SlideShare uma empresa Scribd logo
DIMENSÕES DA SEXUALIDADE
   A sexualidade é definida como um conceito
   multidimensional incluindo as dimensões:




              Dimensão Afectiva
             Dimensão Interactiva
           Dimensão Genital / Sexual
             Dimensão Relacional
Quando tem inicio a Sexualidade?
Equipa de Saúde da Escola - Quinta das
              Palmeiras
Manifestações da sexualidade
    Estereótipos de género
Aspectos culturais da sexualidade
Manifestações da sexualidade
    Estereótipos de género
Aspectos culturais da sexualidade
               Sabe-se hoje que:
         Todos somos seres sexuados
                      e
 Existe sexualidade nas crianças, nos jovens,
              idosos e deficientes
Estudos científicos na área da sexualidade,
operados nas últimas décadas pela medicina,
biologia, antropologia, história, ciências
sociais e humanas, psicologia, sociologia, ética
e filosofia, permitiram a organização de um
corpus de conhecimento extremamente rico,
vasto e de grande complexidade.
A sexualidade deixou de ser:
   • um sinónimo de reprodução
   • de pecado e de impureza


Para passar a fazer parte integrante :
   •   dos afectos,
   •   do prazer,
   •   da comunicação interpessoal,
   •   da maternidade e da paternidade responsáveis
PELO QUE:

A explicitação da sexualidade tem sofrido
mudanças consideráveis nos últimos anos
A sexualidade não tem início na adolescência
mas,     muito antes, na infância e desde o nascimento
   – São manifestações ao nível da masturbação, nas perguntas
     sobre a origem do nascimento dos bebés, da fecundação, …




• Com 2 – 3 anos a criança tem consciência dos
  seus órgãos sexuais
   – Reconhece-se como pertencendo ao sexo masculino
     ou ao feminino
MAS:
     Sexo é bem diferente da sexualidade
 na medida em que, quando falamos de
 sexo, referimo-nos às características
 Físicas/Biológicas (que diferenciam o macho da fêmea
 para a reprodução)

  – referência à determinação biológica de cada indivíduo
    que implica características cromossómicas, hormonais
    e morfológicas
• O reconhecimento de identificação
  primária, que se efectua pelos 3 – 4 anos, é
  conhecida pela identidade de género
  – resultante dos construtos sociais
  – e não das diferenças biológicas
Género e Igualdade de Género
Género e Igualdade de Género
O género é …
o conjunto de características e comportamentos

      que é atribuído ao sexo masculino e feminino
      pela(s) sociedade(s) e que tem que ver com
      crenças que definem o que é masculinidade e
      feminilidade,
      bem como com experiências criadas pelos
      próprios pais à volta do que será e fará o seu filho
      se for rapaz ou rapariga
SEXO               ≠         GÉNERO

“característica biológica que   “conjunto de normas sociais
diferencia o macho da fêmea      diferenciadas para cada sexo,
para a reprodução (…)            elaboradas, portanto, pela
referência à determinação        sociedade e impostas aos
biológica de cada indivíduo      indivíduos, desde que nascem,
que implica características      como modelos de identificação”
cromossómicas, hormonais e
morfológicas.”                        Depende dos costumes e normas
                                      sociais, estatutos e meios culturais:
                                    • Expectativas individuais, familiares e
                                      sociais
                                    • Divisão do trabalho
                                    • ….
Por igualdade de género deve entender-se…


         Valorizar de igual maneira as diferenças entre
         mulheres e homens como os diferentes papeis
         que desempenham na sociedade

         Discutir como atingir um maior equilíbrio entre
         valores femininos e masculinos

         Garantir uma igual visibilidade e participação de
         ambos os sexos em todas as esferas da vida
         pública e privada
NecessitamosV oar - A talho.lnk
A Plataforma de Acção da IV Conferência Mundial das Nações unidas sobre as
              Mulheres que ocorreu em Nova Iorque, em 1996.

    e virá a propósito citar …


  As relações igualitárias entre mulheres e
   homens no domínio da sexualidade e da
 reprodução, incluindo o respeito pleno pela
integridade da pessoa, exigem o respeito e o
 consentimento recíproco e uma partilha de
    responsabilidades no que se refere ao
       comportamento sexual e às suas
               consequências.
                                                           Parágrafo 96
1. Por volta dos 4, 5 anos a criança apresenta
   comportamentos estereotipados ligados aos
   papeis de género
• O menino vai aprendendo a ser homem
  não mostrando as suas emoções,
  fazendo em grande esforço de
  autocontrolo para não exteriorizar
  sentimentos que possam ter uma
  conotação feminina
• A menina vai aprendendo a ser mulher,
  tentando colocar-se no lugar dos outros,
  sabendo ceder, mostrando-se terna e
  doce
ASSIM…
Por imitação a criança aprende os papeis
sociais sexuais, isto é aprende o que é ser
mulher e homem na sua cultura
2. A criança entre os 7 e o 13 anos faz o seu
   percurso quase só entre amigos do mesmo
   sexo, o que acaba por reforçar a identidade
   de género
3. É consensual entre os especialistas que a infância
   tem influência no desenvolvimento psicossexual
   do adolescente, mas…
      a experiência da sexualidade na adolescência
          tem que ver com experiências novas

