SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 3
Baixar para ler offline
Síntese das conclusões da
Conferência ‘(Planear) O Turismo e o Lazer Ciclável em Portugal’

1.
O projecto ‘CicloRia’ foi criado com o objectivo de promover uma rede (material e imaterial)
de promoção e desenvolvimento da mobilidade ciclável com motivação de lazer e turismo na
Ria de Aveiro, numa primeira fase dirigida aos municípios da Murtosa, Ovar e Estarreja
(resultante da candidatura ao POVT – Acções Inovadoras para a Acessibilidade e Mobilidade
Urbana).
Para além disso, a iniciativa é uma oportunidade de promover um processo de divulgação de
conteúdos e métodos de planeamento territorial, utilizando a promoção da mobilidade ciclável
com motivação de lazer e turismo como elemento de articulação disciplinar (ordenamento do
território, mobilidade, desenvolvimento, ambiente, desporto, saúde e educação), de
coordenação entre autarquias e a administração central, de envolvimento dos agentes sociais,
económicos e das comunidades.
O projecto em causa irá ser materializado na concepção, desenvolvimento e implementação
das seguintes iniciativas e projectos:
     A definição de um sistema de vias cicláveis de carácter urbano e ribeirinho (com os
         equipamentos e infra-estruturas de apoio), articulando os investimentos do projecto
         com iniciativas complementares (PolisRia e Estradas Portugal), criando uma rede de
         aprox. 100Km, com preocupação de integração intermodal com sistemas de
         transporte colectivo rodoviário e ferroviários;
     A oferta de 300 bicicletas de utilização colectiva (em sistema “rent-a-bike”) em cada
         uma das áreas de intervenção;
     A organização de circuitos cicláveis temáticos baseados no levantamento e
         sistematização de estudos de identificação dos elementos marcantes do património
         natural, cultural e construído, susceptíveis de serem valorizados enquanto factores de
         atracção e na inventariação e articulação das actividades culturais e desportivas;
     A mobilização das instituições locais (cultura, ambiente, desporto e lazer) para a
         participação na construção das acções de animação circuitos cicláveis;
     A produção e organização dos conteúdos em suportes digitais (Web – Site, GPS,
         Audio/Vídeo), em papel (brochuras, folhetos,…) e em placards informativos,
         orientados para os diferentes tipos de utilizadores (escolas, turistas, residentes,…).
     A articulação com os projectos educativos das escolas dos três municípios (Área
         Projecto; conteúdos pedagógicos disciplinas; Oficina na Escola)
     A organização de eventos de animação dos projectos experimentais (Festival Ciclável
         da Ria de Aveiro);
     A promoção de acções de fomento de empreendedorismo e incubação de empresas
         na área da mobilidade ciclável, do ecoturismo e de áreas afins, com o apoio da
         Incubadora de Empresas da Universidade de Aveiro;
     A organização de acções de sensibilização e divulgação do projecto a nível local,
         nacional e internacional;
     A troca de experiências e inserção em redes internacionais – materiais e imateriais
         (EuroVelo, Interreg IVC, )


                                       PROJECTO CICLORIA
        CÂMARA MUNICIPAL DA MURTOSA, OVAR E ESTARREJA E UNIVERSIDADE DE AVEIRO
          BLOGUE | http://cicloria.blogs.sapo.pt/ | http://turismociclavel.blogs.sapo.pt/
                   EMAIL | mobiciclavel@csjp.ua.pt ou cicloria@gmail.com
                                     TELEFONE | 234 372499
2.
O debate das experiências nacionais (as desenvolvidas e as que se perspectivam) e
internacionais permitiu concluir a necessidade de se constituir uma ‘plataforma de reflexão
sobre a problemática da mobilidade ciclável ligada ao lazer e ao turismo’ – um espaço de
partilha de conhecimento e experiências, de articulação dos diversos projectos cicláveis
municipais e dos operadores que actuam sobre cada um deles e da investigação que tem vindo
a ser produzida sobre a matéria - para uma mais profícua e coerente actuação e para difundir
as boas práticas e aprender com os erros cometidos.
Nesse sentido, os participantes lançaram um conjunto de questões que deverão merecer uma
adequada reflexão no âmbito dessa plataforma:

