Facão de guerra na selva

3.949 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Facão de guerra na selva

  1. 1. CENTRO DE INSTRUÇÃO DE GUERRA NA SELVA COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 2ª Edição 2008
  2. 2. CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA O Comandante do Centro de Instrução de Guerra na Selva, no uso das atribuições que lhe confere o regulamento do CIGS (R- 105), aprova em Bol Int nº 122, de 01 Jul 08, a segunda edição do COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA (FGS) com a seguinte epígrafe: “COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA (FGS) – Aprovação a. Aprovo a segunda edição do compêndio do Facão do Guerreiro de Selva (FGS), elaborado pela Divisão de Doutrina Pesquisa do CIGS. b. O compêndio do Facão do Guerreiro de Selva destina-se orientar procedimentos quanto à ritualística que envolve o artefato. c. O Facão do Guerreiro de Selva é concedido a especialistas em operações na selva, formados pelo Centro de Instrução de Guerra na Selva do Exército Brasileiro, mediante processo regulado neste compêndio. d. A honraria também é estendida a autoridades que tenham contribuído com a mística que norteia o espírito dos guerreiros de selva da Amazônia brasileira e/ou representem importantes vetores de difusão dos nobres valores do CIGS, do Comando Militar da Amazônia e do Exército Brasileiro. e. A responsabilidade pelo processo de concessão do FGS é da Divisão de Doutrina Pesquisa, cabendo ao Ch Seção de Pesquisa o seu gerenciamento. f. Publique-se. ANTONIO MANOEL DE BARROS – Ten Cel Cmt CIGS ” 2
  3. 3. CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA ÍNDICE DOS ASSUNTOS Prf PagCAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO....................................................................................................4 - Finalidade................................................................................... 1-1 - Histórico......................................................................................1-2CAPÍTULO 2 CARACTERÍZAÇÃO DO FGS........................................................................6 - Apresentação...............................................................................2-1 - Descrição.....................................................................................2-2 - Numeração..................................................................................2-4.................14 - Afiação........................................................................................2-5CAPÍTULO 3 PROCESSO CONCESSÃO DO FGS..............................................................17 - Generalidades..............................................................................3-1 - O Processo...................................................................................3-2 - Situação especial: Concessão a Autoridades e Instituições ......3-3.................18CAPÍTULO 4 CERIMÔNIA DE CONCESSÃO......................................................................19 - Generalidades..............................................................................4-1 - Seqüência das Ações da Cerimônia de Concessão....................4-2 - Eventos da Cerimônia de Concessão.........................................4-4..................22CAPÍTULO 5 TAPIRI, TRILHA E LIVRO DA MÍSTICA..................................................22 - Generalidades..............................................................................5-1 - Tapiri da Mística.........................................................................5-2..................23 - Trilha da Mística.........................................................................5-3ANEXO ALFA............................................................................................................24 a 27 3