   Eis, pois, três aspectos absolutamente fundamentais
    nesta fase da vida:
      A imagem do Corpo,
      A identidade Sexual e a
      Escolha do “objecto sexual”
A imagem do corpo e a identidade sexual

O Adolescente acede a elas,

    através de se olhar e olhar o(s) outro(s)
             e o(s) seu(s) desejo(s)
Então:
O adolescente constroe a imagem do corpo
pelas sensações e emoções que lhe são
transmitidas, que lhe chegam através das
outras pessoas
A Identidade Sexual não é algo com que se
nasça, ela vai-se formando.

Assim:
   • A formação da identidade sexual não
    tem lugar apenas ao nível biológico,
    mas ao nível psicológico e social
   • Nascer com órgãos sexuais masculinos ou
    femininos não é condição necessária e
    suficiente para que o individuo se torne
    homem ou mulher
A Identidade Sexual define a identificação do
 “EU” pelo individuo como:

Homossexual            Heterossexual               Bissexual




  Quase Sempre a Identidade Sexual é consolidada na adolescência
Quase Sempre a Identidade Sexual é consolidada na adolescência


   Na construção da sua Identidade Sexual, vai ter de
 equacionar os papeis sexuais - variáveis com as diferentes
             culturas e ao longo da História.




São, pois, representações de comportamentos em diferentes contextos
Orientação Sexual

… é definida como a preferência da pessoa por
um determinado sexo




Na escolha do “objecto sexual”, a orientação que predomina é
           para o sexo oposto – a Heterossexualidade
 Só muito recentemente a psiquiatria deixou de considerar a
         homossexualidade como uma doença mental
Resumo: No âmbito da sexualidade da(o)
criança/adolescente há que ter presente:

         A Pessoa,
         (Única, com dignidade própria e direito a autodeterminar-se)

         O Ambiente
         A Identidade Sexual
         A Realização Sexual
         (na vivencia plena de uma sexualidade equilibrada)

            Necessários para atingiu o seu Projecto de Vida tão
         equilibrado quanto possível em direcção ao seu bem-estar

Tendo como Principais agentes de socialização que integram no seu desenvolvimento:
                   A Família,
                                         Os Professores e
                                                                        Os Pares
A EDUCAÇÃO SEXUAL
Com o início da actividade sexual dos jovens,
torna-se urgente uma intervenção que lhes permita
                adquirir competências,
  de forma a minimizar a dessincronização que se
             verifica entre a maturidade
                 Física  Psicológica
O que se pretende é que os jovens sejam
responsáveis em relação à sua vida
sexual, capazes de reconhecer os seus
sentimentos e os dos que o rodeiam
e que aprendam o verdadeiro significado das
palavras como:
RespeitoPartilhaRelaçãoIgualdade…

             Amar
                        e
                            Fazer amor…
Dimensões da Educação Sexual




  •   Dimensão Biológica;
  •   Dimensão Psicológica;
  •   Dimensão Sociológica;
  •   Dimensão Ética
DIMENSÃO BIOLÓGICA DA ES

      Há quem faça confusão entre ES e informação sexual

  Informação sexual - Refere-se ao conhecimento dos
  aspectos biológicos da sexualidade (órgãos sexuais, partes eróticas do
  corpo, saúde sexual e reprodutiva)


    A informação não chega para que se possa falar de ES

Porque:
 A sexualidade humana não pode ser reduzida à dimensão
                 biológica (genitalsexual),
        Outras dimensões têm que estar presentes
                        (afectivainteractivarelacional)
DIMENSÃO PSICOLÓGICA DA ES

 O desenvolvimento da sexualidade é indissociável
 do desenvolvimento da personalidade
     • ou seja, a sexualidade está ligada ao desenvolvimento da
       pessoa como um todo e um ser único


• Assim a ES
  – deve contribuir para o crescimento e realização
    psicológica e pessoal, e
  – também para o estabelecimento de relações
    interpessoais
DIMENSÃO SOCIOLÓGICA DA
                    EDUCAÇÃO SEXUAL

  Quando falamos na dimensão sociológica da ES, temos que
  abordar diferentes aspectos, tais como:

