SlideShare uma empresa Scribd logo
Edição 21
         Sul Brasil                                                                                                                             Sexta-feira, 30 de maio de 2008
                                                                                                                                                                                  1




                                                                                                                                          Chapecó, 17 de setembro de 2009


Tire suas Dúvidas
                        Captação de água da chuva
       Ao Sul Brasil Rural: Li na internet, o artigo sobre      de partículas intermediá-
  captação de água da chuva. Gostaria de saber se existe        rias;
  um projeto ou implantação dessa técnica para proprie-            - ltro para retirada de
   dade rural com pecuária, para fornecer água ao gado.         partículas menores.
                                                    Grata.         3 – Armazenagem – pode
   ES, proprietária rural no município de Icaraíma (PR)         ser construído de diversas
                    e trabalho com gado de cria e recria.       maneiras dependendo da
                                                                capacidade de investimento,
                                                                do volume a ser armazena-

  S
          egundo o Geó-           2 - saber qual a área de      do, mão-de-obra e materiais
          grafo da UFRGS       captação em metros quadra-       disponível; conhecimento
          Francisco Aqui-      dos (m2) disponível na pro-      técnico.
no, ao analisar o históri-     priedade (telhados). Sabe-se        Alguns exemplos:
co dos dados climáticos        que cada milímetro de chuva         - reservatórios escavados
após a revolução industrial,   precipitada por metro qua-       e revestidos em PEAD – Po-
pode-se armar que houve       drado de área, corresponde       lietileno de alta densidade;
alterações climáticas sig-     a um litro de água possível         - caixa de água pré-fabri-
nicativas. Carlos Nobre,      de ser captada;                  cada de bra;
pesquisador do INPE, diz          3 - estimar qual é a neces-      - reservatório construído
que em decorrência destas      sidade de água para atender      com a técnica de ferro-ci-
alterações climáticas, a       a demanda da propriedade.        mento, entre outros.
sociedade já está entrando     Para tanto, deve-se saber:          Independente do tipo
em uma nova época – um            - qual é o nº de animais      adotado é importante que o
período de adaptações, para    e o consumo médio diário/        reservatório que bem fe-
minimizar, o quanto possí-     mensal de água por animal;       chado com tampa/cobertura
vel, o efeito destas altera-      - qual o tempo se quer        e tenha um monitoramen-
ções climáticas.               atender as necessidades dos      to/tratamento da água para
   Uma dos efeitos diz res-    animais/propriedade com a                                        VISTA panorâmica de um sistema de captação e ltragem da água da chuva em uma ins-
                                                                controle da qualidade. O re-    talação rural
peito ao ciclo da água, com    água da chuva armazenada.        servatório deve ter um “tubo
alternância de períodos           A partir da análise do        ladrão” para o escoamento
de excesso de chuva e de       conjunto destas informa-         de possíveis excessos.
estiagens extremas. Re-        ções e da capacidade de             Não há um projeto es-
centemente a região sul do     investimento do agricultor,      pecíco para gado de corte
Brasil vivenciou estiagens     é possível dimensionar o         e sim os aspectos a serem
prolongadas a ponto dos        tamanho e o tipo de captação     considerados e ajustados a
agricultores não consegui-     e do reservatório de água a      cada situação. Para maiores
rem alojar lotes de aves por   ser construído.                  informações, consulte a
falta de água.                                                  assistência técnica de seu
   A utilização de áreas de        Sistema de Captação          município; a edição nº 10
telhado de instalações e              e armazenagem             do encarte (www.ceo.udesc.
residências das proprieda-                                      br – Sul Brasil Rural) e/ou
des rurais, para captação e       Compõe-se das seguintes       pelo email prcagna@hot-
armazenagem da água da         fazes:                           mail.com.
chuva nos períodos favorá-        1 - Captação e transporte        Vale lembrar a importân-
veis é uma das intervenções    da água – a captação é feita     cia de preservar/recuperar
possíveis para adaptar-se a    com calhas, preferencial-        as nascentes de água, mar-
possíveis estiagens.           mente cobertas com uma           gens de cursos de água, topo
                               tela (ltragem de resíduos       de morro, encostas com alta
     Dimensionamento           maiores). O transporte é         declividade, entre outras
                               feito por tubulação até o        medidas importantes para
   Deve-se levar em consi-     sistema de ltragem.             preservação da quantidade
deração alguns aspectos:          2- Sistema de ltragem        e qualidade da água.
   1 - saber a quantidade de   – consiste em um conjunto
chuva média mensal/anual       montado em seqüência com-
(milímetros de chuva) da       posto de:                                             Por
região, (pode ser obtida em       - caixa de descarga da           Paulo Ricardo Ficagna
um Posto Meteorológico         primeira água da chuva (la-                     Professor
ou assistência técnica da      vagem do telhado);                                               UMA das formas de armazenagem da água – reservatório escavado e revestido com manta
                                                                      Curso de Zootecnia        de polietileno de alta densidade
região);                          - pré-ltro para retirada                 UDESC-CEO
Edição 21
             Sexta-feira, 30 de maio de 2008                                                                                                                                   Sul Brasil
2




                                                                                                                                                      Chapecó, 17 de setembro de 2009


Encontro de Trabalhadores                                          Planejamento é a base para a nutrição
    Rurais Indígenas                                                      adequada do rebanho
      E
              m Agosto de 2009 aconteceu o Encontro de
              Trabalhadores Rurais Indígenas na Terra
              Indígena Toldo Chimbangue – Chapecó,                                                         Pela acadêmica
    promovidos pelo Projeto Microbacias 2 e Instituto                                                   Maristela Bombana
    Goio-Em em parceria com Epagri. Houveram diversas                                                 Professor Orientador
    palestras sugeridas pelos próprios indígenas: Manejo                                            Luis Henrique Farinatti
    no uso de agrotóxicos; Alternativas agroecologicas;                                                 Curso de Zootecnia
    Horta domestica; Destino do lixo domestico e Alter-                                                     UDESC – CEO
    nativas de produtos de limpeza.
       As atividades agrícolas são desenvolvidas por
    inúmeras famílias da Terra Indígena sejam em plan-


                                                                     O
    tações próprias ou como trabalhadores contratados                        pecuarista sabe          é determinar os objetivos
    temporariamente em outras propriedades. Isto coloca                      que o alimento           ligados as aptidões de cada
    os indígenas envolvidos em contato com as técnicas                       mais barato para         propriedade. Por exemplo:
    convencionais de trabalhos agropecuários inclusive            os bovinos é a pastagem,            Realizar engorda de bovinos
    com manejo de agrotóxicos.                                    porém há períodos do ano            em solos com baixa fertili-
       Segundo Alexandre da Veiga, facilitador da Asso-           que a pastagem ca escassa,         dade e com isso não possuir      engorda ou ciclo completo),     nutricionais voltados para
    ciação de Desenvolvimento das Microbacias Terras              madura ou seca e é nesta            pastagens de boa qualidade       raça dos animais, valores       a realidade e objetivos da
    Indígenas (MB2), os índios tem pouco conhecimento             época que o produtor pre-           ou quantidade suficiente         finais dos produtos (valor      propriedade, levando em
    do perigo em manusear agrotóxicos, e também sobre             cisa de uma boa estratégia          para a atividade de engorda      do leite, animais de recria),   consideração o custo x be-
    alternativas agroecologicas, as quais podem substituir        nutricional para passar este        a pasto.                         realidade climática aliada à    necio da atividade e, com
    os sistemas de produção convencionais.                        período sem prejudicar o               Após a determinação dos       qualidade e disponibilidade     isso, planejar as tecnologias
       O encontro foi realizado a m de sensibilizar e es-        estado nutricional do re-           objetivos e aptidões é im-       de forragens e capacidade de    e manejos necessários para
    clarecer os indígenas no intuito de minimizar os efeitos      banho.                              portante analisar: o perfil      investimento desta proprie-     cada categoria animal (nas-
    do uso de insumos agrícolas e diversicar as técnicas            Para realizar a confecção        tecnológico a ser adotado        dade, entre outros.             cimento a desmama, crias ou
    agropecuárias utilizadas nesta comunidade, resgatando,        de um plano nutricional             (intensivo, semi-extensivo          Com a analise destas         terminações) e períodos cli-
    de certo modo, a própria história deste povo.                 adequado para as proprie-           ou extensivo), atividade da      variáveis torna-se mais fácil   máticos aliados a velocidade
                                                                  dades, o primeiro passo             propriedade (cria, recria,       a determinação de planos        de produção desejada.