  4. 4. CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO1-1. FINALIDADE a. Este compêndio apresenta o Facão do Guerreiro de Selva (FGS) – um dos símbolos dos guerreirosde selva – e destina-se a orientar procedimentos diversos quanto à ritualística que envolve o artefato. b. O FGS é concedido a especialistas em operações na selva, formados pelo Centro de Instrução deGuerra na Selva do Exército Brasileiro. A honraria também é estendida a autoridades que tenham contribuídocom a mística que norteia o espírito dos guerreiros de selva da Amazônia brasileira e ou representem tambémimportantes vetores de difusão dos nobres valores do CIGS, do Comando Militar da Amazônia e do ExércitoBrasileiro. c. A ritualística do FGS está inserida no campo da mística dos guerreiros de selva. É o produto finalde um processo que se inicia com o manifesto interesse de um guerreiro de selva em portá-lo – ou dopróprio CIGS em concedê-lo a determinada(s) autoridade(s) – e termina com a cerimônia de concessão,conduzida no Campo de Instrução do CIGS (CICIGS).1-2. HISTÓRICO a. Às tropas de elite mais famosas do mundo estão associados facas ou facões que as identificam. Éusual, no encontro de camaradas de forças armadas amigas, a mostra recíproca desse emblemático artefatoque, de certo modo, revela o significado histórico das corporações que integram. Os guerreiros de selvaformados pelo CIGS constituem, incontestavelmente, um grupo de elite do Exército Brasileiro. b. A partir dessas considerações – aproveitando o ensejo das comemorações dos 40 anos de criação doCIGS em 2004 –, foi desenvolvido o Projeto Facão do Guerreiro de Selva que teve como premissas: (a) ainspiração histórica na lâmina de duplo corte de facão modelo CIGS existente na década de 80; (b) conterminiatura de cabeça de onça; (c) conter o brevê do especialista em operações na selva; e (d) ser a lâmina e osadereços de alta qualidade. Assim, surgiu o FGS M2004, que perdurou até o ano seguinte, com 92 guerreirosde selva agraciados. c. Em 2005, o FGS foi aperfeiçoado, em beleza e qualidade, a partir da mudança do fabricante, passandoa denominar-se FGS M2006. Algumas especificações técnicas foram alteradas, sendo a mais aparente oacobreamento do brevê do especialista, traduzindo a interação das categorias dos cursos de todos os tempos.Preservou-se, no entanto, as mesmas premissas que nortearam o FGS M2004. 4
  5. 5. CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA Nome gravado na base do cabo Brevê da categoria de COS Fig 1-1. Facão do Guerreiro de Selva - FGS FGS - M2004 (Modelo vigente até 2005) Nome gravado na lâmina Brevê acobreado, representando a união dos Guerreiros de Selva de todas as categorias. Fig 1-2. Facão do Guerreiro de Selva - FGS FGS - M2006 (Modelo Atual) 5
  6. 6. CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA CAPÍTULO 2 CARACTERIZAÇÃO DO FGS2-1. APRESENTAÇÃO a. O Facão do Guerreiro de Selva – FGS M2006 – é um facão-de-mato (terçado), representativo doguerreiro de selva, concedido pelo Centro de Instrução de Guerra na Selva àqueles que concluíram o“Curso de Guerra na Selva” – e conquistaram o direito de ostentar no peito o brevê da “cara da onça”. b. O Facão do Guerreiro de Selva alude ao pioneiro Comandante do CIGS – Cel Jorge Teixeira deOliveira, o “Teixeirão” – cuja empreendedora ação de comando serve de inspiração às sucessivas geraçõesde guerreiros de selva. O FGS de numeração 001 é, simbolicamente, o FGS do “Teixeirão”. c. O Facão do Guerreiro de Selva tem dupla finalidade. Aplicado nas atividades militares, por contada excelente qualidade de sua lâmina e outros requisitos desejáveis ao combate e a vida na selva e,também, constitui objeto de grande valor representativo das fortes emoções vivenciadas na Amazônia,uma jóia militar, a ser guardada em local de destaque na galeria de lembranças da carreira das armas.2-2. DESCRIÇÃO a. Caracterização O FGS M2006 é constituído de lâmina em metal preto-fosco, de alta resistência, de duplo corte –um inferior e maior (principal) e outro superior e menor, em formato de meia lua com acabamento pretofosco que consiste em uma pintura de teflon com uma secagem submetida a uma temperatura de 240º C eem seguida administrada uma fosfatização a frio. Em uma das faces, as inscrições “GUERRA NASELVA” e “CIGS”, seguidas do número de série. Na outra face, a logomarca “R. VILAR”, do fabricante,seguida da personalização do artefato, com a inscrição do nome de guerra e do número de guerreiro deselva do detentor. Na extremidade do cabo, uma cabeça de onça, em metal dourado, voltada para o corteprincipal, representando o animal-símbolo da guerra na selva. A haste, em madeira da árvore guajuvira.Na cruzeta, em metal fosco, acobreado, incrustado em ambas as faces, o brevê do especialista emoperações na selva. 6
