SlideShare uma empresa Scribd logo
TRANSPORTE DE SEIVA
BRUTA E ELABORADA
Colégio Batista de Mantena
Prof. Ms. Zayra Prado Almondes
Pré Vestibular Sistema Objetivo
DEFINIÇÃO
 Pteridófitas, gimnospermas e
angiospermas apresentam um
sistema de vasos que transporta por
toda a planta a seiva bruta e a seiva
elaborada.
 Seiva bruta: água e sais minerais
absorvidos do solo.
 Seiva elaborada: substâncias
orgânicas produzidas nas folhas
2016 Frente 3 módulo 9b transporte seiva bruta
TRANSPORTE DE SEIVA
BRUTA
VASOS LENHOSOS - XILEMA
São formados por:
 Traqueídes
 Elementos dos vasos
(traqueias)
 Parênquima lenhoso
 Fibras lenhosas.
TRAQUEÍDES
 Células mortas com paredes lignificadas.
 A lignina deposita-se, formando anéis, espirais,
etc.
 Ao longo das paredes celulares aparecem
pontuações, sendo a mais importante a
pontuação areolada das coníferas.
ELEMENTOS DOS VASOS
 Células alongadas que se dispõem em fileiras,
formando os vasos lenhosos (traqueias).
 Paredes transversais são perfuradas ou
completamente reabsorvidas.
 As células são mortas, e as paredes lignificadas.
 A lignina deposita-se, formando anéis, espirais, etc.
OUTROS
Parênquima lenhoso:
 Células vivas associadas com as traqueídes e elementos dos vasos.
Fibras lenhosas
 São fibras esclerenquimáticas de sustentação.
2016 Frente 3 módulo 9b transporte seiva bruta
SEIVA BRUTA
 Solução de água e sais minerais que a planta absorve do
solo.
 0,1% e 0,4% é sólido (sais, açúcares, aminoácidos e
alcaloides).
 Sentido ascendente, percorrendo as células do xilema.
TEORIA DE DIXON
 Teoria de Dixon ou Teoria da Sucção
das Folhas ou Teoria da Sucção-
Tensão-Coesão e Adesão
 Teoria mais aceita
 Baseia-se no processo da
transpiração.
TEORIA DE DIXON
 O vegetal transpira.
 A transpiração eleva o valor de DPD (déficit de pressão de
difusão) nas células das folhas, originando a sucção das
folhas.
 A seiva bruta é retirada dos vasos lenhosos.
 Sujeita à força da sucção, a água circula desde as raízes
até as folhas, numa coluna contínua e em estado de
tensão.
TEORIA DE DIXON
 A continuidade da coluna líquida é explicada pelas forças
de coesão das moléculas de água e adesão da água nas
paredes do vaso lenhoso.
 A água penetra na raiz, principalmente através dos pelos
absorventes, por osmose.
 Os íons minerais são absorvidos continuamente, por
transporte ativo, garantindo uma pressão osmótica elevada e
facilitando a penetração de água por osmose.
TRANSPORTE DE SEIVA
ELABORADA
2016 Frente 3 módulo 9b transporte seiva bruta
VASOS LIBERIANOS - FLOEMA
 Vasos liberianos
 Células anexas
 Fibras liberianas
 Parênquimas liberianos
VASOS LIBERIANOS
 Células vivas dispostas em fileiras, anucleadas e com
paredes celulares primárias.
 Parede transversal da célula é dotada de uma grande
quantidade de poros, formando a placa crivada.
 Através destes poros, passam pontes citoplasmáticas.
 A parede do poro é revestida por calose.
CÉLULAS ANEXAS
 Células parenquimáticas especiais relacionadas com a
manutenção das células dos vasos liberianos.
 São células vivas.
OUTRAS
 Fibras liberianas
 São elementos esclerenquimáticos de sustentação
mecânica.
 Parênquimas liberianos
 São células vivas.
SEIVA ELABORADA
 Solução de substâncias orgânicas, principalmente açúcares
produzidos durante a fotossíntese.
 O açúcar mais frequente é a sacarose.
TRANSPORTE DA SEIVA ELABORADA
 Solução de substâncias
orgânicas, principalmente
açúcares produzidos durante a
fotossíntese.
 O açúcar mais frequente é a
sacarose.
TEORIA DE MUNCH
Münch idealizou o seguinte sistema físico:
 Dois osmômetros A e B são ligados por um tubo de vidro C.
 Os osmômetros são mergulhados em recipientes contendo
água.
TEORIA DE MUNCH
Münch idealizou o seguinte sistema físico:
 Dois osmômetros A e B são ligados por um tubo de vidro C.
 Os osmômetros são mergulhados em recipientes contendo
água.
TEORIA DE MUNCH
 O osmômetro A (mais concentrado): absorve mais água do
que o B.
 A água circula pelo tubo C, arrastando com ela o soluto. A
pressão hidrostática aumenta no osmômetro B, e a água é
forçada a sair deste osmômetro, circulando pelo tubo D.
TEORIA DE MUNCH
 A seiva elaborada circula dos órgãos de maior pressão
osmótica para os órgãos de menor pressão osmótica.
 Época vegetativa: a seiva elaborada é descendente,
deslocando-se das folhas para as raízes (órgãos produtores
para os de consumo ou de reserva).
 Época de floração: as matérias armazenadas na raiz são
hidrolisadas, a raiz aumenta a pressão osmótica e a seiva
elaborada é ascendente.
2016 Frente 3 módulo 9b transporte seiva bruta
ANEL DE MALPIGHI
ANEL DE MALPIGHI
 Retirar a casca de uma árvore ou arbusto formando um anel completo em torno de
seu caule.
 São retiradas tecidos periféricos e o floema.
 Resta, na planta, o xilema.
 Inicialmente não há alterações notáveis na planta.
 A seiva bruta sobe pelo xilema e chega às folhas.
 Estas realizam fotos síntese, produzem seiva orgânica que se desloca para baixo,
através do floema.
 Na região do anel, a seiva não consegue passar, acumulando-se na parte superior.
 As raízes, à medi da que os dias passam, gastam as reservas e depois morrem.
 Cessa então a absorção de água, as folhas murcham e a planta morre.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

