SlideShare uma empresa Scribd logo
 
Introdução: Realizamos este trabalho no âmbito da disciplina de área de projecto.  Vamos englobar alguns tópicos sobre o que é estar apaixonado, a primeira relação sexual, alguns métodos contraceptivos para prevenir certas doenças.
Amor é: Amor é fogo que arde sem se ver,  É ferida que dói, e não se sente; É um contentamento descontente, É dor que desatina sem doer. É um não querer mais que bem querer; É um andar solitário entre gente; É nunca concentrar-se de contente; É um cuidar que nunca ganha em se perder. É querer estar  preso por vontade ; É servir a quem vence, o vencedor; É ter com quem nos mata, lealdade. Mas como causar pode seu favor  Nos corações humanos amizade; Se tão contrario a si é o mesmo Amor?
 
Alguma  vez te sentiste apaixonado, e queres conversar connosco como foi esse sentimento?
Todos sabemos que os dedos das mãos não são iguais. Tal como os dedos de nossas mãos, nós somos todos diferentes. Temos personalidade própria, hábitos e costumes distintos, e de repente nos vemos envolvidos com uma outra pessoa, rica em particularidades e diferenças. Que envolvente atracção nos atinge, capaz de nos fazer apaixonados? Mesmo sabendo que nunca vamos encontrar a cópia perfeita de nós mesmos no sexo oposto, as falsas diferenças parecem nos completar. Quando estamos apaixonados começamos a ver o mundo de maneira diferente, parece que nada pode nos atingir; deixamos de lado  os nossos  antigos passatempos, o céu fica mais azul, começamos de repente a valorizar os segundos do nosso dia… Temos a impressão que dominados pelos ciúmes, as horas,  insistem em prolongar as distancias que separam os apaixonados, diminuindo a velocidade do tempo.
Neste novo   momento de descobertas, tentamos em aceitar o desafio do compromisso de vivermos a saudável convivência. Temos consciência que o nosso namoro contém diferenças e apesar disso, não recusamos em planear o futuro. Na vivência dessa experiência, vamos perceber as delicadas especialidades do nosso (a) namorado (a) que se destacam. São as especialidades das suas virtudes que vêm ao encontro das nossas   necessidades e vice-versa. A nossa alma se alegra quando  nos sentimos  completos através das virtudes que detectamos no outro. Esta descoberta nos estimula a trabalhar em todas as  diferenças, a fim de minimizar os conflitos e a promover a harmonia nos  nossos namoros, e vida a dois. Vivendo a alegria do compromisso e na mutualidade no nosso crescimento como seres humanos, vamos favorecer  á  vida em nossos relacionamentos.
 
A diferença entre o rapaz e a rapariga não separam, bem pelo contrario, unem em mutua complementaridade: O rapaz e a rapariga são duas maneiras de estar no mundo diferentes e complementares; O rapaz e a rapariga estão orientados um para o outro e juntos completam-se.
O que faz ir em frente numa relação???
 
A primeira vez é um assunto muito complexo e rodeado de mistério. Mas a primeira vez do quê? Muitas 'primeira vez' existem dentro de uma relação amorosa. O primeiro beijo, o primeiro carinho, a primeira vez que se está de  frente a alguém, a primeira relação sexual.
Ser virgem para uns será nunca ter tido relações sexuais, enquanto para outros é o rompimento do hímen. É Perigoso considerar a virgindade como a existência do hímen, pois como seria com as meninas que não o têm, ou com aquelas que o perderam por outro motivo? Limita lembrar  aos rapazes que também podem ser  virgens, e não têm hímen.
Os  adolescentes observam muito, que o momento certo é aquele que tem de ser dividido com a pessoa ideal. Mas a grande questão é: como é o homem/mulher ideal? É aquele(a) que tu amas, e ele/ela também? É aquele(a) que te respeita? É aquele(a) que tu admiras?
Convém ensaiar, experimentar, partilhar angústias e ansiedades. E pensar que o que é novo e diferente. Pode até não ser exactamente como foi sonhado, mas à medida que a intimidade cresce, pode-se sempre procurar novas emoções.
Muitos são os adolescentes que têm medo  de sentir a dor na primeira relação sexual. Na realidade, ela não envolve em dor. Os mitos sobre o rompimento do hímen acabam por ficar mais confusos naquele momento. Causa: impulsividade, falta de confiança, medo, ansiedade e o facto de não se sentir preparada para tal momento faz com que a mulher não lubrifique, e os músculos fiquem rígidos. Assim, ficar relaxada é muito importante. Mas quando o casal se sente preparado para uma relação sexual, quando a ocasião é certa e dispõem de tempo só para os dois, basta deixar crescer o desejo, relaxar e curtir o momento com muita calma.
 