• A relação com os outros num padrão sexual (papéis sexuais;
  discriminação entre os sexos; …).
• Estabelecimento de relações íntimas (relações com os
  elementos significativos).
• Mudança social (aceitação do comportamento e identidade sexual
  como um comportamento normal por parte da sociedade).
• Controlo social (tensão entre as necessidades de diversidade e as
  necessidades de controlo com vista à manutenção do sistema social).
DIMENSÃO ÉTICA DA ES


  A forma como vivemos a nossa sexualidade
• Condiciona a construção de relações com os outros,
• Bem como a construção do nosso sistema de
  valores morais pessoais


  Também nesta perspectiva se encontra a importância da
    ES, que ao desenvolver o raciocínio moral dos Jovens
   contribui decisivamente na resolução de ansiedades e
                   nas tomadas de decisão
“A verdadeira

  Educação Sexual,

é a Educação de Amar”
Educação Sexual =/= Fisiologia Humana e Reprodução
Aspectos Culturais Ligados à
          Sexualidade
• MUTILAÇÃO SEXUAL
• RITOS DE PASSAGEM
FIM

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sexualidade Na Adolescência
Sexualidade Na AdolescênciaSexualidade Na Adolescência
Sexualidade Na Adolescência
Pedui
 
Educação Sexual na Adolescência
Educação Sexual na AdolescênciaEducação Sexual na Adolescência
Educação Sexual na Adolescência
patte
 
Sexualidade e Aprendizagem
Sexualidade e AprendizagemSexualidade e Aprendizagem
Sexualidade e Aprendizagem
Márcia Cafeland
 
Educaçao sexual
Educaçao sexualEducaçao sexual
Educaçao sexual
Felipe Spessatto
 
Sexualidade e afetividade 1
Sexualidade e afetividade 1Sexualidade e afetividade 1
Sexualidade e afetividade 1
Patrícia Alvarenga Sá
 
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIASEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
Jose Camara
 
Sexualidade na Escola
Sexualidade na EscolaSexualidade na Escola
Sexualidade na Escola
LeandroFuzaro
 
Educação sexual - Puberdade
Educação sexual - Puberdade Educação sexual - Puberdade
Educação sexual - Puberdade
nandavcs
 
Slides infanto completo
Slides infanto completoSlides infanto completo
Slides infanto completo
Alinebrauna Brauna
 
Chegou a adolescência
Chegou a adolescênciaChegou a adolescência
Chegou a adolescência
Camila Oliveira
 
Puberdade e Adolescência
Puberdade e AdolescênciaPuberdade e Adolescência
Puberdade e Adolescência
Juliana Gomes
 
A adolescência e a puberdade
A adolescência e a puberdadeA adolescência e a puberdade
A adolescência e a puberdade
Espaço Emrc
 
A Sexualidade e a Escola
A Sexualidade e a EscolaA Sexualidade e a Escola
A Sexualidade e a Escola
Michele Pó
 
Educação sexual e prevenção slides
Educação sexual e prevenção   slidesEducação sexual e prevenção   slides
Educação sexual e prevenção slides
Valentinacarvalho
 
Powerpoint da Orientação Sexual
Powerpoint da Orientação SexualPowerpoint da Orientação Sexual
Powerpoint da Orientação Sexual
fajuchico
 
Metodos contraceptivos spe
Metodos contraceptivos speMetodos contraceptivos spe
Metodos contraceptivos spe
Alinebrauna Brauna
 
Questões sobre sexualidade e reprodução humana
Questões sobre sexualidade e reprodução humanaQuestões sobre sexualidade e reprodução humana
Questões sobre sexualidade e reprodução humana
Catir
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
guestbacc08
 
Projeto educação Sexual
Projeto educação SexualProjeto educação Sexual
Projeto educação Sexual
Luana Santos
 
Educação sexual
Educação sexualEducação sexual
Educação sexual
lazaro12r
 

Mais procurados (20)

Sexualidade Na Adolescência
Sexualidade Na AdolescênciaSexualidade Na Adolescência
Sexualidade Na Adolescência
 
Educação Sexual na Adolescência
Educação Sexual na AdolescênciaEducação Sexual na Adolescência
Educação Sexual na Adolescência
 
Sexualidade e Aprendizagem
Sexualidade e AprendizagemSexualidade e Aprendizagem
Sexualidade e Aprendizagem
 
Educaçao sexual
Educaçao sexualEducaçao sexual
Educaçao sexual
 
Sexualidade e afetividade 1
Sexualidade e afetividade 1Sexualidade e afetividade 1
Sexualidade e afetividade 1
 
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIASEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
SEXUALIDADE E GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA
 
Sexualidade na Escola
Sexualidade na EscolaSexualidade na Escola
Sexualidade na Escola
 
Educação sexual - Puberdade
Educação sexual - Puberdade Educação sexual - Puberdade
Educação sexual - Puberdade
 
