CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA NO PROCESSO DE INCLUSÃO
                      ESCOLAR DO DEFICIENTE INTELECTUAL

“A educação é...
que se encontram permanente ou temporariamente incapacitados pelos mais
diversos motivos, a agir e a interagir com autonom...
saúde, lazer, trabalho. Incluir implica acolher a todos os membros de um dado
grupo, independentemente de suas peculiarida...
O apoio às escolas com intervenções, mediações através de
acompanhamento, orientação e palestras junto a toda rede que com...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Artigo

2.099 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.099
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artigo

  1. 1. CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA NO PROCESSO DE INCLUSÃO ESCOLAR DO DEFICIENTE INTELECTUAL “A educação é também onde decidimos se amamos nossas crianças o bastante para não expulsá-las de nosso mundo e abandoná-las a seus próprios recursos e tampouco, arrancar de suas mãos a oportunidade de empreender alguma coisa nova e imprevista para nós, preparando-as, em vez disso e com antecedência, para a tarefa de renovar um mundo comum”. Hanna Arendt 1 Débora Maturana Fiorin 2 Verônica Schweig Filippin Falar sobre a questão da inclusão, em especial, quando se trata da inclusão de pessoas com deficiência intelectual é um grande desafio. Desafio este não somente para os pais, professores e demais profissionais que atuam com este público, uma vez que existem ainda muitos estigmas e preconceitos em torno deste tema. No entanto, perante a complexidade do contexto apresentado, provindo da atual demanda social, a psicologia ocupa um espaço na mediação e na interlocução de saberes, situações e circunstâncias muitas vezes desafiadoras, quando se trata da inclusão do deficiente intelectual nas escolas de ensino regular. A inclusão é um processo amplo que visa à adequação da sociedade às necessidades de seus membros, onde exige uma mudança no modo de pensar e de agir de todos os sujeitos que compõe o campo social. No transcurso histórico da sociedade, nunca o termo “inclusão” esteve tão em evidência. políticas públicas, formação de profissionais e uma acentuada discussão sobre o tema, foram alguns dos elementos trazidos à pauta da sociedade das últimas décadas do século XX e princípio do século XXI. Do verbo incluir, a palavra inclusão provém do latim includere, que significa conter em, compreender, fazer parte de, ou participar de. De acordo com Mantoan (2000), Doutora em Psicologia Educacional, “a inclusão é, portanto, um conceito revolucionário, que busca remover as barreiras que sustentam a exclusão em seu sentido mais lato e pleno. Aplica-se a todos os 1 Psicóloga da APAE – Ijuí/RS, Especialista em Intervenções Psicossociais 2 Psicóloga da APAE – Ijuí/RS 1
  2. 2. que se encontram permanente ou temporariamente incapacitados pelos mais diversos motivos, a agir e a interagir com autonomia e dignidade no meio em que vivem”. Atualmente, a questão amplamente discutida diz respeito à inclusão do deficiente intelectual. Conforme definido no documento Diretrizes Nacionais da Educação Especial na Educação Básica (Parecer CNE/CEB 17/2001), considera- se educandos com necessidades educacionais especiais os que, durante o processo educacional, apresentarem: (a) dificuldades acentuadas de aprendizagem ou limitações no processo de desenvolvimento que dificultem o acompanhamento das atividades curriculares, relacionadas a condições, disfunções, limitações ou deficiências; ou àquelas não vinculadas a uma causa orgânica específica; (b) dificuldades de comunicação e sinalização diferenciadas dos demais alunos, demandando a utilização de linguagens e códigos aplicáveis e (c) altas habilidades/superdotação, grande facilidade de aprendizagem que os leve a dominar rapidamente conceitos, procedimentos e novos repertórios comportamentais. (ROSSIT E ZULIANI, 2003) No entanto, é fato conhecedor das instituições de ensino que a educação inclusiva é uma prática mundialmente difundida em diversos países, incluindo o Brasil. Em documento firmado em 1994 na Declaração de Salamanca foi consolidado um compromisso de fazer desse ideal uma realidade até 2010. Em assembléia, o Banco Mundial e a ONU em conjunto com delegados de 92 governos e 25 organizações internacionais estiveram reunidos para reconhecer a necessidade de organizar uma educação para crianças, jovens e adultos com necessidades especiais, dentro de uma perspectiva de ensino regular. Nesse sentido, a Declaração de Salamanca convocou todos os órgãos, federais, estaduais ou municipais, para uma ação que gere qualidade no ensino a todo e qualquer sujeito. Segundo a mesma, quanto a escolarização, “terão de incluir-se crianças com deficiência ou sobredotados, crianças da rua ou crianças que trabalham, crianças de populações remotas ou nômades, crianças de minorias linguísticas, étnicas ou culturais e crianças de áreas ou grupos desfavorecidos ou marginais”. (DECLARAÇÃO DE SALAMANCA, p. 6, 1994) Mas como bem aponta Mantoan, incluir não é simplesmente inserir uma pessoa na sua comunidade e nos ambientes destinados à sua educação, 2
