SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 297
100 DICAS PARA ACERTAR NO
       ENEM 2012/2013
          PARTE 6
         E AÍ, GOSTARAM?
ACABARAM-SE AS DICAS, E AGORA É
 TORCER PARA QUE ALGUMA DELAS
   CAIA NO SEU ENEM... SUCESSO
 SERÁ TODO SEU..SE VOCE LEVOU A
                SÉRIO
          VOCE VAI VER...
           Prof. MARIO FERNANDO DE MORI
DICA 71: ELEIÇÕES NOS EUA: OS
  CANDIDATOS E PROPOSTAS
Harry Truman




 1945-1952




 Democrata
Harry Truman
• Contexto: início da Guerra Fria
• Doutrina Truman
• Plano Marshall (George Marshall)
  – Represália: Kominform e Comecon
• Otan/Guerra da Coréia
• Produção da bomba atômica pelos soviéticos
• Revolução Chinesa (1949)
Harry Truman
• Senador Joseph MacCarthy
  – “Caça às bruxas”
  – Auge: Caso Rosemberg
    • Execução do casal Julius e Ethel Rosemberg em 1953
      após acusação de espionagem
Dwight Eisenhower




   1952-1960




  Republicano
Dwight Eisenhower
• John Foster Dulles
  – Secretário de Estado que comandou uma política
    agressiva contra os soviéticos
  – Pactos militares (Anzus, Otase, Cento)
• Imensas verbas destinadas para a construção
  de mísseis e exploração espacial
• Recebe Kruschev
• Põe fim ao macarthismo
Dwight Eisenhower
• Propicia grande progresso econômico ao país,
  apesar dos 4,5 milhões de desempregados e
  de faixas inflacionárias ascendentes
• Os soviéticos lançam o primeiro Sputnik ( 1ª
  série de satélites espaciais)
• Crescimento do movimento negro
John Fitzgerald
   Kennedy



  1960-1963




 Democrata
John Fitzgerald Kennedy
• 1959 – Revolução Cubana (acaba a hegemonia
  dos EUA na ilha)
• CIA – Invasão da Baía dos Porcos (fracasso)
• Aliança para o Progresso: ajuda econômica
  aos países vizinhos do continente, de modo a
  garantir a supremacia estadunidense.
John Fitzgerald Kennedy
• Encontro com Kruschev em 1961
• Agosto de 1961 – Construção do Muro de
  Berlin – Agravamento da tensão
• Cuba: Fidel Castro faz opção pelo socialismo,
  aliando-se à União Soviética
• Crise dos Mísseis
• Assassinado em 22 de novembro de 1963, ao
  visitar a cidade de Dallas, no Texas
Lyndon Johson




    Vice




 1963-1968
Lyndon Johnson
• Atitude ofensiva contra o comunismo
• Envolveu completamente os EUA na Guerra
  do Vietnã (envio de mais de 500 mil soldados)
• Intervenção militar na República de Sant
  Domingo (evitar expansão do socialismo
Lyndon Johnson
• Martin Luther King: reverendo pacifista que
  garantiu ganho de intensidade para o
  movimento negro
  – Ganha o Prêmio Nobel da Paz em 1964, sendo
    assassinado em 1968
Richard Nixon




 1968-1974




Republicano
Richard Nixon
• Reaproximação com países comunistas
• 1971 – Admite a entrada da China na ONU
• 1972 – Encontro com Mao Tsé-tung
• Assina com Brejnev o Salt-1 (tratado de limitação de
  armas estratégicas)
• Vietnamização da guerra, consequência
  principalmente de uma forte opinião pública (tentou
  retirar os soldados americanos do conflito,
  oferecendo, em contrapartida , armamentos aos
  vietnamitas, seus aliados no Vietnã do Sul)
• Participação dos EUA na derrubada de Salvador
  Allende (presidente chileno) em 1972
Richard Nixon
• Instaura-se então no Chile a ditadura militar
  de Augusto Pinochet
• Caso Watergate (1972)
  – Membros do Partido Republicano foram
    surpreendidos tentando instalar um sistema de
    escuta para espionar os escritórios do Partido
    Democrata, em Washington, no edifício
    Watergate
  – Denunciado pelo Jornal The Washington Post, o
    que mobilizou a imprensa e opinião pública
Richard Nixon




Nixon diz que não vai renunciar
                                  Nixon nega papel em encobrir, admite abuso
                                  de seus subordinados
Gerald Ford




   Vice




 1974-1976
Gerald Ford
• Concede perdão pleno e absoluto a Nixon
• Derrota estadunidense na Indochina (Vietnã,
  Laos e Camboja)
• Desmoralização do Partido Republicano
• Crise do Petróleo
  – Resultado da elevação do preço do petróleo pela
    Organização dos Países Exportadores de Petróleo -
    OPEP
Crise do Petróleo
Jimmy Carter




 1977-1980




Democrata
Jimmy Carter
• Assinatura do Salt-2
• Política dos Direitos Humanos
  – Redemocratização de países capitalistas sob
    ditaduras
  – Intensificação de críticas ao comunismo
  – Patrocínio à conferência de Camp Daivid (1978)
     • Deu origem a um tratado de paz entre Egito,
       governado por Anuar Sadat, e Israel , dirigido por
       Menahen Begin.Com esse tratado, estabeleceram-se
       relações diplomáticas entre esses países.
Jimmy Carter
• Surgem no final do governo várias crises
  internacionais que arruinaram o prestígio da
  administração democrata
  – Irã
     • Xá Reza Pahlevi é derrubado pelo aiatolá Khomeini
  – Nicarágua
     • Revolução Sandinista derruba Anastácio Somoza
  – Intervenção soviética no Afeganistão
Ronald Reagan




 1981-1989




Republicano
Ronald Reagan
• Piora das relações com a União Soviética
• Aprofundamento da bilateralidade
• Decreta várias sansões econômicas à União
  Soviética
• EUA retomam a corrida armamentista
• Intervenções em Granada e Nicarágua
• Início do programa militar Guerra nas Estrelas
George Bush




1989-1993




Republicano
George Bush
• Dá continuidade à política de entendimento
  com Gorbatchev
• EUA comandam a Guerra do Golfo contra o
  Iraque, exibindo a maior capacidade bélica do
  mundo
• Oscilações internas em sua popularidade
  – Hegemonia pós queda socialista X Aumento do
    desemprego e queda da produtividade
Bill Clinton




1993-2000




Democrata
Bill Clinton
• Crescimento da economia estadunidense
• Ameaça de impeachment por envolvimento
  com a secretária Monica Lewinsky
George Walter
    Bush



  2001-2008




 Republicano
George Walter Bush
• Apuração de votos cheia de irregularidades
• Reativação militar
  – Nacional Missile Defense
  – Chama atenção para a reativação da corrida
    nuclear
• 11 de setembro
• Primeira Guerra Declarada do século XXI
• Antraz
George Walter Bush
• Guerra ao terror
• Doutrina Bush: hostilidade e combate
  intransigente às ameaças à civilização
  – Eixo do mal: Iraque, Irã e Coréia do Norte
• Transferência de prisioneiros de guerra do
  Afeganistão para Guantánamo
• Invasão do Iraque em 2003, com o auxílio de
  forças britânicas
George Walter Bush
• Ives Gandra: jurista brasileiro que afirma:
  – “ o primeiro destruiu duas torres, e o segundo, um
    país inteiro”
• 2004-2005: vieram a público fotos de maus
  tratos de prisioneiros iraquianos em bases
  militares norte americanas
• 2004 – Inexistência de ‘armas proibidas’ no
  Iraque
George Walter Bush
• Grandes danos ao Iraque, com estimativa de
  mais de 100 mil mortos
Barack Obama




2009 - Atualmente




   Democrata
Barack Obama

• Primeiro presidente afro
   americano da história
      estadunidense
QUESTÃO SIMULADA SOBRE O
          TEMA 71
A respeito das ELEIÇÕES NOS EUA, podemos AFIRMAR QUE:
1 - Nos EUA, o presidente não é eleito pelo voto direto, mas por uma instituição chamada colégio eleitoral. De
     acordo com a Constituição Americana, a escolha do presidente e seu vice depende de delegados
     estaduais, estes sim escolhidos pelos eleitores.
2 - Basicamente cada um dos 50 estados tem direito a um número de delegados proporcional ao total de
     representantes que possui no Congresso Nacional - um para cada deputado e um para cada dois
     senadores. Isto faz com que o tamanho e o número de estados em que cada candidato venceu tenha
     muito mais peso no resultado final da eleição do que o número de votos total feitos por cada um.
3 - O partido do candidato que ganha a maioria dos votos no estado elege sua comissão e o candidato (ou
     candidatos) que perder naquele estado não ganha nenhum delegado. Na segunda-feira após a segunda
     quarta-feira de dezembro os delegados eleitos se reúnem na capital de seu estado para então escolher o
     presidente.
4 - Em apenas duas ocasiões, o a decisão do Colégio Eleitoral foi diferente do visto nas urnas. A mais recente
     delas foi em 2000, quando George W. Bush, obteve 47,87%, contra 48,38% do candidato democrata, Al
     Gore, que mesmo com 500 mil votos a mais ficou longe da Casa Branca.
5 – Nas eleições deste ano, o Presidente Obama, tenta a reeleição, e seu adversário, Mitt Romney, tem
     tentado, com temas cruciais para o poderio americano no mundo, tentado atrair eleitores em sua
     candidatura em novembro.
ESTÃO CORRETAS SOBRE O TEMA:
a) Todas estão corretas
b) Somente 1,3,5 estão corretas
c) Somente 1,2,3 estão corretas
d) Somente 1,2,4,5 estão corretas
e) Somente 2,3,4,5 estão corretas
DICA 72: O MST – CONFLITOS
  FUNDIÁRIOS NO CAMPO
        BRASILEIRO
MOVIMENTOS
 SOCIAIS DO
   CAMPO
   MST
Tipos de Movimentos Sociais:

   Os movimentos sociais diferem quanto
  à abrangência da mudança pretendida.

   Alguns são relativamente limitados em
seus propósitos, querem modificar alguns
aspectos da sociedade sem tocar o núcleo
       de sua estrutura institucional.
     
       Outros movimentos pretendem
 mudanças mais profundas, que atingem
      as bases da organização social.
Tipos de Movimentos Sociais:

   Os movimentos sociais surgem em
       momentos determinados,
  desenvolvem-se, passam por fases
      distintas, decaem e cessam.

  A dinâmica interna dos movimentos,
  distinguem-se em quatro estágios
   principais: origem, mobilização,
desenvolvimento estrutural e término.
Os movimentos sociais
    apresentam-se ao longo da
 História de diversas maneiras e
 por diversos motivos mas, como
 se verá em seguida, há algumas
características em comum a todos
   eles, por exemplo: em todo
     movimento social há um
       princípio norteador.
Qual seria
este princípio
 norteador?
Trata-se de um projeto
    construído coletivamente, na
   maioria das vezes buscando a
     solução de um problema, a
transformação de uma situação, ou
  ainda, o retorno a uma situação
   anterior, na qual os indivíduos
 entendem que havia uma melhor
      condição para suas vidas.
Para uma melhor
 compreensão do que está sendo
  dito no slide anterior, podemos
       usar como exemplo as
reivindicações do Movimento dos
 Trabalhadores Rurais Sem-Terra
 (MST). Este tem como projeto a
   realização da reforma agrária
A QUESTÃO
 AGRÁRIA
NO BRASIL.
É importante salientar
 que a questão da terra no Brasil
sempre foi uma das bandeiras dos
   movimentos sociais, pois em
     nossa estrutura agrária a
    concentração de terras e a
  existência de latifúndios estão
presentes desde o início de nossa
           colonização.
Isto porque nossa
 formação social deu-se
em dependência de outros
países, consequentemente,
 nossa produção agrária
         também.
Assim, temos como
 característica estruturante em nosso
    país, a subordinação de parte
  importante da produção agrícola a
  uma produção em larga escala e às
necessidades do exterior, o que leva a
 um modelo baseado na utilização de
     grandes propriedades rurais,
 produzindo uma pequena variedade
              de produtos.
Porcentagem sobre o total de terras do Brasil
60




50



                                 Prop. com menos
40                               de 100 hectares
                                 Prop. com mais de
30
                                 1000 Hectares


20




10




 0
     1996   1972   1978   1992



Montado a partir de dados do INCRA, 1992
Em suma, a questão da terra
 torna-se uma bandeira para os
  movimentos sociais, pois sua
concentração transforma-se em
   um problema num país de
grandes dimensões, e com uma
população sem acesso à terra e
  sem condições de ter acesso
     àquilo que ela produz.
No      caso     dos
movimentos sociais que lutam
pela mudança na estrutura
agrária, fica evidente a
presença de “interesses de
classe” em jogo. Por exemplo,
trabalhadores do campo X
grandes proprietários.
Há pelo menos de 4 a 6 milhões de
famílias sem-terra, cerca de 1% dos proprietários
rurais possuem 46% das terras produtivas e
cadastradas no Brasil (Censo do IBGE – 1996). As
propriedades com menos de 100 ha representam
neste último censo, 89,3% das propriedades, mas
representam cerca de 20% das terras brasileiras.
     Neste mesmo Censo foram registradas
17.930.890 pessoas ocupando atividades no campo,
contrapondo-se aos dados de 1985 ― que registram
23.394.881 trabalhadores ― portanto, percebe-se
uma redução do trabalho no campo em 23%.
Existe um outro indicativo que
contribui para destacarmos a importância da
pequena propriedade na produção agrícola no
Brasil. Segundo os dados estatísticos sobre o
montante da produção das pequenas e médias
propriedades produzidos pelo IBGE no Censo
Agropecuário de 1996, temos que: a produção de
áreas com menos de 100 ha correspondem a 47%
da produção nacional, os estabelecimentos entre
100 ha a 1.000 ha correspondem a 32%; já as áreas
com 1.000 ha a 10.000 ha correspondem a 17% da
produção, e ainda, as áreas acima de 10.000 ha
produzem apenas 4% do valor total da produção no
Brasil.
M.S.T
O movimento, embora já
existisse desde o final da década de
1970, só ganha estatuto de movimento
organizado nacionalmente em 1984
com o 1° Encontro Nacional, na cidade
de Cascavel, no estado do Paraná. Em
1985, acontece o 1° Congresso
Nacional do MST, na diadade de
Curitiba-Pr.
Em várias ocasiões há conflitos
entre os integrantes do MST e a polícia, que
é, por vezes, incumbida pela justiça de
restaurar a posse da terra. Outras vezes
enfrentam milícias armadas pelos fazendeiros
para evitar que ocupem suas terras. Os
latifundiários no Brasil possuem uma
organização própria criada em 1985,
chamada       UDR     (União    Democrática
Ruralista), cujo objetivo é a defesa da
propriedade fundiária, que seus possuidores
julgam estar ameaçadas pelo MST.
Além de tudo, deve-se levar
em consideração que a concorrência do
pequeno produtor com a produção em
larga escala e mecanizada no campo, na
maioria das vezes, é desleal, já que o
latifúndio não só possui toda uma infra-
estrutura para sua produção como
também, consegue muito mais facilmente
créditos dos governos, geralmente por
sua produção ter como finalidade a
exportação.
Dentre            as
tentativas de superação destes
obstáculos, o MST também
possui como alternativa não só a
capacitação política, mas também
técnica do assentado, formação
preocupada       em       fornecer
conhecimentos adequados para
um melhor aproveitamento da
terra.
O MST, além de ser contrário a
um único tipo de produção agro-
exportadora (monocultura), também
incentiva a realização de culturas que
deixem de utilizar agrotóxicos em
seus produtos, bem como o de
sementes transgênicas, realizando
inclusive encontros agroecológicos,
na tentativa de gerir novas
experiências.
Certamente, a repercussão do MST, no
Brasil, aumentou em muito a partir de meados
dos anos 1990, quando alguns conflitos ocorreram
em diversas ocupações. Tendo em vista sua
capacidade de articulação, o movimento também
aumentou sua atuação na sociedade, participando
de uma série de outras discussões como, por
exemplo, colocando-se contra a ALCA (Área de
Livre Comércio das Américas), discutindo o papel
da mulher e produzindo um projeto político-
pedagógico para os processos educacionais que
acontecem nos seus assentamentos.
O MST certamente é fruto de
um conjunto de fatores históricos
nacionais e internacionais do
desenvolvimento do capitalismo que
criaram uma realidade social cheia de
conflitos e contradições, da mesma
forma que as Ligas Camponesas
foram uma tentativa de luta e
reivindicação      por      melhores
condições do trabalhador rural.
Conflitos no Campo
Personagens
              • Posseiro
               • Grileiro
              • Jagunço
            • Latifundiário
              • Situação
       – Muita terra para pouca gente
   – Mecanização e exclusão do camponês
    – Falta de oportunidades nas cidades
– Ambiente democrático favorece organização
Habitação típica de POSSEIRO
Conflitos no
     campo
Principais áreas de conflito

      • Bico do papagaio
 • Pontal do paranapanema
 • Arco do desflorestamento
     –ou do “povoamento
            recente”
PONTAL DO PARANAPANEMA
Direitos efetivados com MST
Assentamento   Lagoa do Junco (continuação)
                 Lugar para morar
                        4%
                     Direito à
                   propriedade
                        4%                      Direito à terra
       Direito de lutar por                           17%
         um pedaço de                                       De chegar perto
              chão                                          de novos direitos
               4%                                                 4%
                                                              Aposentadoria
         Direito de
                                                                  4%
         participar
            21%                                               Bloco do produtor
                                                                    rural
                                                                     4%
                                                             Salário
                                                           maternidade
                                                               8%
             Direito de ser
                cidadão                               Direito de plantar
                  13%                                         4%
                                         Igualdade entre os
                                            homens e as
                                              mulheres
                                                13%
MST


As conjeturas históricas da construção do MST fundamentaram os
   três grandes pressupostos do Movimento, quais sejam:
                              1- terra;
                        2- reforma agrária;
                3- mudanças gerais na sociedade.

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra está organizado
        em todo o país. As instâncias deliberativas são:
      -     a) Congresso Nacional – ocorre a cada 5 anos;
                  -    b) Coordenação Nacional;
                    -     c) Direção Nacional;
                  -    d) Coordenação Estadual;
                    -     e) Direção estadual;
                -     f) Coordenações Regionais;
        g) Coordenações dos Assentamentos e Acampamentos.
MST



      A principal características do MST é a sua organização.

                     Números (http://www.mst.org.br ):
          Hodiernamente, o MST é atuante em 23 estados
                            brasileiros.
       Envolve mais de 1,5 milhões de pessoas, sendo 300
       mil famílias assentadas e 60 mil que ainda vivem em
      acampamentos. No ano de 2001, teve-se a quantidade
      de 585 acampamentos, nos quais participaram 75.730
      famílias. No mesmo ano, o número de assentamentos
        foi o de 1.490, sendo 108.849 famílias assentadas.
Grupos
 • Sem terra • REFORMA AGRÁRIA
      – MST
     – MLST
   – CONTAG
• Fazendeiros:
     – UDR



     Necessidade
         urgente
Crianças em Acampamento do MST
Outros Problemas Fundiários
Posse da Terra




Fonte: David Gibbs McGrath e Socorro Pena – ProVárzea/Ibama
Conflitos Entre Usuários




Fonte: David Gibbs McGrath e Socorro Pena – ProVárzea/Ibama
Capacidade de Suporte




Fonte: David Gibbs McGrath e Socorro Pena – ProVárzea/Ibama
Risco Ambiental
• Desertificação
QUESTÃO SIMULADA SOBRE O
          TEMA 72
1) No mês de maio deste ano, desabaram sobre a sociedade brasileira cenas de uma
     dupla violência: a violência contra a terra, com a aprovação do Código Florestal na
     Câmara dos Deputados, e a violência contra a pessoa humana, com os assassinatos
     dos líderes camponeses Maria do Espírito Santo da Silva e José Cláudio Ribeiro da
     Silva, que se opunham ao desmatamento na Amazônia.
Artigo de Dom Tomás Balduíno publicado no portal Santa Catarina 24 horas, no dia 6/9/11,
     adaptado. http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=79182
O campo brasileiro está, historicamente, marcado por conflitos que envolvem
     interesses opostos dos diversos atores sociais. Os recentes fatos apresentados
     estão relacionados ao/à(s)
a) oposição entre ambientalistas que aprovam o Código Florestal e ruralistas que exigem
     ampliação das áreas para produção.
b) ações que resultam em desmatamento e concentração fundiária, de um lado, e à defesa da
     floresta e da posse da terra pelos trabalhadores rurais, de outro.
c) ampliação da área de reserva legal defendida pelo agronegócio na Amazônia, em
     detrimento das áreas agrícolas destinadas ao pequeno agricultor.
d) expansão das áreas de preservação permanente (APP) nas margens dos rios, que
     favorecerá as comunidades extrativistas.
e) embate entre os trabalhadores rurais sem-terra que defendem o Código Florestal e os
     latifundiários que veem a reserva legal como obstáculo.
2) A expansão da fronteira agrícola e a concentração da estrutura
    fundiária têm gerado conflitos pela posse da terra no Brasil.
    Sobre os principais conflitos a partir da década de 1970,
    analise as seguintes assertivas.
I. A violência no campo está restrita aos conflitos entre posseiros ou
    pequenos proprietários de um lado, grileiros e empresários, do
    outro.
II. As ocupações organizadas de terras e os acampamentos dos sem-
    terra vêm pressionando o governo para a desapropriação de terras
    e os assentamentos dos trabalhadores rurais.
III. O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) se
    originou no Sul do país e vem se difundindo para outras regiões.
Da análise das assertivas acima, é verdadeiro afirmar que:
a) apenas I está correta.
b) apenas II está correta.
c) apenas I e II estão corretas.
d) apenas II e III estão corretas.
e) I, II e III estão corretas.
DICA 73: A OBESIDADE NO
  MUNDO E NO BRASIL
Aspectos
 Epidemiológicos da
Obesidade no Brasil e
     no Mundo


                Fernando Botero
OBESIDADE
DOENÇA CRÔNICA
     FATORES:
      SOCIAIS
    AMBIENTAIS
 COMPORTAMENTAIS
   PSICOLÓGICOS
   METABÓLICOS
    GENÉTICOS
CARACTERIZA-SE PELO
ACÚMULO DE GORDURA
 CORPORAL PODENDO
   AFETAR A SAÚDE
ÍNDICE DE MASSA CORPORAL
           “IMC”