Slides infanto completo
Slides infanto completoSlides infanto completo
Slides infanto completo
 
Chegou a adolescência
Chegou a adolescênciaChegou a adolescência
Chegou a adolescência
 
Puberdade e Adolescência
Puberdade e AdolescênciaPuberdade e Adolescência
Puberdade e Adolescência
 
A adolescência e a puberdade
A adolescência e a puberdadeA adolescência e a puberdade
A adolescência e a puberdade
 
A Sexualidade e a Escola
A Sexualidade e a EscolaA Sexualidade e a Escola
A Sexualidade e a Escola
 
Educação sexual e prevenção slides
Educação sexual e prevenção   slidesEducação sexual e prevenção   slides
Educação sexual e prevenção slides
 
Powerpoint da Orientação Sexual
Powerpoint da Orientação SexualPowerpoint da Orientação Sexual
Powerpoint da Orientação Sexual
 
Metodos contraceptivos spe
Metodos contraceptivos speMetodos contraceptivos spe
Metodos contraceptivos spe
 
Questões sobre sexualidade e reprodução humana
Questões sobre sexualidade e reprodução humanaQuestões sobre sexualidade e reprodução humana
Questões sobre sexualidade e reprodução humana
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 
Projeto educação Sexual
Projeto educação SexualProjeto educação Sexual
Projeto educação Sexual
 
Educação sexual
Educação sexualEducação sexual
Educação sexual
 

Semelhante a Dimensões da sexulidade estereotipos de género

Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescência Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescência
Gisele Da Fonseca
 
Bicastiradentes orientaçãosexual
Bicastiradentes orientaçãosexualBicastiradentes orientaçãosexual
Bicastiradentes orientaçãosexual
temastransversais
 
sexualidade
sexualidadesexualidade
sexualidade
Vithória Almeida
 
A sexualidade dos 2 aos 10 ano snovo
A sexualidade dos 2 aos 10 ano snovoA sexualidade dos 2 aos 10 ano snovo
A sexualidade dos 2 aos 10 ano snovo
Vera Gama
 
Workshop sexualidade e deficiência
Workshop  sexualidade e deficiênciaWorkshop  sexualidade e deficiência
Workshop sexualidade e deficiência
SER_2011
 
educação sexual.pptx
educação sexual.pptxeducação sexual.pptx
educação sexual.pptx
RenildaCarvalho1
 
Oficina sexualidade ot
Oficina sexualidade otOficina sexualidade ot
Oficina sexualidade ot
georgerlanio
 
Gênero Formação.pdf
Gênero Formação.pdfGênero Formação.pdf
Gênero Formação.pdf
AnaPaulaHoroback
 
Diversidade sexual na escola
Diversidade sexual na escolaDiversidade sexual na escola
Diversidade sexual na escola
Orlando Santos Brito
 
Identidade e Gênero A(1).pptkkkkkkkkkkkl
Identidade e Gênero A(1).pptkkkkkkkkkkklIdentidade e Gênero A(1).pptkkkkkkkkkkkl
Identidade e Gênero A(1).pptkkkkkkkkkkkl
Wellington Sousa
 
Gênero e sexualidade na Educação Infantil (Jonas Alves da Silva Junior)
Gênero e sexualidade na Educação Infantil (Jonas Alves da Silva Junior)Gênero e sexualidade na Educação Infantil (Jonas Alves da Silva Junior)
Gênero e sexualidade na Educação Infantil (Jonas Alves da Silva Junior)
jornadaeducacaoinfantil
 
Sexualidade e Aprendizagem
Sexualidade e AprendizagemSexualidade e Aprendizagem
Sexualidade e Aprendizagem
Marcia Nakamura
 
Conceito e breve histórico sobre a sexualidade
Conceito e breve histórico sobre a sexualidadeConceito e breve histórico sobre a sexualidade
Conceito e breve histórico sobre a sexualidade
SimoneHelenDrumond
 
30 abril
30 abril30 abril
30 abril
LugaraoAfecto
 
fa2017_debater_sexualidade_DEDI_apresentacao.pdf
fa2017_debater_sexualidade_DEDI_apresentacao.pdffa2017_debater_sexualidade_DEDI_apresentacao.pdf
fa2017_debater_sexualidade_DEDI_apresentacao.pdf
EdnaBaslio
 
Pilares da sexualidade encontro com professores mediadores 2013
Pilares da sexualidade   encontro com professores mediadores 2013Pilares da sexualidade   encontro com professores mediadores 2013
Pilares da sexualidade encontro com professores mediadores 2013
Fernanda Rezende Pedroza
 
