SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Baixar para ler offline
SERGIO DE MELLO QUEIROZ
AS OPERAÇÕES ESPECIAIS CONTADAS PELA
HISTÓRIA DO BRASIL
UMA HISTÓRIA CONTADA NO RODAPÉ DA PAGINA
By pt.wikipedia.org
2015
MANIFESTO DO AUTOR
TEMOS UMA LACUNA DESCOBERTA!
Somente isto já seria motivo para que desse inicio
a este trabalho, contudo após uma reunião temática
tive que assumir que uma sociedade sem memória é
uma sociedade morta.
Estávamos comentando sobre a natureza e as
motivações dos confrontos entre facções e forças de
segurança, sabendo que nem sempre é esta a ordem
moral dos acontecimentos, assumindo que isto não é
de agora, vem dos tempos da criação e somente irá
acabar quando for o tempo final da existência
humana.
Lembrei a eles que os confrontos se iniciaram antes mesmo da chegada dos
“homens brancos” em suas naus, no Porto Seguro baiano, pois combates e
canibalismos já eram residentes no continente americano.
Demonstrações de força e ferocidade já estavam intrínsecos nos
comportamentos dos brasilerindios, mesmo eles nem ter sido batizados pelos
jesuítas europeus como nativos e selvagens.
Apenas em 1822, conforme a literatura, os habitantes naturais do Brasil são
denominados brasileiros, cujo gentílico é registrado em português a partir de 17
DE JUNHO DE 1822 que se referia inicialmente apenas aos que
comercializavam pau-brasil.
Dentre isto e tendo como referência os registros históricos resolvi contar a
história DAS OPERAÇÕES ESPECIAIS DA POLICIA MILITAR DO PARANÁ
de uma forma não muito ortodoxa e muito menos usual.
Usar a história como referência moral e ética, apesar de saber que muitos
destes eventos foram sim demonstrações de selvageria, faz que os erros e
acertos de outrora sejam norteadores de decisões a serem tomadas.
Lembro de muitos pensadores em meus 30 anos de miliciano.
Enalteço alguns em especial, o meu primeiro instrutor de história da PMPR
Capitão Cardoso no meu Curso de Formação de Soldados em 1985 e um dos
maiores entusiastas pelo assunto, o Subtenente ARI VAZ, in memorian, que
dedicou boa parte de sua carreira no ensino a tropa dos pequenos detalhes da
história dos rincões paraense e que depois dedicou ao ensino as alunos do
Colégio da Policia Militar e em estabelecimento de ensino superior.
CLARO QUE DEIXOU O LEGADO!
O meu grande irmão Sargento Anselmo cujo caminho do ensino no CPM e
nas turmas superiores fizeram este outro ícone do ensino doutrinário a geração
presente da Policia Militar do Paraná.
Outro ícone vivo é o Subtenente Amorim, estudioso e mestre internacional
no que diz respeito a antropologia indígena e conhecimentos históricos da
fronteira Brasil-Paraguai. Um grande amigo e irmão.
Para definirmos o escopo deste livro, espero que atenda aos exigentes
“devoradores de livros” que propositadamente não relacionei, pois antes deixar
de relacionar as “lendas vivas” do que se esquecer de um nome sequer.
Peço vênia aos doutos pensadores, mas somos todos apaixonados pelo
tema e pelo tema somos multiplicadores.
POR QUE UMA HISTÓRIA CONTADA NO RODAPÉ DA PAGINA?
Pela história real e pública em eventos maiores, aonde a participação de
nossos antecedentes diretos, os guerreiros do Império Português até a
construção de tropas especializadas de Operações Especiais, já no ano de
1964 serão lembradas no rodapé deste livro, pois como me expressei na capa.
Tentar trazer informações através de citações simples não trazem a este
autor a confiança de ter atingido o objetivo inicial, de PREENCHER A LACUNA
do conhecimento com mais conhecimentos.
Oferecer ao leitor o máximo de referência sobre os temas apontados é para
mim o mínimo que posso fazer. Informações públicas fazem deste trabalho um
manual de aprendizagem, pois poderá o usuário deste complementar as
informações tão somente com um acesso a rede mundial em um a ferramenta
de busca e informação.
No meu caso optei pelo pt.wikipedia.org/ pela facilidade de manuseio e pelo
fato de que ele é recebedor de informações e publicações diuturnamente.
Atual e simples. Tudo que um autor pede para concretizar suas pesquisas e
aplicar os conhecimentos em tempo real.
Diante de tudo e isto, vamos cobrir esta lacuna e preencher seus vazios.
SERGIO DE MELLO QUEIROZ
COMPENDIO DA HISTORIA DAS
OPERAÇÕES ESPECIAIS NO BRASIL
ORIGEM DAS FORÇAS ESPECIAIS E HISTÓRIA DO
BRASIL, REINO UNIDO, HOLANDA, EUA E FRANÇA
A direita, O criador do Serviço Aéreo Especial, o escocês David Stirling.
Tal unidade influenciou o mundo com a sua filosofia de operar unidades de
forças especiais(que se diferenciam dos comandos)..
A esquerda, Antonio Dias Cardoso, o patrono do 1º Batalhão de Forças
Especiais do Brasil que combateu contra a Holanda na Batalha de
Guararapes(1640).
A origem das forças especiais pode ser dividida em duas épocas diferentes
mas não menos importantes e em níveis mundial e regional.
A nível mundial a história das forças especiais modernas nasce no Reino
Unido com a criação do Serviço Aéreo Especial durante a II guerra mundial
para enfrentar a ditadura fascista italiana, o império japonês e o exército
alemão em missões de inteligência atrás das linhas inimigas e ataques de
longa duração
O nascimento moderno das forças de ações de comandos(que se diferenciam
das forças especiais pelo modus operandi nasce com a criação dos comandos
britânicos para missões rápidas,curtas e agressivas pelo criador dos
comandos, o Coronel Dudley Clarke
Devemos sempre lembrar que unidades de forças especiais e
comandos operam de modos bem diferentes e não são iguais.
COMANDOS BRITÂNICOS NA II GUERRA, O NASCIMENTO
DOS COMANDOS MODERNOS E OS COMANDOS DO BRASIL.
CORONEL DUDLEY CLARKE
O CRIADOR DOS COMANDOS
O termo nasceu a partir da designação de Kommando que os
colonos bôeres da África do Sul davam às suas tropas de operações especiais
na guerra contra os britânicos, no princípio do século XX.
A palavra Kommando por sua vez teria tido origem no
termo português "Comando", utilizado na Índia no sentido de um grupo de
tropas sob um comando autônomo que desempenhava missões especiais
durante uma batalha ou cerco.
Na África do Sul tropas similares
atuavam em pequenos destacamentos,
que se deslocavam normalmente a
cavalo, e lançavam ataques rápidos
contra as tropas britânicas.
Durante a 2ª Guerra Mundial foi criada
essa importante unidade
pelo Coronel Dudley Clarke e tanto os
britânicos como os alemães decidiram
utilizar este termo para designar as
novas tropas de operações especiais
que tinham formado (as britânicas
designadas Commandos e as
alemãs Kommandos).
Posteriormente o termo foi utilizado por outros países para designar algumas
das suas forças de elite para ataques rápidos,furtivos e missões de curto
período.
Assim, tal designação chamada comando foi dada a uma tropa de
elite pertencente à uma das forças armadas, que é altamente adestrada e
qualificada a operar sob circunstâncias e ambientes impróprios ou
contraindicados ao emprego de outros elementos das forças regulares, sendo
apta a cumprir uma ampla variedade de missões e tarefas, táticas ou
estratégicas de curto prazo e em geral de objetivo agressivo.
Dentre as missões executadas por uma tropa de comandos, estão as
operações de contra-guerrilha, emboscadas, além das ações diretas que
necessitem de alto poder de choque de curta duração.
Uma das inovações dos Comandos britânicos usadas até hoje foi a utilização
de munição real durante o treinamento, não com o intuito de torturar soldados
ou embuste visto serem realizadas com ângulo de tiro o mais seguros
possíveis, mas para faze-los perceber a diferença do tiro real e do tiro não real
e para serem habituados com isso.
Torturas sem necessidade não formavam um bom soldado pois eram embuste
sem necessidade.
Um comando deveria ser formado com treinamento real mas fornecendo
segurança, um excelente treinamento de base com muita repetição, aliados a
uma doutrina de profissionalismo e seleção inteligentes.
A RAÍZ DAS FORÇAS ESPECIAS NO MUNDO: SERVIÇO AÉREO
ESPECIAL (SAS)
"QUEM OUSA VENCE".
O SAS foi uma unidade criada
em 1941, durante a Segunda
Guerra Mundial, na África do
Norte, pelo tenente escocês
chamado David Stirling.
A unidade recebeu o nome de SAS
- Serviço Aéreo Especial, para os
alemães acharem que havia
comandos paraquedistas servindo
ao Exército britânico no Cairo.
David Stirling era uma figura alta e
atlética, estava se preparando para
escalar o Monte Everest quando
estourou a Segunda Guerra Mundial.
Alistou-se nos Guardas escoceses em 1939 e em 1940 entrou como voluntário
no oitavo Comandos britânicos, sob as ordens do tenente-coronel Robert
Laycock, que formava parte da Força Z (mais tarde mudaria o nome para
Layforce).
Depois da decepção desta empreitada bélica, Stirling percebeu que, devido à
mecanização da guerra, um grupo reduzido de soldados bem treinados poderia
infligir ao inimigo maior dano que um batalhão inteiro.
Com essa ideia ele acabaria criando a primeira unidade de força
especiais modernas que mudou muito até hoje visto ter como forte base a
constante atualização dos seus soldados que devem estudar sobre
armamentos, idiomas, tecnologia, etc.
Logo depois de sofrer um acidente de paraquedas, ficou temporariamente
recuperando-se, foi ai que aproveitou para visitar no Cairo o comandante-em-
chefe general Claude Auchinleck.
Com o apoio do também general Neil Ritchie, Stirling insistiu com Auchinleck, e
o persuadiu.
Logo conseguiu o que queria, recebeu sua unidade com comando
independente, com o evasivo nome de "L Detachment, Special Air Service
Brigade", a idéia era dar a falsa impressão de que existia uma brigada de
comandos paraquedistas operando no norte da África.
O General Auchinleck desde o começo não tinha fé nas idéias de Stirling, por
várias vezes mandou pessoas para observar o que ele e os soldados faziam.
De fato muitas coisas esquisitas aconteceram, em um estranho episódio
Stirling obrigou, por falta de equipamento, os soldados a pular com
equipamento completo de um jipe em movimento para treinar paraquedismo.
Essas informações só faziam convencer o General Auchinleck de que Stirling
estava perdendo o tempo.
Outros militares das forças convencionais acham não só uma perda de tempo
mas um exército de malucos com treinamento não convencional e criativo
demais.
Stirling foi preso pelo exército alemão em janeiro de 1943, no sul de Tunísia.
Tentou escapar quatro vezes antes que o enviassem ao castelo Colditz, onde
permaneceu o resto da guerra até a rendição alemã.
Em 1945 fundou uma associação de ex-combatentes das SAS, da qual foi o
primeiro presidente.
Em 1990 foi condecorado cavaleiro pela Rainha e morreu no mesmo ano.
Na campanha africana teve grande rendimento, e lutou também na Itália e
na Europa.
O SAS destruiu mais de 400 aviões da Luftwaffe; acreditam que teve um
melhor rendimento que a RAF (Real Força Aérea Britânica) destruía em terra e
no ar.
Após a Segunda Guerra Mundial foi desativada e foi reativada na década de
1950, com o nome de 22o Special Air Service.
Ficou decidido que os Royal Marines e o Special Boats Service iriam fazer
incursões de curto alcance e o SAS incursões de longo alcance e longa
duração dentro de uma estratégia contra a União Soviética.
Desde então tem lutado pela Grã-Bretanha nos mais diferentes lugares como
na Malásia, Omã, Bornéo, Vietnam - vestindo uniformes norte-americanos
, Aden, Irlanda do Norte, Malvinas, Libéria, Golfo
Pérsico, Bósnia, Kosovo, Serra Leoa e Afeganistão, onde reafirmaram a sua
boa reputação.
A influência do SAS é notória em quase todas as forças especiais do planeta
pela seleção, metodologia, didática e profissionalismo dos seus soldados.
Praticamente todas forças especiais do mundo copiara ou tiveram como
modelo o SAS.
FORÇAS ESPECIAIS BASEADAS NA SAS
O Regimento participou e deu origem a muitas outras Forças Especiais
espalhadas pelo mundo, entre elas:
AUSTRÁLIA, SASR - Special Air Service Regiment. De origem de um
esquadrão da SAS recrutado na Austrália para auxiliar no combate na Malásia.
BÉLGICA, Belgian Special Forces Group. Que teve a origem ainda na Segunda
Guerra Mundial, quando o 5th SAS Regiment recrutou voluntários para cruzar
a Linha Siegfried.
ISRAEL, Sayeret Matkal. Moldada no SAS e carrega o mesmo lema: "Quem
ousa vence".
ESTADOS UNIDOS, O 1st Special Forces Operational Detachment- Delta (1st
SFOD-D), ou Força Delta baseado na SAS e profundamente influenciado pelos
seus conceitos. Seu fundador, Charlie Beckwith, havia servido nos anos 60 na
SAS, e voltou para as Forças Especiais do Exército Americano criando lá uma
unidade que seguia o SAS.
Alemanha, GSG 9 - Unidade anti-terrorista da policia de fronteira alemã
SASNZ- Forças especiais da Nova Zelândia.
FSK (Forsvarets Spesialkommando),forças especiais da Noruega que
participam ativamente de missões ao redor do mundo apoiando os EUA e
OTAN possuim muito de influência do SAS,embora sobre o FSK existam
muitas controvérsias sobre o seu treinamento quase kamikaze.
PREPARAÇÃO E SELEÇÃO FÍSICA DE DIVERSOS SOLDADOS
DE ELITE AO REDOR DO MUNDO.
Um verdadeiro soldado de elite deve ser em
primeiro lugar inteligente o bastante para a
sua função.
Tais soldados muitas vezes devem atuar em
diversos ambientes e para isso usam
aparelhos com tecnologia avançada, devem
falar outros idiomas, saber sobre a natureza,
possuírem boa habilidade manual ao
manusear diferentes equipamentos, devem
saber ler mapas, calcular, terem empatia,
saberem se relacionar e ter uma força
psicológica também desenvolvida etc.
Ao mesmo tempo, tais soldados devem ser verdadeiros atletas de elite, com
habilidade motoras superiores as pessoas normais e aonde muitas homem irão
desistir por terem o corpo ou a mente não forte o bastante.
Aqui iremos falar sobre os testes de algumas das melhores unidades de elite
do mundo, popularmente conhecidos pelos acrônimos TAF/EAF (teste ou
exame de aptidão física em português brasileiro) ou em inglês CFT (Combat
Fitness Test)/BFT(Battle Fitness Test) e Personal Fitness Test (PFT), sendo
que estes diferenciam-se um do outro.
SERVIÇO AÉREO ESPECIAL-REINO UNIDO
1-Requisito base- Boa nota no Personal Fitness Test (PFT), teste base
de exercício físico do exército do Reino Unido que inclui pesos, flexão de
braço, etc.
2- Boa nota no Combat Fitness Test (CFT).
Tal teste mais funcional inclui uma marcha em passo acelerado aonde o tempo
deve ser de 15 min por milha (1,60 km) carregando todo o equipamento
incluindo armamento, o fuzil standard SA80.
O percurso varia conforme a unidade mas varia de 6/ 8 milhas carregando o
equipamento que varia de 15kg /25kg dependendo a unidade.
Na seleção para o SAS o teste base é o da infantaria.
FAN DANCE.
Essa é a real prova para os candidatos que passaram a fase inicial que
é realizada duas vezes ao ano,no inverno e verão.
A Fan Dance é um teste de fitness e navegação nas montanhas sendo usado
como o principal processo para a escolha dos candidatos.
Carregando uma mochila de 18 kg, um fuzil (5 kg) e uma garrafa de água o
candidato deve percorrer 24 km em determinado tempo usando cartografia e
navegação como guia.
LONG DRAG
Se não eliminado o candidato realiza uma outra marcha de 64 km carregando
agora 25kg (não incluindo comida, água e rifle) e eles devem concluir
o percurso em menos de vinte horas.
Os candidatos são proibidos de usar trilhas estabelecidas e toda a
navegação deve ser realizada pormapa, bússola e referências memorizadas.
Depois de aprovado na seleção o candidato realiza a fase de adestramento
base,adestramento na selva (fase II) e resistência a interrogatórios e
sobrevivência (fase III).
O candidato pode ser eliminado a qualquer momento e mesmo depois de
aceito pode ser eliminado no prazo de um ano.
Se selecionado continua em treinamento para alguma área em particular
mantendo-se constantemente atualizado.
Aproveitamento de 20 em cada 200 candidatos.
A seleção dos candidatos do Special Boat Section (SBS) e Pathfinder (precurso
paraquedista) do Exército do Reino Unido é similar, tendo a Fan Dance como
fator decisivo para o candidato.
GRUPO DE MERGULHADORE DE COMBATE(GRUMEC)-BRASIL
CORRIDA
SUBIDA
NO
CABO
AGACHAMENTO BARRA NOTA
2.800m 4m 90 8 6,0
2.900m 5m 100 10 7,0
3.000m 6m 110 12 8,0
3.100m 7m 120 14 9,0
3.200m 8m 130 16 10,0
ABDOMINAL FLEXÃO NATAÇÃO NOTA
46 35 01min 55seg 6,0
50 45 01min 45seg 7,0
54 55 01min 35seg 8,0
58 65 01min 25seg 9,0
62 75 01min 15seg 10,0
a) Corrida:
Consiste em correr a maior distância possível no intervalo de tempo de 12
minutos, em circuito pré-determinado e demarcado.
Os candidatos, antes de iniciar a corrida, serão ser instruídos sobre o percurso,
de modo a não invalidar o teste pela inobservância do trajeto.
b) Subida no cabo.
Este teste consiste em subir no cabo, preso verticalmente, utilizando somente
os braços.
O resultado obtido será definido pela altura máxima atingida pela marca
ultrapassada por ambas as mãos ou aquela em que o candidato buscou o
auxílio das pernas, recebendo o número de pontos indicado na tabela.
c) Agachamento.
Partindo da posição inicial em pé, mãos na cintura e pés ligeiramente
afastados, o candidato deverá flexionar as pernas, com o corpo ereto e voltado
para frente e retornar à posição inicial.
A contagem se faz a cada retorno do candidato à posição inicial.
A pontuação obtida será de acordo com a tabela e corresponderá ao número
de movimentos executados no período de dois (2) minutos.
d) Barra.
As flexões na barra serão realizadas com as palmas das mãos voltadas para
frente (pronação).
O exercício consiste em içar verticalmente o corpo, suspenso em uma barra
horizontal, até que o queixo ultrapasse a altura da barra e são contadas entre a
distensão total dos braços e sua flexão até que o queixo a atinja.
Para alcançar a barra o militar poderá utilizar qualquer meio, todavia, o impulso
não deve ser empregado para contar a primeira flexão na barra.
e) Abdominal.
O exercício consiste em flexionar o tronco até que os cotovelos toquem nas
coxas, partindo da posição decúbito dorsal, com os braços cruzados sobre o
peito, joelhos unidos, pernas dobradas e apoiadas no chão com ajuda de um
auxiliar.
A contagem se faz a cada retorno do candidato à posição inicial.
A pontuação obtida será de acordo com a tabela e corresponderá ao número
de movimentos executados no período de dois (2) minutos.
f) Flexão.
O teste tem início com o candidato apoiado de frente sobre o solo, com as
mãos espalmadas, os braços, o abdome e as pernas distendidas e unidas,
cabeça erguida e olhando para o horizonte, flexionando os braços e retornando
à posição inicial, distendendo-os completamente.
Durante o desenrolar do exercício poderá ser efetuada uma única parada, na
posição inicial. A pontuação será de acordo com a tabela.
g) Natação 100 mts.
Consiste em realizar um percurso de 100 metros no menor tempo possível,
empregando qualquer estilo de natação, com exceção do conhecido como
“cachorrinho”.
O teste deverá ser realizado preferencialmente em piscina.
Caso o percurso seja realizado no mar, o teste será aplicado, no máximo, a
dois candidatos simultaneamente, devendo estar disponíveis os meios
materiais e pessoal necessário a uma eventual prestação de socorro.
Não será permitido o uso de qualquer acessório (nadadeira, colete, etc.), não
podendo o candidato agarrar-se a bóias ou embarcações, sob pena de
reprovação.
A escolha do local e da hora do teste deverá ser condicionada às condições de
segurança, de modo a garantir a ausência de trânsito de embarcações
estranhas, possibilitar o pronto atendimento em caso de socorro e evitar fatores
de risco, como fortes correntes.
A pontuação será distribuída de acordo com a tabela.
LEGIÃO ESTRANGEIRA FRANCESA(TESTE BASE LUC-LEGER NAVETTE"
(YOYO)
-Corrida: alternando 20 m em 1 min e 20 m em 2 min.Mínimo 7 palier sendo
que 1 palier é igual a correr 20 durante 6 vezes.
-Barras: min 4;
-Corda: subir uma corda de 5 metros com os braços ou com os braços e
pernas;
-Abdominais: min 40.
NAVY SEALS-FORÇAS ESPECIAIS DA MARINHA DOS EUA
PTF base
Mínimo Média Bom
Nado 500 jardas(peito ou nado de
lado)10 min de descanso segue
para flexões
12:30 10:00 9:30
Flexões de braço(max em 2 min,2
min de descanso segue
abdominais
42 79 100
Abdominais(max em 2 min,segue