  7. 7. CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA b. Dados Técnicos - Cuteleiro responsável: Sr Ricardo Augusto Ferreira Vilar (Sorocaba-SP). - Lâmina: aço temperado SAE 1070. - Comprimento da lâmina: 290 mm. - Comprimento total: 443 mm. - Peso: 650 gr. - Cabo: cabeça de onça em latão; haste em madeira guajuvira e cruzeta em latão fundido. - Bainha: em couro legítimo, com a logomarca do brevê de Guerra na Selva que é usado no gorro de pala do uniforme. (Portabilidade do FGS)2-3. FABRICAÇÃO DO FACÃO (Etapas) 1) Aquisição da Chapa de Aço Adquirida em São Paulo, pelo fabricante, uma chapa de aço de especificação SAE 1070 (significaque o material é composto de 0,70 % de carbono) nas dimensões de 3,0m x 1,2m x 3,0mm. 7
  8. 8. CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA (Chapa de aço - SAE 1070) 2) Corte da Chapa de Aço Realizado um corte na chapa de aço gerando duas partes, nas dimensões de 1,50m x 1,20m x3,00mm cada uma das partes. 3) Corte do Perfil É realizado à laser o corte dos perfis dos facões nas chapas de aço cortadas anteriormente. Esteprocedimento é feito em São Paulo. O artesão desloca-se da cidade de Sorocaba até a capital paulista, aotempo de três horas de deslocamento (ida e volta). Após o corte da chapa de aço, são produzidas em média80 peças do perfil dos facões. 4) Tratamento Térmico das Lâminas É procedido um tratamento térmico nas lâminas cortadas, sob a temperatura de 840 º C. Quando oforno atinge essa temperatura, as peças "descansam" dentro do forno, em resfriamento natural, ao tempode 12 horas. (Forno para o tratamento térmico) 8
  9. 9. CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 5) Gravação nas Lâminas Após as 12 horas de resfriamento dentro de forno é feita a gravação do dístico R.Vilar naslâminas, utilizando-se a máquina de prensa. (Máquina de prensa) 6) Desbastes nas Lâminas Após a gravação do dístico R.Vilar nas lâminas, será realizado o desbaste manual em cada lâmina,utilizando-se a máquina para desbaste. São destinados 40 minutos nesta atividade para cada lâmina. Porser feito manualmente, um erro pode causar a perda da peça, inutilizando-a para qualquer outro tipo deaproveitamento. (Máquina de desbaste) (Desbaste da lâmina) Na sequência, são destinados 10 minutos por lâmina para o desbaste com a lixa fina. 7) Segundo Tratamento Térmico das Lâminas Desbastadas Após o último desbaste, será feito o segundo tratamento térmico nas lâminas com a finalidade detemperar o aço, devendo permanecer cada peça a uma temperatura de 840º C por duas horas. Em seguidaé procedido o resfriamento brusco em óleo hidráulico. 9
  10. 10. CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA (Resfriamento brusco em óleo hidráulico) 8) Limpeza da Lâmina Após o resfriamento brusco em óleo hidráulico e estando seca a peça, é procedido a limpeza dalâmina, de forma manual, utilizando-se uma lixa fina, visando a retirada das impurezas que ficaram presasno óleo hidráulico. O tempo estimado para esta atividade é de aproximadamente uma hora por peça. 9) Terceiro Tratamento Térmico das Lâminas Após feita a limpeza com a lixa fina, será realizado o terceiro tratamento térmico nas lâminas,devendo permanecer cada peça sob a temperatura de 230º C, por duas horas, para aliviar as tensões datêmpera do aço. Esse tratamento é ministrado, visando obter a manutenção fiel da dureza e flexibilidadedo aço. Essa técnica é chamada pelos cuteleiros de revenimento. 10) Pintura das Lâminas e Gravação Na cidade de São Paulo (distante 110 km da cidade de Sorocaba), serão pintadas as lâminas. Osprocedimentos de pintura são os seguintes: - jateamento com micro esferas de vidro; - fosfatização das lâminas à temperatura de 80º C; e - pintura das lâminas com PTFE (teflon). Após a pintura com teflon, as peças seguem para asecagem a quente sob a temperatura de 80º C ao tempo de 15 minutos. Em seguida, as lâminas seguem para outra empresa onde será feita a gravação a laser naslâminas com os dados indicativos de cada agraciado. O tempo para cada gravação a laser é deaproximadamente um minuto por peça. Nesta fase, as lâminas estão prontas, aguardando a afiação final e a montagem das partes quecompõem do facão é a seguinte: cabo em madeira guajuvira, pomo com cabeça de onça, cruzeta em latão,anéis de ligação do conjunto pomo/cabo/cruzeta em couro animal. (Partes que compõem o FGS) 10
