrar que não é somente do aspecto das realizações terrenas que surge a possibilidade de santificação, é 32 JOÃO PAULO II. Carta Encíclica Redemptoris Missio. São Paulo: Paulinas, 1991. 24 33 Id., ibid.,77. 34 Missão e ministérios dos cristãos leigos e leigas. Doc 62. CNBB. 10. 35 ZILLES, U. Quem é o leigo na Igreja? qual sua missão? Teocomunicação, Porto Alegre, n. 72, p. 18, 1986/1.
  • 10. 17 também necessária a espiritualidade, um envolvimento consciente de busca do amor e proteção de Deus do qual procedem todas as coisas. Lançe-se um olhar sobre a história, na perspectiva da compreensão das realidades que ocorrem em todos os campos da vida humana, e hão de encontrar-se elementos que respondem a perguntas pertinentes a cada realidade vivida pelos homens. No horizonte teologal, também se passa por várias realidades, ou seja, na história encontram variados tipos de acontecimentos. O que se pretende aqui é estabelecer uma relação de compreensão entre secularidade da Igreja e secularidade do leigo. São duas realidades diferentes, contudo, pertencentes à mesma realidade histórica. A realidade da história é a realidade dos homens; portanto, tudo o que nela acontece é referente à humanidade. Deus revela-se e intervém na história em favor dos homens, confirmando sua presença desde o princípio como criador e ordenador de tudo. “Cristo como entrega decisiva de Deus ao homem é a realidade suprema e primordial, o centro do qual depende e meta que tudo ordena, o ponto de referência que dá unidade à criação e à história desde seu início até à sua consumação”36. As realizações humanas devem servir como instrumento de vida. Illanes afirma que “as atividades levadas a cabo hoje, no presente da história, e as realizações que delas derivam se apresentam como realidades não últimas, mas abertas a uma realização e de sentido, e por tanto como antecipação da plenitude de vida que se alcançará na escatologia”37. “Nada é irrelevante ou fútil na história que tem por protagonista Deus”38. Na perspectiva de traçar no horizonte da história uma compreensão teológica dos acontecimentos, deve-se ter presente, que a ação de Deus, diante das realidades, tem sempre uma utilidade, há sempre uma importância relacionada ao homem, ou seja, é por causa da humanidade que Deus age na história. “Assim sendo, os homens como Igreja, e agentes da Igreja, devem compreender que sua responsabilidade e missão no mundo tem como fim manifestar aos homens a dimensão profunda e o valor radical 36 ILLANES, op. cit., p. 131. 37 Id., ibid., p. 131. 38 Id., ibid., p. 132.
  • 11. 18 escatológico da existência”39, isto é, todo o sentido da vida humana culmina e caminha para a salvação. Assim, as realidades temporais não são alheias a Deus, ou seja, as realizações do mundo e das diversas ordens terrenas não acontecem à margem do conhecimento e atuação de Deus. “A vida comunicada por Deus dá sentido à existência do homem, e, por tanto, sua fé em Jesus Cristo, a esperança da salvação, recobra seu significado, radica dentro da história”40. 39 Id., ibid., p. 132. 40 Id., ibid., p. 131.