   ‘questões de planeamento’
    As diferenças conceptuais entre ciclovia/ecopista;
    O tempo de maturação que os projectos cicláveis exigem e a importância de se
       desenvolverem iniciativas contínuas e regulares cujos resultados só vão aparecer a
       médio/longo prazo;
    A participação dos operadores privados na concepção e desenvolvimento dos
       projectos;
    A articulação entre projectos vizinhos e a necessidade de definir ‘esquemas regionais
       cicláveis’;
    A articulação dos projectos de ciclovias com iniciativas de promoção do desporto e da
       saúde;
    A questão do enquadramento jurídico da construção de ciclovias em zonas naturais
       (REN, RAN, Rede Natura 2000,…);
    A incorporação dos projectos de ciclovias no âmbito dos PMOT’s;
    A gestão de conflitos entre utilizadores das pistas cicláveis (ciclável turismo/BTT);
    O desenvolvimento de troços de ciclovias em propriedades particulares, sobretudo em
       terrenos agrícolas/florestais;
    O potencial de desenvolvimento da base económica local associado às ciclovias
       (restauração,     hotelaria,   serviços    de     aluguer       bicicletas,   actividades
       culturais/recreativas/desportivas,…);

   ‘questões de projecto’
    O aprofundamento da investigação relativamente a aspectos técnicos de projecto e
       construção de ciclovias (materiais, cor, …);
    A electrificação das ciclovias, como elemento potenciador da sua utilização à noite;
    O estudo de perfis-tipo adequados a situações-tipo;

   ‘questões normativas’
    A sinalética informativa (ausência de normativas) e a necessidade de articulação com
       ANSR;
    A problemática da bicicleta no âmbito do Código da Estrada;
    A certificação de serviços/produtos ligados à bicicleta/lazer e turismo;



                                       PROJECTO CICLORIA
        CÂMARA MUNICIPAL DA MURTOSA, OVAR E ESTARREJA E UNIVERSIDADE DE AVEIRO
          BLOGUE | http://cicloria.blogs.sapo.pt/ | http://turismociclavel.blogs.sapo.pt/
                   EMAIL | mobiciclavel@csjp.ua.pt ou cicloria@gmail.com
                                     TELEFONE | 234 372499
‘questões de gestão e implementação’
     O papel das Comunidades Intermunicipais na gestão e manutenção das ‘Redes de
        Ciclovias’;
     A importância de definir os mecanismos de avaliação e monitorização dos resultados,
        auscultação dos actores e comunidade;
     A incorporação dos resultados económicos dos projectos de ciclovias e das actividades
        marginais na conservação da paisagem;
     Os modelos de gestão e manutenção das infra-estruturas;
     A necessidade de dialogar com os operadores de transporte (CP e empresas
        rodoviárias) por causa do transporte de bicicletas;
     A necessidade de estudar os ‘espaços mortos’ dos comboios, para colocação de
        bicicletas;

       [Se, entretanto, identificarem outras questões que devem merecer reflexão no âmbito desta
       plataforma de reflexão sugerimos o envio de uma mensagem para: mobiciclavel@csjp.ua.pt ]

3.
No que diz respeito aos desafios económicos que se colocam à mobilidade ciclável foi
defendido pelos vários parceiros presentes (em particular os representantes da ABIMOTA,
INOVARIA e Universidade de Aveiro) a necessidade de se aprofundar a reflexão em torno da
oportunidade da dinamização de um ‘Cluster da Bicicleta’ na região de Aveiro, já que aqui se
localizam importantes sectores económicos e de investigação – as industrias das duas rodas, as
empresas de telecomunicações e a Universidade de Aveiro – e, ainda, pelo facto das
autarquias da região terem vindo a assumir um papel cada vez mais relevante e inovador na
promoção da bicicleta.
A reflexão em torno do desenvolvimento de um ‘cluster da bicicleta’ poderia ser uma
oportunidade para: i) analisar a ‘cadeia de valor’ da bicicleta; ii) conhecer o seu potencial de
crescimento; iii) discutir as políticas e iniciativas de promoção do ‘cluster’; iv) conhecer e
estimular a inovação ligada à bicicleta (utilizadores com necessidades especiais, idosos,…);

4.
Foi ainda defendida a necessidade das Comunidades Intermunicipais da região de Aveiro,
Viseu e Coimbra reflectirem sobre as vantagens de articularem os seus projectos cicláveis (por
ex: Cicloria, Ecovias do Dão, Ecovias do Vouga) para uma futura afirmação de um produto
turístico único a nível nacional - Rede de ciclovias da Ria de Aveiro, do Vouga, Dão e Mondego.