para barra fixa)
50 79 100
Barra fixa(max sem tempo,10 min
descanso segue corrida)
06 11 25
Corrida 1.5 milha(feita com
calçados leves)
11:00 10:20 09:30
COMANDOS BRASILEIROS- EXÉRCITO BRASILEIRO.
-Corrida de 8 km: 39 minutos.
-Barra: varia
-Flexão de braço: varia
-Abdominais: varia
-Corda:escalar uma corda de 4 metros com fardamento, sem equipamento e
desarmado sem utilizar as pernas;
-Natação de 400 metros de fardamento sem equipamento e desarmado;
-Nado submerso:15 metros com fardamento, sem equipamento e desarmado;
-Pista de pentatlo militar(PPM )usando fardamento e calçado leve;
-Flutuação:15 fardado com coturno, desarmado e sem equipamento;
-Marcha de 16 km em 2h 45 min. Fardado com todo equipamento e com a
mochila pesando 15 kg durante todo o trajeto.
AS FORÇAS ESPECIAIS NO BRASIL
"QUALQUER MISSÃO, EM QUALQUER LUGAR, A QUALQUER HORA, DE
QUALQUER MANEIRA."
A HISTÓRIA REGIONAL DAS FORÇAS ESPECIAIS
(ORIGEM NO BRASIL)
A nível nacional a Batalha de Guararapes1
, em torno de 1640 demonstrou o
que uma unidade bem treinada pode fazer mesmo sendo menor em número.
1
A Batalha dos Guararapes, na sequência da Guerra da Restauração após a Restauração da
Independência de Portugal de 1640, foi uma batalha travada em dois confrontos entre o
exército da Holanda e os defensores do Império Português no Morro dos Guararapes, atual
município de Jaboatão dos Guararapes, situado na Grande Recife, em Pernambuco, Brasil.
Os dois confrontos foram:
1ª Batalha dos Guararapes - 19 de abril de 1648.
2ª Batalha dos Guararapes (decisiva) - 19 de fevereiro de 1649
Por ter sido vencida pelos portugueses destaca-se como episódio marcante na Insurreição
Pernambucana, que culminou no término das Invasões holandesas do Brasil, no século XVII.
A assinatura da capitulação deu-se em 1654, no Recife, de onde partiram os últimos navios
holandeses em direção à Europa.
Primeira batalha
Segue um resumo da descrição da 1ª batalha, segundo Diogo Lopes Santiago, um cronista da
guerra:
Tanto que nossa infantaria se escondeu nos mangues ao pé do último monte, Antônio Dias
Cardosoordenou a 20 de seus melhores homens que fossem com 40 dos índios de Filipe
Camarão procurar o inimigo, que marchava do Recife pelo caminho dos Guararapes.
Na entrada dos montes, nossos 60 soldados atacaram a vanguarda holandesa e vieram se
retirando sem dar costas ao inimigo, atraindo-o a uma passagem estreita entre os montes e o
mangue, até poucos passos de onde estava o nosso exército.
Do nosso lado houve certa confusão e opiniões de retirada frente àquele exército tão superior,
mas os dois mestres de campo, João Fernandes Vieira e André Vidal de Negreiros,
resolveram, conforme combinado, enfrentá-los ali, dando a primeira carga e investindo no
inimigo à espada, mesmo que sob fogo dos mosquetes.
Marchou André Vidal pela baixa com o Camarão à sua direita pelo mangue. Vieira avançou
pelo alto com Henrique Dias à sua esquerda.
Aguardaram os nossos duas espantosas cargas de mosquetaria e artilharia sem da nossa
parte se dar nenhum tiro, indo ao encontro do inimigo já bem perto.
Neste tempo, por toda parte, disparou nosso fogo de uma só vez, causando grande dano e
desorganização nos esquadrões inimigos.
Logo os nossos sacaram as espadas e atacaram com tanto ímpeto e violência que não
puderam os lanceiros conter os nossos de infiltrarem-se, matarem e destroçarem por meia
hora, até que lhes pusessem em fuga.
Fugindo e descendo do monte, a seu pesar com mais presteza do que subira, os que
escaparam de Dias e Vieira se juntaram aos que estavam em retirada pela campina
pressionados por Vidal e Camarão.
Ganhamos todos os canhões do inimigo e muita bagagem, motivo que levou muitos soldados
ao saque e à euforia.
Como esperado em exércitos como aquele holandês, ter gente de reserva para situações
difíceis lhes valeu um contra-ataque fulminante pegando nossos soldados desorganizados,
além de exaustos, que se puseram em fuga monte abaixo.
A luta desesperada que seguiu daí pela defesa da passagem estreita (apelidada boqueirão)
durou várias horas, com os oficiais (nossos e inimigos) no meio da ação.
Acabamos por perder 4 das 6 peças da artilharia ganha. Por fim, o campo ficou nosso e o alto
dos montes do inimigo.
O general holandês, gravemente ferido no tornozelo, determinou a retirada durante a noite
deixando dois canhões apontados para o boqueirão, disfarçando seu recuo para o Recife.2
A 2ª Batalha dos Guararapes foi uma batalha travada entre o exército da Holanda e os
defensores doImpério Português no Morro dos Guararapes, atual município de Jaboatão dos
Guararapes, 10 km ao Sul do Recife, no estado de Pernambuco, Brasil.
Foi vencida pelos portugueses e destaca-se como episódio decisivo na Guerra da
Restauração e particularmente na Insurreição Pernambucana, que culminou no término
das Invasões holandesas do Brasil, no século XVII.
A assinatura da capitulação deu-se em 1654, no Recife, de onde partiram os últimos navios
holandeses em direção à Europa.
Esta 2ª Batalha ocorreu em 19 de fevereiro de 1649.
A 1ª Batalha havia sido travada em 19 de abril de1648.
Segue um resumo da descrição da batalha segundo Lopes Santiago, um cronista da guerra:
Havendo aprestado as coisas necessárias, o exército holandês saiu do Recife em 18 de
fevereiro de 1649, com cinco mil homens de guerra, todos soldados experientes, com que fazia
mais forte o poder que o da batalha passada.
Traziam também 200 índios, duas companhias de negros e 300 marinheiros que se
dispuseram a enfrentar a luta na campanha; 6 canhões, 12 bandeiras, trombetas, caixas e
clarins.
Posto que não lustrosos com as golas e enfeites que da primeira vez traziam, vinham com
longas lanças com as quais andaram treinando para defender a integridade dos esquadrões
contra os ataques infiltrados de nossa infantaria.
No tempo que chegou nosso exército ao primeiro monte já estava o inimigo formado em todos
os outros e na baixa (boqueirão) onde havia ocorrido o principal da batalha anterior.
Mandou Francisco Barreto de Meneses fazer alto e tomou conselho por onde haveriam de
buscar a luta, se pela frente, se pela retaguarda ou se pelos lados.
O bravo Antonio Dias Cardoso, apelidado o mestre das emboscadas, foi um
valente soldado capaz de demonstrar que o mais astuto, inteligente e
corajoso pode vencer alguém mais forte.
Claro, junto a ele tal mérito também coube às forças brasileiras da época,
comandadas por outros exemplares guerreiros brasileiros.
André Vidal de Negreiros e Francisco Figueroa deram votos que fosse pela frente, mas João
Fernandes Vieira, que vinha com o grosso da gente, deu parecer contrário: que se buscasse o
inimigo pela retaguarda (como na 1ª batalha) uma vez que onde estavam não tinha água e
deveriam acampar com algum conforto ao fim da tarde, deixando o holandês à espera.
Concordou Francisco de Meneses com este último parecer e assim mandou seguirem a um
engenho ali perto onde repousaram e traçaram o plano do ataque, pelo que se concordou em
iniciar a ação tão logo abandonasse o inimigo suas posições, para qualquer rumo que fosse.
No dia 19, das 13:00 para as 14:00 (castigado pelo sol), tanto que foram os holandeses
desocupando o alto dos montes para formarem um grande esquadrão na direção do Recife,
nosso exército iniciou a aproximação.
João Fernandes Vieira com 800 de seus homens foi o primeiro a entrar na luta, bem no meio
da área que chamavam boqueirão, onde o inimigo tinha 6 esquadrões e duas peças de
artilharia.
Após 25 min de cargas de fogo, João Fernandes tentou cortar a formação holandesa pelo
alagado.
Sem sucesso, de volta à posição inicial, pediu a todos que investissem à espada após uma
última carga na cara do inimigo, e assim foi ganho o boqueirão à espada (apesar da brava
resistência dos lanceiros holandeses), onde conquistamos 2 canhões de campanha.
Nesta altura já estavam em luta todos os nossos vindo pelo alto e fraldas do último monte:
Henrique Dias, Diogo Camarão, Francisco Figueroa, André Vidal, Dias Cardoso e a cavalaria
de Antônio Silva.
Tomado o monte central e suas 4 peças de artilharia, bem como as tendas do comandante
holandês Van den Brinck (que foi morto na ocasião), os luso-brasileiros pressionaram os
inimigos até sua desintegração e fuga para Recife, sendo perseguidos por nossos cavaleiros
exaustos; muitos fugiram para os matos, outros se entregaram implorando pelas vidas.
Diogo Lopes de Santiago. Historia da guerra de Pernambuco (...). [S.l.: s.n.], 1943. 756
p. ISBN 9788586206153 (Trechos digitalizados -Google books)
Santiago, Diogo Lopes. História da Guerra de Pernambuco (...), 1654.
HERÓIS DA PÁTRIA
A Lei nº 12.701, de 06 de agosto de 2012
3
determinou que os nomes dos principais
personagens luso-brasileiros na batalha, juntamente com o de Francisco Barreto de
Meneses que comandou de ofício o "Exército Patriota" e é chamado "Restaurador de
Pernambuco", fossem incritos no Livro de Heróis da Pátria (conhecido como "Livro de Aço"),
depositado noPanteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves, um cenotáfio que
homenageia os heróis nacionais localizado na Praça dos Três Poderes, em Brasília.
BIBLIOGRAFIA
Santiago, Diogo Lopes. História da Guerra de Pernambuco (...), 1654.
Em 1640 o Brasil conheceria, segundo fontes históricas a mais antiga unidade
de forças especiais em território nacional.
A história dos Operadores de Forças Especiais do Exército Brasileiro remonta
do século XVII, na Campanha de Guararapes, origem do próprio Exército
Brasileiro.
Em 1640, durante a 2ª Invasão Holandesa, o Patrono e maior exemplo dos
Forças Especiais, o Sargento-Mor Antônio Dias Cardoso foi enviado pelo
Governador Geral da Colônia à Capitania de Pernambuco com a missão de
organizar e instruir civis, índios nativos, brancos portugueses e seus
descendentes já nascidos em solo pátrio, e negros escravos, para expulsar o
invasor estrangeiro.
Neste intuito, Antônio Dias Cardoso infiltrou em território pernambucano grande
quantidade de armamento e munição, aliciou líderes da região e recrutou a
população, organizando-os, instruindo-os e equipando-os para comporem suas
Forças de Resistência e Emboscada.
Devido ao sucesso da Batalha do Monte das Tabocas, o pequeno efetivo
organizado pelo Sargento-Mor foi transformado no Exército da Restauração,
célula “mater” da Força Terrestre Brasileira que, utilizando táticas inéditas para
a época e bastantes semelhantes às presentes na atual doutrina de nossas
Forças de Operações Especiais, derrotou os holandeses nas duas batalhas
dos Guararapes.
A HISTÓRIA MODERNA DAS FORÇAS ESPECIAIS
BRASILEIRAS
Mais recentemente, em meados do século XX, as experiências e ensinamentos
colhidos ao longo da 2ª Guerra Mundial impuseram ao Exército Brasileiro a
evolução no campo das Operações Especiais.
Assim, naquele momento, mais especificamente em 1957, deu-se início à
história moderna das Forças Especiais Brasileiras, quando o Cel R/1 Gilberto
Antônio Azevedo e Silva, após retornar de um intercâmbio com o Exército dos
Estados Unidos da América, propôs a criação de uma unidade semelhante à
tropa de Forças Especiais daquele país.
Desta forma, sob sua liderança, os chamados "Pioneiros" realizaram o
primeiro Curso de Operações Especiais de nossa Força Terrestre.
Em 1961, oficiais e sargentos com o curso de Operações Especiais foram aos
Estados Unidos da América e trouxeram a doutrina dos "Special Forces" e
"Rangers", adaptando-a às características e peculiaridades de nosso País.
Em 12 de agosto de 1968, finalmente foi criado o Destacamento de Forças
Especiais, subordinado à Brigada de Infantaria Paraquedista, no Rio de
Janeiro, fato que deu início ao desenvolvimento e emprego da doutrina
brasileira de Forças Especiais no Exército.
Paralelamente, findando um processo que
perdurou por cerca de 10 anos, após cursos,
instruções e um trabalho árduo e determinado de
nossos "Pioneiros", foram organizados, em
1968, os primeiros Curso de Ações de
Comandos e de Forças Especiais.
O final do século XX e os conflitos militares que
se avolumavam naqueles anos mostraram uma
tendência de emprego, cada vez maior, de
Forças de Operações Especiais, o que foi
determinante para a criação do 1º Batalhão de Forças Especiais, em 30 de
setembro de 1983, a partir do núcleo do Destacamento de Forças Especiais.
Esta Unidade instalou-se, no ano seguinte, no Camboatá, na cidade do Rio de
Janeiro.
primeira turma do 1º BFesp - 1984
Por seus feitos e glórias como uma das principais Reservas Estratégicas do
Exército, em 1991 este Batalhão recebeu a denominação histórica de Batalhão
Antônio Dias Cardoso, uma justa homenagem ao Sargento-Mor considerado o
primeiro Operador de Forças Especiais do Brasil.
Ou seja, as forças especiais do Brasil possuem origem quando a Holanda
tentou invadir o Brasil.
Nesse combate os brasileiros unidos em um grupo multiétnico e em menor
quantidade numérica venceram um exército muito maior(o n°1 da
época) usando técnicas de guerrilha e emboscadas, surgindo assim as forças
especiais brasileiras.
No século 20 tal doutrina foi modernizada e atualizada baseando-se
nos métodos das forças especiais e comandos do Reino Unido via Estados
Unidos da América que também usaram de base o Reino Unido.
E alguns manuais militares do Brasil assim como a doutrina brasileira (o Brasil
atualmente uma doutrina made in Brasil) muito se parecem com os métodos
das forças especiais da França.
FORÇAS ESPECIAIS. O QUE FAZEM? QUEM SÃO?
SÍMBOLO forças especiais brasileiras do Exército:
Um punhal com o paraquedas.
TRADIÇÕES :
O uso do gorro preto com o
símbolo acima descrito
HINO: Letra de Hélcio Bruno de Almeida e música de Benedito Ferraz de
Oliveira
Em resposta ao clamor do dever
Abandono meu lar meu amor
O convívio sagrado da prole
Repudiando o conforto e o prazer.
A distância, a saudade e a dor,
Me transformam em lobo feroz,
Rosto negro, olhar de rapina,
Braço armado que lança o terror.
Quando a luta cerrar os seus
punhos
Exigindo o sangue do audaz
Quando o medo atingir o mais forte
Misturando o pavor com a morte
Vai erguer-se um guerreiro do chão
Destemido, treinado e leal
Vai buscar a vitória final
E lutar pelo seu batalhão
O silêncio das noites escuras
Nos garantem sigilo total,
O sabre rubro revela a bravura
Inerente ao guerreiro especial,
As batalhas de Dias Cardoso
Líder nato, imortal varonil
Fazem-nos orgulhosos soldados,
(Rhum! Rhum! Há!)
DAS FORÇAS ESPECIAIS!!! BRASIL!!!!!
DEFINIÇÃO:
Soldados altamente especializados, criativos e inteligentes. Comumente,
tais operações realizadas por eles são caracterizadas pela organização,
preparo e emprego de forças irregulares para a conquista de objetivos políticos
e militares à longo prazo.
Sabotagens, operações psicológicas e de inteligência, estruturação de redes
de apoio para fuga e evasão, ações contraterrorismo e reconhecimentos
especiais fazem parte também do rol de missões das forças especiais.
Origem do nome:
Forças especiais existem a muito tempo.
Durante as Guerras das Cruzadas, pequenas e bem treinadas unidades de
Cavaleiros Templários atacavam as unidades individuais muçulmanas.
Durante as Guerras Napoleónicas, unidades de atiradores e sapadores fora
das formais linhas de combate, existiam para acções especiais de espionagem
ou sabotagem.
Modernamente para o Exército Britânico, foi durante a Segunda Guerra
Boer(1899-1902) que a necessidade de ter unidades mais especializadas se
tornou mais aparente.
Unidades de batedores tais como os Lovat Scouts, um regimento das Terras
Altas da Escócia especializado em tácticas militares.
Os Estados Unidos e Canadá também formaram uma brigada de ski de
sabotagem para operações na Noruega que ficou conhecida como Devil
Brigade(A Brigada do Diabo) durante o seu desempenho em Itália.
O Exército Alemão tinha o Regimento Brandenburger, o qual tinha sido
originalmente fundado como uma unidade de forças especiais usada pelo
Abwehr para infiltrações a longa distância.
Porém, a unidade que mudou o conceito de forças especiais no mundo
moderno foi o Serviço Aéreo Especial do Reino Unido (o SAS) que atuaram na
II guerra mundial no deserto africano.
Essa unidade influenciou a metodologia das forças especiais de muitos
lugares e permanece em atividade até hoje.
Tais soldados eram considerados inimigos mortais da Alemanha de Hitler e
seus aliados.
Para soldados do SAS que eram presos, a sentença de Hitler era a morte.
Deixa-los vivos poderia custar a guerra ou ter problemas no futuro.
Apesar de no Brasil unidades tidas como especiais terem sido usadas em
combates com metodologia similar por Antônio Dias Cardoso nas Batalhas dos
Guararapes, o Brasil usou muito dos métodos de adestramento do SAS e das
forças especiais dos EUA, esses também influenciados pelo SAS. Porém, hoje
o Brasil possui doutrina tupiniquim e reconhecida internacionalmente.
Hoje algumas das principais unidades de forças especiais ao redor do mundo
são:
SAS e SBS(Reino Unido), Delta Force e Boinas Verdes (EUA), Sayeret
Matkal e Shayetet 13 (Israel), SASR(Austrália), Spetsnaz (Rússia), GROM, 1
Pułk Specjalny Komandosów (Polônia), GIGN (França)
,KSK (Alemanha), DAE e a CTOE (Portugal)
O que diferencia das Forças Especiais dos Comandos? Isso é algo que
confunde muitas pessoas.
A missão original e mais importante das Forças Especiais tem sido a "guerra
não convencional" e a conquista de objetivos políticos e militares à longo
prazo(isso difere muito dos comandos).
Nem sempre é usada a força letal (o que também difere dos comandos) apesar
de serem extremamente competentes nesse aspecto(prévio treino como
comandos).
Enfatizam o idioma, cultura e habilidades de treinamento no trabalho com
outros povos, uma referência a uma de suas principais missões é
o treinamentos e assessoria das forças estrangeiras e conquistar a confiança
do população local (Corações e Mentes) .
(Outras funções incluem contra proliferação, operações psicológicas,
perseguições, defesa interna no estrangeiro, reconhecimento especial, ação
direta, resgate de reféns e contraterrorismo operações de combate às
drogas busca e resgate de combate), assistência à segurança, manutenção da
paz, ajuda humanitária, desminagem humanitária, etc.
FORÇAS ESPECIAIS DO BRASIL:
O 1° Batalhão de Forças Especiais (1° B F Esp) é a unidade de elite
do Exército Brasileiro capacitada ao planejamento, condução e execução de
operações de guerra irregular, contraterrorismo, fuga e evasão, inteligência de
combate, contraguerrilha, guerra de resistência, operações psicológicas,
reconhecimento estratégico e busca, localização e ataque a alvos estratégicos.
É subordinado a Brigada de Operações Especiais, de acordo com a
organização e adestramento do EB, trata-se da principal unidade de elite da
Força.
As operações do 1º BFEsp caracterizam-se por sua acentuada mobilidade
estratégica. Seu emprego costuma requerer alto grau de sigilo, e suas
operações apresentam considerável grau de risco, já que, em geral, são
executadas em território hostil.
Patrono: Antonio Dias Cardoso é o patrono do 1º Batalhão de Forças
Especiais, que também é conhecido como Batalhão Antonio Dias Cardoso.
Foi um dos principais líderes da Insurreição Pernambucana e comandou um
pequeno efetivo que venceu a batalha dos Montes das Tabocascontra uma
tropa muito maior liderada diretamente por Maurício de Nassau e
posteriormente também em menor número venceu em Casa Forte a
tropa neerlandesa comandada pelo coronel Van Hans, comandante-Geral
holandês no Nordeste do Brasil.
Também participou ativamente nas duas batalhas dos Guararapes quando na
primeira foi subcomandante do maior dos quatro terços do Exército Patriota,
tendo-lhe sido passada a investida da principal frente de batalha pelo
comandante João Fernandes Vieira, na segunda batalha comandou a chamada
Tropa Especial do Exército Patriota, desbaratando toda a ala direita dos
holandeses.
Devido a ter comandado a Tropa Especial do Exército Patriota e principalmente
por ter operado no passado da mesma maneira que fazem atualmente as
tropas de forças especiais, combatendo em menor número, sem posição fixa,
usando a surpresa como elemento de combate, utilizando-se de emboscadas,
recrutando população local, treinando-as em técnicas irregulares como as de