  3. 3. saúde, lazer, trabalho. Incluir implica acolher a todos os membros de um dado grupo, independentemente de suas peculiaridades, é considerar que as pessoas são seres únicos, diferentes uns dos outros e, portanto, sem condições de serem categorizados. Porém, diante dessas colocações, vem um questionamento. E a psicologia, o que tem feito para contribuir com a educação inclusiva? Nesse contexto, o Conselho Federal e Conselhos Regionais de Psicologia escolheram para 2008, a educação como tema gerador para repensar as contribuições da psicologia nessa área. Com o título “Educação para Todos”, o jornal do Conselho Regional de Psicologia – CRP 07- enfatizou o compromisso dos psicólogos em auxiliar para que realmente a educação se consolide em uma ação inclusiva e, o respeito à diversidade se constitua como eixo norteador da mesma. No entanto, às vésperas desse acontecimento, nos interrogamos quanto às nossas escolas, se estas estão preparadas, ou ao menos, se mobilizando para esse processo. De acordo com Rossit e Zuliani, o tema da inclusão, que vem sendo discutido e estudado nos últimos anos, prevê mudanças e transformação não somente na estrutura da escola, mas também, e principalmente, na formação e capacitação dos profissionais que irão atuar neste processo. Assim, a modernização da escola requer o aprimoramento dos conhecimentos e das práticas pedagógicas para que o atendimento educacional possa ser oferecido “a todos”, principalmente àqueles que apresentam necessidades especiais. (ROSSIT E ZULIANI, 2003) A psicologia tem fornecido importantes contribuições às instituições de ensino. Geralmente, as queixas escolares estão direcionadas às dificuldades de aprendizagem e de comportamento as quais em alguns momentos necessitam da intervenção desse profissional. No entanto, diante do contexto da inclusão, alguns desafios tem se colocado tanto às famílias, quanto àqueles profissionais que trabalham com as crianças com deficiência intelectual. Como lidar com essa criança? O que o professor pode fazer para auxiliar no seu aprendizado? Esses são alguns dos questionamentos que tem se apresentado com freqüência nos discursos escolares. 3
  4. 4. O apoio às escolas com intervenções, mediações através de acompanhamento, orientação e palestras junto a toda rede que compõe a escola são algumas das ações possíveis do psicólogo. Quanto à inclusão do deficiente intelectual, o psicólogo pode auxiliar na mediação desse processo, permitindo que ele não apenas se adapte ao novo ambiente físico e social, mas que se sinta acolhido e que possa ocupar um lugar de sujeito, de aluno, colega, ou seja, um lugar de produção de sua autonomia e de reconhecimento. Contudo, sabemos da angústia do meio escolar quanto à inclusão dessas crianças e jovens. A partir disso, consideramos essencial que as escolas possam desenvolver espaços de fala, debate e produção, o que possibilitaria que o grupo desenvolve-se ações em conjunto e compartilhasse suas dúvidas, com o intuito de encontrar as alternativas que favoreçam ambas as partes, ou seja, a escola enquanto instituição e o aluno enquanto sujeito. REFERÊNCIAS: Declaração de Salamanca e enquadramento da acção na área das necessidades educativas especiais. Salamanca: UNESCO, 1994, disponível em <http//:. www.portal.mec.gov.br >. Acesso em 01 fev. 2009. Conselho Regional de Psicologia 7º Região. Jornal Informativo Entre Linhas. Porto Alegre: CRP 07, ano IX, nº 45, 2008. MANTOAN. Maria Teresa Eglér. O verde não é o azul listado de amarelo: considerações sobre o uso da tecnologia na educação/reabilitação de pessoas com deficiência. Rio de Janeiro: INES, 2000, disponível em <http//:. www.bancodeescola.com>. Acesso em 01 fev. 2009. ROSSIT, Rosana Aparecida Salvador. ZULIANI, Giovana. Repertórios acadêmicos básicos para pessoas com necessidades especiais. In: Revista em Psicologia da Sociedade Brasileira em Psicologia. São Paulo: Sociedade Brasileira de Psicologia, 2003 V. 11 nº 2. 4

×