Iniciar a vida sexual é uma escolha individual, e tal decisão deve ser baseada em maturidade. Esse é um momento especial, que precisa do seu tempo e espaço, sem receio ou pressa. Fazer amor é repartir emoções, sensações, é confiar, amar e desejar.
· Conversar sobre sentimentos e desejos  · deve-se informar sobre os métodos contraceptivos e as doenças sexualmente transmissíveis;  · decidir em conjunto quais os métodos usar;  · Procurar orientação profissional, para obter instruções importantes a fim de que a vida sexual corra sempre bem.  É sempre lembrar:  · Respeito próprio é um dos sinais de maturidade para seguir em frente.  · O código de ética médica obriga que os médicos guardem segredo sobre tudo aquilo que é sabido no exercício de sua profissão.
Contracepção hormonal oral (vulgarmente conhecida como pílula)  Contracepção hormonal injectável  Contracepção hormonal-implante  Dispositivo intra-uterino (DIU)  Preservativo masculino  Espermicida  Abstinência periódica/autocontrolo  Contracepção cirúrgica  Contracepção de emergência
TRABALHO REALIZADO POR: Ana Pereira Nº 2  T 9c Marta Pinheiro Nº14 T 9c

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

So o amor_nao_sustenta_a_relacao_som
So o amor_nao_sustenta_a_relacao_somSo o amor_nao_sustenta_a_relacao_som
So o amor_nao_sustenta_a_relacao_som
lealtran
 
SóOamornãOsustentaarelaçãO
SóOamornãOsustentaarelaçãOSóOamornãOsustentaarelaçãO
SóOamornãOsustentaarelaçãO
Hélio Consolaro
 
Todo casal deveria ler
Todo casal deveria lerTodo casal deveria ler
Todo casal deveria ler
Mensagens Virtuais
 
Todo casal deveria ler 1
Todo casal deveria ler 1Todo casal deveria ler 1
Todo casal deveria ler 1
Mensagens Virtuais
 
Promessas matrimoniais
Promessas matrimoniaisPromessas matrimoniais
Promessas matrimoniais
Mensagens Virtuais
 
Homem Maduro (04 2008)
Homem Maduro (04 2008)Homem Maduro (04 2008)
Homem Maduro (04 2008)
Renato Cardoso
 
Só o amor não sustenta a relacao
Só o amor não sustenta a relacaoSó o amor não sustenta a relacao
Só o amor não sustenta a relacao
Doni Cia
 
Só O Amor NãO Sustenta A RelaçãO...
Só O Amor NãO Sustenta A RelaçãO...Só O Amor NãO Sustenta A RelaçãO...
Só O Amor NãO Sustenta A RelaçãO...
JNR
 
Beijar, transar e largar
Beijar, transar e largarBeijar, transar e largar
Beijar, transar e largar
Jean Francesco
 
O amor em silêncio
O amor em silêncioO amor em silêncio
O amor em silêncio
valtermn
 
Felicidade realista 1
Felicidade realista 1Felicidade realista 1
Felicidade realista 1
Mensagens Virtuais
 
Felicidade realista mario quintana
Felicidade realista   mario quintanaFelicidade realista   mario quintana
Felicidade realista mario quintana
Osnir da Silva
 
Felicidade realista mario quintana
Felicidade realista   mario quintanaFelicidade realista   mario quintana
Felicidade realista mario quintana
Nilce Bravo
 
Felicidade
FelicidadeFelicidade
Felicidade
lealtran
 
Os Inimigos Do Casamento
Os Inimigos Do CasamentoOs Inimigos Do Casamento
Os Inimigos Do Casamento
ALTAIR GERMANO
 
Atalhos 2
Atalhos 2Atalhos 2
Atalhos 2
JNR
 
Todo casal deveria ler
Todo casal deveria lerTodo casal deveria ler
Todo casal deveria ler
Marta Caregnato
 

