Compêndio do facão do guerreiro de selva 4 ed 13

654 visualizações

Publicada em

as diversas opções de facão

Publicada em: Governo e ONGs
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
654
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Compêndio do facão do guerreiro de selva 4 ed 13

  1. 1. CENTRO DE INSTRUÇÃO DE GUERRA NA SELVA DIVISÃO DE DOUTRINA E PESQUISA SEÇÃO DE PESQUISA COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 4ª Edição 2013
  2. 2. SEÇÃO DE PESQUISA – DDP – CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 4ª EDIÇÃO - 2013 “AOS HOMENS COMUNS, TAREFAS COMUNS; AOS GUERRAS NA SELVA, A PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA.” SAB, 2005 2 O Comandante do Centro de Instrução de Guerra na Selva, no uso das atribuições que lhe confere o regulamento do CIGS (R- 105), aprova em Bol Int 062, de 02 Abril de 2013, a quarta edição do COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA (FGS) com a seguinte epígrafe: COMPÊNDIO DO FGS (FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA) – Aprovação. a. Aprovo a quarta edição do compêndio do FGS (Facão do Guerreiro de Selva), elaborado pela Divisão de Doutrina e Pesquisa do CIGS. b. Determino que este compêndio entre em vigor na data de sua publicação. c. Revogo todas e quaisquer edições e publicações anteriores que tratem do assunto ora em tela. ALFREDO JOSÉ FERREIRA DIAS – Cel Cmt CIGS
  3. 3. SEÇÃO DE PESQUISA – DDP – CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 4ª EDIÇÃO - 2013 “AOS HOMENS COMUNS, TAREFAS COMUNS; AOS GUERRAS NA SELVA, A PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA.” SAB, 2005 3 ÍNDICE DOS ASSUNTOS CAPÍTULOS ITEM PÁGINAS 1 INTRODUÇÃO........................................................................... 4 1.1 Finalidade............................................................................. 1.2 Histórico................................................................................ 2 CARACTERIZAÇÃO DO FGS.................................................. 6 2.1 Apresentação....................................................................... 2.2 Descrição............................................................................... 2.3 Processo de fabricação...................................................... 2.4 Numeração............................................................................ 2.5 Afiação.................................................................................... 3 PROCESSO DE CONCESSÃO................................................. 17 3.1 Generalidades..................................................................... 3.2 O Processo............................................................................. 3.3 Situações especiais 3.3.1 Concessão a Autoridades e Instituições 3.3.2 Cerimônias em outras guarnições do EB 4 CERIMÔNIA DE CONCESSÃO............................................... 19 4.1 Generalidades...................................................................... 4.2 Sequência das ações........................................................... 4.3 Eventos.................................................................................... 4.4 Participação de convidados............................................. 5 TAPIRI E TRILHA DA MÍSTICA............................................ 22 5.1 Generalidades...................................................................... 5.2 Tapiri....................................................................................... 5.3 Trilha....................................................................................... ANEXO ÚNICO.......................................................................................... 24
  4. 4. SEÇÃO DE PESQUISA – DDP – CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 4ª EDIÇÃO - 2013 “AOS HOMENS COMUNS, TAREFAS COMUNS; AOS GUERRAS NA SELVA, A PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA.” SAB, 2005 4 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.1 FINALIDADE a. O compêndio do Facão do Guerreiro de Selva destina-se orientar procedimentos quanto à ritualística que envolve o artefato. b. Apresenta o FGS (Facão do Guerreiro de Selva) – um dos símbolos dos guerreiros de selva – e destina-se a orientar procedimentos diversos quanto à ritualística que envolve o artefato. c. O FGS é honraria específica e exclusiva concedida a especialistas em operações na selva e possuidores do COS, formados pelo Centro de Instrução de Guerra na Selva do Exército Brasileiro, mediante processo regulado neste compêndio. d. A todo não especializado e não possuidor do COS (militar, ex militar, civil, ou instituição) é facultado o FCS (Facão do Combatente de Selva), ou seja, autoridades e/ou instituições (militares ou não) que tenham contribuído com a mística que norteia o espírito dos guerreiros de selva da Amazônia Legal Brasileira e /ou representem, também, importantes vetores de difusão dos nobres valores do CIGS, do Comando Militar da Amazônia e do Exército Brasileiro. e. Aqueles que se enquadram nas condicionantes da alínea anterior estão norteados pelo exclusivo escopo discricionário do Cmt do CIGS. f. A responsabilidade pelo processo de concessão do FGS é da Divisão de Doutrina e Pesquisa (DDP), cabendo ao Chefe da Seção de Pesquisa o seu gerenciamento. g. A ritualística do FGS está inserida no campo da mística dos guerreiros de selva. É o produto final de um processo que se inicia com o manifesto interesse de um guerreiro de selva em portá-lo – ou do próprio CIGS em concedê-lo a determinado(s) guerreiro(s) de selva – e termina com a cerimônia de concessão, conduzida, prioritariamente, no CICIGS (Campo de Instrução do CIGS).
