SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 1
Baixar para ler offline
Agrupamento de Escolas de Cascais
170732
Sede: Escola Secundária de Cascais
EB de Cascais  EB/JI Branquinho da Fonseca  EB n.º1 Aldeia de Juso  EB/JI Areia-Guincho  JI da Torre
FICHA FORMATIVA
CIÊNCIAS NATURAIS 7ºANO
Nome: ______________________________________________ N.º: _______ Turma:_____
Diamantes-proveta
Pelas suas características singulares, o
diamante é ideal para fabricar bisturis.
Os gumes laterais são feitos com pedras
naturais. O do centro, fabricado com uma
pedra sintética, possui um laser que
fecha os vasos sanguíneos após a
incisão.
Uma serra de diamante pode cortar um
cofre ou mesmo grossas paredes de
edifícios. Nem sequer o granito, uma
rocha comum mas de excecional dureza,
suporta a intensa carícia desta serra de
diamante, muito apreciada na
construção.
Esta imagem, obtida no microscópio,
revela como os grãos de diamante
sintético da serra se desgastam.
Sem eles, porém, fazer a incisão seria
mais laborioso e muito caro.
A notícia correu como o vento, no dia 15 de
fevereiro de 1955. A companhia General Electric
anunciava ao mundo que os seus investigadores
tinham conseguido produzir diamantes sintéticos
exatamente iguais aos que, então, se podiam
encontrar, por exemplo, nas minas do Congo belga.
Hoje, mais de 50 anos depois, o método utilizado
por Tracy Hall, artífice daquele desafio à Natureza,
continua vigente na sua essência, se bem que a
produção dependa de grandes prensas hidráulicas e
de maquinaria de alta tecnologia. Não é de
estranhar, pois trata-se de reproduzir as condições
extremas de pressão e temperatura que, ao longo de
milhares de séculos, fizeram com que, de forma
natural, o carvão se transformasse em diamante. Em
laboratório, o processo é incrivelmente mais rápido
e agressivo. Uma mistura de grafite e de um
catalisador, muitas vezes níquel, é submetida a uma
temperatura de 1500 graus, a uma pressão 60 mil
vezes superior à normal, durante uma hora. O
resultado representa o sonho de um alquimista: a
transformação da grafite em diamante. Dar com
esta chave custou a Hall anos de esforços e centenas
de ensaios. Ele próprio assegura que, quando
verificou o resultado das suas investigações, numa
manhã de dezembro de 1954, as pernas lhe
começaram a tremer de tal maneira que se viu
forçado a sentar-se. À medida que a temperatura
aumentava, o metal dissolvia a grafite e os
diamantes começavam a formar-se, a partir dos
átomos de carbono. Mais tarde, a mistura era
arrefecida e reduzia-se a pressão. Os diamantes
eram, então, separados dos restos de grafite e níquel
através de um banho de ácido.
Super Interessante, n.°36
O que são diamantes-proveta?
Quem foi o mentor que desafiou a Natureza ao produzir diamantes sintéticos?
Retira do texto o modo de produção de diamantes em laboratório.
Refere duas aplicações do diamante sintético.
Comenta a frase do texto: “(…) as pernas lhe começaram a tremer de tal maneira que se viu forçado a sentar-se (…)”.
Propõe outro título para o artigo.
1
2
3
4
5
6

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (18)

Rochas minerais intemperismo_solos
Rochas minerais intemperismo_solosRochas minerais intemperismo_solos
Rochas minerais intemperismo_solos
 
Rochas_minerais_intemperismo_solos
Rochas_minerais_intemperismo_solosRochas_minerais_intemperismo_solos
Rochas_minerais_intemperismo_solos
 
indústria do vidro e do cristal
indústria do vidro e do cristal indústria do vidro e do cristal
indústria do vidro e do cristal
 
Apresentação calcário
Apresentação calcárioApresentação calcário
Apresentação calcário
 
Aula 4 petrologia
Aula 4   petrologiaAula 4   petrologia
Aula 4 petrologia
 
Mineração
MineraçãoMineração
Mineração
 
Recursos minerais
Recursos mineraisRecursos minerais
Recursos minerais
 
Recursos minerais brasileiros
Recursos minerais brasileirosRecursos minerais brasileiros
Recursos minerais brasileiros
 
