SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
Aula 22
O neocolonialismo e a descolonização.
   Esta aula tratará de dois processos: primeiramente o processo do
neocolonialismo, iniciado no século XIX. Em seguida, o processo de
descolonização, efetivado com o final da Segunda Guerra Mundial.

                             O Neocolonialismo

O século XIX vai conhecer uma nova corrida colonial. Este processo
histórico está diretamente relacionado com a chamada Segunda Revolução
Industrial – ocorrida na Inglaterra, França, Bélgica, Alemanha, Itália, Japão
e Estados Unidos.
A Segunda Revolução Industrial provocou um enorme aumento na
capacidade produtiva das indústrias, fazendo-se necessário uma ampliação
do mercado consumidor e do mercado fornecedor. A disputa por novos
mercados resulta no imperialismo e, posteriormente, na Primeira Guerrra
Mundial.

O Antigo Sistema Colonial e o Neocolonialismo.

O Antigo Sistema Colonial ocorreu entre os séculos XVI e XVIII. A
preocupação fundamental era o fornecimento de gêneros tropicais e de
metais preciosos para a Europa, bem como o consumo de produtos
manufaturados europeus, por parte das colônias.
A mão-de-obra utilizada era a escrava (negra ou indígena), a política
econômica que norteava as relações era o Mercantilismo – com a
necessidade de acumulação de capitais, daí a existência dos monopólios.
A área geográfica do Antigo Sistema Colonial era a América- podendo-se
encontrar colônias de exploração e colônias de povoamento.
Já no Neocolonialismo a área geográfica passou a ser a África e a Ásia. A
política econômica que predomina será o liberalismo e o fator básico da
colonização é econômico, ou seja, necessidade de matérias-primas
industriais, tais como carvão, ferro, petróleo. A área colonial receberá os
excedentes industriais e será local para investimentos de capitais
disponíveis na Europa.
As novas áreas coloniais também auxiliarão as tensões sociais da Europa:
novas terras para receber população européia, tornando-se uma válvula de
escape às pressões demográficas.
    O regime de trabalho será o assalariado – garantindo assim o mercado
consumidor. A mão-de-obra barata das áreas coloniais interessava às
grandes industriais, pois o trabalhador europeu recebia altos salários, em
razão de sua organização sindical e de partidos políticos que lutavam pelos
direitos trabalhistas.
A propaganda que defendia o imperialismo denominava-se “darwinismo
social”. Baseada em idéias pseudocientíficas, afirmava ser a sociedade
européia (branca) mais civilizada que outras sociedades (não brancas).
Assim, cabia à sociedade européia a missão de “civilizar” as demais, o
conhecido “fardo do homem branco”.
Porém, o neocolonialismo foi estritamente econômico, satisfazendo os
interesses dos grandes grupos econômicos – cartéis, trustes e holdings – e
beneficiando a alta burguesia. Por conta disto, o necolonialismo alterou o
capitalismo que, de concorrencial passou a ser monopolísta: o capital
concentrado em grandes grupos econômicos financiados por grandes
bancos. Desenvolve-se então uma nova modalidade de capitalismo, o
capitalismo financeiro.

O imperialismo na Ásia

A revolução Industrial e a expansão da indústrias têxtil inglesa torna a Ásia
uma consumidora de produtos europeus, especialmente britânica.
Uma das regiões mais disputadas na Ásia foi a Índia que, ao longo dos
séculos XVI ao XIX ficará sob o controle da Inglaterra. A Índia será
administrada pela Companhia das Índias Orientais.
Em 1857 ocorre a Revolta dos Sipaios, última tentativa de resistência ao
domínio britânico e, em 1876 a rainha Vitória foi coroada imperatriz da
Índia.
O imperialismo na China ligava-se aos interesses econômicos do chá, seda e
outras mercadorias.
Entre 1840 e 1842 ocorreu a Guerra do Ópio, em razão da destruição de
carregamentos de ópio para a China. A vitória inglesa no conflito resultou na
assinatura do Tratado de Nanquim, onde Hong Kong é incorporado à
Inglaterra e cinco portos foram abertos ao comércio inglês – com destaque
para os portos de Xangai e Nanquim.
Após esta abertura forçada, a China será alvo de outras nações
imperialistas, como o Japão, Alemanha, França, Itália e Estados Unidos.
Como reação ao domínio estrangeiro surge uma sociedade nacionalista
secreta – a Sociedade dos Boxers – promovendo ataques e sabotagens aos
estrangeiros. Surge então a Guerra dos Boxers, cuja derrota chinesa às
potências estrangeiras culminou com novas concessões econômicas.

O imperialismo na África.

Um dos pioneiros na conquista da África foi a França que, em 1830 ocupou a
Argélia; em 1844 conquistou o Marrocos e em 1854 o Senegal. No ano de
1910 foi formada a África Ocidental Francesa, composta pelos territórios da
Guiné, Gabão, parte do Congo e do Sudão. Ainda parte do império colonial
contava-se o Madagascar e a Tunísia.
A Inglaterra teve sua colonização na África impulsionada peloa construção
do canal de Suez, no Egito. Em 1888 a companhia dirigida por Cecil Rhodes
conquistou a Rodésia. Entre os anos de 1888 e 1891 foram incorporados ao
império britânico o Quênia, a Somália e Uganda. Outros territórios
britânicos foram a União Sul-Africana, Nigéria, Costa do Ouro e Serra Leoa.
    A Alemanha conquistou o Camarão, África Sudoeste e África Oriental. A
Itália anexou a Líbia, Somália e Eritréia.
Portugal anexou Moçambique, Angola, Guiné Portuguesa; a Espanha com o
Marrocos Espanhol, Guiné Espanhola e Rio do Ouro.
A região central da África era objeto de disputa por várias nações européias.
Para resolver a questão foi organizada a Conferência de Berlim (1884/85),
que contou com a participação da Rússia e dos Estados Unidos. A
conferência estimulou a corrida sobre os poucos territórios livres que
existiam no continente africano.
O Japão adota posturas imperialistas a partir da década de 1860, início do
período de modernização do Japão, conhecido como “Era Meiji”. O
imperialismo japonês ocorrerá sobre a China, Coréia e Formosa ( Taiwan).