  11. 11. CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 11) Pomo com Cabeça de Onça, Cruzeta e Breve O pomo com cabeça de onça, a cruzeta e o brevê acobreado são materiais confeccionados poruma empresa que terceiriza esta fabricação. O pomo e a cruzeta são de latão e o brevê obtido com omesmo material e tingido na cor cobre. O fabricante os recebe de forma bruta, recebendo o polimento namáquina de desbaste com lixa fina. (Pomo e cruzeta brutos) (Breve acobreado que comporá a cruzeta do facão) 12) Pomo com Cabeça de Onça e Cruzeta O pomo com cabeça de onça e a cruzeta foram fabricados por meio de um molde, inicialmenteem cera de fundição e em seguida em um molde a base de silicone vulcanizado. Feito isso, a empresa faz afundição do latão da mesma forma como na fabricação de anéis, em que saem do alto forno como uma"árvore de natal de peças metálicas" , de forma bruta. As peças são cortadas da "árvore" com um alicatepneumático. O mesmo procedimento ocorre com as cruzetas. 13) Preparação do Pomo com Cabeça de Onça Ao receber os pomos com cabeça de onça, em torno de quinze dias após a encomenda, ocuteleiro Ricardo Vilar, realiza a preparação das peças, em que consiste em fresar os pomos, furá-los,fazer os pinos com rosca que se ligarão às lâminas e finalizando com o polimento das peças. Todo estetrabalho é feito manualmente. O tempo de execução desta fase para cada peça é de aproximadamente 40minutos. 14) Preparação da Cruzeta Ao receber as cruzetas, em torno de quinze dias após a encomenda, o cuteleiro, realiza apreparação das cruzetas, que consiste na limagem para o encaixe nas lâminas, furos para o encaixe do brevê eo polimento das peças. O tempo de execução desta fase por peça é de aproximadamente 60 minutos. 15) Trabalhos no Cabo de Madeira O cabo dos facões, no início do projeto do FGS, eram de madeira jatobá. Após os testes com omaterial e com o passar do tempo (de outubro de 2005 até o segundo semestre de 2006) foram feitaspesquisas juntos aos instrutores e monitores e testes na selva. Chegou-se a conclusão que deveria mudar otipo de madeira do FGS, pois a madeira jatobá não apresentou bons resultados, vindo a quebrar, rachar eescorregava da mão do usuário nos trabalhos quando molhada ou úmida . 11
  12. 12. CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA No segundo semestre do ano de 2006, foram obtidos muito bons resultados com a madeira daárvore guajuvira. Além da boa resistência a tração, a impactos e a umidade, as peças com o cabo emguajuvira apresentam melhor apresentação em beleza e qualidade. Leva-se em torno de 40 dias para oartesão receber a madeira, após a encomenda e o devido pagamento pela mesma. (Madeira bruta para o cabo) (Madeira trabalhada com o entalhe para a lâmina) Após o corte da madeira bruta em pequenos blocos nas dimensões de 8,5cm x 4.0cm x 3.0cm,é feito um furo transpassante longitudinalmente ao longo dos 8,5cm de bloco de guajuvira. Em seguida, éfeito o rasqueteamento no bloco para o encaixe da espiga da lâmina. Leva-se em torno de 30 minutosneste trabalho, para cada peça. Espiga da lâmina 16) Fabricação das Bainhas em Couro O cuteleiro compra a matéria prima para a fabricação das bainhas em couro de boi ao custo deR$ 30,00 para uma peça correspondente a 13 kg de couro. O material é adquirido na cidade de Piracicaba/SP que dista aproximadamente 100 km da cidade de Sorocaba. Feita a aquisição da matéria prima, élevada para a cidade de São Paulo para o corte dos perfis da bainha. Após o recebimento dos moldescortados são executados os seguintes procedimentos: - montagem e colagem dos perfis da bainha; - marcação dos furos; - perfuração do couro e costura do couro (tudo feito manualmente); 12
