SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
ENSINO MÉDIO – AULA 1: TEORIA LITERÁRIA
NOÇÕES BÁSICAS:
O QUE É LITERATURA?
“Arte literária é mimese(imitação); é a arte que imita pela
palavra.” (Aristóteles,séc.IV a.c.)
Assim:
•Literatura como imitação da realidade;
•Manifestação artística;
•A palavra como matéria-prima;
•Manifestação da expressividade humana.
FUNÇÕES DA LITERATURA:
•Função evasiva – fuga da realidade;
•Função lúdica – jogo de experiências sonoras e de relações
surpreendentes;
Ex. A ONDA (Manuel Bandeira)
A onda anda
Aonde anda
A onda?
A onda ainda
Ainda onda
Ainda anda
Aonde?
Aonde?
A onda a onda
•Função de “Arte pela arte” – descompromissada das lutas sociais
(Parnasianismo)
•Função de literatura “engajada” – comprometida com a defesa de
certas ideias políticas.
Ex. NÃO HÁ VAGAS (Ferreira Gullar)
O preço do feijão
Não cabe no poema. O preço
Do arroz
Não cabe no poema.
Não cabem no poema o gás
A luz o telefone
A sonegação
Do leite
Da carne
Do açúcar
Do pão
O funcionário público
Não cabe no poema
Com seu salário de fome
Sua vida fechada
Em arquivos.
Como não cabe no poema
O operário
Que esmerila seu dia de aço
E carvão
Nas oficinas escuras
- porque o poema, senhores
está fechado: “Não há vagas”
Só cabem no poema
O homem sem estômago
A mulher de nuvens
A fruta sem preço
O poema, senhores,
Não fede
Nem cheira.
(Antologia Poética)
Nosso interesse está na literatura dita “canonizada” – conj. de
obras escritas e aceitas como artisticamente valiosas e
representativas de nossa herança cultural.
Ex. “Dom Casmurro”, de Machado de Assis; “Vidas secas”, de
Graciliano Ramos; “A Hora da Estrela”, de Clarice Lispector,
dentre outras.
LITERATURA É AARTE DA LINGUAGEM ESCRITA, QUE
EXPLORA TODAS AS POTENCIALIDADES DE
COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO E É CAPAZ DE
TRANSPOR LIMITES DE TEMPO E ESPAÇO.
DIFERENÇAS ENTRE UM TEXTO LITERÁRIO E UM NÃO-
LITERÁRIO:
Texto Literário:
 ênfase na expressão;
 linguagem conotativa;
 linguagem mais pessoal, emotiva;
 recriação da realidade;
 ambiguidade – recurso criativo.
Texto não-literário:
•ênfase no conteúdo;
•linguagem denotativa;
•linguagem mais impessoal;
•realidade apenas traduzida;
•Normalmente sem ambigüidade ou duplas interpretações.
Leia os textos abaixo para responder à questão:
(Texto 1) Descuidar do lixo é sujeira
Diariamente, duas horas antes da chegada do caminhão da prefeitura, a gerência de
uma das filiais do McDonald’s deposita na calçada dezenas de sacos plásticos
recheados de papelão, isopor, restos de sanduíches. Isso acaba propiciando um
lamentável banquete de mendigos. Dezenas deles vão ali revirar o material e acabam
deixando os restos espalhados pelo calçadão. (Veja São Paulo, 23-29/12/92)
(Texto 2) O bicho
Vi ontem um bicho
Na imundície do pátio
Catando comida entre os detritos.
Quando achava alguma coisa,
Não examinava nem cheirava:
Engolia com voracidade.
O bicho não era um cão,
Não era um gato,
Não era um rato.
O bicho, meu Deus, era um homem.
(Manuel Bandeira. Em Seleta em prosa e verso. Rio de Janeiro: J. Olympio/MEC,
1971, p.145)
I. No primeiro texto, publicado por uma revista, a
linguagem predominante é a literária, pois sua principal
função é informar o leitor sobre os transtornos
causados pelos detritos.
II. No segundo texto, do escritor Manuel Bandeira, a
linguagem não literária é predominante, pois o poeta
faz uso de uma linguagem objetiva para informar o
leitor.
III. No texto “Descuidar do lixo é sujeira”, a intenção é
informar sobre o lixo que diariamente é depositado nas
calçadas através de uma linguagem objetiva e concisa,