5.
Finalmente, foi referida a relevância e a oportunidade de se criar uma ‘REDE NACIONAL DE
BAIXA VELOCIDADE’, que articule os projectos cicláveis existentes em Portugal, com uma
preocupação de dar coerência à estrutura, de articular serviços, produtos e actividades de
apoio e de, eventualmente, os integrar na rede Europeia ‘EuroVelo’
(http://www.ecf.com/14_1).

Comissão Organizadora da Conferência
Aveiro, 11 de Novembro de 2009

                                        PROJECTO CICLORIA
         CÂMARA MUNICIPAL DA MURTOSA, OVAR E ESTARREJA E UNIVERSIDADE DE AVEIRO
           BLOGUE | http://cicloria.blogs.sapo.pt/ | http://turismociclavel.blogs.sapo.pt/
                    EMAIL | mobiciclavel@csjp.ua.pt ou cicloria@gmail.com
                                      TELEFONE | 234 372499

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (15)

ConferêNcia Programa Vf
ConferêNcia Programa VfConferêNcia Programa Vf
ConferêNcia Programa Vf
 
ConferêNcia Programa Vf
ConferêNcia Programa VfConferêNcia Programa Vf
ConferêNcia Programa Vf
 
Objectivos Da ConferêNcia Vf
Objectivos Da ConferêNcia VfObjectivos Da ConferêNcia Vf
Objectivos Da ConferêNcia Vf
 
A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY
A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY
A BUGA NUMA CIDADE BIKE-FRIENDLY
 
ConferêNcia Programa Vf
ConferêNcia Programa VfConferêNcia Programa Vf
ConferêNcia Programa Vf
 
Dossier de Visita
Dossier de VisitaDossier de Visita
Dossier de Visita
 
Prêmio cidades de excelência
Prêmio cidades de excelênciaPrêmio cidades de excelência
Prêmio cidades de excelência
 
Agostinho Benta
Agostinho BentaAgostinho Benta
Agostinho Benta
 
Plano Diretor Cicloviário de Canoas/RS: 1° Seminário - apresentação Arq. Emíl...
Plano Diretor Cicloviário de Canoas/RS: 1° Seminário - apresentação Arq. Emíl...Plano Diretor Cicloviário de Canoas/RS: 1° Seminário - apresentação Arq. Emíl...
Plano Diretor Cicloviário de Canoas/RS: 1° Seminário - apresentação Arq. Emíl...
 
Apresentação vivo bairro
Apresentação vivo bairroApresentação vivo bairro
Apresentação vivo bairro
 
20151118 apresentação belfast nov
20151118 apresentação belfast nov20151118 apresentação belfast nov
20151118 apresentação belfast nov
 
2. Cicloria Arp Jc J Mota
2. Cicloria Arp Jc J Mota2. Cicloria Arp Jc J Mota
2. Cicloria Arp Jc J Mota
 
Frederico Sá Gil Ribeiro Jorge Carvalho JCM
Frederico Sá Gil Ribeiro Jorge Carvalho JCMFrederico Sá Gil Ribeiro Jorge Carvalho JCM
Frederico Sá Gil Ribeiro Jorge Carvalho JCM
 
Cicloria 24 Set09 ApresentaçãO
Cicloria 24 Set09 ApresentaçãOCicloria 24 Set09 ApresentaçãO
Cicloria 24 Set09 ApresentaçãO
 
Que futuro para o centro de aveiro
Que futuro para o centro de aveiroQue futuro para o centro de aveiro
Que futuro para o centro de aveiro
 

Semelhante a 1.4.SíNtese Das ConclusõEs ConferêNcia Turismo CicláVel

1.2.SíNtese Projecto Ciclo Ria
1.2.SíNtese Projecto Ciclo Ria1.2.SíNtese Projecto Ciclo Ria
1.2.SíNtese Projecto Ciclo Riamobiciclavel
 