Sexualidade e Saúde reprodutiva.
Sexualidade e Saúde reprodutiva.Sexualidade e Saúde reprodutiva.
Sexualidade e Saúde reprodutiva.
MARISTA , UVA, FIC, FAINTER, GÊNESIS
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
paulalavajo
 
A educação sexual no pré escolar
A educação sexual no pré escolarA educação sexual no pré escolar
A educação sexual no pré escolar
Maria Amaral
 
Sexualidade powerpoint
Sexualidade powerpointSexualidade powerpoint
Sexualidade powerpoint
georgiamfc
 

Semelhante a Dimensões da sexulidade estereotipos de género (20)

Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescência Sexualidade na adolescência
Sexualidade na adolescência
 
Bicastiradentes orientaçãosexual
Bicastiradentes orientaçãosexualBicastiradentes orientaçãosexual
Bicastiradentes orientaçãosexual
 
sexualidade
sexualidadesexualidade
sexualidade
 
A sexualidade dos 2 aos 10 ano snovo
A sexualidade dos 2 aos 10 ano snovoA sexualidade dos 2 aos 10 ano snovo
A sexualidade dos 2 aos 10 ano snovo
 
Workshop sexualidade e deficiência
Workshop  sexualidade e deficiênciaWorkshop  sexualidade e deficiência
Workshop sexualidade e deficiência
 
educação sexual.pptx
educação sexual.pptxeducação sexual.pptx
educação sexual.pptx
 
Oficina sexualidade ot
Oficina sexualidade otOficina sexualidade ot
Oficina sexualidade ot
 
Gênero Formação.pdf
Gênero Formação.pdfGênero Formação.pdf
Gênero Formação.pdf
 
Diversidade sexual na escola
Diversidade sexual na escolaDiversidade sexual na escola
Diversidade sexual na escola
 
Identidade e Gênero A(1).pptkkkkkkkkkkkl
Identidade e Gênero A(1).pptkkkkkkkkkkklIdentidade e Gênero A(1).pptkkkkkkkkkkkl
Identidade e Gênero A(1).pptkkkkkkkkkkkl
 
Gênero e sexualidade na Educação Infantil (Jonas Alves da Silva Junior)
Gênero e sexualidade na Educação Infantil (Jonas Alves da Silva Junior)Gênero e sexualidade na Educação Infantil (Jonas Alves da Silva Junior)
Gênero e sexualidade na Educação Infantil (Jonas Alves da Silva Junior)
 
Sexualidade e Aprendizagem
Sexualidade e AprendizagemSexualidade e Aprendizagem
Sexualidade e Aprendizagem
 
Conceito e breve histórico sobre a sexualidade
Conceito e breve histórico sobre a sexualidadeConceito e breve histórico sobre a sexualidade
Conceito e breve histórico sobre a sexualidade
 
30 abril
30 abril30 abril
30 abril
 
fa2017_debater_sexualidade_DEDI_apresentacao.pdf
fa2017_debater_sexualidade_DEDI_apresentacao.pdffa2017_debater_sexualidade_DEDI_apresentacao.pdf
fa2017_debater_sexualidade_DEDI_apresentacao.pdf
 
Pilares da sexualidade encontro com professores mediadores 2013
Pilares da sexualidade   encontro com professores mediadores 2013Pilares da sexualidade   encontro com professores mediadores 2013
Pilares da sexualidade encontro com professores mediadores 2013
 
Sexualidade e Saúde reprodutiva.
Sexualidade e Saúde reprodutiva.Sexualidade e Saúde reprodutiva.
Sexualidade e Saúde reprodutiva.
 
Sexualidade
SexualidadeSexualidade
Sexualidade
 
A educação sexual no pré escolar
A educação sexual no pré escolarA educação sexual no pré escolar
A educação sexual no pré escolar
 
Sexualidade powerpoint
Sexualidade powerpointSexualidade powerpoint
Sexualidade powerpoint
 

Mais de José António Farias

Mitos sobre sexualidade material sugestões
Mitos sobre sexualidade  material sugestõesMitos sobre sexualidade  material sugestões
Mitos sobre sexualidade material sugestõesJosé António Farias
 
Exposiçao sexo e entao cad prof
Exposiçao sexo e entao cad profExposiçao sexo e entao cad prof
Exposiçao sexo e entao cad prof
José António Farias
 
gabinete apoio ao aluno
gabinete apoio ao alunogabinete apoio ao aluno
gabinete apoio ao aluno
José António Farias
 
pessoa - ambiente - saúde
pessoa - ambiente - saúdepessoa - ambiente - saúde
pessoa - ambiente - saúde
José António Farias
 
Aferição de conceitos
Aferição de conceitosAferição de conceitos
Aferição de conceitos
José António Farias
 
Saude
SaudeSaude
Técnicas de educação sexual
Técnicas de educação sexualTécnicas de educação sexual
Técnicas de educação sexual
José António Farias
 