marca dos textos não literários.
IV. O texto “O bicho” é construído em versos e estrofes
e apresenta uma linguagem plurissignificativa, isto é,
permeada por metáforas e simbologias, traços
determinantes da linguagem literária.
Estão corretas as proposições:
a) I, III e IV.
b) III e IV.
c) I, II, III e IV.
d) I e IV.
e) II, III e IV.
Quanto à disposição gráfica, um texto literário pode ser:
Prosa: em linhas “corridas”.
Poesia (verso): a cada linha dá-se o nome de verso e ao conjunto
deles, estrofe.
Estilo individual: é o estilo único de determinado escritor, ou seja,
sua visão única e modo próprio de criação literária.
Estilo de época: características comuns em obras de autores
diferentes,mas contemporâneos. Ex. embora Bernardo Guimarães e
José de Alencar tenham estilos diferentes, ambos pertencem ao
Romantismo.
Escolas literárias: (ou estilos de época)
•Quinhentismo – (1500 – 1601)
•Barroco – (1601 – 1768)
•Arcadismo – (1768 – 1836)
•Romantismo – (1836 – 1881)
•Realismo/Naturalismo/Parnasianismo – ( 1881 – 1922
•Simbolismo – (1893 – 1922)
•Pré-modernismo – (1902 – 1922)
•1ª ger. Modernista – (1922 – 1930)
•2ª ger. Modernista – (1930 – 1945)
•3ª ger. Modernista – (1945 – 1960)
•Literatura contemporânea – (1960 – até nossos dias)
Escolas literárias: (ou estilos de época)
•Quinhentismo – (1500 – 1601)
•Barroco – (1601 – 1768)
•Arcadismo – (1768 – 1836)
•Romantismo – (1836 – 1881)
•Realismo/Naturalismo/Parnasianismo – ( 1881 – 1922
•Simbolismo – (1893 – 1922)
•Pré-modernismo – (1902 – 1922)
•1ª ger. Modernista – (1922 – 1930)
•2ª ger. Modernista – (1930 – 1945)
•3ª ger. Modernista – (1945 – 1960)
•Literatura contemporânea – (1960 – até nossos dias)
Escolas literárias: (ou estilos de época)
•Quinhentismo – (1500 – 1601)
•Barroco – (1601 – 1768)
•Arcadismo – (1768 – 1836)
•Romantismo – (1836 – 1881)
•Realismo/Naturalismo/Parnasianismo – ( 1881 – 1893)
•Simbolismo – (1893 – 1902)
•Pré-modernismo – (1902 – 1922)
•1ª ger. Modernista – (1922 – 1930)
•2ª ger. Modernista – (1930 – 1945)
•3ª ger. Modernista – (1945 – 1970)
•Literatura contemporânea – (1970 – até nossos dias)
GÊNEROS LITERÁRIOS:
Conjuntos de elementos semânticos, estilísticos e formais utilizados
pelos autores em suas obras, para caracteriza-las de acordo com a
sua visão da realidade e o público a que se destinam.
Lírico: sentimental, poético.
Épico: narrativo.
Dramático: teatro.
AULA 2 – TEORIA LTERÁRIA
GÊNERO LÍRICO: é a manifestação literária em que predominam
os aspectos subjetivos do autor. É, em geral, a maneira de o autor
falar consigo mesmo ou com um interlocutor particular (amigo,
amante, fantasia, elemento da natureza, Deus...)
Não confundir “eu-lírico” com o autor. O “eu-lírico” ou “eu-
poético” é uma espécie de personalidade poética criada pelo autor
que dá vazão a sensações e/ou impressões.
ELEMENTOS DA VERSIFICAÇÃO: Elementos técnicos que
auxiliam a leitura, a interpretação e a análise de textos
poéticos.
1. Verso e Estrofe:
Cada linha = verso Conjunto de versos = estrofe
Classificação das estrofes:
•Dísticos = 2 versos
Ex. Canção do exílio (José Paulo Paes)
Um dia segui viagem
Sem olhar sobre o meu ombro
Não vi terras de passagem
Não vi glórias nem escombros.
Guardei no fundo da mala
Um raminho de alecrim.
(...)
•Tercetos = estrofes com 3 versos
Ex. Os Lírios (Henriqueta Lisboa)
Certa madrugada fria
Irei de cabelos soltos
Ver como nascem os lírios.
Quero saber como crescem
Simples e belos – perfeitos! –
Ao abandono dos campos.
(...)
•Quartetos = 4 versos
Ex. Infinito presente (Helena Kolody)
No movimento veloz
De nossa viagem,