1.3. Objectivos Da ConferêNcia Planear O Lazer E O Turismo CicláVel Em Portugal
1.3. Objectivos Da ConferêNcia Planear O Lazer E O Turismo CicláVel Em Portugal1.3. Objectivos Da ConferêNcia Planear O Lazer E O Turismo CicláVel Em Portugal
1.3. Objectivos Da ConferêNcia Planear O Lazer E O Turismo CicláVel Em Portugalmobiciclavel
 
Cidades e regiões bike friendly apresentação-vf
Cidades e regiões bike friendly apresentação-vfCidades e regiões bike friendly apresentação-vf
Cidades e regiões bike friendly apresentação-vfJosé Carlos Mota
 
Balanço ecc2015 algarve
Balanço ecc2015 algarveBalanço ecc2015 algarve
Balanço ecc2015 algarveJorge G Coelho
 
0.Dossier Visita ComunicaçãO Social
0.Dossier Visita ComunicaçãO Social0.Dossier Visita ComunicaçãO Social
0.Dossier Visita ComunicaçãO Socialmobiciclavel
 
Projectos-piloto - Participação das comunidades no planeamento
Projectos-piloto - Participação das comunidades no planeamentoProjectos-piloto - Participação das comunidades no planeamento
Projectos-piloto - Participação das comunidades no planeamentoPlanningwithCommunities
 
Projeto Pedala Jundiaí - Incentivo ao uso da bike como meio de transporte
Projeto Pedala Jundiaí - Incentivo ao uso da bike como meio de transporteProjeto Pedala Jundiaí - Incentivo ao uso da bike como meio de transporte
Projeto Pedala Jundiaí - Incentivo ao uso da bike como meio de transporteGianlucca Hernandez
 
Agenda Propositiva do Turismo | Baixada Santista - Apresentação de resultados...
Agenda Propositiva do Turismo | Baixada Santista - Apresentação de resultados...Agenda Propositiva do Turismo | Baixada Santista - Apresentação de resultados...
Agenda Propositiva do Turismo | Baixada Santista - Apresentação de resultados...Aristides Faria
 
Um Olhar Cultura por Cuiaba
Um Olhar Cultura por CuiabaUm Olhar Cultura por Cuiaba
Um Olhar Cultura por CuiabaAristides Faria
 
8. Ecopista DãO Guilherme Almeida
8. Ecopista DãO Guilherme Almeida8. Ecopista DãO Guilherme Almeida
8. Ecopista DãO Guilherme AlmeidaProjecto CicloRia
 
BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]
BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]
BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]loyx
 
Ciclo Urbano - Ações e Pesquisas sobre bicicletas em Aracaju
Ciclo Urbano - Ações e Pesquisas sobre bicicletas em Aracaju Ciclo Urbano - Ações e Pesquisas sobre bicicletas em Aracaju
Ciclo Urbano - Ações e Pesquisas sobre bicicletas em Aracaju ongciclourbano
 
Plano Diretor Cicloviário de Canoas/RS: Seminário - apresentação arq. Tiago H...
Plano Diretor Cicloviário de Canoas/RS: Seminário - apresentação arq. Tiago H...Plano Diretor Cicloviário de Canoas/RS: Seminário - apresentação arq. Tiago H...
Plano Diretor Cicloviário de Canoas/RS: Seminário - apresentação arq. Tiago H...3C Arquitetura e Urbanismo
 
Escolas de bicicleta
Escolas de bicicletaEscolas de bicicleta
Escolas de bicicletaeuvoudebike
 

Semelhante a 1.4.SíNtese Das ConclusõEs ConferêNcia Turismo CicláVel (19)

1.2.SíNtese Projecto Ciclo Ria
1.2.SíNtese Projecto Ciclo Ria1.2.SíNtese Projecto Ciclo Ria
1.2.SíNtese Projecto Ciclo Ria
 
1.3. Objectivos Da ConferêNcia Planear O Lazer E O Turismo CicláVel Em Portugal
1.3. Objectivos Da ConferêNcia Planear O Lazer E O Turismo CicláVel Em Portugal1.3. Objectivos Da ConferêNcia Planear O Lazer E O Turismo CicláVel Em Portugal
1.3. Objectivos Da ConferêNcia Planear O Lazer E O Turismo CicláVel Em Portugal
 
Portugal Bike Value: Road Map
Portugal Bike Value: Road MapPortugal Bike Value: Road Map
Portugal Bike Value: Road Map
 