O que todos os homens pensam para além do sexo
O que todos os homens pensam para além do sexoO que todos os homens pensam para além do sexo
O que todos os homens pensam para além do sexo
José António Farias
 
Sugestões de Actividades (EduSex)
Sugestões de Actividades (EduSex)Sugestões de Actividades (EduSex)
Sugestões de Actividades (EduSex)
José António Farias
 
Material didáctico (Educação Sexual)
Material didáctico (Educação Sexual)Material didáctico (Educação Sexual)
Material didáctico (Educação Sexual)
José António Farias
 
Educação Sexual nas Escolas
Educação Sexual nas EscolasEducação Sexual nas Escolas
Educação Sexual nas Escolas
José António Farias
 
Educação sexual (pratica 2)
Educação sexual (pratica 2)Educação sexual (pratica 2)
Educação sexual (pratica 2)
José António Farias
 
Necessitamos Voar...
Necessitamos Voar...Necessitamos Voar...
Necessitamos Voar...
José António Farias
 
As mulheres em Portugal (Igualdade de género)
As mulheres em Portugal (Igualdade de género)As mulheres em Portugal (Igualdade de género)
As mulheres em Portugal (Igualdade de género)
José António Farias
 
Ii saúde escola promotora de saúde
Ii saúde   escola promotora de saúdeIi saúde   escola promotora de saúde
Ii saúde escola promotora de saúde
José António Farias
 

Mais de José António Farias (20)

Mitos sobre sexualidade material sugestões
Mitos sobre sexualidade  material sugestõesMitos sobre sexualidade  material sugestões
Mitos sobre sexualidade material sugestões
 
Exposiçao sexo e entao cad prof
Exposiçao sexo e entao cad profExposiçao sexo e entao cad prof
Exposiçao sexo e entao cad prof
 
gabinete apoio ao aluno
gabinete apoio ao alunogabinete apoio ao aluno
gabinete apoio ao aluno
 
pessoa - ambiente - saúde
pessoa - ambiente - saúdepessoa - ambiente - saúde
pessoa - ambiente - saúde
 
Aferição de conceitos
Aferição de conceitosAferição de conceitos
Aferição de conceitos
 
Saude
SaudeSaude
Saude
 
Técnicas de educação sexual
Técnicas de educação sexualTécnicas de educação sexual
Técnicas de educação sexual
 
Obj minimos em edu sex
Obj minimos em edu sexObj minimos em edu sex
Obj minimos em edu sex
 
O que todos os homens pensam para além do sexo
O que todos os homens pensam para além do sexoO que todos os homens pensam para além do sexo
O que todos os homens pensam para além do sexo
 
Bibliografia
BibliografiaBibliografia
Bibliografia
 
Objectivos da Educação Sexual
Objectivos da Educação SexualObjectivos da Educação Sexual
Objectivos da Educação Sexual
 
Sugestões de Actividades (EduSex)
Sugestões de Actividades (EduSex)Sugestões de Actividades (EduSex)
Sugestões de Actividades (EduSex)
 
Material didáctico (Educação Sexual)
Material didáctico (Educação Sexual)Material didáctico (Educação Sexual)
Material didáctico (Educação Sexual)
 
Educação Sexual nas Escolas
Educação Sexual nas EscolasEducação Sexual nas Escolas
Educação Sexual nas Escolas
 
Educação sexual (pratica 2)
Educação sexual (pratica 2)Educação sexual (pratica 2)
Educação sexual (pratica 2)
 
Educação sexual (pratica 1)
Educação sexual (pratica 1)Educação sexual (pratica 1)
Educação sexual (pratica 1)
 
Necessitamos Voar...
Necessitamos Voar...Necessitamos Voar...
Necessitamos Voar...
 
As mulheres em Portugal (Igualdade de género)
As mulheres em Portugal (Igualdade de género)As mulheres em Portugal (Igualdade de género)
As mulheres em Portugal (Igualdade de género)
 
Projecto Final linhas orientadoras
Projecto Final  linhas orientadorasProjecto Final  linhas orientadoras
Projecto Final linhas orientadoras
 
Ii saúde escola promotora de saúde
Ii saúde   escola promotora de saúdeIi saúde   escola promotora de saúde
Ii saúde escola promotora de saúde
 