  5. 5. SEÇÃO DE PESQUISA – DDP – CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 4ª EDIÇÃO - 2013 “AOS HOMENS COMUNS, TAREFAS COMUNS; AOS GUERRAS NA SELVA, A PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA.” SAB, 2005 5 1. 2 HISTÓRICO a. Às tropas de elite mais famosas do mundo estão associados facas ou facões que as identificam. É usual, no encontro de camaradas de Forças Armadas amigas, a mostra recíproca desse emblemático artefato que, de certo modo, revela o significado histórico das corporações que integram. b. Os guerreiros de selva formados pelo CIGS, desde o curso pioneiro em 1966, passaram a constituir, incontestavelmente, um grupo diferenciado no contexto do Exército Brasileiro. Entretanto, até o ano 2003, faltava-lhes a materialização do símbolo de um de seus principais instrumentos de trabalho e de combate – um facão personalizado. c. A partir dessas considerações, aproveitando o ensejo das comemorações dos 40 anos de criação do CIGS em 2004, foi desenvolvido o Projeto Facão do Guerreiro de Selva, que teve como premissas a saber: 1) A inspiração histórica na lâmina de duplo corte de facão modelo CIGS existente na década de 80; 2) Conter miniatura de cabeça de onça; 3) Conter o brevê do especialista em operações na selva; e – 4) Serem a lâmina e os adereços de alta qualidade. d. Assim, surgiu o FGS M2004 ZAKHAROV, havendo distinção na cruzeta do facão, sendo dourado para oficiais e prateado para ST e Sgt. O modelo perdurou até o ano seguinte, com 92 guerreiros de selva agraciados. e. Em 2005, o FGS foi aperfeiçoado em beleza e qualidade a partir da mudança do fabricante, passando a denominar-se FGS M2006 RICARDO VILAR. Algumas especificações técnicas foram alteradas, sendo a mais aparente o acobreamento do brevê do especialista, traduzindo a interação das categorias dos cursos de todos os tempos. Preservou-se, no entanto, as mesmas premissas que nortearam o FGS M2004. Tal modal perdurou entre 2006 e 2009. f. A partir do ano de 2010, o CIGS retornou ao modal ZAKHAROV, vigente atualmente. g. No ano de 2012, o CIGS desenvolveu o Projeto Facão “Onça Preta” (FGS M2012 RICARDO VILAR), inovador por ser uma peça única, em aço temperado, com a cruzeta tendo o brevê em bloco também único, seguido por uma cabeça de onça, tudo na cor negra.
  6. 6. SEÇÃO DE PESQUISA – DDP – CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 4ª EDIÇÃO - 2013 “AOS HOMENS COMUNS, TAREFAS COMUNS; AOS GUERRAS NA SELVA, A PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA.” SAB, 2005 6 h. Os modais FGS M2010 ZAKHAROV (ONÇA DOURADA) e FGS M2012 RICARDO VILAR (ONÇA PRETA) coexistem atualmente, cabendo ao pretendente a recipiendário realizar sua escolha individualmente. i. Este último modelo (FGS M2012) serviu de base para o FCS (Facão do Combatente de Selva), que contém a mesma lâmina e cabo ergonômico confeccionado em material dotado de alta resistência, porém destinado à entrega ao seguinte público: 1) Indivíduos e⁄ou Instituições discriminadas na alínea “d” do item 1.1 FINALIDADE do CAPÍTULO 1; e – 2) Cb e Sd Aux das Divisões de Ensino e Doutrina e Pesquisa do CIGS. Figura 01. Facão do Guerreiro de Selva - FGS FGS M2004 ZAKHAROV (Modelo vigente até 2005) Figura 02. Facão do Guerreiro de Selva - FGS FGS M2006 RICARDO VILAR (Modelo vigente entre 2006 e 2009) Nome gravado na base do cabo Nome gravado na lâmina Brevê acobreado, representando a união dos Guerreiros de Selva de todas as categorias. Brevê da categoria de COS
  7. 7. SEÇÃO DE PESQUISA – DDP – CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 4ª EDIÇÃO - 2013 “AOS HOMENS COMUNS, TAREFAS COMUNS; AOS GUERRAS NA SELVA, A PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA.” SAB, 2005 7 Figura 03. Facão do Guerreiro de Selva - FGS FGS M2010 ZAKHAROV (Modelo vigente atualmente) Figura 04. Facão do Guerreiro de Selva - FGS FGS M2012 RICARDO VILAR (Modelo coexiste atualmente com o FGS M2010)
  8. 8. SEÇÃO DE PESQUISA – DDP – CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 4ª EDIÇÃO - 2013 “AOS HOMENS COMUNS, TAREFAS COMUNS; AOS GUERRAS NA SELVA, A PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA.” SAB, 2005 8 Figura 05. Facão do Combatente de Selva - FCS Destinado aos não especializados (militares ou não) indicados pelo Cmt CIGS e aos Cb e Sd Aux das Divisões de Ensino e Doutrina e Pesquisa do Centro Foram entregues 21 FCS na 43ª Cerimônia (21Jun11) e 20 FCS na 44ª (28Jun11), ambas na BI2. CAPÍTULO 2 CARACTERIZAÇÃO DO FGS 2. 1 APRESENTAÇÃO a. O FGS é um facão de mato (terçado), representativo do guerreiro de selva, concedido pelo Centro de Instrução de Guerra na Selva àqueles que concluíram com aproveitamento o Curso de Operações na Selva – e conquistaram o direito de ostentar no peito o brevê da “Cara da Onça”. b. O Facão do Guerreiro de Selva alude ao pioneiro Comandante do CIGS – Cel Jorge Teixeira de Oliveira, o “Teixeirão” – cuja empreendedora ação de comando serve de inspiração às sucessivas gerações de guerreiros de selva. O FGS de numeração 001 é, simbolicamente, o FGS do 1º Cmt CIGS.
  9. 9. SEÇÃO DE PESQUISA – DDP – CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 4ª EDIÇÃO - 2013 “AOS HOMENS COMUNS, TAREFAS COMUNS; AOS GUERRAS NA SELVA, A PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA.” SAB, 2005 9 c. O Facão do Guerreiro de Selva tem dupla finalidade: 1) É aplicado nas atividades militares, por conta da excelente qualidade de sua lâmina e de outros requisitos desejáveis ao combate e a vida na selva; 2) E, também, constitui-se em objeto de grande valor representativo das fortes emoções vivenciadas na Amazônia, uma joia militar, a ser guardada em local de destaque na galeria de lembranças da carreira das armas. 2.2 DESCRIÇÃO a. Modal ZAKHAROV O FGS M2010 é constituído de lâmina em metal preto-fosco, de alta resistência, de duplo corte – um inferior e maior (principal) e outro superior e menor, em formato de meia lua com acabamento preto fosco que consiste em uma pintura de teflon com uma secagem submetida a uma temperatura de 240º C e, em seguida, administrada uma fosfatização a frio. Em um dos lados da lâmina é grafado as inscrições do nome de guerra do combatente, seu número de guerreiro de selva, categoria e ano de curso e está prensado a logomarca “ZAKHAROV”, do fabricante. Na outra face da lâmina, estão grafados “CIGS” e o número de série do facão. Na extremidade do cabo, uma cabeça de onça, em metal dourado, voltada para o corte principal, representando o animal-símbolo da guerra na selva. O cabo é em madeira da árvore guajuvira, resistente a umidade e tensões. Na cruzeta, em metal fosco, acobreado, incrustado em ambas as faces, o brevê do especialista em operações na selva. b. Modal RICARDO VILAR O FGS M2012 é constituído de lâmina em metal preto-fosco, de alta resistência, de duplo corte – um inferior e maior (principal) e outro superior e menor, em formato de setor circular com acabamento preto fosco nas mesmas condições do modelo anterior. Em um dos lados da lâmina é grafado o número de série do facão e o símbolo oficial do CIGS.
