Aspectos técnicos1

212 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
212
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aspectos técnicos1

  1. 1. Aspectos técnicosrelacionados à coletade germoplasma deRecursos Genéticos Curso de Conservação de Recursos Genéticos in situ , Brasília, 2010 Luciano de Bem Bianchetti Bruno Machado Teles Walter Marcelo Fragomeni Simon
  2. 2. Coleta de germoplasma Definição Coletade germoplasma: atividades quevisam a obtenção de unidades físicas vivas,que contenham a composição genética deum organismo com a habilidade de sereproduzir.
  3. 3. Coleta de germoplasma Planejamento Um aspecto básico que deve ser considerado em umamissão de coleta é o planejamento o mais detalhadopossível. A falta de atenção a ele pode ser uma importantecausa de insucesso ou de resultados medíocres. Pré-coleta Coleta Pós-coleta
  4. 4. Coleta de germoplasma Razões para coletar germoplasma germoplasma em perigo (erosão genética ou extinção); área em perigo (antropismo); requisição de usuários (nacional ou internacional); perda ou insuficiência nas coleções ex situ; conservar parentes silvestres das plantas cultivadas; ampliar o conhecimento sobre o germoplasma; indicação de espécies potenciais (pesquisa).
  5. 5. Coleta de germoplasma Usos do germoplasma coletado coleta para uso imediato (melhoramento); coleta para uso futuro; coleta para pesquisa básica; coleta para evitar possíveis perdas de variabilidadegenética (resgate em áreas ameaçadas); coleta oportunista.
  6. 6. Coleta de germoplasma Grupos de espécies para coleta variedades obsoletas (melhoradas, mas substituídas); variedades primitivas (raças locais); parentes silvestres das plantas cultivadas; espécies silvestres (biodiversidade).
  7. 7. Coleta de germoplasma Sítios de coleta centros de diversidade; culturas ou regiões de cultivo; hortas e pomares caseiros; mercados e feiras; habitats silvestres; áreas ameaçadas.
  8. 8. Coleta de germoplasma Tipos de missões de coleta por produto x por área escopo das espécies coletadas (uma x mais de uma); espécies cultivadas x espécies silvestres; forma de coleta (tradicional x novas técnicas); sementes x material vegetativo x florestais número de expedições (uma x mais de uma); patrocinador (formal x não formal)
  9. 9. Coleta de germoplasma Estratégias de amostragem Teoria“Postulado” “uma amostragem ótima no campo seria capaz de obter, com95% de certeza, todos os alelos que ocorrem com freqüênciamaior que 5 % em uma população” (Marshall & Brown 1975).
  10. 10. Coleta de germoplasma Estratégias básicas (Brown & Marshall 1995 e outros) amostrar cerca de 50 populações em uma área eco-geográfica; amostrar cerca de 50 indivíduos em cada população (30 alógamas, 60autógamas); amostrar aleatoriamente em cada sítio, separando “micro-habitats”distintos; número suficiente por planta, para que todas estejam representadasem duplicatas; alógamas: amostras pequenas de cada matriz (núm. igual) do maiornúmero de populações; autógamas: amostras grandes de cada matriz, do maior número depopulações; matriz elite (abundante + vegetativo).
  11. 11. Coleta de germoplasma Prática É mais importante amostrar o máximo de locais (sítios oupopulações), que amostrar o número teoricamente ideal deplantas por local.
  12. 12. Coleta de germoplasma Estratégias para espécies silvestres Problemas: divergências genéticas em diferentes extensões - ecotipos; área geográfica (disjunções) e populações variáveis; falta generalizada de informações básica (modo dereprodução, área de distribuição, biologia reprodutiva, etc.); delimitação de uma população no campo; distribuição espacial variável mesmo dentro da população.
  13. 13. Coleta de germoplasma Estratégias para espécies silvestres Estratégias: ampla revisão sobre a espécie; definir quais serão coletadas; definir áreas, com base na distribuição geográfica – SIG ; coletar em diferentes sítios (fitofisionomias); regiões de altadiversidade; enfatizar número de sítios ao invés de número deindivíduos por sítio.
  14. 14. Coleta de germoplasmaFerramentas que podem ampliar a previsibilidade de coleta SIG (Sistemas de Informação Geográfica) ou GIS - Geographic Information SystemUm sistema de hardware, software, informação espacial eprocedimentos computacionais que permite e facilita a análise,gestão ou representação do espaço e dos fenômenos quenele ocorrem.Trabalha com diferentes camadas temáticas (clima, solos,vegetação, altitude, p. ex.) possibilitando relacionar ainformação existente através da posição e topologia dosobjetos, com o fim de gerar nova informação.
  15. 15. Coleta de germoplasmaFerramentas que podem ampliar a previsibilidade de coleta SIG (Sistemas de Informação Geográfica)