O imperialismo na América Latina será exercido pelos Estados Unidos:
México, após a guerra de 1848. A partir de 1870 o domínio norte-americano
se fará na região do Caribe.
A parte sul do continente americano terá o predomínio da Inglaterra.

Conseqüências do neocolonialismo

O mundo será partilhado entre as grandes potências industriais. A tentativa
de ampliar as áreas de dominação provocará o choque imperialista. Este
choque vai deflagrar a Primeira Guerra Mundial.

                             A descolonização.

Causas da descolonização

A descolonização da Ásia e da África está relacionada com a decadência da
Europa, motivada pela Primeira Guerra Mundial, pela crise de 1929 e
Segunda Guerra Mundial.
Outro fator será o despertar do sentimento nacionalista na Ásia e na África,
impulsionado pela decadência da Europa e pela Carta da Onu, que, em 1945,
reconheceu o diereito dos povos colonizados à autodeterminação. O ponto
máximo do nacionalismo será a Conferência de Bandung (1955), ocorrida na
Indonésia que estimulou as lutas pela independência.
A guerra fria e a polarização entre EUA (capitalismo) e a URSS (socialismo)
também contribuiu para o fim dos impérios coloniais. Cada uma das
superpotências via na descolonização uma oportunidade de ampliar suas
influências políticas e econômicas.

A Descolonização da Ásia.

O processo de independ6encia das áreas coloniais asiáticas foi por meio da
guerra ou pacífica.

Independência da Índia

O processo de independência da Índia teve seu início na década de 1920,
através do Partido do Congresso, sob a liderança de Mahatma Gandhi e
Jawarhalal Nerhu.
A campanha de Gandhi foi caracterizada pela desobediência civil, não
violência e resistência passiva.
Em 1947, os ingleses reconheceram a independência da Índia. Em face das
rivalidades religiosas o território foi dividido: a maioria hinduísta,
governada por Nerhu formará a União Indiana; a parte islâmica, governada
por Ali Junnah, formará o Paquistão. Em 1971 o Paquistão Oriental
proclama sua independência do Paquistão Ocidental, surgindo a República
do Bangladesh.

Independência da Indonésia
O movimento de independência da Indonésia foi conduzido por Sukarno. A
luta estendeu-se até 1949, quando a Holanda recconheceu a independência.

Independência da Indochina

No ano de 1941, como resistência a ocupação japonesa, formou-se um
movimento nacionalista – Vietminh – dirigido por Ho Chi Minh. Após a
derrota japonesa na guerra foi proclamada a independência da República
Democrática do Vietnã ( parte norte).
Os franceses não reconheceram a independência e tentaram, a partir de
1946, recolonizar a Indochina, tendo início a Guerra da Indochina. Em 1954,
na Conferência de Genebra foi reconhecida a independência da Indochina,
dividida em Laos, Camboja e Vietnã(parte norte e parte sul).
A mesma conferência estabeleceu que o paralelo 17 dividiria o Vietnã. Em
1956 formou-se a Frente de Libertação Nacional, contra o governo de Ngo
Dinh Diem – apoiado pelos EUA. A Frente contou com o apoio do Vietcong (
exército guerrilheiro). O cancelamento das eleições de 1960 deu início à
guerra do Vietnã. O Vietcong contou com o apoio do Vietnã do Norte, e o
governo de Ngo Dinh Diem dos EUA.
A guerra perdurou até 1975, quando os Estados Unidos retiraram-se da
região.

A Descolonização da África.

Independência do Egito

O Egito era um protetorado inglês ( a região possuía autonomia,
supervisionada pela Inglaterra). O domínio inglês terminou em 1936, porém
o canal de Suez continuou sob controle britânico.

Independência da Argélia

O movimento nacionalista argelino começou em 1945. Liderada por
muçulmanos este movimento inicial foi reprimido.
As manifestações intensificaram-se após a fundação da Frente Nacional de
Libertação – influenciada pelo fundamentalismo islâmico.
A guerra de independência começou em 1954. Em 1957 ocorreu a Batalha
de Argel – duramente reprimida pelo exército francês. No ano de 1962
houve a assinatura do acordo de Evian, ocorrendo o reconhecimento da
independência argelina.

O fim do império colonial português.

Durante a década de 1950 começaram a se organizar movimentos
separatistas em Angola, Moçambique e Guiné portuguesa.
Em 1956 foi criado o Movimento Popular pela Libertação de Angola (MPLA),
sob a liderança de Agostinho Neto. Posteriormente surgiram a Frente
Nacional de Libertação de Angola (FNLA) e a União Nacional para a
Independência Total de Angola (UNITA).
Após a independência de Angola, mediante o Acordo de Alvor em 1975, o
três grupos acima iniciaram uma guerra civil, na disputa pelo poder.
A independência de Moçambique foi patrocinada pela Frelimo (Frente de
Libertação de Moçambique), tendo como lider Samora Machel – que em
1960 iniciou um movimento de guerrilha. Portugal reconheceu a
independência em 1975.

No ano de 1956, Amílcar Cabral fundou o Partido Africano para a
Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC). No ano de 1974 foi
reconhecida a independência da Guiné; em 1975 do Cabo Verde e de São
Tomé e Príncipe.

Um importante fato que contribuiu para o fim do império colonial português
foi a Revolução dos Cravos, que ocorreu em 25 de abril de 1974 e que
marcou o fim do regime fascista (imposto por Oliveira Salazar e continuado
por Américo Tomás e seu primeiro-ministro Marcelo Caetano). O novo
governo de Portugal não ofereceu resistência para o reconhecimento da
independência das colônias.

As conseqüências da descolonização.

Entre as conseqüências do processo de descolonização afro-asiática
enumeramos o surgimento de novos países que, ao lado das nações latino
americanas, formaram o bloco do Terceiro Mundo. Este bloco fica sob a
dependência dos países capitalistas desenvolvidos (Primeiro Mundo) ou de
países socialistas (Segundo Mundo).
   A dependência deste bloco será responsável pela concentração de renda
nos países ricos e pelo crescente endividamento externo dos países
subdesenvolvidos, apresentando sérios problemas de saúde, educação,
desnutrição, entre outros.