  MÉTODO PARA ESTIMAR O
EXCESSO DE PESO CORPORAL

   IMC = peso atual (kg)
         por altura² (m)
CLASSIFICAÇÃO DO IMC

CLASSIFICAÇÃO             IMC
 Abaixo do peso      Menor que 18,5
   Peso Normal         18,5 – 24,9
  Pré Obesidade        25,0 – 29,9
Obesidade Grau I       30,0 – 34,9
Obesidade Grau II      35,0 – 39,9
Obesidade Grau III   Acima de 40,0
350 MILHÕES DE
   PESSOAS
  OBESAS NO
    MUNDO
Prevalência global de adultos obesos (%)                     Homens     Mulheres
                                                                    Obesidade   Obesidade
                Continente                                   País   %IMC >30    %IMC >30
                                                Brasil                 8,9        13,1
             America do Sul                     Argentina             19,5        17,5
                                                Paraguai              22,9        35,7
                                                Estados Unidos        31,1        33,2
           America do norte                     Canadá                22,9        23,2
                                                México                24,2        34,5
                                                Inglaterra            23,6        24,4
                   Europa                       França                16,1        17,6
                                                Portugal               15         13,4
                                                Japão                  2,3         3,4
                     Ásia                       China                  2,4         3,4
                                                Coréia do Sul          1,6         3
                                                Australia             19,3        22,2
                  Oceania
                                                Nova Zelândia         24,7         26
                                                Africa do Sul          8,8        27,4
                    Africa                      Etiópia                 -          0,7
                                                Marrocos               8,2        21,7
Fonte: International obesity taskforce (IOTF)
%




                                       0
                                           5
                                               10
                                                    15
                                                         20
                                                              25
                                                                   30
                                                                        35
                                                                             40
                        Br
                           as
                              il
                Ar
                   ge
                       nt
                          in
                             a
                Pa
         Es         ra
            ta         gu
              do           ai
                 sU
                     ni
                        do
                            s
                  Ca
                      na
                          dá
                   M
                      éx
                          ico
               In
                  gla
                      te
                         rr
                            a
                   Fr
                       an
                           ça
                 Po
                     rt u
                         ga



Países
                             l
                     Ja
                        pã
                            o
                        Ch
           Co                 in
              ré                   a
                 i   ad
                          o
                              Su
                                l
                  Au
                    st
          No           ra
             v   aZ
                              lia
                   el
                        ân
            Af             d   ia
              r ic
                     ad
                          oS
                               ul
                     Et
                        ió
                              pia
                 M
                  ar
                     r    oc
                                                                                  Prevalência global de adultos obesos (%)




                             o     s
DOENÇAS E AGRAVOS
RELACIONADOS A OBESIDADE
PANORAMA GLOBAL
PAÍSES DESENVOLVIDOS

 • PORÇÕES MAIORES
        DE COMIDA
• CULTURA E HÁBITOS
    • SEDENTARISMO
PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO
     • AS TAXAS DE OBESIDADE EM PAÍSES EM
  DESENVOLVIMENTO COMPETEM COM AS DOS EUA
  E DE OUTRAS NAÇÕES COM ALTA RENDA FAMILIAR
   • OFERTA DE ALIMENTOS MAIS CALÓRICOS E
                    BARATOS
• PROGRAMAS DO GOVERNO DE COMBATE À FOME
    • PROLIFERAÇÃO DAS GRANDES REDES DE
                SUPERMERCADOS
   • AUMENTO DO NÚMERO DE TELEVISORES E
     CARROS SENDO USADOS PELA POPULAÇÃO
 • A SUBNUTRIÇÃO DEU LUGAR A SUPERNUTRIÇÃO
   EM DECORRÊNCIA DA TRANSIÇÃO NUTRICIONAL
Distribuição por região por
              sexo
• Nota-se uma prevalência de obesidade maior
                 no sexo feminino
 • Concentrando-se nas regiões Sul e Sudeste
                      do país
 • Segundo estudos, alguns motivos para uma
  prevalência maior entre as mulheres se deve:
- É devido a transformação de seu papel social
               nos últimos tempos;
    - Esta mais suscetível as influências dos
   padrões de beleza desencadeando distúrbios
                   alimentares
DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DA OBESIDADE POR
IDADE

 • Estudo realizado pelo IBGE do estado nutricional da
     população adulta do Brasil com base em dados
  antropométricos levantados pela POF de 2002-2003.
    Adicionalmente, com base na mesma POF e em
pesquisas anteriores realizadas no País nas décadas de
                1970 e de 1980 revelaram:
 • Na faixa etária entre 20 aos 64 anos há um aumento
crescente da na prevalência da obesidade, depois esses
          valores decaem, a partir dos 65 anos.
 • Na faixa etária de 20 a 24 anos encontra-se a menor
prevalência da obesidade, 3,9%, e entre os 55 a 64 anos
   esta a maior prevalência da obesidade com 17,1%.
DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DA OBESIDADE POR
                 ESCOLARIDADE

 • Estudo realizando pelo MS/ Inca/SVS, sobre a prevalência da
obesidade em uma população de estudo de 15 anos ou mais, em
  mais de 17 estados e DF, 2002-2003 e 2004-2005 revelaram:

 • O maior porcentual de obesos encontra-se entre as pessoas
  com o ensino fundamental incompleto, destacando na região
 sudeste São Paulo com 15,4% na região sul Porto Alegre com
  18,3%; e na região centro-oeste Campo Grande com 13,7%.
 Comparando com aquele que apresentam ensino fundamental
completo São Paulo com 9,4%; Porto Alegre com 9,7% e Campo
                      Grande com 9,7%.

• Porém na região nordeste esse porcentual mantém quase um
 equilíbrio como no em Natal onde 10,4% das pessoas obesas
    apresentam ensino fundamental incompleto e complete.
VIGILÂNCIA EM SAÚDE
• A Vigilância da Saúde tem o papel de articular
   entre as Secretarias Estaduais, Municipais,
     Ministério da Saúde e outros órgãos, a
        fiscalização e a análise de dados
   epidemiológicos, com o objetivo de tratar e
 melhorar a saúde da população, de um modo
                      geral.
AÇÕES DE VIGILÂNCIA
      • Análise das tendências temporais de
             morbidade e mortalidade;
• Monitoramento dos fatores de risco (Inquéritos
         de saúde regulares e especiais);
  • Análise e crítica dos resultados e fontes de
                       dados;
    • Indução e apoio a ações de promoção à
          saúde, prevenção e controle;
 • Monitoramento e avaliação das intervenções
                     realizadas.
PROJETO DE VIGILÂNCIA NUTRICIONAL
 INFANTIL DA OMS (Childhood Obesity
   Surveillance Initiative - COSI/OMS)
• Consiste na elaboração de um sistema padronizado
sustentável para o acompanhamento do estado
nutricional dos alunos do ensino básico nas escolas da
Europa, onde serão recolhidos sistematicamente os
dados que irão ser analisados e interpretados, para que
possam ser divulgadas as informações para utilização
em ações de saúde pública, planejamento e avaliação.
Os dados fornecidos pelo sistema irão ajudar a
combater e controlar a epidemia da obesidade em
crianças e avaliar o impacto das medidas de
intervenção.
AÇÕES DE CONTROLE
• CGPAN (Coordenação Geral da Política da
  Alimentação e Nutrição) implementa ações de
  acordo com a Política Nacional de Alimentação e
  Nutrição
• PNAN (Política Nacional de Alimentação e Nutrição)
  tem como propósito garantir a qualidade dos
  alimentos colocados para o consumo, a promoção e
  práticas alimentares saudáveis e a prevenção e o
  controle de distúrbios nutricionais.
ESTRATÉGIAS DE PROMOÇÃO DE ALIMENTAÇÃO
SAUDÁVEL:

•Promoção da alimentação saudável (PAS) contribui
para a prevenção e controle de doenças relacionadas à
alimentação e nutrição como, por exemplo, anemia,
hipovitaminose A, distúrbios por deficiência de iodo,
desnutrição    e    também     obesidade,    diabetes,
hipertensão, câncer.

•Educação em Saúde - Estimula a população a buscar
uma alimentação mais saudável.
• O Plano Estadual ou Municipal de
Alimentação e Nutrição a ser elaborado
pelas Secretarias Estaduais e pelas
Secretarias Municipais de Saúde e tem
como objetivo descrever as ações que o
Estado e/ou Município planejam realizar
em 2009.
Estratégia de Intervenção Educativa
Título: Aprender a comer, comer para aprender

Objetivo: Utilizando o ambiente escolar como veículo de
propagação, este projeto visa uma educação nutricional
informando à população e alertando sobre os malefícios de
uma alimentação desequilibrada e rica em carboidratos e
gorduras.

Público alvo: Alunos do ensino fundamental de uma unidade de ensino público
ou particular.
Etapas e fase:
1° Fase: Abordagem do assunto sobre a temática de nutrição e doenças como
hipertensão, diabetes e anemia pelos professores de ciências.
2° Fase: Avaliação do IMC e de ingestão calórica. Análise quantitativa e
qualitativa dos alimentos ingeridos e o número de refeições.
3°Fase: Trabalho dos professores de educação física para o incentivo da prática
de atividades físicas.
3°Fase: Trabalho dos professores de educação física para o
                         incentivo da prática de atividades físicas.
                         4°Fase: Alteração das opções de alimentos oferecidas pela
                         cantina ou lanchonete com adoção de frutas, lanches e sucos
                         naturais re redução das opções dos alimentos gordurosos e
                         calóricos.
                         5º Fase: Abordagem do assunto com a família para que os
                         bons hábitos também sejam praticados no lar.

6º Fase: Oficinas e aulas multidisciplinares para auxiliar no estímulo e interesse dos
alunos e familiares para a adoção de bons hábitos; tais como: oficinas culinárias com
receitas saudáveis e alternativa e a elaboração de uma horta na escola.

Tempos de duração: 06 meses à um ano dependendo do desenvolvimento dos
resultados.

Avaliação da estratégia: Nova avaliação do IMC e avaliação do cardápio
QUESTÃO SIMULADA SOBRE O
        TEMA 73
                                          LEIA O TEXTO I
“A China sempre teve uma das menores taxas de obesidade do mundo. Até pouco tempo atrás,
        apenas 2% da população do país sofria com o excesso de peso. Na França, na Itália, na
  Inglaterra e no Japão a obesidade também não era vista como um problema de saúde relevante.
         Nos últimos anos, a população de obesos nesses países começou a crescer em ritmo
  preocupante. A questão é tão grave que, recentemente, a Organização Mundial de Saúde lançou
     um alerta no qual a obesidade é apontada como epidemia mundial. O problema aflige países
    ricos e pobres. Mesmo na África e na América Latina, onde ainda há muitas pessoas comendo
  aquém do necessário, a proporção de obesos está aumentando. Pesquisas apontam que até em
     comunidades indígenas cresce o número de obesos. Segundo as autoridades médicas, caso
    essa tendência não mude, uma das principais causas de mortalidade nos próximos anos serão
  as doenças associadas ao excesso de peso. Os estudos indicam que a obesidade se alastra em
    decorrência de uma combinação de hábitos alimentares pouco apropriados e quase nenhuma
   atividade física. Inventores do fast food e amantes das dietas ricas em açúcares e gorduras, os
      Estados Unidos foram os primeiros a sentir o problema. Numa fase seguinte, o mal atingiu o
     mundo todo. Há um outro detalhe que pesa na balança. No passado, os alimentos eram mais
     saudáveis e mais difíceis de encontrar. Hoje, é possível achar comida em qualquer esquina, a
      preços módicos. Já se provou que as pessoas ingerem uma quantidade significativamente
      maior de calorias. Para os médicos, embora o mal seja coletivo, a solução é individual. Eles
       sugerem às pessoas que sigam dietas mais balanceadas e que se dediquem às atividades
   físicas. Não há mágica. Pesquisas já provaram que com uma caminhada diária de apenas meia
  hora se reduz em 30% o risco de uma pessoa tornar-se obesa. Outra sugestão dos especialistas
    é observar as crianças. Estatísticas internacionais dão conta de que a doença chega cada vez
         mais às faixas mais jovens. Nos Estados Unidos, 15% das crianças são obesas.” (Uma
                     Epidemia mundial. Veja, São Paulo, n. 1845, p. 94, mar. 2004.)
Com base no texto, considere as afirmativas a seguir.
I. O crescimento do número de obesos nos países subdesenvolvidos, como os
     da África e da América Latina, bem como em suas comunidades indígenas,
     reflete a equiparação dos padrões de consumo no planeta.
II. A preocupação da comunidade médica acerca da obesidade deve-se ao fato
     de esta ser responsável por uma série de doenças fatais associadas ao
     excesso de peso.
III. Segundo os médicos, dieta balanceada e atividades físicas são
     imprescindíveis para a prevenção da obesidade.
IV. Como recomendação de profissionais, é necessário, além de tratar os
     adultos obesos, evitar o problema entre as crianças.
Estão corretas apenas as afirmativas:
a) I e II.
b) I e III.
c) III e IV.
d) I, II e IV.
e) II, III e IV.
DICA 74: A OBESIDADE
      INFANTIL
Obesidade na criança e no
         adolescente

  • Acúmulo de tecido gorduroso
localizado ou generalizado produzido
     por desequilíbrio nutricional
    associado ou não a distúrbios
genéticos e ou endocrinometabólicos.

                Projeto diretrizes
MAPA MUNDI DA OBESIDADE

↑Itália e
alemanha

                  15.3% - IMC > 95



                       30%-IMC85/95
Obesidade Infantil em 2010



38%

                        50%
Números da obesidade infantil- 1989




                                intermediária     2,5%

1,5 milhões de crianças : F - 5 %
                         M – 4,8%
                                                6,2%     INAN 1991


                                         7,2%
Números da obesidade infantil




                                            ↑ 2.1%

3-5% há 2 décadas
10-15% atualmente (Jansen 2004)
                                        ↑ 5.8%

33% dos adolescentes até 15 anos   ↑ 3.1%
sobrepeso ( Gentile 2004)
FISIOPATOLOGIA DA OBESIDADE
   ETIOLOGIA MULTIFATORIAL : Fatores genéticos

                                      Fatores ambientais

                                      Fatores comportamentais




O tecido adiposo é um órgão endócrino e parácrino, que libera um grande
     número de mediadores bioativos, que influenciam não apenas a
homeostase do peso corporal mas também a inflamação, a coagulação, a
 fibrinólise,o diabetes, a resistência insulínica, aterosclerose e algumas
                             formas de câncer.
GÊNESE DA OBESIDADE


“TEORIA DO
GEN
ECONÔMICO”
CAUSAS DE OBEDIDADE INFANTO
              -JUVENIL
Obesidade primária   (exógena multifatorial)

Alterações endócrinas      S. de Cushing
                           Hiperinsulinismo
                           Hipogonadismo
                           Doença de Alright ( Hipotiroidismo *)

Alterações Genéticas       S. Turner            S. Cohen
                           S. Down              S. Carpenter
                           S. Prader Willi      S. Alstrom
                           S. Laurence-Moon-Bardet-Biedl

Alterações Neurológicas     Lesões cerebrais diversas
                            Distrofias musculares
                            Cirurgias ,traumatismos , pós-inflamação /QT

Transtornos Psicológicos    Bulimia

Iatrogenia
Fatores de risco

   Obesidade dos pais
      Sedentarismo
      Peso ao nascer
  Aleitamento materno
Menarca menor que 11 anos
Grau de instrução materna
Diagnóstico e Classificação

                Bioimpedância elétrica (BIA)

                 infravermelho (NIRI)

                 Ultra-som (US)

                tomografia computadorizada (TC)

                 Ressonância magnética (RM)


DEXA(dual emission x-ray absorptimetria)
peso

                Estatura

                Prega cutânea

                Circunferência abdominal

                Índice de massa corporal (IMC)


Peso/estatura: peso real
              _____________________________ X 100
              peso ideal para estatura no pecentil50

     <10% : normal
     110-120%:sobrepeso
     121-140% :obesidade
     > 140% obesidade mórbida
Circunferência abdominal em crianças
                          Percentis para idade, raça e sexo
                          ( Bogalusa heart Study)




Percentual gordura >33%                 Percentual gordura <20%

Cir.abd >71cm                           C. Abd <61 cm

(risco cardiovascular)                  (Risco mínimo)
Índice de Massa corporal

meninos                      meninas




           NCHS,2000- www.cdc.gov/growthcharts.
REPERCUSSÕES DA OBESIDADE


Distúrbios Psicossociais
Alterações Ortopédicas
Alterações dermatológicas – Acantose Nigricans
Alterações da Função Pulmonar
Hiperinsulinismo
Esteatose Hepática - Esteatohepatite
Hipertensão Arterial
Dislipdemias
Alteração do Metabolismo da Glicose
 (Síndrome Metabólica)
Síndrome Metabólica
SINDROME METABÓLICA EM CRIANÇASE ADOLESCENTES

INTOLERANCIA À GLICOSE É COMUM EM CRIANÇAS
E ADOLESCENTES OBESOS
                          Sinha et al, NEJM, 2002


25% entre 4 – 10 anos
21% entre 11 – 18 anos


<10% crianças com DM2 atingem controle glicemico sem medicação


LWPES, 2000 (130 EP) – ins.(48%) vs oral(44%)
Valores séricos de triglicerídeos e colesterol total e frações
            Colesterol total < 170 mg/dl

            HDL-c > 40 mg/dl (< 10 anos )
                 ≥ 35 mg/dl (10 – 19 anos)

            LDL-c < 110 mg/dl

            TG     ≤100 mg/dl (<10 anos)
                   ≤130 mmdl (10 – 19 anos)
                                                       Kwiterovich,1989




    Valores séricos de glicemia e insulinemia

    Glicemia de jejum < 126 mg/dL
    GTT 140 a 200 mg/dl (2 horas)
    Insulinemia < 15 mU/L

                  Sperling M (2001); Yensel (2004); Weiss (2004)
História natural da obesidade infantil:
     Pequeno para a idade gestacional (peso)

     Ganho de peso excessivo na infância

     Pubarca precoce

     Acantosis nigricans

     Estrias e ginecomastia

    Aumento de triglicerídeos

    Aterosclerose prematura - Hipertensão, SOP
                              glomerulonefrite focal,
    DMT2

    Predisposição para câncer

    Doença de Alzheimer
O diagnóstico de obesidade é também um diagnóstico comportamental
Pirâmide alimentar antes da intervenção diétetica
Pirâmide alimentar após da intervenção diétetica
QUESTÃO SIMULADA SOBRE O
         TEMA 74
O índice de massa corpórea (IMC) é uma medida que permite aos
  médicos fazer uma avaliação preliminar das condições físicas e do
  risco de uma pessoa desenvolver certas doenças, conforme mostra a
  tabela acima.
Considere as seguintes informações a respeito de João, Maria, Cristina,
  Antônio e Sérgio.

                       Nome      Peso (kg)   Altura (m)   IMC


                        João      113,4        1,80       35

                       Maria        45         1,50       20


                      Cristina     48,6        1,80       15



                      Antônio       63         1,50       28


                       Sérigio    115,2        1,60       45
Os dados das tabelas indicam que
a) Cristina está dentro dos padrões de
  normalidade.
b) Maria está magra, mas não corre risco
  de desenvolver doenças.
c) João está obeso e o risco de
  desenvolver doenças é muito elevado.
d) Antônio está com sobrepeso e o risco
  de desenvolver doenças é muito
  elevado.
e) Sérgio está com sobrepeso, mas não
  corre risco de desenvolver doenças.
DICA 75: AS MUDANÇAS NA
EUDCAÇÃO: O ONTEM E O
    HOJE NA ESCOLA
A EDUCAÇÃO NO CENÁRIO
DA CONTEMPORANEIDADE
Como chegamos até a
realidade que temos hoje?


   Que consequências a
 realidade e sua história
  trazem ao trabalho da
   instituição escolar?

  Como tudo isso impacta o meu trabalho
           como EDUCADOR?
Da Sociedade Pré-Industrial à Sociedade
                   Industrial
     Indicadores       Sociedade Pré-Industrial       Sociedade Industrial


                                                    Capital;
 Geração de Riqueza     Terra;                      Máquina;
                        Mão de Obra.                Matéria-prima;
                                                    Mão de Obra.
                                                   Deslocamento para as
                      Agrupamento por              Cidades;
Modelo de
                      atividade econômica;         Família Nuclear, com os
agrupamento humano
                       Família Patriarcal,         membros diferentemente
                      numerosa.                    ocupados.

                      Aprendizagem no
                      trabalho, voltada para o     Preocupada com as
                      “fazer” imediato;            necessidades da indústria:
Educação da                                        ler, escrever e calcular;
                      Na Família, para as coisas
População             temporais;                   Fortalecimento da Escola
                      Na Igreja, para as coisas    Pública universalizada.
                      da eternidade.
Tudo isso ocorre à luz de outras
transformações, em níveis mais
profundos...




                    Darwin, Marx e Freud
De SENHOR DO
                           MUNDO
                       à descoberta do
                         “irmão sol”
                       e da “irmã lua”.


O ser humano como
parte da cadeia e do
processo evolutivo.
                            Charles Darwin
                              1809/1882
Reconhecimento
                         do OUTRO na
                       CONVIVÊNCIA e na
                          CIDADANIA


Aquilo que somos não
é algo HERDADO, mas
 sim, SOCIALMENTE
    CONSTRUÍDO.              Karl Marx
                             1818-1883
Transformações
                        na
                  SUBJETIVIDADE



Grande parte do
 que somos se
   oculta no
                    Sigmund Freud
INCONSCIENTE.         1856-1939
ESTÃO LANÇADAS AS BASES
PARA UM OUTRO MODO
DE VER A REALIDADE
E REFLETIR SOBRE ELA...
Da Sociedade Industrial à Sociedade Pós-
                   Industrial
     Indicadores       Sociedade Industrial     Sociedade Pós-Industrial


                     Capital;                   Informação capaz de
                     Máquina;                   gerar Conhecimento
Geração de Riqueza
                     Matéria-prima;             que gera novas
                     Mão de Obra.               Informações.
                      Deslocamento para as      Cidades superpovoadas,
                      Cidades;                  com sentimentos de
Modelo de             Família Nuclear, com os   isolamento.
                      membros                   Novos modelos familiares
agrupamento humano                              (especialmente, novos
                      diferentemente
                                                papéis femininos).
                      ocupados.
                     Preocupada com as ne-      Além de ler, escrever e
Educação da          cessidades da indústria:   contar:
                     ler, escrever e contar;    -   Aprender a ser;
População                                       -
                     Fortalecimento da Escola       Aprender a conviver;
                     Pública universalizada.    -   Aprender a fazer;
                                                -   Aprender a aprender.
Que consequências a
realidade e sua história
 trazem ao trabalho da
  instituição escolar?