                                  Abelhas indígenas sem ferrão (ASF)
                                                      Multiplicação de enxames por divisão
                                      Por Gustavo Krahl               O primeiro fator a ser con-    sença de no mínimo uma
                        Acadêmico do Curso de Zootecnia           siderado é que tribo pertence      realeira e uma rainha no caso
                                          UDESC – CEO             à família que será dividida. A     de Trigonas. Remove-se o in-
                                              Orientador          tribo Meliponini (Ex: Man-         vólucro ao redor dos favos de
                        Otaviano Carneiro da Cunha Neto           daçaia e Uruçu) produz uma         cria da colméia mãe, retira-se
                                     Médico Veterinário           nova rainha a partir de uma        entre 4 a 5 discos de cria nas-
                                                                  realeira (célula com maior         centes (mais claros) inclusive
                                                                  espaço e alimento suciente        o favo que possui a realeira e

    C
          om esta técnica        escolhem o seu novo habitat).
          pode-se obter um       Deve ser realizada no início     para o desenvolvimento) e a        coloca-se na nova colméia.
          número maior de        do período de maior flora-       diferenciação da rainha das        O terceiro passo é colocar
enxames sem depender da          da, pela disponibilidade de      demais operárias é apenas          a colméia lha no lugar da
enxameação natural e captura     alimento e pela temperatura      alimentar (consumo de geléia       colméia mãe, e esta colocada
através de isca (as abelhas      favorável (primavera).           real por toda a vida), para o      a uns 10 a 20 metros, para que
                                                                  desenvolvimento e funcio-          as campeiras entrem na nova
                                                                  namento do aparelho repro-         caixa. Em melíponas apenas
Expediente                                                        dutivo. Já a Trigonini (Jataí      extrai-se 4 a 5 discos de cria
Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC                  e Mirins), 25 % das abelhas        nascentes sem se preocupar
Centro de Educação Superior do Oeste – CEO                        que nascem são princesas,          com a realeira e rainha.
Organização: Prof.º: Paulo Ricardo Ficagna
                                                                  isto é, a diferenciação das           Aconselha-se realizar revi-
Endereço para contato: Rua Benjamin Constant, 84 E, Centro.
CEP.:89.802-200                                                   princesas e demais operárias       sões periódicas nas colméias
prcagna@hotmail.com                                              é genética.                        que participaram do processo
Telefone: (49) 3311-9300                                              O primeiro passo é esco-       de divisão, e se for neces-
Jornalista responsável: Juliana Stela Schneider REG. SC 01955JP   lher um enxame forte, com          sário fornecer alimentação
Impressão Jornal Sul Brasil                                       boa quantidade de alimento         articial aos enxames fracos.     fornecido em pequenos reci-     garrafa pet com alguns gra-
As matérias são de responsabilidade dos autores                   armazenado, grande número          Esta alimentação pode ser o       pientes colocados no interior   vetos para facilitar o acesso
                                                                  de campeiras e com a pre-          mel de abelha Apis melífera       da colméia (Ex: tampas de       das abelhas).
Edição 21
          Sul Brasil                                                                                                                                      Sexta-feira, 30 de maio de 2008
                                                                                                                                                                                                 1




                                                                                                                                                    Chapecó, 17 de setembro de 2009

Alternativas de renda para a Agricultura Familiar
                                           Mandioquinha-salsa
                                                   Por                                                                              plantas sadias e vigorosas          5. Pragas e Doenças
                                Engº Agrº Santo Maso                                                                                devem ser colocadas em              As principais pragas po-
                             Secretaria de Agricultura                                                                              camalhões com altura de          tenciais são as brocas, pul-
                           (49)3329-5939 Chapecó-SC                                                                                 30 a 40 cm; - espaçamento        gões, lagartas e ácaros.
                                                                                                                                    entre linhas de 60 a 80 cm;         As doenças mais comuns
                                                                                                                                    - espaçamento entre plantas      são as murchadeiras (Sclero-
              Observação: Parte 2                                                                                                   de 35 a 40 cm, obtendo um        tínia), podridões de raízes, e
 Esta é a continuação da matéria publicada na                                                                                       número de plantas (estande)      doenças foliares.
 edição anterior (20ªed.) do dia 03 de setembro.                                                                                    de 31.000 a 44.000 plantas          O agricultor deve estar
                                                                                                                                    por hectare. A formação          atento, realizando o acompa-
   3. Preparo do Solo, Ca-        a 40 cm. A adubação pode                                                                          das raízes inicia-se a partir    nhamento e controle quando
lagem e Adubação.                 ser com cama de aviário ou                                                                        do segundo mês, indo até o       ocorrer.
   Esta cultura é de ciclo lon-   esterco de suínos curtidos,                                                                       4ª ou 5º mês. Deste pondo           6. Colheita
go (a primeira colheita ocorre    realizada com antecedência                                                                        até 10º e 12º meses ocorre          Normalmente inicia-se
12 meses após o plantio). Não     observando a análise de solo.                                                                     o engrossamento da raiz,         entre o 10º ao 12º meses após
tolera solo encharcado, muito     Não se recomenda o plantio                                                                        portanto é o período crítico     o plantio, porém a cultura
argiloso e com pouca profun-      em áreas com safra anterior     MANDIOQUINHA-SALSA in natura                                      da cultura. Qualquer estresse    pode car no campo até o
didade, sendo recomendado         de fumo ou feijão, porque são                                                                     que ocorrer neste período,       14º ao 16º meses à espera
a textura média, boa drena-       culturas hospedeiras de um      correção do solo com cal-        ver excesso de calcário pode     principalmente falta de água,    de melhores preços. A pro-
gem e boa profundidade. O         fungo causador da murcha de     cário é necessária e deve ser    ocorrer a sarna das raízes.      pode comprometer o tama-         dutividade espera da cultura
preparo do solo deve ser em       sclerotínia, doença comum       feita rigorosamente de acordo       4. Plantio da Muda            nho e o diâmetro das raízes      varia de 20 a 25 toneladas
camalhões com altura de 30        na mandioquinha-salsa. A        com análise do solo. Se hou-        As mudas originárias de       comerciais.                      por hectare.


  Utilização de uréia na alimentação animal                                                                                                              Espaço cultural
                                                                                                                                                      Nossa Mente e Coração são
                                                                                                                                                         como a Terra Fértil
                                                                                                                                                      Em uma terra fértil, tudo que se planta dá.
                                                                                                                                                      Quando se planta alimento, alimento colherá.
                                                                                                                                                      Flores semeadas, estas orescerão,
                                                                                                                                                      alpiste plantado, cabelo germinado
                                                                                                                                                      Com a mente e o coração é algo parecido,
                                                                                                                                                      São como a terra fértil.
                                                                                                                                                      Pensamentos e emoções são as sementes.
                               Por                                                                                                                    Pensar e sentir
              Paulo Vitor Valentini                                                                                                                   é semear na mente e no coração.
                       Zootecnista                                                                                                                    É melhor andar em um caminho...
     paulovvalentini@yahoo.com.br                                                                                                                     ...com cores vivas,
                                                                                                                                                      ...perfume no ar,
                                                                                                                                                      ...boa água para beber,


  A
           utilização de fontes alternativas                                                                                                          ...alimento farto,
           de proteína na alimentação de                                                                                                              ...inspiração e força para o trabalho,
           ruminantes tem se mostrado uma                                                                                                             ...e com uma família para aquecer o coração.
excelente opção para o enriquecimento de
alimentos pobres em proteína, principalmente
em épocas de estiagem. A uréia destaca-se
como fonte de nitrogênio não protéico de tec-                                                                                                           CABEÇA de
nologia simples e baixo custo. Ela é composta     FORNECIMENTO de cana com uréia aos animais                                                          boneco feita de
por aproximadamente 45% de N (nitrogênio),                                                                                                           meia e preenchi-
o qual os microorganismos do rúmen conver-        neira equivocada pode causar intoxicações.       no rúmen e supre aminoácidos essenciais. Po-       da com semen-
ter em proteína de boa qualidade.                 Recomenda-se misturar de forma homogênea         dem ser diluídos 900 gramas de Uréia + 100        tes de alpiste por
   Devido a sua baixa aceitação pelos ani-        aos alimentos. Além disso, é aconselhável        gramas de uma fonte de enxofre em 4 Kg de         crianças de 2,5 a
mais, a uréia pode ser fornecida em diferentes    não fornecer mais que 40 gramas de uréia         água, quando adicionados na cana de açúcar,           3,5 anos.
sistemas de alimentação: associada ao sal         por 100 quilos de peso vivo por animal/dia,      capim picado ou silagem.
mineral; sal proteinado; cana-de-açúcar; ca-      após adaptação.                                     A uréia, quando utilizada adequadamente,
pim picado; silagem e concentrados, dentre           Uma fonte de enxofre, como o sulfato de       pode ser uma alternativa para evitar perdas de
outros.                                           cálcio ou amônia, junto à uréia, é importante,   peso dos animais no período seco e também                                                   Por
                                                                                                                                                                             Paulo Ricardo Ficagna
   Seu fornecimento em excesso ou de ma-          pois melhora a síntese de proteína microbiana    manter e/ou estimular a produção de leite.                                       Setembro/2009
Edição 21
         Sexta-feira, 30 de maio de 2008                                                                                                       Sul Brasil
4