  10. 10. SEÇÃO DE PESQUISA – DDP – CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 4ª EDIÇÃO - 2013 “AOS HOMENS COMUNS, TAREFAS COMUNS; AOS GUERRAS NA SELVA, A PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA.” SAB, 2005 10 Na outra face da lâmina, prensado a logomarca “R. VILAR”, do fabricante. Na extremidade do cabo, uma cabeça de onça, em aço negro, voltada para o corte principal, representando o animal- símbolo da guerra na selva. O cabo também é em madeira resistente a umidade e tensões. Na cruzeta, forjado em aço negro em ambas as faces, o brevê do especialista em operações na selva. b. Dados técnicos Tabela Nr 01. Dados técnicos FGS modais ZAKHAROV e RICARDO VILAR DADOS TÉCNICOS MODAIS ZAKHAROV R VILLAR Sigla FGS M2010 FGS M2012 Alcunha Onça Dourada Onça Preta Cuteleiro Sr Zakharov Filho Sr Ricardo Ferreira Vilar UF MG SP Lâmina Aço-Cromo- Molibidênio Aço temperado SAE 1070 Comprimento 300 mm 290 mm Comprimento total 460 mm 443 mm Peso 650 g 650 g Cabo 1 3 Bainha 2 4 1 Cabeça de onça em latão; haste em madeira guajuvira e cruzeta em latão fundido. 2 Em couro legítimo, com a logomarca do brevê de Guerra na Selva que é usado no gorro de pala do uniforme. 3 Cabeça de onça e cruzeta em aço temperado; haste em madeira guajuvira. 4 Em couro legítimo, com a logomarca do brevê de Guerra na Selva que é usado no gorro de pala do uniforme.
  11. 11. SEÇÃO DE PESQUISA – DDP – CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 4ª EDIÇÃO - 2013 “AOS HOMENS COMUNS, TAREFAS COMUNS; AOS GUERRAS NA SELVA, A PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA.” SAB, 2005 11 Figura 06. Portabilidade do FGS 2.3 FABRICAÇÃO DO FACÃO (Etapas) Os dados da tabela Nr 02 a seguir permitem uma visualização do quão demorado e minucioso é o processo de produção do FGS. Tabela Nr 02. Etapas do processo de produção de 01 peça do FGS ORDEM ETAPA OBS 01 Aquisição da chapa de aço Especificação SAE 1070 02 Corte da chapa de aço - 03 Corte do perfil - 04 Tratamento térmico das lâminas Aquecimento; após resfriamento 12 horas 05 Gravação das lâminas - 06 Desbaste das lâminas 50 minutos por lâmina 07 2º tratamento térmico das lâminas 2 h por lâmina 08 Limpeza da lâmina - 09 3º tratamento térmico das lâminas Aquecimento a 230º C 10 Pintura das lâminas - 11 Colocação do conjunto pomo Com cabeça de onça, cruzeta e brevê Op Sl 12 Preparação do cabo de madeira Madeira guajuvira 13 Fabricação da bainha de couro 3 h por bainha 14 Montagem do facão - 15 Gravação do facão -
  12. 12. SEÇÃO DE PESQUISA – DDP – CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 4ª EDIÇÃO - 2013 “AOS HOMENS COMUNS, TAREFAS COMUNS; AOS GUERRAS NA SELVA, A PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA.” SAB, 2005 12 Por conta do exposto na tabela Nr 02 anterior, o DAMEPLAN de tempo entre o pedido centralizado pelo CIGS enviado para o fabricante e a chegada da correspondente remessa a Manaus é de 45 (quarenta e cinco) dias. Figura 07. FGS montado 2. 4 NUMERAÇÃO a. Os FGS são numerados em sua lâmina, em ordem crescente, a laser industrial. b. O FGS 001 é simbólico, não apresentado as características técnicas do FGS M2010. Trata-se de uma réplica de um facão esculpido em madeira, simbolizando o FGS do Sr Cel Jorge Teixeira de Oliveira, primeiro Comandante do CIGS. c. A numeração que vai do FGS 001 ao FGS 050 está reservada para os Comandantes do CIGS, obedecendo à ordem cronológica no comando do CIGS. 2.5 AFIAÇÃO a. 1º Processo - com a pedra apoiada 1) Primeiro passo - Empunhar o facão com a mão forte sob um ângulo de 30º em relação à pedra, que deve estar molhada; realize um movimento como se “cortasse a pedra” no sentido cruzeta - ponta.
  13. 13. SEÇÃO DE PESQUISA – DDP – CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 4ª EDIÇÃO - 2013 “AOS HOMENS COMUNS, TAREFAS COMUNS; AOS GUERRAS NA SELVA, A PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA.” SAB, 2005 13 Figuras 08-10. Afiação do FGS 1º processo passo 1 2) Segundo passo - Com a pegada invertida, sob um ângulo de 30º, faz-se o mesmo movimento conduzindo o facão contra a pedra, conforme figuras 11-13 a seguir. b. 2º Processo - com a pedra tipo lima 1) Neste processo, o facão fica apoiado e o que se movimenta é a pedra de amolar, que se movimenta no sentido cruzeta – ponta, conforme figuras 14-16 a seguir.
  14. 14. SEÇÃO DE PESQUISA – DDP – CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 4ª EDIÇÃO - 2013 “AOS HOMENS COMUNS, TAREFAS COMUNS; AOS GUERRAS NA SELVA, A PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA.” SAB, 2005 14 2) Coloca-se a pedra molhada sob uma inclinação aproximadamente de 30º em relação ao facão e realiza-se um movimento circular por toda a lâmina, na direção cruzeta – ponta, conforme figuras 17-19 a seguir. c. Após a afiação - Após a afiação, deve-se “chairar” a lâmina, realizando o assentamento fino do fio, procedendo da seguinte forma: 1) Para “chairar”, deve-se passar a lâmina na palma da mão, como se estivesse “passando manteiga no pão”, de um lado para o outro, sempre tendo o cuidado ao encostar a lâmina na palma da mão e ao virar de lado para evitar acidente.