#3 Click Plataforma V1
#3 Click Plataforma V1#3 Click Plataforma V1
#3 Click Plataforma V1
 
Cidades e regiões bike friendly apresentação-vf
Cidades e regiões bike friendly apresentação-vfCidades e regiões bike friendly apresentação-vf
Cidades e regiões bike friendly apresentação-vf
 
Balanço ecc2015 algarve
Balanço ecc2015 algarveBalanço ecc2015 algarve
Balanço ecc2015 algarve
 
0.Dossier Visita ComunicaçãO Social
0.Dossier Visita ComunicaçãO Social0.Dossier Visita ComunicaçãO Social
0.Dossier Visita ComunicaçãO Social
 
Plataforma Tecnológica da Bicicleta 7 julho 2014
Plataforma Tecnológica da Bicicleta 7 julho 2014Plataforma Tecnológica da Bicicleta 7 julho 2014
Plataforma Tecnológica da Bicicleta 7 julho 2014
 
PT BICICLETA
PT BICICLETAPT BICICLETA
PT BICICLETA
 
Projectos-piloto - Participação das comunidades no planeamento
Projectos-piloto - Participação das comunidades no planeamentoProjectos-piloto - Participação das comunidades no planeamento
Projectos-piloto - Participação das comunidades no planeamento
 
Ciclo
CicloCiclo
Ciclo
 
Projeto Pedala Jundiaí - Incentivo ao uso da bike como meio de transporte
Projeto Pedala Jundiaí - Incentivo ao uso da bike como meio de transporteProjeto Pedala Jundiaí - Incentivo ao uso da bike como meio de transporte
Projeto Pedala Jundiaí - Incentivo ao uso da bike como meio de transporte
 
Agenda Propositiva do Turismo | Baixada Santista - Apresentação de resultados...
Agenda Propositiva do Turismo | Baixada Santista - Apresentação de resultados...Agenda Propositiva do Turismo | Baixada Santista - Apresentação de resultados...
Agenda Propositiva do Turismo | Baixada Santista - Apresentação de resultados...
 
Um Olhar Cultura por Cuiaba
Um Olhar Cultura por CuiabaUm Olhar Cultura por Cuiaba
Um Olhar Cultura por Cuiaba
 
8. Ecopista DãO Guilherme Almeida
8. Ecopista DãO Guilherme Almeida8. Ecopista DãO Guilherme Almeida
8. Ecopista DãO Guilherme Almeida
 
BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]
BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]
BICICLETA_UMA VIA REA1L[1]
 
Ciclo Urbano - Ações e Pesquisas sobre bicicletas em Aracaju
Ciclo Urbano - Ações e Pesquisas sobre bicicletas em Aracaju Ciclo Urbano - Ações e Pesquisas sobre bicicletas em Aracaju
Ciclo Urbano - Ações e Pesquisas sobre bicicletas em Aracaju
 
Plano Diretor Cicloviário de Canoas/RS: Seminário - apresentação arq. Tiago H...
Plano Diretor Cicloviário de Canoas/RS: Seminário - apresentação arq. Tiago H...Plano Diretor Cicloviário de Canoas/RS: Seminário - apresentação arq. Tiago H...
Plano Diretor Cicloviário de Canoas/RS: Seminário - apresentação arq. Tiago H...
 
Escolas de bicicleta
Escolas de bicicletaEscolas de bicicleta
Escolas de bicicleta
 

Mais de mobiciclavel

Ciclo Ria Div Fina Smalll
Ciclo Ria Div Fina SmalllCiclo Ria Div Fina Smalll
Ciclo Ria Div Fina Smalllmobiciclavel
 
8.Biketour Sportis Espanhol
8.Biketour Sportis Espanhol8.Biketour Sportis Espanhol
8.Biketour Sportis Espanholmobiciclavel
 
Poster Mob Sustentavel Murtosa
Poster Mob Sustentavel MurtosaPoster Mob Sustentavel Murtosa
Poster Mob Sustentavel Murtosamobiciclavel
 
Murtosa Final Small
Murtosa Final SmallMurtosa Final Small
Murtosa Final Smallmobiciclavel
 
4.Incubadora Em Rede Ua
4.Incubadora Em Rede Ua4.Incubadora Em Rede Ua
4.Incubadora Em Rede Uamobiciclavel
 