         Como tudo isso impacta o meu
           trabalho na sala de aula?
Subjetividade
 IDENTIDADE                        Aprender
 FRAGMENTAD                         a SER
 A
Cidadania

                    A
 ISOLAMENTO                        Aprender
 SOCIAL                           A CONVIVER
Ação no Mundo
                                    Aprender
 TRABALHO
 FLEXÍVEL                           a FAZER
                J. Delors, 1998
Aprender
                       a SER

               Aprender
              A CONVIVER

           Aprender
           a FAZER
APRENDER
    A
APRENDER
"Educação não transforma o mundo.
     Educação muda pessoas.
  Pessoas transformam o mundo".

     “Ninguém liberta ninguém,
     ninguém se liberta sozinho,
as pessoas se libertam em comunhão.“
                          (Paulo Freire)
E a SOCIOLOGIA?

  A Sociologia da Educação se ocupa dos
fatos sociais relacionados com a educação:
 a educação como processo social global
     que ocorre em toda a sociedade;
   os sistemas escolares como parte do
           sistema social global;
    a escola como unidade sociológica;
 a sala de aula como subgrupo de ensino;
           o papel do professor.
E o que ela diz sobre a Educação?

A educação é a ação pela qual as gerações
adultas transmitem sua cultura às gerações
mais jovens.


ASSISTEMÁTICA                SISTEMÁTICA


 Vida                              Escolas
LDB 1                             em geral
E o que ela diz sobre a Educação?

      A Educação tem por função
Socializar: integras as gerações imaturas
na sociedade.
E o que ela diz sobre a Educação?
Desenvolver as sociedades em geral e
os indivíduos em particular.
Como a Educação Sistemática faz isso?

          Estabilidade Social
Canal de ascensão social
Peneiramento social
Controle Social
EDUCAÇÃO

  Função
Reprodutora
                        Função
                    Transformadora
QUESTÃO SIMULADA SOBRE O
          TEMA 75
1) Leia o texto a seguir.
A educação é a ação exercida, pelas gerações adultas, sobre as gerações que não se
    encontram ainda preparadas para a vida social; tem por objeto suscitar e desenvolver, na
    criança, certo número de estados físicos, intelectuais e morais, reclamados pela
    sociedade política, no seu conjunto, e pelo meio espacial a que a criança, particularmente,
    se destine. DURKHEIM, Émile. Educação e sociologia. São Paulo: Melhoramentos, 1972,
    p.41.

Tomando em consideração a definição acima, é correto afirmar que, para Durkheim:

a) a educação está relacionada ao processo de socialização. Através dela, as gerações mais novas
     internalizam as normas, valores e a moral da sociedade em que estão inseridas. Nesse sentido,
     é pela educação que a sociedade reproduz-se e se sustenta intergeracionalmente.
b) a educação é essencialmente transformadora. A obra de Paulo Freire demonstra justamente
     como, através da educação, as gerações mais novas podem se emancipar e pensar
     autonomamente.
c) a educação não ocorre somente nas escolas, dado que as escolas são uma invenção moderna.
     Antes dela, a educação ocorria, sobretudo, no ambiente do trabalho.
d) toda forma de educação é contrária aos interesses da criança. A criança naturalmente quer brincar
     e se divertir. A escola acaba por tolher das crianças a sua pureza, obrigando-as a estudarem e
     assumirem responsabilidades que não são condizentes à sua faixa etária.
e) a educação tende a fazer com que a sociedade se modifique, uma vez que os valores transmitidos
     às gerações mais novas são diferentes daqueles que as gerações mais antigas receberam.
2) Leia o texto a seguir:
“O lado dramático e cruel da situação educacional brasileira está exatamente aí. O homem da camada
     social dominante tira proveito das deformações de sua concepção de mundo. Ao manter a
     ignorância, preserva sua posição de mando, com os privilégios correspondentes. O mesmo não
     sucede com o homem do Povo. As deformações de sua concepção de mundo atrelam-no,
     indefinidamente, a um estado de incapacidade, miséria e subserviência. Transformar essa
     condição humana, tão negativa para a sociedade brasileira, não poderia ser uma tarefa exclusiva
     das escolas. Todo o nosso mundo precisaria reorganizar-se, para atingir-se esse fim. No entanto,
     é sabido que as escolas teriam uma contribuição específica a dar, como agências de formação do
     horizonte intelectual dos homens.”
(FERNANDES, Florestan. Educação e Sociedade no Brasil. In: TOMAZI, Nelson. Sociologia para o Ensino
     Médio. São Paulo: Atual, 2007, p. 155-156.)
Considerando o que diz o trecho acima e as características da “instituição escolar”, assinale o que for
     correto.
1 - A escola é a instituição social responsável por promover, por meio da reorganização intelectual das
     classes dominantes, a transformação social.
2 - As diferenças culturais existentes na sociedade de classes favorecem as camadas dominantes que
     encontram, na escola, o reforço e a valorização de conhecimentos já compartilhados no espaço familiar.
3 - O homem do povo encontra, na escola, um espaço de valorização dos seus saberes, os quais se
     transformam em um componente fundamental de ingresso no mercado de trabalho na sociedade
     capitalista.
4 - Em uma sociedade de classes, os filhos das classes dominantes e populares desenvolvem, por meio da
     educação escolar, as mesmas competências e habilidades.
5 - Quando assumem a responsabilidade de agir sobre a formação intelectual humana, as escolas têm um
     alto potencial transformador.
ESTÃO CORRETAS SOBRE O TEMA:
a) Todas estão corretas
b) Somente 1,3,5 estão corretas
c) Somente 1,2,3 estão corretas
d) Somente 1,2,4,5 estão corretas
e) Somente 2,5 estão corretas
DICA 76:O PRÉ-SAL: AS
POSSIBILIDADES DO BRASIL
DIANTE DESTAS RIQUEZAS
PETRÓLEO - PRÉ-SAL
   UMA DESCOBERTA DE
        RESPEITO
DADOS RELEVANTES
• Pré-sal: área de rochas abaixo de uma camada de
  sal com cerca de 2 km de espessura e que vai do
  ES a SC
• A novidade apareceu no dia 08 de nov. de 2007
• Na ocasião a Petrobras, tinha descoberto um
  MEGACAMPO de petróleo a 300 km do RJ
• Este campo foi batizado como TUPI, e tinha de 5
  a 8 bilhões de barris petróleo – mais da metade
  das reservas brasileiras
NOVAS DESCOBERTAS
• Em abril a Petrobras,
  confirmou novas descobertas
  no pré-sal na mesma bacia.
• Foram batizadas como Pão de
  Açucar e Carioca e guardam
  um campo quase 5x maior do
  TUPI, com reservas estimadas
  em 33 bilhões de barris,
  podendo chegar a 70 bilhões
  de barris
• Este campo corresponde ao
  terceiro maior campo de
  petróleo do mundo.
DESAFIOS
DESAFIOS
• A profundidade é de, em
  média, 2000 metros
• Foi preciso furar a
  primeira camada de
  rochas: Pós-sal e depois
  perfurar mais 2 km para
  chegar ao mar de
  petróleo.
• Somando temos poços
  com no mínimo 6 km de
  tubos.
VALORES
   • Com o petróleo acima de
     US$ 100,00 representa um
     faturamento bruto diário
     US$ 600,00 milhões, ou
     US$ 18,bilhões mensais, ou
     ainda, US$ 216 bilhões anuais
     convertendo a US$ 368
     bilhões.
   • Finalizando as reservas
     podem chegar 70 bilhões de
     barris
SÍNTESE IMPORTANTE
• A camada de pré-sal possui
  800 km de extensão e 200 km
  de largura
• A primeira área avaliada TUPI
  possui entre 5 a 8 bilhões
  barris
• A camada de sal possui cerca
  de 2 mil metros de espessura
  e a profundidade chega a 7
  mil metros abaixo da
  superficie do mar
IDÉIAS
   • O Brasil produz hoje 2 milhões de
     barris por dia e isto nos dá auto-
     suficiência
   • Com o pré-sal podemos produzir 8
     milhões, ou seja, de 5 a 6 milhões
     de barris poderiam ser exportados.
   • Em maio um banco suíço UBS
     calculou que seriam necessários
     cerca de US$ 600 bilhões de dólares
     para a extração total do petróleo,
     investimento dividido em 30 anos.
   • Se tivermos 50 bilhões de barris de
     petróleo, isso nos dá uma quantia
     de US$ 5 trilhões de doláres, tendo
     o barril a US$ 100,00 doláres na
     média.
CONSUMO - BRASIL E EUA
DADOS PARA EXTRAÇÃO
 É necessário investir em 5 frentes:
            • SERVIÇOS.
            • PESSOAL.
           • LOGÍSTICA.
     • PROCESSO DECISÓRIO.
       • NOVOS PRODUTOS.
SERVIÇOS
• Contratar 42 navios, 142
  barcos de apoio e 40
  sondas, respeitando a
  determinação de utilizar
  mais de 50% do conteúdo
  nacional.
  – O Brasil não tem condição
    de produzir todos estes
    equipamentos, sendo um
    desafio até mesmo para
    conseguí-los nos maiores
    países do mundo.
PESSOAL
• Contratar 14 mil funcionários
  só para trabalhar no pré-sal –
  hoje são 22mil funcionários
  ao todo.
• Redesenhar a política de
  detenção de talentos. Hoje as
  ofertas de salário dos
  concorrentes para técnicos
  experientes chega a 45 mil
  reais por mês, a petrobras
  paga no máximo 15 mil reais
  mensais
LOGÍSTICA
•   Rever o esquema de transporte
    de funcionários. Os helicópteros
    em uso tem autonomia para
    voar, lotados, todo o percurso
    ida e volta a 300 km da costa
•   Encontrar uma forma eficiente
    de trazer o petróleo e o gás até
    a costa. Os gasadutos
    disponíveis hoje, podem
    transportar 10 milhões de metros
    cubicos dia, no campo Tupi a
    produção pode chegar a 50
    milhoes metros cúbicos dia.
PROCESSO DECISÓRIO
• Reformular o processo de
  decisão. Hoje qualquer
  contrato acima de 20
  milhões de reais, tem que
  passar pelo aval da
  diretoria, o que atrasam
  os processos
  operacionais
NOVOS PRODUTOS
• Ampliar de dois para seis o número das refinarias até
  2017
PETRÓLEO NO BRASIL -
     AMAZONIA
RESERVAS NO BRASIL –
   RIO GRANDE DO NORTE
RESERVAS NO BRASIL - BAHIA
RESERVAS NO BRASIL – RIO DE
         JANEIRO
RESERVAS NO BRASIL –
   ESPÍRITO SANTO
RESERVAS NO BRASIL –
     SANTA CATARINA
Terra há 122 milhões de anos




Fonte: FRAGA, Carlos Tadeu da Costa. O Pré-Sal e seus desafios. Audiência Pública
no Senado Federal, Brasília. Outubro de 2008.
Estromatólitos
                                                         Shark Bay - Austrália




O termo estromatólito provém do grego strôma, que significa "o que cobre"
ou "tapete", e de líthos, que significa pedra.

Um estromatólito é uma rocha formada por tapete de limo produzido por
micróbios no fundo de mares rasos, que se acumula até formar uma
espécie de recife.

São fósseis que foram originados por bactérias e cianofitas que, ao
captarem os carbonatos existentes nos meios onde viviam, e ao metabolizá-
los, os depositavam nas suas membranas celulares e, assim, foram-se
desenvolvendo em camadas sucessivas, alternando com partículas
sedimentares sobre um substrato rígido.

http://biovalsassina.blogspot.com/2007/03/estromatlitos.html
Sistema petrolífero da Bacia de Santos




Fonte: NEPOMUCENO, Francisco. Experiências da Petrobras no caminho do pré-
sal. Rio Oil & Gas Conference, Rio de Janeiro. Setembro de 2008.
Microbiolitos no Pré-Sal




Fonte: FRAGA, Carlos Tadeu da Costa. O Pré-Sal e seus desafios. Audiência Pública
no Senado Federal, Brasília. Outubro de 2008.
Blocos licitados e possível província do Pré-Sal


                                  Parque das Baleias




                                                       800 km
                                                  Cluster




Fonte: NEPOMUCENO, Francisco. Experiências da Petrobras no caminho do pré-
sal. Rio Oil & Gas Conference, Rio de Janeiro. Setembro de 2008.
Fonte: LIMA, Haroldo. A ANP e os Desafios do Pré-Sal. Comissão de Relações
Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados, Brasília. Novembro de 2008.
Bacia de Santos
A descoberta do Pré-Sal, faixa que se estende ao longo de 800 quilômetros entre
o Espírito Santo e Santa Catarina, trouxe diversos desafios.

O petróleo encontrado nessa área está a profundidades que superam os 5 mil
metros, abaixo de uma extensa camada de sal.

Chegar até esse óleo e trazê-lo para as plataformas são tarefas que exigem
conhecimento e tecnologia.

A Petrobrás é uma das empresas pioneiras em perfuração profunda, com décadas
de experiência na operação dos campos brasileiros em águas profundas.

Para ampliar esse trabalho, foi criado o Prosal (Programa Tecnológico para o
Desenvolvimento da Produção dos Reservatórios Pré-Sal.


O primeiro poço custou US$ 240 milhões e levou um ano para ser finalizado. “Os
últimos foram feitos em 60 dias, a um custo de US$ 60 milhões. E este custo vem
caindo”, assegura o diretor de Exploração e Produção da Petrobrás, Guilherme
Estrella. “Isso mostra que estamos aprendendo”, conclui.
Fonte: Revista Química e Derivados Edição nº 475 - Julho de 2008.
Fora da área azul
   do Pré-Sal




                    Iguaçu
Cluster da Bacia de Santos                                   Iara (BM-S-11) - 3 a 4
                                         Parati
                                                                bilhões de barris
                         Carioca
                                                                           Júpiter
                                     Guará


               Corcovado

                Bem-te-vi


  Pão de açúcar


  Caramba


   Blocos
retirados da                                                Tupi (BM-S-11|) - 5 a 8
 Rodada 9                                                     bilhões de barris
Fonte: Mapa da nona rodada de licitações elaborado pela Agência Nacional do Petróleo,
Gás Natural e Biocombustíveis.
Consórcios importantes do cluster
                                        Bem-te-vi        Carioca      Parati




                                                                          Parati




                      Pão de açúcar                              Tupi e Iara (8 a 12
Corcovado    Júpiter                   Caramba
                                                                 bilhões de barris)
Obs.: as atuais reservas brasileiras são de 14 bilhões de barris
Fonte: FORMIGLI, José. Pre-Salt Reservoirs Offshore Brazil: Perspectives and
Challenges. Energy Conference, Miami. Novembro de 2007.
Cluster da Bacia de Santos                                   Iara (BM-S-11) - 3 a 4
                                                                bilhões de barris

               A ExxonMobil anunciou a descoberta
               de óleo no BM-S-22. Foi veiculado na
               imprensa que as reservas desse bloco
               podem ser maiores que a de Tupi. As
               reservas totais da ExxonMobil são de
               cerca de 23 bilhões de barris.
               Fonte: O Estado de São Paulo
               (22/01/2009)




   Blocos
retirados da                                                Tupi (BM-S-11|) - 5 a 8
 Rodada 9                                                     bilhões de barris
Fonte: Mapa da nona rodada de licitações elaborado pela Agência Nacional do Petróleo,
Gás Natural e Biocombustíveis.
Bloco BM-S-11
 (Petrobrás 65%, BG 25%, Petrogal 10%)
           Iara
                                    Iara (BM-S-11) - 3 a
                                    4 bilhões de barris


                                     Tupi (BM-S-11|) - 5
Tupi                                 a 8 bilhões de barris




 Bloco BM-S-22 (Pão de Açúcar)
(ExxonMobil 40%, BG 40%, Petrobrás 20%)
Segundo “analistas”, Pão de açúcar pode ter mais
petróleo que Tupi.
Teste de longa duração na área de Tupi




  FPSO Cidade de São Vicente,
 ancorado em lâmina d’água de
 2.200 m, deve produzir primeiro
     óleo no dia 1º de maio.




Fonte: FORMIGLI, José. Pre-Salt Reservoirs Offshore Brazil: Perspectives and
Challenges. Energy Conference, Miami. Novembro de 2007.
Piloto de produção da área de Tupi




Fonte: FORMIGLI, José. Pre-Salt Reservoirs Offshore Brazil: Perspectives and
Challenges. Energy Conference, Miami. Novembro de 2007.
Estimativa de volume de petróleo recuperável:
Parque das            - reservatórios abaixo do sal: 1,5 a 2 bilhões de barris
 Baleias              - reservatórios acima do sal: 2 bilhões de barris




Fonte: NEPOMUCENO, Francisco. Experiências da Petrobras no caminho do pré-
sal. Rio Oil & Gas Conference, Rio de Janeiro. Setembro de 2008.
Poço do Pré-Sal 1-ESS-103A


                                           (60 mil barris por dia)




                                                                     1.375 m



Tipo de poço: vertical
Distância da plataforma: 2,5 Km
Produção: 18 mil bpd
Distância do nível do mar até o
reservatório: ~ 4.500 m
Densidade: 30º API
Fonte: FORMIGLI, José. Pre-Salt Reservoirs Offshore Brazil: Perspectives and
Challenges. Energy Conference, Miami. Novembro de 2007.
Dados dos poços do Pré-Sal
          no Parque das Baleias
-Descobertas feitas em reservatórios do Pré-Sal abaixo dos campos de
óleo pesado de Baleia Franca, Baleia Azul e Jubarte;
-Volume recuperável estimado abaixo do sal: de 1,5 a 2 bilhões de
barris de óleo equivalente (boe);
-Os poços 6-BFR-1-ESS e 6-BAZ-1DB-ESS foram perfurados a cerca de
80 quilômetros da costa e a 5 e 6 km a norte e a sul, respectivamente,
do poço descobridor 1-ESS-103A;
-Camada de sal de até 700 metros e lâminas d'água de 1.348 e 1.426 m;
-Reservatórios estão entre 4.200 e 4.800 metros de profundidade a
partir do nível do mar;
-Espessuras porosas com óleo de 190 e 300 metros.
Pré-Sal do norte da Bacia de Campos




   Parque das Baleias




  Poço 1-APL-1- ESS
(Consórcio Anadarko,
 Devon, Encana e SK)
Produção de óleo no Pré-Sal
             Petrobrás e parceiros (mil bpd)
A Petrobrás estima uma produção de óleo no
Brasil, em 2020, de 3.920 mil bpd.                 1.815
                                  1.336              632
                                    463
                    582
    219                                             1.183
                    160             873
     62
    157             422

   2013            2015            2017             2020

           Pré-sal Petrobrás         Pré-sal Parceiros
Investimentos da Petrobrás no Pré-Sal até 2020
               (bilhões de US$)

                                                   2009-2013   2009 -2020




Investimentos Petrobrás no Pré-Sal (Desenv. da
                                                     28,9        111,4
Produção)


Pré-Sal Bacia de Santos                              18,6        98,8


Pré-Sal Espírito Santo (inclui os campos do pós-
                                                     10,3        12,6
Sal)
Brasil em um novo cenário
- Os países detentores de grandes reservas contam, em geral, com
uma empresa pública que atuam em nome do Estado, não em nome
de acionistas


- Segundo Paolo Scaroni, do grupo petrolífero italiano Eni, no incício
da década de 1970, as grandes multinacionais controlavam cerca de
75% das reservas mundiais de petróleo e 80% de toda a produção;
atualmente, controlam apenas 6% das reservas de petróleo e 35% da
produção


- Os contratos de partilha de produção, ou similares, são os mais
utilizados pelos países detentores de grandes reservas


- Quem representaria os interesses da União em contratos de partilha
de produção?
Atual marco legal e proposta de alterações
CONSTITUIÇÃO FEDERAL
Art. 20. São bens da União:
V - os recursos naturais da plataforma continental e da zona
econômica exclusiva;


§ 1º - É assegurada, nos termos da lei, aos Estados, ao Distrito
Federal e aos Municípios, bem como a órgãos da administração
direta da União, participação no resultado da exploração de
petróleo ou gás natural, de recursos hídricos para fins de geração
de energia elétrica e de outros recursos minerais no respectivo
território, plataforma continental, mar territorial ou zona econômica
exclusiva, ou compensação financeira por essa exploração.
CONSTITUIÇÃO FEDERAL
Art. 176. As jazidas, em lavra ou não, e demais recursos minerais
e os potenciais de energia hidráulica constituem propriedade
distinta da do solo, para efeito de exploração ou aproveitamento,
e pertencem à União, garantida ao concessionário a propriedade
do produto da lavra.

§ 1º A pesquisa e a lavra de recursos minerais e o
aproveitamento dos potenciais a que se refere o "caput" deste
artigo somente poderão ser efetuados mediante autorização ou
concessão da União, no interesse nacional, por brasileiros ou
empresa constituída sob as leis brasileiras e que tenha sua sede
e administração no País, na forma da lei, que estabelecerá as
condições    específicas   quando       essas    atividades   se
desenvolverem em faixa de fronteira ou terras indígenas.
CONSTITUIÇÃO FEDERAL
Art. 177. Constituem monopólio da União:
I - a pesquisa e a lavra das jazidas de petróleo e gás natural e outros
hidrocarbonetos fluidos;
II - a refinação do petróleo nacional ou estrangeiro;
III - a importação e exportação dos produtos e derivados básicos
resultantes das atividades previstas nos incisos anteriores;
IV - o transporte marítimo do petróleo bruto de origem nacional ou de
derivados básicos de petróleo produzidos no País, bem assim o
transporte, por meio de conduto, de petróleo bruto, seus derivados e
gás natural de qualquer origem;
V - a pesquisa, a lavra, o enriquecimento, o reprocessamento, a
industrialização e o comércio de minérios e minerais nucleares e seus
derivados, com exceção dos radioisótopos cuja produção,
comercialização e utilização poderão ser autorizadas sob regime de
permissão, conforme as alíneas b e c do inciso XXIII do caput do art. 21
desta Constituição Federal.
§ 1º A União poderá contratar com empresas estatais ou privadas a
realização das atividades previstas nos incisos I a IV deste artigo
observadas as condições estabelecidas em lei.
CONSTITUIÇÃO FEDERAL

§ 1º A União poderá contratar com empresas estatais ou
privadas a realização das atividades previstas nos incisos I a IV
deste artigo observadas as condições estabelecidas em lei.