  15. 15. SEÇÃO DE PESQUISA – DDP – CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 4ª EDIÇÃO - 2013 “AOS HOMENS COMUNS, TAREFAS COMUNS; AOS GUERRAS NA SELVA, A PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA.” SAB, 2005 15 2) Se durante o processo de afiação estiver sendo riscado o preto fosco, além da área do fio pré-determinada, a afiação estará sendo realizada de maneira incorreta, devendo ser utilizada apenas a rampa de afiação de cor prateada (fio da lâmina), conforme figuras 20-21. Figuras 22 -23. Trabalhos na selva utilizando o Facão do Guerreiro de Selva CAPÍTULO 3 PROCESSO DE CONCESSÃO DO FGS 3.1 GENERALIDADES a. O Processo de Concessão do FGS tem início com a declarada manifestação do interessado na aquisição do artefato. O processo é finalizado com seu recebimento realizado na Cerimônia de Concessão, prioritariamente no CICIGS (Base de Instrução nr 2, Plácido de Castro, no Tapiri da Mística). b. A responsabilidade pelo processo de concessão do FGS é da Divisão de Doutrina Pesquisa (DDP), cabendo ao Chefe da Seção de Pesquisa ou a um Oficial Guerreiro de Selva, indicado pelo comandante do CIGS, o gerenciamento do processo de aquisição e condução da cerimônia.
  16. 16. SEÇÃO DE PESQUISA – DDP – CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 4ª EDIÇÃO - 2013 “AOS HOMENS COMUNS, TAREFAS COMUNS; AOS GUERRAS NA SELVA, A PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA.” SAB, 2005 16 c. A fim de estar apto ao recebimento do FGS, o militar deverá: 1) Ser especialista em operações na selva possuidor do COS pelo Centro de Instrução de Guerra na Selva do Exército Brasileiro; 2) Ter exemplar conduta militar à luz dos ditames castrenses de hierarquia e disciplina; 3) Ter ilibada conduta civil condizente com sua permanente situação de militar do Exército Brasileiro; e – 4) Ser, no âmbito dos demais camaradas da selva, reconhecido como um Guerreiro de Selva capacitado para cultuar, difundir e preservar os verdadeiros valores da mística da Guerra na Selva. 3. 2 O PROCESSO DE AQUISIÇÃO: a. Estabelecer contato com a Seção de Pesquisa do CIGS pelos modais: 1) Telefax: (92) 21256402 2) Telefone celular: (92) 91268422 3) email: facaocigs@gmail.com b. O militar interessado deverá escolher qual dos 02 (dois) FGS deseja adquirir; c. Para maiores detalhes sobre as características, valores, formas de pagamento, garantia e nota fiscal dos facões, acessar os “links” dos fabricantes anteriormente discriminados. 1) FGS M2010 ZAKHAROV ONÇA DOURADA: http://www.zakharov.com.br/facaocigs.html 2) FGS M2012 RICARDO VILAR ONÇA PRETA: http://www.rvilarknives.com.br d. Realizar depósito bancário direto na conta do fabricante, conforme escolha. e. Enviar uma cópia do comprovante de depósito para o e-mail facaocigs@gmail.com, junto com os dados adicionais constantes da tabela Nr 03, a seguir. f. O CIGS procederá a encomenda do FGS junto ao fornecedor escolhido pelo militar. g. O DAMEPLAN DE TEMPO ENTRE A ENCOMENDA FEITA PELO CIGS E O RECEBIMENTO DOS FGS É DE 45 (QUARENTA E CINCO) DIAS. O CIGS NÃO TEM QUALQUER INFLUÊNCIA SOBRE ESTE ASPECTO HAJA VISTA O MESMO SER PRODUTO DO PROCESSO TÉCNICO POR PARTE DO FABRICANTE.
  17. 17. SEÇÃO DE PESQUISA – DDP – CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 4ª EDIÇÃO - 2013 “AOS HOMENS COMUNS, TAREFAS COMUNS; AOS GUERRAS NA SELVA, A PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA.” SAB, 2005 17 Tabela Nr 03. Relação de dados adicionais do recipiendário h. Recebimento dos facões pelo CIGS. i. Os agraciados serão informados da data da cerimônia que ocorrerá em Manaus na Base de Instrução Nr 2, no Tapiri da Mística. Para concessão de FGS fora da Guarnição de Manaus, verificar o item 3.3 a seguir. j. Cerimônia de Concessão conduzida pela DDP. k. Prescrições diversas 1) É publicado em BI da OM o evento, constando os nomes de todos os recepiendários. 2) É inserido na página do CIGS na internet fotos do evento. 3) CIGS manuseia apenas o comprovante de depósito do recipiendário na conta do fabricante escolhido como forma de controle; em hipótese alguma serão manuseados valores de natureza alguma. 4) Valores de qualquer espécie têm trâmite apenas entre recipiendário e fabricante. 5) Qualquer que seja o modelo escolhido de fabricante, este último não tem autorização do CIGS para remeter o FGS diretamente ao recipiendário, salvo os casos específicos julgados pelo Cmt do CIGS.. 6) O discriminado no item anterior só ocorrerá caso o recipiendário ajuste os procedimentos específicos com o CIGS por meio do email já discriminado. Posto/Grad AQS Nome Completo (Nome de Guerra em negrito) OM Gu Nr GS COS Catg Ano de realização do COS 2º Sgt Inf Xexuá Bacaba Uarini CIGS Manaus, AM 6001 C 2013 Email: Ctt VIVO: Ctt TIM: End para correio:
  18. 18. SEÇÃO DE PESQUISA – DDP – CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 4ª EDIÇÃO - 2013 “AOS HOMENS COMUNS, TAREFAS COMUNS; AOS GUERRAS NA SELVA, A PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA.” SAB, 2005 18 7) As datas para realização da cerimônia serão informadas tão logo se autorize sua divulgação pelo Cmt CIGS, sempre respeitando a necessária antecedência devido ao prioritário deslocamento para Gu de Manaus. 3.3 SITUAÇÕES ESPECIAIS 3.3.1 Concessão a autoridades e/ou instituições a. Conforme já disposto neste compêndio, o FGS é honraria específica e exclusiva dos especializados em operações na selva possuidores do COS pelo CIGS do Exército Brasileiro b. A qualquer Indivíduo e⁄ou Instituição que não se enquadre nas condicionantes da alínea anterior, será facultado o FCS, Facão do Combatente de Selva. O mesmo, portanto, será concedido a autoridades e instituições que tenham contribuído com a mística que norteia espírito dos Guerreiros de Selva e/ou representem importantes vetores de difusão dos nobres valores do CIGS, do Comando Militar da Amazônia e do Exército Brasileiro. c. Essas autoridades – nacionais e estrangeiras – não necessariamente serão militares e ou guerreiros de selva. d. O CIGS providencia a concessão, convidando o homenageado ou representante de instituições a receber a honraria em cerimônia especial, arcando com as despesas da aquisição. e. A Cerimônia de Concessão é adaptada às circunstâncias, não requerendo, necessariamente, que seja conduzida no CICIGS. f. Aqueles que se enquadram nas condicionantes deste item estão norteados pelo exclusivo escopo discricionário do Cmt do CIGS. 3.3.2 Cerimônias de concessão fora da Guarnição de Manaus a. Considerando as peculiaridades da Guarnição de Manaus em termos de distância e, principalmente, excentricidade do eixo centro-sul do país, desde que devidamente autorizado pelo Cmt CIGS, a cerimônia de concessão pode ser realizada em outras (e quaisquer) guarnições do Exército Brasileiro. b. Para tanto, é necessária a existência de uma demanda mínima de 10 (dez) recipiendários na Gu de destino.
  19. 19. SEÇÃO DE PESQUISA – DDP – CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 4ª EDIÇÃO - 2013 “AOS HOMENS COMUNS, TAREFAS COMUNS; AOS GUERRAS NA SELVA, A PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA.” SAB, 2005 19 c. Junto com isso, faz-se necessária a concessão de passagens aéreas para 01 (um) Instrutor, 01 (um) Monitor e (01) Cb/Sd Aux. d. Ressalte-se ainda, o necessário Ap Log Mdt os ajustes prévios com o militar de ligação na Gu de destino, normalmente o Cmt OM dos recipiendários ou o E5 GU local. e. Segue-se na tabela Nr 03, uma visualização das cerimônias já realizadas fora da Gu Manaus. Tabela Nr 04. Visualização das cerimônias de concessão do FGS realizadas fora da Guarnição de Manaus biênio 2011-2012. CAPÍTULO 4 CERIMÔNIA DE CONCESSÃO 4.1 GENERALIDADES a. A concessão do FGS é realizada em cerimônia especial no Tapiri da Mística, na Base de Instrução Plácido de Castro (BI2) do CIGS. b. O Cmt do CIGS define a data da realização da cerimônia, assessorado pelo Ch DDP. Procura-se, normalmente, atender a datas comemorativas. c. Na semana do Guerreiro de Selva, a cerimônia de concessão do FGS estará prevista dentre as demais planejadas pelo S3/CIGS. CERIMÔNIA DATA QTD ZAKHAROV RICARDO VILAR LOCAL 47ª 11/09/2011 53 53 00 AMAN - RESENDE, RJ 53ª 02/12/2011 13 13 00 53º BIS – ITAITUBA, PA 67ª 06/12/2012 14 14 00 17ª BDA INF SL - PORTO VELHO, RO TOTAL 80 80 00
  20. 20. SEÇÃO DE PESQUISA – DDP – CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 4ª EDIÇÃO - 2013 “AOS HOMENS COMUNS, TAREFAS COMUNS; AOS GUERRAS NA SELVA, A PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA.” SAB, 2005 20 4.2 SEQÜÊNCIA GERAL DA CERIMÔNIA DE CONCESSÃO a. Recepção dos recipiendários por um instrutor ou monitor no saguão das placas, no dia da concessão. Figura 24. Recipiendários antes da partida para BI/2 no dia 02 Jun 2006). Destacam-se na figura 40 anterior da esquerda para a direita: Cel Tupinambá, Cel Caminha, Cel Netto, Gen Bda Ferreira, Cel Souza Abreu, Gen Bda Thaumaturgo, Gen Ex Pedrozo, Gen Bda Bueno, Ten Cel Dower e Maj Juarez b. Reunião preliminar do grupamento participante da Reunião com o instrutor ou monitor designado pela DDP – recipiendários, paraninfos e assistentes – para acertos quanto ao embarque e outras providências. c. Deslocamento para a BI2. d. Reunião preliminar no rancho para fins de leitura das normas de segurança da atividade, ocasião em que são entregues as bainhas dos FGS aos recipiendários. e. Recepção aos agraciados nas proximidades da ponte sobre o Igarapé Candiru, com apresentação da equipe de instrução.
  21. 21. SEÇÃO DE PESQUISA – DDP – CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 4ª EDIÇÃO - 2013 “AOS HOMENS COMUNS, TAREFAS COMUNS; AOS GUERRAS NA SELVA, A PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA.” SAB, 2005 21 Figura 25. Apresentação da equipe de organização da entrega do FGS Figura 26. Foto antes do deslocamento na trilha da mística f. Acendimento da tocha. - Próximo à ponte sobre o Igarapé Candiru, antes do início do deslocamento – marcha pelo interior da selva até o Tapiri da Mística – é acesa uma tocha pelo instrutor/monitor que guiará o grupamento de agraciados e paraninfos.Trata-se de tocha rústica, improvisada com material da selva, contendo breu vegetal como combustível. A tocha acenderá a fogueira da Cerimônia.