Dimensões da sexulidade estereotipos de género

  • 1. DIMENSÕES DA SEXUALIDADE A sexualidade é definida como um conceito multidimensional incluindo as dimensões: Dimensão Afectiva Dimensão Interactiva Dimensão Genital / Sexual Dimensão Relacional
  • 2. Quando tem inicio a Sexualidade?
  • 3. Equipa de Saúde da Escola - Quinta das Palmeiras
  • 4. Manifestações da sexualidade Estereótipos de género Aspectos culturais da sexualidade
  • 5.
  • 6. Manifestações da sexualidade Estereótipos de género Aspectos culturais da sexualidade Sabe-se hoje que: Todos somos seres sexuados e Existe sexualidade nas crianças, nos jovens, idosos e deficientes
  • 7. Estudos científicos na área da sexualidade, operados nas últimas décadas pela medicina, biologia, antropologia, história, ciências sociais e humanas, psicologia, sociologia, ética e filosofia, permitiram a organização de um corpus de conhecimento extremamente rico, vasto e de grande complexidade.
  • 8. A sexualidade deixou de ser: • um sinónimo de reprodução • de pecado e de impureza Para passar a fazer parte integrante : • dos afectos, • do prazer, • da comunicação interpessoal, • da maternidade e da paternidade responsáveis
  • 9. PELO QUE: A explicitação da sexualidade tem sofrido mudanças consideráveis nos últimos anos
  • 10. A sexualidade não tem início na adolescência mas, muito antes, na infância e desde o nascimento – São manifestações ao nível da masturbação, nas perguntas sobre a origem do nascimento dos bebés, da fecundação, … • Com 2 – 3 anos a criança tem consciência dos seus órgãos sexuais – Reconhece-se como pertencendo ao sexo masculino ou ao feminino
  • 11. MAS: Sexo é bem diferente da sexualidade na medida em que, quando falamos de sexo, referimo-nos às características Físicas/Biológicas (que diferenciam o macho da fêmea para a reprodução) – referência à determinação biológica de cada indivíduo que implica características cromossómicas, hormonais e morfológicas
  • 12. • O reconhecimento de identificação primária, que se efectua pelos 3 – 4 anos, é conhecida pela identidade de género – resultante dos construtos sociais – e não das diferenças biológicas
  • 13. Género e Igualdade de Género
  • 14. Género e Igualdade de Género
  • 15. O género é … o conjunto de características e comportamentos que é atribuído ao sexo masculino e feminino pela(s) sociedade(s) e que tem que ver com crenças que definem o que é masculinidade e feminilidade, bem como com experiências criadas pelos próprios pais à volta do que será e fará o seu filho se for rapaz ou rapariga
  • 16. SEXO ≠ GÉNERO “característica biológica que “conjunto de normas sociais diferencia o macho da fêmea diferenciadas para cada sexo, para a reprodução (…) elaboradas, portanto, pela referência à determinação sociedade e impostas aos biológica de cada indivíduo indivíduos, desde que nascem, que implica características como modelos de identificação” cromossómicas, hormonais e morfológicas.” Depende dos costumes e normas sociais, estatutos e meios culturais: • Expectativas individuais, familiares e sociais • Divisão do trabalho • ….
  • 17. Por igualdade de género deve entender-se… Valorizar de igual maneira as diferenças entre mulheres e homens como os diferentes papeis que desempenham na sociedade Discutir como atingir um maior equilíbrio entre valores femininos e masculinos Garantir uma igual visibilidade e participação de ambos os sexos em todas as esferas da vida pública e privada
  • 18. NecessitamosV oar - A talho.lnk
  • 19. A Plataforma de Acção da IV Conferência Mundial das Nações unidas sobre as Mulheres que ocorreu em Nova Iorque, em 1996. e virá a propósito citar … As relações igualitárias entre mulheres e homens no domínio da sexualidade e da reprodução, incluindo o respeito pleno pela integridade da pessoa, exigem o respeito e o consentimento recíproco e uma partilha de responsabilidades no que se refere ao comportamento sexual e às suas consequências. Parágrafo 96
  • 20. 1. Por volta dos 4, 5 anos a criança apresenta comportamentos estereotipados ligados aos papeis de género
  • 21. • O menino vai aprendendo a ser homem não mostrando as suas emoções, fazendo em grande esforço de autocontrolo para não exteriorizar sentimentos que possam ter uma conotação feminina
  • 22. • A menina vai aprendendo a ser mulher, tentando colocar-se no lugar dos outros, sabendo ceder, mostrando-se terna e doce
  • 23. ASSIM… Por imitação a criança aprende os papeis sociais sexuais, isto é aprende o que é ser mulher e homem na sua cultura
  • 24. 2. A criança entre os 7 e o 13 anos faz o seu percurso quase só entre amigos do mesmo sexo, o que acaba por reforçar a identidade de género