transportenasplantas
transportenasplantastransportenasplantas
transportenasplantas
James Rodrigo Colodel
 
Transporte Nas Plantas
Transporte Nas PlantasTransporte Nas Plantas
Transporte Nas Plantas
Isabelpessoa
 
Biologia 10º transporte nas plantas
Biologia 10º   transporte nas plantasBiologia 10º   transporte nas plantas
Biologia 10º transporte nas plantas
Nuno Correia
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
spondias
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
margaridabt
 
2016 Frente 3 módulo 9b transporte
2016 Frente 3 módulo 9b transporte2016 Frente 3 módulo 9b transporte
2016 Frente 3 módulo 9b transporte
Colégio Batista de Mantena
 
transporte Plantas
transporte Plantastransporte Plantas
transporte Plantas
Cidalia Aguiar
 
Distribuição de matéria
Distribuição de matériaDistribuição de matéria
Distribuição de matéria
Rita Pereira
 
Ppt2 AbsorçãO Radicular
Ppt2   AbsorçãO RadicularPpt2   AbsorçãO Radicular
Ppt2 AbsorçãO Radicular
Nuno Correia
 
Xilema e floema
Xilema e floemaXilema e floema
Xilema e floema
00367p
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
margaridabt
 
Módulo a3.1 transporte nas plantas
Módulo a3.1   transporte nas plantasMódulo a3.1   transporte nas plantas
Módulo a3.1 transporte nas plantas
Leonor Vaz Pereira
 
reino plantae
reino plantaereino plantae
reino plantae
Brígida Menário
 
Bg17 transporte nas plantas - seiva bruta transportada pelo xilema
Bg17   transporte nas plantas - seiva bruta transportada pelo xilemaBg17   transporte nas plantas - seiva bruta transportada pelo xilema
Bg17 transporte nas plantas - seiva bruta transportada pelo xilema
Nuno Correia
 
Translocação de solutos orgânicos
Translocação de solutos orgânicosTranslocação de solutos orgânicos
Translocação de solutos orgânicos
Joseanny Pereira
 
2º Ano - Fisiologia vegetal - Condução e Transpiração I
2º Ano - Fisiologia vegetal - Condução e Transpiração I2º Ano - Fisiologia vegetal - Condução e Transpiração I
2º Ano - Fisiologia vegetal - Condução e Transpiração I
Escola Modelo de Iguatu
 
Transporte nas plantas ppt
Transporte nas plantas pptTransporte nas plantas ppt
Transporte nas plantas ppt
margaridabt
 