§ 2º A lei a que se refere o § 1º disporá sobre:

I - a garantia do fornecimento dos derivados de petróleo em todo
o território nacional;

II - as condições de contratação;

III - a estrutura e atribuições do órgão regulador do monopólio
da União.
CONSTITUIÇÃO FEDERAL
O artigo 176 trata do caso geral (não se aplica a petróleo e
minerais nucleares)


O artigo 177 trata do monopólio da União na área petrolífera e
nuclear

I a IV - pesquisa, lavra, petróleo, refinação, importação e
transporte de petróleo e gás natural


V - a pesquisa, a lavra, o enriquecimento, o reprocessamento, a
industrialização e o comércio de minérios e minerais nucleares


§ 1º A União poderá contratar com empresas estatais ou
privadas a realização das atividades previstas nos incisos I a IV
deste artigo observadas as condições estabelecidas em lei
Lei 9.478 de 1997 (Lei do Petróleo)
Art. 4º Constituem monopólio da União, nos termos do art. 177 da
Constituição Federal, as seguintes atividades:
I - a pesquisa e lavra das jazidas de petróleo e gás natural e outros
hidrocarbonetos fluidos;
II - a refinação de petróleo nacional ou estrangeiro;
III - a importação e exportação dos produtos e derivados básicos
resultantes das atividades previstas nos incisos anteriores;
IV - o transporte marítimo do petróleo bruto de origem nacional ou de
derivados básicos de petróleo produzidos no País, bem como o
transporte, por meio de conduto, de petróleo bruto, seus derivados e de
gás natural.


Art. 5º As atividades econômicas de que trata o artigo anterior serão
reguladas e fiscalizadas pela União e poderão ser exercidas, mediante
concessão ou autorização, por empresas constituídas sob as leis
brasileiras, com sede e administração no País.
Lei 9.478 de 1997 (Lei do Petróleo)
Art. 23. As atividades de exploração, desenvolvimento e
produção de petróleo e de gás natural serão exercidas
mediante contratos de concessão, precedidos de
licitação, na forma estabelecida nesta Lei.
Parágrafo único. A ANP definirá os blocos a serem
objeto de contratos de concessão.


Art. 26. A concessão implica, para o concessionário, a
obrigação de explorar, por sua conta e risco e, em caso
de êxito, produzir petróleo ou gás natural em
determinado bloco, conferindo-lhe a propriedade desses
bens, após extraídos, com os encargos relativos ao
pagamento dos tributos incidentes e das participações
legais ou contratuais correspondentes.
Lei 9.478 de 1997 (Lei do Petróleo)

Art. 27. Quando se tratar de campos que se estendam
por blocos vizinhos, onde atuem concessionários
distintos, deverão eles celebrar acordo para a
individualização da produção.


Parágrafo único. Não chegando as partes a acordo, em
prazo máximo fixado pela ANP, caberá a esta
determinar, com base em laudo arbitral, como serão
eqüitativamente apropriados os direitos e obrigações
sobre os blocos, com base nos princípios gerais de
Direito aplicáveis.
Resumo
             Constituição Federal de 1988:

⇒possibilitou à Petrobrás a continuidade do exercício do
                       monopólio

            Emenda Constitucional nº 9/95:

      ⇒acabou com o monopólio da Petrobrás
  ⇒deu liberdade à União de contratar com empresas
                 estatais ou privadas
Lei nº 9.478 (Lei do Petróleo):

  ⇒instituiu o Conselho Nacional de Política Energética

  ⇒criou a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e
                   Biocombustíveis

⇒estabeleceu a concessão como único instrumento para
 se explorar e produzir petróleo e gás natural no Brasil

     ⇒não regulamentou, de fato, os novos ditames
       constitucionais advindos da Emenda nº 9

⇒ausência para critérios de unitização de campos que se
  estendam de áreas licitadas por áreas não licitadas
Conclusões
 - A província petrolífera do Pré-Sal deve ter grandes reservas
de petróleo, o que fará com que o Brasil ganhe destaque como
                    uma potência petrolífera

- Já foram perfurados 19 poços verticais (13 na Bacia de Santos
    e 6 no Norte da Bacia de Campos), com resultados muito
                          promissores

- Estimativas mais precisas do custo de produção na Bacia de
Santos somente após os testes de longa duração e do projeto
                        piloto de Tupi

  - Os custos de exploração do Pré-Sal no Norte da Bacia de
    Campos, no litoral do Espírito Santo, devem ser baixos

      - Houve grande redução nos custos de perfuração
Conclusões
- Deve haver grande volume de óleo recuperável em áreas não
                        concedidas

            - O Brasil deve alterar seu marco legal

 - Deve haver a possibilidade de a União celebrar acordos de
                          unitização

 - Deve haver a possibilidade de a União celebrar acordos de
 partilha de produção para exploração de áreas estratégicas
                       como o Pré-Sal

  - É importante que seja criada uma empresa pública para
representar a União em acordos de unitização e em contratos
                  de partilha de produção

- É preciso repensar o papel do “Serviço Geológico Brasileiro”
QUESTÃO SIMULADA SOBRE O
          TEMA 76
1) Com base nas notícias amplamente veiculadas pela mídia acerca do pré-
   sal, assinale a única alternativa que não traz aspectos relevantes
   relacionados a esse tema.
a) Discute-se sobre uma divisão equitativa dos lucros advindos da exploração do
   petróleo do pré-sal entre todos os estados da federação e não apenas entre os
   estados produtores.
b) Discute-se sobre um novo marco regulatório que permita a exploração do
   petróleo em parceria com empresas estrangeiras, mas que mantenha a
   hegemonia do Estado brasileiro por meio de uma nova empresa estatal.
c) Argumenta-se a favor da destinação dos lucros advindos da exploração do
   petróleo do pré- sal, com ênfase em programas sociais e ambientais.
d) Questiona-se se os países membros da OPEP (Organização dos Países
   Exportadores de Petróleo) aceitarão o Brasil como novo membro, já que o país
   pretende ser um exportador de petróleo bruto, mas ainda não o explora
   suficientemente para integrar a Organização.
e) Questiona-se se a euforia do petróleo do pré-sal poderá enfraquecer o
   desenvolvimento dos biocombustíveis e de outras fontes alternativas.
2) Da geometria do espaço à política do território. A descoberta dos
   campos do pré-sal reacendeu os debates acerca dos critérios para a
   distribuição dos royalties da extração de petróleo na plataforma continental
   entre os estados e municípios brasileiros. Existem propostas de outras
   projeções geométricas que alterariam a distribuição dos royalties.
Leia as frases abaixo sobre o tema:
1 - A escolha da projeção geométrica altera a relação entre a linha de
    costa e a área de provável ocorrência dos campos do pré-sal, relação
    na qual se baseia a distribuição dos royalties da atividade de
    exploração de petróleo e gás na plataforma continental no Brasil.
2 – A mudança na projeção geométrica ao alterar a distribuição territorial
    da compensação financeira por estados e municípios costeiros torna
    evidente que o critério geométrico não é neutro e sim sujeito a
    interesses políticos e econômicos sócio-territoriais.
3 – As possibilidades de exploração do petróleo do pré-sal, pode elevar a
    participação do Brasil na economia mundial, visto que possibilitará
    aumento de exportações.
4 – Como pode ser visto no mapa, os estados da região sudeste são os
    que mais poderão ser beneficiados, mesmo sabendo que as mudanças
    na distribuição dos royalties levarão alguns outros estados a serem
    mais privilegiados, segundo a lógica da projeção geométrica do pré-sal.
ESTÃO CORRETAS SOBRE O TEMA:
a) Todas estão corretas
b) Somente 1,3,4 estão corretas
c) Somente 1,2,3 estão corretas
d) Somente 1,2,4 estão corretas
e) Somente 2,4 estão corretas
DICA 77: RESULTADOS DO
   CENSO IBGE – 2010
QUESTÃO SIMULADA SOBRE O
          TEMA 77
1) Os resultados do CENSO DO IBGE, indicam várias mudanças no perfil do
   brasileiro: leia as frases síntese abaixo:
                  * Brasileiros residem em 193 países estrangeiros
   * Censo contabiliza 133,4 mortes de homens para cada 100 óbitos de mulheres
    * 3,4% dos óbitos são de crianças menores de um ano e 43,9% são de idosos
     * Participação nos óbitos na faixa de 1 a 4 anos é 118,9% maior na área rural
            * Idade média é de 31,3 anos para homens e 32,9 para mulheres
     * Diminui pela primeira vez o número de pessoas que se declararam brancas
       * Cerca de 30% da população indígena de até 10 anos não tem registro de
                                        nascimento
     * Taxa de analfabetismo das pessoas de 15 anos ou mais cai de 13,6% para
                                  9,6% entre 2000 e 2010
   * 3,9% das crianças de 10 a 14 anos ainda não estavam alfabetizadas em 2010
                    * Distribuição de rendimento permanece desigual
* Média de moradores por domicílio diminui conforme a renda
                                aumenta
    * 38,7% dos responsáveis pelas unidades domésticas são
                                mulheres
      * Domicílios próprios predominam nas áreas urbana e rural
    * Rede geral de abastecimento de água avança mais na zona
                                  rural
         * Esgotamento sanitário adequado cai na região Norte
            * Lixo é queimado em 58% dos domicílios rurais
            * Energia elétrica chega a 97,8% dos domicílios
ESTÃO CORRETAS SOBRE O TEMA:
a) Todas estão corretas
b) Somente há 10 frases corretas
c) Somente há 15 frases corretas
d) Somente há 13 frases corretas
e) Somente há 11 frases corretas
2) Analise o gráfico.
A partir da análise dos dados apresentados no gráfico e de seus
   conhecimentos, é correto afirmar que:
a) a curva populacional da região Nordeste apresenta crescimento
   acentuado a partir da década de 1970, superando a da região
   Sudeste.
b) a região Sul manteve constante seus índices de crescimento
   populacional em todo o período analisado, espelhando um forte
   fluxo migratório para a região.
c) a curva populacional da região Sudeste, a partir da década de 1980,
   apresenta um crescimento mais acelerado do que a curva
   populacional do Brasil.
d) apesar de as regiões Nordeste e Sudeste, na década de 1940,
   possuírem números populacionais semelhantes, a curva da região
   Nordeste supera a da região Sudeste a partir da década de 1970.
e) as regiões Norte e Centro-Oeste, em todo o período analisado,
   apresentaram comportamentos próximos em seus números
   absolutos de população.
•
DICA 78: AS FUSÕES NO MUNDO ATUAL: AS
TENDÊNCIAS A OLIGOPOLIZAÇÃO DOS MERCADOS
Introdução

 • • As primeiras fusões ocorreram nos EUA no
                    Século XIX.

   • • As fusões constituem uma forma de as
   empresas tornarem-se mais competitivas no
              mercado internacional.

• • O processo de fusão é complexo, exige visão
   e ponto de vista estratégico semelhante, bem
    como uma cultura organizacional compatível
O caso da General Motors
•       A importância das fusões e aquisições na formação de grandes
                                  grupos –
           • Mercado automobilístico antes da General Motors...
                                • Ford -
                         – linha de produção /escala
                               – Único Modelo
                                – Custo Baixo

    •    1908 – Nasce a General Motors... Com a fusão das seguintes
                                  empresas:
              – Cadillac , Oldsmobile, Buick, Chevrolet , Pontiac
                        • Caracteristicas da GM:
                       – Consolidação das operações
                           – Alto custo de produção
                     – Independência das suas divisões
                          – Diversidade de produtos

        Na decada de 20 a GM supera a Ford
Fusões e Aquisições
   •
                      - Brasil conglomerados
       1967/69 - Formação de grandes
                        diversificados

          • 1980/90 - Globalização, alavancagem

           • 1994/? - Fusões Estratégicas, ações

• 1998 - Ano em que ocorreram grandes fusões em valor

       • 2001 - Grande redução no nível de atividade

          • 2004 - Retomada no mercado mundial
Fusões

 • • Uma fusão ocorre quando duas
 empresas formam uma única e nova
  corporação por meio de um acordo
               mútuo.

• • Continuam no mercado da mesma
     forma, porém, os recursos de
 investimento e os gastos são divididos
                entre si.
Integração das pessoas e cultura
         organizacional
 • • Num processo de fusão, é importante que o
   comprador aja respeitosamente e comunique
   suas expectativas à empresa que está sendo
       adquirida ao final das negociações.

• • A gerência adquirente deve analisar e reter o
  que há de melhor da cultura de cada empresa.

• • Para tanto, ela deve realizar um planejamento
           para a integração das culturas.
Integração das pessoas e cultura
         organizacional
• • O compartilhamento de uma nova visão
   e a integração das pessoas exige que a
    nova empresa comunique à empresa
               comprada sobre:
         – As metas e objetivos da fusão
  – As oportunidades de carreira nas empresas
                    combinadas
  – Os benefícios e a liberdade que serão dados
       à empresa adquirida em sua atuação
Fusões no Brasil
• • Principais fusões ocorridas no Brasil na
                década de 2000
                  – Petrobrás
                  – Bradesco
              – Vale do Rio Doce
            – Grupo Pão de Açúcar
                 – Votorantim
                  – Unibanco
• Os motivos que levaram os brasileiros a
  vender parte de suas empresas foram:

             – Falta de tecnologia

  – Dificuldade de acesso ao mercado exterior

       – Falta de competitividade global
Transações de destaque - 2004
                        – HSBC Brasil
     • adquiriu as operações de financiamento ao consumo do
        Banco Indusval Multistock pagando R$371 milhões.

                          – Petrobras
    • adquiriu a Eletrobolt por US$159 milhões a serem pagos
        em 30 parcelas + US$30 milhões daqui a sete anos.
     • comprou da Cemig uma participação de 40% do capital
                total da Gasmig, por R$144 milhões.

                    – Cargill Agrícola S.A.
    • adquiriu o controle da Seara Alimentos S.A. que pertencia
       à Bunge Alimentos S.A. por cerca de US$130 milhões.
Desvantagem das Fusões
• • Dados mostram que fusões ou aquisições
     apresentam algumas desvantagens.
                 • Ex:
 – Grandes empresas se tornam lentas, burocráticas e
                  distantes dos clientes
 – Muitas fusões resultam mais de ambição do que de
                   busca de eficiência
  – Muitas vezes as fusões tem objetivos predatórios
  – Muitas fusões resultam em fracassos quanto aos
                  objetivos pretendidos
       – Diferenças de culturas organizacionais
Fracassos das Fusões

• • O fracasso das fusões geralmente estão
            • relacionados com:
  – Falta de planejamento na gestão e integração
                     das pessoas
       – Complexidade na união das culturas
               – Retenção de talentos
            – Estilos e prática gerencial
Desafios das Fusões
         • • Integrar cultura organizacional
• • Conseguir adesão dos funcionários dos novos
                         programas
• • Conseguir adesão dos executivos no processo
    • • Manter a concentração dos funcionários
                • • Integrar benefícios
             • • Integrar culturas sociais
            • • Reter funcionários chave
Aquisições
 • • Aquisição é uma transação pela qual
    uma empresa compra outra parcial ou
  integralmente e a transação é satisfatória
           para ambas as partes

• • Grandes empresas crescem comprando
     outras de menor porte, geralmente
   descapitalizadas, pouca participação de
      mercado e baixa competitividade
Desvantagem das aquisições
• • Principais desvantagens das aquisições:
     – Empresas menores são engolidas por
                 empresas maiores
    – Insegurança e conflito dos membros da
                 empresa adquirida
   – Problemas de adaptação dos funcionários
     antigos às novas regras, normas e cultura
    – Funcionários demitidos ou remanejados
Globalização
 • • A globalização é a unificação do
      mercado em escala mundial
– Globalização financeira: intercomunicação
         dos mercados de capitais. Essa
 intercomunicação permitiu a fusão de valores
               (BMF e Bovespa)
        – Globalização produtiva: é a
        Internacionalização da produção
Globalização
  • • Interdependência das nações
• Os países não dispõem de todas as
     mercadorias necessárias a sua
             sobrevivência.
     – Dessa forma, uma nação pode:
    • Comprar de outra aquilo que ela não dispõe
  • Comprar de outra aquilo que fica mais barato do
                    que produzir
 • Comprar produtos/serviços de alta tecnologia, que
              levam anos de pesquisa
Globalização
• • A interdependência também se justifica pela
               tecnologia e capital

• • Países de Primeiro Mundo, que dispõem de
  mais recursos, aplicam em pesquisas, dessa
     forma, eles vendem Know-How e recebe
                     royalties

 • • Os países carentes de capitais recebem
investimentos externos de multinacionais, o que
amplia a interdependência da economia mundial
Globalização
• • Dados mostram que a globalização apresenta
           as seguintes desvantagens:
  – Ainda não conseguiu realizar o crescimento mundial
                      harmonizado

  – Os países ricos se beneficiam mais da globalização

     – Aumentou a desigualdade social-econômica

      – A concorrência quase se tornou predatória
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06
100 DICAS ENEM PARTE 06

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

República democrática
República democráticaRepública democrática
República democráticaeunamahcado
 
Republica Populista Brasil 1945 64
Republica Populista Brasil 1945 64Republica Populista Brasil 1945 64
Republica Populista Brasil 1945 64Thiago Bro
 
Ditadura militar: uma verdade incoveniente
Ditadura militar: uma verdade incovenienteDitadura militar: uma verdade incoveniente
Ditadura militar: uma verdade incovenienteMande Bem no ENEM
 
De dutra a jango
De dutra a jangoDe dutra a jango
De dutra a jangoeunamahcado
 
Eua x China: A Disputa pela Supremacia 20150909 rl
Eua x China: A Disputa pela Supremacia 20150909 rlEua x China: A Disputa pela Supremacia 20150909 rl
Eua x China: A Disputa pela Supremacia 20150909 rlHOPE Serviços
 
As ordens mundias e guerra fria
As ordens mundias e guerra friaAs ordens mundias e guerra fria
As ordens mundias e guerra friavictormatheus76
 
O brasil após 1945 redemocratização
O brasil após 1945   redemocratizaçãoO brasil após 1945   redemocratização
O brasil após 1945 redemocratizaçãovaldeck1
 
Experiência democrática brasileira (1945-1964)
Experiência democrática brasileira (1945-1964)Experiência democrática brasileira (1945-1964)
Experiência democrática brasileira (1945-1964)Anderson Torres
 
Brasil 1945 1964 - até 2º governo de vargas
Brasil 1945   1964 - até 2º governo de vargasBrasil 1945   1964 - até 2º governo de vargas
Brasil 1945 1964 - até 2º governo de vargashistoriando
 
Governos Dutra e Vargas: O Populismo Democrático
Governos Dutra e Vargas: O Populismo DemocráticoGovernos Dutra e Vargas: O Populismo Democrático
Governos Dutra e Vargas: O Populismo DemocráticoValéria Shoujofan
 
BRASIL REPÚBLICA - de Dutra ao Brother Sam
BRASIL REPÚBLICA - de Dutra ao Brother SamBRASIL REPÚBLICA - de Dutra ao Brother Sam
BRASIL REPÚBLICA - de Dutra ao Brother SamGisele Finatti Baraglio
 
República Populista (1945 - 1964)
República Populista (1945 - 1964)República Populista (1945 - 1964)
República Populista (1945 - 1964)Daniel Florence
 
Uma cilada para jango
Uma cilada para jangoUma cilada para jango
Uma cilada para jangoLeandro Deon
 
O pós guerra no Brasil
O pós guerra no BrasilO pós guerra no Brasil
O pós guerra no BrasilJanayna Lira
 
Brasil 1945 1954 - até 2º governo de vargas
Brasil 1945   1954 - até 2º governo de vargasBrasil 1945   1954 - até 2º governo de vargas
Brasil 1945 1954 - até 2º governo de vargasNelia Salles Nantes
 

Mais procurados (20)

República democrática
República democráticaRepública democrática
República democrática
 
Republica Populista Brasil 1945 64
Republica Populista Brasil 1945 64Republica Populista Brasil 1945 64
Republica Populista Brasil 1945 64
 
Período democrático
Período democráticoPeríodo democrático
Período democrático
 
Ditadura militar: uma verdade incoveniente
Ditadura militar: uma verdade incovenienteDitadura militar: uma verdade incoveniente
Ditadura militar: uma verdade incoveniente
 
De dutra a jango
De dutra a jangoDe dutra a jango
De dutra a jango
 
Intervalo democrático
Intervalo democráticoIntervalo democrático
Intervalo democrático
 
Eua x China: A Disputa pela Supremacia 20150909 rl
Eua x China: A Disputa pela Supremacia 20150909 rlEua x China: A Disputa pela Supremacia 20150909 rl
Eua x China: A Disputa pela Supremacia 20150909 rl
 
A (contra) ameaça nuclear
A (contra) ameaça nuclearA (contra) ameaça nuclear
A (contra) ameaça nuclear
 
As ordens mundias e guerra fria
As ordens mundias e guerra friaAs ordens mundias e guerra fria
As ordens mundias e guerra fria
 
A república liberal
A república liberalA república liberal
A república liberal
 
O brasil após 1945 redemocratização
O brasil após 1945   redemocratizaçãoO brasil após 1945   redemocratização
O brasil após 1945 redemocratização
 
Experiência democrática brasileira (1945-1964)
Experiência democrática brasileira (1945-1964)Experiência democrática brasileira (1945-1964)
Experiência democrática brasileira (1945-1964)
 
Brasil 1945 1964 - até 2º governo de vargas
Brasil 1945   1964 - até 2º governo de vargasBrasil 1945   1964 - até 2º governo de vargas
Brasil 1945 1964 - até 2º governo de vargas
 
Governos Dutra e Vargas: O Populismo Democrático
Governos Dutra e Vargas: O Populismo DemocráticoGovernos Dutra e Vargas: O Populismo Democrático
Governos Dutra e Vargas: O Populismo Democrático
 
BRASIL REPÚBLICA - de Dutra ao Brother Sam
BRASIL REPÚBLICA - de Dutra ao Brother SamBRASIL REPÚBLICA - de Dutra ao Brother Sam
BRASIL REPÚBLICA - de Dutra ao Brother Sam
 
Revolução Cubana.
Revolução Cubana.Revolução Cubana.
Revolução Cubana.
 