                                                                                                                          Chapecó, 17 de setembro de 2009

Previsão do Tempo                                    Receita                                                   Indicadores
Na quinta-feira: do Oeste ao Planalto Sul previsão           Nhoque com
de sol com chuva no início do dia e nal do dia e
possibilidade de trovoadas isoladas com descargas         Mandioquinha-Salsa
elétricas, granizo e rajadas de vento.               Ingredientes:
Na sexta-feira: o tempo ca instável com chuva
em todas as regiões com risco de temporais           1 kg de mandioquinha-salsa;
isolados.                                            4 gemas de ovo;
Sábado: o tempo volta a car estável com sol no      4 colheres de manteiga (sopa);
nal de semana em todas as regiões do estado. As     2 chícaras de farinha de trigo;
temperaturas caram estáveis devido a cobertura      2 colheres de óleo (sopa);
de nuvens e a chuva, sendo que a partir de sábado
as temperaturas diminuem.                            50 gramas de queijo parmesão e sal a gosto;

            Tendência: 20 a 30/09/09                 Modo de Preparo
Este período deve seguir com chuvas freqüentes       - Descascar e cozinhar a mandioquinha-salsa;
em SC, alternando com 1 a 3 dias de período de       - Amassar como preparo de purê;
melhoria. Pode voltar a ocorrer eventos de chuva
forte com temporais e ventos fortes no estado        - Adicionar em seguida: as gemas, manteiga,
devido a proximidade da estação da primavera e       sal e farinha de trigo, acrescentando mais se
também por inuência do fenômeno El Niño (mais       necessário para encontrar o ponto para enrolar
detalhes no link Clima na página do Ciram). O mês    a massa;
de setembro vai se congurando como chuvoso e        - Enrolar em tiras, cortando em pedaços,
deve terminar com chuvas bem acima da média
no estado.                                           formando os nhoques;
Início da Primavera:21 de setembro 14:47h            - Mergulhar os nhoques aos poucos em água
                                                     fervendo com óleo, retirando-os quando vierem
                                                     à superfície;
                                        Fonte:       - Retirar com uma escumadeira, deixando-os
                                 Epagri/Ciram
           Setor de Previsão de Tempo e Clima.       escorrer e coloque-os em vasilha refratária;
                                                     - Cobrir a gosto com molho de tomate e carne
                                                     moída;
                                                     - Polvilhe o queijo parmesão e leve ao forno
        A UDESC-CEO e o                              para gratinar.
                                                                                               Fonte
       JORNAL SUL BRASIL                                                                  Emater-RS
    desejam aos leitores um
         bom início de                                              ►Agenda
           PRIMAVERA                                      - 12 a 20/09 – Acampamento da Semana Farropilha
                                                          – Pátio do Mercado Público Regional – Chapecó.


        Espaço do Leitor
                                                          - 23 e 24/09 – Simpósios Paranaense de
                                                          Ovinocultura, Caprinocultura. – Informações:
                                                          (41) 3350-5709 www.lapoc.ufpr.br
Este é um espaço para você leitor (a).Tire
suas dúvidas, critique, opine, envie textos para          - 25/09 – Roda De Viola - Restaurante Bom Sabor II
publicação, divulgue eventos, escrevendo para:            – anexo ao Mercado Público Regional, com Jantar a     Fontes:
SUL BRASIL RURAL                                          partir das 20 horas / Chapecó 8822-5178 (Mari)        Instituto Cepa/SC – dia 16/09
A/C UDESC-CEO                                                                                                   1 Cooperativa Alfa/Chapecó
Rua Benjamin Constant, 84E                                - 26/09 – Projeto Viola na Feira – Feira Livre
                                                                                                                2 Ferticel/Coronel Freitas.
                                                          Calçadão – Centro. Antônio 8811-5946
Centro. Chapecó-SC                                                                                              3 Feira Municipal de Chapecó (Preço médio)
CEP.: 89.802-200                                          - 05 a 08/10 – VI Congresso de Meio Ambiente          Obs.: valores sujeitos a alterações.
prcagna@hotmail.com                                      – Universidade Federal de São Carlos/SP. www.        Leia também em formato colorido:
Publicação Quinzenal                                      ambiente-augm.ufscar.br                                                www.ceo.udesc.br
Próxima Edição – 1 de outubro                                                                                            www.jornalsulbrasil.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Irrigação revisão e 2 bim 2013
Irrigação revisão e 2 bim 2013Irrigação revisão e 2 bim 2013
Irrigação revisão e 2 bim 2013
IF Baiano - Campus Catu
 
Construção de tanque
Construção de tanqueConstrução de tanque
Construção de tanque
marciobamberg
 
Variedades de cana estão devendo...
Variedades de cana estão devendo...Variedades de cana estão devendo...
Variedades de cana estão devendo...
Agricultura Sao Paulo
 
Logística e Infraestrutura Terraviva Maio 2009
Logística e Infraestrutura Terraviva Maio 2009Logística e Infraestrutura Terraviva Maio 2009
Logística e Infraestrutura Terraviva Maio 2009
SILVIA PALHARES
 
Documento orientador da programação da rega em diferentes culturas hortofrutí...
Documento orientador da programação da rega em diferentes culturas hortofrutí...Documento orientador da programação da rega em diferentes culturas hortofrutí...
Documento orientador da programação da rega em diferentes culturas hortofrutí...
Armindo Rosa
 
Apresentação André Fernandes – Problemas hídricos e irrigação racional - 35º ...
Apresentação André Fernandes – Problemas hídricos e irrigação racional - 35º ...Apresentação André Fernandes – Problemas hídricos e irrigação racional - 35º ...
Apresentação André Fernandes – Problemas hídricos e irrigação racional - 35º ...
Revista Cafeicultura
 
Andre luis fernandes - Manejo Racional da Irrigação do Cafeeiro
Andre luis fernandes - Manejo Racional da Irrigação do CafeeiroAndre luis fernandes - Manejo Racional da Irrigação do Cafeeiro
Andre luis fernandes - Manejo Racional da Irrigação do Cafeeiro
Revista Cafeicultura
 
Tendências da irrigação por gotejamento no mundo para os próximos 25 anos Mét...
Tendências da irrigação por gotejamento no mundo para os próximos 25 anos Mét...Tendências da irrigação por gotejamento no mundo para os próximos 25 anos Mét...
Tendências da irrigação por gotejamento no mundo para os próximos 25 anos Mét...
Revista Cafeicultura
 
áLbum seriado
áLbum seriadoáLbum seriado
áLbum seriado
andrebahia2
 
Manejo de Irrigação
Manejo de IrrigaçãoManejo de Irrigação
Manejo de Irrigação
IF Baiano - Campus Catu
 
ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES DOTAÇÕES DE REGA, EM CITRINOS...
ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES DOTAÇÕES DE REGA, EM CITRINOS...ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES DOTAÇÕES DE REGA, EM CITRINOS...
ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES DOTAÇÕES DE REGA, EM CITRINOS...
Armindo Rosa
 
Fenicafé 2014 william damas beneficios da fertirrigação e gotejamento subte...
Fenicafé 2014   william damas beneficios da fertirrigação e gotejamento subte...Fenicafé 2014   william damas beneficios da fertirrigação e gotejamento subte...
Fenicafé 2014 william damas beneficios da fertirrigação e gotejamento subte...
Revista Cafeicultura
 