Distribuição de materia
Distribuição de materiaDistribuição de materia
Distribuição de materia
Pelo Siro
 

Mais procurados (18)

transportenasplantas
transportenasplantastransportenasplantas
transportenasplantas
 
Transporte Nas Plantas
Transporte Nas PlantasTransporte Nas Plantas
Transporte Nas Plantas
 
Biologia 10º transporte nas plantas
Biologia 10º   transporte nas plantasBiologia 10º   transporte nas plantas
Biologia 10º transporte nas plantas
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
 
2016 Frente 3 módulo 9b transporte
2016 Frente 3 módulo 9b transporte2016 Frente 3 módulo 9b transporte
2016 Frente 3 módulo 9b transporte
 
transporte Plantas
transporte Plantastransporte Plantas
transporte Plantas
 
Distribuição de matéria
Distribuição de matériaDistribuição de matéria
Distribuição de matéria
 
Ppt2 AbsorçãO Radicular
Ppt2   AbsorçãO RadicularPpt2   AbsorçãO Radicular
Ppt2 AbsorçãO Radicular
 
Xilema e floema
Xilema e floemaXilema e floema
Xilema e floema
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
 
Módulo a3.1 transporte nas plantas
Módulo a3.1   transporte nas plantasMódulo a3.1   transporte nas plantas
Módulo a3.1 transporte nas plantas
 
reino plantae
reino plantaereino plantae
reino plantae
 
Bg17 transporte nas plantas - seiva bruta transportada pelo xilema
Bg17   transporte nas plantas - seiva bruta transportada pelo xilemaBg17   transporte nas plantas - seiva bruta transportada pelo xilema
Bg17 transporte nas plantas - seiva bruta transportada pelo xilema
 
Translocação de solutos orgânicos
Translocação de solutos orgânicosTranslocação de solutos orgânicos
Translocação de solutos orgânicos
 
2º Ano - Fisiologia vegetal - Condução e Transpiração I
2º Ano - Fisiologia vegetal - Condução e Transpiração I2º Ano - Fisiologia vegetal - Condução e Transpiração I
2º Ano - Fisiologia vegetal - Condução e Transpiração I
 
Transporte nas plantas ppt
Transporte nas plantas pptTransporte nas plantas ppt
Transporte nas plantas ppt
 
Distribuição de materia
Distribuição de materiaDistribuição de materia
Distribuição de materia
 

Semelhante a 2016 Frente 3 módulo 9b transporte seiva bruta

Transporte nas plantas ppt
Transporte nas plantas pptTransporte nas plantas ppt
Transporte nas plantas ppt
margaridabt
 
Transporte nas plantas ppt
Transporte nas plantas pptTransporte nas plantas ppt
Transporte nas plantas ppt
margaridabt
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
margaridabt
 
Transporte nas plantas Biologia 10º ano.pdf
Transporte nas plantas Biologia 10º ano.pdfTransporte nas plantas Biologia 10º ano.pdf
Transporte nas plantas Biologia 10º ano.pdf
Luis736092
 
plantas e transporte de seivas 10 ano pdf
plantas e transporte de seivas 10 ano pdfplantas e transporte de seivas 10 ano pdf
plantas e transporte de seivas 10 ano pdf
MikeMicas
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
Robervania Nadja
 
BIOLOG_10_Aula_4_1_maio.pdf
BIOLOG_10_Aula_4_1_maio.pdfBIOLOG_10_Aula_4_1_maio.pdf
BIOLOG_10_Aula_4_1_maio.pdf
margaridasantos321545
 
transportenasplantas-profissional.pptx
transportenasplantas-profissional.pptxtransportenasplantas-profissional.pptx
transportenasplantas-profissional.pptx
IsauraSilva13
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
aulasdotubao
 
Transporte Nas Plantas
Transporte Nas PlantasTransporte Nas Plantas
Transporte Nas Plantas
Tânia Reis
 
Apostila fisiologia vegetal
Apostila fisiologia vegetalApostila fisiologia vegetal
Apostila fisiologia vegetal
Rafael Soapprice
 
Fisiologia Vegetal - aula de conceitos.ppt
Fisiologia Vegetal - aula de conceitos.pptFisiologia Vegetal - aula de conceitos.ppt
Fisiologia Vegetal - aula de conceitos.ppt
AndrFerraz20
 