                                Exercícios

1) (Unicentro-PR)- A política do século XIX, também conhecida como
neocolonialismo, pode ser entendida como produto da expansão do
capitalismo em sua fase imperialista. Sobre esse assunto, assinale a
alternativa incorreta:

a) Nesse período, vários países europeus estavam passando pela Revolução
Industrial e buscavam fontes de matéria-prima industrial para abastecer
suas empresas;
b) Buscavam novas regiões onde pudessem investir capitais excedentes
com boa rentabilidade;
c) No plano político, os Estados europeus estavam interessados em diminuir
seus efetivos militares buscando minimizar a tensão entre as potências, e a
saída para tal situação era a colonização de novas terras;
d) Motivadas por questões religiosas e culturais, muitas ordens religiosas
enviavam seus missionários para as regiões colonizadas em busca de novos
crentes;
e) Também teve importância o movimento intelectual e científico, pois as
associações geográficas mapearam e catalogaram todas as potencialidades
capazes de serem exploradas pelas potências colonialistas.
2) (Unicentro-PR) – No final do século XIX e início do século XX, os países
capitalistas conseguiram dominar praticamente o mundo todo. É o
fenômeno conhecido como imperialismo, cuja característica principal foi:

a) busca de locais capazes de atender às necessidades de consumo,
produzindo lucro garantido aos investidores;
b) busca de territórios apenas para a extração mineral;
c) provocar apenas uma partilha de terras dos países do Primeiro Mundo;
d) garantir terras para a migração das populações mais pobres da América;
e) incentivo às técnicas para o desenvolvimento local.

3) (UNITAU) – O Império Chinês, sofrendo pressões de vários países, foi
obrigado a ceder algumas partes de seu território a países europeus. Um
desses territórios, em poder do Reino Unido, acaba de ser devolvido ao
governo chinês (1997). Trata-se do território de:

a) Cingapura
b) Macau
c) Taiwan
d) Hong Kong
e) Saigon

4) (UCSal-BA)- “...os vinte e nove países que ali se reuniram, em 1955,
apresentaram-se como o Terceiro Mundo, selando o compromisso de ajuda
mútua na libertação dos povos ainda dependentes das metrópoles
imperialistas.”

O texto refere-se à conferência de:

a) São Francisco
b) Versalhes
c) Ialta
d) Munique
e) Bandung

5) (FGV-SP) – Em novembro de 1954, com a guerra da independência da
Argélia já iniciada, François Miterrand, então ministro do Interior da França,
declarava: “A Argélia é a França e a França não se negocia.” O que segui foi:

a) uma revolta popular de grandes proporções, culminado com eleições
livres e diretas em 15 de maio de 1968;
b) uma violenta guerra de libertação, que custou a vida de quase 100 mil
pessoas a cada ano e culminou com a independência da Argélia, em 3 de
julho de 1962;
c) um longo combate entre a França e a Argélia, culminando com a derrota
francesa e a convocação de um plebiscito geral em 31 de março de 1965;
d) um levante político partidário envolvendo grande contingente de
militantes e culminou com a intervenção das Nações Unidas, através de uma
força de paz, em 9 de julho de 1964;
e) uma rebelião de militares de esquerda, que culminou com a convocação
de uma Assembléia Nacional Constituinte em 25 de agosto de 1967.
Respostas:

1)   C
2)   A
3)   D
4)   E
5)   B

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Plano Marshall e Portugal
Plano Marshall e PortugalPlano Marshall e Portugal
Plano Marshall e PortugalNuno Câmara
 
Slide aula da segunda guerra mundial
Slide aula da segunda guerra mundialSlide aula da segunda guerra mundial
Slide aula da segunda guerra mundialAllexEleuterio
 
A segunda fase da revolução industrial
A segunda fase da revolução industrialA segunda fase da revolução industrial
A segunda fase da revolução industrialHerminio Banze
 
A Guerra Fria e a ameaça de um terceiro conflito mundial
A Guerra Fria e a ameaça de um terceiro conflito mundialA Guerra Fria e a ameaça de um terceiro conflito mundial
A Guerra Fria e a ameaça de um terceiro conflito mundialEdenilson Morais
 
Movimentos operários
Movimentos operáriosMovimentos operários
Movimentos operáriosJornal Ovale
 
A descolonização da Ásia e da África
A descolonização da Ásia e da ÁfricaA descolonização da Ásia e da África
A descolonização da Ásia e da ÁfricaIsaquel Silva
 
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na CulturaMutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na Culturagofontoura
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)Daniel Alves Bronstrup
 
Crise dos misseis de cuba
Crise dos misseis de cuba Crise dos misseis de cuba
Crise dos misseis de cuba turmac12
 
4 A regressão do demoliberalismo
4   A regressão do demoliberalismo4   A regressão do demoliberalismo
4 A regressão do demoliberalismoNúria Inácio
 
Apresentação mutações nos comportamentos e na cultura
Apresentação mutações nos comportamentos e na culturaApresentação mutações nos comportamentos e na cultura
Apresentação mutações nos comportamentos e na culturaEscoladocs
 
Módulo 7 anos 20, crash, fascismos, new deal
Módulo 7   anos 20, crash, fascismos, new dealMódulo 7   anos 20, crash, fascismos, new deal
Módulo 7 anos 20, crash, fascismos, new dealEscoladocs
 
Historia a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoHistoria a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoEscoladocs
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929Rui Neto
 

Mais procurados (20)

Plano Marshall e Portugal
Plano Marshall e PortugalPlano Marshall e Portugal
Plano Marshall e Portugal
 
Slide aula da segunda guerra mundial
Slide aula da segunda guerra mundialSlide aula da segunda guerra mundial
Slide aula da segunda guerra mundial
 
A segunda fase da revolução industrial
A segunda fase da revolução industrialA segunda fase da revolução industrial
A segunda fase da revolução industrial
 