Mais procurados (17)

So o amor_nao_sustenta_a_relacao_som
So o amor_nao_sustenta_a_relacao_somSo o amor_nao_sustenta_a_relacao_som
So o amor_nao_sustenta_a_relacao_som
 
SóOamornãOsustentaarelaçãO
SóOamornãOsustentaarelaçãOSóOamornãOsustentaarelaçãO
SóOamornãOsustentaarelaçãO
 
Todo casal deveria ler
Todo casal deveria lerTodo casal deveria ler
Todo casal deveria ler
 
Todo casal deveria ler 1
Todo casal deveria ler 1Todo casal deveria ler 1
Todo casal deveria ler 1
 
Promessas matrimoniais
Promessas matrimoniaisPromessas matrimoniais
Promessas matrimoniais
 
Homem Maduro (04 2008)
Homem Maduro (04 2008)Homem Maduro (04 2008)
Homem Maduro (04 2008)
 
Só o amor não sustenta a relacao
Só o amor não sustenta a relacaoSó o amor não sustenta a relacao
Só o amor não sustenta a relacao
 
Só O Amor NãO Sustenta A RelaçãO...
Só O Amor NãO Sustenta A RelaçãO...Só O Amor NãO Sustenta A RelaçãO...
Só O Amor NãO Sustenta A RelaçãO...
 
Beijar, transar e largar
Beijar, transar e largarBeijar, transar e largar
Beijar, transar e largar
 
O amor em silêncio
O amor em silêncioO amor em silêncio
O amor em silêncio
 
Felicidade realista 1
Felicidade realista 1Felicidade realista 1
Felicidade realista 1
 
Felicidade realista mario quintana
Felicidade realista   mario quintanaFelicidade realista   mario quintana
Felicidade realista mario quintana
 
Felicidade realista mario quintana
Felicidade realista   mario quintanaFelicidade realista   mario quintana
Felicidade realista mario quintana
 
Felicidade
FelicidadeFelicidade
Felicidade
 
Os Inimigos Do Casamento
Os Inimigos Do CasamentoOs Inimigos Do Casamento
Os Inimigos Do Casamento
 
Atalhos 2
Atalhos 2Atalhos 2
Atalhos 2
 
Todo casal deveria ler
Todo casal deveria lerTodo casal deveria ler
Todo casal deveria ler
 

Destaque

Workshop Dar Lugar aos Afectos
Workshop Dar Lugar aos AfectosWorkshop Dar Lugar aos Afectos
Workshop Dar Lugar aos Afectos
LugaraoAfecto
 
Sexualidade powerpoint
Sexualidade powerpointSexualidade powerpoint
Sexualidade powerpoint
georgiamfc
 
á Descoberta Da Sexualidade
á Descoberta Da Sexualidadeá Descoberta Da Sexualidade
á Descoberta Da Sexualidade
veronicasilva
 
Dimensões da sexulidade estereotipos de género
Dimensões da sexulidade estereotipos de géneroDimensões da sexulidade estereotipos de género
Dimensões da sexulidade estereotipos de género
José António Farias
 
Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescência Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescência
Gisele Da Fonseca
 
Sexualidade na educação infantil
Sexualidade na educação infantilSexualidade na educação infantil
Sexualidade na educação infantil
Mary Lopes
 
Sexualidade infantil
Sexualidade infantil Sexualidade infantil
Sexualidade infantil
Dhilma Freitas
 
Educaçao sexual
Educaçao sexualEducaçao sexual
Educaçao sexual
Felipe Spessatto
 
Sexualidade powerpoint
Sexualidade  powerpointSexualidade  powerpoint
Sexualidade powerpoint
escola 2/3 Bernardino Machado
 
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Alinebrauna Brauna
 
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
Thiago de Almeida
 
CRA
CRACRA
2 educação sexual , currículo e formação de professores
2   educação sexual , currículo e formação de professores2   educação sexual , currículo e formação de professores
2 educação sexual , currículo e formação de professores
SER_2011
 
Retrospectiva 2014 PIM Rio Grande
Retrospectiva 2014 PIM Rio GrandeRetrospectiva 2014 PIM Rio Grande
Retrospectiva 2014 PIM Rio Grande
Daiana Vignolo
 
