Mitos indígenas em macunaíma, de mário de

89.666 visualizações

Publicada em

Trabalho que aborda os mitos indigenas na obra Macunaima de Mario de Andrade

Publicada em: Educação
2 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
89.666
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
84.409
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
73
Comentários
2
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Mitos indígenas em macunaíma, de mário de

  1. 1. Mitos Indígenas em Macunaíma, de Mário de Andrade Por Rômulo Viana* *acadêmico de Letras/UFOPA e fotógrafo amador. www.poematisando.blogspot.com
  2. 2. ,  Em apenas seis dias ininterruptos Mário de Andrade deu o sopro de vida a uma das obras basilares do nosso Modernismo: a rapsódia Macunaíma, o herói sem nenhum caráter.  No fundo do mato-virgem a índia tapanhumas pariu um menino feio: era preto, retinto, filho do medo da noite. Essa criança é que chamaram de Macunaíma. Irmão de Maanape – já velhinho – e de Jiguê – ainda na força do homem – o herói da nossa gente (aquele que traz em si a representatividade do nosso caráter) vivência uma verdadeira saga, junto com os dois irmãos, a fim de recuperar a muiraquitã que Ci, Mãe do Mato (aqui Rainha as Icamiabas) havia lhe dado e que ele a perdera no terrível enfrentamento com a Boiúna Capei. Um mariscador ao encontrar a muiraquitã nas entranhas de um tracajá a vende para um regatão peruano chamado Venceslau Pietro Pietra – O gigante Piaimã. Ao saberem disso os irmãos partem para São Paulo – cidade do gigante. Só que agora o nosso herói deixava o pretume da cor, a feiura da feição. Era um lindo branco, loiro e de olhos azuis graças ao poder encantado das águas em que se banhara. E por encantamentos e feitiços Macunaíma faz de tudo para reaver o presente da Icamiaba até conseguir matar Piaimã num caldeirão. Voltando para a Amazônia o herói da nossa gente sente-se triste e solitário pela morte dos irmãos tornados sombras leprosas, e pelo judiamento sofrido pela Uiara. Com isso, Macunaíma desiste da vida e sobe aos céus compondo a constelação da Ursa Maior.
  3. 3. Macunaíma  Entidade divina [...]. A tradução da Bíblia para o idioama caraíba divulgou Macunaíma como sinônimo de Deus. Com o passar do tempo [...] Macunaíma foi tornando-se herói [...]. Tornouse um misto de astúcia, maldade instintiva e natural, de alegria zombeteira e feliz. (CASCUDO, 2001:347);  Macunaíma brincou com a Mãe do Mato. Vieram então muitas jandaias [...] saudar Macunaíma, o novo Imperador do MatoVirgem (ANDRADE, 2008:32)
  4. 4. A Muiraquitã  Objeto feito de jade, que se teria encontrado as proximidades de Óbidos, e nas praias, entre a foz do rio Nhamundá e a do Tapajós [...]. O muiraquitã teria sido presente que as amazonas davam aos homens como lembrança de sua visita anual. (CASCUDO, 2001:400);  Terminada a função a companheira de Macunaíma (Ci), toda enfeitada, tirou do colar uma muiraquitã famosa, deu-a pro companheiro e subiu pro ceú por um cipó (ANDRADE, 2008:35)
  5. 5. Ci, as Mães e Ceuci (Ceuici): a Mãe do Jurupari  Ci: o indígena não concebe nada do que existe sem mãe [...] a mãe é sempre necessária para que haja vida. Por força disso tudo, mãe é a Ci. (CASCUDO, 2001:139);  Ceuci: mãe do Jurupari. (Ibid.:127);  Então para animá-lo Ci [...] buscava no mato a folhagem de fogo da urtiga e sapecava [...] no chuí do herói e na nalachítchi dela. Macunaíma ficava um lião querendo. (ANDRADE, 2008:33)  O gigante estava aí com a companheira, uma caapora velha sempre cachimbando (Ibid.:58)
  6. 6. Mitos aquáticos: Boiúna Capei, Uiara (Iara).  Boiúna: Mboi, cobra, una, preta, o mais popular dos mitos amazônicos. Cobra-Encantada; CobraGrande; Cobra-Mandada; Cobra-Maria; CobraNorato (CASCUDO, 2001:74 );  Uiara (Iara): Conhecida por mãe-d’água a sereia europeia, alva, loura, meio peixe, cantando para atrair o namorado...(Ibid.:348);  -Si... si... a boboiúna aparecesse eu... eu matava ela![...] ele só fez um afastadinho com o corpo... e juque! decepou a cabeça da bicha.
  7. 7. Referências  ANDRADE, Mário de. Macunaíma: o herói sem nenhum caráter. Rio de Janeiro: Agir, 2008.  CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do folclore brasileiro. 11. ed. São Paulo: Global, 2001.  FRITZEN, Vanessa. Mitos indígenas em Macunaíma de Mário de Andrade.  A Amazônia e o Imaginário das Águas: Marilina C. Oliveira Bessa Serra Pinto. 

×