República Populista (1945 - 1964)
República Populista (1945 - 1964)República Populista (1945 - 1964)
República Populista (1945 - 1964)
 
Uma cilada para jango
Uma cilada para jangoUma cilada para jango
Uma cilada para jango
 
O pós guerra no Brasil
O pós guerra no BrasilO pós guerra no Brasil
O pós guerra no Brasil
 
Brasil 1945 1954 - até 2º governo de vargas
Brasil 1945   1954 - até 2º governo de vargasBrasil 1945   1954 - até 2º governo de vargas
Brasil 1945 1954 - até 2º governo de vargas
 

Destaque (20)

100 DICAS ENEM PARTE 09
100 DICAS ENEM PARTE 09100 DICAS ENEM PARTE 09
100 DICAS ENEM PARTE 09
 
Grupo 03
Grupo 03Grupo 03
Grupo 03
 
100 DICAS ENEM PARTE 03
100 DICAS ENEM PARTE 03100 DICAS ENEM PARTE 03
100 DICAS ENEM PARTE 03
 
100 DICAS ENEM PARTE 04
100 DICAS ENEM PARTE 04100 DICAS ENEM PARTE 04
100 DICAS ENEM PARTE 04
 
100 DICAS ENEM PARTE 05
100 DICAS ENEM PARTE 05100 DICAS ENEM PARTE 05
100 DICAS ENEM PARTE 05
 
100 DICAS ENEM PARTE 08
100 DICAS ENEM PARTE 08100 DICAS ENEM PARTE 08
100 DICAS ENEM PARTE 08
 
Feed back =8ºanos (ilumismo, indp. eua, revolução francesa)
Feed back =8ºanos (ilumismo, indp. eua, revolução francesa)Feed back =8ºanos (ilumismo, indp. eua, revolução francesa)
Feed back =8ºanos (ilumismo, indp. eua, revolução francesa)
 
I mperio biznantino
I mperio biznantinoI mperio biznantino
I mperio biznantino
 
Descolonização áfrica e asia
Descolonização áfrica e asiaDescolonização áfrica e asia
Descolonização áfrica e asia
 
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Ma
O Mundo No Breve SéCulo Xx   2º MaO Mundo No Breve SéCulo Xx   2º Ma
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Ma
 
.
..
.
 
Aula De Sociologia Do Professor Mario
Aula De Sociologia Do Professor MarioAula De Sociologia Do Professor Mario
Aula De Sociologia Do Professor Mario
 
A formação do império feudal 7º anos
A formação do império feudal   7º anosA formação do império feudal   7º anos
A formação do império feudal 7º anos
 
Grupo 4
Grupo 4Grupo 4
Grupo 4
 
.
..
.
 
100 DICAS ENEM PARTE 10
100 DICAS ENEM PARTE 10100 DICAS ENEM PARTE 10
100 DICAS ENEM PARTE 10
 
Grupo 02
Grupo 02Grupo 02
Grupo 02
 
2º Va Grupo 02
2º Va   Grupo 022º Va   Grupo 02
2º Va Grupo 02
 
Grupo 01
Grupo 01Grupo 01
Grupo 01
 
Ditadura militar
Ditadura militarDitadura militar
Ditadura militar
 

Semelhante a 100 DICAS ENEM PARTE 06

SLIDE-GUERRA-FRIA-9º ANO PORFÍRIO.pptx
SLIDE-GUERRA-FRIA-9º ANO PORFÍRIO.pptxSLIDE-GUERRA-FRIA-9º ANO PORFÍRIO.pptx
SLIDE-GUERRA-FRIA-9º ANO PORFÍRIO.pptxAntonioVieira539017
 
Aula 9 [3-2022] - Período Democrático e Ditadura Militar
Aula 9 [3-2022] - Período Democrático e Ditadura MilitarAula 9 [3-2022] - Período Democrático e Ditadura Militar
Aula 9 [3-2022] - Período Democrático e Ditadura MilitarGerson Coppes
 
Livro 2° ano parte 01
Livro 2° ano parte 01Livro 2° ano parte 01
Livro 2° ano parte 01Auxiliadora
 
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link:  https://youtu.be/XhS9vFASWjUGuerra fria completa - YouTube Link:  https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjUKéliton Ferreira
 
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjUGuerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjUKéliton Ferreira
 
Livro 2° ano parte 01
Livro 2° ano parte 01Livro 2° ano parte 01
Livro 2° ano parte 01Auxiliadora
 
Guerra fria 1
Guerra fria 1Guerra fria 1
Guerra fria 1valdeck1
 
aula 8 [3-2022] - Guerra Fria
aula 8 [3-2022] - Guerra Friaaula 8 [3-2022] - Guerra Fria
aula 8 [3-2022] - Guerra FriaGerson Coppes
 
Exercícios de Revisão 9°ano E
Exercícios de Revisão 9°ano EExercícios de Revisão 9°ano E
Exercícios de Revisão 9°ano ELeonardo Caputo
 

Semelhante a 100 DICAS ENEM PARTE 06 (20)

SLIDE-GUERRA-FRIA-9º ANO PORFÍRIO.pptx
SLIDE-GUERRA-FRIA-9º ANO PORFÍRIO.pptxSLIDE-GUERRA-FRIA-9º ANO PORFÍRIO.pptx
SLIDE-GUERRA-FRIA-9º ANO PORFÍRIO.pptx
 
Geopolítica dos EUA
Geopolítica dos EUAGeopolítica dos EUA
Geopolítica dos EUA
 
Estados Unidos sob guerra_fria
Estados Unidos sob guerra_friaEstados Unidos sob guerra_fria
Estados Unidos sob guerra_fria
 
Aula 9 [3-2022] - Período Democrático e Ditadura Militar
Aula 9 [3-2022] - Período Democrático e Ditadura MilitarAula 9 [3-2022] - Período Democrático e Ditadura Militar
Aula 9 [3-2022] - Período Democrático e Ditadura Militar
 
Livro 2° ano parte 01
Livro 2° ano parte 01Livro 2° ano parte 01
Livro 2° ano parte 01
 
Guerra fria e Nova Ordem Mundial
Guerra fria e Nova Ordem MundialGuerra fria e Nova Ordem Mundial
Guerra fria e Nova Ordem Mundial
 
Guerra fria
Guerra fria  Guerra fria
Guerra fria
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link:  https://youtu.be/XhS9vFASWjUGuerra fria completa - YouTube Link:  https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
 
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjUGuerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
Guerra fria completa - YouTube Link: https://youtu.be/XhS9vFASWjU
 
Livro 2° ano parte 01
Livro 2° ano parte 01Livro 2° ano parte 01
Livro 2° ano parte 01
 
Guerra Fria - Atualizada
Guerra Fria - AtualizadaGuerra Fria - Atualizada
Guerra Fria - Atualizada
 
Guerra fria 1
Guerra fria 1Guerra fria 1
Guerra fria 1
 
Mod21 euaii
Mod21 euaiiMod21 euaii
Mod21 euaii
 
Guerra fria 2013
Guerra fria 2013Guerra fria 2013
Guerra fria 2013
 
A guerra fria prof rodrigo
A guerra fria  prof rodrigoA guerra fria  prof rodrigo
A guerra fria prof rodrigo
 
aula 8 [3-2022] - Guerra Fria
aula 8 [3-2022] - Guerra Friaaula 8 [3-2022] - Guerra Fria
aula 8 [3-2022] - Guerra Fria
 
Exercícios de Revisão 9°ano E
Exercícios de Revisão 9°ano EExercícios de Revisão 9°ano E
Exercícios de Revisão 9°ano E
 
Brasil república populista 1946 a 1964 - pdf
Brasil república populista   1946 a 1964 - pdfBrasil república populista   1946 a 1964 - pdf
Brasil república populista 1946 a 1964 - pdf
 

Mais de ProfMario De Mori

100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEM
100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEM100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEM
100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEMProfMario De Mori
 
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS ProfMario De Mori
 
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 1º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 1º ANOS ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 1º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 1º ANOS ProfMario De Mori
 
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 9º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 9º ANOS ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 9º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 9º ANOS ProfMario De Mori
 
Aula charges sociologia 2º anos
Aula charges sociologia 2º anosAula charges sociologia 2º anos
Aula charges sociologia 2º anosProfMario De Mori
 
Aula atlas 2º anos - 2º BIMESTRE
Aula atlas 2º anos - 2º BIMESTRE Aula atlas 2º anos - 2º BIMESTRE
Aula atlas 2º anos - 2º BIMESTRE ProfMario De Mori
 
Aula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anosAula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anosProfMario De Mori
 
Aula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anosAula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anosProfMario De Mori
 
Aula atlas 1º anos - 2º BIMESTRE
Aula atlas 1º anos - 2º BIMESTRE Aula atlas 1º anos - 2º BIMESTRE
Aula atlas 1º anos - 2º BIMESTRE ProfMario De Mori
 
Aula ATLAS GEOGRÁFICO 9º anos
Aula ATLAS GEOGRÁFICO 9º anosAula ATLAS GEOGRÁFICO 9º anos
Aula ATLAS GEOGRÁFICO 9º anosProfMario De Mori
 
Aula ATLAS GEOGRÁFICO 1º anos
Aula ATLAS GEOGRÁFICO 1º anosAula ATLAS GEOGRÁFICO 1º anos
Aula ATLAS GEOGRÁFICO 1º anosProfMario De Mori
 
GEOLOGIA E RELEVO DO BRASIL
GEOLOGIA E RELEVO DO BRASIL GEOLOGIA E RELEVO DO BRASIL
GEOLOGIA E RELEVO DO BRASIL ProfMario De Mori
 
FUSOS HORÁRIOS NO MUNDO E BRASIL - CREI
FUSOS HORÁRIOS NO MUNDO E BRASIL - CREI FUSOS HORÁRIOS NO MUNDO E BRASIL - CREI
FUSOS HORÁRIOS NO MUNDO E BRASIL - CREI ProfMario De Mori
 
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDOSOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDOProfMario De Mori
 

Mais de ProfMario De Mori (20)

100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEM
100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEM100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEM
100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEM
 
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 2º ANOS
 
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 1º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 1º ANOS ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 1º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 1º ANOS
 
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 9º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 9º ANOS ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 9º ANOS
ATIVIDADES DAS TIRAS E DO ATLAS 9º ANOS
 
100 DICAS ENEM PARTE 11
100 DICAS ENEM PARTE 11100 DICAS ENEM PARTE 11
100 DICAS ENEM PARTE 11
 
100 DICAS ENEM PARTE 07
100 DICAS ENEM PARTE 07100 DICAS ENEM PARTE 07
100 DICAS ENEM PARTE 07
 
100 DICAS ENEM PARTE 02
100 DICAS ENEM PARTE 02100 DICAS ENEM PARTE 02
100 DICAS ENEM PARTE 02
 
100 DICAS ENEM PARTE 01
100 DICAS ENEM PARTE 01100 DICAS ENEM PARTE 01
100 DICAS ENEM PARTE 01
 
Aula charges sociologia 2º anos
Aula charges sociologia 2º anosAula charges sociologia 2º anos
Aula charges sociologia 2º anos
 
Aula atlas 2º anos - 2º BIMESTRE
Aula atlas 2º anos - 2º BIMESTRE Aula atlas 2º anos - 2º BIMESTRE
Aula atlas 2º anos - 2º BIMESTRE
 
Aula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anosAula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anos
 
Aula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anosAula charges sociologia 1º anos
Aula charges sociologia 1º anos
 
Aula atlas 1º anos - 2º BIMESTRE
Aula atlas 1º anos - 2º BIMESTRE Aula atlas 1º anos - 2º BIMESTRE
Aula atlas 1º anos - 2º BIMESTRE
 
Aula atlas 2º anos
Aula atlas 2º anosAula atlas 2º anos
Aula atlas 2º anos
 
Aula ATLAS GEOGRÁFICO 9º anos
Aula ATLAS GEOGRÁFICO 9º anosAula ATLAS GEOGRÁFICO 9º anos
Aula ATLAS GEOGRÁFICO 9º anos
 
Aula ATLAS GEOGRÁFICO 1º anos
Aula ATLAS GEOGRÁFICO 1º anosAula ATLAS GEOGRÁFICO 1º anos
Aula ATLAS GEOGRÁFICO 1º anos
 
GEOLOGIA E RELEVO DO BRASIL
GEOLOGIA E RELEVO DO BRASIL GEOLOGIA E RELEVO DO BRASIL
GEOLOGIA E RELEVO DO BRASIL
 
FUSOS HORÁRIOS NO MUNDO E BRASIL - CREI
FUSOS HORÁRIOS NO MUNDO E BRASIL - CREI FUSOS HORÁRIOS NO MUNDO E BRASIL - CREI
FUSOS HORÁRIOS NO MUNDO E BRASIL - CREI
 
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDOSOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
SOLOS E OCUPAÇÃO RURAL NO MUNDO
 
CARTOGRAFIA - 1º ANOS
CARTOGRAFIA - 1º ANOS CARTOGRAFIA - 1º ANOS
CARTOGRAFIA - 1º ANOS
 

Último

Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxlucivaniaholanda
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaanapsuls
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docxGeometria para 6 ano retas angulos .docx
Geometria para 6 ano retas angulos .docx
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sociedade_Cultura_e_Contemporaneidade_(ED70200).pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Plano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola públicaPlano de aula ensino fundamental escola pública
Plano de aula ensino fundamental escola pública
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 