ESTUDO DA VIABILIDADE DO AUMENTO DA DENSIDADE DE PLANTAÇÃO, EM 5 CULTIVARES D...
ESTUDO DA VIABILIDADE DO AUMENTO DA DENSIDADE DE PLANTAÇÃO, EM 5 CULTIVARES D...ESTUDO DA VIABILIDADE DO AUMENTO DA DENSIDADE DE PLANTAÇÃO, EM 5 CULTIVARES D...
ESTUDO DA VIABILIDADE DO AUMENTO DA DENSIDADE DE PLANTAÇÃO, EM 5 CULTIVARES D...
Armindo Rosa
 
Drenagem agrícola
Drenagem agrícolaDrenagem agrícola
Drenagem agrícola
lipemodesto
 
DIAGNÓSTICO DE QUATRO METODOLOGIAS DE NUCLEAÇÃO IMPLANTADAS EM PASTO ABANDONA...
DIAGNÓSTICO DE QUATRO METODOLOGIAS DE NUCLEAÇÃO IMPLANTADAS EM PASTO ABANDONA...DIAGNÓSTICO DE QUATRO METODOLOGIAS DE NUCLEAÇÃO IMPLANTADAS EM PASTO ABANDONA...
DIAGNÓSTICO DE QUATRO METODOLOGIAS DE NUCLEAÇÃO IMPLANTADAS EM PASTO ABANDONA...
apaitupararanga
 
Capa Trabalho Mudas
Capa Trabalho MudasCapa Trabalho Mudas
Capa Trabalho Mudas
guest69b7e44
 
15739 64394-1-pb artigo biotecnologia
15739 64394-1-pb artigo biotecnologia15739 64394-1-pb artigo biotecnologia
15739 64394-1-pb artigo biotecnologia
Fernanda Sales
 
Manejo de Irrigação
Manejo de IrrigaçãoManejo de Irrigação
Manejo de Irrigação
Sebastião Nascimento
 
Integrando lavoura – pecuária – silvicultura e agroflorestas
Integrando lavoura – pecuária – silvicultura e agroflorestasIntegrando lavoura – pecuária – silvicultura e agroflorestas
Integrando lavoura – pecuária – silvicultura e agroflorestas
Agricultura Sao Paulo
 
V24n01a11
V24n01a11V24n01a11
V24n01a11
guestb8ea0b2
 

Mais procurados (20)

Irrigação revisão e 2 bim 2013
Irrigação revisão e 2 bim 2013Irrigação revisão e 2 bim 2013
Irrigação revisão e 2 bim 2013
 
Construção de tanque
Construção de tanqueConstrução de tanque
Construção de tanque
 
Variedades de cana estão devendo...
Variedades de cana estão devendo...Variedades de cana estão devendo...
Variedades de cana estão devendo...
 
Logística e Infraestrutura Terraviva Maio 2009
Logística e Infraestrutura Terraviva Maio 2009Logística e Infraestrutura Terraviva Maio 2009
Logística e Infraestrutura Terraviva Maio 2009
 
Documento orientador da programação da rega em diferentes culturas hortofrutí...
Documento orientador da programação da rega em diferentes culturas hortofrutí...Documento orientador da programação da rega em diferentes culturas hortofrutí...
Documento orientador da programação da rega em diferentes culturas hortofrutí...
 
Apresentação André Fernandes – Problemas hídricos e irrigação racional - 35º ...
Apresentação André Fernandes – Problemas hídricos e irrigação racional - 35º ...Apresentação André Fernandes – Problemas hídricos e irrigação racional - 35º ...
Apresentação André Fernandes – Problemas hídricos e irrigação racional - 35º ...
 
Andre luis fernandes - Manejo Racional da Irrigação do Cafeeiro
Andre luis fernandes - Manejo Racional da Irrigação do CafeeiroAndre luis fernandes - Manejo Racional da Irrigação do Cafeeiro
Andre luis fernandes - Manejo Racional da Irrigação do Cafeeiro
 
Tendências da irrigação por gotejamento no mundo para os próximos 25 anos Mét...
Tendências da irrigação por gotejamento no mundo para os próximos 25 anos Mét...Tendências da irrigação por gotejamento no mundo para os próximos 25 anos Mét...
Tendências da irrigação por gotejamento no mundo para os próximos 25 anos Mét...
 
áLbum seriado
áLbum seriadoáLbum seriado
áLbum seriado
 
Manejo de Irrigação
Manejo de IrrigaçãoManejo de Irrigação
Manejo de Irrigação
 
ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES DOTAÇÕES DE REGA, EM CITRINOS...
ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES DOTAÇÕES DE REGA, EM CITRINOS...ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES DOTAÇÕES DE REGA, EM CITRINOS...
ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA APLICAÇÃO DE DIFERENTES DOTAÇÕES DE REGA, EM CITRINOS...
 
Fenicafé 2014 william damas beneficios da fertirrigação e gotejamento subte...
Fenicafé 2014   william damas beneficios da fertirrigação e gotejamento subte...Fenicafé 2014   william damas beneficios da fertirrigação e gotejamento subte...
Fenicafé 2014 william damas beneficios da fertirrigação e gotejamento subte...
 
ESTUDO DA VIABILIDADE DO AUMENTO DA DENSIDADE DE PLANTAÇÃO, EM 5 CULTIVARES D...
ESTUDO DA VIABILIDADE DO AUMENTO DA DENSIDADE DE PLANTAÇÃO, EM 5 CULTIVARES D...ESTUDO DA VIABILIDADE DO AUMENTO DA DENSIDADE DE PLANTAÇÃO, EM 5 CULTIVARES D...
ESTUDO DA VIABILIDADE DO AUMENTO DA DENSIDADE DE PLANTAÇÃO, EM 5 CULTIVARES D...
 
Drenagem agrícola
Drenagem agrícolaDrenagem agrícola
Drenagem agrícola
 
DIAGNÓSTICO DE QUATRO METODOLOGIAS DE NUCLEAÇÃO IMPLANTADAS EM PASTO ABANDONA...
DIAGNÓSTICO DE QUATRO METODOLOGIAS DE NUCLEAÇÃO IMPLANTADAS EM PASTO ABANDONA...DIAGNÓSTICO DE QUATRO METODOLOGIAS DE NUCLEAÇÃO IMPLANTADAS EM PASTO ABANDONA...
DIAGNÓSTICO DE QUATRO METODOLOGIAS DE NUCLEAÇÃO IMPLANTADAS EM PASTO ABANDONA...
 
Capa Trabalho Mudas
Capa Trabalho MudasCapa Trabalho Mudas
Capa Trabalho Mudas
 
15739 64394-1-pb artigo biotecnologia
15739 64394-1-pb artigo biotecnologia15739 64394-1-pb artigo biotecnologia
15739 64394-1-pb artigo biotecnologia
 
Manejo de Irrigação
Manejo de IrrigaçãoManejo de Irrigação
Manejo de Irrigação
 
Integrando lavoura – pecuária – silvicultura e agroflorestas
Integrando lavoura – pecuária – silvicultura e agroflorestasIntegrando lavoura – pecuária – silvicultura e agroflorestas
Integrando lavoura – pecuária – silvicultura e agroflorestas
 
V24n01a11
V24n01a11V24n01a11
V24n01a11
 

Destaque

Receitas Para Diabéticos E Fenilcetonúricos
Receitas Para Diabéticos E FenilcetonúricosReceitas Para Diabéticos E Fenilcetonúricos
Receitas Para Diabéticos E Fenilcetonúricos
kiwidaiquiri
 
O Poder Curativo Da LinhaçA
O Poder Curativo Da LinhaçAO Poder Curativo Da LinhaçA
O Poder Curativo Da LinhaçA
kiwidaiquiri
 
Angel Food Cake
Angel Food CakeAngel Food Cake
Angel Food Cake
kiwidaiquiri
 
Livro De Receitas Mais Energia
Livro De Receitas Mais EnergiaLivro De Receitas Mais Energia
Livro De Receitas Mais Energia
kiwidaiquiri
 
Escondidinho De Carne Seca Original
Escondidinho De Carne Seca  OriginalEscondidinho De Carne Seca  Original
Escondidinho De Carne Seca Original
kiwidaiquiri
 
Livro Receitas Alimentacao Escolar
Livro Receitas Alimentacao EscolarLivro Receitas Alimentacao Escolar
Livro Receitas Alimentacao Escolar
kiwidaiquiri
 
Filé Ao Vale Do Vinho
Filé Ao Vale Do VinhoFilé Ao Vale Do Vinho
Filé Ao Vale Do Vinho
kiwidaiquiri
 

Destaque (8)

Receitas Para Diabéticos E Fenilcetonúricos
Receitas Para Diabéticos E FenilcetonúricosReceitas Para Diabéticos E Fenilcetonúricos
Receitas Para Diabéticos E Fenilcetonúricos
 