Embala-nos a ilusão
Da fuga do tempo.
Poeira esparsa no vento,
Apenas passamos nós.
O tempo é mar que se alarga
Num infinito presente.
•Oitavas = 8 versos
Ex. Os Lusíadas (Canto primeiro) - Camões
As armas e os barões assinalados
Que, da Ocidental praia Lusitana,
Por mares nunca dantes navegados
Passaram ainda além da Taprobana,
Em perigos e guerras esforçados
Mais do que prometia a força humana,
E entre gente remota edificaram
Novo reino, que tanto sublimaram.
•Décimas = 10 versos
Ex. As duas ilhas (Castro Alves)
São eles – os dois gigantes
No século de pigmeus.
São eles que a majestade
Arrancam da mão de Deus.
- Este concentra na fronte
Mais astros – que o horizonte
Mais luz – do que o sol lançou!...
- Aquele – na destra alçada
Traz segura sua espada
- Cometa, que ao céu roubou!...
1. Rimas: coincidência de sons (total ou parcial) entre palavras no
final ou no meio dos versos.
Classificação das rimas:
• Quanto à categoria gramatical:
POBRES: as palavras que rimam pertencem à mesma classe
gramatical.
Exemplo: ........................situado (adjetivo)
........................cresce (verbo)
........................parece (verbo)
........................quebrado (adjetivo)
RICAS: as palavras que rimam pertencem a classes gramaticais
distintas.
Exemplo: .....................arde (verbo)
.....................distante (advérbio)
.....................diamante (substantivo)
.....................tarde (substantivo)
•Quanto à disposição ao longo do poema:
ALTERNADAS ou CRUZADAS:
Incendeia A
Coração B
Passeia A
Canção B
PARALELAS ou EMPARELHADAS
Aniquilar A
Olhar A
Montanhas B
Entranhas B
INTERPOLADAS ou OPOSTAS
Espelho A
Disfarce B
Disfarçar-se B
Conselho? A
Versos brancos são os que não apresentam rima.
1. Métrica: É o número de sílabas poéticas do verso.
Na contagem das sílabas métricas (escansão), observam-se,
geralmente, as seguintes normas:
• A leitura de um verso deve ser caracterizada pelo ritmo;
• Faz-se a contagem de sílabas até a sílaba tônica da última
palavra;
• Acomodar as sílabas seguindo a entonação. Elisão = supressão
de sons ou a sinalefa = acomodação de vários sons a uma
única sílaba métrica).
• Os ditongos, em geral, equivalem a apenas uma sílaba métrica;
• Normalmente, quando uma palavra termina em vogal e a outra
começa por vogal, unem-se esses fonemas numa única sílaba
métrica.
Exemplos:
Ouviram do Ipiranga as margens plácidas
Ou – vi – ram – do – I – pi – ran – ga – as – mar – gens – plá – ci
– das = 14 sílabas gramaticais
Ou – vi – ram – doI – pi – ran – gaAs – mar – gens – plá = 10
sílabas poéticas
De um povo heróico o brado retumbante
De – um – po – vo – he – rói – co – o - bra – do – re – tum – ban –
te = 14 sil. gramaticais
Deum – po – vohe – rói – coo- bra – do – re – tum – ban = 10 sil.
Poéticas
Tais versos são “decassilábicos” = 10 versos
Pentassílabos ou redondilha menor (5 sílabas)
E agora, José?
A festa acabou,
A luz apagou,
O povo sumiu.
(...)
Heptassílabos ou redondilha maior (7 sílabas)
Como são belos os dias
Do despontar da existência
(...)
Eneassílabos = 9 sílabas
Tu choraste em presença da morte?
Na presença de estranhos choraste?
(...)
Dodecassílabo ou alexandrino: 12 sílabas poéticas
Olhai! O sol descamba...A tarde harmoniosa
Envolve luminosa a Grécia em frouxo véu,
Na estrada ao som da vaga, ao suspirar do vento,
De um marco poeirento um velho então se ergueu.
Versos livres são os que não apresentam métrica regular.
Ritmo: a musicalidade implícita ou explícita no poema.
A Banda (Chico Buarque)
Estava à toa na vida,
O meu amor me chamou,
Pra ver a banda passar
Cantando coisas de amor. (...)