  • 25. 3. É consensual entre os especialistas que a infância tem influência no desenvolvimento psicossexual do adolescente, mas… a experiência da sexualidade na adolescência tem que ver com experiências novas  Eis, pois, três aspectos absolutamente fundamentais nesta fase da vida:  A imagem do Corpo,  A identidade Sexual e a  Escolha do “objecto sexual”
  • 26. A imagem do corpo e a identidade sexual O Adolescente acede a elas, através de se olhar e olhar o(s) outro(s) e o(s) seu(s) desejo(s)
  • 27. Então: O adolescente constroe a imagem do corpo pelas sensações e emoções que lhe são transmitidas, que lhe chegam através das outras pessoas
  • 28. A Identidade Sexual não é algo com que se nasça, ela vai-se formando. Assim: • A formação da identidade sexual não tem lugar apenas ao nível biológico, mas ao nível psicológico e social • Nascer com órgãos sexuais masculinos ou femininos não é condição necessária e suficiente para que o individuo se torne homem ou mulher
  • 29. A Identidade Sexual define a identificação do “EU” pelo individuo como: Homossexual Heterossexual Bissexual Quase Sempre a Identidade Sexual é consolidada na adolescência
  • 30. Quase Sempre a Identidade Sexual é consolidada na adolescência Na construção da sua Identidade Sexual, vai ter de equacionar os papeis sexuais - variáveis com as diferentes culturas e ao longo da História. São, pois, representações de comportamentos em diferentes contextos
  • 31. Orientação Sexual … é definida como a preferência da pessoa por um determinado sexo Na escolha do “objecto sexual”, a orientação que predomina é para o sexo oposto – a Heterossexualidade Só muito recentemente a psiquiatria deixou de considerar a homossexualidade como uma doença mental
  • 32. Resumo: No âmbito da sexualidade da(o) criança/adolescente há que ter presente: A Pessoa, (Única, com dignidade própria e direito a autodeterminar-se) O Ambiente A Identidade Sexual A Realização Sexual (na vivencia plena de uma sexualidade equilibrada) Necessários para atingiu o seu Projecto de Vida tão equilibrado quanto possível em direcção ao seu bem-estar Tendo como Principais agentes de socialização que integram no seu desenvolvimento: A Família, Os Professores e Os Pares
  • 34. Com o início da actividade sexual dos jovens, torna-se urgente uma intervenção que lhes permita adquirir competências, de forma a minimizar a dessincronização que se verifica entre a maturidade Física Psicológica
  • 35. O que se pretende é que os jovens sejam responsáveis em relação à sua vida sexual, capazes de reconhecer os seus sentimentos e os dos que o rodeiam e que aprendam o verdadeiro significado das palavras como: RespeitoPartilhaRelaçãoIgualdade… Amar e Fazer amor…
  • 36. Dimensões da Educação Sexual • Dimensão Biológica; • Dimensão Psicológica; • Dimensão Sociológica; • Dimensão Ética
  • 37. DIMENSÃO BIOLÓGICA DA ES Há quem faça confusão entre ES e informação sexual Informação sexual - Refere-se ao conhecimento dos aspectos biológicos da sexualidade (órgãos sexuais, partes eróticas do corpo, saúde sexual e reprodutiva) A informação não chega para que se possa falar de ES Porque: A sexualidade humana não pode ser reduzida à dimensão biológica (genitalsexual), Outras dimensões têm que estar presentes (afectivainteractivarelacional)
  • 38. DIMENSÃO PSICOLÓGICA DA ES O desenvolvimento da sexualidade é indissociável do desenvolvimento da personalidade • ou seja, a sexualidade está ligada ao desenvolvimento da pessoa como um todo e um ser único • Assim a ES – deve contribuir para o crescimento e realização psicológica e pessoal, e – também para o estabelecimento de relações interpessoais
  • 39. DIMENSÃO SOCIOLÓGICA DA EDUCAÇÃO SEXUAL Quando falamos na dimensão sociológica da ES, temos que abordar diferentes aspectos, tais como: • A relação com os outros num padrão sexual (papéis sexuais; discriminação entre os sexos; …). • Estabelecimento de relações íntimas (relações com os elementos significativos). • Mudança social (aceitação do comportamento e identidade sexual como um comportamento normal por parte da sociedade). • Controlo social (tensão entre as necessidades de diversidade e as necessidades de controlo com vista à manutenção do sistema social).
  • 40. DIMENSÃO ÉTICA DA ES A forma como vivemos a nossa sexualidade • Condiciona a construção de relações com os outros, • Bem como a construção do nosso sistema de valores morais pessoais Também nesta perspectiva se encontra a importância da ES, que ao desenvolver o raciocínio moral dos Jovens contribui decisivamente na resolução de ansiedades e nas tomadas de decisão
  • 41. “A verdadeira Educação Sexual, é a Educação de Amar”
  • 42.
  • 43. Educação Sexual =/= Fisiologia Humana e Reprodução
  • 44. Aspectos Culturais Ligados à Sexualidade • MUTILAÇÃO SEXUAL • RITOS DE PASSAGEM
  • 45. FIM