guerrilha, dentre outras coisas, foi homenageado como patrono do 1º Batalhão
de Forças Especiais do Exército Brasileiro e por isso é reconhecido atualmente
como o primeiro operador de forças especiais do Brasil.
ATIVIDADES MODERNAS CONHECIDAS
1991- Guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia,
adentraram o território brasileiro e atacaram um pequeno contingente de
fronteira do Exército Brasileiro, a resposta foi imediata, e o até então Batalhão
de Forças Especiais realizou em
conjunto com outras unidades, uma
operação de retaliação, a Operação
Traíra, e o resultado foi o de 12
guerrilheiros mortos, inúmeros
capturados, maior parte do armamento
e equipamento recuperados, e desde
então, nunca mais se soube de
invasões das FARC em território
brasileiro, e muito menos de ataques a militares brasileiros.
Recentemente sob a égide das Nações Unidas, o 1º Batalhão de Forças
Especiais teve papel decisivo no combate a grupos paramilitares que
assolavam o território haitiano e causavam grande instabilidade política no
país.
O 1º BATALHÃO DE FORÇAS ESPECIAIS É BASTANTE
INFLUENCIADO PELO SAS.
No Brasil, o “primeiro comando conhecido e patrono" é o capitão Francisco
Padilha, militar que lutou por meio de ações de guerrilha contra os invasores
holandeses no início do século XVII.
O coronel Johan van Dorth, nomeado governador da Bahia pela Companhia
Holandesa das Índias Ocidentais (West Indische Compagnie/WIC) em 1624, foi
morto nas proximidades de Salvador por Francisco Padilha a frente de uma das
diversas companhias de emboscadas compostas em sua maioria de índios
flecheiros.
Essas companhias também eram chamadas de Milícias dos Descalços e
tinham como objetivo principal impedir a expansão inimiga pela colônia.
Embora a doutrina dos comandos brasileira seja mais antiga(assim como as
forças especiais),o "renascimento" de tais soldados no Brasil e no
mundo reapareceu no século XX durante a II guerra com a formação de tais
unidades de elite das forças armadas do Reino Unido.
PRECURSOR PARAQUEDISTA: A VERDADEIRA ELITE DO
PARAQUEDISMO MILITAR.
Lema: Procede,guia,lidera.(Brasil)
Quem:
O precursor paraquedisa(Brasil) ou
patfhinder( nações de origem inglesa) é
uma unidade altamente adestrada que
cumpre missões de infiltração pré e
pós-assalto para reconhecimento,
balizamento de zonas de lançamento
de pára-quedistas, de pouso de aviões
e helicópteros em ambiente de
combate e também realiza operações
especiais por meio de saltos livres ou
semi-automáticos em ambiente
terrestre ou aquático, servindo como
observadores avançados
para caçasbombardeiros ou unidades
de Artilharia.
Os militares integrantes desta unidade, além do curso de elite de Pára-quedista
Militar também são concludentes do Curso de elite de Precursor Pára-quedista,
ministrado pelo Centro de Instrução Pára-quedista General Penha
Brasil.Unidade altamente adestrada que cumpre missões de infiltração pré e
pós-assalto aeroterrestre para reconhecimento,
balizamento de zonas de lançamento de pára-quedistas, de pouso de aviões e
helicópteros em ambiente de combate e também realiza operações especiais
por meio de saltos livres ou semi-automáticos em ambiente terrestre ou
aquático, servindo como observadores avançados para caçasbombardeiros ou
unidades de Artilharia.
Breve dos precursores paraquedistas
Tais unidades foram usadas no
Vietnam, II Guerra Mundial e outros
combates, muitas vezes em parceria
com as forças especiais.
Lembramos que o curso operacional
de qualquer tipo somente prepara o
militar para o combate real.( O resto
é somente embuste).
Por isso o treinamento deve ser duro
e o mais perto da realidade.
Instrutor e alunos chegando
mapas e azimute.A
orientação é uma parte
importante do treinamento.
Para quem: este curso
habilita oficiais, aspirantes-
a-oficial, subtenentes e
sargentos de carreira já
concludentes do curso de
paraquedista militar a
servirem na Companhia de
Precursores Paraquedista, o
militar aprende técnicas
especiais de combate, de salto livre operacional, lançamento de equipes de
precursores, infiltração em território hostil pré e pós assalto aeroterrestre
aliado, e a identificar e balizar zonas de lançamento de paraquedistas, informar
posições inimigas para bombardeio, dentre outras coisas.
O concludente deste curso também torna-se mestre de salto, pois o curso de
mestre de salto é um nível do curso de Precursor Paraquedista. Também é
ministrado no Centro de Instrução Paraquedista General Penha Brasil.
Os cabos e soldados voluntários a servir na Companhia de Precursores
Paraquedista são militares que passam por um criterioso processo de seleção
antes e durante a incorporação na unidade, apenas militares já paraquedistas e
com um ano ou mais na Força
Terrestre, podem tentar pleitear uma
vaga na unidade, e são brevetados
precursores após concluírem o curso
de formação específico para cabos e
soldados, que tem duração
aproximada de três meses, que
explora ao máximo o caráter prático
das instruções, sem exigir no entanto
aspectos ligados ao planejamento
operacional.
PS: paraquedistas não são uma unidade de forças especias,ou seja.não é
considerada unidade de elite especializada.Porém, como todo soldado de
forças especiais deve ser um paraquedista,muitos desses se qualificam como
forças especiais no futuro.
O precursor paraquedista é considerado elite pois é um soldado
altamente profissional e importante para todas forças armadas além de possuir
um treinamento diferenciado do paraquedista normal.
COMANDOS ANFÍBIOS (COMANF)-
FORÇAS ESPECIAIS DOS FUZILEIROS NAVAIS DO BRASIL.
SÍMBOLO: uma caveira sobre uma ancora atravessada por um raio e asas,
símbolo que os destaca entre os demais fuzileiros navais.
QUEM SÃO:
Os Comandos Anfíbios (COMANF) são as forças especiais do Corpo de
Fuzileiros Navais da Marinha do Brasil.
Eles congregam os fuzileiros navais especificamente preparados para
realização de operações especiais.
Trata-se do Batalhão de Operações Especiais de Fuzileiros Navais, conhecido
como BATALHÃO TONELERO, cujos membros são ainda mais exigidos nos
termos de recrutamento, instrução e instrução e adestramento.
Como cada unidade de força especiais são treinados para determinadas
atividades em combate, o que não torna uma unidade melhor que outra mas
sim a mais apropriada a cada tipo de missão, embora todas possuam um vasto
leque de qualidades e qualificação acima da média.
PARA QUEM:
Para Oficiais, Sargentos e Cabos aprovados no curso de habilitação para
promoção a Sargento, é ministrado o Curso Especial de Comandos Anfíbios
(CESCOMANF), com duração de 22 semanas, que abrange as disciplinas de
técnicas de infiltração; patrulha; explosivos; socorrismo avançado; combate em
áreas urbanas; combate corpo-a-corpo; montanhismo;
técnicas de sobrevivência no mar e em terra; dentre
outras, além de capacitação e adestramento para
operar em regiões ribeirinhas e no Pantanal, em
montanha e clima frio, em regiões semiáridas, selva e
área urbana.
Depois de formados, esses combatentes recebem um
brevê representado por uma caveira atravessada por
um raio, símbolo que os destaca entre os demais
fuzileiros navais.
Para Cabos não estabilizados e Soldados é ministrado o Estágio de
Qualificação Técnico Especial de Operações Especiais, com duração de seis
semanas, chamado de "Comanfinho".
Esse estágio visa a padronização das Ações de Comandos Anfíbios e
Operações Especiais, formando os auxiliares dos COMANF, que são
adestrados de maneira muito parecida.
Depois de formados,
eles farão parte das Companhias
Operativas (1º Cia Recon / 2º Cia de Ação de
Comandos / GERR), e terão a oportunidade
de se aprimorar tecnicamente por meio
de outros estágios e cursos, como: Estágio
Básico de Paraquedista Militar; Curso de
Auxiliar de Precursor Paraquedista; Curso
de Auxiliar de DOMPSA; Curso Expedito de
Salto Livre; Curso Expedito de Mergulho
Autônomo e Estágio Básico de Combatente
de Montanha.
CASA DOS COMANF:
O Batalhão de Operações Especiais de Fuzileiros Navais, conhecido como
Batalhão Tonelero,foi criado em 1971, baseado no Rio de Janeiro e tem a
finalidade principal de, por meio da execução de operações especiais,
contribuir para o preparo e a execução do poder naval, efetuando ações de
reconhecimento e de comandos.
Sob sua responsabilidade, está a função de ministrar cursos e estágios
voltados ao seu efetivo. A unidade é estruturada em Companhia de Comando e
Serviços, Companhia de Reconhecimento Terrestre, Companhia de
Reconhecimento Anfíbio, duas Companhias de Ações de Comandos e o Grupo
Especial de Retomada e Resgate (GERR, que tem como missão resgatar
militares ou autoridades civis mantidos em confinamento ilegal, busca e resgate
de pilotos abatidos em zona de combate, e retomada de instalações de
interesse da Marinha, trabalhando em conjunto com os Mergulhadores de
Combate (GRUMEC), que se encarregam das ações em ambiente aquático,
enquanto o Tonelero atua predominantemente em ações terrestres.
Especialização;
O adestramento dos COMANF prevê anualmente, exercícios em várias regiões
do Brasil, buscando o aperfeiçoamento de suas técnicas de combate e a
capacitação para operar em diferentes ambientes e climas.
No Exército Brasileiro realizam diversos cursos e estágios que complementam
a formação como o Curso Básico de Paraquedista Militar, Curso de Precursor
Paraquedista, Curso de DOMPSA, Curso de Guerra na Selva, Estágio de
Operações na Caatinga, Estágio de Operações no Pantanal, entre outros.
Na própria unidade realizam o Curso Expedito de Salto Livre (CEXSAL) e o
Curso Expedito de Mergulho Autônomo (C-EXP-MAUT).
Alguns militares são designados para estagiarem no exterior, especializando-se
em cursos como o "All Arms Commando Course"(Royal Marines), "Comando
de Operaciones Especiales"(Marina/Espanha), "Rangers"(US Army) e
"Anphibious Reconnaisance Course"(US Marine Corps).
Comanfs em ação
GRUMEC: FORÇAS ESPECIAIS DA MARINHA DO BRASIL
LEMA: Fortuna audaces
sequitur(a sorte acompanha os
audazes)
QUEM SÃO:
O Grupamento de Mergulhadores
de Combate (GRUMEC) é uma
unidade de Forças Especiais da
Marinha do Brasil.
Com doutrina semelhante a do US Navy Seals e a do Special Boats Service
britânico, a sua função é a de se infiltrar, sem ser percebida, em áreas
litorâneas e ribeirinhas, e executar tarefas como reconhecimento, sabotagem e
destruição de alvos de valor estratégico.
Também são especialistas em guerra não convencional, o que caracteriza a
sua doutrina de forças especiais.
Foi criado em 1974 e é subordinado à Força de Submarinos, que lhe fornece o
principal meio de transporte.
As equipes são transportadas até às proximidades do alvo por um submarino, a
partir do qual saem nadando, em caiaques ou em barcos infláveis que podem
ser lançados do submarino ainda sob a água.
O GRUMEC também pode alcançar o alvo saltando de paraquedas ou
desembarcando de helicópteros.
O GERR - MEC , Grupo Especial de
Retomada e Resgate - Mergulhadores
de Combate, congrega o pessoal
responsável pela retomada de navios,
instalações navais, plataformas de
petróleo, bem como o resgate de reféns
que venham a ser tomados/dominados
por terroristas ou outros criminosos.
Utilizam a tática conhecida como VBSS
(Vessel Boarding Search and Seizure) e
treinam regularmente em conjunto com
os Comandos Anfíbios.
Para quem:
Esse curso não é para militares dos fuzileiros navais. Fuzileiros devem seguir
os COMANF.
O curso de formação é prioritário para militares da Marinha do Brasil, do Corpo
da Armada ou do Quadro Complementar da Armada, não podendo ser
frequentado por Fuzileiros Navais, e objetiva habilitá-los a operar equipamentos
de mergulho, armamento, explosivos, utilizar técnicas e táticas para guerra
não-convencional e conflito de baixa intensidade, capacitando-os a executar,
em suma, os diversos tipos de operações especiais.
Além de ser o curso operacional mais longo das Forças Armadas Brasileiras, é
conhecido por ser um dos mais rigorosos, de cada 30 inscritos, em média 4
conseguem concluí-lo, havendo edições em que nenhum candidato se formou.
É divido em duas categorias, para Oficiais, existe o CAMECO - Curso de
Aperfeiçoamento de Mergulhador de Combate para Oficiais, com duração de
41 semanas, divididas em quatro fases e uma fase 0, onde é dada ênfase
especial ao planejamento de operações, com as disciplinas de treinamento
físico militar, processo de planejamento militar e estudo de casos, gestão
contemporânea e noções básicas de gestoria e liderança.
Nas demais fases, as matérias abrangem: treinamento físico militar; defesa
pessoal; higiene de campanha; primeiros socorros; equipamento autônomo de
circuito aberto e fechado; técnicas de combate; operações ribeirinhas;
demolições; armamento; comunicações; técnicas de reconhecimento de praia;
operações especiais submarinas; introdução ao microcomputador; sistema de
comunicações da Marinha; e inteligência.
Para Praças, existe o C-ESP-MEC - Curso Especial de Mergulhadores de
Combate, com duração de 32 semanas, com as mesmas atividades
instrucionais do CAMECO, exceto a fase 0.
Depois de formado MeC, o militar é
designado para servir no GRUMEC, onde
participará de um completo programa
complementar de adestramento e realizará
cursos de extensão e estágios em diversas
áreas, como Desativação de Artefatos
Explosivos (DAE), Curso Básico de
Paraquedista Militar, Mestre de Salto, Salto
Livre, Mestre de Salto Livre, Precursor
Paraquedista, Dobragem e Manutenção de
Paraquedas e Suprimentos pelo ar
(DOMPSA), Estágio Básico de
Montanhismo, Curso de Operações na
Selva, Estágio de Operações no Pantanal,
Estágio de Caçador, dentre outros.
HISTÓRIA:
Os primeiros MECs (Mergulhadores de Combate) brasileiros foram dois Oficiais
e dois Praças que concluíram em 1964, o curso da Underwater Demolition
Team (Equipe de Demolição Submarina), antiga força de elite da Marinha dos
Estados Unidos, precursora do US Navy Seals.
Com base na experiência desses militares foi criada em 1970 a Divisão de
Mergulhadores de Combate na Base Almirante Castro e Silva.
No ano de 1971 mais dois Oficiais e três Praças foram qualificados pela
Marinha Francesa como "nageurs de combat" e, em 1974, foi formada no
Brasil, pelo atual Centro de Instrução e Adestramento Almirante Áttila Monteiro
Aché (CIAMA), a primeira turma de Mergulhadores de Combate.
Em 1983 a Divisão de Mergulhadores de
Combate foi transformada no Grupamento de
Mergulhadores de Combate, como parte
integrante do Comando da Força de
Submarinos.
No dia 12 de dezembro de 1997, o Ministro da
Marinha criou o Grupamento de
Mergulhadores de Combate, sediado na
cidade do Rio de Janeiro e diretamente
subordinado ao Comando da Força de
Submarinos.
Foi ativado no dia 10 de março de 1998.
Brasão do dos mergulhadores de combate.
DIFERENCIANDO AS FORÇAS ESPECIAIS:
O QUE FAZEM E QUEM SÃO OS COMANDOS?
DEFINIÇÃO:
Comandos é a designação dada a
uma unidade de elite pertencente à
uma das forças armadas, que é
altamente adestrada e qualificada a
operar sob circunstâncias e
ambientes impróprios ou
contraindicados ao emprego de
outros elementos das forças
regulares, sendo apta a cumprir
uma ampla variedade de missões e
tarefas, táticas ou estratégicas.
Dentre as missões executadas por uma tropa de comandos, estão as
operações de contra-guerrilha, além das ações diretas que necessitem de alto
poder de choque durante curto prazo(as forças especiais atuam durante longo
prazo).
Origem do nome: O termo nasceu a partir da designação de Kommando que
os bôeres da África do Sul davam às suas tropas de operações especiais na
guerra contra os britânicos, no princípio do século XX.
A palavra Kommando por sua vez teria tido origem no
termo português "Comando", utilizado na Índia no sentido de um grupo de
tropas sob um comando autônomo que desempenhava missões especiais
durante uma batalha ou cerco.
Na África do Sul tropas similares atuavam em pequenos destacamentos, que
se deslocavam normalmente a cavalo, e lançavam ataques rápidos contra as
tropas britânicas.
Durante a 2ª Guerra Mundial tanto os britânicos como os alemães decidiram
reutilizar este termo para designar as novas tropas de operações especiais que
tinham formado (as britânicas designadas Commandos e as
alemãs Kommandos).
Posteriormente o termo foi utilizado por outros países para designar algumas
das suas forças de elite.
O QUE OS DIFERENCIA DAS FORÇAS ESPECIAIS?
As ações de comandos são operações onde tropa habilitada, de valor e
constituição variáveis, atua geralmente em menor número, atacando nas
retaguardas profundas do inimigo por intermédio de uma infiltração terrestre,
aquática ou aérea, contra alvos de valor estratégico, operacionais ou críticos
sob o ponto de vista tático, localizados em áreas hostis ou sob controle do
inimigo.
Suas incursões são conhecidas pela agressividade, onde poucos homens
causam tantos danos, que os inimigos acreditam ter sido em número muito
maior que o real.
As missões de Comandos e Forças Especiais diferem-se, ainda mais, no
quesito duração.
Comandos normalmente tem uma missão de assalto que deve ser cumprida o
mais rápido possível, normalmente podem se manter operando durante
SOMENTE algumas semanas sem apoio.
Comandos do Brasil: O 1° Batalhão de Ações de Comandos (1° B A C) é uma
unidade de elite do Exército Brasileiro.
Comandos brasileiros no Haiti.
Patrono: O batalhão tem como patrono o capitão Francisco Padilha, militar que
lutou por meio de ações de guerrilha contra os invasores holandeses no início
do século XVII.
O coronel Johan van Dorth, nomeado governador da Bahia pela Companhia
Holandesa das Índias Ocidentais (West Indische Compagnie/WIC)
em 1624, foi morto nas proximidades de Salvador por Francisco Padilha a
frente de uma das diversas companhias de emboscadas compostas em sua
maioria de índios flecheiros.
Essas companhias também eram chamadas de Milícias dos Descalços e
tinham como objetivo principal impedir a expansão inimiga pela colônia.
SÍMBOLO COMANDOS DO EXÉRCITO BRASILEIRO:
a faca encravada na caveira como escudo (O BOPE também usa um símbolo
semelhante que se origina de instrutores do
BOPE,que eram comandos do Exército Brasileiro.
Lembramos ainda que o BOPE é uma unidade
policial enquanto os Comandos fazem parte de um
grupo militar.
Tradições: O 1º Batalhão de Ações de Comandos,
mantem vivas algumas tradições desde 1968, ano
em que foi criado o seu embrião, o Destacamento
de Ações de Comandos, primeira unidade com
doutrina comandos do Brasil. Tradições que se
perpetuaram e foram difundidas entre outras unidades comandos brasileiras
criadas posteriormente, como o uso do fardamento em cor preta, do gorro
comandos, a faca encravada na caveira como escudo, e a tradição de obrigar
os alunos desistentes do curso de ações de comandos, a enterrar os seus
gorros e colocar uma cruz em cima.
QUAL É A MELHOR UNIDADE MILITAR ESPECIAL: COMANDOS OU
FORÇAS ESPECIAIS?
Isso não somente no Brasil, mas
em boa parte do planeta tal
rivalidade existe.
Isso na verdade não é correto
pois cada unidade militar de
qualquer parte das forças
armadas de qualquer
lugar possui fins específicos para
o qual foi treinada o que a torna
mais apta ou não para uma
missão.
Não existe a melhor, existe a
mais adequada.
COMO SER UM SOLDADO DAS FORÇAS ESPECIAIS BRASILEIRAS?
O aluno deve ser militar profissional. No Brasil isso ainda é obtido através de
concursos .
Os oficiais (via Academia Militar das Agulhas Negras), subtenentes e sargentos
(Escola de Sargentos das Armas) de carreira que integram as frações da
unidade possuem o Curso de Forças Especiais.
Como pré-requisitos desse curso, o aluno deve possuir o curso de Comandos e
o curso básico de paraquedismo militar.
Com 25 semanas de duração, é ministrado apenas à oficiais, subtenentes e
sargentos de carreira do Exército Brasileiro, concludentes do Curso de
Comandos (COSAC), Guerra na Selva (CIGS) e do Curso Paraquedista.
O curso habilita os militares a integrarem um Destacamento Operacional de
Forças Especiais, fração de emprego do 1º Batalhão de Forças Especiais e
consequentemente a realizarem operações de reconhecimento especial,
contraterrorismo, resgates, subversão, evasão, sabotagens, contraguerrilha e
de guerrilha contra forças regulares.
historia das forças especiais