A Guerra Fria e a ameaça de um terceiro conflito mundial
A Guerra Fria e a ameaça de um terceiro conflito mundialA Guerra Fria e a ameaça de um terceiro conflito mundial
A Guerra Fria e a ameaça de um terceiro conflito mundial
 
Período entre Guerras
Período entre Guerras Período entre Guerras
Período entre Guerras
 
Movimentos operários
Movimentos operáriosMovimentos operários
Movimentos operários
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
A descolonização da Ásia e da África
A descolonização da Ásia e da ÁfricaA descolonização da Ásia e da África
A descolonização da Ásia e da África
 
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na CulturaMutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
 
Revolução Cubana
Revolução CubanaRevolução Cubana
Revolução Cubana
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
 
Crise dos misseis de cuba
Crise dos misseis de cuba Crise dos misseis de cuba
Crise dos misseis de cuba
 
4 A regressão do demoliberalismo
4   A regressão do demoliberalismo4   A regressão do demoliberalismo
4 A regressão do demoliberalismo
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial
 
Apresentação mutações nos comportamentos e na cultura
Apresentação mutações nos comportamentos e na culturaApresentação mutações nos comportamentos e na cultura
Apresentação mutações nos comportamentos e na cultura
 
Módulo 7 anos 20, crash, fascismos, new deal
Módulo 7   anos 20, crash, fascismos, new dealMódulo 7   anos 20, crash, fascismos, new deal
Módulo 7 anos 20, crash, fascismos, new deal
 
Historia a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumoHistoria a-12-ano-resumo
Historia a-12-ano-resumo
 
Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
 
Crise 1929
Crise 1929Crise 1929
Crise 1929
 

Semelhante a História - Neocolonialismo e a Descolonização

Aula 03 neocolonialismo e a descolonização
Aula 03   neocolonialismo e a descolonizaçãoAula 03   neocolonialismo e a descolonização
Aula 03 neocolonialismo e a descolonizaçãoJonatas Carlos
 
Slides conferencia de berlim 1
Slides   conferencia de berlim 1Slides   conferencia de berlim 1
Slides conferencia de berlim 1Chagna
 
Imperialismo e Unificação Italiana e Alemã
Imperialismo e Unificação Italiana e AlemãImperialismo e Unificação Italiana e Alemã
Imperialismo e Unificação Italiana e AlemãFrancisco Neto
 
Imperialismo e Neocolonialismo
Imperialismo e NeocolonialismoImperialismo e Neocolonialismo
Imperialismo e Neocolonialismoisameucci
 
1327 24 10_2012_arquivo
1327 24 10_2012_arquivo1327 24 10_2012_arquivo
1327 24 10_2012_arquivoAndrey Castro
 
Aula sobre imperialismo def
Aula sobre imperialismo defAula sobre imperialismo def
Aula sobre imperialismo defCarlosNazar1
 
Imperialismo e Neocolonialismo (parte1e2)
Imperialismo e Neocolonialismo (parte1e2)Imperialismo e Neocolonialismo (parte1e2)
Imperialismo e Neocolonialismo (parte1e2)isameucci
 
História e Cultura Africana - Aula 3 - A descolonização africana
História e Cultura Africana - Aula 3 - A descolonização africanaHistória e Cultura Africana - Aula 3 - A descolonização africana
História e Cultura Africana - Aula 3 - A descolonização africanaMario Filho
 
Resumo historia geral i
Resumo historia geral iResumo historia geral i
Resumo historia geral ijersonvieira
 
O governo napoleônico ate rev russa
O governo napoleônico  ate rev russaO governo napoleônico  ate rev russa
O governo napoleônico ate rev russadaviprofessor
 
Aula sobre imperialismo
Aula sobre imperialismoAula sobre imperialismo
Aula sobre imperialismoCarlosNazar1
 
Nacionalismo, neocolonialismo e imperialismo
Nacionalismo, neocolonialismo e imperialismoNacionalismo, neocolonialismo e imperialismo
Nacionalismo, neocolonialismo e imperialismoMunis Pedro
 
Imperialismo Módulo
Imperialismo Módulo Imperialismo Módulo
Imperialismo Módulo CarlosNazar1
 
Fim dos_imperios_coloniais_na_africa_e_na_asia- nelma
 Fim dos_imperios_coloniais_na_africa_e_na_asia- nelma Fim dos_imperios_coloniais_na_africa_e_na_asia- nelma
Fim dos_imperios_coloniais_na_africa_e_na_asia- nelmaJOSYNEL
 
Século xix e xx liberalismo, nacionalismo e socialismo
Século xix e xx liberalismo, nacionalismo e socialismoSéculo xix e xx liberalismo, nacionalismo e socialismo
Século xix e xx liberalismo, nacionalismo e socialismoGisele Finatti Baraglio
 

Semelhante a História - Neocolonialismo e a Descolonização (20)

Aula 03 neocolonialismo e a descolonização
Aula 03   neocolonialismo e a descolonizaçãoAula 03   neocolonialismo e a descolonização
Aula 03 neocolonialismo e a descolonização
 
Slides conferencia de berlim 1
Slides   conferencia de berlim 1Slides   conferencia de berlim 1
Slides conferencia de berlim 1
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Imperialismo aulas 31 e 32
Imperialismo   aulas 31 e 32Imperialismo   aulas 31 e 32
Imperialismo aulas 31 e 32
 
Imperialismo e Unificação Italiana e Alemã
Imperialismo e Unificação Italiana e AlemãImperialismo e Unificação Italiana e Alemã
Imperialismo e Unificação Italiana e Alemã
 
Imperialismo e Neocolonialismo
Imperialismo e NeocolonialismoImperialismo e Neocolonialismo
Imperialismo e Neocolonialismo
 
1327 24 10_2012_arquivo
1327 24 10_2012_arquivo1327 24 10_2012_arquivo
1327 24 10_2012_arquivo
 
Imperialismo Aulas 31 E 32
Imperialismo   Aulas 31 E 32Imperialismo   Aulas 31 E 32
Imperialismo Aulas 31 E 32
 