100 DICAS ENEM PARTE 06

  • 1. 100 DICAS PARA ACERTAR NO ENEM 2012/2013 PARTE 6 E AÍ, GOSTARAM? ACABARAM-SE AS DICAS, E AGORA É TORCER PARA QUE ALGUMA DELAS CAIA NO SEU ENEM... SUCESSO SERÁ TODO SEU..SE VOCE LEVOU A SÉRIO VOCE VAI VER... Prof. MARIO FERNANDO DE MORI
  • 2. DICA 71: ELEIÇÕES NOS EUA: OS CANDIDATOS E PROPOSTAS
  • 3.
  • 5. Harry Truman • Contexto: início da Guerra Fria • Doutrina Truman • Plano Marshall (George Marshall) – Represália: Kominform e Comecon • Otan/Guerra da Coréia • Produção da bomba atômica pelos soviéticos • Revolução Chinesa (1949)
  • 6. Harry Truman • Senador Joseph MacCarthy – “Caça às bruxas” – Auge: Caso Rosemberg • Execução do casal Julius e Ethel Rosemberg em 1953 após acusação de espionagem
  • 7. Dwight Eisenhower 1952-1960 Republicano
  • 8. Dwight Eisenhower • John Foster Dulles – Secretário de Estado que comandou uma política agressiva contra os soviéticos – Pactos militares (Anzus, Otase, Cento) • Imensas verbas destinadas para a construção de mísseis e exploração espacial • Recebe Kruschev • Põe fim ao macarthismo
  • 9. Dwight Eisenhower • Propicia grande progresso econômico ao país, apesar dos 4,5 milhões de desempregados e de faixas inflacionárias ascendentes • Os soviéticos lançam o primeiro Sputnik ( 1ª série de satélites espaciais) • Crescimento do movimento negro
  • 10. John Fitzgerald Kennedy 1960-1963 Democrata
  • 11. John Fitzgerald Kennedy • 1959 – Revolução Cubana (acaba a hegemonia dos EUA na ilha) • CIA – Invasão da Baía dos Porcos (fracasso) • Aliança para o Progresso: ajuda econômica aos países vizinhos do continente, de modo a garantir a supremacia estadunidense.
  • 12. John Fitzgerald Kennedy • Encontro com Kruschev em 1961 • Agosto de 1961 – Construção do Muro de Berlin – Agravamento da tensão • Cuba: Fidel Castro faz opção pelo socialismo, aliando-se à União Soviética • Crise dos Mísseis • Assassinado em 22 de novembro de 1963, ao visitar a cidade de Dallas, no Texas
  • 13. Lyndon Johson Vice 1963-1968
  • 14. Lyndon Johnson • Atitude ofensiva contra o comunismo • Envolveu completamente os EUA na Guerra do Vietnã (envio de mais de 500 mil soldados) • Intervenção militar na República de Sant Domingo (evitar expansão do socialismo
  • 15. Lyndon Johnson • Martin Luther King: reverendo pacifista que garantiu ganho de intensidade para o movimento negro – Ganha o Prêmio Nobel da Paz em 1964, sendo assassinado em 1968
  • 17. Richard Nixon • Reaproximação com países comunistas • 1971 – Admite a entrada da China na ONU • 1972 – Encontro com Mao Tsé-tung • Assina com Brejnev o Salt-1 (tratado de limitação de armas estratégicas) • Vietnamização da guerra, consequência principalmente de uma forte opinião pública (tentou retirar os soldados americanos do conflito, oferecendo, em contrapartida , armamentos aos vietnamitas, seus aliados no Vietnã do Sul) • Participação dos EUA na derrubada de Salvador Allende (presidente chileno) em 1972
  • 18. Richard Nixon • Instaura-se então no Chile a ditadura militar de Augusto Pinochet • Caso Watergate (1972) – Membros do Partido Republicano foram surpreendidos tentando instalar um sistema de escuta para espionar os escritórios do Partido Democrata, em Washington, no edifício Watergate – Denunciado pelo Jornal The Washington Post, o que mobilizou a imprensa e opinião pública
  • 19. Richard Nixon Nixon diz que não vai renunciar Nixon nega papel em encobrir, admite abuso de seus subordinados
  • 20. Gerald Ford Vice 1974-1976
  • 21. Gerald Ford • Concede perdão pleno e absoluto a Nixon • Derrota estadunidense na Indochina (Vietnã, Laos e Camboja) • Desmoralização do Partido Republicano • Crise do Petróleo – Resultado da elevação do preço do petróleo pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo - OPEP
  • 24. Jimmy Carter • Assinatura do Salt-2 • Política dos Direitos Humanos – Redemocratização de países capitalistas sob ditaduras – Intensificação de críticas ao comunismo – Patrocínio à conferência de Camp Daivid (1978) • Deu origem a um tratado de paz entre Egito, governado por Anuar Sadat, e Israel , dirigido por Menahen Begin.Com esse tratado, estabeleceram-se relações diplomáticas entre esses países.
  • 25. Jimmy Carter • Surgem no final do governo várias crises internacionais que arruinaram o prestígio da administração democrata – Irã • Xá Reza Pahlevi é derrubado pelo aiatolá Khomeini – Nicarágua • Revolução Sandinista derruba Anastácio Somoza – Intervenção soviética no Afeganistão
  • 27. Ronald Reagan • Piora das relações com a União Soviética • Aprofundamento da bilateralidade • Decreta várias sansões econômicas à União Soviética • EUA retomam a corrida armamentista • Intervenções em Granada e Nicarágua • Início do programa militar Guerra nas Estrelas
  • 29. George Bush • Dá continuidade à política de entendimento com Gorbatchev • EUA comandam a Guerra do Golfo contra o Iraque, exibindo a maior capacidade bélica do mundo • Oscilações internas em sua popularidade – Hegemonia pós queda socialista X Aumento do desemprego e queda da produtividade
  • 31. Bill Clinton • Crescimento da economia estadunidense • Ameaça de impeachment por envolvimento com a secretária Monica Lewinsky
  • 32. George Walter Bush 2001-2008 Republicano
  • 33. George Walter Bush • Apuração de votos cheia de irregularidades • Reativação militar – Nacional Missile Defense – Chama atenção para a reativação da corrida nuclear • 11 de setembro • Primeira Guerra Declarada do século XXI • Antraz
  • 34. George Walter Bush • Guerra ao terror • Doutrina Bush: hostilidade e combate intransigente às ameaças à civilização – Eixo do mal: Iraque, Irã e Coréia do Norte • Transferência de prisioneiros de guerra do Afeganistão para Guantánamo • Invasão do Iraque em 2003, com o auxílio de forças britânicas
  • 35. George Walter Bush • Ives Gandra: jurista brasileiro que afirma: – “ o primeiro destruiu duas torres, e o segundo, um país inteiro” • 2004-2005: vieram a público fotos de maus tratos de prisioneiros iraquianos em bases militares norte americanas • 2004 – Inexistência de ‘armas proibidas’ no Iraque
  • 36. George Walter Bush • Grandes danos ao Iraque, com estimativa de mais de 100 mil mortos
  • 37. Barack Obama 2009 - Atualmente Democrata
  • 38. Barack Obama • Primeiro presidente afro americano da história estadunidense
  • 39. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 71 A respeito das ELEIÇÕES NOS EUA, podemos AFIRMAR QUE: 1 - Nos EUA, o presidente não é eleito pelo voto direto, mas por uma instituição chamada colégio eleitoral. De acordo com a Constituição Americana, a escolha do presidente e seu vice depende de delegados estaduais, estes sim escolhidos pelos eleitores. 2 - Basicamente cada um dos 50 estados tem direito a um número de delegados proporcional ao total de representantes que possui no Congresso Nacional - um para cada deputado e um para cada dois senadores. Isto faz com que o tamanho e o número de estados em que cada candidato venceu tenha muito mais peso no resultado final da eleição do que o número de votos total feitos por cada um. 3 - O partido do candidato que ganha a maioria dos votos no estado elege sua comissão e o candidato (ou candidatos) que perder naquele estado não ganha nenhum delegado. Na segunda-feira após a segunda quarta-feira de dezembro os delegados eleitos se reúnem na capital de seu estado para então escolher o presidente. 4 - Em apenas duas ocasiões, o a decisão do Colégio Eleitoral foi diferente do visto nas urnas. A mais recente delas foi em 2000, quando George W. Bush, obteve 47,87%, contra 48,38% do candidato democrata, Al Gore, que mesmo com 500 mil votos a mais ficou longe da Casa Branca. 5 – Nas eleições deste ano, o Presidente Obama, tenta a reeleição, e seu adversário, Mitt Romney, tem tentado, com temas cruciais para o poderio americano no mundo, tentado atrair eleitores em sua candidatura em novembro. ESTÃO CORRETAS SOBRE O TEMA: a) Todas estão corretas b) Somente 1,3,5 estão corretas c) Somente 1,2,3 estão corretas d) Somente 1,2,4,5 estão corretas e) Somente 2,3,4,5 estão corretas
  • 40. DICA 72: O MST – CONFLITOS FUNDIÁRIOS NO CAMPO BRASILEIRO
  • 42. Tipos de Movimentos Sociais:  Os movimentos sociais diferem quanto à abrangência da mudança pretendida.  Alguns são relativamente limitados em seus propósitos, querem modificar alguns aspectos da sociedade sem tocar o núcleo de sua estrutura institucional.  Outros movimentos pretendem mudanças mais profundas, que atingem as bases da organização social.
  • 43. Tipos de Movimentos Sociais:  Os movimentos sociais surgem em momentos determinados, desenvolvem-se, passam por fases distintas, decaem e cessam.  A dinâmica interna dos movimentos, distinguem-se em quatro estágios principais: origem, mobilização, desenvolvimento estrutural e término.
  • 44. Os movimentos sociais apresentam-se ao longo da História de diversas maneiras e por diversos motivos mas, como se verá em seguida, há algumas características em comum a todos eles, por exemplo: em todo movimento social há um princípio norteador.
  • 46. Trata-se de um projeto construído coletivamente, na maioria das vezes buscando a solução de um problema, a transformação de uma situação, ou ainda, o retorno a uma situação anterior, na qual os indivíduos entendem que havia uma melhor condição para suas vidas.
  • 47. Para uma melhor compreensão do que está sendo dito no slide anterior, podemos usar como exemplo as reivindicações do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST). Este tem como projeto a realização da reforma agrária
  • 49. É importante salientar que a questão da terra no Brasil sempre foi uma das bandeiras dos movimentos sociais, pois em nossa estrutura agrária a concentração de terras e a existência de latifúndios estão presentes desde o início de nossa colonização.
  • 50. Isto porque nossa formação social deu-se em dependência de outros países, consequentemente, nossa produção agrária também.
  • 51. Assim, temos como característica estruturante em nosso país, a subordinação de parte importante da produção agrícola a uma produção em larga escala e às necessidades do exterior, o que leva a um modelo baseado na utilização de grandes propriedades rurais, produzindo uma pequena variedade de produtos.
  • 52. Porcentagem sobre o total de terras do Brasil 60 50 Prop. com menos 40 de 100 hectares Prop. com mais de 30 1000 Hectares 20 10 0 1996 1972 1978 1992 Montado a partir de dados do INCRA, 1992
  • 53. Em suma, a questão da terra torna-se uma bandeira para os movimentos sociais, pois sua concentração transforma-se em um problema num país de grandes dimensões, e com uma população sem acesso à terra e sem condições de ter acesso àquilo que ela produz.
  • 54. No caso dos movimentos sociais que lutam pela mudança na estrutura agrária, fica evidente a presença de “interesses de classe” em jogo. Por exemplo, trabalhadores do campo X grandes proprietários.
  • 55. Há pelo menos de 4 a 6 milhões de famílias sem-terra, cerca de 1% dos proprietários rurais possuem 46% das terras produtivas e cadastradas no Brasil (Censo do IBGE – 1996). As propriedades com menos de 100 ha representam neste último censo, 89,3% das propriedades, mas representam cerca de 20% das terras brasileiras. Neste mesmo Censo foram registradas 17.930.890 pessoas ocupando atividades no campo, contrapondo-se aos dados de 1985 ― que registram 23.394.881 trabalhadores ― portanto, percebe-se uma redução do trabalho no campo em 23%.
  • 56. Existe um outro indicativo que contribui para destacarmos a importância da pequena propriedade na produção agrícola no Brasil. Segundo os dados estatísticos sobre o montante da produção das pequenas e médias propriedades produzidos pelo IBGE no Censo Agropecuário de 1996, temos que: a produção de áreas com menos de 100 ha correspondem a 47% da produção nacional, os estabelecimentos entre 100 ha a 1.000 ha correspondem a 32%; já as áreas com 1.000 ha a 10.000 ha correspondem a 17% da produção, e ainda, as áreas acima de 10.000 ha produzem apenas 4% do valor total da produção no Brasil.
  • 57. M.S.T
  • 58. O movimento, embora já existisse desde o final da década de 1970, só ganha estatuto de movimento organizado nacionalmente em 1984 com o 1° Encontro Nacional, na cidade de Cascavel, no estado do Paraná. Em 1985, acontece o 1° Congresso Nacional do MST, na diadade de Curitiba-Pr.
  • 59. Em várias ocasiões há conflitos entre os integrantes do MST e a polícia, que é, por vezes, incumbida pela justiça de restaurar a posse da terra. Outras vezes enfrentam milícias armadas pelos fazendeiros para evitar que ocupem suas terras. Os latifundiários no Brasil possuem uma organização própria criada em 1985, chamada UDR (União Democrática Ruralista), cujo objetivo é a defesa da propriedade fundiária, que seus possuidores julgam estar ameaçadas pelo MST.
  • 60. Além de tudo, deve-se levar em consideração que a concorrência do pequeno produtor com a produção em larga escala e mecanizada no campo, na maioria das vezes, é desleal, já que o latifúndio não só possui toda uma infra- estrutura para sua produção como também, consegue muito mais facilmente créditos dos governos, geralmente por sua produção ter como finalidade a exportação.
  • 61. Dentre as tentativas de superação destes obstáculos, o MST também possui como alternativa não só a capacitação política, mas também técnica do assentado, formação preocupada em fornecer conhecimentos adequados para um melhor aproveitamento da terra.
  • 62. O MST, além de ser contrário a um único tipo de produção agro- exportadora (monocultura), também incentiva a realização de culturas que deixem de utilizar agrotóxicos em seus produtos, bem como o de sementes transgênicas, realizando inclusive encontros agroecológicos, na tentativa de gerir novas experiências.
  • 63. Certamente, a repercussão do MST, no Brasil, aumentou em muito a partir de meados dos anos 1990, quando alguns conflitos ocorreram em diversas ocupações. Tendo em vista sua capacidade de articulação, o movimento também aumentou sua atuação na sociedade, participando de uma série de outras discussões como, por exemplo, colocando-se contra a ALCA (Área de Livre Comércio das Américas), discutindo o papel da mulher e produzindo um projeto político- pedagógico para os processos educacionais que acontecem nos seus assentamentos.
  • 64. O MST certamente é fruto de um conjunto de fatores históricos nacionais e internacionais do desenvolvimento do capitalismo que criaram uma realidade social cheia de conflitos e contradições, da mesma forma que as Ligas Camponesas foram uma tentativa de luta e reivindicação por melhores condições do trabalhador rural.
  • 65.
  • 66.
  • 68. Personagens • Posseiro • Grileiro • Jagunço • Latifundiário • Situação – Muita terra para pouca gente – Mecanização e exclusão do camponês – Falta de oportunidades nas cidades – Ambiente democrático favorece organização
  • 70. Conflitos no campo
  • 71. Principais áreas de conflito • Bico do papagaio • Pontal do paranapanema • Arco do desflorestamento –ou do “povoamento recente”
  • 73. Direitos efetivados com MST Assentamento Lagoa do Junco (continuação) Lugar para morar 4% Direito à propriedade 4% Direito à terra Direito de lutar por 17% um pedaço de De chegar perto chão de novos direitos 4% 4% Aposentadoria Direito de 4% participar 21% Bloco do produtor rural 4% Salário maternidade 8% Direito de ser cidadão Direito de plantar 13% 4% Igualdade entre os homens e as mulheres 13%
  • 74. MST As conjeturas históricas da construção do MST fundamentaram os três grandes pressupostos do Movimento, quais sejam: 1- terra; 2- reforma agrária; 3- mudanças gerais na sociedade. O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra está organizado em todo o país. As instâncias deliberativas são: - a) Congresso Nacional – ocorre a cada 5 anos; - b) Coordenação Nacional; - c) Direção Nacional; - d) Coordenação Estadual; - e) Direção estadual; - f) Coordenações Regionais; g) Coordenações dos Assentamentos e Acampamentos.
  • 75. MST A principal características do MST é a sua organização.  Números (http://www.mst.org.br ): Hodiernamente, o MST é atuante em 23 estados brasileiros. Envolve mais de 1,5 milhões de pessoas, sendo 300 mil famílias assentadas e 60 mil que ainda vivem em acampamentos. No ano de 2001, teve-se a quantidade de 585 acampamentos, nos quais participaram 75.730 famílias. No mesmo ano, o número de assentamentos foi o de 1.490, sendo 108.849 famílias assentadas.
  • 76. Grupos • Sem terra • REFORMA AGRÁRIA – MST – MLST – CONTAG • Fazendeiros: – UDR Necessidade urgente
  • 79. Posse da Terra Fonte: David Gibbs McGrath e Socorro Pena – ProVárzea/Ibama
  • 80. Conflitos Entre Usuários Fonte: David Gibbs McGrath e Socorro Pena – ProVárzea/Ibama
  • 81. Capacidade de Suporte Fonte: David Gibbs McGrath e Socorro Pena – ProVárzea/Ibama
  • 83. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 72 1) No mês de maio deste ano, desabaram sobre a sociedade brasileira cenas de uma dupla violência: a violência contra a terra, com a aprovação do Código Florestal na Câmara dos Deputados, e a violência contra a pessoa humana, com os assassinatos dos líderes camponeses Maria do Espírito Santo da Silva e José Cláudio Ribeiro da Silva, que se opunham ao desmatamento na Amazônia. Artigo de Dom Tomás Balduíno publicado no portal Santa Catarina 24 horas, no dia 6/9/11, adaptado. http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=79182 O campo brasileiro está, historicamente, marcado por conflitos que envolvem interesses opostos dos diversos atores sociais. Os recentes fatos apresentados estão relacionados ao/à(s) a) oposição entre ambientalistas que aprovam o Código Florestal e ruralistas que exigem ampliação das áreas para produção. b) ações que resultam em desmatamento e concentração fundiária, de um lado, e à defesa da floresta e da posse da terra pelos trabalhadores rurais, de outro. c) ampliação da área de reserva legal defendida pelo agronegócio na Amazônia, em detrimento das áreas agrícolas destinadas ao pequeno agricultor. d) expansão das áreas de preservação permanente (APP) nas margens dos rios, que favorecerá as comunidades extrativistas. e) embate entre os trabalhadores rurais sem-terra que defendem o Código Florestal e os latifundiários que veem a reserva legal como obstáculo.
  • 84. 2) A expansão da fronteira agrícola e a concentração da estrutura fundiária têm gerado conflitos pela posse da terra no Brasil. Sobre os principais conflitos a partir da década de 1970, analise as seguintes assertivas. I. A violência no campo está restrita aos conflitos entre posseiros ou pequenos proprietários de um lado, grileiros e empresários, do outro. II. As ocupações organizadas de terras e os acampamentos dos sem- terra vêm pressionando o governo para a desapropriação de terras e os assentamentos dos trabalhadores rurais. III. O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) se originou no Sul do país e vem se difundindo para outras regiões. Da análise das assertivas acima, é verdadeiro afirmar que: a) apenas I está correta. b) apenas II está correta. c) apenas I e II estão corretas. d) apenas II e III estão corretas. e) I, II e III estão corretas.
  • 85. DICA 73: A OBESIDADE NO MUNDO E NO BRASIL
  • 86. Aspectos Epidemiológicos da Obesidade no Brasil e no Mundo Fernando Botero
  • 87. OBESIDADE DOENÇA CRÔNICA FATORES: SOCIAIS AMBIENTAIS COMPORTAMENTAIS PSICOLÓGICOS METABÓLICOS GENÉTICOS
  • 88. CARACTERIZA-SE PELO ACÚMULO DE GORDURA CORPORAL PODENDO AFETAR A SAÚDE
  • 89. ÍNDICE DE MASSA CORPORAL “IMC” MÉTODO PARA ESTIMAR O EXCESSO DE PESO CORPORAL IMC = peso atual (kg) por altura² (m)
  • 90. CLASSIFICAÇÃO DO IMC CLASSIFICAÇÃO IMC Abaixo do peso Menor que 18,5 Peso Normal 18,5 – 24,9 Pré Obesidade 25,0 – 29,9 Obesidade Grau I 30,0 – 34,9 Obesidade Grau II 35,0 – 39,9 Obesidade Grau III Acima de 40,0
  • 91. 350 MILHÕES DE PESSOAS OBESAS NO MUNDO
  • 92. Prevalência global de adultos obesos (%) Homens Mulheres Obesidade Obesidade Continente País %IMC >30 %IMC >30 Brasil 8,9 13,1 America do Sul Argentina 19,5 17,5 Paraguai 22,9 35,7 Estados Unidos 31,1 33,2 America do norte Canadá 22,9 23,2 México 24,2 34,5 Inglaterra 23,6 24,4 Europa França 16,1 17,6 Portugal 15 13,4 Japão 2,3 3,4 Ásia China 2,4 3,4 Coréia do Sul 1,6 3 Australia 19,3 22,2 Oceania Nova Zelândia 24,7 26 Africa do Sul 8,8 27,4 Africa Etiópia - 0,7 Marrocos 8,2 21,7 Fonte: International obesity taskforce (IOTF)
  • 93. % 0 5 10 15 20 25 30 35 40 Br as il Ar ge nt in a Pa Es ra ta gu do ai sU ni do s Ca na dá M éx ico In gla te rr a Fr an ça Po rt u ga Países l Ja pã o Ch Co in ré a i ad o Su l Au st No ra v aZ lia el ân Af d ia r ic ad oS ul Et ió pia M ar r oc Prevalência global de adultos obesos (%) o s
  • 95.
  • 97. PAÍSES DESENVOLVIDOS • PORÇÕES MAIORES DE COMIDA • CULTURA E HÁBITOS • SEDENTARISMO
  • 98. PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO • AS TAXAS DE OBESIDADE EM PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO COMPETEM COM AS DOS EUA E DE OUTRAS NAÇÕES COM ALTA RENDA FAMILIAR • OFERTA DE ALIMENTOS MAIS CALÓRICOS E BARATOS • PROGRAMAS DO GOVERNO DE COMBATE À FOME • PROLIFERAÇÃO DAS GRANDES REDES DE SUPERMERCADOS • AUMENTO DO NÚMERO DE TELEVISORES E CARROS SENDO USADOS PELA POPULAÇÃO • A SUBNUTRIÇÃO DEU LUGAR A SUPERNUTRIÇÃO EM DECORRÊNCIA DA TRANSIÇÃO NUTRICIONAL
  • 99. Distribuição por região por sexo • Nota-se uma prevalência de obesidade maior no sexo feminino • Concentrando-se nas regiões Sul e Sudeste do país • Segundo estudos, alguns motivos para uma prevalência maior entre as mulheres se deve: - É devido a transformação de seu papel social nos últimos tempos; - Esta mais suscetível as influências dos padrões de beleza desencadeando distúrbios alimentares
  • 100. DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DA OBESIDADE POR IDADE • Estudo realizado pelo IBGE do estado nutricional da população adulta do Brasil com base em dados antropométricos levantados pela POF de 2002-2003. Adicionalmente, com base na mesma POF e em pesquisas anteriores realizadas no País nas décadas de 1970 e de 1980 revelaram: • Na faixa etária entre 20 aos 64 anos há um aumento crescente da na prevalência da obesidade, depois esses valores decaem, a partir dos 65 anos. • Na faixa etária de 20 a 24 anos encontra-se a menor prevalência da obesidade, 3,9%, e entre os 55 a 64 anos esta a maior prevalência da obesidade com 17,1%.
  • 101.
  • 102. DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DA OBESIDADE POR ESCOLARIDADE • Estudo realizando pelo MS/ Inca/SVS, sobre a prevalência da obesidade em uma população de estudo de 15 anos ou mais, em mais de 17 estados e DF, 2002-2003 e 2004-2005 revelaram: • O maior porcentual de obesos encontra-se entre as pessoas com o ensino fundamental incompleto, destacando na região sudeste São Paulo com 15,4% na região sul Porto Alegre com 18,3%; e na região centro-oeste Campo Grande com 13,7%. Comparando com aquele que apresentam ensino fundamental completo São Paulo com 9,4%; Porto Alegre com 9,7% e Campo Grande com 9,7%. • Porém na região nordeste esse porcentual mantém quase um equilíbrio como no em Natal onde 10,4% das pessoas obesas apresentam ensino fundamental incompleto e complete.
  • 103.
  • 104. VIGILÂNCIA EM SAÚDE • A Vigilância da Saúde tem o papel de articular entre as Secretarias Estaduais, Municipais, Ministério da Saúde e outros órgãos, a fiscalização e a análise de dados epidemiológicos, com o objetivo de tratar e melhorar a saúde da população, de um modo geral.
  • 105. AÇÕES DE VIGILÂNCIA • Análise das tendências temporais de morbidade e mortalidade; • Monitoramento dos fatores de risco (Inquéritos de saúde regulares e especiais); • Análise e crítica dos resultados e fontes de dados; • Indução e apoio a ações de promoção à saúde, prevenção e controle; • Monitoramento e avaliação das intervenções realizadas.
  • 106. PROJETO DE VIGILÂNCIA NUTRICIONAL INFANTIL DA OMS (Childhood Obesity Surveillance Initiative - COSI/OMS) • Consiste na elaboração de um sistema padronizado sustentável para o acompanhamento do estado nutricional dos alunos do ensino básico nas escolas da Europa, onde serão recolhidos sistematicamente os dados que irão ser analisados e interpretados, para que possam ser divulgadas as informações para utilização em ações de saúde pública, planejamento e avaliação. Os dados fornecidos pelo sistema irão ajudar a combater e controlar a epidemia da obesidade em crianças e avaliar o impacto das medidas de intervenção.