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2
CADERNO DE INSTRUÇÃO PISTA DE COMBATE DE GC NA DEFESA EXTERNA CI 21-76 2
 
MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE FUZILEIROS C 7-10
MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE FUZILEIROS C 7-10MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE FUZILEIROS C 7-10
MANUAL DE CAMPANHA COMPANHIA DE FUZILEIROS C 7-10
 
MANUAL DE CAMPANHA OPERAÇÕES DE TRANSPOSIÇÃO DE CURSOS DE ÁGUA C 31-60
MANUAL DE CAMPANHA OPERAÇÕES DE TRANSPOSIÇÃO DE CURSOS DE ÁGUA C 31-60MANUAL DE CAMPANHA OPERAÇÕES DE TRANSPOSIÇÃO DE CURSOS DE ÁGUA C 31-60
MANUAL DE CAMPANHA OPERAÇÕES DE TRANSPOSIÇÃO DE CURSOS DE ÁGUA C 31-60
 
CGCFN-1004 - Manual do Combatente Anfíbio
CGCFN-1004 - Manual do Combatente AnfíbioCGCFN-1004 - Manual do Combatente Anfíbio
CGCFN-1004 - Manual do Combatente Anfíbio
 
CGCFN-1003 - Manual Básico do Fuzileiro Naval
CGCFN-1003 - Manual Básico do Fuzileiro NavalCGCFN-1003 - Manual Básico do Fuzileiro Naval
CGCFN-1003 - Manual Básico do Fuzileiro Naval
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO PATRULHAS CI 21-75/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO PATRULHAS CI 21-75/1CADERNO DE INSTRUÇÃO PATRULHAS CI 21-75/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO PATRULHAS CI 21-75/1
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO ASSALTO AEROMÓVEL E INFILTRAÇÃO AEROMÓVEL CI 90-1/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO ASSALTO AEROMÓVEL E INFILTRAÇÃO AEROMÓVEL CI 90-1/1CADERNO DE INSTRUÇÃO ASSALTO AEROMÓVEL E INFILTRAÇÃO AEROMÓVEL CI 90-1/1
CADERNO DE INSTRUÇÃO ASSALTO AEROMÓVEL E INFILTRAÇÃO AEROMÓVEL CI 90-1/1
 
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA CAVALARIA C 2-1
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA CAVALARIA C 2-1 MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA CAVALARIA C 2-1
MANUAL DE CAMPANHA EMPREGO DA CAVALARIA C 2-1
 
Coe pmesp
Coe pmespCoe pmesp
Coe pmesp
 
ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA DE SELVA PPA INF/4
ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA DE SELVA PPA INF/4ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA DE SELVA PPA INF/4
ADESTRAMENTO BÁSICO NAS UNIDADES DE INFANTARIA DE SELVA PPA INF/4
 
MANUAL DE CAMPANHA FORÇAS-TAREFAS BLINDADAS C 17-20
MANUAL DE CAMPANHA FORÇAS-TAREFAS BLINDADAS C 17-20MANUAL DE CAMPANHA FORÇAS-TAREFAS BLINDADAS C 17-20
MANUAL DE CAMPANHA FORÇAS-TAREFAS BLINDADAS C 17-20
 
R-1 - Regulamento Interno e dos Serviços Gerais - RISG
R-1 - Regulamento Interno e dos Serviços Gerais - RISGR-1 - Regulamento Interno e dos Serviços Gerais - RISG
R-1 - Regulamento Interno e dos Serviços Gerais - RISG
 
MANUAL DE CAMPANHA REGIMENTO DE CAVALARIA MECANIZADO C 2-20
MANUAL DE CAMPANHA REGIMENTO DE CAVALARIA MECANIZADO C 2-20MANUAL DE CAMPANHA REGIMENTO DE CAVALARIA MECANIZADO C 2-20
MANUAL DE CAMPANHA REGIMENTO DE CAVALARIA MECANIZADO C 2-20
 
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS MORTEIRO 81 mm ROYAL ORDNANCE IP 23-90
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS MORTEIRO 81 mm ROYAL ORDNANCE IP 23-90 INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS MORTEIRO 81 mm ROYAL ORDNANCE IP 23-90
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS MORTEIRO 81 mm ROYAL ORDNANCE IP 23-90
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO-INSTRUÇÃO D...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO-INSTRUÇÃO D...PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO-INSTRUÇÃO D...
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DE QUALIFICAÇÃO DO CABO E DO SOLDADO-INSTRUÇÃO D...
 
MANUAL DE CAMPANHA MINAS E ARMADILHAS C 5-37
MANUAL DE CAMPANHA MINAS E ARMADILHAS C 5-37MANUAL DE CAMPANHA MINAS E ARMADILHAS C 5-37
MANUAL DE CAMPANHA MINAS E ARMADILHAS C 5-37
 
CGCFN-334.2 - Manual de Embarque e Carregamento dos Grupamentos Operativos de...
CGCFN-334.2 - Manual de Embarque e Carregamento dos Grupamentos Operativos de...CGCFN-334.2 - Manual de Embarque e Carregamento dos Grupamentos Operativos de...
CGCFN-334.2 - Manual de Embarque e Carregamento dos Grupamentos Operativos de...
 
MANUAL DE CAMPANHA TIRO DAS ARMAS PORTÁTEIS 1ª PARTE - FUZIL C 23-1
MANUAL DE CAMPANHA TIRO DAS ARMAS PORTÁTEIS 1ª PARTE - FUZIL C 23-1MANUAL DE CAMPANHA TIRO DAS ARMAS PORTÁTEIS 1ª PARTE - FUZIL C 23-1
MANUAL DE CAMPANHA TIRO DAS ARMAS PORTÁTEIS 1ª PARTE - FUZIL C 23-1
 
CADERNO DE INSTRUÇÃO CONDUÇÃO DO TIRO DE ARTILHARIA PELO COMBATENTE DE QUALQU...
CADERNO DE INSTRUÇÃO CONDUÇÃO DO TIRO DE ARTILHARIA PELO COMBATENTE DE QUALQU...CADERNO DE INSTRUÇÃO CONDUÇÃO DO TIRO DE ARTILHARIA PELO COMBATENTE DE QUALQU...
CADERNO DE INSTRUÇÃO CONDUÇÃO DO TIRO DE ARTILHARIA PELO COMBATENTE DE QUALQU...
 