Aula sobre imperialismo def
Aula sobre imperialismo defAula sobre imperialismo def
Aula sobre imperialismo def
 
Imperialismo e Neocolonialismo (parte1e2)
Imperialismo e Neocolonialismo (parte1e2)Imperialismo e Neocolonialismo (parte1e2)
Imperialismo e Neocolonialismo (parte1e2)
 
História e Cultura Africana - Aula 3 - A descolonização africana
História e Cultura Africana - Aula 3 - A descolonização africanaHistória e Cultura Africana - Aula 3 - A descolonização africana
História e Cultura Africana - Aula 3 - A descolonização africana
 
Resumo historia geral i
Resumo historia geral iResumo historia geral i
Resumo historia geral i
 
O governo napoleônico ate rev russa
O governo napoleônico  ate rev russaO governo napoleônico  ate rev russa
O governo napoleônico ate rev russa
 
História
HistóriaHistória
História
 
Aula sobre imperialismo
Aula sobre imperialismoAula sobre imperialismo
Aula sobre imperialismo
 
Nacionalismo, neocolonialismo e imperialismo
Nacionalismo, neocolonialismo e imperialismoNacionalismo, neocolonialismo e imperialismo
Nacionalismo, neocolonialismo e imperialismo
 
Imperialismo Módulo
Imperialismo Módulo Imperialismo Módulo
Imperialismo Módulo
 
Imperialismo
ImperialismoImperialismo
Imperialismo
 
Fim dos_imperios_coloniais_na_africa_e_na_asia- nelma
 Fim dos_imperios_coloniais_na_africa_e_na_asia- nelma Fim dos_imperios_coloniais_na_africa_e_na_asia- nelma
Fim dos_imperios_coloniais_na_africa_e_na_asia- nelma
 
Século xix e xx liberalismo, nacionalismo e socialismo
Século xix e xx liberalismo, nacionalismo e socialismoSéculo xix e xx liberalismo, nacionalismo e socialismo
Século xix e xx liberalismo, nacionalismo e socialismo
 

Mais de Carson Souza

Sociologia - Principais teoricos da sociologia
Sociologia - Principais teoricos da sociologiaSociologia - Principais teoricos da sociologia
Sociologia - Principais teoricos da sociologiaCarson Souza
 
História - Antiguidade Ocidental ou Clássica
História - Antiguidade Ocidental ou ClássicaHistória - Antiguidade Ocidental ou Clássica
História - Antiguidade Ocidental ou ClássicaCarson Souza
 
História - Mundo Grego
História -  Mundo GregoHistória -  Mundo Grego
História - Mundo GregoCarson Souza
 
Neoclassicismo no Brasil - História da Arte.
Neoclassicismo no Brasil - História da Arte.Neoclassicismo no Brasil - História da Arte.
Neoclassicismo no Brasil - História da Arte.Carson Souza
 
Influência da Cultura Holandesa no Brasil - História da Arte
Influência da Cultura Holandesa no Brasil - História da ArteInfluência da Cultura Holandesa no Brasil - História da Arte
Influência da Cultura Holandesa no Brasil - História da ArteCarson Souza
 
Sistema Cardiovascular - Biologia
Sistema Cardiovascular - BiologiaSistema Cardiovascular - Biologia
Sistema Cardiovascular - BiologiaCarson Souza
 
Espanhol - Preposiciones
Espanhol - PreposicionesEspanhol - Preposiciones
Espanhol - PreposicionesCarson Souza
 
História - Mundo Grego
História - Mundo GregoHistória - Mundo Grego
História - Mundo GregoCarson Souza
 
Geografia - Indústria Brasileira
Geografia - Indústria BrasileiraGeografia - Indústria Brasileira
Geografia - Indústria BrasileiraCarson Souza
 
Sociologia - O socialismo e o Homem em cuba
Sociologia - O socialismo e o Homem em cubaSociologia - O socialismo e o Homem em cuba
Sociologia - O socialismo e o Homem em cubaCarson Souza
 
Gramática - Que, Se e Como
Gramática - Que, Se e ComoGramática - Que, Se e Como
Gramática - Que, Se e ComoCarson Souza
 
Literatura - Figuras Linguagem
Literatura - Figuras LinguagemLiteratura - Figuras Linguagem
Literatura - Figuras LinguagemCarson Souza
 
Física - Física Quântica
Física - Física QuânticaFísica - Física Quântica
Física - Física QuânticaCarson Souza
 
Literatura - Vanguarda Européia
Literatura - Vanguarda EuropéiaLiteratura - Vanguarda Européia
Literatura - Vanguarda EuropéiaCarson Souza
 
Química - Radioatividade
Química - RadioatividadeQuímica - Radioatividade
Química - RadioatividadeCarson Souza
 
Química - Reações Orgânicas
Química - Reações OrgânicasQuímica - Reações Orgânicas
Química - Reações OrgânicasCarson Souza
 
Química Orgânica - Funções Orgânicas Oxigenadas e Nitrogenadas
Química Orgânica - Funções Orgânicas Oxigenadas e NitrogenadasQuímica Orgânica - Funções Orgânicas Oxigenadas e Nitrogenadas
Química Orgânica - Funções Orgânicas Oxigenadas e NitrogenadasCarson Souza
 
Química Orgânica - Nomenclatura de Compostos Orgânicos e Hidrocarbonetos
Química Orgânica - Nomenclatura de Compostos Orgânicos e HidrocarbonetosQuímica Orgânica - Nomenclatura de Compostos Orgânicos e Hidrocarbonetos
Química Orgânica - Nomenclatura de Compostos Orgânicos e HidrocarbonetosCarson Souza
 

Mais de Carson Souza (20)

Sociologia - Principais teoricos da sociologia
Sociologia - Principais teoricos da sociologiaSociologia - Principais teoricos da sociologia
Sociologia - Principais teoricos da sociologia
 
História - Antiguidade Ocidental ou Clássica
História - Antiguidade Ocidental ou ClássicaHistória - Antiguidade Ocidental ou Clássica
História - Antiguidade Ocidental ou Clássica
 
História - Mundo Grego
História -  Mundo GregoHistória -  Mundo Grego
História - Mundo Grego
 
Neoclassicismo no Brasil - História da Arte.
Neoclassicismo no Brasil - História da Arte.Neoclassicismo no Brasil - História da Arte.
Neoclassicismo no Brasil - História da Arte.
 