2S_Fisio vegetal nutrição e circulação - setembro 2014
2S_Fisio vegetal nutrição e circulação - setembro 20142S_Fisio vegetal nutrição e circulação - setembro 2014
2S_Fisio vegetal nutrição e circulação - setembro 2014
Ionara Urrutia Moura
 
Aula 5. Balanço hídrico em plantas s.pdf
Aula 5. Balanço hídrico em plantas s.pdfAula 5. Balanço hídrico em plantas s.pdf
Aula 5. Balanço hídrico em plantas s.pdf
anailsonalves2017
 
Matéria e Seres Vivos
Matéria e Seres VivosMatéria e Seres Vivos
Matéria e Seres Vivos
guest57e587
 
Poriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2mPoriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2m
Laguat
 
Relações Hídricas - Andeson Rodrigues.pdf
Relações Hídricas - Andeson Rodrigues.pdfRelações Hídricas - Andeson Rodrigues.pdf
Relações Hídricas - Andeson Rodrigues.pdf
AndesonRodriguesdaCo
 
Mapa conceitual membrana plasmática
Mapa conceitual   membrana plasmáticaMapa conceitual   membrana plasmática
Mapa conceitual membrana plasmática
Laurinda Lima
 
Sistema linfáticovaneideceafi
Sistema linfáticovaneideceafiSistema linfáticovaneideceafi
Sistema linfáticovaneideceafi
Karla Carmo
 
Sistema linfáticovaneideceafi
Sistema linfáticovaneideceafiSistema linfáticovaneideceafi
Sistema linfáticovaneideceafi
Karla Carmo
 

Semelhante a 2016 Frente 3 módulo 9b transporte seiva bruta (20)

Transporte nas plantas ppt
Transporte nas plantas pptTransporte nas plantas ppt
Transporte nas plantas ppt
 
Transporte nas plantas ppt
Transporte nas plantas pptTransporte nas plantas ppt
Transporte nas plantas ppt
 
Transporte nas plantas
Transporte nas plantasTransporte nas plantas
Transporte nas plantas
 
Transporte nas plantas Biologia 10º ano.pdf
Transporte nas plantas Biologia 10º ano.pdfTransporte nas plantas Biologia 10º ano.pdf
Transporte nas plantas Biologia 10º ano.pdf
 
plantas e transporte de seivas 10 ano pdf
plantas e transporte de seivas 10 ano pdfplantas e transporte de seivas 10 ano pdf
plantas e transporte de seivas 10 ano pdf
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
 
BIOLOG_10_Aula_4_1_maio.pdf
BIOLOG_10_Aula_4_1_maio.pdfBIOLOG_10_Aula_4_1_maio.pdf
BIOLOG_10_Aula_4_1_maio.pdf
 
transportenasplantas-profissional.pptx
transportenasplantas-profissional.pptxtransportenasplantas-profissional.pptx
transportenasplantas-profissional.pptx
 
Fisiologia vegetal
Fisiologia vegetalFisiologia vegetal
Fisiologia vegetal
 
Transporte Nas Plantas
Transporte Nas PlantasTransporte Nas Plantas
Transporte Nas Plantas
 
Apostila fisiologia vegetal
Apostila fisiologia vegetalApostila fisiologia vegetal
Apostila fisiologia vegetal
 
Fisiologia Vegetal - aula de conceitos.ppt
Fisiologia Vegetal - aula de conceitos.pptFisiologia Vegetal - aula de conceitos.ppt
Fisiologia Vegetal - aula de conceitos.ppt
 
2S_Fisio vegetal nutrição e circulação - setembro 2014
2S_Fisio vegetal nutrição e circulação - setembro 20142S_Fisio vegetal nutrição e circulação - setembro 2014
2S_Fisio vegetal nutrição e circulação - setembro 2014
 
Aula 5. Balanço hídrico em plantas s.pdf
Aula 5. Balanço hídrico em plantas s.pdfAula 5. Balanço hídrico em plantas s.pdf
Aula 5. Balanço hídrico em plantas s.pdf
 
Matéria e Seres Vivos
Matéria e Seres VivosMatéria e Seres Vivos
Matéria e Seres Vivos
 
Poriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2mPoriferos cnidarios 2m
Poriferos cnidarios 2m
 