CGCFN-0-1 - Manual Básico dos Grupamentos Operativos de Fuzileiros Navais
CGCFN-0-1 - Manual Básico dos Grupamentos Operativos de Fuzileiros NavaisCGCFN-0-1 - Manual Básico dos Grupamentos Operativos de Fuzileiros Navais
CGCFN-0-1 - Manual Básico dos Grupamentos Operativos de Fuzileiros Navais
 

Semelhante a historia das forças especiais

A_Arte_da_Guerra_e_as_dez_táticas_mais_eficazes_da_Antiguidade.pdf
A_Arte_da_Guerra_e_as_dez_táticas_mais_eficazes_da_Antiguidade.pdfA_Arte_da_Guerra_e_as_dez_táticas_mais_eficazes_da_Antiguidade.pdf
A_Arte_da_Guerra_e_as_dez_táticas_mais_eficazes_da_Antiguidade.pdf
JulioCesarSanchezMon3
 
Entre a república e a grande guerra cadernos do iesm n 2
Entre a república e a grande guerra cadernos do iesm n 2Entre a república e a grande guerra cadernos do iesm n 2
Entre a república e a grande guerra cadernos do iesm n 2
Espi Sul
 
Inteligência, a que preço
Inteligência, a que preçoInteligência, a que preço
Inteligência, a que preço
bittencourtt
 
São joão na_ii_guerra_mundial_-_trabalho
São joão na_ii_guerra_mundial_-_trabalhoSão joão na_ii_guerra_mundial_-_trabalho
São joão na_ii_guerra_mundial_-_trabalho
Nilson Magno Baptista
 
Analista jud tec_informacao_prova_e05_tipo_001
Analista jud tec_informacao_prova_e05_tipo_001Analista jud tec_informacao_prova_e05_tipo_001
Analista jud tec_informacao_prova_e05_tipo_001
Ícaro Lima
 
Tonfa arma não letal para profissionais de segurança pública e privada
Tonfa  arma não letal para profissionais de segurança pública e privadaTonfa  arma não letal para profissionais de segurança pública e privada
Tonfa arma não letal para profissionais de segurança pública e privada
Rio Vigilante
 

Semelhante a historia das forças especiais (20)

O Dia seguinte a roswell philip j. corso-PDF
O Dia seguinte a roswell   philip j. corso-PDFO Dia seguinte a roswell   philip j. corso-PDF
O Dia seguinte a roswell philip j. corso-PDF
 
O Dia seguinte a roswell philip j. corso (1)-PDF
O Dia seguinte a roswell   philip j. corso (1)-PDFO Dia seguinte a roswell   philip j. corso (1)-PDF
O Dia seguinte a roswell philip j. corso (1)-PDF
 
000770952
000770952000770952
000770952
 
000770952
000770952000770952
000770952
 
A defesa da honra (1)
A defesa da honra (1)A defesa da honra (1)
A defesa da honra (1)
 
HISTORIA DAS OPERAÇÕES ESPECIAIS DA PMPR
HISTORIA DAS OPERAÇÕES ESPECIAIS DA PMPRHISTORIA DAS OPERAÇÕES ESPECIAIS DA PMPR
HISTORIA DAS OPERAÇÕES ESPECIAIS DA PMPR
 
Atirador de elite
Atirador de eliteAtirador de elite
Atirador de elite
 
Historia da pmpb
Historia da pmpbHistoria da pmpb
Historia da pmpb
 
A Estranha Derrota
A Estranha DerrotaA Estranha Derrota
A Estranha Derrota
 
A_Arte_da_Guerra_e_as_dez_táticas_mais_eficazes_da_Antiguidade.pdf
A_Arte_da_Guerra_e_as_dez_táticas_mais_eficazes_da_Antiguidade.pdfA_Arte_da_Guerra_e_as_dez_táticas_mais_eficazes_da_Antiguidade.pdf
A_Arte_da_Guerra_e_as_dez_táticas_mais_eficazes_da_Antiguidade.pdf
 
Entre a república e a grande guerra cadernos do iesm n 2
Entre a república e a grande guerra cadernos do iesm n 2Entre a república e a grande guerra cadernos do iesm n 2
Entre a república e a grande guerra cadernos do iesm n 2
 
Inteligência, a que preço
Inteligência, a que preçoInteligência, a que preço
Inteligência, a que preço
 
Verde oliva-224
Verde oliva-224Verde oliva-224
Verde oliva-224
 
A História serve para fazer a Guerra
A História serve para fazer a GuerraA História serve para fazer a Guerra
A História serve para fazer a Guerra
 
São joão na_ii_guerra_mundial_-_trabalho
São joão na_ii_guerra_mundial_-_trabalhoSão joão na_ii_guerra_mundial_-_trabalho
São joão na_ii_guerra_mundial_-_trabalho
 
Analista jud tec_informacao_prova_e05_tipo_001
Analista jud tec_informacao_prova_e05_tipo_001Analista jud tec_informacao_prova_e05_tipo_001
Analista jud tec_informacao_prova_e05_tipo_001
 
Rodrigo moreira 10ºg
Rodrigo moreira 10ºgRodrigo moreira 10ºg
Rodrigo moreira 10ºg
 
Tonfa arma não letal para profissionais de segurança pública e privada
Tonfa  arma não letal para profissionais de segurança pública e privadaTonfa  arma não letal para profissionais de segurança pública e privada
Tonfa arma não letal para profissionais de segurança pública e privada
 
23255605 tonfa
23255605 tonfa23255605 tonfa
23255605 tonfa
 
Armas Não Letais
Armas Não LetaisArmas Não Letais
Armas Não Letais
 

Mais de PDCA CONSULTORES ASSOCIADOS

Mais de PDCA CONSULTORES ASSOCIADOS (20)

Medal mer
Medal merMedal mer
Medal mer
 
Medal mer
Medal merMedal mer
Medal mer
 
Manualtcnicosaltolivreeb60 mt-34-150823054440-lva1-app6892
Manualtcnicosaltolivreeb60 mt-34-150823054440-lva1-app6892Manualtcnicosaltolivreeb60 mt-34-150823054440-lva1-app6892
Manualtcnicosaltolivreeb60 mt-34-150823054440-lva1-app6892
 
Manualtcnicodomestredesaltoparaquedistaeb60 mt-34-150823060046-lva1-app6892
Manualtcnicodomestredesaltoparaquedistaeb60 mt-34-150823060046-lva1-app6892Manualtcnicodomestredesaltoparaquedistaeb60 mt-34-150823060046-lva1-app6892
Manualtcnicodomestredesaltoparaquedistaeb60 mt-34-150823060046-lva1-app6892
 
Cadernodeinstruodetreinamentoetcnicabsicadoparaquedistamilitareb70 ci-11-1508...
Cadernodeinstruodetreinamentoetcnicabsicadoparaquedistamilitareb70 ci-11-1508...Cadernodeinstruodetreinamentoetcnicabsicadoparaquedistamilitareb70 ci-11-1508...
Cadernodeinstruodetreinamentoetcnicabsicadoparaquedistamilitareb70 ci-11-1508...
 
´Pales apesp
´Pales apesp´Pales apesp
´Pales apesp
 
Andragogia policial
Andragogia policialAndragogia policial
Andragogia policial
 
ATIVIDADES AÉREAS
ATIVIDADES AÉREASATIVIDADES AÉREAS
ATIVIDADES AÉREAS
 
Doutrina gm a
Doutrina gm aDoutrina gm a
Doutrina gm a
 
Doutrina gm a
Doutrina gm aDoutrina gm a
Doutrina gm a
 
Revista turma monica_antidrogas
Revista turma monica_antidrogasRevista turma monica_antidrogas
Revista turma monica_antidrogas
 
Codigo esportivo-cb pq
Codigo esportivo-cb pqCodigo esportivo-cb pq
Codigo esportivo-cb pq
 
CREOLE PARA COMBATENTES
CREOLE PARA COMBATENTESCREOLE PARA COMBATENTES
CREOLE PARA COMBATENTES
 
pqd 46499 a 59806[1]
pqd 46499 a 59806[1]pqd 46499 a 59806[1]
pqd 46499 a 59806[1]
 
pqd 59807 a 71712[1]
pqd 59807 a 71712[1]pqd 59807 a 71712[1]
pqd 59807 a 71712[1]
 
pqdts de 71713 a 73180[1]
pqdts de 71713 a 73180[1]pqdts de 71713 a 73180[1]
pqdts de 71713 a 73180[1]
 
paraquedistas de 73181 a 74694[1]
paraquedistas de 73181 a 74694[1]paraquedistas de 73181 a 74694[1]
paraquedistas de 73181 a 74694[1]
 
paraquedistas de 74695 a 76215[1]
paraquedistas de 74695 a 76215[1]paraquedistas de 74695 a 76215[1]
paraquedistas de 74695 a 76215[1]
 
paraquedistas 76216 a 77450[1]
paraquedistas 76216 a 77450[1]paraquedistas 76216 a 77450[1]
paraquedistas 76216 a 77450[1]
 