Influência da Cultura Holandesa no Brasil - História da Arte
Influência da Cultura Holandesa no Brasil - História da ArteInfluência da Cultura Holandesa no Brasil - História da Arte
Influência da Cultura Holandesa no Brasil - História da Arte
 
Sistema Cardiovascular - Biologia
Sistema Cardiovascular - BiologiaSistema Cardiovascular - Biologia
Sistema Cardiovascular - Biologia
 
Espanhol - Preposiciones
Espanhol - PreposicionesEspanhol - Preposiciones
Espanhol - Preposiciones
 
História - Mundo Grego
História - Mundo GregoHistória - Mundo Grego
História - Mundo Grego
 
Geografia - Indústria Brasileira
Geografia - Indústria BrasileiraGeografia - Indústria Brasileira
Geografia - Indústria Brasileira
 
Sociologia - O socialismo e o Homem em cuba
Sociologia - O socialismo e o Homem em cubaSociologia - O socialismo e o Homem em cuba
Sociologia - O socialismo e o Homem em cuba
 
Gramática - Que, Se e Como
Gramática - Que, Se e ComoGramática - Que, Se e Como
Gramática - Que, Se e Como
 
Literatura - Figuras Linguagem
Literatura - Figuras LinguagemLiteratura - Figuras Linguagem
Literatura - Figuras Linguagem
 
Física - Ondas
Física - OndasFísica - Ondas
Física - Ondas
 
Física - Física Quântica
Física - Física QuânticaFísica - Física Quântica
Física - Física Quântica
 
Literatura - Vanguarda Européia
Literatura - Vanguarda EuropéiaLiteratura - Vanguarda Européia
Literatura - Vanguarda Européia
 
Química - Radioatividade
Química - RadioatividadeQuímica - Radioatividade
Química - Radioatividade
 
Chernobyl
ChernobylChernobyl
Chernobyl
 
Química - Reações Orgânicas
Química - Reações OrgânicasQuímica - Reações Orgânicas
Química - Reações Orgânicas
 
Química Orgânica - Funções Orgânicas Oxigenadas e Nitrogenadas
Química Orgânica - Funções Orgânicas Oxigenadas e NitrogenadasQuímica Orgânica - Funções Orgânicas Oxigenadas e Nitrogenadas
Química Orgânica - Funções Orgânicas Oxigenadas e Nitrogenadas
 
Química Orgânica - Nomenclatura de Compostos Orgânicos e Hidrocarbonetos
Química Orgânica - Nomenclatura de Compostos Orgânicos e HidrocarbonetosQuímica Orgânica - Nomenclatura de Compostos Orgânicos e Hidrocarbonetos
Química Orgânica - Nomenclatura de Compostos Orgânicos e Hidrocarbonetos
 