2.Ecoinside Bioria
2.Ecoinside Bioria2.Ecoinside Bioria
2.Ecoinside Bioriamobiciclavel
 
3.Inova Ria Uw Ponto C Mio
3.Inova Ria  Uw Ponto C Mio3.Inova Ria  Uw Ponto C Mio
3.Inova Ria Uw Ponto C Miomobiciclavel
 
1.1.Newsletter Murtosa CicláVel
1.1.Newsletter Murtosa CicláVel1.1.Newsletter Murtosa CicláVel
1.1.Newsletter Murtosa CicláVelmobiciclavel
 

Mais de mobiciclavel (14)

Ciclo Ria Div Fina Smalll
Ciclo Ria Div Fina SmalllCiclo Ria Div Fina Smalll
Ciclo Ria Div Fina Smalll
 
8.Biketour Sportis Espanhol
8.Biketour Sportis Espanhol8.Biketour Sportis Espanhol
8.Biketour Sportis Espanhol
 
Poster Mob Sustentavel Murtosa
Poster Mob Sustentavel MurtosaPoster Mob Sustentavel Murtosa
Poster Mob Sustentavel Murtosa
 
Murtosa Final Small
Murtosa Final SmallMurtosa Final Small
Murtosa Final Small
 
6.1.óRbita
6.1.óRbita6.1.óRbita
6.1.óRbita
 
6.3.óRbita
6.3.óRbita6.3.óRbita
6.3.óRbita
 
6.2.óRbita
6.2.óRbita6.2.óRbita
6.2.óRbita
 
5.2.Abimota
5.2.Abimota5.2.Abimota
5.2.Abimota
 
4.Incubadora Em Rede Ua
4.Incubadora Em Rede Ua4.Incubadora Em Rede Ua
4.Incubadora Em Rede Ua
 
5.1.Abimota
5.1.Abimota5.1.Abimota
5.1.Abimota
 
2.Ecoinside Bioria
2.Ecoinside Bioria2.Ecoinside Bioria
2.Ecoinside Bioria
 
3.Inova Ria Uw Ponto C Mio
3.Inova Ria  Uw Ponto C Mio3.Inova Ria  Uw Ponto C Mio
3.Inova Ria Uw Ponto C Mio
 
1.1.Newsletter Murtosa CicláVel
1.1.Newsletter Murtosa CicláVel1.1.Newsletter Murtosa CicláVel
1.1.Newsletter Murtosa CicláVel
 
7.Ideiabiba Ryk B
7.Ideiabiba Ryk B7.Ideiabiba Ryk B
7.Ideiabiba Ryk B
 

Último

13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................mariagrave
 
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptxM0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptxJustinoTeixeira1
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
atividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdfatividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdfAutonoma
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSPedro Luis Moraes
 
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...azulassessoria9
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...azulassessoria9
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Centro Jacques Delors
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanomarla71199
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Centro Jacques Delors
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...azulassessoria9
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdfatividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdfAutonoma
 
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...azulassessoria9
 

Último (20)

13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptxM0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
atividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdfatividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-paronimos-e-homonimos-4º-e-5º-ano-respostas.pdf
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
 
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
O estudo do controle motor nada mais é do que o estudo da natureza do movimen...
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
No processo de aprendizagem motora, a forma como o indivíduo processa as info...
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdfatividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdf
atividade-de-portugues-pontuação-4º-ou-5º-ano-respostas.pdf
 