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 1ano-teoria-da-literatura.ppt

Topicos em literatura
Topicos em literaturaTopicos em literatura
Topicos em literaturaValeria Nunes
 
Conceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de LiteraturaConceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de Literaturaleliovr
 
Aula 01.pptx
Aula 01.pptxAula 01.pptx
Aula 01.pptxBibiaRJ
 
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).pptCAMILADELMONDES3
 
Gêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercíciosGêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercíciosMaiteFerreira4
 
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.pptlluiscarlosdassilva
 
Literatura - Professor Alex Romero Lima
Literatura - Professor Alex Romero LimaLiteratura - Professor Alex Romero Lima
Literatura - Professor Alex Romero LimaPré-Enem Seduc
 
Introduoliteratura 110318091736-phpapp01
Introduoliteratura 110318091736-phpapp01Introduoliteratura 110318091736-phpapp01
Introduoliteratura 110318091736-phpapp01Marina Alessandra
 
39111_aa55d02e1832c1a17638349ccde7f498 (7)_240415_161559.pdf
39111_aa55d02e1832c1a17638349ccde7f498 (7)_240415_161559.pdf39111_aa55d02e1832c1a17638349ccde7f498 (7)_240415_161559.pdf
39111_aa55d02e1832c1a17638349ccde7f498 (7)_240415_161559.pdfVaniaRibeiro42
 
Revisão literatura - com exercícios
Revisão literatura - com exercíciosRevisão literatura - com exercícios
Revisão literatura - com exercíciosRobson Bertoldo
 
concretismo
concretismoconcretismo
concretismowhybells
 
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptxGENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptxMarlene Cunhada
 

Semelhante a 1ano-teoria-da-literatura.ppt (20)

Topicos em literatura
Topicos em literaturaTopicos em literatura
Topicos em literatura
 
Conceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de LiteraturaConceitos básicos de Literatura
Conceitos básicos de Literatura
 
Revisão
RevisãoRevisão
Revisão
 
Literatura....pdf
Literatura....pdfLiteratura....pdf
Literatura....pdf
 
Literatura 1º-ano
Literatura 1º-anoLiteratura 1º-ano
Literatura 1º-ano
 
Aula 01.pptx
Aula 01.pptxAula 01.pptx
Aula 01.pptx
 
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
 
Gêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercíciosGêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercícios
 
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
 
Modernismo autores e obras
Modernismo autores e obrasModernismo autores e obras
Modernismo autores e obras
 
O que é literatura
O que é literaturaO que é literatura
O que é literatura
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Modernismo2
Modernismo2Modernismo2
Modernismo2
 
Literatura - Professor Alex Romero Lima
Literatura - Professor Alex Romero LimaLiteratura - Professor Alex Romero Lima
Literatura - Professor Alex Romero Lima
 
Introduoliteratura 110318091736-phpapp01
Introduoliteratura 110318091736-phpapp01Introduoliteratura 110318091736-phpapp01
Introduoliteratura 110318091736-phpapp01
 
39111_aa55d02e1832c1a17638349ccde7f498 (7)_240415_161559.pdf
39111_aa55d02e1832c1a17638349ccde7f498 (7)_240415_161559.pdf39111_aa55d02e1832c1a17638349ccde7f498 (7)_240415_161559.pdf
39111_aa55d02e1832c1a17638349ccde7f498 (7)_240415_161559.pdf
 
Modernismo Brasileiro.pdf
Modernismo Brasileiro.pdfModernismo Brasileiro.pdf
Modernismo Brasileiro.pdf
 
Revisão literatura - com exercícios
Revisão literatura - com exercíciosRevisão literatura - com exercícios
Revisão literatura - com exercícios
 
concretismo
concretismoconcretismo
concretismo
 
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptxGENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
GENEROS_LITERARIOS_ANGELICA_SOARES_1.pptx
 

Último

Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaCentro Jacques Delors
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivararambomarcos
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptxSão Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptxMartin M Flynn
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................mariagrave
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaREGIANELAURALOUREIRO1
 

Último (20)

Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptxSão Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
São Damião, missionário entre os leprosos de Molokai, Havaí.pptx
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth RochaQuando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
Quando a escola é de vidro, de Ruth Rocha
 

1ano-teoria-da-literatura.ppt

  • 1. ENSINO MÉDIO – AULA 1: TEORIA LITERÁRIA NOÇÕES BÁSICAS: O QUE É LITERATURA? “Arte literária é mimese(imitação); é a arte que imita pela palavra.” (Aristóteles,séc.IV a.c.) Assim: •Literatura como imitação da realidade; •Manifestação artística; •A palavra como matéria-prima; •Manifestação da expressividade humana.
  • 2. FUNÇÕES DA LITERATURA: •Função evasiva – fuga da realidade; •Função lúdica – jogo de experiências sonoras e de relações surpreendentes; Ex. A ONDA (Manuel Bandeira) A onda anda Aonde anda A onda? A onda ainda Ainda onda Ainda anda Aonde? Aonde? A onda a onda
  • 3. •Função de “Arte pela arte” – descompromissada das lutas sociais (Parnasianismo) •Função de literatura “engajada” – comprometida com a defesa de certas ideias políticas. Ex. NÃO HÁ VAGAS (Ferreira Gullar) O preço do feijão Não cabe no poema. O preço Do arroz Não cabe no poema. Não cabem no poema o gás A luz o telefone A sonegação Do leite Da carne
  • 4. Do açúcar Do pão O funcionário público Não cabe no poema Com seu salário de fome Sua vida fechada Em arquivos. Como não cabe no poema O operário Que esmerila seu dia de aço E carvão Nas oficinas escuras - porque o poema, senhores está fechado: “Não há vagas”
  • 5. Só cabem no poema O homem sem estômago A mulher de nuvens A fruta sem preço O poema, senhores, Não fede Nem cheira. (Antologia Poética)
  • 6. Nosso interesse está na literatura dita “canonizada” – conj. de obras escritas e aceitas como artisticamente valiosas e representativas de nossa herança cultural. Ex. “Dom Casmurro”, de Machado de Assis; “Vidas secas”, de Graciliano Ramos; “A Hora da Estrela”, de Clarice Lispector, dentre outras. LITERATURA É AARTE DA LINGUAGEM ESCRITA, QUE EXPLORA TODAS AS POTENCIALIDADES DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO E É CAPAZ DE TRANSPOR LIMITES DE TEMPO E ESPAÇO.
  • 7. DIFERENÇAS ENTRE UM TEXTO LITERÁRIO E UM NÃO- LITERÁRIO: Texto Literário:  ênfase na expressão;  linguagem conotativa;  linguagem mais pessoal, emotiva;  recriação da realidade;  ambiguidade – recurso criativo.
  • 8. Texto não-literário: •ênfase no conteúdo; •linguagem denotativa; •linguagem mais impessoal; •realidade apenas traduzida; •Normalmente sem ambigüidade ou duplas interpretações.
  • 9. Leia os textos abaixo para responder à questão: (Texto 1) Descuidar do lixo é sujeira Diariamente, duas horas antes da chegada do caminhão da prefeitura, a gerência de uma das filiais do McDonald’s deposita na calçada dezenas de sacos plásticos recheados de papelão, isopor, restos de sanduíches. Isso acaba propiciando um lamentável banquete de mendigos. Dezenas deles vão ali revirar o material e acabam deixando os restos espalhados pelo calçadão. (Veja São Paulo, 23-29/12/92) (Texto 2) O bicho Vi ontem um bicho Na imundície do pátio Catando comida entre os detritos. Quando achava alguma coisa, Não examinava nem cheirava: Engolia com voracidade. O bicho não era um cão, Não era um gato, Não era um rato. O bicho, meu Deus, era um homem. (Manuel Bandeira. Em Seleta em prosa e verso. Rio de Janeiro: J. Olympio/MEC, 1971, p.145)