Olaria tradicional alentejana
Olaria tradicional alentejanaOlaria tradicional alentejana
Olaria tradicional alentejana
 
Trabalho de Mineralogia - Bauxita
Trabalho de Mineralogia - BauxitaTrabalho de Mineralogia - Bauxita
Trabalho de Mineralogia - Bauxita
 
Recursos Minerais: 8ºano/9ºano
Recursos Minerais: 8ºano/9ºanoRecursos Minerais: 8ºano/9ºano
Recursos Minerais: 8ºano/9ºano
 
Trabalho de geologia
Trabalho de geologiaTrabalho de geologia
Trabalho de geologia
 
Rochas carbonatadas
Rochas carbonatadasRochas carbonatadas
Rochas carbonatadas
 
Propriedades das rochas
Propriedades das rochasPropriedades das rochas
Propriedades das rochas
 
Litologias do Jardim das Sensações da Escola Secundária do Forte da Casa
Litologias do Jardim das Sensações da Escola Secundária do Forte da CasaLitologias do Jardim das Sensações da Escola Secundária do Forte da Casa
Litologias do Jardim das Sensações da Escola Secundária do Forte da Casa
 
Apresentação de Cassio Ramos
Apresentação de Cassio RamosApresentação de Cassio Ramos
Apresentação de Cassio Ramos
 
As rochas
As rochasAs rochas
As rochas
 
Produção do Ferro
Produção do FerroProdução do Ferro
Produção do Ferro
 

Destaque

Ficha 5 - Minerais e Rochas Magmáticas
Ficha 5 - Minerais e Rochas MagmáticasFicha 5 - Minerais e Rochas Magmáticas
Ficha 5 - Minerais e Rochas MagmáticasCristinaVianaPedro
 
FT6 - Rochas e Minerais
FT6 - Rochas e MineraisFT6 - Rochas e Minerais
FT6 - Rochas e MineraisGabriela Bruno
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentaresCatir
 
ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas
ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochasciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas
ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochasCatarina Pereira
 
2º teste rochas 7º ano
2º teste rochas 7º ano2º teste rochas 7º ano
2º teste rochas 7º anoSofia Ribeiro
 
Teste rochas 7º ano
Teste rochas 7º anoTeste rochas 7º ano
Teste rochas 7º anoSofia Ribeiro
 

Destaque (11)

7º 1.3.
7º 1.3.7º 1.3.
7º 1.3.
 
Ficha 5 - Minerais e Rochas Magmáticas
Ficha 5 - Minerais e Rochas MagmáticasFicha 5 - Minerais e Rochas Magmáticas
Ficha 5 - Minerais e Rochas Magmáticas
 
Rochas – 5º ano
Rochas – 5º anoRochas – 5º ano
Rochas – 5º ano
 
XII - PAISAGENS GEOLO
XII - PAISAGENS GEOLOXII - PAISAGENS GEOLO
XII - PAISAGENS GEOLO
 
Ficha resumo rochas
Ficha resumo rochasFicha resumo rochas
Ficha resumo rochas
 
FT6 - Rochas e Minerais
FT6 - Rochas e MineraisFT6 - Rochas e Minerais
FT6 - Rochas e Minerais
 
X - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARESX - ROCHAS SEDIMENTARES
X - ROCHAS SEDIMENTARES
 
Rochas sedimentares
Rochas sedimentaresRochas sedimentares
Rochas sedimentares
 
ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas
ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochasciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas
ciencias-naturais-teste-sobre-minerais-e-rochas
 
2º teste rochas 7º ano
2º teste rochas 7º ano2º teste rochas 7º ano
2º teste rochas 7º ano
 
Teste rochas 7º ano
Teste rochas 7º anoTeste rochas 7º ano
Teste rochas 7º ano
 

Mais de Nuno Coelho (20)

9º 4.1
9º 4.19º 4.1
9º 4.1
 
9º 3.3
9º 3.39º 3.3
9º 3.3
 
9º 3.1.
9º 3.1. 9º 3.1.
9º 3.1.
 
7º 1.2.
7º 1.2.7º 1.2.
7º 1.2.
 
9º 2.
9º 2.9º 2.
9º 2.
 
7º 1.1.
7º 1.1.7º 1.1.
7º 1.1.
 
7º 4.2.
7º 4.2. 7º 4.2.
7º 4.2.
 