  13. 13. CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA - estampagem na bainha do símbolo do especialista em operações na selva (na máquina de prensa); e - pintura das bainhas na cor preta (feito manualmente). O tempo estimado para a confecção de cada bainha é de 3 horas de trabalho, após o recebimento dosperfis de couro cortados. (Perfis em couro cortados) 17) Montagem do Facão - Finalização do Processo Montagem do facão: a. Colocação da cruzeta na lâmina. b. Junção no encaixe da cruzeta com a lâmina. c. Colocação de um anel em couro bovino para separar a cruzeta do cabo de madeira. d. Colagem entre o anel em couro e o cabo de madeira. e. Encaixe do cabo em madeira guajuvira. f. Colocação de um anel em couro bovino que separa o cabo de madeira do pomo. g. Rosqueamento da cabeça de onça. h. Secagem da cola que fixou os anéis com suas respectivas superfícies de contato. Em média,são 12 horas para a secagem. i. Desbaste do cabo de madeira. Feito manualmente em aproximadamente uma hora. Qualquererro neste trabalho, perde-se o cabo e volta-se a executar a preparação de outro cabo, colagem do anel esecagem. j. Colocação do brevê na cruzeta, ajuste manual, colagem e fixação. k. Afiação fina da lâmina, feito manualmente (uma hora por cada peça). É possível perder alâmina, caso seja executado uma afiação incorreta. l. Embalagem dos facões e envio para Manaus, via SEDEX. m. Tempo de postagem e chegada no CIGS em dois dias. n. Conferência do material pelo Instrutor da DDPA. o. Despacho com o CMT CIGS, visando o planejando da data da cerimônia de entrega dosFGS aos agraciados. 13
  14. 14. CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA ( Facão pronto para ser montado) (FGS M2006)2-4. NUMERAÇÃO a. Os FGS são numerados em sua lâmina, em ordem crescente, a laser industrial. b. O FGS 001 é simbólico, não apresentado as características técnicas do FGS M2006. Trata-se de uma réplica de um facão esculpido em madeira, simbolizando o FGS do Sr Cel JorgeTeixeira de Oliveira, primeiro Comandante do CIGS. c. A numeração que vai do FGS 001 ao FGS 050 está reservada para os Comandantes doCIGS, obedecendo à ordem cronológica no comando do CIGS.2-5. AFIAÇÃO a. 1º Processo - com a pedra apoiada 1) Primeiro passo Empunhar o facão com a mão forte sob um ângulo de 30º em relação à pedra, que deveestar molhada; realize um movimento como se “cortasse a pedra” no sentido cruzeta - ponta. 14
  15. 15. CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 2) Segundo passo Com a pegada invertida, sob um ângulo de 30º, faz-se o mesmo movimento conduzindo ofacão contra a pedra. b. 2º Processo - com a pedra tipo lima 1) Neste processo, o facão fica apoiado e o que se movimenta é a pedra de amolar, que semovimenta no sentido cruzeta – ponta. 15
  16. 16. CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 2) Coloca-se a pedra molhada sob uma inclinação aproximadamente de 30º em relação aofacão e realiza-se um movimento circular por toda a lâmina, na direção cruzeta - ponta. c. Após a afiação Após a afiação, deve-se “chairar” a lâmina, realizando o assentamento fino do fio,procedendo da seguinte forma: 1) Para “chairar”, deve-se passar a lâmina na palma da mão, como se estivesse“passando manteiga no pão”, de um lado para o outro, sempre tendo o cuidado ao encostar alâmina na palma da mão e ao virar de lado para evitar acidente. 2) Se durante o processo de afiação estiver sendo riscado o preto fosco, além da área dofio pré-determinada, a afiação estará sendo realizada de maneira incorreta, devendo ser utilizadaapenas a rampa de afiação de cor prateada (fio da lâmina). 16
  17. 17. CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA ( Trabalhos na selva utilizando o Facão do Guerreiro de Selva) CAPÍTULO 3 PROCESSO DE CONCESSÃO DO FGS 3-1. GENERALIDADES a. O Processo de Concessão do FGS tem início com a declarada manifestação do interessado na aquisição do artefato e por indicação do CIGS, em caso de autoridades. O processo é finalizado com seu recebimento na Cerimônia de Concessão, na Base de Instrução nr 2, no Tapiri da Mística. b. A responsabilidade pelo processo de concessão do FGS é da Divisão de Doutrina Pesquisa e Avaliação (DDPA), cabendo ao Chefe da Seção de Pesquisa ou a um Oficial Guerreiro de Selva, indicado pelo comandante do CIGS, para o gerenciamento do processo de aquisição e condução da cerimônia.3-2. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO: (1) Estabelecer contato com o CIGS. Seção de Pesquisa do CIGS (92) 21256430, (92) 91268445 oupelo e-mail pesquisa@cigs.eb.mil.br (2) Formas de pagamento: - A vista : R$ 600,00 - Parcelado:- 2x 310,00 ou 3x 210,00 - Dados Bancários para o pagamento 17