  • 10. I. No primeiro texto, publicado por uma revista, a linguagem predominante é a literária, pois sua principal função é informar o leitor sobre os transtornos causados pelos detritos. II. No segundo texto, do escritor Manuel Bandeira, a linguagem não literária é predominante, pois o poeta faz uso de uma linguagem objetiva para informar o leitor. III. No texto “Descuidar do lixo é sujeira”, a intenção é informar sobre o lixo que diariamente é depositado nas calçadas através de uma linguagem objetiva e concisa, marca dos textos não literários. IV. O texto “O bicho” é construído em versos e estrofes e apresenta uma linguagem plurissignificativa, isto é, permeada por metáforas e simbologias, traços determinantes da linguagem literária. Estão corretas as proposições: a) I, III e IV. b) III e IV. c) I, II, III e IV. d) I e IV. e) II, III e IV.
  • 11. Quanto à disposição gráfica, um texto literário pode ser: Prosa: em linhas “corridas”. Poesia (verso): a cada linha dá-se o nome de verso e ao conjunto deles, estrofe. Estilo individual: é o estilo único de determinado escritor, ou seja, sua visão única e modo próprio de criação literária. Estilo de época: características comuns em obras de autores diferentes,mas contemporâneos. Ex. embora Bernardo Guimarães e José de Alencar tenham estilos diferentes, ambos pertencem ao Romantismo.
  • 12. Escolas literárias: (ou estilos de época) •Quinhentismo – (1500 – 1601) •Barroco – (1601 – 1768) •Arcadismo – (1768 – 1836) •Romantismo – (1836 – 1881) •Realismo/Naturalismo/Parnasianismo – ( 1881 – 1922 •Simbolismo – (1893 – 1922) •Pré-modernismo – (1902 – 1922) •1ª ger. Modernista – (1922 – 1930) •2ª ger. Modernista – (1930 – 1945) •3ª ger. Modernista – (1945 – 1960) •Literatura contemporânea – (1960 – até nossos dias) Escolas literárias: (ou estilos de época) •Quinhentismo – (1500 – 1601) •Barroco – (1601 – 1768) •Arcadismo – (1768 – 1836) •Romantismo – (1836 – 1881) •Realismo/Naturalismo/Parnasianismo – ( 1881 – 1922 •Simbolismo – (1893 – 1922) •Pré-modernismo – (1902 – 1922) •1ª ger. Modernista – (1922 – 1930) •2ª ger. Modernista – (1930 – 1945) •3ª ger. Modernista – (1945 – 1960) •Literatura contemporânea – (1960 – até nossos dias) Escolas literárias: (ou estilos de época) •Quinhentismo – (1500 – 1601) •Barroco – (1601 – 1768) •Arcadismo – (1768 – 1836) •Romantismo – (1836 – 1881) •Realismo/Naturalismo/Parnasianismo – ( 1881 – 1893) •Simbolismo – (1893 – 1902) •Pré-modernismo – (1902 – 1922) •1ª ger. Modernista – (1922 – 1930) •2ª ger. Modernista – (1930 – 1945) •3ª ger. Modernista – (1945 – 1970) •Literatura contemporânea – (1970 – até nossos dias)
  • 13. GÊNEROS LITERÁRIOS: Conjuntos de elementos semânticos, estilísticos e formais utilizados pelos autores em suas obras, para caracteriza-las de acordo com a sua visão da realidade e o público a que se destinam. Lírico: sentimental, poético. Épico: narrativo. Dramático: teatro.
  • 14. AULA 2 – TEORIA LTERÁRIA GÊNERO LÍRICO: é a manifestação literária em que predominam os aspectos subjetivos do autor. É, em geral, a maneira de o autor falar consigo mesmo ou com um interlocutor particular (amigo, amante, fantasia, elemento da natureza, Deus...) Não confundir “eu-lírico” com o autor. O “eu-lírico” ou “eu- poético” é uma espécie de personalidade poética criada pelo autor que dá vazão a sensações e/ou impressões.
  • 15. ELEMENTOS DA VERSIFICAÇÃO: Elementos técnicos que auxiliam a leitura, a interpretação e a análise de textos poéticos. 1. Verso e Estrofe: Cada linha = verso Conjunto de versos = estrofe
  • 16. Classificação das estrofes: •Dísticos = 2 versos Ex. Canção do exílio (José Paulo Paes) Um dia segui viagem Sem olhar sobre o meu ombro Não vi terras de passagem Não vi glórias nem escombros. Guardei no fundo da mala Um raminho de alecrim. (...)
  • 17. •Tercetos = estrofes com 3 versos Ex. Os Lírios (Henriqueta Lisboa) Certa madrugada fria Irei de cabelos soltos Ver como nascem os lírios. Quero saber como crescem Simples e belos – perfeitos! – Ao abandono dos campos. (...)