  22. 22. SEÇÃO DE PESQUISA – DDP – CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 4ª EDIÇÃO - 2013 “AOS HOMENS COMUNS, TAREFAS COMUNS; AOS GUERRAS NA SELVA, A PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA.” SAB, 2005 22 g. Deslocamento dos paraninfos e agraciados pela Trilha da Mística Figura 27. Deslocamento pela Trilha da Mística h. Cerimônia propriamente dita no Tapiri da Mística Figura 28. Ritual da Mística em seu Tapiri i. Confraternização entre os guerreiros de selva. j. Retorno a Manaus. 4.3 EVENTOS DA CERIMÔNIA DE CONCESSÃO a. O Mestre de Cerimônia anuncia o título da Cerimônia (por exemplo: 70° Cerimônia de Concessão do Facão do Guerreiro de Selva!), ainda na área de espera.
  23. 23. SEÇÃO DE PESQUISA – DDP – CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 4ª EDIÇÃO - 2013 “AOS HOMENS COMUNS, TAREFAS COMUNS; AOS GUERRAS NA SELVA, A PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA.” SAB, 2005 23 b. Seqüência da Cerimônia (eventos) 1) Chegada da Marcha 2) Entrada no Tapiri da Mística 3) Recepção das autoridades 4) Tomada do dispositivo 5) Finalidade da cerimônia 6) Palavras iniciais do Cmt do CIGS 7) Introdução 8) Acendimento do Fogo 9) Descrição do FGS 10) Leitura do histórico do FGS 11) Execução da Oração do Guerreiro da Selva 12) Concessão do FGS 13) Compromisso pelos agraciados 14) Brinde (com as canecas marajoaras) 15) Narração dos fatos marcantes vivenciados na Amazônia 16) Palavras finais do Cmt CIGS 17) Considerações finais pela autoridade militar ou civil mais antiga presente, SFC 18) Canto da Canção do CIGS 19) Encerramento da cerimônia 4.4 PARTICIPAÇÃO DE CONVIDADOS a. A cerimônia de concessão do FGS poderá contar com a presença de militares, ex militares, representantes de instituições ou civis, desde que convidados somente pelo Cmt CIGS. b. Não está autorizada a participação na cerimônia de concessão do FGS de qualquer outro convidado fora do universo ou das condições de execução citadas no item anterior. Casos excepcionais serão regulados pelo Cmt do CIGS. c. A relação de participantes e de convidados para o evento deverão dar entrada pela 5ª Seção do CIGS, a qual despachará com o Cmt do CIGS. Ato contínuo, o Oficial de Relações Públicas informará à DDP os eventuais convidados autorizados a participar do evento pelo Cmt CIGS.
  24. 24. SEÇÃO DE PESQUISA – DDP – CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 4ª EDIÇÃO - 2013 “AOS HOMENS COMUNS, TAREFAS COMUNS; AOS GUERRAS NA SELVA, A PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA.” SAB, 2005 24 CAPÍTULO 5 TAPIRI E TRILHA DA MÍSTICA 5.1 GENERALIDADES a. O Tapiri e a Trilha da Mística constituem instrumentos da ritualística das Cerimônias de Concessão do FGS. b. A manutenção de ambos são de responsabilidade da Cia C (Companhia de Comando), gerenciado pela DDP. 5.2 TRILHA DA MÍSTICA a. Trata-se da trilha que conduz os participantes da Cerimônia de Concessão do FGS do local de chegada na Estrada do Puraquequara ao Tapiri da Mística. b. Em passo normal, os participantes levam cerca de 12 minutos para percorrê-la. 5.3 TAPIRI DA MÍSTICA a. É uma construção rústica, localizada na floresta do CICIGS, na margem esquerda do Igarapé Candiru, próximo a BI2, sustentado por toras de aquariquara, com 32 (trinta e dois) entalhes de troncos de âmago servindo de assentos. b. Na frente desses assentos, 32 (trinta e duas) aquariquaras com ranhuras na sua parte superior, que servem de suporte para os FGS postados sobre uma mesa em formato circular. c. Quando das cerimônias, a 1ª posição fica vaga, representando a presença do Cel Jorge Teixeira à mesa d. O piso é em cimento rústico, com manchas semelhantes as da onça pintada.
  25. 25. SEÇÃO DE PESQUISA – DDP – CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 4ª EDIÇÃO - 2013 “AOS HOMENS COMUNS, TAREFAS COMUNS; AOS GUERRAS NA SELVA, A PROTEÇÃO DA AMAZÔNIA.” SAB, 2005 25 Figura 29. Tapiri da Mística e. É constituído, ainda, de uma passarela de alvenaria, assentada com pedras rústicas da Amazônia, uma churrasqueira com mesa, um trapiche às margens do Igarapé Candiru e local para acendimento da fogueira no centro do dispositivo. A iluminação é feita por meio de lamparinas de bambu com breu vegetal e maravalha. f. Na parte central, junto à fogueira, é colocado o FGS do saudoso “TEIXEIRÃO” (FGS Nr 001- Teixeirão), simbolizando a presença do Patrono do CIGS. Este procedimento apenas ocorre nas Cerimônias de Concessão.