A Sexualidade
A SexualidadeA Sexualidade
A Sexualidade
Sérgio Freitas
 
Será que a joaninha tem uma pilinha
Será que a joaninha tem uma pilinhaSerá que a joaninha tem uma pilinha
Será que a joaninha tem uma pilinha
Teresa Ramos
 
Sexualidade Sem TíTulo 1
Sexualidade Sem TíTulo 1Sexualidade Sem TíTulo 1
Sexualidade Sem TíTulo 1
marinafferreira
 
Sexualidade na adolescencia
Sexualidade na adolescenciaSexualidade na adolescencia
Sexualidade na adolescencia
Lasianny
 
Adolescencia
Adolescencia Adolescencia
Adolescencia
Carla Estevens
 
Como os brasileiros lidam com a saúde sexual?
Como os brasileiros lidam com a saúde sexual?Como os brasileiros lidam com a saúde sexual?
Como os brasileiros lidam com a saúde sexual?
eCGlobal
 

Destaque (20)

Workshop Dar Lugar aos Afectos
Workshop Dar Lugar aos AfectosWorkshop Dar Lugar aos Afectos
Workshop Dar Lugar aos Afectos
 
Sexualidade powerpoint
Sexualidade powerpointSexualidade powerpoint
Sexualidade powerpoint
 
á Descoberta Da Sexualidade
á Descoberta Da Sexualidadeá Descoberta Da Sexualidade
á Descoberta Da Sexualidade
 
Dimensões da sexulidade estereotipos de género
Dimensões da sexulidade estereotipos de géneroDimensões da sexulidade estereotipos de género
Dimensões da sexulidade estereotipos de género
 
Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescência Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescência
 
Sexualidade na educação infantil
Sexualidade na educação infantilSexualidade na educação infantil
Sexualidade na educação infantil
 
Sexualidade infantil
Sexualidade infantil Sexualidade infantil
Sexualidade infantil
 
Educaçao sexual
Educaçao sexualEducaçao sexual
Educaçao sexual
 
Sexualidade powerpoint
Sexualidade  powerpointSexualidade  powerpoint
Sexualidade powerpoint
 
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
Slides sexualidade na adolescência (palestra infanto)
 
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
Como ensinar os conceitos de Sexo e de Sexualidade na escola?
 
CRA
CRACRA
CRA
 
2 educação sexual , currículo e formação de professores
2   educação sexual , currículo e formação de professores2   educação sexual , currículo e formação de professores
2 educação sexual , currículo e formação de professores
 
Retrospectiva 2014 PIM Rio Grande
Retrospectiva 2014 PIM Rio GrandeRetrospectiva 2014 PIM Rio Grande
Retrospectiva 2014 PIM Rio Grande
 
A Sexualidade
A SexualidadeA Sexualidade
A Sexualidade
 
Será que a joaninha tem uma pilinha
Será que a joaninha tem uma pilinhaSerá que a joaninha tem uma pilinha
Será que a joaninha tem uma pilinha
 
Sexualidade Sem TíTulo 1
Sexualidade Sem TíTulo 1Sexualidade Sem TíTulo 1
Sexualidade Sem TíTulo 1
 
Sexualidade na adolescencia
Sexualidade na adolescenciaSexualidade na adolescencia
Sexualidade na adolescencia
 
Adolescencia
Adolescencia Adolescencia
Adolescencia
 
Como os brasileiros lidam com a saúde sexual?
Como os brasileiros lidam com a saúde sexual?Como os brasileiros lidam com a saúde sexual?
Como os brasileiros lidam com a saúde sexual?
 