História - Neocolonialismo e a Descolonização

  • 1. Aula 22 O neocolonialismo e a descolonização. Esta aula tratará de dois processos: primeiramente o processo do neocolonialismo, iniciado no século XIX. Em seguida, o processo de descolonização, efetivado com o final da Segunda Guerra Mundial. O Neocolonialismo O século XIX vai conhecer uma nova corrida colonial. Este processo histórico está diretamente relacionado com a chamada Segunda Revolução Industrial – ocorrida na Inglaterra, França, Bélgica, Alemanha, Itália, Japão e Estados Unidos. A Segunda Revolução Industrial provocou um enorme aumento na capacidade produtiva das indústrias, fazendo-se necessário uma ampliação do mercado consumidor e do mercado fornecedor. A disputa por novos mercados resulta no imperialismo e, posteriormente, na Primeira Guerrra Mundial. O Antigo Sistema Colonial e o Neocolonialismo. O Antigo Sistema Colonial ocorreu entre os séculos XVI e XVIII. A preocupação fundamental era o fornecimento de gêneros tropicais e de metais preciosos para a Europa, bem como o consumo de produtos manufaturados europeus, por parte das colônias. A mão-de-obra utilizada era a escrava (negra ou indígena), a política econômica que norteava as relações era o Mercantilismo – com a necessidade de acumulação de capitais, daí a existência dos monopólios. A área geográfica do Antigo Sistema Colonial era a América- podendo-se encontrar colônias de exploração e colônias de povoamento. Já no Neocolonialismo a área geográfica passou a ser a África e a Ásia. A política econômica que predomina será o liberalismo e o fator básico da colonização é econômico, ou seja, necessidade de matérias-primas industriais, tais como carvão, ferro, petróleo. A área colonial receberá os excedentes industriais e será local para investimentos de capitais disponíveis na Europa. As novas áreas coloniais também auxiliarão as tensões sociais da Europa: novas terras para receber população européia, tornando-se uma válvula de escape às pressões demográficas. O regime de trabalho será o assalariado – garantindo assim o mercado consumidor. A mão-de-obra barata das áreas coloniais interessava às grandes industriais, pois o trabalhador europeu recebia altos salários, em razão de sua organização sindical e de partidos políticos que lutavam pelos direitos trabalhistas. A propaganda que defendia o imperialismo denominava-se “darwinismo social”. Baseada em idéias pseudocientíficas, afirmava ser a sociedade européia (branca) mais civilizada que outras sociedades (não brancas). Assim, cabia à sociedade européia a missão de “civilizar” as demais, o conhecido “fardo do homem branco”. Porém, o neocolonialismo foi estritamente econômico, satisfazendo os interesses dos grandes grupos econômicos – cartéis, trustes e holdings – e beneficiando a alta burguesia. Por conta disto, o necolonialismo alterou o
  • 2. capitalismo que, de concorrencial passou a ser monopolísta: o capital concentrado em grandes grupos econômicos financiados por grandes bancos. Desenvolve-se então uma nova modalidade de capitalismo, o capitalismo financeiro. O imperialismo na Ásia A revolução Industrial e a expansão da indústrias têxtil inglesa torna a Ásia uma consumidora de produtos europeus, especialmente britânica. Uma das regiões mais disputadas na Ásia foi a Índia que, ao longo dos séculos XVI ao XIX ficará sob o controle da Inglaterra. A Índia será administrada pela Companhia das Índias Orientais. Em 1857 ocorre a Revolta dos Sipaios, última tentativa de resistência ao domínio britânico e, em 1876 a rainha Vitória foi coroada imperatriz da Índia. O imperialismo na China ligava-se aos interesses econômicos do chá, seda e outras mercadorias. Entre 1840 e 1842 ocorreu a Guerra do Ópio, em razão da destruição de carregamentos de ópio para a China. A vitória inglesa no conflito resultou na assinatura do Tratado de Nanquim, onde Hong Kong é incorporado à Inglaterra e cinco portos foram abertos ao comércio inglês – com destaque para os portos de Xangai e Nanquim. Após esta abertura forçada, a China será alvo de outras nações imperialistas, como o Japão, Alemanha, França, Itália e Estados Unidos. Como reação ao domínio estrangeiro surge uma sociedade nacionalista secreta – a Sociedade dos Boxers – promovendo ataques e sabotagens aos estrangeiros. Surge então a Guerra dos Boxers, cuja derrota chinesa às potências estrangeiras culminou com novas concessões econômicas. O imperialismo na África. Um dos pioneiros na conquista da África foi a França que, em 1830 ocupou a Argélia; em 1844 conquistou o Marrocos e em 1854 o Senegal. No ano de 1910 foi formada a África Ocidental Francesa, composta pelos territórios da Guiné, Gabão, parte do Congo e do Sudão. Ainda parte do império colonial contava-se o Madagascar e a Tunísia. A Inglaterra teve sua colonização na África impulsionada peloa construção do canal de Suez, no Egito. Em 1888 a companhia dirigida por Cecil Rhodes conquistou a Rodésia. Entre os anos de 1888 e 1891 foram incorporados ao império britânico o Quênia, a Somália e Uganda. Outros territórios britânicos foram a União Sul-Africana, Nigéria, Costa do Ouro e Serra Leoa. A Alemanha conquistou o Camarão, África Sudoeste e África Oriental. A Itália anexou a Líbia, Somália e Eritréia. Portugal anexou Moçambique, Angola, Guiné Portuguesa; a Espanha com o Marrocos Espanhol, Guiné Espanhola e Rio do Ouro. A região central da África era objeto de disputa por várias nações européias. Para resolver a questão foi organizada a Conferência de Berlim (1884/85), que contou com a participação da Rússia e dos Estados Unidos. A conferência estimulou a corrida sobre os poucos territórios livres que existiam no continente africano. O Japão adota posturas imperialistas a partir da década de 1860, início do
  • 3. período de modernização do Japão, conhecido como “Era Meiji”. O imperialismo japonês ocorrerá sobre a China, Coréia e Formosa ( Taiwan). O imperialismo na América Latina será exercido pelos Estados Unidos: México, após a guerra de 1848. A partir de 1870 o domínio norte-americano se fará na região do Caribe. A parte sul do continente americano terá o predomínio da Inglaterra. Conseqüências do neocolonialismo O mundo será partilhado entre as grandes potências industriais. A tentativa de ampliar as áreas de dominação provocará o choque imperialista. Este choque vai deflagrar a Primeira Guerra Mundial. A descolonização. Causas da descolonização A descolonização da Ásia e da África está relacionada com a decadência da Europa, motivada pela Primeira Guerra Mundial, pela crise de 1929 e Segunda Guerra Mundial. Outro fator será o despertar do sentimento nacionalista na Ásia e na África, impulsionado pela decadência da Europa e pela Carta da Onu, que, em 1945, reconheceu o diereito dos povos colonizados à autodeterminação. O ponto máximo do nacionalismo será a Conferência de Bandung (1955), ocorrida na Indonésia que estimulou as lutas pela independência. A guerra fria e a polarização entre EUA (capitalismo) e a URSS (socialismo) também contribuiu para o fim dos impérios coloniais. Cada uma das superpotências via na descolonização uma oportunidade de ampliar suas influências políticas e econômicas. A Descolonização da Ásia. O processo de independ6encia das áreas coloniais asiáticas foi por meio da guerra ou pacífica. Independência da Índia O processo de independência da Índia teve seu início na década de 1920, através do Partido do Congresso, sob a liderança de Mahatma Gandhi e Jawarhalal Nerhu. A campanha de Gandhi foi caracterizada pela desobediência civil, não violência e resistência passiva. Em 1947, os ingleses reconheceram a independência da Índia. Em face das rivalidades religiosas o território foi dividido: a maioria hinduísta, governada por Nerhu formará a União Indiana; a parte islâmica, governada por Ali Junnah, formará o Paquistão. Em 1971 o Paquistão Oriental proclama sua independência do Paquistão Ocidental, surgindo a República do Bangladesh. Independência da Indonésia
