Enquadramento

368 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
368
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
97
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Enquadramento

  1. 1. Enquadramento Introdução O comércio cria a ligação necessária entre a produção de um bem na economia e o seu valor final, dando, assim, resposta às necessidades dos consumidores, com cada vez mais e melhores serviços. Contudo, este sector apresenta alguns desafios: o mercado interno onde opera, a união monetária e a globalização, o que obriga a uma adaptação rápida e constante dos operadores, principalmente no que às novas tecnologias de informação diz respeito. O sector do Comércio em Portugal De acordo com um estudo publicado pela Euromonitor Internacional, em Janeiro de 2002, as vendas no sector do retalho em Portugal aumentaram cerca de 30% entre 1996 e 2001, reflectindo uma economia compradora e uma rápida modernização dos subsectores retalhistas. O tecido comercial português é, actualmente, diverso e heterogéneo, algo comum em toda a Europa. Porém, verifica-se um desequilíbrio na repartição das empresas pelos ramos de actividade, principalmente nas áreas da dimensão, produtividade do trabalho e práticas salariais. Num estudo apresentado pelo Observatório do Comércio foi feita uma análise ao sector retalhista, baseada em algumas variáveis, como por exemplo o número de empresas, número de centros comerciais, volume de vendas,
  2. 2. número de lojas discount, entre outras, o que permitiu a divisão do espaço europeu em quatro grandes grupos. 1. Itália e Grécia: grande variedade comercial; 2. Portugal, Espanha e França: elevado peso dos hipermercados (maior representatividade dos produtos alimentares, bebidas, tabaco e têxteis); 3. Países nórdicos, Áustria, Holanda e Irlanda: maior valor dado às lojas discount e aos grandes armazéns; 4. Suíça, Reino Unido, Alemanha e Bélgica: forte presença de hipermercados, dando particular importância às marcas dos distribuidores (grupo que contabiliza maior expressão do trabalho a tempo parcial). No caso de Portugal, os indicadores que melhor traduzem o grau de modernização dos estabelecimentos comerciais são a formação específica, serviços ao consumidor, gestão informatizada, posse de equipamento técnico, contratação de serviços externos, investimentos realizados e a realizar no estabelecimento e o investimento em formação. Mesmo assim, a falta de formação específica por parte dos proprietários / gerentes é ainda uma grande lacuna, que se repercute numa diminuição das vendas. Mesmo vivendo numa era onde as tecnologias são rainhas, muitos são ainda aqueles que não utilizam, nem têm, correio electrónico. Além disso, as páginas Web existentes, na generalidade, são de pouca qualidade, ao nível da interactividade, personalização, serviços de apoio ao cliente e falta de garantias de segurança, principalmente no que à compra de artigos via internet diz respeito. Se alguns produtos, como CD’s e livros têm um volume de vendas aceitável pela internet, a maioria deles, os que necessitam de ser experimentados, ainda encontram na World Wide Web alguns entraves. Para o
  3. 3. comerciante ter um site na internet possibilita algumas vantagens: interactividade; informação detalhada sobre os produtos; personalização; marketing dinâmico, multimédia, entre outras. Mas não é só ao nível da internet e correio electrónico que se vêem as diferenças nos volumes de venda, mas também na gestão informatizada, um valor inferior a 50%, de acordo com o Observatório do Comércio. Em suma, a modernização, o apetrechamento técnico e a qualidade dos recursos humanos está directamente relacionada com o volume de vendas.

×