O Poder Curativo Da LinhaçA
O Poder Curativo Da LinhaçAO Poder Curativo Da LinhaçA
O Poder Curativo Da LinhaçA
 
Angel Food Cake
Angel Food CakeAngel Food Cake
Angel Food Cake
 
Livro De Receitas Mais Energia
Livro De Receitas Mais EnergiaLivro De Receitas Mais Energia
Livro De Receitas Mais Energia
 
Escondidinho De Carne Seca Original
Escondidinho De Carne Seca  OriginalEscondidinho De Carne Seca  Original
Escondidinho De Carne Seca Original
 
Bolo Mandioca
Bolo MandiocaBolo Mandioca
Bolo Mandioca
 
Livro Receitas Alimentacao Escolar
Livro Receitas Alimentacao EscolarLivro Receitas Alimentacao Escolar
Livro Receitas Alimentacao Escolar
 
Filé Ao Vale Do Vinho
Filé Ao Vale Do VinhoFilé Ao Vale Do Vinho
Filé Ao Vale Do Vinho
 

Semelhante a Nhoque Com Mandioquinha Salsa

O USO DA ÁGUA NAS MICRO-BACIAS HIDROGRÁFICAS DO SEMI-ÁRIDO
O USO DA ÁGUA NAS MICRO-BACIAS HIDROGRÁFICAS DO SEMI-ÁRIDOO USO DA ÁGUA NAS MICRO-BACIAS HIDROGRÁFICAS DO SEMI-ÁRIDO
O USO DA ÁGUA NAS MICRO-BACIAS HIDROGRÁFICAS DO SEMI-ÁRIDO
Osmar Aleixo Rodrigues Filho
 
Captação de água de chuva e armazenamento em cisterna para uso na produção an...
Captação de água de chuva e armazenamento em cisterna para uso na produção an...Captação de água de chuva e armazenamento em cisterna para uso na produção an...
Captação de água de chuva e armazenamento em cisterna para uso na produção an...
Raquel Maria Cury Rodrigues
 
Minicurso_Noções básicas de revitalização de microbacias
Minicurso_Noções básicas de revitalização de microbaciasMinicurso_Noções básicas de revitalização de microbacias
Minicurso_Noções básicas de revitalização de microbacias
equipeagroplus
 
Barraginha captacao agua_chuva
Barraginha captacao agua_chuvaBarraginha captacao agua_chuva
Barraginha captacao agua_chuva
mvezzone
 
Pastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantação
Pastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantaçãoPastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantação
Pastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantação
Rural Pecuária
 
Conservação do Solo
Conservação do SoloConservação do Solo
Conservação do Solo
Agricultura Sao Paulo
 
Contours Global - PCH Nova Aurora
Contours Global - PCH Nova AuroraContours Global - PCH Nova Aurora
Contours Global - PCH Nova Aurora
Cleuber Carlos Nascimento
 
Água potável nas fazendas e na nossa casa.
Água potável nas fazendas e na nossa casa.Água potável nas fazendas e na nossa casa.
Água potável nas fazendas e na nossa casa.
Ernani Damázio de Souza
 
Plano para recuperação de drenados
Plano para recuperação de drenadosPlano para recuperação de drenados
Plano para recuperação de drenados
Armindo Rosa
 
Edição 56 DO SERRANO ( ANO II)
Edição 56  DO SERRANO ( ANO II)Edição 56  DO SERRANO ( ANO II)
Edição 56 DO SERRANO ( ANO II)
Ecos Alcântaras
 
Como fazer um minhocário campeiro
Como fazer um minhocário campeiroComo fazer um minhocário campeiro
Como fazer um minhocário campeiro
Portal Canal Rural
 
usos-multiplos-da-agua-na-bacia-do-rio-guaribas-piaui
usos-multiplos-da-agua-na-bacia-do-rio-guaribas-piauiusos-multiplos-da-agua-na-bacia-do-rio-guaribas-piaui
usos-multiplos-da-agua-na-bacia-do-rio-guaribas-piaui
julianamariamorais
 
Sistemas agroflorestais em espaços protegidos
Sistemas agroflorestais em espaços protegidosSistemas agroflorestais em espaços protegidos
Sistemas agroflorestais em espaços protegidos
Geraldo Henrique
 
Gestao Recursos Hídricos
Gestao Recursos HídricosGestao Recursos Hídricos
Gestao Recursos Hídricos
Anabela Gonçalves
 
Tanques p peixes embrapa
Tanques p peixes embrapaTanques p peixes embrapa
Tanques p peixes embrapa
Thiago Barbosa
 
Micro zoneamento agro-climatico para a cultura de mandioca em moçambique
Micro zoneamento agro-climatico para a cultura de mandioca  em moçambiqueMicro zoneamento agro-climatico para a cultura de mandioca  em moçambique
Micro zoneamento agro-climatico para a cultura de mandioca em moçambique
Sostino Mocumbe
 
Gota e gotinha
Gota e gotinhaGota e gotinha
PROJETO VIVEIRO DE MUDAS - VEREDAS DO CERRADO - MANANCIAL DE VIDA
PROJETO VIVEIRO DE MUDAS - VEREDAS DO CERRADO - MANANCIAL DE VIDA PROJETO VIVEIRO DE MUDAS - VEREDAS DO CERRADO - MANANCIAL DE VIDA
PROJETO VIVEIRO DE MUDAS - VEREDAS DO CERRADO - MANANCIAL DE VIDA
PauloSergioGomes7
 
18.ago ametista 12.15_261_edp
18.ago ametista 12.15_261_edp18.ago ametista 12.15_261_edp
18.ago ametista 12.15_261_edp
itgfiles
 
18.ago ametista 12.15_261_edp
18.ago ametista 12.15_261_edp18.ago ametista 12.15_261_edp
18.ago ametista 12.15_261_edp
itgfiles
 

Semelhante a Nhoque Com Mandioquinha Salsa (20)

O USO DA ÁGUA NAS MICRO-BACIAS HIDROGRÁFICAS DO SEMI-ÁRIDO
O USO DA ÁGUA NAS MICRO-BACIAS HIDROGRÁFICAS DO SEMI-ÁRIDOO USO DA ÁGUA NAS MICRO-BACIAS HIDROGRÁFICAS DO SEMI-ÁRIDO
O USO DA ÁGUA NAS MICRO-BACIAS HIDROGRÁFICAS DO SEMI-ÁRIDO
 
Captação de água de chuva e armazenamento em cisterna para uso na produção an...
Captação de água de chuva e armazenamento em cisterna para uso na produção an...Captação de água de chuva e armazenamento em cisterna para uso na produção an...
Captação de água de chuva e armazenamento em cisterna para uso na produção an...
 
Minicurso_Noções básicas de revitalização de microbacias
Minicurso_Noções básicas de revitalização de microbaciasMinicurso_Noções básicas de revitalização de microbacias
Minicurso_Noções básicas de revitalização de microbacias
 
Barraginha captacao agua_chuva
Barraginha captacao agua_chuvaBarraginha captacao agua_chuva
Barraginha captacao agua_chuva
 
Pastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantação
Pastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantaçãoPastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantação
Pastejo rotacionado 1: pontos críticos na implantação
 
Conservação do Solo
Conservação do SoloConservação do Solo
Conservação do Solo
 
Contours Global - PCH Nova Aurora
Contours Global - PCH Nova AuroraContours Global - PCH Nova Aurora
Contours Global - PCH Nova Aurora
 
Água potável nas fazendas e na nossa casa.
Água potável nas fazendas e na nossa casa.Água potável nas fazendas e na nossa casa.
Água potável nas fazendas e na nossa casa.
 