  16. 16. Coleta de germoplasmaFerramentas que podem ampliar a previsibilidade de coleta SIG (Sistemas de Informação Geográfica)
  17. 17. Coleta de germoplasmaFerramentas que podem ampliar a previsibilidade de coleta SIG (Sistemas de Informação Geográfica)
  18. 18. Coleta de germoplasma Proposta para coleta justificativa da coleta (área x produto); prioridades por espécie-alvo ou produto; mapa da área, com itinerário; transporte necessário; propostas de divisão e distribuição do germoplasma; propostas de uso do germoplasma (conservação,caracterização, etc.); pessoal e órgãos envolvidos (atribuições); orçamento.
  19. 19. Coleta de germoplasmaParâmetros para o enquadramento de espécies na lista de prioridades de resgate espécie que possua interesse econômico e/ou interesse para pesquisa. espécie que possua um sistema organizado de Bancos de Germoplasma,ou, conservação garantida. espécie cujas populações concentrem-se na área do futuro reservatório. espécie a ser utilizada no repovoamento de áreas degradadas (áreas deempréstimo, etc.) pela obra, ou em futuros replantios nas margens doreservatório. espécie endêmica. "espécie ameaçada; por exploração predatória (madeira, carvão) ouameaçada de extinção". "espécie com mais de uma aptidão".
  20. 20. Coleta de germoplasma Níveis de prioridade Nível 1: a espécie deve enquadrar-se nos parâmetros 1, 2ou 3, ou ainda a três ou mais dos parâmetros. Nível 2: pertencer a dois dos parâmetros. Nível 3: pertencer a pelo menos um dos parâmetros.
  21. 21. Coleta de germoplasma Pré-coletadefinição: atividades técnicas e logísticas conduzidas antes deuma expedição. extenso levantamento bibliográfico sobre a espécie-alvo(produtos); consulta a herbários e especialistas; estratégia de amostragem (parte da planta*, época do ano,duração da expedição, etc.); destino do material coletado; documentação necessária para ir a campo (legislação); definição de equipamentos e técnicas de amostragem; prospecção - se necessário.
  22. 22. Coleta de germoplasma Pré-coletalogística: tamanho e composição da equipe; transporte necessário (equipamento; volume coleta); roteiro (período em cada local, trechos); contatos (órgãos públicos e privados) – para atividades decampo e pós-coleta.
  23. 23. Coleta de germoplasma Equipamentos e Materiais Equipamento de coleta (altímetro, bússola, GPS, etc.,material para herborização, prensa, etc.); Material para coleta (caderneta, sacos, estufa, etc.); Vestuário (roupas adequadas) Acampamento (camping + cozinha + “almoxarifado” +alimento); Segurança e medicamentos (+ vacinas).
  24. 24. Coleta de germoplasma Coleta Rotina de campo: diariamente estabelecer horários; sítios de coleta coletar nos sítios; acondicionar germoplasma e herborizar o material deherbário coletado (remanejar prensas); conferir acondicionamento do germoplasma estocado. Garantir: amostras sadias e representativas; documentação detalhada; vouchers de herbário.
  25. 25. Coleta de germoplasma Definição das populações no campo variações conforme mudanças no terreno; diferenças fitofisionômicas; diferenças nas culturas (tratos culturais, característicassanitárias, variedade diferente, maturidade, etc.); mudanças a cada 10 ou 20 km, de acordo com a naturezado terreno (Bennett 1970).
  26. 26. Coleta de germoplasma Dados de passaporteFolha de caderneta de campo utilizada pelo CENARGEN.
  27. 27. Coleta de germoplasma Vouchers de herbário para documentar o germoplasma coletado para identificar um acesso em particular; para mostrar as variações observadas em um indivíduo; para mostrar a gama de variações nas característicasselecionadas na população amostrada; para identificar pragas ou doenças; para documentar a flora de um local ou região.
  28. 28. Coleta de germoplasma Vouchers de herbário material representativo do táxon; bem registrado; número suficiente de exemplares; prensagem imediata (diferentes técnicas).
  29. 29. Coleta de germoplasma Cuidados com o material durante a expedição checar o material coletado periodicamente; acondicionamento correto; tratos com o germoplasma (regar, aerar, etc.); garantir o processo de secagem; envio antecipado do germoplasma, se necessário.
  30. 30. Coleta de germoplasma Pós-coletadefinição: atividades técnicas e logísticas conduzidas apósuma expedição. beneficiar o germoplasma obtido; fumigar e preparar material botânico; complementar os dados de campo (códigos); iniciar digitação dos dados coletados*; distribuir germoplasma; acondicionar amostras para envio posterior; organizar material fotográfico e fixado; preparar relatório detalhado da expedição.
  31. 31. Coleta de germoplasmaObrigadobianchet@cenargen.embrapa.brbwalter@cenargen.embrapa.brmsimon@cenargen.embrapa.br

×