Comandos biolo
Comandos bioloComandos biolo
Comandos biolo
 

historia das forças especiais

  • 1.
  • 2. SERGIO DE MELLO QUEIROZ AS OPERAÇÕES ESPECIAIS CONTADAS PELA HISTÓRIA DO BRASIL UMA HISTÓRIA CONTADA NO RODAPÉ DA PAGINA By pt.wikipedia.org 2015
  • 3. MANIFESTO DO AUTOR TEMOS UMA LACUNA DESCOBERTA! Somente isto já seria motivo para que desse inicio a este trabalho, contudo após uma reunião temática tive que assumir que uma sociedade sem memória é uma sociedade morta. Estávamos comentando sobre a natureza e as motivações dos confrontos entre facções e forças de segurança, sabendo que nem sempre é esta a ordem moral dos acontecimentos, assumindo que isto não é de agora, vem dos tempos da criação e somente irá acabar quando for o tempo final da existência humana. Lembrei a eles que os confrontos se iniciaram antes mesmo da chegada dos “homens brancos” em suas naus, no Porto Seguro baiano, pois combates e canibalismos já eram residentes no continente americano. Demonstrações de força e ferocidade já estavam intrínsecos nos comportamentos dos brasilerindios, mesmo eles nem ter sido batizados pelos jesuítas europeus como nativos e selvagens. Apenas em 1822, conforme a literatura, os habitantes naturais do Brasil são denominados brasileiros, cujo gentílico é registrado em português a partir de 17 DE JUNHO DE 1822 que se referia inicialmente apenas aos que comercializavam pau-brasil. Dentre isto e tendo como referência os registros históricos resolvi contar a história DAS OPERAÇÕES ESPECIAIS DA POLICIA MILITAR DO PARANÁ de uma forma não muito ortodoxa e muito menos usual. Usar a história como referência moral e ética, apesar de saber que muitos destes eventos foram sim demonstrações de selvageria, faz que os erros e acertos de outrora sejam norteadores de decisões a serem tomadas. Lembro de muitos pensadores em meus 30 anos de miliciano. Enalteço alguns em especial, o meu primeiro instrutor de história da PMPR Capitão Cardoso no meu Curso de Formação de Soldados em 1985 e um dos maiores entusiastas pelo assunto, o Subtenente ARI VAZ, in memorian, que dedicou boa parte de sua carreira no ensino a tropa dos pequenos detalhes da história dos rincões paraense e que depois dedicou ao ensino as alunos do Colégio da Policia Militar e em estabelecimento de ensino superior.
  • 4. CLARO QUE DEIXOU O LEGADO! O meu grande irmão Sargento Anselmo cujo caminho do ensino no CPM e nas turmas superiores fizeram este outro ícone do ensino doutrinário a geração presente da Policia Militar do Paraná. Outro ícone vivo é o Subtenente Amorim, estudioso e mestre internacional no que diz respeito a antropologia indígena e conhecimentos históricos da fronteira Brasil-Paraguai. Um grande amigo e irmão. Para definirmos o escopo deste livro, espero que atenda aos exigentes “devoradores de livros” que propositadamente não relacionei, pois antes deixar de relacionar as “lendas vivas” do que se esquecer de um nome sequer. Peço vênia aos doutos pensadores, mas somos todos apaixonados pelo tema e pelo tema somos multiplicadores. POR QUE UMA HISTÓRIA CONTADA NO RODAPÉ DA PAGINA? Pela história real e pública em eventos maiores, aonde a participação de nossos antecedentes diretos, os guerreiros do Império Português até a construção de tropas especializadas de Operações Especiais, já no ano de 1964 serão lembradas no rodapé deste livro, pois como me expressei na capa. Tentar trazer informações através de citações simples não trazem a este autor a confiança de ter atingido o objetivo inicial, de PREENCHER A LACUNA do conhecimento com mais conhecimentos. Oferecer ao leitor o máximo de referência sobre os temas apontados é para mim o mínimo que posso fazer. Informações públicas fazem deste trabalho um manual de aprendizagem, pois poderá o usuário deste complementar as informações tão somente com um acesso a rede mundial em um a ferramenta de busca e informação. No meu caso optei pelo pt.wikipedia.org/ pela facilidade de manuseio e pelo fato de que ele é recebedor de informações e publicações diuturnamente. Atual e simples. Tudo que um autor pede para concretizar suas pesquisas e aplicar os conhecimentos em tempo real. Diante de tudo e isto, vamos cobrir esta lacuna e preencher seus vazios. SERGIO DE MELLO QUEIROZ
  • 5. COMPENDIO DA HISTORIA DAS OPERAÇÕES ESPECIAIS NO BRASIL
  • 6. ORIGEM DAS FORÇAS ESPECIAIS E HISTÓRIA DO BRASIL, REINO UNIDO, HOLANDA, EUA E FRANÇA A direita, O criador do Serviço Aéreo Especial, o escocês David Stirling. Tal unidade influenciou o mundo com a sua filosofia de operar unidades de forças especiais(que se diferenciam dos comandos).. A esquerda, Antonio Dias Cardoso, o patrono do 1º Batalhão de Forças Especiais do Brasil que combateu contra a Holanda na Batalha de Guararapes(1640). A origem das forças especiais pode ser dividida em duas épocas diferentes mas não menos importantes e em níveis mundial e regional. A nível mundial a história das forças especiais modernas nasce no Reino Unido com a criação do Serviço Aéreo Especial durante a II guerra mundial para enfrentar a ditadura fascista italiana, o império japonês e o exército alemão em missões de inteligência atrás das linhas inimigas e ataques de longa duração O nascimento moderno das forças de ações de comandos(que se diferenciam das forças especiais pelo modus operandi nasce com a criação dos comandos britânicos para missões rápidas,curtas e agressivas pelo criador dos comandos, o Coronel Dudley Clarke Devemos sempre lembrar que unidades de forças especiais e comandos operam de modos bem diferentes e não são iguais.
  • 7. COMANDOS BRITÂNICOS NA II GUERRA, O NASCIMENTO DOS COMANDOS MODERNOS E OS COMANDOS DO BRASIL. CORONEL DUDLEY CLARKE O CRIADOR DOS COMANDOS O termo nasceu a partir da designação de Kommando que os colonos bôeres da África do Sul davam às suas tropas de operações especiais na guerra contra os britânicos, no princípio do século XX. A palavra Kommando por sua vez teria tido origem no termo português "Comando", utilizado na Índia no sentido de um grupo de tropas sob um comando autônomo que desempenhava missões especiais durante uma batalha ou cerco. Na África do Sul tropas similares atuavam em pequenos destacamentos, que se deslocavam normalmente a cavalo, e lançavam ataques rápidos contra as tropas britânicas. Durante a 2ª Guerra Mundial foi criada essa importante unidade pelo Coronel Dudley Clarke e tanto os britânicos como os alemães decidiram utilizar este termo para designar as novas tropas de operações especiais que tinham formado (as britânicas designadas Commandos e as alemãs Kommandos). Posteriormente o termo foi utilizado por outros países para designar algumas das suas forças de elite para ataques rápidos,furtivos e missões de curto período. Assim, tal designação chamada comando foi dada a uma tropa de elite pertencente à uma das forças armadas, que é altamente adestrada e qualificada a operar sob circunstâncias e ambientes impróprios ou contraindicados ao emprego de outros elementos das forças regulares, sendo apta a cumprir uma ampla variedade de missões e tarefas, táticas ou estratégicas de curto prazo e em geral de objetivo agressivo.
  • 8. Dentre as missões executadas por uma tropa de comandos, estão as operações de contra-guerrilha, emboscadas, além das ações diretas que necessitem de alto poder de choque de curta duração. Uma das inovações dos Comandos britânicos usadas até hoje foi a utilização de munição real durante o treinamento, não com o intuito de torturar soldados ou embuste visto serem realizadas com ângulo de tiro o mais seguros possíveis, mas para faze-los perceber a diferença do tiro real e do tiro não real e para serem habituados com isso. Torturas sem necessidade não formavam um bom soldado pois eram embuste sem necessidade. Um comando deveria ser formado com treinamento real mas fornecendo segurança, um excelente treinamento de base com muita repetição, aliados a uma doutrina de profissionalismo e seleção inteligentes. A RAÍZ DAS FORÇAS ESPECIAS NO MUNDO: SERVIÇO AÉREO ESPECIAL (SAS) "QUEM OUSA VENCE". O SAS foi uma unidade criada em 1941, durante a Segunda Guerra Mundial, na África do Norte, pelo tenente escocês chamado David Stirling. A unidade recebeu o nome de SAS - Serviço Aéreo Especial, para os alemães acharem que havia comandos paraquedistas servindo ao Exército britânico no Cairo. David Stirling era uma figura alta e atlética, estava se preparando para escalar o Monte Everest quando estourou a Segunda Guerra Mundial. Alistou-se nos Guardas escoceses em 1939 e em 1940 entrou como voluntário no oitavo Comandos britânicos, sob as ordens do tenente-coronel Robert Laycock, que formava parte da Força Z (mais tarde mudaria o nome para Layforce). Depois da decepção desta empreitada bélica, Stirling percebeu que, devido à mecanização da guerra, um grupo reduzido de soldados bem treinados poderia infligir ao inimigo maior dano que um batalhão inteiro.
  • 9. Com essa ideia ele acabaria criando a primeira unidade de força especiais modernas que mudou muito até hoje visto ter como forte base a constante atualização dos seus soldados que devem estudar sobre armamentos, idiomas, tecnologia, etc. Logo depois de sofrer um acidente de paraquedas, ficou temporariamente recuperando-se, foi ai que aproveitou para visitar no Cairo o comandante-em- chefe general Claude Auchinleck. Com o apoio do também general Neil Ritchie, Stirling insistiu com Auchinleck, e o persuadiu. Logo conseguiu o que queria, recebeu sua unidade com comando independente, com o evasivo nome de "L Detachment, Special Air Service Brigade", a idéia era dar a falsa impressão de que existia uma brigada de comandos paraquedistas operando no norte da África. O General Auchinleck desde o começo não tinha fé nas idéias de Stirling, por várias vezes mandou pessoas para observar o que ele e os soldados faziam. De fato muitas coisas esquisitas aconteceram, em um estranho episódio Stirling obrigou, por falta de equipamento, os soldados a pular com equipamento completo de um jipe em movimento para treinar paraquedismo. Essas informações só faziam convencer o General Auchinleck de que Stirling estava perdendo o tempo. Outros militares das forças convencionais acham não só uma perda de tempo mas um exército de malucos com treinamento não convencional e criativo demais. Stirling foi preso pelo exército alemão em janeiro de 1943, no sul de Tunísia. Tentou escapar quatro vezes antes que o enviassem ao castelo Colditz, onde permaneceu o resto da guerra até a rendição alemã. Em 1945 fundou uma associação de ex-combatentes das SAS, da qual foi o primeiro presidente. Em 1990 foi condecorado cavaleiro pela Rainha e morreu no mesmo ano. Na campanha africana teve grande rendimento, e lutou também na Itália e na Europa. O SAS destruiu mais de 400 aviões da Luftwaffe; acreditam que teve um melhor rendimento que a RAF (Real Força Aérea Britânica) destruía em terra e no ar. Após a Segunda Guerra Mundial foi desativada e foi reativada na década de 1950, com o nome de 22o Special Air Service.
  • 10. Ficou decidido que os Royal Marines e o Special Boats Service iriam fazer incursões de curto alcance e o SAS incursões de longo alcance e longa duração dentro de uma estratégia contra a União Soviética. Desde então tem lutado pela Grã-Bretanha nos mais diferentes lugares como na Malásia, Omã, Bornéo, Vietnam - vestindo uniformes norte-americanos , Aden, Irlanda do Norte, Malvinas, Libéria, Golfo Pérsico, Bósnia, Kosovo, Serra Leoa e Afeganistão, onde reafirmaram a sua boa reputação. A influência do SAS é notória em quase todas as forças especiais do planeta pela seleção, metodologia, didática e profissionalismo dos seus soldados. Praticamente todas forças especiais do mundo copiara ou tiveram como modelo o SAS. FORÇAS ESPECIAIS BASEADAS NA SAS O Regimento participou e deu origem a muitas outras Forças Especiais espalhadas pelo mundo, entre elas: AUSTRÁLIA, SASR - Special Air Service Regiment. De origem de um esquadrão da SAS recrutado na Austrália para auxiliar no combate na Malásia. BÉLGICA, Belgian Special Forces Group. Que teve a origem ainda na Segunda Guerra Mundial, quando o 5th SAS Regiment recrutou voluntários para cruzar a Linha Siegfried. ISRAEL, Sayeret Matkal. Moldada no SAS e carrega o mesmo lema: "Quem ousa vence". ESTADOS UNIDOS, O 1st Special Forces Operational Detachment- Delta (1st SFOD-D), ou Força Delta baseado na SAS e profundamente influenciado pelos seus conceitos. Seu fundador, Charlie Beckwith, havia servido nos anos 60 na SAS, e voltou para as Forças Especiais do Exército Americano criando lá uma unidade que seguia o SAS. Alemanha, GSG 9 - Unidade anti-terrorista da policia de fronteira alemã SASNZ- Forças especiais da Nova Zelândia. FSK (Forsvarets Spesialkommando),forças especiais da Noruega que participam ativamente de missões ao redor do mundo apoiando os EUA e OTAN possuim muito de influência do SAS,embora sobre o FSK existam muitas controvérsias sobre o seu treinamento quase kamikaze.
  • 11. PREPARAÇÃO E SELEÇÃO FÍSICA DE DIVERSOS SOLDADOS DE ELITE AO REDOR DO MUNDO. Um verdadeiro soldado de elite deve ser em primeiro lugar inteligente o bastante para a sua função. Tais soldados muitas vezes devem atuar em diversos ambientes e para isso usam aparelhos com tecnologia avançada, devem falar outros idiomas, saber sobre a natureza, possuírem boa habilidade manual ao manusear diferentes equipamentos, devem saber ler mapas, calcular, terem empatia, saberem se relacionar e ter uma força psicológica também desenvolvida etc. Ao mesmo tempo, tais soldados devem ser verdadeiros atletas de elite, com habilidade motoras superiores as pessoas normais e aonde muitas homem irão desistir por terem o corpo ou a mente não forte o bastante. Aqui iremos falar sobre os testes de algumas das melhores unidades de elite do mundo, popularmente conhecidos pelos acrônimos TAF/EAF (teste ou exame de aptidão física em português brasileiro) ou em inglês CFT (Combat Fitness Test)/BFT(Battle Fitness Test) e Personal Fitness Test (PFT), sendo que estes diferenciam-se um do outro. SERVIÇO AÉREO ESPECIAL-REINO UNIDO 1-Requisito base- Boa nota no Personal Fitness Test (PFT), teste base de exercício físico do exército do Reino Unido que inclui pesos, flexão de braço, etc. 2- Boa nota no Combat Fitness Test (CFT). Tal teste mais funcional inclui uma marcha em passo acelerado aonde o tempo deve ser de 15 min por milha (1,60 km) carregando todo o equipamento incluindo armamento, o fuzil standard SA80. O percurso varia conforme a unidade mas varia de 6/ 8 milhas carregando o equipamento que varia de 15kg /25kg dependendo a unidade. Na seleção para o SAS o teste base é o da infantaria. FAN DANCE. Essa é a real prova para os candidatos que passaram a fase inicial que é realizada duas vezes ao ano,no inverno e verão.
  • 12. A Fan Dance é um teste de fitness e navegação nas montanhas sendo usado como o principal processo para a escolha dos candidatos. Carregando uma mochila de 18 kg, um fuzil (5 kg) e uma garrafa de água o candidato deve percorrer 24 km em determinado tempo usando cartografia e navegação como guia. LONG DRAG Se não eliminado o candidato realiza uma outra marcha de 64 km carregando agora 25kg (não incluindo comida, água e rifle) e eles devem concluir o percurso em menos de vinte horas. Os candidatos são proibidos de usar trilhas estabelecidas e toda a navegação deve ser realizada pormapa, bússola e referências memorizadas. Depois de aprovado na seleção o candidato realiza a fase de adestramento base,adestramento na selva (fase II) e resistência a interrogatórios e sobrevivência (fase III). O candidato pode ser eliminado a qualquer momento e mesmo depois de aceito pode ser eliminado no prazo de um ano. Se selecionado continua em treinamento para alguma área em particular mantendo-se constantemente atualizado. Aproveitamento de 20 em cada 200 candidatos. A seleção dos candidatos do Special Boat Section (SBS) e Pathfinder (precurso paraquedista) do Exército do Reino Unido é similar, tendo a Fan Dance como fator decisivo para o candidato. GRUPO DE MERGULHADORE DE COMBATE(GRUMEC)-BRASIL CORRIDA SUBIDA NO CABO AGACHAMENTO BARRA NOTA 2.800m 4m 90 8 6,0 2.900m 5m 100 10 7,0 3.000m 6m 110 12 8,0 3.100m 7m 120 14 9,0 3.200m 8m 130 16 10,0 ABDOMINAL FLEXÃO NATAÇÃO NOTA 46 35 01min 55seg 6,0 50 45 01min 45seg 7,0 54 55 01min 35seg 8,0 58 65 01min 25seg 9,0 62 75 01min 15seg 10,0
  • 13. a) Corrida: Consiste em correr a maior distância possível no intervalo de tempo de 12 minutos, em circuito pré-determinado e demarcado. Os candidatos, antes de iniciar a corrida, serão ser instruídos sobre o percurso, de modo a não invalidar o teste pela inobservância do trajeto. b) Subida no cabo. Este teste consiste em subir no cabo, preso verticalmente, utilizando somente os braços. O resultado obtido será definido pela altura máxima atingida pela marca ultrapassada por ambas as mãos ou aquela em que o candidato buscou o auxílio das pernas, recebendo o número de pontos indicado na tabela. c) Agachamento. Partindo da posição inicial em pé, mãos na cintura e pés ligeiramente afastados, o candidato deverá flexionar as pernas, com o corpo ereto e voltado para frente e retornar à posição inicial. A contagem se faz a cada retorno do candidato à posição inicial. A pontuação obtida será de acordo com a tabela e corresponderá ao número de movimentos executados no período de dois (2) minutos. d) Barra. As flexões na barra serão realizadas com as palmas das mãos voltadas para frente (pronação). O exercício consiste em içar verticalmente o corpo, suspenso em uma barra horizontal, até que o queixo ultrapasse a altura da barra e são contadas entre a distensão total dos braços e sua flexão até que o queixo a atinja. Para alcançar a barra o militar poderá utilizar qualquer meio, todavia, o impulso não deve ser empregado para contar a primeira flexão na barra. e) Abdominal. O exercício consiste em flexionar o tronco até que os cotovelos toquem nas coxas, partindo da posição decúbito dorsal, com os braços cruzados sobre o peito, joelhos unidos, pernas dobradas e apoiadas no chão com ajuda de um auxiliar. A contagem se faz a cada retorno do candidato à posição inicial.
  • 14. A pontuação obtida será de acordo com a tabela e corresponderá ao número de movimentos executados no período de dois (2) minutos. f) Flexão. O teste tem início com o candidato apoiado de frente sobre o solo, com as mãos espalmadas, os braços, o abdome e as pernas distendidas e unidas, cabeça erguida e olhando para o horizonte, flexionando os braços e retornando à posição inicial, distendendo-os completamente. Durante o desenrolar do exercício poderá ser efetuada uma única parada, na posição inicial. A pontuação será de acordo com a tabela. g) Natação 100 mts. Consiste em realizar um percurso de 100 metros no menor tempo possível, empregando qualquer estilo de natação, com exceção do conhecido como “cachorrinho”. O teste deverá ser realizado preferencialmente em piscina. Caso o percurso seja realizado no mar, o teste será aplicado, no máximo, a dois candidatos simultaneamente, devendo estar disponíveis os meios materiais e pessoal necessário a uma eventual prestação de socorro. Não será permitido o uso de qualquer acessório (nadadeira, colete, etc.), não podendo o candidato agarrar-se a bóias ou embarcações, sob pena de reprovação. A escolha do local e da hora do teste deverá ser condicionada às condições de segurança, de modo a garantir a ausência de trânsito de embarcações estranhas, possibilitar o pronto atendimento em caso de socorro e evitar fatores de risco, como fortes correntes. A pontuação será distribuída de acordo com a tabela. LEGIÃO ESTRANGEIRA FRANCESA(TESTE BASE LUC-LEGER NAVETTE" (YOYO) -Corrida: alternando 20 m em 1 min e 20 m em 2 min.Mínimo 7 palier sendo que 1 palier é igual a correr 20 durante 6 vezes. -Barras: min 4; -Corda: subir uma corda de 5 metros com os braços ou com os braços e pernas; -Abdominais: min 40.