Plano para recuperação de drenados
Plano para recuperação de drenadosPlano para recuperação de drenados
Plano para recuperação de drenados
 
Edição 56 DO SERRANO ( ANO II)
Edição 56  DO SERRANO ( ANO II)Edição 56  DO SERRANO ( ANO II)
Edição 56 DO SERRANO ( ANO II)
 
Como fazer um minhocário campeiro
Como fazer um minhocário campeiroComo fazer um minhocário campeiro
Como fazer um minhocário campeiro
 
usos-multiplos-da-agua-na-bacia-do-rio-guaribas-piaui
usos-multiplos-da-agua-na-bacia-do-rio-guaribas-piauiusos-multiplos-da-agua-na-bacia-do-rio-guaribas-piaui
usos-multiplos-da-agua-na-bacia-do-rio-guaribas-piaui
 
Sistemas agroflorestais em espaços protegidos
Sistemas agroflorestais em espaços protegidosSistemas agroflorestais em espaços protegidos
Sistemas agroflorestais em espaços protegidos
 
Gestao Recursos Hídricos
Gestao Recursos HídricosGestao Recursos Hídricos
Gestao Recursos Hídricos
 
Tanques p peixes embrapa
Tanques p peixes embrapaTanques p peixes embrapa
Tanques p peixes embrapa
 
Micro zoneamento agro-climatico para a cultura de mandioca em moçambique
Micro zoneamento agro-climatico para a cultura de mandioca  em moçambiqueMicro zoneamento agro-climatico para a cultura de mandioca  em moçambique
Micro zoneamento agro-climatico para a cultura de mandioca em moçambique
 
Gota e gotinha
Gota e gotinhaGota e gotinha
Gota e gotinha
 
PROJETO VIVEIRO DE MUDAS - VEREDAS DO CERRADO - MANANCIAL DE VIDA
PROJETO VIVEIRO DE MUDAS - VEREDAS DO CERRADO - MANANCIAL DE VIDA PROJETO VIVEIRO DE MUDAS - VEREDAS DO CERRADO - MANANCIAL DE VIDA
PROJETO VIVEIRO DE MUDAS - VEREDAS DO CERRADO - MANANCIAL DE VIDA
 
18.ago ametista 12.15_261_edp
18.ago ametista 12.15_261_edp18.ago ametista 12.15_261_edp
18.ago ametista 12.15_261_edp
 
18.ago ametista 12.15_261_edp
18.ago ametista 12.15_261_edp18.ago ametista 12.15_261_edp
18.ago ametista 12.15_261_edp
 

Mais de kiwidaiquiri

Guia Conservas
Guia ConservasGuia Conservas
Guia Conservas
kiwidaiquiri
 
Caldinho De FeijãO
Caldinho De FeijãOCaldinho De FeijãO
Caldinho De FeijãO
kiwidaiquiri
 
Conheca Gorduras
Conheca GordurasConheca Gorduras
Conheca Gorduras
kiwidaiquiri
 
Berinjela Ao Molho Branco Ligh
Berinjela Ao Molho Branco LighBerinjela Ao Molho Branco Ligh
Berinjela Ao Molho Branco Lighkiwidaiquiri
 
Foie
FoieFoie
Recietas Doces Da Galaxia Alfa
Recietas Doces Da Galaxia AlfaRecietas Doces Da Galaxia Alfa
Recietas Doces Da Galaxia Alfa
kiwidaiquiri
 
Salada De Figo
Salada De FigoSalada De Figo
Salada De Figo
kiwidaiquiri
 
Salada Quinua
Salada QuinuaSalada Quinua
Salada Quinua
kiwidaiquiri
 
Metabolismo Nutricao
Metabolismo NutricaoMetabolismo Nutricao
Metabolismo Nutricao
kiwidaiquiri
 
Atum Grelhado
Atum GrelhadoAtum Grelhado
Atum Grelhado
kiwidaiquiri
 
Crocante Banana
Crocante BananaCrocante Banana
Crocante Banana
kiwidaiquiri
 
File Mignon
File MignonFile Mignon
File Mignon
kiwidaiquiri
 
Linguado Grelhado
Linguado GrelhadoLinguado Grelhado
Linguado Grelhado
kiwidaiquiri
 
Robalo E Vieiras
Robalo E VieirasRobalo E Vieiras
Robalo E Vieiras
kiwidaiquiri
 
Pratos Coloridos
Pratos ColoridosPratos Coloridos
Pratos Coloridos
kiwidaiquiri
 
Discos Chocolate
Discos ChocolateDiscos Chocolate
Discos Chocolate
kiwidaiquiri
 
LinhaçA E Quinoa
LinhaçA E QuinoaLinhaçA E Quinoa
LinhaçA E Quinoa
kiwidaiquiri
 
Petit Gateau
Petit GateauPetit Gateau
Petit Gateau
kiwidaiquiri
 
O Poder Curativo Do Mel E Da Canela
O Poder Curativo Do Mel E Da CanelaO Poder Curativo Do Mel E Da Canela
O Poder Curativo Do Mel E Da Canela
kiwidaiquiri
 
Papa Saladas
Papa SaladasPapa Saladas
Papa Saladas
kiwidaiquiri
 

Mais de kiwidaiquiri (20)

Guia Conservas
Guia ConservasGuia Conservas
Guia Conservas
 
Caldinho De FeijãO
Caldinho De FeijãOCaldinho De FeijãO
Caldinho De FeijãO
 
Conheca Gorduras
Conheca GordurasConheca Gorduras
Conheca Gorduras
 
Berinjela Ao Molho Branco Ligh
Berinjela Ao Molho Branco LighBerinjela Ao Molho Branco Ligh
Berinjela Ao Molho Branco Ligh
 
Foie
FoieFoie
Foie
 
Recietas Doces Da Galaxia Alfa
Recietas Doces Da Galaxia AlfaRecietas Doces Da Galaxia Alfa
Recietas Doces Da Galaxia Alfa
 
Salada De Figo
Salada De FigoSalada De Figo
Salada De Figo
 
Salada Quinua
Salada QuinuaSalada Quinua
Salada Quinua
 
Metabolismo Nutricao
Metabolismo NutricaoMetabolismo Nutricao
Metabolismo Nutricao
 
Atum Grelhado
Atum GrelhadoAtum Grelhado
Atum Grelhado
 
Crocante Banana
Crocante BananaCrocante Banana
Crocante Banana
 
File Mignon
File MignonFile Mignon
File Mignon
 
Linguado Grelhado
Linguado GrelhadoLinguado Grelhado
Linguado Grelhado
 
Robalo E Vieiras
Robalo E VieirasRobalo E Vieiras
Robalo E Vieiras
 
Pratos Coloridos
Pratos ColoridosPratos Coloridos
Pratos Coloridos
 
Discos Chocolate
Discos ChocolateDiscos Chocolate
Discos Chocolate
 
LinhaçA E Quinoa
LinhaçA E QuinoaLinhaçA E Quinoa
LinhaçA E Quinoa
 
Petit Gateau
Petit GateauPetit Gateau
Petit Gateau
 
O Poder Curativo Do Mel E Da Canela
O Poder Curativo Do Mel E Da CanelaO Poder Curativo Do Mel E Da Canela
O Poder Curativo Do Mel E Da Canela
 
