O slideshow foi denunciado.

Trabalho de Mineralogia - Bauxita

8.176 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Olá, meu nome é João, trabalho no Museu das Minas e do Metal em Belo Horizonte.
    Gostaria de utilizar esse trabalho para estudos e pesquisas, se possivel para divulgação na nossa Rede interna, para isso precisaria dos créditos do trabalho.
    Por favor, aguardo retorno.
    Deixo meu email para contato,
    Obrigado pela atenção
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui

Trabalho de Mineralogia - Bauxita

  1. 1. Bauxita<br /> Rocha sedimentar, é um minério rico em óxido de alumínio, formado através de milhões de anos pela transformação química produzida nas rochas que contêm silicato de alumínio.<br />Thiago de Meira Rezende<br />
  2. 2. Bauxita<br />Foi primeiramente extraído na França e desde então tem sido encontrado em vários locais do mundo. Hoje em dia a maior quantidade de bauxita é extraída do Brasil, Caribe, Austrália e África.<br />
  3. 3. Sendo que sua existência é essencialmente produto oriundo do intemperismo, ou seja, falta de boas condições atmosféricas, mau tempo, através de uma gama variável de rochas, ocorrendo geralmente em clima tropical ou subtropical, caracterizados por taxas de precipitação pluviométrica elevada.<br />Bauxita<br />
  4. 4. O produto final é uma rocha rica em óxido de alumínio, cuja composição mineralógica predomina uma associação em proporção variável de três minerais: Gipsita ou Hidrargilita, Diásporo e Boehmita.<br />Bauxita<br />
  5. 5. Antes de iniciar a mineração da bauxita, é necessário ter o cuidado de remover a terra fértil sobre as jazidas juntamente com a vegetação e reservá-la para o futuro trabalho de recomposição do terreno. Este trabalho, que acontece após a extração, é muito importante para a preservação do meio ambiente.<br />Bauxita<br />
  6. 6.
  7. 7.
  8. 8. Reabilitação das Minas de Bauxita<br />Mineração de bauxita é um uso temporário<br />da terra, pois após reabilitação do local a mesma é devolvida ao meio ambiente, possibilitando outros usos no futuro.<br />
  9. 9. Depois de minerada, a bauxita é transportada para a fábrica, onde chega ainda em seu estado natural. Lá, é iniciada a primeira de muitas reações químicas. A bauxita é moída e acrescida de uma solução de soda cáustica, que a transforma em pasta. <br />Bauxita<br />
  10. 10. Bauxita<br />Aquecida sob pressão e recebendo novas quantidades de soda cáustica, esta massa se dissolve e forma uma solução que passa por processos de sedimentação e filtragem. Nesta etapa, são eliminadas todas as impurezas e a solução restante fica pronta para que dela seja extraída a alumina.<br />
  11. 11. Bauxita<br />Em equipamentos chamados de precipitadores, a alumina contida na solução é precipitada pelo processo de "cristalização por semente". O material resultante precisa ser lavado e seco por aquecimento. Assim, é obtido o primeiro estágio da produção de alumínio: a alumina, que se apresenta sob a forma de pó branco e refinado, de aspecto semelhante ao açúcar.<br />
  12. 12. Ciclo do Alumínio<br />Alumínio Metálico<br />Alumina<br />Bauxita<br />
  13. 13. Mineração<br />
  14. 14. Moagem<br />Adequar a granulometria da bauxita para o ataque com soda cáustica<br />
  15. 15. Digestão<br />Etapa do processo onde a gipsita é dissolvida.<br />
  16. 16. Clarificação<br />Separação dos sólidos ( lama ), que não foram dissolvidos na etapa da digestão, do licor ( rico em gipsita dissolvida ).<br />
  17. 17. Precipitação<br />Etapa onde ocorre a separação da gipsita que foi dissolvida na etapa da digestão. É uma etapa crítica, pois toda a qualidade do produto é controlada.<br />
  18. 18. Calcinação<br />É o processo de retirada da água de cristalização do hidróxido de alumínio ( gipsita ), transformando-o em alumina.<br />
  19. 19.
  20. 20. Bauxita<br />Sabemos, então, que deste minério se extrai alumínio, metal utilizado para a fabricação de aviões, trens, utensílios do lar, dentre outros. <br />
  21. 21.
  22. 22. A alumina pode ser utilizada também na fabricação de detergentes, produtos de limpeza, compostos para tratamento da água, supressores de fumaça, materiais ópticos e pastas de dente, além de atender também à indústria plástica, de mármore, granito sintético e isolante.<br />
  23. 23. CBA - Miraí<br />
  24. 24. CBA – Itamarati de Minas<br />
  25. 25. CBA – Poços de Caldas<br />
  26. 26. Definição Química<br />Fórmula química: Uma mistura de Gibbsita, Diásporo e Boehmita.<br />Composição: 50 a 70 de Al2 O3, 0 a 25% de Fe2 O3, 12 a 40% de H2O, 2 a 30% de SiO2 além de TiO2, V2O3.<br />Cristalografia: Amorfo a microcristalino.<br />Propriedades ópticas: Indefinida.<br />Hábito: Pulvurulento, terroso, psolético, granular ou maciço.<br />
  27. 27. Dureza: 1 – 1,5 do agregado.<br />Densidade relativa: 2,5 – 2,6.<br />Brilho: Opaco a terroso.<br />Cor: Branco, cinza, amarelo e vermelho.<br />Associação: Caulinita e Goethila.<br />Propriedades diagnósticadas: Pode ser identificada pelo brilho, densidade, cor e hábito.<br />
  28. 28. Ocorrência: Origina-se através de processo supérgeno, forma-se, comumente, sob condições climáticas subtropicais a tropicais, por intemperismo de rochas ou sedimentos aluminosos.<br />Usos: Produção do alumínio metálico e da alumina ( Al2 O3 ), que por sua vez é usada na fabriação de abrasivos, produtos refratários, cimento aluminoso, refinação de óleos, alumina ativada, sais de alumínio, etc. <br />

×