  • 107. AÇÕES DE CONTROLE • CGPAN (Coordenação Geral da Política da Alimentação e Nutrição) implementa ações de acordo com a Política Nacional de Alimentação e Nutrição • PNAN (Política Nacional de Alimentação e Nutrição) tem como propósito garantir a qualidade dos alimentos colocados para o consumo, a promoção e práticas alimentares saudáveis e a prevenção e o controle de distúrbios nutricionais.
  • 108. ESTRATÉGIAS DE PROMOÇÃO DE ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL: •Promoção da alimentação saudável (PAS) contribui para a prevenção e controle de doenças relacionadas à alimentação e nutrição como, por exemplo, anemia, hipovitaminose A, distúrbios por deficiência de iodo, desnutrição e também obesidade, diabetes, hipertensão, câncer. •Educação em Saúde - Estimula a população a buscar uma alimentação mais saudável.
  • 109. • O Plano Estadual ou Municipal de Alimentação e Nutrição a ser elaborado pelas Secretarias Estaduais e pelas Secretarias Municipais de Saúde e tem como objetivo descrever as ações que o Estado e/ou Município planejam realizar em 2009.
  • 110. Estratégia de Intervenção Educativa Título: Aprender a comer, comer para aprender Objetivo: Utilizando o ambiente escolar como veículo de propagação, este projeto visa uma educação nutricional informando à população e alertando sobre os malefícios de uma alimentação desequilibrada e rica em carboidratos e gorduras. Público alvo: Alunos do ensino fundamental de uma unidade de ensino público ou particular. Etapas e fase: 1° Fase: Abordagem do assunto sobre a temática de nutrição e doenças como hipertensão, diabetes e anemia pelos professores de ciências. 2° Fase: Avaliação do IMC e de ingestão calórica. Análise quantitativa e qualitativa dos alimentos ingeridos e o número de refeições. 3°Fase: Trabalho dos professores de educação física para o incentivo da prática de atividades físicas.
  • 111. 3°Fase: Trabalho dos professores de educação física para o incentivo da prática de atividades físicas. 4°Fase: Alteração das opções de alimentos oferecidas pela cantina ou lanchonete com adoção de frutas, lanches e sucos naturais re redução das opções dos alimentos gordurosos e calóricos. 5º Fase: Abordagem do assunto com a família para que os bons hábitos também sejam praticados no lar. 6º Fase: Oficinas e aulas multidisciplinares para auxiliar no estímulo e interesse dos alunos e familiares para a adoção de bons hábitos; tais como: oficinas culinárias com receitas saudáveis e alternativa e a elaboração de uma horta na escola. Tempos de duração: 06 meses à um ano dependendo do desenvolvimento dos resultados. Avaliação da estratégia: Nova avaliação do IMC e avaliação do cardápio
  • 112.
  • 113. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 73 LEIA O TEXTO I “A China sempre teve uma das menores taxas de obesidade do mundo. Até pouco tempo atrás, apenas 2% da população do país sofria com o excesso de peso. Na França, na Itália, na Inglaterra e no Japão a obesidade também não era vista como um problema de saúde relevante. Nos últimos anos, a população de obesos nesses países começou a crescer em ritmo preocupante. A questão é tão grave que, recentemente, a Organização Mundial de Saúde lançou um alerta no qual a obesidade é apontada como epidemia mundial. O problema aflige países ricos e pobres. Mesmo na África e na América Latina, onde ainda há muitas pessoas comendo aquém do necessário, a proporção de obesos está aumentando. Pesquisas apontam que até em comunidades indígenas cresce o número de obesos. Segundo as autoridades médicas, caso essa tendência não mude, uma das principais causas de mortalidade nos próximos anos serão as doenças associadas ao excesso de peso. Os estudos indicam que a obesidade se alastra em decorrência de uma combinação de hábitos alimentares pouco apropriados e quase nenhuma atividade física. Inventores do fast food e amantes das dietas ricas em açúcares e gorduras, os Estados Unidos foram os primeiros a sentir o problema. Numa fase seguinte, o mal atingiu o mundo todo. Há um outro detalhe que pesa na balança. No passado, os alimentos eram mais saudáveis e mais difíceis de encontrar. Hoje, é possível achar comida em qualquer esquina, a preços módicos. Já se provou que as pessoas ingerem uma quantidade significativamente maior de calorias. Para os médicos, embora o mal seja coletivo, a solução é individual. Eles sugerem às pessoas que sigam dietas mais balanceadas e que se dediquem às atividades físicas. Não há mágica. Pesquisas já provaram que com uma caminhada diária de apenas meia hora se reduz em 30% o risco de uma pessoa tornar-se obesa. Outra sugestão dos especialistas é observar as crianças. Estatísticas internacionais dão conta de que a doença chega cada vez mais às faixas mais jovens. Nos Estados Unidos, 15% das crianças são obesas.” (Uma Epidemia mundial. Veja, São Paulo, n. 1845, p. 94, mar. 2004.)
  • 114. Com base no texto, considere as afirmativas a seguir. I. O crescimento do número de obesos nos países subdesenvolvidos, como os da África e da América Latina, bem como em suas comunidades indígenas, reflete a equiparação dos padrões de consumo no planeta. II. A preocupação da comunidade médica acerca da obesidade deve-se ao fato de esta ser responsável por uma série de doenças fatais associadas ao excesso de peso. III. Segundo os médicos, dieta balanceada e atividades físicas são imprescindíveis para a prevenção da obesidade. IV. Como recomendação de profissionais, é necessário, além de tratar os adultos obesos, evitar o problema entre as crianças. Estão corretas apenas as afirmativas: a) I e II. b) I e III. c) III e IV. d) I, II e IV. e) II, III e IV.
  • 115. DICA 74: A OBESIDADE INFANTIL
  • 116. Obesidade na criança e no adolescente • Acúmulo de tecido gorduroso localizado ou generalizado produzido por desequilíbrio nutricional associado ou não a distúrbios genéticos e ou endocrinometabólicos. Projeto diretrizes
  • 117. MAPA MUNDI DA OBESIDADE ↑Itália e alemanha 15.3% - IMC > 95 30%-IMC85/95
  • 118. Obesidade Infantil em 2010 38% 50%
  • 119. Números da obesidade infantil- 1989 intermediária 2,5% 1,5 milhões de crianças : F - 5 % M – 4,8% 6,2% INAN 1991 7,2%
  • 120. Números da obesidade infantil ↑ 2.1% 3-5% há 2 décadas 10-15% atualmente (Jansen 2004) ↑ 5.8% 33% dos adolescentes até 15 anos ↑ 3.1% sobrepeso ( Gentile 2004)
  • 121. FISIOPATOLOGIA DA OBESIDADE ETIOLOGIA MULTIFATORIAL : Fatores genéticos Fatores ambientais Fatores comportamentais O tecido adiposo é um órgão endócrino e parácrino, que libera um grande número de mediadores bioativos, que influenciam não apenas a homeostase do peso corporal mas também a inflamação, a coagulação, a fibrinólise,o diabetes, a resistência insulínica, aterosclerose e algumas formas de câncer.
  • 122. GÊNESE DA OBESIDADE “TEORIA DO GEN ECONÔMICO”
  • 123.
  • 124. CAUSAS DE OBEDIDADE INFANTO -JUVENIL Obesidade primária (exógena multifatorial) Alterações endócrinas S. de Cushing Hiperinsulinismo Hipogonadismo Doença de Alright ( Hipotiroidismo *) Alterações Genéticas S. Turner S. Cohen S. Down S. Carpenter S. Prader Willi S. Alstrom S. Laurence-Moon-Bardet-Biedl Alterações Neurológicas Lesões cerebrais diversas Distrofias musculares Cirurgias ,traumatismos , pós-inflamação /QT Transtornos Psicológicos Bulimia Iatrogenia
  • 125. Fatores de risco Obesidade dos pais Sedentarismo Peso ao nascer Aleitamento materno Menarca menor que 11 anos Grau de instrução materna
  • 126. Diagnóstico e Classificação Bioimpedância elétrica (BIA) infravermelho (NIRI) Ultra-som (US) tomografia computadorizada (TC) Ressonância magnética (RM) DEXA(dual emission x-ray absorptimetria)
  • 127. peso Estatura Prega cutânea Circunferência abdominal Índice de massa corporal (IMC) Peso/estatura: peso real _____________________________ X 100 peso ideal para estatura no pecentil50 <10% : normal 110-120%:sobrepeso 121-140% :obesidade > 140% obesidade mórbida
  • 128. Circunferência abdominal em crianças Percentis para idade, raça e sexo ( Bogalusa heart Study) Percentual gordura >33% Percentual gordura <20% Cir.abd >71cm C. Abd <61 cm (risco cardiovascular) (Risco mínimo)
  • 129. Índice de Massa corporal meninos meninas NCHS,2000- www.cdc.gov/growthcharts.
  • 130. REPERCUSSÕES DA OBESIDADE Distúrbios Psicossociais Alterações Ortopédicas Alterações dermatológicas – Acantose Nigricans Alterações da Função Pulmonar Hiperinsulinismo Esteatose Hepática - Esteatohepatite Hipertensão Arterial Dislipdemias Alteração do Metabolismo da Glicose (Síndrome Metabólica)
  • 132. SINDROME METABÓLICA EM CRIANÇASE ADOLESCENTES INTOLERANCIA À GLICOSE É COMUM EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES OBESOS Sinha et al, NEJM, 2002 25% entre 4 – 10 anos 21% entre 11 – 18 anos <10% crianças com DM2 atingem controle glicemico sem medicação LWPES, 2000 (130 EP) – ins.(48%) vs oral(44%)
  • 133. Valores séricos de triglicerídeos e colesterol total e frações Colesterol total < 170 mg/dl HDL-c > 40 mg/dl (< 10 anos ) ≥ 35 mg/dl (10 – 19 anos) LDL-c < 110 mg/dl TG ≤100 mg/dl (<10 anos) ≤130 mmdl (10 – 19 anos) Kwiterovich,1989 Valores séricos de glicemia e insulinemia Glicemia de jejum < 126 mg/dL GTT 140 a 200 mg/dl (2 horas) Insulinemia < 15 mU/L Sperling M (2001); Yensel (2004); Weiss (2004)
  • 134. História natural da obesidade infantil: Pequeno para a idade gestacional (peso) Ganho de peso excessivo na infância Pubarca precoce Acantosis nigricans Estrias e ginecomastia Aumento de triglicerídeos Aterosclerose prematura - Hipertensão, SOP glomerulonefrite focal, DMT2 Predisposição para câncer Doença de Alzheimer
  • 135. O diagnóstico de obesidade é também um diagnóstico comportamental
  • 136. Pirâmide alimentar antes da intervenção diétetica
  • 137. Pirâmide alimentar após da intervenção diétetica
  • 138. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 74 O índice de massa corpórea (IMC) é uma medida que permite aos médicos fazer uma avaliação preliminar das condições físicas e do risco de uma pessoa desenvolver certas doenças, conforme mostra a tabela acima. Considere as seguintes informações a respeito de João, Maria, Cristina, Antônio e Sérgio. Nome Peso (kg) Altura (m) IMC João 113,4 1,80 35 Maria 45 1,50 20 Cristina 48,6 1,80 15 Antônio 63 1,50 28 Sérigio 115,2 1,60 45
  • 139. Os dados das tabelas indicam que a) Cristina está dentro dos padrões de normalidade. b) Maria está magra, mas não corre risco de desenvolver doenças. c) João está obeso e o risco de desenvolver doenças é muito elevado. d) Antônio está com sobrepeso e o risco de desenvolver doenças é muito elevado. e) Sérgio está com sobrepeso, mas não corre risco de desenvolver doenças.
  • 140. DICA 75: AS MUDANÇAS NA EUDCAÇÃO: O ONTEM E O HOJE NA ESCOLA
  • 141. A EDUCAÇÃO NO CENÁRIO DA CONTEMPORANEIDADE
  • 142. Como chegamos até a realidade que temos hoje? Que consequências a realidade e sua história trazem ao trabalho da instituição escolar? Como tudo isso impacta o meu trabalho como EDUCADOR?
  • 143. Da Sociedade Pré-Industrial à Sociedade Industrial Indicadores Sociedade Pré-Industrial Sociedade Industrial Capital; Geração de Riqueza Terra; Máquina; Mão de Obra. Matéria-prima; Mão de Obra. Deslocamento para as Agrupamento por Cidades; Modelo de atividade econômica; Família Nuclear, com os agrupamento humano Família Patriarcal, membros diferentemente numerosa. ocupados. Aprendizagem no trabalho, voltada para o Preocupada com as “fazer” imediato; necessidades da indústria: Educação da ler, escrever e calcular; Na Família, para as coisas População temporais; Fortalecimento da Escola Na Igreja, para as coisas Pública universalizada. da eternidade.
  • 144. Tudo isso ocorre à luz de outras transformações, em níveis mais profundos... Darwin, Marx e Freud
  • 145. De SENHOR DO MUNDO à descoberta do “irmão sol” e da “irmã lua”. O ser humano como parte da cadeia e do processo evolutivo. Charles Darwin 1809/1882
  • 146. Reconhecimento do OUTRO na CONVIVÊNCIA e na CIDADANIA Aquilo que somos não é algo HERDADO, mas sim, SOCIALMENTE CONSTRUÍDO. Karl Marx 1818-1883
  • 147. Transformações na SUBJETIVIDADE Grande parte do que somos se oculta no Sigmund Freud INCONSCIENTE. 1856-1939
  • 148. ESTÃO LANÇADAS AS BASES PARA UM OUTRO MODO DE VER A REALIDADE E REFLETIR SOBRE ELA...
  • 149. Da Sociedade Industrial à Sociedade Pós- Industrial Indicadores Sociedade Industrial Sociedade Pós-Industrial Capital; Informação capaz de Máquina; gerar Conhecimento Geração de Riqueza Matéria-prima; que gera novas Mão de Obra. Informações. Deslocamento para as Cidades superpovoadas, Cidades; com sentimentos de Modelo de Família Nuclear, com os isolamento. membros Novos modelos familiares agrupamento humano (especialmente, novos diferentemente papéis femininos). ocupados. Preocupada com as ne- Além de ler, escrever e Educação da cessidades da indústria: contar: ler, escrever e contar; - Aprender a ser; População - Fortalecimento da Escola Aprender a conviver; Pública universalizada. - Aprender a fazer; - Aprender a aprender.
  • 150. Que consequências a realidade e sua história trazem ao trabalho da instituição escolar? Como tudo isso impacta o meu trabalho na sala de aula?
  • 151. Subjetividade IDENTIDADE Aprender FRAGMENTAD a SER A Cidadania A ISOLAMENTO Aprender SOCIAL A CONVIVER Ação no Mundo Aprender TRABALHO FLEXÍVEL a FAZER J. Delors, 1998
  • 152. Aprender a SER Aprender A CONVIVER Aprender a FAZER APRENDER A APRENDER
  • 153. "Educação não transforma o mundo. Educação muda pessoas. Pessoas transformam o mundo". “Ninguém liberta ninguém, ninguém se liberta sozinho, as pessoas se libertam em comunhão.“ (Paulo Freire)
  • 154.
  • 155. E a SOCIOLOGIA? A Sociologia da Educação se ocupa dos fatos sociais relacionados com a educação:  a educação como processo social global que ocorre em toda a sociedade;  os sistemas escolares como parte do sistema social global;  a escola como unidade sociológica;  a sala de aula como subgrupo de ensino;  o papel do professor.
  • 156. E o que ela diz sobre a Educação? A educação é a ação pela qual as gerações adultas transmitem sua cultura às gerações mais jovens. ASSISTEMÁTICA SISTEMÁTICA Vida Escolas LDB 1 em geral
  • 157. E o que ela diz sobre a Educação? A Educação tem por função Socializar: integras as gerações imaturas na sociedade.
  • 158. E o que ela diz sobre a Educação? Desenvolver as sociedades em geral e os indivíduos em particular.
  • 159. Como a Educação Sistemática faz isso? Estabilidade Social
  • 163. EDUCAÇÃO Função Reprodutora Função Transformadora
  • 164. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 75 1) Leia o texto a seguir. A educação é a ação exercida, pelas gerações adultas, sobre as gerações que não se encontram ainda preparadas para a vida social; tem por objeto suscitar e desenvolver, na criança, certo número de estados físicos, intelectuais e morais, reclamados pela sociedade política, no seu conjunto, e pelo meio espacial a que a criança, particularmente, se destine. DURKHEIM, Émile. Educação e sociologia. São Paulo: Melhoramentos, 1972, p.41. Tomando em consideração a definição acima, é correto afirmar que, para Durkheim: a) a educação está relacionada ao processo de socialização. Através dela, as gerações mais novas internalizam as normas, valores e a moral da sociedade em que estão inseridas. Nesse sentido, é pela educação que a sociedade reproduz-se e se sustenta intergeracionalmente. b) a educação é essencialmente transformadora. A obra de Paulo Freire demonstra justamente como, através da educação, as gerações mais novas podem se emancipar e pensar autonomamente. c) a educação não ocorre somente nas escolas, dado que as escolas são uma invenção moderna. Antes dela, a educação ocorria, sobretudo, no ambiente do trabalho. d) toda forma de educação é contrária aos interesses da criança. A criança naturalmente quer brincar e se divertir. A escola acaba por tolher das crianças a sua pureza, obrigando-as a estudarem e assumirem responsabilidades que não são condizentes à sua faixa etária. e) a educação tende a fazer com que a sociedade se modifique, uma vez que os valores transmitidos às gerações mais novas são diferentes daqueles que as gerações mais antigas receberam.
  • 165. 2) Leia o texto a seguir: “O lado dramático e cruel da situação educacional brasileira está exatamente aí. O homem da camada social dominante tira proveito das deformações de sua concepção de mundo. Ao manter a ignorância, preserva sua posição de mando, com os privilégios correspondentes. O mesmo não sucede com o homem do Povo. As deformações de sua concepção de mundo atrelam-no, indefinidamente, a um estado de incapacidade, miséria e subserviência. Transformar essa condição humana, tão negativa para a sociedade brasileira, não poderia ser uma tarefa exclusiva das escolas. Todo o nosso mundo precisaria reorganizar-se, para atingir-se esse fim. No entanto, é sabido que as escolas teriam uma contribuição específica a dar, como agências de formação do horizonte intelectual dos homens.” (FERNANDES, Florestan. Educação e Sociedade no Brasil. In: TOMAZI, Nelson. Sociologia para o Ensino Médio. São Paulo: Atual, 2007, p. 155-156.) Considerando o que diz o trecho acima e as características da “instituição escolar”, assinale o que for correto. 1 - A escola é a instituição social responsável por promover, por meio da reorganização intelectual das classes dominantes, a transformação social. 2 - As diferenças culturais existentes na sociedade de classes favorecem as camadas dominantes que encontram, na escola, o reforço e a valorização de conhecimentos já compartilhados no espaço familiar. 3 - O homem do povo encontra, na escola, um espaço de valorização dos seus saberes, os quais se transformam em um componente fundamental de ingresso no mercado de trabalho na sociedade capitalista. 4 - Em uma sociedade de classes, os filhos das classes dominantes e populares desenvolvem, por meio da educação escolar, as mesmas competências e habilidades. 5 - Quando assumem a responsabilidade de agir sobre a formação intelectual humana, as escolas têm um alto potencial transformador. ESTÃO CORRETAS SOBRE O TEMA: a) Todas estão corretas b) Somente 1,3,5 estão corretas c) Somente 1,2,3 estão corretas d) Somente 1,2,4,5 estão corretas e) Somente 2,5 estão corretas
  • 166. DICA 76:O PRÉ-SAL: AS POSSIBILIDADES DO BRASIL DIANTE DESTAS RIQUEZAS
  • 167. PETRÓLEO - PRÉ-SAL UMA DESCOBERTA DE RESPEITO
  • 168. DADOS RELEVANTES • Pré-sal: área de rochas abaixo de uma camada de sal com cerca de 2 km de espessura e que vai do ES a SC • A novidade apareceu no dia 08 de nov. de 2007 • Na ocasião a Petrobras, tinha descoberto um MEGACAMPO de petróleo a 300 km do RJ • Este campo foi batizado como TUPI, e tinha de 5 a 8 bilhões de barris petróleo – mais da metade das reservas brasileiras
  • 169. NOVAS DESCOBERTAS • Em abril a Petrobras, confirmou novas descobertas no pré-sal na mesma bacia. • Foram batizadas como Pão de Açucar e Carioca e guardam um campo quase 5x maior do TUPI, com reservas estimadas em 33 bilhões de barris, podendo chegar a 70 bilhões de barris • Este campo corresponde ao terceiro maior campo de petróleo do mundo.
  • 170.
  • 172. DESAFIOS • A profundidade é de, em média, 2000 metros • Foi preciso furar a primeira camada de rochas: Pós-sal e depois perfurar mais 2 km para chegar ao mar de petróleo. • Somando temos poços com no mínimo 6 km de tubos.
  • 173. VALORES • Com o petróleo acima de US$ 100,00 representa um faturamento bruto diário US$ 600,00 milhões, ou US$ 18,bilhões mensais, ou ainda, US$ 216 bilhões anuais convertendo a US$ 368 bilhões. • Finalizando as reservas podem chegar 70 bilhões de barris
  • 174. SÍNTESE IMPORTANTE • A camada de pré-sal possui 800 km de extensão e 200 km de largura • A primeira área avaliada TUPI possui entre 5 a 8 bilhões barris • A camada de sal possui cerca de 2 mil metros de espessura e a profundidade chega a 7 mil metros abaixo da superficie do mar
  • 175. IDÉIAS • O Brasil produz hoje 2 milhões de barris por dia e isto nos dá auto- suficiência • Com o pré-sal podemos produzir 8 milhões, ou seja, de 5 a 6 milhões de barris poderiam ser exportados. • Em maio um banco suíço UBS calculou que seriam necessários cerca de US$ 600 bilhões de dólares para a extração total do petróleo, investimento dividido em 30 anos. • Se tivermos 50 bilhões de barris de petróleo, isso nos dá uma quantia de US$ 5 trilhões de doláres, tendo o barril a US$ 100,00 doláres na média.
  • 177. DADOS PARA EXTRAÇÃO É necessário investir em 5 frentes: • SERVIÇOS. • PESSOAL. • LOGÍSTICA. • PROCESSO DECISÓRIO. • NOVOS PRODUTOS.
  • 178. SERVIÇOS • Contratar 42 navios, 142 barcos de apoio e 40 sondas, respeitando a determinação de utilizar mais de 50% do conteúdo nacional. – O Brasil não tem condição de produzir todos estes equipamentos, sendo um desafio até mesmo para conseguí-los nos maiores países do mundo.
  • 179. PESSOAL • Contratar 14 mil funcionários só para trabalhar no pré-sal – hoje são 22mil funcionários ao todo. • Redesenhar a política de detenção de talentos. Hoje as ofertas de salário dos concorrentes para técnicos experientes chega a 45 mil reais por mês, a petrobras paga no máximo 15 mil reais mensais
  • 180. LOGÍSTICA • Rever o esquema de transporte de funcionários. Os helicópteros em uso tem autonomia para voar, lotados, todo o percurso ida e volta a 300 km da costa • Encontrar uma forma eficiente de trazer o petróleo e o gás até a costa. Os gasadutos disponíveis hoje, podem transportar 10 milhões de metros cubicos dia, no campo Tupi a produção pode chegar a 50 milhoes metros cúbicos dia.
  • 181. PROCESSO DECISÓRIO • Reformular o processo de decisão. Hoje qualquer contrato acima de 20 milhões de reais, tem que passar pelo aval da diretoria, o que atrasam os processos operacionais
  • 182. NOVOS PRODUTOS • Ampliar de dois para seis o número das refinarias até 2017
  • 183.
  • 184. PETRÓLEO NO BRASIL - AMAZONIA
  • 185. RESERVAS NO BRASIL – RIO GRANDE DO NORTE
  • 186. RESERVAS NO BRASIL - BAHIA
  • 187. RESERVAS NO BRASIL – RIO DE JANEIRO
  • 188. RESERVAS NO BRASIL – ESPÍRITO SANTO
  • 189. RESERVAS NO BRASIL – SANTA CATARINA
  • 190. Terra há 122 milhões de anos Fonte: FRAGA, Carlos Tadeu da Costa. O Pré-Sal e seus desafios. Audiência Pública no Senado Federal, Brasília. Outubro de 2008.
  • 191. Estromatólitos Shark Bay - Austrália O termo estromatólito provém do grego strôma, que significa "o que cobre" ou "tapete", e de líthos, que significa pedra. Um estromatólito é uma rocha formada por tapete de limo produzido por micróbios no fundo de mares rasos, que se acumula até formar uma espécie de recife. São fósseis que foram originados por bactérias e cianofitas que, ao captarem os carbonatos existentes nos meios onde viviam, e ao metabolizá- los, os depositavam nas suas membranas celulares e, assim, foram-se desenvolvendo em camadas sucessivas, alternando com partículas sedimentares sobre um substrato rígido. http://biovalsassina.blogspot.com/2007/03/estromatlitos.html
  • 192. Sistema petrolífero da Bacia de Santos Fonte: NEPOMUCENO, Francisco. Experiências da Petrobras no caminho do pré- sal. Rio Oil & Gas Conference, Rio de Janeiro. Setembro de 2008.
  • 193. Microbiolitos no Pré-Sal Fonte: FRAGA, Carlos Tadeu da Costa. O Pré-Sal e seus desafios. Audiência Pública no Senado Federal, Brasília. Outubro de 2008.
  • 194. Blocos licitados e possível província do Pré-Sal Parque das Baleias 800 km Cluster Fonte: NEPOMUCENO, Francisco. Experiências da Petrobras no caminho do pré- sal. Rio Oil & Gas Conference, Rio de Janeiro. Setembro de 2008.
  • 195. Fonte: LIMA, Haroldo. A ANP e os Desafios do Pré-Sal. Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados, Brasília. Novembro de 2008.