Papa Saladas
Papa SaladasPapa Saladas
Papa Saladas
 

Nhoque Com Mandioquinha Salsa

  • 1. Edição 21 Sul Brasil Sexta-feira, 30 de maio de 2008 1 Chapecó, 17 de setembro de 2009 Tire suas Dúvidas Captação de água da chuva Ao Sul Brasil Rural: Li na internet, o artigo sobre de partículas intermediá- captação de água da chuva. Gostaria de saber se existe rias; um projeto ou implantação dessa técnica para proprie- - ltro para retirada de dade rural com pecuária, para fornecer água ao gado. partículas menores. Grata. 3 – Armazenagem – pode ES, proprietária rural no município de Icaraíma (PR) ser construído de diversas e trabalho com gado de cria e recria. maneiras dependendo da capacidade de investimento, do volume a ser armazena- S egundo o Geó- 2 - saber qual a área de do, mão-de-obra e materiais grafo da UFRGS captação em metros quadra- disponível; conhecimento Francisco Aqui- dos (m2) disponível na pro- técnico. no, ao analisar o históri- priedade (telhados). Sabe-se Alguns exemplos: co dos dados climáticos que cada milímetro de chuva - reservatórios escavados após a revolução industrial, precipitada por metro qua- e revestidos em PEAD – Po- pode-se armar que houve drado de área, corresponde lietileno de alta densidade; alterações climáticas sig- a um litro de água possível - caixa de água pré-fabri- nicativas. Carlos Nobre, de ser captada; cada de bra; pesquisador do INPE, diz 3 - estimar qual é a neces- - reservatório construído que em decorrência destas sidade de água para atender com a técnica de ferro-ci- alterações climáticas, a a demanda da propriedade. mento, entre outros. sociedade já está entrando Para tanto, deve-se saber: Independente do tipo em uma nova época – um - qual é o nº de animais adotado é importante que o período de adaptações, para e o consumo médio diário/ reservatório que bem fe- minimizar, o quanto possí- mensal de água por animal; chado com tampa/cobertura vel, o efeito destas altera- - qual o tempo se quer e tenha um monitoramen- ções climáticas. atender as necessidades dos to/tratamento da água para Uma dos efeitos diz res- animais/propriedade com a VISTA panorâmica de um sistema de captação e ltragem da água da chuva em uma ins- controle da qualidade. O re- talação rural peito ao ciclo da água, com água da chuva armazenada. servatório deve ter um “tubo alternância de períodos A partir da análise do ladrão” para o escoamento de excesso de chuva e de conjunto destas informa- de possíveis excessos. estiagens extremas. Re- ções e da capacidade de Não há um projeto es- centemente a região sul do investimento do agricultor, pecíco para gado de corte Brasil vivenciou estiagens é possível dimensionar o e sim os aspectos a serem prolongadas a ponto dos tamanho e o tipo de captação considerados e ajustados a agricultores não consegui- e do reservatório de água a cada situação. Para maiores rem alojar lotes de aves por ser construído. informações, consulte a falta de água. assistência técnica de seu A utilização de áreas de Sistema de Captação município; a edição nº 10 telhado de instalações e e armazenagem do encarte (www.ceo.udesc. residências das proprieda- br – Sul Brasil Rural) e/ou des rurais, para captação e Compõe-se das seguintes pelo email prcagna@hot- armazenagem da água da fazes: mail.com. chuva nos períodos favorá- 1 - Captação e transporte Vale lembrar a importân- veis é uma das intervenções da água – a captação é feita cia de preservar/recuperar possíveis para adaptar-se a com calhas, preferencial- as nascentes de água, mar- possíveis estiagens. mente cobertas com uma gens de cursos de água, topo tela (ltragem de resíduos de morro, encostas com alta Dimensionamento maiores). O transporte é declividade, entre outras feito por tubulação até o medidas importantes para Deve-se levar em consi- sistema de ltragem. preservação da quantidade deração alguns aspectos: 2- Sistema de ltragem e qualidade da água. 1 - saber a quantidade de – consiste em um conjunto chuva média mensal/anual montado em seqüência com- (milímetros de chuva) da posto de: Por região, (pode ser obtida em - caixa de descarga da Paulo Ricardo Ficagna um Posto Meteorológico primeira água da chuva (la- Professor ou assistência técnica da vagem do telhado); UMA das formas de armazenagem da água – reservatório escavado e revestido com manta Curso de Zootecnia de polietileno de alta densidade região); - pré-ltro para retirada UDESC-CEO
  • 2. Edição 21 Sexta-feira, 30 de maio de 2008 Sul Brasil 2 Chapecó, 17 de setembro de 2009 Encontro de Trabalhadores Planejamento é a base para a nutrição Rurais Indígenas adequada do rebanho E m Agosto de 2009 aconteceu o Encontro de Trabalhadores Rurais Indígenas na Terra Indígena Toldo Chimbangue – Chapecó, Pela acadêmica promovidos pelo Projeto Microbacias 2 e Instituto Maristela Bombana Goio-Em em parceria com Epagri. Houveram diversas Professor Orientador palestras sugeridas pelos próprios indígenas: Manejo Luis Henrique Farinatti no uso de agrotóxicos; Alternativas agroecologicas; Curso de Zootecnia Horta domestica; Destino do lixo domestico e Alter- UDESC – CEO nativas de produtos de limpeza. As atividades agrícolas são desenvolvidas por inúmeras famílias da Terra Indígena sejam em plan- O tações próprias ou como trabalhadores contratados pecuarista sabe é determinar os objetivos temporariamente em outras propriedades. Isto coloca que o alimento ligados as aptidões de cada os indígenas envolvidos em contato com as técnicas mais barato para propriedade. Por exemplo: convencionais de trabalhos agropecuários inclusive os bovinos é a pastagem, Realizar engorda de bovinos com manejo de agrotóxicos. porém há períodos do ano em solos com baixa fertili- Segundo Alexandre da Veiga, facilitador da Asso- que a pastagem ca escassa, dade e com isso não possuir engorda ou ciclo completo), nutricionais voltados para ciação de Desenvolvimento das Microbacias Terras madura ou seca e é nesta pastagens de boa qualidade raça dos animais, valores a realidade e objetivos da Indígenas (MB2), os índios tem pouco conhecimento época que o produtor pre- ou quantidade suficiente finais dos produtos (valor propriedade, levando em do perigo em manusear agrotóxicos, e também sobre cisa de uma boa estratégia para a atividade de engorda do leite, animais de recria), consideração o custo x be- alternativas agroecologicas, as quais podem substituir nutricional para passar este a pasto. realidade climática aliada à necio da atividade e, com os sistemas de produção convencionais. período sem prejudicar o Após a determinação dos qualidade e disponibilidade isso, planejar as tecnologias O encontro foi realizado a m de sensibilizar e es- estado nutricional do re- objetivos e aptidões é im- de forragens e capacidade de e manejos necessários para clarecer os indígenas no intuito de minimizar os efeitos banho. portante analisar: o perfil investimento desta proprie- cada categoria animal (nas- do uso de insumos agrícolas e diversicar as técnicas Para realizar a confecção tecnológico a ser adotado dade, entre outros. cimento a desmama, crias ou agropecuárias utilizadas nesta comunidade, resgatando, de um plano nutricional (intensivo, semi-extensivo Com a analise destas terminações) e períodos cli- de certo modo, a própria história deste povo. adequado para as proprie- ou extensivo), atividade da variáveis torna-se mais fácil máticos aliados a velocidade dades, o primeiro passo propriedade (cria, recria, a determinação de planos de produção desejada. Abelhas indígenas sem ferrão (ASF) Multiplicação de enxames por divisão Por Gustavo Krahl O primeiro fator a ser con- sença de no mínimo uma Acadêmico do Curso de Zootecnia siderado é que tribo pertence realeira e uma rainha no caso UDESC – CEO à família que será dividida. A de Trigonas. Remove-se o in- Orientador tribo Meliponini (Ex: Man- vólucro ao redor dos favos de Otaviano Carneiro da Cunha Neto daçaia e Uruçu) produz uma cria da colméia mãe, retira-se Médico Veterinário nova rainha a partir de uma entre 4 a 5 discos de cria nas- realeira (célula com maior centes (mais claros) inclusive espaço e alimento suciente o favo que possui a realeira e C om esta técnica escolhem o seu novo habitat). pode-se obter um Deve ser realizada no início para o desenvolvimento) e a coloca-se na nova colméia. número maior de do período de maior flora- diferenciação da rainha das O terceiro passo é colocar enxames sem depender da da, pela disponibilidade de demais operárias é apenas a colméia lha no lugar da enxameação natural e captura alimento e pela temperatura alimentar (consumo de geléia colméia mãe, e esta colocada através de isca (as abelhas favorável (primavera). real por toda a vida), para o a uns 10 a 20 metros, para que desenvolvimento e funcio- as campeiras entrem na nova namento do aparelho repro- caixa. Em melíponas apenas Expediente dutivo. Já a Trigonini (Jataí extrai-se 4 a 5 discos de cria Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC e Mirins), 25 % das abelhas nascentes sem se preocupar Centro de Educação Superior do Oeste – CEO que nascem são princesas, com a realeira e rainha. Organização: Prof.º: Paulo Ricardo Ficagna isto é, a diferenciação das Aconselha-se realizar revi- Endereço para contato: Rua Benjamin Constant, 84 E, Centro. CEP.:89.802-200 princesas e demais operárias sões periódicas nas colméias prcagna@hotmail.com é genética. que participaram do processo Telefone: (49) 3311-9300 O primeiro passo é esco- de divisão, e se for neces- Jornalista responsável: Juliana Stela Schneider REG. SC 01955JP lher um enxame forte, com sário fornecer alimentação Impressão Jornal Sul Brasil boa quantidade de alimento articial aos enxames fracos. fornecido em pequenos reci- garrafa pet com alguns gra- As matérias são de responsabilidade dos autores armazenado, grande número Esta alimentação pode ser o pientes colocados no interior vetos para facilitar o acesso de campeiras e com a pre- mel de abelha Apis melífera da colméia (Ex: tampas de das abelhas).