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
 

1.4.SíNtese Das ConclusõEs ConferêNcia Turismo CicláVel

  • 1. Síntese das conclusões da Conferência ‘(Planear) O Turismo e o Lazer Ciclável em Portugal’ 1. O projecto ‘CicloRia’ foi criado com o objectivo de promover uma rede (material e imaterial) de promoção e desenvolvimento da mobilidade ciclável com motivação de lazer e turismo na Ria de Aveiro, numa primeira fase dirigida aos municípios da Murtosa, Ovar e Estarreja (resultante da candidatura ao POVT – Acções Inovadoras para a Acessibilidade e Mobilidade Urbana). Para além disso, a iniciativa é uma oportunidade de promover um processo de divulgação de conteúdos e métodos de planeamento territorial, utilizando a promoção da mobilidade ciclável com motivação de lazer e turismo como elemento de articulação disciplinar (ordenamento do território, mobilidade, desenvolvimento, ambiente, desporto, saúde e educação), de coordenação entre autarquias e a administração central, de envolvimento dos agentes sociais, económicos e das comunidades. O projecto em causa irá ser materializado na concepção, desenvolvimento e implementação das seguintes iniciativas e projectos:  A definição de um sistema de vias cicláveis de carácter urbano e ribeirinho (com os equipamentos e infra-estruturas de apoio), articulando os investimentos do projecto com iniciativas complementares (PolisRia e Estradas Portugal), criando uma rede de aprox. 100Km, com preocupação de integração intermodal com sistemas de transporte colectivo rodoviário e ferroviários;  A oferta de 300 bicicletas de utilização colectiva (em sistema “rent-a-bike”) em cada uma das áreas de intervenção;  A organização de circuitos cicláveis temáticos baseados no levantamento e sistematização de estudos de identificação dos elementos marcantes do património natural, cultural e construído, susceptíveis de serem valorizados enquanto factores de atracção e na inventariação e articulação das actividades culturais e desportivas;  A mobilização das instituições locais (cultura, ambiente, desporto e lazer) para a participação na construção das acções de animação circuitos cicláveis;  A produção e organização dos conteúdos em suportes digitais (Web – Site, GPS, Audio/Vídeo), em papel (brochuras, folhetos,…) e em placards informativos, orientados para os diferentes tipos de utilizadores (escolas, turistas, residentes,…).  A articulação com os projectos educativos das escolas dos três municípios (Área Projecto; conteúdos pedagógicos disciplinas; Oficina na Escola)  A organização de eventos de animação dos projectos experimentais (Festival Ciclável da Ria de Aveiro);  A promoção de acções de fomento de empreendedorismo e incubação de empresas na área da mobilidade ciclável, do ecoturismo e de áreas afins, com o apoio da Incubadora de Empresas da Universidade de Aveiro;  A organização de acções de sensibilização e divulgação do projecto a nível local, nacional e internacional;  A troca de experiências e inserção em redes internacionais – materiais e imateriais (EuroVelo, Interreg IVC, ) PROJECTO CICLORIA CÂMARA MUNICIPAL DA MURTOSA, OVAR E ESTARREJA E UNIVERSIDADE DE AVEIRO BLOGUE | http://cicloria.blogs.sapo.pt/ | http://turismociclavel.blogs.sapo.pt/ EMAIL | mobiciclavel@csjp.ua.pt ou cicloria@gmail.com TELEFONE | 234 372499
  • 2. 2. O debate das experiências nacionais (as desenvolvidas e as que se perspectivam) e internacionais permitiu concluir a necessidade de se constituir uma ‘plataforma de reflexão sobre a problemática da mobilidade ciclável ligada ao lazer e ao turismo’ – um espaço de partilha de conhecimento e experiências, de articulação dos diversos projectos cicláveis municipais e dos operadores que actuam sobre cada um deles e da investigação que tem vindo a ser produzida sobre a matéria - para uma mais profícua e coerente actuação e para difundir as boas práticas e aprender com os erros cometidos. Nesse sentido, os participantes lançaram um conjunto de questões que deverão merecer uma adequada reflexão no âmbito dessa plataforma: ‘questões de planeamento’  As diferenças conceptuais entre ciclovia/ecopista;  O tempo de maturação que os projectos cicláveis exigem e a importância de se desenvolverem iniciativas contínuas e regulares cujos resultados só vão aparecer a médio/longo prazo;  A participação dos operadores privados na concepção e desenvolvimento dos projectos;  A articulação entre