Semelhante a A descoberta da sexualidade

Sexualidade Relacao
Sexualidade RelacaoSexualidade Relacao
Sexualidade Relacao
martim de freitas
 
Aula fidelidade 2014
Aula fidelidade 2014Aula fidelidade 2014
Aula fidelidade 2014
Mocidade Bezzerra de Menezes
 
Exercitando O Amor1
Exercitando O Amor1Exercitando O Amor1
Exercitando O Amor1
Luzia Gabriele
 
Afectos e relações interpessoais
Afectos e relações interpessoaisAfectos e relações interpessoais
Afectos e relações interpessoais
tocha_turma9a
 
Tem09
Tem09Tem09
Tem09
Tem09Tem09
Expetativa e Realidade do Sexo.pptx
Expetativa e Realidade do Sexo.pptxExpetativa e Realidade do Sexo.pptx
Expetativa e Realidade do Sexo.pptx
Pastor Robson Colaço
 
Tarot das bruxas ok
Tarot das bruxas okTarot das bruxas ok
Tarot das bruxas ok
Yaoloorisa Osunseyi Lili
 
O amor
O amorO amor
O amor
emrcja
 
Taro Das Bruxa (Alessandro Lobo)
Taro Das Bruxa (Alessandro Lobo)Taro Das Bruxa (Alessandro Lobo)
Taro Das Bruxa (Alessandro Lobo)
orismagus
 
Licao 01 O Amor, Um Dom De Deus
Licao 01 O Amor, Um Dom De DeusLicao 01 O Amor, Um Dom De Deus
Licao 01 O Amor, Um Dom De Deus
guest06a00c
 
A Compreensão espiritual dos Relacionamentos
A Compreensão espiritual dos RelacionamentosA Compreensão espiritual dos Relacionamentos
A Compreensão espiritual dos Relacionamentos
mommentumadinfinitum
 
O amor
O amorO amor
O amor
guest2816a
 
AULA- PAPO JOVEM TEMA DO LIVRO NÃO PISE NA BOLA – RICHARD SIMONETTI
AULA- PAPO JOVEMTEMA DO LIVRO NÃO PISE NA BOLA – RICHARD SIMONETTIAULA- PAPO JOVEMTEMA DO LIVRO NÃO PISE NA BOLA – RICHARD SIMONETTI
AULA- PAPO JOVEM TEMA DO LIVRO NÃO PISE NA BOLA – RICHARD SIMONETTI
Harleyde Santos
 
Os tres-pilares-para-construir-uma-relacao-a-dois-de-sucesso
Os tres-pilares-para-construir-uma-relacao-a-dois-de-sucessoOs tres-pilares-para-construir-uma-relacao-a-dois-de-sucesso
Os tres-pilares-para-construir-uma-relacao-a-dois-de-sucesso
Academia do Casamento
 
Como se libertar das relacoes t lucy beresford
Como se libertar das relacoes t   lucy beresfordComo se libertar das relacoes t   lucy beresford
Como se libertar das relacoes t lucy beresford
Samuel Alves dos Santos Lima
 
Como se libertar das relacoes tóxicas.pdf
Como se libertar das relacoes tóxicas.pdfComo se libertar das relacoes tóxicas.pdf
Como se libertar das relacoes tóxicas.pdf
SandraLima324724
 
a prova de fogo.pdf
a prova de fogo.pdfa prova de fogo.pdf
a prova de fogo.pdf
DeniseOlivier3
 
10 dicas como superar o fim relacionamento
10 dicas como superar o  fim relacionamento10 dicas como superar o  fim relacionamento
10 dicas como superar o fim relacionamento
Roger Viturino
 
Afetividade
AfetividadeAfetividade
Afetividade
enfanhanguera
 

Semelhante a A descoberta da sexualidade (20)

Sexualidade Relacao
Sexualidade RelacaoSexualidade Relacao
Sexualidade Relacao
 
Aula fidelidade 2014
Aula fidelidade 2014Aula fidelidade 2014
Aula fidelidade 2014
 
Exercitando O Amor1
Exercitando O Amor1Exercitando O Amor1
Exercitando O Amor1
 
Afectos e relações interpessoais
Afectos e relações interpessoaisAfectos e relações interpessoais
Afectos e relações interpessoais
 
Tem09
Tem09Tem09
Tem09
 
Tem09
Tem09Tem09
Tem09
 
Expetativa e Realidade do Sexo.pptx
Expetativa e Realidade do Sexo.pptxExpetativa e Realidade do Sexo.pptx
Expetativa e Realidade do Sexo.pptx
 
Tarot das bruxas ok
Tarot das bruxas okTarot das bruxas ok
Tarot das bruxas ok
 
O amor
O amorO amor
O amor
 
Taro Das Bruxa (Alessandro Lobo)
Taro Das Bruxa (Alessandro Lobo)Taro Das Bruxa (Alessandro Lobo)
Taro Das Bruxa (Alessandro Lobo)
 