  • 3. Edição 21 Sul Brasil Sexta-feira, 30 de maio de 2008 1 Chapecó, 17 de setembro de 2009 Alternativas de renda para a Agricultura Familiar Mandioquinha-salsa Por plantas sadias e vigorosas 5. Pragas e Doenças Engº Agrº Santo Maso devem ser colocadas em As principais pragas po- Secretaria de Agricultura camalhões com altura de tenciais são as brocas, pul- (49)3329-5939 Chapecó-SC 30 a 40 cm; - espaçamento gões, lagartas e ácaros. entre linhas de 60 a 80 cm; As doenças mais comuns - espaçamento entre plantas são as murchadeiras (Sclero- Observação: Parte 2 de 35 a 40 cm, obtendo um tínia), podridões de raízes, e Esta é a continuação da matéria publicada na número de plantas (estande) doenças foliares. edição anterior (20ªed.) do dia 03 de setembro. de 31.000 a 44.000 plantas O agricultor deve estar por hectare. A formação atento, realizando o acompa- 3. Preparo do Solo, Ca- a 40 cm. A adubação pode das raízes inicia-se a partir nhamento e controle quando lagem e Adubação. ser com cama de aviário ou do segundo mês, indo até o ocorrer. Esta cultura é de ciclo lon- esterco de suínos curtidos, 4ª ou 5º mês. Deste pondo 6. Colheita go (a primeira colheita ocorre realizada com antecedência até 10º e 12º meses ocorre Normalmente inicia-se 12 meses após o plantio). Não observando a análise de solo. o engrossamento da raiz, entre o 10º ao 12º meses após tolera solo encharcado, muito Não se recomenda o plantio portanto é o período crítico o plantio, porém a cultura argiloso e com pouca profun- em áreas com safra anterior MANDIOQUINHA-SALSA in natura da cultura. Qualquer estresse pode car no campo até o didade, sendo recomendado de fumo ou feijão, porque são que ocorrer neste período, 14º ao 16º meses à espera a textura média, boa drena- culturas hospedeiras de um correção do solo com cal- ver excesso de calcário pode principalmente falta de água, de melhores preços. A pro- gem e boa profundidade. O fungo causador da murcha de cário é necessária e deve ser ocorrer a sarna das raízes. pode comprometer o tama- dutividade espera da cultura preparo do solo deve ser em sclerotínia, doença comum feita rigorosamente de acordo 4. Plantio da Muda nho e o diâmetro das raízes varia de 20 a 25 toneladas camalhões com altura de 30 na mandioquinha-salsa. A com análise do solo. Se hou- As mudas originárias de comerciais. por hectare. Utilização de uréia na alimentação animal Espaço cultural Nossa Mente e Coração são como a Terra Fértil Em uma terra fértil, tudo que se planta dá. Quando se planta alimento, alimento colherá. Flores semeadas, estas orescerão, alpiste plantado, cabelo germinado Com a mente e o coração é algo parecido, São como a terra fértil. Pensamentos e emoções são as sementes. Por Pensar e sentir Paulo Vitor Valentini é semear na mente e no coração. Zootecnista É melhor andar em um caminho... paulovvalentini@yahoo.com.br ...com cores vivas, ...perfume no ar, ...boa água para beber, A utilização de fontes alternativas ...alimento farto, de proteína na alimentação de ...inspiração e força para o trabalho, ruminantes tem se mostrado uma ...e com uma família para aquecer o coração. excelente opção para o enriquecimento de alimentos pobres em proteína, principalmente em épocas de estiagem. A uréia destaca-se como fonte de nitrogênio não protéico de tec- CABEÇA de nologia simples e baixo custo. Ela é composta FORNECIMENTO de cana com uréia aos animais boneco feita de por aproximadamente 45% de N (nitrogênio), meia e preenchi- o qual os microorganismos do rúmen conver- neira equivocada pode causar intoxicações. no rúmen e supre aminoácidos essenciais. Po- da com semen- ter em proteína de boa qualidade. Recomenda-se misturar de forma homogênea dem ser diluídos 900 gramas de Uréia + 100 tes de alpiste por Devido a sua baixa aceitação pelos ani- aos alimentos. Além disso, é aconselhável gramas de uma fonte de enxofre em 4 Kg de crianças de 2,5 a mais, a uréia pode ser fornecida em diferentes não fornecer mais que 40 gramas de uréia água, quando adicionados na cana de açúcar, 3,5 anos. sistemas de alimentação: associada ao sal por 100 quilos de peso vivo por animal/dia, capim picado ou silagem. mineral; sal proteinado; cana-de-açúcar; ca- após adaptação. A uréia, quando utilizada adequadamente, pim picado; silagem e concentrados, dentre Uma fonte de enxofre, como o sulfato de pode ser uma alternativa para evitar perdas de outros. cálcio ou amônia, junto à uréia, é importante, peso dos animais no período seco e também Por Paulo Ricardo Ficagna Seu fornecimento em excesso ou de ma- pois melhora a síntese de proteína microbiana manter e/ou estimular a produção de leite. Setembro/2009
  • 4. Edição 21 Sexta-feira, 30 de maio de 2008 Sul Brasil 4 Chapecó, 17 de setembro de 2009 Previsão do Tempo Receita Indicadores Na quinta-feira: do Oeste ao Planalto Sul previsão Nhoque com de sol com chuva no início do dia e nal do dia e possibilidade de trovoadas isoladas com descargas Mandioquinha-Salsa elétricas, granizo e rajadas de vento. Ingredientes: Na sexta-feira: o tempo ca instável com chuva em todas as regiões com risco de temporais 1 kg de mandioquinha-salsa; isolados. 4 gemas de ovo; Sábado: o tempo volta a car estável com sol no 4 colheres de manteiga (sopa); nal de semana em todas as regiões do estado. As 2 chícaras de farinha de trigo; temperaturas caram estáveis devido a cobertura 2 colheres de óleo (sopa); de nuvens e a chuva, sendo que a partir de sábado as temperaturas diminuem. 50 gramas de queijo parmesão e sal a gosto; Tendência: 20 a 30/09/09 Modo de Preparo Este período deve seguir com chuvas freqüentes - Descascar e cozinhar a mandioquinha-salsa; em SC, alternando com 1 a 3 dias de período de - Amassar como preparo de purê; melhoria. Pode voltar a ocorrer eventos de chuva forte com temporais e ventos fortes no estado - Adicionar em seguida: as gemas, manteiga, devido a proximidade da estação da primavera e sal e farinha de trigo, acrescentando mais se também por inuência do fenômeno El Niño (mais necessário para encontrar o ponto para enrolar detalhes no link Clima na página do Ciram). O mês a massa; de setembro vai se congurando como chuvoso e - Enrolar em tiras, cortando em pedaços, deve terminar com chuvas bem acima da média no estado. formando os nhoques; Início da Primavera:21 de setembro 14:47h - Mergulhar os nhoques aos poucos em água fervendo com óleo, retirando-os quando vierem à superfície; Fonte: - Retirar com uma escumadeira, deixando-os Epagri/Ciram Setor de Previsão de Tempo e Clima. escorrer e coloque-os em vasilha refratária; - Cobrir a gosto com molho de tomate e carne moída; - Polvilhe o queijo parmesão e leve ao forno A UDESC-CEO e o para gratinar. Fonte JORNAL SUL BRASIL Emater-RS desejam aos leitores um bom início de ►Agenda PRIMAVERA - 12 a 20/09 – Acampamento da Semana Farropilha – Pátio do Mercado Público Regional – Chapecó. Espaço do Leitor - 23 e 24/09 – Simpósios Paranaense de Ovinocultura, Caprinocultura. – Informações: (41) 3350-5709 www.lapoc.ufpr.br Este é um espaço para você leitor (a).Tire suas dúvidas, critique, opine, envie textos para - 25/09 – Roda De Viola - Restaurante Bom Sabor II publicação, divulgue eventos, escrevendo para: – anexo ao Mercado Público Regional, com Jantar a Fontes: SUL BRASIL RURAL partir das 20 horas / Chapecó 8822-5178 (Mari) Instituto Cepa/SC – dia 16/09 A/C UDESC-CEO 1 Cooperativa Alfa/Chapecó Rua Benjamin Constant, 84E - 26/09 – Projeto Viola na Feira – Feira Livre 2 Ferticel/Coronel Freitas. Calçadão – Centro. Antônio 8811-5946 Centro. Chapecó-SC 3 Feira Municipal de Chapecó (Preço médio) CEP.: 89.802-200 - 05 a 08/10 – VI Congresso de Meio Ambiente Obs.: valores sujeitos a alterações. prcagna@hotmail.com – Universidade Federal de São Carlos/SP. www. Leia também em formato colorido: Publicação Quinzenal ambiente-augm.ufscar.br www.ceo.udesc.br Próxima Edição – 1 de outubro www.jornalsulbrasil.com.br