8º 7.2
8º 7.2 8º 7.2
8º 7.2
 
8º 7.1.
8º 7.1. 8º 7.1.
8º 7.1.
 
7º 4.1.
7º 4.1. 7º 4.1.
7º 4.1.
 
7º 3.
7º 3. 7º 3.
7º 3.
 
8º ano 6.2
8º ano 6.28º ano 6.2
8º ano 6.2
 
8º ano 6.1
8º ano 6.18º ano 6.1
8º ano 6.1
 
8º ano 5.4
8º ano 5.4 8º ano 5.4
8º ano 5.4
 
8º ano 5.3
8º ano 5.38º ano 5.3
8º ano 5.3
 
7º 2.3.
7º 2.3. 7º 2.3.
7º 2.3.
 
7º 2.2.
7º 2.2.7º 2.2.
7º 2.2.
 
8º ano 5.2
8º ano 5.2 8º ano 5.2
8º ano 5.2
 
8º 3.
8º 3.8º 3.
8º 3.
 
F F 8º S T
F F 8º S TF F 8º S T
F F 8º S T
 

Último

VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 

Diamantes sintéticos: produção e aplicações

  • 1. Agrupamento de Escolas de Cascais 170732 Sede: Escola Secundária de Cascais EB de Cascais  EB/JI Branquinho da Fonseca  EB n.º1 Aldeia de Juso  EB/JI Areia-Guincho  JI da Torre FICHA FORMATIVA CIÊNCIAS NATURAIS 7ºANO Nome: ______________________________________________ N.º: _______ Turma:_____ Diamantes-proveta Pelas suas características singulares, o diamante é ideal para fabricar bisturis. Os gumes laterais são feitos com pedras naturais. O do centro, fabricado com uma pedra sintética, possui um laser que fecha os vasos sanguíneos após a incisão. Uma serra de diamante pode cortar um cofre ou mesmo grossas paredes de edifícios. Nem sequer o granito, uma rocha comum mas de excecional dureza, suporta a intensa carícia desta serra de diamante, muito apreciada na construção. Esta imagem, obtida no microscópio, revela como os grãos de diamante sintético da serra se desgastam. Sem eles, porém, fazer a incisão seria mais laborioso e muito caro. A notícia correu como o vento, no dia 15 de fevereiro de 1955. A companhia General Electric anunciava ao mundo que os seus investigadores tinham conseguido produzir diamantes sintéticos exatamente iguais aos que, então, se podiam encontrar, por exemplo, nas minas do Congo belga. Hoje, mais de 50 anos depois, o método utilizado por Tracy Hall, artífice daquele desafio à Natureza, continua vigente na sua essência, se bem que a produção dependa de grandes prensas hidráulicas e de maquinaria de alta tecnologia. Não é de estranhar, pois trata-se de reproduzir as condições extremas de pressão e temperatura que, ao longo de milhares de séculos, fizeram com que, de forma natural, o carvão se transformasse em diamante. Em laboratório, o processo é incrivelmente mais rápido e agressivo. Uma mistura de grafite e de um catalisador, muitas vezes níquel, é submetida a uma temperatura de 1500 graus, a uma pressão 60 mil vezes superior à normal, durante uma hora. O resultado representa o sonho de um alquimista: a transformação da grafite em diamante. Dar com esta chave custou a Hall anos de esforços e centenas de ensaios. Ele próprio assegura que, quando verificou o resultado das suas investigações, numa manhã de dezembro de 1954, as pernas lhe começaram a tremer de tal maneira que se viu forçado a sentar-se. À medida que a temperatura aumentava, o metal dissolvia a grafite e os diamantes começavam a formar-se, a partir dos átomos de carbono. Mais tarde, a mistura era arrefecida e reduzia-se a pressão. Os diamantes eram, então, separados dos restos de grafite e níquel através de um banho de ácido. Super Interessante, n.°36 O que são diamantes-proveta? Quem foi o mentor que desafiou a Natureza ao produzir diamantes sintéticos? Retira do texto o modo de produção de diamantes em laboratório. Refere duas aplicações do diamante sintético. Comenta a frase do texto: “(…) as pernas lhe começaram a tremer de tal maneira que se viu forçado a sentar-se (…)”. Propõe outro título para o artigo. 1 2 3 4 5 6