projectos vizinhos e a necessidade de definir ‘esquemas regionais cicláveis’;  A articulação dos projectos de ciclovias com iniciativas de promoção do desporto e da saúde;  A questão do enquadramento jurídico da construção de ciclovias em zonas naturais (REN, RAN, Rede Natura 2000,…);  A incorporação dos projectos de ciclovias no âmbito dos PMOT’s;  A gestão de conflitos entre utilizadores das pistas cicláveis (ciclável turismo/BTT);  O desenvolvimento de troços de ciclovias em propriedades particulares, sobretudo em terrenos agrícolas/florestais;  O potencial de desenvolvimento da base económica local associado às ciclovias (restauração, hotelaria, serviços de aluguer bicicletas, actividades culturais/recreativas/desportivas,…); ‘questões de projecto’  O aprofundamento da investigação relativamente a aspectos técnicos de projecto e construção de ciclovias (materiais, cor, …);  A electrificação das ciclovias, como elemento potenciador da sua utilização à noite;  O estudo de perfis-tipo adequados a situações-tipo; ‘questões normativas’  A sinalética informativa (ausência de normativas) e a necessidade de articulação com ANSR;  A problemática da bicicleta no âmbito do Código da Estrada;  A certificação de serviços/produtos ligados à bicicleta/lazer e turismo; PROJECTO CICLORIA CÂMARA MUNICIPAL DA MURTOSA, OVAR E ESTARREJA E UNIVERSIDADE DE AVEIRO BLOGUE | http://cicloria.blogs.sapo.pt/ | http://turismociclavel.blogs.sapo.pt/ EMAIL | mobiciclavel@csjp.ua.pt ou cicloria@gmail.com TELEFONE | 234 372499
  • 3. ‘questões de gestão e implementação’  O papel das Comunidades Intermunicipais na gestão e manutenção das ‘Redes de Ciclovias’;  A importância de definir os mecanismos de avaliação e monitorização dos resultados, auscultação dos actores e comunidade;  A incorporação dos resultados económicos dos projectos de ciclovias e das actividades marginais na conservação da paisagem;  Os modelos de gestão e manutenção das infra-estruturas;  A necessidade de dialogar com os operadores de transporte (CP e empresas rodoviárias) por causa do transporte de bicicletas;  A necessidade de estudar os ‘espaços mortos’ dos comboios, para colocação de bicicletas; [Se, entretanto, identificarem outras questões que devem merecer reflexão no âmbito desta plataforma de reflexão sugerimos o envio de uma mensagem para: mobiciclavel@csjp.ua.pt ] 3. No que diz respeito aos desafios económicos que se colocam à mobilidade ciclável foi defendido pelos vários parceiros presentes (em particular os representantes da ABIMOTA, INOVARIA e Universidade de Aveiro) a necessidade de se aprofundar a reflexão em torno da oportunidade da dinamização de um ‘Cluster da Bicicleta’ na região de Aveiro, já que aqui se localizam importantes sectores económicos e de investigação – as industrias das duas rodas, as empresas de telecomunicações e a Universidade de Aveiro – e, ainda, pelo facto das autarquias da região terem vindo a assumir um papel cada vez mais relevante e inovador na promoção da bicicleta. A reflexão em torno do desenvolvimento de um ‘cluster da bicicleta’ poderia ser uma oportunidade para: i) analisar a ‘cadeia de valor’ da bicicleta; ii) conhecer o seu potencial de crescimento; iii) discutir as políticas e iniciativas de promoção do ‘cluster’; iv) conhecer e estimular a inovação ligada à bicicleta (utilizadores com necessidades especiais, idosos,…); 4. Foi ainda defendida a necessidade das Comunidades Intermunicipais da região de Aveiro, Viseu e Coimbra reflectirem sobre as vantagens de articularem os seus projectos cicláveis (por ex: Cicloria, Ecovias do Dão, Ecovias do Vouga) para uma futura afirmação de um produto turístico único a nível nacional - Rede de ciclovias da Ria de Aveiro, do Vouga, Dão e Mondego. 5. Finalmente, foi referida a relevância e a oportunidade de se criar uma ‘REDE NACIONAL DE BAIXA VELOCIDADE’, que articule os projectos cicláveis existentes em Portugal, com uma preocupação de dar coerência à estrutura, de articular serviços, produtos e actividades de apoio e de, eventualmente, os integrar na rede Europeia ‘EuroVelo’ (http://www.ecf.com/14_1). Comissão Organizadora da Conferência Aveiro, 11 de Novembro de 2009 PROJECTO CICLORIA CÂMARA MUNICIPAL DA MURTOSA, OVAR E ESTARREJA E UNIVERSIDADE DE AVEIRO BLOGUE | http://cicloria.blogs.sapo.pt/ | http://turismociclavel.blogs.sapo.pt/ EMAIL | mobiciclavel@csjp.ua.pt ou cicloria@gmail.com TELEFONE | 234 372499