  26. 26. ANEXO “A” UM EXEMPLO DE ROTEIRO DE CERIMÔNIA DE CONCESSÃO EVENTO/RESPONSÁVEL LOCUÇÃO DOS EVENTOS ORIENTAÇÃO 1. CHEGADA DA MARCHA - 69ª CERIMÔNIA DE CONCESSÃO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA - OP SOM: MÚSICA 01. 1492, CONQUEST OF PARADISE. Volume Baixo 2. ENTRADA NO TAPIRI - OS GUERREIROS DE SELVA JÁ POSSUIDORES DO FGS E OS RECIPIENDÁRIOS OCUPARÃO SEUS LUGARES NO DISPOSITIVO 3. RECEPÇÃO DAS AUTORIDADES - PRESENTES NO LOCAL DA CERIMÔNIA: (confirmar antes do início, e só ler os presentes) - Exmo Sr Gen Ex Vilas Boas, Cmt Mil AMZ - Exmo Sr Gen Ex Pedroso, 7º Cmt CIGS - Exmo Sr Gen Div Teóphilo, Cmt 12ª RM - Exmo Sr Gen Bda Frankinberg, Ch Cop - Exmo Sr Gen Bda Jaborandy, Ch EM CMA, 17º Cmt CIGS - Exmo Sr Gen Bda _____________, Cmt 2º GE - Exmo Sr Gen Bda R1 Thaumaturgo, 8º Cmt CIGS - E demais autoridades civis e militares presentes (SFC) - O Sr Cel Dias, Cmt do Centro de Instrução de Guerra na Selva POR FAVOR, QUEIRAM SENTAR-SE - OP SOM: MÚSICA 01. 1492, CONQUEST OF PARADISE. Volume Baixo
  27. 27. EVENTO/RESPONSÁVEL LOCUÇÃO DOS EVENTOS ORIENTAÇÃO 4. FINALIDADE - A PRESENTE CERIMÔNIA TEM POR FINALIDADE REALIZAR A CONCESSÃO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA A _____ (__________) GUERREIROS DE SELVA. - OP SOM: MÚSICA 01. 1492, CONQUEST OF PARADISE. Volume Baixo 5. PALAVRAS CMT CIGS - PALAVRAS INICIAIS DO CMT CIGS - OP SOM: CORTA MÚSICA 6. INTRODUÇÃO - EM AMBIENTE TÍPICO DA FLORESTA AMAZÔNICA, NO TAPIRI OCARA MUNDURUCUS, TEM INÍCIO A 69ª CERIMÔNIA DE CONCESSÃO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA; - PRESENTES ____ (_____________) GUERREIROS DE SELVA; - AO CENTRO DO DISPOSITIVO SERÁ ACESO O FOGO, EM TORNO DO QUAL, OS GUERREIROS DAS MAIS REMOTAS ÉPOCAS TÊM SE REUNIDO PARA SE PROTEGEREM DO TEMPO ADVERSO E DAS FERAS, FALAR DE SEUS PROBLEMAS, DE SUAS CONQUISTAS E PARA SE CONFRATERNIZAREM. 1. OP SOM: MÚSICA 02. CANTO DA MATA, SOM AMAZONICO 2. DISPARADOR “FOGO”: MON DDP E AUX CONDUZEM TOCHA E ACENDEM O FOGO AO CENTRO DO DISPOSITIVO
  28. 28. EVENTO/RESPONSÁVEL LOCUÇÃO DOS EVENTOS ORIENTAÇÃO 7. DESCRIÇÃO DO FGS DESCRIÇÃO DO FGS - O FGS É CONSTITUÍDO DE LÂMINA EM METAL PRETO-FOSCO, DE ALTA RESISTÊNCIA E DE DUPLO CORTE – UM INFERIOR E MAIOR (PRINCIPAL) E OUTRO SUPERIOR E MENOR, EM FORMATO DE MEIA LUA. - EM UM DOS LADOS DA LÂMINA ESTÁ GRAVADO O NÚMERO DE SÉRIE DO FACÃO. - NA EXTREMIDADE DO CABO, UMA CABEÇA DE ONÇA EM METAL, VOLTADA PARA O CORTE PRINCIPAL, REPRESENTANDO O ANIMAL-SÍMBOLO DA GUERRA NA SELVA. - A PUNHO É EM MADEIRA. - NA CRUZETA ESTÁ INCRUSTADO, EM AMBAS AS FACES, O BREVÊ DO ESPECIALISTA EM OPERAÇÕES NA SELVA. 1. OP SOM: MÚSICA 02. CANTO DA MATA, SOM AMAZONICO 2. DISPARADOR “DESCRIÇÃO DO FGS”: MON DDP APONTA AS PARTES DO FGS CONFORME LEITURA DO LOCUTOR.
  29. 29. EVENTO/RESPONSÁVEL LOCUÇÃO DOS EVENTOS ORIENTAÇÃO 8. HISTÓRICO DO FGS HISTÓRICO DO FGS - ÀS TROPAS DE ELITE MAIS FAMOSAS DO MUNDO ESTÃO ASSOCIADOS FACAS OU FACÕES QUE AS IDENTIFICAM. É USUAL, NO ENCONTRO DE CAMARADAS DE FORÇAS ARMADAS AMIGAS, A MOSTRA RECÍPROCA DESSE EMBLEMÁTICO ARTEFATO QUE, DE CERTO MODO, REVELA O SIGNIFICADO HISTÓRICO DAS CORPORAÇÕES QUE INTEGRAM. - OS GUERREIROS DE SELVA FORMADOS PELO CIGS, DESDE O CURSO PIONEIRO EM 1966, PASSARAM A CONSTITUIR, INCONTESTAVELMENTE, UM GRUPO ESPECIALIZADO EM OPERAÇÕES NA SELVA. - ENTRETANTO, ATÉ O ANO 2003, FALTAVA-LHES A MATERIALIZAÇÃO DO SÍMBOLO DE UM DE SEUS PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE TRABALHO E DE COMBATE – UM FACÃO PERSONALIZADO. - APROVEITANDO O ENSEJO DAS COMEMORAÇÕES DOS 40 ANOS DE CRIAÇÃO DO CIGS NO ANO DE 2004, FOI DESENVOLVIDO O PROJETO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA, QUE TEVE COMO PREMISSAS: . A INSPIRAÇÃO HISTÓRICA NA LÂMINA DE DUPLO CORTE DE FACÃO MODELO CIGS EXISTENTE NA DÉCADA DE 1980; . CONTER MINIATURA DE CABEÇA DE ONÇA; . CONTER O BREVÊ DO ESPECIALISTA EM OPERAÇÕES NA SELVA; E – . SER A LÂMINA E OS ADEREÇOS DE ALTA QUALIDADE. - OP SOM: MÚSICA 04 NOW WE ARE FREE, GLADIADOR