Relações Hídricas - Andeson Rodrigues.pdf
Relações Hídricas - Andeson Rodrigues.pdfRelações Hídricas - Andeson Rodrigues.pdf
Relações Hídricas - Andeson Rodrigues.pdf
 
Mapa conceitual membrana plasmática
Mapa conceitual   membrana plasmáticaMapa conceitual   membrana plasmática
Mapa conceitual membrana plasmática
 
Sistema linfáticovaneideceafi
Sistema linfáticovaneideceafiSistema linfáticovaneideceafi
Sistema linfáticovaneideceafi
 
Sistema linfáticovaneideceafi
Sistema linfáticovaneideceafiSistema linfáticovaneideceafi
Sistema linfáticovaneideceafi
 

Mais de Colégio Batista de Mantena

2016 Frente 2 módulo 14 Vitaminas
2016 Frente 2 módulo 14 Vitaminas2016 Frente 2 módulo 14 Vitaminas
2016 Frente 2 módulo 14 Vitaminas
Colégio Batista de Mantena
 
O ESTUDO DO FÓSFORO EM SOLOS DE ÁREA DE EXTRAÇÃO SELETIVA DE MADEIRA NA AMAZÔ...
O ESTUDO DO FÓSFORO EM SOLOS DE ÁREA DE EXTRAÇÃO SELETIVA DE MADEIRA NA AMAZÔ...O ESTUDO DO FÓSFORO EM SOLOS DE ÁREA DE EXTRAÇÃO SELETIVA DE MADEIRA NA AMAZÔ...
O ESTUDO DO FÓSFORO EM SOLOS DE ÁREA DE EXTRAÇÃO SELETIVA DE MADEIRA NA AMAZÔ...
Colégio Batista de Mantena
 
Frente 1 módulo 11 Sistema abo
Frente 1 módulo 11 Sistema aboFrente 1 módulo 11 Sistema abo
Frente 1 módulo 11 Sistema abo
Colégio Batista de Mantena
 
2016 Frente 1 modulo 13 Engenharia genética
2016 Frente 1 modulo 13 Engenharia genética2016 Frente 1 modulo 13 Engenharia genética
2016 Frente 1 modulo 13 Engenharia genética
Colégio Batista de Mantena
 
2016 Frente 1 módulo 12 Herança dos genes cromossomos sexuais
2016 Frente 1 módulo 12 Herança dos genes cromossomos sexuais2016 Frente 1 módulo 12 Herança dos genes cromossomos sexuais
2016 Frente 1 módulo 12 Herança dos genes cromossomos sexuais
Colégio Batista de Mantena
 
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
Colégio Batista de Mantena
 
2016 Frente 2 módulo 12 Sistema Endócrino
2016 Frente 2 módulo 12 Sistema Endócrino2016 Frente 2 módulo 12 Sistema Endócrino
2016 Frente 2 módulo 12 Sistema Endócrino
Colégio Batista de Mantena
 
2016 Frente 2 módulo 12 Métodos Contraceptivos
2016 Frente 2 módulo 12 Métodos Contraceptivos2016 Frente 2 módulo 12 Métodos Contraceptivos
2016 Frente 2 módulo 12 Métodos Contraceptivos
Colégio Batista de Mantena
 
2016 Frente 3 módulo 15 Poluição
2016 Frente 3 módulo 15 Poluição2016 Frente 3 módulo 15 Poluição
2016 Frente 3 módulo 15 Poluição
Colégio Batista de Mantena
 
2016 Frente 3 módulo 14 Sucessão Ecológica
2016 Frente 3 módulo 14 Sucessão Ecológica2016 Frente 3 módulo 14 Sucessão Ecológica
2016 Frente 3 módulo 14 Sucessão Ecológica
Colégio Batista de Mantena
 
2016 Frente 3 módulo 13 Ciclos Biogeoquímicos
2016 Frente 3 módulo 13 Ciclos Biogeoquímicos2016 Frente 3 módulo 13 Ciclos Biogeoquímicos
2016 Frente 3 módulo 13 Ciclos Biogeoquímicos
Colégio Batista de Mantena
 
2016 Frente 3 módulo 12 Relacoes Ecologicas
2016 Frente 3 módulo 12 Relacoes Ecologicas2016 Frente 3 módulo 12 Relacoes Ecologicas
2016 Frente 3 módulo 12 Relacoes Ecologicas
Colégio Batista de Mantena
 