  18. 18. CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA Ao Sr Ricardo Augusto Ferreira Vilar. Banco: Caixa Econômica Federal. Agência nr 2757.ContaCorrente nr 3123-2 Op 001.CPF: 182450908-16. (3) Ao processar o pagamento, o interessado deverá enviar a cópia do comprovante do(s) depósito(s)para o CIGS, endereçado a Seção de Pesquisa/CIGS pelo Fax Nr (92) 21256402, (4) O facão só será encomendado junto ao cuteleiro, quando o pagamento do valor total do mesmo,tenha sido realizado e o CIGS tenha recebido o comprovante de toda(s) a(s) parcela(s) paga(s). (5) Na mensagem de comprovação do depósito por via fax, identificar o posto/grad e o nome deguerra. (6) Estabelecer contato via e-mail pelo endereço pesquisa@cigs.eb.mil.br, informando o envio docomprovante do pagamento via fax e informar os seguintes dados: Ex: NOME GUERRA Nr Guerreiro Selva Posto/Nome Contatos OM/Guarnição completo CARABAO 9999 Maj Inf José email/tlf/endereço 84º BIS/Manila- Carabao para correio AM (7) O CIGS procederá a encomenda do FGS junto ao cuteleiro Sr Ricardo Vilar. (8) Recebimento dos facões pelo CIGS. (9) Os agraciados serão informados da data da cerimônia que ocorrerá em Manaus na Base deInstrução Nr 2, no Tapirí da Mística. Não serão concedidos FGS fora da Guarnição de Manaus. (10) Cerimônia de Concessão conduzida pela DDPA. Observações: É publicado em BI da OM o evento, constando os nomes de todos os recipiendários. É inserido na página do CIGS na internet fotos do evento. Não está autorizado a aquisição do FGS diretamente com o cuteleiro, bem como a concessão do facãoem outra Guarnição, salvo os casos específicos julgados pelo CMT do CIGS. 3-3. SITUAÇÃO ESPECIAL DE CONCESSÃO A AUTORIDADES E/OU INSTITUIÇÕES a. Conforme já disposto neste compêndio, o FGS também é concedido a autoridades e instituições que tenham contribuído com a mística que norteia espírito dos Guerreiros de Selva e/ou representem importantes vetores de difusão dos nobres valores do CIGS, do Comando Militar da Amazônia e do Exército Brasileiro. b. Essas autoridades – nacionais e estrangeiras – não necessariamente serão militares e/ou guerreiros de selva. 18
  19. 19. CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA c. O CIGS providencia a concessão, convidando o homenageado ou representante de instituições areceber a honraria em cerimônia especial, arcando com as despesas da aquisição. d. A Cerimônia de Concessão é adaptada às circunstâncias, não requerendo, necessariamente, queseja conduzida no CICIGS. CAPÍTULO 4 CERIMÔNIA DE CONCESSÃO4-1. GENERALIDADES a. A concessão do FGS é realizada em cerimônia especial no Tapiri da Mística, na Base de InstruçãoPlácido de Castro (BI/2) do CIGS. b. O CMT do CIGS define a data da realização da cerimônia, assessorado pelo Ch DDPA, normalmenteatendendo a datas comemorativas. c. Na semana do Guerreiro de Selva, a cerimônia de concessão do FGS estará prevista dentre as demaisplanejadas pelo S/3.4-2. SEQÜÊNCIA GERAL DA CERIMÔNIA DE CONCESSÃO: (1) Recepção dos recipiendários por um instrutor ou monitor no saguão das placas, no dia da concessão. Fig 4-1. Recipiendários antes da partida para BI/2 no dia 02 Jun 2006) (Esq p/ Dir: Cel Tupinambá, Cel Caminha, Cel Netto, Gen Bda Ferreira, Cel Souza Abreu, Gen Bda Thaumaturgo, Gen Ex Pedrozo, Gen Bda Bueno, Ten Cel Dower e Maj Juarez) 19
  20. 20. CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA (2) Reunião preliminar do grupamento participante da Reunião com o instrutor ou monitor designadopela DDPA – recipiendários, paraninfos e assistentes – para acertos quanto ao embarque e outras providências,ocasião em que são entregues as bainhas dos FGS aos recipiendários. (3) Deslocamento para a BI/2. (4) Recepção aos agraciados nas proximidades da ponte sobre o Igarapé Candiru, com apresentação desua equipe de instrução. (Apresentação da equipe de organização da entrega do FGS) Fig 4-3. Recepção aos recipiendários próximo ao igarapé Candirú (5) Foto antes do deslocamento na trilha da mística Fig 4-3. (6) Acendimento da tocha. 20