  • 15. NAVY SEALS-FORÇAS ESPECIAIS DA MARINHA DOS EUA PTF base Mínimo Média Bom Nado 500 jardas(peito ou nado de lado)10 min de descanso segue para flexões 12:30 10:00 9:30 Flexões de braço(max em 2 min,2 min de descanso segue abdominais 42 79 100 Abdominais(max em 2 min,segue para barra fixa) 50 79 100 Barra fixa(max sem tempo,10 min descanso segue corrida) 06 11 25 Corrida 1.5 milha(feita com calçados leves) 11:00 10:20 09:30 COMANDOS BRASILEIROS- EXÉRCITO BRASILEIRO. -Corrida de 8 km: 39 minutos. -Barra: varia -Flexão de braço: varia -Abdominais: varia -Corda:escalar uma corda de 4 metros com fardamento, sem equipamento e desarmado sem utilizar as pernas; -Natação de 400 metros de fardamento sem equipamento e desarmado; -Nado submerso:15 metros com fardamento, sem equipamento e desarmado; -Pista de pentatlo militar(PPM )usando fardamento e calçado leve; -Flutuação:15 fardado com coturno, desarmado e sem equipamento; -Marcha de 16 km em 2h 45 min. Fardado com todo equipamento e com a mochila pesando 15 kg durante todo o trajeto.
  • 16. AS FORÇAS ESPECIAIS NO BRASIL "QUALQUER MISSÃO, EM QUALQUER LUGAR, A QUALQUER HORA, DE QUALQUER MANEIRA." A HISTÓRIA REGIONAL DAS FORÇAS ESPECIAIS (ORIGEM NO BRASIL) A nível nacional a Batalha de Guararapes1 , em torno de 1640 demonstrou o que uma unidade bem treinada pode fazer mesmo sendo menor em número. 1 A Batalha dos Guararapes, na sequência da Guerra da Restauração após a Restauração da Independência de Portugal de 1640, foi uma batalha travada em dois confrontos entre o exército da Holanda e os defensores do Império Português no Morro dos Guararapes, atual município de Jaboatão dos Guararapes, situado na Grande Recife, em Pernambuco, Brasil. Os dois confrontos foram: 1ª Batalha dos Guararapes - 19 de abril de 1648. 2ª Batalha dos Guararapes (decisiva) - 19 de fevereiro de 1649 Por ter sido vencida pelos portugueses destaca-se como episódio marcante na Insurreição Pernambucana, que culminou no término das Invasões holandesas do Brasil, no século XVII. A assinatura da capitulação deu-se em 1654, no Recife, de onde partiram os últimos navios holandeses em direção à Europa. Primeira batalha Segue um resumo da descrição da 1ª batalha, segundo Diogo Lopes Santiago, um cronista da guerra: Tanto que nossa infantaria se escondeu nos mangues ao pé do último monte, Antônio Dias Cardosoordenou a 20 de seus melhores homens que fossem com 40 dos índios de Filipe Camarão procurar o inimigo, que marchava do Recife pelo caminho dos Guararapes. Na entrada dos montes, nossos 60 soldados atacaram a vanguarda holandesa e vieram se retirando sem dar costas ao inimigo, atraindo-o a uma passagem estreita entre os montes e o mangue, até poucos passos de onde estava o nosso exército. Do nosso lado houve certa confusão e opiniões de retirada frente àquele exército tão superior, mas os dois mestres de campo, João Fernandes Vieira e André Vidal de Negreiros, resolveram, conforme combinado, enfrentá-los ali, dando a primeira carga e investindo no inimigo à espada, mesmo que sob fogo dos mosquetes. Marchou André Vidal pela baixa com o Camarão à sua direita pelo mangue. Vieira avançou pelo alto com Henrique Dias à sua esquerda. Aguardaram os nossos duas espantosas cargas de mosquetaria e artilharia sem da nossa parte se dar nenhum tiro, indo ao encontro do inimigo já bem perto. Neste tempo, por toda parte, disparou nosso fogo de uma só vez, causando grande dano e desorganização nos esquadrões inimigos. Logo os nossos sacaram as espadas e atacaram com tanto ímpeto e violência que não puderam os lanceiros conter os nossos de infiltrarem-se, matarem e destroçarem por meia hora, até que lhes pusessem em fuga.
  • 17. Fugindo e descendo do monte, a seu pesar com mais presteza do que subira, os que escaparam de Dias e Vieira se juntaram aos que estavam em retirada pela campina pressionados por Vidal e Camarão. Ganhamos todos os canhões do inimigo e muita bagagem, motivo que levou muitos soldados ao saque e à euforia. Como esperado em exércitos como aquele holandês, ter gente de reserva para situações difíceis lhes valeu um contra-ataque fulminante pegando nossos soldados desorganizados, além de exaustos, que se puseram em fuga monte abaixo. A luta desesperada que seguiu daí pela defesa da passagem estreita (apelidada boqueirão) durou várias horas, com os oficiais (nossos e inimigos) no meio da ação. Acabamos por perder 4 das 6 peças da artilharia ganha. Por fim, o campo ficou nosso e o alto dos montes do inimigo. O general holandês, gravemente ferido no tornozelo, determinou a retirada durante a noite deixando dois canhões apontados para o boqueirão, disfarçando seu recuo para o Recife.2 A 2ª Batalha dos Guararapes foi uma batalha travada entre o exército da Holanda e os defensores doImpério Português no Morro dos Guararapes, atual município de Jaboatão dos Guararapes, 10 km ao Sul do Recife, no estado de Pernambuco, Brasil. Foi vencida pelos portugueses e destaca-se como episódio decisivo na Guerra da Restauração e particularmente na Insurreição Pernambucana, que culminou no término das Invasões holandesas do Brasil, no século XVII. A assinatura da capitulação deu-se em 1654, no Recife, de onde partiram os últimos navios holandeses em direção à Europa. Esta 2ª Batalha ocorreu em 19 de fevereiro de 1649. A 1ª Batalha havia sido travada em 19 de abril de1648. Segue um resumo da descrição da batalha segundo Lopes Santiago, um cronista da guerra: Havendo aprestado as coisas necessárias, o exército holandês saiu do Recife em 18 de fevereiro de 1649, com cinco mil homens de guerra, todos soldados experientes, com que fazia mais forte o poder que o da batalha passada. Traziam também 200 índios, duas companhias de negros e 300 marinheiros que se dispuseram a enfrentar a luta na campanha; 6 canhões, 12 bandeiras, trombetas, caixas e clarins. Posto que não lustrosos com as golas e enfeites que da primeira vez traziam, vinham com longas lanças com as quais andaram treinando para defender a integridade dos esquadrões contra os ataques infiltrados de nossa infantaria. No tempo que chegou nosso exército ao primeiro monte já estava o inimigo formado em todos os outros e na baixa (boqueirão) onde havia ocorrido o principal da batalha anterior. Mandou Francisco Barreto de Meneses fazer alto e tomou conselho por onde haveriam de buscar a luta, se pela frente, se pela retaguarda ou se pelos lados.
  • 18. O bravo Antonio Dias Cardoso, apelidado o mestre das emboscadas, foi um valente soldado capaz de demonstrar que o mais astuto, inteligente e corajoso pode vencer alguém mais forte. Claro, junto a ele tal mérito também coube às forças brasileiras da época, comandadas por outros exemplares guerreiros brasileiros. André Vidal de Negreiros e Francisco Figueroa deram votos que fosse pela frente, mas João Fernandes Vieira, que vinha com o grosso da gente, deu parecer contrário: que se buscasse o inimigo pela retaguarda (como na 1ª batalha) uma vez que onde estavam não tinha água e deveriam acampar com algum conforto ao fim da tarde, deixando o holandês à espera. Concordou Francisco de Meneses com este último parecer e assim mandou seguirem a um engenho ali perto onde repousaram e traçaram o plano do ataque, pelo que se concordou em iniciar a ação tão logo abandonasse o inimigo suas posições, para qualquer rumo que fosse. No dia 19, das 13:00 para as 14:00 (castigado pelo sol), tanto que foram os holandeses desocupando o alto dos montes para formarem um grande esquadrão na direção do Recife, nosso exército iniciou a aproximação. João Fernandes Vieira com 800 de seus homens foi o primeiro a entrar na luta, bem no meio da área que chamavam boqueirão, onde o inimigo tinha 6 esquadrões e duas peças de artilharia. Após 25 min de cargas de fogo, João Fernandes tentou cortar a formação holandesa pelo alagado. Sem sucesso, de volta à posição inicial, pediu a todos que investissem à espada após uma última carga na cara do inimigo, e assim foi ganho o boqueirão à espada (apesar da brava resistência dos lanceiros holandeses), onde conquistamos 2 canhões de campanha. Nesta altura já estavam em luta todos os nossos vindo pelo alto e fraldas do último monte: Henrique Dias, Diogo Camarão, Francisco Figueroa, André Vidal, Dias Cardoso e a cavalaria de Antônio Silva. Tomado o monte central e suas 4 peças de artilharia, bem como as tendas do comandante holandês Van den Brinck (que foi morto na ocasião), os luso-brasileiros pressionaram os inimigos até sua desintegração e fuga para Recife, sendo perseguidos por nossos cavaleiros exaustos; muitos fugiram para os matos, outros se entregaram implorando pelas vidas. Diogo Lopes de Santiago. Historia da guerra de Pernambuco (...). [S.l.: s.n.], 1943. 756 p. ISBN 9788586206153 (Trechos digitalizados -Google books) Santiago, Diogo Lopes. História da Guerra de Pernambuco (...), 1654. HERÓIS DA PÁTRIA A Lei nº 12.701, de 06 de agosto de 2012 3 determinou que os nomes dos principais personagens luso-brasileiros na batalha, juntamente com o de Francisco Barreto de Meneses que comandou de ofício o "Exército Patriota" e é chamado "Restaurador de Pernambuco", fossem incritos no Livro de Heróis da Pátria (conhecido como "Livro de Aço"), depositado noPanteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves, um cenotáfio que homenageia os heróis nacionais localizado na Praça dos Três Poderes, em Brasília. BIBLIOGRAFIA Santiago, Diogo Lopes. História da Guerra de Pernambuco (...), 1654.
  • 19. Em 1640 o Brasil conheceria, segundo fontes históricas a mais antiga unidade de forças especiais em território nacional. A história dos Operadores de Forças Especiais do Exército Brasileiro remonta do século XVII, na Campanha de Guararapes, origem do próprio Exército Brasileiro. Em 1640, durante a 2ª Invasão Holandesa, o Patrono e maior exemplo dos Forças Especiais, o Sargento-Mor Antônio Dias Cardoso foi enviado pelo Governador Geral da Colônia à Capitania de Pernambuco com a missão de organizar e instruir civis, índios nativos, brancos portugueses e seus descendentes já nascidos em solo pátrio, e negros escravos, para expulsar o invasor estrangeiro. Neste intuito, Antônio Dias Cardoso infiltrou em território pernambucano grande quantidade de armamento e munição, aliciou líderes da região e recrutou a população, organizando-os, instruindo-os e equipando-os para comporem suas Forças de Resistência e Emboscada. Devido ao sucesso da Batalha do Monte das Tabocas, o pequeno efetivo organizado pelo Sargento-Mor foi transformado no Exército da Restauração, célula “mater” da Força Terrestre Brasileira que, utilizando táticas inéditas para a época e bastantes semelhantes às presentes na atual doutrina de nossas Forças de Operações Especiais, derrotou os holandeses nas duas batalhas dos Guararapes. A HISTÓRIA MODERNA DAS FORÇAS ESPECIAIS BRASILEIRAS Mais recentemente, em meados do século XX, as experiências e ensinamentos colhidos ao longo da 2ª Guerra Mundial impuseram ao Exército Brasileiro a evolução no campo das Operações Especiais. Assim, naquele momento, mais especificamente em 1957, deu-se início à história moderna das Forças Especiais Brasileiras, quando o Cel R/1 Gilberto Antônio Azevedo e Silva, após retornar de um intercâmbio com o Exército dos Estados Unidos da América, propôs a criação de uma unidade semelhante à tropa de Forças Especiais daquele país. Desta forma, sob sua liderança, os chamados "Pioneiros" realizaram o primeiro Curso de Operações Especiais de nossa Força Terrestre. Em 1961, oficiais e sargentos com o curso de Operações Especiais foram aos Estados Unidos da América e trouxeram a doutrina dos "Special Forces" e "Rangers", adaptando-a às características e peculiaridades de nosso País.
  • 20. Em 12 de agosto de 1968, finalmente foi criado o Destacamento de Forças Especiais, subordinado à Brigada de Infantaria Paraquedista, no Rio de Janeiro, fato que deu início ao desenvolvimento e emprego da doutrina brasileira de Forças Especiais no Exército. Paralelamente, findando um processo que perdurou por cerca de 10 anos, após cursos, instruções e um trabalho árduo e determinado de nossos "Pioneiros", foram organizados, em 1968, os primeiros Curso de Ações de Comandos e de Forças Especiais. O final do século XX e os conflitos militares que se avolumavam naqueles anos mostraram uma tendência de emprego, cada vez maior, de Forças de Operações Especiais, o que foi determinante para a criação do 1º Batalhão de Forças Especiais, em 30 de setembro de 1983, a partir do núcleo do Destacamento de Forças Especiais. Esta Unidade instalou-se, no ano seguinte, no Camboatá, na cidade do Rio de Janeiro. primeira turma do 1º BFesp - 1984 Por seus feitos e glórias como uma das principais Reservas Estratégicas do Exército, em 1991 este Batalhão recebeu a denominação histórica de Batalhão Antônio Dias Cardoso, uma justa homenagem ao Sargento-Mor considerado o primeiro Operador de Forças Especiais do Brasil. Ou seja, as forças especiais do Brasil possuem origem quando a Holanda tentou invadir o Brasil. Nesse combate os brasileiros unidos em um grupo multiétnico e em menor quantidade numérica venceram um exército muito maior(o n°1 da época) usando técnicas de guerrilha e emboscadas, surgindo assim as forças especiais brasileiras.
  • 21. No século 20 tal doutrina foi modernizada e atualizada baseando-se nos métodos das forças especiais e comandos do Reino Unido via Estados Unidos da América que também usaram de base o Reino Unido. E alguns manuais militares do Brasil assim como a doutrina brasileira (o Brasil atualmente uma doutrina made in Brasil) muito se parecem com os métodos das forças especiais da França. FORÇAS ESPECIAIS. O QUE FAZEM? QUEM SÃO? SÍMBOLO forças especiais brasileiras do Exército: Um punhal com o paraquedas. TRADIÇÕES : O uso do gorro preto com o símbolo acima descrito HINO: Letra de Hélcio Bruno de Almeida e música de Benedito Ferraz de Oliveira Em resposta ao clamor do dever Abandono meu lar meu amor O convívio sagrado da prole Repudiando o conforto e o prazer. A distância, a saudade e a dor, Me transformam em lobo feroz, Rosto negro, olhar de rapina, Braço armado que lança o terror. Quando a luta cerrar os seus punhos Exigindo o sangue do audaz Quando o medo atingir o mais forte Misturando o pavor com a morte Vai erguer-se um guerreiro do chão Destemido, treinado e leal Vai buscar a vitória final E lutar pelo seu batalhão O silêncio das noites escuras Nos garantem sigilo total, O sabre rubro revela a bravura Inerente ao guerreiro especial, As batalhas de Dias Cardoso Líder nato, imortal varonil Fazem-nos orgulhosos soldados, (Rhum! Rhum! Há!)
  • 22. DAS FORÇAS ESPECIAIS!!! BRASIL!!!!! DEFINIÇÃO: Soldados altamente especializados, criativos e inteligentes. Comumente, tais operações realizadas por eles são caracterizadas pela organização, preparo e emprego de forças irregulares para a conquista de objetivos políticos e militares à longo prazo. Sabotagens, operações psicológicas e de inteligência, estruturação de redes de apoio para fuga e evasão, ações contraterrorismo e reconhecimentos especiais fazem parte também do rol de missões das forças especiais. Origem do nome: Forças especiais existem a muito tempo. Durante as Guerras das Cruzadas, pequenas e bem treinadas unidades de Cavaleiros Templários atacavam as unidades individuais muçulmanas. Durante as Guerras Napoleónicas, unidades de atiradores e sapadores fora das formais linhas de combate, existiam para acções especiais de espionagem ou sabotagem. Modernamente para o Exército Britânico, foi durante a Segunda Guerra Boer(1899-1902) que a necessidade de ter unidades mais especializadas se tornou mais aparente. Unidades de batedores tais como os Lovat Scouts, um regimento das Terras Altas da Escócia especializado em tácticas militares. Os Estados Unidos e Canadá também formaram uma brigada de ski de sabotagem para operações na Noruega que ficou conhecida como Devil Brigade(A Brigada do Diabo) durante o seu desempenho em Itália. O Exército Alemão tinha o Regimento Brandenburger, o qual tinha sido originalmente fundado como uma unidade de forças especiais usada pelo Abwehr para infiltrações a longa distância. Porém, a unidade que mudou o conceito de forças especiais no mundo moderno foi o Serviço Aéreo Especial do Reino Unido (o SAS) que atuaram na II guerra mundial no deserto africano. Essa unidade influenciou a metodologia das forças especiais de muitos lugares e permanece em atividade até hoje. Tais soldados eram considerados inimigos mortais da Alemanha de Hitler e seus aliados.
  • 23. Para soldados do SAS que eram presos, a sentença de Hitler era a morte. Deixa-los vivos poderia custar a guerra ou ter problemas no futuro. Apesar de no Brasil unidades tidas como especiais terem sido usadas em combates com metodologia similar por Antônio Dias Cardoso nas Batalhas dos Guararapes, o Brasil usou muito dos métodos de adestramento do SAS e das forças especiais dos EUA, esses também influenciados pelo SAS. Porém, hoje o Brasil possui doutrina tupiniquim e reconhecida internacionalmente. Hoje algumas das principais unidades de forças especiais ao redor do mundo são: SAS e SBS(Reino Unido), Delta Force e Boinas Verdes (EUA), Sayeret Matkal e Shayetet 13 (Israel), SASR(Austrália), Spetsnaz (Rússia), GROM, 1 Pułk Specjalny Komandosów (Polônia), GIGN (França) ,KSK (Alemanha), DAE e a CTOE (Portugal) O que diferencia das Forças Especiais dos Comandos? Isso é algo que confunde muitas pessoas. A missão original e mais importante das Forças Especiais tem sido a "guerra não convencional" e a conquista de objetivos políticos e militares à longo prazo(isso difere muito dos comandos). Nem sempre é usada a força letal (o que também difere dos comandos) apesar de serem extremamente competentes nesse aspecto(prévio treino como comandos). Enfatizam o idioma, cultura e habilidades de treinamento no trabalho com outros povos, uma referência a uma de suas principais missões é o treinamentos e assessoria das forças estrangeiras e conquistar a confiança do população local (Corações e Mentes) . (Outras funções incluem contra proliferação, operações psicológicas, perseguições, defesa interna no estrangeiro, reconhecimento especial, ação direta, resgate de reféns e contraterrorismo operações de combate às drogas busca e resgate de combate), assistência à segurança, manutenção da paz, ajuda humanitária, desminagem humanitária, etc. FORÇAS ESPECIAIS DO BRASIL: O 1° Batalhão de Forças Especiais (1° B F Esp) é a unidade de elite do Exército Brasileiro capacitada ao planejamento, condução e execução de operações de guerra irregular, contraterrorismo, fuga e evasão, inteligência de combate, contraguerrilha, guerra de resistência, operações psicológicas, reconhecimento estratégico e busca, localização e ataque a alvos estratégicos. É subordinado a Brigada de Operações Especiais, de acordo com a organização e adestramento do EB, trata-se da principal unidade de elite da Força.
  • 24. As operações do 1º BFEsp caracterizam-se por sua acentuada mobilidade estratégica. Seu emprego costuma requerer alto grau de sigilo, e suas operações apresentam considerável grau de risco, já que, em geral, são executadas em território hostil. Patrono: Antonio Dias Cardoso é o patrono do 1º Batalhão de Forças Especiais, que também é conhecido como Batalhão Antonio Dias Cardoso. Foi um dos principais líderes da Insurreição Pernambucana e comandou um pequeno efetivo que venceu a batalha dos Montes das Tabocascontra uma tropa muito maior liderada diretamente por Maurício de Nassau e posteriormente também em menor número venceu em Casa Forte a tropa neerlandesa comandada pelo coronel Van Hans, comandante-Geral holandês no Nordeste do Brasil. Também participou ativamente nas duas batalhas dos Guararapes quando na primeira foi subcomandante do maior dos quatro terços do Exército Patriota, tendo-lhe sido passada a investida da principal frente de batalha pelo comandante João Fernandes Vieira, na segunda batalha comandou a chamada Tropa Especial do Exército Patriota, desbaratando toda a ala direita dos holandeses. Devido a ter comandado a Tropa Especial do Exército Patriota e principalmente por ter operado no passado da mesma maneira que fazem atualmente as tropas de forças especiais, combatendo em menor número, sem posição fixa, usando a surpresa como elemento de combate, utilizando-se de emboscadas, recrutando população local, treinando-as em técnicas irregulares como as de guerrilha, dentre outras coisas, foi homenageado como patrono do 1º Batalhão de Forças Especiais do Exército Brasileiro e por isso é reconhecido atualmente como o primeiro operador de forças especiais do Brasil. ATIVIDADES MODERNAS CONHECIDAS 1991- Guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, adentraram o território brasileiro e atacaram um pequeno contingente de fronteira do Exército Brasileiro, a resposta foi imediata, e o até então Batalhão de Forças Especiais realizou em conjunto com outras unidades, uma operação de retaliação, a Operação Traíra, e o resultado foi o de 12 guerrilheiros mortos, inúmeros capturados, maior parte do armamento e equipamento recuperados, e desde então, nunca mais se soube de invasões das FARC em território brasileiro, e muito menos de ataques a militares brasileiros.