  • 18. •Quartetos = 4 versos Ex. Infinito presente (Helena Kolody) No movimento veloz De nossa viagem, Embala-nos a ilusão Da fuga do tempo. Poeira esparsa no vento, Apenas passamos nós. O tempo é mar que se alarga Num infinito presente.
  • 19. •Oitavas = 8 versos Ex. Os Lusíadas (Canto primeiro) - Camões As armas e os barões assinalados Que, da Ocidental praia Lusitana, Por mares nunca dantes navegados Passaram ainda além da Taprobana, Em perigos e guerras esforçados Mais do que prometia a força humana, E entre gente remota edificaram Novo reino, que tanto sublimaram.
  • 20. •Décimas = 10 versos Ex. As duas ilhas (Castro Alves) São eles – os dois gigantes No século de pigmeus. São eles que a majestade Arrancam da mão de Deus. - Este concentra na fronte Mais astros – que o horizonte Mais luz – do que o sol lançou!... - Aquele – na destra alçada Traz segura sua espada - Cometa, que ao céu roubou!...
  • 21. 1. Rimas: coincidência de sons (total ou parcial) entre palavras no final ou no meio dos versos. Classificação das rimas: • Quanto à categoria gramatical: POBRES: as palavras que rimam pertencem à mesma classe gramatical. Exemplo: ........................situado (adjetivo) ........................cresce (verbo) ........................parece (verbo) ........................quebrado (adjetivo)
  • 22. RICAS: as palavras que rimam pertencem a classes gramaticais distintas. Exemplo: .....................arde (verbo) .....................distante (advérbio) .....................diamante (substantivo) .....................tarde (substantivo)
  • 23. •Quanto à disposição ao longo do poema: ALTERNADAS ou CRUZADAS: Incendeia A Coração B Passeia A Canção B
  • 24. PARALELAS ou EMPARELHADAS Aniquilar A Olhar A Montanhas B Entranhas B
  • 25. INTERPOLADAS ou OPOSTAS Espelho A Disfarce B Disfarçar-se B Conselho? A Versos brancos são os que não apresentam rima.
  • 26. 1. Métrica: É o número de sílabas poéticas do verso. Na contagem das sílabas métricas (escansão), observam-se, geralmente, as seguintes normas: • A leitura de um verso deve ser caracterizada pelo ritmo; • Faz-se a contagem de sílabas até a sílaba tônica da última palavra; • Acomodar as sílabas seguindo a entonação. Elisão = supressão de sons ou a sinalefa = acomodação de vários sons a uma única sílaba métrica). • Os ditongos, em geral, equivalem a apenas uma sílaba métrica; • Normalmente, quando uma palavra termina em vogal e a outra começa por vogal, unem-se esses fonemas numa única sílaba métrica.
  • 27. Exemplos: Ouviram do Ipiranga as margens plácidas Ou – vi – ram – do – I – pi – ran – ga – as – mar – gens – plá – ci – das = 14 sílabas gramaticais Ou – vi – ram – doI – pi – ran – gaAs – mar – gens – plá = 10 sílabas poéticas
  • 28. De um povo heróico o brado retumbante De – um – po – vo – he – rói – co – o - bra – do – re – tum – ban – te = 14 sil. gramaticais Deum – po – vohe – rói – coo- bra – do – re – tum – ban = 10 sil. Poéticas Tais versos são “decassilábicos” = 10 versos
  • 29. Pentassílabos ou redondilha menor (5 sílabas) E agora, José? A festa acabou, A luz apagou, O povo sumiu. (...)
  • 30. Heptassílabos ou redondilha maior (7 sílabas) Como são belos os dias Do despontar da existência (...) Eneassílabos = 9 sílabas Tu choraste em presença da morte? Na presença de estranhos choraste? (...)
  • 31. Dodecassílabo ou alexandrino: 12 sílabas poéticas Olhai! O sol descamba...A tarde harmoniosa Envolve luminosa a Grécia em frouxo véu, Na estrada ao som da vaga, ao suspirar do vento, De um marco poeirento um velho então se ergueu.
  • 32. Versos livres são os que não apresentam métrica regular. Ritmo: a musicalidade implícita ou explícita no poema. A Banda (Chico Buarque) Estava à toa na vida, O meu amor me chamou, Pra ver a banda passar Cantando coisas de amor. (...)