2016 Frente 3 módulo 11 ecologia
2016 Frente 3 módulo 11 ecologia2016 Frente 3 módulo 11 ecologia
2016 Frente 3 módulo 11 ecologia
Colégio Batista de Mantena
 
2016 Frente 3 módulo 10b movimentos vegetais
2016 Frente 3 módulo 10b movimentos vegetais2016 Frente 3 módulo 10b movimentos vegetais
2016 Frente 3 módulo 10b movimentos vegetais
Colégio Batista de Mantena
 
2016 Frente 3 módulo 10 hormonios vegetais
2016 Frente 3 módulo 10 hormonios vegetais2016 Frente 3 módulo 10 hormonios vegetais
2016 Frente 3 módulo 10 hormonios vegetais
Colégio Batista de Mantena
 
2016 Frente 3 módulo 10b movimentos vegetais
2016 Frente 3 módulo 10b movimentos vegetais2016 Frente 3 módulo 10b movimentos vegetais
2016 Frente 3 módulo 10b movimentos vegetais
Colégio Batista de Mantena
 
2016 Frente 3 módulo 10 hormonios vegetais
2016 Frente 3 módulo 10 hormonios vegetais2016 Frente 3 módulo 10 hormonios vegetais
2016 Frente 3 módulo 10 hormonios vegetais
Colégio Batista de Mantena
 
2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais
2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais
2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais
Colégio Batista de Mantena
 
2016 Frente 2 módulo 12 b sistema nervoso – divisões
2016 Frente 2 módulo 12 b sistema nervoso – divisões2016 Frente 2 módulo 12 b sistema nervoso – divisões
2016 Frente 2 módulo 12 b sistema nervoso – divisões
Colégio Batista de Mantena
 
2016 Frente 3 módulo 8 respiração aerobia e anaeróbia
2016 Frente 3 módulo 8 respiração aerobia e anaeróbia2016 Frente 3 módulo 8 respiração aerobia e anaeróbia
2016 Frente 3 módulo 8 respiração aerobia e anaeróbia
Colégio Batista de Mantena
 

Mais de Colégio Batista de Mantena (20)

2016 Frente 2 módulo 14 Vitaminas
2016 Frente 2 módulo 14 Vitaminas2016 Frente 2 módulo 14 Vitaminas
2016 Frente 2 módulo 14 Vitaminas
 
O ESTUDO DO FÓSFORO EM SOLOS DE ÁREA DE EXTRAÇÃO SELETIVA DE MADEIRA NA AMAZÔ...
O ESTUDO DO FÓSFORO EM SOLOS DE ÁREA DE EXTRAÇÃO SELETIVA DE MADEIRA NA AMAZÔ...O ESTUDO DO FÓSFORO EM SOLOS DE ÁREA DE EXTRAÇÃO SELETIVA DE MADEIRA NA AMAZÔ...
O ESTUDO DO FÓSFORO EM SOLOS DE ÁREA DE EXTRAÇÃO SELETIVA DE MADEIRA NA AMAZÔ...
 
Frente 1 módulo 11 Sistema abo
Frente 1 módulo 11 Sistema aboFrente 1 módulo 11 Sistema abo
Frente 1 módulo 11 Sistema abo
 
2016 Frente 1 modulo 13 Engenharia genética
2016 Frente 1 modulo 13 Engenharia genética2016 Frente 1 modulo 13 Engenharia genética
2016 Frente 1 modulo 13 Engenharia genética
 
2016 Frente 1 módulo 12 Herança dos genes cromossomos sexuais
2016 Frente 1 módulo 12 Herança dos genes cromossomos sexuais2016 Frente 1 módulo 12 Herança dos genes cromossomos sexuais
2016 Frente 1 módulo 12 Herança dos genes cromossomos sexuais
 
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
2016 Frente 2 módulo 12 sistema nervoso
 
2016 Frente 2 módulo 12 Sistema Endócrino
2016 Frente 2 módulo 12 Sistema Endócrino2016 Frente 2 módulo 12 Sistema Endócrino
2016 Frente 2 módulo 12 Sistema Endócrino
 
2016 Frente 2 módulo 12 Métodos Contraceptivos
2016 Frente 2 módulo 12 Métodos Contraceptivos2016 Frente 2 módulo 12 Métodos Contraceptivos
2016 Frente 2 módulo 12 Métodos Contraceptivos
 