Licao 01 O Amor, Um Dom De Deus
Licao 01 O Amor, Um Dom De DeusLicao 01 O Amor, Um Dom De Deus
Licao 01 O Amor, Um Dom De Deus
 
A Compreensão espiritual dos Relacionamentos
A Compreensão espiritual dos RelacionamentosA Compreensão espiritual dos Relacionamentos
A Compreensão espiritual dos Relacionamentos
 
O amor
O amorO amor
O amor
 
AULA- PAPO JOVEM TEMA DO LIVRO NÃO PISE NA BOLA – RICHARD SIMONETTI
AULA- PAPO JOVEMTEMA DO LIVRO NÃO PISE NA BOLA – RICHARD SIMONETTIAULA- PAPO JOVEMTEMA DO LIVRO NÃO PISE NA BOLA – RICHARD SIMONETTI
AULA- PAPO JOVEM TEMA DO LIVRO NÃO PISE NA BOLA – RICHARD SIMONETTI
 
Os tres-pilares-para-construir-uma-relacao-a-dois-de-sucesso
Os tres-pilares-para-construir-uma-relacao-a-dois-de-sucessoOs tres-pilares-para-construir-uma-relacao-a-dois-de-sucesso
Os tres-pilares-para-construir-uma-relacao-a-dois-de-sucesso
 
Como se libertar das relacoes t lucy beresford
Como se libertar das relacoes t   lucy beresfordComo se libertar das relacoes t   lucy beresford
Como se libertar das relacoes t lucy beresford
 
Como se libertar das relacoes tóxicas.pdf
Como se libertar das relacoes tóxicas.pdfComo se libertar das relacoes tóxicas.pdf
Como se libertar das relacoes tóxicas.pdf
 
a prova de fogo.pdf
a prova de fogo.pdfa prova de fogo.pdf
a prova de fogo.pdf
 
10 dicas como superar o fim relacionamento
10 dicas como superar o  fim relacionamento10 dicas como superar o  fim relacionamento
10 dicas como superar o fim relacionamento
 
Afetividade
AfetividadeAfetividade
Afetividade
 

Último

Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
EdimarEdigesso
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
PIB Penha
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
PIB Penha
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
PIB Penha
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
valneirocha
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
carla983678
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
PIB Penha
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 

Último (20)

Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 

A descoberta da sexualidade

  • 1.  
  • 2. Introdução: Realizamos este trabalho no âmbito da disciplina de área de projecto. Vamos englobar alguns tópicos sobre o que é estar apaixonado, a primeira relação sexual, alguns métodos contraceptivos para prevenir certas doenças.
  • 3. Amor é: Amor é fogo que arde sem se ver, É ferida que dói, e não se sente; É um contentamento descontente, É dor que desatina sem doer. É um não querer mais que bem querer; É um andar solitário entre gente; É nunca concentrar-se de contente; É um cuidar que nunca ganha em se perder. É querer estar preso por vontade ; É servir a quem vence, o vencedor; É ter com quem nos mata, lealdade. Mas como causar pode seu favor Nos corações humanos amizade; Se tão contrario a si é o mesmo Amor?
  • 4.  
  • 5. Alguma vez te sentiste apaixonado, e queres conversar connosco como foi esse sentimento?
  • 6. Todos sabemos que os dedos das mãos não são iguais. Tal como os dedos de nossas mãos, nós somos todos diferentes. Temos personalidade própria, hábitos e costumes distintos, e de repente nos vemos envolvidos com uma outra pessoa, rica em particularidades e diferenças. Que envolvente atracção nos atinge, capaz de nos fazer apaixonados? Mesmo sabendo que nunca vamos encontrar a cópia perfeita de nós mesmos no sexo oposto, as falsas diferenças parecem nos completar. Quando estamos apaixonados começamos a ver o mundo de maneira diferente, parece que nada pode nos atingir; deixamos de lado os nossos antigos passatempos, o céu fica mais azul, começamos de repente a valorizar os segundos do nosso dia… Temos a impressão que dominados pelos ciúmes, as horas, insistem em prolongar as distancias que separam os apaixonados, diminuindo a velocidade do tempo.
  • 7. Neste novo momento de descobertas, tentamos em aceitar o desafio do compromisso de vivermos a saudável convivência. Temos consciência que o nosso namoro contém diferenças e apesar disso, não recusamos em planear o futuro. Na vivência dessa experiência, vamos perceber as delicadas especialidades do nosso (a) namorado (a) que se destacam. São as especialidades das suas virtudes que vêm ao encontro das nossas necessidades e vice-versa. A nossa alma se alegra quando nos sentimos completos através das virtudes que detectamos no outro. Esta descoberta nos estimula a trabalhar em todas as diferenças, a fim de minimizar os conflitos e a promover a harmonia nos nossos namoros, e vida a dois. Vivendo a alegria do compromisso e na mutualidade no nosso crescimento como seres humanos, vamos favorecer á vida em nossos relacionamentos.
  • 8.  
  • 9. A diferença entre o rapaz e a rapariga não separam, bem pelo contrario, unem em mutua complementaridade: O rapaz e a rapariga são duas maneiras de estar no mundo diferentes e complementares; O rapaz e a rapariga estão orientados um para o outro e juntos completam-se.
  • 10. O que faz ir em frente numa relação???
  • 11.  
  • 12. A primeira vez é um assunto muito complexo e rodeado de mistério. Mas a primeira vez do quê? Muitas 'primeira vez' existem dentro de uma relação amorosa. O primeiro beijo, o primeiro carinho, a primeira vez que se está de frente a alguém, a primeira relação sexual.
  • 13. Ser virgem para uns será nunca ter tido relações sexuais, enquanto para outros é o rompimento do hímen. É Perigoso considerar a virgindade como a existência do hímen, pois como seria com as meninas que não o têm, ou com aquelas que o perderam por outro motivo? Limita lembrar aos rapazes que também podem ser virgens, e não têm hímen.
  • 14. Os adolescentes observam muito, que o momento certo é aquele que tem de ser dividido com a pessoa ideal. Mas a grande questão é: como é o homem/mulher ideal? É aquele(a) que tu amas, e ele/ela também? É aquele(a) que te respeita? É aquele(a) que tu admiras?
  • 15. Convém ensaiar, experimentar, partilhar angústias e ansiedades. E pensar que o que é novo e diferente. Pode até não ser exactamente como foi sonhado, mas à medida que a intimidade cresce, pode-se sempre procurar novas emoções.
  • 16. Muitos são os adolescentes que têm medo de sentir a dor na primeira relação sexual. Na realidade, ela não envolve em dor. Os mitos sobre o rompimento do hímen acabam por ficar mais confusos naquele momento. Causa: impulsividade, falta de confiança, medo, ansiedade e o facto de não se sentir preparada para tal momento faz com que a mulher não lubrifique, e os músculos fiquem rígidos. Assim, ficar relaxada é muito importante. Mas quando o casal se sente preparado para uma relação sexual, quando a ocasião é certa e dispõem de tempo só para os dois, basta deixar crescer o desejo, relaxar e curtir o momento com muita calma.
  • 17.  
  • 18. Iniciar a vida sexual é uma escolha individual, e tal decisão deve ser baseada em maturidade. Esse é um momento especial, que precisa do seu tempo e espaço, sem receio ou pressa. Fazer amor é repartir emoções, sensações, é confiar, amar e desejar.
  • 19. · Conversar sobre sentimentos e desejos · deve-se informar sobre os métodos contraceptivos e as doenças sexualmente transmissíveis; · decidir em conjunto quais os métodos usar; · Procurar orientação profissional, para obter instruções importantes a fim de que a vida sexual corra sempre bem. É sempre lembrar: · Respeito próprio é um dos sinais de maturidade para seguir em frente. · O código de ética médica obriga que os médicos guardem segredo sobre tudo aquilo que é sabido no exercício de sua profissão.
  • 20. Contracepção hormonal oral (vulgarmente conhecida como pílula) Contracepção hormonal injectável Contracepção hormonal-implante Dispositivo intra-uterino (DIU) Preservativo masculino Espermicida Abstinência periódica/autocontrolo Contracepção cirúrgica Contracepção de emergência
  • 21. TRABALHO REALIZADO POR: Ana Pereira Nº 2 T 9c Marta Pinheiro Nº14 T 9c