  21. 21. CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA Próximo à ponte sobre o Igarapé Candiru, antes do início do deslocamento – marcha pelo interior daselva até o Tapiri da Mística – é acesa uma tocha pelo instrutor/monitor que guiará o grupamento deagraciados e paraninfos.Trata-se de tocha rústica, improvisada com material da selva, contendo breu vegetalcomo combustível. A tocha acenderá a fogueira da Cerimônia. (7) Deslocamento dos paraninfos e agraciados pela Trilha da Mística (Fig. 4-4) Fig 4-4. Deslocamento pela Trilha da Mística (8) Cerimônia propriamente dita no Tapiri da Mística Fig 4-5. Ritual da Mística em seu Tapiri (9) Confraternização entre os guerreiros de selva. (10) Retorno a Manaus. 21
  22. 22. CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA 4-4. EVENTOS DA CERIMÔNIA DE CONCESSÃO: a. O Mestre de Cerimônia anuncia o título da Cerimônia (por exemplo: 20° Cerimônia de Concessão doFacão do Guerreiro de Selva!), ainda na área de espera. c. Seqüência da Cerimônia (eventos) (1) Chegada da Marcha (2) Entrada no Tapiri da Mística (3) Tomada do dispositivo (4) Recepção das autoridades (5) Introdução - palavras iniciais do Cmt do CIGS (6) Acendimento do Fogo (7) Descrição do FGS (8) Leitura do histórico do FGS (9) Execução da Oração do Guerreiro da Selva (10) Concessão do FGS (11) Compromisso pelos agraciados (12) Entrega do Certificado de autenticidade do facão (13) Brinde (com as canecas marajoaras) (14) Conto dos causos (15) Palavras finais do CMT CIGS (16) Encerramento da cerimônia CAPÍTULO 5 TAPIRI e TRILHA DA MÍSTICA5-1. GENERALIDADES a. o Tapiri da Mística e a Trilha da Mística constituem instrumentos da ritualística das Cerimônias deConcessão do FGS. b. A manutenção do Tapiri da Mística e da Trilha da Mística são de responsabilidade da CompanhiaAuxiliar de Ensino - CAE. 22
  23. 23. CIGS COMPÊNDIO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA5-2. TRILHA DA MÍSTICAa. Trata-se da trilha que conduz os participantes da Cerimônia de Concessão do FGS do local de chegada naEstrada do Puraquequara ao Tapiri da Mística. b. Em passo normal, os participantes levam cerca de 12 minutos para percorrê-la.5-3. TAPIRI DA MÍSTICA a. É uma construção rústica, localizada na floresta do CICIGS, na margem esquerda do Igarapé Candiru,próximo a BI/2, sustentado por toras de aquariquara, com 16 entalhes de troncos de âmago servindo deassentos e, na frente desses assentos, 16 aquariquaras com ranhuras na sua parte superior, que servem desuporte para os FGS. O piso é em cimento rústico, com manchas semelhantes as da onça pintada. Fig 5-1. Tapiri da Mística b. É constituído, ainda, uma passarela de alvenaria, assentada com pedras rústicas da Amazônia, umachurrasqueira com mesa, um trapiche às margens do Igarapé Candiru e local para acendimento da fogueira nocentro do dispositivo. A iluminação é feita por meio de lamparinas de bambú com breu vegetal e maravalha. c. Na parte central, junto à fogueira, é colocado o FGS do saudoso “TEIXEIRÃO” (FGS Nr 001-Teixeirão), simbolizando a presença do Patrono do CIGS. Este procedimento apenas ocorre nas Cerimônias deConcessão. 23
  24. 24. ANEXO “A” (Exemplo de um Roteiro de Cerimônia de Concessão) EVENTO/RESPONSÁVEL LOCUÇÃO DOS EVENTOS ORIENTAÇÃO AGRACIADOS E1. CHEGADA DA MARCHA - 19ª CERIMÔNIA DE CONCESSÃO DO FGS PARANINFOS AGUARDAM PRÓXIMO DO TAPIRI - OS GUERREIROS DE SELVA JÁ POSSUIDORES DO FGS OCUPARÃO SEUS LUGARES NO2. CHEGADA AO TAPIRI - O GS FULANO ORIENTA DISPOSITIVO A OCUPAÇÃO - CMT CIGS CONVIDA OS - O Exmo Sr Gen Div __________ CMT 12ª RM - RECIPIENDÁRIO - OCUPARÁ SEU LUGAR NO AGRACIADOS3. TOMADA DO DISPOSITIVO DISPOSITIVO - E O ______________ ORIENTA A OCUPAÇÃO DO LOCAL -PRESENTE NO LOCAL DA CERIMÔNIA O • Exmo Sr Gen Ex_____________ CMT M AMZ - DE PÉ4. RECEPÇÃO DAS AUTORIDADES • Exmo Sr Gen Bda ___________. CH EM CMDO M AMZ -DESCANSAR • SR Ten CeL BARROS CMT CIGS - A PRESENTE CERIMÔNIA TEM POR FINALIDADE REALIZAR A CONCESSÃO DO FGS AO EXMO - POR FAVOR QUEIRAM 5. FINALIDADE SR GEN_______________ CMT 12ª RM SENTAR-SE 6. PALAVRAS INICIAIS DO CMT CIGS - SENTADOS 24