  • 196. Bacia de Santos A descoberta do Pré-Sal, faixa que se estende ao longo de 800 quilômetros entre o Espírito Santo e Santa Catarina, trouxe diversos desafios. O petróleo encontrado nessa área está a profundidades que superam os 5 mil metros, abaixo de uma extensa camada de sal. Chegar até esse óleo e trazê-lo para as plataformas são tarefas que exigem conhecimento e tecnologia. A Petrobrás é uma das empresas pioneiras em perfuração profunda, com décadas de experiência na operação dos campos brasileiros em águas profundas. Para ampliar esse trabalho, foi criado o Prosal (Programa Tecnológico para o Desenvolvimento da Produção dos Reservatórios Pré-Sal. O primeiro poço custou US$ 240 milhões e levou um ano para ser finalizado. “Os últimos foram feitos em 60 dias, a um custo de US$ 60 milhões. E este custo vem caindo”, assegura o diretor de Exploração e Produção da Petrobrás, Guilherme Estrella. “Isso mostra que estamos aprendendo”, conclui. Fonte: Revista Química e Derivados Edição nº 475 - Julho de 2008.
  • 197. Fora da área azul do Pré-Sal Iguaçu
  • 198. Cluster da Bacia de Santos Iara (BM-S-11) - 3 a 4 Parati bilhões de barris Carioca Júpiter Guará Corcovado Bem-te-vi Pão de açúcar Caramba Blocos retirados da Tupi (BM-S-11|) - 5 a 8 Rodada 9 bilhões de barris Fonte: Mapa da nona rodada de licitações elaborado pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis.
  • 199. Consórcios importantes do cluster Bem-te-vi Carioca Parati Parati Pão de açúcar Tupi e Iara (8 a 12 Corcovado Júpiter Caramba bilhões de barris) Obs.: as atuais reservas brasileiras são de 14 bilhões de barris Fonte: FORMIGLI, José. Pre-Salt Reservoirs Offshore Brazil: Perspectives and Challenges. Energy Conference, Miami. Novembro de 2007.
  • 200. Cluster da Bacia de Santos Iara (BM-S-11) - 3 a 4 bilhões de barris A ExxonMobil anunciou a descoberta de óleo no BM-S-22. Foi veiculado na imprensa que as reservas desse bloco podem ser maiores que a de Tupi. As reservas totais da ExxonMobil são de cerca de 23 bilhões de barris. Fonte: O Estado de São Paulo (22/01/2009) Blocos retirados da Tupi (BM-S-11|) - 5 a 8 Rodada 9 bilhões de barris Fonte: Mapa da nona rodada de licitações elaborado pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis.
  • 201. Bloco BM-S-11 (Petrobrás 65%, BG 25%, Petrogal 10%) Iara Iara (BM-S-11) - 3 a 4 bilhões de barris Tupi (BM-S-11|) - 5 Tupi a 8 bilhões de barris Bloco BM-S-22 (Pão de Açúcar) (ExxonMobil 40%, BG 40%, Petrobrás 20%) Segundo “analistas”, Pão de açúcar pode ter mais petróleo que Tupi.
  • 202. Teste de longa duração na área de Tupi FPSO Cidade de São Vicente, ancorado em lâmina d’água de 2.200 m, deve produzir primeiro óleo no dia 1º de maio. Fonte: FORMIGLI, José. Pre-Salt Reservoirs Offshore Brazil: Perspectives and Challenges. Energy Conference, Miami. Novembro de 2007.
  • 203. Piloto de produção da área de Tupi Fonte: FORMIGLI, José. Pre-Salt Reservoirs Offshore Brazil: Perspectives and Challenges. Energy Conference, Miami. Novembro de 2007.
  • 204.
  • 205. Estimativa de volume de petróleo recuperável: Parque das - reservatórios abaixo do sal: 1,5 a 2 bilhões de barris Baleias - reservatórios acima do sal: 2 bilhões de barris Fonte: NEPOMUCENO, Francisco. Experiências da Petrobras no caminho do pré- sal. Rio Oil & Gas Conference, Rio de Janeiro. Setembro de 2008.
  • 206. Poço do Pré-Sal 1-ESS-103A (60 mil barris por dia) 1.375 m Tipo de poço: vertical Distância da plataforma: 2,5 Km Produção: 18 mil bpd Distância do nível do mar até o reservatório: ~ 4.500 m Densidade: 30º API Fonte: FORMIGLI, José. Pre-Salt Reservoirs Offshore Brazil: Perspectives and Challenges. Energy Conference, Miami. Novembro de 2007.
  • 207. Dados dos poços do Pré-Sal no Parque das Baleias -Descobertas feitas em reservatórios do Pré-Sal abaixo dos campos de óleo pesado de Baleia Franca, Baleia Azul e Jubarte; -Volume recuperável estimado abaixo do sal: de 1,5 a 2 bilhões de barris de óleo equivalente (boe); -Os poços 6-BFR-1-ESS e 6-BAZ-1DB-ESS foram perfurados a cerca de 80 quilômetros da costa e a 5 e 6 km a norte e a sul, respectivamente, do poço descobridor 1-ESS-103A; -Camada de sal de até 700 metros e lâminas d'água de 1.348 e 1.426 m; -Reservatórios estão entre 4.200 e 4.800 metros de profundidade a partir do nível do mar; -Espessuras porosas com óleo de 190 e 300 metros.
  • 208. Pré-Sal do norte da Bacia de Campos Parque das Baleias Poço 1-APL-1- ESS (Consórcio Anadarko, Devon, Encana e SK)
  • 209. Produção de óleo no Pré-Sal Petrobrás e parceiros (mil bpd) A Petrobrás estima uma produção de óleo no Brasil, em 2020, de 3.920 mil bpd. 1.815 1.336 632 463 582 219 1.183 160 873 62 157 422 2013 2015 2017 2020 Pré-sal Petrobrás Pré-sal Parceiros
  • 210. Investimentos da Petrobrás no Pré-Sal até 2020 (bilhões de US$) 2009-2013 2009 -2020 Investimentos Petrobrás no Pré-Sal (Desenv. da 28,9 111,4 Produção) Pré-Sal Bacia de Santos 18,6 98,8 Pré-Sal Espírito Santo (inclui os campos do pós- 10,3 12,6 Sal)
  • 211. Brasil em um novo cenário - Os países detentores de grandes reservas contam, em geral, com uma empresa pública que atuam em nome do Estado, não em nome de acionistas - Segundo Paolo Scaroni, do grupo petrolífero italiano Eni, no incício da década de 1970, as grandes multinacionais controlavam cerca de 75% das reservas mundiais de petróleo e 80% de toda a produção; atualmente, controlam apenas 6% das reservas de petróleo e 35% da produção - Os contratos de partilha de produção, ou similares, são os mais utilizados pelos países detentores de grandes reservas - Quem representaria os interesses da União em contratos de partilha de produção?
  • 212. Atual marco legal e proposta de alterações
  • 213. CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 20. São bens da União: V - os recursos naturais da plataforma continental e da zona econômica exclusiva; § 1º - É assegurada, nos termos da lei, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios, bem como a órgãos da administração direta da União, participação no resultado da exploração de petróleo ou gás natural, de recursos hídricos para fins de geração de energia elétrica e de outros recursos minerais no respectivo território, plataforma continental, mar territorial ou zona econômica exclusiva, ou compensação financeira por essa exploração.
  • 214. CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 176. As jazidas, em lavra ou não, e demais recursos minerais e os potenciais de energia hidráulica constituem propriedade distinta da do solo, para efeito de exploração ou aproveitamento, e pertencem à União, garantida ao concessionário a propriedade do produto da lavra. § 1º A pesquisa e a lavra de recursos minerais e o aproveitamento dos potenciais a que se refere o "caput" deste artigo somente poderão ser efetuados mediante autorização ou concessão da União, no interesse nacional, por brasileiros ou empresa constituída sob as leis brasileiras e que tenha sua sede e administração no País, na forma da lei, que estabelecerá as condições específicas quando essas atividades se desenvolverem em faixa de fronteira ou terras indígenas.
  • 215. CONSTITUIÇÃO FEDERAL Art. 177. Constituem monopólio da União: I - a pesquisa e a lavra das jazidas de petróleo e gás natural e outros hidrocarbonetos fluidos; II - a refinação do petróleo nacional ou estrangeiro; III - a importação e exportação dos produtos e derivados básicos resultantes das atividades previstas nos incisos anteriores; IV - o transporte marítimo do petróleo bruto de origem nacional ou de derivados básicos de petróleo produzidos no País, bem assim o transporte, por meio de conduto, de petróleo bruto, seus derivados e gás natural de qualquer origem; V - a pesquisa, a lavra, o enriquecimento, o reprocessamento, a industrialização e o comércio de minérios e minerais nucleares e seus derivados, com exceção dos radioisótopos cuja produção, comercialização e utilização poderão ser autorizadas sob regime de permissão, conforme as alíneas b e c do inciso XXIII do caput do art. 21 desta Constituição Federal. § 1º A União poderá contratar com empresas estatais ou privadas a realização das atividades previstas nos incisos I a IV deste artigo observadas as condições estabelecidas em lei.
  • 216. CONSTITUIÇÃO FEDERAL § 1º A União poderá contratar com empresas estatais ou privadas a realização das atividades previstas nos incisos I a IV deste artigo observadas as condições estabelecidas em lei. § 2º A lei a que se refere o § 1º disporá sobre: I - a garantia do fornecimento dos derivados de petróleo em todo o território nacional; II - as condições de contratação; III - a estrutura e atribuições do órgão regulador do monopólio da União.
  • 217. CONSTITUIÇÃO FEDERAL O artigo 176 trata do caso geral (não se aplica a petróleo e minerais nucleares) O artigo 177 trata do monopólio da União na área petrolífera e nuclear I a IV - pesquisa, lavra, petróleo, refinação, importação e transporte de petróleo e gás natural V - a pesquisa, a lavra, o enriquecimento, o reprocessamento, a industrialização e o comércio de minérios e minerais nucleares § 1º A União poderá contratar com empresas estatais ou privadas a realização das atividades previstas nos incisos I a IV deste artigo observadas as condições estabelecidas em lei
  • 218. Lei 9.478 de 1997 (Lei do Petróleo) Art. 4º Constituem monopólio da União, nos termos do art. 177 da Constituição Federal, as seguintes atividades: I - a pesquisa e lavra das jazidas de petróleo e gás natural e outros hidrocarbonetos fluidos; II - a refinação de petróleo nacional ou estrangeiro; III - a importação e exportação dos produtos e derivados básicos resultantes das atividades previstas nos incisos anteriores; IV - o transporte marítimo do petróleo bruto de origem nacional ou de derivados básicos de petróleo produzidos no País, bem como o transporte, por meio de conduto, de petróleo bruto, seus derivados e de gás natural. Art. 5º As atividades econômicas de que trata o artigo anterior serão reguladas e fiscalizadas pela União e poderão ser exercidas, mediante concessão ou autorização, por empresas constituídas sob as leis brasileiras, com sede e administração no País.
  • 219. Lei 9.478 de 1997 (Lei do Petróleo) Art. 23. As atividades de exploração, desenvolvimento e produção de petróleo e de gás natural serão exercidas mediante contratos de concessão, precedidos de licitação, na forma estabelecida nesta Lei. Parágrafo único. A ANP definirá os blocos a serem objeto de contratos de concessão. Art. 26. A concessão implica, para o concessionário, a obrigação de explorar, por sua conta e risco e, em caso de êxito, produzir petróleo ou gás natural em determinado bloco, conferindo-lhe a propriedade desses bens, após extraídos, com os encargos relativos ao pagamento dos tributos incidentes e das participações legais ou contratuais correspondentes.
  • 220. Lei 9.478 de 1997 (Lei do Petróleo) Art. 27. Quando se tratar de campos que se estendam por blocos vizinhos, onde atuem concessionários distintos, deverão eles celebrar acordo para a individualização da produção. Parágrafo único. Não chegando as partes a acordo, em prazo máximo fixado pela ANP, caberá a esta determinar, com base em laudo arbitral, como serão eqüitativamente apropriados os direitos e obrigações sobre os blocos, com base nos princípios gerais de Direito aplicáveis.
  • 221. Resumo Constituição Federal de 1988: ⇒possibilitou à Petrobrás a continuidade do exercício do monopólio Emenda Constitucional nº 9/95: ⇒acabou com o monopólio da Petrobrás ⇒deu liberdade à União de contratar com empresas estatais ou privadas
  • 222. Lei nº 9.478 (Lei do Petróleo): ⇒instituiu o Conselho Nacional de Política Energética ⇒criou a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis ⇒estabeleceu a concessão como único instrumento para se explorar e produzir petróleo e gás natural no Brasil ⇒não regulamentou, de fato, os novos ditames constitucionais advindos da Emenda nº 9 ⇒ausência para critérios de unitização de campos que se estendam de áreas licitadas por áreas não licitadas
  • 223. Conclusões - A província petrolífera do Pré-Sal deve ter grandes reservas de petróleo, o que fará com que o Brasil ganhe destaque como uma potência petrolífera - Já foram perfurados 19 poços verticais (13 na Bacia de Santos e 6 no Norte da Bacia de Campos), com resultados muito promissores - Estimativas mais precisas do custo de produção na Bacia de Santos somente após os testes de longa duração e do projeto piloto de Tupi - Os custos de exploração do Pré-Sal no Norte da Bacia de Campos, no litoral do Espírito Santo, devem ser baixos - Houve grande redução nos custos de perfuração
  • 224. Conclusões - Deve haver grande volume de óleo recuperável em áreas não concedidas - O Brasil deve alterar seu marco legal - Deve haver a possibilidade de a União celebrar acordos de unitização - Deve haver a possibilidade de a União celebrar acordos de partilha de produção para exploração de áreas estratégicas como o Pré-Sal - É importante que seja criada uma empresa pública para representar a União em acordos de unitização e em contratos de partilha de produção - É preciso repensar o papel do “Serviço Geológico Brasileiro”
  • 225. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 76 1) Com base nas notícias amplamente veiculadas pela mídia acerca do pré- sal, assinale a única alternativa que não traz aspectos relevantes relacionados a esse tema. a) Discute-se sobre uma divisão equitativa dos lucros advindos da exploração do petróleo do pré-sal entre todos os estados da federação e não apenas entre os estados produtores. b) Discute-se sobre um novo marco regulatório que permita a exploração do petróleo em parceria com empresas estrangeiras, mas que mantenha a hegemonia do Estado brasileiro por meio de uma nova empresa estatal. c) Argumenta-se a favor da destinação dos lucros advindos da exploração do petróleo do pré- sal, com ênfase em programas sociais e ambientais. d) Questiona-se se os países membros da OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) aceitarão o Brasil como novo membro, já que o país pretende ser um exportador de petróleo bruto, mas ainda não o explora suficientemente para integrar a Organização. e) Questiona-se se a euforia do petróleo do pré-sal poderá enfraquecer o desenvolvimento dos biocombustíveis e de outras fontes alternativas.
  • 226. 2) Da geometria do espaço à política do território. A descoberta dos campos do pré-sal reacendeu os debates acerca dos critérios para a distribuição dos royalties da extração de petróleo na plataforma continental entre os estados e municípios brasileiros. Existem propostas de outras projeções geométricas que alterariam a distribuição dos royalties.
  • 227. Leia as frases abaixo sobre o tema: 1 - A escolha da projeção geométrica altera a relação entre a linha de costa e a área de provável ocorrência dos campos do pré-sal, relação na qual se baseia a distribuição dos royalties da atividade de exploração de petróleo e gás na plataforma continental no Brasil. 2 – A mudança na projeção geométrica ao alterar a distribuição territorial da compensação financeira por estados e municípios costeiros torna evidente que o critério geométrico não é neutro e sim sujeito a interesses políticos e econômicos sócio-territoriais. 3 – As possibilidades de exploração do petróleo do pré-sal, pode elevar a participação do Brasil na economia mundial, visto que possibilitará aumento de exportações. 4 – Como pode ser visto no mapa, os estados da região sudeste são os que mais poderão ser beneficiados, mesmo sabendo que as mudanças na distribuição dos royalties levarão alguns outros estados a serem mais privilegiados, segundo a lógica da projeção geométrica do pré-sal. ESTÃO CORRETAS SOBRE O TEMA: a) Todas estão corretas b) Somente 1,3,4 estão corretas c) Somente 1,2,3 estão corretas d) Somente 1,2,4 estão corretas e) Somente 2,4 estão corretas
  • 228. DICA 77: RESULTADOS DO CENSO IBGE – 2010
  • 229. QUESTÃO SIMULADA SOBRE O TEMA 77 1) Os resultados do CENSO DO IBGE, indicam várias mudanças no perfil do brasileiro: leia as frases síntese abaixo: * Brasileiros residem em 193 países estrangeiros * Censo contabiliza 133,4 mortes de homens para cada 100 óbitos de mulheres * 3,4% dos óbitos são de crianças menores de um ano e 43,9% são de idosos * Participação nos óbitos na faixa de 1 a 4 anos é 118,9% maior na área rural * Idade média é de 31,3 anos para homens e 32,9 para mulheres * Diminui pela primeira vez o número de pessoas que se declararam brancas * Cerca de 30% da população indígena de até 10 anos não tem registro de nascimento * Taxa de analfabetismo das pessoas de 15 anos ou mais cai de 13,6% para 9,6% entre 2000 e 2010 * 3,9% das crianças de 10 a 14 anos ainda não estavam alfabetizadas em 2010 * Distribuição de rendimento permanece desigual
  • 230. * Média de moradores por domicílio diminui conforme a renda aumenta * 38,7% dos responsáveis pelas unidades domésticas são mulheres * Domicílios próprios predominam nas áreas urbana e rural * Rede geral de abastecimento de água avança mais na zona rural * Esgotamento sanitário adequado cai na região Norte * Lixo é queimado em 58% dos domicílios rurais * Energia elétrica chega a 97,8% dos domicílios ESTÃO CORRETAS SOBRE O TEMA: a) Todas estão corretas b) Somente há 10 frases corretas c) Somente há 15 frases corretas d) Somente há 13 frases corretas e) Somente há 11 frases corretas
  • 231. 2) Analise o gráfico.
  • 232. A partir da análise dos dados apresentados no gráfico e de seus conhecimentos, é correto afirmar que: a) a curva populacional da região Nordeste apresenta crescimento acentuado a partir da década de 1970, superando a da região Sudeste. b) a região Sul manteve constante seus índices de crescimento populacional em todo o período analisado, espelhando um forte fluxo migratório para a região. c) a curva populacional da região Sudeste, a partir da década de 1980, apresenta um crescimento mais acelerado do que a curva populacional do Brasil. d) apesar de as regiões Nordeste e Sudeste, na década de 1940, possuírem números populacionais semelhantes, a curva da região Nordeste supera a da região Sudeste a partir da década de 1970. e) as regiões Norte e Centro-Oeste, em todo o período analisado, apresentaram comportamentos próximos em seus números absolutos de população. •
  • 233. DICA 78: AS FUSÕES NO MUNDO ATUAL: AS TENDÊNCIAS A OLIGOPOLIZAÇÃO DOS MERCADOS
  • 234. Introdução • • As primeiras fusões ocorreram nos EUA no Século XIX. • • As fusões constituem uma forma de as empresas tornarem-se mais competitivas no mercado internacional. • • O processo de fusão é complexo, exige visão e ponto de vista estratégico semelhante, bem como uma cultura organizacional compatível
  • 235. O caso da General Motors • A importância das fusões e aquisições na formação de grandes grupos – • Mercado automobilístico antes da General Motors... • Ford - – linha de produção /escala – Único Modelo – Custo Baixo • 1908 – Nasce a General Motors... Com a fusão das seguintes empresas: – Cadillac , Oldsmobile, Buick, Chevrolet , Pontiac • Caracteristicas da GM: – Consolidação das operações – Alto custo de produção – Independência das suas divisões – Diversidade de produtos Na decada de 20 a GM supera a Ford
  • 236. Fusões e Aquisições • - Brasil conglomerados 1967/69 - Formação de grandes diversificados • 1980/90 - Globalização, alavancagem • 1994/? - Fusões Estratégicas, ações • 1998 - Ano em que ocorreram grandes fusões em valor • 2001 - Grande redução no nível de atividade • 2004 - Retomada no mercado mundial
  • 237. Fusões • • Uma fusão ocorre quando duas empresas formam uma única e nova corporação por meio de um acordo mútuo. • • Continuam no mercado da mesma forma, porém, os recursos de investimento e os gastos são divididos entre si.
  • 238. Integração das pessoas e cultura organizacional • • Num processo de fusão, é importante que o comprador aja respeitosamente e comunique suas expectativas à empresa que está sendo adquirida ao final das negociações. • • A gerência adquirente deve analisar e reter o que há de melhor da cultura de cada empresa. • • Para tanto, ela deve realizar um planejamento para a integração das culturas.
  • 239. Integração das pessoas e cultura organizacional • • O compartilhamento de uma nova visão e a integração das pessoas exige que a nova empresa comunique à empresa comprada sobre: – As metas e objetivos da fusão – As oportunidades de carreira nas empresas combinadas – Os benefícios e a liberdade que serão dados à empresa adquirida em sua atuação
  • 240. Fusões no Brasil • • Principais fusões ocorridas no Brasil na década de 2000 – Petrobrás – Bradesco – Vale do Rio Doce – Grupo Pão de Açúcar – Votorantim – Unibanco
  • 241. • Os motivos que levaram os brasileiros a vender parte de suas empresas foram: – Falta de tecnologia – Dificuldade de acesso ao mercado exterior – Falta de competitividade global
  • 242. Transações de destaque - 2004 – HSBC Brasil • adquiriu as operações de financiamento ao consumo do Banco Indusval Multistock pagando R$371 milhões. – Petrobras • adquiriu a Eletrobolt por US$159 milhões a serem pagos em 30 parcelas + US$30 milhões daqui a sete anos. • comprou da Cemig uma participação de 40% do capital total da Gasmig, por R$144 milhões. – Cargill Agrícola S.A. • adquiriu o controle da Seara Alimentos S.A. que pertencia à Bunge Alimentos S.A. por cerca de US$130 milhões.
  • 243. Desvantagem das Fusões • • Dados mostram que fusões ou aquisições apresentam algumas desvantagens. • Ex: – Grandes empresas se tornam lentas, burocráticas e distantes dos clientes – Muitas fusões resultam mais de ambição do que de busca de eficiência – Muitas vezes as fusões tem objetivos predatórios – Muitas fusões resultam em fracassos quanto aos objetivos pretendidos – Diferenças de culturas organizacionais
  • 244. Fracassos das Fusões • • O fracasso das fusões geralmente estão • relacionados com: – Falta de planejamento na gestão e integração das pessoas – Complexidade na união das culturas – Retenção de talentos – Estilos e prática gerencial
  • 245. Desafios das Fusões • • Integrar cultura organizacional • • Conseguir adesão dos funcionários dos novos programas • • Conseguir adesão dos executivos no processo • • Manter a concentração dos funcionários • • Integrar benefícios • • Integrar culturas sociais • • Reter funcionários chave
  • 246. Aquisições • • Aquisição é uma transação pela qual uma empresa compra outra parcial ou integralmente e a transação é satisfatória para ambas as partes • • Grandes empresas crescem comprando outras de menor porte, geralmente descapitalizadas, pouca participação de mercado e baixa competitividade
  • 247. Desvantagem das aquisições • • Principais desvantagens das aquisições: – Empresas menores são engolidas por empresas maiores – Insegurança e conflito dos membros da empresa adquirida – Problemas de adaptação dos funcionários antigos às novas regras, normas e cultura – Funcionários demitidos ou remanejados
  • 248. Globalização • • A globalização é a unificação do mercado em escala mundial – Globalização financeira: intercomunicação dos mercados de capitais. Essa intercomunicação permitiu a fusão de valores (BMF e Bovespa) – Globalização produtiva: é a Internacionalização da produção
  • 249. Globalização • • Interdependência das nações • Os países não dispõem de todas as mercadorias necessárias a sua sobrevivência. – Dessa forma, uma nação pode: • Comprar de outra aquilo que ela não dispõe • Comprar de outra aquilo que fica mais barato do que produzir • Comprar produtos/serviços de alta tecnologia, que levam anos de pesquisa
  • 250. Globalização • • A interdependência também se justifica pela tecnologia e capital • • Países de Primeiro Mundo, que dispõem de mais recursos, aplicam em pesquisas, dessa forma, eles vendem Know-How e recebe royalties • • Os países carentes de capitais recebem investimentos externos de multinacionais, o que amplia a interdependência da economia mundial
  • 251. Globalização • • Dados mostram que a globalização apresenta as seguintes desvantagens: – Ainda não conseguiu realizar o crescimento mundial harmonizado – Os países ricos se beneficiam mais da globalização – Aumentou a desigualdade social-econômica – A concorrência quase se tornou predatória

Notas do Editor

  1. Ahora seran presentadas algunas informaciones referentes a las actividades y resultados recientes de la exploracion de Petrobras.