2016 Frente 3 módulo 15 Poluição
2016 Frente 3 módulo 15 Poluição2016 Frente 3 módulo 15 Poluição
2016 Frente 3 módulo 15 Poluição
 
2016 Frente 3 módulo 14 Sucessão Ecológica
2016 Frente 3 módulo 14 Sucessão Ecológica2016 Frente 3 módulo 14 Sucessão Ecológica
2016 Frente 3 módulo 14 Sucessão Ecológica
 
2016 Frente 3 módulo 13 Ciclos Biogeoquímicos
2016 Frente 3 módulo 13 Ciclos Biogeoquímicos2016 Frente 3 módulo 13 Ciclos Biogeoquímicos
2016 Frente 3 módulo 13 Ciclos Biogeoquímicos
 
2016 Frente 3 módulo 12 Relacoes Ecologicas
2016 Frente 3 módulo 12 Relacoes Ecologicas2016 Frente 3 módulo 12 Relacoes Ecologicas
2016 Frente 3 módulo 12 Relacoes Ecologicas
 
2016 Frente 3 módulo 11 ecologia
2016 Frente 3 módulo 11 ecologia2016 Frente 3 módulo 11 ecologia
2016 Frente 3 módulo 11 ecologia
 
2016 Frente 3 módulo 10b movimentos vegetais
2016 Frente 3 módulo 10b movimentos vegetais2016 Frente 3 módulo 10b movimentos vegetais
2016 Frente 3 módulo 10b movimentos vegetais
 
2016 Frente 3 módulo 10 hormonios vegetais
2016 Frente 3 módulo 10 hormonios vegetais2016 Frente 3 módulo 10 hormonios vegetais
2016 Frente 3 módulo 10 hormonios vegetais
 
2016 Frente 3 módulo 10b movimentos vegetais
2016 Frente 3 módulo 10b movimentos vegetais2016 Frente 3 módulo 10b movimentos vegetais
2016 Frente 3 módulo 10b movimentos vegetais
 
2016 Frente 3 módulo 10 hormonios vegetais
2016 Frente 3 módulo 10 hormonios vegetais2016 Frente 3 módulo 10 hormonios vegetais
2016 Frente 3 módulo 10 hormonios vegetais
 
2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais
2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais
2016 Frente 3 módulo 9 transpiração nos vegetais
 
2016 Frente 2 módulo 12 b sistema nervoso – divisões
2016 Frente 2 módulo 12 b sistema nervoso – divisões2016 Frente 2 módulo 12 b sistema nervoso – divisões
2016 Frente 2 módulo 12 b sistema nervoso – divisões
 
2016 Frente 3 módulo 8 respiração aerobia e anaeróbia
2016 Frente 3 módulo 8 respiração aerobia e anaeróbia2016 Frente 3 módulo 8 respiração aerobia e anaeróbia
2016 Frente 3 módulo 8 respiração aerobia e anaeróbia
 

Último

Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 

Último (20)

Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 

2016 Frente 3 módulo 9b transporte seiva bruta

  • 1. TRANSPORTE DE SEIVA BRUTA E ELABORADA Colégio Batista de Mantena Prof. Ms. Zayra Prado Almondes Pré Vestibular Sistema Objetivo
  • 2. DEFINIÇÃO  Pteridófitas, gimnospermas e angiospermas apresentam um sistema de vasos que transporta por toda a planta a seiva bruta e a seiva elaborada.  Seiva bruta: água e sais minerais absorvidos do solo.  Seiva elaborada: substâncias orgânicas produzidas nas folhas
  • 5. VASOS LENHOSOS - XILEMA São formados por:  Traqueídes  Elementos dos vasos (traqueias)  Parênquima lenhoso  Fibras lenhosas.
  • 6. TRAQUEÍDES  Células mortas com paredes lignificadas.  A lignina deposita-se, formando anéis, espirais, etc.  Ao longo das paredes celulares aparecem pontuações, sendo a mais importante a pontuação areolada das coníferas.
  • 7. ELEMENTOS DOS VASOS  Células alongadas que se dispõem em fileiras, formando os vasos lenhosos (traqueias).  Paredes transversais são perfuradas ou completamente reabsorvidas.  As células são mortas, e as paredes lignificadas.  A lignina deposita-se, formando anéis, espirais, etc.
  • 8. OUTROS Parênquima lenhoso:  Células vivas associadas com as traqueídes e elementos dos vasos. Fibras lenhosas  São fibras esclerenquimáticas de sustentação.
  • 10. SEIVA BRUTA  Solução de água e sais minerais que a planta absorve do solo.  0,1% e 0,4% é sólido (sais, açúcares, aminoácidos e alcaloides).  Sentido ascendente, percorrendo as células do xilema.
  • 11. TEORIA DE DIXON  Teoria de Dixon ou Teoria da Sucção das Folhas ou Teoria da Sucção- Tensão-Coesão e Adesão  Teoria mais aceita  Baseia-se no processo da transpiração.
  • 12. TEORIA DE DIXON  O vegetal transpira.  A transpiração eleva o valor de DPD (déficit de pressão de difusão) nas células das folhas, originando a sucção das folhas.  A seiva bruta é retirada dos vasos lenhosos.  Sujeita à força da sucção, a água circula desde as raízes até as folhas, numa coluna contínua e em estado de tensão.
  • 13. TEORIA DE DIXON  A continuidade da coluna líquida é explicada pelas forças de coesão das moléculas de água e adesão da água nas paredes do vaso lenhoso.  A água penetra na raiz, principalmente através dos pelos absorventes, por osmose.  Os íons minerais são absorvidos continuamente, por transporte ativo, garantindo uma pressão osmótica elevada e facilitando a penetração de água por osmose.
  • 16. VASOS LIBERIANOS - FLOEMA  Vasos liberianos  Células anexas  Fibras liberianas  Parênquimas liberianos
  • 17. VASOS LIBERIANOS  Células vivas dispostas em fileiras, anucleadas e com paredes celulares primárias.  Parede transversal da célula é dotada de uma grande quantidade de poros, formando a placa crivada.  Através destes poros, passam pontes citoplasmáticas.  A parede do poro é revestida por calose.
  • 18. CÉLULAS ANEXAS  Células parenquimáticas especiais relacionadas com a manutenção das células dos vasos liberianos.  São células vivas.
  • 19. OUTRAS  Fibras liberianas  São elementos esclerenquimáticos de sustentação mecânica.  Parênquimas liberianos  São células vivas.
  • 20. SEIVA ELABORADA  Solução de substâncias orgânicas, principalmente açúcares produzidos durante a fotossíntese.  O açúcar mais frequente é a sacarose.
  • 21. TRANSPORTE DA SEIVA ELABORADA  Solução de substâncias orgânicas, principalmente açúcares produzidos durante a fotossíntese.  O açúcar mais frequente é a sacarose.
  • 22. TEORIA DE MUNCH Münch idealizou o seguinte sistema físico:  Dois osmômetros A e B são ligados por um tubo de vidro C.  Os osmômetros são mergulhados em recipientes contendo água.
  • 23. TEORIA DE MUNCH Münch idealizou o seguinte sistema físico:  Dois osmômetros A e B são ligados por um tubo de vidro C.  Os osmômetros são mergulhados em recipientes contendo água.
  • 24. TEORIA DE MUNCH  O osmômetro A (mais concentrado): absorve mais água do que o B.  A água circula pelo tubo C, arrastando com ela o soluto. A pressão hidrostática aumenta no osmômetro B, e a água é forçada a sair deste osmômetro, circulando pelo tubo D.
  • 25. TEORIA DE MUNCH  A seiva elaborada circula dos órgãos de maior pressão osmótica para os órgãos de menor pressão osmótica.  Época vegetativa: a seiva elaborada é descendente, deslocando-se das folhas para as raízes (órgãos produtores para os de consumo ou de reserva).  Época de floração: as matérias armazenadas na raiz são hidrolisadas, a raiz aumenta a pressão osmótica e a seiva elaborada é ascendente.
  • 28. ANEL DE MALPIGHI  Retirar a casca de uma árvore ou arbusto formando um anel completo em torno de seu caule.  São retiradas tecidos periféricos e o floema.  Resta, na planta, o xilema.  Inicialmente não há alterações notáveis na planta.  A seiva bruta sobe pelo xilema e chega às folhas.  Estas realizam fotos síntese, produzem seiva orgânica que se desloca para baixo, através do floema.  Na região do anel, a seiva não consegue passar, acumulando-se na parte superior.  As raízes, à medi da que os dias passam, gastam as reservas e depois morrem.  Cessa então a absorção de água, as folhas murcham e a planta morre.