  25. 25. EVENTO/RESPONSÁVEL LOCUÇÃO DOS EVENTOS ORIENTAÇÃO - INTRODUÇÃO: - SENTADOS  EM AMBIENTE TÍPICO DA FLORESTA AMAZÔNICA, NO TAPIRI DA MÍSTICA DO CIGS, LEMBRETES: ÄS MARGENS DO IGARAPÉ CANDIRU, DE GRANDE SIGNIFICADO PARA TODOS OS GS, - FOGO NÃO INCENDIÁRIO TEM INÍCIO A 17ª CERIMÔNIA DE CONCESSÃO DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA; - CUIDADO COM FUMAÇA 7. INTRODUÇÃO • PRESENTES ____ GUERREIROS DE SELVA; - CUIDADO VENTILADOR LIGADO - NA HORA QUE MAJ • AO CENTRO DO DISPOSITIVO SERÁ ACESO O FOGO, EM TORNO DO COI FALAR “FOGO” TEN QUAL, OS GUERREIROS DOS MAIS REMOTOS TEMPOS TÊM SE REUNIDO PARA SE PROTEGEREM PEI ACENDE A FOGUEIRA DO TEMPO ADVERSO E DAS FERAS, FALAR DE SEUS PROBLEMAS E DE SUAS CONQUISTAS E SE CONFRATERNIZAREM. O FGS M2006 É CONSTITUÍDO DE LÂMINA EM METAL PRETO-FOSCO, DE ALTA RESISTÊNCIA, DE DUPLO CORTE – UM INFERIOR E MAIOR (PRINCIPAL) E OUTRO SUPERIOR E MENOR, EM FORMATO DE MEIA LUA. EM UMA DAS FACES, AS INSCRIÇÕES “GUERRA NA SELVA” E “CIGS”, SEGUIDAS DO NÚMERO DE SÉRIE. NA OUTRA FACE, A LOGOMARCA “R. VILAR”, DO - FABRICANTE, SEGUIDA DA PERSONALIZAÇÃO DO ARTEFATO, COM A INSCRIÇÃO DO NOME DE TEN______________APO 8. DESCRIÇÃO DO FGS GUERRA E DO NÚMERO DE GUERREIRO DE SELVA DO DETENTOR. NA EXTREMIDADE DO CABO, NTA PARA O FGS Nr 0001 UMA CABEÇA DE ONÇA, EM METAL DOURADO, VOLTADA PARA O CORTE PRINCIPAL, REPRESENTANDO O ANIMAL-SÍMBOLO DA GUERRA NA SELVA. A HASTE, EM MADEIRA DA ÁRVORE JATOBÁ. NA CRUZETA, EM METAL FOSCO, ACOBREADO, INCRUSTADO EM AMBAS AS FACES, O BREVÊ DO ESPECIALISTA EM OPERAÇÕES NA SELVA. 25
  26. 26. EVENTO/RESPONSÁVEL LOCUÇÃO DOS EVENTOS ORIENTAÇÃO ÀS TROPAS DE ELITE MAIS FAMOSAS DO MUNDO ESTÃO ASSOCIADOS FACAS OU FACÕES QUE OS IDENTIFICAM. É USUAL, NO ENCONTRO DE CAMARADAS DE FORÇAS ARMADAS AMIGAS, A MOSTRA RECÍPROCA DESSE EMBLEMÁTICO ARTEFATO QUE, DE CERTO MODO, REVELA O SIGNIFICADO HISTÓRICO DAS CORPORA ÇÕES QUE INTEGRAM. OS GUERREIROS DE SELVA FORMADOS PELO CIGS, DESDE O CURSO PIONEIRO EM 1966, PASSARAM A CONSTITUIR, INCONTESTAVELMENTE, UM GRUPO ESPECIALIZADO EM OPERAÇÕES NA SELVA. ENTRETANTO, ATÉ 2003, FALTAVA-LHES A MATERIALIZAÇÃO DO 9.HISTÓRICO DO FGS SÍMBOLO DE UM DE SEUS PRINCIPAIS INSTRUMENTOS DE TRABALHO E DE COMBATE – UM -TODOS SENTADOS FACÃO PERSONALIZADO. A PARTIR DESSAS CONSIDERAÇÕES – APROVEITANDO O ENSEJO DAS COMEMORAÇÕES DOS 40 ANOS DE CRIAÇÃO DO CIGS EM 2004 –, FOI DESENVOLVIDO O PROJETO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA QUE TEVE COMO PREMISSAS: (A) A INSPIRAÇÃO HISTÓRICA NA LÂMINA DE DUPLO CORTE DE FACÃO MODELO CIGS EXISTENTE NA DÉCADA DE 80; (B) CONTER MINIATURA DE CABEÇA DE ONÇA; (C) CONTER O BREVÊ DO ESPECIALISTA EM OPERAÇÕES NA SELVA; E (D) SER A LÂMINA E OS ADEREÇOS DE ALTA QUALIDADE. - - POR FAVOR QUEIRAM10. ORAÇÃO DO GUERREIRO DA SELVA SERÁ PROFERIDA PELO _______________________ – INSTRUTOR – GS __________ A ORAÇÃO DO FICAR DE PÉ GUERREIRO DA SELVA - NESTE MOMENTO, O PARANINFO FARÁ A ENTREGA DO FGS AO RECIPIENDÁRIO QUE EM SEGUIDA BEBERÁ O CAXIRI SELVÁTICO QUEIRAM SENTAR-SE POR FAVOR 11. CONCESSÃO DO FGS • O EXMO SR GEN AVENA RECEBERÁ O FGS NR 0064 DE SEU PADRINHO O ______________________________; 26
  27. 27. EVENTO/RESPONSÁVEL LOCUÇÃO DOS EVENTOS ORIENTAÇÃO SERÃ ENTREGUE OS CERTIFICADO DE AUTENTICIDADE DO FGS. A R. VILAR KNIVES CERTIFICA A AUTENTICIDADE DO FACÃO DO GUERREIRO DE SELVA - ____________ FAZ A 12. ENTREGA DE CERTIFICADO ENTREGA (FGS) MODELO CIGS M2006, CONCEDENDO AO PROPRIETÁRIO GARANTIA VITALÍCIA CONTRA INFORMALMENTE DEFEITOS DE FABRI-CAÇÃO. - POR FAVOR QUEIRAM FICAR DE PÉ ANTES DO BRINDE ENTRAM COMBATENTES COM -O CMT CIGS OFERECERÁ UM BRINDE EM HOMENAGEM AO NOVO POSSUIDOR DO FGS. CANECAS COM A 13.BRINDE BEBIDA OFERECENDO A TODOS OS PRESENTES. APÓS: -POR FAVOR QUEIRAM SENTAR-SE - NESTE MOMENTO O RECIPIENDÁRIO NARRARÃ OS FATOS MARCANTES VIVENCIADOS NA - SENHORES14. NARRAÇÃO DOS FATOS MARCANTES AMAZÔNIA. QUEIRAM SENTAR-SE VIVENCIADOS NA AMAZÔNIA POR FAVOR (AO FINAL DA NARRAÇÃO, O RECIPIENDÁRIO DEVERÁ BRADAR SELVA! TODOS RESPONDERÃO) 15. PALAVRAS DA MAIS ALTA O EXMO SR GEN CERQUEIRA FARÁ AS CONSIDERAÇÕES FINAIS - DE PÉ AUTORIDADE - DESCANSAR - ESTA ENCERRADA A PRESENTE CERIMÔNIA. CMT CIGS CONVIDA A 16. ENCERRAMENTO DA CERIMÔNIA - SENTADOS TODOS PARA A CONFRATERNIZAÇÃO ENTRE OS CAMARADAS.. 27

×