  30. 30. EVENTO/RESPONSÁVEL LOCUÇÃO DOS EVENTOS ORIENTAÇÃO 8. HISTÓRICO DO FGS - O MODELO ADOTADO FOI O FGS M2004 ZAKHAROV HAVENDO DISTINÇÃO NA CRUZETA DO FACÃO, SENDO DOURADO PARA OFICIAIS E PRATEADO PARA ST E SGT. - ENTRE 2006 A 2009 O CIGS ADOTOU O FGS M2006 R.VILAR, QUE APRESENTOU AS SEGUINTES ADAPTAÇÕES: . APERFEIÇOAMENTO DO TIPO DE BAINHA EM COURO LEGÍTIMO; . A LÂMINA EM AÇO ESPECIAL TEMPERADO; E – . O BREVÊ NA CRUZETA PASSOU A SER ACOBREADO, SIMBOLIZANDO A JUNÇÃO DOS COS DE OFICIAIS E ST/SGT. - A PARTIR DE 2010 O CIGS RETORNOU AO MODELO ZAKHAROV. - NO ANO DE 2012, O CIGS DESENVOLVEU O PROJETO FACÃO “ONÇA PRETA” (FGS 2012), INOVADOR POR SER UMA PEÇA ÚNICA, EM AÇO TEMPERADO, COM A CRUZETA TENDO O BREVÊ EM BLOCO TAMBÉM ÚNICO, SEGUIDO POR UMA CABEÇA DE ONÇA, TUDO NA COR NEGRA. - ESTE ÚLTIMO MODELO (FGS 2012) SERVIU DE BASE PARA O FACÃO DO COMBATENTE DE SELVA, QUE CONTÉM A MESMA LÂMINA E CABO ERGONÔMICO CONFECCIONADO EM MATERIAL DOTADO DE ALTA RESISTÊNCIA. OP SOM: MÚSICA 04 NOW WE ARE FREE, GLADIADOR
  31. 31. EVENTO/RESPONSÁVEL LOCUÇÃO DOS EVENTOS ORIENTAÇÃO 9. ORAÇÃO DO GUERREIRO DA SELVA POR FAVOR QUEIRAM FICAR DE PÉ - SERÁ PROFERIDA PELO _____________________, GS NR ___________A ORAÇÃO DO GUERREIRO DA SELVA. POR FAVOR QUEIRAM SENTAR-SE OP SOM: CORTA MÚSICA 10. CONCESSÃO DO FGS CONCESSÃO DO FGS - NESTE MOMENTO, OS PARANINFOS FARÃO A ENTREGA DOS FACÕES AOS RECIPIENDÁRIOS. - ESTES, POR SUA VEZ: . OS COLOCARÃO NO SUPORTE; . BEBERÃO O CAXIRI SELVÁTICO; . BRADARÃO SELVA; E - . EM SEGUIDA IMANTARÃO SEUS FACÕES NA CHAMA MÍSTICA DOS GUERREIROS DE SELVA. - 1) O __________________________________________, GS_______, COS CATG ________, ANO_______, RECEBERÁ DAS MÃOS DE SEU PARANINFO, O _____________________, INSTRUTOR/MONITOR, O FGS NR _________. - REPETE-SE O EVENTO ANTERIOR TANTAS VEZES QUANTAS EXISTIREM RECIBIENDÁRIOS E RESPECTIVOS PARANINFOS. OP SOM: MÚSICA O ULTIMO DOS MOICANOS FAIXAS 5, 6, 7,8
  32. 32. EVENTO/RESPONSÁVEL LOCUÇÃO DOS EVENTOS ORIENTAÇÃO 11. COMPROMISSO COMPROMISSO - QUEIRAM FICAR DE PÉ POR FAVOR - NESTE MOMENTO, AGRACIADOS E PARANINFOS APONTARÃO SEUS FACÕES PARA O FOGO AO CENTRO DO DISPOSITIVO E OS RECIPIENDÁRIOS REPETIRÃO O COMPROMISSO 1. OP SOM CORTA MÚSICA 2. EQP DO RANCHO DEVERÁ ESTAR COM SEU DISPOSITIVO PRONTO - AO RECEBER O FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA/ PROMETO / CULTUAR / DIFUNDIR / PRESERVAR / A MISTICA DOS GUERREIROS DE SELVA / A SELVA NOS UNE!!!!!/ SELVA!!!!! - POR FAVOR, QUEIRAM COLOCAR SEUS FACÕES NO SUPORTE! OP SOM: SEM MÚSICA 12. BRINDE - O CMT CIGS BRINDARÁ EM HOMENAGEM AOS RECIPIENDÁRIOS. - POR FAVOR, QUEIRAM SENTAR-SE 1. OP SOM SEM MÚSICA 2. DISPARADOR “ O CMT CIGS BRINDARÁ ...”: EQP DO RANCHO ENTRA COM AS BANDEJAS ECD E SERVE ASSITÊNCIA
  33. 33. EVENTO/RESPONSÁVEL LOCUÇÃO DOS EVENTOS ORIENTAÇÃO 13. NARRAÇÃO DOS FATOS MARCANTES VIVENCIADOS NAAMAZÔNIA - NESTE MOMENTO OS RECIPIENDÁRIOS NARRARÃO OS FATOS MARCANTES VIVENCIADOS NAAMAZÔNIA. - AO FINAL DA NARRAÇÃO, O RECIPIENDÁRIO DEVERÁ BRADAR SELVA! - TODOS RESPONDERÃO. - INICIAREMOS PELO: (NARRAÇÃO NA SEQUENCIA INVERSA DA ANTIGUIDADE)  _____________________  _____________________  _____________________  _____________________  _____________________  _____________________  _____________________  _____________________  _____________________  _____________________ - OP SOM: MÚSICA 14. A FERA XINGU Obs: Permanece ativa enquanto são contados os “causos amazônicos”
  34. 34. EVENTO/RESPONSÁVEL LOCUÇÃO DOS EVENTOS ORIENTAÇÃO 14. PALAVRAS DO CMT CIGS - PALAVRAS DO SR CEL DIAS, CMT CIGS. OP SOM: CORTAA MÚSICA 15. CONSIDERAÇÕES FINAIS - O SR _______________________________________________________, GS/AUTORIDADE MILITAR OU CIVIL MAIS ANTIGO (A) PRESENTE, FARÁ AS CONSIDERAÇÕES FINAIS. OP SOM: SEM MÚSICA 16. CANTO DA CANÇÃO DO CIGS - SERÁ CANTADA A CANÇÃO DO CIGS OP SOM: CANÇÃO CIGS 17. ENCERRAMENTO - ESTÁ ENCERRADA A CERIMONIA - TUDO PELAAMAZONIA, SELVA! OP SOM: ATIVAR PASTA “CAPRICHOSO TOTAL”

×