  • 4. O movimento de independência da Indonésia foi conduzido por Sukarno. A luta estendeu-se até 1949, quando a Holanda recconheceu a independência. Independência da Indochina No ano de 1941, como resistência a ocupação japonesa, formou-se um movimento nacionalista – Vietminh – dirigido por Ho Chi Minh. Após a derrota japonesa na guerra foi proclamada a independência da República Democrática do Vietnã ( parte norte). Os franceses não reconheceram a independência e tentaram, a partir de 1946, recolonizar a Indochina, tendo início a Guerra da Indochina. Em 1954, na Conferência de Genebra foi reconhecida a independência da Indochina, dividida em Laos, Camboja e Vietnã(parte norte e parte sul). A mesma conferência estabeleceu que o paralelo 17 dividiria o Vietnã. Em 1956 formou-se a Frente de Libertação Nacional, contra o governo de Ngo Dinh Diem – apoiado pelos EUA. A Frente contou com o apoio do Vietcong ( exército guerrilheiro). O cancelamento das eleições de 1960 deu início à guerra do Vietnã. O Vietcong contou com o apoio do Vietnã do Norte, e o governo de Ngo Dinh Diem dos EUA. A guerra perdurou até 1975, quando os Estados Unidos retiraram-se da região. A Descolonização da África. Independência do Egito O Egito era um protetorado inglês ( a região possuía autonomia, supervisionada pela Inglaterra). O domínio inglês terminou em 1936, porém o canal de Suez continuou sob controle britânico. Independência da Argélia O movimento nacionalista argelino começou em 1945. Liderada por muçulmanos este movimento inicial foi reprimido. As manifestações intensificaram-se após a fundação da Frente Nacional de Libertação – influenciada pelo fundamentalismo islâmico. A guerra de independência começou em 1954. Em 1957 ocorreu a Batalha de Argel – duramente reprimida pelo exército francês. No ano de 1962 houve a assinatura do acordo de Evian, ocorrendo o reconhecimento da independência argelina. O fim do império colonial português. Durante a década de 1950 começaram a se organizar movimentos separatistas em Angola, Moçambique e Guiné portuguesa. Em 1956 foi criado o Movimento Popular pela Libertação de Angola (MPLA), sob a liderança de Agostinho Neto. Posteriormente surgiram a Frente Nacional de Libertação de Angola (FNLA) e a União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA). Após a independência de Angola, mediante o Acordo de Alvor em 1975, o três grupos acima iniciaram uma guerra civil, na disputa pelo poder.
  • 5. A independência de Moçambique foi patrocinada pela Frelimo (Frente de Libertação de Moçambique), tendo como lider Samora Machel – que em 1960 iniciou um movimento de guerrilha. Portugal reconheceu a independência em 1975. No ano de 1956, Amílcar Cabral fundou o Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC). No ano de 1974 foi reconhecida a independência da Guiné; em 1975 do Cabo Verde e de São Tomé e Príncipe. Um importante fato que contribuiu para o fim do império colonial português foi a Revolução dos Cravos, que ocorreu em 25 de abril de 1974 e que marcou o fim do regime fascista (imposto por Oliveira Salazar e continuado por Américo Tomás e seu primeiro-ministro Marcelo Caetano). O novo governo de Portugal não ofereceu resistência para o reconhecimento da independência das colônias. As conseqüências da descolonização. Entre as conseqüências do processo de descolonização afro-asiática enumeramos o surgimento de novos países que, ao lado das nações latino americanas, formaram o bloco do Terceiro Mundo. Este bloco fica sob a dependência dos países capitalistas desenvolvidos (Primeiro Mundo) ou de países socialistas (Segundo Mundo). A dependência deste bloco será responsável pela concentração de renda nos países ricos e pelo crescente endividamento externo dos países subdesenvolvidos, apresentando sérios problemas de saúde, educação, desnutrição, entre outros. Exercícios 1) (Unicentro-PR)- A política do século XIX, também conhecida como neocolonialismo, pode ser entendida como produto da expansão do capitalismo em sua fase imperialista. Sobre esse assunto, assinale a alternativa incorreta: a) Nesse período, vários países europeus estavam passando pela Revolução Industrial e buscavam fontes de matéria-prima industrial para abastecer suas empresas; b) Buscavam novas regiões onde pudessem investir capitais excedentes com boa rentabilidade; c) No plano político, os Estados europeus estavam interessados em diminuir seus efetivos militares buscando minimizar a tensão entre as potências, e a saída para tal situação era a colonização de novas terras; d) Motivadas por questões religiosas e culturais, muitas ordens religiosas enviavam seus missionários para as regiões colonizadas em busca de novos crentes; e) Também teve importância o movimento intelectual e científico, pois as associações geográficas mapearam e catalogaram todas as potencialidades capazes de serem exploradas pelas potências colonialistas.
  • 6. 2) (Unicentro-PR) – No final do século XIX e início do século XX, os países capitalistas conseguiram dominar praticamente o mundo todo. É o fenômeno conhecido como imperialismo, cuja característica principal foi: a) busca de locais capazes de atender às necessidades de consumo, produzindo lucro garantido aos investidores; b) busca de territórios apenas para a extração mineral; c) provocar apenas uma partilha de terras dos países do Primeiro Mundo; d) garantir terras para a migração das populações mais pobres da América; e) incentivo às técnicas para o desenvolvimento local. 3) (UNITAU) – O Império Chinês, sofrendo pressões de vários países, foi obrigado a ceder algumas partes de seu território a países europeus. Um desses territórios, em poder do Reino Unido, acaba de ser devolvido ao governo chinês (1997). Trata-se do território de: a) Cingapura b) Macau c) Taiwan d) Hong Kong e) Saigon 4) (UCSal-BA)- “...os vinte e nove países que ali se reuniram, em 1955, apresentaram-se como o Terceiro Mundo, selando o compromisso de ajuda mútua na libertação dos povos ainda dependentes das metrópoles imperialistas.” O texto refere-se à conferência de: a) São Francisco b) Versalhes c) Ialta d) Munique e) Bandung 5) (FGV-SP) – Em novembro de 1954, com a guerra da independência da Argélia já iniciada, François Miterrand, então ministro do Interior da França, declarava: “A Argélia é a França e a França não se negocia.” O que segui foi: a) uma revolta popular de grandes proporções, culminado com eleições livres e diretas em 15 de maio de 1968; b) uma violenta guerra de libertação, que custou a vida de quase 100 mil pessoas a cada ano e culminou com a independência da Argélia, em 3 de julho de 1962; c) um longo combate entre a França e a Argélia, culminando com a derrota francesa e a convocação de um plebiscito geral em 31 de março de 1965; d) um levante político partidário envolvendo grande contingente de militantes e culminou com a intervenção das Nações Unidas, através de uma força de paz, em 9 de julho de 1964; e) uma rebelião de militares de esquerda, que culminou com a convocação de uma Assembléia Nacional Constituinte em 25 de agosto de 1967.
  • 7. Respostas: 1) C 2) A 3) D 4) E 5) B