  • 25. Recentemente sob a égide das Nações Unidas, o 1º Batalhão de Forças Especiais teve papel decisivo no combate a grupos paramilitares que assolavam o território haitiano e causavam grande instabilidade política no país. O 1º BATALHÃO DE FORÇAS ESPECIAIS É BASTANTE INFLUENCIADO PELO SAS. No Brasil, o “primeiro comando conhecido e patrono" é o capitão Francisco Padilha, militar que lutou por meio de ações de guerrilha contra os invasores holandeses no início do século XVII. O coronel Johan van Dorth, nomeado governador da Bahia pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais (West Indische Compagnie/WIC) em 1624, foi morto nas proximidades de Salvador por Francisco Padilha a frente de uma das diversas companhias de emboscadas compostas em sua maioria de índios flecheiros. Essas companhias também eram chamadas de Milícias dos Descalços e tinham como objetivo principal impedir a expansão inimiga pela colônia. Embora a doutrina dos comandos brasileira seja mais antiga(assim como as forças especiais),o "renascimento" de tais soldados no Brasil e no mundo reapareceu no século XX durante a II guerra com a formação de tais unidades de elite das forças armadas do Reino Unido.
  • 26. PRECURSOR PARAQUEDISTA: A VERDADEIRA ELITE DO PARAQUEDISMO MILITAR. Lema: Procede,guia,lidera.(Brasil) Quem: O precursor paraquedisa(Brasil) ou patfhinder( nações de origem inglesa) é uma unidade altamente adestrada que cumpre missões de infiltração pré e pós-assalto para reconhecimento, balizamento de zonas de lançamento de pára-quedistas, de pouso de aviões e helicópteros em ambiente de combate e também realiza operações especiais por meio de saltos livres ou semi-automáticos em ambiente terrestre ou aquático, servindo como observadores avançados para caçasbombardeiros ou unidades de Artilharia. Os militares integrantes desta unidade, além do curso de elite de Pára-quedista Militar também são concludentes do Curso de elite de Precursor Pára-quedista, ministrado pelo Centro de Instrução Pára-quedista General Penha Brasil.Unidade altamente adestrada que cumpre missões de infiltração pré e pós-assalto aeroterrestre para reconhecimento, balizamento de zonas de lançamento de pára-quedistas, de pouso de aviões e helicópteros em ambiente de combate e também realiza operações especiais por meio de saltos livres ou semi-automáticos em ambiente terrestre ou aquático, servindo como observadores avançados para caçasbombardeiros ou unidades de Artilharia. Breve dos precursores paraquedistas Tais unidades foram usadas no Vietnam, II Guerra Mundial e outros combates, muitas vezes em parceria com as forças especiais. Lembramos que o curso operacional de qualquer tipo somente prepara o militar para o combate real.( O resto é somente embuste). Por isso o treinamento deve ser duro e o mais perto da realidade.
  • 27. Instrutor e alunos chegando mapas e azimute.A orientação é uma parte importante do treinamento. Para quem: este curso habilita oficiais, aspirantes- a-oficial, subtenentes e sargentos de carreira já concludentes do curso de paraquedista militar a servirem na Companhia de Precursores Paraquedista, o militar aprende técnicas especiais de combate, de salto livre operacional, lançamento de equipes de precursores, infiltração em território hostil pré e pós assalto aeroterrestre aliado, e a identificar e balizar zonas de lançamento de paraquedistas, informar posições inimigas para bombardeio, dentre outras coisas. O concludente deste curso também torna-se mestre de salto, pois o curso de mestre de salto é um nível do curso de Precursor Paraquedista. Também é ministrado no Centro de Instrução Paraquedista General Penha Brasil. Os cabos e soldados voluntários a servir na Companhia de Precursores Paraquedista são militares que passam por um criterioso processo de seleção antes e durante a incorporação na unidade, apenas militares já paraquedistas e com um ano ou mais na Força Terrestre, podem tentar pleitear uma vaga na unidade, e são brevetados precursores após concluírem o curso de formação específico para cabos e soldados, que tem duração aproximada de três meses, que explora ao máximo o caráter prático das instruções, sem exigir no entanto aspectos ligados ao planejamento operacional. PS: paraquedistas não são uma unidade de forças especias,ou seja.não é considerada unidade de elite especializada.Porém, como todo soldado de forças especiais deve ser um paraquedista,muitos desses se qualificam como forças especiais no futuro. O precursor paraquedista é considerado elite pois é um soldado altamente profissional e importante para todas forças armadas além de possuir um treinamento diferenciado do paraquedista normal.
  • 28. COMANDOS ANFÍBIOS (COMANF)- FORÇAS ESPECIAIS DOS FUZILEIROS NAVAIS DO BRASIL. SÍMBOLO: uma caveira sobre uma ancora atravessada por um raio e asas, símbolo que os destaca entre os demais fuzileiros navais. QUEM SÃO: Os Comandos Anfíbios (COMANF) são as forças especiais do Corpo de Fuzileiros Navais da Marinha do Brasil. Eles congregam os fuzileiros navais especificamente preparados para realização de operações especiais. Trata-se do Batalhão de Operações Especiais de Fuzileiros Navais, conhecido como BATALHÃO TONELERO, cujos membros são ainda mais exigidos nos termos de recrutamento, instrução e instrução e adestramento. Como cada unidade de força especiais são treinados para determinadas atividades em combate, o que não torna uma unidade melhor que outra mas sim a mais apropriada a cada tipo de missão, embora todas possuam um vasto leque de qualidades e qualificação acima da média. PARA QUEM: Para Oficiais, Sargentos e Cabos aprovados no curso de habilitação para promoção a Sargento, é ministrado o Curso Especial de Comandos Anfíbios (CESCOMANF), com duração de 22 semanas, que abrange as disciplinas de técnicas de infiltração; patrulha; explosivos; socorrismo avançado; combate em áreas urbanas; combate corpo-a-corpo; montanhismo; técnicas de sobrevivência no mar e em terra; dentre outras, além de capacitação e adestramento para operar em regiões ribeirinhas e no Pantanal, em montanha e clima frio, em regiões semiáridas, selva e área urbana. Depois de formados, esses combatentes recebem um brevê representado por uma caveira atravessada por um raio, símbolo que os destaca entre os demais fuzileiros navais.
  • 29. Para Cabos não estabilizados e Soldados é ministrado o Estágio de Qualificação Técnico Especial de Operações Especiais, com duração de seis semanas, chamado de "Comanfinho". Esse estágio visa a padronização das Ações de Comandos Anfíbios e Operações Especiais, formando os auxiliares dos COMANF, que são adestrados de maneira muito parecida. Depois de formados, eles farão parte das Companhias Operativas (1º Cia Recon / 2º Cia de Ação de Comandos / GERR), e terão a oportunidade de se aprimorar tecnicamente por meio de outros estágios e cursos, como: Estágio Básico de Paraquedista Militar; Curso de Auxiliar de Precursor Paraquedista; Curso de Auxiliar de DOMPSA; Curso Expedito de Salto Livre; Curso Expedito de Mergulho Autônomo e Estágio Básico de Combatente de Montanha. CASA DOS COMANF: O Batalhão de Operações Especiais de Fuzileiros Navais, conhecido como Batalhão Tonelero,foi criado em 1971, baseado no Rio de Janeiro e tem a finalidade principal de, por meio da execução de operações especiais, contribuir para o preparo e a execução do poder naval, efetuando ações de reconhecimento e de comandos. Sob sua responsabilidade, está a função de ministrar cursos e estágios voltados ao seu efetivo. A unidade é estruturada em Companhia de Comando e Serviços, Companhia de Reconhecimento Terrestre, Companhia de Reconhecimento Anfíbio, duas Companhias de Ações de Comandos e o Grupo Especial de Retomada e Resgate (GERR, que tem como missão resgatar militares ou autoridades civis mantidos em confinamento ilegal, busca e resgate de pilotos abatidos em zona de combate, e retomada de instalações de interesse da Marinha, trabalhando em conjunto com os Mergulhadores de Combate (GRUMEC), que se encarregam das ações em ambiente aquático, enquanto o Tonelero atua predominantemente em ações terrestres. Especialização; O adestramento dos COMANF prevê anualmente, exercícios em várias regiões do Brasil, buscando o aperfeiçoamento de suas técnicas de combate e a capacitação para operar em diferentes ambientes e climas. No Exército Brasileiro realizam diversos cursos e estágios que complementam a formação como o Curso Básico de Paraquedista Militar, Curso de Precursor
  • 30. Paraquedista, Curso de DOMPSA, Curso de Guerra na Selva, Estágio de Operações na Caatinga, Estágio de Operações no Pantanal, entre outros. Na própria unidade realizam o Curso Expedito de Salto Livre (CEXSAL) e o Curso Expedito de Mergulho Autônomo (C-EXP-MAUT). Alguns militares são designados para estagiarem no exterior, especializando-se em cursos como o "All Arms Commando Course"(Royal Marines), "Comando de Operaciones Especiales"(Marina/Espanha), "Rangers"(US Army) e "Anphibious Reconnaisance Course"(US Marine Corps). Comanfs em ação GRUMEC: FORÇAS ESPECIAIS DA MARINHA DO BRASIL LEMA: Fortuna audaces sequitur(a sorte acompanha os audazes) QUEM SÃO: O Grupamento de Mergulhadores de Combate (GRUMEC) é uma unidade de Forças Especiais da Marinha do Brasil. Com doutrina semelhante a do US Navy Seals e a do Special Boats Service britânico, a sua função é a de se infiltrar, sem ser percebida, em áreas litorâneas e ribeirinhas, e executar tarefas como reconhecimento, sabotagem e destruição de alvos de valor estratégico. Também são especialistas em guerra não convencional, o que caracteriza a sua doutrina de forças especiais. Foi criado em 1974 e é subordinado à Força de Submarinos, que lhe fornece o principal meio de transporte.
  • 31. As equipes são transportadas até às proximidades do alvo por um submarino, a partir do qual saem nadando, em caiaques ou em barcos infláveis que podem ser lançados do submarino ainda sob a água. O GRUMEC também pode alcançar o alvo saltando de paraquedas ou desembarcando de helicópteros. O GERR - MEC , Grupo Especial de Retomada e Resgate - Mergulhadores de Combate, congrega o pessoal responsável pela retomada de navios, instalações navais, plataformas de petróleo, bem como o resgate de reféns que venham a ser tomados/dominados por terroristas ou outros criminosos. Utilizam a tática conhecida como VBSS (Vessel Boarding Search and Seizure) e treinam regularmente em conjunto com os Comandos Anfíbios. Para quem: Esse curso não é para militares dos fuzileiros navais. Fuzileiros devem seguir os COMANF. O curso de formação é prioritário para militares da Marinha do Brasil, do Corpo da Armada ou do Quadro Complementar da Armada, não podendo ser frequentado por Fuzileiros Navais, e objetiva habilitá-los a operar equipamentos de mergulho, armamento, explosivos, utilizar técnicas e táticas para guerra não-convencional e conflito de baixa intensidade, capacitando-os a executar, em suma, os diversos tipos de operações especiais. Além de ser o curso operacional mais longo das Forças Armadas Brasileiras, é conhecido por ser um dos mais rigorosos, de cada 30 inscritos, em média 4 conseguem concluí-lo, havendo edições em que nenhum candidato se formou. É divido em duas categorias, para Oficiais, existe o CAMECO - Curso de Aperfeiçoamento de Mergulhador de Combate para Oficiais, com duração de 41 semanas, divididas em quatro fases e uma fase 0, onde é dada ênfase especial ao planejamento de operações, com as disciplinas de treinamento físico militar, processo de planejamento militar e estudo de casos, gestão contemporânea e noções básicas de gestoria e liderança. Nas demais fases, as matérias abrangem: treinamento físico militar; defesa pessoal; higiene de campanha; primeiros socorros; equipamento autônomo de circuito aberto e fechado; técnicas de combate; operações ribeirinhas; demolições; armamento; comunicações; técnicas de reconhecimento de praia;
  • 32. operações especiais submarinas; introdução ao microcomputador; sistema de comunicações da Marinha; e inteligência. Para Praças, existe o C-ESP-MEC - Curso Especial de Mergulhadores de Combate, com duração de 32 semanas, com as mesmas atividades instrucionais do CAMECO, exceto a fase 0. Depois de formado MeC, o militar é designado para servir no GRUMEC, onde participará de um completo programa complementar de adestramento e realizará cursos de extensão e estágios em diversas áreas, como Desativação de Artefatos Explosivos (DAE), Curso Básico de Paraquedista Militar, Mestre de Salto, Salto Livre, Mestre de Salto Livre, Precursor Paraquedista, Dobragem e Manutenção de Paraquedas e Suprimentos pelo ar (DOMPSA), Estágio Básico de Montanhismo, Curso de Operações na Selva, Estágio de Operações no Pantanal, Estágio de Caçador, dentre outros. HISTÓRIA: Os primeiros MECs (Mergulhadores de Combate) brasileiros foram dois Oficiais e dois Praças que concluíram em 1964, o curso da Underwater Demolition Team (Equipe de Demolição Submarina), antiga força de elite da Marinha dos Estados Unidos, precursora do US Navy Seals. Com base na experiência desses militares foi criada em 1970 a Divisão de Mergulhadores de Combate na Base Almirante Castro e Silva. No ano de 1971 mais dois Oficiais e três Praças foram qualificados pela Marinha Francesa como "nageurs de combat" e, em 1974, foi formada no Brasil, pelo atual Centro de Instrução e Adestramento Almirante Áttila Monteiro Aché (CIAMA), a primeira turma de Mergulhadores de Combate. Em 1983 a Divisão de Mergulhadores de Combate foi transformada no Grupamento de Mergulhadores de Combate, como parte integrante do Comando da Força de Submarinos. No dia 12 de dezembro de 1997, o Ministro da Marinha criou o Grupamento de Mergulhadores de Combate, sediado na cidade do Rio de Janeiro e diretamente subordinado ao Comando da Força de Submarinos. Foi ativado no dia 10 de março de 1998. Brasão do dos mergulhadores de combate.
  • 33. DIFERENCIANDO AS FORÇAS ESPECIAIS: O QUE FAZEM E QUEM SÃO OS COMANDOS? DEFINIÇÃO: Comandos é a designação dada a uma unidade de elite pertencente à uma das forças armadas, que é altamente adestrada e qualificada a operar sob circunstâncias e ambientes impróprios ou contraindicados ao emprego de outros elementos das forças regulares, sendo apta a cumprir uma ampla variedade de missões e tarefas, táticas ou estratégicas. Dentre as missões executadas por uma tropa de comandos, estão as operações de contra-guerrilha, além das ações diretas que necessitem de alto poder de choque durante curto prazo(as forças especiais atuam durante longo prazo). Origem do nome: O termo nasceu a partir da designação de Kommando que os bôeres da África do Sul davam às suas tropas de operações especiais na guerra contra os britânicos, no princípio do século XX. A palavra Kommando por sua vez teria tido origem no termo português "Comando", utilizado na Índia no sentido de um grupo de tropas sob um comando autônomo que desempenhava missões especiais durante uma batalha ou cerco. Na África do Sul tropas similares atuavam em pequenos destacamentos, que se deslocavam normalmente a cavalo, e lançavam ataques rápidos contra as tropas britânicas. Durante a 2ª Guerra Mundial tanto os britânicos como os alemães decidiram reutilizar este termo para designar as novas tropas de operações especiais que tinham formado (as britânicas designadas Commandos e as alemãs Kommandos). Posteriormente o termo foi utilizado por outros países para designar algumas das suas forças de elite.
  • 34. O QUE OS DIFERENCIA DAS FORÇAS ESPECIAIS? As ações de comandos são operações onde tropa habilitada, de valor e constituição variáveis, atua geralmente em menor número, atacando nas retaguardas profundas do inimigo por intermédio de uma infiltração terrestre, aquática ou aérea, contra alvos de valor estratégico, operacionais ou críticos sob o ponto de vista tático, localizados em áreas hostis ou sob controle do inimigo. Suas incursões são conhecidas pela agressividade, onde poucos homens causam tantos danos, que os inimigos acreditam ter sido em número muito maior que o real. As missões de Comandos e Forças Especiais diferem-se, ainda mais, no quesito duração. Comandos normalmente tem uma missão de assalto que deve ser cumprida o mais rápido possível, normalmente podem se manter operando durante SOMENTE algumas semanas sem apoio. Comandos do Brasil: O 1° Batalhão de Ações de Comandos (1° B A C) é uma unidade de elite do Exército Brasileiro. Comandos brasileiros no Haiti. Patrono: O batalhão tem como patrono o capitão Francisco Padilha, militar que lutou por meio de ações de guerrilha contra os invasores holandeses no início do século XVII. O coronel Johan van Dorth, nomeado governador da Bahia pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais (West Indische Compagnie/WIC) em 1624, foi morto nas proximidades de Salvador por Francisco Padilha a frente de uma das diversas companhias de emboscadas compostas em sua maioria de índios flecheiros.
  • 35. Essas companhias também eram chamadas de Milícias dos Descalços e tinham como objetivo principal impedir a expansão inimiga pela colônia. SÍMBOLO COMANDOS DO EXÉRCITO BRASILEIRO: a faca encravada na caveira como escudo (O BOPE também usa um símbolo semelhante que se origina de instrutores do BOPE,que eram comandos do Exército Brasileiro. Lembramos ainda que o BOPE é uma unidade policial enquanto os Comandos fazem parte de um grupo militar. Tradições: O 1º Batalhão de Ações de Comandos, mantem vivas algumas tradições desde 1968, ano em que foi criado o seu embrião, o Destacamento de Ações de Comandos, primeira unidade com doutrina comandos do Brasil. Tradições que se perpetuaram e foram difundidas entre outras unidades comandos brasileiras criadas posteriormente, como o uso do fardamento em cor preta, do gorro comandos, a faca encravada na caveira como escudo, e a tradição de obrigar os alunos desistentes do curso de ações de comandos, a enterrar os seus gorros e colocar uma cruz em cima. QUAL É A MELHOR UNIDADE MILITAR ESPECIAL: COMANDOS OU FORÇAS ESPECIAIS? Isso não somente no Brasil, mas em boa parte do planeta tal rivalidade existe. Isso na verdade não é correto pois cada unidade militar de qualquer parte das forças armadas de qualquer lugar possui fins específicos para o qual foi treinada o que a torna mais apta ou não para uma missão. Não existe a melhor, existe a mais adequada. COMO SER UM SOLDADO DAS FORÇAS ESPECIAIS BRASILEIRAS? O aluno deve ser militar profissional. No Brasil isso ainda é obtido através de concursos .
  • 36. Os oficiais (via Academia Militar das Agulhas Negras), subtenentes e sargentos (Escola de Sargentos das Armas) de carreira que integram as frações da unidade possuem o Curso de Forças Especiais. Como pré-requisitos desse curso, o aluno deve possuir o curso de Comandos e o curso básico de paraquedismo militar. Com 25 semanas de duração, é ministrado apenas à oficiais, subtenentes e sargentos de carreira do Exército Brasileiro, concludentes do Curso de Comandos (COSAC), Guerra na Selva (CIGS) e do Curso Paraquedista. O curso habilita os militares a integrarem um Destacamento Operacional de Forças Especiais, fração de emprego do 1º Batalhão de Forças Especiais e consequentemente a realizarem operações de reconhecimento especial, contraterrorismo, resgates, subversão, evasão, sabotagens, contraguerrilha e de guerrilha contra forças regulares.